NCE/11/01726 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NCE/11/01726 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos"

Transcrição

1 NCE/11/01726 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01726 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido o Relatório de Avaliação/Acreditação elaborado pela Comissão de Avaliação Externa relativamente ao novo ciclo de estudos Teatro 2. conferente do grau de Licenciado 3. a ser leccionado na unidade orgânica (faculdade, escola, instituto, etc.) Escola De Artes 4. a/o Universidade De Évora 5. decide: Apresentar pronúncia 6. Pronúncia (Português): Ver proníncia em anexo. 7. Pronúncia (Português e Inglês, PDF, máx. 100kB): (impresso na página seguinte) pág. 1 de 1

2 Anexos

3 Excelentíssimos membros da Comissão de Avaliação Externa (CAE) do processo NCE/11/01726, A Universidade de Évora congratula-se com o parecer positivo que foi dado ao projeto formativo submetido. Os comentários e as sugestões contidas no relatório parecem-nos pertinentes. Desde já agradecemos o contributo prestado para a melhoria do referido ciclo de estudos. Tendo em conta os vários aspetos referenciados cabe-nos, por um lado, juntar dados adicionais sobre itens onde havia falta de informação e por outro, justificar algumas das nossas opções que mereceram reparos. 2.3 Envia-se, em anexo, no final deste relatório o Regulamento do Concurso Local que, entretanto, foi aprovado pelas entidades competentes. Aguarda-se publicação no Diário da República Neste curso, a vertente complementar no domínio amplo do Teatro e Comunidade é abordada de forma meramente, generalista e propedêutica (tanto ao nível dos objetivos como ao nível dos conteúdos e estratégias). Assim sendo, considera-se que o adquirir competências básicas para o exercício de atividades profissionais no campo vasto da cultura, como na área da animação e formação sócio-comunitária, não deve ser lido como uma eventual saída profissional específica. Trata-se sim, de possibilitar uma abordagem de matérias associadas ao trabalho do ator num contexto profissional diversificado (temos provas disso num qualquer inquérito aos alunos licenciados até hoje), para além de oferecermos ao aluno, também assim, a possibilidade de identificar este perfil de saída profissional ou esta área de especialização do 2º ciclo ; 5.6 Ao longo do tempo tem existido colaboração entre a Universidade de Évora e o CENDREV, para o desenvolvimento de ações entre as duas instituições embora nos pareça, efetivamente, ser necessário encetar contactos que visem o reforço dessa mesma parceria. No mesmo sentido, com o Espaço do Tempo, já foram também desenvolvidos, tanto contactos como ações concretas. No sentido de se virem a desenvolver, no futuro, ações de conjunto continuadas, propomo-nos, no decorrer do próximo ano letivo, formalizar um protocolo que aproxime o Departamento de Artes Cénicas (DAC) ao Espaço do Tempo. Tanto num caso como no outro, estas parcerias poderão contribuir para o colmatar de necessidades ao nível dos recursos materiais, tal como poderão contribuir para o desenvolvimento de uma maior aproximação do DAC ao meio social e artístico da região. Para um melhor entendimento da parceria com o CENDREV podemos, caso a CAE assim o entenda, disponibilizar para consulta o protocolo em vigor entre as duas instituições. Conclusões: - na terminologia utilizada pela Universidade de Évora optativa condicionada, significa que o aluno terá de validar os créditos ECTS definidos, exclusivamente, em unidades curriculares que o DAC oferece (escolha condicionada às unidades curriculares oferecidas pelo DAC); por seu turno, optativa livre, significa que o aluno poderá fazer os créditos ECTS correspondentes, tanto em unidades curriculares

4 propostas pelo DAC, como também por qualquer outro departamento da Universidade, ou mesmo fora dela. no período preparatório que antecedeu a elaboração desta proposta foram encetados vários encontros com outros departamentos da Universidade, nomeadamente com todos aqueles que pertencem à Escola de Artes. Foram identificadas áreas e unidades curriculares que poderiam promover uma articulação formativa mais efetiva entre os cursos. No futuro, aquando das reformas dos outros cursos, prevê-se um aprofundar dessa articulação. No espaço das optativas livres, os alunos podem sempre frequentar unidades curriculares de Música e de Artes Visuais (isso mesmo tem acontecido com alguma frequência). Neste mesmo processo de diálogo, outros cursos da Universidade de Évora (nomeadamente, Psicologia, Educação de infância, Professores de 1º ciclo, Enfermagem), mostraram interesse em terem no seu plano de curso unidades curriculares no domínio do teatro. Algumas das unidades curriculares optativas que fazem parte do elenco proposto existem para dar resposta a essas solicitações. Assim sendo, os conteúdos programáticos dessas mesmas unidades devem ser lidos dentro desse contexto, ou seja, a aparente sobreposição de conteúdos referida surge para suprimir necessidades de conhecimento de alunos oriundos de cursos de outras áreas de formação. relativamente à questão da falta de formação dos alunos em determinadas saídas profissionais que se apontou, refira-se o seguinte: temos consciência que, em termos de objetivos de aprendizagem, a nossa proposta oferece uma deficitária formação profissional nas áreas da encenação, da dramaturgia e das técnicas de apoio ao teatro. No entanto, o fato de existir, no plano de estudos, unidades curriculares que abordam de forma mais direta cada uma destas áreas e o fato de se dar a possibilidade, nos projetos de criação, do aluno escolher a sua participação numa dessas áreas teatrais (dedicar-se, de forma exclusiva, a uma outra área que não seja a da arte do ator), levounos a considerar, no ponto 3.1.2, que poderíamos identificar como objetivo de aprendizagem o habilitar para outras áreas da criação (encenação, dramaturgia e técnicas de apoio ao teatro), para além da arte do ator. Em qualquer situação, trata-se de abrir ao aluno a possibilidade de identificar esses perfis de saída profissional ou então de identificar essas áreas de especialização a desenvolver em cursos de 2º ciclo.

5 Dear Sirs, members of the External Evaluation Committee (CAE) for the NCE/11/01726 process: The University of Évora is very pleased for the good impression caused by the new submitted educational project. Comments and suggestions contained in the report seem relevant to us, so we thank you in advance for your help in the improvement of the mentioned study cycle. Considering the several referenced aspects, we have to add additional data about items that had lack of information in one hand and, on the other hand, we have to justify some of our options that deserved observations. 2.3 We attach, in the end of this report, the Local Application Rules which were already approved by the entities. We are waiting for publication at the official Portuguese state edition Diário da República In this course, the complementary strand in the broad field of Theatre and community is approached in a merely generalist and preliminary way (as much as in terms of goals or about contents and strategies). Therefore, we consider that acquire basic skills to exercise professional activities in the broad field of culture, such as in animation and social and community education, must not be read as a casual specific professional output. In fact, it is meant to enable an approach of themes associated to the actor s work within a diversified professional context (we can prove that in any inquiry to graduated students till today), besides also offering the student, like this, the possibility to identify this professional output profile or this specialization area of the 2º Cycle (Master degree) ; 5.6 Over the years there has been a cooperation between University of Évora and CENDREV, to development of actions between both institutions although we really think that it s necessary to establish contacts to reinforce that partnership. Likewise, we have already developed contacts, as well as concrete actions, with Espaço do Tempo. In order to develop continued actions together in the future, during the next academic year we propose to settle an agreement that may bring the Department of Performing Arts (DAC) near to Espaço do Tempo. In both cases, these partnerships could contribute to fulfil some needs such as material resources, as well as contribute to development and a bigger DAC s approach to artistic and social milieu of this region. For a better understanding of our partnership with CENDREV we may, if so wished by CAE, make the existing agreement between both institutions available to consult. Conclusions:

6 - within the terminology used by University of Évora conditioned optional, it means that the student will have to authenticate the defined ECTS credits, exclusively in curricular units offered by DAC (choice conditioned to curricular units offered by DAC); on the other hand, free optional means that the student may accomplish the corresponding ECTS credits in curricular units proposed by DAC, as well as by any other Department of the University, or even away from it. - during the preparatory period that preceded the elaboration of this proposal, several meetings with other University Departments took place, namely with those that belong to the School of the Arts. Some areas and curricular units, that could promote an educational coordination more effective between the courses, were identified. In the future, during the reforms of the other courses, a depth coordination is expected. In the field of free optionals, students may always attend Music and Visual Arts curricular units (what has happened a few times). Within this dialogue process, other courses of the University of Évora (namely Psychology, Early Childhood Education, Teachers Training for 1 st Cycle, Nursing), showed their interest to have curricular units of theatre area in their own curricula. Some of the optional curricular units that belong to the proposed list do exist to respond to these requests. So, the syllabus of those units must be read within that context, in other words, the apparent overlap of contents that we referred appears to suppress needs of knowledge of students coming from other educational areas. - concerning the lack of a solid background in the students education in certain career opportunities that we pointed out, we would like to refer that we are aware that, about apprenticeship objectives, our proposal offers a deficient professional education in directing, dramaturgy and theatre support techniques areas. However, the fact that there are curricular units, in our curriculum, that approach directly each one of these areas and the fact that the students can choose, within the creative projects, their own participation in one of those theatrical areas (they may dedicate themselves, exclusively, to a different area from the one of art of the actor), led us to consider, in point , that we could identify, as an apprenticeship objective, the possibility to enable the students to other creative areas (directing, dramaturgy and theatre support techniques), besides the art of the actor. In any situation, we want to allow the student the possibility to identify those profiles of career opportunities, or to identify those specialization areas to be developed in 2º Cycle degrees (Masters).

7 ANEXO Regulamento do Concurso Local A requeriment o da Universidade de Évora; Colhido o parecer favorável da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior; Ao abrigo do dispost o n. os 3 e 4 do art igo 27.º do Decret o-lei n.º 296-A/ 98, de 25 de set embro, alt erado pelos Decret os-leis nº s 99/ 99, de 30 de março, 26/ 2003, de 7 de fevereiro, 76/ 2004, de 27 de março, 158/ 2004, de 30 de junho, 147-A/ 2006, de 31 de julho, 40/ 2007, de 20 de fevereiro, 45/ 2007, de 23 de fevereiro e 90/ 2008, de 30 de maio ret ificado pela Declaração de Ret ificação n.º 32-C/ 2008, de 16 de junho: No uso das compet ências delegadas pelo Minist ro da Educação e Ciência at ravés do Despacho n.º 645/ 2012, de 17 de janeiro: Manda o Governo, pelo Secret ário de Est ado do Ensino Superior, o seguint e: Art igo 1.º Alteração do regulamento O regulament o do concurso local para a mat rícula e inscrição no curso de licenciat ura em Teat ro da Universidade de Évora passa a t er a redação const ant e do anexo à present e port aria. Art igo 2.º Texto O t ext o referido no art igo ant erior considera-se, para t odos os efeit os legais, como fazendo part e int egrant e da present e port aria. Art igo 3.º Alterações Todas as alt erações ao regulament o são nele incorporadas at ravés de nova redação dos seus art igos ou de adit ament o de novos art igos. Art igo 4.º

8 Aplicação O regulament o anexo à present e port aria aplica-se a part ir da candidat ura à mat rícula e inscrição no ano let ivo de , inclusive. Art igo 5.º Entrada em vigor A present e port aria ent ra em vigor no dia imediat o ao da sua publicação. Pelo Minist ro da Educação e Ciência, João Filipe Cort ez Rodrigues Queiró, Secret ário de Est ado do Ensino Superior, em

9 REGULAM ENTO DO CONCURSO LOCAL PARA A M ATRÍCULA E INSCRIÇÃO NO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO Artigo 1.º Objecto e âmbito O present e Regulament o disciplina o concurso local para a mat rícula e inscrição no curso de Licenciat ura em Teat ro minist rado pela Universidade de Évora, adiant e designado por curso. Artigo 2º Avaliação da capacidade para a frequência A avaliação da capacidade para a frequência do curso faz-se at ravés de uma prova de apt idão vocacional específica. Artigo 3º Prova de aptidão vocacional específica 1 A prova de apt idão vocacional específica para o curso de licenciat ura em Teat ro dest ina-se a avaliar a capacidade para a frequência do curso, designadament e nos domínios: a) Da cult ura geral e t eat ral; b) Da int erpret ação; c) Das capacidades físicas: corpo e moviment o; d) Das capacidades vocais: voz e dicção; e) Das capacidades de improvisação e criat ividade; f) Da mot ivação. 2 A prova é const it uída por: a) Uma prova escrit a com duração máxima de uma hora e t rint a minut os, subordinada às áreas de cult ura geral e t eat ral (peso de 20%); b) Um monólogo de um t ext o clássico propost o pelo depart ament o (at é 3 minut os) e uma cena à escolha dos candidat os (at é 5 minut os) visando aferir as capacidades de int erpret ação e de composição cénica (peso de 30%); c) Para a realização da prova referida na alínea ant erior: ca) O candidat o pode fazer -se acompanhar de um at or para consigo cont racenar; cb) Os element os de cenografia t er um caráct er indicat ivo;

10 cc) Não é permit ida a inclusão de element os de iluminação e sonoplast ia; cd) A Universidade de Évora facult a cadeiras, mesas e est rados. d) Provas conjunt as em que se afere a disponibilidade física e vocal dos candidat os e a sua capacidade de improvisação e criação em grupo (peso de 30%); e) Uma breve ent revist a (peso de 20%). 3 Os domínios sobre que incidem as provas e a forma que revest em são divulgados no edit al a que se refere o art igo 13º 4 O exame escrit o e as provas específicas são classificados na escala int eira de 0 a A classificação f inal da prova de apt idão vocacional específica é a result ant e do cálculo das seguint es expressões, arredondadas às unidades, considerando-se como unidade a fracção não inferior a cinco décimas: 0,2xPE+ 0,3PICC + 0,3PIC + 0,2E em que: PE = classificação at ribuída ao exame escrit o; PICC = classif icação at ribuída à prova de int erpret ação e composição cénica; PIC = classificação at ribuída à prova de improvisação e criat ividade colet iva; E= classificação at ribuída à ent revist a. Artigo 4º Validade das provas As provas são válidas apenas para a candidat ura à mat rícula e inscrição no ano em que se realizam. Art igo 5.º Condições para a candidatura Podem apresent ar -se ao concurso os candidat os que reúnam as seguint es condições: a) Ser t it ular de um curso de ensino secundário ou de habilit ação legalment e equivalent e;

11 b) Ter realizado, com classificação não inferior a 95, uma das seguint es provas de ingresso no ensino superior: Hist ória da Cult ura e das Art es, Mat emát ica ou Port uguês. Art igo 6.º Titulares de cursos médios e superiores e de provas destinadas a avaliar a capacidade para a frequência do ensino superior dos maiores de 23 anos Podem aceder ao curso os t it ulares de cursos médios e superiores e os t it ulares das provas dest inadas a avaliar a capacidade para a f requência do ensino superior dos maiores de 23 anos, cujas condições de candidat ura se regem pelos regulament os próprios. Art igo 7.º Vagas A mat rícula e inscrição est ão sujeit as às limit ações quant it at ivas fixadas nos t ermos do art igo 4.º do Decret o-lei n.º 296-A/ 98, de 25 de set embro, alt erado pelos Decret os-leis n.º s 99/ 99, de 30 de março, 26/ 2003, de 7 de fevereiro, 76/ 2004, de 27 de março, 158/ 2004, de 30 de junho, 147-A/ 2006, de 31 de julho, 40/ 2007, de 20 de fevereiro, 45/ 2007, de 23 de fevereiro e 90/ 2008, de 30 de maio ret ificado pela Declaração de Ret ificação n.º 32-C/ 2008, de 16 de junho. Artigo 8º Local e prazo de apresentação da candidatura 1 O requeriment o de candidat ura é apresent ado no Depart ament o de Art es Cénicas da Universidade de Évora. 2 O prazo para a ent rega do requeriment o de candidat ura é fixado nos t ermos do art.º 25.º Artigo 9º Apresentação da candidatura Tem legit imidade para subscrever o requeriment o de candidat ura: a) O candidat o; b) Um seu procurador bast ant e; c) Sendo o est udant e menor, a pessoa que demonst re exercer o poder pat ernal ou t ut elar. Art igo 10.º Instrução do processo de candidatura 1 O processo de candidat ura é inst ruído com:

12 a) Requeriment o de candidat ura, formulado em impresso de modelo aprovado pelo órgão compet ent e da Universidade; b) Document o comprovat ivo da t it ularidade do curso do ensino secundário ou de habilit ação legalment e equivalent e; c) Document o comprovat ivo da realização de, pelo menos, uma das provas de ingresso no ensino superior referidas na alínea b) do art igo 5.º ; d) Curriculum Vit ae, com fot ografia e cart a de int enções para a frequência do curso. 2 No at o de ent rega do processo de candidat ura, os serviços compet ent es da Universidade fazem a conferência dos dados de ident ificação do candidat o at ravés da apresent ação obrigat ória do bilhet e de ident idade ou do cart ão de cidadão, podendo, em alt ernat iva, o candidat o ent regar uma fot ocópia simples do cart ão de cidadão ou do bilhet e de ident idade. Art igo 11.º Indeferimento liminar 1 São liminarment e indeferidos os requeriment os que: a) Não est ejam corret ament e formulados nos t ermos do art igo ant erior; b) Não cont enham a ident ificação do candidat o ou em que o pedido seja inint eligível; c) Não est ejam inst ruídos com a document ação necessária à sua inst rução; d) Sejam apresent ados fora de prazo; e) Expressament e inf rinjam alguma das regras fixadas no present e regulament o. 2 O indeferiment o liminar nos t ermos do número ant erior é da compet ência do reit or e deve ser fundament ado. Art igo 12.º Júri das provas do concurso 1 A organização das provas do concurso é da compet ência de um júri designado pelo reit or da Universidade de Évora, sob propost a do conselho do depart ament o de Art es Cénicas. 2 Compet e ao júri, nomeadament e: a) Fixar os domínios sobre que incidem as provas; b) Fixar os crit érios de avaliação a adot ar em cada uma das provas; c) Dar execução às provas e proceder à sua apreciação; d) Proceder às operações de seleção e seriação dos candidat os.

13 Art igo 13.º Edital e divulgação na Internet Por edit al do reit or, afixado na Universidade e no sít io da Int ernet da Universidade de Évora são divulgados, designadament e: a) O número máximo de candidat os que podem ser admit idos; b) Os domínios sobre que incidem as provas; c) Os crit érios de avaliação a adot ar em cada uma das provas; d) Os prazos para a prát ica dos at os previst os no present e regulament o. Artigo 14º Seleção A seleção dos candidat os é realizada com base: a) Na prova de apt idão vocacional específica onde deve ser obt ida uma classificação não inferior a 95; b) Na not a de candidat ura a que se refere o art igo seguint e, onde deve ser obt ida uma classif icação não inferior a 95. Artigo 15º Seriação 1 A seriação dos candidat os à mat rícula e inscrição no curso é realizada, com base numa not a de candidat ura, expressa na escala int eira de 0 a A not a de candidat ura é o result ado do cálculo da seguint e expressão: (0,4 x 10 x Es) + (0,6 x P) em que: Es = classificação final do curso de ensino secundário; P = classificação final da prova de apt idão vocacional específ ica. 3 Para os t it ulares de um curso médio, curso de especialização t ecnológica ou curso superior, a not a de candidat ura é o result ado do cálculo da seguint e expressão: (0,4 x 10 x CF) + (0,6 x P) em que: CF = classif icação f inal do curso médio, curso de especialização t ecnológica ou curso superior; P = classificação final da prova de apt idão vocacional específ ica.

14 Artigo 16º Colocação A colocação dos candidat os é feit a por ordem decrescent e da list a seriada elaborada nos t ermos do art igo ant erior, sem ult rapassar o número máximo de vagas fixado. Artigo 17º Desempate Sempre que dois ou mais candidat os em sit uação de empat e, result ant e da aplicação do crit ério de seriação a que se refere o art igo 15º, disput em a últ ima vaga ou o últ imo conjunt o de vagas do curso, são abert as t ant as vagas adicionais quant o as necessárias para os admit ir. Artigo 18º Competência As decisões sobre a candidat ura a que se refere o present e regulament o são da compet ência do reit or. Artigo 19º Resultado Final O result ado final exprime-se at ravés de uma das seguint es sit uações: a) Colocado; b) Não colocado; c) Excluído. Art igo 20º Comunicação da decisão 1 O result ado final é t ornado público at ravés de aviso afixado na Universidade e divulgado no sít io da Int ernet da Universidade de Évora no prazo f ixado nos t ermos do art igo 25.º 2 Das list as afixadas const am, relat ivament e a cada candidat o que se t enha apresent ado a concurso: a) Nome; b) Número e local de emissão do bilhet e de ident idade ou número do cart ão de cidadão; c) Not a de candidat ura a que se refere o art igo 15.º e valor das suas component es; d) Result ado f inal.

15 3 A menção da sit uação de Excluído é obrigat oriament e acompanhada da respet iva fundament ação legal. Art igo 21.º Reclamações 1 Do result ado f inal podem os candidat os apresent ar r eclamação fundament ada, no prazo fixado nos t ermos do art igo 25.º, mediant e exposição dirigida ao reit or. 2 A reclamação é ent regue no local onde o reclamant e apresent ou a candidat ura ou enviada pelo correio, em cart a regist ada. 3 São liminarment e rejeit adas as reclamações não fundament adas, bem como as que não hajam sido ent regues no prazo e no local devidos, nos t ermos dos números ant eriores. 4 As decisões sobre as reclamações que não hajam sido liminarment e rejeit adas nos t ermos do número ant erior, são not ificadas aos reclamant es at ravés de cart a regist ada com aviso de receção. 5 Ao procediment o relat ivo à apresent ação e decisão de reclamações é aplicável o regime do Código do Procediment o Administ rat ivo. Art igo 22.º Matrícula e inscrição 1 - Os candidat os colocados t êm direit o a proceder à mat rícula e inscrição no curso no prazo fixado nos t ermos do art igo 25.º 2 - A colocação apenas t em efeit o para o ano let ivo a que se refere, pelo que o direit o à mat rícula e inscrição caduca com o seu não exer cício dent ro do prazo fixado. Art igo 23.º Exclusão de candidatos 1 - Há lugar a exclusão do concurso, a t odo o t empo, dos candidat os que: a) Prest em falsas declarações; b) At uem no decurso das provas de maneira fraudulent a que implique o desvirt uament o dos objet ivos daquelas. 2 - A decisão a que se refere o número ant erior é da compet ência do reit or e deve ser fundament ada. Art igo 24.º Comunicação à Direção-Geral do Ensino Superior

16 Findo o prazo de mat rícula e inscrição, a Universidade envia à Direção-Geral do Ensino Superior uma list a onde const em t odos os candidat os que procederam à mesma, com indicação do nome e número do bilhet e de ident idade ou do cart ão de cidadão. Art igo 25.º Prazos Os prazos em que devem ser prat icados os at os previst os no present e regulament o são fixados pelo reit or devendo ser t ornados públicos at ravés de aviso afixado na Universidade de Évora e publicado no sít io da Int ernet da Universidade de Évora, em

NCE/09/00492 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/09/00492 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/09/00492 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/09/00492 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado

Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão Machado ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DR. JOSÉ TIMÓTEO MONTALVÃO MACHADO Regulamento dos concursos especiais para acesso e ingresso ao ensino superior na Escola Superior de Enfermagem Dr. José Timóteo Montalvão

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 30 de junho de 2014 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO CURSO DE LICENCIATURA EM ENFERMAGEM E DAS PROVAS

Leia mais

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/11/01206 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 2158 Diário da República, 1.ª série N.º 73 15 de abril de 2013 3) Despesas que resultem de transações entre cônjuges, parentes e afins em linha reta, entre adotantes e adotados e entre tutores e tutelados;

Leia mais

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores.

Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores. Regulamento dos regimes de reingresso, mudança de curso, transferência e do concurso especial de acesso para titulares de cursos superiores Preâmbulo De acordo com a portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril,

Leia mais

ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/02477 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE INGRESSO NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI PARA TITULARES DE CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE INGRESSO NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI PARA TITULARES DE CURSOS SUPERIORES REGULAMENTO DO CONCURSO ESPECIAL DE INGRESSO NA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI PARA TITULARES DE CURSOS SUPERIORES Artigo 1º (Objeto) 1 - O presente Regulamento disciplina o concurso

Leia mais

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PREÂMBULO Nos termos do artigo 11.º do Decreto -Lei n.º 43/2014 de 18 de março, é aprovado o Regulamento das Condições de Ingresso nos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) do Instituto Politécnico

Leia mais

Semestre do plano de estudos 1

Semestre do plano de estudos 1 Nome UC Inglês CU Name Código UC 6 Curso LEC Semestre do plano de estudos 1 Área científica Gestão Duração Semestral Horas de trabalho 54 ECTS 2 Horas de contacto TP - 22,5 Observações n.a. Docente responsável

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E CONCURSOS ESPECIAIS DE INGRESSO NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPAM AVEIRO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E CONCURSOS ESPECIAIS DE INGRESSO NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPAM AVEIRO REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E CONCURSOS ESPECIAIS DE INGRESSO NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPAM AVEIRO O Decreto-Lei nº 196/2006, de 10 de Outubro, criou as condições

Leia mais

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior nos Cursos Ministrados na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior nos Cursos Ministrados na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Regulamento dos Concursos Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior nos Cursos Ministrados na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro TÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito O presente

Leia mais

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica.

Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 88/2006, de 23 de maio, que regula os cursos de especialização tecnológica. Regulamento do Concurso Especial de Acesso aos Cursos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa para Titulares de Cursos Médios, Superiores e Pós- Secundários Tendo por base

Leia mais

Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferências e Reingressos do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 - O presente regulamento disciplina, no cumprimento

Leia mais

DESPACHO Nº 18/2007. Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso

DESPACHO Nº 18/2007. Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso DESPACHO Nº 18/2007 Assunto: Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso Nos termos do nº 1 do artigo 10º do Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso,

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1.

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO. Artigo 1. REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA NOS CURSOS DA UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Artigo 1.º Objeto O presente regulamento disciplina os regimes de reingresso,

Leia mais

DESPACHO Nº 14/2007(a), com as alterações introduzidas pelo DESPACHO Nº 13/R/2011 de 11 de Abril de 2011 (Versão consolidada)

DESPACHO Nº 14/2007(a), com as alterações introduzidas pelo DESPACHO Nº 13/R/2011 de 11 de Abril de 2011 (Versão consolidada) DESPACHO Nº 14/2007(a), com as alterações introduzidas pelo DESPACHO Nº 13/R/2011 de 11 de Abril de 2011 (Versão consolidada) Assunto: Regulamento dos concursos especiais de acesso aos ciclos de estudo

Leia mais

Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado

Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM Dr. José Timóteo Montalvão Machado Regulamento dos regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência no Ciclo de Estudos conducente ao Grau de Licenciado (Preâmbulo)

Leia mais

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores,

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores, Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores, Pós- Secundários e Médios 2014 2014 ÍNDICE Preâmbulo...

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014) 1/10 EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes

Leia mais

Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação O Presente Regulamento, nos termos dos artigos 11º, Condições de Ingresso, e 24º,

Leia mais

NCE/09/01342 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/09/01342 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/09/01342 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/09/01342 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA

REGULAMENTO DE ACESSO E INGRESSO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISVOUGA Página 1 de 6 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

Regulamento de Acesso e Ingresso

Regulamento de Acesso e Ingresso Página 1 de 7 Preâmbulo O presente regulamento define as regras de acesso e ingresso nos cursos técnicos superiores profissionais do ISVOUGA e institui os critérios pelos quais se pautam as provas de avaliação

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior

Escola Superior de Educação João de Deus. Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior Regulamento dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso no Ensino Superior 1 Artigo 1º Objeto e âmbito O disposto no presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos conducentes ao

Leia mais

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores

Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores Regulamento Geral dos Regimes de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso e do concurso Especial de Acesso para Titulares de Cursos Superiores 2015 Março de 2015 ÍNDICE Artigo 1º... 3 Objeto e Âmbito...

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 30 de dezembro de 2014 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO E TRANSFERÊNCIA Capítulo I Disposições gerais

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa. Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso PREÂMBULO Nos termos do disposto no artigo 10º do Regulamento

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Curso Técnico Superior Profissional

Escola Superior de Educação João de Deus. Curso Técnico Superior Profissional Curso Técnico Superior Profissional Regulamento das Condições de Ingresso (n.º 2 do artigo 11º do DL 43/2014) Artigo 1º Objeto O presente regulamento aplica-se aos ciclos de estudos superiores denominados

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA A Portaria n.º 401/2007, de 5 de abril, aprovou o Regulamento

Leia mais

ACEF/1112/12687 Guião para a auto avaliação

ACEF/1112/12687 Guião para a auto avaliação ACEF/1112/12687 Guião para a auto avaliação Caracterização do ciclo de estudos. A1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISPA, Crl A1.a. Descrição da instituição de ensino superior /

Leia mais

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Considerando o disposto na Portaria nº 268/2002 publicado em Diário da República, I Série-B, Nº61 de 13

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) Nos termos do disposto nos artigos 12º e 15º do Decreto-Lei

Leia mais

Regulamento da Candidatura através dos Concursos Especiais. Ano Letivo 2013/2014

Regulamento da Candidatura através dos Concursos Especiais. Ano Letivo 2013/2014 Regulamento da Candidatura através dos Concursos Especiais (Decreto-Lei nº393-b/99, de 2 de outubro, alterado pelo Decreto-lei nº64/2006, de 21 de março, pelo Decreto-Lei nº88/2006, de 23 de maio, e pela

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO (MESTRADO EM ENGENHARIA URBANA) (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil - Planeamento Urbanístico Engenharia Civil

Leia mais

REGULAMENTO. Este Regulamento, divulgado por Edital no sítio de internet da ESTC, integra normas relativas a:

REGULAMENTO. Este Regulamento, divulgado por Edital no sítio de internet da ESTC, integra normas relativas a: REGULAMENTO Este Regulamento contém normas específicas, de carácter imperativo, referentes ao concurso local de acesso ao 1.º ciclo do curso de Cinema (Licenciatura adequada ao modelo de Bolonha), organizado

Leia mais

ESE DO PORTO EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE PORTUGUÊS E INGLÊS NO 2 CICLO DO ENSINO BÁSICO (CANDIDATURA 2015 REF. ESE/M/EPI2CEB)

ESE DO PORTO EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE PORTUGUÊS E INGLÊS NO 2 CICLO DO ENSINO BÁSICO (CANDIDATURA 2015 REF. ESE/M/EPI2CEB) POLITÉCNICO ESE DO PORTO L p1 EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE PORTUGUÊS E INGLÊS NO 2 CICLO DO ENSINO BÁSICO (CANDIDATURA 2015 REF. ESE/M/EPI2CEB) Paulo Alberto da Silva Pereira, Presidente da Escola Superior

Leia mais

Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Comunicação Social

Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Comunicação Social Regulamento dos regimes de mudança de curso, transferência e reingresso da Escola Superior de Comunicação Social Objecto e âmbito Artigo 1.º Objecto e âmbito O presente regulamento disciplina no cumprimento

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA EDIÇÃO 2014/2015

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA EDIÇÃO 2014/2015 O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Manuel Simões da Rocha faz saber: 1. É aberto, com o calendário constante do Anexo I, o concurso de acesso para frequência, no ano letivo

Leia mais

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Considerando o disposto na Portaria nº 268/2002 publicado em Diário da República, I Série-B, Nº61 de 13

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais

REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais REGULAMENTO CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO E DA ADMINISTRAÇÃO (ISCIA) Disposições Gerais O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA EDIÇÃO 2015/2016

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO DA QUALIDADE, AMBIENTE E SEGURANÇA EDIÇÃO 2015/2016 O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Manuel Simões da Rocha faz saber: 1. É aberto, com o calendário constante do Anexo I, o concurso de acesso para frequência, no ano letivo

Leia mais

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6

Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 Regulamento Candidaturas Maiores de 23 Anos Página 1 de 6 REGULAMENTO DAS PROVAS DE ADMISSÃO AO INSTITUTO SUPERIOR DE PAÇOS DE BRANDÃO ISPAB PARA CANDIDATOS MAIORES DE 23 ANOS NÃO TITULARES DE HABILITAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Ao abrigo do disposto no artigo 10º da Portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril, aprovo o novo Regulamento do Regime de Mudança de Curso, Transferência e Reingresso do Instituto

Leia mais

ESE. L s / } EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE INGLÊS NO JO CICLO DO ENSINO BÁSICO (CANDIDATURA 2015 REF. ESE/M/EI1 CEB)

ESE. L s / } EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE INGLÊS NO JO CICLO DO ENSINO BÁSICO (CANDIDATURA 2015 REF. ESE/M/EI1 CEB) ESE POUTÉCNICO ESCOLA SUPERIOR DE EDUCACÃO 2 3, / } L s EDITAL MESTRADO EM ENSINO DE INGLÊS NO JO CICLO DO ENSINO BÁSICO (CANDIDATURA 2015 REF. ESE/M/EI1 CEB) Paulo Alberto da Silva Pereira, Presidente

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n.

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n. UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Resolução n.º 94/2006 Por resolução do conselho directivo da Faculdade de Ciências

Leia mais

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8

C1 C2 C3 C4 C5 C6 a) 6 2 1 2 1. Licenciatura em Design a) 20 8 10 14 8 EDITAL 1º Ciclo de Estudos - Ano Letivo 2015/2016 Concurso para os regimes de Reingresso, Mudança de Curso, Transferência, e Concursos Especiais de Ingresso (titulares de curso médio ou superior e maiores

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E CONCURSOS ESPECIAIS DE INGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E CONCURSOS ESPECIAIS DE INGRESSO IADE-U Instituto de Arte, Design e Empresa - Universitário REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO, MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E CONCURSOS ESPECIAIS DE INGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE REINGRESSO,

Leia mais

EDITAL PRES-EDT012-2015

EDITAL PRES-EDT012-2015 O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Manuel Simões da Rocha faz saber: 1. É aberto, com o calendário constante do Anexo I, o concurso de acesso para frequência, no ano letivo

Leia mais

Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos

Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos O Decreto-Lei nº64/2006, de 21 de Março, regulamenta as provas especialmente adequadas destinadas a avaliar

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS COORDENADORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS International Relations Office FORMULÁRIO DE CANDIDATURA PARA ESTUDANTE DE INTERCÂMBIO EXCHANGE STUDENT APPLICATION FORM Semestre

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Despacho Presidente n.º 2014/20 ABERTURA DE CANDIDATURAS AOS CURSOS DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE PÓS-LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO

Leia mais

DESPACHO/SP/43/2014. Artigo 1.º

DESPACHO/SP/43/2014. Artigo 1.º DESPACHO/SP/43/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Radiologia Especialização Ósteo-articular, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC), homologado

Leia mais

ESE POLITCNiCQ. r FASE EDITAL MESTRADO EM DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS DA NATUREZA E DA MATEMÁTICA (CANDIDATURA 2015- REF. ESEIMIDCNM)

ESE POLITCNiCQ. r FASE EDITAL MESTRADO EM DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS DA NATUREZA E DA MATEMÁTICA (CANDIDATURA 2015- REF. ESEIMIDCNM) ESE POLITCNiCQ DOPORTO ESCOLA SUPERIOR DE EDUCACÃO EDITAL MESTRADO EM DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS DA NATUREZA E DA MATEMÁTICA (CANDIDATURA 2015- REF. ESEIMIDCNM) r FASE Paulo Alberto da Silva Pereira, Presidente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) CONCURSO DE ACESSO E DE REINGRESSO NOS CURSOS DE MESTRADO. Edição de 2014/2015 EDITAL

ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) CONCURSO DE ACESSO E DE REINGRESSO NOS CURSOS DE MESTRADO. Edição de 2014/2015 EDITAL EDITAL João Alberto Sobrinho Teixeira, Presidente do Instituto Politécnico de Bragança; João Baptista da Costa Carvalho, Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave; Maria do Rosário Gambôa

Leia mais

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos.

Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência do Ensino Superior dos Maiores de 23 Anos. Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril Regulamento n.º 100/2006 (Diário da República II Série de 16 de Junho de 2006) Regulamento das Provas Especialmente Adequadas Destinadas a Avaliar a Capacidade

Leia mais

Regulamento do Concurso Local de Acesso Licenciatura em Teatro Ramo de Design de Cena

Regulamento do Concurso Local de Acesso Licenciatura em Teatro Ramo de Design de Cena Regulamento do Concurso Local de Acesso Licenciatura em Teatro Ramo de Design de Cena O curso de licenciatura em Teatro Ramo de Design de Cena ministrado no Departamento de Teatro da Escola Superior de

Leia mais

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AVALIAÇÃO E ANÁLISE DO INVENSTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIÇÃO 2014/2015

CONCURSO DE ACESSO AO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AVALIAÇÃO E ANÁLISE DO INVENSTIMENTO IMOBILIÁRIO EDIÇÃO 2014/2015 AVALIAÇÃO E ANÁLISE DO INVENSTIMENTO IMOBILIÁRIO O Presidente do Instituto Superior de Engenharia do Porto, João Manuel Simões da Rocha faz saber: 1. É aberto, com o calendário constante do Anexo I, o

Leia mais

ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia

ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia ACEF/1112/04062 Decisão de apresentação de pronúncia Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da Comissão de Avaliação Externa 1. Tendo recebido

Leia mais

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016

EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 2015/2016 EDITAL REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO NO ENSINO SUPERIOR 205/206 (Portaria n.e 40/2007, de 5 de abril, alterada pela portaria n.s 232-A/203, de 22 de julho, e pelo Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO. Artigo 1.º. Objecto e âmbito REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Artigo 1.º Objecto e âmbito 1 O presente regulamento disciplina, no cumprimento da Portaria n.º 401/2007, de 5 de Abril, os concursos

Leia mais

Regulamento das provas de ingresso nos cursos de Licenciatura em Educação Básica e em Gerontologia Social por alunos que realizaram o CET

Regulamento das provas de ingresso nos cursos de Licenciatura em Educação Básica e em Gerontologia Social por alunos que realizaram o CET Escola Superior de Educação João de Deus Regulamento das provas de ingresso nos cursos de Licenciatura em Educação Básica e em Gerontologia Social por alunos que Escola Superior de Educação João de Deus

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO Artigo 1.º Objectivo e Âmbito 1 - O presente regulamento estabelece, de acordo com o n.º 3 do artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com a redação dada pelos Decretos-Leis

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017)

EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA. (Edição 2015-2017) EDITAL MESTRADO EM INFORMÁTICA APLICADA (Edição 2015-2017) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16

Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito 2015-16 Mestrado em Ciências Jurídicas Especialização em História do Direito Unidade curricular História do Direito Português I (1º sem). Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento

Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Ficha de unidade curricular Curso de Doutoramento Unidade curricular História do Direito Português I (Doutoramento - 1º semestre) Docente responsável e respectiva carga lectiva na unidade curricular Prof.

Leia mais

NCE/13/00986 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00986 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/13/00986 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos NCE/13/00986 Decisão de apresentação de pronúncia - Novo ciclo de estudos Decisão de Apresentação de Pronúncia ao Relatório da

Leia mais

SCHOOLS LOOKING FOR STUDENTS FOR ERASMUS PLACEMENTS

SCHOOLS LOOKING FOR STUDENTS FOR ERASMUS PLACEMENTS SCHOOLS LOOKING FOR STUDENTS FOR ERASMUS PLACEMENTS 2015 /16 ESTÁGIOS ERASMUS EM ESCOLAS * ERASMUS PLACEMENTS IN SCHOOLS * [POR FAVOR, PREENCHA O FORMULÁRIO NA (NUMA DAS) LÍNGUA(S) DE TRABALHO DO ESTÁGIO:

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012)

EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS. (edição 2010-2012) EDITAL MESTRADO EM PROCESSOS QUÍMICOS E BIOLÓGICOS (edição 2010-2012) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março, com as alterações introduzidas

Leia mais

EGAS MONIZ COOPERATIVA DE ENSINO SUPERIOR, C. R. L.

EGAS MONIZ COOPERATIVA DE ENSINO SUPERIOR, C. R. L. EGAS MONIZ COOPERATIVA DE ENSINO SUPERIOR, C. R. L. Regulamento n.º 120/2006 (DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N.º 124 29 de Junho de 2006) Regulamento do Concurso Especial de Acesso e Ingresso no Ensino Superior

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO PROJECTO PROVAS EXPERIMENTAIS DE EXPRESSÃO ORAL DE LÍNGUA ESTRANGEIRA - 2005-2006 Ensino Secundário - Inglês, 12º ano - Nível de Continuação 1 1º Momento GUIÃO Domínio de Referência: CIDADANIA E MULTICULTURALISMO

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 3874 Diário da República, 1.ª série N.º 135 16 de julho de 2014 Artigo 13.º Unidades orgânicas flexíveis 1 O número máximo de unidades orgânicas flexíveis da SG é fixado em 16. 2 As unidades orgânicas

Leia mais

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Instituto Superior Miguel Torga Escola Superior de Altos Estudos Cláudia Sofia da Costa Duarte As Novas Tecnologias como componente da Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Dissertação de Mestrado em

Leia mais

FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES

FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES FICHAS DE UNIDADES CURRICULARES a. Unidade curricular Course unit title: Construção da Imagem Fílmica Construction of the Filmic Image Código: 01343927 Code: 01343927 b. ECTS: 5.0 c. Horas de contacto

Leia mais

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014)

EDITAL. MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) EDITAL MESTRADO EM COMÉRCIO ELECTRÓNICO (3ª Edição 2012/2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/200, de 24 de Março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso, Mudança de Par/Instituição/Curso

Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso, Mudança de Par/Instituição/Curso Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso, Mudança de Par/Instituição/Curso A Portaria nº 181-D/2015, de 19 de junho, aprova o Regulamento Geral dos Regimes de Reingresso e de Mudança de Par Instituição

Leia mais

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades

GUIÃO A. Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho. 1º Momento. Intervenientes e Tempos. Descrição das actividades Ano: 9º Domínio de Referência: O Mundo do Trabalho GUIÃO A 1º Momento Intervenientes e Tempos Descrição das actividades Good morning / afternoon / evening, A and B. For about three minutes, I would like

Leia mais

CEF/0910/25706 Decisão de Apresentação de Pronúncia (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/25706 Decisão de Apresentação de Pronúncia (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/25706 Decisão de Apresentação de Pronúncia (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/25706 Decisão de Apresentação de Pronúncia (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Decisão de

Leia mais

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM EDITAL CURSOS DE PÓS LICENCIATURA DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Considerando o disposto na Portaria nº 268/2002 publicada em Diário da República, I Série-B, Nº61 de 13

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA. ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição 2012-2014) EDITAL MESTRADO EM FISIOTERAPIA ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO DE MOVIMENTO HUMANO (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com as alterações

Leia mais

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau

Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares. Artigo 1.º Grau Pós-Graduação em Arte Contemporânea Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere a Pós-Graduação em Arte Contemporânea Artigo 2.º Objectivos do curso 1. A Pós-Graduação

Leia mais

ANÚNCIO. 2 - O prazo para apresentação de candidaturas ao procedimento concursal inicia-se no dia 02.01.2014 e termina no dia 16.01.2014.

ANÚNCIO. 2 - O prazo para apresentação de candidaturas ao procedimento concursal inicia-se no dia 02.01.2014 e termina no dia 16.01.2014. ANÚNCIO Por Despacho do Diretor do Centro de Estudos Judiciários, Professor Doutor António Pedro Barbas Homem, de 13 de dezembro de 2013, é aberto o procedimento concursal extraordinário e urgente de formação

Leia mais

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire

Cultural Identity of Young Volunteers Differences and understanding Empowering People. Volunteer Profile Questionnaire Volunteer Profile Questionnaire 1 Índice 1 VOLUNTEER PROFILE QUESTIONNAIRE... 1.1 Country... 1. AGE... 1. GENDER... 1..1 GENDER vs... 1. Qualification... 1..1 QUALIFICATION GREECE VS PORTUGAL... 1. Are

Leia mais

Reitoria. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-40/2015

Reitoria. O Reitor. António M. Cunha. despacho RT-40/2015 Reitoria despacho RT-40/2015 Por proposta dos Serviços Académicos da Universidade do Minho, é homologado, para o ano letivo de 2015/16, o Regulamento dos Concursos Especiais para Acesso ao Ensino Superior

Leia mais

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO)

SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) SUPLEMENTO AO DIPLOMA DA UNIVERSIDADE DO MINHO MESTRADO EM CONSTRUÇÃO E REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEIS (2º CICLO) 1 Principal(ais) área(s) de estudo da qualificação: Engenharia Civil 2 Língua(s) de aprendizagem/avaliação:

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015 ÍNDICE 1. Quem pode candidatar-se 3 2. Como candidatar-se 3 3. Opções de candidatura 5 4. Exames/Provas de ingresso 6 5. Pré-requisitos 7 6. Contingentes especiais 8 7. Preferências regionais 13 8. Preferências

Leia mais

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA

75, 8.º DTO 1250-068 LISBOA EAbrief: Medida de incentivo ao emprego mediante o reembolso da taxa social única EAbrief: Employment incentive measure through the unique social rate reimbursement Portaria n.º 229/2012, de 03 de Agosto

Leia mais

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre O presente regulamento procura dar unidade e consistência lógica ao regime a que devem obedecer

Leia mais