PAVIMENTO INTERTRAVADO DE CONCRETO: ESTUDO DOS ELEMENTOS E MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO. Luiz Otávio Maia Cruz

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAVIMENTO INTERTRAVADO DE CONCRETO: ESTUDO DOS ELEMENTOS E MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO. Luiz Otávio Maia Cruz"

Transcrição

1 PAVIMENTO INTERTRAVADO DE CONCRETO: ESTUDO DOS ELEMENTOS E MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO Luiz Otávio Maia Cruz TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS EM ENGENHARIA CIVIL. Aprovada por: Profª. Laura Maria Goretti da Motta D.Sc. Prof. Jacques de Medina, L.D. Profª Lídia da Conceição Domingues Shehata, D.Sc. Prepredigna Delmiro Elga Almeida da Silva, D.Sc. RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL JUNHO DE 2003

2 CRUZ, LUIZ OTÁVIO MAIA Pavimento Intertravado de Concreto: Estudo dos Elementos e Métodos de Dimensionamento. [Rio de Janeiro] XVIII, 281 p., 29,7cm (COPPE/UFRJ, M.Sc., Engenharia Civil, 2003) Tese - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPE 1. Pavimento de concreto, 2. Dimensionamento de pavimentos, 3. Peças prémoldadas de concreto. I. COPPE/UFRJ II. Título (série)

3 iii Na vida, muitas vezes encontramos pessoas... Inteligentes ou Espertas Boas ou Perigosas Positivas ou Limitadas Simples ou Arrogantes Líderes ou Comuns...,... Não importa, Porém, Quando encontramos pessoas AMIGAS, Encontramos o sentido das Realizações da Raça Humana. Para você, meu querido irmão e AMIGO Júlio Daniel Da Cruz Netto Para você, meu AMIGO e eterno chefe José Eduardo Kattar Às vezes me pergunto, o que seria tudo para uma pessoa... E penso... Saúde! Paz! Humildade! Sabedoria! Amor! Fraternidade! Honestidade! Perseverança! ALEGRIA! Para vocês, minhas filhas, Beatriz, Luíza e Júlia e minha companheira amada Andréa Obrigado por serem tanto do meu tudo.

4 iv AGRADECIMENTOS À Holcim (Brasil) S.A., que me proporcionou esta oportunidade ímpar de realizar este trabalho, mesmo nos meus momentos de plena atividade profissional na equipe de Assessoria Técnica, me facultando horas e horas para dedicar a ele. Especialmente, a três amigos da Holcim (Brasil) S.A., meu eterno chefe Eng. José Eduardo Kattar, que mesmo nos momentos finais de sua vida em nenhum momento deixou que algo afetasse o desenvolvimento deste trabalho. Espero algum dia, receber mais uma vez a graça de com ele conviver. Ao meu amigo e incentivador das minhas idéias e projetos, Amauri Ribeiro de Barros, que sempre esteve ao meu lado, me incentivando e me dando todo o tipo de apoio. Ao Sergio Bautz, que prontamente ofereceu e proporcionou toda a infraestrutura para que fizéssemos a pista experimental de pavimentos de peças pré-moldados, na fábrica da Holcim, situada em Cantagalo RJ. Ele foi quem possibilitou a execução da primeira pista experimental do Brasil de pavimentos intertravados de concreto, que será instrumentada pela equipe da COPPE-UFRJ. Certamente, das observações desta pista sairão várias conclusões para aplicação imediata na engenharia de pavimentos intertravados de concreto. À incrível Profª Laura Maria Goretti da Motta, que consegue passar a todos os seus alunos, além de seu vasto conhecimento acadêmico e técnico, uma lição de humildade, capacidade de coordenação, liderança e afeto. Agradeço por seu apoio e paciência nos momentos mais difíceis da preparação deste trabalho. À Profª Lídia Shehatta, que me permito chamar de uma grande amiga. Foi responsável direta por minha entrada na COPPE para a realização desta especialização.agradeço por seus exemplos de determinação, competência e fraternidade. Ao Fábio Aurélio Augustin, Luiz Carlos Marques e Regis Moura da Rocha meus amigos de batalha no laboratório da Holcim Rio de Janeiro. Com esta maravilhosa equipe conseguimos o impossível, fizemos o trecho experimental, todos os traços na fábrica da Pavibloco, executamos quase ensaios e analisamos estes dados. Somente com confiança, competência, profissionalismo e entusiasmo pudemos juntos desenvolver todo esse trabalho.

5 v Ao amigo Eduardo Grey, proprietário da Pavibloco Rio de Janeiro, empresa que desde o primeiro momento não somente permitiu o desenvolvimento de todo o estudo em suas instalações, como o apoiou e dele participou.sua dedicação possibilitará levar a tecnologia da pavimentação de peças pré-moldadas de concreto bem mais longe em nosso país. A minha mãe, Neiva Maia Cruz, minha luz divina, de quem, com meu querido e inesquecível pai, Juniel da Silva Cruz, recebi ensinamentos de honestidade, humildade e fraternidade. Foi difícil para eles educarem os filhos, mas sempre com amor e carinho, proporcionando o que nunca sonharam e puderam ter nesta vida terrena. O exemplo deles tem sido fundamental para mim e meus quatro irmãos. À minha mulher amada Andréa e minhas queridas filhas Beatriz, Luíza e Júlia, a quem peço desculpas pela ausência durante o tempo que dediquei a este trabalho e que dedico à minha vida profissional objetivando proporcionar-lhes além de amor, carinho, caráter, honestidade, alegria, as condições para que sejam mulheres felizes.

6 vi Resumo da Tese apresentada à COPPE/UFRJ como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Mestre em Ciências (M.Sc.) PAVIMENTO INTERTRAVADO DE CONCRETO ESTUDO DOS ELEMENTOS E MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO Luiz Otávio Maia Cruz Junho / 2003 Orientadora: Laura Maria Goretti da Motta Programa: Engenharia Civil Este trabalho tem como objetivo principal mostrar a evolução tecnológica de pavimentos de intertravados e o estado do conhecimento sobre o assunto.foram realizados estudos experimentais em ambiente industrial de fabricação das peças prémoldadas de concreto e em laboratório. Também foi executado um trecho experimental em local de tráfego pesado de caminhões a fim de observar o seu comportamento, utilizando na camada de revestimento peças pré-moldadas de concreto com espessuras de 10, 8, 6 e 4cm. Além da parte experimental, foram resumidos os principais métodos de dimensionamento existentes. Eles consideram o funcionamento estrutural semelhante o de pavimentos flexíveis e ainda existe uma grande discussão sobre o módulo resiliente a utilizar para a camada de revestimento composta pelas peças pré-moldadas de concreto e a camada delgada de areia. São comentadas diferentes normas internacionais e nacionais sobre peças pré- moldadas de concreto. Foi proposta uma metodologia de dosagem específica para o ambiente de fabricação das peças pré-moldadas de concreto, pois não há método próprio que garanta o controle de homogeneidade na produção e o desempenho das peças produzidas.

7 vii Abstract of Thesis presented to COPPE/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for the degree of Master of Science (M.Sc.) INTERLOCKING CONCRETE PAVEMENT: STUDY OF ELEMENTS AND METHODOLOGY OF DESIGN Luiz Otávio Maia Cruz June / 2003 Advisor: Laura Maria Goretti da Motta Department: Civil Engineering The major purpose of this work is to show the technological evolution of interlocking concrete pavement throughout experimental tests that were made on a plant of precast concrete unit and in laboratory. The performance of an Interlocking concrete pavement was observed in an experimental section that was constructed for this purpose, under a heavy traffic of trucks. The experimental section was carried out with the thickness of 10, 8, 6 and 4 cm in laying face. The most important design methods of interlocking concrete pavement were analyzed. Although the structural mechanism is close to the one of flexible pavement, there is still a discussion about the correct valor of modulus of resilience of laying course plus bedding sand. An evaluation of international and national standards was carried out. In view of the lack of mix design methods for that kind of pavement, it is proposed one based on an environment industrial manufacturing, according to the high control of homogeneity and performance of precast concrete unit.

8 ÍNDICE viii CAPÍTULO INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO O PAVIMENTO INTERTRAVADO Breve histórico da pavimentação A estrutura do pavimento PPC Influência do tipo de máquina na fabricação das PPC Estágio atual das normas internacionais e brasileiras CAPÍTULO PRINCIPAIS MÉTODOS DE DIMENSIONAMENTO DO PAVIMENTO INTERTRAVADO Introdução Critérios gerais utilizados nos procedimentos de dimensionamento Métodos utilizados pela Inglaterra (BSI) e Estados Unidos (AASHTO) Modelo Mecanístico Dimensionamento para tráfego leve CAPÍTULO METODOLOGIA DE DOSAGEM Considerações gerais Materiais Constituintes Proposta de Metodologia de Dosagem para a fabricação de PPC CAPÍTULO PROGRAMA EXPERIMENTAL REALIZADO Introdução Ensaios Tecnológicos dos Materiais Ensaios Realizados Vibroprensas utilizadas na confecção das PPC Materiais Utilizados Características físicas/origem Definição das Dosagens Resultados Obtidos Trecho Experimental Realizado CAPÍTULO ANÁLISE DOS RESULTADOS

9 ix 6.1 Considerações Iniciais Análises realizadas de resistências obtidas Resistência a Abrasão Capítulo CONCLUSÕES E SUGESTÕES PARA ESTUDOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 173 ANEXOS

10 ÍNDICE DE FIGURAS x Figura 2. 1 Fotografia do pavimento de pé-de-moleque situado entre as cidades de Paraty-RJ e as cidades de Minas Gerais... 9 Figura 2. 2 Fotografia de uma rua de pavimento de pé-de-moleque localizada na cidade de Paraty - RJ... 9 Figura 2. 3 Estrutura típica do pavimento de PPC (Compilado de ICPI n 10) Figura Tipos de Intertravamento existente (Compilado de ICPI n 4) Figura 2. 5 Formatos típicos das peças com intertravamento horizontal (Compilado de Hallack, 2001) Figura 2. 6 Efeito da espessura das PPC no desempenho do pavimento sob solicitação do trafego (Shackel, 1991) Figura 2. 7 Exemplos de peças de Intertravamento Vertical Figura 2. 8 Arranjo de assentamento das PPC - tipo espinha-de-peixe Figura 2. 9 Arranjo de assentamento das PPC - tipo Fileiras Figura Arranjo de assentamento das PPC - tipo Trama Figura Efeito da espessura da camada de areia de assentamento no desempenho do pavimento (Shackel, 1991) Figura Influência do efeito combinado entre as espessuras do revestimento e da base no desempenho do pavimento, para a forma geométrica da PPC indicada no gráfico (Compilado de Shackel, 1991) Figura Perda progressiva de nivelamento da superfície do pavimento devido a variações de espessura nas PPC (Fonte: Morish, apud Shackel, 1991) Figura Estrutura funcional do CEN e as sub-divisões do TC Figura Princípio de ensaio de tração por compressão diametral na própria PPC (pren 1338, 1996) Figura oto ilustrativa do dispositivo de ensaio de tração, utilizado nos ensaios de resistência à tração desta tese Figura 3. 1 Efeito progressivo do intertravamento em função do carregamento inicial do pavimento (Compilado de Shackel, 1992) 53 Figura 3. 2 Efeitos da superposição de tensões geradas pelo eixo tandem na profundidade da estrutura do pavimento. (Compilado de Shackel, 2000); Figura 3. 3 Diagrama esquemático do processo de dimensionamento para PPC. (Compilado de Shackel, 2000)

11 xi Figura 3. 4 Fluxo de dimensionamento empírico para tráfego leve Pedestres e carros leves. (Compilado de Cook, 1996) Figura Fluxo de dimensionamento empírico de PPC para tráfego leve veículos Leves e poucos veículos pesados. Fonte: Cook, Figura 4. 1 Fluxo de dados do sistema de dosagem proposto nesta tese Figura 4. 2 Tela de Saída da Planilha de Cálculo da Dosagem Método Proposto nesta tese Figura Diagrama representativo dos fatores que interferem no desempenho das PPC Figura Fotografia do tipo de cura das PPC, do tipo A, que foram acondicionadas em câmara de cura por 24 horas Figura Fotografia do tipo de cura das PPC, do tipo B, que foram acondicionadas em câmara de cura por 24 horas e envolvidas por plástico preto por 07 dias Figura Fotografia do tipo de cura das PPC, do tipo C, que foram curadas em ambiente natural Figura Colocação de equipamento termohigrógrafo na câmara de cura (Tipo A) para acompanhamento de temperatura e umidade relativa do ar (URA) Figura Diagrama da família de dosagens elaboradas na etapa 1, em função do tipo de vibroprensa utilizada... Figura 5. 6 Exemplo da etapa de desmoldagem das PPC na vibroprensa de desforma imediata Figura Curva granulométrica dos agregados utilizados neste estudo Figura Gráfico dos feixes de granulometria dos concretos, Figura Gráfico dos feixes de granulometria dos concretos, Figura Foto ilustrativa do ensaio de umidade por aparelho de microndas Figura Medição do desgaste de abrasão do corpo de prova após percurso de 1000 metros no disco de Amsler-Laffon Figura Vista do equipamento para realização do ensaio de abrasão Figura Amostra da rocha de Traquito para realização do ensaio de Abrasão 130 Figura Preparação da amostra de rocha para ensaio de Abrasão Figura Corpo de prova preparado para realização do ensaio de Abrasão Figura Detalhe do equipamento Pêndulo Britânico, com dispositivo de aplicação de água

12 xii Figura Detalhe do ensaio no aparelho Pêndulo Britânico sob aplicação de água Figura Ensaio de Compressão Axial, com placas cilíndricas Método Brasileiro NBR Figura Ensaio de Tração por Compressão Norma pr EN Figura Ensaio de Compressão direto na PPC Método Americano ASTM C Figura Peso submerso da PPC, realizado na balança hidrostática para cálculo da área líquida Figura Entrada principal da fábrica da Holcim - RJ, unidade de Cantagalo, mostrando a posição das duas balanças rodoviárias em sua portaria Figura Local de construção do trecho experimental Figura Etapa de escavação do trecho experimental e vista do perfil do corte do terreno Figura Compactação do Subleito com rolo pé-de-carneiro e placa vibratória 147 Figura Detalhes do espalhamento, compactação e verificação do nível da subbase Figura Espalhamento e moldagem de corpos de prova do material da base tratado com cimento Figura Compactação final da base do segundo sub-trecho para receber as PPC de 8,0 cm Figura Espalhamento do colchão de areia Figura Colocação das PPC de10,0 cm Sub-trecho Figura Vista geral dos sub-trechos e preparação das espessuras finais da camada de base Figura Assentamento do sub-trecho 2, PPC de 8,0 cm Figura Assentamento do sub-trecho 3, PPC de 6,0 cm Figura Junta de transição entre os sub-trechos 2 e Figura Perfil vertical das PPC de 8 cm e 6 cm na região da junta de transição Figura Colocação do sub-trecho 4, de PPC de 4,0 cm Figura Perfil vertical das PPC de 6 e 4 cm Figura Etapa de Compactação das PPC Figura Vista geral do trecho experimental concluído

13 xiii Figura 6. 1 Desempenho de resistência à compressão axial (MPa) em função do consumo de cimento por m³ Figura 6. 2 Desempenho resistência à compressão axial em função do total de finos passante na # 0,300 mm Figura 6. 3 Influencia do tipo de CURA na resistência a compressão Figura 6. 4 Correlação de resistência Compressão / Tração Figura 6. 5 Desempenho de resistência à compressão axial (MPa) em função do consumo de cimento por m³ Figura 6. 6 Desempenho resistência a tração por compressão em função do total de finos passante na # 0,300 mm

14 ÍNDICE DE TABELAS xiv Tabela Problemas estruturais relacionados com a camada de areia (Compilado de Beaty, 1992 e Karasawa, 2000) Tabela Limites granulométricos e forma dos grãos para o colchão de areia (Compilado de Shackel, 1991, Burack, 2002, Knapton, 1997) Tabela Especificações da areia de rejuntamento (Compilado de Burack, 2002, Shackel, 1990, Knapton, 1997) Tabela Limites aceitáveis da areia após o teste de durabilidade Lilley and Dowson (Knapton (1997) Tabela Resumo dos ensaios de areia para a camada de assentamento das PPC Tabela Requisitos físicos para produção de PPC no Brasil (NBR 9781/87) Tabela 2. 7 Granulometria da areia para o colchão de areia para pavimento de PPC (Dutra, 1998) Tabela Requisitos Físicos e limites aceitáveis no projeto de norma européia EN 1338 para PPC... Tabela Resumo dos requisitos físicos e limites aceitáveis nas normas Americanas e Canadense Tabela Índice de classificação de carga (LCI) para pavimentos Industrial de grandes cargas. Fonte: Knapton (1997) Tabela 3. 2 Medidas de Módulo de PPC através de FWD e ensaios de laboratório. (Compilado de Shackel, 2000) Tabela 3. 3 Fatores de Drenagem para dimensionamento mecanístico adotados no programa LOCKPAVE (Compilado de Shackel, 2000) Tabela 3. 4 Categorias de Tráfego para pavimentos Tabela 4. 1 Tabela estimativa de k nt, representando o desvio padrão ( s ) e o coeficiente de Student ( t ), sugerida a ser utilizada na primeira fase de produção. Fonte: Tango (1994) Tabela 4. 2 Valores sugeridos para t s, por tipo de controle de produção Tabela 4. 3 Ensaios dos materiais constituintes que compõem a dosagem das PPC, na metodologia proposta na tese... 83

15 xv Tabela 4. 4 Tabela de controle visual de umidade ótima durante a fabricação das PPC proposta nesta tese Tabela Controle de temperatura (ºC) e umidade relativa do ar (%) correspondente, através de medição de equipamento termohigrógrafo instalado ao lado das PPC, em função dos tipos de cura descritos: A, B ou C Tabela Relação de ensaios de laboratório realizados nesta pesquisa para a dosagem e controle das PPC Tabela Modelos de Vibroprensas utilizadas no estudo de dosagem experimental desta tese Tabela Caracterização física e química do cimento utilizado neste estudo Tabela Quadro das composições granulométricas dos agregados utilizados na etapa dos ensaios de 19/04/ Tabela Quadro das composições granulométricas dos agregados utilizados na etapa dos ensaios em fevereiro de Tabela Composições dos traços experimentais para vários consumos de cimento e MF = 2,8 ± 0,2 e umidade do concreto fresco = 5,0 ± 1,0% Tabela Características gerais dos traços de concreto com Tabela Características gerais dos traços de concreto com Tabela Composições dos traços experimentais para vários consumos de cimento e MFC = 3,0 ± 0,2 e umidade concreto fresco (U%) Tabela Características gerais dos traços de concreto com Tabela Características gerais dos traços de concreto com Tabela Acompanhamento de controle de umidade do concreto durante a fabricação das PPC Etapa 1 19/04/ Tabela Acompanhamento de controle de umidade do concreto durante a a fabricação das PPC Etapa 2 16/02/2003 e 21/02/ Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 3,0, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 3,0,

16 xvi Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 3,0, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 3,0, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 2,6, Tipo de Cura = C Tabela Resultados de Resistência à Compressão Axial (MPa), para MFC 2,6, Tipo de Cura = C Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 3,0, Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 3,0, Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tipo de Cura = B Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tipo de Cura = B Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 3,0, Tipo de Cura = B Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 3,0, Tipo de Cura = B Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tipo de Cura = C

17 xvii Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 2,8, Tipo de Cura = C Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 2,6, Tipo de Cura = C Tabela Resultados de Resistência à Tração por Compressão Axial (MPa), para MFC 2,6, Tipo de Cura = C Tabela Resultados de Absorção/Umidade, MFC = 2,8, Cura - TIPO A Tabela Resultados de Absorção/Umidade, MFC = 3,0, Cura - TIPO A Tabela Resultados de Absorção/Umidade, MFC = 2,8, Cura - TIPO B Tabela Resultados de Absorção/Umidade, MFC = 3,0, Cura - TIPO B Tabela Resultados de Absorção/Umidade, MFC = 2,8, Cura - TIPO C Tabela Resultados de Absorção/Umidade, Etapa 2, MFC = 2,6, Cura - TIPO C Tabela Resultados de Abrasão, MFC 2,8, umidade 5% e 7%, sem cura Tabela Resultados de Abrasão, MFC 2,8, umidade 5% e 7%, com cura Tabela Resultados de Abrasão, MFC 3,0, umidade 5% e 7%, com cura Tabela Resultados de Abrasão, Rocha Traquito Tabela Tabela de Valores de Abrasão em Concretos de Alta Resistência. Fonte: Almeida (1990) Tabela Resultados da Resistência ao Escorregamento através do Pêndulo Britânico Tabela Resultados das dimensões, umidade e absorção das PPC de diferentes fabricantes Tabela Resultados dos pesos e Resistência a Compressão Axial, método Brasileiro de diferentes fabricantes Tabela Tabela de correção de altura da peça para ensaio de resistência à compressão axial, conforme norma NBR Tabela Tabela de cálculo da área de ruptura, através de fator de correção de espessura da peça ensaiada Tabela Resultados comparativos entre as metodologias de ensaio para o cálculo da resistência à compressão PPC com espessura de 80 mm Tabela Resultados comparativos entre as metodologias de ensaio para o cálculo da resistência à compressão PPC com espessura de 60 mm Tabela Variáveis de entrada para dimensionamento do trecho experimental pelo programa da ABCP, utilizando o método da CCA Tabela Dimensionamento do pavimento de acordo com método da CCA

18 xviii Tabela Estratificação das camadas da estrutura do pavimento do trecho experimental Tabela Caracterização da Areia utilizada no colchão e rejuntamento Tabela Resultados de resistência à compressão axial das PPC utilizadas no trecho experimental método brasileiro NBR Tabela 6. 2 Influência da CURA no desempenho de resistência à compressão axial (MPa) das PPC Tabela 6. 3 Influência da Umidade e MFC no desempenho das resistências à compressão axial nas idades de 28 e 180 dias Tabela 6. 4 Influência da compactação na resistência à compressão axial (MPa) MFC = 2,8 ± 0, Tabela Valores estatísticos para correlação entre as resistências de Compressão Axial / Tração por Compressão Tabela 6. 6 Resultados comparativos de Abrasão

19 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Desde a década de 1980, com a disponibilidade no mercado de equipamentos de grande produtividade e com elevado grau de precisão dimensional, a indústria de pavimentos de peças pré-moldadas de concreto PPC - vem crescendo em grandes proporções em todo o mundo, inclusive no Brasil. O que era um tipo de material utilizado apenas em áreas que demandavam efeitos arquitetônicos ou paisagísticos, deu lugar a um material único extremamente versátil para harmonizar qualquer tipo de pavimento, inclusive o industrial e rodoviário, tanto esteticamente quanto estruturalmente. Outra característica de destaque neste tipo de pavimento é sua manutenção, que ao contrário de outros tipos de pavimento que demandam equipamentos dispendiosos, pode ser realizada com uma pequena equipe e ferramentas manuais. No momento, a tecnologia de pavimentos de peças pré-moldadas de concreto oferece a opção do assentamento mecânico, dando competividade ao material em termos de velocidade na sua aplicação. Técnicas como esta ainda não estão disponíveis em nosso país. Smith (2003) relata que, nos Estados Unidos, a cada cinco anos dobra a quantidade em metros quadrados de área aplicada de Peças Pré-moldadas de Concreto. O que era 4 milhões de metros quadrados em 1980, em 2000 já atingia a marca de 40 milhões a mais de metros quadrados aplicados. Para 2005, o mesmo autor prevê que serão utilizados mais 60 milhões de metros quadrados. O mesmo crescimento tem sido registrados na Bélgica, Alemanha, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul. No Brasil, este consumo tem sido registrado pela Associação Brasileira de Cimento Portland como um dos mais expressivos dos produtos pré-moldados que utilizam o cimento portland. Na cidade do Rio de Janeiro, programas de urbanização como o Rio Cidade e Favela Bairro já assentaram mais de de metros quadrados de pavimentos de peças pré-moldadas na área urbana da cidade, nos últimos cinco anos.

20 2 Diante da importância deste material de pavimentação, e por ainda haver limitado estudo em nosso país deste tema, este trabalho visa inicialmente a promover uma discussão geral dos métodos de dimensionamento, materiais, técnicas de produção e execução dos pavimentos de peças pré-moldadas e as normas brasileiras atuais em relação às especificações internacionais. Assim, o CAPÍTULO 2 faz um histórico deste tipo de pavimento, descreve suas capacidades estruturais, sua grande versatilidade de utilização em áreas urbanas das cidades (praças, ciclovias, calçadas, passeios, caminhos, fontes, acessos a estádios, ruas secundárias, interseções), portos e aeroportos e até em rodovias. Aborda os princípios fundamentais do conceito estrutural do pavimento, tipos e formas das peças. No CAPÍTULO 3, é feito o resumo dos modelos de dimensionamento existentes e aplicados no mundo, ressaltando os conceitos utilizados nos métodos pesquisados, objetivando propor para estudos futuros uma modelagem própria para nosso país. No CAPÍTULO 4, é proposta uma metodologia de dosagem baseada no controle de fabricação da própria fábrica. Este assunto, não é especificamente abordado na bibliografia mas seu desenvolvimento é de grande importância. O CAPÍTULO 5 apresenta o programa experimental do trabalho, que é dividido em duas partes. A primeira é constituída de vários ensaios em ambiente real de fabricação das PPC, e nela se analisam as características que definem o desempenho das peças produzidas. São comparadas e correlacionadas várias destas características e apresentada discussão sobre os diferentes métodos de ensaio de resistência no Brasil, na Europa e no Estados Unidos. São avaliados resultados de aproximadamente 9000 peças ensaiadas. A segunda parte é um trecho experimental, que foi construído para avaliar a capacidade estrutural deste pavimento em uma área de tráfego exclusivo de caminhões, com um volume de tráfego de 10 7 para um período de projeto de 20 anos. Devido ao curto intervalo de tempo entre a execução do trecho e a avaliação de seus resultados, neste trabalho somente são comentados as etapas de execução e os ensaios de materiais que já realizados, no período de 120 dias após a construção do trecho.

21 3 O CAPÍTULO 6 analisa todos os resultados dos ensaios realizados, fazendo as devidas correlações entre as características estudadas. As inspeções técnicas realizadas no trecho experimental são descritas e feita análise das observações. No CAPÍTULO 7 são apresentadas as conclusões e sugestões para estudos futuros, que não são poucas, pois este é um dos primeiros trabalhos científicos existentes em nosso país sobre o assunto abordado.

22 CAPÍTULO 2 O PAVIMENTO INTERTRAVADO BREVE HISTÓRICO DA PAVIMENTAÇÃO Para melhor entender a importância dos pavimentos com camada de revestimento constituída de peças pré-moldadas de concreto, que doravante neste trabalho será designada por PPC, é relevante recorrer a alguns dados históricos que mostram como os povos através dos séculos, sentiram a necessidade de criar e construir caminhos, trilhas e atalhos com o objetivo de vencer as distâncias existentes entre os povoados e suas colônias, estabelecendo assim algum tipo de comunicação entre eles. Knapton (1996) proporciona uma abordagem dos primórdios da civilização ocidental, descrevendo a importância das técnicas de construção de pavimentos de várias épocas, que permitiram o desenvolvimento dos povos através dos séculos. Alguns destes fatos relevantes do desenvolvimento histórico da pavimentação serão ressaltados a seguir. Os povos Etruscos dominaram a Itália no período compreendido entre 800 e 350 a.c. É creditado a estes povos o pioneirismo na construção de caminhos específicos com fins de transporte de pessoas e cargas entre as vilas e colônias da época. As técnicas utilizadas pelos Etruscos visavam ligar distâncias longas, com a preocupação de garantir conforto e resistência através de uma superfície mais plana possível, utilizando os materiais disponíveis e conhecidos na época. As ruas das cidades Etruscas chegavam a 15 metros de largura e no seu revestimento era adicionada pedra de mão, juntamente com um material mais fino, objetivando permitir às pessoas maior segurança quanto ao escorregamento, na presença de água na superfície. Muito dos conhecimentos dos Etruscos sobre a construção de caminhos foram herdados pelos Romanos, o que muito contribuiu para a expansão de seu Império. À medida que os Romanos conquistavam novas regiões houve necessidade de construir ligações com o Império para principalmente manter o deslocamento de tropas militares, se necessário fosse. O auge do Império Romano foi por volta do século 117 d.c., mas desde os primeiros séculos d.c. o poder e a riqueza do Império permitiram sua expansão a regiões distantes de toda a Europa como a Gália (França),

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto Pavimentação Intertravada de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE Associação de Ensino Superior Unificado do Centro Leste ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PAVIMENTO RÍGIDO R E FLEXÍVEL Msc. Flavia Regina Bianchi Engª.. Isis Raquel Tacla Brito Engª.. Veronica Amanda Brombley

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é fornecer os subsídios de projeto para pavimentos com peças pré-moldadas de concreto no Município de São Paulo, orientando e padronizando os procedimentos de caráter

Leia mais

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS

PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS PAVIMENTOS INTERTRAVADO PERMEÁVEL COM JUNTAS ALARGADAS Introdução Pavimentos permeáveis são definidos como aqueles que possuem espaços livres na sua estrutura onde a água pode atravessar. (FERGUSON, 2005).

Leia mais

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas INTRODUÇÃO AO DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Por que pavimentar? Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia

Leia mais

13 o Encontro Técnico DER-PR

13 o Encontro Técnico DER-PR 13 o Encontro Técnico DER-PR Imprimaduras Impermeabilizante e Ligante Osvaldo Tuchumantel Jr. Imprimadura ato ou efe ito de imprima r Impermeabilizante - Aplicação uniforme de material betuminoso sobre

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Figura 1.1 Biscayne Boulevard, Miami Estados Unidos. (Fonte: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND ABCP, 2001)

Figura 1.1 Biscayne Boulevard, Miami Estados Unidos. (Fonte: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CIMENTO PORTLAND ABCP, 2001) 1 1 INTRODUÇÃO Atualmente a utilização de pavimentos intertravados com blocos prémoldados de concreto vem crescendo em todo o mundo, particularmente no Brasil, e a possibilidade de se oferecer materiais

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO ASFÁLTICO DA AVENIDA ÁGUA VERDE CURITIBA PR

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO ASFÁLTICO DA AVENIDA ÁGUA VERDE CURITIBA PR APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO ASFÁLTICO DA AVENIDA ÁGUA VERDE CURITIBA PR Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. André Fanaya SETEMBRO 1997 Revisado JANEIRO 2011-

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva

Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II. Dosagem de concreto. Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil II Dosagem de concreto Prof.ª: Rebeca Bastos Silva Histórico - Egípcios e os etruscos empregava argamassa na construção

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Fundamento da mecânica dos pavimentos e da ciência dos pavimentos rígidos Projetar uma estrutura que dê conforto,

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais

Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais HOLCIM (BRASIL) S/A Novas Tecnologias em Cimentos para Construção e Reparos de Pisos Industriais Eng. JOSÉ VANDERLEI DE ABREU Patologias Comuns em Pisos Patologias pisos industriais com problemas superficiais

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar as diretrizes para o dimensionamento de pavimentos flexíveis de vias urbanas submetidas a tráfego leve e médio no Município de São Paulo. 2. ESTUDO GEOTÉCNICO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix : marca registrada da Belgo Bekaert Arames BelgoFix são telas soldadas

Leia mais

Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto

Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto Adair José Magalhães 1 Élcio Cassimiro Alves 2 Resumo O presente estudo tem como objetivo principal avaliar a viabilidade técnica

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Hérsio Antonio Ranzani Júnior JULHO 1998 Revisado

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO

CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO CONTRIBUIÇÃO DO ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM PERÍCIA DE ESTRUTURAS RESUMO O presente trabalho refere-se à análise estrutural de placas de concreto para piso elevado, fornecidos a uma construtora para estacionamento

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

SEPARAÇÃO E DRENAGEM NA AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO SANTOS DUMONT (RIO DE JANEIRO RJ)

SEPARAÇÃO E DRENAGEM NA AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO SANTOS DUMONT (RIO DE JANEIRO RJ) CASO DE OBRA #197 SEPARAÇÃO E DRENAGEM NA AMPLIAÇÃO DO AEROPORTO SANTOS DUMONT (RIO DE JANEIRO RJ) Autor: Geomaks Comércio de Geossintéticos Ltda. Maio de 2013 1. DADOS GERAIS Tipo de obra Separação e

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert.

Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert. Para pisos mais resistentes, escolha Dramix. Dramix : marca registrada N. V. Bekaert. ( O que é Dramix? As fibras de aço Dramix da Belgo Bekaert Arames estabeleceram um novo padrão para as armaduras de

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats

Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Revestimento de Canal de Drenagem com Geomanta Revetment Drainage Channel with Geomats Nome dos autores: Petrúcio Santos; Fábio Mendonça Bocheni José Roberto de Campos Costa Junior Instituição: Maccaferri

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

Muro de arrimo segmentado

Muro de arrimo segmentado 1 de 12 01/11/2010 18:40 Muro de arrimo segmentado Este artigo apresenta a seqüência executiva de um muro de arrimo segmentado. A técnica consiste no reforço de solo pela inclusão de elementos planos (geogrelhas

Leia mais

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo

13/06/2014 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA INTRODUÇÃO. Introdução. Prof. Ricardo Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS PELA RESILIÊNCIA Prof. Ricardo Melo

Leia mais

Galeria Multidimensional Rodoviária

Galeria Multidimensional Rodoviária TECNOLOGIA e INOVAÇÃO: MESO - MACRODRENAGEM Galeria Multidimensional Rodoviária I 1 - GALERIA MULTIDIMENSIONAL RODOVIÁRIA Autor da Tecnologia e responsável técnico: Eng.º Civil: Mauricio Santiago dos Santos;

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CALÇAMENTO COM PEDRAS DE BASALTO IRREGULAR ÁREA: 4.990,99m² - CONTRATO 1016190.50 LOCAL: Rua Andina M. de Quadros, Dosalina M. de Quadros e Manoel Ferreira da Silva no Bairro

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa.

Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO. Profa. Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais DOSAGEM DO CONCRETO EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons Dosar um concreto é compor os materiais constituintes em proporções convenientemente

Leia mais

Pavimentos Permeáveis

Pavimentos Permeáveis PRÁTICA RECOMENDADA PR- Sistemas construtivos Pavimentos Permeáveis Conceitos e Requisitos para Pavimentos Intertravado Permeável MSc. Mariana L. Marchioni e MSc. Cláudio Oliveira Silva Associação Brasileira

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DO CONCRETO ATRAVÉS DA VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DA ONDA ULTRA-SÔNICA Ricardo Oliveira Mota 1,4 ; Paulo Francinete Jr. 2,4 ; Rodrigo Augusto Souza 3,4 (1) Bolsista

Leia mais

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver!

LEI DA CALÇADA. Vamos fazer de São José um lugar cada vez melhor para se viver! APRESENTAÇÃO Planejar uma cidade também significa cuidar da circulação das pessoas, garantido segurança e igualdade. Muitas pessoas caminham somente a pé, ultrapassando 30% de todos os deslocamentos de

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM COMO CAMADA DE SEPARAÇÃO E PROTEÇÃO DE MANTA IMPERMEÁVEL NA ESTAÇÃO DAS CLÍNICAS DO METRÔ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Rogério Ferrarezi Busch

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Soluções para Alvenaria

Soluções para Alvenaria Aços Longos Soluções para Alvenaria BelgoFix Tela BelgoRevest Produtos Murfor BelgoFix Telas Soldadas Galvanizadas para Alvenaria BelgoFix são telas soldadas produzidas com fio de 1,65 mm de diâmetro e

Leia mais

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS"

APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS APLICAÇÃO DE TUBOS CERÂMICOS NA COLETA E TRANSPORTE DE ESGOTOS SANITÁRIOS" PALESTRANTE: Eng o Civil Antonio Livio Abraços Jorge 28 de Março de 2008 Marcos na História do Saneamento Tubos cerâmicos são

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo

Tubos de Concreto. Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto. Antonio D. de Figueiredo ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL Tubos de concreto com fibras para águas pluviais e esgoto Antonio D. de Figueiredo Tubos de Concreto 1 Principais

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DA ALVENARIA ESTRUTURAL COM BLOCOS DE CONCRETO 1a. parte: TÉCNICA Engenheiro Civil - Ph.D. 85-3244-3939 9982-4969 la99824969@yahoo.com.br skipe: la99824969 de que alvenaria

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P23-REPARAÇÃO DE PAVIMENTOS DANIFICADOS POR ABERTURA DE VALAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE INDÍCE 1- Introdução/ Objectivos... 2- Análise Granulométrica... 2.1- Introdução e descrição dos ensaios... 2.2- Cálculos efectuados, resultados encontrados e observações... 2.3- Conclusão... 3- Ensaio

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas.

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas. MEMORIAL DESCRITIVO CAPEAMENTO ASFÁLTICO SOBRE PEDRAS IRREGULARES Proprietário: MUNICÍPIO DE ITATIBA DO SUL Local: - Rua Argentina = 5.910,43 m²; - Rua Estados Unidos = 1.528,98 m². Total = 7.439,41 m²

Leia mais

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro;

Excelente para o assentamento e rejuntamento simultâneo de pastilhas de porcelana e vidro; 01 Descrição: NOVO PRODUTO votomassa é uma argamassa que proporciona alta aderência e trabalhabilidade no assentamento de de porcelana e vidro 02 Classificação: votomassa combina cimento Portland, agregados

Leia mais

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3.

Ensacado - A Argila Expandida pode ser comprada em sacos de 50l, sendo transportada da mesma maneira. Cada 20 sacos equivalem a 1m 3. Argila Expandida A argila expandida é um agregado leve que se apresenta em forma de bolinhas de cerâmica leves e arredondadas, com uma estrutura interna formada por um a espuma cerâmica com micro poros

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS *Acadêmicos do Centro Universitário Filadélfia UniFil **Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil. faganello.adriana@unifil.br

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS XV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 Emerson Carlos Miranda Cavalcanti1, Rogério Penna Forte

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO

Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Capítulo 4 ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS EM CONCRETO ARMADO Ensaios destrutivos que danificam ou comprometem o desempenho estrutural. Inspeção e diagnóstico do desempenho de estruturas existentes de concreto

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO DA AVENIDA NOSSA SENHORA DA LUZ CURITIBA PR

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO DA AVENIDA NOSSA SENHORA DA LUZ CURITIBA PR APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO RECAPEAMENTO DA AVENIDA NOSSA SENHORA DA LUZ CURITIBA PR Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Ivan Macedo JULHO 1998 Revisado JANEIRO 2011 - Departamento

Leia mais

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA

ETS-03/2013 PAVIMENTOS PERMEÁVEIS COM REVESTIMENTO ASFALTICO POROSO - CPA 1. OBJETIVO O objetivo desta Especificação Técnica é a definição dos critérios de dimensionamento e execução de pavimentos permeáveis com revestimento em Concreto Asfáltico Poroso CPA (Camada Porosa de

Leia mais

Total de páginas: 8 1

Total de páginas: 8 1 1/24 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T6 Pavimentos 2/24 Sumário da aula Pavimentos rodoviários: Tipos de pavimentos Funções das camadas do pavimento Materiais de pavimentação:

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

VOLUME 9 METODOLOGIAS CONSTRUTIVAS DE PAVIMENTAÇÃO

VOLUME 9 METODOLOGIAS CONSTRUTIVAS DE PAVIMENTAÇÃO VOLUME 9 1 INTRODUÇÃO A execução de obras e serviços de pavimentação no meio urbano requer um planejamento específico, com a utilização de métodos adequados e dominados pelas empresas executoras. A utilização

Leia mais

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto.

Construção. Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação. Características / Vantagens. Testes. Dados do Produto. Ficha de Produto Edição 02/09/2010 Identificação n 02 04 01 04 001 0 000001 Sikadur 30 Adesivo para colagem estrutural. Descrição do produto Campos de aplicação Características / Vantagens Testes Sikadur

Leia mais

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos

Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos Dosagem de Concreto Compactado com Rolo Visando sua Aplicação em Bases e Sub-bases de Pavimentos William Fedrigo Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil, williamfedrigo@hotmail.com

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais