Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para AHP e Plano de Garantia de Créditos para AHP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para AHP e Plano de Garantia de Créditos para AHP"

Transcrição

1 1. O que é o Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria? O Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria (adiante designado por regime de bonificação) é promovido pelo Governo da RAEM, para atenuar a pressão sentida pelos residentes em relação aos encargos dos juros das prestações na aquisição de habitação, no prazo de um ano. O valor da avaliação da fracção, calculado pela instituição de crédito, não pode exceder dois milhões e seiscentas mil patacas, incluindo as habitações que estão em construção, mas o limite máximo do montante de crédito a bonificar é de um milhão de patacas; o limite máximo do prazo da bonificação de juros é de 10 anos e o nível da bonificação máxima anual é de 4%. 2. O que é o Plano de Garantia de Créditos para Aquisição de Habitação Própria? O Plano de Garantia de Créditos para Aquisição de Habitação Própria (adiante designado por plano de garantia) é promovido pelo Governo da RAEM, para atenuar a pressão sentida pelos residentes em relação ao pagamento inicial na aquisição de habitação, no prazo de um ano. O valor da avaliação da fracção, calculado pela instituição de crédito, não pode exceder dois milhões e seiscentas mil patacas, incluindo as habitações que estão em construção. A cada pedido pode ser prestada uma garantia de crédito no montante máximo de 20% do valor da avaliação da fracção, calculado pela instituição de crédito, não podendo, em caso algum, ser superior a quatrocentas mil patacas. O respectivo montante de garantia de crédito não inclui os juros e demais encargos que forem devidos e o beneficiário deve suportar, pelo menos, 10% do preço no pagamento inicial. A garantia de crédito é prestada por um período máximo de 15 anos. 3. As candidaturas ao Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria e ao Plano de Garantia de Créditos para Aquisição de Habitação Própria podem ser apresentadas individualmente? O contrato-promessa de compra e venda da fracção do requerente deve ser celebrado após a entrada em vigor do presentes regulamentos administrativos (29 de Junho de 2009 ou posteriormente), assim o requerente pode candidatar-se individualmente ou em conjunto ao Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria e ao Plano de Garantia de Créditos para Aquisição de Habitação Própria, desde que a fracção a adquirir se destine a habitação própria do requerente e do seu agregado familiar e com excepção dos cônjuges não residentes de Macau, os cônjuges dos elementos do agregado familiar devem constar do mesmo boletim de candidatura.

2 4. Quais são os requisitos de candidatura do Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria e do Plano de Garantia de Créditos para Aquisição de Habitação Própria? Podem candidatar-se aos dois planos os agregados familiares ou indivíduos. O requerente deve: ter 21 anos de idade, residir em Macau há 7 anos e ser portador do bilhete de identidade de residente permanente de Macau, nenhum candidato individual ou elemento do agregado familiar e seus cônjuges, nos 3 anos imediatamente anteriores à data de apresentação da candidatura e até à data da decisão de concessão da bonificação e de prestação da garantia de crédito (caso as candidaturas sejam apresentadas ao mesmo tempo), terem propriedade habitacional ou qualquer terreno do domínio privado. Além disso, o elemento de agregado familiar que figure noutro boletim de candidatura ao qual o IH já tenha autorizado a aquisição de habitação económica, aquisição de habitação em termo do regime anterior de bonificação de crédito, regime de bonificação ou plano de garantia de crédito, em princípio não podem candidatar-se, mas o Instituto de Habitação, adiante designado por IH, pode considerar a situação excepcional, desde que tenha apresentado motivo de justificação, por escrito, na entrega de candidatura. Situação a título excepcional De acordo com as disposições, aqueles que têm inscritos na habitação económica e Regime de bonificação ao crédito para aquisição ou locação financeira de habitação própria (regime anterior de bonificação) como elementos do agregado familiar, não podem duplicar a inscrição no Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria, mas nos termos do regulamento, o presidente do IH, a título excepcional, desde que devidamente justificado, pode autorizar o requerente e os elementos do agregado familiar deixar de fazer parte do agregado familiar inscrito. O IH para normalizar os critérios do afastamento do elemento do agregado familiar da habitação económica e o regime anterior da bonificação tem fixado um conjunto de regras, com os seguintes conteúdos: a) A autorização a título excepcional significa não é necessário cancelar o dado da inscrição do elemento do agregado familiar no IH e autoriza o deferimento ao Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria; b) A autorização a título excepcional deve ser solicitada por escrito pelo requerente; c) As condições que reúnam à autorização a título excepcional (deve reunir umas das alíneas): - A escritura da habitação económica em que estão inscritos os elementos do agregado familiar tenha celebrado e passado o prazo de inalienabilidade;

3 - A fracção da habitação económica que tenha passado o prazo de inalienabilidade, mas ainda não tenha celebrado a escritura, os restantes elementos do agregado familiar devem estar em conformidade com o requisito do número mínimo da respectiva tipologia da habitação; - Elemento do agregado familiar não cônjuge do regime anterior de bonificação, salvo no caso de divórcio; - Elemento do agregado familiar não cônjuge do regime de bonificação, salvo no caso de divórcio; d) Caso os beneficiários e os elementos do agregado familiar do regime de bonificação sejam requerentes do concurso da habitação económica ou habitação social, devem cancelar o boletim de inscrição para concurso; e) Caso os beneficiários e os elementos do agregado familiar do regime de bonificação sejam elementos do agregado familiar do concurso da habitação económica ou habitação social, devem cancelar a inscrição do elemento, a pontuação do boletim de inscrição para concurso é calculada e reordenado de novo; f) Caso os beneficiários e os elementos do agregado familiar do regime de bonificação sejam arrendatários da habitação social, devem devolver a habitação social; g) Caso os beneficiários e os elementos do agregado familiar do regime de bonificação sejam elementos do agregado familiar da habitação social, devem cancelar a inscrição do elemento e celebrar de novo o contrato de arrendamento da habitação social; f) Caso os beneficiários e os elementos do agregado familiar do regime de bonificação sejam residentes da edificação informal registada, é solicitado pelo IH o cancelamento do registo da respectiva edificação informal. 5. Quais são as formalidades de candidatura do Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria e do Plano de Garantia de Créditos para Aquisição de Habitação Própria? Os interessados do Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria e do Plano de Garantia de Créditos para Aquisição de Habitação Própria, devem proceder as seguintes formalidades de candidatura: a) O boletim de candidatura deve ser entregue no IH, devidamente preenchido e assinado; b) O boletim de candidatura deve ser instruído com cópia dos documentos de identificação do requerente e dos elementos do agregado familiar; c) O boletim de candidatura deve ser entregue após a obtenção da autorização da concessão do crédito pela respectiva instituição de crédito e antes da

4 celebração da escritura do contrato de empréstimo; d) Com vista à observância os limites dos encargos decorrentes das bonificações e do total do montante da prestação das garantias de crédito (caso as candidaturas sejam apresentadas ao mesmo tempo), os processos são ordenados sequencialmente, de acordo com o número de registo da entrada no IH; e) Caso o processo de candidatura não se encontre devidamente instruído, o seu número de ordem corresponde ao do registo da entrada do elemento que o complete. 6. Quais são as situações que implicam a cessação da concessão da bonificação? A concessão da bonificação pode ser cessada quando se verifique as seguintes situações: a) A transmissão, que não seja por virtude de sucessão, das fracções autónomas durante os primeiros 5 anos, contados a partir da data de celebração da escritura do contrato de empréstimo, implica a cessação da bonificação e a devolução do montante das bonificações recebidas pelo beneficiário acrescido dos respectivos juros legais. b) A bonificação pode ser cessada quando se verifique uma das seguintes situações, mas não é exigida ao beneficiário a reposição dos montantes das bonificações recebidos: - Transmissão da fracção autónoma após os primeiros 5 anos, contados a partir da data de celebração da escritura do contrato de empréstimo, salvo no caso de transmissão por sucessão; - A fracção autónoma seja objecto de segunda hipoteca; - A fracção autónoma seja hipotecada a outra instituição de crédito. c) Em conformidade com as situações acima referidas, o beneficiário deve requerer um documento emitido pelo IH, comprovativo de que satisfez todas as obrigações decorrentes do regime de bonificação, os notários só podem celebrar as escrituras públicas de que resulte a transmissão, constituição de segunda hipoteca ou hipoteca a outra instituição de crédito da respectiva fracção autónoma, após a recepção do respectivo documento. 7. Quais são as situações que os beneficiários ficam sujeitos às sanções? Os beneficiários ficam sujeitos à devolução, em dobro, das importâncias recebidas a título de bonificação quando: a) Seja dada à fracção finalidade diversa da de habitação própria; b) Se verifique, posteriormente, que o beneficiário ou algum dos elementos do seu

5 agregado familiar, declarado no boletim de candidatura, não satisfaziam os requisitos previstos no regime de bonificação. - Caso o beneficiário entre em mora no reembolso do crédito bonificado, por período superior a 3 meses, pode ser cancelada a concessão da bonificação e exigir a reposição dos montantes das bonificações já recebidos a esse título. - Se, por laços de casamento ou de união de facto, dois beneficiários vierem a constituir entre si um novo agregado familiar, devem ambos comunicar esse facto, por escrito, ao IH, no prazo de 3 meses, contados da sua ocorrência, a fim de ser cancelada a bonificação relativa a uma das fracções, sem necessidade de devolução do montante das bonificações já recebidas, senão ficam sujeitos à devolução, em dobro, do montante das bonificações já recebidas. 8. Caso queira consultar as informações sobre os respectivos planos, quais são os meios? Se os cidadãos queiram consultar as informações sobre o Regime de Bonificação de Juros de Crédito Concedido para Aquisição de Habitação Própria e o Plano de Garantia de Créditos para Aquisição de Habitação Própria, podem dirigir-se ao IH, sito na Travessa Norte do Patane, n.º 102, Ilha Verde, ou ligar através do telefone n.º Uma pessoa pode ou não candidatar-se? Pode. 10. Onde é que pode obter o boletim de candidatura? Pode dowloand na Internet? O boletim de candidatura pode ser obtido pessoalmente no IH ou através de download na página electrónica do IH. 11. Eu nunca comprei habitação, mas antes do casamento a minha mulher teve uma habitação e vendeu-a no ano passado, então posso ou não candidatar-se à bonificação? Não pode, porque o requerente e seu cônjuge, nos 3 anos imediatamente anteriores à data de apresentação da candidatura e até à data da decisão de concessão da bonificação, não podem possuir qualquer propriedade com finalidade habitacional. 12. Antes da entrada em vigor do diploma já comprei uma habitação, posso candidatar-se com esta habitação? Não pode, porque só pode candidatar-se quando o contrato-promessa de compra e venda da fracção é celebrado após a entrada em vigor do regulamento administrativo e reúne os requisitos de candidatura.

6 13. O meu marido não é residente permanente de Macau, irá influenciar ou não a candidatura? Não influencia, porque pode candidatar-se por um que reúne cumulativamente os seguintes requisitos: ter 21 anos de idade, residir em Macau há 7 anos e ser portador do bilhete de identidade de residente permanente da RAEM; o outro que não é residente permanente de Macau só pode ser elemento do agregado familiar. 14. Posso só candidatar-se à garantia de crédito? Pode, as candidaturas à bonificação de juros e à garantia de crédito podem ser apresentadas individualmente ou em conjunto. 15. Eu tenho 5 lugares de estacionamento de veículo e 1 loja comercial, posso candidatar-se à bonificação? Pode, possuir lugar de estacionamento de veículo e loja comercial não influencia a habilitação da candidatura. 16. Posso só candidatar-se à garantia de crédito? Pode, as candidaturas à bonificação de juros e à garantia de crédito podem ser apresentadas individualmente ou em conjunto. 17. Sou beneficiário do regime anterior de bonificação de crédito, posso candidatar-se? Não pode. 18. Eu vou casar brevemente com a minha namorada, podemos candidatar-se juntos? Não pode. Caso a candidatura não seja apresentada de forma de indivíduo, as relações do requerente e os seus agregados familiares devem ser ligadas por laços de casamento, união de facto, parentesco, afinidade ou adopção e que vivam em comunhão de mesa e habitação. 19. Sou proprietário que foi autorizado a aquisição da habitação económica pelo IH, mas a habitação económica foi vendida nos 5 anos atrás, posso candidatar-se à bonificação? Não pode. Os proprietários e seus cônjuges ao qual o IH tenha autorizado a aquisição da habitação económica, não reúnem as habilitações de candidatura, embora tenha vendido ou não a habitação económica. 20. Sou elemento do agregado familiar que foi autorizado a aquisição da habitação económica pelo IH, mas a habitação económica foi vendido nos 5 anos atrás, posso candidatar-se à bonificação? O IH, a título excepcional, desde que devidamente justificado, pode autorizar a candidatura ao regime de bonificação ao requerente ao qual que tenha deixado de fazer parte do respectivo agregado familiar.

7 21. Caso entregasse o boletim de candidatura, mas ainda não foi autorizado pelo IH, o banco depositará o montante do empréstimos na conta? Não, o banco só deposita o montante do empréstimos na conta, após a autorização da bonificação de juros e a emissão do termo de autorização. 22. Caso seja informado que as verbas da bonificação já foram tudo atribuídas, depois de ter apresentado o boletim de candidatura da bonificação? Os encargos totais decorrentes da concessão das bonificações e da prestação de garantia de crédito têm limites, publicamos periodicamente as respectivas informações, a fim de facilitar os cidadãos candidatarem-se adequadamente na aquisição de habitação. 23. Posso candidatar-se à bonificação e garantia de crédito para aquisição da habitação em construção? Como é que se trata, caso não seja possível celebrar escritura? Pode, mas a escritura do contrato de empréstimo deve ser celebrada no prazo de um ano, contado a partir da data de emissão do termo de autorização, caso não consegue celebrar a escritura dentro do prazo, deve solicitar a prorrogação do prazo de um ano, antes de expirar o prazo, mas até ao máximo de dois anos, caso ainda não consegue celebrar a escritura antes do prazo fixado, são canceladas as autorizações da concessão da bonificação e da prestação da garantia de crédito (caso as candidaturas sejam apresentadas ao mesmo tempo). 24. Se a candidatura da bonificação for autorizada, quando é que começa a receber as bonificações? Após o deferimento da bonificação de juros, emitirá um termo de autorização, a bonificação de juros é liquidada a partir da data da emissão do termo de autorização e concedida após a celebração da escritura. 25. Em Macau não tenho propriedade, mas estou amortizar uma habitação no exterior, posso candidatar-se à bonificação de juros? Pode candidatar-se à bonificação de juros, desde que não possui nos 3 anos imediatamente anteriores à data de apresentação da candidatura e até à data da decisão de concessão da bonificação, qualquer propriedade com finalidade habitacional ou terreno do domínio privado em Macau.

8 26. Comprei 1 loja comercial para residir, posso candidatar-se à bonificação para aquisição desta loja comercial? Para candidatar à bonificação de juros, a fracção tem que está registada com finalidade habitacional, o registo predial da loja comercial é registado com finalidade comercial, assim não reúne os requisitos de candidatura. 27. Eu nunca comprei habitação, mas abri 1 companhia e em nome da companhia adquiriu uma fracção habitacional, posso candidatar-se à bonificação de juros de crédito? Esta fracção habitacional foi adquirida em nome da companhia, assim a propriedade é a favor da companhia, não influencia a aquisição da fracção própria a seu nome. 28. Sou beneficiário do regime anterior de bonificação de crédito, mas nesta altura era elemento do agregado familiar e nunca comprei habitação, posso candidatar-se? O IH, a título excepcional, desde que devidamente justificado, pode autorizar a candidatura ao regime de bonificação ao requerente ao qual que tenha deixado de fazer parte do respectivo agregado familiar. 29. Caso eu seja beneficiário da bonificação de juros, e depois case com o meu marido que possui propriedade, a bonificação será ou não cancelada? Caso mantenha a residir na fracção bonificada após o casamento, não irá arrendar a fracção ou deixará devoluta permanentemente, assim não será cancelada a bonificação. 30. Se eu quiser vender a habitação bonificada, tenho de devolver o total das bonificações recebidas? A transmissão da fracção durante os primeiros 5 anos, contados a partir da data de celebração da escritura do contrato de empréstimo, implica a devolução do montante total das bonificações recebidas acrescido dos respectivos juros legais. Caso a transmissão da fracção depois dos 5 anos, não implica a devolução, desde que procede as formalidades do cancelamento da bonificação de juros. 31. Caso eu e a minha namorada em nome conjunto compremos uma habitação em construção e temos assinado o contrato provisório, posso candidatar-se como indivíduo à bonificação de juros? Não pode, caso a candidatura não seja apresentada de forma de indivíduo, as relações do requerente e os seus agregados familiares devem ser ligadas por laços de casamento, união de facto, parentesco, afinidade ou adopção e que vivam em comunhão de mesa e habitação. Além disso, o requerente do regime de bonificação deve ser o mesmo comprador (segundo outorgante) do contrato provisório.

9 32. Durante o período da obtenção da bonificação de juros, tenho que comprar habitação para os meus pais, a bonificação será ou não cancelada? Caso o beneficiário, durante o período da obtenção da bonificação, efectua investimento, desde que mantenha a residir na fracção bonificada, não irá arrendar a fracção ou deixará devoluta permanentemente, assim não será cancelada a bonificação. 33. Caso comprasse uma habitação em construção e vendesse-la dentro dos 3 anos, posso candidatar-se à bonificação? De acordo com as disposições da legislação, não ser proprietário nos 3 anos imediatamente anteriores à data de apresentação da candidatura e até à data da decisão de concessão da bonificação, qualquer propriedade com finalidade habitacional em Macau. No caso da situação da habitação em construção, não foi obtido o respectivo poder de propriedade e a respectiva habitação em construção foi transmitida antes da data da entrada em vigor da legislação, pelo que, pode candidatar-se à bonificação de juros. Caso for titular do empréstimo concedido para a aquisição da propriedade, antes da data da entrada em vigor da legislação e até à data da decisão de concessão da bonificação, assim não reúne a habilitação de candidatura. 34. Caso a fracção me seja vendida pelos meus pais, posso candidatar-se à bonificação de juros? Caso as ambas partes procedam às formalidades de acordo com as gerais de venda e compra da habitação e a fracção é comprada com amortização bancária, assim pode candidatar-se à bonificação. 35. Caso o valor da avaliação da fracção, calculado pelo banco, seja de HKD ,00, está ou não em conformidade com as condições de candidatura? Não está em conformidade com as condições de candidatura, porque de acordo com as disposições da legislação, o valor da avaliação não pode exceder a MOP ,00.

1. P: Quais são os requisitos para os candidatos ao Plano? R: O pedido é apresentado em nome de empresa comercial e preenche os seguintes requisitos:

1. P: Quais são os requisitos para os candidatos ao Plano? R: O pedido é apresentado em nome de empresa comercial e preenche os seguintes requisitos: P&R sobre o Plano de Apoio a Jovens Empreendedores As informações aqui prestadas servem apenas para efeitos de referência, não constituindo opiniões jurídicas, prevalecendo sempre os preceitos do Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE

REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS NO CONCELHO DO CARTAXO INDÍCE REGULAMENTO PARA PROGRAMA DE MELHORIA À HABITAÇÃO PARA AGREGADOS CARENCIADOS INDÍCE Preâmbulo 1 Artigo 1º Âmbito Artigo º Objecto Artigo º Tipos de apoios Artigo 4º Valor e modalidade de apoios económico

Leia mais

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos

Assistência Social. Instituto de Acção Social (IAS) Serviço de Apoio a Idosos Assistência Social A política de acção social do Governo da RAEM consiste principalmente em promover os serviços sociais para que correspondam às necessidades reais da sociedade, através da estreita colaboração

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

1. Condições de inscrição

1. Condições de inscrição Comissão de Registo dos Auditores e dos Contabilistas Regulamento das provas para inscrição inicial e revalidação de registo como auditor de contas Nos termos da alínea c) do nº 2 do artigo 4º do Estatuto

Leia mais

CONCURSO POR CLASSIFICAÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE 54 FOGOS A CUSTOS CONTROLADOS EM ESPICHE - LUZ CONSTRUÍDOS PELA EDIFER

CONCURSO POR CLASSIFICAÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE 54 FOGOS A CUSTOS CONTROLADOS EM ESPICHE - LUZ CONSTRUÍDOS PELA EDIFER CONCURSO POR CLASSIFICAÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE 54 FOGOS A CUSTOS CONTROLADOS EM ESPICHE - LUZ CONSTRUÍDOS PELA EDIFER Nos termos do artigo 65º da Constituição da República Portuguesa, todos têm direito,

Leia mais

«Sobre o local, data e horário» O local para apresentação de candidaturas situa-se na Rua do Campo, n. 162, Edifício Administração Pública, cave

«Sobre o local, data e horário» O local para apresentação de candidaturas situa-se na Rua do Campo, n. 162, Edifício Administração Pública, cave Concurso comum, de ingresso externo, os lugares vagos de técnico de 2.ª classe, 1.º escalão, da carreira de técnico, área de comunicação oral e escrita em língua chinesa Questões frequentes sobre a apresentação

Leia mais

GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO

GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO GUIA PRÁTICO VENDA DE IMÓVEIS POR AJUSTE DIRETO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Venda de Imóveis por

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados. Ano académico de 2016/2017

Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados. Ano académico de 2016/2017 Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados Ano académico de 2016/2017 1. Pergunta: Quais os documentos que devo de ler antes de apresentar o pedido? Devem ser lidos, pormenorizadamente,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O MUNICÍPIO DE AROUCA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR R E G U L A M E N T O NOTA JUSTIFICATIVA Cabe às autarquias locais tudo o que diz respeito aos interesses próprios, comuns

Leia mais

Edição Especial 28 de maio de 2014

Edição Especial 28 de maio de 2014 Edição Especial REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE FOGOS DO EMPREENDIMENTO DA AZINHAGA DOS BESOUROS, QUINTA DA FIGUEIRA, ENCOSTA DO SOL (Deliberação da CMA 19.03.2014) DISTRIBUIÇÃO GRATUITA (Deliberação

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO REGULAMENTO DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA PARA ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS DO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares

Leia mais

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES

FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES FAQS ATRIBUIÇÃO DE HABITAÇÕES 1 Onde é que posso obter o Regulamento do concurso? O Regulamento do concurso pode ser obtido: a) Nos escritórios da SPRHI, SA: - Rua Carvalho Araújo n.º38-b, em Ponta Delgada

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO

PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO PROJECTO DE REGULAMENTO PARA VENDA DE FRACÇÕES MUNICIPAIS HABITACIONAIS DEVOLUTAS A JOVENS, ATRAVÉS DE CONCURSO POR SORTEIO Preâmbulo Com o presente Regulamento pretende-se criar condições para o acesso

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho

S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS. Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho S.R. DA EDUCAÇÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 57/1999 de 22 de Julho Os hospitais são organizações de grande complexidade organizativa que exigem dos profissionais ligados à gestão especial competência

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR. CAPITULO I (Objecto e âmbito)

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR. CAPITULO I (Objecto e âmbito) REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR CAPITULO I (Objecto e âmbito) Artigo 1º (Objecto) O presente projecto de regulamento estabelece os princípios gerais e condições

Leia mais

KIT FGTS MODALIDADE - PAGAMENTO DE PARTE DO VALOR DAS PARCELAS

KIT FGTS MODALIDADE - PAGAMENTO DE PARTE DO VALOR DAS PARCELAS KIT FGTS CONSÓRCIO DE IMÓVEIS MODALIDADE - PAGAMENTO DE PARTE DO VALOR DAS PARCELAS INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO 1- Este KIT deve ser utilizado quando a opção de saque do FGTS for para Pagamento de Parte

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 16 de Setembro de 2005

BOLETIM MUNICIPAL CÂMARA MUNICIPAL DA AMADORA. Edição Especial 16 de Setembro de 2005 Edição Especial Regulamento e Programa de Con- curso de Venda de Fogos a Custos Controlados no Alto da Mira (Deliberação da CMA de 15 de Junho de 2005) (Deliberação da AMA de 24 de Junho de 2005) CÂMARA

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DO 3º ENCONTRO DE ENFERMAGEM DE EMERGÊNCIA. Enquadramento

REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DO 3º ENCONTRO DE ENFERMAGEM DE EMERGÊNCIA. Enquadramento REGULAMENTO DO CONCURSO DE FOTOGRAFIA DO 3º ENCONTRO DE ENFERMAGEM DE EMERGÊNCIA Enquadramento Concurso de fotografia subordinado ao Tema O Cuidar na Enfermagem na Urgência e Emergência, organizado pela

Leia mais

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO

À HABITAÇÃO DEGRADADA NO Praça Luis de Camões.2580-318 ALENQUER. Telel. 263730900. Fax 263711 504. e-mau: peral@cm-alenauer.ot i1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO À HABITAÇÃO DEGRADADA NO MUNICÍPIO DE ALENQUER Proposta da Câmara

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 (Recurso civil) Assuntos: Contrato de desenvolvimento para a habitação (CDH) Art.º 22.º do Decreto-Lei n.º 13/93/M, de 12 de Abril Execução de dívida relacionada

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

BANCO SANTANDER TOTTA, SA 2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) Entrada em vigor: 10-Mai-2016 (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos

BANCO SANTANDER TOTTA, SA 2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) Entrada em vigor: 10-Mai-2016 (ÍNDICE) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos 2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos (ÍNDICE) Crédito Habitação: contratos de crédito para aquisição, construção e realização de obras para habitação própria

Leia mais

Câmara Municipal de Fafe

Câmara Municipal de Fafe ÍNDICE REMISSIVO. Artigo 1º - Disposições gerais. Artigo 2º - Objeto e âmbito da aplicação. Artigo 3º- Conceitos. Artigo 4º - Natureza do apoio. Artigo 5º - Condições de acesso ao Programa Ser Solidário.

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa

MUNICÍPIO DE MONTEMOR-O-VELHO. Nota Justificativa Nota Justificativa A Constituição da República Portuguesa define no n.º 2 do artigo 73.º que O Estado promove a democratização da Educação e as demais condições para que a Educação, realizada através da

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 38/97/M. de 15 de Setembro

Decreto-Lei n.º 38/97/M. de 15 de Setembro Decreto-Lei n.º 38/97/M de 15 de Setembro As casas de câmbio têm estado reguladas no diploma que define os termos gerais do regime cambial, o qual, pela sua relevância, merece um estatuto autónomo. Por

Leia mais

ANEXO IV - OPERAÇÕES DE CRÉDITO, GARANTIAS BANCÁRIAS E DECLARAÇÕES DE CAPACIDADE FINANCEIRA. (Entrada em vigor: 01/11/2009)

ANEXO IV - OPERAÇÕES DE CRÉDITO, GARANTIAS BANCÁRIAS E DECLARAÇÕES DE CAPACIDADE FINANCEIRA. (Entrada em vigor: 01/11/2009) DE CAPACIDADE FINANCEIRA CONT. R.A. CONT. R. A. COMISSÕES COM ESTUDO E MONTAGEM 1. OPERAÇÕES DE CRÉDITO A PARTICULARES 1.1. CRÉDITO À HABITAÇÃO (compra, construção ou obras) / INVESTIMENTO EM IMOBILIÁRIO

Leia mais

2. O prazo de abertura de concurso é de 30 dias contados a partir da data da afixação do anúncio de abertura do concurso.

2. O prazo de abertura de concurso é de 30 dias contados a partir da data da afixação do anúncio de abertura do concurso. Programa do Concurso Relativo à Atribuição do Direito ao Arrendamento de 3 Fogos nas Freguesias de S. Salvador, Gafanha da Encarnação (Costa Nova) e Gafanha da Nazaré I. Disposições Gerais 1. O presente

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE NAMORADOS DO MINHO MANUAL DE CERTIFICAÇÃO DOS LENÇOS DE ADERE-MINHO Edição 1, Revisão 0, de 18 de Dezembro de 2012 Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: [Lisa Ramos]/[Técnica de Qualidade] [Teresa Costa]/[Directora

Leia mais

REF.: Amortização extraordinária do saldo devedor de contrato de financiamento habitacional

REF.: Amortização extraordinária do saldo devedor de contrato de financiamento habitacional , de de. Ao Banco Santander (Brasil) S.A. Crédito Imobiliário REF.: Amortização extraordinária do saldo devedor de contrato de financiamento habitacional Solicito, neste ato, a Amortização Extraordinária

Leia mais

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS

INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL INSTITUTO GEOGRÁFICO PORTUGUÊS CONDIÇÕES E DOCUMENTAÇÃO PARA REQUERER CONCESSÃO / RENOVAÇÃO DE ALVARÁ PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

Regulamento Relativo aos Programas de Apoio Fundação GDA. Título I Disposições gerais. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação

Regulamento Relativo aos Programas de Apoio Fundação GDA. Título I Disposições gerais. Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação Regulamento Relativo aos Programas de Apoio Fundação GDA Título I Disposições gerais Artigo 1º Objecto e âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos concursos promovidos

Leia mais

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial.

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial. VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA

PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PROJETO DE REGULAMENTO DE VENDA E INSTALAÇÃO DO PARQUE EMPRESARIAL DE PROENÇA-A-NOVA PREÂMBULO Considerando que ao Município de Proença-a-Nova é sócio único da empresa municipal Pepa Parque Empresarial

Leia mais

qualidade de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente

qualidade de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente 1/5 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do

Leia mais

REQUERIMENTO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA PROCESSO DE RENOVAÇÃO FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO 2016

REQUERIMENTO DE BOLSA DE ESTUDO FILANTRÓPICA PROCESSO DE RENOVAÇÃO FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO 2016 1-DADOS DO ESTUDANTE Nome do aluno(a): Série que cursará em 2016: RG/CPF: Sexo: F ( ) M ( ) Data de nascimento: / / Idade 2. SITUAÇÃO SOCIOECONÔMICA FAMILIAR Pai: Idade: Data de nascimento: / / Naturalidade:

Leia mais

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Actualmente em Macau, designa-se geralmente por compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO de PORTALEGRE

INSTITUTO POLITÉCNICO de PORTALEGRE INSTITUTO POLITÉCNICO de PORTALEGRE Boletim de Candidatura a Bolsa de Estudo ANO LECTIVO 200 / 200 N.º de Processo FOTO (Obrigatório Colar) 1 Nome: Sexo: Estado Civil: Data de Nascimento: / / B.I.: de

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO - MONTANTE ÚNICO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações de Desemprego Montante Único

Leia mais

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução

Lei n. o 7/2013. Regime jurídico da promessa de transmissão. de edifícios em construção. Breve introdução Lei n. o 7/2013 Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção Breve introdução 1. O que regula essencialmente o Regime jurídico da promessa de transmissão de edifícios em construção?

Leia mais

C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL

C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL C MATRÍCULA E INSCRIÇÃO E RENOVAÇÃO DE INSCRIÇÃO ANUAL EM CURSO DO IPL 1. Matrícula e Inscrição 1.1. Ingressei no IPL através do Concurso Nacional de Acesso. Como procedo para efectuar a matrícula/inscrição?

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados. Ano académico de 2015/2016

Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados. Ano académico de 2015/2016 Perguntas e respostas sobre a bolsa de mérito para estudos pós-graduados Ano académico de 2015/2016 1. Pergunta: Quais os documentos que devo de ler antes de apresentar o pedido? Devem ser lidos, pormenorizadamente,

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para aquisição, construção e obras para habitação própria, secundária ou arrendamento, crédito sinal, transferências; multisoluções com a

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示.

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 第 309 /2005 號 行 政 長 官 批 示 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 114 /2005 號 社 會 文 化 司 司 長 批 示. 956 澳 門 特 別 行 政 區 公 報 第 一 組 第 40 期 2005 年 10 月 3 日 獨 一 條 許 可 透 過 三 月 二 十 二 日 第 89/99/M 號 訓 令 而 獲 授 許 可 於 澳 門 設 立 分 支 公 司 以 經 營 一 般 保 險 業 務 的 Companhia de Seguros Fidelidade S.A., 中 文 名 稱 為 忠 誠 保 險 公 司,

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º

BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO. DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º BOLSAS DE ESTUDO PARA APERFEIÇOAMENTO EM MÚSICA REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º 1. Com o fim de estimular a valorização profissional e a especialização nos diversos domínios da Música, a Fundação

Leia mais

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS

BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS MUNICIPIO DE VILA FRANCA DE XIRA CÂMARA MUNICIPAL BANCO DE AJUDAS TÉCNICAS Normas de Funcionamento Preâmbulo O presente documento concretiza e sistematiza o projecto de «Banco de Ajudas Técnicas do Concelho

Leia mais

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente documento tem por objetivo o estabelecimento das regras e condições

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA. 05-00-00-00-00 Outras despesas correntes 3,268,000.00. Total das despesas

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA. 05-00-00-00-00 Outras despesas correntes 3,268,000.00. Total das despesas 420 23 2010 6 7 Unidade: MOP Classificação funcional Classificação económica Designação Montante 02-03-07-00-00 Publicidade e propaganda 8-01-0 02-03-07-00-01 Encargos com anúncios 02-03-08-00-00 Trabalhos

Leia mais

Nome. Nome do Pai. Nome da Mãe. Morada. Freguesia Código Postal - Contacto (s) telefónico (s) Email. Nome. Nome. Nome

Nome. Nome do Pai. Nome da Mãe. Morada. Freguesia Código Postal - Contacto (s) telefónico (s) Email. Nome. Nome. Nome ESTABELECIMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo / IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO Data de Nascimento / / Nome do Pai Nome da Mãe Morada Freguesia Código Postal - Contacto (s) telefónico (s) Email Aluno com NEE

Leia mais

1. Legislação Aplicável

1. Legislação Aplicável VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010

Avisos do Banco de Portugal. Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 Avisos do Banco de Portugal Aviso do Banco de Portugal nº 2/2010 A Instrução nº 27/2003 consagrou no ordenamento jurídico nacional os procedimentos mais relevantes da Recomendação da Comissão nº 2001/193/CE,

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila"

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila Município de Figueiró dos Vinhos Regulamento do Programa de Incentivos à "Recuperação de Habitações na Zona Histórica da Vila" (regulamento que está em vigor após processo de alteração) Aprovado em reunião

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA (versão alterada em Dezembro 2011)

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA (versão alterada em Dezembro 2011) REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA (versão alterada em Dezembro 2011) A Câmara Municipal de Guimarães, no sentido de facilitar a acessibilidade e mobilidade das pessoas com Deficiência

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

Iniciar o processo de casamento

Iniciar o processo de casamento Casamento Registo Iniciar o processo de casamento Organizar o processo de casamento Condições para contrair casamento Regime de bens Quando celebrar Casar em Portugal com cidadãos estrangeiros Registo

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA N.º 48 2-12-2009 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU II SÉRIE 14591 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 批 示 摘 錄 摘 錄 自 行 政 長 官 於 二 零 零 九 年 九 月 八 日 作 出 的 批 示 : 根 據 現 行 澳 門 公 共 行 政 工 作 人 員 通 則 第 二

Leia mais

Utilização do FGTS Passo a passo para utilização do FGTS no seu contrato de financiamento imobiliário.

Utilização do FGTS Passo a passo para utilização do FGTS no seu contrato de financiamento imobiliário. Utilização do FGTS Passo a passo para utilização do FGTS no seu contrato de financiamento imobiliário. Itaú Crédito Imobiliário Em caso de dúvidas ou para obter mais informações, você tem à disposição

Leia mais

SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração.

SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração. DIPLOMA: Decreto-Lei n.º 89/95, de 06 de Maio SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração. ALTERAÇÕES: Declaração

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO

CONDIÇÕES GERAIS ORGANIZAÇÃO CONDIÇÕES GERAIS O presente programa/ catálogo é o documento informativo no qual se inserem as presentes condições gerais, dele fazendo parte integrante e que constituem, na ausência de documento autónomo

Leia mais

Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação

Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação Requerimento de Candidatura ao Apoio à Melhoria das Condições de Habitação Exmo. Senhor Presidente Câmara Municipal de Trancoso Nome, residente na Rua, Freguesia de, Concelho de Trancoso, telefone nr.,

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS Ao abrigo do disposto no artigo 241º da Constituição da Republica Portuguesas, e dos artigos 114º a 119º do Código do Procedimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de novembro de 2012. Série. Número 151

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 19 de novembro de 2012. Série. Número 151 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 19 de novembro de 2012 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DO PLANO E FINANÇAS E DOS ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 141-A/2012 Regulamenta

Leia mais

Que tipos de seguro/operações são explorados no ramo vida? Os seguros e operações do ramo Vida são:

Que tipos de seguro/operações são explorados no ramo vida? Os seguros e operações do ramo Vida são: Que tipos de seguro/operações são explorados no ramo vida? Os seguros e operações do ramo Vida são: seguros de vida; seguros de nupcialidade/natalidade; seguros ligados a fundos de investimento (unit linked);

Leia mais

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado)

INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) 21102015 INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL SEGURO DE VIDA LIGADO A FUNDOS DE INVESTIMENTO (UNIT LINKED) MAPFRE INVESTIMENTO DINÂMICO (Não Normalizado) (nos termos do Dec.-Lei n.º 72/2008 de 16 de Abril) SEGURADOR

Leia mais

CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Candidato

CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Candidato CONTRATO a TERMO RESOLUTIVO Manual do Lisboa, Setembro de 2007 Índice I Introdução... 3 II Inscrição Obrigatória. 4 III - Aplicação Contratação de Escola.......... 5 1. Acesso à aplicação Contratação de

Leia mais

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar)

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar) 1/10 REQUERIMENTO PARA: EMISSÃO DE ALVARÁ Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º.

REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA. Capítulo I. Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas. Artigo 1º. REGULAMENTO PARA PLANOS DE COMERCIALIZAÇÃO E VENDA Capítulo I Objecto e condições de elegibilidade das candidaturas Artigo 1º (Objecto) O Presente Regulamento tem por objecto a fixação das condições de

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos simples, não à ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Prazo Mobilização Antecipada Poupança Habitação Geral Clientes Particulares com mais de 30 anos. Depósito constituído em regime especial. 12 meses Após o decurso

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Art.º 1º. Art.º 2º. Art.º 3º 1/5 REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Art.º 1º (Disposições Gerais) 1 A Câmara Municipal de Paredes atribuirá em cada ano letivo as seguintes bolsas de estudo: - 12 bolsas a alunos do 10º ano

Leia mais

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012

Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012 Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) Viana do Alentejo, 27 de Janeiro de 2012 PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Destinatários

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE Concurso Público ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO URBANA Loteamento Municipal de Castro Verde 7 Lotes Loteamento Municipal de Santa bárbara de Padrões 15 Lotes Loteamento

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Página 1 de 10 REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Preâmbulo A Portaria n.º 401/2007, de 5 de

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DE TAXAS E PROPINAS APLICÁVEIS AOS ESTUDOS E CURSOS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO A regulamentação existente na Universidade de Aveiro em matéria de propinas encontra-se relativamente dispersa,

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Regulamento Geral de Taxas e Licenças

Regulamento Geral de Taxas e Licenças Regulamento Geral de Taxas e Licenças União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto) Janeiro/ 2014 Junta de Freguesia da União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro

Leia mais