PROGRAMAS DE APOIO FINANCEIRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS DE APOIO FINANCEIRO"

Transcrição

1 PROGRAMAS DE APOIO FINANCEIRO 1

2 APOIO FINANCEIRO (NOVOS PROGRAMAS) PAJ Programa de Apoio Juvenil: : em modalidades bienal, anual e pontual; PAI Programa de Apoio Infra- estrutural: em modalidades bienal ou anual. PAE Programa de Apoio Estudantil: em modalidades anual e pontual 2

3 APOIO FINANCEIRO PROGRAMAS DE APOIO PAJ PROGRAMA DE APOIO JUVENIL PAI PROGRAMA DE APOIO INFRA-ESTRUTURAL PAE PROGRAMA DE APOIO ESTUDANTIL BIENAL ANUAL PONTUAL MEDIDA 1 INFRA- ESTRUTURAS BIENAL E ANUAL MEDIDA 2 EQUIPAMENTO ANUAL MEDIDA 1 PONTUAL MEDIDA 2 ANUAL 3

4 PAJ Modalidades Específicas de Apoio Financeiro Apoio Financeiro BIENAL (2 anos), destinado a Associações Juvenis e Equiparadas pelo Artº 3º,, nº3 n 3 da Lei nº23/2006n 23/2006. Apoio Financeiro ANUAL,, destinado a Associações Juvenis e Equiparadas pelo Artº 3º,, nº3 n 3 da Lei nº23/2006n 23/2006. Apoio Financeiro PONTUAL,, destinado a Associações Juvenis (incluindo as sedeadas fora do território rio nacional), Grupos Informais de Jovens e AJ Equiparadas pelo Artº 3º, nº s 3 e 4 da Lei nº23/2006n 23/

5 PAJ - CANDIDATURA A candidatura é formalizada no sítio s da Internet disponibilizado pelo IPJ, através s do preenchimento de ficha de candidatura. Extraordinariamente em 2007, o per Extraordinariamente de candidatura decorre at Fevereiro. até 20 de, o período 5

6 PAJ - Candidaturas critérios rios gerais de apreciação (artº 44, Lei 23/2006) CAPACIDADE DE AUTO-FINANCIAMENTO NÚMERO DE JOVENS A ABRANGER NAS ACTIVIDADES IGUALDADE DE GÉNERO CUMPRIMENTO DE REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES APOIADAS REGULARIDADE DE ACTIVIDADES AO LONGO DO ANO 6

7 PAJ - Candidaturas critérios rios gerais de apreciação ão (artº 44, Lei 23/2006) cont. IMPACTO DO PROJECTO NO MEIO IMPACTO DO PROJECTO NA ASSOCIAÇÃO OPTIMIZAÇÃO DAS DESPESAS DE ESTRUTURA (REC. HUMANOS E FUNCIONAMENTO) FACE AO CUSTO TOTAL DE UM PROJECTO CAPACIDADE DE ESTABELECER PARCERIAS 7

8 PAJ Apoio Bienal Plano de actividades para 2 anos, com, obrigatoriamente, 50% de acções continuadas a começar num ano e a acabar no seguinte - definindo: Eixos Estratégicos Objectivos Acções a desenvolver ( descrição das actividades; metodologias; meios técnicos, t materiais e humanos; nº de jovens; e calendarização) 8

9 PAJ Apoio Bienal (cont Orçamento detalhado para 2 anos cont.) Métodos, Instrumentos e Indicadores de avaliação da concretização do projecto Declaração de TOC ou ROC que comprove a existência de contabilidade organizada. 9

10 PAJ Apoio Anual Plano de actividades para 1 ano, definindo: - Objectivos - Acções a desenvolver ( descrição das actividades; metodologias; meios técnicos, materiais e humanos; nº n de jovens; e calendarização) - Orçamento detalhado 10

11 PAJ - Candidaturas critérios rios gerais de apreciação APOIO PONTUAL Actividades que pela sua natureza ocorram sós uma vez. Actividades de índole internacional. Actividades organizadas, conjuntamente, entre associações. Não são apoiadas actividades que decorram do normal funcionamento das entidades candidatas. 11

12 PAJ Apoio Pontual Plano de actividade(s), definindo: Objectivos Acções a desenvolver ( descrição das actividades; metodologias; meios técnicos, t materiais e humanos; nº n de jovens; e calendarização) Orçamento detalhado 12

13 APOIO FINANCEIRO PAJ PROGRAMAS DE APOIO PAJ PROGRAMA DE APOIO JUVENIL BIENAL ANUAL PONTUAL 13

14 PAJ ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FÓRMULA FÓRMULA APLICAÇÃO QUALITATIVA DE CRITÉRIOS BIENAL ANUAL PONTUAL 14

15 FÓRMULA DE APOIO BIENAL (art 9º ; PORTARIA 1230/2006) Cálculo totalmente automático 2x + 0,25% x X ( / )X Taxa de desemprego jovem da Região (NUTT) da Associação X ( / ) X ( / )X x x 15

16 FÓRMULA DE APOIO BIENAL (art 9º ; PORTARIA 1230/2006) AUTO- FINANCIAMENTO RATIO DESPESAS DE ESTRUTURA NÚMERO DE JOVENS A ABRANGER PARCERIAS EQUILÍBRIO DE GÉNERO (M/F) CUMPRIMENTO DE PLANO ANTERIOR REGULARIDADE DE ACTIVIDADES AO LONGO DO ANO 16

17 FÓRMULA DE APOIO BIENAL (art 9º ; PORTARIA 1230/2006) Até Sócios + de Sócios e até De e até Sócios + De e até Sócios + De e até Sócios + De Sócios 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 17

18 FÓRMULA DE APOIO BIENAL (art 9º ; PORTARIA 1230/2006) Associações com actividade regular, por distrito: + de 6 distritos + de 3, até 6 distritos Pelo menos 3 distritos 1,20 1,

19 PAJ - LIMITES AO APOIO FINANCEIRO SOBRE O ORÇAMENTO TOTAL DA ACÇÃO O IPJ FINANCIA: 19

20 PAJ - LIMITES AO APOIO FINANCEIRO (CONT.) AS ASSOCIAÇÕES NÃO PODEM BENEFICIAR,, SIMULTANEAMENTE, DE APOIO BIENAL E ANUAL NO MESMO ANO. 20

21 PAJ - LIMITES AO APOIO FINANCEIRO (cont cont.) Apoios Pontuais (nº 5 e 6, artº12, Portaria 1230/2006): 21

22 PAJ REDISTRIBUIÇÃO DE DOTAÇÃO REMANESCENTE VERBA ATRIBUÍDA 1ªFASE EQUITATIVA E ATÉ AOS LIMITES ESTABELECIDOS REMANESCENTE DA DOTAÇÃO VERBA ATRIBUÍDA 2ªFASE

23 PAJ 23

24 APOIO BIENAL: PAJ AVALIAÇÃO (artº 14 da Portaria 1230/2006) Relatório intercalar: até dia 1 de Março do 2º ano de apoio Relatório Final: até 1 de Março do ano seguinte ao da transferência da 2ª tranche do apoio. APOIO ANUAL: Relatório intercalar: até 15 de Outubro do ano de apoio Relatório Final: até 1 de Mar 1 de Março do ano seguinte ao da execução da candidatura 24

25 PAJ AVALIAÇÃO (artº 14 da Portaria 1230/2006) APOIO PONTUAL: Relatório Final: até 60 DIAS APÓS S O TÉRMINO T DA ACTIVIDADE. COMPROVATIVOS DA DESPESA TOTAL DA ACÇÃO APOIADA 25

26 PAJ AVALIAÇÃO ÃO- REGRAS GERAIS TODAS AS ACÇÕES DEVERÃO SER JUSTIFICADAS A 100%. RELATIVAMENTE AOS VALORES APRESENTADOS NO ORÇAMENTO INICIAL, SENDO QUE A ORÇAMENTAÇÃO DA ESTRUTURA DEVE MANTER O RATIO DA APROVAÇÃO. TODOS OS DOCUMENTOS JUSTIFICATIVOS DEVEM ESTAR DE ACORDO COM AS NORMAS FISCAIS E CONTABILÍSTICAS VIGENTES. AUDITORIA AOS PLANOS APROVADOS, BIENAIS (30%) E ANUAIS (15%) PUBLICITAÇÃO, VISÍVEL, DO APOIO DO IPJ

27 DATAS DE REFERÊNCIA CANDIDATURA COMUNICAÇÃO DE VERBA ATRIBUÍDA TRANSFERÊNCIA DE TRANCHE(S) DE FINANCIAMENTO AVALIAÇÃO - ENTREGA DE RELATÓRIO(S) 27

28 PAJ PAI PAE 28

29 PAJ 29

30 PAJ REPOSIÇÕES (artº 15º) a) Em caso de não realização de acção, na proporção do peso da acção sobre o apoio total b) Na percentagem da despesa não justificada, relativamente ao apoio total atribuído c) Quando os critérios previstos no nº 1 do artº 44, com excepção da alínea a), se apresentarem com quantificação inferior -no total da candidatura ao momento da aprovação. NOTA: UMA ENTIDADE QUE DESISTA DE UMA ACÇÃO APÓS COMUNICAÇÃO DO APOIO, PERDERÁ O VALOR CALCULADO EM PROPORÇÃO, PARA A MESMA.

31 SANÇÕES (artº 44) APLICADAS PELA CE DO IPJ, APÓS INFORMAÇÃO DOS SERVIÇOS: NÃO ATRIBUIÇÃO APOIO PARA O ANO SEGUINTE OU SEGUINTES, SE O RELATÓRIO RIO FINAL ESTIVER EM FALTA; NÃO ATRIBUIÇÃO DE APOIO CONSEQUENTE A UM PROJECTO PONTUAL EM QUE O RELATÓRIO RIO FINAL ESTEJA EM FALTA; DEVOLUÇÃO DA TOTALIDADE DA VERBA NA FALTA DO RELATÓRIO RIO FINAL; NÃO SE TRANSFERE A SEGUNDA TRANCHE EM FALTA DO RELATÓRIO RIO INTERCALAR; APLICAÇÃO COMPLEMENTAR DAS SANÇÕES PREVISTAS NO ARTº 47 DA LEI ;

32 EXERCÍCIO CIO 1 - PAJ As associações juvenis e as associações equiparadas podem candidatar-se a apoio bienal, anual e pontual F As candidaturas bienais sós são elegíveis se as associações juvenis realizarem 50% do plano de actividades, continuamente, nos dois anos; v

33 EXERCÍCIO CIO 1 - PAJ Quem for apoiado em 2 acções pontuais, não pode ser apoiado em mais nenhuma modalidade, nesse ano. V Os apoios bienais e pontuais são atribuídos automaticamente pela aplicação, por fórmula f matemática tica F

34 EXERCÍCIO CIO 1 - PAJ As entidades que não concordarem com o apoio que lhes foi atribuído podem desistir de algumas acções para aumentar a verba das outras. F Podem também m reformular os orçamentos, por acção, até o apoio chegar ao limite de 70% v

35 EXERCÍCIO CIO 1 - PAJ As acções têm de ser justificadas a 80%, devendo esta percentagem manter-se no custo total do projecto F uma associação juvenil pode ser apoiada até 60% por acção e no plano de actividades, mas sós pode gastar 50% em estrutura F

36 PAI PROGRAMA DE APOIO INFRAESTRUTURAL 36

37 PAI Medidas a aplicar nas modalidades BIENAL ou ANUAL Medida1 - Bienal ou Anual Apoio financeiro a Infra-estruturas estruturas,, destinado a Ass.. Juvenis inclui a construção, reparação e aquisição de espaços para a realização de actividades e instalação de sedes. Medida 2 - Anual equipamentos Anual Apoio financeiro a equipamentos,, contemplando os apoios à aquisição de equipamentos para a sede e realização de actividades das Associações de Jovens. 37

38 PAI - CANDIDATURA A candidatura é formalizada no sítio s da internet disponibilizado pelo IPJ, através s do preenchimento de ficha de candidatura. Extraordinariamente em 2007, o período de candidatura decorre até 20 de Fevereiro. 38

39 PAI APOIO BIENAL e ANUAL PAI Medida1 Plano de actividades, para o período em que decorrerão as intervenções, ao nível n do apoio concedido, discriminando: Objectivos Acções a desenvolver (descrição das actividades; metodologias; meios técnicos, t materiais e humanos; nº n de destinatários jovens; acções a realizar e calendarização.) Métodos, instrumentos e indicadores de avaliação da concretização do projecto. Declaração de TOC ou ROC que comprove a existência de contabilidade organizada (só para o bienal) Projecto de arquitectura, ou projecto de alteração aprovado por entidade competente Planta do imóvel Caderno de encargos e orçamento, bem como, contrato de compra e venda de prédios rústicos r ou urbanos ou contratos de cedência de direitos de superfície 39

40 PAI APOIO ANUAL Medida 2 Plano de actividades para o período em que decorrerão as intervenções ao nível n do apoio concedido discriminando: Objectivos Acções a desenvolver (descrição das actividades; metodologias; meios técnicos, t materiais e humanos; nº n de destinatários jovens; acções a realizar e calendarização.) Métodos, instrumentos e indicadores de avaliação da concretização do projecto. Três propostas de orçamento por equipamento a adquirir 40

41 PAI CANDIDATURA(cont PAI Medida 1 (cont.) O Plano de actividades e respectiva documentação acessória, não necessita de ser entregue, no caso de o mesmo jáj ter sido entregue para o mesmo ano em candidatura ao PAJ. O direito de cedência de superfície tem de ser de pelo menos 50 anos. Os documentos deverão ser entregues no IPJ por depósito ou carta registada com aviso de recepção. 41

42 PAI LIMITES AO APOIO FINANCEIRO Medida 1 O limite de verba atribuída é de por ano e por entidade, tendo as entidades de garantir pelo menos 30% do financiamento do valor do projecto. Medida 2 O limite de verba atribuída é de por ano e por entidade, tendo as entidades de garantir pelo menos 30% do financiamento do valor do projecto. ( Este limite pode ser alterado, pelo membro do governo responsável pela área da juventude, sob proposta da CE ) 42

43 PAI TRANSFERÊNCIA DE VERBAS Medidas 1 e 2: Bienal 50 %: entre 15 de Abril e 30 de Maio 50 %: entre 15 de Abril e 30 de Maio, do segundo da execução da candidatura após s a entrega do relatório rio intercalar. Anual 70 %: entre 15 de Abril e 30 de Maio 30 %: 15 dias após s a entrega do relatório rio intercalar 43

44 Medidas 1 e 2: Anual PAI AVALIAÇÃO Entrega do relatório rio intercalar até 15 de Outubro. Entrega relatório rio final até 1 de Março, do ano seguinte à execução da candidatura, contendo: Elementos qualitativos e quantitativos, relativos às s actividades desenvolvidas e aplicação do subsídio atribuído Documentos comprovativos das despesas efectuadas Sempre que o termino do projecto se verifique até 1 de Outubro o relatório rio intercalar, deve excepcionalmente substituído pelo relatório rio final. As acções deverão ser totalmente justificadas. 44

45 PAI AVALIAÇÃO Bienal ÃO( cont.).) - Medida 1: entrega do relatório rio intercalar até 1 de Março o do segundo ano de execução da candidatura. Entrega relatório rio final até 1 de Março, do ano seguinte à transferência da 2ª 2 tranche, contendo: Elementos qualitativos e quantitativos, relativos ás s actividades desenvolvidas e aplicação do subsídio atribuído Relatório de contas do ano económico em causa certificados por TOC e aprovado em reunião de Ass.. Geral. Documentos comprovativos das despesas efectuadas As acções deverão ser totalmente justificadas 45

46 PAI AVALIAÇÃO ÃO ( cont.) Medida 1 Bienal e Anual e Medida 2 Anual Todos os documentos justificativos devem estar de acordo com as normas fiscais e contabilísticas vigentes. Quando da avaliação do relatório intercalar se a execução financeira não ultrapassar os 40% de execução do projecto a associação é penalizada em 5% a subtrair na segunda tranche. Esta disposição não se aplica quando o valor a cativar for inferior a 100. As duas últimas normas não se aplicam às s aquisições e cedências de direito de superfície. 46

47 Medida 1 PAI AVALIAÇÃO Bienal e Anual ÃO ( cont.) Em caso de reparações ou construções os relatórios rios devem ser acompanhados de cópia c dos autos de medição das obras executadas com justificativos das despesas pagas. Para as aquisições, bem como, para a cedência do direito de superfície, o relatório rio intercalar é substituído por um relatório rio final a entregar obrigatoriamente no prazo de 30 dias após s o acto constitutivo da aquisição ou cedência acompanhado por um relatório rio de contas, do ano económico em causa certificado por um TOC e aprovado em Ass.. Geral. (nº 3, Artº 24) Deverá ainda a Associação entregar documentos justificativos das despesas efectuadas, bem como, cópia c da escritura pública, p sob pena de devolução da verba atribuída. 47

48 PAI AUDITORIAS Medida 1 e 2: BienalBienal 30% projectos aprovados. AnualAnual 15% projectos aprovados. 48

49 PAI REEMBOLSO PAI Portaria 1230/2006 Artº 26º As Associações são obrigadas a reembolsar o IPJ na percentagem da despesa não justificada a multiplicar pelo apoio concedido, quando não apresentem justificação das despesas ao valor total do projecto proposto. 49

50 PAE PROGRAMA DE APOIO ESTUDANTIL 50

51 PAE - MEDIDAS MEDIDA 1 Apoio financeiro PONTUAL,, para Associações de Estudantes do Ensino Básico, B Secundário e Superior. MEDIDA 2 Apoio financeiro ANUAL destinado às s Associações de Estudantes do Ensino Superior, com excepção das Federações. 51

52 PAE - CANDIDATURA A candidatura é formalizada no sítio s da internet disponibilizado pelo IPJ, através s do preenchimento de ficha de candidatura. Extraordinariamente em 2007, o período de candidatura decorre até 20 de Fevereiro. 52

53 PAE PRAZOS APOIO PONTUAL As candidaturas podem ser apresentadas a qualquer altura com a antecedência de 60 dias úteis. O IPJ avalia e decide sobre a candidatura e o valor do apoio a conceder 15 dias úteis após s a sua entrada nos serviços. 53

54 PAE APOIO PONTUAL E ANUAL Critérios rios gerais de apreciação ão (artº 44, Lei 23/2006) CAPACIDADE DE AUTO-FINANCIAMENTO NÚMERO DE JOVENS A ABRANGER NAS ACTIVIDADES IGUALDADE DE GÉNERO CUMPRIMENTO DE REALIZAÇÃO DE ACTIVIDADES APOIADAS REGULARIDADE DE ACTIVIDADES AO LONGO DO ANO IMPACTO DO PROJECTO NO MEIO IMPACTO DO PROJECTO NA ASSOCIAÇÃO OPTIMIZAÇÃO DAS DESPESAS DE ESTRUTURA (REC. HUMANOS E FUNCIONAMENTO) FACE AO CUSTO TOTAL DE UM PROJECTO CAPACIDADE DE ESTABELECER PARCERIAS 54

55 PAE CANDIDATURAS APOIO PONTUAL Critérios rios de avaliação da candidatura: Actividades que pela sua natureza ocorram sós uma vez. Actividades de índole internacional. Actividades organizadas, conjuntamente, entre associações. Não são apoiadas actividades que decorram do normal funcionamento das entidades candidatas. 55

56 PAE APOIO PONTUAL LIMITES AO APOIO FINANCEIRO Uma candidatura até ao limite de para as associações que se candidataram a Apoio Anual. Duas candidaturas até ao limite de cada, para as associações que não se candidatem a Apoio Anual. Quatro candidaturas até ao limite de cada, para as Federações. As Associações beneficiárias devem garantir um limite mínimo de auto financiamento em 30% do valor do projecto. 56

57 PAE APOIO PONTUAL TRANSFERÊNCIA FINANCEIRA 100%, 30 dias antes do início da actividade As Associações beneficiárias devem publicitar, de forma visível, o apoio concedido pelo IPJ. 57

58 PAE APOIO PONTUAL - AVALIAÇÃO Elaborar e entregar relatório rio até 60 dias após s o término t da actividade, contendo: Elementos qualitativos e quantitativos, relativos às actividades desenvolvidas e aplicação do subsídio atribuído Documentos comprovativos das despesas efectuadas As despesas afectas às s acções deverão ser totalmente justificadas Todos os documentos justificativos devem estar de acordo com as normas fiscais e contabilísticas vigentes. 58

59 PAE APOIO PONTUAL - REEMBOLSO As Associações são obrigadas a reembolsar o IPJ: Na parte correspondente ao valor recebido sobre determinada actividade apoiada, quando não a tenham realizado; Na percentagem da despesa não justificada a multiplicar pelo apoio concedido, quando não apresentem justificação das despesas ao valor total do projecto proposto. 59

60 PAE APOIO PONTUAL - SANÇÕES A não entrega do relatório final determina a não candidatura aos apoios subsequentes. E ainda à devolução da totalidade da verba não justificada ao IPJ. Compete à Comissão Executiva do IPJ, aplicar as sanções após proposta fundamentada dos serviços. 60

61 PAE PRAZOS APOIO ANUAL As candidaturas podem ser apresentadas até 20 de Dezembro de cada ano. O IPJ avalia a candidatura devendo até 30 de Março, produzir a decisão final sobre a mesma. 61

62 PAE CANDIDATURAS APOIO ANUAL Critérios rios de avaliação da candidatura: Plano de actividades para um ano económico discriminando: Objectivos a atingir Acções a desenvolver (descrição das actividades; metodologias; meios técnicos, t materiais e humanos; nº n de destinatários jovens; acções a realizar e calendarização.) Orçamento detalhado 62

63 PAE APOIO ANUAL ATRIBUIÇÃO DO APOIO FINANCEIRO O apoio anual obedece á seguinte fórmula: Valor base= (6; 8; 10 ordenados mínimos + 1/50;55;60 x salário mínimo x nº alunos + majoração) Majoração: (resulta da aplicação dos critérios do Artº 44 da Lei Nº 23/2006 (corresponde a 5% do total da fórmula) 63

64 PAE APOIO ANUAL TRANSFERÊNCIA FINANCEIRA 70% entre 15 de Abril e 30 de Maio ao ano seguinte ao da candidatura. 30% 15 dias após entrega do relatório intercalar As Associações beneficiárias devem publicitar, de forma visível, o apoio concedido pelo IPJ. 64

65 PAE APOIO ANUAL - AVALIAÇÃO Elaborar e entregar obrigatoriamente relatório rio intercalar até 15 de Outubro do ano da execução da candidatura. Elaborar e entregar obrigatoriamente relatório rio final até 1 de Março do ano seguinte da execução da candidatura, contendo: Elementos qualitativos e quantitativos, relativos ás s actividades desenvolvidas e aplicação do subsídio atribuído Documentos comprovativos das despesas efectuadas As despesas afectas ás s acções deverão ser totalmente justificadas Todos os documentos justificativos devem estar de acordo com as normas fiscais e contabilísticas vigentes. 65

66 PAE APOIO ANUAL - REEMBOLSO As Associações são obrigadas a reembolsar o IPJ: Na parte correspondente ao valor recebido sobre determinada actividade apoiada, quando não a tenham realizado; Na percentagem da despesa não justificada a multiplicar pelo apoio concedido, quando não apresentem justificação das despesas ao valor total do projecto proposto. Quando os critérios previstos para o cálculo da majoração e em sede de relatório final sejam inferiores ao atribuído. 66

67 PAE APOIO ANUAL - AUDITORIAS Das candidaturas aprovadas, cabe ao IPJ auditar, anualmente, pelo menos, 15% do total. 67

68 PAE APOIO ANUAL - SANÇÕES A não entrega do relatório final determina a não candidatura ao apoio correspondente para o ano ou anos seguintes. E ainda à devolução da totalidade da verba não justificada ao IPJ. A não entrega do relatório intercalar determina a não transferência da segunda tranche. Compete à Comissão Executiva do IPJ, aplicar as sanções após proposta fundamentada dos serviços. 68

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

ANEXO XVII PROGRAMA DE APOIO À EXIBIÇÃO NÃO COMERCIAL

ANEXO XVII PROGRAMA DE APOIO À EXIBIÇÃO NÃO COMERCIAL 1 ANEXO XVII PROGRAMA DE APOIO À EXIBIÇÃO NÃO COMERCIAL 1. Programa e secções O Programa de Apoio à Exibição não Comercial compreende as seguintes secções: a) Secção I Rede de Exibição Alternativa Cinematográfica;

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo

Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Regulamento Municipal de Apoio ao Cooperativismo Considerando a necessidade de apoiar a criação e a consolidação de cooperativas residentes no concelho. Considerando a necessidade de incentivar a expansão

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 05.REV1/POFC/2009 PROCEDIMENTOS DE ENCERRAMENTO DE PROJECTOS 1. ENQUADRAMENTO No âmbito do acompanhamento dos projectos apoiados pelo POFC, importa estabelecer o conjunto de procedimentos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego

Programa Investe Jovem. Apoio à Criação do Próprio Emprego Programa Investe Jovem Apoio à Criação do Próprio Emprego Portal dos Incentivos Jan 2015 Índice 1 Apresentação de Tema... 2 1.1 Objeto... 2 1.2 Objetivo... 2 1.3 Destinatários do Apoio... 2 1.4 Requisitos

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO

REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO REGULAMENTO DE APOIO A ACTIVIDADES DE INTERESSE MUNICIPAL PREÂMBULO Atendendo a que a atribuição de apoios a entidades ou instituições que contribuam para o desenvolvimento do concelho de S. Pedro do Sul

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação

Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Incentivos à Contratação FEIRA DO EMPREENDEDOR 22-11-2012 Medidas Ativas de Emprego: Estágios e Apoios à Contratação Programa Estágios Port.92 Medida Estímulo 2012

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 492/2009 de 28 de Abril de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Na prossecução das suas atribuições cabe ao Instituto Português

Leia mais

Normas de Execução Financeira

Normas de Execução Financeira PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 1. Âmbito do financiamento POCI e POS_C Normas de Execução Financeira 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas

NOTA JUSTIFICATIVA. a) Revestimento de fachadas Proposta de Regulamento do programa de incentivos à recuperação de fachadas, coberturas e vãos de imóveis degradados nos aglomerados urbano nos Concelho de Penamacor NOTA JUSTIFICATIVA Pretende-se com

Leia mais

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense

Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Programa de Apoio ao Associativismo Sesimbrense Aprovado em Reunião de Câmara de 24 de Janeiro de 2001 Índice 1º. Introdução 2º. Objectivos 3º. Áreas de Acção 4º. Tipos de Apoio 5º. Metodologia da Apresentação

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho.

I.Estágios/Passaporte Emprego Portaria n.º 225-A/2012, de 31 de julho. A Resolução do Conselho de Ministros n.º 51-A/2012, de 14 de junho, veio criar o Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção de Empregabilidade Jovem e Apoio às PME s («Impulso Jovem»), que assenta em

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO. Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

PREÂMBULO REGULAMENTO DO

PREÂMBULO REGULAMENTO DO PREÂMBULO Sendo uma das atribuições das Câmaras Municipais promover, apoiando ou comparticipando, o desenvolvimento de actividades de interesse social que, de alguma forma, sirvam os interesses e necessidades

Leia mais

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO 1) Quais os objectivos que se pretende atingir com a Sessão de Imersão e o Seminário de Diagnóstico? A Sessão de Imersão tem por objectivo a apresentação

Leia mais

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT

PROCEDIMENTO. Ref. Pcd. 3-sGRHF. Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT PROCEDIMENTO Ref. Pcd. 3-sGRHF Bolsas de Investigação Científica da UA, financiadas pela UA ou por outras verbas desde que não provenientes da FCT Data: 14 /07/2011 Elaboração Nome: Fátima Serafim e Helena

Leia mais

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos

Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo. 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos Regulamento para atribuição do Financiamento Incentivo 2014 Estímulo à Contratação e Retenção de Recursos Humanos O crescimento do Sistema Científico e Tecnológico Nacional nas últimas duas décadas foi

Leia mais

Conceitos. SERVIÇOS CENTRAIS Av. da Liberdade 194, 1269-051 Lisboa Tel.: 21 317 92 00 Fax: 21 317 92 16/7. Página 1

Conceitos. SERVIÇOS CENTRAIS Av. da Liberdade 194, 1269-051 Lisboa Tel.: 21 317 92 00 Fax: 21 317 92 16/7. Página 1 Conceitos Página 1 Ficha1. Plano de Actividades O que é o Plano de Actividades? O Plano de Actividades integra o processo de planeamento e constitui uma peça fundamental, a partir da qual, se define para

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO DO CONCELHO DE TRANCOSO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO DO CONCELHO DE TRANCOSO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO DO CONCELHO DE TRANCOSO ÍNDICE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO INVESTIMENTO DO CONCELHO DE TRANCOSO... 1 Artigo 1.º... 1 (Condições de acesso)... 1

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Órgãos de Gestão EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro pelas

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

Lei n.º 23/2006, de 23 de Junho, Estabelece o regime jurídico do associativismo jovem (JusNet 1285/2006)

Lei n.º 23/2006, de 23 de Junho, Estabelece o regime jurídico do associativismo jovem (JusNet 1285/2006) LEGISLAÇÃO Lei n.º 23/2006, de 23 de Junho, Estabelece o regime jurídico do associativismo jovem (JusNet 1285/2006) ( DR N.º 120, Série I-A 23 Junho 2006 23 Junho 2006 ) Emissor: Assembleia da República

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 Perguntas e Respostas Aviso 09 - Auditoria Elevadores Edifícios Serviços 2015 v0 0 ÍNDICE ÂMBITO

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005

S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 S.R. DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º 40/2005 de 7 de Julho de 2005 Pela Resolução n.º 100/2005, de 16 de Junho, foi aprovado o Plano Integrado para a Ciência e Tecnologia. Desse Plano consta

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Freguesia da Batalha REGULAMENTO DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO DA FREGUESIA DA BATALHA Introdução O associativismo desempenha um papel de importante valor na dinamização

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira

DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT. Normas de execução financeira FINANCIAMENTO DE PROJETOS DE INVESTIGAÇÃO EXPLORATÓRIA NO ÂMBITO DO PROGRAMA INVESTIGADOR FCT Normas de execução financeira Financiamento de Projetos de Investigação Exploratória no âmbito do Programa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

( DR N.º 72, Série I-B 11 Abril 2006 11 Abril 2006 )

( DR N.º 72, Série I-B 11 Abril 2006 11 Abril 2006 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 345/2006, 11 de Abril, Cria o Programa Mobilidade e Intercâmbio para Jovens e aprova o respectivo Regulamento. Revoga a Portaria n.º 203/2001, de 13 de Março (JusNet 927/2006) (

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2. EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida

NOTA TÉCNICA Nº 2. EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA Nº 2 EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NATUREZA E LIMITES MÁXIMOS DOS CUSTOS ELEGÍVEIS (Decreto - Regulamentar 84-A/2007, na sua atual redação e Despacho Conjunto das Secretarias

Leia mais

REGULAMENTO RELATIVO AOS PROGRAMAS DE APOIO

REGULAMENTO RELATIVO AOS PROGRAMAS DE APOIO REGULAMENTO RELATIVO AOS PROGRAMAS DE APOIO TÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos concursos públicos promovidos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistemas de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial e Logística (SAAAEL) Aviso para apresentação de Candidaturas em Contínuo Balcão Permanente

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013

SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas. CCDRC, 14 fevereiro 2013 SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Micro empresas CCDRC, 14 fevereiro 2013 PROGRAMA VALORIZAR RCM n.º 7/2013, de 9/01 Valorização do território do interior e de baixa densidade demográfica e

Leia mais

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação

Introdução. Artigo 1.º Objecto e âmbito de aplicação 1 REGULAMENTO DA VENDA DE LOTES PARA CONSTRUÇÃO DE HABITAÇÃO EM LOTEAMENTOS MUNICIPAIS A JOVENS NATURAIS OU RESIDENTES NO CONCELHO DAS CALDAS DA RAINHA Introdução Com o objectivo de fixar jovens nas freguesias

Leia mais

OBRAS NACIONAIS ATRAVÉS DE ASSOCIAÇÕES DO SETOR

OBRAS NACIONAIS ATRAVÉS DE ASSOCIAÇÕES DO SETOR ANEXO XX PROGRAMA DE APOIO À INTERNACIONALIZAÇÃO SUBPROGRAMA DE APOIO À DIVULGAÇÃO E PROMOÇÃO INTERNACIONAL DE OBRAS NACIONAIS ATRAVÉS DE ASSOCIAÇÕES DO SETOR 1. Âmbito O ICA apoia projetos promovidos

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio

Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Referencial Elaboração do Contrato de Consórcio Sistema de Incentivos à I&DT e Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONTRATO CONSÓRCIO EXTERNO Aplicável a projectos de I&DT

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010

NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 NOTA TÉCNICA Nº 2/UA1/2010 A presente Nota tem por objectivo auxiliar as entidades beneficiárias, conforme âmbito e condições estabelecidas no Aviso de Abertura nº 20/2010, na elaboração das candidaturas

Leia mais

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA

BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇ BUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR RESIDENTES NO CONCELHO DE S. JOÃO DA MADEIRA Pretende-se, com este regulamento, incentivar e proporcionar condições de

Leia mais

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos:

SOLARH. Legislação aplicável: Definição e Objectivos: Legislação aplicável: Decreto-Lei n.o 39/2001 revoga o Decreto-Lei nº 7/99, de 8 de Janeiro. SOLARH Definição e Objectivos: O Apoio Financeiro Especial para Obras em Habitação Permanente (SOLARH), visa

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO Introdução 1. As Autarquias locais desempenharam ao longo dos últimos anos um papel insubstituível no desenvolvimento

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos

Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores- Condições e Procedimentos 1. Beneficiários Empresas com sede na Região Autónoma dos Açores que não tenham como actividade principal

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 751/2009 de 9 de Julho de 2009 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de Dezembro, estabeleceu o enquadramento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DO CINEMA, DANÇA E TEATRO

REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DO CINEMA, DANÇA E TEATRO REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A PROJETOS DE CRIAÇÃO NAS ÁREAS DO CINEMA, DANÇA E TEATRO 2015 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação) concede, através do Programa Gulbenkian de Língua

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL

- REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL - REGULAMENTO - PROGRAMA VOLUNTARIADO JUVENIL Artigo 1.º Objetivos O programa Voluntariado Juvenil visa promover a participação cívica dos jovens em ações de voluntariado de interesse social e comunitário,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 Perguntas e Respostas Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 v0 0 ÍNDICE

Leia mais

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa

Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Regulamento relativo à manutenção e inspecção de ascensores, monta-cargas, escadas mecânicas e tapetes rolantes da Câmara Municipal da Trofa Aprovado em reunião de Câmara de 12 de Setembro de 2003 e em

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS do Montepio Geral Associação Mutualista Título II DISPOSIÇÕES PARTICULARES - MODALIDADES INDIVIDUAIS Artigo 1.º (Definições e Interpretação) 1. Nesta Secção, os termos e expressões iniciados por maiúsculas têm o significado que lhes é atribuído no Título VI (Glossário) do Regulamento. 2. Em caso de conflito

Leia mais

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER

NORMA DE PAGAMENTOS. Componente FEDER NORMA DE PAGAMENTOS Componente A PRESENTE NORMA DE PAGAMENTOS APLICA-SE AOS PEDIDOS DE PAGAMENTOS A FORMALIZAR (APÓS 18-01-2013) E AINDA AOS QUE SE ENCONTRAM EM ANÁLISE NO IDE- RAM, NO ÂMBITO DO SISTEMAS

Leia mais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais

5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais 5º - Regra sobre a gestão de deslocações, Nacionais e Internacionais Como se pode constatar na regra 3, a filosofia de imputação de despesas com deslocações e subsistência, está directamente relacionada

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto

EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Artigo 1.º Objeto DATA: Quarta-feira, 30 de julho de 2014 NÚMERO: 145 SÉRIE I EMISSOR: Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social DIPLOMA: Portaria n.º 151/2014 SUMÁRIO: Cria o Programa Investe Jovem Artigo

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P.

INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, I.P. REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto Português do Mar

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho

AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho Publicado em DR I.ª Série n.º 129 de 9 de Julho AVISO N.º 10/2013 de 9 de Julho ASSUNTO: AQUISIÇÃO OU AUMENTO DE PARTICIPAÇÕES QUALIFICADAS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Havendo a necessidade de se adequar

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA Deliberações CMC POR: 9/10/2007, 15/07/2008, 30/01/2012 e 8/08/2012 SAÚDE (LISBOA) ENTRADA EM VIGOR DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO EM 9/08/2012 NA REDAÇÃO DADA PELA DELIBERAÇÃO

Leia mais

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015

Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Regulamento do Programa de Financiamento a Projetos pelo INR, I.P. 2015 Republicação Artigo 1.º Objeto 1 - O presente regulamento define a natureza dos apoios a nível nacional do Programa de Financiamento

Leia mais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais

Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Regulamento Específico Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos Acções Materiais Programa Operacional Valorização do Território Deliberações CMC POR: 26/03/2008, 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010,

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE AUXÍLIOS ECONÓMICOS 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A lei n. º159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de transferência

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 01 / SIALM / 2013 SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS (SIALM) Nos termos do Regulamento do Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Exploratório - Centro Ciência Viva de Coimbra torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA

Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA Regulamento do Programa de Incentivos à Recuperação de fachadas e coberturas de Imóveis degradados situados na Cidadela de Bragança NOTA JUSTIFICATIVA Face ao quadro legal em vigor, ao abrigo do qual se

Leia mais

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas Financiamento e Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Concelho da Nazaré no âmbito do Programa FINICIA Anexo I ao protocolo financeiro e de cooperação Normas e Condições de Acesso Artigo 1º. (Objectivo)

Leia mais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais

Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Proposta de Alteração Normas Municipais de Apoio Social para Melhorias Habitacionais Preâmbulo Uma habitação condigna representa um dos vectores fundamentais para a qualidade de vida do ser humano, sendo,

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais