REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS NO SISTEMA DE DRENAGEM MUNICIPAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS NO SISTEMA DE DRENAGEM MUNICIPAL"

Transcrição

1 REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS NO SISTEMA DE DRENAGEM MUNICIPAL

2 CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento tem por objecto os sistemas de drenagem pública e predial de águas residuais de forma que seja assegurado o seu bom funcionamento global preservando-se a segurança, a saúde pública e o conforto dos utentes. Artigo 2.º Âmbito O presente Regulamento aplica-se aos sistemas referidos no artigo anterior e vigora na área do Município de Torres Novas. Artigo 3.º Regulamentação técnica Os sistemas referidos no artigo anterior obedecerão na sua concepção, dimensionamento, construção e exploração às disposições técnicas constantes do Decreto Regulamentar n.º 23/95 de 23 de Agosto. Artigo 4.º Entidade gestora 1 - A Câmara Municipal de Torres Novas enquanto entidade gestora e adiante designada por EG, é a responsável pela concepção, construção e exploração dos respectivos sistemas públicos municipais a que se refere o artigo 1.º 2 - Nessa qualidade, cabe à E.G.: a) Fazer cumprir o presente regulamento; b) Promover a elaboração dum plano geral de drenagem de águas residuais; c) Providenciar pela elaboração dos estudos e projectos dos sistemas públicos; d) Promover o estabelecimento e manter em bom estado de financiamento e conservação o sistema de drenagem e desembaraço final das águas residuais e das lamas; e) Submeter os componentes do sistema antes de entrarem em serviço a ensaios que assegurem a perfeição do trabalho executado; f) Promover a instalação, substituição ou renovação dos ramais de ligações dos sistemas; g) Definir para a recolha de águas residuais industriais, os parâmetros de poluição suportáveis pelo sistema; h) Dar execução às indicações que lhe forem prestadas pelos serviços oficiais competentes com vista à melhoria ou aperfeiçoamento do serviço prestado aos utentes. 2

3 Artigo 5.º Continuidade de serviço 1- Os sistemas estão em serviço ininterruptamente, salvo casos de força maior ou fortuitos, ou por razões de obras programadas pelo que deverão ser avisados os utentes. 2- Os utentes da rede não terão direito a receber qualquer indemnização pelos prejuízos ou transtornos que resultem de deficiências ou interrupções na drenagem dos efluentes por motivo de força maior ou fortuito e ainda por descuidos e defeitos ou avarias nas instalações particulares. 3- Sempre que possível a EG avisará prévia e publicamente os utentes da rede quando haja necessidade de interromper a condução dos efluentes por motivos de obras sem carácter de urgência. 4- Compete aos utentes, em todos os casos, as providências necessárias para atenuar, eliminar ou evitar perturbações ou acidentes durante as execução dos trabalhos por forma a que os mesmos se possam executar em boas condições e no mais curto espaço de tempo. Artigo 6.º Direitos e deveres dos utentes 1- São utentes do sistema os que o utilizem de forma permanente ou eventual. 2- São direitos dos utentes os que derivam deste Regulamento, nomeadamente os direitos previstos no artigo 1.º. 3- São deveres dos utentes: a) Cumprir as disposições do presente Regulamento; b) Não fazer uso indevido ou danificar qualquer obra ou equipamento do sistema; c) Não proceder à execução de ligações ao sistema público sem autorização da entidade gestora; d) Não alterar o ramal de ligação de águas residuais ao colector público. CAPÍTULO II Ligação ao sistema público de drenagem de águas residuais Artigo 7.º Obrigatoriedade de ligação 1 - Dentro da área abrangida, ou que venha a sê-lo, pelo sistema público de drenagem de águas residuais, os proprietários ou usufrutuários dos prédios nela situados são obrigados a instalar, por sua conta, as canalizações e os dispositivos interiores necessários à drenagem das águas residuais e pluviais e a ligar essas instalações ao sistema público, pagando previamente à EG que procederá à respectiva instalação, o custo das ligações ao sistema predial. 2 - A EG intimará, pelos meios previstos na lei, os proprietários ou usufrutuários dos prédios ou fracções autónomas não ligados ao sistema público de drenagem de esgotos a procederem à requisição dessa ligação no prazo neles fixado, que não pode ser inferior a 30 dias. 3 - Os proprietários ou usufrutuários dos prédios ou fracções autónomas que, depois de intimados, nos termos do n.º 2 deste artigo, não cumpram as obrigações previstas no n.º 1, sem apresentação de justificação aceitável será aplicada a pena prevista na lei, podendo então a EG mandar proceder à respectiva instalação, a expensas do interessado, sendo passível de cobrança coerciva a importância por isso devida. 3

4 4 - Os inquilinos dos prédios, quando devidamente autorizados pelos proprietários poderão requerer a ligação à rede de distribuição dos prédios por eles habitados, pagando o seu custo nos prazos legalmente estabelecidos. 5 - Os proprietários das edificações onde existam fossas, poços absorventes ou outros meios privados de tratamento e destino final do efluente são obrigados a eliminá-los convenientemente assim que se estabeleça a ligação ao sistema público. 6 - Exceptuando-se os casos previstos no n.º 3 do artigo 20.º do presente Regulamento é interdita a construção de meios privados do tratamento e destino final de efluentes em locais servidos pelo sistema público. 7 - Os prédios abandonados ou em estado de manifesta ruína ou em vias de expropriação ficam isentos da obrigação prevista no n.º 1 deste artigo. Artigo 8.º Extensão da rede 1 - Quando um prédio se situar fora da zona abrangido pelo sistema público de drenagem de águas residuais, a EG fixará, considerados os aspectos técnicos e económicos, as condições em que poderá ser estabelecido a respectiva ligação, de acordo com as tabelas em vigor. 2 - As canalizações instaladas, em resultado do previsto no número anterior serão propriedade exclusiva da EG mesmo no caso da sua instalação ter sido feita a expensas dos consumidores interessados. 3 - Sendo vários os utentes a requerer a extensão à rede geral, o custo da nova instalação será distribuído por todos os requerentes. 4 - No caso de uma extensão vir no prazo máximo de cinco anos, a ser utilizada para terceiros consumidores a EG regulará a eventual indemnização a conceder ao(s) consumidor(es) que custearem a sua instalação. Artigo 9.º Instalação, conservação e reparação de redes públicas 1 - Compete ao município promover a instalação, conservação e reparação das redes públicas de drenagem de águas residuais. 2 - Quando as reparações das canalizações municipais resultem de danos causados por terceiros, os respectivos encargos serão suportados por quem os provocou. 4

5 CAPÍTULO III Do sistema público Artigo 10.º Constituição O sistema é essencialmente constituído pela rede de colectores, incluindo os colectores e os ramais de ligação, os elementos acessórios da rede e as instalações complementares, as instalações de tratamento e os dispositivos de descarga final. Artigo 11.º Responsabilidade geral 1 - É da responsabilidade da EG promover à execução das obras necessárias à construção, à expansão ou à remodelação do sistema público. 2 - Compete à EG promover a instalação dos ramais de ligação, a expensas dos proprietários ou usufrutuários do prédio. Artigo 12.º Ramais de ligação 1 - Os ramais de ligação têm por finalidade assegurar a condução das águas residuais prediais, domésticos e pluviais, desde as câmaras de ramal de ligação até à rede pública. 2 - Quando a EG achar que se justifica, pode uma mesma edificação dispor de mais de um ramal de ligação para cada tipo de águas residuais. 3 - Os estabelecimentos industriais devem ter ramais de ligação privativos. 4 - Nenhum ramal de ligação pode entrar em serviço sem que o sistema predial tenha sido verificado e ensaiado. CAPÍTULO IV Do sistema predial Artigo 13.º Âmbito O sistema compreende a drenagem de águas residuais domésticos, industriais e pluviais. Artigo 14.º Constituição e tipo O sistema predial é essencialmente constituído pelo conjunto das canalizações, pelas peças acessórias destinadas a drenar as águas residuais e pluviais e a conduzi-las, através dos ramais privativos à rede pública de drenagem de águas residuais. 5

6 Artigo 15.º Definição do equipamento sanitário O equipamento a que se refere o artigo anterior compreende: 1 ) Instalações inteiras do prédio, abrangendo aparelhos sanitários (bacias de retrete, urinóis, etc.), seus ramais de descarga, tubo ou tubos de queda e ventilação e canalização até à via pública para condução das águas residuais e pluviais; 2) Instalações externas do prédio, compreendidas entre o seu limite e os colectores gerais de águas residuais, abrangendo as câmaras de visita e de inspecção necessárias e os respectivos ramais de ligação das águas residuais e das águas pluviais. Artigo 16.º Ramais de descarga 1 - Os ramais de descarga das águas residuais domésticas têm por finalidade a condução aos respectivos tubos de queda ou quando estes não existam, aos colectores prediais. 2 - Os ramais de descarga de águas pluviais têm por finalidade a condução destas aos respectivos tubos de queda, ou quando estes não existam, aos colectores prediais, poços absorventes, valetas ou áreas de recepção apropriada. Artigo 17.º Separação do sistema A montante das câmaras de ramal de ligação é obrigatória a separação dos sistemas de drenagem de águas residuais dos das águas pluviais. Artigo 18.º Lançamentos permitidos 1 - Em sistemas de drenagem de águas residuais domésticas é permitido o lançamento das águas provenientes das instalações sanitárias, cozinhas e zonas de lavagem de roupas. 2 - Em sistema de drenagem de águas residuais pluviais é permitido o lançamento das águas residuais: a) Rega de jardins e espaços verdes, lavagens de arruamentos, pátios e parques de estacionamento ou seja, aquelas que, de um modo geral, são recolhidas pelas sarjetas, sumidouros ou ralos; b) Circuitos de refrigeração e de instalação de aquecimento; c) Piscinas e depósitos de armazenamento de água; d) Drenagem do subsolo. 6

7 Artigo 19.º Lançamentos interditos Sem prejuízo de legislação especial é interdito o lançamento nas redes de drenagem pública de águas residuais: 1) Matérias explosivas ou inflamáveis; 2) Matérias radioactivas em concentrações consideradas inaceitáveis pelas entidades competentes; 3) Efluentes de laboratórios ou de instalações hospitalares que, pela sua natureza química ou microbiológica, constituam um elevado risco para a saúde pública ou para a conservação das tubagens; 4) Entulhos, areias ou cinzas; 5) Efluentes a temperaturas superiores a 30ºC; 6) Lamas extraídas de fossas sépticas e gorduras ou óleos de câmaras retentoras ou dispositivos similares, que resultem das operações de manutenção; 7) Quaisquer outras substâncias nomeadamente sobejos de comida e outros resíduos, triturados ou não, que possam obstruir ou danificar os colectores e os acessórios ou prejudicar o processo de tratamento; 8) Efluentes industriais que contenham: a) Compostos cíclicos hidroxilados e seus derivados halogenados; b) Matérias sedimentáveis, precipitáveis e flutuantes que, por si ou após mistura com outras substâncias existentes nos colectores, possam pôr em risco a saúde dos trabalhadores ou as estruturas do sistema; c) Substâncias que impliquem a destruição ou comprometam os processos de tratamento biológico; d) Substâncias que possam causar a destruição dos ecossistemas aquáticos ou terrestres nos meios receptores; e) Quaisquer substâncias que estimulem o desenvolvimento de agentes patogénicos. Artigo 20.º Águas residuais industriais e comerciais 1 - As águas residuais industriais que possam ser misturadas com vantagens técnicas e económicas, com as águas residuais domésticas devem para isso obedecer aos condicionamentos previstos na legislação em vigor (Decreto Regulamentar n.º 23/95 de 23 de Agosto, artigos 196.º e 197.º ou legislação que a venha a substituir). 2 - Quando as águas residuais industriais ou comerciais possuam características agressivas ou perturbadoras dos sistemas públicos, a EG poderá obrigar ao estabelecimento de pré-tratamento dos efluentes antes da respectiva admissão no sistema. 3- A regulamentação própria relativa a actividade industrial e comercial deverá ser elaborada pela EG após aprovação do presente Regulamento. 7

8 CAPÍTULO V Projectos e execução da obra Artigo 21.º Projecto 1 - O projecto para instalação ou modificação dos sistemas de redes prediais de águas residuais deverá ser elaborado por técnicos devidamente habilitados pela EG e submetido à sua aprovação. 2 - Sem prejuízo de outras disposições legais em vigor, o projecto compreenderá: a) Memória descritiva, onde conste a indicação dos aparelhos sanitários a instalar, o seu sistema a natureza de todos os materiais e acessórios, tipos de juntas e as condições de assentamento das canalizações e seus calibres; b) Peças desenhadas necessárias à representação do trajecto, tanto exterior como interior, das canalizações, respectivos calibres e aparelhos sanitários. Para esse efeito e quando solicitado pelo técnico projectista, a EG fornecerá toda a informação de interesse, designadamente a existência ou não de redes públicas e a localização e profundidade do colector público. 3 - No, caso de pequenas modificações que não envolvam alterações da concepção do sistema ou do diâmetro das canalizações é dispensável o sancionamento prévio da EG, pelo que é dispensada a apresentação do referido no n.º 2, devendo no entanto ser tidos em atenção os regulamentos em vigor. Artigo 22.º Execução de obras 1 A EG, sem aviso prévio, reserva-se o direito de, durante a execução da obra, efectuar fiscalização a esta para obter qualquer informação. 2 - A execução deverá ser dirigida por técnico habilitado, que apresentará termo de responsabilidade e deverá estar inscrito na EG. 3 - Deve existir sempre no local da obra, em bom estado de conservação e ao dispor da fiscalização um exemplar completo do projecto aprovado e devidamente autenticado. Artigo 23.º Acções de inspecção - vistoria e ensaios 1 - O técnico responsável pela execução da obra deverá comunicar, o seu início e fim à EG. 2 - A comunicação de início de obra deverá ser feita com a antecedência de três dias úteis. 3 - A EG, sempre que julgue conveniente, procederá a acções de inspecção das obras que para além da verificação do correcto cumprimento do projecto, incidem sobre os materiais utilizados na execução das instalações e comportamento hidráulico, do sistema, indicando nesse acto as reparações que forem necessárias e o prazo dentro do qual deverão ser feitas. 4 - As inspecções serão efectuadas de acordo com as normas e procedimentos definidos em legislação aplicável. 8

9 Artigo 24.º Insuficiência de execução 1 - A EG deverá notificar, por escrito, no prazo de dois dias úteis, o técnico responsável pela obra, sempre que se verifique a falta de cumprimento das condições do projecto ou insuficiências verificados pelos ensaios, indicando as correcções a fazer. 2 - Após nova comunicação do técnico responsável, da qual conste que essas correcções foram feitas proceder-se-á a nova inspecção e ensaio dentro dos prazos anteriormente fixados. 3 - O não cumprimento das correcções definidas no n.º 1 é objecto de processo de contra-ordenação a que correspondem as sanções previstas neste regulamento. Artigo 25.º Ligação à rede pública de drenagem 1 - Nenhum sistema predial poderá ser coberto, no todo ou em parte, sem que tenha sido previamente inspeccionado pelo técnico responsável pela obra, o qual deverá verificar da conformidade com o projecto aprovado nos termos do artigo 21.º. 2 - Nenhum sistema predial poderá ser ligado à rede pública de drenagem de águas sem que satisfaça todas as condições regulamentares. 3 - A licença de utilização de novos prédios só poderá ser concedida pela EG depois da ligação à rede pública estar concluída e pronta a funcionar. Artigo 26.º Efeitos da aprovação A aprovação do sistema predial não envolve qualquer responsabilidade por danos motivados por roturas nas canalizações ou por mau funcionamento dos sistemas. Artigo 27.º Salubridade da rede 1 - Os sistemas prediais onde houver rede pública de drenagem de águas residuais não poderão estar ligados a fossas ou sumidouros. 2 - As canalizações instaladas à vista ou visitáveis devem ser identificadas consoante a sua natureza. 3 - Não é permitida a ligação entre a rede predial de distribuição de água e as redes prediais de drenagem de águas residuais. 4 - O fornecimento de água potável aos aparelhos sanitários deve ser efectuado sem pôr em risco a sua potabilidade, impedindo a sua contaminação, quer por contacto quer por aspiração de água residual em caso de depressão. 5 - Sempre que, no todo ou em parte, as canalizações de águas residuais de um prédio estiverem assentes em níveis que não permitam o seu escoamento por gravidade para o colector do arruamento, deverão as águas residuais ser bombeadas por sistema aprovado pela EG e cuja instalação, manutenção e conservação ficará a cargo do utente. 9

10 CAPITULO VI Taxas, tarifas e preços SECÇÃO I Extensões da rede Artigo 28.º Instalação Pela instalação de extensões de rede previstas no artigo 8.º do presente Regulamento será cobrada aos proprietários ou usufrutuários a importância do respectivo custo acrescido do imposto sobre o valor acrescentado à taxa legal em vigor. Artigo.29.º Cobrança A instalação da extensão de rede será executada, mas a sua ligação definitiva só será feita após a liquidação da importância estabelecida nos termos do artigo anterior e dada a conhecer, previamente, ao utente. SECÇÃO II Ramais de ligação Artigo 30.º Instalação Pela instalação dos ramais de ligação será cobrada ao proprietário ou usufrutuário a importância do respectivo custo acrescido do imposto sobre o valor acrescentado à taxa legal em vigor. Artigo 31.º Cobrança 1 - A instalação do ramal de ligação será executado, mas a sua ligação definitiva só será feita após a liquidação da importância apresentada nos termos do artigo anterior, discriminando custos de materiais, mão-de-obra, equipamento e outros. 2 - Em casos de reconhecida emergência na execução da obra, pode a EG autorizar o pagamento da importância referida no artigo anterior, depois de aceite o orçamento pelo interessado, no prazo máximo de 30 dias seguidos, contados a partir da conclusão da instalação do ramal. 3 - Se o pagamento não for efectuado no prazo definido no n.º 2 deste artigo, a EG procederá à cobrança coerciva da importância em dívida, nos termos definidos na lei. 10

11 Artigo 32.º Pagamento em prestações 1 - Quando o rendimento per capita do agregado familiar do proprietário ou usufrutuário for inferior a dois terços do salário mínimo nacional, poderá, a requerimento do interessado, ser aceite o pagamento da importância referente à instalação do ramal de ligação num máximo de 12 prestações mensais iguais, acrescidas dos juros legais. 2 - Só após o pagamento da primeira prestação será instalado o ramal de ligação. 3 Cada prestação a seguir à primeira vence-se 30 dias após o pagamento da anterior e deve ser paga até cinco dias úteis após a data do vencimento. 4 O não pagamento de uma das prestações no prazo definido no número anterior implica o vencimento das restantes. 5 Persistindo a falta de pagamento da importância em dívida e, tendo sido ultrapassados os prazos estabelecidos neste artigo, proceder-se-á à cobrança coerciva nos termos legais. SECÇÃO III Outras taxas, tarifas e preços Artigo 33.º Inscrição de canalizadores Para efeitos de credenciação junto da EG poderá ser estabelecida a inscrição de canalizadores em nome individual ou através de empresas da especialidade, podendo ser atribuído um cartão ou outra identificação, mediante o pagamento de uma taxa prevista na tabela de taxas, licenças e tarifas em vigor nos serviços municipais. Esta inscrição é válida por cinco anos. Artigo 34.º Ligação do ramal de introdução ao ramal de ligação O estabelecimento da ligação entre o ramal de ligação e a rede interior está sujeito ao pagamento da importância de acordo com os custos da sua execução estipulados no artigo 31.º Artigo 35.º Contrato e tarifa de utilização 1 - A prestação do serviço de recolha de águas residuais consta do Regulamento Municipal para a Cobrança da Tarifa de Saneamento. 2 - A tarifa de utilização destina-se a cobrir os encargos resultantes do funcionamento do sistema público de drenagem de águas residuais e será liquidado mensalmente sendo o seu valor estabelecido pela quota de serviço e por metro cúbico de água consumida e incluída na factura de consumo de água de cada consumidor. 3 - A cobrança voluntária ou coerciva da tarifa de utilização rege-se pelas normas das facturas de consumo de água. 11

12 Artigo 36.º Limpeza de fossas sépticas 1 - Em áreas não servidas pelo sistema público de drenagem de águas residuais, compete à EG ou a entidades particulares a limpeza de fossas sépticas. 2 A descarga dos efluentes originados pela limpeza de fossas sépticas será efectuado em local a indicar pela EG sob pena de processo de contra-ordenação. 3 A limpeza de fossas sépticas efectuadas pela EG está sujeita ao pagamento de uma taxa nos termos da tabela de taxas, licenças e tarifas em vigor nos serviços municipais. 4 Consideram-se excluídos do número anterior as fossas sépticas às quais aflua outro tipo de águas residuais que não sejam do tipo domésticas ou equivalentes ou aquelas que, pela sua dimensão ou deficiente construção, apresentem prejuízo ao normal e correcto funcionamento dos serviços. CAPÍTULO VII Bonificações Artigo 37.º Reformados e pensionistas 1 Relativamente às tarifas de ligação do sistema predial ao ramal de ligação, bem como às tarifas de utilização, poderão usufruir de preços bonificados em 50% os reformados e pensionistas que, cumulativamente, reúnam as seguintes condições: a) Os respectivos agregados familiares aufiram rendimentos exclusivamente provenientes de pensões ou reformas; b) O rendimento per capita desses agregados não ultrapasse dois terços do salário mínimo nacional. 2 - Para efeitos do presente Regulamento, considera-se agregado familiar o conjunto de pessoas que coabitam, com o consumidor, no fogo a que se refere o contrato de recolha de águas residuais. 3 - Como instrumento de prova de que reúne as condições definidas no n.º 1, o consumidor deve entregar nos serviços da EG: a) Documento(s) comprovativos do montante das pensões e reformas auferidas pelo agregado familiar; b) Atestado passado pela junta de freguesia da área da sua residência, de que conste: b1) a composição do agregado familiar; b2) a declaração de que o agregado familiar não aufere quaisquer rendimentos além dos comprovados pelos documentos referidos na alínea anterior; b3) em caso de dúvida a EG pode solicitar a apresentação de declaração ou certidão da Repartição de Finanças respeitantes a outros rendimentos que o agregado familiar possa auferir. 4 - Sempre que haja qualquer alteração relativa à composição do agregado familiar ou aos rendimentos auferidos, é o consumidor obrigado a participá-lo à EG no prazo de 30 dias. 4 - A prestação de falsas informações, bem como a omissão, implicam imediata perda da bonificação e o pagamento a preços normais dos serviços efectuados nos últimos seis meses, para além das penalidades previstas neste Regulamento. 12

13 CAPÍTULO VIII Penalidades, reclamações e recursos SECÇÃO I Penalidades Artigo 38.º Rede pública A utilização indevida ou a danificação de qualquer obra ou equipamento do sistema público de drenagem de águas residuais será objecto de processo de contra-ordenação e punida, com coima de 349,16 euros a 2 493,99 euros, acrescido da sanção acessório de pagamento à EG dos prejuízos causados e cuja execução é da responsabilidade da mesma. O montante máximo da coima é elevado para euros no caso de pessoa colectiva. Artigo 39.º Ramais A execução de qualquer alteração na canalização entre a rede geral de drenagem de águas e o sistema predial será objecto de processo de contra-ordenação, sendo a punição a estabelecida no artigo anterior. Artigo 40.º Redes interiores 1 - A execução ou alteração de canalizações interiores sem aprovação do respectivo projecto é objecto de processo de contra-ordenação a que correspondem as sanções previstas no regime de licenciamento municipal de obras particulares. 2 - O transgressor poderá ainda ser obrigado a repor a situação inicial no prazo de 30 dias após a recepção da correspondente notificação, aplicando-se de igual modo ao previsto nos artigos 38.º e 39.º. 3 - Não sendo dado cumprimento à notificação referida no número anterior no prazo indicado, a EG procederá ao levantamento das canalizações deficientes a expensas do transgressor. Artigo 41.º Fiscalização Constitui dever dos utentes facultar ao pessoal da EG, devidamente identificado, o exercício da verificação do cumprimento das normas deste Regulamento. A oposição a esse exercício é punida com a coima de 349,16 euros. 13

14 Artigo 42.º Infracções com penalizações não especificadas Todas as infracção a este Regulamento para as quais não esteja especificada a competente penalidade será punida com a coima e sanções acessórias estabelecidas no artigo 38.º. A negligência é punível. Artigo 43.º Negligência A reincidência implica o agravamento da coima. Artigo 44.º Reincidência Artigo 45.º Pagamento das coimas As coimas aplicadas nos termos deste regulamento serão pagas na sede da EG e constituem receita da Câmara Municipal de Torres Novas. Artigo 46.º. Responsabilidade civil O pagamento da coima e sanções acessórias não isenta o transgressor da responsabilidade civil por perdas e danos em foro judicial. SECÇÃO II Reclamações e recursos Artigo 47.º Reclamações e recursos O regime constante das reclamações e recursos por quaisquer actos ou omissões do presente regulamento rege-se pelo Código do Procedimento Administrativo aprovado pelo Dec.-Lei nº 442/91, de 15 de Novembro com as alterações introduzidas pelo Dec.-Lei n.º 6/96 de 31 de Janeiro e Lei n.º 169/99 de 18 de Setembro. 14

15 CAPÍTULO IX Disposições finais Artigo 48.º Responsabilidade 1 - Em caso de prejuízos causados por comprovada negligência ou incumprimento das normas estabelecidas no presente Regulamento por parte da EG, terão os utentes direito a reclamar indemnização à Câmara Municipal. 2 - Não pode a EG ser responsabilizada por quaisquer prejuízos causados aos consumidores motivados por descuido destes ou por defeitos ou avarias a jusante dos ramais de ligação. Artigo 49º. Taxas, Tarifas e preços As taxas, tarifas e preços respeitantes a este regulamento constarão de tabela aprovada pelos orgãos municipais. Artigo 50º. Omissões 1 - Em tudo o que este Regulamento for omisso aplica-se a legislação em vigor, nomeadamente o Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto e, no que toca a normas técnicas relativas às redes pública e predial, o disposto no Regulamento Geral dos Sistemas Públicos e Prediais, de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas Residuais, anexo ao Decreto Regulamentar n.º 23/95, de 23 de Agosto; 2 Aplicam-se ainda as normas constantes no Dec.-Lei n.º 433/82 de 27 de Outubro alteradas e republicadas pelo Dec.-Lei n.º 244/95 de 14 de Setembro (Regime Geral das Contra-ordenações) e do Dec.-Lei n.º 442/91 de 15 de Novembro (Codigo do Procedimento Administrativo) alterado pelo Dec.- Lei n.º 6/96 de 31 de Janeiro e pela Lei n.º 169/99 de 18 de Setembro; 3 Se dúvidas resultarem da aplicação do presente regulamento e que não colidam com os normativos do número anterior serão esclarecidas por deliberação da Câmara Municipal de Torres Novas Artigo 51.º Entidades fiscalizadoras A prevenção e acção de fiscalização das disposições deste regulamento é da competência da Câmara Municipal, através dos seus agentes e das autoridades policiais, PSP e GNR. Artigo 52.º Entrada em vigor e divulgação O presente Regulamento entra em vigor, após a sua publicação no Diário da República e estará disponível para distribuição pública. 15

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CÂMARA MUNICIPAL DE VILA VELHA DE RÓDÃO Aviso - Engenheiro Vítor Manuel Pires Carmona, presidente da Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão, torna público, o Regulamento Municipal sobre o Sistema Público

Leia mais

Preâmbulo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Preâmbulo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE SERVIÇOS DE SANEAMENTO Preâmbulo A Câmara Municipal de Manteigas não possui Regulamento sobre o Saneamento no Concelho. A legislação entretanto publicada pelo Governo - Decreto-Lei nº 207/94,

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D E M O U R A. Regulamento de Saneamento do Concelho de Moura

C Â M A R A M U N I C I P A L D E M O U R A. Regulamento de Saneamento do Concelho de Moura Regulamento de Saneamento do Concelho de Moura Preâmbulo Os problemas ambientais, devido ao seu directo reflexo na qualidade de vida das populações, e a legislação entretanto publicada pelo Governo Central

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS PREÂMBULO O presente Regulamento surge por imposição legal, ao abrigo do n.º 2 do artigo 32º do Decreto-Lei n.º 207/94, de 06 de Agosto, regulamentado

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA CALHETA MADEIRA

CÂMARA MUNICIPAL DA CALHETA MADEIRA REGULAMENTO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESÍDUAIS DO CONCELHO DA CALHETA NOTA JUSTIFICATIVA Considerando a instalação do sistema público de drenagem de águas residuais do município da Calheta verifica-se a necessidade

Leia mais

MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE SANEAMENTO JUSTIFICAÇÃO As questões que a salubridade pública suscita a nível municipal são amiúde descuradas e negligenciadas. Não obstante,

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS (Aprovado na 5ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal, realizada em 14 de Dezembro de 2004 e na 1ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

Regulamento do Serviço de Saneamento. do Concelho de Castelo Branco

Regulamento do Serviço de Saneamento. do Concelho de Castelo Branco Regulamento do Serviço de Saneamento do Concelho de Castelo Branco Aprovado em reuniões do Concelho de Administração da Câmara Municipal, respectivamente de 08-03-96 e de 04-04-96, e pela Assembleia Municipal

Leia mais

PREÂMBULO CAPÍTULO I ABASTECIMENTO

PREÂMBULO CAPÍTULO I ABASTECIMENTO REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PREÂMBULO O Regulamento de Abastecimento de Água ao Concelho de Manteigas, actualmente em vigor, encontra-se desajustado face à actual realidade jurídica. A legislação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA MARINHA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA MARINHA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA MARINHA GRANDE REGULAMENTO DE DRENAGEM PÚBLICA E PREDIAL DE ÁGUAS RESIDUAIS E DE EVACUAÇÃO DE EFLUENTES DO CONCELHO DA MARINHA GRANDE NOTA JUSTIFICATIVA As Normas Regulamentares para

Leia mais

REGULAMENTO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA

REGULAMENTO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA REGULAMENTO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA Pág. 1 de 27 REGULAMENTO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CONCELHO DE RIBEIRA DE PENA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente Regulamento tem por objecto

Leia mais

REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE

REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE REGULAMENTO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ESPOSENDE RAADAR.1.00 1 / 49 PREÂMBULO E LEGISLAÇÃO HABILITANTE...5 CAPÍTULO I...6 DISPOSIÇÕES GERAIS...6 Objecto...6

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ABRANTES REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ABRANTES REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ABRANTES REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES Índice CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES... 7 CAPÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS, DIREITOS, OBRIGAÇÕES E PROJETOS... 8 SECÇÃO

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MACEDO DE CAVALEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MACEDO DE CAVALEIROS

CÂMARA MUNICIPAL DE MACEDO DE CAVALEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MACEDO DE CAVALEIROS CÂMARA MUNICIPAL DE MACEDO DE CAVALEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MACEDO DE CAVALEIROS ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Disposições gerais CAPÍTULO II - CONDIÇÕES

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto Sumário: Aprova o regime de concepção, instalação e exploração dos sistemas públicos e prediais de distribuição de água e drenagem de águas residuais. Texto: Os problemas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS REGULAMENTO MUNICIPAL DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt www.cm-borba.pt Contribuinte n.º 503 956 546 REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE CASTANHEIRA DE PERA

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE CASTANHEIRA DE PERA REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE CASTANHEIRA DE PERA Nota Justificativa 1. A publicação do decreto-lei n.º 207/94, de 6 de Agosto e do Decreto Regulamentar n.º 23/95,

Leia mais

Regulamento de Abastecimento de Água

Regulamento de Abastecimento de Água Regulamento de Abastecimento de Água Preâmbulo A regulamentação municipal sobre a rede de distribuição de água ao domicílio foi alterada pela última vez em 1991 A publicação de legislação pelo Governo

Leia mais

Regulamento Municipal dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas Residuais do Concelho de Pombal

Regulamento Municipal dos Sistemas Públicos e Prediais de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas Residuais do Concelho de Pombal NOTA JUSTIFICATIVA Considerando que decorreram já mais de 10 anos sobre a última revisão dos regulamentos municipais do serviço de abastecimento de água e do serviço de saneamento, e considerando ainda:

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE TORRES VEDRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE TORRES VEDRAS RSDARCTV Aprovado pelo Conselho de

Leia mais

Proposta de Novo Regulamento do Serviço de Saneamento de Águas Residuais do Município de Montemor-o-Velho. Nota Justificativa

Proposta de Novo Regulamento do Serviço de Saneamento de Águas Residuais do Município de Montemor-o-Velho. Nota Justificativa Proposta de Novo Regulamento do Serviço de Saneamento de Águas Residuais do Município de Montemor-o-Velho Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de Agosto, e a Portaria 34/2011 de 13 de Janeiro,

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE ÍNDICE PREAMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Âmbito Artigo 3.º

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA- CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, que entrou em vigor em 28 de Março de 2003,

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS REGULAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Edital n.º 492/2003 (2.ª série) AP. José Manuel Isidoro Pratas, vereador da Câmara Municipal da Azambuja: Torna público

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE PROPOSTA DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE CANTANHEDE Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico dos serviços municipais

Leia mais

Aviso Regulamento de Águas Residuais do Concelho da Covilhã Discussão Pública

Aviso Regulamento de Águas Residuais do Concelho da Covilhã Discussão Pública Aviso Regulamento de Águas Residuais do Concelho da Covilhã Discussão Pública Torna-se público, para efeitos do artigo 118º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei nº 442/91,

Leia mais

REGULAMENTO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS MUNICÍPIO DE PENICHE

REGULAMENTO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS MUNICÍPIO DE PENICHE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE PENICHE Aprovado pela Assembleia Municipal em 06/05/2005 Publicado na II Série do Diário da República, n.º 119, Apêndice n.º 86/2005,

Leia mais

REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA

REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA REGULAMENTO DOS SISTEMAS PÚBLICOS E PREDIAIS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE BEJA Índice Regulamento dos Sistemas Públicos e Prediais de Drenagem de Águas Residuais do Município de Beja

Leia mais

E D I T A L Nº.212/97 CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS ISALTINO AFONSO MORAIS, LICENCIADO EM DIREITO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS

E D I T A L Nº.212/97 CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS ISALTINO AFONSO MORAIS, LICENCIADO EM DIREITO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS ISALTINO AFONSO MORAIS, LICENCIADO EM DIREITO, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS FAZ PÚBLICO que a Assembleia Municipal de Oeiras em reunião realizada em 22 de Abril de

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE LAGOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do disposto

Leia mais

APÊNDICE N.º 77 II SÉRIE N.º 116 20 de Maio de 2003

APÊNDICE N.º 77 II SÉRIE N.º 116 20 de Maio de 2003 28 APÊNDICE N.º 77 II SÉRIE N.º 116 20 de Maio de 2003 de 11 de Março, sem prejuízo das sanções previstas no presente Regulamento e no estatuto da FPC, aprovado em 25 de Janeiro de 1997. Artigo 70.º Coimas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MURÇA. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MURÇA. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DE MURÇA Preâmbulo O Decreto-Lei nº 207/94, de 6 de Agosto, veio instituir o novo regime legal a que se devem subordinar os sistemas

Leia mais

MUNICÍPIO DE OLEIROS. Câmara Municipal

MUNICÍPIO DE OLEIROS. Câmara Municipal REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 320/02, de 28 de Dezembro, transfere para as câmaras municipais a competência

Leia mais

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo

Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Alteração ao Regulamento de Água e Águas Residuais de Coimbra, (RAARC) Preâmbulo Tendo como escopo o aperfeiçoamento da prestação dos serviços de fornecimento e distribuição de água destinada a consumo

Leia mais

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento de Manutenção e Inspecção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota Justificativa Considerando que em prol dos princípios da descentralização administrativa e da

Leia mais

Índice... 3 Nota Justificativa... 3 Capítulo I Disposições Gerais... 5 Capítulo II Sistemas Públicos de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas

Índice... 3 Nota Justificativa... 3 Capítulo I Disposições Gerais... 5 Capítulo II Sistemas Públicos de Distribuição de Água e de Drenagem de Águas REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS E ANEXOS ÍNDICE Índice... 3 Nota Justificativa... 3 Capítulo I Disposições Gerais... 5 Capítulo II Sistemas Públicos de Distribuição

Leia mais

Proposta de Regulamento Municipal de Águas Residuais do Município de Vendas Novas

Proposta de Regulamento Municipal de Águas Residuais do Município de Vendas Novas Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de Agosto, e a Portaria 34/2011 de 13 de Janeiro, veio revelar a necessidade de proceder à elaboração de um novo Regulamento Municipal de Águas Residuais, de

Leia mais

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Preâmbulo Aos Municípios incumbem, em geral, prosseguir os interesses próprios, comuns e específicos das populações

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM CAPÍTULO 1 AMBITO Artigo 1º. Estabelecimentos de Hospedagem São considerados estabelecimentos de hospedagem, aqueles que não

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 15 22 de janeiro de 2014 2337 MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL. CAPÍTULO I Disposições gerais

Diário da República, 2.ª série N.º 15 22 de janeiro de 2014 2337 MUNICÍPIO DE OLIVEIRA DO HOSPITAL. CAPÍTULO I Disposições gerais Diário da República, 2.ª série N.º 15 22 de janeiro de 2014 2337 11 Garantir a manutenção do edifício e instalações do Complexo Termal; 12 Promoção dos circuitos necessários às operações de tratamento

Leia mais

REGULAMENTO DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

REGULAMENTO DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS MUNICÍPIO DE VILA NOVA DE FAMALICÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS CAMARA MUNICIPAL DE VILA NOVA DE FAMALICÃO 1/25 INDICE PREÂMBULO... 4 CÁPÍTULO

Leia mais

M U N I C Í P I O DA NAZARÉ C Â M A R A MUNICIPAL

M U N I C Í P I O DA NAZARÉ C Â M A R A MUNICIPAL M U N I C Í P I O DA NAZARÉ C Â M A R A MUNICIPAL R E G U L A M E N T O MUNICIPAL DO SERVIÇO DE DRENAGEM DE Á G U A S RESIDUAIS PREÂMBULO A publicação do Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto, e do Decreto

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 135 15 de Julho de 2011 29863 SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ABRANTES

Diário da República, 2.ª série N.º 135 15 de Julho de 2011 29863 SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ABRANTES Diário da República, 2.ª série N.º 135 15 de Julho de 2011 29863 gada se encontra afixada no átrio da secretaria da Junta de Freguesia de Valongo, sita no Largo do Centenário, s/n Valongo, encontrando

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DA AMBIOLHÃO, E.M.

PROJETO DE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DA AMBIOLHÃO, E.M. PROJETO DE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DA AMBIOLHÃO, E.M. CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do

Leia mais

Proposta de Regulamento Municipal do Serviço de Drenagem de Águas Residuais CAPÍTULO I

Proposta de Regulamento Municipal do Serviço de Drenagem de Águas Residuais CAPÍTULO I Proposta de Regulamento Municipal do Serviço de Drenagem de Águas Residuais Preâmbulo A, para o efeito e a fim de tornar mais transparentes e esclarecedores os actos que se colocam no âmbito das suas competências,

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico dos serviços municipais de abastecimento de água, saneamento

Leia mais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Preâmbulo Uma habitação condigna representa um dos vectores fundamentais para a qualidade de vida do ser humano, sendo,

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE VILA DO CONDE

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE VILA DO CONDE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE VILA DO CONDE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSPECÇÃO E MANUTENÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO Nota Justificativa Em obediência à alínea a) do n.º 2 do

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO

PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO PROJECTO DE REGULAMENTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE QUEIMADAS, QUEIMAS, FOGUEIRAS E FOGO-DE-ARTIFÍCIO Nota Justificativa Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n 264/2002, de 15 de Novembro, foram transferidas

Leia mais

MUNICIPIO DE CUBA REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO CONCELHO DE CUBA. Nota Justificativa

MUNICIPIO DE CUBA REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO CONCELHO DE CUBA. Nota Justificativa MUNICIPIO DE CUBA REGULAMENTO MUNICIPAL DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO CONCELHO DE CUBA Nota Justificativa O Decreto-Lei n.º 194/2009, de 20 de agosto, que aprova o regime jurídico

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS. Município de Soure

MODELO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS. Município de Soure MODELO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS Município de Soure 2014 REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS Enquadramento geral O Decreto-Lei n.º 194/2009,

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto, que aprovou o regime de concepção, instalação e exploração dos sistemas públicos e prediais de distribuição de água e de drenagem de águas

Leia mais

REGULAMENTO DA MARINA

REGULAMENTO DA MARINA REGULAMENTO DA MARINA (Aprovado na Assembleia Geral a 16 de Abril de 1999) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objectivo e âmbito de aplicação O presente regulamento contém as disposições fundamentais

Leia mais

29039 PARTE H MUNICÍPIO DE ALJUSTREL

29039 PARTE H MUNICÍPIO DE ALJUSTREL Diário da República, 2.ª série N.º 197 8 de outubro de 2015 29039 PARTE H MUNICÍPIO DE ALJUSTREL Aviso n.º 11553/2015 Nos termos e para os efeitos do disposto no n.º 6 do artigo 36.º da Portaria n.º 83

Leia mais

14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014

14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014 14638 Diário da República, 2.ª série N.º 107 4 de junho de 2014 MUNICÍPIO DE ALMADA Aviso (extrato) n.º 6778/2014 Nos termos do Estatuto do Pessoal Dirigente, torna -se público que o presidente desta Câmara

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011

REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011 REGULAMENTO MUNICIPAL DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DA DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO BARREIRO CÂMARA MUNICIPAL DO BARREIRO 2011 ÍNDICE TÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 7 CAPÍTULO I - ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NO SISTEMA DE DRENAGEM PÚBLICO DO CONCELHO DE CARTAXO

REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NO SISTEMA DE DRENAGEM PÚBLICO DO CONCELHO DE CARTAXO MUNICÍPIO DO CARTAXO DIVISÃO DE ÁGUA E SANEAMENTO REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NO SISTEMA DE DRENAGEM PÚBLICO DO CONCELHO DE CARTAXO DIVISÃO DE ÁGUA E SANEAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O novo regime jurídico dos espectáculos de natureza artística e não artística, tendo transferido

Leia mais

INTRODUÇÃO. Dr. Guilherme Manuel Lopes Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos:

INTRODUÇÃO. Dr. Guilherme Manuel Lopes Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos: INTRODUÇÃO Concessão da Exploração e Gestão dos Serviços Públicos Municipais de Abastecimento de Água e de Recolha Tratamento e Drenagem de Águas Residuais do Município de Matosinhos. Dr. Guilherme Manuel

Leia mais

Regulamento do Sistema de Abastecimento de Água ao Concelho da Lousã

Regulamento do Sistema de Abastecimento de Água ao Concelho da Lousã Regulamento do Sistema de Abastecimento de Água ao Concelho da Lousã Título I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto e âmbito O presente Regulamento estabelece as normas do sistema de distribuição de água

Leia mais

MANUAL PROCESSOS PREDIAIS

MANUAL PROCESSOS PREDIAIS MANUAL Página : 3 / 11 ÍNDICE 1 OBJECTIVO...4 2 ÂMBITO...4 3 INSTRUÇÃO DO PROCESSO...4 3.1. Projecto... 4 3.2. Tela Fina.4 4 REGRAS A TER EM CONTA NA ELABORAÇÃO DO PROJECTO E EM OBRA...5 4.1. Ampliações

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS PREÂMBULO

PROJETO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS PREÂMBULO PROJETO DE REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS PREÂMBULO A atividade de saneamento de águas residuais urbanas constitui um serviço público de caráter estrutural, essencial ao

Leia mais

Regulamento de Água e de Águas Residuais de Coimbra

Regulamento de Água e de Águas Residuais de Coimbra Regulamento de Água e de Águas Residuais de Coimbra 3 ÍNDICE NOTA JUSTIFICATIVA 10 TíTULO I Disposições Gerais 11 Capítulo I Disposições Preliminares 11 Artigo 1º - Objeto 11 Artigo 2º - Lei Habilitante

Leia mais

Preâmbulo. CAPÍTULO I Disposições Gerais

Preâmbulo. CAPÍTULO I Disposições Gerais REGULAMENTO DE LICENCIAMENTO DAS ACTIVIDADES DIVERSAS PREVISTAS NO DECRETO-LEI N.º 264/2002, DE 25 DE NOVEMBRO E NO DECRETO-LEI N.º 310/2002, DE 18 DE DEZEMBRO Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 254/2002, de

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALBUFEIRA

MUNICÍPIO DE ALBUFEIRA REGULAMENTO MUNICIPAL DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DO MUNICÍPIO DE ALBUFEIRA - 2011 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1.º - Objecto... 4 Artigo 2.º - Âmbito... 4 Artigo 3.º - Normas

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL SOBRE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTO PÚBLICOS ARTIGO 1º OBJECTO Este regulamento tem por objectivo a definição das regras de procedimento para

Leia mais

Estacionamento tem novas regras em vigor

Estacionamento tem novas regras em vigor Estacionamento tem novas regras em vigor A presente edição do Almada Informa contém o Regulamento Geral de Estacionamento e Circulação das Zonas de Estacionamento de Duração Limitada. O mesmo é complementado

Leia mais

REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º.

REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. REGULAMENTO DE SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE PINHEL CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Lei habilitante O presente Regulamento é aprovado ao abrigo do disposto nos

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO CONCELHO DE ABRANTES ÍNDICE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO CONCELHO DE ABRANTES ÍNDICE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA AO CONCELHO DE ABRANTES ÍNDICE Capítulo I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º - Entidade responsável pelo abastecimento de água Artigo 2.º - Deveres gerais dos

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR Para os devidos efeitos, torna-se público que a Assembleia Municipal na sua sessão ordinária de 28 de Abril de 2011, sob proposta da Câmara Municipal de 13 de Abril de 2011, aprovou o Regulamento Municipal

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE MAFRA

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE MAFRA CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA REGULAMENTO SOBRE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E HIGIENE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE MAFRA Proposta da Câmara Municipal, por deliberação de 21 de Maio de 1999 Aprovada

Leia mais

REGULAMENTO RESPEITANTE À UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO SOB JURISDIÇÃO MUNICIPAL E À REALIZAÇÃO DE OBRAS EM BENS DO DOMÍNIO PÚBLICO MUNICIPAL

REGULAMENTO RESPEITANTE À UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO SOB JURISDIÇÃO MUNICIPAL E À REALIZAÇÃO DE OBRAS EM BENS DO DOMÍNIO PÚBLICO MUNICIPAL REGULAMENTO RESPEITANTE À UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO PÚBLICO SOB JURISDIÇÃO MUNICIPAL E À REALIZAÇÃO DE OBRAS EM BENS DO DOMÍNIO PÚBLICO MUNICIPAL 1. A administração do domínio público municipal, da competência

Leia mais

Câmara Municipal de Arraiolos

Câmara Municipal de Arraiolos Regulamento de Instalação e Funcionamento dos Estabelecimentos de Hospedagem Preâmbulo O Decreto-Lei nº. 167/97, de 4 de Julho estabelece o novo regime jurídico aplicável á instalação e funcionamento dos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA

CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA CÂMARA MUNICIPAL DE PESO DA RÉGUA Regulamento Municipal de Abastecimento de Água NOTA JUSTIFICATIVA O Regulamento de Abastecimento de Água do Concelho do Peso da Régua, vigora desde Abril de 1992. Mostra-se,

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

Manual de Processos Prediais

Manual de Processos Prediais Índice Índice...1 1. Objectivo...2 2. Âmbito...2 3. Referências...2 4. Definições / Abreviaturas...2 5. Responsabilidades...2 6. Modo de Proceder...2 6.1. Fluxograma...2 6.2. Descrição...2 6.2.1. INSTRUÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE POSTURAS FREGUESIA DA VILA DE ARCOZELO

CÓDIGO DE POSTURAS FREGUESIA DA VILA DE ARCOZELO CÓDIGO DE POSTURAS FREGUESIA DA VILA DE ARCOZELO INTRODUÇÃO No uso das suas competências, o Executivo da Freguesia da Vila de Arcozelo, do concelho de Ponte de Lima, submete à aprovação da Assembleia de

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO MUNICÍPIO DE REDONDO REGULAMENTO DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E PLUVIAIS URBANAS DO MUNICÍPIO DE REDONDO Alfredo Falamino Barroso, Presidente da Câmara Municipal de Redondo, torna público

Leia mais

REGULAMENTO DOS PARQUES DE ESTACIONAMENTO MUNICIPAIS

REGULAMENTO DOS PARQUES DE ESTACIONAMENTO MUNICIPAIS REGULAMENTO DOS PARQUES DE ESTACIONAMENTO MUNICIPAIS Departamento de Serviços Urbanos e Ambiente/Divisão de Trânsito, Espaço Público e Viaturas Mod. 238/SQ 1 1 PREÂMBULO Considerando a necessidade da Câmara

Leia mais

REGULAMENTO DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES DO MUNICÍPIO DE SINTRA

REGULAMENTO DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES DO MUNICÍPIO DE SINTRA REGULAMENTO DE INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES DO MUNICÍPIO DE SINTRA APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA EM 26 DE OUTUBRO DE 2011 APROVADO PELA ASSEMBLEIA

Leia mais

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013 Tarifário para 2013 Novembro de 2012 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 6 Processos de

Leia mais

MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais

MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais MUNICÍPIO DE ÓBIDOS DESPORTO Gestão de Espaços e Equipamentos Desportivos Municipais REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO PISCINAS MUNICIPAIS DE ÓBIDOS Pág. 1 de 8 I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objecto) As

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CUBA LIVRO VIII REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO E RECOLHA DE VEÍCULOS. Nota Justificativa

CÂMARA MUNICIPAL DE CUBA LIVRO VIII REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO E RECOLHA DE VEÍCULOS. Nota Justificativa CÂMARA MUNICIPAL DE CUBA LIVRO VIII REGULAMENTO MUNICIPAL DE REMOÇÃO E RECOLHA DE VEÍCULOS Nota Justificativa O reconhecido aumento da densidade do parque automóvel, com a consequente rarefacção do espaço

Leia mais

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal Cartão Almodôvar Solidário Regulamento Municipal junho de 2015 Regulamento do Cartão Almodôvar Solidário Proposta de Regulamento aprovada por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 11

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga

Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga 1 Regulamento do controle de acesso automóvel à área pedonal da cidade Braga Preâmbulo As condições, sem adequado controle, em que se processa o acesso à vasta área pedonal da cidade de Braga, impõem a

Leia mais

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante

Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende. Lei Habilitante Regulamento de Utilização do Campo de Futebol 7 Sintético do Complexo Desportivo da Granja - Resende Lei Habilitante A utilização dos equipamentos municipais carece de regulamentação. A Câmara Municipal

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 95 18 de Maio de 2009 19487

Diário da República, 2.ª série N.º 95 18 de Maio de 2009 19487 Diário da República, 2.ª série N.º 95 18 de Maio de 2009 19487 16.3 A Prova de Conhecimentos Teóricos Oral destina -se a avaliar o nível de conhecimentos profissionais e as competências técnicas dos candidatos

Leia mais

EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A.

EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. Regulamento para o Serviço de Abastecimento de Água pela EPAL - Empresa Portuguesa das Águas Livres, S.A. e Legislação Diversa 1 Regulamento 5 2 Legislação Diversa 29 Serviço Público de Abastecimento de

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS REGULAMENTO DO SERVIÇO DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA E DO SERVIÇO DE SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS 2014 Nota justificativa A prestação dos serviços de abastecimento de água e de saneamento de

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA CÂMARA MUNICIPAL DA GUARDA

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DA CÂMARA MUNICIPAL DA GUARDA \ REGULAMENTOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS DO CONCELHO DA GUARDA 2006-2 - REGULAMENTO MUNICIPAL DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DO CONCELHO DA GUARDA SUMÁRIO CAPÍTULO I CAPÍTULO

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento

Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras. Artº 1º Do licenciamento Regulamento de ocupação e utilização de vias públicas por motivo de obras Artº 1º Do licenciamento 1. A ocupação ou utilização de vias ou locais públicos com quaisquer materiais, objectos, equipamentos

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

Regulamento Municipal de Abastecimento de Águas e Drenagem de Águas Residuais TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Regulamento Municipal de Abastecimento de Águas e Drenagem de Águas Residuais TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO DE APLICAÇÃO Regulamento Municipal de Abastecimento de Águas e Drenagem de Águas Residuais TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I ÂMBITO DE APLICAÇÃO ARTIGO 1. - LEGISLAÇÃO HABILITANTE O presente regulamento tem o

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA E DE DIVERTIMENTOS PÚBLICOS NAS VIAS, JARDINS E DEMAIS LUGARES PÚBLICOS AO AR LIVRE REALIZAÇÃO DE ESPECTÁCULOS DE NATUREZA DESPORTIVA

Leia mais

FEIRA REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE SANTA MARIA DA FEIRA

FEIRA REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE SANTA MARIA DA FEIRA FEIRA REGULAMENTO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS MUNICIPAIS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE SANEAMENTO DO CONCELHO DE SANTA MARIA DA FEIRA FEIRA INTRODUÇÃO No exercício das competências previstas na alínea a) do

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V I E I R A D O M I N H O 4850-527 VIEIRA DO MINHO

M U N I C Í P I O D E V I E I R A D O M I N H O 4850-527 VIEIRA DO MINHO REGULAMENTO DE INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM Preâmbulo O Decreto-Lei nº 167/97, de 04 de Julho ( com a alteração e redacção dada pelo Decreto-Lei nº 305/99, de 06 de Agosto

Leia mais

REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NO SISTEMA DE DRENAGEM MUNICIPAL

REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NO SISTEMA DE DRENAGEM MUNICIPAL REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS NO SISTEMA DE DRENAGEM MUNICIPAL ÍNDICE PREÂMBULO...4 TERMINOLOGIA TÉCNICA GERAL...5 CAPÍTULO I...7 Disposições gerais...7 Entidade gestora...7 Objecto...7

Leia mais