ACABAMENTO NAS LAJES DAS GALERIAS ELETROMECÂNICAS DA EXPANSÃO DA UHE TUCURUÍ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACABAMENTO NAS LAJES DAS GALERIAS ELETROMECÂNICAS DA EXPANSÃO DA UHE TUCURUÍ"

Transcrição

1 COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS XXVII SEMINÁRIO NACIONAL DE GRANDES BARRAGENS BELÉM PA, 03 A 07 DE JUNHO DE 2007 T100 A10 ACABAMENTO NAS LAJES DAS GALERIAS ELETROMECÂNICAS DA EXPANSÃO DA UHE TUCURUÍ Danilo Queiroz de SÁ Engenheiro Civil, Líder da Fiscalização do Acabamento da UHE Tucuruí - Eletronorte. Fabio de Oliveira PENNA Neto Engenheiro Civil, Líder do Laboratório de Materiais de Construção da UHE Tucuruí - Eletronorte. Francisco de Assis Freire dos SANTOS Técnico Especializado, Líder da Fiscalização do Acabamento da UHE Tucuruí - Eletronorte. RESUMO Este trabalho apresenta as disposições construtivas, bem como as dosagens de traços de concreto e argamassas, utilizados na execução do acabamento dos pisos das galerias eletromecânicas da casa de força, da etapa de expansão da UHE Tucuruí. Para este acabamento foram especificados um concreto de enchimento, com fck de 15 Mpa aos 90 dias, que permitiu abrigar todos os embutidos necessários ao funcionamento do sistema eletromecânico e sobre este, aplicação de um contrapiso, com 40mm de espessura e a argamassa de alta resistência, com fck de 50 Mpa aos 90 dias, 10 mm de espessura e acabamento polido. ABSTRACT This paper presents the construction arrangement as well as the concrete and mortar mixes design that were used in the execution of finishing floors works at the electromechanical galleries in the Tucuruí Power Plant extension works in. For the finishing, it was specified a backfilling concrete, with an fck of 15 MPa at 90 days to house all the embedded materials for the operation of the electromechanical system. Besides that, there were also overlay mortar with 40 mm thickness and a layer of high strength mortar with fck of 50 MPa at 90 days and 10 mm thickness for the finishing polish. 1

2 1. INTRODUÇÃO A Usina Hidrelétrica Tucuruí, construída e operada pela ELETRONORTE, situa-se no rio Tocantins, 300 km em linha reta ao Sul da cidade de Belém, capital do Estado do Pará. Possui potência instalada na 1ª Etapa de MW, com 12 unidades hidrogeradoras, cada uma com 350 MW de potência nominal, acrescida de duas unidades auxiliares com 22,5 MW de potência nominal cada. Na expansão da usina foi instalada uma segunda Casa de Força, que abriga 11 unidades hidrogeradoras de 375 MW de potência nominal, somando MW, perfazendo uma potência total de MW. Este empreendimento constitui a maior usina hidrelétrica genuinamente nacional, trazendo em sua ficha técnica expressivos volumes de materiais de construção, dentre os quais se destaca um volume aproximado de de metros cúbicos de concreto. Nos serviços de acabamento dos pisos das galerias eletromecânicas da casa de força, da etapa de expansão da UHE Tucuruí, foram executados 4.138,52 m 3 de concreto de enchimento e ,98 m 2 de piso de alta resistência, conforme corte transversal típico e detalhes A e B mostrados nas Figuras 1, 2 e 3 respectivamente. Para tanto foram efetuados os estudos, de materiais e misturas, no Laboratório de Materiais de Construção da Eletronorte, em Tucuruí, para avaliação técnica e estética do produto a ser obtido e que, juntamente com o processo executivo do piso, são descritos nos itens a seguir. 2. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O concreto de enchimento, que tem a finalidade de abrigar todos os embutidos necessários para o funcionamento do sistema eletromecânico, teve um volume de 4.138,52 m 3. Este concreto tem resistência característica à compressão de 15 MPa aos 90 dias. A argamassa de alta resistência aplicada em uma área de ,98 m 2, teve em sua composição uma argamassa de cimento, pozolana e granulados de alta dureza, capazes de resistir ao desgaste e demais solicitações mecânicas, com resistência característica à compressão de 50 MPa aos 90 dias. Os volumes e áreas das estruturas com concreto de enchimento e argamassa de alta resistência, a partir da unidade geradora 13, são as seguintes: - Galerias mecânicas linha A/B, elevação 6,20 m, com volumes e áreas previstos de 838,18 m 3 de concreto de enchimento e 3.352,75 m 2 de argamassa de alta resistência. - Galerias elétricas linha B/C, elevação 6,20 m, com volumes e áreas previstos de 1.620,71 m3 de concreto de enchimento e 6.482,48 m2 de argamassa de alta resistência. - Pisos dos geradores linha A/B, elevação 11,20 m, com volumes e áreas previstos de 415,71 m 3 de concreto de enchimento e 4.157,14 m 2 de argamassa de alta resistência. - Galerias elétricas linha B/C, elevação 11,20 m, com volumes e áreas previstos de 583,37 m 3 de concreto de enchimento e 5.833,71 m 2 de argamassa de alta resistência. 2

3 - Galerias elétricas linha B/C, elevação 18,40 m, com volumes e áreas previstos de 680,55 m 3 de concreto de enchimento e 6.805,54 m 2 de argamassa de alta resistência. No que se refere ao piso de alta resistência propriamente dito, foram adotadas as seguintes características: - Forma: painéis quadrados, com dimensões de 1,0 m x 1,0 m; - Juntas: com perfilados plásticos de 27 mm de altura e 3 mm de espessura; - Contrapiso em argamassa com espessura de 40 mm; - Argamassa de alta resistência com espessura de 10 mm. O consumo de materiais de contrapiso e de argamassa de alta resistência na Casa de Força da UHE Tucuruí está mostrado na Tabela 1. Estruturas CAF 13 a 23 El. 6,20 CAF 13 a 23 El. 11,20 CAF 13 a 23 El. 18,40 Área (m²) Diabasio ( t ) Quartzo ( t ) Areia ( t ) Aglomerante ( t ) Junta de PVC (ML) 9.835,59 64,371 64, , , , ,85 65,360 65, , , , ,54 44,505 44, , , ,00 TOTAL ,98 174, , , , ,00 TABELA 1: Consumo dos Materiais Utilizados na Fabricação de Argamassas do Contrapiso e Argamassas de Alta Resistência. 3. MATERIAIS UTILIZADOS, ESTUDOS PRELIMINARES E DOSAGENS 3.1 CARACTERIZAÇÃO DOS MATERIAIS Preliminarmente, os materiais com possibilidades de utilização nas argamassas de alta resistência, tiveram determinadas suas massas específicas, absorção e dimensão máxima, de forma a permitir o cálculo das dosagens, conforme Tabela 2. 3

4 Tipo Material Massa Específica (g/cm³) Absorção (%) Dimensão Máxima (mm) Poty CP II F 32 3, Cimento Ciplan CP II F 32 3, Nassau CP II Z 32 3, Material Pozolana Cipasa 2, Pozolânico Sílica Ativa Silmix ND 2, Areia Natural da Obra 2,65 0,3 4,8 Areia Natural do Breu Branco 2,58 0,5 4,8 Pedrisco da Obra 2,75 0,5 9,5 Korodur Q. Bica 2,65 0,3 4,8 Korodur Q. Rosado 2,63 0,3 4,8 Agregado Korodur D. Fino 2,93 0,3 4,8 Korodur B. Fino 2,86 0,3 4,8 Polipiso P600 A 2,66 0,4 4,8 Consarg (quartzo + diabásio) 2,80 0,4 4,8 Consarg Preto (diabásio) 2,80 0,4 4,8 Consarg Branco (quartzo) 2,80 0,4 4,8 Aditivo SP Reax 2010 N 1, TABELA 2: Caracterização dos Materiais com Possibilidades de Utilização na Fabricação das Argamassas de Alta Resistência. 3.2 ESTUDO NO LABORATÓRIO DA OBRA No estudo das argamassas de acabamento, o contrapiso foi especificado pelo Projeto, como uma argamassa de cimento e areia, com relação em volume de 1:3, cabendo à obra apenas a determinação do fator água/cimento, de forma a obter uma consistência seca que permitisse o adensamento por compactação. Desta forma ficou estabelecido preliminarmente um A/C = 0,56, podendo ser feito ajustes na frente de produção. Para a argamassa de alta resistência o estudo foi iniciado definindo-se através de exame tátil/visual, a consistência da argamassa desejada. Foi composta uma mistura de cimento, areia e pedrisco, 1:0,5:1, em volume e acrescentado água até que se julgou a argamassa em condições de aplicação. Medido o espalhamento na flow-table, ficou definido que a consistência de dosagem seria de 310 mm, com variação permitida de 15 mm, para mais ou para menos. A resistência característica da argamassa foi inicialmente definida como 55 MPa, controlada aos 28 dias, o que levou a consumos bastante elevados nos estudos. A troca de informações com a projetista acabou conduzindo a se adotar, definitivamente, uma resistência de 50 MPa, controlada aos 90 dias. Para permitir o polimento, a argamassa deveria apresentar também, uma resistência de aproximadamente 20 MPa em prazo não superior a 72 horas. Com base então, nas premissas de consistência e resistência característica, foram experimentadas diversas misturas, variando-se a composição dos aglomerantes e dos agregados, utilizando-se tanto os materiais disponíveis no canteiro de obras, na região ou mesmo trazidos de fora, como os agregados Korodur, Polipiso ou Consarg. Esta variedade visou possibilitar, dentre as misturas que atendessem à especificação, se fizesse a opção por aquela que fosse mais viável técnica e economicamente, e cujos agregados, atendendo aos critérios da NBR Agregados para Concreto, com 4

5 relação à dureza e uniformidade, por virem de fonte única, garantissem um piso sem variações de granulometria e coloração. A Tabela 4 mostra as misturas efetuadas no estudo. 3.3 CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS APLICADOS E TRAÇOS DEFINITIVOS Para a argamassa de contrapiso ficou definida a utilização de cimento Nassau CP II Z 32 e areia natural, dragada do leito do rio Tocantins, de uso corrente na obra, em uma relação em volume de 1:3 (cimento:areia) e fator A/C = 0,56, permitindo-se ajuste na frente de serviço. Para a argamassa de alta resistência foi escolhida a mistura E-388, mostrada na Tabela 4 e denominada na obra PAR-004, com a utilização de cimento Nassau CP II Z 32, pozolana Cipasa e agregados Consarg branco (quartzo) e preto (diabásio). Esta mistura vigorou até julho de 2004 quando então foi substituída pelo traço PAR- 005, sendo feitos ajustes no consumo de aglomerantes e na consistência, que passou a ser de 270 mm + 15 mm. O traço PAR-004 foi utilizado em 65% da área prevista de piso de alta resistência, sendo o restante executado com o traço PAR A composição do traço de concreto de enchimento foi definida em peso, pois foi produzido na central de concreto da obra e a das argamassas de contrapiso e de alta resistência foram dosadas em peso e volume para 1 saco de cimento, de forma a permitir a mistura na própria frente de serviço, em betoneiras portáteis. As composições dos traços estão mostradas na Tabela 3. Concreto de Enchimento Contrapiso Argamassa de Alta Resistência Material Em Peso (Kg/m 3 ) Em Peso (Kg/m 3 ) Em Volume (Litros) Em Peso (Kg/m 3 ) PAR-004 Em Volume (Litros) Em Peso (Kg/m 3 ) PAR-005 Cimento Poty CP II F Em Volume (Litros) Cimento Nassau CP II Z Saco Saco Saco Pozolana Cipasa Areia Natural da Obra Brita 19 mm Consarg Branco Consarg Preto Água TABELA 3: Composição dos Traços de Enchimento e Argamassas. 5

6 ARGAMASSA DE ALTA RESISTÊNCIA - ARGAMASSAS ESTUDADAS Argamassa E-372 E-373 E-374 E-375 E-378 E-379 E-380 E-381 E-383 E-388 Fck/idade 50/90 50/90 50/90 50/90 50/90 50/90 50/90 50/90 50/90 50/90 Flow (mm) 298,0 306,0 295,0 318,0 318,0 317,0 315,0 315,0 311,0 300,0 A/Ceq 0,400 0,420 0,420 0,380 0,400 0,420 0,380 0,400 0,420 0,420 Materiais Composição das Argamassas em kg por m 3 com Agregados saturados superfície seca Água Comum do Laboratório 320,0 320,0 320,0 329,8 330,0 330,1 324,9 324,8 325,1 325,1 Cimento Poty CPII F32 Ciplan CPII F32 533,4 737,8 701,3 668,1 855,0 812,0 774,0 Nassau CPII Z32 560,0 533,4 657,9 Material Pozolânico Pozolana CIPAZA 205,4 195,6 195,6 112,1 106,6 101,5 103,3 Sílica Ativa SILMIX ND Agregados Areia natural da obra 347,4 357,6 357,6 Areia natural Breu Branco Pedrisco da obra 796,2 819,5 819,5 Korodur Q. Bica Korodur Q. Rosado Korodur D. Fino Korodur B. Fino Polipiso P600A Consarg Integral Consarg Branco 532,2 551,4 568,9 545,0 564,6 581,3 569,7 Consarg Preto 532,2 551,4 568,9 545,0 564,6 581,3 569,7 Aditivos SP Reax 2010 N Resistência à compressão (MPa) 1 dia 7,3 13,0 7,5 21,0 19,1 15,9 25,1 21,9 19,6 7,8 2 dias 14,8 16,2 16,7 33,6 30,5 28,4 40,8 36,2 32,7 19,1 3 dias 24,8 23,2 17,7 38,5 36,3 32,3 45,7 40,1 39,2 27,2 4 dias 5 dias 6 dias 7 dias 40,7 31,9 38,6 47,7 43,1 40,7 53,8 48,7 46,4 47,3 14 dias 53,0 50,2 46,8 58,4 50,9 47,5 28 dias 53,4 39,8 55,0 52,6 48,0 41,8 53,4 51,9 45,7 57,9 90 dias 62,7 49,5 57,3 61,3 56,6 53,3 63,0 56,9 53,8 74,5 TABELA 4: Misturas das Argamassas Estudadas para Utilização no Piso de Alta Resistência. 6

7 4. ARRANJO GERAL DA CASA DE FORÇA O corte transversal típico de uma unidade da Casa de Força da Etapa de Expansão da UHE Tucuruí, indicando os locais de aplicação do piso de alta resistência e esquemas acabados dos mesmos são apresentados nas Figuras 1, 2 e 3. Linha A Linha B Linha C Detalhe B 18,40 Detalhe A FIGURA 1: Corte Transversal Típico das Galerias onde é Aplicado os Concretos de Enchimento e Argamassa de Contrapiso de Alta Resistência [1]. 7

8 18, ,20 6,20 1 FIGURA 2: Detalhe A - Laje das Galerias Eletromecânicas [1]. FIGURA 3: Detalhe B - Esquema do Piso Acabado das Galerias Eletromecânicas [1]. 5. METODOLOGIA CONSTRUTIVA DO ACABAMENTO DAS LAJES DAS GALERIAS ELETROMECÂNICAS DA UHE-TUCURUÍ 5.1 TRATAMENTO DA SUPERFÍCIE E LANÇAMENTO DO CONCRETO DE ENCHIMENTO O tratamento do concreto de 1º estágio, é feito com bomba de alta pressão, ou apicoamento manual, para a retirada de crostas de concreto e limpeza da área, eliminando-se qualquer corpo estranho ou impregnação prejudicial à aderência do concreto de enchimento. Após a locação topográfica, é iniciada a montagem das fôrmas e instalação de todos os embutidos eletromecânicos. Com a folha de liberação de acabamento (FLA), com todos os itens liberados pelos devidos responsáveis por cada área e os equipamentos testados, são iniciados os trabalhos de lançamento do concreto de enchimento, conforme mostrado na Figura 4. O concreto de enchimento é lançado bombeado ou convencional e nivelado 5 cm abaixo da cota final do piso, para que se possa lançar a argamassa de contrapiso e de alta resistência. Antes de o concreto apresentar fim de pega, faz-se o tratamento, 8

9 da superfície por vassouramento. Com este tratamento a superfície apresenta a rugosidade necessária para favorecer a aderência do contrapiso, substituindo-se assim o tratamento convencional de junta de construção, mais demorado e oneroso. Depois de executada a cura e antes do lançamento do contrapiso, faz-se a preparação da superfície com a limpeza da área, eliminando-se qualquer corpo estranho ou impregnação prejudicial à aderência do contrapiso. Gabarito para nivelamento do concreto de enchimento FIGURA 4: Trabalhos de Lançamento do Concreto de Enchimento. 5.2 LANÇAMENTO DO CONTRAPISO E CRAVAÇÃO DAS JUNTAS PLÁSTICAS DE PVC Executa-se a locação dos pontos e cotas de referência para aplicação das juntas plásticas. A cota de nível (taliscas), serve para sarrafear o contrapiso e fica aproximadamente 1,5 a 2,0 m espaçadas entre si, devido ao tamanho da régua metálica. Com a superfície do concreto de enchimento dentro da condição solicitada, limpo, lavado e saturado aplica-se com o auxílio de um vassourão, uma calda de cimento e água com o fator A/C = 1,0. Após lançamento da argamassa do contrapiso sobre a calda de cimento, é executada a sua compactação através de soquetes de madeira, mostrado na Figura 5, e sarrafeado de modo que a mesma, fique 1 cm abaixo da cota final do piso, para lançamento da argamassa de alta resistência. O contrapiso é composto de argamassa de cimento e areia na proporção de 1:3 em volume, com o fator A/C 0,56, mantendo uma espessura de 4 cm aproximadamente. Esta argamassa tem a finalidade de regularizar as imperfeições do nivelamento do concreto de enchimento 9

10 da laje e amortecer as diferentes tensões internas existentes entre a laje de concreto (menor teor de aglomerantes) e a camada de argamassa de alta resistência (alto teor de aglomerantes). Gabarito para nivelamento do contrapiso FIGURA 5: Compactação da Argamassa do Contrapiso Através de Soquete de Madeira. Após a compactação da argamassa de contrapiso é feita a marcação sobre o piso, dos alinhamentos a serem seguidos pelas juntas plásticas, de acordo com a modulação de 1,0 m x 1,0 m. A marcação é efetuada através de um cordão embebido em cal, ou cimento branco e em seguida é feita a cravação das juntas plásticas, limitando grandes áreas de aplicação da argamassa de alta resistência. O processo de lançamento do contrapiso, e cravação simultânea das juntas plásticas, apresenta bons resultados no alinhamento e nivelamento das mesmas, como pode ser visto na Figura 6. Nas juntas de contração, entre blocos, é executada uma cravação com juntas de PVC duplas, para acomodar a deformação da estrutura, detalhe este apresentado na Figura 7. 10

11 FIGURA 6: Cravação das Juntas Plásticas Após Compactação da Argamassa de Contrapiso. FIGURA 7: Detalhe da Cravação de Juntas de PVC Duplas nas Juntas de Contração entre Blocos [1]. 11

12 5.3 EXECUÇÃO DA ARGAMASSA DE ALTA RESISTÊNCIA Após aguardar um intervalo entre 24 e 48 horas da conclusão do contrapiso e cravação das juntas plásticas, é feita, com o auxílio de um vassourão, a aplicação de uma calda de cimento e água com o fator A/C = 1,0, esta calda visa saturar a superfície do contrapiso e criar uma ponte de ligação entre o contrapiso e a argamassa de alta resistência, conforme mostrado na Figura 8. A argamassa de alta resistência é fabricada na própria frente de serviço, em betoneira elétrica de 350 litros de capacidade nominal. Depois da mistura mecanicamente homogeneizada durante 2 minutos, a argamassa de alta resistência é aplicada sobre a calda de ligação, sarrafeada e adensada com régua de alumínio e com o auxilio de uma desempenadeira metálica, é dado de 3 a 5 passadas sobre a argamassa, para fechar os vazios, conforme pode ser visto na Figura 9. Depois de sarrafeada e antes da pega final da argamassa de alta resistência é necessário que se faça o fechamento dos vazios ainda existentes, para isso, o colaborador calçado com sapato de madeira com pregos na sola, caminha sobre o piso sarrafeado e efetua com desempenadeira metálica o acabamento final, mostrado na Figura 10. FIGURA 8: Aplicação da Calda de Cimento Antes, do Lançamento da Argamassa de Alta Resistência, com Auxílio de Vassourão. 12

13 FIGURA 9: Lançamento e Sarrafeamento da Argamassa de Alta Resistência. FIGURA 10: Acabamento Final do Lançamento da Argamassa de Alta Resistência, Utilizando Desempenadeira Metálica. 13

14 A cura da argamassa de alta resistência é realizada com água ou com colchão de areia úmida até o inicio do polimento, que deverá ser iniciado no mínimo 48 horas após a conclusão da camada de alta resistência. O executor deve se preocupar para que não passe um tempo muito grande, depois das 48 hs, para a passagem da pedra grana 36 (primeira etapa de polimento). Caso aconteça, a argamassa adquire uma alta resistência, o que dificulta e atrasa os serviços. Em alguns casos sendo necessário utilizar grana diamantada, para se conseguir o desbaste esperado. 6. PISOS E TIPOS DE ACABAMENTO Para a galeria mecânica na elevação 6,20 m e nas salas de ventilação, nas elevações 6,20 m, 11,20 m e 18,40 m foi especificado a argamassa de alta resistência com grau de polimento tipo 1. Para as galerias elétricas nas elevações 11,20 m e 18,40 m, o piso dos geradores e nas salas de ar condicionado, na elevação 11,20 m, foi especificado grau de polimento tipo GRAU DE POLIMENTO TIPO 1 É executado em duas etapas de desbaste com máquina politriz. A primeira visa retirar a nata de cimento superficial e fazer o corte das pontas do agregado, utilizando-se pedra esmeril grana 36, ilustrado na Figura 11. Após finalizar o polimento, lava-se a superfície do piso para o processo de estucagem, mostrado na Figura 12, com pasta de cimento, de mesma origem e fator A/C da argamassa de alta resistência. A pasta de cimento é aplicada por meio de desempenadeira. A segunda etapa visa retirar eventuais riscos ocorridos na etapa anterior e também conferir aspecto semi-polido ao piso, sendo executada no mínimo 72 horas após a estucagem. Nesta etapa é processado o polimento com pedra esmeril grana 80. Por se tratar de uma área com possíveis trabalhos de manutenções mecânicas com manuseio de óleo, foi eliminada a aplicação de cera no piso da elevação 6,20 m da galeria mecânica, para deixar o piso com aspecto áspero. Nas áreas onde não é possível executar o polimento com maquina politriz, como: bordas de paredes, canaletas e bordadura de painéis, este polimento é efetuado com lixadeira angular de 7. Eletronorte 2002 [1] 14

15 FIGURA 11: Primeira Etapa do Polimento com Passagem da Pedra Grana 36 Por Meio da Máquina Politriz. FIGURA 12: Processo de Estucagem - Aplicação de pasta de cimento. 15

16 6.2 GRAU DE POLIMENTO TIPO 2 É executado em três etapas de desbaste com máquina politriz. A primeira visa retirar a nata de cimento superficial e fazer o corte das pontas do agregado, utilizando-se pedra esmeril grana 36. A segunda visa retirar eventuais riscos resultantes na etapa anterior e é executado pelo polimento com pedra esmeril grana 60. Nas áreas onde não é possível executar o polimento com maquina politriz, como: bordas de paredes, canaletas e bordadura de painéis, este polimento é efetuado com lixadeira angular de 7. Após finalizar a segunda etapa de polimento, lava-se a superfície do piso para o processo de estucagem com uma pasta de cimento de mesma origem e fator A/C da argamassa de alta resistência. A nata de cimento é aplicada por meio de desempenadeira. A terceira etapa visa conferir o aspecto polido ao piso, sendo executada no mínimo 72 horas após a estucagem, através da utilização de pedra esmeril grana 120. Com a conclusão dos serviços de polimento com pedra esmeril, o piso é lavado com enceradeira industrial, utilizando detergente apropriado para retirada de todos os resíduos remanescentes do polimento. Após a secagem do piso é aplicado uma demão de selador acrílico para piso, que tem a finalidade de penetrar nos poros da argamassa, aderindo firmemente, preenchendo seus espaços vazios, cobrindo e tapando até mesmo os micro-poros. Forma uma película acrílica protetora e inerte quimicamente, deixando o piso nivelado.eletronorte 2002 [2]. Depois de 24 horas, aplica-se uma cera liquida acrílica, que tem a finalidade de criar um filme transparente, com aspecto de brilho molhado, resistente à água e detergentes e de alta durabilidade ao tráfego, como pode ser visto na Figura 13. FIGURA 13: Aspecto Final do Piso, Após Aplicação de Cera. 16

17 7. EQUIPAMENTOS Os equipamentos utilizados no processo de produção e polimento da argamassa de alta resistência foram: - Betoneira de 350 litros, com produção de aproximadamente 130 m 2 /hora, de argamassa de alta resistência, com espessura de 10 mm; - Maquina politriz modelo JT2D - peso 170 kg. A referida máquina opera com pedras de esmeril granas 36, 60, 80 ou 120, dependendo da etapa e do grau de polimento especificado; - A pedra de esmeril grana 36, utilizada no tempo mínimo de 48 horas após a execução da argamassa de alta resistência, tem a produtividade de m² de área de desbaste; - As pedras de granas 60, 80 e 120, que visam fazer o alisamento do piso, utilizadas no tempo mínimo de 72 horas após a estucagem com pasta de cimento, tem a produtividade de m 2 de área polida; - Lixadeira angular de 7. É um equipamento utilizado nas áreas confinadas, rodapés ou bordas de arremate, onde não é possível executar o polimento com maquina politriz. 8. CONTROLE DE QUALIDADE DA ARGAMASSA DE ALTA RESISTÊNCIA Foram executados aproximadamente ,98 m 2 de argamassa de alta resistência, representando a fabricação de 266 m 3 de argamassa. O controle de qualidade da argamassa foi efetuado através de moldagem de corpos de prova cilíndricos 5cm x 10cm, para ruptura nas idades de 1, 2, 3, 7, 28 e 90 dias. As amostragens foram efetuadas diretamente na frente de produção, escolhendo-se aleatoriamente uma betonada, respeitando-se uma freqüência aproximada de uma amostra a cada 500 m 2 de piso executado ou 5 m 3 de argamassa fabricada, o que atende com folga as diretrizes da NBR Execução de Piso com Argamassa de Alta Resistência Mecânica. Como os agregados utilizados, por procederem de fonte única, bastante uniforme e pelas condições de estocagem, não sofriam variação de umidade e finura, não houve preocupação de monitorar a consistência da argamassa, que se apresentou adequada. A Tabela 5 mostra os resultados obtidos. Idade (dias) Resistência Compressão (MPa) 13,4 22,1 29,5 42,3 55,9 64,4 Desvio Padrão (MPa) 3,8 3,7 5,6 5,4 5,6 8,5 Fck estimado (MPa) ,9 Número de Amostras TABELA 5: Resumo Estatístico do Controle da Qualidade das Argamassas de Alta Resistência 17

18 9. CONCLUSÕES É importante considerar a crescente atenção que tem sido dada à questão de manutenção e estética da Casa de Força de uma Usina Hidrelétrica, que é área de visitação. Como a argamassa de alta resistência que é usada adquire elevadas resistências iniciais, muito propicio à fissuração, temos que ter uma atenção especial às juntas de dilatação e ao tempo de cura desta argamassa. O ajuste da plasticidade do traço de argamassa de alta resistência, com a conseqüente diminuição nos teores de água e aglomerantes, proporcionou uma sensível queda no aparecimento de fissuras no piso acabado, sem prejuízo das condições de aplicação da argamassa. Deve-se tomar cuidado durante a execução do concreto de enchimento, para que este fique exatamente na cota de projeto, pois, se o enchimento ficar abaixo da cota, gera um custo adicional porque vamos trocar um concreto mais pobre, (menor consumo de aglomerante), por uma argamassa rica (maior consumo de aglomerante). E o contrario, isto é, se o concreto de enchimento ficar acima da cota, temos que fazer rompimento no concreto, para o cravamento da junta de PVC. É aconselhável que durante a execução do concreto de enchimento todas as bordaduras (cantoneiras metálicas) de bases de equipamentos, block out, canaletas de cabos e canaletas de drenagem já estejam montadas, na sua cota de projeto, para que ela seja referência mestra no acabamento da argamassa de alta resistência. Alem de suas funções, a junta plástica é usada como mestra para sarrafeamento da argamassa de alta resistência, por isso, não se deve lançar a argamassa de alta resistência sem que o contrapiso tenha atingido uma resistência mínima para suporte da junta de PVC. Na condição contrária poderá ocorrer desalinhamentos e desnivelamentos. Durante o polimento do piso, na passagem da pedra de grana 80 ou 60, devemos observar que esta pedra retire os riscos no piso, causados pela pedra de grana 36, o que conta muito da experiência do operador da politriz. O executor deve se preocupar de não ultrapassar as 48 hs para a passagem da pedra grana 36 (primeira etapa de polimento). Caso aconteça, a argamassa adquire uma alta resistência, o que dificulta e atrasa os serviços. Em alguns casos, sendo necessário, utilizar grana diamantada, de custo mais elevado, para se conseguir o desbaste esperado. A opção de se utilizar um cimento de única marca ou fonte, aliado a agregados industrializados de mesma procedência, com dureza e umidade uniformes, permitiram a obtenção de um piso sem variações de coloração, atendendo as condições técnicas e de estética. 18

19 10. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem às Centrais Elétricas do Norte do Brasil - ELETRONORTE, nas pessoas de seus dirigentes Carlos Raimundo Albuquerque Nascimento, Adhemar Palocci e José Biagioni de Menezes e demais colaboradores, pelo apoio e incentivo emprestados na elaboração e publicação deste trabalho. Agradecimentos extensivos às equipes de colaboradores da Unidade de Acabamento das empresas Construções e Comércio Camargo Correa S/A e Consarg Construtora e Comércio Ltda., que com suas competências empenharamse para o sucesso dos serviços que lhes foram designados. 11. PALAVRAS-CHAVE UHE Tucuruí, Piso de alta resistência, Contrapiso, Concreto de enchimento, Acabamento. 12. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] Eletronorte (2002) TUC-E-CAF ET R3 Materiais e serviços de acabamento para pisos, paredes e tetos entre eixos A-B e B-C. [2] Eletronorte (2002) ETC-USG R0 - Relatório Técnico de Materiais e Serviços de Contrapiso e Argamassa de Alta Resistência Executado na Complementação das Unidades Geradoras 13 a 23 da UHE Tucuruí. 19

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso

CONTRAPISO Documentos de referência Condições para o início dos trabalhos Preparo da base Marcação do nível do contrapiso CONTRAPISO 1 camada (s) de argamassa (s) que pode ser aplicada sobre a laje ou lastro de concreto, sobre camada de impermeabilização* ou sobre camada de isolamento térmico/acústico* (* na maioria das vezes

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens.

Construção. Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos. Características / Vantagens. Ficha do Produto Edição 22/04/2011 Sikacim Impermeabilizante Construção Sikacim Impermeabilizante Impermeabilizante liquido para preparo de concreto e argamassa. Descrição do Produto Usos Características

Leia mais

Situação errada: piso escorregadio

Situação errada: piso escorregadio A calçada deve ser construída a partir do meio-fio (guia) de concreto pré-moldado instalado pela Prefeitura ou pelo loteador, que faz parte do acabamento com 15cm de altura entre o passeio e a rua. Os

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES

CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CONCRETO SUSTENTÁVEL: SUBSTITUIÇÃO DA AREIA NATURAL POR PÓ DE BRITA PARA CONFECÇÃO DE CONCRETO SIMPLES Prof Dr.Jorge Creso Cutrim Demetrio OBJETIVOS 1. Analisar a viabilidade

Leia mais

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade.

Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Dois estados principais: Estado Fresco (maleável): Trabalhabilidade; Coesão. Estado endurecido (resistente): Resistência mecânica; Durabilidade. Proporção da quantidade de agregados e água para uma certa

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS

Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS Soluções de Alto Desempenho para Construção PRODUTO MULTIUSO PARA OBRAS ECONÔMICAS + + desempenho por m² AMP ARGAMASSA MODIFICADA COM POLÍMERO ( + ) MEMBRANA POLIMÉRICA O BAUCRYL ECOVEDA é um polímero

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO USO DE AREIA DE BRITAGEM EM CONCRETOS DE CIMENTO PORTLAND NA REGIÃO DE CHAPECÓ - SC LODI, Victor Hugo 1 ; PRUDÊNCIO JUNIOR, Luiz Roberto 2 RESUMO O esgotamento das jazidas

Leia mais

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO

MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO MÓDULO 2 PROPRIEDADES E DOSAGEM DO CONCRETO Engº Rubens Curti DOSAGEM DEFINIÇÃO DOSAGEM é o proporcionamento adequado e mais econômico de materiais: cimento, água, agregados, adições e aditivos 2 DOSAGEM

Leia mais

P600A Cime Color: composto da formulação P600 A Cime/ P600 AL ou Antimicrobiano com adição de pigmentos da linha Polipiso.

P600A Cime Color: composto da formulação P600 A Cime/ P600 AL ou Antimicrobiano com adição de pigmentos da linha Polipiso. série P600A Revestimento argamassado industrial de alta resistência 1 - Descrição Série P600A: Argamassa cimentícia de alto desempenho para revestimento de piso industrial ABNT Classe A, aplicada in loco

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES

IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES IMPERMEABILIZAÇÕES REVESTIMENTO DE CALHAS E LAJES Prof. Marco Pádua A cobertura é uma fase importante da edificação. Não só a questão estética deve ser considerada, como a escolha dos elementos, a posição

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS

TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS TECNOLOGIA DAS EDIFICAÇÕES III Prof. Antônio Neves de Carvalho Júnior I) REVESTIMENTOS DE PAREDES E TETOS 1) INTRODUÇÃO ARGAMASSAS. Aglomerantes + agregados minerais + água (eventualmente aditivos). Intervalo

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens

Construção. Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado. Descrição do Produto. Usos. Características/ Vantagens Ficha do Produto Edição 18/5/2010 Sika 1 Construção Sika 1 Aditivo impermeabilizante de pega normal para argamassa e concreto não armado Descrição do Produto Usos Características/ Vantagens Dados do Produto

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Pisos não cerâmicos Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 3. PISOS NÃO CERÂMICOS São pisos compostos de cimento, areia e agregados de origem mineral(granitina, quartzo,

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade.

VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Descrição VEDATOP é um revestimento modificado com polímeros acrílicos, de alta aderência e impermeabilidade. Adere perfeitamente ao concreto, à alvenaria e à argamassa. VEDATOP não é tinta de acabamento,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO DO CONCRETO NO ESTADO FRESCO COMPORTAMENTO FÍSICO No estado fresco inicial Suspensão de partículas diversas pasta de cimento agregados aditivos ou adições Endurecimento progressivo na fôrma produtos da

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO Professora: Mayara Custódio CONSISTÊNCIA DO CONCRETO CONSISTÊNCIA TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco que identifica sua maior ou menor aptidão para

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

ABRALIMP Encontro de Associados. Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne

ABRALIMP Encontro de Associados. Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne ABRALIMP Encontro de Associados Alexis Joseph Steverlynck Fonteyne Projetistas de piso Executores de piso Fabricantes de revestimentos de alto desempenho (RAD) Fabricantes de insumos para pisos e revestimentos

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

porcelanato interno ficha técnica do produto

porcelanato interno ficha técnica do produto 01 DESCRIÇÃO: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos e s em áreas internas. 02 CLASSIFICAÇÃO TÉCNICA:

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro;

Resistente à altas pressões hidrostáticas, tanto positivas quanto negativas; Não altera a potabilidade da água, sendo atóxico e inodoro; VIAPLUS BRANCO 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, semiflexível, bicomponente (A+B), à base de cimentos especiais, aditivos minerais e polímeros de excelentes características impermeabilizantes.

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação.

BIANCO. Preparo do substrato As superfícies devem estar limpas, porosas, isentas de pó ou oleosidade e serem umedecidas antes da aplicação. Produto é uma resina sintética, de alto desempenho, que proporciona excelente aderência das argamassas aos mais diversos substratos. Confere maior plasticidade e, assim, maior resistência ao desgaste e

Leia mais

& CHIMICA EDILE DO BRASIL. apresenta: DRY D1 NG

& CHIMICA EDILE DO BRASIL. apresenta: DRY D1 NG & CHIMICA EDILE DO BRASIL apresenta: DRY D1 NG Aditivo/adição a controlo absoluto da retração para preparação de concretos para piso industrial (JointLees) sem Junta em quadra grande Page1 DRY D1 NG de

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa;

Excelente aderência quando aplicado sobre superfícies de concreto ou argamassa; VIAPLUS 7000-FIBRAS 1. Descrição Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

série P500 Revestimento argamassado estético de alta resistência

série P500 Revestimento argamassado estético de alta resistência série P500 Revestimento argamassado estético de alta resistência 1 - Descrição Série P500 argamassa de alto desempenho composta por uma diversificação de agregados minerais, previamente selecionados e

Leia mais

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica.

VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Descrição VEDAPREN cobre a estrutura com uma membrana impermeável e elástica. Características Densidade: 1,02 g/cm 3 Aparência: Cor preta Composição básica: emulsão asfáltica modificada com elastômeros

Leia mais

membrana impermeabilizante

membrana impermeabilizante 01 Descrição: votomassa é uma impermeável flexível e antifissura resistente a cargas, que dispensa o uso de telas, para aplicação em diversos substratos. 02 Classificação técnica: ANTES Hydro Ban votomassa

Leia mais

Revestimento de fachadas: aspectos executivos

Revestimento de fachadas: aspectos executivos UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Setembro, 2009 Revestimento de fachadas: aspectos executivos Eng.º Antônio Freitas da Silva Filho Engenheiro Civil pela UFBA Julho de 1982; Engenheiro da Concreta Tecnologia

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto Ficha do Produto Edição 22/05/13 Sikadur 43 Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto Construção Descrição do produto é um adesivo estrutural

Leia mais

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA

ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA ESTUDO DE CARACTERÍSTICA FÍSICA E MECÂNICA DO CONCRETO PELO EFEITO DE VÁRIOS TIPOS DE CURA AUTORES : Engº Roberto J. Falcão Bauer (Diretor técnico) Engº Rubens Curti (Gerente técnico) Engº Álvaro Martins

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA

ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA ADESIVO ACRÍLICO PARA CHAPISCO E ARGAMASSA Adesivo acrílico em emulsão aquosa PROPRIEDADES DA ARGAMASSA Excelente plasticidade Boa impermeabilidade Minimiza retração após secagem A mistura permanece homogênea,

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...);

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...); A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras, tendo como focos principais as áreas de impermeabilização

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície

Linha P05 Cime. Endurecedor mineral de superfície Linha P05 Cime Endurecedor mineral de superfície 1 Descrição. Composto granulométrico à base de cimento e agregados selecionados de origem mineral e/ou mineral metálica, para aplicações em sistema de aspersão

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário;

5. Limitações: A argamassa Matrix Assentamento Estrutural não deve ser utilizada para assentamento de blocos silicocalcário; A argamassa Matrix Assentamento Estrutural é uma mistura homogênea de cimento Portland, agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. 3. Indicação: Excelente para assentamento de

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Coleção 2009 Tiragem: 2.000 Abril/2009 605 - Cabreúva Projeto: Rosenbaum Design RECOMENDAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO O CONTRAPISO DEVE ESTAR: - Seco e isento de qualquer umidade: perfeitamente curado, impermeabilizado

Leia mais

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção

Construção Civil. Impermeabilização e Injeção Construção Civil Impermeabilização e Injeção Membranas moldadas in loco Vantagens da aplicação moldada in loco Agilidade na aplicação Requer cota mínima Aplicado a frio Molda-se perfeitamente ao substrato

Leia mais

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength

Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Influência do índice de forma do agregado graúdo na resistência a compressão do concreto Resumo Influence of coarse aggregate shape factoc on concrete compressive strength Josué A. Arndt(1); Joelcio de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

cerâmica externa ficha técnica do produto

cerâmica externa ficha técnica do produto 01 Descrição: Argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para aplicação de revestimentos cerâmicos em áreas internas e s. 02 Classificação técnica: ANTES Colante

Leia mais

MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis.

MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis. Data da última revisão: 01/2010 DEFINIÇÃO MACTRASET foi desenvolvido para evitar e eliminar definitivamente umidade e infiltrações, sendo de preparo e aplicação muito fáceis. MACTRASET resiste às pressões

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado

PROJETO BÁSICO. Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado PROJETO BÁSICO Especificação Destinada a Construção de Almoxarifado INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção de Prédio para Almoxarifado, obedecerá as Especificações, e seus Anexos, aos

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

MÉTODO EXECUTIVO ME 09

MÉTODO EXECUTIVO ME 09 Objetivo: FOLHA 1 de 7 O método tem como objetivo detalhar o processo de proteção estanque para piscina, utilizando membrana polimérica, de modo a propiciar o treinamento da mão de obra e por conseqüência

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. A CONTRATADA deverá fornecer ART de execução dos serviços e diários de obra.

MEMORIAL DESCRITIVO. A CONTRATADA deverá fornecer ART de execução dos serviços e diários de obra. Página 1 de 10 MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: Reforma na Unidade de Polícia Militar de Guarujá do Sul (SC) PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Guarujá do Sul (SC) LOCAL: Rua Presidente Vargas, n 739, Guarujá

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO NO CONCRETO EM IDADES AVANÇADAS Lucas Palma Tasca 1 ; Francislaine Facina 2, Janaina de Melo Franco³, Judson Ribeiro RESUMO: O concreto é um dos materiais mais utilizados

Leia mais

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas

Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas Ficha Técnica de Produto Versão 20-08-2015 Viaplus 7000 1 /5 Viaplus 7000 Revestimento Impermeabilizante Cimentício Flexível com Fibras Sintéticas 1. Descrição Revestimento impermeabilizante, flexível,

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA PERDA DE ÁGUA DA ARGAMASSA PARA DIFERENTES BASES Angelo Just da Costa e Silva (1); João Manoel de Freitas Mota (2); Fred Rodrigues Barbosa (3); José Orlando Vieira Filho (4) (1)

Leia mais