170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica."

Transcrição

1 170 mil motivos para comemorar 27 de maio dia da Mata Atlântica.

2 mudas plantadas conheça a história Sumário Anterior Próximo

3 No dia da Mata Atlântica, 170 mil motivos para comemorar No dia 27 de maio, dia da Mata Atlântica, a Organização de Conservação da Terra (OCT) tem muito o que comemorar. A instituição que integra o Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), iniciativa apoiada pela Fundação Odebrecht, representa o capital ambiental e desenvolve, dentre outros projetos, ações de reflorestamento na Área de Proteção Ambiental (APA) do Pratigi, um dos hotspots da biodiversidade no Brasil. Este ano, a OCT chegou ao número de 170 mil árvores plantadas em restaurações florestais. Um número impressionante e com uma história que agrega serviços ambientais ao planejamento da paisagem de todo um território, fortalecendo a resiliência nas comunidades onde atua. As 170 mil mudas de plantas nativas da Mata Atlântica são fruto de pro- jetos executados graças às parcerias com o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), Fundação Odebrecht e, também, à contribuição de pessoas físicas e jurídicas, por meio do Projeto Carbono Neutro Pratigi. Espalhadas por toda a APA do Pratigi, as restaurações foram realizadas em Áreas de Preservação Permanente (APP) e nascentes, com mudas desenvolvidas no Viveiro da OCT, que tem capacidade para produção de até 700 mil indivíduos por ano. Todas as sementes que geram essas mudas são colhidas por 50 agricultores familiares, membros da Rede de Coletores de Semente da APA do Pratigi, formados e capacitados pelo projeto Produzindo Sementes, Mudando Vidas, iniciativa executada pela instituição com apoio do Instituto Oi Futuro. Criando um ciclo virtuoso de conservação, as áreas restauradas pela OCT atualmente encontram-se em diferentes estágios, mas já geram serviços ambientais, como o sequestro de carbono, sendo inclusive certificadas pelos padrões internacionais Climate, Community and Biodiversity (CCB) e Verified Carbon Standard (VCS). Isso sem falar na proteção de 40% das espécies de pássaros do estado da Bahia e 398 espécies arbóreas por hectare de floresta. Nesta data, mais do que pedir pela conservação da Mata Atlântica, a OCT mostra os resultados de seus esforços. Conheça mais sobre essa história! Sumário Anterior Próximo

4 onde começa tudo

5 Rede de Sementes e Viveiro A vida de uma árvore inicia-se a partir da germinação de uma semente. Mas antes disso, é preciso que esta semente seja colhida e cuidada. Pensando nessa necessidade, a OCT aprovou em edital do Instituto Oi Futuro o projeto Produzindo Sementes, Mudando Vidas, com o objetivo de criar uma rede regional de coletores de sementes na APA do Pratigi, que atendesse à demanda das iniciativas de plantio da região e consolidasse uma nova alternativa de trabalho e renda para as comunidades locais, baseada na cadeia produtiva da restauração florestal. Para fomentar a produção dessas sementes, foi realizado um levantamento florístico-fitossociológico dos fragmentos florestais na APA do Pratigi com marcação e georreferenciamento de matrizes e elaboração de um estudo fenológico. Em paralelo ao estudo, foram realizados trabalhos de apoio à organização comunitária dos coletores de sementes e produtores de mudas, credenciamento e capacitação dos mesmos para colheita, manejo e usos múltiplos de sementes florestais, em parceria com a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), por meio do projeto Nossas Árvores. Uma vez colhidas e compradas pela OCT, as sementes são armazenadas e plantadas no viveiro para que possam germinar e transformarem-se em mudas, que serão, enfim, semeadas nas restaurações florestais realizadas pela instituição. Sumário Anterior Próximo

6 onde tudo acontece

7 As 170 mil mudas plantadas pela OCT são resultado dos seguintes projetos: Sumário Anterior Próximo

8 Recuperação de Nascentes do Rio Juliana Com o objetivo de promover a recuperação florestal de nascentes e matas ciliares do rio Juliana, principal bacia hidrográfica da APA do Pratigi, o projeto plantou árvores em APP, priorizando nascentes. A metodologia utilizada aliou o plantio de mudas de espécies nativas e em seu entorno como num abraço verde a implantação de Sistemas Agroflorestais, gerando renda para o pequeno produtor rural. Realizado em caráter experimental, hoje, o projeto resulta na transformação de uma paisagem degradada alinhando produção sustentável com conservação da biodiversidade e geração de serviços ambientais. Antes 2012 Depois 2015 Sumário Anterior Próximo

9 Restaurando Serviços Ambientais nas Sub-bacias do Mina Nova e Vargido As restaurações propostas pelo projeto aconteceram em áreas predeterminadas em APP e áreas de drenagens que alimentam as 72 principais nascentes destas sub- -bacias. As atividades aconteceram de forma sinérgica com o projeto piloto de Pagamentos por Serviços Ambientais, Produtor de Água Pratigi, também executado pela OCT. Além do plantio de aproximadamente 85 mil mudas, os agricultores envolvidos participaram de capacitações em educação ambiental e técnicas de reflorestamento. O projeto foi executado com o apoio do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio). Antes 2012 Depois 2015 Sumário Anterior Próximo

10 Antes 2013 Depois 2015

11 Águas do Sem Fim A iniciativa de restauração foi financiada pelo FNMA e teve como finalidade a restauração de matas ciliares do Rio dos Cágados, com o apoio dos moradores dessa região. Para o desenvolvimento do projeto, a OCT firmou parceria com as Associações Quilombola da Ingazeira e Lagoa Santa, que junto com seus associados produziram mudas de espécies nativas da Mata Atlântica, que atenderam a demanda dos plantios. A produção dessas mudas, de 60 diferentes espécies, foi realizada a partir da coleta de sementes e plântulas nos remanescentes de cada propriedade. Com os recursos recebidos pela produção das mudas as associações investiram na melhoria de suas sedes, escolas e bibliotecas das comunidades. viveiro rústico na comunidade da Lagoa Santa Antes 2008 Depois 2015 Sumário Anterior Próximo

12 Antes 2008 Depois 2009 Depois 2014 Sumário Anterior Próximo

13 Carbono Neutro Pratigi O Carbono Neutro Pratigi é uma iniciativa da OCT que existe desde 2012 tendo a premissa de neutralizar e compensar a pegada de carbono de pessoas física e jurídica e eventos corporativos através de ações de reflorestamento. O objetivo principal do projeto é a remoção de Gases de Efeito Estufa (GEE) por meio da recuperação de APP degradadas, prioritariamente, em nascentes de imóveis rurais. Jovan Nascimento, proprietário de nascente restaurada pelo Carbono Neutro Pratigi Antes 2012 Depois 2015 Sumário Anterior Próximo

14 Saíra Militar Tangara cyanocephala resultados Sumário Anterior Próximo

15 Comercialização de 465 kg de sementes Sumário Anterior Próximo

16 fauna Preguiça de Coleira Bradypus torquatus A APA do Pratigi apresentou a maior Biodiversidade de Mamíferos, entre as áreas do Programa de Pesquisa de Biodiversidade da Mata Atlântica e 40% das espécies de aves do Estado da Bahia. Sumário Anterior Próximo

17 flora Temos uma riqueza de 398 espécies arbóreas por hectare de Floresta. Sumário Anterior Próximo

18 oct.org.br Núcleo da Papuã Estrada Parque da Cidadania, Km 6 (entrada do Km 368 da BA101) Ibirapitanga - Bahia (73)

Projeto Agrupado de Reflorestamento na Área de Proteção Ambiental do Pratigi. OCT Organização de Conservação da Terra do Sul da Bahia Volney Fernandes

Projeto Agrupado de Reflorestamento na Área de Proteção Ambiental do Pratigi. OCT Organização de Conservação da Terra do Sul da Bahia Volney Fernandes Folha de rosto CCB i.nome do projeto: ii. Localização do projeto iii. Proponente do projeto iv. Auditor Projeto Agrupado de Reflorestamento na Área de Proteção Ambiental do Pratigi Bahia, Brasil OCT Organização

Leia mais

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo

4 Núcleos de Trabalho. 26 Colaboradores. Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo Entidade civil sem fins lucrativos de caráter socioambiental, fundada em 1996, sediada na cidade de São Paulo 4 Núcleos de Trabalho São Paulo Porto Feliz Pilar do Sul Capão Bonito 26 Colaboradores eng.

Leia mais

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica

Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Manual para Elaboração dos Planos Municipais para a Mata Atlântica Rede de ONGs da Mata Atlântica RMA Apoio: Funbio e MMA Papel do Município no meio ambiente Constituição Federal Art 23 Competência Comum,

Leia mais

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida

Projeto Nascentes Urbanas. MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida Projeto Nascentes Urbanas MÓDULO BÁSICO Autora : Deise Nascimento Proponente: OSCIP Instituto Árvore da Vida O projeto Nascentes Urbanas conjuga ações de recuperação e preservação ambiental, abrange o

Leia mais

PROTEÇÃO DE NASCENTES. Pensando no amanhã

PROTEÇÃO DE NASCENTES. Pensando no amanhã PROTEÇÃO DE NASCENTES Pensando no amanhã Ciclo Hidrológico Nascentes de água Nascente sem acúmulo inicial Área de Preservação Permanente Área de Preservação Permanente Área destinada à Reserva Legal

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO Etapas do PMMA Organização do processo de elaboração do Plano Municipal da Mata Atlântica MOBILIZAÇÃO QUE CO SO ANÁLISE PRON CO VO Definição da Visão de Futuro DIAGNÓSTICO QUE CO

Leia mais

6 ENCONTRO NACIONAL DO CB27 PALMAS. Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS

6 ENCONTRO NACIONAL DO CB27 PALMAS. Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS PALMAS Tocantins PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS E FLORESTAS URBANAS Natal, Julho de 2015 I INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DO MUNICÍPIO: População: 265.409 Habitantes. Área: 2.218,943 Km². Área verde

Leia mais

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF

Programa Plante Árvore. Instituto Brasileiro de Florestas - IBF Programa Plante Árvore Instituto Brasileiro de Florestas - IBF O que é? O Programa Plante Árvore é uma ação voluntária do Instituto Brasileiro de Florestas IBF que consiste no cadastro de proprietários

Leia mais

Ações Ambientais da Veracel. Virgínia Londe de Camargos Especialista Ambiental Veracel Celulose S.A.

Ações Ambientais da Veracel. Virgínia Londe de Camargos Especialista Ambiental Veracel Celulose S.A. Ações Ambientais da Veracel Virgínia Londe de Camargos Especialista Ambiental Veracel Celulose S.A. Núcleo Florestal Plantios Comerciais Fábrica Terminal Marítimo de Belmonte Certificações A Veracel trabalha

Leia mais

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO

MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO MÓDULO IV PLANO DE AÇÃO ETAPA I MÓDULO I: Organização do processo de elaboração e Mobilização PT/ MOBILIZAÇÃO quecoso Etapas do PMMA ETAPA II proncovo MÓDULO II: Elaboração do Diagnóstico da Situação Atual

Leia mais

2 Histórico e tendências atuais da recuperação ambiental

2 Histórico e tendências atuais da recuperação ambiental 2 Histórico e tendências atuais da recuperação ambiental Danilo Sette de Almeida SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ALMEIDA, DS. Histórico e tendências atuais da recuperação ambiental. In: Recuperação

Leia mais

Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL

Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL Silvicultura de nativas aplicada a restauração de APP e RL Ana Paula Corrêa do Carmo 28/10/09 Reunião Técnica IPEF Silvicultura de Nativas aplicada à restauração: Conceitos e ações prioritárias Restauração

Leia mais

AGENDA DE DESENVOLVIMENTO DA ZONA DA MATA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DA ZONA DA MATA

AGENDA DE DESENVOLVIMENTO DA ZONA DA MATA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DA ZONA DA MATA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO DA ZONA DA MATA PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DA ZONA DA MATA Eixos Temáticos: 1. Desenvolvimento Industrial 2. Desenvolvimento do Agronegócio 3. Desenvolvimento Ambiental

Leia mais

Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados

Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados Agenda de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Cerrados Definição A Agenda de P&D da Embrapa Cerrados é um documento de caráter estratégico, construído em consonância com o Sistema de Inteligência Estratégica

Leia mais

Receitas e Projetos Receitas e Projetos

Receitas e Projetos Receitas e Projetos Receitas e Projetos - 1999 FONTE 21,300.00 Fundação Francisco Recuperação de áreas degradadas da mata atlântica. Elaboração de banco de dados, registro e documentação e calendário 1999. 4,542.52 Stadt

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS CONFEA / CREA E O PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS William Alvarenga Portela Engenheiro Agrônomo Tel.: (12) 9 7408-5000 william@portelaambiental.com.br São José dos Campos - SP Arborização

Leia mais

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS CONFEA / CREA E O PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE NASCENTES EM ÁREAS URBANAS William Alvarenga Portela Engenheiro Agrônomo Tel.: (12) 9 7408-5000 william@portelaambiental.com.br São José dos Campos - SP Arborização

Leia mais

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR

MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR MISSÃO Promover o conhecimento, o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal, tornando a agenda florestal estratégica para a economia do país. MANEJO FLORESTAL COMUNITÁRIO E FAMILIAR Diretoria

Leia mais

RELATÓRIO DO PROJETO PLANTE BONITO

RELATÓRIO DO PROJETO PLANTE BONITO RELATÓRIO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CÓRREGO ITAMARATY ESTÂNCIA MIMOSA - BONITO MS. 1. Apresentação: Dando continuidade ao Projeto Plante Bonito que tem como principais objetivos a

Leia mais

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Adaptado de Érika Cortinez- UFRRJ Contextualizando Cadeia Produtiva da Restauração Florestal SEA, 2010 Viveiros florestais permanentes Tem

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO As florestas e demais formas de vegetação são reconhecidas no Brasil como bens de interesse comum a todos os habitantes do país, sendo que algumas destas áreas, legalmente determinadas

Leia mais

MARCO LÓGICO DO HOTSPOT CERRADO

MARCO LÓGICO DO HOTSPOT CERRADO MARCO LÓGICO DO HOTSPOT CERRADO 2016-2021 Objetivo Metas Meios de Verificação Premissas Importantes Envolver a sociedade civil na conservação da biodiversidade globalmente ameaçada, por meio de investimentos

Leia mais

Relatório Técnico de Atividades Projeto De Olho nos Olhos II

Relatório Técnico de Atividades Projeto De Olho nos Olhos II Relatório Técnico de Atividades Projeto De Olho nos Olhos II Relatório n 06 - Ref.: Ago/Set/2012 - Acompanhamento das nascentes cercadas e controle das formigas cortadeiras Iniciando o segundo semestre

Leia mais

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz Não é possível exibir esta imagem no momento. II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz 1 Longo e grave histórico de conflitos( ES e BA ) Relacionamento com comunidades

Leia mais

hortos florestais estaduais

hortos florestais estaduais horto central florestal santos lima (hcfsl) Avenida José Dantas dos Santos, n 35, Parque Itaporanga Município de Santa Maria Madalena RJ CEP 28770-000 Telefones: (22) 25613110 E-mail: hortosantoslima@inea.rj.gov.br

Leia mais

Restauração de Matas Ciliares e Áreas Degradadas. LCB 0217 Prof. Flávio Gandara Prof. Sergius Gandolfi

Restauração de Matas Ciliares e Áreas Degradadas. LCB 0217 Prof. Flávio Gandara Prof. Sergius Gandolfi Restauração de Matas Ciliares e Áreas Degradadas LCB 0217 Prof. Flávio Gandara Prof. Sergius Gandolfi DEGRADAÇÃO AMBIENTAL COMO PROCESSO Vantagens Indiretas da Presença de Florestas Nativas POLINIZAÇÃO

Leia mais

Sistema Agroflorestal no Assentamento Poções

Sistema Agroflorestal no Assentamento Poções Sistema Agroflorestal no Assentamento Poções Silva, Mônica Lau. IFG-Campus Ceres, e-mail: mltopografia@ibest.com.br Ferreira, Mariane Gonçalves. IFG-Campus Ceres, e-mail: marianegferreira@hotmail.com Cavalcante

Leia mais

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos...

Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos... Terminologia, Conceitos, definições e esclarecimentos......para facilitar a comunicação sobre o Código Florestal Brasileiro!!! por Renata Evangelista de Oliveira FCA-UNESP- Doutorado em Ciência Florestal

Leia mais

Restauração Florestal de Áreas Degradadas

Restauração Florestal de Áreas Degradadas Restauração Florestal de Áreas Degradadas Seminário Paisagem, conservação e sustentabilidade financeira: a contribuição das RPPNs para a biodiversidade paulista 11/11/ 2016 Espírito Santo do Pinhal (SP)

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

Guarapari/ES SESC, 23 a 26 de Outubro de 2012

Guarapari/ES SESC, 23 a 26 de Outubro de 2012 Guarapari/ES SESC, 23 a 26 de Outubro de 2012 EPÍGRAFE ASPECTOS HISTÓRICOS E AMBIENTAIS: quando, onde e como? A história: Quando e onde tudo começou... DIFERENCIAL DA CABRUCA...... A PAISAGEM Região Cacaueira

Leia mais

Projeto De Olho nos Olhos

Projeto De Olho nos Olhos 2 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Ref.: Abril a Julho / 2017 Projeto De Olho nos Olhos A nova fase do projeto iniciou em novembro de 2016, tendo como meta até Dezembro de 2018 o plantio de 130 mil mudas de árvores

Leia mais

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica

O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica O Código Florestal nos Estados da Mata Atlântica Este relatório foi produzido para a Fundação SOS Mata Atlântica sob contrato firmado entre as partes em

Leia mais

Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste

Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Mobilização e Capacitação para Elaboração dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Região Sudeste Contexto do Projeto Lei da Mata Atlântica (Lei nº 11.428 de 22/12/2006) e Decreto

Leia mais

Restauração Ecológica

Restauração Ecológica Restauração Ecológica A importância das florestas Seres humanos e sociedade: uso de recursos direta e indiretamente Diretamente: madeira para móveis, lenha, carvão, frutos, sementes e castanhas, óleos,

Leia mais

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social.

COPA VERDE. Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Exemplo de sustentabilidade ambiental aliada à inclusão social. COPA VERDE Inventário e neutralização das emissões de carbono das obras da Arena Pantanal Parceria: Instituto Ação Verde (convênio

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

rio Xingu aproximadamente 2,7 mil quilômetros de extensão Campanha Y Ikatu Xingu

rio Xingu aproximadamente 2,7 mil quilômetros de extensão Campanha Y Ikatu Xingu rio Xingu aproximadamente 2,7 mil quilômetros de extensão Campanha Y Ikatu Xingu Paisagens da Bacia do rio Xingu Localização da Bacia do rio Xingu Total da Bacia (MT/PA): 51 milhões de hectares Ecossistemas

Leia mais

Unidade de Doações Nacionais e Internacionais

Unidade de Doações Nacionais e Internacionais Relatório anual funbio 2015 3 Unidade de Doações Nacionais e Internacionais Unidade de Doações Nacionais e Internacionais Relatório anual funbio 2015 5 O projeto envolveu 21 famílias de agricultores familiares,

Leia mais

IV Semana de Engenharia Florestal. Estratégia de Relacionamento Fibria

IV Semana de Engenharia Florestal. Estratégia de Relacionamento Fibria IV Semana de Engenharia Florestal Estratégia de Relacionamento Fibria Estratégia de Relacionamento Fibria Um Passado de Conflitos Um Presentede Diálogo Um Futuro de Cooperação Pauta 1. Fibria Quem somos?

Leia mais

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO A parceria do UFF inclui ONGs, institutos de setores de salvaguarda ambiental e social, peritos do sector financeiro e consultores

Leia mais

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia

Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo. Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Necessidades e Oportunidades de Investimentos no Agronegócio: da Pesquisa ao Consumo Como chegar ao campo os avanços da ciência e da tecnologia Como transmitir o conhecimento às Assistência Técnica: pessoas

Leia mais

13 Ações positivas para conservação e restauração da Mata Atlântica nos estados e municípios

13 Ações positivas para conservação e restauração da Mata Atlântica nos estados e municípios 13 Ações positivas para conservação e restauração da Mata Atlântica nos estados e municípios Danilo Sette de Almeida SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ALMEIDA, DS. Ações positivas para conservação

Leia mais

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra;

A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; A ECO-92 resultou na elaboração dos seguintes documentos oficiais: A Carta da Terra; três convenções Biodiversidade, Desertificação e Mudanças climáticas; uma declaração de princípios sobre florestas;

Leia mais

PROGRAMA: RESTAURAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CURSOS D ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO LAJEADO CRUZEIRO FASE II

PROGRAMA: RESTAURAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CURSOS D ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO LAJEADO CRUZEIRO FASE II PROGRAMA: RESTAURAÇÃO E CONSERVAÇÃO DOS CURSOS D ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO LAJEADO CRUZEIRO FASE II Rafael Leão 1; Murilo Anzanello Nichele 1; André Leão 1; Helga Cristina Fuhrmann Dinnebier¹; João

Leia mais

CORREDOR ECOLÓGICO DA MANTIQUEIRA COMO E PORQUE PLANEJAR

CORREDOR ECOLÓGICO DA MANTIQUEIRA COMO E PORQUE PLANEJAR CORREDOR ECOLÓGICO DA MANTIQUEIRA COMO E PORQUE PLANEJAR Corredor Ecológico da Mantiqueira Corredor Ecológico da Mantiqueira Fonte: Conservação Internacional Corredor Ecológico da Mantiqueira Justificativa

Leia mais

Seminário Certificação e Fomento Florestal

Seminário Certificação e Fomento Florestal Programa Klabin Fomento Florestal Seminário Certificação e Fomento Florestal Diálogo Florestal Canoinhas SC Out 2012 Fomento Florestal Fomento Florestal tem o objetivo formar florestas produtivas em áreas

Leia mais

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal

Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal. José Totti Diretor Florestal Um modelo sustentável de arranjo produtivo de base florestal José Totti Diretor Florestal 111 anos de tradição Maior produtora e exportadora e recicladora de papéis do País Líder na produção de papéis

Leia mais

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294

Treinamento: Gestão Ambiental da Propriedade Rural Cód. 294 Código Ambiental Atualizado Santa Catarina Santa Catarina é o primeiro estado brasileiro em aprovar e fazer virar lei um código ambiental independente da legislação federal (é importante salientar que

Leia mais

Gerência de Assessoramento Técnico ao Agronegócio Gerag SP

Gerência de Assessoramento Técnico ao Agronegócio Gerag SP Gerência de Assessoramento Técnico ao Agronegócio Gerag SP Diretoria de Agronegócios Gerag São Paulo Safra 2012/2013 Programa ABC Agricultura de Baixo Carbono ABC - Mitigar a Emissões de GEE pela Agropecuária

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15

GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 GRUPO DE TRABALHO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Kharen Teixeira (coord.) Uberlândia, 29/04/15 Portaria CTPI 23/2013 Atribuições: I Propor diretrizes e ações de Educação Ambiental relacionadas aos recursos hídricos

Leia mais

Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd.

Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd. Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd. Processo Chave Source: Carlos A. Peres The Amazon region Processo Chave Source: Rhett A.

Leia mais

7ª Reunião 2017 CPB/COPAM Belo Horizonte, 23 de julho de 2017

7ª Reunião 2017 CPB/COPAM Belo Horizonte, 23 de julho de 2017 7ª Reunião 2017 CPB/COPAM Belo Horizonte, 23 de julho de 2017 Bosques Modelo 1. O que são Bosques Modelo? 2. Que princípios norteiam os Bosques Modelo? 3. Rede Iberoamericana 4. Bosque Modelo Mosaico Sertão

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL TOTAL ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL NÚCLEO DE CONTEÚDOS ÁREA DE FORMAÇÃO MATÉRIAS DISCIPLINAS CH T P 1º PERÍODO Silvicultura Ecossistemas Florestais Introdução à Engenharia Florestal

Leia mais

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43)

Proposta de Parceria Cursos IBF. ibflorestas.org.br (43) Proposta de Parceria Cursos IBF ibflorestas.org.br jessica.silva@ibflorestas.org.br (43) 3324-7551 Investimento Quem Somos O IBF atua no desenvolvimento do setor ambiental brasileiro, ajudando empresas

Leia mais

CORREDOR DE BIODIVERSIDADE DO ARAGUAIA

CORREDOR DE BIODIVERSIDADE DO ARAGUAIA CORREDOR DE BIODIVERSIDADE DO ARAGUAIA CORREDOR DE BIODIVERSIDADE Região de grande importância biológica onde são desenvolvidas atividades visando associar a proteção da biodiversidade com o desenvolvimento

Leia mais

PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO?

PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO? PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO? II SEMINÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DA MADEIRA Eng. Ftal. Flavio Sérgio Mendes Lages, 22 de Setembro de 2005 SIM, PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO. Quais as premissas que foram

Leia mais

PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) ARIOSTO ANTUNES CULAU

PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) ARIOSTO ANTUNES CULAU PORTARIA N o 29 DE 21 DE SETEMBRO DE 2006 (publicada no DOU de 22/09/2006, seção I, página 105) O SECRETÁRIO DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2003

RELATÓRIO ANUAL 2003 RELATÓRIO ANUAL 2003 RELATÓRIO ANUAL DO PROJETO COPAÍBA - 2003 MISSÃO DO PROJETO COPAÍBA Promover a preservação, recuperação e conscientização ambientais, contribuindo assim para a convivência harmônica

Leia mais

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo

Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo Resumo Público do Plano de Manejo Florestal da Fazenda Citróleo CITRÓLEO INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ÓLEOS ESSECIAIS LTDA FAZENDA CITRÓLEO BAIRRO TRES PINHEIROS CEP 37.443-000 BAEPENDI / MG CNPJ 51.527.190/0002-11

Leia mais

LACERDA, Liliane. IASB,

LACERDA, Liliane. IASB, 109 - Sistemas agroflorestais como alternativa de recuperação de matas ciliares e geração de renda em pequenas propriedades às margens do Rio Mimoso, em Bonito, MS LACERDA, Liliane. IASB, iasb@iasb.org.br.

Leia mais

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PORTO ALEGRE, 31 de Outubro de 2016

PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PORTO ALEGRE, 31 de Outubro de 2016 VI FÓRUM INTERNACIONAL DE GESTÃO AMBIENTAL PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS PORTO ALEGRE, 31 de Outubro de 2016 Marcia Silva Stanton Fonte: tripadvisor Pousada Flor de Açucena SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS

Leia mais

Keila Malvezzi da Silva

Keila Malvezzi da Silva Súmula Curricular (jul/2016) Keila Malvezzi da Silva 1 Formação 1999-2006 Graduação em Psicologia Universidade Mackenzie, São Paulo-SP 2012-2016 Graduação em Agronomia Faculdade Integral Cantareira, São

Leia mais

AVALIAÇÕES AMBIENTAIS

AVALIAÇÕES AMBIENTAIS AVALIAÇÕES AMBIENTAIS Avaliação Ambiental em Áreas Contaminadas Barreiras de Contenção Mobilização de Equipe Análise da Contaminação Avaliação de Impactos em APP AVALIAÇÕES AMBIENTAIS Avaliações Ambientais

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA JAQUES WAGNER - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO - SECRETÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ ADÉLIA MARIA CARVALHO

Leia mais

Figura 1 Corredor de Biodiversidade Miranda Serra da Bodoquena e suas unidades de conservação

Figura 1 Corredor de Biodiversidade Miranda Serra da Bodoquena e suas unidades de conservação Apresentação Os Corredores de Biodiversidade são grandes unidades de planejamento que têm como principal objetivo compatibilizar a conservação da natureza com um desenvolvimento econômico ambientalmente

Leia mais

A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção?

A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção? A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção? José Maria Cardoso da Silva & Adriano Paglia Conservação Internacional-Brasil Biodiversidade no Brasil Biodiversidade em vários níveis

Leia mais

CMRV Panorama Amapaense

CMRV Panorama Amapaense Governo do Estado do Amapá Secretaria de Estado do Desenvolvimento Rural - SDR Instituto Estadual de Florestas do Amapá IEF/AP CMRV Panorama Amapaense Mariane Nardi Christianni Lacy Soares Redd+ para o

Leia mais

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão

Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de. reserva legal e áreas de preservação permanente, possivelmente terão Panorama Global Crescente preocupação com relação aos IMPACTOS AMBIENTAIS Panorama Nacional Propriedades rurais que possuam algum passivo ambiental, em termos de reserva legal e áreas de preservação permanente,

Leia mais

O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E

O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E O PRA em São Paulo SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS 1 3 D E MAIO D E 2 0 16 Principais pontos: Programa de parcerias para implantar o PRA Definição e aplicação de incentivos econômicos Complementar a regulamentação

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL: Avanços e Diretrizes do Sistema Ambiental Paulista. TRÊS ANOS DE CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO - ENCONTRO DE SÃO PAULO Maio/2015

CÓDIGO FLORESTAL: Avanços e Diretrizes do Sistema Ambiental Paulista. TRÊS ANOS DE CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO - ENCONTRO DE SÃO PAULO Maio/2015 CÓDIGO FLORESTAL: Avanços e Diretrizes do Sistema Ambiental Paulista TRÊS ANOS DE CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO - ENCONTRO DE SÃO PAULO Maio/2015 Atualizações sobre o SICAR-SP Sistema instituído em 05/06/2013

Leia mais

Cacau e Pecuária na Amazônia: Análise de Meios de Vida em São Félix do Xingu - PA

Cacau e Pecuária na Amazônia: Análise de Meios de Vida em São Félix do Xingu - PA Cacau e Pecuária na Amazônia: Análise de Meios de Vida em São Félix do Xingu - PA Por: Daniel Braga 1 Como principais estratégias econômicas do meio rural, em São Félix do Xingu - PA, o cacau e a pecuária

Leia mais

hortos florestais estaduais atenção: Funcionam de segunda a sexta-feira, das 7 às 16h

hortos florestais estaduais atenção: Funcionam de segunda a sexta-feira, das 7 às 16h hortos florestais estaduais horto central florestal santos lima (hcfsl) Avenida José Dantas dos Santos, n 35, Parque Itaporanga Município de Santa Maria Madalena RJ CEP 28760-000 Telefones: (22) 25613110

Leia mais

A Reserva da Biosfera - RBCV

A Reserva da Biosfera - RBCV RESERVA DA BIOSFERA anos 15 DO CINTURÃO VERDEDA CIDADEDESÃO PAULO - MAB - UNESCO A Reserva da Biosfera - RBCV Reservas da Biosfera são figuras criadas em 1976 no âmbito do Programa O Homem e a Biosfera

Leia mais

9.Dimensão Ambiental

9.Dimensão Ambiental 9.Dimensão Ambiental Recinto das Capivaras Centro de Biodiversidade da Usiminas (Cebus) Ipatinga/MG 101 102 A Usiminas investiu R$ 174 milhões em ações de proteção ambiental e fortaleceu as práticas integradas

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 059-P

FICHA PROJETO - nº 059-P FICHA PROJETO - nº 059-P PADEQ Grande Projeto 1) TÍTULO: Apoio a Alternativas Sustentáveis no Território Portal da Amazônia. 2)MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Nova Guarita, Terra Nova do Norte MT. 3)LINHA

Leia mais

Programa Municípios Sustentáveis

Programa Municípios Sustentáveis Programa Municípios Sustentáveis Objetivo geral: Promover o desenvolvimento sustentável dos municípios da Amazônia Mato-grossense, através do fortalecimento da economia local, da melhoria da governança

Leia mais

Os OITO Elementos da Restauração. Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP

Os OITO Elementos da Restauração. Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP Os OITO Elementos da Restauração Sergius Gandolfi LERF/LCB/ESALQ/USP COEXISTÊNCIA ENTRE ECOSSISTEMAS NATURAIS E AGROECOSSISTEMAS 1.Diagnóstico 2.Prescrição = Terapias / Cirurgias 3.Acompanhamento O primeiro

Leia mais

PREFEITURA DE OURO VERDE DO OESTE PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DO USO DO SOLO E ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PREFEITURA DE OURO VERDE DO OESTE PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DO USO DO SOLO E ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL PREFEITURA DE OURO VERDE DO OESTE PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS DO USO DO SOLO E ÁGUA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL OURO VERDE DO OESTE PR 2016 SUMÁRIO 1 INFORMAÇÕES... 2 2 DIAGNÓSTICO... 2 3 JUSTIFICATIVA... 3 4

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil TERMO DE REFERÊNCIA Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil Contextualização e justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal

Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal 14º Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Tendências e Perspectivas dos Serviços Terceirizados na Atividade Florestal 22/Agosto/06 GRUPO SUZANO 2 Grupo Suzano

Leia mais

Relatório Plante Bonito Área: RPPN Cabeceira do Prata

Relatório Plante Bonito Área: RPPN Cabeceira do Prata Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais

LEI Nº 9097/2012, de 18 de outubro de 2012.

LEI Nº 9097/2012, de 18 de outubro de 2012. LEI Nº 9097/2012, de 18 de outubro de 2012. Procedência: Vereador Edinon Manoel da Rosa (Dinho) Natureza: Projeto de Lei nº 13706/2009 DOM Edição nº 836 de 26/10/2012 Fonte: CMF/Gerência de Documentação

Leia mais

DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA

DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA IFRJ- CAMPUS NILO PEÇANHA PINHEIRAL DESFLORESTAMENTO DA MATA ATLÂNTICA Profa. Cristiana do Couto Miranda Ecossistema em equilíbrio funções Serviços ambientais Interações meio biótico (organismos vegetais,

Leia mais

Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc.

Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc. RESERVA LEGAL FLORESTAL Aspectos jurídicos Prof. Guilhardes de Jesus Júnior, MSc. O QUE É A RESERVA LEGAL FLORESTAL? Segundo o Código Florestal (Lei 4.771/65), é a área localizada no interior de uma propriedade

Leia mais

Restauração de paisagens e florestas

Restauração de paisagens e florestas Restauração de paisagens e florestas Desenvolvimento de estratégias subnacionais e integração de agendas globais Marco Terranova Um conceito com enfoque na funcionalidade dos ecossistemas A restauração

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formando Cidadãos para um Futuro Sustentável

PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formando Cidadãos para um Futuro Sustentável PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formando Cidadãos para um Futuro Sustentável Água Passeio na Mata Viveiro de Mudas Resíduos Sólidos Controle Biológico Observação de Aves O Parque Aimaratá está de portas

Leia mais

A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1

A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1 A VISÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA AS ÁREAS CILIARES 1 Ana Maria Pereira Amaral, Engenheira Agrônonoma, mestrado em Agronomia, doutorado em Teoria Econômica Aplicada pela ESALQ/USP. Atualmente é Assessora

Leia mais

Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica

Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica Municípios são essenciais para a conservação da Mata Atlântica Categories : Colunistas Convidados A Mata Atlântica, um dos hotspots mundiais de biodiversidade, possui uma das mais atuantes redes institucionais

Leia mais

Curso de Engenharia Florestal

Curso de Engenharia Florestal Curso de Engenharia Florestal Dados Gerais sobre o curso Local: Campus Universitário de Gurupi Formação: Barechal Criação: Resolução CONSEPE/UFT N Implantação: 2 Sem./2007 05/2006, de 24/05/2006. Reconhecimento:

Leia mais

Localizada a 90 km de São Paulo Região Sudeste

Localizada a 90 km de São Paulo Região Sudeste População 586.625 hab. (IBGE 2010) Área 449,12 km² Densidade Demográfica 1.306,16 hab./km² PIB R$ 13.072.889,43 (SEADE 2008) PIB per capita R$ 22.284,90 (SEADE 2010) Crescimento Populacional 1,75%/ano

Leia mais

AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre

AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre AGROECOLOGIA TECNÓLOGO Oferta por meio do SiSU 2º semestre DESCRIÇÃO DO CURSO: O Curso Superior de Tecnologia em Agroecologia forma profissionais para desenvolver, de modo pleno e inovador, as atividades

Leia mais

Financiamento de Projetos e Responsabilidade Socioambiental 20/10/2017

Financiamento de Projetos e Responsabilidade Socioambiental 20/10/2017 Financiamento de Projetos e Responsabilidade Socioambiental 20/10/2017 Legislação Constituição Federal Meio Ambiente - art. 225, 3º Ordem Econômica e Financeira art. 170, VI Política Nacional de Meio Ambiente

Leia mais

Políticas ticas Públicas para o Setor Florestal Linhas de Crédito. dito. 27 de outubro de 2006 ESALQ - PIRACICABA

Políticas ticas Públicas para o Setor Florestal Linhas de Crédito. dito. 27 de outubro de 2006 ESALQ - PIRACICABA PROGRAMA NACIONAL DE FLORESTAS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA Políticas ticas Públicas para o Setor Florestal Linhas de Crédito dito 27 de outubro de 2006 ESALQ - PIRACICABA SITUAÇÃO ATUAL DOS BIOMAS

Leia mais

Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente

Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente 45 Levantamento de conteúdo para o sistema WebAmbiente Meiry Helen Bordim 1 Alan Massaru Nakai 2 Resumo: O WebAmbiente é um sistema que está sendo desenvolvido pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT

Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT Identificação de Áreas Prioritárias para Recuperação Município de Carlinda MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol A Agenda 21 Local é um processo participativo de consulta sobre os problemas ambientais,

Leia mais

Operações Florestais Fibria Aracruz

Operações Florestais Fibria Aracruz Situação Atual e Tendências do Sistema de Integração Produtor Indústria Fomento Florestal QUEM SOMOS Somos uma empresa brasileira com forte atuação no mercado global de produtos florestais. Empresa líder

Leia mais