REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito"

Transcrição

1 I N S T I T U T O D E E N G E N H A R I A B I O M É D I C A REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei nº40/2004, de 18 de Agosto, aplica-se às bolsas atribuídas pelo Instituto de Engenharia Biomédica para prossecução pelo bolseiro de actividades de investigação científica, desenvolvimento tecnológico ou formação conexa com essas áreas. Artigo 2º Tipos de bolsas São os seguintes os tipos de bolsas a atribuir: a) Bolsas de Pós-Doutoramento. b) Bolsas para Cientistas Convidados c) Bolsas de Doutoramento d) Bolsas de Mestrado e) Bolsas de Assistentes de Investigação f) Bolsas para Técnicos de Investigação g) Bolsas de Iniciação à Investigação Científica h) Bolsas de Mobilidade entre o Sistema de C&T e outros sectores de actividade. Artigo 3º Bolsas de Pós-Doutoramento 1. As bolsas de pós-doutoramento destinam-se a doutorados que tenham obtido o grau preferencialmente há menos de cinco anos para realizarem trabalhos avançados de investigação científica em universidades ou instituições científicas. 2. A duração deste tipo de bolsa é, em princípio, anual, prorrogável até ao máximo de seis anos. Não serão aceites períodos inferiores a três meses consecutivos. Artigo 4º Bolsas para Cientistas Convidados 1. As bolsas para cientistas convidados destinam-se a docentes ou investigadores de reconhecido mérito, para realizarem actividades de formação avançada ou trabalhos de investigação científica. 2. A duração deste tipo de bolsa é em princípio, anual, prorrogável até ao máximo de três anos. Não serão aceites períodos inferiores a 30 dias consecutivos. 1

2 Artigo 5º Bolsas de Doutoramento 1. As bolsas de doutoramento destinam-se a licenciados ou a mestres para obterem o grau de doutor em universidades portuguesas ou estrangeiras. 2. A duração deste tipo de bolsa é em princípio, anual, prorrogável até ao máximo de quatro anos. Não serão aceites períodos inferiores a 30 dias consecutivos. Artigo 6º Bolsas de Mestrado 1. As bolsas de mestrado destinam-se a licenciados para realizarem estudos de mestrado em universidades portuguesas ou estrangeiras. Em regra, são atribuídas apenas para o período de preparação da dissertação. 2. A duração deste tipo de bolsa é, em princípio, anual, prorrogável até ao máximo de dois anos. Não serão aceites períodos inferiores a 30 dias consecutivos. Artigo 7º Bolsas de Assistentes de Investigação 1. As bolsas de assistentes de investigação destinam-se a mestres ou a licenciados para desenvolver actividades de investigação no âmbito de projectos de investigação. 2. A duração deste tipo de bolsa é, em princípio, anual, prorrogável até ao período máximo de seis anos. Não serão aceites períodos inferiores a 30 dias consecutivos. Artigo 8º Bolsas para Técnicos de Investigação 1. As bolsas para técnicos de investigação destinam-se a doutores, mestres, licenciados, bacharéis ou com formação adequada, para proporcionar formação complementar no domínio funcionamento e manutenção de equipamentos e infraestruturas laboratoriais de carácter científico e de outras actividades de natureza análoga. 2. A duração deste tipo de bolsa é, em princípio, anual prorrogável até ao máximo de seis anos. Não serão aceites períodos inferiores a três meses consecutivos. Artigo 9º Bolsas de Iniciação à Investigação Científica 1. As bolsas de iniciação à investigação científica destinam-se a estudantes finalistas do ensino superior ou graduados para obterem formação científica em projectos de investigação. 2. A duração deste tipo de bolsa é, em princípio, anual, prorrogável até ao máximo de três anos. Não serão aceites períodos inferiores a três meses consecutivos. Artigo 10º Bolsas de mobilidade entre o Sistema de C&T e outros sectores de actividade.. 1. As bolsas de mobilidade entre o sistema de ciência e tecnologia e outros sectores de actividade, incluindo organizações cientificas e tecnológicas, destinam-se a licenciados, mestres ou doutores, e têm por objectivo: a) Promover a consultadoria tecnológica e a transferência de conhecimento entre instituições de C&T e empresas ou outras entidades públicas ou privadas com 2

3 actividades de natureza económica, social ou de administração pública no País. b) Promover a transferência de conhecimento e tecnologia para empresas ou outras entidades mencionadas na alínea anterior. c) Prosseguir formação complementar em gestão de programas de C&T e de inovação, incluindo a realização de estágios neste domínio, em instituições em Portugal ou no estrangeiro. 2. A duração deste tipo de bolsa é, em principio, anual, prorrogável até ao máximo de três anos. Não serão aceites períodos inferiores a três meses consecutivos CAPÍTULO II Processo de atribuição de bolsas Artigo 11º Abertura de concursos 1. Serão abertos concursos para a atribuição de bolsas abrangidas por este Regulamento, sendo publicitados através da Internet, da fixação de anúncios em local acessível aos potenciais interessados quando julgado adequado, podendo, ainda, ser divulgados nos meios de comunicação social sempre que for considerado necessário. 2. Os anúncios de abertura de concurso devem mencionar os elementos constantes no nº1 do art. 6 da Lei 40/2004, designadamente: a) O tipo, fins, objecto, duração da bolsa e os objectivos a atingir pelo candidato. b) A componente financeira, periodicidade e modo de pagamento da bolsa; c) Os destinatários; d) O modelo do contrato de bolsa e do respectivo relatório a elaborar pelo bolseiro, bem como os respectivos critérios de avaliação; d) Os termos e as condições de renovação de bolsa, quando aplicável; e) O regime aplicável em matéria de informação e publicidade. f) A regulamentação legal aplicável, e o local onde pode ser consultada. Artigo 12º Candidaturas 1. Podem candidatar-se a bolsas do INEB cidadãos nacionais e estrangeiros que reúnam as condições previstas no presente Regulamento bem como na Lei 40/ As candidaturas deverão ser apresentadas em formulário próprio, disponível no site do INEB, devidamente preenchido e acompanhado da seguinte documentação: a) Documentos comprovativos de que o candidato reúne as condições exigíveis para o respectivo tipo de bolsa; b) Curriculum vitae do candidato; c) Outros documentos exigidos no anúncio do concurso. 3. Os documentos não apresentados atempadamente, mas cuja falta o júri considere não impedir a avaliação candidatura, devem ser entregues até à data da assinatura do contrato de bolsa, sob pena de anulação automática da decisão de atribuição de bolsa. Artigo 13º Avaliação das candidaturas 1. A avaliação das candidaturas, da competência do júri, nomeado para o efeito, terá em conta o mérito do candidato entre outros critérios de avaliação definidos. 3

4 2. O júri será constituído, no mínimo, por três elementos doutorados. Artigo 14º Divulgação dos resultados 1. Os resultados da avaliação são comunicados por escrito aos candidatos até ao prazo máximo de 30 dias úteis após o termo do prazo de apresentação das candidaturas. 2. Dos resultados finais pode ser interposta reclamação para a Direcção do INEB no prazo de 10 dias úteis após a data de correio da comunicação mencionada. Artigo 15º Prazo para aceitação 1. No prazo máximo de 10 dias úteis seguintes à comunicação da concessão de bolsa, o candidato deve declarar a sua aceitação por escrito e comunicar a data do início efectivo da bolsa. 2. A falta de declaração atempada referida no número anterior equivale a renúncia à bolsa. Artigo 16º Concessão do estatuto de bolseiro A concessão do estatuto de bolseiro pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, é realizada após a celebração do contrato de bolsa, o qual deve ser reduzido a escrito, nos termos do artigo 8º da Lei nº 40/2004, de 18 de Agosto. CAPÍTULO III Regime da bolsa Artigo 17º Contrato de bolsa 1. O contrato de bolsa deve ser reduzido a escrito, segundo o modelo em anexo, devendo ainda ser anexado o acordo celebrado com o bolseiro referente aos direitos de propriedade industrial e intelectual. 2. O contrato deve conter, nomeadamente, as seguintes indicações: a) Identificação do bolseiro; b) Indicação do local da actividade, do respectivo plano de actividades, bem como a identificação do orientador científico ou coordenador. c) Tipo de bolsa atribuída; d) Indicação da data de início e duração da bolsa. e) Identificação do regulamento aplicável. Artigo 18º Renovação 1. A bolsa pode ser renovada por períodos adicionais até ao limite máximo de duração previsto no presente Regulamento e na Lei 40/ O pedido de renovação de bolsa deve ser apresentado pelo bolseiro até 30 dias antes do seu termo, devendo ser acompanhado de relatório dos trabalhos realizados, do plano de actividades e parecer do orientador ou responsável e indicar o período da solicitada renovação. 4

5 3. A resposta ao pedido de renovação da bolsa será comunicada por escrito ao bolseiro e ao orientador ou responsável, antes do início da sua efectividade. 4. A renovação da bolsa requer a assinatura por ambas as partes de um acordo complementar ao contrato de bolsa inicial. Artigo 19º Dedicação exclusiva 1. O bolseiro exerce as funções em regime de dedicação exclusiva, não podendo exercer outra função ou actividade remunerada, salvo nos termos estabelecidos no presente Regulamento e nos casos previstos no artigo 5º da Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto. 2. O bolseiro não pode ser simultaneamente beneficiário de qualquer outra bolsa, salvo se existir acordo entre entidades financiadoras. 3. O exercício pelo bolseiro de outras actividades previstas no artigo 5º da Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto, incluindo o exercício de funções docentes, carece de autorização prévia, devendo o pedido ser dirigido à Direcção do INEB, devidamente acompanhado do parecer do orientador ou do responsável, no qual este constate e confirme que as actividades ou as funções pretendidas se encontram directamente relacionadas com o plano de actividades subjacente à bolsa e sem carácter de permanência. Artigo 20º Alteração ao plano de actividades A alteração do plano de actividades depende de autorização do INEB, devendo o pedido do bolseiro ser acompanhado de parecer do orientador ou do responsável pelo acompanhamento das actividades do bolseiro. Artigo 21º Menção de apoio Em todos os trabalhos realizados pelo bolseiro deve ser expressa a menção de serem os mesmos apoiados financeiramente pelo INEB, sem prejuízo de mencionar a entidade que financia e o programa de financiamento. Artigo 22º Relatórios intercalares Os bolseiros deverão entregar os relatórios intercalares de acordo com o que seja exigido no programa de financiamento. CAPÍTULO IV Condições financeiras da bolsa Artigo 23º Componentes da bolsa De acordo com o tipo de bolsa e situação do candidato, a bolsa pode incluir as seguintes componentes: a) Subsídio mensal de manutenção; 5

6 b) Subsídio para compensação dos encargos relativos à Segurança Social, nos termos do art. 10 da Lei 40/2004, após prova de pagamento por parte do bolseiro; c) Subsídio de deslocação e ajudas de custo, quando devidamente autorizadas, de acordo com a tabela em vigor no INEB; d) Subsídio de inscrição, matricula ou propina até um valor máximo estabelecido. Artigo 24º Montantes do subsídio mensal Os montantes referentes ao subsídio mensal de manutenção são os praticados pela FCT. Artigo 25º Periodicidade do pagamento Os pagamentos devidos aos bolseiros são efectuados mensalmente, preferencialmente por transferência bancária. Artigo 26º Outros benefícios 1. O bolseiro beneficia de um seguro de acidentes pessoais. 2. O bolseiro pode, caso o expresse, beneficiar do regime de segurança social nos termos referidos no artigo 10º da Lei nº40/2004, de 18 de Agosto. CAPÍTULO V Cancelamento e termo das bolsas Artigo 27º Relatório final 1. O bolseiro deve apresentar um relatório final que deve incluir descrição das actividades desenvolvidas, bem como comunicações e publicações resultantes das referidas actividades, até 30 dias após o termo da bolsa, salvo se outro prazo for imposto pelo Programa de Financiamento. 2. O orientador ou responsável pela actividade do bolseiro deve apresentar um parecer final de avaliação da actividade do mesmo. Artigo 28º Cancelamento da bolsa 1. A bolsa pode ser cancelada, por decisão fundamentada do INEB, quando se verifique o incumprimento dos deveres do bolseiro constantes do presente regulamento e da Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto. 2. Sem prejuízo do disposto na lei penal, implica ainda o cancelamento da bolsa a prestação de falsas declarações pelo bolseiro sobre matérias relevantes para a concessão da bolsa ou para apreciação do seu desenvolvimento. 3. Os factos na origem do cancelamento da bolsa são comunicados pelo INEB à Fundação para a Ciência e a Tecnologia, para efeitos de cancelamento do estatuto de bolseiro. 6

7 Artigo 29º Sanções O bolseiro que não atinja os objectivos estabelecidos no plano de trabalhos aprovado ou cuja bolsa seja cancelada por motivo de violação grave dos seus deveres por causa que lhe seja imputada, pode ser obrigado, consoante as circunstâncias do caso concreto, a restituir a totalidade ou parte das importâncias que tiver recebido. CAPÍTULO VI Disposições finais Artigo 30º Dever de confidencialidade 1. O bolseiro fica sujeito ao compromisso de manter o mais rigoroso sigilo relativamente a todos os conhecimentos técnicos, planos, documentos ou informações confidenciais que obtiver ou a que tenha acesso no âmbito da execução das actividades inerentes à execução da bolsa, não os podendo comunicar, copiar, reproduzir, divulgar ou publicar sem consentimento prévio e expresso dado pelo INEB. 2. O dever de sigilo referido nos termos do número anterior manter-se-á durante o prazo de um ano após o termo da bolsa. Artigo 31º Núcleo do bolseiro 1. O núcleo do bolseiro do INEB tem como objectivo prestar toda a informação relativa ao estatuto do bolseiro, bem como assegurar o acompanhamento institucional. 2. Este núcleo integrará o responsável das questões de pessoal, a quem os bolseiros se poderão dirigir dentro do horário de atendimento ou por qualquer meio escrito. Artigo 32º Casos omissos Os casos omissos neste regulamento são resolvidos pela Direcção do INEB tendo em atenção os princípios e as normas constantes na Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto e os regulamentos do Programa de Financiamento. Artigo 33º Declaração de cabimentação orçamental A atribuição de bolsas por parte do INEB implica a respectiva cabimentação orçamental das bolsas a serem atribuídas. Artigo 34º Entrada em vigor O presente regulamento entra em vigor logo que aprovado nos termos legais. 7

REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE)

REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE) REGULAMENTO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO EM EMPRESAS (BDE) Esta acção visa promover a formação avançada em ambiente empresarial, através da cooperação entre empresas e universidades em torno de projectos

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL Regulamento de Bolsas de Investigação Científica da Fundação BIAL PREÂMBULO Tendo como objetivo incentivar a investigação centrada sobre o Homem, tanto sob os aspetos físicos como sob o ponto de vista

Leia mais

Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artº 1º

Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artº 1º Serviço de Educação e Bolsas REGULAMENTO DE BOLSAS PARA INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim principal de estimular a investigação nos vários ramos do saber, a Fundação Calouste

Leia mais

Regulamento de. Bolsas da Universidade do Porto

Regulamento de. Bolsas da Universidade do Porto Regulamento de Bolsas da Universidade do Porto DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo primeiro Âmbito 1. O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, elaborado ao abrigo da Lei nº

Leia mais

Equiparação a Bolseiro

Equiparação a Bolseiro Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Equiparação a Bolseiro Regulamento Preâmbulo Face ao disposto no artigo 29º- A do Decreto-Lei nº 207/2009, de 31 de Agosto - Estatuto da Carreira do Pessoal Docente

Leia mais

Regulamento da Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos 2011

Regulamento da Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos 2011 Bolsas de Formação Avançada Regulamento da Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos 2011 Capítulo I Objecto e âmbito de aplicação Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem como objecto as

Leia mais

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira

Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira Regulamento de Deslocações da Universidade da Madeira A Lei nº 59/2008, de 11 de Setembro, que regula o Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas, com efeitos a partir de 1 de Janeiro de 2009,

Leia mais

3764 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N. o 48 9 de Março de 2005

3764 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N. o 48 9 de Março de 2005 3764 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE N. o 48 9 de Março de 2005 Doutor Paulo Eduardo Aragão Aleixo Neves de Oliveira, professor catedrático do Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia

Leia mais

Bolsas de Formação Avançada

Bolsas de Formação Avançada Fundação para a Ciência e a Tecnologia Formato alternativo Bolsas de Formação Avançada Regulamento da Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos 2010 Em 21 de Julho de 2010, entraram em vigor

Leia mais

Guia de Procedimentos

Guia de Procedimentos Guia de Procedimentos Atribuição de Bolsas de Investigação do CIIMAR Gabinete Gestão de Projetos Gabinete Apoio Jurídico Investigador Responsável Constituição do Júri; Elaboração da 1ª. Ata; Elaboração

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento foi elaborado nos termos e para os

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

Regulamento dos. Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL

Regulamento dos. Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL Regulamento dos Apoios Financeiros a Projetos de Investigação Científica da Fundação BIAL PREÂMBULO Tendo como objetivo incentivar a investigação centrada sobre o ser humano, tanto sob os aspetos físicos

Leia mais

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA. Preâmbulo REGULAMENTO DE ASSIDUIDADE DOS INVESTIGADORES DO INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA Preâmbulo O presente regulamento é elaborado ao abrigo do artigo 75º da Lei Geral do Trabalho em Funções Publicas, aprovado

Leia mais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais

FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA. Regulamento de Bolsas de Investigação Científica. Capítulo I Disposições gerais FUNDAÇÃO CONVENTO DA ORADA - ESCOLA SUPERIOR GALLAECIA Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, segue o modelo aprovado pela

Leia mais

Associação do Instituto Superior Técnico para a. Investigação e Desenvolvimento REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA

Associação do Instituto Superior Técnico para a. Investigação e Desenvolvimento REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA Associação do Instituto Superior Técnico para a Investigação e Desenvolvimento REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GENÉRICAS Artigo 1º Âmbito 1. O presente Regulamento,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO

REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO REGULAMENTO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE, ESPECIALMENTE CONTRATADO, AO ABRIGO DO ARTIGO 8.º DO ECPDESP DO INSTITUTO POLITÉCNICO DO PORTO ARTIGO 1.º PESSOAL ESPECIALMENTE CONTRATADO 1. Podem ser contratados

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P.

Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P. Regulamento Interno do Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P. ARTIGO 1.º OBJECTO O presente Regulamento tem por objecto aprovar o Programa de Estágios do Turismo de Portugal, I.P., adiante designado

Leia mais

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto

Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU. Regulamento de Atribuição da. Bolsa para Estudos sobre Macau. Artigo 1.º. Objecto Anexo 1 FUNDAÇÃO MACAU Regulamento de Atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau Artigo 1.º Objecto O presente Regulamento define as regras de atribuição da Bolsa para Estudos sobre Macau, adiante designada

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Resumo do anúncio

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Resumo do anúncio AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Resumo do anúncio Determina-se a abertura de concurso para a atribuição de 1 (uma) Bolsa de Iniciação Científica, (adiante

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências

Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências Universidade do Minho Universidade do Porto- Faculdade de Ciências PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM Tecnologia, Ciência e Segurança Alimentar Artigo 1º Concessão

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM Regulamento da PGDEEC 0 Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES (PDEEC) Departamento de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES Objecto O presente regulamento, elaborado nos termos e ao abrigo do disposto nos artigos 21.º a 23.º do Decreto Lei

Leia mais

Regulamento n.º --/2013

Regulamento n.º --/2013 Regulamento n.º --/2013 Nos termos da alínea c) do nº 2 do artigo 3º do Decreto-Lei nº 55/2013, de 17 de abril, que aprovou a orgânica da FCT, I. P., e da alínea b) do nº 2 do artigo 41º da Lei-Quadro

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010

Reitoria. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro de 2010 Reitoria RT-21/2010 Por proposta do Conselho Académico da Universidade do Minho, é homologado o Regulamento do Mestrado Integrado em Psicologia, anexo a este despacho. Universidade do Minho, 24 de Fevereiro

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

O prazo para entrega de sugestões termina no dia 26 de dezembro de 2016.

O prazo para entrega de sugestões termina no dia 26 de dezembro de 2016. Nº de proc. 01/2016 Objeto (s) Regulamento Interno de Horário de Trabalho do ITQB Departamento responsável pela tramitação do procedimento Conselho de Gestão do ITQB Responsável pela Direção do procedimento

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS O primeiro outorgante, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P., doravante designado

Leia mais

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas I - Matrículas 1. A matrícula é o acto administrativo, a realizar no início de cada ano lectivo e que confere ao estudante o direito a ingressar no estabelecimento

Leia mais

Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Fundo de mobilidade FLAD-UAc Crossing the Atlantic

Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Fundo de mobilidade FLAD-UAc Crossing the Atlantic Regulamento para atribuição de apoio financeiro a projetos submetidos no âmbito do Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento, elaborado nos termos do disposto na cláusula quinta do protocolo de cooperação

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica, adiante designada por Ciência Viva, torna pública

Leia mais

LAMTec-ID, Laboratório de Ambiente Marinho e Tecnologia. REGULAMENTO DE BOLSAS LAMTec-ID (ATRIBUÍDAS NO ÂMBITO DE PROJECTOS DO LAMTec-ID)

LAMTec-ID, Laboratório de Ambiente Marinho e Tecnologia. REGULAMENTO DE BOLSAS LAMTec-ID (ATRIBUÍDAS NO ÂMBITO DE PROJECTOS DO LAMTec-ID) LAMTec-ID, Laboratório de Ambiente Marinho e Tecnologia REGULAMENTO DE BOLSAS LAMTec-ID (ATRIBUÍDAS NO ÂMBITO DE PROJECTOS DO LAMTec-ID) CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º (Âmbito) 1. O presente Regulamento,

Leia mais

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica

Regulamento de Bolsas de Investigação Científica Regulamento de Bolsas de Investigação Científica REGULAMENTO DE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência

Leia mais

Manual do Estágio Supervisionado

Manual do Estágio Supervisionado IBB Ano 2015 1. APRESENTAÇÃO: A partir do 1º Semestre Letivo de 2016, os alunos em fase de conclusão do Curso de (Currículo 2013) deverão realizar o Estágio Curricular Supervisionado. O presente manual

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 8 de setembro de Série. Número 138

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Terça-feira, 8 de setembro de Série. Número 138 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Terça-feira, 8 de setembro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 161/2015 Estabelece a Medida Incentivo

Leia mais

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS

REGULAMENTO DOS CONCURSOS ESPECIAIS Página 1 de 5 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objeto) O presente regulamento fixa os procedimentos relativos aos concursos especiais para acesso e ingresso no ensino superior, nos termos da lei.

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução Nº 46/2000 de 30 de Março

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução Nº 46/2000 de 30 de Março GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução Nº 46/2000 de 30 de Março Considerando que as novas tecnologias, ao garantirem uma melhor qualidade de produtos e serviços, potenciam o aumento da competitividade

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS INDIVIDUAIS DE DOUTORAMENTO O Programa de Doutoramento M2B-PhD Medical Biochemistry and Biophysics, foi seleccionado no âmbito do concurso para financiamento

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CULTURAS E INDENTIDADES BRASILEIRAS. Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD/CAPES 2013 (Portaria n.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CULTURAS E INDENTIDADES BRASILEIRAS. Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD/CAPES 2013 (Portaria n. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO CULTURAS E INDENTIDADES BRASILEIRAS Programa Nacional de Pós-Doutorado PNPD/CAPES 2013 (Portaria n. 86/2013) Edital IEB-USP nº 31/ 2013 Edital de abertura de inscrições para o

Leia mais

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III

INUAF - INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Colégio de Pós Graduações Regulamento do Mestrado em Psicologia Clínica Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF) confere o grau de Mestre em Psicologia Clínica. Artigo 2º Objectivos Gerais

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016

REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016 REGULAMENTO DO CONCURSO DE BOLSAS SANTANDER UNIVERSIDADES/ UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2016 Este concurso visa reforçar a cooperação existente entre a Universidade de Coimbra (UC) e as instituições suas parceiras,

Leia mais

Mestrado em Educação Pré-Escolar

Mestrado em Educação Pré-Escolar ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO Mestrado em Educação Pré-Escolar 24-06-2014 Instituto Politécnico de Setúbal Última atualização: 12/11/2013 Pág. 1 de 5 Mestrado em Educação Pré-Escolar 1. ENQUADRAMENTO DO

Leia mais

CAPÍTULO II Formação Avançada de Recursos Humanos - Bolsas Individuais de Formação SECÇÃO I Caracterização das Bolsas Artigo 2º Tipos de bolsas

CAPÍTULO II Formação Avançada de Recursos Humanos - Bolsas Individuais de Formação SECÇÃO I Caracterização das Bolsas Artigo 2º Tipos de bolsas PROGRAMA OPERACIONAL DE VALORIZAÇÃO DO POTENCIAL HUMANO E COESÃO SOCIAL DA RAM EIXO I EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMAÇÃO AVANÇADA DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO AVANÇADA E QUALIFICAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR

REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR REGULAMENTO DE CONCURSO PARA DIRETOR DO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS BEIRA MAR Artigo 1º Princípio da legalidade regulamentar Ao abrigo do Decreto-Lei n.º 22/2014 que define o novo Regime Jurídico da

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO OUTUBRO 2010

PROGRAMA DE CONCURSO OUTUBRO 2010 PROGRAMA DE CONCURSO OUTUBRO 2010 Artigo 1º Objecto O presente Programa estabelece as normas específicas de acesso ao concurso para a atribuição de apoios financeiros pela Direcção-Geral da Saúde a pessoas

Leia mais

YOuR PROJECT NA ÁREA DO CANCRO DA MAMA METASTÁTICO

YOuR PROJECT NA ÁREA DO CANCRO DA MAMA METASTÁTICO YOuR PROJECT NA ÁREA DO CANCRO DA MAMA METASTÁTICO 2016 O Programa YOuR Project (Young Oncologists Research Project) desenvolvido pela Sociedade Portuguesa de Oncologia em 2016, com o apoio da Novartis,

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Av. Dr. Arnaldo, 455 ATAC Serviço de Pesquisa Fone/Fax: (11) / (11)

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Av. Dr. Arnaldo, 455 ATAC Serviço de Pesquisa Fone/Fax: (11) / (11) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À PRODUTIVIDADE ACADÊMICA PIPA DA FMUSP Art. 1º. O Programa de Incentivo à Produtividade Acadêmica (PIPA), sob gerenciamento e responsabilidade da Comissão de Pesquisa

Leia mais

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor

Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor Regulamento para o procedimento concursal para a eleição do Diretor OBJECTO O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas para a eleição do diretor da Escola Secundária Quinta das Palmeiras,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 16 de Maio de 2011 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DE EQUIPARAÇÃO A BOLSEIRO Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define as condições da atribuição

Leia mais

AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO

AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P. (IPMA ) abre concurso, entre os dias 22 de julho e 4 de agosto de 2016 (10 dias úteis), para atribuição de uma bolsa de investigação

Leia mais

REGULAMENTO DE BOLSEIRO DE INVESTIGAÇÃO DO POLITÉCNICO DE COIMBA

REGULAMENTO DE BOLSEIRO DE INVESTIGAÇÃO DO POLITÉCNICO DE COIMBA REGULAMENTO DE BOLSEIRO DE INVESTIGAÇÃO DO POLITÉCNICO DE COIMBA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. o Âmbito O presente Regulamento, uma vez aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT)

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA CIVIL (PRODEC) Objectivos Como definido no Decreto-Lei nº 74/2006, o grau de doutor é conferido aos que demonstrem: Capacidade de compreensão sistemática

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Cláusula 1ª. Área de especialização REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA PELA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Cláusula 1ª Área de especialização A Universidade do Porto, através da Faculdade de Engenharia,

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

Serralves em Festa 2008 Concurso de Projectos Artísticos

Serralves em Festa 2008 Concurso de Projectos Artísticos Serralves em Festa 2008 Concurso de Projectos Artísticos 1. ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS A Fundação de Serralves pretende promover a integração da jovem criação artística, proporcionando visibilidade junto

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO. Preâmbulo REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Preâmbulo Faz parte da missão do grupo Águas de Portugal (Grupo AdP) constituir-se como uma referência no setor do ambiente, de forma a promover a universalidade,

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações Públicas. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DAS RELAÇÕES PÚBLICAS Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Gestão Estratégica das Relações

Leia mais

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet

Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Regulamento Concurso de Ideias para REGULAMENTO a Criação de Empresas EIBTnet 1 Concurso de Ideias para a Criação de Empresas EIBTnet Artigo 1.º Promotor/Fins/Prazo 1. A NET - Novas Empresas e Tecnologias,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GABINETE DE APOIO AO EMPREGO, ÀS EMPRESAS E AO EMPREENDEDORISMO - GE 3 REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO GE 3 SECÇÃO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto 1. O presente regulamento

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 10 de Novembro de 2011 O Presidente, ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO (Paulo Parente) REGULAMENTO DA UNIESEP Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2015/CAPES)

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2015/CAPES) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD

Leia mais

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa.

Artigo 2º Conceito de Estudante Internacional 1. É estudante internacional o estudante que não tem nacionalidade portuguesa. Artigo 1º Objetivo e âmbito de aplicação O presente regulamento tem como objetivo dar cumprimento ao artigo 14º do Decreto-Lei nº 36/2014, de 10 março e aplica-se exclusivamente aos estudantes internacionais

Leia mais

AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO. Nível 1

AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO. Nível 1 AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO Nível 1 O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P./IPMA abre concurso, no prazo de 10 (dez) dias úteis a contar da data de publicação deste anúncio, para atribuição de

Leia mais

REGULAMENTO TESE DE MESTRADO

REGULAMENTO TESE DE MESTRADO REGULAMENTO TESE DE MESTRADO GUIA DE PREPARAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE DO ISCEM 1. TRAMITAÇÃO DE DISSERTAÇÃO... 3 2. CONFIDENCIALIDADE... 4 3. ESTRUTURA E FORMATO DA DISSERTAÇÃO...4

Leia mais

Universidade Lusófona do Porto Bolsas de Estudo. Regulamento

Universidade Lusófona do Porto Bolsas de Estudo. Regulamento Universidade Lusófona do Porto Bolsas de Estudo Regulamento 1. Requisitos a cumprir para candidatura - Não ser detentor/a de grau académico universitário; - Não beneficiar de outra bolsa de estudo ou vantagem

Leia mais

AVISO. BOLSA DE INVESTIGAÇÃO Habilitado com Licenciatura

AVISO. BOLSA DE INVESTIGAÇÃO Habilitado com Licenciatura AVISO BOLSA DE INVESTIGAÇÃO Habilitado com Licenciatura O Instituto Português do Mar e da Atmosfera, I.P./IPMA abre concurso, no prazo de 10 (dez) dias úteis a contar da data de publicação deste anúncio,

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO FERNANDO NAMORA DE CONDEIXA-A-NOVA CÓDIGO DA ESCOLA 404457 CONTRIBUINTE Nº: 600074129 RUA LONGJUMEAU 3150-122 CONDEIXA-A-NOVA Telf.: 239940200 Fax: 239941090 Email: info@eps-condeixa-a-nova.rcts.pt REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR

Leia mais

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016

PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 PEDIDOS DE VAGAS E FUNCIONAMENTO DOS CICLOS DE ESTUDOS ANO LECTIVO 2015/2016 Sendo a transparência dos processos de candidatura e recrutamento de estudantes um dos elementos constituintes do sistema interno

Leia mais

SELEÇÃO DE BOLSISTA PNPD CAPES BOLSA DE PÓS-DOUTORADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

SELEÇÃO DE BOLSISTA PNPD CAPES BOLSA DE PÓS-DOUTORADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS Viçosa, MG 36570-000 Tel: (31)3899-2226 Fax: (31)3899-2735 E-Mail: tcaufv@gmail.com

Leia mais

REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS

REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS REGULAMENTO DE JÚRIS, CONSULTA DE PROVAS, RECLAMAÇÕES E RECURSOS Conselho Científico (Deliberação CC-46/2008, de 27 de junho) 20 03 2012 01 Art.º 1º (JÚRIS DE EXAMES) 1- Os júris das provas finais de avaliação

Leia mais

Aviso de Abertura. Concurso para Atribuição de Bolsas de Doutoramento e Pós-Doutoramento Junho 2016

Aviso de Abertura. Concurso para Atribuição de Bolsas de Doutoramento e Pós-Doutoramento Junho 2016 Aviso de Abertura Concurso para Atribuição de Bolsas de Doutoramento e Pós-Doutoramento 2016 Junho 2016 AVISO DE ABERTURA CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE DOUTORAMENTO E PÓS-DOUTORAMENTO 2016 Aviso

Leia mais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais

Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Regulamento do Trabalho Final dos Mestrados da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica Portuguesa Capítulo 1 Disposições Gerais Artigo 1º Enquadramento, âmbito de aplicação e objectivo

Leia mais

LEI N.º 40/2004 ESTATUTO DO BOLSEIRO DE INVESTIGAÇÃO

LEI N.º 40/2004 ESTATUTO DO BOLSEIRO DE INVESTIGAÇÃO LEI N.º 40/2004 ESTATUTO DO BOLSEIRO DE INVESTIGAÇÃO A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, para valer como lei geral da República, o seguinte: Artigo

Leia mais

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL

DESPACHO. Em anexo é republicado o Regulamento nº 10/2012 com a nova redação, agora como Regulamento nº 10/2013. O PRESIDENTE DA ESTeSL DESPACHO N.º 12/2013 Data: 2013/03/08 Para conhecimento de: Pessoal Docente, Discente e não Docente ASSUNTO: Alteração ao Regulamento nº 10/2012. A recente revisão do Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente

Leia mais

FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS

FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS ANEXO IX PROGRAMA DE APOIO AO CINEMA SUBPROGRAMA DE APOIO À PRODUÇÃO, NA MODALIDADE DE APOIO À FINALIZAÇÃO DE OBRAS CINEMATOGRÁFICAS 1. Candidatos e beneficiários 1.1. Podem candidatar-se os produtores

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA. Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO. Capítulo I Disposições Gerais

ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA. Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO. Capítulo I Disposições Gerais ACADEMIA NACIONAL SUPERIOR DE ORQUESTRA Ano lectivo de 2013/2014 REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 Objecto O presente Regulamento disciplina a atribuição de Bolsas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA 2014

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA 2014 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA 2014 NORMAS PARA CONCESSÃO DE BOLSAS - CAPES/CNPq Todos os pedidos de concessão de bolsas

Leia mais

CHAMADA INTERNA N.º 01/2016 PPG/UEMA BOLSA DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA

CHAMADA INTERNA N.º 01/2016 PPG/UEMA BOLSA DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação-PPG Coordenação de Pós-Graduação-CPG CHAMADA INTERNA N.º 01/2016 PPG/UEMA BOLSA DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS (Documento aprovado na 7ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da ESTBarreiro/IPS, de 20 de Outubro de 2010) CAPÍTULO

Leia mais

BOLSAS DE ESTUDO MESTRADO. Centro Celso Furtado e BNB 2014 EDITAL 1 - DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 APRESENTAÇÃO

BOLSAS DE ESTUDO MESTRADO. Centro Celso Furtado e BNB 2014 EDITAL 1 - DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 APRESENTAÇÃO BOLSAS DE ESTUDO MESTRADO Centro Celso Furtado e BNB 2014 EDITAL 1 - DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 APRESENTAÇÃO Art. 1º - O Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento, em parceria

Leia mais

da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório

da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório Regulamento da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório Capítulo I Generalidades Artigo 1.º Objecto O presente regulamento, editado com base nos artigos 74.º-A a 74.º-C do ECDU,

Leia mais

MATRÍCULAS/INSCRIÇÕES 2015/2016 3º CICLO DE ESTUDOS EM CRIMINOLOGIA 1º ANO/1ªVEZ. PRAZO DE MATRÍCULA Até 12 de agosto de 2015

MATRÍCULAS/INSCRIÇÕES 2015/2016 3º CICLO DE ESTUDOS EM CRIMINOLOGIA 1º ANO/1ªVEZ. PRAZO DE MATRÍCULA Até 12 de agosto de 2015 MATRÍCULAS/INSCRIÇÕES 2015/2016 3º CICLO DE ESTUDOS EM CRIMINOLOGIA 1º ANO/1ªVEZ PRAZO DE MATRÍCULA Até 12 de agosto de 2015 As matrículas/inscrições no ano letivo de 2015/2016 serão eletrónicas (via e-mail).

Leia mais

ATA Anexo IV Normas da Disciplina EST 797 Seminários NORMAS DA DISCIPLINA EST797 - SEMINÁRIO TÍTULO I NORMAS GERAIS CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO

ATA Anexo IV Normas da Disciplina EST 797 Seminários NORMAS DA DISCIPLINA EST797 - SEMINÁRIO TÍTULO I NORMAS GERAIS CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO ATA 035 - Anexo IV Normas da Disciplina EST 797 Seminários NORMAS DA DISCIPLINA EST797 - SEMINÁRIO TÍTULO I NORMAS GERAIS CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO Art. 1º - O seminário é uma disciplina da área de concentração

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Portaria n.º 71/2016 de 4 de Julho de 2016 Considerando que o Regime Jurídico de Apoio ao Movimento Associativo Desportivo, aprovado pelo Decreto Legislativo Regional n.º 21/2009/A,

Leia mais

EDITAL nº 002/2016-PPGCJ

EDITAL nº 002/2016-PPGCJ Programa Nacional do Pós-Doutorado CAPES (Portaria Capes nº 86/2013) EDITAL nº 002/2016-PPGCJ Seleção de Projetos de Pesquisa de Pós-doutorado O Coordenador do Programa de Pós-graduação em Ciências Jurídicas

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DO PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL O desporto e a actividade física são elementos que contribuem para o bem-estar, para a saúde e para a qualidade de vida dos cidadãos. Assim,

Leia mais

I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE DIREITO UNICERP RESOLUÇÃO N 01/2014 Institui a monitoria acadêmica do Curso de Direito e dá outras providências. I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - A monitoria acadêmica do

Leia mais

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E O MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Considerando que, A Constituição da República Portuguesa, inspirada no artigo

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador

Instituto Politécnico de Setúbal. Edital. Abertura de concurso documental para professor coordenador Instituto Politécnico de Setúbal Edital Abertura de concurso documental para professor coordenador 1 Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 6º do Regulamento de Recrutamento e Contratação do Pessoal

Leia mais

Novo diploma de Estímulo ao Emprego Científico

Novo diploma de Estímulo ao Emprego Científico FAQs Emprego Científico DL 57/2016 Novo diploma de Estímulo ao Emprego Científico A recente publicação de um novo regime legal de contratação de doutorados (Decreto-Lei 57/2016, de 29 de agosto) tem por

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição )

EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição ) EDITAL MESTRADO EM AUDIOLOGIA (edição -) Nos termos do Decreto-Lei n.º 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 107/2008

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 22 Data: 2015/05/12 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento das Provas Especialmente Adequadas a Avaliar a Capacidade para a Frequência

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012)

EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL. (Edição 2010 2012) EDITAL MESTRADO EM ANÁLISES CLÍNICAS E SAÚDE PÚBLICA ESPECIALIZAÇÃO DE HEMATOLOGIA E IMUNOLOGIA CLÍNICO LABORATORIAL (Edição 2010 2012) Nos termos dos Decretos Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto

Leia mais

Doutoramento em Saúde Pública

Doutoramento em Saúde Pública Doutoramento em Saúde Pública Normas regulamentares Artigo 1.º Criação do curso A Universidade Nova de Lisboa, através da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP/UNL), em cumprimento do disposto no Decreto-Lei

Leia mais

Prémio de Melhor Estágio Profissional 2015

Prémio de Melhor Estágio Profissional 2015 Introdução O Prémio de Melhor Estágio Profissional 2015 atribuído pela Direcção Regional do Norte da Ordem dos Psicólogos Portugueses (DRN-OPP) pretende valorizar os membros estagiários enquanto elementos

Leia mais

REGULAMENTO DA CONTRATAÇÃO DE DOUTORADOS

REGULAMENTO DA CONTRATAÇÃO DE DOUTORADOS REGULAMENTO DA CONTRATAÇÃO DE DOUTORADOS No âmbito das prioridades definidas para a consolidação do Sistema Científico e Tecnológico Nacional (SCTN) é atribuída elevada prioridade à contratação dos recursos

Leia mais