ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR"

Transcrição

1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial SOGAOR é uma pessoa jurídica de direito privado, de caráter científico, cultural e social, sem fins lucrativos, religiosos ou políticos, fundada em 15 de dezembro de 1975, na Capital do Estado do Rio Grande do Sul, e é integrada por especialistas em Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial devidamente registrados no Conselho Federal de Odontologia - CFO, por tempo indeterminado. Art. 2 A lei orgânica da SOGAOR é constituída por este estatuto, que todos os seus componentes estarão comprometidos a acatar, obedecer e cumprir. Parágrafo único A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial SOGAOR terá como sede administrativa e foro a cidade de Porto Alegre, onde a mesma foi fundada. CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS Art. 3 São objetivos da SOGAOR: a congregar os especialistas em Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial; b planejar, orientar, coordenar e supervisionar os assuntos pertinentes ao desenvolvimento da Especialidade Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial no Rio Grande do Sul; c apoiar o desenvolvimento do ensino de graduação, extensão e pósgraduação, no sentido de propiciar condições de implementar gradativamente, o currículo decorrente de atualizações da Especialidade reconhecido pelo Conselho Federal de Odontologia - CFO; d promover o intercâmbio da Especialidade com áreas congêneres; e zelar pelo cumprimento da legislação do Conselho Federal de Odontologia - CFO, com relação aos direitos e obrigações profissionais, e das Normas de Conduta Profissional da Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR); 1

2 f promover de forma institucional, através dos meios de comunicação, campanhas voltadas à população em geral, no sentido de supri-las com informações necessárias ao conhecimento da Especialidade Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial em relação aos tratamentos profiláticos, preventivos, interceptadores e corretivos das anomalias denominadas dentofaciais; g Assessorar-se com a Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR), consultora oficial do Conselho Federal de Odontologia (CFO) nos assuntos pertinentes à Especialidade Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial; h colaborar, junto aos órgãos regionais competentes, na elaboração de tabelas de valores dos procedimentos relacionados à Especialidade. i zelar pelos interesses e direitos de seus associados e pelo cumprimento da ética profissional; j organizar e manter uma biblioteca especializada; k incrementar e incentivar o progresso científico, técnico, material, social e moral da Ortodontia e Ortopedia Facial, por todos os meios convenientes; l organizar e/ou cooperar com cursos de pós-graduação em Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial reconhecidos pelo Conselho Federal de Odontologia - CFO; m organizar conferências, cursos, jornadas, congressos e conclaves, a fim de melhorar o padrão técnico-científico da Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial; n Representar a Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial do Rio Grande do Sul junto à Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial ABOR. o Ser a entidade representante da ABOR no Rio Grande do Sul, podendo utilizar a nomenclatura e logomarca ABOR/RS; CAPÍTULO III DA ADMINISTRAÇÃO Art. 4 - A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial SOGAOR é constituída administrativamente pelos seguintes órgãos: I Diretoria Executiva; II Conselho Fiscal; III Conselho Consultivo. Art. 5 A Diretoria Executiva é constituída de: a Presidente; b Vice-Presidente; c Secretário; 2

3 d Tesoureiro; e Diretor Científico; São atribuições da Diretoria Executiva: I - Colaborar com o Presidente na administração da SOGAOR; II - Cumprir e fazer cumprir este Estatuto, suas decisões, as das reuniões do Conselho Fiscal, do Conselho Consultivo e as deliberações da Assembléia Geral; III - Reunir-se extraordinariamente, quantas vezes forem necessárias, lavrando-se de todas as reuniões atas dos respectivos trabalhos; IV - Aplicar as penalidades previstas nestes Estatutos; V - Encaminhar ao final de cada ano as contas ao Conselho Fiscal para que este emita parecer a ser apresentado à Assembléia Geral Ordinária subseqüente; VI - No término do mandato, prestar contas de sua gestão no exercício financeiro correspondente; VII - As contas referidas nos incisos V e VI deste artigo serão aprovadas pelas respectivas Assembléias Gerais, com prévio parecer do Conselho Fiscal; IX - Designar Comissão Eleitoral, composta por 3 (três) associados cujos membros escolherão quem a presidirá e cujas atribuições são as constantes do neste Estatuto. Art. 6 Terá um Conselho Fiscal, composto por 3 (três) membros titulares e 1 (um) suplente. Art. 7 Terá um Conselho Consultivo, composto pelos ex-presidentes inscritos no quadro associativo. Art. 8 - São atribuições do Presidente: a representar e administrar a SOGAOR em Juízo ou fora dele; b presidir as reuniões da Diretoria e Assembléias Gerais; c dirigir discussões; d resolver todos os casos pertinentes a funcionários, de acordo com a Diretoria; e rubricar os livros e ATAS; f firmar as ATAS e todos os demais documentos da SOGAOR; g assinar cheques, juntamente com o Tesoureiro; h autorizar o pagamento dos gastos aprovados; i convocar a Diretoria para as reuniões ordinárias e extraordinárias; j - usar o voto de Qualidade em caso de empate, decidindo assunto exposto em reunião; 3

4 k apresentar, anualmente, ao Conselho Fiscal, o inventário, o relatório e o balanço financeiro, nos quais estará exposto, em síntese, o que foi realizado pela Diretoria neste período. O relatório e o balanço deverão ser apresentados aos sócios em Assembléia Geral Ordinária; l avisar com antecedência, à Diretoria, quando se ausentar por mais de 15 (quinze) dias da sede da SOGAOR. Neste caso, passará a presidência ao Vice-Presidente. Na falta deste, ocupará a presidência o Secretário, por um prazo que não excederá 1 (um) mês. Se o Presidente e o Vice- Presidente não assumirem suas funções no término do prazo a eles concedido, o Secretário, ou, em sua falta, o membro mais idoso, convocará uma Assembléia Geral Extraordinária para deliberar sobre a vacância; m implementar departamentos em sua Diretoria com a concordância da mesma; n - cabe ao Presidente da SOGAOR nomear o editor-chefe da Revista Ortodontia Gaúcha; Parágrafo Único ao editor-chefe da Revista Ortodontia Gaúcha caberá escolher o corpo editorial da publicação o discutir a admissão de novos associados com a Diretoria e assinar a admissão em conjunto com o Diretor Científico; p convidar ex-presidente para participar de reuniões de Diretoria com o objetivo de emitir parecer. Art. 9 São atribuições do Vice-Presidente: a auxiliar o Presidente no exercício de suas funções; b substituir o Presidente nas suas faltas ou impedimentos. Parágrafo Único O Vice-Presidente será substituído, em caso de haver deixado o cargo de forma definitiva, por indicação do Presidente com o aval da Diretoria, até que se procedam a novas eleições. Art. 10 São atribuições do Secretário: a redigir e assinar toda e qualquer correspondência ou documento emanados da Associação, juntamente com o Presidente; b convocar, por ordem do Presidente, as Assembléias Gerais; c No caso de impedimento do Presidente e do Vice-Presidente, assumir a presidência temporária, convocando a Assembléia Geral Ordinária; d manter um registro geral dos sócios; e ter sob sua guarda, todos os documentos e correspondências da Secretaria; 4

5 f secretariar e ler o expediente e ATAS em Assembléias Gerais e sessões de Diretoria; g rubricar os livros de ATAS, juntamente com o Presidente; h apresentar um relatório escrito das atividades do período para o Presidente. Art. 11 São atribuições do Tesoureiro: a ter sob sua guarda e responsabilidade os bens da SOGAOR; b gerenciar os recolhimentos e os pagamentos de todos os valores da SOGAOR; c assinar os recibos; d providenciar a compra e pagamento de material autorizado pela Diretoria; e assinar cheques, juntamente com o Presidente; f apresentar à Diretoria a relação dos sócios em atraso, bem como balancete mensal; g apresentar balancete anual à Diretoria, para discussão e aprovação; h apresentar anualmente um inventário, balanço e informações da Tesouraria, para completar o relatório do Presidente; i depositar em estabelecimento bancário. j - Ao Tesoureiro caberá substituir o Presidente em seu impedimento na ausência simultânea do Vice-Presidente e Secretário. Art. 12 São atribuições do Diretor Científico: a manter correspondência, em nome da SOGAOR, com as corporações científicas e profissionais que julgar conveniente para o interesse dos associados; b organizar a biblioteca; c organizar e supervisionar atividades científicas promovidas pela SOGAOR; d assinar com o presidente a admissão de novos associados; e - Ao Diretor Científico caberá também avaliar o calendário anual de atividades científicas desenvolvidas pelas entidades co-irmãs, para organizar os eventos da SOGAOR. Art. 13 São atribuições do Conselho Fiscal: a supervisionar e julgar a prestação de contas apresentada pela Diretoria, por convocação da Diretoria ou por autoconvocação; b encaminhar o parecer do relatório contábil para ciência e aprovação, anualmente, ou quando for necessário, para a Diretoria. Art. 14 São atribuições do Conselho Consultivo: 5

6 a emitir parecer sobre atos da Diretoria por convocação desta ou por autoconvocação e apresentá-lo à Diretoria e ou aos associados devidamente representados em Assembléia Geral Extraordinária; b auxiliar os processos de recepção dos Votos e Escrutínio, durante o processo de troca de Diretoria; c as decisões do Conselho Consultivo deverão ser tomadas com qualquer número de presentes; d a cada reunião do Conselho Consultivo serão eleitos o Presidente e o Secretário da sessão e suas decisões serão lavradas em ATA; e nomear os integrantes da Comissão Disciplinar. f O Conselho Consultivo, reunido em qualquer número de integrantes, designará a Comissão Disciplinar, que deverá ter numero mínimo de três integrantes da Diretoria Executiva, sempre em número ímpar, e será convocada sempre que houver processo administrativo. g emitir decisões em recursos oriundos de processos disciplinares. Art Os membros do Conselho Fiscal e do Conselho Consultivo participarão de reuniões da Diretoria quando convocados. Art. 16 Extingue-se o mandato do membro da diretoria, quando este for excluído do Conselho Regional de Odontologia ao qual for filiado. Parágrafo Único Nos casos de morte ou renúncia, cabe à diretoria escolher o substituto, salvo o de Presidente que será substituído pelo Vice-Presidente. CAPÍTULO IV DAS ASSEMBLÉIAS GERAIS Art. 17 As Assembléias da SOGAOR serão Ordinárias e Extraordinárias, sendo dirigidas e secretariadas, respectivamente, pelo Presidente e Secretário da Diretoria. Art. 18 As Assembléias Ordinárias serão realizadas bi-anualmente, no segundo trimestre do ano, elegendo pelo voto de maioria simples dos presentes. Parágrafo Primeiro O Secretário providenciará o edital de convocação, que deverá ser autorizado e divulgado 30 (trinta) dias antes da data da Assembléia. Ao mesmo tempo, o Tesoureiro verificará os sócios em atraso, a fim de que os mesmos quitem suas contribuições para poderem exercer o direito de voto. Parágrafo Segundo - As eleições serão realizadas na forma de chapas constituídas de Diretoria Executiva e Conselho Fiscal. 6

7 Parágrafo Terceiro As chapas concorrentes às eleições deverão ser apresentadas à Diretoria no prazo máximo de 15 (quinze) dias da data prevista para a eleição. Parágrafo Quarto Só poderão votar e ser votados os Sócios Fundadores, Titulares e Jubilados, admitindo-se voto por procuração. Parágrafo Quinto Para poder se candidatar a Presidência da SOGAOR, o candidato, deverá ser de uma das categorias de sócios citada no parágrafo anterior. Art. 19 Para as eleições a Diretoria designará uma Comissão Receptora dos Votos e de Escrutínio. Parágrafo Único A eleição poderá ser por aclamação se o Presidente da Comissão assim quiser e a Assembléia aprovar. Art. 20 Antes de iniciar-se o Escrutínio, deverá ser feita a recontagem das sobrecartas. Art. 21 Terminado o Escrutínio, o Presidente da Comissão proclamará os nomes dos eleitos e logo determinará que seja lavrada uma ATA com as circunstâncias ocorridas, que deverá ser firmada pelos sócios presentes ou que forem indicados pela Comissão. A ATA será entregue à Diretoria que está findando o seu mandato e o Presidente dessa dará posse, no ato, à nova Diretoria e ao Conselho Fiscal. Art. 22 As Assembléias Extraordinárias serão convocadas sempre que necessárias a pedido do Presidente ou, então, a pedido mínimo de 1/5 dos associados com direito a voto. Art. 23 Serão participantes com direito a voto nas Assembléias da SOGAOR todos os sócios em dia com a Tesouraria. Em caso de necessidade, o Presidente dará o voto de qualidade. Art No caso de vacância dos cargos de Presidente ou Vice-presidente durante a primeira metade do mandato, será realizada nova eleição para o cargo vago. a Após a primeira metade do mandato, no caso de vacância do cargo de Presidente, o Vice-presidente assume a presidência da SOGAOR até o final do seu mandato. Art Em caso de vacância simultânea de Presidente e Vice-presidente deverá haver nova eleição em qualquer período de mandato. 7

8 a Durante o período de vacância do Presidente e Vice-presidente o Secretário assume a Presidência Interina da SOGAOR até que nova eleição seja realizada no prazo máximo de sessenta dias. Art Em casos de vacância dos demais cargos da Diretoria Executiva, estes serão preenchidos em qualquer tempo por indicação do presidente. Art. 27 A Assembléia Geral é o órgão soberano da SOGAOR, nos limites da Lei e deste Estatuto, com poderes para decidir, aprovar, deliberar e ratificar ou não os atos sociais, assim como destituir administradores e alterar o estatuto, à luz dos arts. 54, V e 59, I e II do Código Civil. Parágrafo Único As deliberações da Assembléia Geral serão tomadas: a por 50% (cinqüenta por cento) mais 1 (um) dos Sócios Fundadores, Titulares e Jubilados em pleno gozo de seus direitos, em primeira convocação, ou b em segunda convocação, 30 (trinta) minutos depois, por 50% (cinqüenta por cento) mais 1 (um) por qualquer número de Sócios Fundadores, Titulares e Jubilados presentes. Art. 28 As Assembléias Gerais são convocadas por editais ou circulares ou por publicação eletrônica, aos Sócios Fundadores, Titulares e Jubilados, com antecedência mínima de 10 (dez) dias. Os assuntos a serem discutidos serão aqueles que constarem na Ordem do Dia. Art Pessoas não pertencentes ao quadro associativo que forem convocadas pela Diretoria da SOGAOR para as Assembléias e Reuniões participarão apenas a título de esclarecimento do item específico da ordem do dia. CAPÍTULO V DOS SÓCIOS, DIREITOS E DEVERES Art. 30 O quadro social constituir-se-á de quatro (4) categorias de sócios, a saber: a fundadores; b titulares; d estudantes; g jubilados. Art. 31 Dos Sócios Fundadores: são os signatários da ata de fundação. 8

9 Art. 32 Dos Sócios Titulares: são os especialistas, mestres ou doutores que preencherem os seguintes requisitos: a poderão ser sócios da SOGAOR os Especialistas em Ortodontia e /ou Ortodontia e Ortopedia Facial registrados no Conselho Federal de Odontologia CFO, com formação em curso reconhecido pelo Conselho Federal de Odontologia CFO e carga horária total mínima de horas/aula e observando o Código de Conduta da ABOR; b ter sua efetivação examinada e aprovada em reunião de Diretoria, observando-se os critérios de idoneidade profissional, não ter sofrido e sido condenado por violação de conduta profissional ou administrativa, ou estar sofrendo investigação por violação de conduta profissional ou administrativa por parte de outras entidades de classe, Conselhos Federal e Regional de Odontologia. Art. 33 Dos Sócios Jubilados: São considerados Sócios Jubilados, os Sócios Fundadores ou Titulares que requererem ou preencherem uma das seguintes condições: a idade mínima de 60 anos e no mínimo 30 anos de contribuição, como sócio titular; b invalidez permanente para o exercício da atividade profissional. Parágrafo Único: o Sócio Jubilado conserva o direito a voto e a cargo eletivo. Art. 34 A SOGAOR reserva-se o direito de admitir Estudantes que preencham os seguintes requisitos: ser aluno que estiver regularmente matriculado em Cursos de pós-graduação em Ortodontia e/ou Ortodontia e Ortopedia Facial (especialização, mestrado ou doutorado) reconhecidos pelo Conselho Federal de Odontologia - CFO, com carga horária total mínima de horas/aula. Art. 35 Constituem direitos dos Sócios em dia com a Tesouraria: a participar de todas as atividades científicas e sociais promovidas pela SOGAOR; b utilizar as dependências, o acervo científico e os serviços mantidos pela SOGAOR; c pedir afastamento, com isenção de pagamento de mensalidades, por tempo determinado, com justificativa e com comprovação; d votar e ser votado, exclusivo aos Sócios Fundadores, Titulares e Jubilados pertencentes ao quadro da SOGAOR; 9

10 e solicitar convocação de Assembléia Geral Extraordinária para tratar de assunto precisamente designado, desde que o faça em conjunto com no mínimo 1/5 (um quinto) dos associados. Parágrafo Primeiro O sócio afastado, nos termos da alínea c deste artigo, perde seus direitos de sócio enquanto estiver licenciado, incluindo descontos de pagamentos em eventos promovidos pela SOGAOR. Parágrafo Segundo O sócio afastado assumirá suas obrigações com a SOGAOR após o período determinado. Art. 36 Constituem deveres dos Sócios: a cumprir fielmente as disposições deste Estatuto, dos regulamentos e as deliberações das Assembléias Gerais; b comparecer às reuniões de interesse da SOGAOR, sempre que convocados; c desempenhar com zelo e eficiência os cargos, comissões ou representações para os quais forem designados, nomeados ou eleitos; d efetuar pontualmente os pagamentos das contribuições ordinárias e extraordinárias a que estiverem obrigados; e comunicar por escrito à SOGAOR as alterações de seus dados cadastrais, inclusive, alteração de endereço particular e profissional; f respeitar o Código de Ética da Odontologia e Normas de Conduta da ABOR. CAPÍTULO VI DA ADMISSÃO E DESLIGAMENTO DE NOVOS ASSOCIADOS Art. 37 O candidato a sócio titular deverá preencher a ficha cadastral anexando a documentação que comprove os registros necessários conforme reza o Art. 32 deste Estatuto e enviar para a SOGAOR, com finalidade de ser analisada a sua proposta para ingresso, em reunião de diretoria. Parágrafo Único: A aprovação do novo associado será registrada em ata da referida reunião. Art. 38 O candidato a estudante vinculado deverá preencher a ficha cadastral e anexar a documentação que comprove sua situação de pós-graduando, conforme reza o Art. 34 deste Estatuto. Art. 39 Todo o associado e estudante vinculado terá a obrigação de pagamento de uma doação patrimonial (jóia) ao se associar. Este valor é correspondente a 10

11 12 mensalidades. Os estudantes anteciparão este pagamento sob a forma de mensalidades ao longo de seu vínculo como pós-graduandos com a SOGAOR. Parágrafo Único: A partir do recebimento da titulação, o estudante deverá requisitar sua alteração de categoria para sócio titular e quitar o saldo da doação patrimonial, se houver. Art. 40 Os associados de qualquer categoria podem solicitar seu desligamento da SOGAOR, por escrito, a qualquer tempo. O pedido de desligamento será apreciado em reunião de diretoria e registrado em ata da referida reunião. Art Somente poderão ser readmitidos os sócios compreendidos no Art. 40, desde que efetuem o pagamento de suas contribuições atrasadas com atualização de valores, acrescidos do pagamento de nova jóia, a critério da Diretoria. CAPÍTULO VII DAS PENALIDADES Art. 42 Será passível de punição o sócio cuja conduta esteja em desacordo com a preceituada no presente Estatuto e às Normas de Conduta da ABOR, a juízo da Diretoria. Poderá ser aplicada a penalidade ao sócio que: a transgredir as Normas de Conduta Profissional da ABOR; b transgredir o Código de Ética da Odontologia; c praticar ações que venham prejudicar a especialidade e/ou seus interesses; d criticar de maneira indecorosa as resoluções dos órgãos diretivos da SOGAOR; e atrasar o pagamento das contribuições fixadas pela Diretoria; f causarem prejuízo à SOGAOR e não a indenizarem. Parágrafo Primeiro As penalidades serão a advertência por escrito, a suspensão temporária dos direitos de sócio e a exclusão do quadro social. a - A advertência por escrito será aplicada ao associado que incorrer nas transgressões: alíneas a, b, c, d ou f, do caput do artigo 42, após transcorridos todos os recursos cabíveis. b No caso da não adequação por parte do denunciado em um prazo de 30 dias a contar da data do recebimento da advertência por escrito, ou em caso de nova transgressão nas alíneas a, b, c, d ou f, do caput do artigo 42, após transcorridos todos os recursos cabíveis, será aplicada a suspensão temporária dos direitos de sócio. 11

12 c No caso da não adequação por parte do denunciado em um prazo de 30 dias após a suspensão temporária dos direitos de sócio, ou em caso de nova transgressão nas alíneas a, b, c, d ou f, do caput do artigo 42, após transcorridos todos os recursos cabíveis, será aplicada a exclusão do quadro social. Parágrafo Segundo Todas as penalidades citadas no Parágrafo Primeiro serão comunicadas à ABOR. Parágrafo Terceiro O sócio que for punido com exclusão pelo CFO, CRO ou pela ABOR automaticamente será excluído do quadro associativo da SOGAOR. Parágrafo Quarto O sócio que incorrer na transgressão da alínea e do caput do artigo 42, com atraso de 3 meses nos pagamentos receberá uma notificação intimando-o a quitar seu débito no prazo de 30 (trinta) dias e informando-o que a falta de atendimento da exigência no prazo, acarretará em suspensão automática dos direitos de associado. Parágrafo Quinto Ao quitar seus débitos junto à Tesouraria, o sócio tem revogada a suspensão, se mantida as demais condições necessárias para admissão no quadro associativo aqui listadas. A cobrança dos valores em atraso será limitada ao equivalente a doze mensalidades. Art O processo disciplinar poderá ser originado pela Diretoria ou por um associado com requerimento fundamentado. Parágrafo único - Poderá a Diretoria, em análise prévia, indeferir de pleno o requerimento de penalidade, se assim achar conveniente, ante a plausibilidade das alegações apresentadas para abertura do processo disciplinar. Art. 44 O sócio sofrerá penalidade somente mediante processo disciplinar, que será instaurado de ofício pela Diretoria que comunicará ao Conselho Consultivo. O Conselho Consultivo terá o prazo máximo de 15 dias do recebimento do Ofício para se manifestar. Passado este prazo, no silêncio do referido conselho, o processo será instaurado à sua revelia. I O denunciado será intimado da instauração do processo disciplinar via postal, através de Aviso de Recebimento (AR), ocasião em que terá 30 (trinta) dias para interpor defesa prévia perante o Conselho Consultivo. 12

13 II Transcorrido o prazo da defesa prévia, apresentada esta ou não, o Conselho Consultivo fará análise e manifestação unicamente acerca da necessidade ou não de instauração de processo disciplinar. Art. 45 Uma vez instaurado em definitivo o processo disciplinar, ao sócio que estiver sendo denunciado de incursão em uma ou mais penalidades previstas no Estatuto: I será enviada, via postal, através de Aviso de Recebimento (AR), por escrito, a acusação que lhe é imputada dando ciência a este do fato objeto do processo e concedendo prazo de 30 (trinta) dias para sua defesa escrita contados a partir da data de sua notificação. Em sua defesa o sócio denunciado já deverá apresentar as provas cuja análise pretende e dizer acerca de outras cuja produção pretende, inclusive testemunhal, justificando a necessidade destas; II Transcorrido o prazo do item anterior, apresentada defesa ou não, A Comissão Disciplinar terá 30 dias para comunicar sua decisão de dar continuidade ou não ao processo disciplinar, bem como sobre seu acolhimento ou não de produção de outras provas pelo sócio denunciado; III acolhido pedido do sócio denunciado de produção de outras provas, inclusive, testemunhal, será aprazada audiência da qual será o sócio denunciado devidamente intimado para comparecimento, assim como serão intimadas as testemunhas por ele arroladas desde que indicados seus respectivos endereços na defesa; Art. 46 Caso Comissão Disciplinar não acolha o pedido de produção de outras provas sua decisão, será registrada em ATA pelo Secretário, que expedirá a devida notificação, que será enviada pelo correio em carta com AR ao sócio denunciado para manifestação final, se entender necessária, a ser apresentada no prazo de quinze dias, a contar do recebimento da notificação da decisão. Art. 47 Transcorrido o prazo para manifestação final o processo será levado em pauta para julgamento pela Comissão. Da decisão será o sócio denunciado notificado por carta AR. CAPÍTULO VIII - DO RECURSO. Art. 48 Da decisão tomada pela Comissão Disciplinar caberá recurso. Art. 49. O recurso deverá ser interposto por escrito no prazo de 10 dias a contar da data do recebimento da intimação da decisão. 13

14 Art. 50. O recurso deverá ser interposto perante o Órgão revisor, que julgará em definitivo o processo. Art. 51. O Órgão revisor será composto por 3 membros do Conselho Consultivo. Parágrafo primeiro: Serão convocados para integrar o Órgão Revisor os três últimos Presidentes da SOGAOR, para comparecimento em sessão de julgamento do recurso, em data a ser definida pela Diretoria Executiva. Parágrafo segundo: Em caso de impossibilidade de comparecimento dos referidos membros, serão convocados de forma sucessiva os Presidentes mais recentes para compor o Órgão revisor. Art. 52. Da decisão que julgar o recurso não caberão mais recursos. CAPÍTULO IX DAS RECEITAS E DO PATRIMÔNIO Art. 53 A SOGAOR terá como receitas: a receitas de cursos, eventos, palestras e outras atividades de educação; b doações, contribuições e legados de pessoas físicas associadas ou não e jurídicas; c usufruto e rendas de terceiros em seu favor; d captação de renúncias e incentivos fiscais; e receitas de vendas de produtos e serviços, direitos autorais e de patentes; f auxílios e subvenções de instituições públicas e privadas; g financiamentos e verbas a fundo perdido de instituições públicas ou privadas, nacionais ou internacionais; h taxa de administração de projetos. Parágrafo Único - Todas as receitas da SOGAOR destinam-se a sua manutenção e desenvolvimento, e serão aplicadas sempre no estrito sentido de dar maior contribuição à associação e ao Estado. Art. 54 O patrimônio da SOGAOR será constituído de bens móveis, imóveis e aplicações financeiras em bancos que a SOGAOR possua ou venha a possuir. Art. 55 O Patrimônio não poderá ser alienado, vendido ou por outro meio gravado sem prévia anuência da Assembléia Geral Extraordinária, previamente convocada para este fim, com aprovação de 50% (cinqüenta por cento) mais 1 14

15 (um) dos Sócios Fundadores, Titulares e Jubilados no gozo de seus direitos de voto, em primeira convocação, e em segunda convocação com qualquer número, com intervalo mínimo de 2 (dois) dias entre elas. Art. 56 Os sócios não respondem pelas obrigações contraídas pela SOGAOR, quer em nome da Diretoria ou em nome dos associados. Art O valor da contribuição individual mensal correspondente aos sócios da SOGAOR será determinada pela Diretoria. CAPÍTULO IX - DAS ATIVIDADES PROMOCIONAIS: Art A Diretoria poderá sugerir a criação de honrarias a serem outorgadas a personalidades ou instituições de grande destaque na Especialidade, tanto em nível nacional como internacional. CAPÍTULO X - DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 59 O ano social começa em janeiro e termina em dezembro de cada ano. Art. 60 Este Estatuto só poderá ser alterado em Assembléia Geral Extraordinária, convocada especialmente para este fim. Art. 61 A extinção da SOGAOR será resolvida por Assembléia Geral Extraordinária, especialmente convocada para este fim por proposta da Diretoria. Parágrafo Único Os bens da SOGAOR, constitutivos de seu patrimônio, serão vendidos, segundo a necessidade de pagamento de dívidas então existentes e o que lhe sobejar será destinado a entidades congêneres por doação pura e simples. Art. 62 Só poderão votar os Sócios Fundadores, Titulares em dia com a Tesouraria, Jubilados e Honorários pertencentes ao quadro da SOGAOR, admitindo-se o voto por procuração devidamente especificada para que finalidade. Art. 63 Nenhum associado, incluindo a Diretoria, poderá usar o nome e o símbolo da SOGAOR sem estar autorizado pela Diretoria por escrito. Art. 64 O presente Estatuto poderá ser reformado, a qualquer tempo, por voto concorde de 2/3 (dois terços) dos presentes em assembléia especialmente convocada para este fim, não podendo ela deliberar, em primeira convocação, 15

16 sem a maioria absoluta dos associados, ou menos de um terço nas convocações seguintes, e entrará em vigor na data de seu registro em Cartório. Os associados com direito a voto poderão nomear outro associado ( por escrito ) nas mesmas condições para representá-lo na Assembléia referente à alteração deste Estatuto. Art. 65 Todas as questões não previstas por este Estatuto serão resolvidas pela Diretoria e serão registradas em ata. Art. 66 Os casos omissos do presente Estatuto serão regidos pelas normas pertinentes do Código Civil (Lei /2002) em vigor desde 11 de janeiro de Art. 67 O presente Estatuto entrará em vigor imediatamente após a sua aprovação e Registro Oficial, revogado, no seu inteiro teor, o Estatuto então em vigor, aprovado pela Assembléia Geral Extraordinária de 13 de abril de Porto Alegre, 13 de abril de Testemunhas: Oger Souza Pinto Presidente 1. Nome CIC/MF nº 2. Nome CIC/MF nº 16

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I: Objetivos Art. 1º - A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial (SOGAOR),

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial SOGAOR é

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PROFISSIONAIS LIBERAIS, REPRESENTANTES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS ABRAPRE ABRE BRASIL CNPJ nº 13.649.902/0001-03 DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º - A Associação Brasileira

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela

Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Estatuto Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional Estrela Capítulo I Da denominação, da sede, fins e duração ART. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Estadual de Educação Profissional

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA Estatutos Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 Capítulo I Da denominação, dos fins e da sede da Associação Artigo 1º

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA Capítulo I - DENOMINAÇÃO E NATUREZA Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA (ABA) é uma sociedade cultural e técnico-científica sem fins

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING

CONVOCAÇÂO. Votação da criação e texto normativo para: CLOSED MEETING CONVOCAÇÂO Prezado Sócio, Conforme determina o estatuto social da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo, convocamos V.Sa. para participar da Assembléia Geral Ordinária e em seguida a Assembléia

Leia mais

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro

Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas. Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro Estatutos da Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas Capítulo I Fins, Sede e Ano Social Primeiro 1. A Sociedade Portuguesa de Ciências Farmacêuticas tem por objectivo promover, desenvolver e divulgar

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores.

b - O sócio Institucional terá anuidade correspondente a dez vezes a dos sócios efetivos e colaboradores. Regimento Interno da Sociedade dos Zoológicos do Brasil - SZB Da Sociedade Artigo 1º - A sociedade dos Zoológicos do Brasil SZB, fundada em 23 de setembro de 1977, funciona conforme o disposto nos seus

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO

COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO COLEGIADO DE FISCAIS DE TRIBUTOS, AUDITORES FISCAIS E TÉCNICOS DA TRIBUTAÇÃO DA AMOSC REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado de Fiscais de Tributos, Auditores

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 153, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1967 Cria a Sociedade Beneficente da Assembléia Legislativa do Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES 1 ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES CAPÍTULO II INDEPENDÊNCIA CAPÍTULO III ADMISSÃO, DIREITOS, DEVERES E PENALIDADES CAPÍTULO IV DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS. Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE CUIDADOS PALIATIVOS Núcleo da Região Autónoma dos Açores Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos NRA - APCP abril de 2012 Núcleo Regional dos Açores da Associação Portuguesa

Leia mais

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES

NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES 1 NÚCLEO DE JOVENS EMPREENDEDORES DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE SUZANO CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 o O Núcleo de Jovens Empreendedores da Associação Comercial e Empresarial de Suzano

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS

NÚCLEO DE MEDICINA INTERNA DOS HOSPITAIS DISTRITAIS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS Art. 1 - O Núcleo de Medicina Interna dos Hospitais Distritais, também designado abreviadamente por N. M. I. H. D., é uma Associação sem fins lucrativos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Da Finalidade REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da Finalidade Art. 1ª Fica instituído o Regimento Interno da da Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, em conformidade com o Decreto nº. 6.029 de 1º de fevereiro

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO

LEI Nº 2.998/2007 CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO LEI Nº 2.998/2007 REGULAMENTA O CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO - COPLAN, CRIADO NO ARTIGO 2º, DA LEI COMPLEMENTAR N.º 037/2006, DE 15 DE DEZEMBRO, QUE DISPOE SOBRE NORMAS DE

Leia mais

Estatuto da ADEPO. Art. 2 - A Associação, para suas atividades, adotará a seguinte sigla: ADEPO;

Estatuto da ADEPO. Art. 2 - A Associação, para suas atividades, adotará a seguinte sigla: ADEPO; Estatuto da ADEPO I - DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 - A Associação se constituirá, como sociedade civil, sob a designação de ASSOCIAÇÃO DOS EX - ALUNOS PÓS - GRADUADOS EM ORTODONTIA DA U.F.R.J.; Art. 2 - A Associação,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS NOVA PETRÓPOLIS RS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CASA COOPERATIVA DE NOVA PETRÓPOLIS" NOVA PETRÓPOLIS RS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Art. 1º - Sob a denominação de "Casa Cooperativa de Nova Petrópolis" é constituída

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem:

Ao Conselho Deliberativo, como órgão que estabelece as diretrizes de atuação da ASBERGS competem: Regimento Interno Objeto Composição e Competência Presidência Reuniões Ordem dos Trabalhos Disposições Gerais Capítulo I Objeto Art. 1.º - Em cumprimento ao Estatuto Social da Associação dos Funcionários

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 09/2010 Aprova o Regimento Interno da Comissão Interna de Supervisão da Carreira dos Cargos

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I CAPÍTULO I SEÇÃO I Denominação e Características Art. 1 ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE, neste estatuto denominado GTC, é uma sociedade civil, fundada em 25 de Agosto de 2013, com personalidade distinta

Leia mais

Da denominação, natureza e fins

Da denominação, natureza e fins REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AFONSO DE ALBUQUERQUE Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP

REGIMENTO INTERNO. Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP REGIMENTO INTERNO Sociedade Brasileira de Educação Matemática Regional São Paulo SBEM-SP CAPÍTULO I Da caracterização (Denominação, Sede, Foro e Responsabilidade Objetivos) Art. 1º - A Sociedade Brasileira

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA ARESMUM- ASSOCIAÇÃO RECREATIVA E ESPORTIVA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE MAMBORÊ PARANÁ CAPÍTULO I DA FUNDAÇÃO, DENOMINAÇÃO E FINALIDADES Artigo 1º - A Associação Recreativa

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011)

REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) REGIMENTO INTERNO ELEITORAL (Aprovado na AGE de 10.08.2011) I - Das disposições gerais II - Do processo eleitoral A) Da eleição para a Diretoria e o Conselho Fiscal B) Da eleição para o Conselho de Ética

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL

ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL CAPÍTULO I Do Nome, Sede, Fins e Duração. Art. 1º - O Grêmio Estudantil Bom Conselho abreviadamente, Grêmio, é uma instituição sem fins lucrativos constituída pelos alunos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - O Comitê de Pessoas ( Comitê ) de Lojas Renner S.A. ( Companhia ), órgão estatutário, de caráter consultivo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável

ESTATUTO SOCIAL DA ONG Instituto Pró-Pampa Sustentável CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O, de sigla, PRÓPAMPA, é uma organização civil de interesse público de direito privado, sem fins lucrativos, de âmbito Estadual e de tempo

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE. Capítulo I. Da Denominação

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE. Capítulo I. Da Denominação ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE Capítulo I Da Denominação Artigo 1º A Liga Acadêmica de Medicina da Universidade do Oeste Paulista é uma Associação

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

ESTATUTO DA ANPTECRE

ESTATUTO DA ANPTECRE ESTATUTO DA ANPTECRE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS DA RELIGIÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO Art. 1º A ANPTECRE Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais