Estação de tratamento de Água: R.F Unidade Sucupira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estação de tratamento de Água: R.F Unidade Sucupira"

Transcrição

1 Estação de tratamento de Água: R.F Sucupira Resultados de Análises da Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição Mês: Fevereiro/ /11 Estabelecidas Valor Médio Encontrado ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA REDE ph - 6,0 à 9,5 6,0 à 9,5 333 zero ,05 7,52 7,94 9,30 Turbidez NTU < 5,0 < 5, ,20 < 0,2 1,91 3,21 Cor Aparente uh < 15 < 15, ,62 < 5,0 25,91 13,72 Cloro Residual mg/l 0,5 à 5,0 0,2 à 5, ,95 0,21 1,39 0,86 Flúor mg/l < 1,5 < 1,5 333 zero ,67 0,65 0,74 0,89 Análises microbiológicas Estabelecidas % de amostras com ausência 2914/11 Coliformes totais(1) ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA: Ausência em 100% das amostras % 95,16% REDE: ausência 95 % das amostras NTU = s Nefelométricas de Turbidez. mg/l = miligramas por litro Mg/l = miligramas por litro P.A/100mL (1)= ou Ausência em 100 ml. ETA = Estação de Tratamento de Água (Saída do Tratamento) REDE = Sistema de distribuição DEFINIÇÕES e OBSERVAÇÕES: Turbidez: É uma característica física, refere-se à presença de partículas suspensas na água com tamanho variando desde suspensões grosseiras aos colóides.

2 Cor Aparente: A água pura é virtualmente ausente de cor. A presença de cor refere-se às substâncias dissolvidas ou em suspensão. A cor aparente é aquela medida sem a remoção de partículas suspensas da água. Cloro Residual: O cloro, ao ser adicionado à agua, reage com várias substâncias, além de eliminar os microrganismos. Dosa-se, então, uma quantidade acima daquela consumida pela demanda e a esta quantidade que resta dá-se o nome de Cloro Residual. Flúor: Teor de concentração de íon fluoreto presente na água destinada ao consumo humano, apto a produzir os efeitos desejados à prevenção da cárie bucal. ph: O termo é usado universalmente para expressar a intensidade de uma condição ácida ou alcalina de uma solução. Coliformes Totais: Bactérias do grupo dos coliformes - Bacilos gram-negativos, aeróbios ou anaeróbios facultativos, fermentam a lactose com produção de ácido, gás e aldeído a 35,0 +/- 0,5 C em horas. Alguns desses microrganismos causam males a saúde O número de análises estabelecidas foi calculado conforme estipulado pela portaria 2914/2011 do Ministério da Saúde para uma população de 306 mil habitantes Os valores de mínimo e máximo foram obtidos das médias diárias, do mês dos resultados das análises realizadas nas estações de tratamento de água e rede. Estação de tratamento de Água Bom Jardim Resultados de Análises Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição Análises Fisico-Quimicas Mês de referência: Fevereiro/ /2011 Estabelecidas Valor Médio Encontrado ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA REDE ph - 6,0 à 9,5 6,0 à 9, ,60 6,97 7,90 8,77 Turbidez NTU < 5,0 < 5, ,31 0,20 0,90 4,13 Cor Aparente uh < 15 < 15, ,65 < 5,00 4,74 22,36 Cloro Residual mg/l 0,5 à 5,0 0,2 à 5, ,01 0,23 1,15 0,66 Flúor mg/l < 1,5 < 1, ,65 0,63 0,87 0,82

3 Análises microbiológicas Estabelecidas % de amostras com ausência 2.914/11 Coliformes totais (P/A em 100 ml)(4) ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA: Ausência em 100% das amostras ,0% 99,2% REDE:ausência 95% das amostras Escherichia Coli (P/A em 100 ml) (4) ,0% 100,0% NTU = s Nefelométricas de Turbidez. mg/l = miligramas por litro Mg/l = miligramas por litro UFC/100mL (1)= formadora de colonia ETA = Estação de Tratamento de Água (Saída do Tratamento) REDE = Sistema de distribuição DEFINIÇÕES e OBSERVAÇÕES: Turbidez: É uma característica física, refere-se à presença de partículas suspensas na água com tamanho variando desde suspensões grosseiras aos colóides. Cor Aparente: A água pura é virtualmente ausente de cor. A presença de cor refere-se às substâncias dissolvidas ou em suspensão. A cor aparente é aquela medida sem a remoção de partículas suspensas da água. Cloro Residual: O cloro, ao ser adicionado à agua, reage com várias substâncias, além de eliminar os microrganismos. Dosa-se, então, uma quantidade acima daquela consumida pela demanda e a esta quantidade que resta dá-se o nome de Cloro Residual. Flúor: Teor de concentração de íon fluoreto presente na água destinada ao consumo humano, apto a produzir os efeitos desejados à prevenção da cárie bucal. ph: O termo é usado universalmente para expressar a intensidade de uma condição ácida ou alcalina de uma solução. Coliformes Totais: Bactérias do grupo dos coliformes - Bacilos gram-negativos, aeróbios ou anaeróbios facultativos, fermentam a lactose com produção de ácido, gás e aldeído a 35,0 +/- 0,5 C em horas. Alguns desses microrganismos causam males a saúde

4 O número de análises estabelecidas foi calculado conforme estipulado pela portaria 2914/2011 do Ministério da Saúde para uma população de mil habitantes Os valores de mínimo e máximo foram obtidos das médias diárias do mês dos resultados das análises realizadas nas estações de tratamento de água e rede. Sistema de Abastecimento de Água: Distrito de Cruzeiro dos Peixotos Padrão de Potabilidade Port. 2914/2011 Estabelecidas (1) Cloro Residual mg/l 0,5 à 5,0 0,2 à 5, ,8 1,0 0,6 0,5 Cor uh < 15 < 15, <5,0 <5,0 <5,0 <5,0 Fluoreto mg/l < 1,5 < 1, ,9 0,9 0,3 0,4 ph - 6,0 à 9,5 6,0 à 9, ,0 9,5 8,0 8,0 Turbidez NTU < 5,0 < 5, ,4 1,3 <0,2 <0,2 Análises Microbiológicas Estabelecidas (1) SAA REDE SAA REDE SAA REDE Coliformes Totais Escherichia coli /2011 SAA: Ausência em todas as amostras

5 Em Sistemas de Abastecimento de água que analisam menos que 40 amostras por mês é permitido uma presença de Coliformes (Art. 11, Tabela 1 da Portaria 2914/2011). NTU: Nefelométrica de Turbidez uh: Hazen (mg de Pt e Co/L) Miligramas de Platina e Cobalto por Litro Sistema de Abastecimento de Água: Condomínio Jóckey Camping Padrão de Potabilidade Port. 2914/11 Estabelecidas (1) Realizadas Cloro Residual mg/l 0,5 à 5,0 0,2 à 5, ,04 0,99 0,11 0,12 Cor uh < 15 < 15, <5,0 <5,0 <5,0 <5,0 Fluoreto mg/l < 1,5 < 1, ,08 1,11 0,10 0,15 ph - 6,0 à 9,5 6,0 à 9, ,00 8,05 7,13 6,80 Turbidez NTU < 5,0 < 5, ,80 2,45 <0,2 <0,2 Análises Microbiológicas Estabelecidas (1) 2914/11 SAA REDE SAA REDE SAA REDE SAA: Ausência em todas as amostras Coliformes Totais

6 Coli. Termotolerantes Em Sistemas de Abastecimento de água que analisam menos que 40 amostras por mês é permitido uma presença de Coliformes (Art. 11, Tabela 1 da Portaria 2914/2011). NTU: Nefelométrica de Turbidez uh: Hazen (mg de Pt e Co/L) Miligramas de Platina e Cobalto por Litro Sistema de Abastecimento de Água: Distrito de Martinésia 2914/2011 Estabelecidas (1) Cloro Residual mg/l 0,5 à 5,0 0,2 à 5, ,9 0,9 0,6 0,6 Cor uh < 15 < 15, <5,0 <5,0 <5,0 <5,0 Fluoreto mg/l < 1,5 < 1, ,1 1,0 0,5 0,5 ph - 6,0 à 9,5 6,0 à 9, ,9 9,4 8,1 8,3 Turbidez NTU < 5,0 < 5, <0,2 0,5 <0,2 <0,2 Análises Microbiológicas

7 Estabelecidas (1) SAA REDE SAA REDE SAA REDE Coliformes Totais Escherichia coli /2011 SAA: Ausência em todas as amostras Em Sistemas de Abastecimento de água que analisam menos que 40 amostras por mês é permitido uma presença de Coliformes (Art. 11, Tabela 1 da Portaria 2914/2011). NTU: Nefelométrica de Turbidez uh: Hazen (mg de Pt e Co/L) Miligramas de Platina e Cobalto por Litro Sistema de Abastecimento de Água: Distrito de Miraporanga 2914/2011 Estabelecidas (1) Cloro Residual mg/l 0,5 à 5,0 0,2 à 5, ,8 0,8 0,5 0,4 Cor uh < 15 < 15, ,6 <5,0 <5,0 <5,0 Fluoreto mg/l < 1,5 < 1, ,2 1,1 0,6 0,6 ph - 6,0 à 9,5 6,0 à 9, ,3 8,5 7,9 7,8 Turbidez NTU < 5,0 < 5, ,3 0,8 <0,2 <0,2

8 Análises Microbiológicas Estabelecidas (1) SAA REDE SAA REDE SAA REDE Coliformes Totais Escherichia coli /2011 SAA: Ausência em todas as amostras Em Sistemas de Abastecimento de água que analisam menos que 40 amostras por mês é permitido uma presença de Coliformes (Art. 11, Tabela 1 da Portaria 2914/2011). NTU: Nefelométrica de Turbidez uh: Hazen (mg de Pt e Co/L) Miligramas de Platina e Cobalto por Litro Sistema de Abastecimento de Água: Distrito de Tapuirama 2914/2011 Estabelecidas (1) Cloro Residual mg/l 0,5 à 5,0 0,2 à 5, ,0 1,0 0,5 0,5 Cor uh < 15 < 15, <5,0 <5,0 <5,0 <5,0 Fluoreto mg/l < 1,5 < 1, ,8 1,7 0,4 0,4

9 ph - 6,0 à 9,5 6,0 à 9, ,2 8,6 7,2 7,1 Turbidez NTU < 5,0 < 5, ,4 0,4 <0,2 <0,2 Análises Microbiológicas Estabelecidas (1) SAA REDE SAA REDE SAA REDE Coliformes Totais Escherichia coli /2011 SAA: Ausência em todas as amostras Em Sistemas de Abastecimento de água que analisam menos que 40 amostras por mês é permitido uma presença de Coliformes (Art. 11, Tabela 1 da Portaria 2914/2011). NTU: Nefelométrica de Turbidez uh: Hazen (mg de Pt e Co/L) Miligramas de Platina e Cobalto por Litro

Estação de Tratamento de Água Bom Jardim Lançamento: Internet Resultados de Análises de Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição

Estação de Tratamento de Água Bom Jardim Lançamento: Internet Resultados de Análises de Água na Saída do Tratamento e Redes de Distribuição ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA REDE ETA REDE Cloro Residual mg/l 0,5 a 5,0 0,2 a 5,0 360 114 744 126 1,00 0,38 1,19 0,81 Cor Aparente uh < 15 < 15 336 33 372 126 1,68 < 5,00 4,89 6,84 Flúor mg/l < 1,5

Leia mais

Resumo dos resultados das análises da qualidade da água tratada e distribuída Departamento Municipal de Água e Esgoto - Prefeitura de Uberlândia

Resumo dos resultados das análises da qualidade da água tratada e distribuída Departamento Municipal de Água e Esgoto - Prefeitura de Uberlândia Resumo dos resultados das da qualidade da água tratada e distribuída Departamento Municipal de Água e Esgoto - Prefeitura de Uberlândia JANEIRO / 2012 Laudo da água na Estação de Tratamento de Água Renato

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO DE ÁGUA SETOR DE QUALIDADE MONITORAMENTO DA ÁGUA TRATADA

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE TRATAMENTO DE ÁGUA SETOR DE QUALIDADE MONITORAMENTO DA ÁGUA TRATADA LOCAL : ETA DR ARMANDO PANNUNZIO SAÍDA Dezembro /2015 PADRÕES INORGÂNICOS E FÍSICO-QUÍMICOS Alumínio mg/l 0,2 0,10 Alcalinidade Bicarbonatos mg/l 250 16,3 Alcalinidade Carbonatos mg/l 120 0 Alcalinidade

Leia mais

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS Turbidez 51 59 59 Cloro Residual Livre 51 59 59 Cor Aparente 10 59 59 atenderam atenderam atenderam 51 59 01 amostra apresentou presença de CT Escherichia coli 51 59 Ausência As análises realizadas estão

Leia mais

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1

10 Estações de Tratamento de Água. TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10 Estações de Tratamento de Água TH028 - Saneamento Ambiental I 1 10.1 - Introdução Água potável à disposição dos consumidores: De forma contínua Quantidade adequada Pressão adequada Qualidade adequada

Leia mais

10.2 Parâmetros de qualidade da água

10.2 Parâmetros de qualidade da água 10-3 m 1 m 10.2 Parâmetros de qualidade da água Sistema de Abastecimento de Água Partículas dissolvidas Dureza (sais de cálcio e magnésio), ferro e manganês não oxidados Partículas coloidais Coloidais:

Leia mais

Uninassau PRONATEC Técnico em Serviços de Restaurante e Bar

Uninassau PRONATEC Técnico em Serviços de Restaurante e Bar Uninassau PRONATEC Técnico em Serviços de Restaurante e Bar Análise Bacteriológica de Água Adriano Barbosa da Silva Licenciado em Ciências Biológicas Mestrando em Ciência Animal Tropical Contatos: 88105041

Leia mais

Escritório Central: Rua Aderbal R. da Silva, s/n Centro CEP: Doutor Pedrinho SC Fone: (47)

Escritório Central: Rua Aderbal R. da Silva, s/n Centro CEP: Doutor Pedrinho SC Fone: (47) RELATORIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUÍDA CASAN - COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO AGÊNCIA DE DOUTOR PEDRINHO Responsável legal: Diretor Presidente Valter Gallina As informações complementares

Leia mais

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS

Resultados das análises referentes aos parâmetros básicos de qualidade da água na rede de distribuição N ANÁLISES REALIZADAS N ANÁLISES REALIZADAS Turbidez 51 59 59 Cloro Residual Livre 51 59 59 Cor Aparente 10 59 59 atenderam atenderam atenderam 51 59 02 amostras apresentaram presença de CT Escherichia coli 51 59 Ausência As análises realizadas

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº 10454/ A

Relatório de Ensaio Nº 10454/ A Nº 10454/2015-10-A Processo Comercial Nº 1061/20141 Dados do Cliente Contratante: Solicitante: CNPJ / CPF: 00074399/0001-55 IE / RG: Endereço: Rua do Bosque, 416 - Pau Arcado - Município: Campo Limpo Paulista

Leia mais

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA)

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO SAA UF SC Município Sombrio Mês/Ano de referência 06 /2017 Nome do SAA SAMAE Sombrio Código SAA (Sisagua) Instituição responsável

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO TOMMASI ANALÍTICA LTDA ALIMENTOS E BEBIDAS ALIMENTOS

Leia mais

HIDROLABOR LABORATÓRIO DE CONTROLE DE QUALIDADE LTDA. Consultoria e Análises em Água, Alimentos e Efluentes RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 36878/2017

HIDROLABOR LABORATÓRIO DE CONTROLE DE QUALIDADE LTDA. Consultoria e Análises em Água, Alimentos e Efluentes RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 36878/2017 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 36878/2017 Cep: 18.087-380 Fone/Fax: (19) 99200-3661 Data de Coleta: 01/11/2017 Hora de Coleta: 14:31 Amostra simples ou composta?: Simples Produto: Água para consumo humano Origem:

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE N / A Revisão 0

RELATÓRIO DE ANÁLISE N / A Revisão 0 RELATÓRIO DE ANÁLISE N 70501 / 2017 - A Revisão 0 DADOS DO LABORATÓRIO RR ACQUA SERVICE COLETA E ANÁLISE DE ÁGUA LTDA-ME CNPJ: 08.356.731/0001-86 ENDEREÇO: AV. ANTÔNIO CARDOSO, 1.200 BANGÚ - SANTO ANDRÉ

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 6 MEIO AMBIENTE ENSAIO QUÍMICO HUMANO, ÁGUA RESIDUAL HUMANO Determinação de Sódio pelo método Determinação de Potássio pelo método Determinação de Fósforo Total, Fosfato Total e orto-fosfato

Leia mais

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA)

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO SAA UF SC Município Sombrio Mês/Ano de referência 02 /2017 Nome do SAA SAMAE Sombrio Código SAA (Sisagua) Instituição responsável

Leia mais

Relatório Anual de Qualidade da Água -2012

Relatório Anual de Qualidade da Água -2012 Relatório Anual de Qualidade da Água -2012 Com o objetivo de atender ao Decreto Federal nº 5.440/05 que estabelece os procedimentos para a divulgação de informações ao consumidor sobre a qualidade da água

Leia mais

Você está recebendo um caderno de prova para o cargo de AGENTE DE ETA.

Você está recebendo um caderno de prova para o cargo de AGENTE DE ETA. Nome do candidato: Assinatura: Número da inscrição: ATENÇÃO! SERVIÇO AUTÔNOMO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SAMAE Edital nº 001/2017 CADERNO DE PROVA AGENTE DE ETA Você está

Leia mais

Localização dos poços no Campus

Localização dos poços no Campus UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE SUPERINTENDÊNCIA DE INFRA-ESTRUTURA DIVISÃO DE MEIO AMBIENTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA NÚCLEO TECNOLÓGICO

Leia mais

06/10/2017. Microbiologia da água

06/10/2017. Microbiologia da água 06/10/2017 Microbiologia da água Água Água potável 2,5 bilhões de pessoas não têm acesso ao saneamento básico países em desenvolvimento. 1,5 milhões de crianças morrem por ano, tendo como causa as diarréias.

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE CONSUMO E IRRIGAÇÃO EM ÁREA RURAL DE ARAPONGAS, PR

ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE CONSUMO E IRRIGAÇÃO EM ÁREA RURAL DE ARAPONGAS, PR ANÁLISE DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE CONSUMO E IRRIGAÇÃO EM ÁREA RURAL DE ARAPONGAS, PR ANDRADE, A. C. H 1.; PEDERSOLI, G. R. R. 1 ; VILELA, V. L. D. 2 ; VILELA, J. H. 3 1 Discente do curso de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO. Determinação da alcalinidade pelo método titulométrico. SMWW, 22ª Edição, Método ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CQLAB - Consultoria e Controle de Qualidade Ltda. Determinação

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 5 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO BRASÁGUA TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES DO BRASIL LTDA

Leia mais

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país:

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país: LAUDO TÉCNICO SEXTA SEMANA Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes Equipe técnica: PROJETO EXPEDIÇÃO BILLINGS: PROBLEMAS E SOLUÇÕES MAIS UMA

Leia mais

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização

Saneamento Ambiental I. Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Universidade Federal do Paraná Engenharia Ambiental Saneamento Ambiental I Aula 12 Parâmetros de Qualidade de Água - Potabilização Profª Heloise G. Knapik 1 Primeiro módulo: Dimensionamento de redes de

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 17 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO EUROFINS DO BRASIL ANÁLISES DE LTDA E S CÁRNEOS S

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Água, análise. 5. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Água, análise. 5. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 4 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005

Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 Relatório de s CA Nº 2202/15-1 Revisão 00 Laboratório de ensaios acreditado pela norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 O escopo da acreditação pode ser visto em: http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/docs/crl0353.pdf

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 23 O meio aquático II: Monitoramento e parâmetros de qualidade de água Prof.ª Heloise Knapik 1 Bacia do Alto Iguaçu Ocupação Urbana

Leia mais

Epidemiologia e Vigilância em Saúde Bucal

Epidemiologia e Vigilância em Saúde Bucal Epidemiologia e Vigilância em Saúde Bucal XIX Encontro Nacional de Técnicos e Administradores do Serviço Público Odontológico VIII Congresso Brasileiro de Saúde Bucal Coletiva 1/9/2008 15:56 Prof. Samuel

Leia mais

Memorando nº 26/2017/CGPE/DIPOA/MAPA/SDA/MAPA. Brasília, 21 de julho de Ao(À) Aos Chefes dos SIPOAs, SISAs e SIFISAs

Memorando nº 26/2017/CGPE/DIPOA/MAPA/SDA/MAPA. Brasília, 21 de julho de Ao(À) Aos Chefes dos SIPOAs, SISAs e SIFISAs MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO COORDENACAO-GERAL DE PROGRAMAS ESPECIAIS - CGPE Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Bairro Zona Cívico-Administrativa - Brasília/DF,

Leia mais

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA)

CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) CONTROLE MENSAL - SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA (SAA) IDENTIFICAÇÃO DO SAA UF PR Município Santa Cecília do Pavão Nome do SAA Mês/ano de referência 10/2014 Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2015 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2015 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS

ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS 26 a 29 de novembro de 2013 Campus de Palmas ESTUDO DAS CONDIÇÕES SANITÁRIAS DOS RESERVATÓRIOS DE ÁGUA POTÁVEL DAS ESCOLAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO DE PALMAS Nome dos autores: Jemima Santos Pessoa 1 ; Aurélio

Leia mais

ÁGUA NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

ÁGUA NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS ÁGUA NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Introdução A água principais componentes de diversas operações em IA Presente em quase todos produtos alimentares, afectando a textura, aparência e sabor. As reacções químicas

Leia mais

TÍTULO: ANALISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS E ILICÍNEA - MG

TÍTULO: ANALISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS E ILICÍNEA - MG TÍTULO: ANALISE MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DAS ESCOLAS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS GERAIS E ILICÍNEA - MG Deyse A. CORREA 1 ; Ligiane AMARAL 2 ; Poliana O. COELHO 3 ; Ênnio M. BARROSO 4 RESUMO A água é uma substância

Leia mais

Boletim Epidemiológico VIGIAGUA

Boletim Epidemiológico VIGIAGUA 01 de agosto de 2016 Página 1/7 GLOSSÁRIO 1. Programa de Vigilância da Qualidade da Água no Ceará Água para consumo humano: Aquela utilizada para beber, preparação de alimentos e higiene corporal. Água

Leia mais

Desafios frente à segurança da água para consumo humano no Rio Grande do Sul

Desafios frente à segurança da água para consumo humano no Rio Grande do Sul Desafios frente à segurança da água para consumo humano no Rio Grande do Sul Julce Clara da Silva MSc. Saúde Coletiva UNISINOS Engª.Quimica Sanitarista Coordenadora VIGIAGUA DVAS Porto Alegre, 27 de setembro

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país:

MAIS UMA VEZ VALE SALIENTAR QUE: Para a obtenção dos resultados foi levado em consideração o construto da legislação vigente no país: LAUDO TÉCNICO QUINTA SEMANA Universidade Municipal de São Caetano do Sul USCS Responsável Técnica: Profa. Marta Angela Marcondes Equipe técnica: PROJETO EXPEDIÇÃO BILLINGS: PROBLEMAS E SOLUÇÕES MAIS UMA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA EM CISTERNAS E NO PONTO DE CONSUMO EM COMUNIDADES RURAIS DO SEMI-ÁRIDO PARAIBANO.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA EM CISTERNAS E NO PONTO DE CONSUMO EM COMUNIDADES RURAIS DO SEMI-ÁRIDO PARAIBANO. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA EM CISTERNAS E NO PONTO DE CONSUMO EM COMUNIDADES RURAIS DO SEMI-ÁRIDO PARAIBANO. Priscilla Cordeiro de Miranda; Rogério Pereira Xavier; Albertina Farias

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTUDO PRELIMINAR DA POTABILIDADE DA ÁGUA, PARA O CONSUMO, DA REDE DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE HUMAITÁ-AM.

GESTÃO AMBIENTAL E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTUDO PRELIMINAR DA POTABILIDADE DA ÁGUA, PARA O CONSUMO, DA REDE DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE HUMAITÁ-AM. GESTÃO AMBIENTAL E POLÍTICAS PÚBLICAS ESTUDO PRELIMINAR DA POTABILIDADE DA ÁGUA, PARA O CONSUMO, DA REDE DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE HUMAITÁ-AM. Edgar Henrique de Castro - edgar.castro@ifam.edu.br

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DA ÁGUA 2014 A LITORAL SANEAMENTO LTDA, atuante como concessionária do Município de Jaguaruna SC, prestando serviços de abastecimento de água nos Balneários Copa 70, Balneário

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA e MICROBIOLOGICA CERTIFICADO N 0261/2009 CERTIFICADO N 0261/2009 Amostra: 0261 Solicitante: PROGEL Origem: Ponto 01 Coordenadas Georeferenciadas: E = 229059 N = 9282462 PARÂMETROS V.M.P (*) Ponto 01 Oxigênio dissolvido, mg/l de O 2 5,00 9,00

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938

LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938 CONVENIO COM: FUNASA/CORE- PR DIVISÃO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA CENTRO DE REFERENCIA EM SANEAMENTO AMBIENTAL LABORATÓRIO DE ANÁLISES DE ÁGUA E ESGOTO REGISTRO NO C.R.Q. - 9ª REGIÃO SOB N.º 01938 Página

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DO ESGOTO

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DO ESGOTO Sistema de Esgotamento Sanitário e Pluvial CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DO ESGOTO Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Universidade Federal de Minas Gerais Caracterização do esgoto doméstico

Leia mais

Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO

Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO Iangla Araújo de Melo ¹, Maykon Jhuly Martins de Paiva 1, Ricardo Consigliero Guerra 2 ¹ Acadêmica

Leia mais

ASPECTOS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA CIDADE DE CURAÇÁ- BA

ASPECTOS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA CIDADE DE CURAÇÁ- BA ASPECTOS DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO E QUALIDADE DA ÁGUA POTÁVEL NA CIDADE DE CURAÇÁ- BA Ana Cláudia Damasceno Nunes (1) Ambiental/UNIVASF. e-mail: anadamasceno@hotmail.com.br Nayara Evelyn Guedes Montefusco

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA NA BACIA DO ALTO RIO PARAÍBA EM MONTEIRO-PB. 1. PERÍODO SECO. Adriana de Fátima Meira Vital 1 ; Rivaldo Vital dos Santos 2

QUALIDADE DA ÁGUA NA BACIA DO ALTO RIO PARAÍBA EM MONTEIRO-PB. 1. PERÍODO SECO. Adriana de Fátima Meira Vital 1 ; Rivaldo Vital dos Santos 2 QUALIDADE DA ÁGUA NA BACIA DO ALTO RIO PARAÍBA EM MONTEIRO-PB. 1. PERÍODO SECO Adriana de Fátima Meira Vital 1 ; Rivaldo Vital dos Santos 2 1 Universidade Federal de Campina Grande, Centro de Desenvolvimento

Leia mais

Monitoramento da qualidade das águas de fontes alternativas de abastecimento do Bairro dos Ingleses- Florianópolis/SC (1)

Monitoramento da qualidade das águas de fontes alternativas de abastecimento do Bairro dos Ingleses- Florianópolis/SC (1) Monitoramento da qualidade das águas de fontes alternativas de abastecimento do Bairro dos Ingleses- Florianópolis/SC (1) Sônia Maria de Almeida(2); Claudi 'Ariane Gomes da Fonseca(3); Bruna Moraes Vicente(4);Guilherme

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA 2014 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA

RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA 2014 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA RELATÓRIO ANUAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DISTRIBUIDA SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE AGUA DE BELA VISTA INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO, EM CUMPRIMENTO AO DECRETO Nº 5.440

Leia mais

CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs

CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs CONCEITOS GERAIS E CONCEPÇÃO DE ETEs PHA 3413 Tratamento de Esgoto Sanitário ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL Prof. Tit. Roque Passos Piveli Prof. Dr. Theo Syrto

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO PARINTINS - AMAZONAS

ESTADO DO AMAZONAS SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO PARINTINS - AMAZONAS Plano de amostragem mensal recomendável para o controle da qualidade da água do sistema de abastecimento do SAAE, para fins de análises microbiológicas, em função da população abastecida conforme a Portaria

Leia mais

4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG

4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG 4ª Jornada Científica e Tecnológica e 1º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Muzambinho MG Análise De Parâmetros De Potabilidade Da Água De Diferentes Bicas De Abastecimento

Leia mais

Saneamento I. João Karlos Locastro contato:

Saneamento I. João Karlos Locastro contato: 1 ÁGUA 2 3 Saneamento I João Karlos Locastro contato: prof.joaokarlos@feitep.edu.br 4 Objetivos Projeto; Legislação; Atuação Profissional - Prestação de serviços - Concursos públicos 5 Ementa Saneamento

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE QUÍMICA PROCESSOS QUÍMICOS TECNOLÓGICOS Ângela de Mello Ferreira Belo Horizonte 2013 Prática 02 Processo de coagulação e floculação

Leia mais

ANALISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO LAJEADO ERVAL NOVO E O PLANTIO DE ERVA-MATE QUE DEU ORIGEM AO SEU NOME

ANALISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO LAJEADO ERVAL NOVO E O PLANTIO DE ERVA-MATE QUE DEU ORIGEM AO SEU NOME ANALISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DO LAJEADO ERVAL NOVO E O PLANTIO DE ERVA-MATE QUE DEU ORIGEM AO SEU NOME Bruno Rafael da Silva bruno_rafael123@hotmail.com Endereço: Rua Almirante Tamandaré, Nº 197, Bairro

Leia mais

Análise da qualidade da água consumida pelos habitantes da cidade de Alagoa Nova PB

Análise da qualidade da água consumida pelos habitantes da cidade de Alagoa Nova PB Análise da qualidade da água consumida pelos habitantes da cidade de Alagoa Nova PB Edna Maria de Souza Universidade Estadual da Paraíba Andréa Maria Brandão Mendes Simões Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

Qualidade da água em agroecossistemas com produção orgânica de hortaliças

Qualidade da água em agroecossistemas com produção orgânica de hortaliças Qualidade da água em agroecossistemas com produção orgânica de hortaliças Adriana Lídia Santana Klock Responsável Técnica pelo Laboratório de Análises de Águas / CEPAF/EPAGRI Altamente poluídas Medianamente

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CISTERNAS RESIDENCIAIS NO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB Bruno Andrade de Freitas (1); Anderson Oliveira de Sousa (1); Maick Sousa Almeida (2); Felipe Augusto da Silva Santos (3);

Leia mais

Tratamento de Água para Abastecimento

Tratamento de Água para Abastecimento Tratamento de Água para Abastecimento Prof. Dr. Jean Carlo Alanis Desinfecção Depois de filtrada, a água passa por um processo de desinfecção por cloro e a fluoretação; É o processo de eliminação dos microrganismos

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO GELO COMERCIALIZADO EM LOJAS DE CONVENIÊNCIA DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS DA CIDADE DE SOBRAL-CEARÁ.

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO GELO COMERCIALIZADO EM LOJAS DE CONVENIÊNCIA DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS DA CIDADE DE SOBRAL-CEARÁ. AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA E FÍSICO-QUÍMICA DO GELO COMERCIALIZADO EM LOJAS DE CONVENIÊNCIA DE POSTOS DE COMBUSTÍVEIS DA CIDADE DE SOBRAL-CEARÁ. Karina Grasiela Teixeira Cunha Gomes 1, Francisco Bruno Monte

Leia mais

Relatório de Ensaio Nº 17396/2015-1.0 Proposta Comercial Nº 2060/2015

Relatório de Ensaio Nº 17396/2015-1.0 Proposta Comercial Nº 2060/2015 Relatório de Nº 17396/2015-1.0 Proposta Comercial Nº 2060/2015 IDENTIFICAÇÃO DO LABORATÓRIO RAZÃO SOCIAL: LABCRIS ANÁLISES, MEIO AMBIENTE E SERVIÇOS LTDA CNPJ: 02.501.255/0001-63 ENDEREÇO: Rua João Fernandes

Leia mais

DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA

DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA DESEMPENHO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO PELO PROCESSO DE LODOS ATIVADOS OPERANDO POR BATELADA Paulo Sergio Scalize (*) Graduado em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Faculdade Barão de

Leia mais

Padrão Microbiológico de Potabilidade da Água para consumo humano de acordo com a Portaria do Ministério da Saúde Nº 2914/11

Padrão Microbiológico de Potabilidade da Água para consumo humano de acordo com a Portaria do Ministério da Saúde Nº 2914/11 Padrão Microbiológico de Potabilidade da Água para consumo humano de acordo com a Portaria do Ministério da Saúde Nº 2914/11 QUANTIDADE DE AMOSTRAS PARA ANÁLISES DE COLIFORMES PERCENTUAL DE AMOSTRAS Abasteciment

Leia mais

Relatório de Ensaios Engequisa Nº 10317/16 Revisão 00

Relatório de Ensaios Engequisa Nº 10317/16 Revisão 00 Amostra Entrada da Estação de Tratamento - Efluente Sanitário Código 10317/16-01 Coleta em 21/11/16 10:00 Término da Coleta 10:05 Resultado Unidade Limite aceitável (L1) LQ Método Agentes Tensoativos 0,8

Leia mais

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Vanessa Souza de Matos (1) (1)

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental. Vanessa Souza de Matos (1) (1) ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO E CONTROLE DE VIGILÂNCIA EM SOLUÇÕES ALTERNATIVAS DE ABASTECIMENTO NO BAIRRO DONA ROSA EM CRUZ DAS ALMAS/BA Vanessa Souza de Matos (1) (1) Graduanda em Engenharia

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Aprova normas e o padrão de Potabilidade da Água destinada ao consumo humano.

Aprova normas e o padrão de Potabilidade da Água destinada ao consumo humano. PORTARIA N 36/MS/GM, DE 19 DE JANEIRO DE 1990 D.O.U. DE 23/01/90 Aprova normas e o padrão de Potabilidade da Água destinada ao consumo humano. O MINISTRO DO ESTADO DA SAÚDE no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18.

Processo Nº PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS Mod:18. ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ácido Fluossilícico 20% NE: 262055 Ácido fluossilícico a 20% para fluoretação de água para consumo humano, para prevenção de cárie dentária. O produto deverá apresentar

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 10 ENSAIOS QUÍMICOS AMÊNDOAS, AMENDOINS, OLEAGINOSAS, CEREAIS E FRUTAS SECAS LEITE E DERIVADOS ÓLEOS VEGETAIS Determinação de Aflatoxinas B1, B2, G1 e G2 por HPLC LQ (μg/kg) B1 = 0,5 B2 = 0,2

Leia mais

Tipo de água Parâmetro VMP(1) Água para consumo humano Escherichia coli(2) Ausência em 100 ml

Tipo de água Parâmetro VMP(1) Água para consumo humano Escherichia coli(2) Ausência em 100 ml ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Tipo de água Parâmetro VMP(1) Água para consumo humano Escherichia coli(2) Ausência em 100 ml Água tratada Na saída do Coliformes totais

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE ÁGUAS DE CISTERNAS NA COMUNIDADE RURAL DE SANTA LUZIA, EM PICUÍ-PB Carolina Pereira Dantas (1); Márcia Izabel Cirne França (2); Valéria Kelly Alves da Silva (3); Sonáli Amaral

Leia mais

PEDREIRA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades

PEDREIRA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R2 Não Conformidades RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PEDREIRA PRESTADOR: SAAE SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE PEDREIRA Relatório R2 Não Conformidades Americana, maio de

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1

INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 1 INFLUÊNCIA DE FOSSAS NEGRAS NA CONTAMINAÇÃO DE POÇOS SUBTERRÂNEOS NA COMUNIDADE VILA NOVA, ITAIÇABA-CEARÁ 1 Yanna Julia Dantas de Souza 2, Jardson Álvaro Freitas Bezerra 3, Hozineide Oliveira Rolim 4,

Leia mais

ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE COARI- AM ATRAVÉS DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS E CORRELAÇÃO COM DOENÇAS CAUSADAS POR VIAS HÍDRICAS

ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE COARI- AM ATRAVÉS DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS E CORRELAÇÃO COM DOENÇAS CAUSADAS POR VIAS HÍDRICAS ESTUDO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE COARI- AM ATRAVÉS DE ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS E MICROBIOLÓGICAS E CORRELAÇÃO COM DOENÇAS CAUSADAS POR VIAS HÍDRICAS Lucas Gabriel da Silva Lima 1, Aline Carvalho de Freitas

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088

Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Relatório de informações mensais de abastecimento sobre a qualidade da água para consumo humano em Campo Grande RE_7.5_16-088 Portaria MS 2914 DE 12/12/2011Parcial(Saída de tratamento) Parâmetros Mínimo

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

COLETA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS

COLETA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS COLETA DE AMOSTRAS AMBIENTAIS ANÁLISE MICROBIOLÓGICA (Bactérias Heterotróficas, Coliformes Totais, Coliformes Termotolerantes ou Fecais, Escherichia coli). 1. Coleta de amostra de água tratada a) Esta

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DESCARTADA PELOS DESTILADORES

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DESCARTADA PELOS DESTILADORES AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DESCARTADA PELOS DESTILADORES Francisco Gleisson Paiva Azevedo (*), Kaiane Lopes De Oliveira, Maria Carolina Paiva Rodrigues, Francisco Rafael Sousa Freitas, Mayara Carantino

Leia mais

A análise dos parâmetros de potabilidade da água de escolas públicas de Rondonópolis-MT.

A análise dos parâmetros de potabilidade da água de escolas públicas de Rondonópolis-MT. A análise dos parâmetros de potabilidade da água de escolas públicas de Rondonópolis-MT. Vagner José Martins (PG) 1*, Salete Kiyoka Ozaki (PQ) 1. *vagnerjmartins@hotmail.com 1 Universidade Federal de Mato

Leia mais

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201

Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 Resultados das Análises à Água Primeiro Trimestre de 201 2015/04/23 Em cumprimento do disposto no Decreto-Lei 306/07, alterado pelo Decreto-Lei n.º 92/2010 de 26 de Julho, serve o presente edital para

Leia mais

QUALIDADE DA ÁGUA DA CHUVA

QUALIDADE DA ÁGUA DA CHUVA QUALIDADE DA ÁGUA DA CHUVA Luis Alberto Andrade Junior Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental. e-mail: luis_ba7@hotmail.com Raphael Almeida dos Santos Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental.

Leia mais

Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento

Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Química Ambiental (2017/2) Química das Águas (Parte 3a) Purificação das águas: tratamento de água para abastecimento

Leia mais

ANEXO I. Coliformes totais (4) ANEXO II. Tratamento da água VMP (1) Desinfecção (para água subterrânea) 1,0 ut (2) em 95% das amostras

ANEXO I. Coliformes totais (4) ANEXO II. Tratamento da água VMP (1) Desinfecção (para água subterrânea) 1,0 ut (2) em 95% das amostras ANEXO I Tabela de padrão microbiológico da água para consumo humano Água tratada Tipo de água Parâmetro VMP (1) Água para consumo humano Escherichia coli (2) Ausência em 100ml Na saída do tratamento Coliformes

Leia mais

Rafael K. X. Bastos. III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana (SRA-LA)

Rafael K. X. Bastos. III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana (SRA-LA) III Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana (SRA-LA) Rafael K. X. Bastos Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Civil Abordagens para formulação de normas e critérios

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento

Área de Atividade/Produto Classe de Ensaio/Descrição do Ensaio Norma e/ou Procedimento Folha: 1 de 8 SAÚDE HUMANA E ANIMAL ENSAIOS QUÍMICOS Determinação de Metais Totais e Dissolvidos por espectrometria de emissão atômica em plasma de argônio indutivamente acoplado - ICP OES - geração de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS TERMAIS SULFUROSAS DISTRIBUÍDAS NAS FONTES DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS- MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS TERMAIS SULFUROSAS DISTRIBUÍDAS NAS FONTES DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS- MG AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS TERMAIS SULFUROSAS DISTRIBUÍDAS NAS FONTES DA CIDADE DE POÇOS DE CALDAS- MG Adriana Moreira de Carvalho (1) Biológa, mestra em Saneamento e Meio Ambiente pela FEC-Faculdade

Leia mais

Padrões de Potabilidade da Água e Estação de Tratamento de Água

Padrões de Potabilidade da Água e Estação de Tratamento de Água Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Saneamento Básico Padrões de Potabilidade da Água e Estação de Tratamento de Água Renato

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE FÍSICO QUIMICA DA AGUA OBTIDA DE BEBEDOUROS PUBLICOS

CONTROLE DE QUALIDADE FÍSICO QUIMICA DA AGUA OBTIDA DE BEBEDOUROS PUBLICOS CONTROLE DE QUALIDADE FÍSICO QUIMICA DA AGUA OBTIDA DE BEBEDOUROS PUBLICOS Ferreira, G. S. 1 ; Silva, A. C. A. 2 ; Silva, L. M. 2 ; Belo, R. A. S. 1 ; Guimarães, C. S. P. 1 ; Ferraz, W. A. A. A. 2 ; Faria

Leia mais

TECNOLOGIAS INOVADORAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO NA EPAR CAPIVARI II EM CAMPINAS - SP

TECNOLOGIAS INOVADORAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO NA EPAR CAPIVARI II EM CAMPINAS - SP TECNOLOGIAS INOVADORAS PARA PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO MEMBRANAS DE ULTRAFILTRAÇÃO NA EPAR CAPIVARI II EM CAMPINAS - SP 7º ENCONTRO TÉCNICO COMPANHIA CATARINENSE DE ÁGUAS E SANEAMENTO CASAN Florianópolis

Leia mais

Relatório Anual da Qualidade da Água

Relatório Anual da Qualidade da Água Relatório Anual da Qualidade da Água Em cumprimento ao disposto no DECRETO n 5440/05, que estabelece os procedimentos sobre o controle de qualidade da água de sistemas de abastecimento e, em consonância

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 6 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CASCARDI SANEAMENTO BÁSICO LTDA S BIOLÓGICOS NORMA E /OU PROCEDIMENTO CONSUMO HUMANO, ÁGUA TRATADA E Contagem Padrão de

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Purificação de águas -Tratamento de água para abastecimento - Tratamento de esgoto Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2014 INTRODUÇÃO

Leia mais

MEJORAMIENTO DE LAS CONDICIONES AMBIENTALES (AGUA Y SANEAMIENTO) EN LAS COMUNIDADES INDIGENAS MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE BRASIL

MEJORAMIENTO DE LAS CONDICIONES AMBIENTALES (AGUA Y SANEAMIENTO) EN LAS COMUNIDADES INDIGENAS MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE BRASIL MEJORAMIENTO DE LAS CONDICIONES AMBIENTALES (AGUA Y SANEAMIENTO) EN LAS COMUNIDADES INDIGENAS Ing.ª Lucimar Corrêa Alves MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE BRASIL 17 19 MAYO DE 2005 IMPORTANCIA

Leia mais

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME

CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME CONHEÇA O CONTROLE DE QUALIDADE DA ÁGUA QUE VOCÊ CONSOME O SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto da cidade de Governador Valadares-MG, é uma Autarquia Municipal, criada pela Lei Municipal Nº276 de 01/09/1952,

Leia mais

Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno

Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno Aproveitamento de água de chuva Cristelle Meneghel Nanúbia Barreto Orides Golyjeswski Rafael Bueno 1 IMPORTÂNCIA Água doce: recurso limitado ONU (2015): escassez de água afetará dois terços da população

Leia mais