MANUAL DO ACADÊMICO FACULDADE INGÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO ACADÊMICO FACULDADE INGÁ"

Transcrição

1 FACULDADE INGÁ Maringá 2013

2 SUMÁRIO 1. Faculdade Ingá A Nossa História Cursos de Graduação Oferecidos Missão da Faculdade Ingá Princípios da Faculdade Ingá Da Organização Acadêmica e Administrativa A Estrutura Acadêmico-Administrativa Atual Dos Direitos Do Acadêmico Deveres Do Acadêmico Do Regime Acadêmico Da Matrícula Da Renovação de Matrícula Do Trancamento de Matrícula Do Abandono de Curso Da Frequência Do Abono de Faltas Da Avaliação de aprendizagem Da Nova Oportunidade de prova Da Prova Substitutiva Do Pedido de Revisão de Prova Do Exame Final Da Recuperação do Exame Final - REF Da Segunda Oportunidade de Banca SOB Da Dependência Da Adaptação Do Estágio Supervisionado Da Transferência: Do Ano Letivo Do Calendário Acadêmico Do Plano de Auto-Avaliação Institucional Da Representação Estudantil Trote Da Bolsa de Estudo Achados e Perdidos Pagamento das Parcelas da Anuidade (Mensalidades) Reserva para utilização de Laboratório Biblioteca Ouvidoria Enade Uso de armário na Clínica de Odontologia Monitoria s úteis

3 1. FACULDADE INGÁ A NOSSA HISTÓRIA A FACULDADE INGÁ é uma Instituição de Ensino Superior, mantida pela UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ LTDA UNINGÁ, com sede na Rodovia PR 317, n 6114 CEP , na cidade de Maringá, no Estado do Paraná. A IES foi credenciada pela Portaria Ministerial n 1908 de 30/12/99, publicada no D.O.U. de 31/12/99 e recredenciada pela Portaria Ministerial n 699 de 28/05/12, publicada no D.O.U. de 29/05/12, e hoje desponta como uma das principais Instituições de Ensino Superior da região, oferecendo cursos de graduação, pós-graduação lato-sensu e stricto-sensu, além de cursos técnicos em nível pós-médio. 2. CURSOS DE GRADUAÇÃO OFERECIDOS Curso Turno Vagas Duração Anuais Modalidade Situação Legal 1. ADMINISTRAÇÃO N anos Bacharelado Autorizado pela Portaria MEC N 152/ AGRONOMIA D 50 Autorizado pela Portaria MEC Nº 5 anos Bacharelado 2265/ ARQUITETURA E D 50 Autorizado pela Portaria MEC Nº 5 anos Bacharelado URBANISMO 2.266/ BIOMEDICINA D 100 Reconhecido pela Portaria MEC Nº 4 anos Bacharelado 249/ CIÊNCIAS Reconhecimento renovado pela N anos Licenciatura BIOLÓGICAS Portaria MEC Nº 286/ CIÊNCIA DA D 50 4 anos Bacharelado Autorizado pela Portaria MEC Nº COMPUTAÇÃO 4 anos Bacharelado 2267/ DESIGN DE D 50 Curso Superior de Autorizado pela Portaria MEC Nº 2 anos INTERIORES Tecnologia 321/ EDUCAÇÃO FÍSICA D 60 Reconhecimento renovado pela 3 anos Licenciatura N 60 Portaria MEC Nº 286/ ENFERMAGEM D 75 Reconhecimento renovado pela 4 anos Bacharelado N 100 Portaria MEC Nº 01/ ENGENHARIA CIVIL D 50 Bacharelado Autorizado pela Portaria MEC Nº 5 anos 150/ ENGENHARIA DE D 50 Bacharelado Autorizado pela Portaria MEC Nº 5 anos PRODUÇÃO 403/ ENGENHARIA D 50 Bacharelado Autorizado pela Portaria MEC Nº 5 anos ELÉTRICA 276/ FARMÁCIA D 50 Reconhecimento renovado pela 4 anos Bacharelado Portaria MEC Nº 01/ GASTRONOMIA D 50 Curso Superior de Autorizado pela Portaria MEC Nº 2 anos Tecnologia 95/ FISIOTERAPIA I 60 4 anos Reconhecimento renovado pela Bacharelado N 60 5 anos Portaria MEC Nº 01/ FONOAUDIOLOGIA D 60 Reconhecimento renovado pela 4 anos Bacharelado N 60 Portaria MEC Nº 46/ MEDICINA I anos Bacharelado Autorizado pela Portaria MEC Nº 365/ MEDICINA D 50 Autorizado pela Portaria MEC Nº 5 anos Bacharelado VETERINÁRIA 276/2011 3

4 D NUTRIÇÃO 4 anos Bacharelado 20. ODONTOLOGIA Bacharelado 21. PSICOLOGIA N 90 5 anos Bacharelado 22. SERVIÇO SOCIAL N anos Bacharelado I anos 5 anos Reconhecimento renovado pela Portaria MEC Nº 01/2012 Reconhecimento renovado pela Portaria MEC Nº807/2008 Reconhecido pela Portaria MEC Nº124/2012 Reconhecido pela Portaria MEC Nº 187/ MISSÃO DA FACULDADE INGÁ Na perspectiva do presente projetamos o futuro comprometidos com a educação e com o desenvolvimento técnico-científico, articulados com a razão e ação do homem social. 4. PRINCÍPIOS DA FACULDADE INGÁ A Faculdade Ingá é regida por diretrizes fundamentadas na ética e nos seguinte princípios: a defesa dos direitos humanos e o exercício pleno da cidadania; a liberdade no ensino, na pesquisa e na divulgação da cultura, da arte e do saber; a igualdade de acesso aos bens culturais e serviços prestados à comunidade; a pluralidade de ideias e concepções pedagógicas; a participação e a descentralização na gestão acadêmica e administrativa; a valorização do profissional da educação; a preservação do meio-ambiente e o desenvolvimento sustentável; a participação integrada e solidária no processo de desenvolvimento socioeconômico, artístico, cultural, científico e tecnológico do Estado, da região e do País. 5. DA ORGANIZAÇÃO ACADÊMICA E ADMINISTRATIVA A Faculdade Ingá, para os efeitos de sua administração, conta com órgãos colegiados deliberativos e normativos, órgãos executivos e órgãos de apoio técnico e administrativo. Órgãos colegiados deliberativos e normativos: Conselho Diretor; Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão; Colegiados de Curso. Núcleo Docente Estruturante NDE. São órgãos executivos: Diretoria Geral; Vice-Diretoria; Diretoria de Ensino; Diretoria Acadêmica; Diretoria Administrativa; 4

5 Diretoria de Legislação e Normas; Diretoria de Pós-graduação; Diretoria de Comunicação e Marketing; Diretoria Jurídica; Diretoria Financeira; Diretoria do Instituto Superior de Educação ; Diretoria de Cursos Técnicos - LICEU; Coordenadorias de Cursos de Graduação; Coordenação de Recursos Humanos; Coordenação de Biblioteca; Departamentos de apoio técnico e administrativo. 6. A ESTRUTURA ACADÊMICO-ADMINISTRATIVA ATUAL CARGO: Diretor Geral NOME: RICARDO BENEDITO DE OLIVEIRA CARGO: Vice-Diretor Geral e Presidente da Mantenedora NOME: ROBERTO CEZAR DE OLIVEIRA CARGO: Diretor de Ensino NOME: NEY STIVAL CARGO: Diretor Acadêmico NOME: GERVÁSIO CARDOSO DOS SANTOS CARGO: Diretora Financeira NOME: MARIA APARECIDA GOBBI DE OLIVEIRA CARGO: Diretora Jurídica NOME: NEIVA APARECIDA DE OLIVEIRA CARGO: Diretor Administrativo NOME: PAULO SÉRGIO BARBOSA CARGO: Diretora de Legislação e Normas Educacionais NOME: GISELE COLOMBARI GOMES CARGO: Diretor de Pós-Graduação NOME: MARIO DOS ANJOS NETO FILHO CARGO: Diretora de Comunicação e Marketing NOME: MAGALI ROCCO CARGO: Coordenador de Recursos Humanos NOME: RONALDO ADRIANO DE ABREU CARGO: Coordenadora de Biblioteca NOME: DEISE APARECIDA DE OLIVEIRA 5

6 7. DOS DIREITOS DO ACADÊMICO De acordo com o Art. 101 do Regimento Geral da FACULDADE INGÁ são direitos dos acadêmicos: receber formação humanística, política metodológica, cultural e ensino qualificado que o capacite a lidar com o específico a partir de uma sólida base nos conceitos fundadores de sua área; ser atendido em suas solicitações de orientação pedagógica e administrativa; constituir-se em entidade de representação, de conformidade com a legislação específica; recorrer de decisões dos órgãos deliberativos ou executivos; fazer-se representar junto aos órgãos colegiados da Faculdade, na forma do Regimento Geral da FACULDADE INGÁ; 8. DEVERES DO ACADÊMICO De acordo com o Art. 102 do Regimento Geral da FACULDADE INGÁ são deveres dos acadêmicos: frequentar às aulas e demais atividades curriculares, aplicando a máxima diligência no seu aproveitamento; efetuar pontualmente o pagamento dos encargos educacionais nos valores contratados pela mantenedora; submeter-se às verificações do rendimento escolar prevista para as disciplinas em que se encontra matriculado e outras formas de avaliação exigidas pelos professores; abster-se de atos que possam importar em perturbações da ordem, ofensa aos bons costumes, desrespeito aos professores, às autoridades da Faculdade e da mantenedora, funcionários e colegas; observar todas as disposições deste Regimento; zelar pelo patrimônio da Faculdade; Cumprir as normas estabelecidas pela Instituição, quanto ao uso obrigatório de roupas e sapatos brancos, e jaleco com o distintivo bordado da Faculdade; Cumprir os horários de entrada e saída das aulas; Certificar-se através dos editais afixados em salas de aulas e mural geral, as informações propostas pela Faculdade; Efetivar renovação de matrícula, requerimentos para nova oportunidade, revisão de prova, substitutiva e outros, dentro dos prazos estabelecidos em edital, expedido pela Diretoria Geral, sob pena de perda de direito; Empenhar-se no conhecimento científico, como forma de bem suceder-se na avaliação do curso (ENADE), de tal forma que venha orgulhar-se da qualidade de ensino, bem como, ser um profissional qualificado; Representar de forma digna o nome da Faculdade nos eventos em que participar; Comunicar formalmente à Diretoria da Instituição, dos fatos que contrariem à filosofia da mesma, tanto no que diz respeito ao docente, discente e ou administrativo. 10. DO REGIME ACADÊMICO 6

7 O regime acadêmico adotado pela FACULDADE INGÁ como forma de organização curricular dos cursos regulares de graduação é o seriado anual. Ou seja, o acadêmico deverá para a manutenção de seu vínculo com a Instituição, renovar sua matrícula, obrigatoriamente, a cada período letivo, respeitando o edital expedido pela Direção Geral, onde está previsto os prazos de renovação de matrícula. O acadêmico, somente poderá renovar sua matrícula para o período letivo subsequente, se estiver com a anuidade anterior, rigorosamente, em dia. O acadêmico poderá matricular-se na série subsequente desde que tenha obtido aprovação em todas as disciplinas da série cursada, ou que tenha reprovado em no máximo 02 (duas) disciplinas da respectiva série cursada. O acadêmico que reprovar em mais de duas disciplinas ficará retido na série e deverá cursar somente as disciplinas reprovadas sob o regime de DEPENDÊNCIA. O acadêmico que ficar retido na série, por reprovação ou trancamento de matrícula, deverá ser enquadrado na Matriz Curricular vigente do curso, devendo realizar adaptações de disciplinas, quando for o caso. O acadêmico regularmente matriculado, deverá cursar todas as disciplinas da série, conforme matriz curricular, sendo vedado o trancamento de disciplinas. 11. DA MATRÍCULA A matrícula nos cursos de graduação, deferida pelo Diretor Geral, constitui-se ato formal de ingresso no curso e de vinculação do acadêmico à FACULDADE INGÁ e realiza-se no período estabelecido em edital expedido pela Diretoria Geral, observado o regime acadêmico de cada curso e a data de ingresso. O ato de matrícula e sua renovação estabelecem entre o acadêmico e a FACULDADE INGÁ um vínculo contratual de natureza bilateral, gerando direitos e deveres entre as partes e a sua aceitação de que deseja continuar seus estudos. No caso de matrícula de portador de diploma de curso superior, em cursos de graduação da Faculdade, é exigida a apresentação do diploma de graduação devidamente registrado e demais documentos, de acordo com as normas estabelecidas pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. O candidato à matrícula inicial deve instruir o requerimento com os documentos constantes do catálogo de cursos. 12. DA RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA O acadêmico deverá renovar a matrícula a cada período letivo, de acordo com os prazos estabelecidos em edital expedido pela Diretoria Geral, devendo apresentar requerimento de renovação de matrícula, junto à Secretaria Geral, anexando o contrato ou termo aditivo de prestação de serviços educacionais, devidamente preenchido e assinado por todas as partes integrantes do referido contrato, bem como demais documentos exigidos previsto no edital de renovação de matrícula. A não renovação da matrícula implica em abandono do curso e a consequente desvinculação do acadêmico do corpo discente da Faculdade, conforme previsto no art. 76, 1 do Regimento Geral da FACULDADE INGÁ. 13. DO TRANCAMENTO DE MATRÍCULA O trancamento de matrícula no curso é concedido para efeito de interrupção temporária dos estudos mantendo o acadêmico vinculado à FACULDADE INGÁ, com direito à renovação de matrícula, desde que esteja em dia com suas obrigações financeiras e documentais perante a Instituição. O trancamento é concedido por tempo expressamente estipulado no ato do pedido, que não pode ser superior a 2 (dois) anos letivos incluindo aquele que foi concedido, nos termos do art. 78, 1 do Regimento Geral da FACULDADE INGÁ. 7

8 Ao final do período de trancamento, o aluno que requerer reingresso no curso, fica obrigado a fazê-lo no período de renovação de matrículas, de acordo com o os prazos estipulados em edital, e ao cumprimento do currículo em oferta, caso não seja possível seu enquadramento no currículo de ingresso, serão realizados os aproveitamentos e adaptações de estudos necessários. Conforme resolução expedida pelo Conselho Diretor, é vedado o trancamento de matrícula no primeiro ano para qualquer curso ofertado pela Faculdade Ingá. 14. DO ABANDONO DE CURSO É considerado abandono de curso quando: O acadêmico não requerer trancamento de matrícula e não renovar a matrícula no prazo estipulado em edital expedido pela direção geral; O acadêmico que ultrapassar consecutivamente ao máximo de faltas previstas em lei em todas as disciplinas; Quando esgotado o período deferido de dois anos de trancamento, e o acadêmico não efetuar matrícula; Configurado o abandono a que se refere o item anterior, o reingresso do acadêmico no curso, dependerá de sua aprovação em novo processo seletivo, podendo ser aproveitadas as disciplinas cursadas anteriormente, mediante a realização de aproveitamento de estudos pelo Coordenador do Curso. 15. DA FREQUÊNCIA A frequência às aulas e demais atividades escolares é obrigatória, e permitida apenas aos acadêmicos matriculados, vedado o abono de faltas, respeitadas as exceções previstas em lei. Independentemente dos demais resultados obtidos é considerado reprovado na disciplina o acadêmico que não atingir frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades programadas para a disciplina. 16. DO ABONO DE FALTAS A FACULDADE INGÁ veda o abono de faltas, porém existem algumas exceções previstas em lei que mediante a apresentação pelo interessado de documentos comprobatórios terão tratamento especial. O acadêmico convocado para integrar o Conselho de Sentença em Tribunal do Júri, manobra militar obrigatória ou a serviço da Justiça Eleitoral, assim como, portadores de doenças infectocontagiosas, comprovadas pelo C.I.D. (Código Internacional de Doença) que deverá estar expressamente discriminado no atestado médico, e as gestantes têm direito a atendimento especial na forma da legislação em vigor. As gestantes amparadas pela Lei nº 6.202/75, terão direito a exercícios domiciliares, ficando dispensadas durante 3 (três) meses de frequência às aulas. O acadêmico deverá efetuar em seu ambiente online requerimento para justificativa de faltas, realizar o pagamento da taxa correspondente e em seguida apresentar os documentos comprobatórios na Secretaria da Faculdade, num prazo máximo de 07 (sete) dias, após o ultimo dia de falta. O requerimento será em seguida será encaminhado a Diretora de Legislação e Normas Educacionais que após parecer será encaminhado ao Coordenador do Curso, para as providências cabíveis em relação as atividades a serem desenvolvidas pelos alunos, se for o caso. Nos casos em que o acadêmico estiver impossibilitado de frequentar as aulas, por ter sofrido acidente, cirurgias e outras circunstâncias que o impeça de assistir às aulas por mais de 10 dias consecutivos, mediante a apresentação de atestado médico identificado com o respectivo C.I.D, respeitando o prazo de 07 (sete) dias para apresentação do mesmo à Instituição, terá direito a realizar atividades domiciliares. 17. DA AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGEM 8

9 A verificação do rendimento escolar é avaliada pelo acompanhamento contínuo do acadêmico e dos resultados por ele obtidos nas provas práticas, teóricas, seminários, avaliações diárias, trabalhos, exercícios, projetos, relatórios, estudos de casos, monografias ou outras modalidades academicamente aceitas, de acordo com as características da disciplina ou estágio, desde que, constantes do plano de ensino da disciplina, aprovado pelo colegiado de cada curso. Para efeito de registro e aferição do rendimento escolar, em cada disciplina é atribuída uma nota de zero a dez, com aproximação até a primeira casa decimal. Já para a nota final, ao término da disciplina, será considerado aprovado o acadêmico que obtiver a pontuação conforme previsto na Resolução do CEPEX n 096/2012, que diz: a. Entre 6,96 (seis vírgula noventa e seis) a 6,99 (seis vírgula noventa e nove), que será aproximado para a nota final 7,0 (sete vírgula zero), somente para o curso de graduação em Medicina b. Entre 5,96 (cinco vírgula noventa e seis) a 5,99 (cinco vírgula noventa e nove), que será aproximado para a nota final 6,0 (seis vírgula zero), para os demais cursos de graduação ministrados pela Faculdade Ingá. A forma de avaliação para verificação do rendimento escolar assim como o número de avaliações para obtenção da nota final em cada disciplina deve constar no plano de ensino da disciplina, elaborada pelo professor ou grupo de professores e aprovado pelo colegiado do curso, seguindo a orientação da Resolução do CEPEX n 126/2011, onde estabelece que a nota bimestral, com valor máximo de 10,0(dez) pontos, será composta pela média ponderada das notas da avaliação teórica, com peso 7,0 (sete), e da avaliação prática com peso 3,00 (três). Caso a disciplina não tenha avaliação prática a nota será totalmente teórica, com o valor de 0 (zero) a 10 (dez). Ao término de cada disciplina, é atribuída ao acadêmico uma média final, resultante da média aritmética simples entre as notas obtidas nas verificações programadas para a disciplina, sendo considerado aprovado o acadêmico que obtiver nota final igual ou superior a 6,0 (seis) ou 7,0 (sete) para o curso de Medicina. Após correção das avaliações e lançamento das notas no sistema, obrigatoriamente os docentes das disciplinas, deverão proceder vistas das mesmas, como forma de verificação dos erros. 18. DA NOVA OPORTUNIDADE DE PROVA O acadêmico que por qualquer motivo deixar de comparecer às avaliações na data fixada, poderá requerer, no prazo de até 3 (três) dias após a realização da avaliação, que lhe seja concedida Segunda Oportunidade de Prova. O requerimento pelo acadêmico deve ser realizado única e exclusivamente por meio de seu ambiente on-line no site da IES mediante o recolhimento da respectiva taxa. As provas de Segunda Oportunidade são aplicadas sempre ao final de cada bimestre em uma única data e horário definidos pela Diretoria Acadêmica e prevista no calendário acadêmico vigente ou em edital específico. NÃO HÁ SEGUNDA OPORTUNIDADE DE PROVA SUBSTITUTIVA, EM HIPÓTESE ALGUMA. 19. DA PROVA SUBSTITUTIVA A Prova Substitutiva é parte integrante do sistema de avaliação do rendimento escolar e tem como finalidade proporcionar ao aluno uma oportunidade de reavaliação periódica e programada, com o fim de melhorar seu rendimento acadêmico. A Prova Substitutiva constitui-se em uma avaliação exclusivamente teórica, de conteúdo cumulativo, aplicada exclusivamente ao final dos 1 e 2 semestres do ano letivo. A Prova Substitutiva poderá ser requerida pelo discente, para quantas disciplinas desejar, mediante recolhimento da taxa correspondente por disciplina, até a quinta-feira que antecede sua semana de aplicação. 9

10 A nota alcançada na Prova Substitutiva substitui integralmente a menor nota bimestral obtida pelo aluno, contudo, sendo o resultado obtido na prova substitutiva inferior a qualquer uma das notas bimestrais anteriores, prevalece o resultado prévio. Por se tratar de uma avaliação exclusivamente teórica, não há prova substitutiva para disciplinas de Estágio Supervisionado, Trabalho de Conclusão de Curso, Atividade Acadêmica Complementar ou disciplinas exclusivamente práticas. As Provas Substitutivas serão aplicadas pelo professor da disciplina, durante a primeira semana das férias escolares do mês de julho, no horário normal de aulas da disciplina. Casos em que o acadêmico perde o direito a prova substitutiva, nos termos da Resolução do CEPEX n 007/2012, que diz: a. Utilizar-se de maios fraudulentos para realização de atividades acadêmicas; b. For pego em flagrante com cola em verificação de aprendizagem; c. Ter sua verificação de aprendizagem (trabalho e/ou prova) anulada pelo responsável, por motivos de improbidade na sua execução. Não haverá prova substitutiva para os acadêmicos do curso de Medicina. 20. DO PEDIDO DE REVISÃO DE PROVA O acadêmico que não concordar com a nota obtida na avaliação, terá um prazo de 48 (quarenta e oito) horas, após a divulgação da nota, para pedir revisão de prova, mediante requerimento on-line, com exposição de motivos, e pagamento da taxa correspondente, que será realizada segundo os seguintes critérios: A prova será revisada por uma banca revisora, composta por 3 (três) professores com conhecimento na área, designados pelo coordenador do curso. O professor titular da disciplina fica impossibilitado de participar da banca revisora; A correção pelos professores revisores será individualizada; A divulgação do resultado deverá ocorrer no prazo máximo de 5(cinco) dias úteis para a graduação e no módulo seguinte para a pós-graduação. A nova nota será a média ponderada das três notas apontadas pelos professores revisores; A nota da prova revisada atribuída pelo professor da disciplina poderá ser reduzida ou aumentada, conforme o parecer da banca revisora. 21. DO EXAME FINAL Se após a somatória das médias bimestrais o acadêmico não obtiver a nota para aprovação direta, o mesmo poderá realizar o exame final, desde que sua média seja igual ou superior a 3,0 (três virgula zero) pontos ou 4,0 (quatro virgula zero) para o curso de Medicina. O acadêmico não terá direito de realizar o Exame Final nas disciplinas que tiver frequência inferior a 75%. Salvo disposição em contrário, e previsão em edital, as datas e horários dos Exames Finais coincidirão com os horários regulares das aulas, observado o calendário acadêmico vigente. Não será possível a realização de Exame Final para as disciplinas de Estágio Supervisionado, de Trabalho de Conclusão de Curso, Atividade Acadêmica Complementar ou disciplinas exclusivamente práticas. Caberá aos professores de cada disciplina disponibilizar no ambiente online do aluno o conteúdo a ser exigido no Exame Final. A média final para aprovação dos alunos que prestarem o Exame Final, será o resultado da média das notas bimestrais, somada à nota alcançada no Exame Final, dividida por 2 (dois). Este resultado deverá ser igual ou superior 7,0 para o curso de Medicina, e de 6,0 (seis) para os demais cursos de graduação, ou seja: 1º BIM + 2º BIM + 3º BIM + 4º BIM = MEDIA FINAL (MF) 4 6,0 ou superior MF + EXAME FINAL = 7,0 ou superior (Medicina) 10

11 2 22. DA RECUPERAÇÃO DO EXAME FINAL - REF Caso o acadêmico não alcance a média necessária para sua aprovação após a realização do Exame Final, terá direito a Recuperação do Exame Final, que acontecerá da seguinte forma: Terá direito o acadêmico que após a realização do Exame Final, não obter a média para aprovação ou que por ventura não tenha realizado o Exame Final; É vedado ao acadêmico a realização de Recuperação de Exame Final, em cuja disciplina não tenha alcançado média superior a 3,0 (três) ou 4,0 (quatro) no caso de Medicina ou frequência superior a 75%; O acadêmico deverá requerer a Recuperação de Exame Final e providenciar o recolhimento da taxa correspondente, por disciplina, no período expresso em Edital; O acadêmico terá direito a realizar a Recuperação do Exame Final para até 03 (três) disciplinas, sendo que para o acadêmico concluinte, terá direito de realizar a recuperação do exame final, para até 02 (duas) disciplinas; O conteúdo a ser exigido no na Recuperação de Exame Final será fornecido pelo professor da disciplina no mês de dezembro ou disponibilizado no ambiente online do aluno. Aa prova da Recuperação Final será realizada no mês de fevereiro, antes do início do próximo período letivo, conforme cronograma de provas elaborado pela Secretaria Acadêmica e disponibilizado no ambiente online do aluno bem como afixado nos murais internos da IES. 23. DA SEGUNDA OPORTUNIDADE DE BANCA SOB Considerando que o acadêmico não tendo obtido êxito na elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso TCC, não o tenha entregue na data prevista, ou não tendo sido recomendado para apresentação, este poderá requerer a Segunda Oportunidade de Banca(SOB), mediante recolhimento da taxa correspondente em prazo definido em edital específico. 24. DA DEPENDÊNCIA Entende-se por regime de dependência a faculdade de poder o aluno frequentar até 2 (duas) disciplinas em que ficou reprovado, simultaneamente com a série imediatamente seguinte, para a qual será regularmente promovido. O acadêmico em regime de dependência deverá cursar essa(s) disciplina(s) em uma das seguintes modalidades: Mediante matrícula em turma regular, quando houver compatibilidade de horário com as disciplinas da série em que se encontra matriculado; Mediante o enquadramento em turma especial(mínimo de 10 alunos) para atendimento aos acadêmicos em dependência, conforme proposição do Colegiado de Curso e com a aquiescência da Diretoria Acadêmica; Mediante o cumprimento de um plano de acompanhamento de estudos elaborado pelo professor da disciplina e aprovado pelo Colegiado de Curso; Não havendo formação de turma especial, e ocorrendo incompatibilidade horária entre as disciplinas em dependência e as disciplinas da série para a qual foi promovido, o acadêmico deverá cursar prioritariamente as de regime de dependência; A reprovação em 3(três) ou mais disciplinas caracteriza reprova na série e consequente impedimento de progressão para a série seguinte; 25. DA ADAPTAÇÃO Considera-se adaptação curricular a disciplina constante de períodos letivos anteriores àquele em que 11

12 o acadêmico está matriculado e que não foi por ele cursada, por motivo de transferência externa; transferência interna de curso; matrícula como portador de curso superior com aproveitamento de estudos ou mudança de matriz curricular. Ao regime de ADAPTAÇÃO aplicar-se-á o seguinte: Havendo compatibilidade de horário, o aluno cursará a disciplina regularmente na turma em que esta estiver sendo ofertada; Havendo incompatibilidade de horário, deverá cursar a disciplina em turno diverso, ou em turma especial, se ofertada; Não havendo possibilidade de cursar em turno diverso ou em turma especial, o aluno não poderá se beneficiar da adaptação e deverá cursar a disciplina regularmente o período letivo seguinte; Os alunos em adaptação estão sujeitos a todas as demais regras estabelecidas anteriormente. As disciplinas para adaptação curricular deverão sempre ser cursadas com obrigatoriedade de frequência, observada a compatibilidade horária com a série na qual o acadêmico está matriculado; em caso de incompatibilidade horária entre as disciplinas em adaptação e disciplinas da série para a qual foi promovido, o acadêmico deverá cursar prioritariamente as de adaptação. Serão admitidas até quatro adaptações por ano, quando pelo menos duas delas possam ser cursadas em turnos diferentes, se possível. Quando o acadêmico deixar de cursar a adaptação por sua livre e espontânea vontade, no ano seguinte estas disciplinas deixam de ser consideradas adaptações e passam a ser DEPENDÊNCIAS. 26. DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO O estágio supervisionado é parte integrante do currículo pleno dos cursos de graduação e deverá ser cumprido pelo acadêmico para integralização da carga horária total exigida. Cada curso dispõe de Regulamento de Estágio Supervisionado próprio, que deverá ser apresentado ao acadêmico pelo coordenador do curso antes do inicio das atividades de estágio. 27. DA TRANSFERÊNCIA: 27.1 Transferência de Interna de Curso É possível ao acadêmico solicitar transferência interna de um curso para outro, desde que seja disponibilizado via Edital contendo o número de vagas existentes, seja curso de área afim, e atendimento aos demais critérios estabelecidos no edital Transferência de turma/turno - interna É possível ao acadêmico solicitar transferência de turma e ou turno, mediante requerimento endereçado à Diretoria Acadêmica para apreciação, em não havendo vaga poderá fazê-lo mediante permuta com outro acadêmico e efetuando recolhimento da taxa para tal fim Transferência Externa Serão concedidas transferências externas, aos acadêmicos que estiverem vinculados à Instituição de Ensino Superior congênere, para prosseguimento dos estudos, no mesmo curso ou em cursos de áreas afins, observando o limite de vagas e demais critérios estabelecidos em edital. Os cursos de origem deverão estar autorizados ou reconhecidos e mantidos por instituições de ensino superior, nacionais ou estrangeiras. O acadêmico interessado em ingressar por meio de transferência externa deverá efetuar requerimento no site da IES e em seguida apresentar à secretaria acadêmica a seguinte documentação: Histórico escolar do curso de graduação de origem; Programa e ementas das disciplinas já cursadas; Declaração de vínculo com a IES de origem (matricula ou trancamento); 12

13 Declaração de autorização ou reconhecimento do curso da IES de origem. MANUAL DO ACADÊMICO O requerimento de solicitação de vaga para transferência externa, juntamente com a documentação exigida, será encaminhada pela Secretaria Acadêmica ao Coordenador do Curso, para análise e parecer. Havendo parecer favorável para a transferência o acadêmico receberá da secretaria acadêmica da Faculdade Ingá, atestado de vaga, para que possa requerer sua transferência junto à Instituição de origem. Uma vez matriculado o acadêmico ingressante por meio de transferência externa obterá do Coordenador de Curso, Plano de Estudos, constando os aproveitamentos de estudos e as eventuais adaptações curriculares necessárias. 28. DO ANO LETIVO O ano letivo, independente do ano civil, abrange no mínimo duzentos dias de trabalho acadêmico efetivo, distribuídos em dois períodos letivos regulares, excluindo o tempo reservado aos exames finais, quando houver. O período letivo prolongar-se-á sempre que necessário para que se completem os dias letivos previstos, assim como para o integral cumprimento do conteúdo e da carga horária estabelecida nos planos de ensino aprovados. 29. DO CALENDÁRIO ACADÊMICO As atividades da FACULDADE INGÁ são previstas em calendário acadêmico, aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, por proposta do Diretor Geral, do qual deve constar, pelo menos, a data de início e encerramento dos períodos letivos. O Diretor Geral é autorizado a efetuar alterações ad referendum no calendário acadêmico, devendo submeter essas alterações ao Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, na reunião imediatamente seguinte. 30. DO PLANO DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL A CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO da Faculdade Ingá é órgão instituído por meio de Resolução do Conselho Diretor, em conformidade com a Lei n /04, cujo objetivo principal é analisar e identificar, por meio de um processo contínuo e flexível de avaliação, as condições de ensino, pesquisa e extensão, suas potencialidades e fragilidades, tendo em vista, proporcionar melhorias da sua qualidade por meio do redirecionamento do planejamento, das ações dos setores acadêmicos e administrativos e da gestão acadêmica além de estabelecer metas para a melhoria contínua do projeto pedagógico institucional, através de um trabalho conjunto, com a finalidade de oferecer subsídios, fazer recomendações, propor critérios e estratégias para a reformulação do processo e políticas da Instituição e elaborar a revisão crítica dos seus instrumentos, metodologias e critérios adotados. A composição é pautada na representação de todos os seguimentos da comunidade acadêmica, e foi designada para planejar, organizar, refletir e cuidar do interesse desta no processo de desenvolvimento institucional. Os métodos adotados partem do individual para o coletivo, o que favorecem a convergência dos dados em torno de objetivos comuns, bem como a busca compartilhada de soluções para os problemas apresentados. Todo o processo se desenvolve anualmente e em quatro etapas distintas: Primeira Etapa: Preparação, planejamento e divulgação: Segunda Etapa: Desenvolvimento: Terceira Etapa: Avaliação: Quarta Etapa: Consolidação do Relatório Global de Auto-avaliação e sua divulgação. 13

14 Todo o processo de auto-avaliação dirigido e coordenado pela CPA é desenvolvido com a participação dos seguintes segmentos: docentes, técnicos-administrativos, dirigentes e representantes da sociedade, bem como de todo o corpo discente da Instituição, sendo a participação deste de fundamental importância para o alcance dos objetivos da Auto-Avaliação. 31. DA REPRESENTAÇÃO ESTUDANTIL O Corpo discente tem como órgão de representação o Diretório Acadêmico, congregando todos os alunos regularmente matriculados no referido curso, regido por regimento próprio, por ele elaborado e aprovado de acordo com a legislação vigente. A representação tem por objetivo promover a cooperação da comunidade acadêmica para aprimoramento da Faculdade, vedada as atividades de natureza político-partidária. O corpo discente tem representação, com direito a voz e voto, na forma de seu Regimento, nos órgãos colegiados da FACULDADE INGÁ. Somente pode ser indicado para a função de representação junto a órgãos colegiados, o aluno regularmente matriculado até o penúltimo período do curso e que não esteja sofrendo ação disciplinar. É vedada a designação de um mesmo representante para mais de um órgão colegiado. O trancamento, desistência ou cancelamento de matrícula, a conclusão do curso ou o não atendimento, em qualquer época, das condições básicas definidas no caput deste artigo importam em cassação automática do mandato do representante discente, devendo ser efetuada nova indicação de acordo com as normas estabelecidas pelo Conselho Diretor. 32. TROTE É proibido o trote aos acadêmicos da FACULDADE INGÁ, nas suas imediações ou em qualquer outro lugar ou circunstância que envolva o nome da Instituição. 33. DA BOLSA DE ESTUDO A Bolsa de Estudo oferecida pela UNINGÁ, mantenedora da FACULDADE INGÁ (Bolsa de Estudos da IES) aos acadêmicos tem caráter de incentivo pedagógico e é ofertada aos acadêmicos que requererem no ato de sua matrícula e ou na renovação da matrícula, observando a porcentagem de cada curso e os seguintes requisitos: Não incorrer em reprova em disciplina cursada por insuficiência de frequência (reprova por falta) Não estar com débito de documentação junto a Secretaria Acadêmica; Não possuir restrições financeiras ou jurídicas junto a Instituição A bolsa poderá ser renovada a cada período letivo, desde que requerida no ato de renovação da matrícula, e preenchidos os requisitos acima elencados PROMUBE A Lei Municipal nº 7.359/2006 que instituiu o Programa Municipal de Bolsas de Estudos PROMUBE, onde a FACULDADE INGÁ está credenciada para oferta de bolsas parciais, e somente poderão se inscrever no Processo Seletivo PROMUBE, os brasileiros não portadores de diploma de curso superior e não portadores de bolsa de estudos integrais por qualquer outro programa interno ou externo, que tenham participado do ENEM referente ao ano antecedente e que atendam os seguintes requisitos: I. Residir no Município de Maringá a pelos menos 2 (dois) anos; II. Ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou em instituição privada na condição de bolsista integral da respectiva instituição; III. Possuir, o grupo familiar, renda per capita bruta mensal não superior ao valor de até 1 (um) salário mínimo e ½ (meio) no caso de bolsa integral ou; IV. Possuir, o grupo familiar, renda per capita bruta mensal não superior ao valor de até 3 (três) salários 14

15 mínimos no caso de bolsa parcial. 1º. É vedada ainda a inscrição de candidatos: I. cuja média das notas obtidas no ENEM seja inferior a 400 (quatrocentos) pontos. II. que tenham obtido nota zero na redação do ENEM. MANUAL DO ACADÊMICO PROUBE O Programa UNINGA de Benefícios ao Estudante, concede bolsas de estudos parciais, e será destinado aos brasileiros, natos ou naturalizados, não portadores de diploma de curso superior e não beneficiários de bolsa de estudos integrais por qualquer outro programa interno ou externo, que tenham participado do ENEM referente ao ano antecedente e que atendam os seguintes requisitos: V. Ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou em instituição privada na condição de bolsista integral da respectiva instituição; VI. Possuir, o grupo familiar, renda per capita bruta mensal não superior ao valor de até 3 (três) salários mínimos, considerando o salário mínimo nacional; VII. Não estar matriculado ou com matrícula trancada em Instituição de Ensino Superior privada na condição de aluno regularmente pagante. 1º. Não terão direito ainda ao beneficio de bolsa de estudos de que trata este edital, os candidatos: I. cuja média das notas obtidas no ENEM referente ao ano antecedente seja inferior a 400,00 (quatrocentos) pontos. II. que tenham obtido nota zero na redação do ENEM referente ao ano antecedente. 34. ACHADOS E PERDIDOS Para comunicar, entregar ou solicitar informações sobre objetos achados e perdidos, o acadêmico deverá dirigir-se ao Setor de Supervisão de Campus, que fica instalado no bloco de salas de aula. 35. PAGAMENTO DAS PARCELAS DA ANUIDADE (MENSALIDADES) A UNINGÁ, mantenedora da FACULDADE INGÁ adota como forma de pagamento das parcelas da anuidade (mensalidades) Boleto Bancário que pode ser pago até a data de seu vencimento em qualquer agência bancária ou casa lotérica, bem como em terminais de autoatendimento. O boleto é emitido em forma de carnê, e disponibilizado ao acadêmico no momento da matrícula ou em momento seguinte pela tesouraria da IES. O acadêmico poderá obter por meio de seu ambiente online, mensalmente, a segunda via do boleto bancário referente aos encargos educacionais. 36. RESERVA PARA UTILIZAÇÃO DE LABORATÓRIO O acadêmico que tiver interesse em utilizar o laboratório para estudo poderá fazê-lo mediante agendamento com 48 horas de antecedência, diretamente com o técnico do laboratório, devendo apresentarse sempre, devidamente paramentado de acordo com as normas de biossegurança. 37. BIBLIOTECA Para atendimento aos usuários a Biblioteca mantém o seguinte horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira: das 7:30 horas às 22:30 horas. Aos sábados: das 8:00 horas às 16:00 horas. A Biblioteca oferece o serviço de empréstimos podendo se inscrever, mediante cadastro, para 15

16 utilização do mesmo: Acadêmicos regularmente matriculados em cursos de graduação; Docentes; Outros, autorizados pela Diretoria Geral da Faculdade, ouvida a Coordenadoria da Biblioteca. Das sanções disciplinares: O usuário que atrasar na devolução do material retirado sob qualquer forma de empréstimo, pagará multa estabelecida por Resolução da Mantenedora. O mesmo não poderá usufruir deste serviço enquanto estiver em débito com a Biblioteca. Fica sujeito às sanções disciplinares previstas pela Faculdade, sofrendo penalidades, o usuário que retirar da biblioteca, material do acervo de forma irregular sem a efetivação do empréstimo ou ainda, cometer falta considerada grave e devidamente apurada. O usuário que perder ou danificar o material bibliográfico pertencente à biblioteca deve efetuar sua reposição. 38. OUVIDORIA Conceitualmente, Ouvidoria é um canal de comunicação e mediação entre a organização, seu público interno e externo e a sociedade em que está inserida. O principal objetivo da ouvidoria é oferecer oportunidade aos usuários do serviço de apresentarem suas críticas, sugestões, reclamações, elogios e dúvidas atuando como agentes de mudança e fortalecendo os seus direitos. A ouvidoria deve ser formalizada através do site da Faculdade (www.uninga.br ), onde é direcionada ao ouvidor institucional, Prof. Gervásio, que na sequência dá os encaminhamentos devidos para resolução ou comunicação de acordo com o contexto de cada comunicação. 39. ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) é um dos procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). O Enade é realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia vinculada ao Ministério da Educação (MEC), segundo diretrizes estabelecidas pela Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior (Conaes), órgão colegiado de coordenação e supervisão do Sinaes. O Enade tem como objetivo o acompanhamento do processo de aprendizagem e do desempenho acadêmico dos estudantes em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares do respectivo curso de graduação; suas habilidades para ajustamento às exigências decorrentes da evolução do conhecimento e suas competências para compreender temas exteriores ao âmbito específico de sua profissão, ligados à realidade brasileira e mundial ea outras áreas do conhecimento. Seus resultados poderão produzir dados por instituição de educação superior, categoria administrativa, organização acadêmica, município, estado, região geográfica e Brasil. Assim, serão construídos referenciais que permitam a definição de ações voltadas à melhoria da qualidade dos cursos de graduação por parte de professores, técnicos, dirigentes e autoridades educacionais. O Enade é componente curricular obrigatório aos cursos de graduação, conforme determina a Lei nº , de 14 de abril de É aplicado periodicamente aos estudantes de todos os cursos de graduação, durante o primeiro (ingressantes) e último (concluintes) ano do curso, admitida a utilização de procedimentos amostrais. Será inscrita no histórico escolar do estudante somente a situação regular em relação a essa obrigação, atestada pela sua efetiva participação ou, quando for o caso, dispensa oficial pelo Ministério da Educação, na forma estabelecida em regulamento. 40. USO DE ARMÁRIO NA CLÍNICA DE ODONTOLOGIA Os estudantes da graduação e da pós-graduação que estiverem tendo aulas na clínica de odontologia, poderão requerer por meio de seu ambiente online a utilização de armário, com as seguintes determinações: O aluno firmará termo de compromisso de uso do armário; 16

17 41. MONITORIA MANUAL DO ACADÊMICO O estudante deverá providenciar cadeado e manter o seu armário sempre fechado; O termo compromisso de uso se encerrará sempre no mês de dezembro, independentemente de quando iniciou; É vedada a utilização do armário para depositar conteúdo de natureza ilícita, ou de risco à coletividade; A Instituição poderá abrir o armário em caso de risco iminente, ou de perturbação à ordem; A Instituição não se responsabiliza por eventuais perdas ou furtos de objetos depositados nos armários. A Monitoria Acadêmica tem o compromisso de desenvolver a autonomia e a formação integral dos alunos, incentivar a interação entre eles e os professores e propiciar apoio aos graduandos matriculados na Faculdade Ingá. Essa atividade busca estimular no aluno monitor o senso de responsabilidade, de cooperação, a satisfação em ampliar conhecimentos e o empenho nas atividades acadêmicas. A prática da monitoria representa uma oportunidade para os estudantes compreenderem a importância da ética, da constante atualização e do empreendimento na própria formação, seja como um futuro profissional do mercado ou como pesquisador. No início de cada período letivo, o docente responsável pela disciplina solicita abertura de Edital com o total de vagas e demais critérios de seleção para monitoria. Ao final da monitoria, o acadêmico tem direito a certificado com o total de horas que contará como atividade complementar S ÚTEIS Diretoria Acadêmica: ; Diretoria de Ensino: Diretoria de Legislação e Normas: Diretoria de Comunicação e Marketing: ; Diretoria de Pós-Graduação: ; Secretaria de Pós-Graduação: Departamento Financeiro e Tesouraria: Departamento Jurídico: Biblioteca: Coordenação de curso: 1. Agronomia: 2. Arquitetura e Ubanismo: 3. Biomedicina: 4. Ciências Biológicas: 5. Ciência da Computação: 6. Design de Interiores: 7. Educação Física: 8. Enfermagem: 9. Engenharia Civil: 10. Engenharia Elétrica: 11. Engenharia de Produção: 12. Farmácia: 13. Fisioterapia: 17

18 14. Fonoaudiologia: 15. Gastronomia: 16. Medicina: 17. Medicina Veterinária: 18. Nutrição: 19. Odontologia: 20. Psicologia: 21. Serviço Social: MANUAL DO ACADÊMICO Os casos omissos a este manual serão solucionados pela Direção Acadêmica em primeira instância, e em segunda, pela Direção Geral. 18

GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA DISPENSA DE DISCIPLINA REQUERIMENTOS

GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA DISPENSA DE DISCIPLINA REQUERIMENTOS GUIA ACADÊMICO MATRÍCULA E REMATRÍCULA A matrícula é o ato formal do aluno com a UNIUV. Importa em direitos e deveres, tanto para o aluno como para a instituição. Sua efetivação ocorre após classificação

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

EDITAL Nº 006, DE 29 DE JANEIRO DE 2014.

EDITAL Nº 006, DE 29 DE JANEIRO DE 2014. EDITAL Nº 006, DE 29 DE JANEIRO DE 2014. Torna público a abertura de inscrição para Processo Seletivo do Programa UNINGÁ de Benefício ao Estudante PROUBE, referente ao período letivo 2014. O Professor

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA EDITAL Nº 03/2015 O Diretor da Faculdade Metropolitana de Anápolis FAMA, no uso de suas atribuições e demais disposições legais, aprova e torna público o processo seletivo para transferência de candidatos

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº. 13/2008, DE 03 DE ABRIL DE 2008 Aprova o Regulamento de Monitoria Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP, face ao disposto no

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011

Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE. Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes - ENADE Coordenadoria de Avaliação Institucional Comissão Própria de Avaliação - CPA ENADE 2011 SOBRE O ENADE O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes -

Leia mais

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS

INFORMAÇÕES ACADÊMICAS INFORMAÇÕES ACADÊMICAS INGRESSO O ingresso na UNILAGOS é feito mediante processo seletivo (Vestibular) ou por outro processo previsto em lei. Também é possível ingressar por meio de transferência, dispositivo

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, em anexo, o Regulamento dos Programas de Pós-Graduação Lato Sensu da FAE Centro Universitário. RESOLUÇÃO CONSEPE 09/2009 APROVA O REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FAE CENTRO UNIVERSITÁRIO. O Presidente do Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE, no uso das

Leia mais

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS

MANUAL BOLSISTA. Núcleo de Atenção Solidária NAS MANUAL DO BOLSISTA Núcleo de Atenção Solidária NAS Sumário 1 - Bolsa de Estudo... 2 2 - Tipos de Bolsas de Estudo... 2 - ProUni... 2 Eventuais Programas de Bolsas de Estudo:... 2 - Vestibular Social....

Leia mais

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 A Diretora Maria Aparecida Pinto, Diretora da Faculdade de São Lourenço, no uso de suas atribuições, torna público que, no período de 02 de setembro

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Aprovado pelo Parecer CONSEPE

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015

MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 MANUAL DO ACADÊMICO - 2015 1. INFORMAÇÕES IMPORTANTES 1.1 - A matrícula deve ser renovada semestralmente. O período para a renovação de matrícula para o 1º semestre será até o dia 31 de janeiro de 2014,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER 1 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO DE RIO CLARO ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS - ASSER ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES (A.A.C.C.) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO: ATIVIDADES

Leia mais

EDITAL N.º 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

EDITAL N.º 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 EDITAL N.º 34, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Torna público os prazos e os procedimentos para realização da RENOVAÇÃO DE MATRÍCULA para o ano letivo 2013, além dos requisitos para permanência da concessão do

Leia mais

EDITAL 002/2013 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014. Bacharelados: Administração; Educação Física; Nutrição e Enfermagem

EDITAL 002/2013 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014. Bacharelados: Administração; Educação Física; Nutrição e Enfermagem EDITAL 002/2013 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 Guilherme Bernardes Filho, Mantenedor das Faculdades Integradas ASMEC, no uso de suas atribuições, torna público que, a partir de 19 de setembro de

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

Curso Atos Legais Turno. Vagas para o 1º período somente serão disponibilizadas em caso de vagas remanescentes do Vestibular.

Curso Atos Legais Turno. Vagas para o 1º período somente serão disponibilizadas em caso de vagas remanescentes do Vestibular. Edital de Convocação para Ingresso nos cursos da Graduação em 2015/1 através de Transferência Interna de Curso e Transferência Externa entre Faculdades A Diretora Geral da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

RESOLUÇÃO FAMES 09/2010

RESOLUÇÃO FAMES 09/2010 Dispõe sobre as formas de ingresso e sobre o Processo Seletivo para admissão de alunos nos cursos de graduação, na Faculdade de Música do Espírito Santo Maurício de Oliveira. RESOLUÇÃO FAMES 09/2010 O

Leia mais

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos

Manual do Candidato da Graduação. Processos Seletivos 1 ESCOLA SUPERIOR NACIONAL DE SEGUROS Manual do Candidato da Graduação Processos Seletivos Rua Senador Dantas, 74 Térreo; 2º e 3º andares Centro Rio de Janeiro RJ Tel. 33801044 33801046 33801535 2 A Escola

Leia mais

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional;

Considerando que a excepcionalidade do regime de oferta gera processos de gestão acadêmica e administrativa distintos da rotina institucional; RESOLUÇÃO CONSEPE 22/2014 APROVA O REGULAMENTO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS, MODALIDADE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF, PARA TURMAS COM INÍCIO EM

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 O reitor em exercício da reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores

APRESENTAÇÃO. Bom trabalho a todos! Mantenedores APRESENTAÇÃO Os tempos modernos conduzem-nos a novos contextos e a sociedade brasileira, de maneira justa, cobra-nos ações que venham ao encontro de um cenário que requer um repensar sobre as possibilidades

Leia mais

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1

EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL VESTIBULAR FLORENCE AGENDADO SEMESTRE LETIVO 2016.1 EDITAL N 15 2016 PROCESSO SELETIVO 2016.1 A Diretora Geral do Instituto Florence de Ensino Superior, no uso de suas atribuições regimentais, torna

Leia mais

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015

EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015 EDITAL DE ABERTURA DE CONCURSO INTERNO PARA MONITORES N 002/2015 O Reitor do CENTRO UNIVERSITÁRIO LUTERANO DE PALMAS CEULP, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto na Resolução de n 374/2010

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

2. Do Processo Seletivo 3. Das vagas

2. Do Processo Seletivo 3. Das vagas EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA DESTRANCAMENTO DE MATRÍCULA, DESTRANCAMENTO DE MATRÍCULA COM REOPÇÃO, ACEITAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE ALUNOS REGULARES PARA CURSOS AFINS, REOPÇÃO DE CURSO, OBTENÇÃO DE NOVO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE N. 0146/2007 Regulamenta procedimentos acadêmicos e administrativos para os Cursos de Graduação da Universidade Estadual de Londrina. RESOLUÇÃO CEPE Nº XXX/2011 Regulamenta procedimentos

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL GOIÂNIA ESCOLA DE VETERINÁRIA E ZOOTECNIA Regulamento Específico do Curso de Especialização em Homeopatia Veterinária CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES SUPERVISIONADOS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º.Os estágios que compõem a estrutura curricular do curso do curso de graduação em Farmácia da Faculdade de Ciências

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 2014

MANUAL DO ALUNO 2014 MANUAL DO ALUNO 2014 APRESENTAÇÃO Caro Acadêmico, Agradecemos por você ter escolhido o IESG para sua formação profissional. No Manual do Aluno você encontrará informações importantes e necessárias para

Leia mais

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996.

Art. 2 Revogadas as disposições em contrário, a presente Resolução passa a vigorar a partir de 12 de abril de 1996. RESOLUÇÃO N 008, DE 17 DE ABRIL DE 1996, DO DIRETOR DA FMTM. Fixa diretrizes e normas para os Cursos da Central de Idiomas Modernos - CIM. O DIRETOR DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL Nº. 235/2013 PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA INTERNA E EXTERNA PARA OS S DE GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará

FACULDADE DARCY RIBEIRO. Manual do Aluno FTDR. Fortaleza Ceará FACULDADE DARCY RIBEIRO Manual do Aluno FTDR Fortaleza Ceará SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 5 2. CURSOS... 5 3. PROCEDIMENTOS... 5 4. CARTEIRAS ESTUDANTIS... 12 5. DIREITOS E DEVERES DO ALUNO... 13 6. REGIME

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL

REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA SECRETARIA GERAL A Secretaria Geral é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais Faculdades Integradas dos Campos Gerais

Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais Faculdades Integradas dos Campos Gerais Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais Faculdades Integradas dos Campos Gerais EDITAL N o 56/2013 CGP Folha 1 de 6 O Coordenador Geral Pedagógico das Faculdades Integradas dos Campos Gerais CESCAGE,

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Direito da Faculdade

Leia mais

EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015

EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 EDITAL DO 1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 A Faculdade Meta - FAMETA, Instituição de Ensino Superior comprometida a observar o padrão

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

UNIGRAN Centro Universitário da Grande Dourados. MANUAL DO ALUNO da Pós-Graduação a Distância

UNIGRAN Centro Universitário da Grande Dourados. MANUAL DO ALUNO da Pós-Graduação a Distância UNIGRAN Centro Universitário da Grande Dourados MANUAL DO ALUNO da Pós-Graduação a Distância INTRODUÇÃO No curso de pós graduação em EAD da UNIGRAN o processo de aprendizagem é construído pelo próprio

Leia mais

EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015

EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 EDITAL DO1º PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS SUPERIORES NA MODALIDADE PRESENCIAL - VESTIBULAR 1º SEMESTRE - 2015 A Faculdade FAPAN Instituição de Ensino Superior comprometida a observar o padrão de qualidade

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA ANIMAL - PPGBA I - Objetivos Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal (PPGBA) destina-se a proporcionar aos candidatos portadores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

I CURSOS E VAGAS OFERTADAS

I CURSOS E VAGAS OFERTADAS Edital N º 08 /2015 EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO ÀS VAGAS DESTINADAS A TRANSFERÊNCIAS EXTERNAS E A PORTADORES DE DIPLOMA DE NÍVEL SUPERIOR PARA INGRESSO NO SEGUNDO SEMESTRE DE 2015 EM CURSOS DE GRADUAÇÃO

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Curso Série Turno Vagas 2ª Manhã 5 (cinco) 2ª Noite 5 (cinco ADMINISTRAÇÃO 3ª Manhã 5 (cinco 4ª Manhã 2 (duas) 5ª Noite 5 (cinco)

Curso Série Turno Vagas 2ª Manhã 5 (cinco) 2ª Noite 5 (cinco ADMINISTRAÇÃO 3ª Manhã 5 (cinco 4ª Manhã 2 (duas) 5ª Noite 5 (cinco) Edital N o. 11/2014 EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO ÀS VAGAS DESTINADAS A TRANSFERÊNCIAS EXTERNAS E A PORTADORES DE DIPLOMA DE NÍVEL SUPERIOR PARA INGRESSO NO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 EM CURSOS DE GRADUAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE

MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE MANUAL DO ACADÊMICO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CAMPO GRANDE 2015 2015 MISSÃO: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

Manual do Candidato. Grupo Educacional LBS-FAPPES. Vestibular FAPPES 2016. WEST PLAZA R. Barão de Tefé, 247 - São Paulo - SP, 05003-100

Manual do Candidato. Grupo Educacional LBS-FAPPES. Vestibular FAPPES 2016. WEST PLAZA R. Barão de Tefé, 247 - São Paulo - SP, 05003-100 Grupo Educacional LBS-FAPPES CREDENCIADO PELO MEC. DECRETO N 485 de 09/02/2006 Manual do Candidato Vestibular FAPPES 2016 1. Disposições Gerais 1.1. O Processo Seletivo consiste na seleção e classificação

Leia mais

O que é Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)?

O que é Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)? O que é Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade)? O Enade é componente curricular obrigatório aos cursos de graduação, conforme determina a Lei nº. 10.861, de 14 de abril de 2004. É aplicado

Leia mais

ALIANÇA TERESINA - MAURICIO DE NASSAU

ALIANÇA TERESINA - MAURICIO DE NASSAU ALIANÇA TERESINA - MAURICIO DE NASSAU EDITAL DO PROCESSO SELETIVO 2015.1 A direção da Faculdade Aliança / Faculdade Maurício de Nassau no uso de suas atribuições e com base nas disposições regimentais,

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento estabelece as normas relativas às disciplinas Trabalho

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM. Coerência do sistema de avaliação SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM Coerência do sistema de avaliação Os instrumentos de avaliação, como provas, trabalhos, resolução de problemas, de casos, além das manifestações espontâneas

Leia mais

3. Do Curso, Local, Tempo de Duração e Número de Vagas. As vagas disponíveis e a duração do curso estão listadas na tabela a seguir:

3. Do Curso, Local, Tempo de Duração e Número de Vagas. As vagas disponíveis e a duração do curso estão listadas na tabela a seguir: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS OURO PRETO Rua Pandiá Calógeras, 898 Bairro Bauxita Ouro

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO

REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO 1 REGULAMENTO DO SETOR FINANCEIRO O Professor Dr. Marcus Vinícius Crepaldi, Diretor Geral da Faculdade de Tecnologia do Ipê FAIPE no uso das atribuições que lhe confere o Regimento Interno e, considerando

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos:

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: REGULAMENTO I DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: I incentivar a aderência ao Programa de indivíduos que atendam aos requisitos exigidos neste

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Institui o Regulamento dos cursos de Pós-graduação lato sensu em da Escola de Direito de Brasília EDB, mantida pelo Instituto Brasiliense de Direito

Leia mais

EDITAL Nº 10/2011. Processo Seletivo AGENDADO Vestibular 2012 - Primeiro Semestre

EDITAL Nº 10/2011. Processo Seletivo AGENDADO Vestibular 2012 - Primeiro Semestre EDITAL Nº 10/2011 Processo Seletivo AGENDADO Vestibular 2012 - Primeiro Semestre tinuadoo Diretor da Faculdade de Tecnologia de Piracicaba, FATEP, mantida pelo Instituto de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

1. DO OBJETO 2. DAS INSCRIÇÕES

1. DO OBJETO 2. DAS INSCRIÇÕES EDITAL N 01 /2012-1 - VESTIBULAR, CONCURSO PRINCIPAL E PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO CONTINUADO DO CENTRO UNIVERSITARIO DE MINEIROS UNIFIMES MANTIDO PELA FUNDAÇÃO INTEGRADA MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2015 Graduação Presencial

PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2015 Graduação Presencial PROCESSO SELETIVO 2º Sem/2015 Graduação Presencial Manual do Candidato PROVA AGENDADA O Universitário Módulo, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover Processo Seletivo

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS:

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS: FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 A FACULDADE DO SUL DA BAHIA, credenciada pela Portaria Ministerial nº 944, de 17/05/2001 publicada no DOU em 21/05/2001 e o INSTITUTO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS DA FDV CURSO DE GRADUAÇÃO DE DIREITO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS DA FDV CURSO DE GRADUAÇÃO DE DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE ESTUDOS DA FDV CURSO DE GRADUAÇÃO DE DIREITO [Em vigor para os ingressos a partir de 2009/02] Aprovado pelo Conselho Acadêmico em 06 de agosto de 2009 APRESENTAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I 1 REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE TÍTULO I DO OBJETIVO E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1.º - Este regimento estabelece as normas

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2014 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM A Universidade Cidade de São Paulo UNICID, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial

PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial PROCESSO SELETIVO 1º Sem/2016 Graduação Presencial Manual do Candidato Ingresso Via ENEM O Universitário Módulo, atendendo a Portaria Normativa MEC n o 40, de 12.12.2007, resolve promover Processo Seletivo

Leia mais

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão

ANEXO II. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado. Capítulo I Da admissão ANEXO II ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica de

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015

REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015 REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS PARA O ANO DE 2015 Bacabal 2015 REGULAMENTO DE BOLSAS E BENEFÍCIOS DO OBJETIVO Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras gerais do Programa de Bolsas e Benefícios

Leia mais

Regulamento de Matrícula

Regulamento de Matrícula Regulamento de Matrícula A Coordenadora do Curso de Direito da Faculdade Processus, juntamente com a Diretora do Curso, no exercício de suas atribuições, com o intuito de normatizar a efetividade e dinâmica

Leia mais

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida

Regulamento Geral. Programas Executivos IBMEC MG. REGULAMENTO GERAL PROGRAMAS EXECUTIVOS IBMEC BELO HORIZONTE Reprodução Proibida Regulamento Geral Programas Executivos IBMEC MG 0 TÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º - Os Programas CBA, MBA e LL.M. são atividades docentes do Ibmec MG, dirigidos à formação e aperfeiçoamento dos participantes,

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regulamento estabelece as finalidades, objetivos, atribuições

Leia mais

Faculdade Marista Regulamento de Monitoria

Faculdade Marista Regulamento de Monitoria Faculdade Marista Regulamento de Monitoria INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente Regulamento regula e disciplina a atividade acadêmica da MONITORIA para estudantes do Cursos de Graduação da Faculdade Marista,

Leia mais