Centro Comunitário...1. Índice...1. Centro Comunitário...3. Capítulo I...3. O Estabelecimento: Natureza e Objectivos...3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro Comunitário...1. Índice...1. Centro Comunitário...3. Capítulo I...3. O Estabelecimento: Natureza e Objectivos...3"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO ÍNDICE Centro Comunitário...1 Índice...1 Centro Comunitário...3 Capítulo I...3 O Estabelecimento: Natureza e Objectivos...3 Artigo 1º - Caracterização e Localização...3 Artigo 2º - Âmbito...3 Artigo 3º - Objectivos...3 Artigo 4º - Área Geográfica...4 Capítulo II...4 Condições Gerais de admissão...4 Artigo 5º - Características dos utentes...4 Artigo 6º - Processo de Admissão...4 Artigo 7º - Comparticipação dos utentes...5 Artigo 8º - Direitos e Deveres dos utentes...5 CAPÍTULO III...6 Funcionamento...6 Artigo 9º - Local de Funcionamento...6 Artigo 10º - Horário de Funcionamento...6 PÁG. 1 / 1 CAS DR 002/00

2 Artigo 11º - Equipa do Centro Comunitário...6 Artigo 12º - Directora Técnica...6 Artigo 13º - Gabinete de Atendimento às Famílias...7 Artigo 14º - Gabinete de Psicologia...7 Artigo 15º - Clube de Emprego...7 Artigo 16º- Clube de Conforto...8 Artigo 17º - Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados...8 Capítulo IV...8 Disposições Finais...8 Artigo 18º - Cooperação...8 Artigo 19º - Casos omissos e execução de normas...8 Artigo 20º - Vigência do Regulamento Interno...8 Capítulo V...9 Controlo das revisões e aprovação...9 Artigo 21º - Tabela de Controlo de Revisões...9 Artigo 22º - Aprovação...9 PÁG. 2 / 2 CAS DR 002/00

3 REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO CAPÍTULO I O ESTABELECIMENTO: NATUREZA E OBJECTIVOS Artigo 1º - Caracterização e Localização O Centro de Assistência Social à Terceira Idade e Infância de Sanguêdo (CASTIIS) é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, sem fins lucrativos. A Instituição encontra-se situada na Rua do Castiis, nº 133, freguesia de Sanguêdo, concelho de Santa Maria da Feira. Artigo 2º - Âmbito 1. O Centro Comunitário é uma valência dinamizada na Instituição e é sobre esta que se reporta o presente Regulamento. Artigo 3º - Objectivos 1. O Centro Comunitário denominado Família e Comunidade tem como principais objectivos: a) Promover acções de assistência, promoção e desenvolvimento social, de modo a responder às carências da população através do atendimento, aconselhamento e acompanhamento na resolução dos seus problemas familiares, económicos, sociais e/ou psicológicos e, consequentemente, o desenvolvimento da comunidade em geral. b) Desenvolver actividades dinamizadoras da vida social e cultural da comunidade; c) Fomentar a participação do indivíduo/família ou grupos; d) Gerar localmente condições para a mudança. PÁG. 3 / 3 CAS DR 002/00

4 Artigo 4º - Área Geográfica O Centro Comunitário incide as suas acções sobre a população das freguesias de Sanguêdo, Vila Maior e Canedo. CAPÍTULO II CONDIÇÕES GERAIS DE ADMISSÃO Artigo 5º - Características dos utentes 2. Têm o apoio do Centro Comunitário as famílias, indivíduos e/ou grupos com dificuldades de integração ou com características disfuncionais, tais como: a) Com problemas ao nível da saúde, nomeadamente alcoolismo, toxicodependência, outras; b) Crianças/Jovens com dificuldades de aprendizagem, perturbações emocionais e/ou comportamentais ou vítimas de violência e/ou negligência; c) Famílias, indivíduos e/ou grupos com défices no âmbito das condições de habitabilidade e/ou higienização; d) Famílias, indivíduos e/ou grupos cujo desemprego e a baixa qualificação profissional constituem obstáculo ao seu desenvolvimento e integração social; e) Beneficiários de Rendimento Social de Inserção (RSI). Artigo 6º - Processo de Admissão 1. São condições de admissão: a) Os utentes residirem nas freguesias de Sanguêdo, Canedo ou Vila Maior. b) Num primeiro contacto/atendimento à família, indivíduo e/ou grupo, o Técnico de Serviço Social deve proceder à abertura do Processo Familiar e cálculo do per capita do indivíduo, família e/ou grupo, para qual são necessários os seguintes documentos: i. Bilhete de Identidade ou cédula pessoal; PÁG. 4 / 4 CAS DR 002/00

5 ii. Cartão de beneficiário da Segurança Social; iii. Cartão de Identificação Fiscal; iv. Documentos comprovativos dos rendimentos declarados verbalmente pelo indivíduo, família e/ou grupo; v. Documentos comprovativos das despesas fixas do indivíduo, família e/ou grupo. Artigo 7º - Comparticipação dos utentes O acesso aos serviços dinamizados no Centro Comunitário é gratuito. Artigo 8º - Direitos e Deveres dos utentes 1. Constituem direitos dos utentes: a) O respeito pela sua identidade pessoal e pelos seus valores e costumes, bem como, da intimidade privada e familiar; b) Usufruir de ajudas adequadas à sua situação e que se situem no âmbito das actividades propostas; c) Participar nas actividades promovidas pelo Centro Comunitário se possuírem os requisitos propostos. 2. Constituem deveres dos utentes: a) Respeitar os horários de funcionamento; b) Cumprir as normas em vigor; c) Manter em bom estado de conservação os equipamentos ao seu dispor; d) Respeitar as indicações que lhe forem transmitidas pelos funcionários do Centro Comunitário; e) Colaborar com a Equipa Técnica do Centro Comunitário. PÁG. 5 / 5 CAS DR 002/00

6 CAPÍTULO III FUNCIONAMENTO Artigo 9º - Local de Funcionamento 1. O Centro Comunitário está sedeado no Centro de Assistência Social à Terceira Idade e Infância de Sanguêdo na Rua do Castiis n.º Sanguêdo. 2. O local de funcionamento desta valência pode ser alterado por decisão da Direcção, sempre que as condições objectivas assim o exijam para um racional funcionamento da instituição. 3. As consultas de Psicologia para os utentes residentes nas freguesias de Canedo e Vila Maior são realizadas no Centro Social de Canedo, sito no Largo Padre Agostinho Pais Moreira n.º Canedo. Artigo 10º - Horário de Funcionamento 1. O horário de funcionamento do Centro Comunitário é das 9:00 às 17:30 com interrupção de 1 hora (das 13:00 às 14:00) para almoço. 2. O Serviço de Psicologia funciona das 9:30 às 17:30 com interrupção de uma hora para o almoço (das 13:00 às 14:00). Artigo 11º - Equipa do Centro Comunitário A equipa Técnica do Centro Comunitário é constituída por: Directora Técnica, duas Assistentes Sociais, uma Psicóloga e uma Ajudante Familiar. Artigo 12º - Directora Técnica 1. O Centro Comunitário é dirigido por uma Directora Técnica que é responsável pelo funcionamento dos serviços e pelo cumprimento das normas que constam no presente Regulamento. 2. A Directora Técnica deve ser substituída, nas suas ausências, por um dos elementos do quadro de pessoal, por si indicado. PÁG. 6 / 6 CAS DR 002/00

7 Artigo 13º - Gabinete de Atendimento às Famílias 1. O Gabinete de Atendimento às Famílias traduz-se num espaço no qual o utente beneficia de um atendimento personalizado, onde expõe, se assim for necessário ou o desejar, as suas dúvidas ou problemas de carácter social, económico ou cultural de forma a que lhe seja dada uma resposta adequada. 2. Os dias de atendimento às famílias são às 2.as e 3.as feiras (das 9:00 às 12:30) para a freguesia de Sanguêdo e às 2.as e 5.as feiras (das 14:00 às 17:00h) para as freguesias de Vila Maior e Canedo. 3. As Visitas Domiciliárias/Serviço Externo são efectuadas habitualmente às 2.as e 5.as feiras da parte da tarde para a freguesia de Sanguêdo às 3.ªas 5.as feiras da parte da manhã para as freguesias de Vila Maior e Canedo. Artigo 14º - Gabinete de Psicologia 1. O Gabinete de Psicologia consiste num espaço de consulta Psicológica destinada aos indivíduos da Comunidade que necessitem de tal apoio. De uma forma geral, os utentes do Gabinete de Psicologia recorrem a este serviço espontaneamente. Poderão ainda chegar a este serviço, utentes encaminhados por outras vias, como sejam entidades de ensino, de saúde, judiciais ou sociais. 2. Para além da avaliação e do acompanhamento psicológico, a Técnica que dinamiza este serviço actua, também, ao nível da promoção do desenvolvimento ao nível das potenciais trajectórias de vida desadaptativas da população-alvo. 3. As consultas de Psicologia são realizadas mediante marcação prévia entre a Técnica e o utente. As consultas são, habitualmente, realizadas às 2.as feiras de manhã e 3.as feiras todo o dia para os utentes de Sanguêdo e às 4.as e 5.as feiras de tarde e 6.as feiras de manhã para os utentes de Canedo e Vila maior. Artigo 15º - Clube de Emprego O Clube de Emprego é um serviço a funcionar dentro do Centro Comunitário e tem como principal objectivo minimizar o número de desempregados. Possui um atendimento personalizado onde constam informações sobre o mercado de trabalho, ofertas de emprego, ofertas de formação profissional, regime de protecção no desemprego e acções de formação sobre a procura activa de emprego. Este serviço destina-se, essencialmente, a desempregados. PÁG. 7 / 7 CAS DR 002/00

8 Artigo 16º- Clube de Conforto O Clube de Conforto destina-se a toda a população das freguesias de Sanguêdo, Canedo e Vila Maior. É um espaço onde existe vestuário para todas as idades e sexos, mobiliário, brinquedos e outros objectos. O principal objectivo do Clube de Conforto é servir e educar as famílias. Artigo 17º - Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados O Programa Alimentar a carenciados é um apoio da Segurança Social que existe para combater a fome. Destina-se a indivíduos, famílias e/ou grupos em situação de pobreza extrema. Este programa atribui bens alimentares de primeira necessidade, tais como, arroz, massa, cereais de pequenoalmoço, leite, entre outros. CAPÍTULO IV DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 18º - Cooperação O CASTIIS privilegiará formas actuantes de convivência e cooperação com a comunidade envolvente do Centro Comunitário, designadamente, com outras instituições particulares de solidariedade social, associações culturais, recreativas, económicas, empresas e escolas e, ainda, com os serviços de segurança social e de saúde, bem como com as autarquias locais. Artigo 19º - Casos omissos e execução de normas 1. Os casos omissos serão resolvidos por deliberação da Direcção do CASTIIS. 2. Compete à Direcção do CASTIIS emitir as directivas e instruções que se mostrem necessárias à execução das normas do presente Regulamento. Artigo 20º - Vigência do Regulamento Interno 1. O presente Regulamento entra em vigor no dia 3 de Setembro de 2005, devendo ser revisto sempre que, superiormente, se considere oportuno. PÁG. 8 / 8 CAS DR 002/00

9 2. Toda e qualquer alteração ou aditamento a este Regulamento Interno será a este devidamente anexado e afixado em local visível, por um período não inferior a 10 dias, podendo ser consultado na secretaria ou junto da Directora Técnica. CAPÍTULO V CONTROLO DAS REVISÕES E APROVAÇÃO Artigo 21º - Tabela de Controlo de Revisões Data Revisão Conteúdo da revisão 2005/09/03 00 Redacção da versão original 2007/12/05 01 Artigo 14º - Gabinete de Psicologia Artigo 22º - Aprovação Aprovado por: (Alberto Malta) PÁG. 9 / 9 CAS DR 002/00

ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO

ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO ATENDIMENTO/ACOMPANHAMENTO SOCIAL REGULAMENTO INTERNO Setembro/2009 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Complexo Social de Apoio à Pessoa Idosa designado por Misericórdia da Freguesia

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS REGULAMENTO CENTRO DE DIA Artigo 1º Definição 1. O Centro Social Paroquial de Oeiras com sede na Igreja Matriz de Oeiras, é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI

Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Regulamento Interno Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social /Protocolo de RSI Rua do Formigoso N.º 103 Polvoreira 4835-168 Guimarães Telefone: 253 557 128 - Telemóvel: 91 051 36 36 rsipolvoreira@gmail.com

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPÍTULO I CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Âmbito de aplicação O Centro de Convívio, é uma das Respostas Sociais da Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere, Instituição Privada de Direito Canónico com sede

Leia mais

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DA COLÓNIA DE FÉRIAS INFANTIL MUNICIPAL PREÂMBULO PREÂMBULO Procurar respostas sociais dirigidas a utentes dos diferentes grupos etários e à família, significa responder a necessidades humanas (psicológicas, afectivas, sociais, ) por forma a prevenir,

Leia mais

Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário

Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário Regulamento da Valência do Serviço de Apoio Domiciliário Associação Cultural e Beneficente de Santa Maria Reconhecida de utilidade pública D. R. III série n.º 249 de 29/10/91 Contribuinte N.º 501 272 690

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE CONVÍVIO DA GRUTA DA ARCA D ÁGUA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de aplicação O Centro de Convívio designado por Centro de Convívio da Gruta

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação O Centro de Convívio da Misericórdia de Machico é uma valência administrada pela Santa Casa da Misericórdia

Leia mais

1. Cooperar com as famílias na vivência dos. 2. Prestar aos idosos os cuidados de que. 3. Privilegiar a manutenção dos idosos no seu

1. Cooperar com as famílias na vivência dos. 2. Prestar aos idosos os cuidados de que. 3. Privilegiar a manutenção dos idosos no seu CAPÍTULO I Natureza e Objectivos ARTIGO 1º Caracterização e Localização 1. A Comissão de Melhoramentos de Santo Emilião é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, tem sede na rua 25 de Abril

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO COMUNITÁRIO PORTA ABERTA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO COMUNITÁRIO PORTA ABERTA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO COMUNITÁRIO PORTA ABERTA ARTIGO 1º (ÂMBITO) O presente regulamento interno aplica-se ao Centro Comunitário Porta Aberta, resposta social do âmbito da Intervenção Comunitária,

Leia mais

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior

Programa de Acompanhamento Solidário Sénior Regulamento Interno PASS Considerando a necessidade de regulamentar a resposta social, Programa de Acompanhamento (PASS), elaborou-se o presente regulamento com a finalidade de definir linhas orientadoras.

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS NOTA JUSTIFICATIVA (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo) Considerando que: Cada vez mais é imprescindível a intervenção da freguesia no âmbito da Acção Social,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Centro de Convívio de Portimão REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Centro de Convívio de Portimão Capítulo I Disposições Gerais Norma I Âmbito da Aplicação O Centro de Convívio Sénior, estrutura da Câmara Municipal de Portimão, sediada

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO

MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO MINUTA DE REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O. (indicar o tipo de estabelecimento ou estrutura prestadora de serviços) designado por (indicar

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Centro de Convívio

REGULAMENTO INTERNO. Centro de Convívio REGULAMENTO INTERNO Centro de Convívio INTRODUÇÃO O Centro Social Paroquial Padre Ângelo Ferreira Pinto, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, inscrita no Centro Regional de Segurança Social

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO SOCIAL POR DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS

REGULAMENTO DE APOIO SOCIAL POR DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS REGULAMENTO DE APOIO SOCIAL POR DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS REGULAMENTO DE APOIO SOCIAL POR DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS Considerando o quadro legal de atribuições e competências das Autarquias Locais, Lei

Leia mais

Regulamento da Valência Lar de Idosos

Regulamento da Valência Lar de Idosos Associação Cultural e Beneficente de Santa Maria Reconhecida de utilidade pública D. R. III série n.º 249 de 29/10/91 Contribuinte N.º 501 272 690 Sedielos - Peso da Régua Regulamento da Valência Lar de

Leia mais

Ação Social NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA LOJA SOLIDÁRIA MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

Ação Social NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA LOJA SOLIDÁRIA MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Ação Social NORMAS DE FUNCIONAMENTO DA LOJA SOLIDÁRIA MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Nota justificativa O Município de Sobral de Monte Agraço, no exercício das suas competências, deverá promover e/ou

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

Centro de Actividades Ocupacionais (CAO)

Centro de Actividades Ocupacionais (CAO) Centro de Actividades Ocupacionais (CAO) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação Artenave Atelier Associação de Solidariedade, Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Entre PRIMEIRO OUTORGANTE:.., portador/a do C/C nº 13423892, contribuinte nº, residente em.., na qualidade de Encarregado de / Educação representante de.. SEGUNDO OUTORGANTE:

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO Nota justificativa A elevada taxa de insucesso escolar resulta, em grande parte, da ausência ou uso inapropriado de estratégias de estudo e pela não existência

Leia mais

Regulamento do Centro de Convívio Sénior da Junta de Freguesia de Odivelas CAPÍTULO I

Regulamento do Centro de Convívio Sénior da Junta de Freguesia de Odivelas CAPÍTULO I Regulamento do Centro de Convívio Sénior da Junta de Freguesia de Odivelas CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º (Noção) 1. O Centro de Convívio Sénior da Junta de Freguesia de Odivelas consiste numa

Leia mais

Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer

Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer Regulamento de implementação e funcionamento da Loja Social de Alenquer Nota Justificativa Num contexto marcado por uma profunda crise sócio-económica, que origina o crescente aumento de situações de pobreza

Leia mais

CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Norma I. Âmbito de Aplicação

CAPÍTULO I. Disposições Gerais. Norma I. Âmbito de Aplicação CAPÍTULO I Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação De acordo com os estatutos o Centro Social Paroquial de São João Evangelista é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) sem fins

Leia mais

Processo de Candidatura ao Concurso Público Local para atribuição de fogos municipais de Habitação Social

Processo de Candidatura ao Concurso Público Local para atribuição de fogos municipais de Habitação Social Processo de Candidatura ao Concurso Público Local para atribuição de fogos municipais de Habitação Social Quatro Fogos de Habitação Unifamiliar, sitos na Vila e Freguesia de Vila Nova de Paiva, em regime

Leia mais

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente

Carta. de Direitos e Deveres. do Cliente Carta de Direitos e Deveres do Cliente Índice 1 - PREÂMBULO 3 2 - ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 3 - DIREITOS DAS CRIANÇAS 3 4 - DIREITOS DOS RESPONSÁVEIS PELAS CRIANÇAS 4 5 - DEVERES DAS CRIANÇAS 5 6 - DEVERES

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE Preâmbulo Considerando: - A importância que a área do desenvolvimento social assume na acção do Município de São Pedro do Sul; - O interesse

Leia mais

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé

da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Regulamento Interno da Universidade Sénior de Alfândega da Fé Capítulo I Natureza e Âmbito Artigo 1º Âmbito 1- O presente regulamento disciplina a criação e funcionamento da Universidade Sénior de Alfândega

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO SOBRAL SÉNIOR DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO CARTÃO SOBRAL SÉNIOR DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO CARTÃO SOBRAL SÉNIOR DO MUNICÍPIO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara (aprovação do projecto) 18-05-2010 Edital (apreciação pública) 27-05-2010 Publicado (projecto) no DR II Série,

Leia mais

Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Município de Monforte REGULAMENTO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Convertido para formato digital em 16 de fevereiro de 2013. Aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa - Cumprimento da Resolução do

Leia mais

Viseu Aconchega. Objetivos do projeto:

Viseu Aconchega. Objetivos do projeto: Normas de Admissão Viseu Aconchega O Projeto Viseu Aconchega tem como finalidade o combate à solidão, a ajuda aos estudantes com dificuldades em alojamento e a revitalização do centro histórico, através

Leia mais

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS

UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS UNIÃO DAS FREGUESIAS DE SÃO JOÃO DAS LAMPAS E TERRUGEM REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Outubro de 2014 REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS Nota justificativa (art.º 116.º do Código do Procedimento Administrativo)

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as normas para atribuição de bolsas de estudo a estudantes do ensino secundário e superior, residentes

Leia mais

Junta de Freguesia de Avanca

Junta de Freguesia de Avanca Junta de Freguesia de Avanca Cadernos de Encargos Regulamento de Atribuição de Bolsa de Estudo ao Ensino Superior [Novembro de 2011] Preâmbulo A constituição da República Portuguesa no capítulo III, Direito

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE CONVÍVIO

REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE CONVÍVIO REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CENTRO DE CONVÍVIO CAPITULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Norma I - Âmbito de Aplicação 1. O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda (CESPA) é uma Instituição

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo

Município de Vila Nova de Poiares Natal em Atividade. MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE POIARES CÂMARA MUNICIPAL DAG Desporto, Juventude e Associativismo NATAL EM ATIVIDADE NORMAS GERAIS DE FUNCIONAMENTO Nota introdutória A Câmara Municipal pretende desenvolver programas

Leia mais

MUNICÍPIO DO CARTAXO Gabinete Jurídico EDITAL N.º 82/2008. PAULO ALEXANDRE FERNANDES VARELA SIMÕES CALDAS, Presidente da Câmara Municipal do Cartaxo:

MUNICÍPIO DO CARTAXO Gabinete Jurídico EDITAL N.º 82/2008. PAULO ALEXANDRE FERNANDES VARELA SIMÕES CALDAS, Presidente da Câmara Municipal do Cartaxo: EDITAL N.º 82/2008 PAULO ALEXANDRE FERNANDES VARELA SIMÕES CALDAS, Presidente da Câmara Municipal do Cartaxo: FAZ PÚBLICO, que o Regulamento do Cartão Municipal Sénior sofreu alterações propostas pelo

Leia mais

Acordo de Colaboração

Acordo de Colaboração Acordo de Colaboração Extensão de horário das actividades de animação e de apoio à família na educação Pré-escolar nos Jardins do Agrupamento de Escolas de Samora Correia Considerando que: A Educação Pré-escolar,

Leia mais

CLÁUSULA I Objecto do contrato. Cláusula II Direitos e deveres

CLÁUSULA I Objecto do contrato. Cláusula II Direitos e deveres CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO DOMICILIÁRIO Entre: Associação de Solidariedade Social As Costureirinhas de Cavernães, com sede em R. das Eiras, Nº 4, 3505-111 Cavernães, com o NIPC 503176605,

Leia mais

Regulamento Interno Centro de Convívio

Regulamento Interno Centro de Convívio Regulamento Interno Centro de Convívio CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de Cête designado por C.S.C., com acordo de cooperação para a resposta social de Centro

Leia mais

Centro de Convívio - Sede Regulamento Interno

Centro de Convívio - Sede Regulamento Interno CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I NATUREZA DO ESTABELECIMENTO AURPIS Associação Unitária Reformados Pensionistas e Idosos do Seixal é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos

Leia mais

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa

REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO. Nota justificativa REGULAMENTO DA SALA DE ESTUDO ACOMPANHADO Nota justificativa A elevada taxa de insucesso escolar resulta, em grande parte, da ausência ou uso inapropriado de estratégias de estudo e pela não existência

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA SOCIAL DESPORTIVA

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA SOCIAL DESPORTIVA REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSA SOCIAL DESPORTIVA Preâmbulo A Búzios Associação de Nadadores Salvadores de Coruche (Búzios) tem como objetivo promover a prática desportiva de todos os Munícipes com

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CANTINA SOCIAL

REGULAMENTO INTERNO CANTINA SOCIAL C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CANTINA SOCIAL A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ

Leia mais

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo)

Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos. Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento Administrativo) APÊNDICE N.º 60 II SÉRIE N.º 114 17 de Maio de 2002 Aviso n.º 4113/2002 Regulamento para a Atribuição de Apoio a Estratos Sociais Desfavorecidos Nota justificativa (art. 116º do Código do Procedimento

Leia mais

Regulamento Interno. para o. Voluntariado

Regulamento Interno. para o. Voluntariado Regulamento Interno para o Voluntariado Regulamento Interno para o Voluntariado Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento visa definir as regras de actuação do

Leia mais

Capítulo I. Denominação/Natureza/Organização e afins

Capítulo I. Denominação/Natureza/Organização e afins REGULAMENTO Capítulo I Denominação/Natureza/Organização e afins O Lar de São Salvador é uma instituição particular com sede na Rua Joaquim Caetano Frazão n.º 34 A/B em Santarém. O Lar de São Salvador é

Leia mais

M U N I C Í P I O D E O U R I Q U E REGULAMENTO MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE PREÂMBULO

M U N I C Í P I O D E O U R I Q U E REGULAMENTO MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DE INCENTIVO À NATALIDADE PREÂMBULO Considerando que a diminuição da natalidade é um problema premente e preocupante, particularmente nas regiões interiores do país; Considerando

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE ALPIARÇA

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE ALPIARÇA REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA NOS ESTABELECIMENTOS DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO CONCELHO DE ALPIARÇA O presente documento tem por objecto a regulamentação

Leia mais

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso

Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Regulamento do Cartão Municipal do Idoso Preâmbulo Considerando a importância crescente do papel das autarquias locais, no âmbito do apoio às populações, a Câmara Municipal de Grândola atenta que está

Leia mais

União das Freguesias da Chamusca e Pinheiro Grande. Projeto de Regulamento. Transporte Social

União das Freguesias da Chamusca e Pinheiro Grande. Projeto de Regulamento. Transporte Social União das Freguesias da Chamusca e Pinheiro Grande Projeto de Regulamento Transporte Social Nota Justificativa A população residente na União das Freguesias da Chamusca e Pinheiro Grande é uma população

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA DE ESPINHO A Lei n.º 33/98, de 18 de Julho, instituiu a figura jurídica dos Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de

Leia mais

Regulamento da Piscina Municipal Descoberta. Nota Justificativa

Regulamento da Piscina Municipal Descoberta. Nota Justificativa Regulamento da Piscina Municipal Descoberta Nota Justificativa O desporto encerra em si um vasto leque de valores universais que, ao longo dos tempos, tem contribuído para a melhoria dos padrões de qualidade

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo Considerando que nas últimas décadas temos vindo a assistir ao aumento dos índices de envelhecimento e de dependência das pessoas idosas entre

Leia mais

Regulamento Interno da Associação de Solidariedade Social de Mosteiró CAPÍTULO I PARTE GERAL

Regulamento Interno da Associação de Solidariedade Social de Mosteiró CAPÍTULO I PARTE GERAL Regulamento Interno da Associação de Solidariedade Social de Mosteiró Art. 1º Definição Legal CAPÍTULO I PARTE GERAL O presente regulamento aplica-se à Associação de Solidariedade Social de Mosteiró Instituição

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Regulamento Interno Julho 2008 Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A Fonte Santa Centro social de Serra do Bouro, tem a sua sede na estrada

Leia mais

Regulamento Programa AnimaSénior

Regulamento Programa AnimaSénior Nota Justificativa O Município de Vouzela, ao longo dos anos, tem vindo a implementar programas e atividades destinados à população sénior residente no concelho, no âmbito do programa AnimaSénior, tendo

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE COMPARTICIPAÇÃO EM MEDICAMENTOS E TRANSPORTE DE DOENTES Preâmbulo O Concelho de Vieira do Minho, tal como a maioria dos Concelhos do interior do país, tem vindo a assistir nas

Leia mais

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS)

Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) Regulamento do Instituto de Psicologia Cognitiva, Desenvolvimento Humano e Social (IPCDHS) CAPÍTULO I Natureza, Fins e Atribuições Artigo 1º (Natureza, Constituição, Localização) 1. O Instituto de Psicologia

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR

GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR Manual de GUIA PRÁTICO ACOLHIMENTO FAMILIAR INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acolhimento Familiar (33 V4.02) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Regulamento Interno SAD

Regulamento Interno SAD Regulamento Interno SAD CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de Cête designado por C.S.C., com acordo de cooperação para a resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA REGULAMENTO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA. Tel: Fax:

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA REGULAMENTO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA.   Tel: Fax: SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA REGULAMENTO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ALMADA Email: informacoescaii@scma.pt Tel: 212740996 Fax: 212748371 Página 1 de 10 Página 10 de 10 2 - A cessação do trabalho

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA

CÂMARA MUNICIPAL DE ÉVORA Página 1 de 5 Normas de Participação Projeto Laços para a Vida Casa & Companhia CAPITULO I (Condições Gerais) O Programa Laços para a Vida Casa & Companhia, promovido pela Câmara Municipal de Évora, assenta

Leia mais

Regulamento do Cartão Social do Município de Mértola

Regulamento do Cartão Social do Município de Mértola Preâmbulo O Município de Mértola tem vindo a desenvolver e a promover medidas sociais com o objectivo de erradicar fenómenos de pobreza e de exclusão social numa lógica de solidariedade social local activa,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO, UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS DA ASSOCIAÇÃO RECREATIVA ALFÂNDEGUENSE

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO, UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS DA ASSOCIAÇÃO RECREATIVA ALFÂNDEGUENSE REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO, UTILIZAÇÃO DAS PISCINAS DA ASSOCIAÇÃO RECREATIVA ALFÂNDEGUENSE Nota justificativa O presente Projecto de Regulamento das Piscinas da Associação Recreativa Alfandeguense, surge

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Lousada

Santa Casa da Misericórdia de Lousada Santa Casa da Misericórdia de Lousada REGULAMENTO INTERNO Apoio Domiciliário Integrado O serviço de Apoio Domiciliário Integrado é um serviço que se caracteriza através de um conjunto de acções e cuidados

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL 65 +

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL 65 + REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL 65 + Elaborado Por: Desenvolvimento Social Acção Social Data: Verificado Por: Data: Aprovado por: Câmara Municipal de Estremoz Data: 05/01/2011 Aprovado por: Assembleia

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Lousada

Santa Casa da Misericórdia de Lousada Santa Casa da Misericórdia de Lousada REGULAMENTO INTERNO Apoio Domiciliário CAPÍTULO I Denominação, Funcionamento e Fins Artigo 1º O serviço de Apoio Domiciliário tem como principal objectivo a satisfação

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GE 3 SECÇÃO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO SERVIÇO DE APOIO ALIMENTAR À COMUNIDADE REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I Âmbito e Denominação Artigo 1º O presente regulamento contém as normas gerais de funcionamento

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO A CÂMARA MUNICIPAL DE ALENQUER Praça Luís de Camões -2580-318 ALENQUER - Telef. 263730900. Fax 263 711 504. e-mau: aerai6~cm-a eflaue.dt ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO r Proposta

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SALVATERRA DE MAGOS. Regulamento para atribuição de bolsas de estudo a alunos do ensino superior. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL DE SALVATERRA DE MAGOS. Regulamento para atribuição de bolsas de estudo a alunos do ensino superior. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL DE SALVATERRA DE MAGOS Regulamento para atribuição de bolsas de estudo a alunos do ensino superior Preâmbulo O desenvolvimento de medidas de carácter social com o intuito de melhorar as

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro

Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro Normas Reguladoras de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família dos Jardins de Infância da Rede Pública do Concelho de Oliveira do Bairro

Leia mais

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00%

3,11% 3,03% 2,82% 2,76% 2,56% 1,92% 1,62% 1,52% 1,48% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Problemáticas Especificas e Respostas Sociais Famílias e comunidade Rendimento Social de Inserção População Beneficiária de RSI (%) Barreiro Montijo Almada Setúbal Peninsula de Setúbal Portugal Continental

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços Centro de Dia

Contrato de Prestação de Serviços Centro de Dia Contrato de Prestação de Serviços Centro de Dia Entre: Primeiro Outorgante: Centro de Promoção Social (CPS), Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede em Carvalhais São Pedro do Sul e com

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAMPO MAIOR EDITAL Nº 59/2014-DAF-E.G.

MUNICÍPIO DE CAMPO MAIOR EDITAL Nº 59/2014-DAF-E.G. EDITAL Nº 59/2014-DAF-E.G. -SÉRGIO ANTÓNIO NANITA BICHO, VICE-PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR: ------------------------------------------------------ -TORNA PÚBLICO, que de acordo com artigo

Leia mais

União das Freguesias de Alcácer do Sal. (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana

União das Freguesias de Alcácer do Sal. (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana União das Freguesias de Alcácer do Sal (Santa Maria do Castelo e Santiago) e Santa Susana CERCART ATL 1. ÂMBITO O espaço de Atividades de Tempos Livres destina-se a proporcionar atividades de lazer, lúdicas,

Leia mais

PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE. Metodologia de Avaliação e Seleção de Candidatos

PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE. Metodologia de Avaliação e Seleção de Candidatos PROJETO CUIDAR TRATAR DAS NOSSAS PESSOAS REDE INTERMUNICIPAL DE CUIDADOS DE SAÚDE PROTOCOLO INTERMUNICIPAL ENTRE OS MUNICÍPIOS DE VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO E OLHÃO Metodologia de Avaliação e Seleção de

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL Edital n.º 82/2000 (2.ª série). AP. Carlos Alberto Pinto de Oliveira, presidente da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS Preâmbulo Como sabemos as deficientes condições de habitabilidade ocupam um lugar central entre os factores

Leia mais

Projecto de Regulamento. Oficina de Teatro Eç'agorA

Projecto de Regulamento. Oficina de Teatro Eç'agorA Projecto de Regulamento Oficina de Teatro Eç'agorA Preâmbulo O teatro, para além da sua vertente lúdica, é um excelente mecanismo para estimular o nosso autoconhecimento, o interrelacionamento e a capacidade

Leia mais

REGULAMENTO DOS APOIOS EM CEDÊNCIA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

REGULAMENTO DOS APOIOS EM CEDÊNCIA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO REGULAMENTO DOS APOIOS EM CEDÊNCIA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL PARA OBRAS PARTICULARES DE AGREGADOS FAMILIARES CARENCIADOS NA FREGUESIA DA PONTA DELGADA Considerando o novo quadro legal de atribuições

Leia mais

MUNICIPIO DE VILA DO BISPO REGULAMENTO DE ATRIBIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

MUNICIPIO DE VILA DO BISPO REGULAMENTO DE ATRIBIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO MUNICIPIO DE VILA DO BISPO REGULAMENTO DE ATRIBIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO E BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO Preâmbulo É atribuição das Autarquias locais deliberar em matéria de acção social, designadamente no que

Leia mais

Diploma. Cria e regula o funcionamento dos gabinetes de inserção profissional

Diploma. Cria e regula o funcionamento dos gabinetes de inserção profissional Diploma Cria e regula o funcionamento dos gabinetes de inserção profissional O Governo tem vindo a proceder à racionalização e sistematização do edifício legislativo que enquadra e regula as medidas de

Leia mais

MUNICÍPIO DE VALPAÇOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE VALPAÇOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Preâmbulo MUNICÍPIO DE VALPAÇOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Preâmbulo Nos termos do artigo 235º nº2 da Constituição da República Portuguesa, as Autarquias são pessoas colectivas territoriais

Leia mais

REGULAMENTO -FUNCIONAMENTO DA LOJA SOCIAL MÃO AMIGA

REGULAMENTO -FUNCIONAMENTO DA LOJA SOCIAL MÃO AMIGA FREGUESIA DA GUARDA REGULAMENTO -FUNCIONAMENTO DA LOJA SOCIAL MÃO AMIGA Dezembro de 2010 PREÂMBULO A Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada e republicada pela Lei nº5-a /2002, de 11 de Janeiro, atribui

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão. Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão. Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional do Porto Faculdade de Economia e Gestão Centro de Estudos em Gestão e Economia CEGE Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º (Natureza) 1. O Centro de Estudos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA. Preambulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA. Preambulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DA INCUBADORA TECCAMINHA Preambulo O empreendedorismo é considerado um importante pilar da economia e uma forma de promover o auto-emprego e o desenvolvimento económico.

Leia mais

Regulamento Municipal do Cartão Social Municipal. Artigo 1.º Noção. Artigo 2.º Condições de acesso. Artigo 3.º Documentos de instrução do pedido

Regulamento Municipal do Cartão Social Municipal. Artigo 1.º Noção. Artigo 2.º Condições de acesso. Artigo 3.º Documentos de instrução do pedido REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO SOCIAL MUNICIPAL Publicação APÊNDICE N.º 137 II SÉRIE N.º 250 29 de Outubro de 2002 Regulamento Municipal do Cartão Social Municipal Artigo 1.º Noção O cartão social municipal

Leia mais

PROJETO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTOS AOS IDOSOS CARENCIADOS

PROJETO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTOS AOS IDOSOS CARENCIADOS PROJETO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA DE COMPARTICIPAÇÃO DE MEDICAMENTOS AOS IDOSOS CARENCIADOS PREÂMBULO Os idosos são tradicionalmente um grupo social com dificuldades reconhecidas que advém, sobretudo

Leia mais

Regulamento Interno CANTINA SOCIAL

Regulamento Interno CANTINA SOCIAL Regulamento Interno CANTINA SOCIAL Norma I Âmbito 1. A Cantina Social da Obra Diocesana de Promoção Social integra a Convenção da Rede Solidária de Cantinas Sociais, para o designado Programa de Emergência

Leia mais

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO

MUNICIPIO DE MESÃO FRIO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DO PROGRAMA SOCIAL DE APOIO À HABITAÇÃO DO MUNICIPIO DE MESÃO FRIO A, em conformidade com as atribuições e competências consignadas aos Municípios, nomeadamente

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais