REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local."

Transcrição

1 1. Introdução Conceitos REDES LOCAIS Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1

2 1.2. Tipos de Aplicações As Redes Locais têm em geral três domínios de aplicações quanto à cobertura geográfica: uma única sala (por exemplo, para compartilhamento de dispositivos especiais entre vários computadores), dentro de um edifício (por exemplo, na integração de um serviço de escritório), ou mesmo uma área coberta por vários edifícios (por exemplo, um campus universitário, uma fábrica, ou uma pequena cidade). A dispersão geográfica, como veremos, é fundamental na escolha da topologia e meio de transmissão, sendo um fator importante também em alguns tipos de protocolo. 2

3 O ambiente de operação influencia também na escolha do meio de transmissão e topologia. Ambientes ruidosos e com problemas de segurança têm requisitos mais fortes quanto à escolha. A ocorrência de erros devido a ruídos exigirá também dos protocolos mecanismos de detecção e recuperação, em alguns casos. A escolha do protocolo de acesso é também diretamente influenciada por estes fatores. Alguns protocolos, por exemplo, levam em conta a distância máxima entre nós para seu perfeito funcionamento. 3

4 A exigência de tempo de resposta máximo limitado bem como o tipo de tráfego exigido será de fundamental importância na escolha do protocolo de acesso. Para aplicações de controle de processos e outras aplicações em tempo real, à garantia de tempo de resposta limitado é uma característica desejável. Infelizmente, em qualquer aplicação existe sempre uma possibilidade de um erro de transmissão, que causará uma não limitação no tempo de resposta em qualquer caso. Em muitas aplicações, entretanto, é importante que este problema não seja causado pelo tipo de protocolo utilizado. 4

5 A confiabilidade exigida será fundamental tanto na escolha do meio de transmissão, quanto da topologia e protocolo de acesso. O tipo de informação transmitida pode ser dados, vídeo e voz. Os diversos tipos de transmissão vão diferir em termos de freqüência, quantidade de informação transmitida, natureza analógica ou digital, requisitos de tempo real e de isenção de erros etc. A confiabilidade exigida será fundamental tanto na escolha do meio de transmissão, quanto da topologia e protocolo de acesso. O tipo de informação transmitida pode ser dados, vídeo e voz. Os diversos tipos de transmissão vão diferir em termos de freqüência, quantidade de informação transmitida, natureza analógica ou digital, requisitos de tempo real e de isenção de erros etc. Aplicações para comunicação computador/computador (transferências de arquivos, processamento distribuído, etc.) exigem velocidade de comunicação maior, e possuem um tráfego mais intenso, algumas vezes regular. 5

6 2. TOPOLOGIA A topologia refere-se ao layout físico e ao meio de conexão dos dispositivos na rede, ou seja, como estes estão conectados. Os pontos no meio onde são conectados recebem a denominação de nós, sendo que estes nós sempre estão associados a um endereço, para que possam ser reconhecidos pela rede. Várias são as estratégias de topologia, embora as variações sempre derivem de três topologias básicas que são as mais freqüentemente empregadas. Dentre as topologias mais usuais encontram-se a estrela, o anel e a barra comum. 6

7 2.1. Topologia em Estrela Neste tipo de topologia cada nó é interligado a um nó central (mestre), através do qual todas as mensagens devem passar. Tal nó age, assim, como centro de controle da rede, interligando os demais nós (escravos) que usualmente podem se comunicar apenas com um outro nó de cada vez. Isto não impede que haja comunicações simultâneas, desde que as estações envolvidas sejam diferentes. 7

8 BARRAMENTO EM ESTRELA Confiabilidade é um problema nas redes em estrela. Falhas em um nó escravo apresentam um problema mínimo de confiabilidade, uma vez que o restante da rede ainda continua em funcionamento. Falhas no nó central, por outro lado, podem ocasionar a parada total do sistema. 8

9 2.2. Topologia em Anel Uma rede em anel consiste de estações conectadas através de um caminho fechado, evitando os problemas de confiabilidade de uma rede em estrela. O anel não interliga as estações diretamente, mas consiste de uma série de repetidores ligados por um meio físico, sendo cada estação ligada a estes repetidores. Uma outra solução para redes maiores utilizamos a bridge para interligações. Em caso de interrupção no anel, a parada na rede é total. 9

10 2.3 Topologia em Barra Topologia em barra comum se caracteriza pela ligação de estações (nós) ao mesmo meio de transmissão. A barra é geralmente compartilhada no tempo ou na freqüência, permitindo a transmissão de informação. Ao contrário das outras topologias que são configurações ponto a ponto (isto é, cada enlace físico de transmissão conecta apenas dois dispositivos), a topologia em barra tem uma configuração multiponto (isto é, mais do que dois dispositivos estão conectados ao meio de comunicação). 10

11 Tipos de Topologias Pontos Positivos Pontos Negativos Topologia Estrela Topologia Anel (Token Ring) Topologia Barramento É mais tolerante a falhas; Fácil de instalar usuários; Monitoramento centralizado. Razoavelmente fácil de instalar; Requer menos cabos; Desempenho uniforme. Simples e fácil de instalar; Requer menos cabos; Fácil de entender. Custo de Instalação maior porque recebe mais cabos. Se uma estação para todas param; Os problemas são difíceis de isolar. A rede fica mais lenta em períodos de uso intenso; Os problemas são difíceis de isolar. 11

12 12

13 Multiponto Nesta modalidade de ligação existe sempre uma estação controladora que coordena o tráfico de dados das demais estações chamadas subordinadas. Este controle é feito através de uma rotina de atendimento denominada POLL-SELECT. Estas redes podem permitir que estações subordinadas se comuniquem entre si diretamente ou apenas através da estação controladora. A diferença entre estes dois modos de envio de mensagens é a complexidade PROF. PAULO ROBERTO SCHROEDER de DE controle. SOUZA 13

14 Estruturas Mistas As estruturas mistas são tipos de redes que utilizam características dos dois tipos básicos de redes, a ligação ponto-a-ponto e multiponto, para obter redes mais complexas e com maiores recursos. As estruturas mistas podem ser do tipo Estrela, Barra e Anel. 14

MÓDULO 2 Topologias de Redes

MÓDULO 2 Topologias de Redes MÓDULO 2 Topologias de Redes As redes de computadores de modo geral estão presentes em nosso dia adia, estamos tão acostumados a utilizá las que não nos damos conta da sofisticação e complexidade da estrutura,

Leia mais

Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Comunicação de Dados Módulo 2- Caracterização de Redes e Comunicação de Dados

Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Comunicação de Dados Módulo 2- Caracterização de Redes e Comunicação de Dados Ficha Formativa 2 Tipos de Topologias de Rede Topologia bus ou barramento Nesta topologia temos um cabo, com as extremidades separadas, ao longo do qual se ligam os dispositivos. Os sinais são transmitidos

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações

Redes de Computadores e Aplicações Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 06 Elementos de Interconexões

Leia mais

Telecomunicação e Redes

Telecomunicação e Redes Telecomunicação e Redes Gleidson Emanuel Engª. Mecânica Izaac Damasceno Engª. Agrícola e Ambiental Jadson Patrick Engª. Agrícola e Ambiental Sergio Santos Engª. Agrícola e Ambiental DEFINIÇÃO (Telecomunicação)

Leia mais

Redes de Computadores. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais

Redes de Computadores. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais Redes de Computadores Disciplina: Informática Prof. Higor Morais 1 Agenda Sistemas de Comunicação Histórico das Redes de Comunicação de Dados Mídias de Comunicação Meios de Transmissão Padrões e Protocolos

Leia mais

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Fundamentos de Redes II

Graduação Tecnológica em Redes de Computadores. Fundamentos de Redes II Graduação Tecnológica em Redes de Computadores Fundamentos de Redes II Euber Chaia Cotta e Silva euberchaia@yahoo.com.br Site da disciplina http://echaia.com Ementa: Camada física do modelo OSI; Camada

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Elementos de um Sistema Aberto de Automação REDES DE COMPUTADORES Estágios da Informatização Empresas com larga experiência em informática, que utilizavam computadores de grande porte e passaram a utilizar

Leia mais

Redes sem Fio WPANs (IEEE ) Wireless Personal Area Networks. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio WPANs (IEEE ) Wireless Personal Area Networks. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WPANs (IEEE 802.15) Wireless Personal Area Networks Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless

Leia mais

Auxiliar em Administração de Redes Redes de Computadores I

Auxiliar em Administração de Redes Redes de Computadores I Prof. Diego Pereira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Auxiliar em Administração de Redes Redes de Computadores

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 2: Dados e sinais Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO SISTEMA DE CONTROLE OPERACIONAL E GERENCIAL PARA ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS

CONTROLE DE ACESSO SISTEMA DE CONTROLE OPERACIONAL E GERENCIAL PARA ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS CONTROLE DE ACESSO SISTEMA DE CONTROLE OPERACIONAL E GERENCIAL PARA ACESSO DE PESSOAS E VEÍCULOS VISÃO GERAL CONTROLE E GERENCIAMENTO DE ACESSO DE VEÍCULOS E PESSOAS Controle e gerenciamento de acesso

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 05. Redes de Computadores. Prof. Fábio Nelson

Introdução à Informática. Aula 05. Redes de Computadores. Prof. Fábio Nelson Aula 05 Redes de Computadores Sistemas de Comunicação de Dados Sistemas computadorizados que transmitem dados por meio de linhas de comunicação, como, por exemplo, linhas telefônicas ou cabos. História:

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

3.1 - Topologias de cablagem

3.1 - Topologias de cablagem Capítulo 3 3.1 - Topologias de cablagem Topologias Determinam a forma de implantação das cablagens Topologia Física Decorre do modo como a rede se apresenta instalada no espaço a ser coberto Topologia

Leia mais

Sistema de Gestão de Banco de Dados SGBD. David Fernandes França

Sistema de Gestão de Banco de Dados SGBD. David Fernandes França Sistema de Gestão de Banco de Dados SGBD David Fernandes França dffranca@gmail.com Desenvolvimento Bancos de Dados Através de Projeto de Dados O projeto de dados é o processo de identificar e formalizar

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace

Redes de Computadores II. Módulo 1 Introdução e a camada de enlace Redes de Computadores II Módulo 1 Introdução e a camada de enlace 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores O problema fundamental da comunicação é reproduzir em um ponto exatamente ou aproximadamente

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos. Gabriel Resende Gonçalves 4 de fevereiro de 2014

Bancos de Dados Distribuídos. Gabriel Resende Gonçalves 4 de fevereiro de 2014 Bancos de Dados Distribuídos Gabriel Resende Gonçalves 4 de fevereiro de 2014 Sumário Introdução; Vantagens e Desvantagens; Regras Básicas; Tipos de BDDs; Processamento de Transações; Recuperação de Falhas;

Leia mais

IEEE a, b, g, n

IEEE a, b, g, n IEEE 802.11 a, b, g, n Redes de Computadores I Professor Otto Carlos Muniz Bandeira Barreto Felipe Martins Athayde Alves Thiago de Lima Vasconcelos Sumário 1. IEEE 802.11 2. Perguntas 1.1 IEEE 802.11 a

Leia mais

Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede

Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede Laboratório 2.6.1: Orientação de Topologia e Construção de uma Pequena Rede Diagrama de Topologia Rede Peer-to-Peer Objetivos Rede Comutada Com a conclusão deste laboratório, você será capaz de: Identificar

Leia mais

Guia Planejando a Infra-estrutura de Rede Privada TCP/IP

Guia Planejando a Infra-estrutura de Rede Privada TCP/IP Guia Planejando a Infra-estrutura de Rede Privada TCP/IP Sumário Introdução... 2 Definindo a Classe IP... 2 Modelo de Rede Privada 1 Única Rede... 4 Etapas... 4 Configurações da Rede Privada... 4 Roteador...

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação

Gestão de Tecnologia da Informação Gestão de Tecnologia da Informação Telecomunicações e Redes de Computadores Prof. Gilberto B. Oliveira Conceitos Redes: Cadeias, grupos ou sistemas interconectados. A utilidade de uma rede é igual ao número

Leia mais

Mapa dos Corredores Estruturais

Mapa dos Corredores Estruturais Mapa dos es Estruturais Industrial Umuarama Norte Oeste Dona Zulmira Central Leste Novo Mundo Planalto Sudoeste Jardins Sul Sudeste Santa Luzia Universitário Anéis Oeste Planalto Norte Dona Zulmira Sudoeste

Leia mais

Redes de Comunicação de Dados

Redes de Comunicação de Dados Redes de Comunicação de Dados 1 - Objetivo O grande objetivo é a formação geral de um especialista capaz de projetar redes de computadores, tanto sob o aspecto de software quanto de hardware, a partir

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Telemóvel e a Sociedade 1 de 7 Na minha opinião o uso do telemóvel é indispensável visto que a comunicação instantânea em qualquer lugar e a qualquer hora hoje em dia é imprescindível para a maior parte

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, março de 2016 Roteiro WMAN WiMAX Arquitetura Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares

Leia mais

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado

Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado Norma ANSI/TIA/EIA-569-A: Especificações de Infra-Estrutura de Cabeamento Estruturado A prioridade desta norma é prover as especificações do projeto e direção para todas as instalações do prédio relacionadas

Leia mais

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação

Introdução. Modelo de um Sistema de Comunicação I 1 Comunicação de Dados e Redes de Computadores Introdução FEUP/DEEC/CDRC I 2002/03 MPR/JAR Modelo de um Sistema de Comunicação» Fonte gera a informação (dados) a transmitir» Emissor converte os dados

Leia mais

1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos Pontos críticos directos

1. Monitorização. Índice. 1.1 Principais pontos críticos Pontos críticos directos Monitorização e Gestão do Servidor de Email ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ Índice 1. Monitorização...1 1.1 Principais

Leia mais

Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes medidas: o De prevenção; o Detecç

Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes medidas: o De prevenção; o Detecç Auditoria e Segurança de Sistemas Prof.: Mauricio Pitangueira Instituto Federal da Bahia Segurança do Ambiente Físico Para garantir adequada segurança do ambiente físico, é necessário combinar as seguintes

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Comunicação em Grupo Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 10.4 pág. 304-311 2 Comunicação em Grupo Suponha que se deseja um serviço de arquivos único

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA 1. Aplicação PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA Plano nº 207 Pacote Família HD Max Este Plano de Serviço de TV é aplicável a autorizatária Embratel TV Sat Telecomunicações S.A., denominada doravante como

Leia mais

Guia de Instalação. Roteador Greatek

Guia de Instalação. Roteador Greatek Guia de Instalação Roteador Greatek WR-2500HP Por favor leia o Manual do Usuário cuidadosamente garantindo uma utilização correta deste produto e guarde este manual para uma referencia futura. 1- Visão

Leia mais

Conversor HDMI para VGA + Áudio. Manual do Usuário

Conversor HDMI para VGA + Áudio. Manual do Usuário Conversor HDMI para VGA + Áudio Manual do Usuário Obrigado por comprar um Produto Comtac Você comprou um produto de uma empresa que oferece alta qualidade e valor agregado. Conheça nossa linha completa

Leia mais

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Cabo Coaxial

Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Cabo Coaxial Mídias Físicas Utilizadas Cabo Coaxial e Par Trançado Prof. Alexandre Beletti Ferreira COMPOSTO POR: Cabo Coaxial Fio de cobre rígido que forma o núcleo Envolto por um material isolante, O isolante, por

Leia mais

ABB Automação. Indicador Digital Processos Pt100 e TAP s MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional

ABB Automação. Indicador Digital Processos Pt100 e TAP s MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional Indicador Digital Processos Pt100 e TAP s MODO DE USO Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional ABB Automação Hartmann & Braun Dados Técnicos (NRB5180) Entrada Características

Leia mais

Firewall. Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig

Firewall. Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig Firewall Andrei Jean Fabio Garzarella William Passig O que é? Firewall por Hardware Firewall por Software Camadas OSI Como funciona? Regras e Ações Tipo de Firewall Agenda O que é? Firewall é uma solução

Leia mais

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite

Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência. Thiago Leite Protocolos de Interligação de Redes Locais e a Distância Modelos de Referência Thiago Leite thiago.leite@udf.edu.br As redes são organizadas em camadas Forma de reduzir a complexidade Um conjunto de camadas

Leia mais

Informática I. Aula 20. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 20-27/11/06 1

Informática I. Aula 20. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 20-27/11/06 1 Informática I Aula 20 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 20-27/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR. Segundo Bimestre EXERCÍCIOS DE REVISÃO DNS, DHCP, Endereços Privados, Proxy e NAT EDGARD JAMHOUR Segundo Bimestre Exercício 1: Considere a seguinte configuração de árvore de nomes DNS. ZONA.br dns (200.0.0.1) SOA br dns2

Leia mais

CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670

CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670 CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR-ISOLADOR DE SINAIS TRM-670. Para garantir o uso correto e eficiente do TRM-670, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Arquiteturas de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n Organização em Camadas n Arquiteturas de Redes n Arquitetura RM-OSI n Arquitetura TCP/IP

Leia mais

Medidor TKE-120. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida

Medidor TKE-120. [1] Introdução. [2] Princípio de funcionamento. [5] Precisão. [6] Características Elétricas. [3] Aplicações. [4] Grandeza medida [1] Introdução O Medidor TKE-120 é um instrumento para instalação em fundo de painel, que permite a medição do consumo de energia ativa (Wh) ou reativa (VArh) em sistemas de corrente alternada (CA). Possui

Leia mais

Técnico em Radiologia. Prof.: Edson Wanderley

Técnico em Radiologia. Prof.: Edson Wanderley Técnico em Radiologia Prof.: Edson Wanderley Rede de Computadores Modelo Mainframe Terminal Computador de grande porte centralizado; Os recursos do computador central, denominada mainframe são compartilhadas

Leia mais

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida,

NOÇÃO DE MEDIDA. O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, NOÇÃO DE MEDIDA O ato de medir está sempre associado ao ato de comparar. Utilizamos como base de comparação uma unidade de medida, Medir uma dada grandeza consiste em comparar o seu valor com a respetiva

Leia mais

Instruções para instalação do software ESI[Tronic] + KTS. Figura 2

Instruções para instalação do software ESI[Tronic] + KTS. Figura 2 Instruções para instalação do software ESI[Tronic] + KTS Passo 1 É importante que o KTS esteja conectado ao computador (via porta USB ou serial) e na energia, vide figura 1. Observar também se o LED verde

Leia mais

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MANUAL DA BANCADA PRINCIPAL

WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MANUAL DA BANCADA PRINCIPAL WEG EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS S.A. CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MANUAL DA BANCADA PRINCIPAL CENTRO DE TREINAMENTO DE CLIENTES - CTC MANUAL DA BANC ADA PRINCIPAL JARAGUÁ DO SUL SC 11339470.01/122009

Leia mais

Trabalho sobre Topologia de Redes

Trabalho sobre Topologia de Redes Trabalho sobre Topologia de Redes Emerson Baptista da Silva 27 de Janeiro de 2013 Topologia das Redes A topologia de rede descreve como o fica a sua situação física através do qual os dados, imagens e

Leia mais

OMNET++ APLICADO À ROBÓTICA COOPERATIVA

OMNET++ APLICADO À ROBÓTICA COOPERATIVA OMNET++ APLICADO À ROBÓTICA COOPERATIVA Daniel Costa Ramos Doutorando Disciplina de Redes de Comunicação Professor Carlos Montez 07/2014 2/25 Estrutura da Apresentação Introdução Robótica Cooperativa Material

Leia mais

MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC

MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 ETER-FAETEC. Rio de Janeiro - RJ ETER-FAETEC MEIOS DE TRANSMISSÃO REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ INTRODUÇÃO É a conexão física entre os nós. Pode ser através de cabos ou por ondas de rádio, como no caso do wireless. Influencia diretamente no custo

Leia mais

Banco de Dados Distribuído

Banco de Dados Distribuído Bancos de Dados III Bancos de Dados Distribuídos Introdução Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Banco de Dados Distribuído Vários bancos de dados fisicamente separados, mas logicamente relacionados

Leia mais

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia.

7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. 7. A importância do aterramento na Qualidade da Energia. Em primeiro lugar é preciso esclarecer o que significa e para que serve o aterramento do sistema elétrico. Ao contrário do que é usual considerar,

Leia mais

Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi

Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi Fundamentos de compressão e codificação de imagens Douglas Antoniazi Kleberson Hayashi Angelossi 1 Sumário Redundância Codificação Interpixel Psicovisual Critérios de fidelidade Erro total Erro médio quadrático

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

Barramentos de campo. Modelo OSI para sistemas comunicantes

Barramentos de campo. Modelo OSI para sistemas comunicantes Barramentos de campo Bibliografia H. Kopetz, Design Principles for Distributed Embedded Applications, Kluwer Academic Publishers, 1997. 1 Modelo OSI para sistemas comunicantes OSI Open Systems Interconnect

Leia mais

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a:

OBJETIVOS DA SEÇÃO. Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: OBJETIVOS DA SEÇÃO Após concluir com êxito o módulo sobre Área de Trabalho, o aluno deve estar apto a: I. Definir os critérios da Área de Trabalho para o Sistema de Cabeamento Siemon, tanto para interfaces

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO A Faculdade Fleming dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que interliga em torno de 300

Leia mais

Rele de Fuga a Terra RFT-3C

Rele de Fuga a Terra RFT-3C [] Introdução Os Reles de fuga à terra são instrumentos utilizados para auxiliar na proteção de pessoas, painéis e equipamentos em geral. Acoplados a sensores de corrente toroidais apropriados, são capazes

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada

Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada 1) Velocidade e Aceleração 1.1 Velocidade Universidade Federal de Pelotas Cálculo com Geometria Analítica I Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Aplicações da Derivada Suponhamos que um corpo se move em

Leia mais

Internet Segura na Escola Mestre Luís Costa Departamento de Ciências e Tecnologias Universidade Autónoma de Lisboa

Internet Segura na Escola Mestre Luís Costa Departamento de Ciências e Tecnologias Universidade Autónoma de Lisboa Internet Segura na Escola Mestre Luís Costa Departamento de Ciências e Tecnologias Universidade Autónoma de Lisboa Departamento de Ciências e Tecnologias 1 Tópicos A Segurança na Comunicação Perigos da

Leia mais

OFICINAS DE VEÍCULOS OFICINAS GERAIS

OFICINAS DE VEÍCULOS OFICINAS GERAIS OFICINAS DE VEÍCULOS OFICINAS GERAIS SINGEST O Singest - destina-se essencialmente ao apoio à gestão de oficinas de reparaçoes. É um sistema modular, evolutivo e parametrizável. Está dotado de interfaces

Leia mais

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol

Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Resumo Cálculo de Soma de Verificação do User Datagram Protocol Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática othonb@yahoo.com Mesmo sendo um protocolo que nada garante, o UDP tem um campo no datagrama

Leia mais

Gestão de RH/ assiduity.track

Gestão de RH/ assiduity.track As empresas, de uma forma geral, sentem a necessidade de aferir a pontualidade e assiduidade dos seus colaboradores. O dá resposta a esta necessidade recorrendo às tecnologias RFID e biométrica, em conjunto

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados

Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados Apresentação e Treinamento do Portal dos Jurisdicionados Portal dos Jurisdicionados Projeto de prestação de Contas Eletrônica via INTERNET. Processo Digital Fases do Projeto 1ª ) Licitações e Contratos

Leia mais

Transportes. Prof. Márcio Padovani

Transportes. Prof. Márcio Padovani Transportes Índice Definição de transporte Origem e evolução dos transportes Rodoviário Ferroviário Marítimo Aéreo Oleoduto Evolução dos transportes no Porto Classificação dos transportes Quanto à modalidade

Leia mais

Periféricos do PIC - Comparadores e UART

Periféricos do PIC - Comparadores e UART Periféricos do PIC - Comparadores e Guilherme Luiz Moritz 1 1 DAELT - Universidade Tecnológica Federal do Paraná 03 de 2013 Periféricos do PIC - Comparadores e Objetivos Aprender a utilizar o comparador

Leia mais

Tecnologia de Redes. Arquitetura de Rede de Computadores

Tecnologia de Redes. Arquitetura de Rede de Computadores Volnys B. Bernal (c) 1 Tecnologia de Redes Arquitetura de Rede de Computadores Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Volnys B. Bernal (c) 2 Agenda Modelo de Referênica OSI

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SOPHUS TECNOLOGIA

MANUAL DO USUÁRIO SOPHUS TECNOLOGIA MANUAL DO USUÁRIO SOPHUS TECNOLOGIA SUMÁRIO Apresentação 03 Benefícios 04 Como funciona o Banco de Currículos? 05 Tela inicial do sistema 06 Tela cadastro de currículos 07 Tela cadastro de empresas 08

Leia mais

Subestação. Conceito:

Subestação. Conceito: Sistema Eletrosul Conceito: Subestação Instalações elétricas que compreendem máquinas ou aparelhos, instalados em ambiente fechado ou ao ar livre, destinadas à transformação da tensão, distribuição da

Leia mais

Modem e Rede Local Guia do Usuário

Modem e Rede Local Guia do Usuário Modem e Rede Local Guia do Usuário Copyright 2009 Hewlett-Packard Development Company, L.P. As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem aviso. As únicas garantias para produtos

Leia mais

Conhecer algumas funcionalidades do software VMware Player e do sistema operacional

Conhecer algumas funcionalidades do software VMware Player e do sistema operacional ROTEIRO: CONFIGURANDO O WINDOWS 7 OBJETIVO Conhecer algumas funcionalidades do software VMware Player e do sistema operacional Windows 7. INTRODUÇÃO Devido à necessidade de de auxilio nesta configuração.

Leia mais

Controlador de tensão e frequência em geradores sincronos

Controlador de tensão e frequência em geradores sincronos Controlador de tensão e frequência em geradores sincronos Trabalho realizado por: João Rodrigues nº49367 Nuno Costa nº49441 Pedro Lopes nº49465 Objectivos do Trabalho: O porquê da necessidade do controlo

Leia mais

MANUAL DE ASSISTÊNCIAS PROTEÇÃO VIDA PREMIADO

MANUAL DE ASSISTÊNCIAS PROTEÇÃO VIDA PREMIADO S PROTEÇÃO VIDA PREMIADO Í N D I C E 1. ACIONAMENTO DO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA.... 2 2. INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE SUA ASSISTÊNCIA 24 HORAS.... 2 3. ASSISTÊNCIA FUNERAL FAMILIAR.... 3 Página 1 de 6 1.

Leia mais

SUPER SCAN DE LED. Manual de Operações

SUPER SCAN DE LED. Manual de Operações SUPER SCAN DE LED Manual de Operações INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA Este equipamento foi desenvolvido para uso interno. Mantenha-o protegido contra umidade, respingos ou excesso de poeira e calor. Para prevenir

Leia mais

Curitiba, 2015 REALIZAÇÃO: APOIO:

Curitiba, 2015 REALIZAÇÃO: APOIO: Curitiba, 2015 Daniela Facchini, Diretora de Mobilidade Urbana Cristina Albuquerque, Coordenadora de Mobilidade Urbana Mariana Barcelos, Analista de Mobilidade Urbana Desenvolvido pelo WRI Brasil Cidades

Leia mais

Redes de Computadores. MSc. Eugénio Macumbe

Redes de Computadores. MSc. Eugénio Macumbe Redes de Computadores MSc. Eugénio Macumbe Plano Temático 1. Introdução às redes de computadores; 2. A rede telefónica e a transmissão de dados; 3. A ligação de dados; 4. Redes centralizadas em malha e

Leia mais

SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL

SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL SOLICITAÇÃO DO CERTIFICADO DIGITAL 1. Como é feita a entrega do Certificado Digital? Resposta: O certificado digital é entregue ao cliente após o procedimento de Validação Presencial, o qual consiste na

Leia mais

Hardware. Organização Funcional de um. Computador. Arquitetura de Multiprocessadores. UCP Unidade Central de Processamento AMD. Sistema Central CPU

Hardware. Organização Funcional de um. Computador. Arquitetura de Multiprocessadores. UCP Unidade Central de Processamento AMD. Sistema Central CPU Hardware UCP Unidade Central de Processamento AMD Disciplina: Organização e Arquitetura de Computadores Prof. Luiz Antonio do Nascimento Faculdade Nossa Cidade Organização Funcional de um Computador Unidade

Leia mais

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede.

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Objetivos: Ativar e gerenciar compartilhamentos locais e remotos; Ativar e gerenciar o sistema de arquivos distribuídos (DFs); Gerenciar compartilhamentos ocultos;

Leia mais

Topologias de Rede de Computadores

Topologias de Rede de Computadores Topologias de Rede de Computadores As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações, melhorando o desempenho da realização de tarefas, e estão

Leia mais

Meios transparentes Meios translúcidos Meios opacos

Meios transparentes Meios translúcidos Meios opacos ÓPTICA O que é luz? Definimos costumeiramente luz como sendo a faixa visível do espectro eletromagnético. A Óptica irá, portanto, estudar o comportamento da luz e os fenômenos que ocorrem com ela em diferentes

Leia mais

O site da minha empresa precisa ser atualizado?

O site da minha empresa precisa ser atualizado? O site da minha empresa precisa ser atualizado? Já sabemos a alguns anos que a presença digital é realidade e que vem crescendo cada vez mais. Neste cenário estar bem posicionado na web é obrigação das

Leia mais

Apresentando a impressora

Apresentando a impressora Apresentando a impressora Visão geral da impressora 1 Trava do papel Porta frontal Painel do operador Unidade dúplex opcional Bandeja padrão de 250 folhas Bandeja opcional de 500 folhas Bandeja de saída

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

TECNOLOGIA WEB. Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

Manual do usuário Certificado Digital

Manual do usuário Certificado Digital Manual do usuário Certificado Digital Parabéns Ao ter em mãos este manual, significa que você adquiriu um Certificado Digital DOCCLOUD Índice Importante 03 O que é um Certificado Digital? 04 Instalação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF / Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF / Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FIC FI SELECT RF 23.682.485/0001-46 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I AULA 09 Estruturas de Interconexão (Barramentos) II Existem algumas questões relacionadas ao desempenho do sistema e os barramentos que merecem ser destacadas. 1. a quantidade de dispositivos conectados

Leia mais

NÃO AUTORIZO O USO DE QUALQUER EQUIPAMENTO DE ÁUDIO E VÍDEO!

NÃO AUTORIZO O USO DE QUALQUER EQUIPAMENTO DE ÁUDIO E VÍDEO! Endereçamento IP Endereçamento IP O crescimento explosivo da Internet tem ameaçado esgotar o estoque de endereços IP (Previsão inicial 2008). São usados para expandir o endereçamento IP sem que esse estoque

Leia mais

Formação de DBAs SQL Server 2008

Formação de DBAs SQL Server 2008 Formação de DBAs SQL Server 2008 Parte 8: Banco de Dados Distribuído Computação Distribuída Um grupo de elementos autônomos de processamento (não necessariamente homogêneos) que estão interconectados por

Leia mais

Instalando a sua multifuncional em outros computadores na sua rede. MAXIFY MB5310 Mac OS

Instalando a sua multifuncional em outros computadores na sua rede. MAXIFY MB5310 Mac OS Instalando a sua multifuncional em outros computadores na sua rede MAXIFY MB5310 Mac OS 1 Preparando para Conectar na Rede Requisitos da Rede Antes de conectar sua multifuncional à rede, verifique se a

Leia mais

Mix de Marketing (IV) 4P Promoção

Mix de Marketing (IV) 4P Promoção Mix de Marketing (IV) 4P Promoção Mix de Marketing Produto Preço Criação de valor Captação de valor Entrega de valor Comunicação de valor Praça Promoção COMUNICAÇÕES INTEGRADAS DE MARKETING (CIM) Abrange

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO MANUAL DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E CONTROLE INTERNO Agosto / 2015 SUMÁRIO I) INTRODUÇÃO... 2 II) METODOLOGIA PARA DISTRIBUIÇÃO DE ORDENS... 2 III) METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 3

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v

Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v Tutorial de Eletrônica Circuito para Uso de Relé v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Divisão do computador

Divisão do computador Divisão do computador Hardware: todo o equipamento, suas peças, isto é, tudo o que "pode ser tocado", denomina-se hardware. Alguns equipamentos, como monitor, teclado e rato são também chamados de periféricos.

Leia mais

Monitorização. da Temperatura Wireless

Monitorização. da Temperatura Wireless Monitorização da Temperatura Wireless Atualmente e face à globalização dos mercados, a monitorização da Temperatura assume um papel fundamental e obrigatório na maioria das empresas, as quais necessitam

Leia mais

Documento de Arquitetura de Software- SGE

Documento de Arquitetura de Software- SGE Documento de Arquitetura de Software- SGE IFG Autor: Marcelo Roldrin Barros Silva 1. Introdução 1.1 Finalidade Este documento oferece uma visão geral arquitetural abrangente do sistema SGE (Sistema de

Leia mais

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras

Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Novos modelos de negócio na era digital A transformação sem fronteiras Dilemas da era da economia digital Descompasso envolvendo culturas e estruturas na maior parte das empresas Tecnologias do século

Leia mais