CONCURSO POR CLASSIFICAÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE 54 FOGOS A CUSTOS CONTROLADOS EM ESPICHE - LUZ CONSTRUÍDOS PELA EDIFER

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO POR CLASSIFICAÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE 54 FOGOS A CUSTOS CONTROLADOS EM ESPICHE - LUZ CONSTRUÍDOS PELA EDIFER"

Transcrição

1 CONCURSO POR CLASSIFICAÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE 54 FOGOS A CUSTOS CONTROLADOS EM ESPICHE - LUZ CONSTRUÍDOS PELA EDIFER Nos termos do artigo 65º da Constituição da República Portuguesa, todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar. No entanto, devido aos preços praticados no mercado imobiliário verifica-se que a aquisição de habitação condigna é muitas vezes de difícil concretização para a população mais carenciada. Assim, cabe às autarquias a promoção de programas de habitação a custos controlados, nos termos da alínea b) do artigo 24º da Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro. O Município de Lagos reconhecendo esta necessidade e com o objectivo de apoiar os agregados familiares de baixos rendimentos, cedeu à Edifer Construções Pires Coelho & Fernandes, SA o seu direito de preferência na aquisição do direito de superfície do lote n.º 46, sito em Espiche (aprovada em reunião de câmara realizada no dia 15 de Março de 2006 Acta 06/06), tendo em vista a construção a custos controlados de 54 fogos com as tipologias e valores determinados pelo Município. Dos 54 fogos, 42 serão alienados e 12 arrendados aos munícipes indicados pela autarquia após a selecção feita através de concurso público por classificação de acordo com as regras apresentadas pelo programa que aqui se apresenta. ARTIGO 1.º OBJECTO E ÂMBITO 1 O objecto do presente concurso consiste na atribuição, em regime de venda e arrendamento apoiado, de 54 fogos localizados no lote n.º 46 sito em Espiche na Freguesia da Luz os quais obedecem aos parâmetros estabelecidos para a habitação a custos controlados nos termos previstos na Portaria 500/97, de 21 de Julho e demais legislação aplicável, conforme descrição constante no Anexo A. 2 - Do total dos 54 fogos 42 serão alienados em direito de superfície, destinando-se os remanescentes 12 a Arrendamento Apoiado e Preço Técnico ao abrigo do D L n.º 166/93, de 7 de Maio. 1

2 ARTIGO 2.º PRAZO O concurso é aberto pelo prazo de 45 dias a contar da data da publicação do edital contendo o Anúncio de Abertura. ARTIGO 3.º MODALIDADES DE ATRIBUIÇÃO 1. A atribuição dos fogos reveste as seguintes modalidades: a) Arrendamento apoiado de 12 fracções; b) Alienação de 30 fracções; c) Alienação de 12 fracções destinadas a trabalhadores autárquicos. 2. Os interessados poderão concorrer indiferenciadamente a qualquer uma das modalidades desde que reúnam os requisitos específicos de admissão nos termos do artigo seguinte. Nota explicativa: Considera-se agregado familiar o conjunto de pessoas constituído pelo candidato, pelo cônjuge ou pessoa que com aquele viva em condições análogas, pelos parentes ou afins na linha recta ou até ao 3.º grau da linha colateral, bem como pelas pessoas relativamente às quais, por força de lei ou de negócio jurídico que não respeite directamente à habitação, haja obrigação de convivência ou de alimentos. ARTIGO 4.º REQUISITOS DE ADMISSÃO AO CONCURSO 1- Podem concorrer ao concurso todos os cidadãos, nacionais ou estrangeiros desde que portadores de título de residência permanente, com idade igual ou superior a 18 anos, que residam no concelho de Lagos há pelo menos 2 anos. 2- Os cidadãos portugueses e demais cidadãos da União Europeia deverão estar recenseados no município à data da apresentação da candidatura. 2

3 3. Não será admitido a concurso o concorrente que possuir, bem como qualquer membro do agregado familiar : a) habitação própria ou terreno apto para construção no Município de Lagos, ou em concelho limítrofe deste; b) qualquer fogo noutro empreendimento habitacional municipal, que tenha sido atribuído ao concorrente ou ao agregado familiar. 4. A dimensão do agregado familiar terá de situar-se entre o mínimo e o máximo estabelecido para cada tipologia: TIPOLOGIAS N.º DE PESSOAS T0 1 T1 1 a 2 T2 2 a 4 T3 3 a 6 T4 4 a 8 5. Só pode ter acesso às habitações sociais o agregado familiar cujo rendimento mensal por pessoa, não ultrapasse o limite máximo previsto no quadro seguinte definido em função do salário mínimo nacional e de acordo com o previsto no artigo 16º da Portaria 580/83, de 17 de Maio. N.º DE PESSOAS DO AGREGADO FAMILIAR ARRENDAMENTO VENDA 1 2,5 (1.065,00 ) 4 (1.704,00 ) 2 1,5 (639,00 ) 2,5 (1.065,00 ) 3 1,25 (523,50 ) 1,75 (745,50 ) 4 1 (426,00 ) 1,5 (639,00 ) 5 0,9 (383,40 ) 1,25 (532,50 ) 6 ou mais 0,8 (340,80 ) 1,2 (511,20 ) Nota explicativa: Constituem rendimentos do agregado familiar todos os vencimentos, salários ou subvenções, ilíquidos, do concorrente e das pessoas que com ele vivem em comunhão de mesa e habitação, ligados por laços de parentesco, casamento, afinidade e adopção ou noutras situações similares assinaláveis, exceptuando-se unicamente o abono de família. SMN em 2008= Podem ainda concorrer os candidatos que habitem no concelho de Lagos há menos de 2 anos, ficando as suas candidaturas condicionadas até ao final do processo, caso se verifique a existência de fogos por atribuir. 3

4 7. Para a admissão à modalidade do concurso destinada à atribuição de fogos a funcionários autárquicos é ainda requisito específico serem os candidatos detentores de lugar no quadro ou de contrato a termo resolutivo certo, com duração nunca inferior a um ano, no município ou em qualquer freguesia do Concelho. ARTIGO 5.º CANDIDATURA Para instrução do processo correspondente à atribuição dos fogos deverão ser apresentados, até ao último dia do concurso, os seguintes documentos: 1. Requerimento de modelo a fornecer pelos serviços de habitação Municipal a solicitar a atribuição de um fogo, justificando para o efeito reunir as condições impostas e descritas nos pontos 1; 2; 3, 4, 5, do artigo anterior. 2. Questionário de Inscrição devidamente preenchido e assinado e autenticado pela Junta de Freguesia, acompanhado das declarações sobre o agregado familiar, anos de residência, vencimentos e rendimentos. 3. Fotocópias dos Bilhetes de Identidade ou de cartão de cidadão dos vários componentes do agregado familiar, bem como das declarações de rendimentos ou da situação sócio económica, nomeadamente declaração do imposto de rendimento singular (IRS) do último ano. 4. Fotocópia do cartão de eleitor de todas as pessoas que constituem o agregado familiar, maiores de 18 anos. 5. Deverão ainda ser apresentados os seguintes documentos: a) No caso do concorrente ser cidadão estrangeiro, autorização de residência permanente. b) No caso de ser trabalhador autárquico, declaração comprovativa em como se encontra numa das situações previstas no artigo 4º, n.º 7. ARTIGO 6.º FORMALIZAÇÃO DAS CANDIDATURAS Todos os interessados, deverão entregar a candidatura directamente no Serviço Habitação Municipal, no Edifício Multifunções do Chinicato, todos os dias úteis, entre as 9.00 e as horas, até ao último dia do concurso, ou. enviá-la para o mesmo serviço por carta registada com aviso de recepção. 4

5 ARTIGO 7.º CONSULTA E FORNECIMENTO DE ELEMENTOS DO PROCESSO 1. O processo de concurso encontra-se patente na Câmara Municipal de Lagos, no Serviço Habitação Municipal, no Edifício Multifunções do Chinicato, onde pode ser examinado, durante as horas de expediente (9h00m às 17h00m), desde o dia seguinte à publicação do respectivo anúncio até ao último dia da apresentação das candidaturas. 2. No mesmo local serão prestados todos os esclarecimentos sobre o assunto. ARTIGO 8º JÚRI DO CONCURSO 1. O concurso será acompanhado por um júri, pelo Presidente da Câmara, por dois vereadores indicados em reunião de Câmara, um representante do departamento que tenha a seu cargo a área dos serviços municipais de habitação e pelo Presidente da Junta de Freguesia da área de localização dos fogos. 2. Ao júri competirá realizar todas as operações do concurso, designadamente a selecção e hierarquização dos candidatos. ARTIGO 9.º MÉTODO DE SELECÇÃO 1. A atribuição dos fogos para alienação será feita em função das classificações dos concorrentes, resultante da aplicação da pontuação e coeficientes de acordo com o Anexo ao Decreto-Regulamentar n.º 50/77, de 11 de Agosto. 2. A atribuição dos fogos para arrendamento será feita em função das classificações dos concorrentes candidatos a esta modalidade, resultante da pontuação e coeficientes já referidos. 3. Findo o prazo do concurso, serão elaboradas e publicadas no prazo de 45 dias as listas classificativas provisórias dos candidatos admitidos e dos excluídos, segundo a modalidade de escolha em relação a compra ou arrendamento dos fogos a concurso. 5

6 4. No processo de selecção para atribuição dos fogos será dada preferência aos candidatos ou agregados familiares residentes na Freguesia da Luz há mais de 2 anos, independentemente da classificação dos demais candidatos. 5. No caso de igualdade de pontuação entre concorrentes, atender-se-á por ordem de preferência aos agregados que reunam as seguintes condições e pela seguinte ordem: a) menor rendimento por cabeça; b) maior idade do concorrente. 6. A atribuição dos fogos respeitará a seguinte ordem: a) Em primeiro lugar serão atribuídos os 12 fogos para alienação aos trabalhadores autárquicos. Havendo mais candidatos os não contemplados ingressam no contingente geral. b) Serão atribuídos em segundo lugar os 30 fogos para alienação em contigente geral. c) Por último serão atribuídos os 12 fogos destinados a arrendamento apoiado. 7. Se se verificar que o número de candidatos é inferior ao número de fogos a atribuir serão também alvo de classificação os concorrentes cuja candidatura fora condicionada nos termos do n.º 6 do artigo 4º. 8. Serão apurados como efectivos tantos concorrentes quanto os fogos disponíveis para atribuição e como suplentes os restantes concorrentes admitidos. 9.Em caso de desistência o primeiro suplente passa à condição de efectivo e assim sucessivamente. 10. Os candidatos à atribuição de fogos terão de apresentar no prazo de 8 dias a contar da notificação para o efeito, certidão negativa emitida pelo Serviço de Finanças que comprove o requisito da alínea a), n.º 3, do artigo 4º. ARTIGO 10.º EXCLUSÃO DE CANDIDATURAS 1. Serão excluídos do concurso, sem prejuízo de procedimento judicial que possa caber, os candidatos que dolosamente prestem no questionário declarações falsas ou inexactas ou usem de quaisquer meios fraudulentos, bem como todos aqueles que comprovadamente não reunam os critérios de admissão. 6

7 2. Nos casos em que houver exclusões serão indicados os seus fundamentos. 3. Da exclusão ou inclusão de qualquer concorrente cabe reclamação para a Câmara Municipal, a interpor no prazo de cinco dias úteis, a contar da publicação das listas provisórias. ARTIGO 11.º LISTAS DEFINITIVAS Apreciadas as reclamações, se as houver, ou não as havendo, serão elaboradas, e, após aprovação, publicitadas as listas definitivas de atribuição dos fogos. ARTIGO 12.º REGIME DE VENDA E ARRENDAMENTO 1. Os fogos objecto de atribuição, em regime de venda ou arrendamento, destinam-se a habitação permanente dos concorrentes contemplados e respectivos agregados familiares. 2. Os fogos objecto de venda não podem ser alienados, arrendados ou ocupados por outrém a qualquer título, no prazo de 10 anos a contar da data da escritura de venda, com excepção dos casos de activação de hipotecas por entidade bancária responsável pelo crédito à sua aquisição ou de motivo comprovado atendível pela Câmara Municipal. 3. O ónus de inalienabilidade cessa quando ocorra a morte ou invalidez permanente e absoluta do adquirente ou do respectivo cônjuge. 4. Em caso de venda a Câmara Municipal beneficiará do direito de opção. 5. Em caso de venda o direito de preferência, da Câmara Municipal, deve por esta ser exercido no prazo de 90 dias, contados da notificação recebida para o efeito. 6. Decorrido o prazo referido no n.º 2 do presente artigo, os fogos objecto de alienação, só podem ser arrendados em regime de renda condicionada e alienados de acordo com a legislação aplicável para habitação a custos controlados. 7

8 7. Os contemplados com a atribuição de fogos, em regime de venda, efectuarão o pagamento de um sinal de 10% no acto da celebração do contrato de promessa de compra e venda, a efectuar na data que lhe for comunicado pela Câmara Municipal de Lagos. 8. O restante preço de compra será entregue no acto da escritura de compra e venda, a qual não poderá exceder três meses após a publicação das listas definitivas dos candidatos seleccionados, prazo este que poderá ser prorrogado, por uma única vez, pela Câmara Municipal, a pedido do interessado, por razões devidamente fundamentadas. 9. Não se celebrando a escritura por motivos imputáveis aos concorrentes, a importância entregue a título de sinal, será perdida nos termos da lei, salvo motivo comprovado e atendível pela Câmara Municipal. 10. Os fogos objecto de atribuição em regime de arrendamento serão contratualizados ao abrigo do regime de Renda Apoiada e Preço Técnico em conformidade com o teor do D.L. 166/93 de 7 de Maio. 11. As formas de gestão, conservação e alienação destes fogos terão em conta a legislação especial aplicável. ARTIGO 13.º PRAZO DE VALIDADE DO CONCURSO 1. O concurso de atribuição dos fogos é válido pelo período de um ano a contar da data da publicação das listas definitivas de selecção dos candidatos. 2. Após o período de validade do concurso, os candidatos em situação de suplentes passam a integrar os ficheiros de procura do Serviço de Habitação Municipal. ARTIGO 14.º DÚVIDAS E OMISSÕES As dúvidas e omissões decorrentes da aplicação do presente regulamento de Concurso para atribuição de 54 fogos a custos controlados em Espiche - Luz serão resolvidas por exercício dos poderes da Câmara e do seu Presidente. 8

9 ANEXO A DESCRIÇÃO DO EMPREENDIMENTO DE 54 FOGOS A CUSTOS CONTROLADOS NO LOTE 46 DA URBANIZAÇÃO DAS AMENDOEIRAS, EM ESPICHE - LUZ Fogos segundo as tipologias TIPOLOGIAS T0 T1 T2 T3 T4 TOTAL FOGOS Características das fracções FRACÇÃO FOGO LOCALIZAÇÃO USO TIPOLOGIA ÁREA DO FOGO NÚCLEO 1 NÚCLEO 2 NÚCLEO 3 NÚCLEO 4 A Piso 0 Habitação T2 70,64 m 2 B Piso 0 Habitação T3 98,76 m 2 C Piso 1 Habitação T3 87,66 m 2 D Piso 1 Habitação T2 80,99 m 2 E Piso 2 Habitação T3 87,60 m 2 F Piso 2 Habitação T0 40,17 m 2 G Piso 2 Habitação T2 75,27 m 2 H Piso 0 Habitação T3 98,76 m 2 I Piso 0 Habitação T2 70,64 m 2 J Piso 1 Habitação T4 108,62 m 2 K Piso 1 Habitação T0 40,11 m 2 L Piso 1 Habitação T3 87,66 m 2 M Piso 2 Habitação T4 108,62 m 2 N Piso 2 Habitação T0 40,11 m 2 O Piso 2 Habitação T3 87,66 m 2 P Piso 0 Habitação T2 74,70 m 2 Q Piso 0 Habitação T2 71,10 m 2 R Piso 0 Habitação T2 75,11 m 2 S Piso 0 Habitação T1 48,13 m 2 T Piso 1 Habitação T3 87,10 m 2 U Piso 1 Habitação T2 75,11 m 2 V Piso 1 Habitação T2 75,11 m 2 X Piso 1 Habitação T1 60,54 m 2 Z Piso 2 Habitação T3 87,10 m 2 AA Piso 2 Habitação T2 75,11 m 2 AB Piso 2 Habitação T2 75,11 m 2 AC Piso 1 Habitação T1 60,54 m 2 AD Piso 0 Habitação T2 70,64 m 2 AE Piso 0 Habitação T3 98,76 m 2 AF Piso 1 Habitação T3 88,13 m 2 AG Piso 1 Habitação T2 Duplex 83,33 m 2 AH Piso 1 Habitação T4 108,62 m 2 AI Piso 2 Habitação T3 88,15 m 2 AJ Piso 2 Habitação T3 100,60 m 2 9

10 FRACÇÃO FOGO LOCALIZAÇÃO USO TIPOLOGIA ÁREA DO FOGO NÚCLEO 5 NÚCLEO 6 AK Piso 0 Habitação T3 98,79 m 2 AL Piso 0 Habitação T2 70,64 m 2 AM Piso 1 Habitação T2 75,28 m 2 AN Piso 1 Habitação T0 40,17 m 2 AO Piso 1 Habitação T3 87,60 m 2 AP Piso 2 Habitação T2 75,28 m 2 AQ Piso 2 Habitação T0 40,17 m 2 AR Piso 2 Habitação T3 87,60 m 2 AS Piso 0 Habitação T1 48,13 m 2 AT Piso 0 Habitação T2 75,11 m 2 AU Piso 0 Habitação T2 71,10 m 2 AV Piso 0 Habitação T2 74,70 m 2 AX Piso 1 Habitação T1 48,13 m 2 AZ Piso 1 Habitação T2 75,11 m 2 BA Piso 1 Habitação T2 75,11 m 2 BB Piso 1 Habitação T3 87,10 m 2 BC Piso 2 Habitação T1 48,13 m 2 BD Piso 2 Habitação T2 75,11 m 2 BE Piso 2 Habitação T2 75,11 m 2 BF Piso 1 Habitação T3 87,10 m 2 TOTAIS 5xT0 6xT1 4101,73 m 2 23xT2 17xT3 3xT4 OBS: Os fogos de tipologia T2, T3 e T4 dispõem de um lugar de estacionamento na cave. Valores de alienação(1) TIPOLOGIA DOS FOGOS VALOR PARA 2008 T ,00 T ,00 T ,00 (2) T ,00 (2) T ,00 (2) Notas : (1) Valores sujeitos a actualização em 2009, nos termos legais. (2) Inclui lugar de estacionamento na cave. 10

2. O prazo de abertura de concurso é de 30 dias contados a partir da data da afixação do anúncio de abertura do concurso.

2. O prazo de abertura de concurso é de 30 dias contados a partir da data da afixação do anúncio de abertura do concurso. Programa do Concurso Relativo à Atribuição do Direito ao Arrendamento de 3 Fogos nas Freguesias de S. Salvador, Gafanha da Encarnação (Costa Nova) e Gafanha da Nazaré I. Disposições Gerais 1. O presente

Leia mais

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 16 de Setembro de 2005

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 16 de Setembro de 2005 Edição Especial Regulamento e Programa de Con- curso de Venda de Fogos a Custos Controlados no Alto da Mira (Deliberação da CMA de 15 de Junho de 2005) (Deliberação da AMA de 24 de Junho de 2005) CÂMARA

Leia mais

Edição Especial 28 de maio de 2014

Edição Especial 28 de maio de 2014 Edição Especial REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE FOGOS DO EMPREENDIMENTO DA AZINHAGA DOS BESOUROS, QUINTA DA FIGUEIRA, ENCOSTA DO SOL (Deliberação da CMA 19.03.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA (Deliberação

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO Preâmbulo Com o presente Regulamento pretende-se criar condições para o acesso

Leia mais

Câmara Municipal de Fafe

Câmara Municipal de Fafe ÍNDICE REMISSIVO. Artigo 1º - Disposições gerais. Artigo 2º - Objeto e âmbito da aplicação. Artigo 3º- Conceitos. Artigo 4º - Natureza do apoio. Artigo 5º - Condições de acesso ao Programa Ser Solidário.

Leia mais

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS INDÍCE Preâmbulo 1 Artigo 1º Âmbito Artigo º Objecto Artigo º Tipos de apoios Artigo 4º Valor e modalidade de apoios económico

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Regulamento junho de 2011 Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal,

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa Nota Justificativa A Constituição da República Portuguesa define no n.º 2 do artigo 73.º que O Estado promove a democratização da Educação e as demais condições para que a Educação, realizada através da

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE Concurso Público ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO URBANA Loteamento Municipal de Castro Verde 7 Lotes Loteamento Municipal de Santa bárbara de Padrões 15 Lotes Loteamento

Leia mais

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO Praça Luis de Camões.2580-318 ALENQUER. Telel. 263730900. Fax 263711 504. e-mau: peral@cm-alenauer.ot i1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA NO MUNICÍPIO DE ALENQUER Proposta da Câmara

Leia mais

Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para AHP e Plano de Garantia de Créditos para AHP

Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para AHP e Plano de Garantia de Créditos para AHP 1. O que é o Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria? O Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria (adiante

Leia mais

b) Membros suplentes: - Cátia Sofia Viveiros Furtado Miranda, vogal suplente; - Maria Emília Maciel de Andrade, vogal suplente

b) Membros suplentes: - Cátia Sofia Viveiros Furtado Miranda, vogal suplente; - Maria Emília Maciel de Andrade, vogal suplente 55 PROGRAMA DE CONCURSO CONCURSO PÚBLICO PARA AQUISIÇÃO DE 32 HABITAÇÕES UNIFAMILIARES, CONSTRUÍDAS AO ABRIGO DOS CONTRATOS DE DESENVOLVIMENTO PARA HABITAÇÃO, EM REGIME DE CUSTOS CONTROLADOS, NO EMPREENDIMENTO

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA PARA ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS DO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares

Leia mais

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa

Câmara Municipal de Portalegre. Departamento dos Assuntos Sociais, Cultura, Educação Desporto e Turismo. Nota Justificativa Nota Justificativa Considerando a necessidade de estabelecer novos apoios e ir de encontro às necessidades dos idosos e assim contribuir para a dignificação e melhoria das condições de vida deste sector

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente documento tem por objetivo o estabelecimento das regras e condições

Leia mais

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES 1 Onde é que posso obter o Regulamento do concurso? O Regulamento do concurso pode ser obtido: a) Nos escritórios da SPRHI, SA: - Rua Carvalho Araújo n.º38-b, em Ponta Delgada

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS

PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS 1/5 PROGRAMA DE APOIO A ANIMAIS PERTENCENTES A FAMÍLIAS CARENCIADAS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA (nº SM) Exmo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra 1. Identificação (nome completo), Masculino Feminino

Leia mais

REGULAMENTO PARA VENDA HABITAÇÕES MUNICIPAIS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO

REGULAMENTO PARA VENDA HABITAÇÕES MUNICIPAIS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO REGULAMENTO PARA VENDA DE HABITAÇÕES MUNICIPAIS A, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO REGULAMENTO PARA VENDA DE HABITAÇÕES MUNICIPAIS A, ATRAVÉS DE CONCURSO, POR SORTEIO PREÂMBULO No quadro das ações e planos

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas

Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes e Parcelas para instalação de Actividades Económicas Nota Introdutória A existência de um Regulamento de cedência de lotes para a Zona Industrial de Moura,

Leia mais

A V I S O nº 3/2015 SORTEIO Nº 2/JFM/2015 LUGARES PARA VENDA DE PRODUTOS NA FEIRA DE ARTESANATO E VELHARIAS DO PRÍNCIPE REAL

A V I S O nº 3/2015 SORTEIO Nº 2/JFM/2015 LUGARES PARA VENDA DE PRODUTOS NA FEIRA DE ARTESANATO E VELHARIAS DO PRÍNCIPE REAL A V I S O nº 3/2015 SORTEIO Nº 2/JFM/2015 LUGARES PARA VENDA DE PRODUTOS NA FEIRA DE ARTESANATO E VELHARIAS DO PRÍNCIPE REAL Avisam-se todos os interessados que entre os dias 30 de Março e 24 de Abril

Leia mais

Normas de Utilização. Preâmbulo

Normas de Utilização. Preâmbulo CARTÃO MUNICIPAL 65+ SOCIAL Normas de Utilização Preâmbulo Considerando que: a) No âmbito da missão e dos objectivos do Município de Ourém importa promover a satisfação das necessidades da comunidade local,

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Art.º 1º (Disposições Gerais) 1 A Câmara Municipal de Paredes atribuirá em cada ano letivo as seguintes bolsas de estudo: - 12 bolsas a alunos do 10º ano

Leia mais

Regulamento do Programa Municipal de Apoio à Reabilitação de Habitações Degradadas para Estratos Sociais Desfavorecidos

Regulamento do Programa Municipal de Apoio à Reabilitação de Habitações Degradadas para Estratos Sociais Desfavorecidos Regulamento do Programa Municipal de Apoio à Reabilitação de Habitações Degradadas para Estratos Sociais Desfavorecidos Preâmbulo A deterioração das edificações afectas a fim habitacional, em virtude da

Leia mais

Programa de Procedimentos

Programa de Procedimentos Hasta Pública para venda de imóveis Programa de Procedimentos SETOR DE PATRIMÓNIO PROGRAMA DE PROCEDIMENTOS DE HASTA PÚBLICA PARA ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS 1. OBJETO DA HASTA PÚBLICA 1.1 A presente hasta pública,

Leia mais

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos Assistência Social A política de acção social do Governo da RAEM consiste principalmente em promover os serviços sociais para que correspondam às necessidades reais da sociedade, através da estreita colaboração

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR O direito a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e sucesso

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento abrange todas as pessoas (singulares e colectivas)

Leia mais

e) as garagens e lotes em causa são as que a seguir se identificam e vão graficamente representados na planta que se junta como ANEXO I:

e) as garagens e lotes em causa são as que a seguir se identificam e vão graficamente representados na planta que se junta como ANEXO I: Considerando que: a) no âmbito do processo de construção do denominado Empreendimento Habitacional dos 48 Fogos da Lagoa, foi elaborado e aprovado o loteamento de 45 parcelas de terreno destinadas a acomodar

Leia mais

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PREÂMBULO Os vários serviços com intervenção na área social do universo da Câmara Municipal do Porto (de ora em diante

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi 1 12 Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi Na sequência da autorização legislativa concedida ao Governo pela Assembleia da República,

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto Regulamento do Projeto de Emergência Social - P.E.S.- Aprovado na reunião do Órgão Executivo de 11 de Dezembro de 2014. Proposta a apresentar à Exmª. Assembleia

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS MUNICIPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS Normas de Funcionamento Preâmbulo O presente documento concretiza e sistematiza o projecto de «Banco de Ajudas Técnicas do Concelho

Leia mais

sadsfffffffffffffffffff REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo ao Arrendamento no Centro Histórico de Ponte de Lima

sadsfffffffffffffffffff REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo ao Arrendamento no Centro Histórico de Ponte de Lima regulamento Deliberado pela Câmara Municipal em 26 de novembro de 2012 Aprovado pela Assembleia Municipal na sua sessão Ordinária de 27 de dezembro de 2012 REGULAMENTO MUNICIPAL Centro com Vida Incentivo

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Lotes de Terreno para Autoconstrução

Regulamento de Atribuição de Lotes de Terreno para Autoconstrução CAPÍTULO I PROCESSO DE CEDÊNCIA Artigo 1.º Do regime Os lotes de terreno serão vendido em regime de direito de superfície sempre e quando se destinem a agregados familiares para habitação própria. Artigo

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

MUNICÍPIO DE FAFE PROPOSTA

MUNICÍPIO DE FAFE PROPOSTA PROPOSTA O Decreto-Lei n.º 199/2002, de 25 de Setembro, veio permitir que o Instituto de Gestão e Alienação do Património Habitacional do Estado procedesse à transferência gratuita dos bens imóveis e dos

Leia mais

GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO

GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Venda de Imóveis por

Leia mais

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa

FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA. Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA Câmara Municipal de Lisboa FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA O que é o Fundo de Emergência Social de Lisboa (FES)? É um programa municipal criado em 2012 e que se

Leia mais

Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação

Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação Exmo. Senhor Presidente Câmara Municipal de Trancoso Nome, residente na Rua, Freguesia de, Concelho de Trancoso, telefone nr.,

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO Com a emergência de cada vez mais processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros

Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Ministérios das Finanças e dos Negócios Estrangeiros Portaria n.º /2010 Contratação temporária para o Ensino Português no Estrangeiro Nos termos do artigo 32.º do Decreto-Lei n.º 165/2006, de 11 de Agosto,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA Considerando o quadro legal de competências e atribuições das autarquias locais estabelecido pela Lei n.º 169/99, de 18 de setembro,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016 Preâmbulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Bolsas de Qualificação

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança

Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança Regulamento de Atribuição de Apoios às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social do Concelho de Bragança REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS ÀS ASSOCIAÇÕES

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO PREÂMBULO Portugal, quer pelo aumento da esperança de vida, quer pelos baixos níveis da natalidade, está a tornar-se num país com população envelhecida. Valença não

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Regulamento n.º 75/2006.

Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Regulamento n.º 75/2006. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Regulamento n.º 75/2006. (DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N.º 107 2 de Junho de 2006) Regulamento das provas especialmente adequadas a avaliar a capacidade

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011

Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011 Concurso público para a prestação de serviços de iluminação, som e palco para a Feira do Livro a realizar entre 20 e 29 de Maio de 2011 Programa de concurso CMF Abril de 2011 Programa de concurso Pág.

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Apoios

Regulamento de Atribuição de Apoios Regulamento de Atribuição de Apoios Às Associações Culturais, Artísticas, Recreativas, Humanitárias e de Solidariedade Social, da Junta Freguesia de Santa Cruz da Graciosa. Aprovado pela Assembleia de

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR. CAPITULO I (Objecto e âmbito)

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR. CAPITULO I (Objecto e âmbito) REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR CAPITULO I (Objecto e âmbito) Artigo 1º (Objecto) O presente projecto de regulamento estabelece os princípios gerais e condições

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

Nome. Nome do Pai. Nome da Mãe. Morada. Freguesia Código Postal - Contacto (s) telefónico (s) Email. Nome. Nome. Nome

Nome. Nome do Pai. Nome da Mãe. Morada. Freguesia Código Postal - Contacto (s) telefónico (s) Email. Nome. Nome. Nome ESTABELECIMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo / IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO Data de Nascimento / / Nome do Pai Nome da Mãe Morada Freguesia Código Postal - Contacto (s) telefónico (s) Email Aluno com NEE

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO PROGRAMA CAMINHAMIGA

REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO PROGRAMA CAMINHAMIGA REGULAMENTO MUNICIPAL PARA REPARAÇÕES DOMÉSTICAS AO DOMICÍLIO PROGRAMA CAMINHAMIGA ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de acesso Artigo 4.º - Serviços prestados

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

59542 Diário da República, 2.ª série N.º 236 7 de Dezembro de 2010

59542 Diário da República, 2.ª série N.º 236 7 de Dezembro de 2010 59542 Diário da República, 2.ª série 236 7 de Dezembro de 2010 ANEXO 204012459 MUNICÍPIO DE PINHEL Edital n.º 1231/2010 António Luís Monteiro Ruas, Presidente da Câmara Municipal de Pinhel, torna público

Leia mais

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho.

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho. REGULAMENTO O Prémio Manuel Lopes foi instituído 1 pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade no sentido de homenagear Manuel Lopes considerando a sua dedicação à implementação da contratação colectiva

Leia mais

Programa de Concurso. Artigo 1º. Encontra-se aberto concurso público para concessão, E M R E G I M E D E L O C A Ç Ã O D E

Programa de Concurso. Artigo 1º. Encontra-se aberto concurso público para concessão, E M R E G I M E D E L O C A Ç Ã O D E Concurso público, para a concessão, em regime de locação de estabelecimento comercial, do "Restaurante-Snack/Bar", sito na Barragem do Vilar, freguesia do Vilar, Município de Moimenta da Beira. Programa

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins)

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) Artigo 1º. - A Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social, designada

Leia mais

APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. APROVA PROCEDIMENTOS DE ADMISSÃO DE EMPREGADOS DO SESCOOP/PR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. RESOLUÇÃO Nº: 025 DO SESCOOP/PR 08/07/2004. SUMÁRIO Finalidade 1. Da Finalidade 2. Da Admissão 3. Da Carteira de Trabalho

Leia mais

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011

8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 8-(4) Diário da República, 1.ª série N.º 1 3 de Janeiro de 2011 Decreto Regulamentar n.º 1-A/2011 de 3 de Janeiro O Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social, aprovado

Leia mais

PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI ÍNDICE

PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI ÍNDICE PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI Artigo l º - Âmbito de aplicação Artigo 2º - Objecto Artigo 3º - Definições * Artigo

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

( DR N.º 169, Série I 3 Setembro 2007 3 Setembro 2007 )

( DR N.º 169, Série I 3 Setembro 2007 3 Setembro 2007 ) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 308/2007, de 3 de Setembro, Cria o programa Porta 65 - Arrendamento por Jovens, instrumento de apoio financeiro ao arrendamento por jovens, e revoga o Decreto-Lei n.º 162/92,

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã CML 015.000 1 Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS.

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS. REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS. Preâmbulo Em 28 de Novembro de 1995, foi publicado o Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

I SÉRIE BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU SUMÁRIO. Número 24. Segunda-feira, 13 de Junho de 2016

I SÉRIE BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU SUMÁRIO. Número 24. Segunda-feira, 13 de Junho de 2016 24 Número 24 I SÉRIE do Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau, constituído pelas séries I e II Segunda-feira, 13 de Junho de 2016 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL

Leia mais

O presente Regulamento aplica-se a toda a área do Município de Moura. Artigo 2º Objecto

O presente Regulamento aplica-se a toda a área do Município de Moura. Artigo 2º Objecto REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI ( Aprovado na sessão da Assembleia Municipal de Moura em 20 /6/03) CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro

Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Portaria 1191/2003, de 10 de Outubro Regula a concessão de apoios a projectos que dêm lugar à criação de novas entidades que originam a criação liquida de postos de trabalho Na apresentação do respectivo

Leia mais

CONCURSO DE FOTOGRAFIA

CONCURSO DE FOTOGRAFIA CONCURSO DE FOTOGRAFIA Igualdade em Albufeira Apoios: Financiado por REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA Enquadramento Concurso de fotografia subordinado ao Tema Igualdade em Albufeira, instituído pela

Leia mais

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento

Gouvijovem. Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia. Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Gouvijovem Programa de Apoio à Fixação de Jovens no Concelho de Gouveia Regulamento Preâmbulo O Concelho de Gouveia vem

Leia mais

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada

Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada FREGUESIA DO ESTREITO DE CÂMARA DE LOBOS JUNTA DE FREGUESIA Projeto de Regulamento de Intervenção Social de Apoio à População Carenciada A intervenção social visa prestar apoio aos agregados familiares

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA

REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE APOIOS SOCIAIS A CIDADÃOS RESIDENTES NA FREGUESIA DA MISERICÓRDIA Artigo 1.º (Objeto) O presente Regulamento define a natureza, os objetivos e as condições de atribuição

Leia mais

PROGRAMA DE PROCEDIMENTO

PROGRAMA DE PROCEDIMENTO PROGRAMA DE PROCEDIMENTO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROCEDIMENTO 1.1. Concurso público para atribuição de quatro licenças para o exercício da atividade de transporte de aluguer em veículos automóveis ligeiros

Leia mais

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF)

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) 1 Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) nos estabelecimentos de educação pré-escolar da rede pública do concelho de Vendas Novas PREÂMBULO O Programa de Expansão

Leia mais

APÊNDICE N.º 29 II SÉRIE N.º 49 27 de Fevereiro de 2004 CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE. CAPÍTULO I Disposições gerais. CAPÍTULO II Acesso à actividade

APÊNDICE N.º 29 II SÉRIE N.º 49 27 de Fevereiro de 2004 CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE. CAPÍTULO I Disposições gerais. CAPÍTULO II Acesso à actividade 36 APÊNDICE N.º 29 II SÉRIE N.º 49 27 de Fevereiro de 2004 CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE Aviso n.º 1471/2004 (2.ª série) AP. Dr. Carlos Alberto dos Santos Tuta, presidente da Câmara Municipal de Monchique:

Leia mais

AVISO. Por ter sido publicado de forma inexacta no dia 24 de Junho de 2013, rectificamos a publicação. EDITAL DE CONCURSO

AVISO. Por ter sido publicado de forma inexacta no dia 24 de Junho de 2013, rectificamos a publicação. EDITAL DE CONCURSO AVISO Por ter sido publicado de forma inexacta no dia 24 de Junho de 2013, rectificamos a publicação. EDITAL DE CONCURSO O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES O que é o Programa RENDA CONVENCIONADA? O programa renda convencionada tem como objeto o arrendamento de fogos municipais em bom estado de conservação ou a necessitar de pequenas reparações

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial

Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial EIXO PRIORITÁRIO IV QUALIFICAÇÃO DO SISTEMA URBANO MOBILIDADE TERRITORIAL Aviso para Apresentação de Candidaturas em Contínuo no Domínio da Mobilidade Territorial ML / IV / MT / 02 / 2010 Eixo Prioritário

Leia mais