FACULDADE EÇA DE QUEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE EÇA DE QUEIROS"

Transcrição

1 FACULDADE FACULDADE EÇA DE QUEIROS PADRÃO METODOLÓGICO PARA TRABALHOS ACADÊMICOS DA FACEQ Organizadores: Prof. Ms. Mauro Cesar Gonçalves Profa. Dra. Maria Clara Lopes Saboya Profa. Ms. Elisangela F. Nogueira Godêncio Profa. Esp. Sônia C. Esplendor dos Santos Profa. Ms. Simone Clini Prof. Ms. Geraldo Carlos Barbosa Prof. Ms. Geraldo Daré Pereira Prof. Ms. Laércio Pinheiro de Lima Prof. Ms. Washington Santos Nascimento Agosto 2012

2 2 SUMÁRIO IMPORTÂNCIA DO PADRÃO METODOLÓGICO... 3 TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS... 5 Resenha - crítica... 5 Comunicação Científica... 5 Artigos... 6 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO E PROJETO DE PESQUISA... 7 O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 9 O TCC e algumas recomendações gerais... 9 O que o TCC não pode apresentar O que o TCC deve apresentar Escolha do Tema Etapas da Elaboração REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO Papel Digitação Margens Numeração das páginas Encadernação Citações Referências Capa Bacharel em Administração ou Licenciatura Capa Licenciatura em Letras Capa Projeto Integrado Supervisionado Folha de Rosto Bacharel ou Licenciatura Folha de Rosto Licenciatura em Letras Folha de Rosto Projeto Integrado Supervisionado Folha da Banca Examinadora (Bacharel e Licenciatura) Folha da Banca Examinadora (PIS) Folha de Dedicatória Folha de Agradecimentos Epígrafe Sumário REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICA... 42

3 3 IMPORTÂNCIA DO PADRÃO METODOLÓGICO Porque não começarmos pela apresentação de um problema àquele que acaba de ingressar no curso superior: O que é Metodologia? Que relação há entre Ciência e Metodologia Científica? Qual a sua importância e utilidade para o universitário? Partindo da definição etimológica do termo temos que a palavra Metodologia vem do grego meta = ao largo; odos = caminho; logos = discurso, estudo. A Metodologia é entendida como uma disciplina que consiste em estudar e avaliar os vários métodos disponíveis, identificando as limitações de suas utilizações. A Metodologia, num nível aplicado, examina e avalia as técnicas de pesquisa bem como a geração ou verificação de novos métodos que conduzem à captação e processamento de informações com vistas à resolução de problemas de investigação. A Metodologia seria a aplicação do método através de técnicas. Constitui o procedimento que deve seguir todo conhecimento científico para comprovar sua verdade e ensiná-la O método é o caminho ordenado e sistemático, a orientação básica para se chegar a um fim e técnica é a forma de aplicação do método. Representa a maneira de atingir um propósito bem definido. Têm-se então o método como estratégia e as técnicas como táticas necessárias para se operacionalizar a estratégia. Assim, o método estabelece de modo geral o que fazer e técnica nos dão o como fazer, isto é, a maneira mais hábil, mais perfeita de fazer uma atividade. A Metodologia no quadro geral da ciência é uma Metaciência isto é, um estudo que tem por objeto a própria Ciência e as técnicas específicas de cada Ciência. A Metodologia não procura soluções, mas escolhe as maneiras de encontrá-las, integrando os conhecimentos a respeito dos métodos em vigor nas diferentes disciplinas científicas ou filosóficas. Com relação à importância da Metodologia Científica, esta é baseada na apresentação e exame de diretrizes aptas a instrumentar o universitário no que tange a estudar e aprender. Para nós, mais vale o conhecimento e manejo desta instrumentação para o trabalho científico do que o conhecimento de uma série de problemas ou o aumento de informações acumuladas sistematicamente. Estamos, pois voltados para assessorar e colaborar com o crescimento intelectual do aluno para a formação de um compromisso científico frente à realidade empírica. A Metodologia auxilia e, portanto, orienta o universitário no processo de investigação para tomar decisões oportunas na busca do saber e na formação do estado de espírito crítico e hábitos correspondentes necessários ao processo de investigação científica. O uso de processos metodológicos permitirá ao estudante o desenvolvimento de seu raciocínio

4 4 lógico e de sua criatividade. Assim, a Metodologia Científica deve-se propor a desenvolver a capacidade de observar, selecionar e organizar cientificamente os fatos da realidade. Portanto devemos estar voltados para capacitar o estudante, através de reflexões, práticas e reflexões sobre estas mesmas práticas, a uma análise do conhecimento e do seu processo de produção. Através da Metodologia Científica deve-se criar ou estimular o desenvolvimento do espírito crítico e observador do aluno para que ele possa ver a realidade com toda sua nudez, analisando-a e refletindo-a a luz de concepções filosóficas e teóricas. Assim, através do estudo da Metodologia Científica vão sendo apresentadas diretrizes para a formação paulatina de hábitos de estudos científicos já que a pesquisa e a reflexão devem constituir-se em objetivos principais da vida universitária. Metodologia Científica não é um amontoado de técnicas, embora elas devam existir, mas sim um conhecimento que deve estar sempre em relacionamento e a serviço de uma proposta nova de Universidade e conhecimento. A Metodologia Científica estrutura-se, portanto para contribuir para que a Universidade desenvolva as funções que lhe são impostas frente às necessidades culturais e econômicas emergentes. Assim, a Metodologia Científica vem para auxiliar na formação profissional do estudante. Pretende-se alcançar uma formação profissional competente bem como uma formação sócio-política que conduzirão o aluno a ler crítica e analiticamente o seu cotidiano. A formação profissional competente está diretamente relacionada ao crédito dado ao estudo e à elaboração de um projeto de estudo. Isto é, deve estar implícita a preocupação em aprender as funções advindas de sua carreia profissional. Considerando-se a Universidade como centro do saber, como uma instituição preocupada com a qualificação do ensino, com o rigor da aprendizagem e com o progresso da ciência, ela terá na Metodologia um valioso ajudante quanto ao desenvolvimento de capacidades e habilidades do universitário. Vem, portanto fornecer os pressupostos do trabalho científico, ou seja, normas técnicas e métodos reconhecidos pelo uso entre cientistas, referentes ao planejamento da investigação científica, à estrutura e à aplicação, apresentação e comunicação dos seus resultados. Aprendendo a pensar, a pesquisar e formando o seu espírito científico, o universitário estará obtendo conhecimentos novos e ao mesmo tempo construindo-se como ativo e participante da História (O texto foi extraído de: BARROS, Aidil Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. A metodologia e universidade. In:. Fundamentos de metodologia: um guia para a iniciação científica. São Paulo: Mc Graw-Hill, p )

5 5 TIPOS DE TRABALHOS ACADÊMICOS Resenha-crítica: É um texto que, além de resumir o objeto, faz uma avaliação sobre ele, uma crítica, apontando os aspectos positivos e negativos. Trata-se, portanto, de um texto de informação e de opinião, também denominado de recensão crítica. O que deve constar numa resenha: a) O título b) A referência bibliográfica da obra c) Alguns dados bibliográficos do autor da obra resenhada d) O resumo, ou síntese do conteúdo e) A avaliação crítica Sobre a construção de uma resenha acesse: Apresentação gráfica de uma resenha: FACULDADE EÇA DE QUEIRÓS CURSO: LETRAS DISCIPLINA: LITERATURAS EUROPÉIAS DOCENTE: MARIA DA SILVA DISCENTE: JOÃO DA SILVA Resenha: ALIGHIERI, Dante. A divina comédia. Tradução, prefácio e notas: Hernani Donato. São Paulo: Círculo do Livro, 1983,. 344 p. Comunicação cientifica Informação apresentada em congressos, simpósios etc onde se expõe os resultados de uma pesquisa original, inédita a ser publicada posteriormente em anais ou revistas. Deverá para tanto seguir as orientações dadas pelo evento, entretanto alguns aspectos são básicos como a apresentação do tema, da metodologia, da referencia bibliográfica, das

6 6 fontes de pesquisa e dos primeiros resultados encontrados. Artigos São pequenos estudos, porém completos, que tratam de questões científicas. Normalmente assumem a estrutura de introdução-desenvolvimento e considerações finais. Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003, p.2), é parte de "uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, processos, técnicas e resultados nas diversas áreas do conhecimento." A ABNT reconhece dois tipos de artigos: Artigo original: quando apresenta temas ou abordagens próprias. Geralmente relata resultados de pesquisa e é chamado em alguns periódicos de artigos científicos. Artigo de revisão: quando resume, analisa e discute informações já publicadas. Geralmente é resultado de pesquisa bibliográfica. Apresentação gráfica de um artigo REPRESENTAÇÕES DO COLONIALISMO PORTUGUES João da Silva (FACEQ*) Resumo: Este trabalho pretende fazer uma discussão sobre as representações do Colonialismo Português e mais propriamente da política de assimilação colonial portuguesa e dos assimilados no conto Mestre Tamoda do escritor angolano Uanhenga Xitu. Palavras-Chave: Colonialismo, Literatura, Uanhenga Xitu Abstract: This work aims to promote a discussion on representations of Portuguese colonialism and more proper colonial policy of assimilation Portuguese and assimilated in the tale "Master Tamoda" of Angolan writer Uanhenga Xitu. Key-words: Colonialism, Literature,Uanhenga Xitu *Professor da Faculdade Eça de Queirós.

7 7 LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO E PROJETO DE PESQUISA A Revisão Bibliográfica, isto é, um levantamento minucioso dos trabalhos científicos publicados sobre o tema, é uma etapa fundamental do TCC. A partir dessa revisão, é necessário selecionar os textos mais adequados ao tema escolhido, começando pelos trabalhos mais gerais, para, a seguir, iniciar os estudos mais específicos. É preciso consultar essas publicações e fichá-las cuidadosamente, com espírito crítico, de modo a indicar relações que possam encaminhar as análises. Estabelecido e delimitado o tema do trabalho, formulada a hipótese, o próximo passo é este levantamento da documentação existente sobre o assunto. Trata-se de uma série de procedimentos para a localização dos documentos que possam interessar ao tema discutido, uma busca metódica desses documentos. Esses documentos são definidos, levando em conta a natureza dos temas estudados, a procedência dos dados fornecidos e das análises efetuadas, a forma de abordagem e as áreas em que os trabalhos estão situados. Terminado o levantamento bibliográfico, é chegado o momento de iniciar a pesquisa propriamente dita, o momento da leitura e da documentação. No entanto, antes de começar a leitura dos textos selecionados, o aluno deve elaborar um projeto contendo: a) Tema (com título do trabalho relacionado ao tema proposto); b) Problematização (ou Problema de pesquisa); c) Justificativa (por que a pesquisa é importante?); d) Objetivos (geral e específico); e) Hipóteses; f) Quadro teórico-conceital; g) Metodologia; h) Referências bibliográficas básicas. O tema refletirá uma problematização, ou seja, representará um meio de levantar questões para o desenvolvimento da pesquisa. A problematização do tema significa a análise da questão proposta sob uma ótica crítica, contemplando todos os ângulos e interfaces da pesquisa. A problematização conduz a preocupações relativas à forma de elaborar a

8 8 pesquisa, bem como à forma de elaborar a redação do texto. Em geral, o problema de pesquisa é formulado por uma ou mais perguntas que o autor quer responder por meio da pesquisa. A justificativa representa uma pequena explicação sobre a importância do tema, contemplando o problema e a hipótese, quando necessário. Nesse item devemos apontar a relevância da pesquisa. Os objetivos estão vinculados à importância do tema, demonstrando o que se pretende alcançar. Os objetivos pessoais serão demonstrados no decorrer do trabalho. Nesse momento devemos demonstrar o que de fato desejamos alcançar com a pesquisa. O objetivo geral diz respeito a o que você pretende com sua pesquisa?. Nos objetivos específicos você vai descrever como pretende tornar operacional sua pesquisa: o que será realizado? As Hipóteses são algo que pretende provar ao longo da pesquisa. As hipóteses devem ser apresentadas no projeto em duas ou três linhas e são as respostas provisórias aos problemas de pesquisa formulados na problematização. No item metodologia iremos eleger os meios pelos quais pretendemos realizar a pesquisa, tais como pesquisa bibliográfica; pesquisa de campo, dentre outros e as técnicas que serão utilizadas para a coleta de dados, como entrevistas, questionários (abertos ou fechados) etc. O projeto de Pesquisa corresponde a uma primeira estruturação do trabalho, imprescindível para ordenar as muitas idéias que, certamente, surgirão durante o desenvolvimento do TCC. É preciso estabelecer pontos, idéias, que exerçam a função de balizas, dando diretrizes às descobertas que surgem no decorrer do processo de pesquisa científica. É necessário que as grandes linhas estejam presentes, antes mesmo de começar a leitura e fichamento dos textos selecionados na bibliografia. O pesquisador deve guiar sua intuição para que esta caminhe a seu favor, impedindo-a de dispersar ou desviar os trabalhos dos objetivos inicialmente propostos. De posse do projeto de pesquisa, ou seja, desse roteiro de idéias, é preciso então analisar os documentos em busca dos elementos importantes para o trabalho. A leitura da bibliografia selecionada exige o fichamento, as anotações de dados importantes e observações pertinentes, elementos úteis, que precisam estar disponíveis para as futuras análises. Esses apontamentos servem de norteadores para o trabalho e funcionam como o primeiro estágio, como um rascunho.

9 9 O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (T. C. C.) O TCC de graduação visa ao aprimoramento intelectual dos alunos, no sentido de capacitá-los acadêmica e profissionalmente, inserindo-os em um mercado de trabalho altamente competitivo. É o primeiro passo da atividade científica do pesquisador e é, também, uma exigência para obtenção de grau ao final do Curso. Por ser de natureza científica, o TCC possui algumas características quanto à sua organização e apresentação de forma e conteúdo. Assim, este manual tem como objetivo fornecer subsídios às várias tarefas com que os estudantes se defrontam durante o desenvolvimento do trabalho intelectual (levantamento bibliográfico, coleta de dados, análises) e à redação do texto dissertativo, expondo os resultados da pesquisa em uma determinada área. É fundamental que o aluno-autor tenha a compreensão da importância do TCC como parte de sua formação acadêmica, incorporando-a aos seus conhecimentos científicos, o que lhe permitirá alcançar a vivência na área específica de trabalho e desenvolver as habilidades técnicas que o credenciarão para ascender profissionalmente. A experiência que a pesquisa proporcionará ao aluno, certamente, contribuirá para a ampliação das suas habilidades, desenvolvendo seu espírito crítico, sua capacidade de julgamento e independência, sem esquecer de seu crescimento pessoal. O T.C.C. E ALGUMAS RECOMENDAÇÕES GERAIS O trabalho de elaboração do TCC implica muito mais uma atividade de extração do que produção de conhecimento. Como esclarece a NBR (ABNT, 2011), extração não significa mera compilação ou transcrição de texto, sem análise crítica ou sem reflexão; pois um TCC envolve, obrigatoriamente, meticulosa investigação do assunto, uma análise crítica por meio de pesquisa bibliográfica. O TCC, como um trabalho técnico-científico, expõe, por escrito, a reconstrução racional e lógica de um único tema, em que a qualidade será evidenciada na originalidade e criatividade quando da leitura e interpretação do conteúdo tematizado. Trata-se de um estudo específico, particular, com valor representativo, cujos procedimentos obedecem rigorosamente ao Método Científico de Trabalho.

10 10 O QUE O T.C.C. NÃO PODE APRESENTAR: a) repetição de idéias e análises que já foram expostas por outros pesquisadores, não apresentando inovações quanto ao enfoque, ao desenvolvimento e às conclusões; b) um questionário, semelhante aos deveres escolares; c) manifestações com opiniões pessoais, sem a devida fundamentação por meio de dados e argumentos organizados de acordo com o raciocínio lógico; d) idéias abstratas e vagas, alheias às preocupações científicas relacionadas ao tema; e) uma erudição artificial, extraída de livros, mencionando frases irrelevantes e de efeito, sem conteúdo direcionado ao tema; f) uso de gírias ou chavões; g) utilização de provérbios ou ditos populares; h) emprego da primeira pessoa do singular ou expressões de cunho emocional; i) utilização da monografia/trabalho para propagar doutrinas religiosas; j) análise dos temas propostos, movidos por emoções exageradas; k) uso de exemplos, expondo fatos ocorridos com terceiros, que não sejam de domínio público ou que não estejam citados nas referências bibliográficas; l) uso de exemplos, expondo fatos ocorridos com terceiros, que não sejam de domínio público ou que não estejam citados nas referências bibliográficas; m) emprego de abreviaturas use-as apenas quando necessário; n) repetição, várias vezes, da mesma palavra ou a mesma expressão; o) inovação, por conta própria, de vocabulário da língua portuguesa; p) análise dos assuntos propostos de forma tendenciosa, abordando-os apenas sob um dos ângulos da questão; q) desvio do tema proposto; r) citações muito longas (com mais de 15 linhas); s) Períodos (parágrafos) longos demais; O QUE O TCC DEVE APRESENTAR: a) um trabalho de observações ou intervenções que acumulam informações relevantes; b) organização das informações e observações; c) identificação das relações e regularidades que possam existir entre os fatos observados; d) indagações sobre os porquês envolvidos no tema; e) dados obtidos por meio de experiências e a possibilidade de leitura crítica das análises efetuadas; f) permitir a comunicação dos resultados às outras pessoas. Atenção: O cuidado no emprego do nível adequado da Língua Portuguesa é indispensável,

11 11 pois o texto técnico-científico e acadêmico exige linguagem com precisão e clareza, seguindo as regras da norma culta da língua. Estas só podem ser obtidas quando são deixadas de lado muitas expressões consideradas consagradas, já incorporadas em nossa fala e escrita cotidianas, mas não aceitas pela norma culta-padrão, isto é, pela Gramática Normativa da Língua Portuguesa, responsável pela uniformidade linguística que garante a compreensão exata do texto. A elaboração de um TCC requer alguns cuidados na escolha do tema, no levantamento bibliográfico e na construção lógica do trabalho. Abordaremos a seguir alguns pontos que merecem uma atenção especial. ESCOLHA DO TEMA O tema é de livre escolha do aluno (ou grupo), observadas as áreas de concentração relacionadas ao curso. É comum o aluno-autor querer desenvolver um trabalho científico, mas não saber ao certo sobre o que escrever. A busca do assunto/tema a ser focalizado pelo TCC deve ser orientada de forma que se sinta algum tipo de atração pelo objeto de estudo. Para uma adequada seleção do tema, faz-se necessário responder às seguintes questões: a) tenho algum conhecimento ou experiência relacionada ao tema? b) de que documentação ou experimentação necessito? c) posso obter a documentação com facilidade? d) existem técnicas adequadas de experimentação? e) que possíveis enfoques prevejo? f) interesso-me pela procura de soluções para o problema? g) tenho possibilidade de conseguir a orientação de um especialista no assunto? Definido o tema, a primeira coisa a fazer é procurar conhecer o que as conquistas científicas da atualidade oferecem, para não cair no erro de apresentar como novo o que já é conhecido há tempo, de demonstrar o óbvio ou de preocupar-se em demasia com detalhes sem grande importância, desnecessários ao estudo. importantes: Quanto ao assunto escolhido, deve-se ainda observar algumas recomendações a) elaborar uma abordagem proporcional dos vários aspectos pertinentes ao tema;

12 12 b) respeitar o teor científico da proposta implícita no tema; c) não ser extenso demais ou muito restrito; d) ser claro e preciso ao formular o tema. Este trabalho prévio abrange três aspectos: a) orientação geral sobre a matéria que vai ser desenvolvida; b) conhecimento da bibliografia pertinente; c) reunião, seleção e ordenação do material levantado. ETAPAS DA ELABORAÇÃO (ABNT NBR 14724:2005) A estrutura do TCC compreende: elementos pré-textuais, elementos textuais e elementos pós-textuais: Pré-textuais: a) Capa (obrigatório) b) Lombada (opcional) c) Folha de rosto (obrigatório) d) Errata (opcional) e) Folha de aprovação (obrigatório) f) Dedicatória(s) (opcional) g) Agradecimento(s) (opcional) h) Epígrafe (opcional) i) Resumo na língua vernácula (obrigatório) j) Resumo na língua estrangeira (obrigatório) k) Lista de ilustrações (opcional) l) Lista de tabelas (opcional) m) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) n) Lista de símbolos (opcional) o) Sumário (obrigatório) Textuais: a) Introdução b) Desenvolvimento c) Conclusão Pós-textuais: a) Referências (obrigatório)

13 13 b) Glossário (s) (opcional) c) Apêndice(s) (opcional) d) Anexo(s) (opcional) e) Índice (opcional) Descrição de cada etapa Capa: nome da instituição, nome do autor (responsável intelectual do trabalho); título; local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado e ano de depósito (entrega). Lombada: Parte da capa do trabalho que reúne as margens internas das folhas, sejam elas costuradas, grampeadas, coladas ou mantidas juntas de outra maneira (sobrenome do autor, organizador, tema, instituição e ano). Folha de rosto: nome do autor (responsável intelectual do trabalho todos os autores); título; natureza do trabalho; local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado e ano de depósito, nome do orientador e, se houver. do co-orientador, local (cidade) da instituição onde ver ser apresentado e ano do depósito (para TCC nomes em ordem alfabética, para trabalhos acadêmicos ordem crescente de RA). Errata: consiste em uma lista das folhas e linhas em que ocorrem erros, seguida das devidas correções. Exemplo: Folha Linha Onde se lê Leia-se 32 3 publicacao publicação Folha de aprovação: contém nome do autor, título, instituição, local e data de aprovação, nome e assinatura e instituição dos membros componentes da banca examinadora. Dedicatória: a dedicatória, além de opcional, é extremamente subjetiva. O autor do trabalho pode dedicá-lo a quem desejar, podendo ser a várias pessoas. Por ser opcional, a estética desta página não tem regra de apresentação, assim a dedicatória pode localizar-se em qualquer lugar na página. No entanto, é comum ver o oferecimento localizado à direita inferior da página. Agradecimentos: é a manifestação de gratidão àqueles que, de alguma maneira, contribuíram para a elaboração do trabalho. Deve-se agradecer ao orientador, aos órgãos

14 14 de pesquisa que contribuíram para a elaboração da monografia, às instituições que abriram espaço para pesquisa de campo (se houve). Enfim a todos que auxiliaram para que o trabalho pudesse se concretizar. Epígrafe: Folha onde o autor apresenta uma citação (trecho de um poema ou e uma música, p.ex.), seguida de indicação de autoria, relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho. Resumo na língua vernácula: refere-se a uma apresentação breve do objetivo e conteúdo do texto. Deve ser informativo, de caráter descritivo, expondo o tema pesquisado com clareza e concisão. A extensão não deve ultrapassar a 15 linha e, ao final, deve-se destacar de 3 a 5 palavras-chave que definam o tema pesquisado. Resumo em língua estrangeira: corresponde à versão do resumo em idioma de divulgação internacional. Por exemplo: em inglês Abstract; em francês Resumé, em espanhol Resumem. Deve ser seguido das palavras-chave. Lista de Ilustrações: deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página (Exemplificar desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros). Lista de tabelas: deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item designado por seu nome específico, acompanhado do respectivo número da página. Lista de abreviaturas: consiste na relação alfabética das abreviaturas utilizadas no texto, seguidas das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso. Lista de siglas: consiste na relação alfabética das siglas utilizadas no texto, seguidas das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso. Exemplo: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Lista de símbolos: deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com o devido significado.

15 15 Sumário: é a enumeração (em números arábicos) das principais divisões, seções, partes ou capítulos, na mesma ordem em que se sucedem no texto. Devem ser inseridas as principais divisões do TCC, de forma esquemática, devendo indicar a página em que cada divisão se encontra (neste caso podem ser incluídas as listas, as tabelas e a bibliografia). Apenas os títulos dos capítulos devem estar em negrito. Introdução: a função da introdução é a de apresentar, de forma breve e objetiva, o tema tratado no texto, contextualizá-lo, dizer qual é o seu objetivo e como o texto será desenvolvido (apresentação do conteúdo de cada capítulo). Alguns autores indicam que a introdução deve ser a última coisa a ser elaborada no texto, ou seja, depois que o texto estiver pronto é que se elabora a introdução. Isso é necessário para garantir e fidelidade de sua função. Outros, porém, afirmam que deve-se começar pela introdução a fim de que esta sirva de plano de orientação para o desenvolvimento do texto. O importante é que ela cumpra a sua função de apresentação do conteúdo do texto. A Introdução é a formulação clara e simples do tema de investigação; é a apresentação sintética da questão, sua justificativa, objeto e objetivos, importância da metodologia utilizada e rápida referência a trabalhos anteriores realizados sobre o mesmo assunto. Desenvolvimento: o desenvolvimento é a apresentação dos capítulos, itens e subitens do texto, ou seja, é a elaboração do corpo do trabalho propriamente dito. No desenvolvimento, pode-se levar em consideração três fases ou estágios: explicação, discussão e demonstração. a) Explicação é o ato pelo qual se faz explícito o implícito, claro o escuro, simples o complexo. Explicar é apresentar o sentido de uma noção, é analisar e compreender, procurando suprimir o ambíguo ou obscuro. b) Discussão é o exame, a argumentação e a explicação da pesquisa: explica, discute, fundamenta e enuncia as proposições. c) Demonstração é a dedução lógica do trabalho; implica o exercido do raciocínio. Demonstra que as proposições, para atingirem o objetivo formal do trabalho e não se afastarem do tema deve obedecer a uma sequência lógica. Considerações finais: as considerações finais serão breves e visará recapitular sinteticamente os resultados da pesquisa elaborada até então. Deverá retomar o objetivo

16 16 inicial, quando o texto for reflexivo para expor um questionamento, ou abrir para uma nova problematização sobre o tema. Referências: refere-se a um conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que permite sua identificação individual. Elemento obrigatório, elaborado conforme a ABNT NBR Glossário (opcional): consiste em uma lista, em ordem alfabética, de palavras ou expressões técnicas, utilizadas no texto, acompanhadas das respectivas definições. Apêndice: consiste em um texto ou documento elaborado pelo autor a fim de complementar sua argumentação. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos. Exemplo: APÊNDICE A Avaliação numérica de células totais aos quatro dias de evolução. APÊNDICE B Avaliação de células musculares presentes nas caudas em regeneração. Anexo: consiste em um texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação e ilustração. São identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos. Exemplo: ANEXO A Representação gráfica de contagem de células inflamatórias presentes nas caudas em regeneração Grupo de controle I. ANEXO B Representação gráfica de contagem de células inflamatórias presentes nas caudas em regeneração Grupo de controle II. Índice: lista de palavras ou frases, ordenadas segundo determinado critério, que localiza e remete para as informações contidas no texto, conforme ABNT NBR 6034.

17 17 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO (NBR 14724:2005) Papel Os trabalhos devem ser digitados em folhas de papel branco, formato A4 (21 cm x 29,7 cm), impressos na cor preta, podendo utilizar outras cores de tinta para a impressão das ilustrações. Utilizar fonte Arial 12 ou Times New Roman 12 para todo o texto, excetuando-se as citações de mais de três linhas, notas de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e das tabelas que devem ser digitadas em tamanho Arial 10 ou Times New Roman 10, para os capítulos utilizar Arial 14 ou Times New Roman 14. Em caso de citações de mais de três linhas, deve-se observar também um recuo de 4 cm da margem esquerda e espaço simples, utilizando fonte Arial 10 ou Times New Roman 10. Digitação A digitação do trabalho deve prever: a) utilização de um só lado do papel; b) espaço entrelinhas de 1,5 cm, com exceção das citações diretas, cuja apresentação deve ser em espaço simples; c) texto justificado; os parágrafos devem iniciar-se a 1,5 cm para dentro em relação à margem esquerda; d) no corpo do trabalho, os títulos de capítulos são escritos em letras maiúsculas (caixa alta e negrito); títulos de seções e subseções levam maiúsculas apenas na letra inicial da primeira palavra. Os capítulos devem sempre ser iniciados em uma nova página, mesmo que sobre espaço suficiente na página que termina o capítulo anterior, situando-se os títulos, em maiúsculas. e) Os títulos das subseções devem ser separados do texto que os precede e que os sucede por 2 espaços de 1,5 cm. f) Os marcadores para todo o corpo do trabalho deverão ser padronizados da seguinte forma: a), b), c) etc.

18 18 Margens margem superior: margem inferior: margem esquerda: margem direita: 3 cm; 2 cm; 3 cm; 2 cm. Numeração das páginas Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto (a capa não conta), devem ser contadas seqüencialmente, mas não numeradas. As páginas devem ser numeradas seqüencialmente, em algarismos arábicos, no canto superior direito, a partir da INTRODUÇÃO (inclusive) até o final do trabalho. Encadernação Após a aprovação dos orientadores responsáveis, deverá ser entregue um exemplar em capa dura, na cor azul onde serão gravadas, em letras douradas, as mesmas informações da capa. (Lombada conforme ABNT NBR 12225:2004). 1. CITAÇÕES (NBR 10520:2002) Segundo a ABNT, citação é a menção, no texto ou em nota de rodapé, de uma informação colhida em outra parte. Pode ser uma transcrição ou paráfrase, direta ou indireta, de uma fonte escrita ou oral. A transcrição é uma reprodução das próprias palavras do texto citado e a paráfrase é a expressão da idéia de outro com palavras próprias do autor do trabalho. Quando fiel à fonte, é geralmente preferível a uma longa citação direta. Em regra geral nas citações, as chamadas pelo sobrenome do autor, pela instituição responsável ou título incluído na sentença devem ser em letras maiúsculas e minúsculas e, quando estiverem entre parênteses, devem ser em letras maiúsculas. Exemplos: A ironia seria assim uma forma implícita de heterogeneidade mostrada, conforme a classificação proposta por Authier-Reiriz (1982). Apesar das aparências, a desconstrução do logocentrismo não é uma psicanálise da filosofia.... (DERRIDA, 1987, p. 293).

19 As citações diretas, no texto, de até três linhas (autor, ano e página), devem estar contidas entre aspas duplas. As aspas simples são utilizadas para indicar citação no interior da citação. Arial 10 ou Times New Roman 10. Exemplos: Barbour (1971, p. 35) descreve: O estudo da morfologia dos terrenos [..] ativos [..] ou Não se mova, faça de conta que está morta. (CLARAC; BONNIN, 1985, p.72). Segundo Sá (1995, p. 27): [...] por meio da mesma arte de conversação que abrange tão extensa e significativa parte da nossa existência cotidiana [...]. Conforme Souza (2001, p. 5) as marcas são símbolos que, além de cumprir uma função referencial, também sugerem significação em relação ao objeto, seja uma instituição social, uma empresa, do comércio ou de algum tipo de produto. 1.2 As citações diretas, no texto, com mais de três linhas, devem ser destacadas com recuo de 4 cm da margem esquerda, com letra menor (Arial 10 ou Times New Roman 10) que a do texto utilizado e sem as aspas. Exemplos: A telecomunicação permite ao indivíduo participar de um encontro nacional ou regional sem a necessidade de deixar seu local de origem. Tipos comuns de teleconferência incluem o uso da televisão, telefone e computador. Através de áudio-conferência, utilizando a companhia local de telefone, um sinal de áudio pode ser emitido em um salão de qualquer dimensão. (NICHOLS, 1993, p. 181). De acordo com Kanaane e Ortigoso: Diversos elementos devem ser cuidadosamente avaliados, entre eles, a forma como a organização interage com as pessoas, com a tecnologia, com os processos, com as interconexões (redes formais e informais de comunicação), assim como suas interfaces com o clima e a cultura organizacional e os recursos presentes no cenário empresarial. (KANAANE; ORTIGOSO, 2001, p. 57).

20 20 Perez ressalta que: As empresas podem fazer da cor o principal elemento de sua identidade utilizando uma cor exclusiva ou uma variedade de cores como parte de sua identidade visual. Se uma cor for usada de maneira consistente em vários elementos de identidade, torna-se parte da rubrica da empresa; o amarelo da Kodak, o vermelho da Coca-Cola e o amarelo vivo do McDonald s. (PEREZ, 2002, p. 99). 1.3 As citações de diversos documentos de um mesmo autor, publicados num mesmo ano, são distinguidos pelo acréscimo de letras minúsculas, em ordem alfabética, após a data e sem espacejamento, conforme a lista de referências. Exemplos: De acordo com Reeside (1927a) (REESIDE, 1927b) 1.4 Nas citações diretas e indiretas que houver coincidência de sobrenomes de autores, acrescentam-se as iniciais de seus prenomes; se mesmo assim existir coincidência, colocam-se os prenomes por extenso. Exemplos: (BARBOSA, C., 1958) (BARBOSA, Cássio, 1965) (BARBOSA, O., 1959) (BARBOSA, Celso, 1965) 1.5 As citações indiretas de diversos documentos da mesma autoria, publicados em anos diferentes e mencionados simultaneamente, têm as suas datas separadas por vírgula. Exemplo: (DREYFUSS, 1989, 1991, 1995) (CRUZ; CORREA; COSTA, 1998, 1999, 2000) 1.6 As citações indiretas de diversos documentos de vários autores, mencionados simultaneamente, devem ser separadas por ponto-e-vírgula, em ordem alfabética. Exemplos: Ela polariza e encaminha, sob a forma de demanda coletiva, as necessidades de todos (FONSECA, 1997; PAIVA, 1997; SILVA, 1997). Diversos autores salientam a importância do acontecimento desencadeador no início de um processo de aprendizagem (CROSS, 1984; KNOX, 1986; MEZIROW, 1991).

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PIM

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PIM APRESENTAÇÃO MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PIM Caros professores e alunos é com satisfação que apresentamos este manual, acreditando que ele contribuirá para o seu conhecimento a respeito do Projeto Integrado

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

FACULDADE EÇA DE QUEIROS

FACULDADE EÇA DE QUEIROS FACULDADE EÇA DE QUEIROS PADRÃO METODOLÓGICO PARA TRABALHOS ACADÊMICOS DA FACEQ Organizadores: Prof. Ms. Mauro Cesar Gonçalves Profa. Dra. Maria Clara Lopes Saboya Profa. Ms. Elisangela F. Nogueira Godêncio

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

Instruções para Publicação

Instruções para Publicação Instruções para Publicação 1. Finalidade Divulgar assuntos de interesse da área farmacêutica pertinentes das atividades técnicas e/ou científicas realizadas no ambiente de trabalho. 2. Regulamento O boletim

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

GRADUAÇÃO, BACHARELADO, GESTÃO, LICENCIATURA E TECNOLOGIA

GRADUAÇÃO, BACHARELADO, GESTÃO, LICENCIATURA E TECNOLOGIA CURSOS GRADUAÇÃO, BACHARELADO, GESTÃO, LICENCIATURA E TECNOLOGIA DISCIPLINA METODOLOGIA DA PESQUISA E DO TRABALHO ACADÊMICO Santo André 2014 2 UNIESP IESA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR SANTO ANDRÉ MANUAL

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC 1 APRESENTAÇÃO As recomendações a seguir resumem os princípios para a elaboração

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS F A C UL DA DE DE P R E S I DE N T E V E N C E S L A U REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS APRESENTAÇÃO GRÁFICA - CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS Ir ao menu Arquivo, escolher a opção Configurar

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (FTA) VITÓRIA DA CONQUISTA BA 2009

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011. Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa

PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011. Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011 Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa REFERÊNCIA NORMATIVA Documentos indispensáveis à aplicação deste documento ABNT NBR 6023

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica

PROJETO DE PESQUISA. Apresentação gráfica 2012 PROJETO DE PESQUISA Apresentação gráfica Revisto e atualizado segundo alterações ABNT: NBR 15287:2011 Projeto de Pesquisa; NBR 14724:2011 Trabalhos Acadêmicos. Profa. Dra. Wakiria Martinez Heinrich

Leia mais

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA CURITIBA 2012 SUMÁRIO 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA...03 1.1. Elementos pré-textuais...03

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 39 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 1. MONOGRAFIA Monografias são exposições de um problema ou assunto específico, investigado cientificamente, assim, não exige originalidade,

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS DA ABNT PARA TRABALHOS ACADÊMICOS O texto a seguir tratará das seguintes normalizações: A. NBR 14724:2001 Informação e documentação - Trabalhos acadêmicos - Apresentação Informações pré-textuais

Leia mais

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005)

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Errata Folha de Rosto Capa ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Epígrafe Resumo L. estrangeira Resumo Agradecimentos Dedicatória Folha de Aprovação Anexos Apêndices Glossário Referências

Leia mais

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO LONDRINA 2009 SUMÁRIO 1 ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO...01 1.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS...01

Leia mais

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos Revisto e atualizado de acordo com a NBR 15287/2011 Brasília 2011 1 APRESENTAÇÃO De acordo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= *

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= * Lombada* UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS BIBLIOTECA GLÁDIS W. DO AMARAL ORIENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Elementos póstextuais INDICES * PARTE INTERNA ANEXOS * APENDICES * GLOSSARIO

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT www.abnt.org.br Objetivos da normalização Comunicação Simplificação Níveis de normalização Menos exigente (Genérica) INTERNACIONAL REGIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS PIRENÓPOLIS 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

Manual TCC Administração

Manual TCC Administração 1 Manual TCC Administração 2013 2 Faculdade Marista Diretor Geral Ir. Ailton dos Santos Arruda Diretora Administrativo-Financeiro Sra. Rafaella Nóbrega Coordenador do Curso de Administração e Gestão de

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores

FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores ESTRUTURA DO ARTIGO 1. Recomenda-se a utilização do processador

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica 2012 2 Núcleo de Apoio à Pesquisa na Graduação- NAP/UNIMAR Projeto de Pesquisa; Apresentação gráfica TRABALHO ACADÊMICO Apresentação gráfica Segundo normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA - FADIVA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PESQUISA E MONOGRAFIA PROFª Ms Mª AUXILIADORA PINTO COELHO FROTA MATÉRIA: METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES BÁSICAS NA ELABORAÇÃO

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Segundo a NBR 15287:2011

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Quem define a normatização técnica? Normas mais comuns utilizadas em trabalhos acadêmicos: NBR 6023 Referências; NBR 6024 Numeração progressiva

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

Uma instituição qualificando a ação profissional

Uma instituição qualificando a ação profissional Uma instituição qualificando a ação profissional SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...03 2. FORMAÇÃO GERAL...05 2.1 TIPO DE PAPEL...05 2.2 MARGEM...05 2.3 ESPAÇAMENTO...05 2.4 TIPO E TAMANHO DA FONTE...06 2.5 PAGINAÇÃO...06

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA NORMALIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DE ESTÁGIO. Elisângela Just Steiner Patrícia de Medeiros Paz

PROCEDIMENTOS PARA NORMALIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DE ESTÁGIO. Elisângela Just Steiner Patrícia de Medeiros Paz PROCEDIMENTOS PARA NORMALIZAÇÃO DE RELATÓRIOS DE ESTÁGIO Elisângela Just Steiner Patrícia de Medeiros Paz 2011 SUMÁRIO 1 ESTRUTURA... 3 1.1 DISPOSIÇÃO DOS ELEMENTOS NO RELATÓRIO DE ESTÁGIO... 4 2 PARTE

Leia mais

FACULDADE SATC/UNESC METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

FACULDADE SATC/UNESC METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO FACULDADE SATC/UNESC METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Este documento tem por função dar orientações sobre a elaboração do relatório de estágio para os alunos de Tecnologias. Abordaremos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso

Manual de Trabalho de Conclusão de Curso CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Manual de Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Engenharia de Produção NATAL RN 2010 Apresentação O curso de Engenharia de Produção institui

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO CORNÉLIO PROCÓPIO 2012 Como elaborar um TC 1 Introdução Objetiva-se

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias.

Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Elaborado pelo Coordenador do curso de Gestão Empresarial Prof. Ms. Ricardo Resende Dias e pela professora Profª Drª Silvana de Brito Arrais Dias. Goiânia, 2010 SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1-

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO OESTE DONA LINDU GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ DIVINÓPOLIS MG 2009 O Trabalho de

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO ORIENTAÇÕES GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Prezado(a) Aluno(a): Esta pequena orientação e o modelo de relatório em anexo foram produzidos com o objetivo de facilitar a elaboração do Relatório

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO UNIDADE DE ENSINO DE SÃO CARLOS ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO MANUAL PARA O ALUNO São Carlos 2009 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO MANUAL DE NORMATIZAÇÃO PARA ARTIGOS CIENTÍFICOS PONTA GROSSA 2010 2 SUMÁRIO 1

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002)

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002) NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (ABNT/NBR-14724, AGOSTO 2002) DIRETOR: Profº. Daniel Jorge dos Santos Branco Borges COORDENADORA PEDAGÓGICA: Profª. Paloma Martinez Veiga Branco COORDENADORA

Leia mais

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF)

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) 3ª edição Revisto e atualizado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação

Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação AGO 2002 NBR 14724 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Informação e documentação Trabalhos acadêmicos Apresentação Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 2º andar CEP 20003-900 Caixa Postal

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

AVA - AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

AVA - AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Caro Aluno, Você produzirá, de acordo com as Normas da Educação a Distância, um Artigo Científico como Trabalho de Conclusão de Curso - TCC, para cumprimento dos requisitos necessários à aprovação nos

Leia mais

ESTRUTURA DO TIID 2010

ESTRUTURA DO TIID 2010 ESTRUTURA DO TIID 2010 7. Anexos c 7. A ficha de entrevista, agora com as respostas, deve ser apresentada como anexo, após as referências bibliográficas. 6. Referências Bibliográficas 6. As referências

Leia mais

O título e subtítulo (quando houver) devem ser separados por dois pontos (:).

O título e subtítulo (quando houver) devem ser separados por dois pontos (:). VIII Jornada Ibmec de Iniciação Científica - 2013 Normas para submissão dos artigos Os autores devem ser cuidadosos com a apresentação técnica, com a sintaxe e a ortografia de seu texto, sob pena de recusa

Leia mais

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO

ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DE UM ARTIGO CIENTÍFICO Finalidade de um Artigo Científico Comunicar os resultados de pesquisas, idéias e debates de uma maneira clara, concisa e fidedigna. Servir de medida da produtividade

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA

TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA CURSO DE DIREITO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO DO PROJETO NOME DO ALUNO MATRÍCULA RIO DE JANEIRO MÊS - ANO NOME DO AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao orientador

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA PESQUISA CIENTÍFICA Toda pesquisa deve passar por uma fase preparatória de planejamento devendo-se estabelecer certas diretrizes de ação e fixar-se uma estratégia global.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. FACULDADE (do aluno) CURSO. TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP FACULDADE (do aluno) CURSO TÍTULO DO PROJETO Subtítulo do Projeto AUTOR DO PROJETO TÍTULO DO RELATÓRIO AUTOR(ES) DO RELATÓRIO SÃO PAULO 200_ NOTA PRÉVIA

Leia mais