REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA VENDA DO PINHEIRO. Capítulo I Dos sócios ARTIGO 1º DIREITOS DOS SÓCIOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA VENDA DO PINHEIRO. Capítulo I Dos sócios ARTIGO 1º DIREITOS DOS SÓCIOS"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA VENDA DO PINHEIRO Capítulo I Dos sócios ARTIGO 1º DIREITOS DOS SÓCIOS a) Participar nas Assembleias Gerais da Associação; b) Eleger e ser eleito para Órgãos Sociais da Associação; c) Requerer com fins legítimos a convocação das Assembleias Gerais Extraordinárias; d) Expor à Direcção da Associação todos os problemas referentes aos seus filhos e educandos; e) Assistir a todos os actos públicos promovidos pela Associação; f) Propor à Direcção iniciativas que entenda contribuir para os fins da Associação e participar em grupos de trabalho para actuação em casos específicos; g) Receber as publicações emitidas pela Associação; h) Para os efeitos do disposto na alínea c), a convocatória de qualquer Assembleia Geral extraordinária deve ser pedida por escrito ao Presidente da Assembleia Geral, devendo o pedido de convocação ser assinada por, pelo menos 20 associados no pleno gozo dos seus direitos, e conter obrigatoriamente uma proposta de Ordem de Trabalhos. ARTIGO 2º DEVERES DOS SÓCIOS a) Colaborar individualmente ou colectivamente, sempre que possível com os Órgãos Sociais da Associação; b) Aceitar os Cargos para que foram eleitos ou designados, pondo no desempenho dos mesmos todo o seu zelo e diligência; c) Cumprir e fazer cumprir os Estatutos e Regulamento Interno, bem como todas as deliberações da Assembleia Geral validamente expressas, e bem assim quaisquer regulamentos que por esta sejam aprovados: d) Pagar a quota fixada em Assembleia Geral, ficando ao critério dos sócios inscreverem se com quotas superiores, embora com os mesmos direitos; e) Contribuir para o desenvolvimento da Associação e realização dos seus fins; f) Os Associados pais ou encarregados de educação do mesmo aluno, pagarão apenas uma quota e possuirão apenas direito a um voto nas assembleias gerais. Art.º 3º Perdem a qualidade de sócio, aqueles cujos filhos ou educandos deixem de frequentar a Escola, a partir da data da Assembleia Geral Ordinária que aprovar o Relatório e Contas respeitantes ao ano anterior. Art.º 4º Perdem ainda a qualidade de sócios: a) Os que apresentarem à Direcção, por escrito, o seu pedido de demissão; b) Os que deixarem de pagar a quota anual durante o primeiro trimestre; c) Os que, reiteradamente, violarem os Estatutos e Regulamentos, aprovados em Assembleia Geral, ou contribuírem com os seus actos para o descrédito da Associação; d) A exclusão dos sócios nos termos da anterior alínea c) é da competência da Assembleia Geral, sob proposta da Direcção, que para o efeito deverá reunir com carácter de urgência até trinta dias após apresentação daquela; e) A exclusão nos termos da alínea b) é da competência da Direcção.

2 CAPÍTULO II ÓRGÃOS SOCIAIS SECÇÃO I ASSEMBLEIA GERAL ARTIGO 5º As reuniões da Assembleia Geral são Ordinárias e Extraordinárias. ARTIGO 6º A Assembleia Geral reúne Ordinariamente durante o mês de Outubro de cada ano para aprovação do Relatório e Contas do ano anterior e para a eleição dos Órgãos Sociais e fixação da quotização anual referente ao Ano lectivo iniciado. ARTIGO 7º A Assembleia Geral reúne extraordinariamente por iniciativa do seu Presidente, a pedido da Direcção/Conselho Executivo ou ainda a pedido de pelo menos 20 associados no pleno gozo dos seus direitos. ARTIGO 8º A Assembleia Geral considera se validamente constituída estando presentes, pelo menos metade dos seus sócios mais um. Se à hora designada não se verificar a presença daquele número de sócios, reunira trinta minutos depois com qualquer número de sócios. ARTIGO 9º a) As decisões são tomadas por maioria simples dos sócios presentes, tendo o seu Presidente da Mesa da Assembleia Geral voto de qualidade, excepto a votação da alteração dos Estatutos e Dissolução da Associação que requer maioria qualificada de três quartos dos sócios presentes; b)os Associados pais ou encarregados de educação do mesmo aluno têm direito a um voto. ARTIGO 10º a) As votações na Assembleia Geral são nominais e de braço no ar, excepto quanto o contrário for proposto à mesa por um mínimo de um quarto dos presentes, quando estiver em causa a demissão de sócios, e quando as deliberações respeitarem a pessoas da Associação, casos em que a votação será obrigatoriamente secreta; b) Não são admitidos votos por correspondência e procuração. ARTIGO 11º a) As Assembleias Gerais deverão ser convocadas com pelo menos oito dias de antecedência, devendo as convocatórias, conter a respectiva Ordem de Trabalhos, dia, hora, e local bem como a assinatura do Presidente da Mesa da Assembleia Geral, e sendo enviadas aos sócios por correio electrónico, além de afixadas nos locais de estilo, nas redes sociais e no sítio da internet da associação; b) Podem assistir às Assembleias os pais e encarregados de educação de alunos da Escola que não sejam associados, os quais poderão usar da palavra se a Assembleia assim o entender, embora não lhes assista qualquer direito de voto. ARTIGO 12º De todas as Assembleias serão lavradas actas, a escrever em livro próprio e publicadas em formato digital no sítio da internet da associação, as quais depois de aprovadas, deverão ser assinadas por todos os elementos da Mesa presentes e em efectividade de funções. ARTIGO 13º Em todas as Assembleias haverá um livro de presenças que deverá ser assinado antes do início das reuniões por todos os sócios presentes. ARTIGO 14º É da competência da Assembleia Geral: a) Eleger e exonerar os Membros dos Órgãos Sociais, e aceitar o pedido de demissão de cargo; Os Membros dos Órgãos Sociais cessantes mantém se em funções até serem substituídos;

3 b) Alterar os Estatutos e resolver os casos omissos: c) Aprovar e modificar os Regulamentos que venham a tornar se necessários para o pleno funcionamento da Associação; d) Fixar, anualmente a quotização a pagar pelos sócios; e) Deliberar sobre a pena de exclusão de sócios; f) Aprovar o Relatório de Contas apresentado pela Direcção, depois de sujeitas ao parecer do Conselho Fiscal; g) Pronunciar se sobre qualquer assunto de interesse para a realização dos objectivos da APAEVP; h) Apreciar a actividade do Conselho Executivo, Conselho Consultivo e do Conselho Fiscal; i) Autorizar a integração da Associação em Federações e Confederações de organismo congéneres; j) Dissolver a APAEVP; Art.º 15º Compete ao Presidente da Mesa da Assembleia Geral: a) Convocar as Assembleias Gerais Ordinárias e Extraordinárias; b) Presidir às Assembleias Gerais e manter a ordem nas mesmas; c) Dar posse aos membros dos Órgãos Sociais da APAEVP até quinze dias após a realização da Assembleia Geral eleitoral; d) Fazer e emitir convites para a Assembleia Geral. Art.º 16º a)compete ao 1º Secretário: 1 Substitui o Presidente nos seus impedimentos; 2 Coadjuvar o Presidente da Assembleia Geral na orientação das reuniões. b) Compete ao 2º Secretário: 1 Redigir as actas das Assembleias Geral. 2 Ler à Assembleia o expediente que for presente à Mesa, e bem assim as propostas que forem admitidas à discussão. SECÇÃO II DIRECÇÃO A Direcção reúne ordinariamente uma vez por mês, e, extraordinariamente por iniciativa do seu Presidente, ou a pedido da maioria dos seus membros. ARTIGO 18º As reuniões da Direcção serão sempre marcadas pelo Presidente do Conselho Executivo, ou no seu impedimento, pelo Secretário. Art.º 19º Nas reuniões de Direcção poderão participar, todos os membros da APAEVP. Art.º 20º As decisões de Direcção são tomadas por maioria simples dos membros presentes, tendo o Presidente do Conselho Executivo voto de qualidade. ARTIGO 19º A Direcção só poderá deliberar validamente desde que esteja presente a maioria dos seus membros. A responsabilidade da Direcção é solidária. ARTIGO 20º ARTIGO 21º a)prosseguir os objectivos para que foi criada a APAEVP, em conformidade com a lei e com os Estatutos e os Regulamentos aprovados em Assembleia Geral; b) Promover as iniciativas para a realização dos fins estatutários; c) Representar a APAEVP, em juízo e fora dele, e bem assim nos contactos com entidades Oficiais ou Privadas; d) Cumprir e fazer cumprir por parte dos sócios, os Estatutos e os Regulamentos, bem como todas as deliberações da Assembleia Geral validamente expressas; e) Admitir sócios e promover a sua Exclusão nos termos dos Estatutos e dos Regulamentos; f) Propor à Assembleia o quantitativo das quotizações dos sócios, a fixar para o ano seguinte; g) Administrar os bens e gerir as receitas da APAEVP, e realizar as despesas que se mostrem necessárias; h) Elaborar o Relatório de Contas a submeter à Assembleia Geral, precedendo parecer do Conselho Fiscal; i) Nomear comissões de trabalho específicas para a realização de actividades da Associação;

4 j) Manter permanente contacto com os sócios, ouvindo os seus problemas e dos seus filhos ou educandos e transmiti los a quem de direito: l) Manter contacto permanente com a Escola e o seu Agrupamento para a resolução de todos os assuntos pertinentes: m) Submeter à Assembleia Geral, o plano de actividades anuais para discussão e aprovação. ARTIGO 22º 1 Compete ao Presidente do Conselho Executivo: a) Presidir às reuniões da Direcção; b) Representar a Associação em todos os actos e contactos públicos, podendo delegar a representação noutro elemento da Direcção; c) Assinar o expediente e todas as ordens de pagamento, bem como quaisquer documentos de receitas e despesas. 2 Compete ao Vice Presidente do Conselho Executivo: a) Substitui o Presidente nos seus impedimentos; b) Coadjuvar o Presidente na orientação das reuniões. 3 Compete ao Secretário do Conselho Executivo: a) Cuidar do expediente; b) Arquivar todos os documentos da APAEVP; c) Substituir o Presidente no seu impedimento, na marcação da reunião Direcção. 4 Compete ao Tesoureiro do Conselho Executivo: a) Arrecadar as receitas, assinando os respectivos documentos e autorizar as despesas; b) Assinar os recibos das quotas, bem como quaisquer documentos de receitas e despesas. SECÇÃO III CONSELHO FISCAL ARTIGO 23º O Conselho Fiscal reunirá ordinariamente uma vez por trimestre e extraordinariamente por iniciativo do seu Presidente, a pedido da maioria dos membros da Mesa da Assembleia Geral e/ou da Direcção. ARTIGO 24º Compete ao Conselho Fiscal: a) Dar parecer sobre o Relatório de Contas a apresentar em Assembleia Geral: b) Verificar, periodicamente a legalidade das contas, e a conformidade Estatutária das despesas efectuadas sempre que o entenda ser conveniente; c) Dar parecer sobre qualquer assunto mediante pedido da Mesa da Assembleia Geral e/ou da Direcção.

5 CAPÍTULO III Procedimento eleitoral ARTIGO 25º CAPACIDADE ELEITORAL Gozam de capacidade eleitoral os Associados da Associação de Pais do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro inscritos até ao dia da marcação do respectivo ato eleitoral com as quotas em dia. ARTIGO 26º ELEIÇÃO 1. Nos termos do artigo 12º dos Estatutos, os órgãos sociais eleitos por um período de 1 ano. 2. As eleições são realizadas numa Assembleia Geral, expressamente convocada para o efeito pelo Presidente da Mesa da Assembleia. 3. A marcação da data das eleições, local e programa é da responsabilidade do Presidente da Mesa da Assembleia a quem se obriga à sua divulgação através de: a) Convocatória escrita por correio electrónico a todos os pais, encarregados de educação e associados com endereço de correio electrónico registado na base de dados, ou por outro meio escrito no caso de não ter o referido endereço; b) Afixação em local visível na EB1 e JI da Venda do Pinheiro; c) Na página no sítio da internet e nas redes sociais da APAEVP; d) A convocatória e a divulgação terão de acontecer no mínimo com oito dias de antecedência relativamente à data das eleições. 4. Do calendário eleitoral devem constar: a) Data da publicação no sítio da internet, nas redes sociais da APAEVP e envio a todosos associados da Convocatória e Calendário Eleitoral; b) Data da afixação das listas e respectivos programas no sítio da internet, nas redes sociais da APAEVP e envio das listas por correio electrónico a todos os pais, encarregados de educação e associados com endereço de correio electrónico registado na base de dados, ou por outro meio escrito no caso de não ter o referido endereço; c) Data, hora e local da votação. ARTIGO 27º APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS 1. A cada candidatura corresponde um programa, uma lista ordenado e fechada de candidatos. 2. As candidaturas serão consideradas válidas se cumprirem os seguintes requisitos: a) Lista de candidatos, efectivos e suplentes, e o órgão sociais da Associação a que se candidatam, subscrita e assinada por todos os que a compõem; b) Serem entregues ao Presidente da Mesa da Assembleia, em correio electrónico e em papel até à data fixada em calendário que deve ser no minino até 5 dias antes da data de fixada para eleições; c) Indicar obrigatoriamente um representante da lista para integrar a comissão eleitoral; d) Que os sócios tenham as suas quotas em dia, aquando da apresentação da candidatura; e) Nenhum sócio poderá figurar em mais de uma lista. 3. As candidaturas consideradas válidas serão designadas por um letra e por um lema, correspondendo a letra A à primeira apresentada e as seguintes candidaturas sucedem se por ordem alfabética. ARTIGO 28º COMISSÃO ELEITORAL 1. A Comissão Eleitoral é criada no dia imediatamente a seguir à data limite à entrega das candidaturas. 2. É composta pelo Presidente da Mesa da Assembleia e acresce a inclusão de um elemento de cada candidatura, após aceitação e validação das mesmas. 3. Decide por maioria simples, tendo o Presidente da Mesa da Assembleia Geral voto de qualidade; 4. São competências da Comissão Eleitoral: a) Conduzir o processo eleitoral, incluindo a votação e contagem de votos; b) Garantir às listas concorrentes idênticas possibilidades; c) Encarregar se da impressão dos boletins de voto;

6 d) Aprovar um modelo de ata eleitoral, a ser preenchida na mesa eleitoral; e) Assegurar os cadernos eleitorais à mesa de voto até ao dia anterior ao dia da votação; f) Decidir sobre casos omissos relativos ao Procedimento Eleitoral no qual participa; g) Divulgar as listas e programas concorrentes conforme meios descritos no Artigo 26º ponto 3 a), b) e c). ARTIGO 29º VOTAÇÃO 1. A Assembleia Geral eletiva compreenderá uma única seção de voto e mesa eleitoral. 2. Para exercer o direito de voto os associados deverão ter pago a quota anual. 3. Este pagamento poderá ser efectuado no dia da votação, desde que feito pessoalmente na mesa de voto. 4. Não serão aceites votos por procuração ou correspondência. ARTIGO 30º MESA DE VOTO 1. A Mesa de Voto é constituída na Assembleia Geral eletiva e deve ser constituída pela Comissão Eleitoral podendo ainda incluir mais uma pessoa nomeada pelo Presidente da Mesa da Assembleia e mais uma pessoal indicada por cada lista. 2. Os membros da mesa eleitoral são responsáveis pelo escrutínio dos votos. 3. Os votos devem ser desdobrados um a um e os resultados devem ser anotados pelo Secretário da mesa eleitoral em documento destinado ao efeito. 4. Após contagem dos votos, os resultados, incluído número de votos brancos ou nulos, devem ser escritos em ata, com indicação da data e hora da votação, eventuais deliberações da mesa eleitoral, eleitores inscritos e votantes, voto de cada lista em cada órgão da APAEVP e assinada pelos escrutinadores, e entregues pelo Secretário da mesa eleitoral ao Presidente da Mesa da Assembleia. 5. Os boletins de voto serão depois encerrados em pacote lacrado pelo que fica à guarda do Presidente da Mesa da Assembleia que os conserva até à tomada de posse dos membros eleitos. ARTIGO 31º RESULTADOS ELEITORAIS 1. Os resultados eleitorais são anunciados pelo Presidente da Mesa da Assembleia à Assembleia Geral. 2. Os resultados eleitorais e a composição dos órgãos são afixados na sede da APAEVP, publicados no sítio da internet, nas redes sociais da APAEVP e enviado aos associados através do endereço de correio electrónico registado na base de dados, ou por outro meio escrito no caso de não ter o referido endereço até 3 dias após a realização da votação. ARTIGO 32º TOMADA DE POSSE 1. Os órgãos sociais cessantes continuam em exercício até à tomada de posse dos novos órgãos sociais. 2. Os eleitos para os respectivos cargos tomam posse no prazo de 8 dias após a realização das eleições. 3. Após tomada de posse, os novos órgãos sociais podem pedir uma reunião conjunta com os titulares cessantes e os novos empossados para a entrega de todos os documentos, livros, inventários e haveres da APAEVP, assim como de todos os esclarecimentos necessários para o bom funcionamento da Associação de Pais do Agrupamento de Escolas da Venda do Pinheiro. 4. Dessa reunião será lavrada ata que todos os presentes assinarão. CAPÍTULO IV ARTIGO 33º Os casos e situações não previstos no presente Regulamento são decididos em Assembleia Geral. Regulamento aprovado em Assembleia Geral de 17 de Janeiro de 2017.

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I.

REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE. Capítulo I. REGULAMENTO INTERNO 1 ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DAS ESCOLAS DOS CORREIOS DE VILA DO CONDE Capítulo I Dos sócios Art.º 1º - São direitos dos sócios: a) Participar nas Assembleias

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO CONCELHO DE MORTÁGUA REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Objeto e âmbito de aplicação 1- O presente Regulamento tem por objetivo regulamentar as questões internas

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA EB1 O LEÃO DE ARROIOS CAPÍTULO PRIMEIRO DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo lº A Associação de Pais e Encarregados de Educação da

Leia mais

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza)

ESTATUTOS. Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins. Artigo lº. (Natureza) ESTATUTOS Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº (Natureza) A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora de Lourdes, também designada abreviadamente

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCAREGADOS DE EDUCAÇÃO CAPITULO I ARTIGO 1.º (Denominação, natureza, sede e âmbito) 1. A Associação adopta a designação de Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos dos Louros. 2. É uma

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do. Agrupamento de Escolas Maria Keil. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do. Agrupamento de Escolas Maria Keil. Capítulo Primeiro. Da denominação, natureza e fins Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Maria Keil Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo lº A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO JUVENIL CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º - Natureza e Sede A Associação adopta a designação de (nome da Associação), e tem a sua sede provisória no Concelho de (designação

Leia mais

Estatutos APM. Associação Portugal Moçambique CAPITULO I. Da denominação, sede, fins, âmbito de acção. Artigo 1o

Estatutos APM. Associação Portugal Moçambique CAPITULO I. Da denominação, sede, fins, âmbito de acção. Artigo 1o Estatutos APM Associação Portugal Moçambique CAPITULO I Da denominação, sede, fins, âmbito de acção Artigo 1o A Associação Portugal-Moçambique é uma associação sem fins lucrativos, constituída por tempo

Leia mais

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I

Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Estatutos do Clube Bonsai do Algarve CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º-Designação O Clube Bonsai do Algarve, é um clube sem fins lucrativos, de duração ilimitada, e que se rege pelos presentes estatutos.

Leia mais

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166

JORNAL OFICIAL. 2.º Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 23 de setembro de Série. Número 166 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 23 de setembro de 2016 Série 2.º Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ES- COLA DA AJUDA

Leia mais

Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP

Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP Regulamento Interno da Sociedade de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade Portuguesa de Pediatria EuSPP Artigo 1.º (Designação e sede) A Secção de Emergência e Urgência Pediátrica da Sociedade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O

REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O REGULAMENTO INTERNO DA MUSIKARISMA ASSOCIAÇA O O presente regulamento tem como objectivo complementar e regular as situações omissas dos Estatutos. CAPÍTULO I Do regulamento interno ARTIGO 1.º (Vigência)

Leia mais

APEEAENACB. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NUNO ÁLVARES DE CASTELO BRANCO.

APEEAENACB. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NUNO ÁLVARES DE CASTELO BRANCO. APEEAENACB. ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS NUNO ÁLVARES DE CASTELO BRANCO. Estatutos CAPÍTULO I Denominação, natureza, sede e objetivos ARTIGO 1.º Denominação Os

Leia mais

Da Atividade da Associação. Dos Sócios

Da Atividade da Associação. Dos Sócios REGULAMENTO GERAL INTERNO Associação Trilhos da Boa Viagem (ATBV) Artigo 1º Da Atividade da Associação Objetivos e Atividades 1 A ATBV é uma associação de carácter desportivo, recreativo, cultural e educativo,

Leia mais

Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo

Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo Estatutos Associação de Pais e Encarregados de Educação Agrupamento de Escolas Frei Gonçalo de Azevedo Capítulo Primeiro Da denominação, natureza e fins Artigo 1º A associação de pais e encarregados de

Leia mais

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa

Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa Regimento do Conselho Geral do Fórum Académico para a Informação e Representação Externa CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza O Conselho Geral é o órgão deliberativo intermédio do Fórum Académico

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOAQUIM DE ARAÚJO - PENAFIEL ESTATUTOS A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas Joaquim de Araújo

Leia mais

SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA

SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA SOCIEDADE CABOVERDIANA DE ZOOLOGIA SCVZ ESTATUTOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Criação 1.É criada Sociedade Caboverdiana de Zoologia, abreviadamente designada SCVZ. 2.A duração da sociedade

Leia mais

Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO

Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO Estatutos ( da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Concelho de Mortágua, aprovados em Assembleia Geral de???) CAPÍTULO PRIMEIRO Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º A Associação de Pais

Leia mais

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração

Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS. Artigo 1º Denominação, Sede e Duração Associação Alentejo de Excelência ESTATUTOS Artigo 1º Denominação, Sede e Duração 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de Alentejo de Excelência - Associação para a Competitividade,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA AQUILINO RIBEIRO, RANHADOS ESTATUTOS CAPITULO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º (Denominação e Duração) Os presentes estatutos regulam a Associação

Leia mais

Esta Associação de desenvolvimento rege-se pelos presentes estatutos e pela legislação em vigor.

Esta Associação de desenvolvimento rege-se pelos presentes estatutos e pela legislação em vigor. ESTATUTOS CAPÍTULO I Artigo 1.º Sob a designação de "Associação de Desenvolvimento das Encostas da Fonte Santa" é constituída uma Associação para o desenvolvimento local e regional, por tempo indeterminado.

Leia mais

Estatutos da Musikarisma Associaça o

Estatutos da Musikarisma Associaça o Estatutos da Musikarisma Associaça o SECÇÃO I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º A Musikarisma é uma Associação Cultural, Sem Fins Lucrativos, tendo a sua sede na Rua José Estêvão, com o número cento e treze, na

Leia mais

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL Artigo 1º A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem por objectivo promover, cultivar e desenvolver em Portugal a investigação e o ensino da Bioquímica e ciências afins e facilitar

Leia mais

CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO

CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO Estatutos da Associação e Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica 2.3 Conde de Oeiras CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO ARTIGO 1.º - DENOMINAÇÃO A presente Associação toma a denominação de Associação

Leia mais

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos.

a. O Conselho Pedagógico é composto por docentes e discentes, eleitos pelos membros de cada um dos respectivos cursos. Regulamento Interno do Conselho Pedagógico da ESAP (Nº de Membros para o biénio 2013/2015: 14) Aprovado por unanimidade na reunião de 27.02.2014 1. Funcionamento a. O Conselho Pedagógico é composto por

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA REGIMENTO DO CONSELHO DE ESCOLA DA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA Artigo 1º (Definição, objectivos e composição do Conselho de Escola) 1. O Conselho de Escola da FMH é o órgão de decisão estratégica e

Leia mais

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos

Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Olho Vivo - Associação para a Defesa do Património, Ambiente e Direitos Humanos Estatutos Capítulo I (Princípios Gerais) Art.º1 (Denominação, Natureza e Duração) É constituída por tempo indeterminado,

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009

Estatutos da Associação Portuguesa de Avaliação 2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE AVALIAÇÃO ARTIGO 1º Denominação É constituída, por tempo indeterminado, uma associação de direito privado sem fins lucrativos denominada, Associação Portuguesa de

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA E.B MARCO DE CANAVESES CAPITULO PRIMEIRO

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA E.B MARCO DE CANAVESES CAPITULO PRIMEIRO Estatutos ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA E.B. -2.3 MARCO DE CANAVESES CAPITULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, FINS E DIREITOS ARTIGO PRIMEIRO NUMERO UM A Associação

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL. Nossa Senhora do Rosário

REGULAMENTO ELEITORAL. Nossa Senhora do Rosário REGULAMENTO ELEITORAL APROSÁRIO Associação de Pais e Encarregados de Educação do Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo I - Disposições gerais Artigo 1º - Âmbito O presente regulamento contém as

Leia mais

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal.

Capítulo III. Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Capítulo III Dos Corpos Gerentes Secção I Disposições Gerais Artigo 16º. São órgãos da Instituição: a Assembleia Geral, a Direção e o Conselho Fiscal. Artigo 17º. O exercício de qualquer cargo nos corpos

Leia mais

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ACADEMIA DE LETRAS DE TRÁS-OS-MONTES CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Constituição e denominação É constituída uma associação civil sem fins lucrativos denominada Academia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓLOGOS (APG) REGULAMENTO ELEITORAL. CAPÍTULO I Das Eleições. Artigo 1º Especificação

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓLOGOS (APG) REGULAMENTO ELEITORAL. CAPÍTULO I Das Eleições. Artigo 1º Especificação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE GEÓLOGOS (APG) REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I Das Eleições Artigo 1º Especificação 1. A eleição dos órgãos sociais da APG será feita a cada dois anos, em Assembleia Geral Ordinária

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DO LEVANTE DA MAIA ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Denominação, âmbito e sede 1. A Associação de Estudantes da Escola Básica e Secundária

Leia mais

Estatutos APDD. Associação de Pais e Encarregados de. Educação da Escola D. Dinis dos. Pombais 2016/2018

Estatutos APDD. Associação de Pais e Encarregados de. Educação da Escola D. Dinis dos. Pombais 2016/2018 Estatutos da APDD Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola D. Dinis dos Pombais 2016/2018 Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação 1. A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA

ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA ESTATUTOS CLUBE DE CAMPO DA AROEIRA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E SEDE 1. É constituído o Clube de Campo da Aroeira, que se rege pelas disposições

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA A DEFESA DO CONSUMIDOR DECO 9 de outubro de 2014 ESTATUTOS CAPITULO I Nome, sede, âmbito e objeto Artigo 1º. A Associação, denominada Associação Portuguesa para

Leia mais

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR FRANCISCO FERNANDES LOPES ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede 1 - A Associação de Estudantes do Agrupamento

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação A Associação de Pais

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento contém as normas e procedimentos a que obedecerá o processo eleitoral para a Mesa da Assembleia-Geral, para

Leia mais

100 TRILHOS Rua Bento Jesus Caraça, nº 36, Castro Verde //

100 TRILHOS Rua Bento Jesus Caraça, nº 36, Castro Verde // REGULAMENTO INTERNO Castro Verde, 15 de Janeiro de 2011 Indice CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS... 3 Artigo 1º - Denominação e Sede... 3 Artigo 2º - Objectivos... 3 CAPÍTULO II DOS ASSOCIADOS... 4 Artigo 3º

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES

REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES REGULAMENTO DA ASSEMBLEIA DE REPRESENTANTES Aprovado na Assembleia de Representantes de 25 de Março de 2000 CAPÍTULO I Natureza e composição Artigo 1.º Natureza

Leia mais

Federação Portuguesa de Paraquedismo REGULAMENTO ELEITORAL

Federação Portuguesa de Paraquedismo REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1º (Disposições Gerais) 1. O presente regulamento estabelece as normas e orientações a seguir para as eleições dos órgãos sociais da Federação Portuguesa de Paraquedismo (doravante designada por

Leia mais

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas

Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas Página 1 de 5 Portal da Justiça A Justiça ao serviço do cidadão e das empresas Publicação On- Line de Acto Societário e de outras entidades Imprimir Ajuda Fechar Publicação NIF/NIPC 502687789 Entidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA. Estatutos. CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA. Estatutos. CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DA BOBADELA Estatutos CAPÍTULO I Constituição, sede, natureza, objectivo ARTIGO 1º Constituição A Associação de Pais e Encarregados

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral

Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I. Dos princípios gerais. Artigo 1º. Assembleia Eleitoral Regulamento Eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da APM CAPÍTULO I Dos princípios gerais Artigo 1º Assembleia Eleitoral 1 - Em cumprimento do disposto no capítulo sexto dos Estatutos da APM, o presente

Leia mais

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro.

ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I. Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação. Artigo Primeiro. ESTATUTOS DO CÍRCULO TEIXEIRA GOMES ASSOCIAÇÃO PELO ALGARVE TÍTULO I Denominação, Natureza, Sede e Fins da Associação Artigo Primeiro Denominação A Associação terá a denominação de CÍRCULO TEIXEIRA GOMES

Leia mais

OET Ordem dos Engenheiros Técnicos REGULAMENTO ELEITORAL 2011

OET Ordem dos Engenheiros Técnicos REGULAMENTO ELEITORAL 2011 OET Ordem dos Engenheiros Técnicos REGULAMENTO ELEITORAL 2011 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Directivo Nacional da ANET Associação Nacional dos Engenheiros

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO 2008/2010 Apreciado na 33.ª reunião plenária do CDN, em 20 de Março de 2007 e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia 31 de Março de 2007. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

REGULAMENTO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS

REGULAMENTO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS REGULAMENTO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS MECODEC DEZEMBRO 2009 REGULAMENTO DAS ASSEMBLEIAS GERAIS Secção I Assembleias Gerais Eleitorais Artigo 1.º Competências da assembleia geral eleitoral 1 A assembleia geral

Leia mais

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO. Introdução

REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO. Introdução Regulamentos REGULAMENTO PARA A ELEIÇÃO E COOPTAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral em 27 de Novembro de 2009 Introdução Nos termos e para efeito do estipulado no artigo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA SECUNDÁRIA STUART CARVALHAIS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA SECUNDÁRIA STUART CARVALHAIS REGULAMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO Índice Capítulo Primeiro1 - Constituição, Objectivo, Designação e Afins Artigo 1º... 3 Artigo 2º... 3 Capítulo Segundo - Dos Sócios, Seus

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL REGULAMENTO ELEITORAL Artigo 1.º Capacidade Eleitoral 1. São elegíveis para os órgãos sociais da A.A.C.B. apenas pessoas individuais. 2. São eleitores, todos os associados efectivos e extraordinários no

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica Integrada de Miraflores

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica Integrada de Miraflores Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação dos Alunos da Escola Básica Integrada de Miraflores Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1.º Denominação 1.A Associação de Pais e

Leia mais

ESTATUTOS SPPB. CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos.

ESTATUTOS SPPB. CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos. ESTATUTOS SPPB CAPÍTULO PRIMEIRO. Denominação, Sede, Natureza e Objectivos. ARTIGO PRIMEIRO Denominação SOCIEDADE PORTUGUESA DE PSICOTERAPIAS BREVES, adiante designada por Sociedade, associação sem fins

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1 ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PRIMATOLOGIA OBJECTIVOS E SEDE ARTIGO 1 Parágrafo 1. A Associação Portuguesa de Primatologia, adiante designada por A.P.P., tem por objectivo a promoção, desenvolvimento

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. Capítulo I Princípios Gerais ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adota a denominação ASSOCIAÇÃO OBRIGADO PORTUGAL. 2. A

Leia mais

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA

ASSOCIAÇÃO de ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA ESTATUTO Artigo 1º (Definição) A Associação de Atletas Olimpicos de Angola, abreviadamente designada de AAOA é uma Instituição não governamental, de caracter associativo, autonóma e sem fins lucrativos,

Leia mais

A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de

A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de Associação A CIVIDADE ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1º A Associação A Cividade é uma instituição particular, sem fins lucrativos e de duração indeterminada. Artigo 2º

Leia mais

ESTATUTOS Capítulo Primeiro Artigo Primeiro Artigo Segundo Artigo Terceiro Capítulo Segundo Artigo Quarto Artigo Quinto

ESTATUTOS Capítulo Primeiro Artigo Primeiro Artigo Segundo Artigo Terceiro Capítulo Segundo Artigo Quarto Artigo Quinto ESTATUTOS Capítulo Primeiro Artigo Primeiro Denominação, Natureza e Duração A Associação adopta a denominação de PARTILHA, AJUDA SOLIDÁRIA DO OESTE, reveste a forma de uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA ESA/IPB SECÇÃO I Definições Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as normas de organização e funcionamento do Conselho Pedagógico da Escola Superior Agrária

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA FACULDADE DE ECONOMIA E GESTÃO E DA EGE ATLANTIC BUSINESS SCHOOL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA FACULDADE DE ECONOMIA E GESTÃO E DA EGE ATLANTIC BUSINESS SCHOOL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA FACULDADE DE ECONOMIA E GESTÃO E DA EGE ATLANTIC BUSINESS SCHOOL DA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1º Denominação e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS, ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS PÓVOA DE VARZIM ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS, ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS PÓVOA DE VARZIM ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS, ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DOS ALUNOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS PÓVOA DE VARZIM ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, duração, Sede e objecto ARTIGO 1º 1 - A Associação adopta a

Leia mais

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências

Regimento do Conselho de Gestão. Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho de Gestão da Escola de Ciências Abril 2010 ÍNDICE Artigo 1º Objecto... 3 Artigo 2º Competências... 3 Artigo 3º Composição e substituições... 3 Artigo 4º Presidente

Leia mais

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e

c) Organização de festas tradicionais e outras manifestações Artigo 5º O CCD cooperará com todos os organismos públicos e ESTATUTOS DO CENTRO DE CULTURA E DESPORTO DOS TRABALHADORES DA CÂMARA MUNICIPAL DE PONTE DE LIMA CAPÍTULO I (DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO OBJECTIVOS) excursões e viagens. c) Organização de festas tradicionais

Leia mais

EMPRESAS. Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE

EMPRESAS. Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE EMPRESAS Estatutos n.º 1616/2005 de 17 de Outubro de 2005 ASSOCIAÇÃO PAIS ENSINO BÁSICO INTEGRADO RIBEIRA GRANDE Élia da Conceição Borges Correia de Medeiros Duarte, 2.ª ajudante do Cartório Notarial de

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS

REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS REGULAMENTO DA ASSOCIAÇÃO BIODIVERSIDADE PARA TODOS O presente Regulamento desta Associação destina-se a complementar os Estatutos, definindo e concretizando alguns preceitos ali contidos e outros não

Leia mais

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim

Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Estatutos da Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Capítulo I Natureza, Sede e Objecto Artigo 1º 1. È constituída com duração ilimitada a associação

Leia mais

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração

Capítulo I Natureza e fins. Artigo 1.º Denominação e duração Capítulo I Natureza e fins Artigo 1.º Denominação e duração A Associação, sem fins lucrativos, denominada INTERVIVER ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE, DO BEM-ESTAR E DA PAZ é constituída por tempo indeterminado.

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE REGULAMENTO DO CONSELHO CONSULTIVO 10 DE SETEMBRO DE 2014 R u a S. J o ã o d e B r i t o, 6 2 1 L 3 2, 4 1 0 0-4 5 5 P O R T O e-mail: g e r a l @ e r s. p t telef.: 222 092

Leia mais

CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO

CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO CONSELHO PEDAGÓGICO REGIMENTO Artigo 1.º (Função) 1. O Conselho Pedagógico é um órgão estatutário da ESAD. 2. No exercício das suas competências, o Conselho rege-se pelas disposições legais e estatutárias

Leia mais

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS

REGULAMENTO DA CPN 2 ESTATUTOS REGULAMENTO CPN REGULAMENTO DA CPN CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece o regime de funcionamento da Comissão Politica Nacional. Artigo 2º Abreviaturas Para

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CURADORES

REGULAMENTO DO CONSELHO DE CURADORES DOCUMENTO 7 REGULAMENTO DO CONSELHO DE CURADORES Artº 1 Definição e Competências O Conselho de Curadores de Delegação Local, é o órgão social local da CVP com as competências, direitos, deveres e composição

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO

CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO CONSTITUIÇÃO DE UMA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1º (Natureza e Sede) 1 - A Associação X, adiante designada por Associação, é constituída por jovens 18 aos 30 anos

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição, designação e sede) 1. É constituída a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, adiante designada abreviadamente apenas

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL

REGULAMENTO ELEITORAL ENA - AGÊNCIA DE ENERGIA E AMBIENTE DA ARRÁBIDA REGULAMENTO ELEITORAL --------- --------- CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO E FUNCIONAMENTO DA ASSEMBLEIA ELEITORAL Artº 1º Constituição da Assembleia Eleitoral A

Leia mais

Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal

Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal Regulamento Eleitoral da SFPE Portugal Aprovado a aprovado a 11 de julho de 2017 na 2ª Assembleia Geral. CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto nos Estatutos da AESCI

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL. Artigo 1º V.3-01.11.2012 REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS CARGOS SOCIAIS DA FENACAM - FEDERAÇÃO NACIONAL DAS CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, FCRL Através da vontade expressa dos seus membros em Assembleia-geral de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO CONCELHO DE VALENÇA DO MINHO ESTATUTOS ARTIGO I A associação denomina-se por ASSOCIAÇÃO DE PAIS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB

REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB REGULAMENTO DE ELEIÇÃO DAS COMISSÕES DE CURSO DAS ESCOLAS DO IPB SECÇÃO I DEFINIÇÕES Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as normas aplicáveis ao processo de eleição das Comissões de Curso

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º NOME E SEDE

ESTATUTOS. Artigo 1.º NOME E SEDE ESTATUTOS Artigo 1.º NOME E SEDE 1. O "Moto Clube Castêlo da Maia" é uma associação sem fins lucrativos, durará por tempo indeterminado, e tem a sua sede em Rua São Salvador S/N, localidade de Gondim,

Leia mais

Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS

Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné Bissau ESTATUTOS Maio de 2004 CAPÍTULO I Artigo 1º NATUREZA E SEDE 1. A Rede Nacional das Rádios Comunitárias da Guiné-Bissau-RENARC procura contribuir para

Leia mais

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga

Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Regulamento Eleitoral da Associação de Atletismo de Braga Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Associação de Atletismo de Braga (adiante

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição...

Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO. Artigo 1º Objeto Artigo 2º Definição Artigo 3º Composição... Agrupamento de Escolas Júdice Fialho Portimão Conselho Geral REGIMENTO Índice Artigo 1º Objeto... 2 Artigo 2º Definição... 2 Artigo 3º Composição... 2 Artigo 4º Eleição... 2 Artigo 5º Competências... 3

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE

REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE REGULAMENTO ELEITORAL DA PIN-ANDEE PRÓ-INCLUSÃO - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento tem por objeto as normas que regem o processo eleitoral

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA

REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PETANCA Artigo 1º Objecto 1º. O presente regulamento estabelece os princípios reguladores do processo eleitoral da Federação Portuguesa de Petanca (adiante

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA

ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA ESTATUTOS DO INSTITUTO DE APOIO À CRIANÇA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS Artigo 1º (Denominação) Por iniciativa de um grupo de cidadãos, interessados em contribuir para a resolução dos problemas

Leia mais

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral

Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Academia Olímpica de Portugal Regulamento Geral Artigo 1.º Natureza Jurídica, Denominação e Sede 1. A Academia Olímpica de Portugal, adiante designada por AOP, é uma entidade integrada no, adiante designado

Leia mais

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática

Regulamento Eleitoral para a. Eleição dos Órgãos Sociais da. Associação de Professores de Matemática Regulamento Eleitoral para a Eleição dos Órgãos Sociais da CAPÍTULO I Dos Princípios Gerais Artigo 1.º Assembleia Eleitoral 1 Em cumprimento do disposto no capítulo sétimo dos Estatutos da Associação de

Leia mais

Escola de Ciências. Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências

Escola de Ciências. Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências Escola de Ciências Regimento do Conselho Pedagógico da Escola de Ciências Abril 2010 Índice Artigo 1º: Objecto 3 Artigo 2º: Competências 3 Artigo 3º: Composição do Conselho Pedagógico 3 Artigo 4º: Eleições

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL I Conselho Regional 5 de Julho de 2014 Santo da Serra

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL I Conselho Regional 5 de Julho de 2014 Santo da Serra REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL I Conselho Regional 5 de Julho de 2014 Santo da Serra Artigo 1.º (Natureza) O Conselho Regional é o órgão responsável pelo desenvolvimento e execução da linha política

Leia mais

(Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010)

(Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010) REGULAMENTO ELEITORAL 11 (Aprovado na Assembleia Geral da CIP Confederação Empresarial de Portugal realizada em 26 de Outubro de 2010) ARTIGO 1º (ÂMBITO) 1. O presente regulamento estabelece as normas

Leia mais

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO

ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO ABERTURA DO PROCESSO ELEITORAL DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO REGULAMENTO DE ELEIÇÃO E DESIGNAÇÃO DOS MEMBROS DO CONSELHO GERAL TRANSITÓRIO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº2 DE BEJA Artigo 1.º Objeto 1 - O

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO. (Alteração aos estatutos)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO. (Alteração aos estatutos) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO (Alteração aos estatutos) A Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2014

REGULAMENTO ELEITORAL 2014 REGULAMENTO ELEITORAL 2014 Artigo 1.º Organização 1. A organização das eleições é da competência do Conselho Diretivo Nacional da OET Ordem dos Engenheiros Técnicos, doravante designado por Conselho Diretivo

Leia mais

ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO CRIANÇA E VIDA

ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO CRIANÇA E VIDA ESTATUTOS da ASSOCIAÇÃO CRIANÇA E VIDA Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação e sede Pelos presentes estatutos é criado e reger-se-á uma instituição particular de solidariedade

Leia mais

Artigo 1.º. Artigo 2.º

Artigo 1.º. Artigo 2.º REGULAMENTO DO PROCESSO ELEITORAL DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL, DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E DO CONSELHO FISCAL DA PARCERIA PORTUGUESA PARA A ÁGUA (PPA) Artigo 1.º 1. A eleição da Mesa da Assembleia Geral,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais