SINDICATO DOS JORNALISTAS NO ESTADO DO PARÁ ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADE DO SINDICATO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINDICATO DOS JORNALISTAS NO ESTADO DO PARÁ ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADE DO SINDICATO"

Transcrição

1 SINDICATO DOS JORNALISTAS NO ESTADO DO PARÁ ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADE DO SINDICATO ART. 1º- O Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará (SINJOR-PA), CNPJ nº /000189, fundado em 17/11/1950, sediado na cidade de Belém, Estado do Pará, cita-se, Rua Diogo Móia, 986, Bairro Umarizal, CEP: , Belém-PA, com jurisdição em todo Estado do Pará é uma entidade autônoma, desvinculada do Estado, sem fins lucrativos e com tempo indeterminado de duração, que visa à defesa dos direitos e interesses coletivos ou individuais da categoria dos trabalhadores, profissionais jornalistas, (empregados, servidores, temporários, cedidos), inclusive em questões judiciais ou administrativas, independentemente das suas convicções políticas partidárias e religiosas junto aos órgãos administrativos, judiciais, e demais entes de direito público e privado. Parágrafo Único: Compreende-se como profissional jornalista para efeito desse regimento, os profissionais empregados, servidores públicos ou não, que exercendo as atividades inerentes à profissão, na forma da Lei e suas alterações, laboram ou prestam seus serviços para empresas privadas, ou serviço público, assim como para demais entes de direito público ou privado que faça uso da atividade profissional, independentemente de sua atividade preponderante. ART. 2º- O Sindicato tem como finalidade: a) Unir todos os trabalhadores da base, na luta em defesa de seus interesses imediatos e futuros; b) Desenvolver atividades na busca de soluções para os problemas da categoria, tendo em vista a melhoria de suas condições de vida e trabalho; c) Organizar, representar e defender jurídica e socialmente, os trabalhadores vinculados aos Órgãos e Entidades supracitados no que tange à valorização profissional, à estabilidade e à preservação da dignidade dos membros da categoria; d) Incentivar o aprimoramento cultural, intelectual e profissional do conjunto dos trabalhadores de base; e) Manter contatos e intercâmbio com as entidades congêneres, sindicais ou não, em todos os níveis, desde que preservados os objetivos gerais fixados por este Estatuto; f) Prestar apoio e assistência aos associados do Sindicato; g) Promover congressos, seminários, assembleias e outros eventos para aumentar o nível de organização e conscientização da categoria, assim como participar de eventos intersindicais e de outros fóruns; 1

2 h) Implementar a formação política e sindical de novas lideranças da categoria; i) Representar perante as autoridades governamentais e judiciárias os interesses da categoria; j) Celebrar convenções e acordos coletivos de trabalho; k) Estimular a organização da categoria nos locais de trabalho; l) Colaborar com o Estado, como órgão técnico e consultivo, no estudo e solução dos problemas que se relacionam com a respectiva categoria. CAPÍTULO II DOS SÓCIOS, DA ADMISSÃO, DOS DIREITOS E DEVERES, DEMISSÃO E EXCLUSÃO ART. 3º - Terão garantido o direito de se associarem ao Sindicato todos os trabalhadores (empregados, servidores, temporários e cedidos) das Empresas, Órgãos e Entidades, mencionado no caput do art. 1º e que compõem a base sindical da entidade nas cidades do Estado do Pará. PARÁGRAFO PRIMEIRO: Aos aposentados, ficam reservados os mesmos direitos de representação dos associados trabalhadores, a contar de sua adesão como filiado, junto a esta entidade representativa, ficando defeso, para este, a apresentação de candidatura a cargo eletivo junto à entidade sindical, no caso de inobservância as condições dispostas no art. 8º, VII, da Constituição Federal. PARÁGRAFO SEGUNDO: Aos aposentados que ao tempo de sua inativação perfizeram o tempo mínimo de 5 (cinco) anos como filiado da entidade, ficará assegurado o direito à redução da contribuição associativa, tendo como alíquota o percentual de 1% (um por cento) incidente sobre o vencimento-base da aposentadoria, desde que comprovem a referida situação. A solicitação de redução deverá ser submetida à apreciação da Diretoria Executiva da entidade, sendo defeso o pagamento retroativo, diga-se restituição, para período anterior à apresentação do requerimento junto ao SINJOR. ART. 4º - São direitos dos Associados do Sindicato: a) Participar de todas as reuniões e atividades convocadas pela entidade; b) Gozar das vantagens e serviços oferecidos pela entidade; c) Requerer à Diretoria a convocação de assembleias extraordinárias, mediante apresentação de abaixo-assinado com no mínimo 30% (trinta por cento) do quadro associativo, sendo este representado por aqueles que se encontram em dias com as suas obrigações junto à agremiação; 2

3 d) Recorrer a todas as instâncias da entidade preferencialmente por escrito, solicitando qualquer medida que entenda apropriada, tanto em relação à conduta e à postura dos direitos e deveres do Sindicato, quanto em relação às próprias atividades pela entidade; e) Requerer todos os benefícios e direitos gerados por este estatuto; f) Utilizar de todas as dependências do Sindicato previstas no Estatuto; g) Participar do processo eletivo para composição do Quadro de Direção desta entidade, observada as exigências deste Estatuto, votando ou sendo votado, ficando para isso, condicionada a participação eleitoral, no direito a voto, desde que, conjuntamente tenha no mínimo 6 (seis) meses de filiação e 12 (doze) meses de efetivo serviço junto à categoria representada por essa entidade sindical. E, para ser votado, concomitantemente, 6 (seis) meses de filiação e 24 (vinte e quatro) de efetivo serviço na categoria; h) Propor mudanças nas disposições estatutárias, mediante assinatura de um mínimo de 30% (trinta por cento) dos associados, observadas as exigências contidas na parte final do art. 4º, alínea c do presente Estatuto. ART. 5º - São deveres dos Associados do Sindicato: a) Cumprir e fazer cumprir este Estatuto; b) Estar sempre quites com as suas obrigações financeiras com a entidade; c) Comparecer a todas as reuniões, órgãos e instâncias do Sindicato a qual faz parte; d) Dar conhecimento, preferencialmente por escrito, à Diretoria do Sindicato de toda e qualquer ocorrência que possa prejudicar a entidade, zelando pelo seu patrimônio, seus serviços e pelo bom nome do Sindicado; e) Manter atualizado dados cadastrais, quanto à mudança de emprego, assim como a ruptura do liame empregatício ou institucional com o poder público, ou demais afastamentos, devendo este ser realizado por escrito junto à entidade. Parágrafo primeiro: Os membros da categoria, associados, contribuirão mensalmente com o percentual de 1% (um por cento) incidente sobre o valor do vencimento básico, devendo este ser consignado em folha de pagamento e posteriormente depositado na conta do sindicato; Parágrafo segundo: Os membros da categoria associados, que não tiverem sendo descontados, deverão quitar os seus compromissos diretamente com a Secretaria da entidade, por meio de boleto bancário 3

4 ou débito automático, ficando defeso a participação no processo eletivo, como eleitor e candidato, caso não comprovem a quitação das contribuições assistências; Parágrafo terceiro: Os associados que se encontrarem desempregados, entendidos como tal aqueles que não estejam exercendo nenhuma atividade remunerada, mesmo em outra profissão, com ou sem vínculo empregatício, ou sob licença previdenciária, terão isenção da mensalidade sindical por um período de seis meses, desde que apresentem documentos comprobatórios e solicitação por escrito à Diretoria do SINJOR-PA; Parágrafo Quarto: A solicitação a que se refere o parágrafo anterior deverá ser submetido à avaliação da Diretoria Executiva da organização, onde esta emitirá parecer, devidamente motivado, onde consignará as razões do acatamento ou não do pedido formulado; Parágrafo Quinto: A concessão a que se refere o parágrafo terceiro deste artigo poderá ser objeto de renovação a cada seis meses, condicionada a sua concessão a comprovação da inalterabilidade da situação anterior e observada as exigências de aferição consignadas no parágrafo anterior. Parágrafo Sexto: Todo associado pode pedir a licença ou desfiliação do Sindicato a qualquer tempo, tendo para isso que enviar solicitação por escrito à Diretoria do Sinjor. Parágrafo Sétimo: O deferimento do pleito acarretará a suspensão da cobranças das mensalidades sindicais, assim como dos serviços disponibilizados pelo Sindicato aos associados. Art. 6º: Os associados estão sujeitos às seguintes penalidades: I - Advertência; II - Suspensão; III - Exclusão. Parágrafo Primeiro: As penas serão aplicadas ao associado pela Diretoria, após prévio referendo da Assembleia Geral sempre cabendo recurso, quando o associado: a - Desacatar as decisões emanadas nas assembleias gerais e da Diretoria; b - Tiver comprovada má conduta profissional; c- Tiver cometido falta grave contra o patrimônio moral ou material do Sindicato; d - Agir contra os interesses da categoria ou tomar qualquer 4

5 deliberação que comprometa os princípios éticos da profissão e o processo de luta da categoria e dos trabalhadores. Art. 7º - Será excluído do quadro social o associado que: I - Sem motivo justificado e encaminhado à Diretoria por escrito, atrasar em mais de três meses o pagamento de suas mensalidades; II - Se afastar do exercício profissional por mais de dois anos consecutivos. Art. 8º - Os excluídos por falta de pagamento poderão reingressar no Sindicato desde que liquidem, previamente, os seus débitos e satisfaçam as exigências da apresentação dos documentos necessários à filiação. Os excluídos por afastamento por mais de dois anos da profissão poderão reingressar no Sindicato desde que comprovem o retorno as atividades profissionais. Nos demais casos, a juízo da Assembleia Geral em decisão tomada por maioria absoluta de votos em relação de eleitores, recebendo, então, novo número de matrícula. ART. 9º - São Órgãos do Sindicato: a) Assembleia Geral b) Diretoria Executiva c) Conselho Fiscal CAPÍTULO III DOS ÓRGÃOS DO SINDICATO SEÇÃO I DAS ASSEMBLEIAS GERAIS DA CATEGORIA ART. 10º - A Assembleia Geral é soberana em todas as suas resoluções, desde que não contrarie as disposições do presente Estatuto, sendo sua composição constituída de associados, em pleno gozo de seus direitos estatutário, conforme as regras estatuídas por este regimento, e poderão ser em caráter ordinário e extraordinário. Parágrafo Único: A Assembleia Geral reunir-se-á anualmente no mês de janeiro, em caráter ordinário, e, extraordinariamente a qualquer tempo quando convocada pela Diretoria ou por solicitação dos associados observadas as condições descritas no artigo 5º, alínea c deste Estatuto. 5

6 ART. 11º - Compete à Assembleia Geral da categoria: I) Analisar e aprovar todos os planos de desenvolvimento das campanhas e das políticas definidas pela entidade; a) Autorizar a oneração de bens móveis e imóveis da entidade, sempre com a finalidade de cumprir objetivos fixados pelo presente Estatuto; b) Apreciar e votar os atos e decisões tomadas pela Diretoria Executiva e pelo Conselho Fiscal; c) Aprovar a pauta de reivindicações e determinar o plano de ação para as campanhas salariais - sejam elas em datas-base ou fora delas; d) Julgar todos os atos e pedidos de punição da Diretoria Executiva e dos membros do Conselho Fiscal; e) Eleger a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal; f) Propor, por deliberação e manifestação de 1/3 dos associados, reformas nas disposições estatutárias; g) apreciação e votação, até o último dia útil do mês de abril, do Balanço Financeiro e do Balanço Patrimonial do exercício anterior, com respectivos pareceres do Conselho Fiscal; h) Decidir sobre a alienação de títulos de renda e dos bens imóveis do Sindicato i) Alterar o presente estatuto, sendo necessário o voto concorde de 2/3 dos associados; j) Extinguir o Sindicato, sendo necessário o voto de 2/3 dos associados presentes na assembléia, neste caso seu patrimônio será doado a outra entidade congênere. k) Aprovar as contas da Diretoria, mediante parecer do Conselho Fiscal; Parágrafo 1º - As Assembleias Ordinárias ocorrerão, no mínimo, 1 (uma) vez por ano, sempre no mês de janeiro, podendo ser transferida para mês posterior, por deliberação de 1/3 de seus membros, e, as extraordinárias sempre que se fizer necessário; Parágrafo 2º - As Assembleias Ordinárias deliberarão sobre assuntos para qual foram convocadas, podendo ainda, deliberar sobre assuntos não constantes na ordem do dia, por decisão de 50% (cinquenta por cento) mais 1 (um) dos presentes, caso venha tratar-se de questões supervenientes ocorridas após a convocação e antes de sua realização, mas que por sua relevância e urgência imprimem o poder de decisão ligada à competência da Assembleia Geral; Parágrafo 3º- A Assembleia Extraordinária somente poderá deliberar sobre os assuntos para as quais foi convocada, salvo situações de extrema excepcionalidade, por fatos e razões ocorridos, entre a data de convocação e a sua realização, submetido previamente a 6

7 manifestação dos presentes na forma como disposto no parágrafo anterior; Parágrafo 4º- As deliberações das Assembleias Gerais serão sempre tomadas por maioria simples de votos em relação ao total de associados quites, em primeira convocação e em segunda convocação uma hora após, com qualquer número de associados presentes, caso frustrada a primeira convocação por falta de quórum, observadas as exceções previstas neste Estatuto; ART. 12º - Não poderão votar nas Assembleias, quando essas tratarem de assuntos relacionados com as suas atividades, os membros da Diretoria Executiva do Sindicato e do Conselho Fiscal. ART. 13º- As Assembleias Gerais Extraordinárias poderão ser convocadas: a) Pela Diretoria Executiva do Sindicato; b) Por solicitação devidamente fundamentada dos associados, observado o que dispõe o art. 5º, alínea c deste Estatuto; c) Pelo Conselho Fiscal, para trato de assuntos de área de atividade. Parágrafo Primeiro: As Assembleias Gerais Ordinárias e Extraordinárias convocadas, por qualquer das instâncias previstas anteriormente, deverão ser amplamente divulgadas pela Diretoria Executiva do Sindicato por meio dos seus boletins e outros meios de comunicação na sua base sindical; Parágrafo Segundo: A reunião, mencionada no parágrafo primeiro do presente artigo, realizar-se-á no prazo mínimo de 10 (dez) dias e no máximo de 30 (trinta) dias, da data de sua convocação. SEÇÃO II DA DIRETORIA SINDICAL ART. 14º - A Diretoria Executiva é o órgão executivo do Sindicato, sendo eleita pelo voto direto e secreto de todos os associados em dia com seus direitos, com duração de 3 (três) anos de mandato, sendo permitida a reeleição para qualquer cargo. ART. 15º - São os seguintes os cargos que compõem a Diretoria Executiva: a) Diretor-Presidente; b) Vice-Presidente; 7

8 c) Secretário Geral; d) 1º Tesoureiro; e) 2º Tesoureiro; f) 1º Secretário do Interior; g) 2º Secretário do Interior h) 1º Secretário de Mobilização e Formação Sindical; i) 2º Secretário de Mobilização e Formação Sindical; j) 1º Secretário de Sindicalização, Registro e Fiscalização do Exercício Profissional; k) 2º Secretário de Sindicalização, Registro e Fiscalização do Exercício Profissional; l) Primeiro Suplente; m) Segundo Suplente; n) Terceiro Suplente; o) Delegado junto ao Conselho de Representantes da Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ), composta de 1 (um) membro titular e 1 (um) suplente; Parágrafo Primeiro: Além dos cargos previstos no parágrafo anterior compõe também a Diretoria: a) Diretorias Regionais; b) Comissões Diretivas, compostas estas das seguintes pastas: b.1) Comissão de Comunicação, Evento e Cultura, composta de 3 (três) membros; b.2) Comissão de Ética e Liberdade de Imprensa, composta por 5 (cinco) membros titulares, e até cinco suplentes, com mandato coincidente com o da sua Diretoria, eleitos pelo voto direto, secreto e universal na mesma eleição que escolher os dirigentes, membros do Conselho Fiscal e Delegadosrepresentantes junto à FENAJ; c) Diretoria Plena. Parágrafo Segundo: Os três suplentes da Executiva sucederão os seus membros no caso de vaga, na ordem dos cargos, e os substituirão no caso de ausência e impedimentos e, quando não estiverem sucedendo ou substituindo, poderão participar das reuniões com direito a voz, sendo possível atribuir-lhes funções de coordenações de campanhas específicas. Parágrafo Terceiro: Os membros de cada um dos Departamentos previstos na alínea b do parágrafo primeiro deste artigo elegerão entre si um coordenador, o qual terá como atribuição coordenar as respectivas atividades, promovendo reuniões com seus membros para planejar e executar suas atribuições. ART. 16º - Além desses cargos, a Diretoria Executiva poderá criar núcleos internos na entidade para aglutinar os trabalhadores em 8

9 função das suas especificidades, por áreas de trabalho, por assuntos de interesse, etc. ART. 17º - No impedimento do exercício do mandato sindical de qualquer membro da Diretoria Executiva e de seu substituto assumirá as suas funções o seu suplente. ART. 18º - Na hipótese de renúncia coletiva dos membros da Diretoria Executiva do Sindicato e na ausência de seus suplentes legais para assumirem os mandatos, a Direção da entidade ficará a cargo do Conselho Fiscal que deverá observar as condições dispostas neste regimento assim como tomar as decisões que se reputam necessárias em vista da continuidade atendidos os fins do SINJOR-PA, e até ulterior escolha da Comissão a que se refere o parágrafo único deste artigo. PARÁGRAFO ÚNICO: O Conselho Fiscal convocará imediatamente uma Assembleia Geral Extraordinária para constituir uma comissão de Associados integrada por mínimo de 5 (cinco) e máximo de 7 (sete) trabalhadores, que terá a incumbência de organizar as eleições sindicais no prazo mínimo de 10(dez) e máximo de 30 (trinta) dias. A comissão de que trata este Parágrafo deverá também gerir as atividades essenciais do Sindicato neste período. ART. 19º - São atribuições da Diretoria Executiva do Sindicato: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Cumprir e fazer cumprir as deliberações da categoria tomadas em todas as suas instâncias; c) Representar os trabalhadores da base e defender os seus interesses perante os poderes públicos e todas as empresas do setor; d) Elaborar e controlar a aplicação de todos os planos de operacionalização política e das campanhas reivindicatórias aprovadas pelas Assembleias da categoria; e) Estudar e aprovar as propostas de filiação e desfiliação, bem como as exclusões de associados, encaminhando-se às Assembleias em caso de recursos; f) Propor planos de ação para o Sindicato em consonância com as decisões tomadas pelas suas instâncias deliberativas; g) Elaborar planos de despesas e aquisições de materiais permanentes e de consumo, de uso da entidade, com posterior aprovação do orçamento pelo Conselho Fiscal e da Assembleia Geral; h) Elaborar o orçamento anual da entidade e submetê-lo à votação do Conselho Fiscal e da Assembleia convocada especialmente para essa finalidade; i) Efetuar despesas, com posterior aprovação do Conselho Fiscal da entidade, desde que não previstos no orçamento anual do Sindicato; 9

10 j) Realizar seminários, simpósios, encontros de base da entidade ou regionalizados sobre assuntos de interesse dos trabalhadores e do Sindicato; k) Manter intercâmbios com outras entidades da mesma categoria profissional bem como com outros Sindicatos e centrais sindicais, para a participação nas lutas mais gerais do país; l) Apresentar à Assembleia Geral Anual prestação de contas, um relatório com todas as suas atividades políticas, sindicais e financeiras que deverá ser discutido e aprovado pela categoria; m) Submeter-se semestralmente ao Conselho Fiscal para estudos, exames e posterior aprovação, as contas da entidade; n) Criar órgãos, departamentos e assessorias técnicas que se façam necessárias para o bom desempenho das atividades da entidade; o) Convocar de forma ordinária e extraordinária as assembleias gerais e o Conselho Fiscal; p) Coordenar as delegacias e subsedes do Sindicato, bem como as atividades de todos os departamentos, sempre em conformidade com as linhas gerais definidas pela entidade; q) Instituir delegacias ou seções locais, para melhor representação e proteção da categoria representada; r) Por deliberação da maioria de seus membros, designar membros da categoria, para o exercício da função de Delegado Sindical, dentre os servidores empregados, lotados na respectiva circunscrição da designação e que também estejam filiados a entidade, há pelo menos 1 (ano); s) A designação a que se refere a alínea r, poderá recair em qualquer outro filiado, caso não seja observada as regras do tempo de filiação; t) Garantir a filiação de qualquer servidor empregado, vinculado à categoria representada por esta entidade, sem distinção de qualquer natureza; u) Admitir e demitir funcionário quando assim necessário ao bom funcionamento da entidade; v) Decidir a respeito da política de remuneração dos funcionários da entidade; w) Decidir por aquisição de bens imóveis, construções e reformas, móveis e equipamentos dos mais diversos, para o bom funcionamento do sindicato. ART. 20º - São atribuições do Presidente do Sindicato: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Representar o sindicato em atividades políticas e sindicais, podendo, no seu impedimento, indicar quem o represente; c) Representar a categoria nas negociações salariais; 10

11 d) Representar o sindicato pelos seus atos pessoais e pelos da diretoria ativa e passivamente, em juízo e fora dele, podendo inclusive delegar poderes e subscrever procurações judiciais; e) Presidir todas as reuniões ordinárias e extraordinárias da diretoria, das Assembleias e outros eventos que venham a participar, dentro das normas previstas por este Estatuto; f) Assinar contratos, convênios ou quaisquer outros atos, de crédito em favor da entidade, de domínio posse, direitos, prestações e ações de todas as naturezas legais, desde que aprovados pela diretoria; g) Alienar após decisão da Assembleia, bens móveis e imóveis do sindicato, tendo em vista a obtenção de meios e recursos necessários para atingir os seus objetivos sociais; h) Assinar juntamente com o tesoureiro da entidade, cheques e outros títulos que comportem compromissos para a entidade; i) Autorizar pagamentos e recebimentos; j) Ser sempre fiel às resoluções da categoria tomadas em suas instâncias democráticas de decisão; k) Designar representantes e comissões para representar o Sindicato perante outros órgãos de classe, repartições públicas, instituições privadas, bem como para todas as entidades que venham a ser necessárias, desde que não conflitem com os princípios previstos neste estatuto; l) Coordenar, junto com o Secretário de Mobilização e Formação Sindical, as ações referentes às negociações coletivas em questões trabalhistas envolvendo a categoria; m) Admitir e demitir funcionários da entidade, após a decisão da diretoria do sindicato, conforme o disposto na alínea u do artigo anterior. Parágrafo Único: As disposições contidas neste artigo aplicam-se ao vice-presidente, quando dos afastamentos, impedimentos legais do presidente, devendo também cumprir as demais atribuições delegadas pela Diretoria Executiva. ART. 21º - São atribuições do Vice-Presidente, além daquelas já dispostas no parágrafo único do art. 18 do presente Estatuto, quando do afastamento, falta, e impedimento legais e regulamentares, assim como no caso de vacância do Presidente: a) Dirigir o departamento jurídico, auxiliado por 2 (dois) associados, escolhidos em conjunto com a Diretoria, bem como fazer o devido acompanhamento jurídico, com o auxilio de assessoria profissional da área de denúncias e outras questões envolvendo relações do trabalho ou outros interesses institucionais da entidade; 11

12 b) Coordenar os trabalhos das Comissões Permanentes e Transitórias que vierem a ser constituídas; c) Coordenar as ações sindicais visando a estreitar o relacionamento com outros sindicatos e outras entidades representativas da sociedade civil; d) Ampliar a integração do SINJOR-PA nos debates regionais e nacionais que visem garantir a liberdade de expressão, a defesas dos direitos humanos, ações de cidadania e outras questões sociais do interesse da entidade; e) Estabelecer as relações do SINJOR-PA junto às instituições governamentais, não governamentais, científicas e outros segmentos organizados e representativos da sociedade. ART. 22º São atribuições do Secretário(a) Geral do Sindicato; a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Supervisionar e dirigir todos os trabalhos e serviços da Secretaria; c) Zelar pela boa ordem e contribuir para a administração do Sindicato; d) Apresentar à Diretoria Executiva o relatório anual das atividades sindicais da entidade; e) Manter em dia toda a correspondência; f) Redigir e ler atas das reuniões e assiná-las em conjunto com os presentes; g) Elaborar e enviar correspondências, comunicados, convites, convocações, às entidades e órgãos; h) Manter, sob sua guarda e direção, todos os documentos de interesse e pertencentes ao Sindicato; Parágrafo Primeiro: No caso de afastamento, impedimento legais e regimentais, ou no caso de vacância do cargo da presidência, por impossibilidade da investidura do vice-presidente da entidade, a ocupação far-se-á pelo Secretário Geral da organização; Parágrafo Segundo: Na ocorrência das razões descritas no parágrafo antecedente, e sendo estas no primeiro ano do triênio do mandato, deverá o Secretário Geral convocar novas eleições. ART. 23º - São atribuições do 1º Tesoureiro: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Administrar e zelar pelos fundos da entidade; 12

13 c) Efetuar todas as despesas autorizadas pela Diretoria Executiva e pelo Conselho Fiscal bem como as previstas no orçamento anual da entidade; d) Organizar e se responsabilizar pela contabilidade sindical; e) Apresentar à Diretoria Executiva propostas de orçamento, planos e posterior aprovação; f) Assinar, em conjunto com o Presidente, cheques e outros títulos; g) Ter sob sua guarda e responsabilidade todos os valores, numerários, documentos contábeis, livros de escrituração, contratos e convênios, atinentes a sua área de ação, e adotar todas as providencias necessárias para que seja evitada a corrosão das finanças da entidade; h) Ter sob sua guarda e responsabilidade o fichário dos sócios e controle da contribuição sindical e assistencial; i) Receber e dar quitação para ativos recebíveis da entidade, dando imediato conhecimento ao Presidente e Secretario Geral, para que estes apostem o ciente quanto ao ingresso de receita; j) Fazer transferências de numerários diretamente à conta dos diretores da entidade, após autorização expressa e em conjunto do Presidente e do Secretário Geral, para atender necessidades institucionais, quanto diárias, deslocamentos, mediante recibos, ficando ainda a cargo dos que receberam ajuda de custo do SINJOR-PA, o dever da apresentação de relatório de despesas e a sua vinculação com o motivo a que se trata esta alínea; k) Realizar prestação de contas da Diretoria, junto ao Conselho Fiscal, a cada ano, sempre no mês de agosto correspondente; Parágrafo Primeiro: A prestação de contas a que se refere o presente artigo será realizada no período máximo de 3 (três) meses no caso de mudança de Diretoria Executiva; Parágrafo Segundo: A não aprovação da conta, a que se refere à alínea h, deste artigo, sujeitará os seus responsáveis diretos, no caso de culpa ou dolo, aos efeitos dispostos no art. 265 do Código Civil (responsabilidade solidária), assegurado o direito do contraditório e a ampla defesa; Parágrafo Terceiro: O não cumprimento do prazo a que se refere o parágrafo primeiro, por culpa direta de seu responsável, ensejará multa, no valor de R$500,00 (quinhentos reais), por mês e/ou na sua fração; 13

14 Parágrafo Quarto: A Diretoria Executiva, que não tiver a sua conta aprovada e devidamente sanada, ficará inelegível por um período de 8 (oito) anos, observado o que reza a parte final do parágrafo segundo do presente artigo. Parágrafo Quinto: As disposições contidas neste artigo, aplicam-se ao 2º Tesoureiro(a), cabendo como função o assessoramento do 1º Tesoureiro(a), assim como a sua substituição nos casos de afastamentos e impedimentos legais, além da execução de outras atividades que lhe forem conferidas pela Diretoria Executiva. ART. 24º - São atribuições do Secretário(a) do Interior: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Coordenar e manter a integração das Diretorias Regionais, reunindo-se pelo menos uma vez a cada 3 (três) meses; c) Coordenar a aplicação do Plano Anual de Ação Sindical no Interior. Desenvolver as campanhas publicitárias junto às Diretorias Regionais definidas pela Diretoria Executiva; Parágrafo Único: As disposições contidas nas alíneas deste artigo aplicam-se ao 2º Secretario de Interior, cabendo como função o assessoramento do 1º Secretário, assim como a sua substituição nos casos de afastamentos e impedimentos legais, além da execução de outras atividades que lhe forem conferidas pela Diretoria Executiva. ART. 25º - São atribuições da Secretaria de Mobilização e Formação Sindical: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Implementar políticas de incentivo aos associados na participação das atividades do Sindicato, principalmente as voltadas para as conquistas trabalhistas e a de formação de instrumentos normativos (acordos e convenções) coletivos; c) Planejar, executar e avaliar atividades de formação sindical, voltadas à formação dos dirigentes da entidade e dos associados; d) Coordenar, junto com o Presidente, as ações referentes às negociações coletivas, envolvendo a categoria, incluindo assessoria de imprensa; e) Desenvolver, em conjunto com as Delegacias Sindicais, as campanhas salariais e outros movimentos aprovados nas instâncias do Sindicato; f) Formar dirigentes sindicais, delegados e representantes sindicais, organizando cursos de sindicalismo e de capacitação política; 14

15 Parágrafo Único: As disposições contidas nas alíneas deste artigo aplicam-se ao 2º Secretário de Mobilização e Formação Sindical, cabendo como função o assessoramento do 1º Secretário, assim como a sua substituição nos casos de afastamentos e impedimentos legais, além da execução de outras atividades que lhe forem conferidas pela Diretoria Executiva. ART. 26º - São atribuições do 1º Secretario de Sindicalização, Registro e Fiscalização do Exercício Profissional: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Propor, para a Diretoria Executiva, após estudo e pesquisas sobre situação profissional dos trabalhadores representados pela categoria, medidas para a solução, por meio do diálogo institucional, de conflitos surgidos em razão da fixação de condições de trabalho, direitos e benefícios dos profissionais jornalistas, conforme diretrizes estabelecidas pela Administração; c) Manter intercâmbio com outras Entidades de defesa dos interesses dos trabalhadores a nível local, nacional e internacional; d) Avaliar e dar parecer sobre pedidos de sindicalização; e) Manter sob seu controle cadastro de associados, apresentando trimestralmente relatório, com novas admissões, suspensões, exclusões, expulsões e licenças; f) Planejar, executar e avaliar ações de fiscalização do exercício profissional; g) Coordenar a política de estágios a ser defendida pelo Sindicato no mercado de trabalho. Parágrafo Único: As disposições contidas nas alíneas deste artigo aplicam-se ao 2º Segundo Secretário de Sindicalização, Registro e Fiscalização do Exercício Profissional, cabendo como função o assessoramento do 1º Secretário, assim como a sua substituição nos casos de afastamentos e impedimentos legais, além da execução de outras atividades que lhe forem conferidas pela Diretoria Executiva. ART. 27º - São atribuições da Comissão de Comunicação, Evento e Cultura: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Ter sob sua responsabilidade a edição e distribuição do jornal do Sindicato, do boletim eletrônico, da página do Sindicato da internet e demais publicações (site, Facebook, Twitter, assessoria de imprensa do SINJOR-PA e demais veículos de redes sociais); c) Organizar e manter sob o seu comando a biblioteca do Sindicato e o acervo histórico; 15

16 d) Divulgar as atividades, ações e serviços da entidade, bem como a participação em eventos no interesse da categoria, observada a atribuição descrita no artigo 22, alínea d do presente Estatuto, quanto à assessoria de imprensa a cargo da Secretaria de Mobilização e Formação Sindical, no que se tange às negociações coletivas; e) Promover atividades culturais, de lazer e recreação para os associados da agremiação; f) Organizar grupos de debates, seminários, encontros e outros eventos que possibilitem o desenvolvimento técnico científico da categoria; g) Propor a realização e coordenar a organização de seminários, cursos, palestras, conferências, encontros, dentro dos interesses mais gerais dos trabalhadores da base e nos princípios fixados por este Estatuto; ART. 28º São atribuições da Comissão de Ética e Liberdade de Imprensa: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Presidir, apurar e dar parecer conclusivo quanto à responsabilidade do profissional associado, no qual venha a ser cominada a pena de advertência, suspensão ou exclusão no quadro associativo consoante, regras de procedimentos disciplinares, previamente estatuídas e aprovadas pela Assembleia Geral; c) Presidir e realizar sindicâncias para apuração de fatos que possam causar prejuízos materiais ou morais à entidade e à categoria; d) Instaurar procedimentos apuratórios, após representação formal e identificação do denunciante, com a devida descrição fática, sendo assegurado ao denunciado a apresentação de defesa prévia. e) Sugerir a apresentação de notas de desagravo no caso de cerceamento ao pleno exercício da atividade da categoria. Parágrafo Primeiro: As presentes Comissões serão composta de 5 (cinco) membros do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Pará, funcionando de forma autônoma e independente, não estando subordinada a qualquer instância do sistema diretivo, com exceção da Assembleia que elegerá seus membros; 16

17 Parágrafo Segundo: As atividades da Comissão de Ética serão reguladas consoante normatização, instituída e aprovada pela Assembleia Geral. ART. 29º São atribuições da Delegação junto ao Conselho de Representantes da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ): a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Representar o Sindicato no Conselho de Representantes e, por delegação da Diretoria, em atividades promovidas pela mesma Federação; c) Criar e manter comissões de estudo e assessoria com atribuição de apreciar e oferecer subsídio à defesa, ampliação e aperfeiçoamento da legislação referente ao exercício profissional do jornalismo; d) Colaborar com a Diretoria no relacionamento do Sindicato com as entidades sindicais de jornalistas e de outras categorias profissionais. e) Participar de todas as reuniões do Sindicato; f) Desenvolver ações visando a atenuar a distância entre os sindicalizados do campo e a Direção do Sindicato. ART. 30º São atribuições dos Diretores Regionais: a) Organizar e representar a categoria dentro da área de circunscrição para qual fora indicado; b) Executar, na sua área de atuação, o Plano de Ação Sindical Anual da entidade e as decisões emanadas do sistema diretivo da entidade; c) Apresentar à Diretoria Executiva o balança anual de atividades; d) Manter sob seu controle relação atualizada, fornecida ou requerida pela administração do Sindicato, dos associados cadastrados na região; e) Manter estreito contato com a Diretoria Executiva para fazer cumprir as determinações previstas neste Estatuto; f) Reunir-se quando convocado e sempre na ocorrência de necessidade com os membros da Diretoria Executiva da entidade; g) Participar das reuniões ordinárias; h) Participar das reuniões da Diretoria Plena, quando se fizer necessário; i) Representar a Diretoria Executiva, quando de sua outorga, para tratar de assuntos do interesse da categoria; j) Incentivar e coordenar a organização dos trabalhadores pertencentes ao Sindicato dos devidos municípios; k) Acompanhar e auxiliar as campanhas, eventos e lutas desenvolvidas nos municípios; 17

18 l) Manter informada a Diretoria Estadual, sobre todas as ocorrências da Delegacia Regional. ART. 31º São atribuições das Diretorias Regionais: a) Contribuir com o Diretor Regional na implementação da Diretoria Regional e execução na área do Plano Anual de Ação Sindical e nas decisões do sistema diretivo da entidade; b) Definir, em conjunto com os demais Diretores da Regional, a política sindical a ser aplicada na sua base, em consonância com o Plano Anual de Ação Sindical definido nas instâncias diretoras da entidade; c) Participar das reuniões ordinárias e extraordinárias da respectiva Diretoria Regional; d) Participar das reuniões ordinárias e extraordinárias do Conselho de Base do Interior. Parágrafo Primeiro: A Diretoria Regional poderá ser criada mediante deliberação da Diretoria Executiva, observado para tal fim a existência de no mínimo 15 (quinze) associados, devidamente regularizados perante a entidade; Parágrafo Segundo: No caso da criação da Diretoria a que se refere este artigo, a Diretoria Executiva do Sindicato, nomeará, para a complementação do mandato em curso, o quadro diretivo da regional, componde-se este de 1 (um) Diretor(a) Regional e 2 (dois) Diretores de Base, que serão empossados dentro do prazo de 10 (dez) dias após a aprovação pela Diretoria Plena. Parágrafo Terceiro: O Diretor Regional terá um suplente substituto, escolhido entre os membros da Diretoria de Base, que exercerá as mesmas atribuições de seu titular, nos casos de impedimento, afastamentos legais; Parágrafo Quarto: Os Diretores Regionais, eleitos por votos diretos, terão a mesma duração do mandato da Diretoria Executiva do Sindicato, e serão eleitos em processo eleitoral único aos demais membros da entidade, ressalvado o disposto no parágrafo anterior. ART. 32º Os membros dos órgãos previstos neste Estatuto serão eleitos em processo eleitoral único, com exceção dos membros da Diretoria Regional, consoante parágrafo 1º, do artigo 31, deste Estatuto. ART. 33º - São atribuições da Diretoria Executiva do Sindicato: 18

19 a) Compete à Diretoria Executiva fixar as diretrizes gerais da ação sindical a serem desenvolvidas, bem como avaliar e deliberar sobre atos da Diretoria Executiva; b) Nomear representantes sindicais nas cidades onde não haja subsede, ficando assegurados ao representante indicado os mesmos direitos concedidos aos demais diretores da entidade; c) Avaliar em grau de recurso as decisões punitivas a cargo da Comissão de Ética, podendo manter a decisão anterior, ou no caso de sua modificação, apresentar motivada e fundamentadamente as razões da reforma, ficando defesa a majoração da pena anterior e ainda assegurada a possibilidade de mais um recurso dirigido à Comissão Nacional de Ética, a que trata o artigo 31, I, do Regimento da Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ. Parágrafo Primeiro: A Diretoria a que trata o presente artigo reunirse-á, ordinariamente, a cada período de 2 (dois) meses e, extraordinariamente, a qualquer tempo, por convocação do Presidente da Entidade, por maioria da Diretoria Executiva; Parágrafo Segundo: A Diretoria será presidida pelo Presidente do Sindicato e secretariado pelo Secretário(a) Geral; Parágrafo Terceiro: O quorum mínimo para a instauração exige a presença de 1/3 de seus membros, ficando para as deliberações exigido o quorum da metade mais um dos presentes; Parágrafo Quarto: A Diretoria Plena será composta pelo(a) Presidente e demais membros da Diretoria Executiva, incluídos os suplentes com direito a voz. SEÇÃO III DO CONSELHO FISCAL ART. 34º - O Conselho Fiscal do Sindicato será integrado por 3 (três) membros titulares e 2 (dois) suplentes, que atuarão de forma independente e imparcial, não integrando o quadro de administração da entidade, eleitos pelo voto direto e secreto dos associados, por ocasião da realização das eleições gerais para a escolha da diretoria. Parágrafo 1º- O mandato do Conselho Fiscal será de 3 (Três) anos coincidindo com o tempo de mandato da Diretoria Executiva; Parágrafo 2º- Poderão ser candidatos ao Conselho Fiscal todos os trabalhadores que observem as mesmas condições, anteriormente 19

20 dispostas no presente Estatuto, de elegibilidade para a Diretoria da entidade; ART. 35º - São atribuições do Conselho Fiscal: a) Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto; b) Dar parecer sobre o orçamento do Sindicato para o exercício financeiro; c) Examinar anualmente os Livros, Registros e todos os documentos e Escrituras do Sindicato; d) Analisar e aprovar os balanços e balancetes mensais apresentados pela Diretoria Executiva; e) Fiscalizar a aplicação das verbas do Sindicato utilizadas pela Diretoria Executiva; f) Emitir parecer e sugerir medidas sobre qualquer atividade econômica, financeira e contábil da entidade, sempre que solicitada pela Diretoria; Parágrafo Único: As disposições contidas nas alíneas deste artigo aplicam-se aos suplentes, cabendo como função o assessoramento dos Conselheiros, assim como a sua substituição nos casos de afastamentos e impedimentos legais, além da execução de outras atividades que lhe forem conferidas pela Diretoria Executiva. CAPÍTULO IV DO PROCESSO ELEITORAL SEÇÃO I DAS ELEIÇÕES DISPOSIÇÕES GERAIS ART. 36º Os membros dos órgãos que compõem o sistema diretivo do Sindicato, bem como os do Conselho Fiscal, serão eleitos em processo eleitoral único, trienalmente, em conformidade aos dispositivos legais e determinações deste Estatuto. ART. 37º - As eleições de que trata o artigo anterior serão realizadas no prazo máximo de até 20 (vinte) dias antes do término dos mandatos vigentes. ART. 38º - É eleitor todo associado efetivo que na data da eleição estiver: a) Na condição de associado há pelo menos 06 (seis) meses antes da data da eleição; b) Estar no gozo dos direitos e em dia com os deveres conferidos por este Estatuto; 20

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES DO SINDICATO ARTIGO 1º O Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ nº 13.649.902/0001-03 DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º - A Associação Brasileira

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20.

MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20. MINUTA DECRETO Nº, DE DE DE 20. Regulamenta os artigos 60 e 61 da Lei Nº 9.860, de 01 de julho de 2013, que dispõe sobre o processo de eleição direta para a função de Gestão Escolar das Unidades de Ensino

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS MÉDICOS DE ANÁPOLIS. Capítulo 1. Da Constituição, Finalidade, Prerrogativas e Deveres

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS MÉDICOS DE ANÁPOLIS. Capítulo 1. Da Constituição, Finalidade, Prerrogativas e Deveres ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS MÉDICOS DE ANÁPOLIS Capítulo 1 Da Constituição, Finalidade, Prerrogativas e Deveres Seção I Constituição e Finalidade Artigo 1º - O Sindicato dos Médicos de Anápolis é

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP

SINDICATO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE PARANATINGA SISEMP SISEMP SISEMP ESTATUTO ESTATUTO CAPÍTULO I Da denominação, constituição, sede e foro, natureza, jurisdição, duração e fins. Art. 1º - O Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Paranatinga MT - SISEMP,

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

EDITAL DE CONVOCAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Secretário Executivo do SINDCONTAS, no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto da entidade, convoca todos os filiados para comparecer a Assembléia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Artigo 1º - A Associação Recreativa

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO

TÍTULO I DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DO ENSINO PÚBLICO QUARTA VERSÃO 07/07/06. Dispõe sobre a gestão democrática e normatiza o processo de escolha de Diretor e Assessor(es) de Direção que integram a equipe gestora das unidades escolares da Rede Pública Estadual

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I: Objetivos Art. 1º - A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial (SOGAOR),

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL

FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL FUNCASAL REGIMENTO INTERNO CONSELHO FISCAL dezembro/2008 Capítulo I Da competência do Conselho Fiscal Art. 1º Como órgão de controle interno da EFPC, compete ao Conselho Fiscal, na forma estabelecida no

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri. Estatuto

Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri. Estatuto Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Estatuto Art. 1º A FUNDAÇÃO CASA GRANDE MEMORIAL DO HOMEM KARIRI, com sede na Casa Grande da Rua Jeremias Pereira, N. 444,

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 ASSOCIAÇÃO FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA FORTEC REGIMENTO INTERNO Sumário

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS TÍTULO I Da Entidade Artigo 1º - O Diretório Acadêmico de Administração da Faculdade Palotina de Santa Maria,

Leia mais

Estatuto do SETCARCE

Estatuto do SETCARCE Estatuto do SETCARCE SINDICATO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTES DE CARGAS E LOGÍSTICA NO ESTADO DO CEARÁ Os associados do Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas no Estado do Ceará, entidade sindical

Leia mais

Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro. Capítulo I Da entidade e seus fins

Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro. Capítulo I Da entidade e seus fins Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro Capítulo I Da entidade e seus fins Artigo 1. A Associação de Pós-Graduandos da Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro (APG-Fiocruz Rio de Janeiro), fundada em 26

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICOS MUNICIPAIS DE IJUI

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICOS MUNICIPAIS DE IJUI 1 ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICOS MUNICIPAIS DE IJUI Capitulo I DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FORO, NATUREZA, JURISDIÇÃO, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - O Sindicato dos Servidores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM

REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE SETE LAGOAS UNIFEMM Sete Lagoas, 2010 2 REGIMENTO INTERNO DOS COLEGIADOS DE CURSOS DE GRADUAÇÃO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011

Aprovado pelo CONSUNI - UFRJ - 25 de agosto de 2011 REGIMENTO DO INSTITUTO ALBERTO LUIZ COIMBRA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA DE ENGENHARIA (COPPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aprovado por unanimidade pelo Conselho Deliberativo da COPPE em

Leia mais

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos.

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Art. 1º Sob a denominação de União Municipal das Associações

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG - Ambiental Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Foro. Art. 1º - A Associação Brasileira de Perícia e Gestão Ambiental ABPG - Ambiental

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

ACOPESP ASSOCIAÇÃO DOS CONTABILISTAS E ORÇAMENTISTAS PÚBLICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO ESTATUTO

ACOPESP ASSOCIAÇÃO DOS CONTABILISTAS E ORÇAMENTISTAS PÚBLICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO ESTATUTO ACOPESP ASSOCIAÇÃO DOS CONTABILISTAS E ORÇAMENTISTAS PÚBLICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO ESTATUTO CAPÍTULO I NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1 A ACOPESP - ASSOCIAÇÃO DOS CONTABILISTAS E ORÇAMENTISTAS PÚBLICOS DO

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O, de sigla, PRÓPAMPA, é uma organização civil de interesse público de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito Estadual e de tempo

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Art. 1 - A Associação de Mútuo Auxílio, também designada pela sigla AMA, é uma associação civil sem

Leia mais

ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL

ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E FINALIDADES ARTIGO

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL

Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Modelo de Estatuto Estatuto do GRÊMIO ESTUDANTIL Capítulo I Da denominação, Sede, fins e duração Art.1º - O Grêmio estudantil da Escola funcionará no referido estabelecimento de ensino com duração ilimitada.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Comunitária dos Moradores da Vila Basevi é uma ONG Organização Não Governamental,

Leia mais

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013.

RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. RESOLUÇÃO CRM-TO Nº 91/2013, de 13 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a criação e atribuições das delegacias regionais e dos delegados e dá outras providências. O Conselho Regional de Medicina do Estado

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE 1 ESTATUTO ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE Estatuto aprovado na Assembléia Geral Ordinária de fundação realizada em 07 de fevereiro de 1994 e alterado nas Assembléias Gerais Ordinárias

Leia mais

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais;

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais; ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO RUY BARBOSA (Faculdade de Direito-UFBA) TÍTULO I DA ENTIDADE Capítulo I Da Natureza Jurídica Art.1º O Centro Acadêmico Ruy Barbosa (CARB), fundado em 25 de Outubro de 1999,

Leia mais