Raízes. Edição n. 26. A Despedida de Moshê do Povo Judeu Por: Rabino Eliahu Birnbaum. Kol Nidrei e Marranismo - Parte II Por: Jane B.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Raízes. Edição n. 26. A Despedida de Moshê do Povo Judeu Por: Rabino Eliahu Birnbaum. Kol Nidrei e Marranismo - Parte II Por: Jane B."

Transcrição

1 tzivia From: Shavei Israel Sent: יום חמישי 01 אוקטובר 20: To: Subject: Raizes 026 Raízes Edição n. 26 Outubro - Primeira Quinzena Os Judeus da China Por: Michael Freund Sucot - Costumes e Tradições Fonte: Bnei Akiva - RJ A Despedida de Moshê do Povo Judeu Por: Rabino Eliahu Birnbaum Kol Nidrei e Marranismo - Parte II Por: Jane B. Glasman Tishrei CHAG SUCOT SAMEACH O Doce Sabor do "Sabra" Fonte:morasha.com.br A Torá mandanos Amar o Guer Por: Rabino Jonathan Sacks Os Judeus da China Por: Michael Freund - Tradução: David Salgado Um milénio de prosperidade às margens do Rio Amarelo É no momento do crepúsculo e enquanto começa escurecer, que pelas ruas da cidade chinesa de Kaifeng, que um agitado mercado noturno ganha vida. As pessoas locais se reúnem vindas de todos os cantos, alguns buscam o melhor estabelecimento para a compra de seus alimentos, outros examinam os variados artigos em oferta. Porcos, parecem estar por todos os lados, pois é sabido que é parte inseparável da dieta alimentar chinesa, apesar de seu mau cheiro e falta de higiene. Os vendedores os expõem de maneira surpreendente, quantitativamente e qualitativamente, diferentes 1

2 formas, tamanhos e cores, e apesar do desagradável que possa parecer para um visitante israelense, a popularidade do prato entre os chineses parece ser unânime. Ou melhor, quase unânime. Para Shi Lei, 31, que nasceu e foi criado em Kaifeng, a tradição familiar de não comer porco remonta a várias gerações. Lei, é um orgulhoso descendente da comunidade judaica de Kaifeng que em determinada época prosperou ao longo do Rio Amarelo, além de ser totalmente consciente dos costumes e da herança de seus antepassados. Eles mantiveram certas normas de kashrut, disse em um fluente inglês, acrescentando, a família de meus bisavôs, por exemplo, não comia porco por respeito a seus ancestrais e também retiravam os tendões dos animais após abatê-los para o consumo. Organização Shavei Israel King George 58, 4. andar Heichal Shlomo Jerusalém 94262, Israel Tel: Fax: Shi Lei não se comove mais com a surpresa de muitos judeus ocidentais quando estes últimos, descobrem que seus antepassados viveram e prosperaram na China, ou inclusive que sua presença ali remonta a um milénio atrás, ou mais. Quando pequeno, meus pais e meus avôs me informaram que eu era descendente de judeus, comenta. Porém, como era muito jovem, não entendi exatamente o que isso significava. Quando cresci, comecei a estudar mais sobre minhas origens e sobre o povo judeu, principalmente através da leitura, disse. Foi assim que ele começou a familiarizar-se com seu precioso legado, cuidadosamente transmitido de pai para filho através das gerações, neste longínquo rincão da Ásia. Acredita-se que os primeiros judeus se estabeleceram em Kaifeng, uma das capitais do Império Chinês, durante a dinastia Song ou mesmo antes. Os investigadores acreditam que provavelmente eram mercadores da Persia ou Iraque, os quais fizeram seu caminho em direção ao leste, através da rota da seda. Com a bênção do Imperador Chinês, os judeus se estabeleceram na cidade, onde encontraram um ambiente de tolerância e aceitação, em contraste com o ambiente hostil no resto da Diáspora. Visite nosso site Não tenha dúvida em contatar-nos: Em 1163, os judeus de Kaifeng construíram uma grande e bela sinagoga, que foi subsequentemente renovada e reconstruída em várias ocasiões ao longo do século. Em seu apogeu, durante a dinastia Ming ( ), a comunidade judaica de Kaifeng contava com 5000 membros. Preocupados, talvez, com a memória comunitária, os judeus de Kaifeng decidiram levantar monumentos de pedra, nos quais passaram a escrever a sua história de sua. Dois desses monumentos de pedras, que foram levantadas em conjunto em 1489, 1512, 1663, e 1669, encontram-se hoje em dia no Museu Municipal de Kaifeng, como testemunho da vida judaica que ali existiu. Como disse o pesquisador chinês, Xu Xin, em seu libro Os Judeus de Kaifeng, China, os monumentos nos provêm uma interessante visão da vida judaica medieval na China, incluindo a observação de suas festividades como o Iom Kipur. O monumento de 1489 por exemplo, diz que no Dia do Perdão, os judeus fechavam suas portas por todo o dia e se dedicavam ao cultuo da pureza, não comiam nem bebiam, para assim nutrir sua natureza superior. Nesse dia, continua a inscrição, os estudiosos interrompiam sua leitura e estudo, os lavradores deixavam seus trabalhos de cultivo ou colheita, os comerciantes fechavam seus comércios no mercado e os viajantes adiavam suas viagens. 2

3 Os pedidos são esquecidos, as usuras são colocadas de lado e todos se dedicam a preservar o coração e a nutrição da mente, para que desta forma, quem sabe, possa ser restaurado o bem. A segunda pedra gravada, de 1512, diz que no Iom Kipur, os judeus de Kaifeng fecham suas portas e meditam todo o dia. No século 17, alguns judeus chineses, lograram altos postos no serviço civil chinês, porém junto com o triunfo veio também a assimilação, que ocasionou a ruptura da coesão comunitária e o início do processo perigoso de integração e assimilação da comunidade judaica de Kaifeng. Por volta de 1800, os judeus chineses e a prática do judaísmo tinham diminuído em grande parte. O último rabino da comunidade morreu por volta da primeira metade do século XIX e o prédio da Sinagoga ficou abandonado e danificado devido as inundações que castigaram a cidade em 1840 e depois disso. Contra todas as probabilidades, os judeus de Kaifeng conseguiram preservar sua identidade judaica, transmitindo às gerações posteriores o pouco que ainda sabiam sobre suas origens. Em 1920, um investigador chinês chamado Chen Yuan, escreveu uma série de tratados sobre a religião na China, incluindo Um estudo sobre a religião israelita em Kaifeng. Yuan escreveu que o declínio da comunidade foi constante, porém, ressaltou também, que os descendentes da comunidade ainda tratam de observar vários costumes e rituais, incluindo o Iom Kipur. Apesar de que os judeus de Kaifeng não possuem mais um templo onde possam cumprir com a festividade, escreveu Yuan, ainda jejuan e choram no dia 10 do mês. Hoje em dia, existem centenas de pessoas, talvez mil, nesta cidade com mais de 4.5 milhões de habitantes, que são descendentes da comunidade judaica. Todos estes descendentes judeus pertencem a um dos sete clãs, os quais podem ser identificados por seus sobrenomes e suas árvores genealógicas, e que remontam vários séculos atrás. A lenda conta que quando os judeus chegaram a Kaifeng, o Imperador Chinês, que não podia pronunciar os sobrenomes judaicos, deu-lhes seu próprio sobrenome e o de seis de seus ministros. Estes sete sobrenomes Zhao, Li, Ai, Zhang, Gao, Jin and Shi foram utilizados pelos judeus ao longo dos séculos, e é ao clã Shi, que Shi Lei pertence. Há alguns anos atrás, Shi Lei esteve em Israel, onde estudou na Universidade Bar Ilan e na Yeshivá Machon Meyr para assim ampliar seus horizontes. Ao retornar a Kaifeng, trabalhou como guia turístico nacional, colocando em prática seu grande domínio do inglês e seu conhecimento da tradição local. Na casa de seu amado avô, Shi Lei montou um pequeno museu dedicado a contar a história dos judeus de Kaifeng, e no seu tempo livre, ensina hebraico, história e cultura judaica aos outros membros da comunidade de Kaifeng. Nos últimos anos, uma grande quantidade de descendentes dos judeus de Kaifeng tem vindo para Israel, graças ao esforço da Shavei Israel, a organização que presido com sede em Jerusalém e que se encarrega de fortalecer a conexão dos judeus da Diáspora com Israel. Todos eles passaram por um processo de retorno formal, sob o auspício do Rabinato Chefe de Israel e vivem em Jerusalém. Apesar de vivermos em Kaifeng há milhares de anos, a comunidade judaica local não perdeu sua identidade disse Shi Lei. De certo modo, os judeus de hoje em dia 3

4 encontram-se em um processo de reaprendizagem dos costumes judaicos que foram esquecidos em algum momento no passado. Existe um crescente interesse, especialmente entre os jovens, de aprender mais sobre sua herança, disse, atribuindo este desenvolvimento ao crescente contato da comunidade com o resto do mundo judaico. Quando foi perguntado sobre a observância da próxima festa, Iom Kipur, Shi Lei disse com seriedade, Iom Kipur é o dia mais sagrado do ano e é um dia de expiação. Neste dia, D-us nos perdoará e purificará, e nossos pecados serão perdoados. Em Kaifeng, nesse dia, estaremos todos juntos e discutiremos o significado e a importância do mesmo, disse, enquanto pensava em voz alta que talvez algum dia, caso a Sinagoga fosse reconstruída, talvez, todo judeu de Kaifeng pudesse retornar mais consciente das tradições de nosso povo. Retornar A Despedida de Moshê do Povo Judeu - Perashat Vezot Haberachá Por: Rabino Eliahu Birnbaum - Tradução: David Salgado E subiu Moshê das planícies de Moab ao monte Nebó, ao cume da Pisgá que está defronte de Jericó, e mostrou-lhe o Eterno toda a terra de Guilead até Dan, todo o Naftali, a terra de Efraim e Menashe, toda a terra de Judá até o mar do oeste; e a terra do sul, a planície e o vale de Jericó, a cidade das palmeiras, até Tsôar. E disse-lhe o Eterno: Esta é a terra que jurei a Abraham, a Itzchak e a Yaacov, dizendo: à tua descendência a darei. Eu te fiz vê-la com os teus olhos, porém lá não passarás. E morreu ali Moshê, servo do Eterno, na terra de Moab, defronte de Bet Peor, e ninguém soube até hoje o lugar da sua sepultura. E Moshê era da idade de cento e vinte anos quando morreu; não se escureceu a sua vista, nem se fugiu o esplendor de seu rosto. E prantearam os filhos de Israel a Moshê, nas planícies de Moab, por trinta dias; assim se cumpriram os dias do pranto do luto de Moshê. E Josué, filho de Nun, estava cheio do espírito de sabedoria, porquanto Moshê tinha posto sobre ele as suas mãos; e os filhos de Israel ouviram-no e fizeram como o Eterno ordenou a Moshê. E não se levantou mais em Israel profeta algum como Moshê, a quem o Eterno aparecera cara a cara, no tocante a todos os sinais e os milagres que o Eterno o enviou a fazer na terra do Egito, ao Faraó, a todos os seus servos e a toda a sua terra, e no tocante a toda a mão forte e a todos os grandes milagres no temível deserto, que fez Moshê aos olhos de todo o Israel. (Devarim 34, 1-12) Esta parashá trata do último dia do redentor e legista do povo de Israel. A imagem de Moshê Rabeinu foi resenhada infinitas vezes na literatura hebraica e na literatura universal. Escritores e pensadores há dois mil anos vem tentando decifrar a particular personalidade do senhor dos profetas. 4

5 Entretanto, parece que justamente neste capítulo encontramos o acontecimento peculiar e central da vida de Moshê, onde se entrelaçam pensamentos e sentimentos, romantismo e sofrimento, reflexões pessoais e nacionais que delineiam o admirável e inconfundível caráter de Moshê. Chegou o último dia da vida do redentor e legista; líder como ele não existiu nem na história de Israel e nem na de outro povo. Depois de acompanhar a seu povo durante quarenta anos, escutou a ordem: Sobe a este Monte de Avarim, ao Monte Nevo, que está na terra de Moav... e morres no monte ao qual tu hás de subir (Devarim 32, 49-50). Moshê se impõe a sua grande tristeza e se conforma vendo sua querida terra diante de si. A reação de Moshê nestes momentos nos ensina que mesmo antes de morrer, ele não perdeu suas qualidades especiais e sua lucidez de líder responsável, e abençoou a seu povo. Poderíamos acreditar que nos últimos momentos de sua vida, Moshê apenas se preocuparia com ele e seu sofrimento, porém não foi assim. A esperança de entrar em Eretz Israel com uma nova geração não se concretizou. Moshê vagou durante quarenta anos até que se terminou a geração do deserto e só pode conduzir a nova geração até Moav, em frente a Eretz Israel. E não entrou e nem fez entrar ninguém. Moshê morreu no Monte Nevo, na fronteira com a Terra Prometida, aos cento e vinte anos. Além de sua avançada idade no momento de sua morte, é difícil explicar porque o homem de D-us não pode entrar em Israel. Depois de Moshê ter dedicado grande parte de sua vida a libertação do povo de Israel do Egito para conduzi-lo a sua terra, lhe foi dito que nunca chegaria a terra de seus sonhos. Qual foi o pecado que Moshê cometeu para ser privado de entrar em Israel? A resposta não é tão simples e tão pouco de indiscutível significado, apesar de que a Torá nos dá uma explicação clara sobre o tema. A resposta que aparece extensamente relatada nos capítulos da Torá, se relaciona com o castigo por dias de discórdia e brigas, quando em uma oportunidade, no deserto, o povo pediu água. Moshê se dirigiu a D-us e Lhe pediu água para o povo e D-us lhe disse que falasse com a rocha e pedisse que emanasse dela a água desejada. Nessa oportunidade Moshê desobedeceu a ordem Divina e bateu várias vezes na rocha enquanto se dirigia com nervosismo ao povo. Por isso foi castigado com a privação de entrar em Israel. Entretanto, parece que os intérpretes da Torá não se conformaram com esta explicação, já que para um líder tão grande o pecado era muito pequeno e não justificava a magnitude do castigo. Por isso se esforçaram em encontrar diferentes explicações que permitam entender melhor este episódio humano e histórico. A explicação sobre o tema se centralizou no fato de Moshê ter perdido sua capacidade de liderança. A decisão de não entrar na Terra Prometida e deixar seu lugar a outro guia, foi resposta a necessidade do povo e não um castigo. Chegou o momento de Moshê sair de cena, por mais difícil e doloroso que isso possa lhe parecer. A troca de líder não é fácil nem para o dirigente e nem para os dirigidos. Para o povo é difícil acostumar-se com a imagem de um novo líder e ao líder é difícil entregar seu lugar a outro. Mesmo em casos de dirigentes que não se destacaram em seu governo, quando são trocados, o povo sente saudade, o que pensar do líder Moshê Rabeinu? D-us entendeu que no momento em que Yehoshuá adquiriu a liderança do povo, Moshê não poderia acompanhá-lo e entrar em Israel sendo apenas mais um do povo. Enquanto Moshê vivesse e estivesse entre o povo, mesmo que não fosse mais o líder, somente escutariam a sua voz. Esta situação prejudicaria a liderança de Yehoshuá. Por isso Moshê não entrou em Israel nem sequer como um simples membro do povo. A forma de governo da qual Moshê estava acostumado era através dos milagres. Água, comida, vestimenta, guerras, tudo se fazia pela providência Divina. Assim 5

6 Moshê estava acostumado. Porém, quando o povo entrasse na Terra de Israel, enfrentaria a realidade de modo natural e não mais pelo caminhos dos prodigiosos milagres. A realidade de semear, segar e colher e a necessidade de lutar como todos os povos fazem, não era conhecida por Moshê. Moshê não estava acostumado a conduzir o povo desta maneira. Depois de quarenta anos de milagres, era impossível para ele adaptar-se as condições reais que implicava viver da natureza. Por isso D-us escolheu substituí-lo, antes de entrar em Israel, por um líder que satisfizesse as necessidades do povo na nova terra. Outro enfoque interessante explica a proibição de Moshê de entrar em Israel, a partir de sua função como profeta. O profeta talvez tenha percebido na realização de seu trabalho, ou na concretização de seus sonhos, a possibilidade de afastar-se e perder o ideal original. Portanto, quando chega o momento verdadeiro, o profeta passa adiante para que outra pessoa continue sua realização, e ele permanece com a imagem íntegra de seu sonho e sua visão. Qual foi a resposta de Moshê ao difícil destino que lhe fora reservado no fim de sua vida? Ao saber do seu castigo pelo pecado da discussão no deserto, não respondeu Moshê. Talvez a notícia lhe tenha deixado desconcertante, que ao invés de reclamar só pode aceitar, ou seja, o silêncio representou que aceitava o castigo. Este fato é semelhante ao silêncio de Abraham ao enfrentar a ordem que lhe foi dada de sacrificar seu filho diante do Altíssimo. Foi apenas quando o mandamento se tornou realidade, e teve que subir ao Monte Avarim, que ele respondeu mostrando sua verdadeira imagem de líder do povo. O temor de Moshê era em relação ao povo, não queria que se tornasse um rebanho sem pastor, e por isso pediu a D-us que nomeasse um líder que ocupasse seu lugar e soubesse concluir o trabalho por ele iniciado e ficaria assim despreocupado. A principal preocupação de Moshê antes de despedir-se deste mundo, não era sua família ou sua própria pessoa. Sua grande aflição era por preencher a lacuna que ele iria deixar. Por isso insistiu em nomear imediatamente um novo líder, de tal maneira que ele pudesse assessorá-lo e instruí-lo para que o povo não ficasse, em nenhum momento sem liderança. A súplica de Moshê foi ouvida e D-us lhe disse: Toma a Yehoshuá, filho de Nun, que tem espírito de sabedoria. D-us escolheu um líder para o povo de Israel antes da morte de Moshê. Sua despedida foi acompanhada pela certeza de que haveria um líder pastor para o povo. Nos últimos capítulos do Deuteronômio, observamos o cumprimento deste mandato. De longe, Moshê viu a Terra Prometida, para depois morrer num lugar desconhecido. Em vez de descrever os sentimentos de Moshê nesses momentos, a Torá narra o que na realidade ele viu. A visão de Moshê, lenta e prolongada, pressagia o que atravessava por sua alma. Antes de morrer lhe foi mostrada toda a terra de Israel. Apenas pode vê-la, mas não pode entrar. Moshê queria ver a realização de sua idéia, que tinha profundas raízes estéticas e sentimentais, em sua alma de homem que não realizou seu sonho de toda sua vida. Moshê não entrou em Israel, D-us apenas lhe permitiu observá-la. Isso causa uma interrogação. Se Moshê não entrou na Terra Prometida, por que então, teve que contemplá-la? Esta situação faz com que o castigo seja ainda mais duro, já que não apenas sofreu por não entrar, senão que ao vê-la se sente tentado a conhecê-la de 6

7 perto, porém apesar de tudo, não poderia. Talvez a explicação encontra-se no fato do significado da visão ter um sentido especial. Quando uma pessoa observa um objeto estimado, tem a idéia de que este penetra em seu interior e se torna parte dele mesmo. Quando se observa um quadro bonito, entra pelos sentidos e nos causa prazer. Assim, quando Moshê observou, mesmo de longe, a terra de Israel, ela penetrou dentro dele, dentro de seu coração, dentro de sua alma. Apesar de não ter entrado fisicamente em Israel, aconteceu uma relação intensa entre Moshê e a terra; uma profunda conexão entre o líder e a Terra Prometida. Moshê sabia que tinha as poucas chances de conseguir entrar em Israel. Tentou mais fracassou. Porém a lição que perdura através do tempo é que está proibido ceder ou resignar-se; devemos aprender com Moshê a ter saudade e lembrança de Eretz Israel e sempre sonhar com ela. Retornar Sucot - Costumes e Tradições Fonte: Bnei Akiva-RJ A Torá refere-se a Sucot como "a época de nossa alegria" pois, além de ser uma das festas judaicas mais alegres, compensa a solenidade e a gravidade dos dias que vão de Rosh Hashaná a Yom Kipur. Sucot é uma das três festas de peregrinação prescritas na Torá e, na época do Grande Templo, os judeus de todas as partes dirigiam-se em peregrinação a Jerusalém para comemorá-la. Sucot inicia-se no dia 15 de Tishrei, duas semanas após Rosh Hashaná, e tem a duração de 7 dias. No oitavo dia comemoramos Shemini Atzeret e, no nono, Simchat Torá. Em Sucot comemora-se a generosidade e a proteção que D'us dispensa a seu povo. Em Israel, Sucot coincide com o fim da estação da colheita, uma época em que D'us mostra Sua generosidade ao prover ao homem - através da natureza - os meios para seu sustento. Em Sucot comemoramos também a preservação física de Israel durante os 40 anos em que vagou pelo deserto. Os milagres com que D'us abençoou os Filhos de Israel durante sua longa caminhada permitiram sua sobrevivência física e, portanto, em Sucot aprendemos que "D'us é Aquele que sustenta a natureza, Ele que distribui todas as formas de vida". Em Shemini Atzeret comemora-se algo ainda maior, ou seja, a preservação do espírito de Israel através do estudo da Torá. Em Simchat Torá alegramo-nos com a Lei que foi preservada ao longo dos tempos. A Sucá Os preparos para festa de Sucot começam imediatamente após Yom Kipur, com o 7

8 início da construção de frágeis e temporárias cabanas, as sucot (plural de sucá), dentro da quais, durante os sete dias da duração da festa, nós, judeus, devemos fazer nossas refeições e até mesmo dormir. O teto de uma sucá é feito de galhos ou plantas verdes, finos o bastante para deixar passar a chuva e permitir-nos avistar, através de seus orifícios, o brilho das estrelas. A sucá serve para nos lembrar as dificuldades e intempéries enfrentadas pelos Filhos de Israel, após a saída do Egito, durante a travessia pelo deserto até a chegada na Terra Prometida. Lembra-nos também dos milagres que D'us realizou durante tão longo período, entre os quais destacaram-se as "nuvens de Glória", que cercavam e seguiam o povo de Israel em suas andanças pelo deserto. Naqueles anos difíceis, todo o povo era testemunha de como D'us os estava protegendo contra todos os elementos estranhos, preservando-lhes assim a vida. Apesar das nuvens terem desaparecido na véspera da entrada dos filhos de Israel na Terra Prometida, os judeus de todas as gerações nunca deixaram de acreditar na Proteção Divina. A sucá é denominada pelos nossos sábios de Tselá Demehemenutá - a sombra da fé, pois ao entrar dentro de uma sucá, demonstramos que toda nossa fé e segurança estão depositadas nas mãos do Criador. Ao deixar o conforto de nossas casas e a segurança de nossos lares, é lá, sob as folhas da sucá, que nos conscientizamos de nossas próprias limitações, pois sabemos que não bastam os tijolos das casas para proporcionar a proteção definitiva. Sem o olhar e a bênção do Todo-Poderoso, nossa fragilidade está sujeita às intempéries da vida e de nossa condição de mortais. As 4 espécies Durante Sucot, além de comer e dormir debaixo de uma sucá, todo judeu deve também fazer todos os dias, com exceção do Shabat, as bênçãos sobre as "quatro espécies": etrog (fruta cítrica), lulav (folhas de palmeiras), hadas (ramo de mirta) e aravá (ramo de salgueiro). Nossos sábios afirmam que são reservadas bênçãos especiais para todos aqueles que selecionam, unem os quatro tipos de plantas e fazem as orações sobre as mesmas. Estes ramos contendo as "quatro espécies", arbat haminim, são agitados para as seis direções do espaço: nas quatros direções do quadrante, para cima e para baixo. Com isto está-se reconhecendo que D'us se encontra em toda parte. Cada uma das espécies do mundo vegetal possui um significado particular, mas só quando estão reunidas se completam. O etrog é uma fruta especial, pois a árvore na qual brota tem o mesmo sabor que seu fruto. Por ser uma fruta que se reproduz o ano inteiro, simboliza também a fertilidade. O lulav, ao longo da história do nosso povo, foi associado a situações de vitória, aparecendo em moedas cunhadas durante o período dos macabeus. Conta o rabino Avin, em um de seus midrashim, que quando duas pessoas disputavam uma causa em um tribunal, a vencedora deixava o local com uma folha de palmeira na mão. O hadas, folha de mirta, é um dos símbolos de imortalidade e sucesso, pois mesmo quando as suas árvores são queimadas, a planta renasce das cinzas. O aravá reflete a dependência dos homens da água, pois só se reproduz em locais com abundância de recursos hídricos. Segundo nossos sábios, as quatro espécies representam também os quatro tipos de judeus. O lulav - sem cheiro, porém com frutos, representa o judeu que conhece a Torá, mas não cumpre suas mitzvot. O hadas - que possui aroma, mas não frutos, simboliza o judeu que cumpre as mitzvot, mas não conhece a Torá. O aravá - sem aroma e sem frutos simboliza o indivíduo que desconhece a Torá e não cumpre as mitzvot. O etrog - cheiroso e fértil representa o judeu completo, que conhece a Torá e cumpre as mitzvot. 8

9 D'us diz que nenhum dos quatro tipos se perderá, se estiverem juntos, pois as bênçãos de um se estenderão aos demais, levando à união do povo judeu, que se movimentará de uma só maneira, assim como ocorre com as quatro espécies em Sucot. Histórias para Sucot A Recompensa Viveu certa vez um homem muito caridoso. Era Hoshaná Rabá e sua mulher deu-lhe dez shekels e pediu-lhe para que comprasse algo para os filhos. Naquela ocasião, fazia-se uma coleta na praça do mercado, para uma pobre órfã que estava para se casar. Quando aqueles que coletavam o dinheiro avistaram o homem, disseram: "Aí vem uma pessoa muito caridosa." Dirigiram-se a ele, dizendo: "Gostaria de contribuir com esta causa nobre, pois queremos comprar um presente para uma noiva sem recursos?" O bom homem doou todos os dez shekels que possuía. Ficou envergonhado de voltar para casa com as mãos vazias, e dirigiu-se então à sinagoga. Lá encontrou crianças brincando com etrogim (uma das quatro espécies usadas em Sucot) pois era Hoshaná Rabá (o sétimo dia de Sucot) e não havia mais necessidade dos etrogim. O homem juntou uma sacola repleta de etrogim e saiu em busca da sorte. Chegando a um local desconhecido, sentou-se sobre sua sacola, refletindo sobre o que fazer em seguida. De repente, foi abordado pelos oficiais do rei, que lhe perguntaram o que tinha naquela sacola. "Sou um pobre homem e nada tenho para vender," respondeu ele. Eles abriram a sacola e constataram que estava cheia de etrogim. "Que tipo de fruta é essa?" perguntaram os oficiais. "São etrogim, uma fruta especial usada pelos judeus durante a Festa de Sucot." Ouvindo isso, os oficiais agarraram-no juntamente com a bolsa e carregaram-no por todo o caminho até o palácio. Foi então que o homem entendeu o porquê de todo aquele entusiasmo: o rei estava muito doente e haviam-lhe dito que somente a fruta usada pelos judeus durante o festival de Sucot poderia curá-lo. Uma busca intensiva não tivera sucesso, e justamente quando toda a esperança parecia ter-se acabado, o bom homem chegara com uma sacola cheia de etrogim, desta maneira salvando a vida do soberano. O rei recobrou a saúde e ordenou que a sacola esvaziada dos etrogim fosse preenchida com moedas de ouro. Nosso bom herói retornou para casa ricamente recompensado durante toda sua vida pela caridade que fizera. O que nos resta... O Rei Salomão, o mais sábio de todos os homens, lembra-nos de ser muito humildes, pois um homem vem a este mundo sem nada, e assim o deixará, sem riquezas. Nossos sábios nos contam a seguinte parábola, para que estas sábias palavras de Salomão permaneçam frescas em nossa memória: Uma astuta raposa passava por um lindo vinhedo. Uma cerca alta e espessa cercava a vinha por todos os lados. Ao circular ao redor da cerca, a raposa encontrou um buraquinho, suficiente apenas para que ela passasse a cabeça por ele. A raposa podia ver as uvas suculentas que cresciam na vinha, e sua boca começou a salivar. Mas o buraco era muito pequeno para ela. O que fez então a esperta raposa? Jejuou por três dias, até tornar-se tão magra que conseguiu passar pelo vão. No vinhedo, a raposa começou a comer à vontade. Ficou maior e mais gorda que antes. Até que quis sair da plantação. Ai dela! O buraco estava pequeno demais novamente. O que poderia fazer? Jejuou então por três dias, até que conseguiu espremer-se pelo buraco e passar para fora outra vez. Voltando-se para olhar a vinha, a pobre raposa disse: "Vinha, ó vinha! Como pareces adorável, e como são deliciosas tuas frutas. Mas que bem me fizeste? Assim como a ti 9

10 cheguei, assim eu te deixo..." E assim, dizem nossos sábios, também acontece com este mundo. É maravilhoso, mas da mesma forma que um homem chega neste mundo com as mãos vazias, assim o deixa. Apenas a Torá que estudou, as mitsvot que cumpriu, e as boas ações que praticou são os verdadeiros frutos que poderá levar com ele. Halachot para Sucot A Bênção da Sucá: Ao ingerir na sucá ao menos 57,6 g de pão ou bolo ou tomar 86 ml de vinho, acrescente a seguinte bênção à bênção do alimento: Baruch Atá A-do-nai, E-lo-hê-nu Mêlech haolam, asher kideshánu bemitsvotav, vetsivánu leshev bassucá. Bendito és Tu, A-do-nai, nosso D'us, Rei do Universo, que nos santificou com Seus mandamentos, e nos ordenou morar na sucá. A Bênção das 4 espécies: Em direção a Jerusalém, segure o lulav (com hadassim e aravot) na mão direita (a espinha do lulav deve estar a sua frente) e recite a bênção abaixo. Em seguida, pegue o etrog na mão esquerda, mantendo lulav e etrog bem juntos e agitando-os levemente conforme explicado abaixo: Baruch Atá A-do-nai, E-lo-hê-nu Mêlech haolam, asher kideshánu bemitsvotav, vetsivánu al netilat lulav. Bendito és Tu, A-do-nai, nosso D'us, Rei do Universo, que nos santificou com Seus mandamentos, e nos ordenou pegar o lulav. Ao fazer a bênção das "quatro espécies" pela primeira vez, recite a seguinte bênção após a bênção anterior, antes de juntar o etrog com o lulav: Baruch Atá A-do-nai, E-lo-hê-nu Mêlech haolam, shehecheyánu vekiyemánu vehiguiánu lizman hazê. Bendito és Tu, A-do-nai, nosso D'us, Rei do Universo, que nos deu vida, nos manteve e nos fez chegar até a presente época. As movimentações são feitas três vezes em cada direção da seguinte forma: a) para a direita; b) para a esquerda; c) para frente; d) para cima; e) para baixo; f) para trás. A cada movimento realizado, afastam-se as "quatro espécies" na direção especificada e são trazidas para junto do coração. Seguram-se as plantas com as duas mãos, sendo que o etrog deve ser completamente coberto com a mão esquerda; somente na terceira vez do último movimento o etrog é descoberto, enquanto o movimento é feito num ângulo maior do que nas duas primeiras vezes. Retornar Kol Nidrei e Marranismo - Parte II Por: Jane Bichmacher de Glasman 10

11 Kol Nidrei, Perseguições e Anti- Semitismo (2) Kol Nidrei, tem mais de mil anos, mas adquiriu um significado particularmente intenso, durante o período de perseguições na Espanha, onde centenas de milhares de judeus foram forçados a abandonar sua fé e adotar uma nova religião. Como também foi dito, há motivos para se crer que Kol Nidrei seja uma súplica solene para a remissão divina dos votos feitos pelos Anussim* em sua conversão forçada ao cristianismo ou ao islamismo.(3) Muitos marranos freqüentavam a sinagoga secretamente, arriscando suas vidas e usando o texto de Kol Nidrei como uma fórmula de renunciar aos votos, a eles impostos pela Inquisição. Mais do que uma prece, Kol Nidrei é uma declaração que anula todos os votos e compromissos que um indivíduo contraiu durante o ano, sem envolver outras pessoas ou seus interesses. Da própria leitura do texto, tanto na versão aramaica como na hebraica, é óbvio que a declaração diz respeito unicamente a votos que tocam a própria consciência, na linguagem do Talmud: às Aveirót shebein adam la- Makom (=transgressões em relação a Deus), mas não às shebein Adam le-haveró (=entre o homem e seu próximo). Entretanto, anti-semitas de todos os tempos usaram-na como prova de que judeu não merece confiança e não cumpre seus compromissos, valendo-se de uma indulgência prevista na própria lei. Na Idade Média e mais tarde, a proclamação de permissão que precede o Kol Nidrei, representava uma tragédia nacional judaica relativa à sobrevivência das comunidades: a conversão forçada dos judeus, que estava sendo feita em massa sob ameaça de morte iminente. Essas perdas da nacionalidade judaica haviam iniciado no século VII, com as perseguições e massacres pelo Império Bizantino e pela Igreja. Rabi Meir de Rothenburg, autoridade religiosa da Renânia, que morreu em martírio em 1293, introduziu a fórmula legal citada que permite aos transgressores tomar na parte no culto de Iom Kipur, junto com a congregação, culto que é levado a efeito pelo hazan e dois dignitários da congregação pouco antes do canto do Kol Nidrei. Quando o Rabi Meir introduziu a leitura desta fórmula, dezenas de milhares já haviam morrido resistindo ao batismo em mãos dos cruzados. Contudo, outros milhares mais haviam conseguido salvar suas vidas submetendose à conversão. Durante as perseguições de 1391 na Espanha e os massacres em massa nas sinagogas por Vicente Ferrer, os dispositivos piedosos do Kol Nidrei foram usados para reconciliar milhares de conversos da Espanha com seus irmãos judeus. Muitos, embora aceitassem externamente o cristianismo, atinham-se secretamente à fé de seus antepassados, com o fervor renitente dos que têm a consciência 11

12 culpada. A partir do século XIII, o Kol Nidrei tornou-se a suprema oração de penitência e o rito de reconciliação por excelência com a religião judaica e com o povo, de todos os muitos desafortunados que haviam, contra sua vontade, rompido seus votos e promessas a D'us. Um acontecimento novo ocorreu numa conjuntura indeterminada da história judaica na Idade Média. O juramento tradicional religioso que o judeu deveria fazer nas cortes civis cristãs não era mais aceitável. Em seu lugar, ele deveria prestar um juramento degradante, o more Judaico, o "juramento judaico", instituído pelas autoridades cristãs. Segue a tradução literal de uma declaração subscrita por um conselho de rabinos, que desde 1857 acompanha a prece de Kol Nidrei em muitos Mahzorim: "Em nome de D'us, conforme a Torá, nós permitimos votos e juramentos por meio dos quais o homem impõe a si mesmo alguma proibição ou interdição. Em princípio nós permitimos a anulação de votos e juramentos que o homem faz tão somente com respeito a ele próprio, mas D'us nos livre da suspeita que esta permissão se refira de alguma maneira, às obrigações e juramentos perante o governo, os tribunais ou perante outra pessoa. E tudo que se refere a outrém, de qualquer religião, estes votos, obrigações e juramentos - dos quais se diz na Torá que D'us não perdoará a seus transgressores, devem ser cumpridos rigorosamente; e todo aquele que os transgride, será atingido pela ira de D'us, e para vergonha e desprezo eterno". Marranos e Atividades Inquisitoriais no Brasil Colonial (4) Em 1535 Portugal passou a deportar criminosos para o Brasil. Para muitos degregados, a deportação significava uma suspensão temporária da pena de morte. Com a introdução da Inquisição em Portugal, os judaizantes* também eram exilados para o Brasil. Em 1549 a Coroa Portuguesa nomeou para o Brasil um Governador Geral, estabelecido na Bahia, como capital da Colônia. A Inquisição nunca foi formalmente introduzida no Brasil; mas por volta de 1580, o Santo Ofício de Lisboa outorgava poderes inquisitoriais ao Bispo da Bahia. Os Jesuítas foram autorizados a auxiliar os bispos no preparo do processo dos heréticos e a extraditar os acusados para os tribunais da Inquisição em Lisboa. Após a unificação de Portugal e Espanha em 1580, foram intensificadas as atividades da Inquisição, ampliando-se a sua severidade e o seu escopo. Em 26 de março de 1591, o arquiduque Alberto da Áustria, um cardeal e um inquisidor geral de Portugal e colônias, nomearam o licenciado Heitor Furtado de Mendonça visitador de São Tomé, Cabo Verde, Brasil, e a administração de S. Vicente e Rio de Janeiro. Chegou à Bahia em junho de Depois de nomear a comissão inquisitorial, publicou um Auto-de-Fé e uma Carta Monitória para a cidade e seus arredores. Dentro de trinta dias a população deveria fazer confissões e denúncias, para obter um tratamento misericordioso por parte da Inquisição. Os objetivos da visitação incluíam, além da descoberta de práticas sexuais proibidas, bruxaria e insultos à Igreja Católica, lares luteranos e judaizantes entre os cristãos-novos. As 12

13 heresias deveriam ser severamente punidas. Iom Kipur, Marranos e Inquisição no Brasil Os judaizantes ou indivíduos da Nação*, que professavam em público o catolicismo mas que observavam os ritos e costumes judaicos em segredo, eram a presa mais importante perseguida pela Inquisição. O texto original da Carta Monitória publicada no Brasil não foi preservado. Mas, em essência, era uma carta composta por Dom Diogo da Silva, usada em Portugal desde 1536 adaptada às necessidades de O trecho da Carta Monitória que trata dos judaizantes menciona, entre as práticas e cerimônias judaicas que incidiam na categoria de crimes a serem confessados ou denunciados a "Observância dos dias de jejum judaicos:a observância, em setembro, do mais importante dia de jejum judaico: abstenção de comer até que as estrelas aparecessem no céu; andar descalço nesse dia; comer carne nesta noite e uma tigela cheia; pedir perdão uns aos outros; observar o dia de jejum da Rainha Ester, bem como os demais dias de jejum judaicos; jejuar o dia inteiro todas as segundas e quintas-feiras." REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: (2) Grande parte deste trecho foi extraída do Mahzor de Rosh-hashaná, notas de Henrique Iusim (p. 95 A), S.Paulo, Ed. Biblos, 1982 (3) Verbete Kol Nidrei, Judaica v.5 (autor Nathan Ausubel), R.J., A Koogan ed., 1989 (4) Do livro: Os judeus no Brasil colonial (p. 10,11), de Arnold Wiznitzer, S.Paulo, Ed. da USP/Livraria Pioneira Editora, (5) Los criptojudios (pp ), de Boleslao Lewin, Buenos Aires, (6) Tradução feita por Jane Bichmacher de Glasman, 2000 Jane Bichmacher de Glasman? Doutora em L?ngua Hebraica, Literaturas e Cultura Judaica - USP, Fundadora e ex-diretora do Programa de Estudos Judaicos UERJ, Professora Coordenadora do Setor de Hebraico-UFRJ (aposentada), escritora Retornar O Doce Sabor do "Sabra" Fonte: morasha.com.br - Edição 51 O termo "Sabra" costuma ser utilizado para definir os indivíduos nascidos em Israel. No entanto, é também o nome, em hebraico, de uma fruta da família das cactáceas, abundante no Golã, assim como no resto de Israel. E, por ser espinhosa por fora e muito doce por dentro, tornou-se a metáfora perfeita para definir o caráter do israelense: áspero e resistente, em sem exterior, mas extremamente terno em seu coração. Nas décadas de 1930 e 1940, na então Palestina, o termo "sabra" passou a ser usado para indicar todos os nascidos ou criados nos kibutzim sionistas. Seu uso foi popularizado pelo jornalista Uri Kesari, no 13

14 ensaio de 1931 "Somos as folhas do Sabra". Um ano após a publicação do texto, a palavra já estava na boca de todos, adotada por inúmeras comunidades locais e na Diáspora. Com a criação do Estado de Israel, o termo passou a ser usado como um adjetivo pátrio "mais coloquial" para identificar todos os nascidos no Estado Judeu. É facil entender por que "sabra" é uma metáfora adequada para descrever os pioneiros das primeiras aliot. Idealistas, destemidos e determinados, prontos a enfrentar as maiores dificuldades em favor do sonho, eles eram protegidos por um exterior duro, resiliente e resistente, que lhes permitia sobreviver apesar das difíceis condições na então Palestina. Mas eram, no âmago, doces, sensíveis e criativos. E, assim como as plantas do sabra que crescem de maneira selvagem, são fortes e resistentes e vigorosas - assim eram os pioneiros de outrora e os "sabras" deste início de século XXI. Foi justamente na Terra de Israel que o "velho judeu" da Diáspora européia, despojado à força de suas raízes, escorraçado e fragilizado, transformou-se no "novo judeu", saudável, forte, preparado para se defender e, acima de tudo, profundamente arraigado na Terra, há milênios, prometida a seus ancestrais. Ao contrário do que se possa imaginar, apesar de serem muito comuns em Israel, as figueiras-da-índia - ou tzabar matsui - não são uma planta originária de Israel nem do Oriente Médio. Nativos nas áreas semi-desérticas do México, foram levados para a Europa pelos exploradores espanhóis e, em seguida, pelos mouros, para a África, espalhando-se pelo Império Otomano, no século XIX. Chamado de tzabar em árabe - o termo foi incorporado ao hebraico pelo pioneiros - o opuntia ficus-indica cresce geralmente em zonas planas e, devido à sua capacidade de sobreviver em clima árido e semi-árido, por suas amplas reservas de água no caule, adaptou-se com facilidade às condições climáticas de Israel e do Mediterrâneo, sendo atualmente uma das espécies mais comuns na região. De fácil identificação por seu caule grosso com grandes abas, suas flores dão em uma enorme variedade de cores. Seus frutos deliciosos, mas cheios de espinhos, são também conhecidos como "pera espinhosa" ou "pera-cacto". Durante anos, estas cactáceas foram usadas como cercas naturais. Atualmente são um importante produto da pauta de exportação agrícola de Israel, tendo sido desenvolvidas novas espécies, livres de espinhos. A fruta é muito apreciada não apenas nesse país, mas também no mercado internacional, principalmente o europeu. Possui baixo teor de gordura, é pouco calórica e rica em fibras e carboidratos. A planta, útil no combate à desertificação, possui grande potencial como ração alimentar. Suas propriedades medicinais tambem são variadas. É utilizada na redução de inflamações prostáticas e no controle do diabetes e do colesterol. Sua seiva, usada como cicatrizante, tem eficácia comprovada em queimaduras. Já no século XVII, médicos judeus atribuíam grande valor medicinal à planta. Rabi Chaim Vital ( ) - importantes discípulos do mestre cabalista, Rabi Isaac Luria- incluía o sabra entre as drogas medicinais de seu tempo e o prescrevia para combater dores ciáticas. Os judeus do Iêmen, por exemplo, usavam-no para tratar dores lombares. Retornar A Torá manda-nos Amar o Guer Por: Rabino Jonathan Sacks - Rabino Chefe da Inglaterra 14

15 A palavra geralmente é traduzida como "estrangeiro", mas segundo a tradição oral, com freqüência significa tsedec, o 'prosélito justo'. Somos ordenados a demonstrar sensibilidade especial ao convertido. Na amidá diária, fazemos menção especial aos "justos convertidos", rezando para que o nosso quinhão seja dividido com eles. Os convertidos trazem méritos especiais ao nosso povo. Numa resposta, Moses Maimônides foi indagado por um prosélito, Ovadiah, se como convertido tinha permissão de dizer nas suas preces: "Nosso D'us e D'us de nossos pais", uma vez que os pais dele não eram judeus. Maimônides respondeu afirmativamente. Um judeu pode ser o filho físico de Avraham, porém o convertido é um dos seus filhos espirituais. "Como você veio para debaixo das asas da Divina Presença e confessou o Senhor", continua Maimônides, "não há qualquer diferença entre você e nós Não considere a sua origem como inferior." Se o Judaísmo se importasse com o poder dos números, poderia ter- se tornado uma fé proselitista como o Cristianismo ou Islamismo. Por uma questão de princípio e história, escolheu de outra maneira. Concentrou-se na força espiritual, não demográfica. O que é conversão? As pessoas freqüentemente referem-sed ao caso de Ruth, a Moabita, cuja história é narrada com tanta beleza no livro que leva o seu nome. É da resposta de Ruth à sogra Naomi, que são derivados os princípios básicos da conversão, Ela disse: "Aonde tu fores, eu irei. Onde ficares, eu ficarei. O teu povo será o meu povo, e o teu D'us o meu D'us."A última frase apenas quatro palavras em hebraico define a natureza dual da conversão até hoje. O primeiro elemento é uma identificação com o povo judeu e o seu destino (O teu povo será o meu povo). O segundo é a aceitação de um destino religioso, o pacto entre Israel e D'us e as suas ordens (O teu D'us será o meu D'us). Ambos os elementos são necessários. Isso é o que distingue a conversão ao Judaísmo da cidadania israelita. Há cidadãos de Israel que são cristãos, muçulmanos, drusos, beduínos, budistas ou brâmanes. Você não precisa de er judeu para ser cidadão israelita, assim como não precisa ser cristão para ser cidadão britânico (para assegurar, há diferenças em relação à Lei de Retorno de Israel, mas aqui isso não vem ao caso). A cidadania nas democracias liberais é um conceito secular. A conversão, ao contrário, é irredutivelmente religiosa. É isso que Boaz quer dizer quando fala para Ruth: "Que você seja ricamente recompensada pelo Eterno, o D'us de Israel, sob cujas asas você buscou o refúgio." Isso envolve a adopção de um estilo de vida religioso. A conversão secular a uma identidade religiosa é logicamente, impossível. A natureza dessa dimensão religiosa pode ser resumida em duas palavras hebraicas: cabalat hamitsvot, aceitação dos comandos. Isso pode ser feito de maneira estrita ou leniente. A conversão é um caso inusual no qual o rigor da lei é deixado à decisão do tribunal. Porém a condição existe, embora inferida. A conversão deve envolver a aceitação dos comandos. Se um convertido, em virtude do seu comportamento, demonstra um genuíno comprometimento com a prática e a Lei Judaica na época da conversão, isso permanece, mesmo se depois ele a abandona. Um convertido faltoso é um judeu em falta, não um gentio em falta. Se, no entanto, não havia observância religiosa na época, a conversão não tem valor. A aceitação dos comandos é constitutiva da conversão. Sem ela, não se pode dizer que a conversão ocorreu. 15

16 A conversão ao Judaísmo é um empreendimento sério, porque o Judaísmo não é um mero credo. Envolve um estilo de vida distinto e detalhado. Quando as pessoas perguntam-me porque a conversão ao Judaísmo demora tanto, peço-lhes que considerem outros casos de mudança de identidade. Quanto tempo demora para um britânico se tornar italiano, não apenas legalmente, mas lingüística, cultural e socialmente? Leva tempo. A analogia é imperfeita, mas ajuda a explicar o aspecto mais intrigante da conversão hoje: os padrões às vezes diferentes entre as cortes rabínicas em Israel e na Grã-Bretanha. Há algumas décadas, um Rabino Chefe israelita argumentou que os tribunais rabínicos israelitas deveriam ser mais lenientes que os seus pares na Diáspora. Os seus motivos eram técnicos, mas faziam sentido. É mais fácil aprender italiano se estiver a morar em Itália. Em Israel, muitos aspectos da identidade judaica são reforçados pela cultura circundante. A sua linguagem é a linguagem da Bíblia. A sua paisagem está saturada pela História Judaica. O Shabat é o dia de descanso. O calendário é judaico. No caso da conversão, os códigos concedem explicitamente a cada Bet Din o direito e o dever de exercer a discrição tendo em vista a circunstância local. Durante séculos, isso não criou problemas. O que mudou foi a nossa mobilidade geográfica, bastante aumentada. As pessoas mudam-se. Um casal pode se conhecer num país, casar-se num segundo e morar num terceiro. A conversão é algo muito sério. Ninguém pode tratá-la levianamente, muito menos um tribunal religioso. Já houve tempos em que a identidade judaica foi uma questão de vida ou morte não apenas durante o Holocausto. O Talmud afirma: 'É dito ao convertido em perspectiva: Está consciente de que os Filhos de Israel na era actual são perseguidos e oprimidos, desprezados, molestados e dominados por aflições?' Isso não é tanto para desencorajar o candidato, mas para ser perfeitamente sincero sobre o que esta opção envolve. A conversão também não é afectada por considerações demográficas. Os judeus sempre foram um povo muito pequeno. No Século XVII estima-se que houvesse apenas dois milhões de judeus na terra. Hoje há 100 muçulmanos para cada judeu, e quase 200 cristãos. Se o Judaísmo se importasse com o poder dos números, poderia ter se tornado uma fé proselitista como o Cristianismo ou Islamismo. Por uma questão de princípio e história, escolheu de outra maneira. Concentrou-se na força espiritual, não demográfica. O Judaísmo não busca pessoas para as converter. Não porque seja exclusivo, mas pelo motivo oposto; não acredita que é preciso ser judeu para ter uma porção no céu. As pessoas muitas vezes perguntam-me como consigo ser tolerante com outras crenças, enquanto ao mesmo tempo insisto em padrões haláchicos para a conversão. Não apenas não há contradição entre estas opiniões, como elas são dois lados da mesma moeda. O Judaísmo é tolerante com outras fés exactamente porque acredita, nas palavras dos sábios, que 'os gentios justos têm uma porção no Mundo Vindouro'. Não há necessidade de conversão. Portanto, isso deve ser feito apenas se a pessoa entende sinceramente, de maneira séria e total, a natureza do compromisso envolvido. O Judaísmo é uma fé exigente. Há beleza e força. Muitos não-judeus já me disseram o quanto admiram a comunidade pelo seu amor à família, a sua dedicação à caridade e justiça, a sua paixão pela educação e desenvolvimento do intelecto. Posso entender por que alguém desejaria fazer parte deste estilo de vida.o que é difícil de entender é por que alguém desejaria adquirir um carro mas nunca usá-lo; um fato para jamais vesti-lo; uma casa para não morar nela; uma religião para não praticá-la. Não há atalhos para as bênçãos da fé, assim como não os há para a saúde física. Sem exercício, sono e uma dieta balanceada, o corpo perece. Sem o Shabat e as Festas, cashrut e leis da família, o espírito judeu atrofia e termina por morrer. Um médico, quando atende um paciente que está com a saúde abalada, seria irresponsável em não dizer-lhe que precisa mudar o seu estilo de vida. Da mesma forma, seria irresponsável um rabino que não dissesse o mesmo a um convertido em potencial. Para um não-judeu que deseja converter-se, eu diria: 'Nós o recebemos de 16

17 braços abertos. Porém você deve entender o que isso envolve. Significa manter as leis que constituem o nosso pacto com D'us. Significa uma mudança de identidade e estilo de vida. Ser-se judeu não é apenas um privilégio, mas também, muito mais, uma grande responsabilidade. Assim, vamos ajudar os proponentes a' conversão e integralos na nossa comunidade, para que a mudança de vida possa ser gradual e responsavel. Retornar Information from ESET NOD32 Antivirus, version of virus signature database 4496 ( ) The message was checked by ESET NOD32 Antivirus. 17

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano

Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano Professor Sebastião Abiceu Colégio Marista São José Montes Claros MG 6º ano A Bíblia, na parte denominada Antigo Testamento (Torá), é o principal documento da história dos hebreus. Foi escrita ao longo

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS

LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS 1 LC 19_1-10 OS ENCONTROS DE JESUS ZAQUEU O HOMEM QUE QUERIA VER JESUS Lc 19 1 Jesus entrou em Jericó e estava atravessando a cidade. 2 Morava ali um homem rico, chamado Zaqueu, que era chefe dos cobradores

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo

As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo TRABALHO SOBRE As Três Grandes Religiões Cristianismo, Islamismo e Judaísmo Matéria: Cultura Religiosa Professor: Drº Aluno: Sérgio Moreira dos Santos, RA: 304395781. º do Curso de Direito, período noturno.

Leia mais

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém.

Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. 13 Naquele mesmo dia, dois deles estavam indo para um povoado chamado Emaús, a onze quilômetros de Jerusalém. O episódio relatado por Lucas aconteceu no dia da ressurreição, durante e após uma caminhada

Leia mais

Calendário Judaico 5774/75 & Calendário Gregoriano 2014

Calendário Judaico 5774/75 & Calendário Gregoriano 2014 Calendário Judaico 5774/75 & Calendário Gregoriano 2014 E falou ADONAI a Moisés e a Arão na terra do Egito, dizendo: Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido Nesta Lição Estudará... A Natureza da Profecia Bíblica A Importância das Profecias O Desenvolvimento da Profecia Messiânica O Ritual Profético As Profecias Sobre o Messias Humano e Divino Sacrifício e

Leia mais

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio

Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio FB MED, M3, 3 ANO, ANUAL, INTENSIVO Aula 05 - Hebreus Prof. Dawison Sampaio Todavia, eu sou o SENHOR teu Deus desde a terra do Egito; portanto não reconhecerás outro deus além de mim, porque não há Salvador

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

O povo da Bíblia HEBREUS

O povo da Bíblia HEBREUS O povo da Bíblia HEBREUS A FORMAÇÃO HEBRAICA Os hebreus eram pastores nômades que se organizavam em tribos lideradas por chefes de família denominado patriarca. Principais patriarcas: Abraão, Jacó e Isaac.

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i

O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i O JUDAÍSMO: BERÇO DA RELIGIÃO OCIDENTAL. Prof Bruno Tamancoldi i O judaísmo é uma crença que se apoia em três pilares: na Torá, nas Boas Ações e na Adoração. Por ser uma religião que supervaloriza a moralidade,

Leia mais

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling.

Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Mensagem: Fé provada. Por David Keeling. Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renunciese a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar

Leia mais

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007

Bem - Aventuranças. Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Bem - Aventuranças Conselho Inter-paroquial de Catequese Lamas, 22 de Novembro de 2007 Eu estou à tua porta a bater, Eu estou à tua porta a bater, Se me abrires a porta entrarei para enviar. Eu preciso

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós.

O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61. 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. O REINO (ISRAEL) É DIVIDIDO Lição 61 1 1. Objetivos: Ensinar que enquanto estamos seguindo a Deus, Ele cuida de nós. 2. Lição Bíblica: 1 Reis 11 a 14 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XXII A PRIMEIRA CARTA DE PEDRO E REFLEXÕES SOBRE O SOFRIMENTO Até aqui o Novo Testamento tem dito pouco sobre

Leia mais

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão

Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão Os Sacramentos estão presentes em cada fase da vida do Cristão A vida litúrgica começa muito cedo. Os Sacramentos são conhecidos como encontros pessoais com Cristo. Também são vistos como sinais da salvação.

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

Você foi criado para Dominar

Você foi criado para Dominar Você foi criado para Dominar Gênesis 1:26, 2:7 e 2:15 Gênesis, como todos nós sabemos, significa começo. Este livro começa relatando a obra da criação, e o capítulo 1 encerra com Deus criando o homem.

Leia mais

PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL

PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL 1 PODEMOS VENCER A BATALHA ESPIRITUAL Zc 1 18 Tive outra visão e vi quatro chifres de boi. 19 Perguntei ao anjo que falava comigo: Que querem dizer estes chifres? Ele respondeu: Eles representam as nações

Leia mais

Os Mandamentos da Igreja

Os Mandamentos da Igreja Os Mandamentos da Igreja Por Marcelo Rodolfo da Costa Os mandamentos da Igreja situam-se na linha de uma vida moral ligada à vida litúrgica e que dela se alimenta CIC 2041 Os Mandamentos da Igreja tem

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

O ANO NOVO SEGUNDO A BÍBLIA. Números 10: 10

O ANO NOVO SEGUNDO A BÍBLIA. Números 10: 10 O ANO NOVO SEGUNDO A BÍBLIA Números 10: 10 Semelhantemente, no dia da vossa alegria e nas vossas solenidades, e nos princípios de vossos meses, também tocareis as trombetas sobre os vossos holocaustos,

Leia mais

suplemento grandes festas ANO 2015 setembro edição XXII 89

suplemento grandes festas ANO 2015 setembro edição XXII 89 suplemento grandes festas ANO XXII 89 edição 2015 setembro Grandes Festas Preparativos especiais Neste ano de 5776, o primeiro e segundo dia de Rosh Hashaná, Sucot e Simchat Torá caem em uma segunda e

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã.

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. ROSÁRIO ANGLICANO contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. O Círculo do Rosário Anglicano simboliza a roda do tempo; na tradição cristã o número 4 representa os quatro braços da cruz: quando

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30

PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:27-30 PREGAÇÃO DO DIA 30 DE NOVEMBRO DE 2013 TEMA : A LUTA PELA FÉ PASSAGEM BASE: FILIPENSES 1:2730 FILIPENSES 1:2730 Somente deveis portarvos dignamente conforme o evangelho de Cristo, para que, quer vá e vos

Leia mais

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia A Bíblia é um livro para todo a espécie de pessoas novos e idosos, cultos e ignorantes, ricos e pobres. É um guia espiritual para ensinar as pessoas como ser-se

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA

QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA. II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA QUEM ANUNCIA AS BOAS NOVAS COOPERA COM O CRESCIMENTO DA IGREJA II Reunião Executiva 01 de Maio de 2015 São Luís - MA At 9.31 A igreja, na verdade, tinha paz por toda Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se

Leia mais

A VIDA DO REI SALOMÃO

A VIDA DO REI SALOMÃO Momento com Deus Crianças de 09 a 11 anos NOME: DATA: 17/08//2014 A VIDA DO REI SALOMÃO Versículos para Decorar: 1 - Se algum de vocês tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá livremente,

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II

O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II O CORPO E A ALMA II Assim como o Livro de Yona, em um outro nível de entendimento, faz um paralelo entre o corpo e a alma, como foi explicado pelo Gaon de Vilna, da mesma forma ele explicou o Livro de

Leia mais

Jerusalém e o Bet Hamicdash

Jerusalém e o Bet Hamicdash Jerusalém e o Bet Hamicdash Como é sabido, assim que o mundo atingir o seu estado ideal, o Bet Hamicdash, a Morada de D us, será reconstruído. No entanto, é necessário ir mais a fundo na questão, afinal,

Leia mais

SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O. Prezado amigo, chegamos ao capítulo 17 do livro de Levítico, e

SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O. Prezado amigo, chegamos ao capítulo 17 do livro de Levítico, e REFERÊNCIA: Levítico 17 Data de Gravação: 18.06.03 PRODUTOR: Paulo Chaveiro Locução: Paulo Chaveiro OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS

Leia mais

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR

SE SOUBERMOS PERDOAR Ó CARA IRMÃ CLARA, SE SOUBERMOS PERDOAR CANTO 1 - LOUVOR DA CRIAÇÃO D Bm G Em A7 D Bm G Em A7 Aleluia! Aleluia! Aleluia! Aleluia! D F#m G Em A7 1. Javé o nosso Deus é poderoso, seu nome é grande em todas as nações D F#m G Em A7 Na boca das crianças

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11)

Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Caminho, verdade e vida: Definições de Jesus; Marcas em seus discípulos (Jo.14:1-11) Mensagem 1 A metáfora do Caminho Introdução: A impressão que tenho é que Jesus escreveu isto para os nossos dias. Embora

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Judaismo. História do povo Judeu

Judaismo. História do povo Judeu 1 Judaismo Ser judeu é uma mistura de religião, identidade étnica e cultura. Em sua origem, os judeus eram um povo homogêneo, pois o casamento com pessoas de outros povos não lhes era permitido. A religião

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Uma perspectiva bíblica do meio ambiente

Uma perspectiva bíblica do meio ambiente SEÇÃO 2 Uma perspectiva bíblica do meio Os cristãos deveriam se importar com o meio? Às vezes, os cristãos relutam em levar as questões ambientais a sério. Em alguns casos, isto ocorre porque não compreendemos

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

Dez Mandamentos. Índice. Moisés com as Tábuas da Lei, por Rembrandt

Dez Mandamentos. Índice. Moisés com as Tábuas da Lei, por Rembrandt Dez Mandamentos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de Os dez mandamentos) Ir para: navegação, pesquisa Nota: Para outros significados, veja Dez Mandamentos (desambiguação). Moisés

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO

O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO O PODER DA ORAÇAO E DA SANTIFICAÇAO PROGRAMA A HORA MILAGROSA Assim nos ensinou o Santo Irmão Aldo sobre o poder da oração e da santificação: Todo o filho de Deus deve ser dado à oração e à meditação.

Leia mais

Solenidade da Assunção de Nª Senhora. Ano B

Solenidade da Assunção de Nª Senhora. Ano B Solenidade da Assunção de Nª Senhora Admonição Inicial Cântico Inicial (Tu és o Sol) Refrão: Tu és o sol de um novo amanhecer! Tu és farol, a vida a renascer Maria! Maria! És poema de amor! És minha Mãe

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Mensagem de 20/02/2011 Pr. Jacson Andrioli

Mensagem de 20/02/2011 Pr. Jacson Andrioli Mensagem de 20/02/2011 Pr. Jacson Andrioli A Oração de Simeão Lucas 2.29-32 Esperando o cumprimento de uma promessa de Deus. (((Ler Texto de Lucas 2.25-35))) Texto chave v. 29-32 sua oração Quem foi Simeão?

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

LIVRO DE CIFRAS Página 1 colodedeus.com.br

LIVRO DE CIFRAS Página 1 colodedeus.com.br LIVRO DE CIFRAS Página 1 Página 2 Página 3 ACENDE A CHAMA AUTOR: HUGO SANTOS Intro: A F#m D A F#m D A F#m D Quero Te ver, acende a Chama em mim Bm F#m A Vem com Teu Fogo, vem queimar meu coração Bm F#m

Leia mais

Segunda Palavra Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem de qualquer coisa no céu, na terra ou nas águas debaixo da terra Dt 5:8

Segunda Palavra Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem de qualquer coisa no céu, na terra ou nas águas debaixo da terra Dt 5:8 Segunda Palavra Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem de qualquer coisa no céu, na terra ou nas águas debaixo da terra Dt 5:8 Então o Senhor falou a vocês do meio do fogo. Vocês ouviram as palavras,

Leia mais

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015 1 QUEM É JESUS Jo 1 26 Respondeu João: Eu batizo com água, mas entre vocês está alguém que vocês não conhecem. 27 Ele é aquele que vem depois de mim, e não sou digno de desamarrar as correias de suas sandálias

Leia mais

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13

A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO. Romanos 15:13 A ESPERANÇA QUE VEM DO ALTO Romanos 15:13 - Ora o Deus de esperança vos encha de toda a alegria e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo. Só Deus pode nos dar uma

Leia mais

O projeto será aplicado em turmas da 3ª série do ensino fundamental, na faixa etária entre 8 e 9 anos.

O projeto será aplicado em turmas da 3ª série do ensino fundamental, na faixa etária entre 8 e 9 anos. 1 TEMA Símbolos religiosos lembranças de uma história 2 SÉRIE 3ª série ou 1ª etapa do ciclo II 3 ALUNO Simone do Rocio Sueke simonesueke@yahoo.com.br 4 OBJETIVOS Perceber a existência de diferentes símbolos

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

Sobre esta obra, você tem a liberdade de:

Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Sobre esta obra, você tem a liberdade de: Compartilhar copiar, distribuir e transmitir a obra. Sob as seguintes condições: Atribuição Você deve creditar a obra da forma especificada pelo autor ou licenciante

Leia mais

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. 2

Leia mais

EVANGELIZAÇÃO É AMOR E LUZ É JESUS NO CORAÇÃO

EVANGELIZAÇÃO É AMOR E LUZ É JESUS NO CORAÇÃO EVANGELIZAÇÃO É AMOR E LUZ É JESUS NO CORAÇÃO Lenildo Solano EVANGELIZAÇÃO EM MÚSICA - Sequência Musical: 01- Aula de Evangelização 02- Deus 03- Jesus 04- Anjos da Guarda 05- Oração 06- Espiritismo 07-

Leia mais

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.

Mateus 4, 1-11. Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto. Mateus 4, 1-11 Respondeu-lhe Jesus: «Vai-te, Satanás, pois está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás e só a Ele prestarás culto.». Este caminho de 40 dias de jejum, de oração, de solidariedade, vai colocar-te

Leia mais

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA Ap 21.9-11 - E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.10

Leia mais

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante.

O texto nomeia os 11, mais algumas mulheres, das quais só menciona Maria, com os irmãos de Jesus. Aqui aparece um fato curioso e edificante. Aula 25 Creio na Igreja Católica.1 Frei Hipólito Martendal, OFM. 1. Leitura de At 2, 1-15. Ler e explicar... Dia de Pentecostes (=Quinquagésima) é o 50º dia depois da Páscoa. Os judeus celebravam a Aliança

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

O SEMEADOR SAIU PARA SEMEAR Comentário de Pe. Alberto Maggi OSM ao Evangelho

O SEMEADOR SAIU PARA SEMEAR Comentário de Pe. Alberto Maggi OSM ao Evangelho XV DOMINGO DO TEMPO COMUM 10 de julho de 2011 O SEMEADOR SAIU PARA SEMEAR Comentário de Pe. Alberto Maggi OSM ao Evangelho Mt 13,1-23 1 Naquele dia, Jesus saiu de casa e foi sentar-se às margens do mar

Leia mais

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE

A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações I. O CONVITE A Regra daterceira Ordem da Sociedade de São Francisco iii) Ordem para Admissões e Renovações como ordenado pelo Capítulo Interprovincial da Terceira Ordem na Revisão Constitucional de 1993, e subseqüentemente

Leia mais

BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA

BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA SAUDAÇÃO À BANDEIRA 2009 NOVEMBRO/2009 BANDEIRA NACIONAL: IDENTIDADE BRASILEIRA Assim como nós, cidadãos, temos documentos para sermos identificados onde quer que estejamos, como brasileiros temos nossa

Leia mais

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória,

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória, Livro 1 página 57 Lição Oito O Culto a Deus Que É Culto? O culto é o ato de reconhecer a Deus por quem Ele é. Inclui uma atitude de reverência, devoção e adoração da parte da pessoa que pensa acerca de

Leia mais

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus.

Obs.: José recebeu em sonho a visita de um anjo que lhe disse que seu filho deveria se chamar Jesus. Anexo 2 Primeiro momento: contar a vida de Jesus até os 12 anos de idade. Utilizamos os tópicos abaixo. As palavras em negrito, perguntamos se eles sabiam o que significava. Tópicos: 1 - Maria e José moravam

Leia mais

cerj G uia orientador de meditação bíblica diária Epístola aos Romanos (42-43) Dia 29: Dia 30: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões.

cerj G uia orientador de meditação bíblica diária Epístola aos Romanos (42-43) Dia 29: Dia 30: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões. Pág. 1 Dia 29: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões. Digo a verdade em Cristo, não minto, testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência: tenho grande tristeza e incessante

Leia mais

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus

Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus Catequese sobre José O pai adoptivo de Jesus S. José modelo e protector de todos os pais materialdecatequese.webnode.pt 1 A terra de José (Mapa) O seu país era a Palestina e a aldeia onde morava chamava-se

Leia mais

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho

MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho MEDITAÇÃO SALA LARANJA SEMANA 16 QUEDA E MALDIÇÃO Nome: Professor: Rebanho VERSÍCULOS PARA DECORAR ESTA SEMANA Usamos VERSÍCULOS a Bíblia na PARA Nova DECORAR Versão Internacional ESTA SEMANA NVI Usamos

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Mantendo uma Posição Firme

Mantendo uma Posição Firme Livro 1 página 65 Lição Nove Mantendo uma Posição Firme (O Batismo e a Membresia na Igreja) Introdução: O batismo e a membresia na igreja säo coisas inteiramente diferentes. Eles estão juntos nesta lição

Leia mais

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ

DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ EBD DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ DOUTRINAS BÁSICAS DA VIDA CRISTÃ OLÁ!!! Sou seu Professor e amigo Você está começando,hoje, uma ETAPA muito importante para o seu CRESCIMENTO ESPIRITUAL e para sua

Leia mais

ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO?

ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO? ADORAÇÃO OU INTERPRETAÇÃO? Ouvi a palavra do SENHOR, vós, filhos de Israel, porque o SENHOR tem uma contenda com os habitantes da terra, porque nela não há verdade, nem amor, nem conhecimento de Deus.

Leia mais

As festas judaicas acontecem no ritmo das estações,

As festas judaicas acontecem no ritmo das estações, No que diz respeito à moral judaica, há uma concepção profundamente otimista e unitária do homem, porque Deus só pode tê-lo criado livre e responsável. Mas a relação homem-deus pode ser rompida: isso é

Leia mais

Caminho, verdade e vida

Caminho, verdade e vida Chico Xavier Pelo Espírito Emmanuel Caminho, verdade e vida COLEÇÃO FONTE VIVA Sumário Interpretação dos textos sagrados...13 1 O tempo...17 2 Segue-me tu...19 3 Examina-te...21 4 Trabalho...23 5 Bases...25

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus

Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus Bíblia: Sociedade no tempo de Jesus e sua proposta Como funcionava a sociedade no tempo de Jesus A LEI: Instrumento de dominação Sexta parte A Lei do sábado era muito rigorosa. Não se podia fazer nada,

Leia mais

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco!

Quem Desiste num momento de crise é porque realmente é um fraco! Paixão do Povo de Cristo x Paixão de Cristo Texto Base: provérbios 24.10 na Linguagem de Hoje: Quem é fraco numa crise, é realmente fraco. Na Bíblia A Mensagem : Quem Desiste num momento de crise é porque

Leia mais

O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?"

Oquefazerquandoocoraçãosedesespera? O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" O"que"fazer"quando"o"coração"se"desespera?" mas"aqueles"que" esperam"no"senhor" renovam"as"suas"forças." Voam"alto"como"águias;"

Leia mais