As amostras estão identificadas com um número na parte superior do boletim analítico, que pode ser utilizado como referência para mais informações.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As amostras estão identificadas com um número na parte superior do boletim analítico, que pode ser utilizado como referência para mais informações."

Transcrição

1 São Paulo, 25 de fevereiro de À Boletins Analíticos: ao Águas. Coleta: Projeto 0341P15. Prezados Senhores, Em anexo os resultados originais das análises físico-químicas e biológicas de 16 amostras de águas, recebidas pela Labortechnic em por solicitação da Excel Dedetizadora Ltda EPP, para a determinação de ensaios pré-estabelecidos. As amostras estão identificadas com um número na parte superior do boletim analítico, que pode ser utilizado como referência para mais informações. Os resultados obtidos dos ensaios atendem aos padrões de potabilidade conforme limites estabelecidos pela Portaria do Ministério da Saúde, de 12 de dezembro de 2011, republicada em Estamos à disposição para eventuais esclarecimentos. Atenciosamente, C.R.F.-SP C.R.Q.-4ªR

2

3

4

5 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h00min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. PRÉDIO A2 - LABORATORIAL UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,51 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 0,99 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

6 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h05min. CAIXA SUBTERRÂNEA 430 m 3 Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,65 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,22 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

7 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h10min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. CAIXA SUBTERRÂNEA UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,56 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,24 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

8 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h15min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. DIDÁTICO I UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 6,96 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,19 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

9 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h20min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. CAIXA ELEVADA UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 6,81 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,30 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

10 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h25min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. CAIXA METÁLICA UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 6,72 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,21 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

11 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h26min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. PRÉDIO A1 LABORATORIAL UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,05 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,10 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

12 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h30min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. TRANSPORTES UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,32 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 0,95 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

13 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h35min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. CAT UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,42 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,08 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

14 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h38min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. GUARDA UNIVERSITÁRIA (M4) UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,50 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,06 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

15 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h40min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. DIDÁTICO III (CB) UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,49 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,11 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

16 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h45min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. INCUBADORA (CAT-2) UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,39 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,26 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

17 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h49min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. PRÉDIO A UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,27 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,09 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

18 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h53min. CAIXA SUBTERRÂNEA 214 m 3 Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,22 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,06 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

19 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h55min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. DIDÁTICO II (CB) UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,32 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,03 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

20 Amostra n : Data e hora da coleta: 10h59min. Data e hora da entrada no laboratório: 11h35min. PORTARIA (P3) UFC/mL SM 9215 B - Pour Plate Method 1 NCMF/ SM Membrane Filter 1 NCMF/ ph 7,25 6,0 9, UpH Cor Aparente < mgpt-co/l Turbidez 1,08 5 0,40 NTU 23/02/2015 Cloro Livre < 0,01 0,2 5,0 0,01 mg/l V.M.P.: Máximo Permitido Portaria 2.914, de 12 de dezembro de 2011, republicada em máxima de para qualquer característica de gosto e odor com exceção do cloro livre, nesse Amostra nº

RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014)

RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014) RELATÓRIO TÉCNICO CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO HUMANO POÇO ARTESIANO CRISTALLITE TIMÓTEO - MG (MÊS/ANO REF. 10/2014) 1 RELATÓRIO ANALÍTICO N O 20 10/2014 CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA

Leia mais

Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005

Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 Relatório de s CA Nº 2202/15-1 Revisão 00 Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 O escopo da acreditação pode ser visto em: http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/docs/crl0353.pdf

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938

LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938 CONVENIO COM: FUNASA/CORE- PR DIVISÃO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA CENTRO DE REFERENCIA EM SANEAMENTO AMBIENTAL LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938 Página

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO

QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA PELOS CAMINHÕES-PIPA PARA CONSUMO HUMANO Adriana Moreira de Carvalho Biológa, mestra em Saneamento e Meio Ambiente e aluna especial em doutorado área Águas Subterrâneas pela

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº 17396/2015-1.0 Proposta Comercial Nº 2060/2015

Relatório de Ensaio Nº 17396/2015-1.0 Proposta Comercial Nº 2060/2015 Relatório de Nº 17396/2015-1.0 Proposta Comercial Nº 2060/2015 IDENTIFICAÇÃO DO LABORATÓRIO RAZÃO SOCIAL: LABCRIS ANÁLISES, MEIO AMBIENTE E SERVIÇOS LTDA CNPJ: 02.501.255/0001-63 ENDEREÇO: Rua João Fernandes

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A

Relatório de Ensaio Nº 61828/2014-1.0-A Nº 61828/2014-10-A Processo Comercial Nº 1316/20141 Dados do Cliente Contratante: Solicitante: CNPJ / CPF: 48819619/0001-59 IE / RG: 407001159117 Endereço: Rua Londrina, 587 - Vila Maringá - Município:

Leia mais

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA)

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) IDENTIFICAÇÃO DO SAA UF PR Município Santa Cecília do Pavão Nome do SAA Mês/ano de referência 10/2014 Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto

Leia mais

Estação de Tratamento de Água Bom Jardim Lançamento: Internet Resultados de Análises de Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição

Estação de Tratamento de Água Bom Jardim Lançamento: Internet Resultados de Análises de Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA REDE Cloro Residual mg/l 0,5 a 5,0 0,2 a 5,0 360 114 744 126 1,00 0,38 1,19 0,81 Cor Aparente uh < 15 < 15 336 33 372 126 1,68 < 5,00 4,89 6,84 Flúor mg/l < 1,5

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

Resumo dos resultados das análises da qualidade da água tratada e distribuída Departamento Municipal de Água e Esgoto - Prefeitura de Uberlândia

Resumo dos resultados das análises da qualidade da água tratada e distribuída Departamento Municipal de Água e Esgoto - Prefeitura de Uberlândia Resumo dos resultados das da qualidade da água tratada e distribuída Departamento Municipal de Água e Esgoto - Prefeitura de Uberlândia JANEIRO / 2012 Laudo da água na Estação de Tratamento de Água Renato

Leia mais

II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS

II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS II-155 - ESTUDO DA VIABILIDADE DO REUSO DE EFLUENTES SANITÁRIOS TRATADOS PARA FINS NÃO POTÁVEIS Reginaldo Ramos (1) Químico pelo Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IQ/UFRJ).

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

"Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo"

Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo "Análises obrigatórias para as várias fontes de abastecimento de água para o consumo" Dr. Eneo Alves da Silva Jr. Controle Higiênico Sanitário de Alimentos CONTROLE DE ÁGUA NOS ESTABELECIMENTOS RDC 216/Anvisa

Leia mais

Código CETIND 250208-1223 Amostra TRMOC01 - MEIO Coleta em: 24/02/08 14:36 Ensaio Resultado Unidade LDM Método Data do Ensaio

Código CETIND 250208-1223 Amostra TRMOC01 - MEIO Coleta em: 24/02/08 14:36 Ensaio Resultado Unidade LDM Método Data do Ensaio Relatório de s LABQGI 1369/07-1 Revisão 00 Endereço: Loc. Ilha de Comandatuba, s/n e-mail: reimar@transamerica.com.br; pabl Código CETIND 250208-1222 Amostra TRMOC01 - SUP. Coleta em: 24/02/08 14:36 Nitrogênio

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 0735/14 PORTARIA MS 2914 DADOS REFERENTE AO LABORATÓRIO NOME: YOFEL SERV. E COM. TRATAMENTO DE ÁGUA LTDA. CNPJ: 05.053.575/0001-96 ENDEREÇO: RUA GASTÃO VIDIGAL, 16 - SANTO ÁNDRE SÁO PAULO. TEL: 4513-7348 TEL: 4513-7348 E-MAIL:

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO

ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO ANÁLISE COMPARATIVA DA UTILIZAÇÃO DE DOIS TIPOS DE COAGULANTES PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA DE ABASTECIMENTO Karine Cardoso Custódio PASTANA (UFPA) e-mail:karineccpastana@gmail.com Tatiana Almeida de OLIVEIRA

Leia mais

PAC 05. Água de Abastecimento

PAC 05. Água de Abastecimento PAC 05 Página 1 de 9 PAC 05 Água de Abastecimento PAC 05 Página 2 de 9 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

SCHUMANN. São Gonçalo, novembro de 2007 1/4

SCHUMANN. São Gonçalo, novembro de 2007 1/4 Laudo sobre os resultados analíticos da água da Fonte da Gameleira, situada no Centro de São Gonçalo dos Campos, Bahia. A coleta e o laudo foram elaborados por profissionais da empresa Schumann Consultoria

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA

DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA DETERMINAÇÃO DE TURBIDEZ, SÓLIDOS TOTAIS DISSOLVIDOS E CONDUTIVIDADE ELÉTRICA DA ÁGUA DE POÇOS ARTESIANOS NO MUNICÍPIO DE ANANINDEUA PA Paula Cristina Mendes Nogueira MARQUES (1) ; Emerson Renato Maciel

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 05 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO QUALITEX ENGENHARIA E SERVIÇOS LTDA ÁGUA TRATADA, RESIDUAL, E ÁGUA Determinação

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DE ILHA SOLTEIRA (SP)

QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DE ILHA SOLTEIRA (SP) QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO: DESAFIOS E PERSPECTIVAS DE ILHA SOLTEIRA (SP) RESUMO Sousa, R. L. (1) ; Petroni, T.F. (2) ; Zuque, M.A.S. (2) (1) Discente de Biomedicina, AEMS/Três Lagoas-MS; (2)

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Determinação de Alumínio Total pelo método colorimétrico LQ: 0,008 mg/l ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO ACQUA BOOM SANEAMENTO AMBIENTAL LTDA - EPP Determinação

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de

Leia mais

PORTARIA Nº 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal)

Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal) Data D.O.: 14/12/2011 Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal) Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. O Ministro

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº- 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011(*)

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº- 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº- 2.914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011(*) Dispõe sobre os procedimentos de controle

Leia mais

PORTARIA N 2914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA N 2914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA N 2914, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco-

Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco- Campanha de Amostragem de Água Superficial Rio Joanes / Ponte da Estrada do Côco Maio 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. AVALIAÇÃO HIDROQUÍMICA... 3 3. CONCLUSÕES... 6 FIGURAS 2.1 PONTO DE COLETA RIO JOANES:

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 A LITORAL SANEAMENTO LTDA, atuante como concessionária do Município de Jaguaruna SC, prestando serviços de abastecimento de água nos Balneários Copa 70, Balneário

Leia mais

Portaria MS nº 2.914 12/12/2011

Portaria MS nº 2.914 12/12/2011 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental REUNIÃO ANUAL VIGIAGUA - 2012

Leia mais

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano

ANEXO I. Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100 ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 5 Determinação de Cor Aparente - Espectrometria UV / VIS LQ: 2,5 PtCo/L Determinação de Aspecto - APPPEARANCE LQ: não se aplica Determinação de Turbidez por Turbidimetria LQ: 0,4 NTU Determinação

Leia mais

VIVENCIANDO A ATIVIDADE INVESTIGATIVA NA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA EM UM GRUPO DE TRABALHO DIFERENCIADO

VIVENCIANDO A ATIVIDADE INVESTIGATIVA NA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA EM UM GRUPO DE TRABALHO DIFERENCIADO VIVENCIANDO A ATIVIDADE INVESTIGATIVA NA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA EM UM GRUPO DE TRABALHO DIFERENCIADO Thaiane Salgado Pimenta (CP/UFMG Bolsista da PROGRAD) Alunos do GTD de Ciências Análise da qualidade

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA ZONA RURAL DE PASSOS - MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES):

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PR

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PR JANEIRO 75 0 75 2 73 1440 0 1440 104 1336 7 0 7 5 2 119 0 119 1 118 293 0 293 11 282 225 0 225 5 220 2 0 2 0 2 116 0 116 4 112 Página 1 de 12 FEVEREIRO 73 0 73 2 71 1336 0 1336 385 951 2 0 2 2 0 118 0

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PR. Planilha Controle de Estoque - Materiais de Limpeza - 2013 ESTOQUE ANTERIOR

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO ANTÔNIO DA PLATINA - PR. Planilha Controle de Estoque - Materiais de Limpeza - 2013 ESTOQUE ANTERIOR JANEIRO 20 0 20 1 19 13 0 13 0 13 0 5 5 0 5 16 0 16 1 15 17 0 17 0 17 5 0 5 2 3 20 0 20 2 18 107 0 107 5 102 59 0 59 1 58 23 0 23 1 22 215 0 215 7 208 60 0 60 1 59 5 0 5 0 5 5 0 5 1 4 Página 1 de 12 FEVEREIRO

Leia mais

Eixo Temático ET-08-007 - Recursos Hídricos DIAGNÓSTICO DA TURBIDEZ NA REDE DE ABASTECIMENTO NO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL-PB

Eixo Temático ET-08-007 - Recursos Hídricos DIAGNÓSTICO DA TURBIDEZ NA REDE DE ABASTECIMENTO NO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL-PB 374 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 Eixo Temático ET-08-007 - Recursos Hídricos DIAGNÓSTICO DA TURBIDEZ NA REDE DE ABASTECIMENTO NO MUNICÍPIO

Leia mais

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ

AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ AVALIAÇÃO EMPÍRICA DOS TEMPOS DE FLOCULAÇÃO E SEDIMENTAÇÃO A SEREM APLICADOS NO JARTESTE DA ETA CENTRAL DE JACAREÍ NELSON GONÇALVES PRIANTI JUNIOR (1) - Biólogo (UNITAU), Pedagogo (UNIFRAN), Especialista

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos

Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos Rita de Cascia Avelino Suassuna Apoio: CNPq, FAPEAL e UFAL Objetivo Estudar

Leia mais

COMPLEXO JEQUITIMAR HOTEL E SHOPPING MUNICIPIO DE GUARUJÁ - SÃO PAULO

COMPLEXO JEQUITIMAR HOTEL E SHOPPING MUNICIPIO DE GUARUJÁ - SÃO PAULO COMPLEXO JEQUITIMAR HOTEL E SHOPPING MUNICIPIO DE GUARUJÁ - SÃO PAULO PROJETO EMISSÃO ZERO DE EFLUENTES GERAÇÃO TRATAMENTO E UTILIZAÇÃO DE ÁGUA GERAÇÃO TRATAMENTO E REUSO DE EFLUENTES & GESTÃO DE RESIDUOS

Leia mais

Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal)

Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal) Data D.O.: 14/12/2011 Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal) Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. O Ministro

Leia mais

Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos

Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos Portaria de Potabilidade de Água Evolução e desafios contínuos A evolução ao longo de anos das portarias sobre potabilidade de água tem sido um exemplo a ser seguido por outras legislações. A cada revisão

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

Análise de água. NANOCOLOR Verificação automática de turbidez para testes em tubo. Maior segurança para seus resultado MACHEREY-NAGEL. www.mn-net.

Análise de água. NANOCOLOR Verificação automática de turbidez para testes em tubo. Maior segurança para seus resultado MACHEREY-NAGEL. www.mn-net. Análise de água NANOCOLOR Verificação automática de turbidez para testes em tubo Maior segurança para seus resultado MACHEREY-NAGEL Medidas de turbidez de acordo com a ISO 7027 O que é turbidez? A turbidez

Leia mais

Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal)

Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal) Portaria MS Nº 2914 DE 12/12/2011 (Federal) Data D.O.: 14/12/2011 Dispõe sobre os procedimentos de controle e de vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. O Ministro

Leia mais

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ Universidade Tecnológica Federal do Paraná Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais Campus Medianeira MONITORAMENTO DOS NÍVEIS DE NITRATO NAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM MUNICÍPIO DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

Obs.: Não haverá reposição de aulas e nem segunda chamada de avaliações da recuperação. 6ª feira 06/12 QUÍMICA SANDRO QUÍMICA SANDRO

Obs.: Não haverá reposição de aulas e nem segunda chamada de avaliações da recuperação. 6ª feira 06/12 QUÍMICA SANDRO QUÍMICA SANDRO Lauro de Freitas, 03 de dezembro de 2013. Prezados Pais / Responsáveis, Estamos iniciando o processo de Reorientação Final, lembrando que este é um momento de suma importância, pois, dele depende os resultados

Leia mais

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA.

NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. NOVA AMBI SERVIÇOS ANALÍTICOS LTDA. R-A 124/2009 Rev. 1 São Paulo, 18 de Agosto de 2009. À FUND. APLICAÇÕES DE TECNOL. CRÍTICAS - ATECH Rua do Rócio, 313 11º andar Vila Olimpia SÃO PAULO SP At.: Sr. Abrahão

Leia mais

TRATAMENTO E RECICLAGEM DE EFLUENTES FINAIS DE LAVANDERIAS COM USO DE CARVÃO ATIVADO DE OSSO BOVINO

TRATAMENTO E RECICLAGEM DE EFLUENTES FINAIS DE LAVANDERIAS COM USO DE CARVÃO ATIVADO DE OSSO BOVINO Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 TRATAMENTO E RECICLAGEM DE EFLUENTES FINAIS DE LAVANDERIAS COM USO DE CARVÃO ATIVADO DE OSSO OVINO Aline Galhardo Peres

Leia mais

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo O que é monitoramento automático da qualidade das águas? É o acompanhamento contínuo (em tempo real) da qualidade

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (2) ; Muratori, M.C.S. (3) ; Júnior, M.H.K. (3) ; Aragão, L.V.O. (4) ligia_calina@hotmail.com (1) Programa

Leia mais

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos Global Conference Building a Sustainable World Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável e Eventos Preparatórios e Simultâneos Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte Rua João Bernardo Pinto, 333

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA SISAR/CE

CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA SISAR/CE CONTROLE DE QUALIDADE DE ÁGUA SISAR/CE João Pessoa, 06 de Novembro de 2012 SISAR O SISAR é uma federação de Associações Manutenção Conta de Água QUADRO RESUMO SISAR MUNICÍPIOS SISTEMAS LOC. FILIADAS LOC.

Leia mais

REDUÇÃO/REMOÇÃO DE CROMO NA ÁGUA DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA. Sabesp/Höganäs

REDUÇÃO/REMOÇÃO DE CROMO NA ÁGUA DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA. Sabesp/Höganäs REDUÇÃO/REMOÇÃO DE CROMO NA ÁGUA DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA Sabesp/Höganäs OBJETIVO Desenvolvimento de processo alternativo para Remoção/Redução de teores de elementos químicos presentes na água subterrânea,

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA Fábio Netto Moreno 1, Beatriz Durazzo Ruiz 2, Carmen Lúcia V. Midaglia 3, Nelson Menegón Jr. 4 1 Setor de águas Interiores, CETESB, São Paulo,

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos

Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos Usando a instrumentação na obtenção de água purificada para produção de fármacos Como funciona um sistema gerador de água purificada para o processo de fabricação de fármacos através do método de osmose

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA NOME DA EMPRESA: CONDIÇÕES DE VALIDADE DA PAGAMENTO: PROPOSTA: ENDEREÇO/TELEFONE: PRAZO DE ENTREGA: LOCAL DE ENTREGA: CNPJ: INSCRIÇÃO ESTADIAL: GARANTIA OFERECIDA: PLANILHA DE PROPOSTA MODALIDADE: PREGÃO

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca.

Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado por quilo na base seca. Termo de Referência Processo nº 34/15 Edital nº 27/15 Pregão 17/15 Objeto: LOTE 1: Fornecimento parcelado de 5 (cinco) toneladas de Ortopolifosfato a 55%. Obs.: O preço desse item deverá ser considerado

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO DAS ANTAS -TAUBATÉ-SP

PROJETO DE PESQUISA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO DAS ANTAS -TAUBATÉ-SP PROJETO DE PESQUISA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO DAS ANTAS -TAUBATÉ-SP Fase inicial Autores José Luiz de Carvalho 1 Alcinéia Guimarães de Castro 2 Roberto Starzynski 3 Jane Rose

Leia mais

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP

Qualidade da água pluvial aproveitada em instalações residenciais no meio urbano: Santana de Parnaíba SP CAPTAÇÃO E MANEJO DE ÁGUA DE CHUVA PARA SUSTENTABILIDADE DE ÁREAS RURAIS E URBANAS TECNOLOGIAS E CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA TERESINA, PI, DE 11 A 14 DE JULHO DE 2005 Qualidade da água pluvial aproveitada

Leia mais

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA

FABR B I R CA C ÇÃO E E CONT N ROLE L DE QUALIDADE DE MEIOS DE E CU C LTURA FABRICAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE DE MEIOS DE CULTURA A Laborclin, sabendo do comprometimento e preocupação que seus clientes tem com a Qualidade de suas Análises tem investido muito na melhoria de seus

Leia mais

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise

DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO. Soluções Concentradas para Hemodiálise DIRECÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIRECÇÃO DE PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE INSPECÇÃO E LICENCIAMENTO Soluções Concentradas para Hemodiálise ENQUADRAMENTO O INFARMED, I.P., enquanto Autoridade Competente

Leia mais

ENSAIOS FÍSICO-QUÍMICOS PARA O TRATAMENTO DOS EFLUENTES DO TRANSPORTE HIDRÁULICO DAS CINZAS PESADAS DA USINA TERMELÉTRICA CHARQUEADAS

ENSAIOS FÍSICO-QUÍMICOS PARA O TRATAMENTO DOS EFLUENTES DO TRANSPORTE HIDRÁULICO DAS CINZAS PESADAS DA USINA TERMELÉTRICA CHARQUEADAS GIA / 10 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO XI GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS (GIA) ENSAIOS FÍSICO-QUÍMICOS PARA O TRATAMENTO DOS EFLUENTES DO TRANSPORTE HIDRÁULICO

Leia mais

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011

Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Estudo com tratamento de água para abastecimento PIBIC/2010-2011 Cryslara de Souza Lemes, Prof. Dr. Paulo Sérgio Scalize Universidade Federal de Goiás, 74605-220, Brasil cryslara_sl@hotmail.com; pscalize.ufg@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL COMO PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA AMBIENTAL: DO MICROCOSMO AO MACROCOSMO

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL COMO PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA AMBIENTAL: DO MICROCOSMO AO MACROCOSMO ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL COMO PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA AMBIENTAL: DO MICROCOSMO AO MACROCOSMO Alexandre Saron 1 (PG) *, Carmem Lúcia Amaral 2 (PQ) 1 Centro Universitário SENAC Campus Santo

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO GREEN LAB ANÁLISES QUÍMICAS E TOXICOLÓGICAS LTDA /

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

PROCESSO E-07/202154/2001 QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA - 13/06/2014

PROCESSO E-07/202154/2001 QUALY LAB ANÁLISES AMBIENTAIS LTDA - 13/06/2014 Boletim de Serviço Boletim de Serviço é uma publicação do Instituto Estadual do Ambiente, destinada a dar publicidade aos atos administrativos da instituição. Presidente Isaura Maria Ferreira Frega Vice-Presidente

Leia mais

Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0. Resultados Analíticos

Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0. Resultados Analíticos Relatório de Ensaios Nº 10869/2015-1.0 Processo Comercial Nº 283/2015.1 Dados referentes ao cliente Empresa solicitante SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE CRUZEIRO-SAAE CNPJ 48.971.139/0001-09 Endereço

Leia mais

Circular 128/2014 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2014.

Circular 128/2014 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2014. Circular 128/2014 São Paulo, 21 de Fevereiro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PLANOS DE ATENÇÃO MÉDICA EM EVENTOS TEMPORÁRIOS, PÚBLICOS, PRIVADOS OU MISTOS NA CIDADE DE SÃO PAULO Diário Oficial da

Leia mais

I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA

I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina I-091 MELHORIA DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA Wanderlei

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido

Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido CISA Cooperação Internacional do Semi-Árido Curso Aproveitamento de água de chuva em cisternas para o semi-árido 5 a 7 de Maio de 2009 Aspetos sanitários da qualidade da água Qual é a diferença dessas

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N QUI/L-229.620/1/A/13 ETIQUETAS DE ALUMÍNIO GRAVÁVEIS

RELATÓRIO DE ENSAIO N QUI/L-229.620/1/A/13 ETIQUETAS DE ALUMÍNIO GRAVÁVEIS Página: 1/5 RELATÓRIO DE ENSAIO N QUI/L-229.620/1/A/13 ETIQUETAS DE ALUMÍNIO GRAVÁVEIS INTERESSADO: PLANNER ETIQUETAS ESPECIAIS LTDA. - EPP Rua James, 87 Jardim Canadá 34000 000 Nova Lima - MG Ref.: (65463)

Leia mais

Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce

Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce Sistema de Alerta da Bacia do rio Doce Belo Horizonte, 26 de novembro de 2015 às 19:30 h. Previsão da turbidez A CPRM está utilizando um modelo simplificado para a previsão de Turbidez na calha do rio

Leia mais

Alzira Maria da Silva Martins

Alzira Maria da Silva Martins Faculdade de Ciências Farmacêuticas Dep. Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica Curso de Tecnologia Químico-Farmacêutica Dissertação para obtenção do grau de Mestre Alzira Maria da Silva Martins Orientadora:Prof.

Leia mais

Relatório de Teste. Monitoramento em tempo real da COR DA ÁGUA FINAL

Relatório de Teste. Monitoramento em tempo real da COR DA ÁGUA FINAL Aplicação: Monitoramento em tempo real da COR DA ÁGUA FINAL Empresa SABESP - Baixada Santista Local Cubatão - SP Início do teste: 15 de Fevereiro de 2010 Término do teste: 18 de Março de 2010 Participantes

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DA ACROMEGALIA Diário Oficial da União Nº 39, Seção 1, quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DA ACROMEGALIA Diário Oficial da União Nº 39, Seção 1, quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013 Circular 087/2013 São Paulo, 28 de fevereiro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DA ACROMEGALIA Diário Oficial da União Nº 39, Seção 1, quarta-feira, 27 de

Leia mais

CARTILHA PARA ADESÃO ATA DE REGISTRO DE PREÇO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA IFB

CARTILHA PARA ADESÃO ATA DE REGISTRO DE PREÇO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA IFB CARTILHA PARA ADESÃO ATA DE REGISTRO DE PREÇO INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA IFB Control Teleinformática Ltda SRTV/Sul Qd. 701 Conj. L Bloco 1, 38 Sobreloja sala 24 Pag. 1 de 10 Brasília, agosto de 2013

Leia mais

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL

INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL INSTALAÇÃO DE UNIDADES DE DESFLUORETAÇÃO PARA AS ÁGUAS DE CAPTAÇÃO SUBTERRÂNEA NAS LOCALIDADES SANTA MARIA E TIBAGÍ DAE SÃO CAETANO DO SUL 1 SÍNTESE DO TRABALHO A SER APRESENTADO A existência de dois poços

Leia mais