Comunicação entre processos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicação entre processos"

Transcrição

1 Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Sistemas de Informação Comunicação entre processos Macilon Araújo Costa Neto Capítulo 2 do livro do Tanenbaum (2003)

2 Na aula anterior Conceitos Região crítica Condição de disputa Exclusão mútua Exclusão mútua com espera ociosa Inibição de interrupções Variáveis de travamento Estrita alternância Solução de Peterson Instrução TSL CCET182 Sistemas Operacionais 2

3 Agenda Exclusão mútua sem espera ociosa Acordar e dormir Semáforos Mutexes Monitores Troca de mensagens Barreiras CCET182 Sistemas Operacionais 3

4 Problemas com espera ociosa A maioria das soluções anteriores tem o defeito de usar espera ociosa Quando um processo deseja entrar em sua região crítica ele verifica se é possível Não havendo possibilidade naquele momento, ele executa um laço ocioso para esperar Além do gasto de tempo pelo processador pode ter efeitos colaterais indesejáveis Problema da inversão de prioridade CCET182 Sistemas Operacionais 4

5 Inversão de prioridade Dois processos H (alta prioridade) e L (baixa prioridade) H deve rodar sempre que estiver Pronto Em certo momento L está em sua região crítica H torna-se pronto (estava aguardando uma E/S) Então H inicia uma espera ocupada Como H tem prioridade sobre L L nunca conseguirá deixar sua região crítica H nunca deixará de esperar CCET182 Sistemas Operacionais 5

6 Dormir e acordar Bloquear o processo em vez de gastar tempo Forma mais simples é usar duas primitivas sleep é uma chamada de sistema que bloqueia o processo que a chamou wakeup tem um parâmetro, o processo que deverá ser acordado Ambas podem ter um outro parâmetro Endereço de memória para casar a sleep com a wakeup correspondente CCET182 Sistemas Operacionais 6

7 Problema do Produtor-Consumidor Também conhecido como problema do buffer limitado (bounded buffer) Dois processos compartilham um buffer de tamanho fixo O produtor coloca informações no buffer O consumidor retira informações do buffer Situação problemática o produtor quer colocar informações, mas o buffer está cheio o consumidor que retirar informações, mas o buffer está vazio Solução produtor deve dormir até que o consumidor retire algo do buffer consumidor deve dormir até que o produtor coloque algo no buffer CCET182 Sistemas Operacionais 7

8 Primitivas sleep/wakeup CCET182 Sistemas Operacionais 8

9 Primitivas sleep/wakeup, cont... Condição de disputa por ocorrer devido ao acesso à variável count Consumidor ler count (cujo valor é zero) Ocorre uma interrupção e o produtor começa a rodar Produtor coloca um item no buffer e incrementa count Verifica que count tinha zero então chama wakeup Porém o consumidor não está dormindo e o sinal emitido pela primitiva wakeup é perdido Consumidor volta a rodar baseado em count=0 vai dormir Mais cedo ou mais tarde o produtor vai encher o buffer Ambos vão dormir felizes para sempre CCET182 Sistemas Operacionais 9

10 Semáforos Em 1956 Dijkstra sugeriu o uso de uma nova variável inteira para controlar o numero de sinais armazenado para uso futuro Um semáforo pode ter valor 0 indicando que não há nenhum sinal armazenado ou um valor positivo indicando o número de sinais armazenados Uso de duas operações down e up CCET182 Sistemas Operacionais 10

11 Semáforos, cont... down verifica se o valor do semáforo é maior que zero Se for ele é decrementado e o processo continua sua progressão Se for igual a zero, o processo é posto para dormir up incrementa o valor do semáforo Se um ou mais processos estiverem dormindo neste semáforo, um deles será selecionado para que complete a operação down e o semáforo continuará com zero As ações de ler o semáforo, alterá-lo e acordar ou colocar para dormir um processo devem ser indivisíveis ou atômicas Essa é uma garantia para evitar condição de corridas Implementadas como chamadas ao sistema Esses mecanismos foram introduzidos na linguagem Algo 68 CCET182 Sistemas Operacionais 11

12 Semáforos, cont... CCET182 Sistemas Operacionais 12

13 Mutexes Quando não há a necessidade contar Versão simplificada de semáforos Gerenciar exclusão mútua de algum recurso ou parte de código compartilhada Um mutex (mutual exclusion) Variável com dois estados desimpedido e impedido Fornecem dois procedimentos mutex_lock e mutex_unlock CCET182 Sistemas Operacionais 13

14 Mutexes, cont... Implementação de mutex_lock e mutex_unlock são similares a enter_region e leave_region CCET182 Sistemas Operacionais 14

15 Situação de deadlock Problema com semáforos Os dois downs do código do produtor em ordem trocadas Sendo mutex decrementado antes do empty Se buffer estive cheio o produtor será bloqueado com mutex igual a zero Próxima vez que o consumidor tentar acesso ao buffer Irá executar um down sobre o mutex que é zero sendo também bloqueado Ambos os processos ficaram bloqueados indefinidamente Esta situação é denominada como deadlock CCET182 Sistemas Operacionais 15

16 Monitores Proposta de Hoare e Hansen para facilitar escrita de programas paralelos Conjunto de procedimentos, variáveis e estruturas de dados, tudo agrupado num módulo especial Processos podem chamar os procedimentos do monitor Não podem acessar diretamente as estruturas de dados e variáveis Apenas um processo pode está ativo dentro de um monitor CCET182 Sistemas Operacionais 16

17 Monitores, cont... Não bloqueia processos sem condições lógicas para continuarem Introdução de variáveis de condição com duas operações sobre elas wait: bloqueia o processo na fila associada à variável signal: acorda um processo que esteja bloqueado sob uma variável Para evitar que dois processos permaneçam no monitor ao mesmo tempo Exigi-se que um processo que emitir um signal saia imediatamente do monitor O signal deve ser o último comando num procedimento dentro do monitor CCET182 Sistemas Operacionais 17

18 Monitores, cont... CCET182 Sistemas Operacionais 18

19 Troca de mensagens Utiliza duas primitivas send e receive Algumas questões de projeto Operando em máquinas diferentes, mensagens podem se perder Tão logo receba uma mensagem deve-se enviar outra confirmando Se o transmissor não receber a confirmação num intervalo de tempo deverá retransmitir a mensagem Necessidade de números sequenciais nas mensagem para identificação Correta identificação da máquina na rede e do processo na máquina Questão de autenticação para evitar que se troque mensagens com impostores Quando operando na mesma máquina, esse processo demora mais que semáforos e monitores CCET182 Sistemas Operacionais 19

20 Troca de mensagens, cont... CCET182 Sistemas Operacionais 20

21 Barreiras Destinadas a grupos de processos Aplicações divididas em fases Nenhum processo pode avançar individualmente Ao chegar na barreira um processo é bloqueado Coloca-se uma barreira no final de cada fase Processos fazem chamadas à primitiva barrier CCET182 Sistemas Operacionais 21

22 Barreiras, cont... (a)processos se aproximando de uma barreira (b)todos os processos, exceto um, bloqueados pela barreira (c)último processo chega, todos passam CCET182 Sistemas Operacionais 22

23 Continua... Escalonamento de processos Escalonamento em sistemas em lote Escalonamento em sistemas interativos Escalonamento em sistemas de tempo real Política versus mecanismo CCET182 Sistemas Operacionais 23

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Processos Exclusão Mútua Mecanismos para se Obter Exclusão MútuaM Mecanismos de Hardware: Inibição de Interrupções Instrução TSL (Test and Set Lock) Mecanismos de Software: Com Espera

Leia mais

Sistemas Operacionais. Comunicação entre processos

Sistemas Operacionais. Comunicação entre processos Sistemas Operacionais Comunicação entre processos Comunicação entre Processos Os SO s hoje são multi-tarefa Alguns processos precisam cooperar para cumprir seus objetivos Sugestões de implementação? Exemplos

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads

Capítulo 2 Processos e Threads Capítulo 2 Processos e Threads 2.1 Processos 2.2 Threads 2.3 Comunicação interprocesso 2.4 Problemas clássicos de IPC 2.5 Escalonamento 1 Processos O Modelo de Processo Multiprogramação de quatro programas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Condição de corrida e Região crítica

Sistemas Operacionais. Condição de corrida e Região crítica Sistemas Operacionais Condição de corrida e Região crítica Região Crítica Parte do código que acessa a área compartilhada Condição em que dois processos lêem e escrevem um dado compartilhado e o resultado

Leia mais

Sincronização e Comunicação

Sincronização e Comunicação Sincronização e Comunicação Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Maio, 2017 1 / 28 Sumário 1 Concorrência 2 Sistemas Multiprogramáveis Troca de mensagens

Leia mais

Aula 6: Comunicação entre processos. Instituto Federal da Bahia INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela

Aula 6: Comunicação entre processos. Instituto Federal da Bahia INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela Aula 6: Comunicação entre processos Instituto Federal da Bahia INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela (-- motivação --) Processos em execução no sistema operacional podem ser: Independentes:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais I Índice 2 Processos... 1 2.2.5 Semáforos... 1 2.2.6 Monitores... 2 2.2.7 Passagem de Mensagens... 5 2 Processos 2.2.5 Semáforos Para resolver este problema, Dijkstra propôs em 1965

Leia mais

Sincronização e Comunicação de/entre Processos. Na Aula Anterior... Nesta Aula. Comunicação entre Processos. Pipes 07/09/2016

Sincronização e Comunicação de/entre Processos. Na Aula Anterior... Nesta Aula. Comunicação entre Processos. Pipes 07/09/2016 GSI018 Sistemas Operacionais 07/09/2016 Sincronização e Comunicação de/entre Processos Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Prof. Dr. rer. nat. Daniel D. Abdala Na Aula Anterior...

Leia mais

Estrutura deste arquivo.. Comunicação Interprocesso Parte 1 de 2 - Cap. 2. Introdução 1 CONDIÇÕES DE CORRIDA

Estrutura deste arquivo.. Comunicação Interprocesso Parte 1 de 2 - Cap. 2. Introdução 1 CONDIÇÕES DE CORRIDA Estrutura deste arquivo.. Comunicação Interprocesso Parte 1 de 2 - Cap. 2 Prof. Alexandre Beletti Ferreira 1. Condições de Corrida 2. Seções Críticas 3. Exclusão Mútua com Espera Ativa 1. Desativando Interrupções

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 6: Monitores, Troca de Mensagens e Deadlock Diego Passos Última Aulas Mecanismos de Exclusão Mútua Operações atômicas. Protocolos de controle de acesso. Spin-locks.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Processos Semáforos Semáforos Mecanismo de sincronização que não requer espera ocupada Dijkstra propôs usar uma variável inteira para contar o n o de WAKEUPs para uso futuro Menos

Leia mais

1 Porque o estado de um processo deve ser salvo quando ele deixa a CPU?

1 Porque o estado de um processo deve ser salvo quando ele deixa a CPU? 1 Porque o estado de um processo deve ser salvo quando ele deixa a CPU? 2 O que é ambiente de execução? 3 Qual a finalidade da PCB? 4 Quais os componentes básicos da PCB? 5 Quais os 3 grupos de elemento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 02 Processos e Threads Edirlei Soares de Lima Programas e Processos Programa: Entidade estática e permanente; Composto por sequencias de instruções; Processo:

Leia mais

Sistemas Distribuídos Aula 7

Sistemas Distribuídos Aula 7 Sistemas Distribuídos Aula 7 Aula passada Atomicidade Test-and-set Locks revisitado Semáforos Dois problemas Aula de hoje Limitação dos semáforos Monitores Variáveis de condição Semântica do signal Sincronização

Leia mais

7 SINCRONIZAÇÃO DE PROCESSOS

7 SINCRONIZAÇÃO DE PROCESSOS 7 SINCRONIZAÇÃO DE PROCESSOS Quando se trabalha com processos cooperativos, eles podem afetar uns aos outros. Eles compartilham recursos, principalmente posições de memória e arquivos. O acesso a dados

Leia mais

Sincronização e comunicação entre processos

Sincronização e comunicação entre processos Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sincronização e comunicação entre processos Em um sistema multiprogramável com

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Fundamentos Paradigma do produtor-consumidor Sincronização de Processos Produtor while (count == BUFFER_SIZE) ; //no-op //adiciona

Leia mais

Problema do Produtor -Consumidor. Solução por semáforos

Problema do Produtor -Consumidor. Solução por semáforos Problema do Produtor -Consumidor Solução por semáforos Autoria Autores alunos da disciplina SO II Local Instituto de Informática UFRGS Versão v7 agosto de 2008 por C. Geyer Visão geral do assunto...2 Conceito...3

Leia mais

Modelos de Programação de Tempo Real

Modelos de Programação de Tempo Real Modelos de Programação de Tempo Real Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Março, 2016 1 / 27 Sumário 1 Características de Tempo Real 2 Multiprogramação

Leia mais

Revisão Ultima aula [1/2]

Revisão Ultima aula [1/2] SOP - TADS Comunicação Interprocessos - 2 IPC Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima aula

Leia mais

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto Sincronização e Comunicação entre Processos Adão de Melo Neto 1 MOTIVAÇÃO 2 INTRODUÇÃO Em um sistema multiprogramado (concorrente) os processos alternam sua execução (ou seja, são executados alternadamente

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DO SISTEMA OPERACIONAL

SISTEMA DE ARQUIVOS DO SISTEMA OPERACIONAL . SISTEMA DE ARQUIVOS DO SISTEMA OPERACIONAL 1. A organização de um arquivo define como os dados estão internamente organizados. Explique a organização de arquivos indexada. NA ORGANIZAÇÃO INDEXADO O ARQUIVO

Leia mais

Sincronização e Comunicação entre Processos

Sincronização e Comunicação entre Processos Sincronização e Comunicação entre Processos Monitores/Semáforos Semáforos Mecanismos de sincronização nãoestruturados; Exige do desenvolvedor bastante cuidado, pois qualquer engano pode levar a problemas.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Introdução 2 a edição Revisão: Fev/2003 Sistemas Operacionais Programação concorrente Capítulo 3 Programa executado por apenas um processo é dito de programa seqüêncial Existe apenas um fluxo de controle

Leia mais

Programação Orientada a Objetos. Concorrência

Programação Orientada a Objetos. Concorrência Programação Orientada a Objetos Concorrência Cristiano Lehrer, M.Sc. Níveis de concorrência: Introdução Nível de instrução de máquina: Executando duas ou mais instruções de máquina simultaneamente. Nível

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 12: Revisão para a P1 Diego Passos Capítulo 1 Sistemas Operacionais São programas. Duas funções: Gerenciar os recursos do hardware. Dividir entre os vários processos.

Leia mais

Solução para o Problema do Produtor-Consumidor

Solução para o Problema do Produtor-Consumidor Solução para o Problema do Produtor-Consumidor Ricardo Mendes do Nascimento Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Santo Ângelo RS Brasil ricna.net@hotmail.com Resumo. Este

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Dra. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille e da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

Programação concorrente (processos e threads)

Programação concorrente (processos e threads) Programação concorrente (processos e threads) Programação concorrente Por que precisamos dela? Para utilizar o processador completamente Paralelismo entre CPU e dispositivos de I/O Para modelar o paralelismo

Leia mais

ENADE 2011 SISTEMAS OPERACIONAIS

ENADE 2011 SISTEMAS OPERACIONAIS ENADE 2011 SISTEMAS OPERACIONAIS SOs: conteúdos comuns Gerência de processos/processador Comunicação Concorrência e Sinc. de Processos Gerenciamento de Memória Alocação de Recursos e Deadlocks Sistemas

Leia mais

Introdução e Conceitos Básicos

Introdução e Conceitos Básicos Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Sistemas de Informação Introdução e Conceitos Básicos Macilon Araújo Costa Neto macilon@ufac.br Capítulo 1 do livro

Leia mais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Capítulo 2 Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Multiprogramação Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização de um SO Moderno

Leia mais

SUMÁRIO. 1.3 CONCEITOS DE SISTEMA OPERACIONAL Processos Arquivos O shell 42

SUMÁRIO. 1.3 CONCEITOS DE SISTEMA OPERACIONAL Processos Arquivos O shell 42 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 21 1.1 O QUE É O SISTEMA OPERACIONAL? 23 1.1.1 O sistema operacional como uma máquina estendida 23 1.1.2 O sistema operacional como gerenciador de recursos 24 1.2 HISTÓRIA DOS SISTEMAS

Leia mais

Sistemas Operacionais. Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores

Sistemas Operacionais. Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Sistemas Operacionais Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Autoria Autores Eduardo André Mallmann 0905/96-9 João Paulo Reginatto 1530/96-0 Local Instituto de Informática UFRGS disciplina:

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Comunicação e Sincronismo entre processos Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO 1 Comunicação entre Processos Processos

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 08: Sincronização de Processos Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Objetivos Introduzir o problema da seção crítica, cujas soluções podem ser usadas

Leia mais

Prof. Silvana Rossetto 9 de julho de DCC/IM/UFRJ

Prof. Silvana Rossetto 9 de julho de DCC/IM/UFRJ Computação Concorrente (MAB117) Gabarito Segunda Prova Prof. Silvana Rossetto 9 de julho de 2015 1 DCC/IM/UFRJ Questão 1 (2,5 pts) O código Java abaixo implementa uma solução para o problema do barbeiro

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Processos - Parte 1 Prof. Dr. Fábio Rodrigues de la Rocha (Processos - Parte 1) 1 / 46 Um aspecto importante no estudo sobre sistemas operacionais é o gerenciamento de processos.

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Deadlock Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano da Aula 2 Introdução Modelo de um Sistema Computacional Característica de um Deadlock Modelagem de um Deadlock (Grafos de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais AULA 09 Sincronização de Processos - II Monitores Conforme comentamos, o uso equivocado dos semáforos pode levar a uma situação de deadlock, por isso devemos tomar cuidado ao programar utilizando este

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Transações atômicas Conteúdo O modelo transacional Armazenamento estável Primitivas transacionais Propriedades das transações Transações aninhadas Implementação Área de trabalho privada

Leia mais

Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II

Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II Definição de Processo Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais II Processo é o mesmo de Programa? Programa Estrutura estática Instruções + Dados Processo Entidade Ativa Instância de um Programa

Leia mais

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo Conceito de processo Os computadores executam várias operações ao mesmo tempo. - Compilar um programa; - Enviar um arquivo para a impressora; - Exibir uma página web; - Reproduzir músicas; - Receber mensagens

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 8 Suporte do sistema operacional slide 1 Objetivos e funções Conveniência: Tornar o computador mais fácil de usar. Eficiência:

Leia mais

DinnerRace: Um simulador para técnicas de exclusão mútua através do problema do Jantar dos Filósofos

DinnerRace: Um simulador para técnicas de exclusão mútua através do problema do Jantar dos Filósofos DinnerRace: Um simulador para técnicas de exclusão mútua através do problema do Jantar dos Filósofos Amanda Barbosa 1, Witássio Oliveira 1, Kádna Camboim 1 1 Unidade Acadêmica de Garanhuns, Universidade

Leia mais

Prof. Kleber R. Rovai

Prof. Kleber R. Rovai Msn: klrovai@hotmail.com E-mail: Skype: klrovai 2 1 Programa: sequência de instruções com diferentes fluxos de execução comandos condicionais e interativos (entidade passiva); Processo: um programa em

Leia mais

Notas da Aula 10 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 10 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 10 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Escalonadores preemptivos Escalonadores preemptivos são aqueles que têm a capacidade de interromper a execução de um processo para realizar alterações

Leia mais

Ferramentas para Programação em Processadores Multi-Core

Ferramentas para Programação em Processadores Multi-Core Ferramentas para Programação em Processadores Multi-Core Prof. Dr. Departamento de Informática Universidade Federal de Pelotas Sumário Introdução Arquiteturas multi-core Ferramentas de programação Prática

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos e Threads Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que são Processos? Uma abstração de um programa em execução. Mantêm a capacidade de operações (pseudo)concorrentes,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sincronização e Comunicação entre Processos UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sincronização e Comunicação entre Processos UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Sincronização e Comunicação entre Processos UNIBAN 40 SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS Na década de 1960, com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, passou a ser

Leia mais

SOP - TADS Threads. Revisão Ultima aula. Programa em execução Cada processo têm sua própria CPU

SOP - TADS Threads. Revisão Ultima aula. Programa em execução Cada processo têm sua própria CPU SOP - TADS Threads Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima aula Processos [1/3] Conceito:

Leia mais

GERENCIAMENTO DE TAREFAS. Prof. Me. Hélio Esperidião

GERENCIAMENTO DE TAREFAS. Prof. Me. Hélio Esperidião GERENCIAMENTO DE TAREFAS Prof. Me. Hélio Esperidião O CONCEITO DE TAREFA Uma tarefa pode ser definida como a execução de um fluxo sequencial de instruções para atender uma finalidade específica. Realizar

Leia mais

1 a Questão Unidade I e II (45 pontos)

1 a Questão Unidade I e II (45 pontos) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SISTEMAS OPERACIONAIS I - 1 0 SEM/08 Teste 1 Unidades I e II Total: 200 pontos Aluno: Escore: 1 a Questão Unidade I e II (45 pontos)

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerenciamento de Processos

Sistemas Operacionais Gerenciamento de Processos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerenciamento de Processos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução Devido

Leia mais

Sistemas de Tempo-Real. Acesso exclusivo a recursos partilhados

Sistemas de Tempo-Real. Acesso exclusivo a recursos partilhados Sistemas de Tempo-Real Aula 7 Acesso exclusivo a recursos partilhados O acesso exclusivo a recursos partilhados A inversão de prioridades como consequência do bloqueio Técnicas básicas para acesso exclusivo

Leia mais

Deadlocks. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Deadlocks. Sistemas Operacionais - Professor Machado Deadlocks Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Deadlock - Definição Um conjunto de processos está em situação de deadlock se todo processo pertencente ao conjunto estiver esperando por um evento

Leia mais

Sistemas de Arquivos

Sistemas de Arquivos Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas de Arquivos Macilon Araújo Costa Neto macilon@ufac.br Capítulo 6 do livro do Tanenbaum

Leia mais

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ fevereiro, / 41

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ   fevereiro, / 41 Thread Sistemas Operacionais Leonard B. Moreira UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ e-mail: leonardbarreto@gmail.com.br fevereiro, 2013 1 / 41 Sumário 1 Introdução 2 Ambientes Monothread 3 Ambientes Multithread

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ- UEVA. Assunto: Programação Concorrente.

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ- UEVA. Assunto: Programação Concorrente. UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ- UEVA Assunto: Programação Concorrente. Alunos: Valdeclébio Farrapo Costa Paulo Roberto Gabriel Barbosa Curso: Ciência da Computação Disciplina: Linguagem de Programação

Leia mais

Capítulo 3. Programação Concorrente. Conteúdo. Objetivos. Recordando. Recordando. Objetivos de sistema operacional. DCA-108 Sistemas Operacionais

Capítulo 3. Programação Concorrente. Conteúdo. Objetivos. Recordando. Recordando. Objetivos de sistema operacional. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Capítulo 3 Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Programação Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização e escopo da programação

Leia mais

Teste de Sistemas de Operação 30 de Maio de 2009

Teste de Sistemas de Operação 30 de Maio de 2009 Teste de Sistemas de Operação 30 de Maio de 2009 Duração: 30 min B NOME: Indique apenas uma das alternativas. Respostas erradas descontam na nota. 1. Um pedido de entrada e saída sem buffering: (letra

Leia mais

Programação de Sistemas em Tempo Real

Programação de Sistemas em Tempo Real BCC722 Programação de Sistemas em Tempo Real Processos Prof. Charles Garrocho O conceito de processo Um S.O. executa uma variedade de programas Sistemas de tempo compartilhado: programas Processo: um programa

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Estrutura dos Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 1 Sistema Operacional - Formas de acessar o KERNEL do SISTEMA OPERACIONAL (SO) - A linguagem de comandos faz parte do SO O Sistema Operacional é formado

Leia mais

Sistemas Operacionais II

Sistemas Operacionais II Sistemas Operacionais II Windows Conceitos Básicos Geraldo Braz Junior Departamento de Informática - UFMA 2 Introdução Job Coleção de um ou mais processos gerenciados como uma unidade; Define cotas e limites

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Programação Concorrente Problemas clássicos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Produtor / consumidor O jantar dos filósofos O barbeiro sonolento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais I Índice 2 Processos...1 2.1 Introdução...1 2.1.1 Hierarquia de Processos...2 2.1.2 Estados dos Processos...3 2.1.3 Implementação de Processos...4 2.2 Comunicação entre Processos...5

Leia mais

LabSO Gerência de Processos. Processos. Porque eu preciso entender este assunto?

LabSO Gerência de Processos. Processos. Porque eu preciso entender este assunto? LabSO Gerência de AULA 3 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Romildo Martins (romildo@romildo.net) Porque eu preciso entender este assunto? Para entender como um computador consegue executar

Leia mais

Capítulo 3 Programação Concorrente. Nunca encontrei um homem tão ignorante que eu não pudesse aprender algo com ele.

Capítulo 3 Programação Concorrente. Nunca encontrei um homem tão ignorante que eu não pudesse aprender algo com ele. Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 3.1 Introdução Capítulo 3 Programação

Leia mais

Periféricos possuem características diferentes. Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos de Entrada/Saída

Periféricos possuem características diferentes. Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos de Entrada/Saída Periféricos possuem características diferentes Geram diferentes quantidades de dados Em velocidades diferentes Em formatos diferentes Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos

Leia mais

LEIC/LERC 2008/09 Primeiro Teste de Sistemas Operativos

LEIC/LERC 2008/09 Primeiro Teste de Sistemas Operativos Nome: Número: LEIC/LERC 008/09 Primeiro Teste de Sistemas Operativos de Novembro de 008 Duração: h0m Identifique o cabeçalho de todas as folhas da prova. O teste é resolvido no espaço dedicado ao efeito

Leia mais

Exclusão mútua: enquanto o processo P1 está sendo executado em sua seção crítica, nenhum outro processo pode ser executado em sua seção crítica.

Exclusão mútua: enquanto o processo P1 está sendo executado em sua seção crítica, nenhum outro processo pode ser executado em sua seção crítica. QUESTÃO 3 Na questão 3, era pedido que a afirmativa incorreta fosse marcada. Contudo, apesar do gabarito afirmar que a alternativa d está correta, há uma ambiguidade nessa questão, pois o sistema operacional,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SINCRONIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENTRE PROCESSOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 07, PÁGINA 101 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional sistemas multiprogramáveis Os sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Deadlocks Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 11.5 pág. 340-344 2 Conteúdo Detecção de deadlock distribuído Detecção centralizada

Leia mais

Problemas com Entrada e Saída

Problemas com Entrada e Saída Problemas com Entrada e Saída Periféricos possuem características diferentes Geram diferentes quantidades de dados Em velocidades diferentes Em formatos diferentes Periféricos são mais lentos que UCP e

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Sincronização entre Processos Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Sincronização Freqüentemente, os processos precisam se comunicar com outros processos. Isto ocorre quando

Leia mais

Introdução Aplicações Concorrentes Especificação de Concorrência em Programas Problemas de Compartilhamento de Recursos Exclusão Mútua Sincronização

Introdução Aplicações Concorrentes Especificação de Concorrência em Programas Problemas de Compartilhamento de Recursos Exclusão Mútua Sincronização Sincronização e Comunicação entre Processos Introdução Aplicações Concorrentes Especificação de Concorrência em Programas Problemas de Compartilhamento de Recursos Exclusão Mútua Sincronização Condicional

Leia mais

INE5645 Programação Paralela e Distribuída - Prova 1 22/10/2012 Aluno: Parte 1 Controle de Concorrência Conceitos Básicos (2,5)

INE5645 Programação Paralela e Distribuída - Prova 1 22/10/2012 Aluno: Parte 1 Controle de Concorrência Conceitos Básicos (2,5) INE5645 Programação Paralela e Distribuída - Prova 1 22/10/2012 Aluno: Parte 1 Controle de Concorrência Conceitos Básicos (2,5) 1.1 (Verdade/Falso) Itens próprios de processos são: Espaço de endereçamento,

Leia mais

Processos. Prof. Gustavo Leitão

Processos. Prof. Gustavo Leitão Processos Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes Baseada na Aula do Prof. Ricardo Valentim 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 PLANO DE AULA Processos Processos:

Leia mais

Capítulo 13: Sistemas de E/S. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 13: Sistemas de E/S. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 13: Sistemas de E/S Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin e Gagne em 2009. Esse

Leia mais

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF Exercícios Cap I 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) 1.5 1.7, 1.8 e 1.12 Sistemas Operacionais Visão geral e evolução dos SOs Sistema Operacional? Um programa que controla a execução dos programas

Leia mais

Sistemas Operativos. Objetivo. Entrega do Questionário. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Exercício 4. Grupo 1 Introdução

Sistemas Operativos. Objetivo. Entrega do Questionário. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Exercício 4. Grupo 1 Introdução Sistemas Operativos Objetivo O objetivo deste questionário é levá-lo a rever os conceitos básicos dos sistemas operativos, bem como os algoritmos de scheduling e mecanismos de sincronização estudados.

Leia mais

Monitores. Paulo Sérgio Almeida. Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho

Monitores. Paulo Sérgio Almeida. Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho Monitores Paulo Sérgio Almeida Grupo de Sistemas Distribuídos Departamento de Informática Universidade do Minho c 2006 2008 Paulo Sérgio Almeida Monitores 1 Problemas com semáforos Semáforo é uma primitiva

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS. Aula 12 - Threads e Concorrência em Java

PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETOS. Aula 12 - Threads e Concorrência em Java Aula 12 - Threads e Concorrência em Java Conteúdo Programático desta aula Aplicar os conceitos e threads, processos concorrentes e sincronização em pequenos programas. Aplicar e verificar os conceitos

Leia mais

Introdução a Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Introdução a Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Introdução a Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 41 Definição de SO Sistema Operacional É um conjunto de rotinas (programa) executado pelo processador que controla o funcionamento do computador como

Leia mais

Ambientes de Execução

Ambientes de Execução KERNEL Conceitos Conceitos POSIX Portable Operating System Interface for UNIX. Um conjunto de padrões da IEEE e ISO que definem como programas e sistemas operacionais de interface com os outros. Sistemas

Leia mais

Técnicas Avançadas de Programação

Técnicas Avançadas de Programação Sumário Técnicas Avançadas de Programação Prof. João Marcos M. da Silva Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Agosto de 2011 Prof. João Marcos

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Programação Concorrente com Thread Java. Luiz Affonso Guedes Sistemas Distribuidos

Programação Concorrente com Thread Java. Luiz Affonso Guedes Sistemas Distribuidos Programação Concorrente com Thread Java Luiz Affonso Guedes Sistemas Distribuidos Definições Básicas Threads são sub-procesos no sistema operacional. É menos custoso gerenciar threads do que processos.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Técnicas de Implementação de Exclusão Mútua. Aula VI Prof. Rosemary Silveira

Sistemas Operacionais. Técnicas de Implementação de Exclusão Mútua. Aula VI Prof. Rosemary Silveira Sistemas Operacionais Técnicas de Implementação de Exclusão Mútua Aula VI Prof. Rosemary Silveira Tópicos de Apresentação Condições de Corrida Técnicas de Implementação de Exclusão Mútua Condições de Corrida

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Introdução a Processos Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano da Aula 2 Introdução a Processos Threads vs Processos Características dos Processos Estados dos Processos 3

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais 04 Processos Introdução Um sistema de computação quase sempre tem mais atividades a executar que o número de processadores disponíveis. Diferentes tarefas têm necessidades distintas

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Estrutura dos Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 1 Sistema Operacional -São partes do SO -São ferramentas de apoio ao usuário -São formas de acessar as rotinas do kernel O Sistema Operacional é formado

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

Aula 2: Tipos de Sistemas Operacionais. Instituto Federal da Bahia Campus Salvador INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela

Aula 2: Tipos de Sistemas Operacionais. Instituto Federal da Bahia Campus Salvador INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela Aula 2: Tipos de Sistemas Operacionais Instituto Federal da Bahia Campus Salvador INF009 - Sistemas Operacionais Profª Flávia Maristela O que veremos nesta aula? Principais tipos de sistemas operacionais

Leia mais

Contato. professorluisleite.wordpress.com

Contato. professorluisleite.wordpress.com BD II Controle de Concorrência Professor: Luis Felipe Leite Contato luisleite@recife.ifpe.edu.br professorluisleite.wordpress.com Ciclo de três aulas Processamento de transações. Controle de Concorrência.

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Conceitos de Hardware e Software Referências: Arquitetura de Sistemas Operacionais. F. B. Machado, L. P. Maia. Editora

Leia mais

Programação Concorrente

Programação Concorrente INE 5410 Programação Concorrente Professor: Lau Cheuk Lung (turma A) INE UFSC lau.lung@inf.ufsc.br Conteúdo Programático 1. 2. Programação Concorrente 3. Sincronização 1. Condição de corrida, região critica

Leia mais

Notas da Aula 11 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 11 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 11 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Escalonamento de Tempo Real Em sistemas de tempo real, o objetivo principal do escalonador é garantir que todos os processos sejam executados

Leia mais

Algoritmos de escalonamento

Algoritmos de escalonamento Algoritmos de escalonamento Escalonamento de Processos Sistemas Interativos Algoritmos para Sistemas Interativos: First-Come-First-Served (FIFO) Round-Robin; Prioridade; Múltiplas Filas; Utilizam escalonamento

Leia mais