ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE"

Transcrição

1 ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo 1º - O Centro Estudantil Unificado do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande, doravante designado CEU IFRS Rio Grande, órgão sem filiação político-partidária ou religiosa, associação civil sem fins lucrativos, livre e independente de órgãos públicos ou governamentais, de duração indeterminada, sediado no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande, da cidade do Rio Grande e regido pelo presente estatuto é o órgão de representação máxima dos estudantes de todas as modalidades e níveis de ensino oferecido no IFRS Campus Rio Grande. Capítulo II Dos membros Artigo 2º - São membros do CEU IFRS Rio Grande todos os estudantes regularmente matriculados em qualquer um dos cursos oferecidos pelo IFRS Campus Rio Grande, em todas as modalidades de ensino. Artigo 3º - São direitos dos membros do CEU IFRS Rio Grande: a) Participação direta, pela palavra oral ou escrita, em qualquer comissão, departamento, órgão representativo de base e instância deliberativa do CEU IFRS Rio Grande; b) Votar e ser votado em Assembléia Geral; c) Participar das atividades organizadas pelo CEU IFRS Rio Grande; Artigo 4º - São deveres dos membros do CEU IFRS Rio Grande: a) Respeitar e cumprir as disposições do presente estatuto; b) Preservar o patrimônio público, do IFRS Campus Rio Grande e do CEU IFRS Rio Grande; c) Respeitar as decisões das instâncias deliberativas dos estudantes. Capítulo III Dos princípios e finalidades Artigo 5º - São princípios e finalidades do CEU IFRS Rio Grande: a) Representar seus membros, no todo ou em parte, judicial ou extrajudicialmente, defendendo os interesses do conjunto destes, sem qualquer distinção de raça, cor, religião, nacionalidade, sexo, idade, convicção política ou social; b) Lutar pelo ensino público, gratuito, democrático e de qualidade, em todos os níveis, voltado aos interesses da população brasileira, no IFRS e no Brasil; c) Buscar a aproximação entre os corpos discente, docente e técnico-administrativo do IFRS Campus Rio Grande; d) Organizar e incentivar promoções de caráter político, cultural, científico e social que visem o aprimoramento da formação acadêmica e cidadã de seus membros; e) Lutar pela implementação de políticas que facilitem a permanência dos estudantes no Instituto; f) Lutar pela efetiva ocupação das vagas discentes nos órgãos colegiados do IFRS Campus Rio Grande; g) Defender a paridade da participação estudantil nos Órgãos Colegiados em relação aos demais segmentos do IFRS Campus Rio Grande h) Reconhecer como entidades nacionais de representação estudantil a União Nacional dos Estudantes, quanto aos estudantes de ensino superior do IFRS Campus Rio Grande a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas, quanto aos estudantes de ensino médio e técnico do IFRS Campus Rio Grande e a Associação Nacional de Pós Graduandos, quanto aos estudantes de pós graduação do IFRS Campus Rio Grande. Ser filiado a estas entidades, e defender e reproduzir as lutas das mesmas.

2 Capítulo IV Do Patrimônio Artigo 6 o - O patrimônio do CEU IFRS Rio Grande promoverá a manutenção dos princípios e finalidades do CEU IFRS Rio Grande e é constituído por todos os bens de qualquer natureza que o CEU IFRS Rio Grande possui e pelos que vier a possuir por meio de aquisições, contribuições, subvenções, legados, saldos dos exercícios financeiros e quaisquer outras formas não vedadas pela lei. Artigo 7º - Qualquer alteração do patrimônio do CEU IFRS Rio Grande somente poderá ser realizada mediante a decisão da maioria absoluta da Diretoria do CEU IFRS Rio Grande e com a ciência e anuência de, no mínimo, 2/3 do Conselho Representativo do CEU. Artigo 8º - Os recursos financeiros do CEU IFRS Rio Grande são: a) As contribuições espontâneas dos estudantes; b) Os lucros provenientes do emprego de capital ou bens patrimoniais; c) As receitas de qualquer promoção, convênio ou atividade realizada pelo CEU IFRS Rio Grande; d) Quaisquer doações que não interfiram na autonomia administrativa, financeira e política do CEU IFRS Rio Grande; e) As rendas eventuais. Artigo 9º - As despesas devem ser aprovadas pela maioria absoluta da Diretoria do CEU IFRS Rio Grande, sendo que, no momento da sua contratação, as despesas só poderão gerar obrigações futuras que ultrapassem o período da gestão em exercício com aprovação pelo Conselho Representativo do CEU. Artigo 10 - A Diretoria do CEU IFRS Rio Grande é obrigada a prestar contas de sua gestão financeira semestralmente à Assembléia Geral e trimestralmente ao Conselho Representativo do CEU, responsável pela sua aprovação. Artigo 11 - Após aprovada, a prestação de contas deve ser afixada em mural na sede do CEU e em site da instituição ou criado e divulgado para este fim. Artigo 12 - No caso de ausência temporária de diretoria responsável pela gestão do CEU IFRS Rio Grande, caberá ao Conselho Representativo do CEU a administração do patrimônio desta, observando-se o disposto no presente estatuto. Capítulo V Da organização e das instâncias deliberativas do CEU Artigo 13 - Compõe o CEU IFRS Rio Grande por ordem decrescente de poder deliberativo as instancias: a) Assembléia Geral; b) Conselho Representativo; c) Diretoria. Seção I - Da Assembléia Geral Artigo 14 - A Assembléia Geral é o órgão máximo de deliberações do CEU IFRS Rio Grande, sendo composta por todos os membros do CEU IFRS Rio Grande, com igual direito à voz e voto.

3 Artigo 15 - A Assembléia Geral será realizada ordinariamente a cada seis meses ou extraordinariamente sempre que convocada pela Diretoria do CEU, por trinta por cento do Conselho Representativo do CEU ou por cinco por cento dos membros do CEU IFRS - Rio Grande em abaixo-assinado e deve presidida pela Diretoria do CEU IFRS Rio Grande ou na ausência desta pelo Conselho Representativo do CEU. Artigo 16 - A convocação da Assembléia Ordinária deverá ser feita com antecedência mínima de seis dias úteis e, da Assembléia Extraordinária com antecedência mínima de dois dias úteis, sempre com pauta previamente definida, devendo ser amplamente divulgada por meios de comunicação disponíveis. Artigo 17 - A Assembléia Geral delibera somente mediante a aprovação de maioria simples dos presentes e tem quorum mínimo de cinco por cento dos membros do CEU IFRS Rio Grande em primeira convocação, verificada por lista de assinatura e contagem manual, ou com qualquer numero de presentes, quando não atingido o quorum mínimo, em segunda convocação, realizada 30 minutos após a primeira convocação Artigo 18 - As deliberações da Assembléia Geral deverão constar em ata, que deve ser lida e aprovada ao final da Assembléia, assinada pela mesa que houver dirigido os trabalhos e publicada a toda comunidade acadêmica em até seis dias úteis. Artigo 19 - Compete à Assembléia Geral: a) Discutir e votar recomendações, teses, moções e propostas apresentadas por qualquer de seus membros. b) Deliberar sobre assuntos de interesse dos estudantes e encaminhar suas decisões à Diretoria do CEU IFRS Rio Grande ou ao Grupo de Trabalho (GT) designado pela Assembléia; c) Denunciar, suspender ou destituir diretores do CEU, garantindo-lhes o direito de defesa; d) Eleger diretores substitutivos aos destituídos. e) Aprovar propostas de modificações no atual Estatuto; f) Deliberar sobre os casos omissos deste Estatuto. Seção II - Do Conselho Representativo do CEU Artigo 20 - O Conselho Representativo do CEU, doravante designado CR-CEU, é a instância deliberativa imediatamente abaixo da Assembléia Geral e é composto por: a) Dois representantes da Agremiação de Curso, eleitos em reunião de Diretoria da Agremiação. b) A Diretoria do CEU IFRS Campus Rio Grande. 1º - Quando determinado curso não possuir Agremiação de Curso, sua representação no CR- CEU será exercida por dois Representantes de Turma, eleitos pelo Coletivo de Representantes de Turma do curso, 2º - É vedada a acumulação de direito a mais de um voto a qualquer integrante do CR-CEU. Artigo 21 - O CR-CEU reunir-se-á ordinariamente no mínimo bimestralmente e extraordinariamente sempre que convocado com dois dias úteis de antecedência por um terço dos seus votantes ou pela Diretoria do CEU IFRS Rio Grande, mediante convocatória com pauta previamente definida a todos os seus integrantes. Artigo 22 - O quorum mínimo para instalação de CR-CEU deliberativo é de um quarto do total de membros constituídos, tendo caráter apenas consultivo no caso de quorum inferior.

4 1º - As decisões do CR-CEU serão tomadas por maioria simples dos votos, e deverão constar em ata assinada pela mesa que houver dirigido os trabalhos, devendo ser lida e aprovada na reunião subseqüente. Artigo 23 - Compete ao Conselho Representativo do CEU: a) Encaminhar, conjuntamente com a Diretoria do CEU, as deliberações da Assembléia Geral ou do próprio CR-CEU; b) Criar e dissolver comissões internas que julgar necessárias; c) Fiscalizar e dar pareceres sobre os relatórios e prestações de conta da Diretoria do CEU IFRS Rio Grande; d) Convocar Assembléia Geral; e) Convocar as eleições da Diretoria do CEU IFRS Rio Grande, aprovar o Regimento Eleitoral; encaminhá-lo à Comissão Eleitoral do Campus; analisar e julgar recursos do pleito eleitoral e dar posse à chapa eleita para a Diretoria do CEU IFRS Rio Grande; f) Deliberar sobre os casos omissos desse Estatuto. Seção III - Da Diretoria do CEU Artigo 24 - A Diretoria do CEU IFRS Rio Grande é o órgão coordenador das atividades do CEU IFRS Rio Grande, estando subordinado às deliberações da Assembléia Geral e do CR-CEU. Artigo 26 - Nenhum membro da diretoria do CEU IFRS Rio Grande será remunerado por exercer atividade diretiva do CEU IFRS Rio Grande, sob qualquer forma ou pretexto, sendo vedada a distribuição de lucros, dividendos ou bonificações aos mesmos. Artigo 27 - A Diretoria será organizada de acordo com a divisão: Presidente Vice Presidente Tesoureiro (a) Geral Primeiro (a) Tesoureiro(a) Secretário (a) Geral Primeiro (a) Secretário Diretor (a) de Ensino Integrado Diretor (a) de Ensino Subsequente Diretor (a de PROEJA Diretor (a) de Ensino Tecnológico Superior Diretor (a) de Relações Institucionais Diretor (a) de Esportes Diretor (a) de Cultura e Eventos Diretor (a) de Comunicação Diretor (a) de Políticas Educacionais Artigo 28 - Compete à Diretoria: a) Representar os estudantes do IFRS Campus Rio Grande junto à Comunidade Acadêmica e à Sociedade; b) Cumprir e fazer cumprir este Estatuto, suas próprias deliberações, as do CR-CEU e as da Assembléia Geral; c) Zelar pelo Patrimônio do CEU IFRS Rio Grande; d) Defender os interesses dos membros do CEU IFRS Rio Grande; e) Orientar e coordenar as atividades do CEU e deliberar acerca de teses, moções, recomendações e propostas, observando o presente Estatuto, as deliberações do CR-CEU e da Assembléia Geral e o programa apresentado pela chapa quando da sua eleição; f) Manter constantemente informados os estudantes acerca das deliberações e das atividades do CEU;

5 g) Prestar contas do patrimônio e da sua gestão financeira ao CR-CEU e semestralmente à Assembléia Geral e torná-las públicas a todos os estudantes; Subseção I - Das atribuições das diretorias Artigo 29 - São atribuições do (a) Presidente: a) Coordenar as atividades gerais do CEU- IFRS Rio Grande; b) Representar o CEU IFRS Rio Grande nas atividades em que este se fizer presente; c) Referenciar a gestão nas metas do programa de campanha, competências das diretorias e projetos apresentados; d) Dirigir as Assembléias Gerais e as reuniões da Diretoria do CEU; e) Manter contato com outros grupos e entidades do movimento estudantil dentro e fora do IFRS Campus Rio Grande; f) Assinar junto ao Tesoureiro Geral os documentos e cheques necessários à movimentação das contas do CEU IFRS Rio Grande; g) Garantir a redação das atas das reuniões ordinárias e extraordinárias da Diretoria e das Assembléias, bem como o seu devido encaminhamento. Artigo 30 - São atribuições do (a) Vice Presidente a) Auxiliar o (a) Presidente a cumprir suas atribuições b) Substituir o (a) Presidente, quando este se fizer ausente. c) Cumprir as demais funções inerentes ao seu cargo Artigo 31 - São atribuições do Tesoureiro Geral: a) Controlar a movimentação financeira do CEU IFRS Rio Grande; b) Efetuar pagamentos e recebimentos de verbas, doações, contribuições ou legados, devidamente comprovados, em nome do CEU IFRS Rio Grande, que porventura lhe sejam destinados; b) Assinar junto com o (a) Presidente os cheques e demais documentos necessários à movimentação dos recursos financeiros do CEU IFRS Rio Grande; d) Planejar a política de gestão dos recursos financeiros do CEU IFRS Rio Grande, buscando formas alternativas de captação de recursos tendo em vistas a independência e autonomia financeira da entidade; e) Prestar contas perante a Diretoria, o CR-CEU e a Assembléia Geral, tornando-as públicas para todos os estudantes. Artigo 32 São atribuições do Primeiro Tesoureiro a) Auxiliar o (a) Tesoureiro Geral a cumprir suas atribuições b) Substituir o (a) Tesoureiro Geral, quando este se fizer ausente c) Cumprir as demais funções inerentes ao seu cargo Artigo 33 São atribuições do Secretário Geral a) Publicar os avisos e convocações de reuniões, divulgar editais e expedir convites; b) Lavrar as atas das reuniões da diretoria e das Assembléias; c) Redigir e assinar, juntamente com o Presidente, a correspondência oficial do grêmio; d) Manter em dia os arquivos da entidade. Artigo 34 São atribuições do Primeiro Secretário a) Auxiliar o (a) Secretário Geral a cumprir suas atribuições b) Substituir o (a) Secretário Geral, quando este se fizer ausente c) Cumprir as demais funções inerentes ao seu cargo

6 Artigo 35 São atribuições do Diretor de Ensino Integrado a) Trabalhar pelas causas específicas dos estudantes do ensino integrado do IFRS Campus Rio Grande b) Zelar pelo diálogo direto entre a Diretoria do CEU IFRS Rio Grande e os estudantes do ensino integrado do IFRS Campus Rio Grande c) Levar à comunidade escolar as demandas específicas dos estudantes do ensino integrado do IFRS Campus Rio Grande Parágrafo único O (a) Diretor (a) de Ensino Integrado deverá ser estudante desta modalidade de ensino. Artigo 36 São atribuições do (a) Diretor (a) de Ensino Subseqüente a) Trabalhar pelas causas específicas dos estudantes do ensino subseqüente do IFRS Campus Rio Grande b) Zelar pelo diálogo direto entre a Diretoria do CEU IFRS Rio Grande e os estudantes do ensino subseqüente do IFRS Campus Rio Grande c) Levar à comunidade escolar as demandas específicas dos estudantes do ensino subseqüente do IFRS Campus Rio Grande Parágrafo único O (a) Diretor (a) de Ensino Subseqüente deverá ser estudante desta modalidade de ensino. Artigo 37 São atribuições do (a) Diretor de PROEJA a) Trabalhar pelas causas específicas dos estudantes do PROEJA do IFRS Campus Rio Grande b) Zelar pelo diálogo direto entre a Diretoria do CEU IFRS Rio Grande e os estudantes do PROEJA do IFRS Campus Rio Grande c) Levar à comunidade escolar as demandas específicas dos estudantes do PROEJA do IFRS Campus Rio Grande Parágrafo único O (a) Diretor (a) de PROEJA deverá ser estudante desta modalidade de ensino. Artigo 38 São atribuições do (a) Diretor de Ensino Tecnológico Superior a) Trabalhar pelas causas específicas dos estudantes do ensino tecnológico superior do IFRS Campus Rio Grande b) Zelar pelo diálogo direto entre a Diretoria do CEU IFRS Rio Grande e os estudantes do ensino tecnológico superior do IFRS Campus Rio Grand c) Levar à comunidade escolar as demandas específicas dos estudantes do ensino tecnológico superior do IFRS Campus Rio Grande Parágrafo único O (a) Diretor (a) de Ensino Tecnológico Superior deverá ser estudante desta modalidade de ensino. Artigo 39 São atribuições do (a) Diretor (a) de Relações Institucionais a) Zelar pelo constante diálogo entre todas as instâncias do CEU IFRS Rio Grande, e entre o CEU IFRS Rio Grande e os demais órgãos, associações, segmentos e entes tanto da comunidade interna do IFRS Campus Rio Grande quanto externa a este. b) Trabalhar para que toda e qualquer participação de membros do CEU IFRS Rio Grande em órgãos, conselhos, associações e entidades tantos internos quantos externos ao IFRS Campus Rio Grande, seja exercida de maneira responsável, qualificada e alinhada com os interesses dos membros do CEU IFRS Rio Grande.

7 Artigo 40 São atribuições do (a) Diretor (a) de Esportes a) Trabalhar para que o IFRS Campus Rio Grande valorize a prática esportiva como ação complementar a formação acadêmica. b) Coordenar e orientar as atividades esportivas dos estudantes; c) Desenvolver e fomentar a pratica de esportes entre os estudantes, criando projetos e atividades diversas nessas áreas; Artigo 41 - São atribuições do (a) Diretor (a) de Cultura e Eventos: a) Trabalhar para que o IFRS Campus Rio Grande valorize a criação artística e cultural como ação complementar a formação acadêmica. b) Desenvolver e fomentar a criação artística e cultural entre os estudantes, criando projetos e atividades diversas nessas áreas; c) Buscar formas de realizar intercâmbios culturais entre os projetos culturais do CEU IFRS Rio Grande e as entidades e organizações externas afins; d) Organizar confraternizações e outros eventos realizados pelo CEU IFRS Rio Grande. Artigo 42 - São atribuições do (a) Diretor (a) de Comunicação: a) Criar condições para publicação de informativos, jornais e panfletos do CEU e para a criação e manutenção de uma página na internet, de modo que contenham a divulgação das atividades do CEU IFRS Rio Grande e publicações e resenhas políticas, culturais, científicas e sociais de interesse dos estudantes; b) Divulgar os eventos, debates e confraternizações que venham a ser promovidos pelo CEU IFRS Rio Grande; c) Manter relações com a mídia estudantil, institucional e popular, buscando uma correspondência e colaboração com ela. Artigo 43 São atribuições do (a) Diretor (a) de Políticas Educacionais a) Coordenar e orientar as atividades em defesa da educação pública, gratuita e de qualidade para todos; b) Zelar para que o IFRS Campus Rio Grande cumpra seu Projeto Pedagógico Institucional, baseando-se sempre no tripé ensino - pesquisa extensão. c) Zelar pelo exercício da Gestão Democrática no IFRS Campus Rio Grande. Capítulo VI Das Agremiações de Curso Artigo 44 As Agremiações de Curso são as entidades representativas do coletivo dos estudantes de qualquer um dos cursos oferecidos no IFRS Campus Rio Grande Artigo 45 As Agremiações de Curso deverão ser criadas por meio de Assembléia Geral dos Estudantes do referido curso, reger-se-ão por Estatuto próprio, e deverão zelar pelos princípios do CEU IFRS Rio Grande e trabalhar juntamente com o CEU IFRS Rio Grande para a defesa dos Interesses dos estudantes do IFRS Campus Rio Grande Artigo 46 Será reconhecida pelo CEU IFRS Rio Grande apenas uma Agremiação de Curso para cada curso oferecido no IFRS Campus Rio Grande, devendo tal Agremiação reger-se por princípios democráticos e pela garantia de representação de todos os segmentos do referido curso, tanto em sua diretoria quanto em qualquer uma de suas instâncias deliberativas. Artigo 47 A Diretoria do CEU IFRS Rio Grande, bem como qualquer uma de suas instâncias deliberativas ou qualquer um dos seus membros, não se responsabilizará por qualquer obrigação contraída pelas Agremiações de Curso.

8 Capítulo VII Das Eleições Artigo 48 - Os princípios que regem as eleições do CEU IFRS Rio Grande são: a) A supremacia da participação, da democracia e da construção coletiva do processo eleitoral; b) A transparência e a garantia de liberdade e pluralidade de idéias, assegurando um processo legítimo e representativo. Artigo 49 - As eleições para a Diretoria do CEU IFRS Rio Grande serão majoritárias e na forma de chapas, com voto direto, facultativo, universal e secreto dos membros do CEU IFRS Rio Grande. Artigo 50 - A Diretoria do CEU IFRS Rio Grande terá mandato de um ano de duração, com no máximo uma semana a mais ou a menos de tolerância. Artigo 51 - São eleitores nesse processo todos os membros do CEU IFRS Rio Grande. Artigo 52 - Compete ao CR-CEU aprovar o Regimento Eleitoral, em reunião com antecedência mínima de um mês do final do mandato da gestão em exercício. Artigo 53 - O Regimento Eleitoral deverá conter normas que obedeçam ao presente Estatuto e regulamentem: a) Os requisitos para a inscrição das chapas; b) O funcionamento da campanha eleitoral; c) Os procedimentos de votação, fiscalização e apuração das eleições; d) As possibilidades e a forma de apresentação e avaliação de recursos; e) As penalidades para infrações às normas eleitorais. Artigo 54 - Depois de estabelecido o RE, compete a esta apresentar para aprovação, em reunião do CR-CEU, Edital de Eleição que deverá conter: a) A data da realização da eleição e horários de votação; b) O prazo, horário, local e forma para inscrição de chapas; c) Período em que poderá ser realizada a campanha eleitoral; d) Data, horário e local da apuração do resultado das eleições; e) Convocação Assembléia Geral dos Estudantes, na qual após julgados as eventuais apelações e encaminhamentos decorrentes destes julgamentos dar-se-á a posse da nova Diretoria; f) Assinatura dos componentes da Comissão Eleitoral e o carimbo oficial do CEU IFRS Rio Grande; Capítulo VII Das Disposições Gerais e Transitórias Artigo 55 - A extinção do CEU-IFRS Rio Grande se dará somente com aprovação pela maioria absoluta de Assembléia Geral convocada devidamente para este fim. Parágrafo Único - Neste caso o seu patrimônio será destinado a entidades congêneres, definidas de acordo com a última Assembléia Geral. Artigo 56 - Os casos omissos no presente estatuto serão decididos pela Assembléia Geral ou pelo Conselho Representativo do CEU, sendo este último em resolução aprovada por no mínimo quatro quintos da totalidade dos constituídos votantes e presentes. Artigo 57 - O presente Estatuto só poderá ser modificado em Assembléia Geral, especialmente

9 convocada para este fim. Artigo 58 - Este Estatuto entra em vigor depois de aprovado pelas instâncias estudantis competentes, devendo ser registrado em cartório, revogando-se as disposições em contrário. Aprovado por Assembléia Geral dos Estudantes, em 04/08/2011, conforme ata nº 003/2011

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais;

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais; ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO RUY BARBOSA (Faculdade de Direito-UFBA) TÍTULO I DA ENTIDADE Capítulo I Da Natureza Jurídica Art.1º O Centro Acadêmico Ruy Barbosa (CARB), fundado em 25 de Outubro de 1999,

Leia mais

Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro. Capítulo I Da entidade e seus fins

Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro. Capítulo I Da entidade e seus fins Estatuto da APG Fiocruz Rio de Janeiro Capítulo I Da entidade e seus fins Artigo 1. A Associação de Pós-Graduandos da Fundação Oswaldo Cruz do Rio de Janeiro (APG-Fiocruz Rio de Janeiro), fundada em 26

Leia mais

ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º. A União Estudantil do Instituto Federal de Goiás, Campus Uruaçu denominar-se-á

Leia mais

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS TÍTULO I Da Entidade Artigo 1º - O Diretório Acadêmico de Administração da Faculdade Palotina de Santa Maria,

Leia mais

Estatuto CAPPF ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO PROFESSOR PAULO FREIRE TÍTULO I

Estatuto CAPPF ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO PROFESSOR PAULO FREIRE TÍTULO I Estatuto CAPPF O Estatuto do CAPPF precisou ser modificado para ser adequado ao Código Civil. O novo estatuto foi aprovado em Assembléia dos Estudantes da FEUSP com pauta específica no dia 23 de abril.

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga

Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga Estatuto do Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental C.A.E.A. Mariana Braga Capítulo I - Da Entidade Art. 1 - O Centro Acadêmico da Engenharia Ambiental, sob a denominação de C.A.E.A. Mariana Braga, entidade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO ESTATUTO Capítulo I: Da Denominação Artigo 1º - O Diretório Acadêmico da, FACE ALFOR, é entidade máxima de representação dos estudantes dos cursos de Direito, Administração de Empresas e Engenharia Civil

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

Estatuto do curso do Centro Acadêmico de Comunicação Social

Estatuto do curso do Centro Acadêmico de Comunicação Social Estatuto do curso do Centro Acadêmico de Comunicação Social Capítulo I Da Natureza Artigo 1 O centro acadêmico de Comunicação Social-Jornalismo da Universidade Federal do Cariri, entidade livre e independente,

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Entidade

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Entidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco Coordenação de Sistemas de Informação Diretório Acadêmico de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Avenida Professor Luiz

Leia mais

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS.

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS. NOVO ESTATUTO SOCIAL DA AGATEF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E OBJETIVOS Artigo 1º A Associação Gaúcha de Terapia Familiar, com sigla AGATEF, fundada em 1º de outubro de 1994, é uma Associação sem

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

FEDERAÇÃO DO MOVIMENTO ESTUDANTIL DE HISTÓRIA

FEDERAÇÃO DO MOVIMENTO ESTUDANTIL DE HISTÓRIA FEDERAÇÃO DO MOVIMENTO ESTUDANTIL DE HISTÓRIA Estatuto FEMEH Estatuto da Federação do Movimento Estudantil de História TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO Artigo 1º. A Federação

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO INSTITUCIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DA FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO TÍTULO I

ESTATUTO DO CONSELHO INSTITUCIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DA FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO TÍTULO I ESTATUTO DO CONSELHO INSTITUCIONAL DOS ESTUDANTES DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DA FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO TÍTULO I Da natureza, denominação, sede, foro e duração. Da natureza Art. 1º - O Conselho

Leia mais

FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração)

FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração) FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração) Aprovado em Assembléia Geral Ordinária realizada no dia 11 de Setembro de 2014 às 16:00h,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO GRÊMIO 08 DE ABRIL, fundada no dia 16 de fevereiro de 1990, com o CNPJ nº

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

Como montar uma ONG no Amapá

Como montar uma ONG no Amapá Como montar uma ONG no Amapá Eis um modelo básico do Estatuto Social de uma ONG comumente divulgado na internet. Faça as alterações e adapte à sua realidade. Existem modelos mais amplos e mais completos,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÂO I A

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede.

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. Artigo 1º O Diretório Central dos Estudantes das Faculdades de Tecnologia

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE MEDITAÇÃO DE SALVADOR. CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede, Finalidades e Duração

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE MEDITAÇÃO DE SALVADOR. CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede, Finalidades e Duração ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE MEDITAÇÃO DE SALVADOR CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede, Finalidades e Duração Art. 1 - O Centro de Meditação de Salvador de Meditação de Salvador é uma associação religiosa,

Leia mais

Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS

Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS AGOSTO 2011 DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º O Instituto de Investimentos, assim denominado, e também chamado,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO. CAPÍTULO I Da Denominação

ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO. CAPÍTULO I Da Denominação ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I Da Denominação Art. 1º - O Diretório Acadêmico do curso de Administração Pública-DAAP

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PEQUENA CASA DA CRIANÇA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADES E DURAÇÃO Art. 1º - A PEQUENA CASA DA CRIANÇA é uma Associação Civil, Sem Finalidade de Lucros e Filantrópica, tem seus

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA, também designada pela sigla

Leia mais

Estatuto Social. Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia. Alumni IME

Estatuto Social. Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia. Alumni IME ESTATUTO SOCIAL Estatuto Social Associação dos Ex-alunos do Instituto Militar de Engenharia Alumni IME Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Associação dos Ex-alunos do Instituto

Leia mais

Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil

Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO, JURISDIÇÃO E FINS Art. 1º. A Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil (IPRB), fundada no dia 8

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

Estatuto da Convenção Batista Nacional do Estado de São Paulo

Estatuto da Convenção Batista Nacional do Estado de São Paulo Estatuto da Convenção Batista Nacional do Estado de São Paulo CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS E SEDE Art. 1o. A Convenção Batista Nacional do Estado de São Paulo, também, designada pela sigla CBN/SP, é

Leia mais

ESTATUTO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CASARÃO DA VÁRZEA - AACV Alterações aprovadas na Assembléia Geral do dia 20 de junho de 2006

ESTATUTO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CASARÃO DA VÁRZEA - AACV Alterações aprovadas na Assembléia Geral do dia 20 de junho de 2006 ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CASARÃO DA VÁRZEA - AACV Alterações aprovadas na Assembléia Geral do dia 20 de junho de 2006 CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - A Associação dos Amigos do Casarão da Várzea,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE 1 ESTATUTO ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE Estatuto aprovado na Assembléia Geral Ordinária de fundação realizada em 07 de fevereiro de 1994 e alterado nas Assembléias Gerais Ordinárias

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS - LHCMA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS é uma entidade sem fins lucrativos, com duração

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA.

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. Capítulo I Denominação, fins e sede do CEPESC Art. 1º. O Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR. Estatuto

PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR. Estatuto PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR Estatuto Capítulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A PCJ - PIO XII CONSULTORIA JÚNIOR é uma associação civil sem fins lucrativos, com fins educativos,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA E S T A T U T O CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1 A ASSOCIAÇÃO BATISTA DE AÇÃO SOCIAL DE CURITIBA, denominada neste Estatuto de

Leia mais

SOCIEDADE BATISTA DE BENEFICÊNCIA TABEA

SOCIEDADE BATISTA DE BENEFICÊNCIA TABEA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA Conforme Assembléia Geral Extraordinária realizada em vinte e três de julho de dois mil e dez (23.07.2010), devidamente convocada na forma prevista pelo estatuto, para o fim específico

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º - A Associação dos Moradores e Proprietários do Loteamento VILLAGIO I, com o nome de fantasia ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - A Entidade constitui-se de uma associação civil, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ

REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ REGULAMENTO GERAL DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ TÍTULO I DA FINALIDADE E DA COMPETÊNCIA DO CAMPUS VIRTUAL DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO CEARÁ CVSP Art. 1º O Campus Virtual

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES DO SINDICATO ARTIGO 1º O Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CITOLOGIA CLÍNICA Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º. A Liga de Citologia Clínica é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO

ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E DOS SEUS OBJETIVOS: Art. 1º. A AGEPOLJUS Associação Nacional dos Agentes de Segurança

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS FACULDADE INTERDISCIPLINAR EM HUMANIDADES - UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI UFVJM CAPÍTULO I

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária

Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Ata de Assembléia geral para constituição, aprovação do Estatuto, eleição e posse da Diretoria e Conselho Fiscal do Instituto de Ação Comunitária Integração também designado IACI. Aos 18 dias do mês de

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014

RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014 RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014 Dispõe sobre o Regulamento das Atividades do Núcleo de Gestão Ambiental do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO REGISTRADO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DA COMARCA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ BAHIA, sob Número: 6.893, protocolo 2, fls. 117, Registro n.º 477, livro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL Título I Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. Art. 1º - A Associação brasileira para Educação Ambiental em Áreas de Manguezal,

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º - O CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM TITULO I - DA ASSOCIAÇÃO Capitulo I - Da Denominação, Natureza e Objetivo. Art. 1 o. - A Associação Brasileira de Terapia

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro Artigo 1º A Associação dos Gestores de Tecnologia da Informação do Estado de Sergipe, denominada também pela sigla CIO-SE,

Leia mais

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Fins Artigo 1 - A Associação dos Auditores Fiscais da Prefeitura Municipal de Campinas é uma sociedade civil, com sede e foro na Cidade de Campinas, na rua General

Leia mais

ESTATUTO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES - DCE UNIFEI TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E FINS.

ESTATUTO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES - DCE UNIFEI TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E FINS. ESTATUTO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES - DCE UNIFEI TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E FINS. Art. 1º - O Diretório Central dos Estudantes da Universidade Federal de Itajubá DCE UNIFEI terá sede político-administrativa

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E S T AT U T O CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E SUAS FINALIDADES:

ASSOCIAÇÃO DE ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E S T AT U T O CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E SUAS FINALIDADES: ASSOCIAÇÃO DE ENGENHEIROS E ARQUITETOS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS E S T AT U T O CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E SUAS FINALIDADES: Artigo 1 - A Associação de Engenheiros e Arquitetos de São José dos Campos (AEA/SJCampos),

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS

ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS ESTATUTO TÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO ÚNICO DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES ASSOCIATIVAS Art. 1º - A Associação de Mantenedoras Particulares de Ensino Superior de

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

Associação Brasileira de Pesquisadoras e Pesquisadores pela Justiça Social - ABRAPPS ESTATUTO

Associação Brasileira de Pesquisadoras e Pesquisadores pela Justiça Social - ABRAPPS ESTATUTO Associação Brasileira de Pesquisadoras e Pesquisadores pela Justiça Social - ABRAPPS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Pesquisadoras e Pesquisadores

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI ESTATUTO DA ABRAFI ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE Título I Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Capítulo Único Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Associativas Art. 1 - A Associação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE, FORO E FINALIDADES

TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE, FORO E FINALIDADES REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE, FORO E FINALIDADES Capítulo I Da Denominação, Constituição, Natureza, Duração, Sede e Foro Art. 1 A Associação dos Técnicos

Leia mais

TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE, FORO E PRAZO DE DURAÇÃO

TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE, FORO E PRAZO DE DURAÇÃO ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO TÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, SEDE, FORO E PRAZO DE DURAÇÃO ARTIGO 1º: A FUNDAÇÃO, instituída pelo Sr. Roberto Marinho, de acordo com Escritura Pública lavrada no

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO BENEFICENTE PRAIA DO CANTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE NATUREZA FINS

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO BENEFICENTE PRAIA DO CANTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE NATUREZA FINS ESTATUTO DA FUNDAÇÃO BENEFICENTE PRAIA DO CANTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE NATUREZA FINS Artigo 1º - A FUNDAÇÃO BENEFICENTE PRAIA DO CANTO, doravante denominada pela sigla FBPC, com sede e foro na Rodovia

Leia mais

FÓRUM POTIGUAR DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS REGIMENTO. Natal/Rn

FÓRUM POTIGUAR DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS REGIMENTO. Natal/Rn FÓRUM POTIGUAR DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS REGIMENTO Natal/Rn Fórum Potiguar de Educação de Jovens e Adultos Regimento Interno Capítulo I Do Fórum Art. 1º. O Fórum Potiguar de Educação de Jovens e

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 ESTATUTOS Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, OBJECTO, NATUREZA E SEDE Artº 1º - Denominação e Objecto Artº 2º - Âmbito e Duração Artº 3º -

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA NOVA ESPERANÇA

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA NOVA ESPERANÇA ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA NOVA ESPERANÇA João Pessoa - PB ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DA FACULDADE DE MEDICINA NOVA ESPERANÇA Institucionalizado pelo Conselho Técnico-Administrativo

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS ARTESAOS E PRODUTORES CASEIROS DE FORTALEZA DE MINAS CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETIVO Art.1º- A Associação dos Artesãos e Produtores Caseiros de Fortaleza

Leia mais