AGRIFAM A 03 DE AGOSTO DE 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014"

Transcrição

1 AGRIFAM A 03 DE AGOSTO DE 2014 REGULAMENTO ANIMAL CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES Artigo I A AGRIFAM 2014 Feira da Agricultura Familiar e do Trabalhador Rural - será realizada sob o auspício da FETAESP, Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado de São Paulo de 01 a 03 de Agosto de 2014, no Recinto de Exposições José Oliveira Prado, em Lençóis Paulista SP. Artigo II A Feira será regida por este regulamento objetivando: a. Agraciar criadores que se destacaram no trabalho de melhoramento animal, valorizando os animais regularmente inscritos nas Associações de Registro Genealógico. b. Proporcionar intercâmbio de experiências, tecnologia, desenvolvimento de novos projetos e informações entre técnicos e criadores com a finalidade de incentivá-los na prática de métodos racionais e modernos de manejo e criação. c. Favorecer negócios de compra e venda de reprodutores e tecnologia otimizando a rentabilidade da empresa agropecuária e da agroindústria. d. Proporcionar ao comércio e à agroindústria a exibição de máquinas, implementos, produtos e serviços indispensáveis à produtividade do agronegócio. e. Divulgar projetos e pesquisas desenvolvidos para a melhor produção dos respectivos bens de consumo. f. Estimular o interesse e a participação de um maior número de pessoas, aproximando-as do setor da cadeia produtiva agropecuária. g. Integrar todos os segmentos do setor agropecuário, realizando uma AGRIFAM de elevado padrão promocional e estrutural.

2 CAPÍTULO II DAS INSCRIÇÕES E CATEGORIAS Artigo III Nenhum animal, produto, máquina ou utensílio será aceito no certame sem estar previamente inscrito. Artigo IV A Comissão Organizadora fornecerá os formulários próprios destinados às inscrições de animais, produtos e máquinas. Artigo VI Os animais, inclusive aqueles destinados apenas à venda, deverão ser inscritos e expostos em nome de seu proprietário. Artigo VII Fica a critério da Comissão Organizadora, efetuar cortes nas inscrições, a fim de não exceder a capacidade de lotação do pavilhão. Os cortes porventura efetuados obedecerão a critérios previamente estabelecidos em reunião da Comissão Organizadora.. CAPÍTULO III DA ACOMODAÇÃO DOS ANIMAIS E SEU TRATO Artigo XIV Os animais devem ser desembarcados por conta dos expositores no Recinto de Exposições, seguindo orientações dadas no ato do desembarque, devendo apresentar-se com contenção eficiente: coleiras, bucais, cabrestos, etc. Artigo XV À entrada do recinto, os tratadores receberão orientação sobre o local de acomodação de cada animal, previamente estabelecido pela Comissão Organizadora, de onde só poderão ser removidos com prévia autorização. Artigo XVI A distribuição de cama obedecerá à quantidade e horário previamente estipulados. Artigo XVII A limpeza dos locais onde os animais permanecerão e suas imediações ficarão a cargo dos expositores. Parágrafo Único AS DATAS DE ENTRADA, SAÍDA APRESENTADAS ABAIXO DEVERÃO SER OBEDECIDAS RIGOROSAMENTE, SENDO TERMINANTEMENTE PROIBIDA A ENTRADA OU RETIRADA DOS ANIMAIS DE EXPOSIÇÃO E LEILÃO NO DECORRER DO CERTAME, SEM A PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DA COMISSÃO ORGANIZADORA. DATAS DE ENTRADA: 31 de Julho de 2014 (das 13:00 hs às 18:00 hs).

3 DATAS DE SAÍDA: A partir das 17:00 hs do dia 03 de Agosto de CAPÍTULO IV DAS VENDAS Artigo XVIII No decorrer da Feira qualquer animal exposto poderá ser objeto de compra e venda. Parágrafo único As transações de animais serão feitas normalmente, incidindo sobre os mesmos, as taxas e impostos regulares previstos por lei. Lembramos que a emissão do GTA de animais que foram comercializados na feira ficará condicionada a apresentação da respectiva nota fiscal de produtor que oficializou a transação comercial. Artigo XIX Nenhum animal vendido no decorrer do certame poderá ser retirado antes do seu encerramento. CAPÍTULO VI DA DEFESA SANITÁRIA E ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA Artigo XX A Comissão Organizadora conta com técnicos devidamente credenciados à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, com as seguintes atribuições: a. Assegurar que as instalações para os animais tenham sido previamente limpas e desinfetadas, pelo menos vinte e quatro (24) horas antes do ingresso dos animais; b. Efetuar a inspeção sanitária dos animais quando de seu ingresso no recinto do certame; c. Verificar a apresentação dos documentos sanitários exigidos; d. Estabelecer as medidas sanitárias que julgar convenientes caso haja ocorrência de moléstia transmissível; e. Prestar atendimento médico a animal que necessite, caso não esteja presente o veterinário próprio ou o proprietário assim o solicite; f. Autorizar a aplicação de medicamentos nos animais; g. Autorizar a saída dos animais do recinto de certame, efetuando a inspeção sanitária dos mesmos e expedindo a documentação sanitária necessária.

4 Artigo XXI - A admissão dos animais no recinto só será permitida após a apresentação da documentação sanitária exigida e cumprimento da legislação em vigor conforme cada espécie envolvida: BOVINOS a) Para a Febre Aftosa: - Os dados de vacinação referente às duas últimas etapas realizadas no estabelecimento pecuário de origem dos animais deverão constar na GTA. - Deverão ser obedecidos os prazos de carência (tempo entre a vacinação e o trânsito de animais) de 15 dias para animais primovacinados, e 7 dias para os demais, a partir da última vacinação. Os animais provenientes de estados que não praticam a vacinação na mesma data que São Paulo deve ter reforço da mesma, além de também obedecer ao prazo de carência. - Animais oriundos de regiões onde se pratica a vacinação anual de todos os animais em etapas de 45 a 60 dias, deverão constar na GTA, dados de vacinação de pelo menos duas etapas, sendo a última realizada no máximo até 6 meses do início do evento. - Os bovinos com origem em zona livre de febre aftosa sem vacinação (estado de Santa Catarina) deverão ser imediatamente vacinados contra a febre aftosa ao chegar ao estado de São Paulo (Instrução Normativa 44, de 02/10/2007). E uma vez vacinados, não poderão mais retornar a origem. O GTA de egresso do evento desses bovinos vacinados será fornecido após 15 dias da data da vacinação. O serviço veterinário oficial do estado de Santa Catarina deverá, com antecedência ao ingresso, encaminhar comunicação sobre a movimentação desses bovinos ao serviço veterinário oficial do estado de São Paulo. (Instrução Normativa 44, de 02/10/2007). - Animais oriundos de estados ou regiões com status sanitário para a Febre Aftosa pior que o estado de São Paulo, pior ou igual a BR3 (risco médio), zona tampão, zona de alta vigilância deverão cumprir os requisitos zoossanitários específicos definidos nas seções II a IV da Instrução Normativa 44 do Ministério da Agricultura e Abastecimento, de 02/10/2007 (procedimentos relacionados a quarentena, vacinação, exames, entre outros). - Toda carga de animais suscetíveis à Febre Aftosa, quando lacrada pelo Serviço Veterinário Oficial de Origem, somente poderá ter seu lacre rompido pelo Serviço Veterinário Oficial de destino. Os animais susceptíveis a febre aftosa oriundo do estado do Rio Grande do Sul deverão chegar ao recinto com lacre do serviço oficial. b) Para a Brucelose Bovina (Br. Abortus): - A emissão de GTA para bovinos e bubalinos fica condicionada à:

5 -Comprovação de vacinação contra Brucelose no estabelecimento de origem dos animais; -Atestado com resultado negativo a teste de diagnóstico de Brucelose efetuado até 60 dias antes do Término do evento, emitido por médico veterinário habilitado em: -Fêmeas com idade igual ou superior a 24 meses e vacinadas entre 3 e 8 meses de idade com a vacina B-19; -Fêmeas não vacinadas e machos com idade superior a 8 meses. -Excluem-se desta obrigação, estabelecimentos de Criação Certificados como Livre de Brucelose. Observação: no caso do uso da vacina RB51, o atestado da vacinação deve ser acompanhado por teste negativo de brucelose com data anterior ao da vacinação. c) Para Tuberculose Bovina -Atestado com resultado negativo a teste de diagnóstico para Tuberculose (Teste Cervical Simples ou Teste Cervical Comparativo) efetuado até 60 dias antes do início do evento, emitido por médico veterinário habilitado, para animais de idade igual ou superior a 6 semanas. Excluem-se desta obrigação Estabelecimentos de Criação Certificados como Livre de Tuberculose. Para tal fim, não é aceito o teste caudal. OVINOS E CAPRINOS Atestado de sanidade do rebanho, emitido por médico veterinário autônomo responsável pelos animais através de exame clínico, com validade inferior a 60 dias do evento. Animais negativos para: -Epididimite (ovinos a partir dos 6 meses de idade) -LAC Linfadenite Caseosa (ovinos e caprinos) -Ceratoconjuntivite (caprinos e ovinos) -Podridão de Casco (caprinos e ovinos) -Artrite Infecto-contagiosa (caprinos) Os animais suspeitos de linfadenite caseosa com diagnóstico clínico realizado por médico veterinário responsável técnico do evento serão proibidos de adentrar no evento. Não haverá prova laboratorial neste caso. EQUINOS Para adentrar na AGRIFAM os eqüinos devem portar: GTA, Exame de Anemia Infecciosa (AIE) Eqüina (prazo 60 dias), Exame de Mormo (prazo 60 dias) e atestado de vacinação contra Influenza Eqüina Artigo XXII Todos os animais serão obrigatoriamente inspecionados por médico veterinário (responsável técnico), quando da sua admissão no recinto de exposição, somente sendo permitido o ingresso de animais:

6 Identificados individualmente ou por lote de acordo com o disposto nestas normas complementares. Acompanhados de documentação sanitária regularmente expedida no local de procedência, identificando-os devidamente e comprovando o cumprimento dos requisitos sanitários gerais e específicos, segundo a espécie animal. Declarados sadios, livres de ectoparasitas e doenças de pele como sarna, entre outras, após inspeção sanitária. Não será permitido, no recinto de exposições, o ingresso de animais acometidos ou suspeitos de doenças transmissíveis e de animais reagentes aos testes laboratoriais ou alérgicos requeridos, assim como de animais portadores de ectoparasitas. No caso de doenças transmissíveis a proibição de ingresso estende-se aos animais suscetíveis que tiveram contato com os animais doentes. Casos de animais enfermos por moléstia não contagiosa, serão tratados por Médicos Veterinários de confiança do proprietário, depois de devida comunicação à comissão de Defesa Sanitária. Os animais cujo ingresso no recinto de exposições não tenha sido permitido, deverão retornar imediatamente ao estabelecimento de procedência, após devida redação da documentação do motivo pelo retorno. - Todos os animais que se destinarem ao evento devem ser acompanhados pela GTA (Guia de Trânsito Animal) emitida por serviço oficial da secretaria da agricultura, do município ou estado. AVES AVES ADULTAS - Nota de Produtor e Certificado de Estabelecimento Avícola Livre de Salmoneloses e Micoplasmoses e comprovante de vacinação contra a Doença de Marek. OVOS FÉRTEIS - Nota de Produtor ou Nota Fiscal e Certificado de Estabelecimento Avícola Livre de Salmoneloses e Micoplasmoses. PINTOS DE UM DIA - Nota de Produtor e Certificado de Estabelecimento Avícola Livre de Salmoneloses e Micoplasmoses e comprovante de vacinação contra a Doença de Marek. *Aves adultas, ovos férteis e pintos de um dia - provenientes de produção em escala industrial tais como: galinha, frango, patos, perus, codornas, etc. AVES SILVESTRES E EXÓTICAS Autorização de trânsito do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente IBAMA e atestado de sanidade até 72 horas antes da emissão da GTA, emitido por médico veterinário do setor privado. AVESTRUZES - Nota de Produtor ou Nota Fiscal e comprovante de registro do criatório junto ao MAPA. Para animais de reprodução, também o Certificado de Estabelecimento Avícola Livre de Salmoneloses e Micoplasmoses ou exame negativo para essas doenças.

7 Dados para emissão GTA CNPJ: / Nome: Chacra Du Tadeu Promoções e Eventos ltda. Estabelecimento: Recinto de Exposições José Oliveira Prado Código do estabelecimento Município: Lençóis Paulista SP End.: AV Lazaro Brigido Dutra 300 CONSIDERAÇÕES FINAIS: O EXPOSITOR É TOTALMENTE RESPONSÁVEL POR SEUS ANIMAIS, BEM COMO POR SEUS FUNCIONÁRIOS E POR TODAS AS MEDIDAS TOMADAS POR ELES DURANTE TODO O EVENTO, ISENTANDO A COMISSÃO ORGANIZADORA DE QUALQUER RESPONSABILIDADE.. Equipe FETAESP/AGRIFAM

REGULAMENTO ANIMAL. 19 A 23 de Novembro de 2012. www.feileite.com.br

REGULAMENTO ANIMAL. 19 A 23 de Novembro de 2012. www.feileite.com.br REGULAMENTO ANIMAL 19 A 23 de Novembro de 2012. www.feileite.com.br CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES Artigo I A FEILEITE 2012 Feira Internacional da Cadeia Produtiva do Leite será realizada sob o

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

EXIGÊNCIAS CONSTANTES NA RESOLUÇÃO 005 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2011.

EXIGÊNCIAS CONSTANTES NA RESOLUÇÃO 005 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2011. AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SAÚDE ANIMAL UNIDADE REGIONAL DE SANIDADE AGROPECUÁRIA UNIDADE LOCAL DE SANIDADE AGROPECUÁRIA LONDRINA - PARANÁ EXIGÊNCIAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E REFORMA AGRÁRIA

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E REFORMA AGRÁRIA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL PORTARIA N.º 162, DE 18 DE OUTUBRO DE 1994 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA,

Leia mais

EXIGÊNCIAS PARA TRÂNSITO DE ANIMAIS MATO GROSSO DO SUL - 2004

EXIGÊNCIAS PARA TRÂNSITO DE ANIMAIS MATO GROSSO DO SUL - 2004 1. ANIMAIS AQUÁTICOS (PEIXES, MOLUSCOS E CRUSTÁCEOS EM QUALQUER FASE DE DESENVOLVIMENTO: ALEVINOS, ISCAS, LARVAS, ETC) Trânsito de espécies cultivadas (nativas e exóticas) Trânsito de espécies coletadas

Leia mais

CAPÍTULO IV DAS EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS E ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA

CAPÍTULO IV DAS EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS E ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA CAPÍTULO IV DAS EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS E ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA Art. 18º - Durante o evento o Serviço de Defesa Sanitária e Assistência Veterinária ficará a cargo da Comissão Sanitária Animal, a ser designada

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO ABRIL/2016. 46ª ExpoAgro de Itapetininga. Julgamento 15 de abril de 2016

BOLETIM INFORMATIVO ABRIL/2016. 46ª ExpoAgro de Itapetininga. Julgamento 15 de abril de 2016 Associação dos Criadores de Gado Jersey do Brasil BOLETIM INFORMATIVO ABRIL/2016 46ª ExpoAgro de Itapetininga Julgamento 15 de abril de 2016 Itapetininga - SP Av. Francisco Matarazzo, 455 Parque da Água

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009

RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009 RESOLUÇÃO Nº 042 de 07/04/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 45, XIV, da Lei nº 8.485 de 03 de junho de 1.987; art.

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA AVES E OVOS FÉRTEIS COM FINALIDADE DE PRODUÇÃO DE CARNE, OVOS E MATERIAL GENÉTICO

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA AVES E OVOS FÉRTEIS COM FINALIDADE DE PRODUÇÃO DE CARNE, OVOS E MATERIAL GENÉTICO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

3. O preenchimento da GTA manual deverá ser feito a máquina ou em letra de forma, utilizando-se folhas carbonadas;

3. O preenchimento da GTA manual deverá ser feito a máquina ou em letra de forma, utilizando-se folhas carbonadas; GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Secretaria de Estado da Produção SEPROD Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal - IAGRO INSTRUÇÃO DE SERVIÇO/IAGRO/ GDSA N.º 005/2002. Campo Grande,

Leia mais

DATA DIA EVENTO HORÁRIO. sexta, sábado, domingo e segunda 20/10 terça Inspeção e pesagens Das 09:00 às 18:00 h

DATA DIA EVENTO HORÁRIO. sexta, sábado, domingo e segunda 20/10 terça Inspeção e pesagens Das 09:00 às 18:00 h Prezado Ovinocultor, Castro, 21 de setembro de 2015. A Castrolanda Cooperativa Agroindustrial convida você a participar da Agroleite 2015, a ser realizada entre os dias 20 a 24 (terça a sábado) de outubro,

Leia mais

Manual de Legislação. manual técnico

Manual de Legislação. manual técnico Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Manual de Legislação PROGRAMAS NACIONAIS DE SAÚDE ANIMAL DO BRASIL manual técnico Missão

Leia mais

EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL DE LONDRINA DE 09 A 19 DE ABRIL 2015

EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL DE LONDRINA DE 09 A 19 DE ABRIL 2015 EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL DE LONDRINA DE 09 A 19 DE ABRIL 2015 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS DO SETOR ANIMAL DA DEFESA SANITÁRIA ANIMAL Art. 13 RECEBIMENTO Para ingressar no Evento Agropecuário, todos

Leia mais

TRANSPORTE DE PEIXES E ALEVINOS

TRANSPORTE DE PEIXES E ALEVINOS TRANSPORTE DE PEIXES E ALEVINOS Espécies cultivadas (nativas e exóticas) - Vacinação contra a raiva, com vacina oficialmente controlada. - Devem proceder de propriedade rural cadastrada na Secretaria da

Leia mais

Legislação De Defesa Sanitária Animal

Legislação De Defesa Sanitária Animal GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA, ABASTECIMENTO, AQÜICULTURA E PESCA INSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA E FLORESTAL DO ESPÍRITO SANTO Legislação De Defesa Sanitária

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.467, DE 15 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOE nº 112, de 16 de junho de 2010) Dispõe sobre a adoção de

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA) PARA SUÍDEOS VERSÃO 5.0

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA) PARA SUÍDEOS VERSÃO 5.0 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014

Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014 Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014 Norma Estadual - Mato Grosso Publicado no DOE em 14 nov 2014 Institui o regulamento técnico do plano de vigilância para a Erradicação da Tuberculose bovina

Leia mais

F E S T A D O B O I 53ª - EXPOSIÇÃO DE ANIMAIS E MÁQUINAS AGRÍCOLAS. Período: 10 a 18 de outubro de 2015. REGULAMENTO

F E S T A D O B O I 53ª - EXPOSIÇÃO DE ANIMAIS E MÁQUINAS AGRÍCOLAS. Período: 10 a 18 de outubro de 2015. REGULAMENTO F E S T A D O B O I 53ª - EXPOSIÇÃO DE ANIMAIS E MÁQUINAS AGRÍCOLAS. Período: 10 a 18 de outubro de 2015. REGULAMENTO CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES ARTIGO 1- A FESTA DO BOI 2014 Exposição de Animais

Leia mais

LEI Nº 10.366, DE 24 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a fixação da política de defesa sanitária animal e adota outras providências.

LEI Nº 10.366, DE 24 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a fixação da política de defesa sanitária animal e adota outras providências. REGULAMENTADA PELO DECRETO Nº 2.919/1998 LEI Nº 10.366, DE 24 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a fixação da política de defesa sanitária animal e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUMÁRIO Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE SÊMEN EQÜINO DESTINADO AOS ESTADOS PARTES

REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE SÊMEN EQÜINO DESTINADO AOS ESTADOS PARTES MERCOSUL/GMC/RES Nº 24/07 REQUISITOS ZOOSANITÁRIOS PARA A IMPORTAÇÃO DE SÊMEN EQÜINO DESTINADO AOS ESTADOS PARTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 06/96 do

Leia mais

Sistema de Defesa Agropecuária - Instruções para Impressão de e-gta para Equinos (Produtor Rural)

Sistema de Defesa Agropecuária - Instruções para Impressão de e-gta para Equinos (Produtor Rural) Instruções para Impressão de e-gta para Equinos (Produtor Rural) A Tabela 1 apresenta os tipos de lançamentos e finalidades de movimentações disponíveis para os produtores/possuidores de eqüídeos. Espécie

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Fica revogada a Instrução Normativa nº 22, de 12 de agosto de 1999.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. Art. 3º Fica revogada a Instrução Normativa nº 22, de 12 de agosto de 1999. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 9 DE JANEIRO DE 2002 Revogado(a) pelo(a) Instrução Normativa Nº 78/2003/SDA/MAA O SECRETÁRIO

Leia mais

Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação

Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação LEI Nº 1082, DE 1º DE JULHO DE 1999. Dispõe sobre a defesa da sanidade animal e vegetal no Estado do Tocantins. Regulamentação O Governador do Estado do Tocantins, Faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL ATOS DO PODER LEGISLATIVO ESTADO DA PARAÍBA. Nº 15.106 João Pessoa - Quarta-feira, 05 de Dezembro de 2012 Preço: R$ 2,00

DIÁRIO OFICIAL ATOS DO PODER LEGISLATIVO ESTADO DA PARAÍBA. Nº 15.106 João Pessoa - Quarta-feira, 05 de Dezembro de 2012 Preço: R$ 2,00 DIÁRIO OFICIAL ESTADO DA PARAÍBA Nº 15.106 João Pessoa - Quarta-feira, 05 de Dezembro de 2012 Preço: R$ 2,00 ATOS DO PODER LEGISLATIVO LEI Nº 9.926, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2012 AUTORIA: PODER EXECUTIVO Ins

Leia mais

SP INTERLÁCTEA 2013 EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DO AGRONEGÓCIO DO LEITE

SP INTERLÁCTEA 2013 EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DO AGRONEGÓCIO DO LEITE SP INTERLÁCTEA 2013 EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DO AGRONEGÓCIO DO LEITE Estância Turística de Avaré, 17 de Outubro de 2013. Circular Informativa 003/13 De: COMISSÃO ORGANIZADORA Para: ASSOCIAÇÕES DAS RAÇAS

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DE EQUÍDEOS

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL DE EQUÍDEOS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA FESA AGROPECUÁRIA SDA PARTAMENTO SAÚ ANIMAL DSA MANUAL PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO GUIA TRÂNSITO ANIMAL EQUÍOS VERSÃO 18.0 Na versão 18.0 do

Leia mais

REGULAMENTO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O FUNCIONAMENTO DO AGROLEITE 2015

REGULAMENTO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA O FUNCIONAMENTO DO AGROLEITE 2015 RAÇA HOLANDESA P&B - poderão ser inscritos 20 animais efetivos como criador/expositor e livre reservas, além dos animais do Torneio Leiteiro e Clube de Bezerras. O julgamento obedecerá ao Regulamento da

Leia mais

REGULAMENTO ANIMAL. 19 A 23 de novembro de 2012.

REGULAMENTO ANIMAL. 19 A 23 de novembro de 2012. REGULAMENTO ANIMAL 19 A 23 de novembro de 2012. CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES Artigo I A FEILEITE 2012 Feira Internacional da Cadeia Produtiva do Leite será realizada sob o auspício do Agrocentro

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 50.072, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013. (publicado no DOE n.º 033, de 19 de fevereiro de 2013) Regulamenta

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor 180 (cento e oitenta dias) dias após a data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 63, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO RANKING NACIONAL DA ABCT

REGULAMENTO GERAL DO RANKING NACIONAL DA ABCT REGULAMENTO GERAL DO RANKING NACIONAL DA ABCT RANKING NACIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS, ESTRUTURAÇÃO E COMPETIÇÕES Art. 1º - O Regulamento Geral das Exposições e Competições Oficiais da ABCT tem como

Leia mais

LEI Nº 6.712, DE 14 DE JANEIRO DE 2004. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ institui e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 6.712, DE 14 DE JANEIRO DE 2004. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO PARÁ institui e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.712, DE 14 DE JANEIRO DE 2004. * Data desta Lei refere-se ao ano de 2004, assim publicada no DOE Nº 30.359, de 19/01/2005, porém acreditamos ser referida Lei do ano de 2005. Estamos aguardando

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTOS REGULAMENTO PARA AS EXPOSIÇÕES DA RAÇA HOLANDESA NO BRASIL

NORMAS DE PROCEDIMENTOS REGULAMENTO PARA AS EXPOSIÇÕES DA RAÇA HOLANDESA NO BRASIL AS NORMAS DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO PARA AS EXPOSIÇÕES DA RAÇA HOLANDESA NO BRASIL VERSÃO 2014 APRESENTAÇÃO A Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa - ABCBRH, divulga para

Leia mais

a) Requerimento para fiscalização de produtos agropecuários (FORMULÁRIO V);

a) Requerimento para fiscalização de produtos agropecuários (FORMULÁRIO V); MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 49, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

I seletiva da I Copa do Mundo de Equitação de Trabalho Centro Hípico De Tatuí (Hípica Centauros) 31 de outubro de 2015 PRÉ - PROGRAMAÇÃO

I seletiva da I Copa do Mundo de Equitação de Trabalho Centro Hípico De Tatuí (Hípica Centauros) 31 de outubro de 2015 PRÉ - PROGRAMAÇÃO Local: Rua Senador Laurindo Dias Minhoto Data: 30,31 de outubro e 01 de novembro de 2015. Presidente da ABPSL: Ismael Gonçalves da Silva Presidente do CHTATUI Dra Clélia E. Araújo Pinto Diretores da I

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE AVÍCOLA

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE AVÍCOLA Ministério da Agricultura e do Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Defesa Animal Coordenação de Vigilância e Programas Sanitários Programa Nacional de Sanidade Avícola LEGISLAÇÃO

Leia mais

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e

Considerando, ainda, a necessidade de serem designadas Autoridades Administrativas e Científicas nos países signatários da Convenção; e DECRETO N o 3.607, DE 21 DE SETEMBRO DE 2000. Dispõe sobre a implementação da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção - CITES, e dá outras providências.

Leia mais

1. De um Estabelecimento Produtor de Ovos e Aves SPF e Produtor de Ovos Controlados a:

1. De um Estabelecimento Produtor de Ovos e Aves SPF e Produtor de Ovos Controlados a: ANEXO NORMAS TÉCNICAS PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS, PRODUTORES DE OVOS E AVES LIVRES DE PATÓGENOS ESPECIFICOS (SPF) E DE OVOS CONTROLADOS E DOS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS ENTRE OS ESTADOS PARTES

REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS ENTRE OS ESTADOS PARTES MERCOSUL/GMC/RES Nº 20/07 REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS ENTRE OS ESTADOS PARTES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e

Leia mais

RANKING PARANAENSE DE CRIADORES DE OVINOS 2015. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art 1º - O Ranking paranaense de criadores de ovinos tem como objetivo:

RANKING PARANAENSE DE CRIADORES DE OVINOS 2015. CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art 1º - O Ranking paranaense de criadores de ovinos tem como objetivo: RANKING PARANAENSE DE CRIADORES DE OVINOS 2015 CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art 1º - O Ranking paranaense de criadores de ovinos tem como objetivo: I promover as raças registradas pela ARCO, bem como os Criadores

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL LEI N. 1.486, DE 17 DE JANEIRO DE 2003 Dispõe sobre a Defesa Sanitária Animal no Estado do Acre e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.608, DE 1º DE JULHO DE 2005. REDEFINE O SISTEMA ESTADUAL DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS Faço saber que o Poder Legislativo Estadual

Leia mais

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil?

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil? 1. O que é influenza aviária? A influenza aviária (IA) também conhecido como gripe aviária é uma doença altamente contagiosa, transmitida pelo vírus da influenza tipo A, que ocorre principalmente em aves

Leia mais

DECRETO Nº 27.687, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2005.

DECRETO Nº 27.687, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2005. DECRETO Nº 27.687, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2005. Regulamenta a Lei nº 12.228, de 21 de Junho de 2002, que dispõe sobre a Defesa Sanitária Animal, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

MANUAL DE RASTREABILIDADE

MANUAL DE RASTREABILIDADE MANUAL DE RASTREABILIDADE A.P.C.B.R.H/RASTRECERT CNPJ: 76.607.597/0001-07 Inscrição Estadual: 101.15739-39 Endereço: Rua Professor Francisco Dranka, nº 608 Bairro Orleans - CEP: 81200-560 Curitiba-Paraná

Leia mais

Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública

Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública Supervisão Regional de Pelotas - SEAPA Objetivos do Serviço Veterinário Oficial * Promoção da saúde animal * Prevenção, controle

Leia mais

PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DO IDAF (ATIVIDADES - FIM)

PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DO IDAF (ATIVIDADES - FIM) PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DO IDAF (ATIVIDADES - FIM) CÓDIGO FUNÇÃO 100 GESTÃO DA POLÍTICA DE DEFESA AGROPECUÁRIA E FLORESTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ATIVIDADE 101 PLANEJAMENTO E NORMATIZAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI Nº 14.146, DE 11 DE ABRIL DE 2006 (Projeto de Lei nº 772/05, do Vereador Roberto Tripoli - sem filiação partidária) Dispõe sobre a circulação de veículos de tração animal e de animais montados, ou

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA N o 30, DE 07 DE JUNHO DE 2006.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA N o 30, DE 07 DE JUNHO DE 2006. INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA N o 30, DE 07 DE JUNHO DE 2006. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 42, do Anexo

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 Assunto: definição dos formulários, fluxo de informações, testes laboratoriais e outros aspectos, a serem empregados para ingresso no Estado de Santa Catarina de ovinos,

Leia mais

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam:

No Sistema Participativo de Garantia as avaliações da conformidade visam: MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO SISTEMA PARTICIPATIVO DE GARANTIA DA QUALIDADE ORGÂNICA E BIODINÂMICA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA BIODINÂMICA - VERSÃO 5 No Sistema Participativo de Garantia as avaliações

Leia mais

V - Anexo V - solicitação de cancelamento ou atualização de habilitação.

V - Anexo V - solicitação de cancelamento ou atualização de habilitação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 22, DE 20 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 18 DE JULHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 18 DE JULHO DE 2006. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 18, DE 18 DE JULHO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO Boletim eletrônico Epidemiológico Anemia Infecciosa Equina Ano-Nº 3 de Dezembro de. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de ) EDITORIAL O boletim epidemiológico eletrônico é uma iniciativa do Departamento

Leia mais

EXPOPATO. 16ª - Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Pato Branco. REGULAMENTO Setor Animal

EXPOPATO. 16ª - Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Pato Branco. REGULAMENTO Setor Animal EXPOPATO 16ª - Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Pato Branco. REGULAMENTO Setor Animal 08 a 16 de Novembro de 2014. Pato Branco Paraná Brasil Centro Regional de Eventos de Pato Branco

Leia mais

LEI Nº 11.126, DE 27 DE JUNHO DE 2005

LEI Nº 11.126, DE 27 DE JUNHO DE 2005 LEI Nº 11.126, DE 27 DE JUNHO DE 2005 Dispõe sobre o direito do portador de deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhado de cão-guia. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

EDITAL DE CREDENCIAMENTO

EDITAL DE CREDENCIAMENTO EDITAL DE CREDENCIAMENTO I. REGÊNCIA LEGAL LEI FEDERAL N 8.666/93 E ALTERAÇÕES II. ÓRGÃO INTERESSADO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU III. MODALIDADE CREDENCIAMENTO IV. PROCESSO ADMINISTRATIVO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 28 DE MAIO DE 2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 28 DE MAIO DE 2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 19, DE 28 DE MAIO DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

GOVERNO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PÁTRIMÔNIO DOS BRASILEIROS DECRETO N 5.978-E DE 27 DE SETEMBRO DE 2004. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

GOVERNO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PÁTRIMÔNIO DOS BRASILEIROS DECRETO N 5.978-E DE 27 DE SETEMBRO DE 2004. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES GOVERNO DE RORAIMA AMAZÔNIA: PÁTRIMÔNIO DOS BRASILEIROS DECRETO N 5.978-E DE 27 DE SETEMBRO DE 2004. Regulamenta a Lei Estadual 0 460, de 29 de julho de 2004, que dispõe sobre a Defesa Sanitária Animal

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOA GRANDE GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE ALAGOA GRANDE GABINETE DO PREFEITO LEI N.º 1274/2015 ESTADO DA PARAÍBA DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM, EM ALAGOA GRANDE, ESTADO DA PARAIBA, ESTABELECER NORMAS E PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÃO SANITARIA EM ESTABELECIMENTO

Leia mais

-- Proposta para a Regulamentação --

-- Proposta para a Regulamentação -- -- Proposta para a Regulamentação -- LEI Nº xxxxxxxxxx Estabelece normas para a posse responsável de animais domésticos e/ou domesticados no município de Jaraguá do Sul, e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

PROPOSTA DE MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA DO CNCG PM/BM

PROPOSTA DE MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA DO CNCG PM/BM 1 PROPOSTA DE MINUTA DE RESOLUÇÃO CONAMA DO CNCG PM/BM MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO No XXX, DE XX DE XXX DE 2012. Disciplina a concessão de depósito doméstico

Leia mais

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 5 DE ABRIL DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013. ESTABELECE NORMAS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE FEIRAS E EVENTOS COMERCIAIS, DE CARÁTER ITINERANTE E (OU) TEMPORÁRIO NO

Leia mais

ANEXO I CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS DO CFO E DO CFOC

ANEXO I CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS DO CFO E DO CFOC ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA DISCIPLINAR A UTILIZAÇÃO DO CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE ORIGEM - CFO E O CERTIFICADO FITOSSANITÁRIO DE ORIGEM CONSOLIDADO - CFOC CAPÍTULO I DO CONTROLE, USO E EXIGÊNCIAS

Leia mais

LEI N 1742, de 01 de junho de 2015

LEI N 1742, de 01 de junho de 2015 gabinete(fl)capaodolcao.rs.gov.br LEI N 1742, de 01 de junho de 2015 Disciplina os canis e animais particulares e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Capão do Leão, Estado do Rio Grande do

Leia mais

FEIRA INTERNACIONAL DA CADEIA PRODUTIVA DE CAPRINOS E OVINOS

FEIRA INTERNACIONAL DA CADEIA PRODUTIVA DE CAPRINOS E OVINOS FEIRA INTERNACIONAL DA CADEIA PRODUTIVA DE CAPRINOS E OVINOS 21 A 25 DE MARÇO DE 2011 REGULAMENTO CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES Artigo I A Feira Internacional da Cadeia Produtiva de Ovinos e Caprinos

Leia mais

O Presidente da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON, no uso de suas atribuições legais:

O Presidente da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia IDARON, no uso de suas atribuições legais: GABINETE DA PRESIDÊNCIA PORTARIA Nº 65/GAB/IDARON Porto Velho, 19 de Fevereiro de 2010. Torna obrigatória a vacinação contra brucelose das fêmeas bovinas e bubalinas com idade entre 3 e 8 meses com vacina

Leia mais

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. DECRETO Nº 5.746, DE 5 DE ABRIL DE 2006 Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000

SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA PORTARIA ESTADUAL Nº 015/GABS/SDA DE 27/04/2000 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO RURAL E DA AGRICULTURA, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação

REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Da Aplicação SOCIEDADE AMIGOS DO CURIÓ (SAC) Fundada em 23 de julho de 1980 Rua Prof. Osmarino de Deus Cardoso, 101 CEP 88.036-598 Trindade Florianópolis SC CNPJ 75.329.243/0001-71 www.sacurio.com.br / saccurio@brturbo.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 O SECRETARIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

PORTARIA/IAGRO/MS Nº 623, DE 15 DE OUTUBRO DE 2003.

PORTARIA/IAGRO/MS Nº 623, DE 15 DE OUTUBRO DE 2003. Secretaria de Estado da Produção e do Turismo - SEPROTUR PORTARIA/IAGRO/MS Nº 623, DE 15 DE OUTUBRO DE 2003. Dispõe sobre a distribuição de antígenos e Alérgenos no Estado de Mato Grosso do Sul, e dá outras

Leia mais

REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS DE TERCEIROS PAÍSES

REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS DE TERCEIROS PAÍSES MERCOSUL/GMC/RES Nº 19/07 REQUISITOS ZOOSSANITÁRIOS PARA IMPORTAÇÃO DEFINITIVA OU PARA REPRODUÇÃO DE EQÜÍDEOS DE TERCEIROS PAÍSES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA 1 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA CAPÍTULO I - Do Objeto EDITAL DE LEILÃO n o 03/2014 Processo Administrativo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO, COMPLEMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO. CAPITULO I CONSIDERAÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO, COMPLEMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO. CAPITULO I CONSIDERAÇÕES INICIAIS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA Rua Pinheiro Machado, n 189 Centro Ponta Grossa - PR CEP 84.010-310 Fone (0**42) 224-0301 Endereço Eletrônico: www.iessa.edu.br REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA No- 2, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais

CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON

CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON CONTRATO PADRÃO DE ADESÃO DO CARTÃO SICREDICARD VISA ELECTRON Administradora de Cartões SICREDI Ltda., com sede, foro e administração em Brasília/DF, no SCS Qd. 06, BL. A, Nº. 141, Ed. Presidente, inscrito

Leia mais

Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009)

Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009) Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento BINAGRI - SISLEGIS Instrução Normativa MAPA 15/2009 (D.O.U. 28/05/2009) MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO

Leia mais

ASSUNTO: Comercialização e utilização de vacina contra a brucelose.

ASSUNTO: Comercialização e utilização de vacina contra a brucelose. INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA Nº 21 / 01 Serviço Público Federal Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL ASSUNTO: Comercialização

Leia mais

Programa do Voluntariado Paranaense Londrina

Programa do Voluntariado Paranaense Londrina EDITAL DE CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO Nº 001/2014, VISANDO: FORNECIMENTO DE PRODUTOS DE PRIMEIRA NECESSIDADE A SEREM FORNECIDOS AOS USUÁRIOS DOS CUPONS DE ALIMENTOS DO PROGRAMA DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA

Leia mais

Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV

Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV RESUMO: EXIGENCIAS DA UE 40 DIAS ULTIMA PROPRIEDADE 90 DIAS AREA HABILITADA ESTOQUES ANIMAIS : BND=AG.DEFESA = FAZENDAS VALORIZAR O BOI APTO A

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

MANUAL DA REVENDA Agosto / 2013 1

MANUAL DA REVENDA Agosto / 2013 1 MANUAL DA REVENDA Agosto / 2013 1 Sumário Introdução...3 1.Cadastro...4 2.Revenda...4 2.1. Venda de vacinas...5 2.1.1 Venda intraestadual...5 2.1.2 Venda interestadual...7 3. Consulta e Cancelamento...8

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 71, de 4 de novembro de 2009. D.O.U de 10/11/2009 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

RENASEM. Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003. Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004. Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas

RENASEM. Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003. Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004. Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas RENASEM Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003 Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004 Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas Instrução Normativa nº 9 de 02 de junho de 2005 De acordo com a

Leia mais

Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de 1997

Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de 1997 Pág. 1 de 8 MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de

Leia mais

ANEXO I PROCEDIMENTOS PARA A IMPORTAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL

ANEXO I PROCEDIMENTOS PARA A IMPORTAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL ANEXO I PROCEDIMENTOS PARA A IMPORTAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para a importação de produtos destinados à alimentação animal visando garantir

Leia mais