Guia de apoio à marcação CE NP EN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de apoio à marcação CE NP EN"

Transcrição

1 Seminário Aplicação da normalização europeia e da marcação CE à caixilharia exterior Guia de apoio à marcação CE NP EN Engº Mecânico NAICI/DED Marcação CE 1

2 Especificações técnicas caixilharia > Normas harmonizadas EN : 2006 o Janelas e janelas de sacada, Janelas de cobertura, Portas pedonais o Perfis de alumínio, madeira, PVC e alumínio com corte térmico EN 13830: 2004 o Fachadas-cortina > ETA - Aprovação técnica com Guia (ETAG) Sistemas com vidros exteriores colados (VEC) > ETA - Aprovação técnica sem Guia ao abrigo do artigo 9(2) da DPC. Aplicável a sistemas inovadores não abrangidos por normas ou ETAG Sistemas com vidros fixos pontualmente (vidros agrafados) >A marcação CE ao abrigo de ETA é voluntária! 2

3 Avaliação da conformidade > Os requisitos mínimos da Comprovação da Conformidade estão incluídos nas especificações técnicas (anexo ZA das normas harmonizadas e capitulo 8 das ETA). > As ENh contêm partes harmonizadas e partes não harmonizadas. As partes harmonizadas abrangem o cumprimento estrito das exigências da directiva; as partes não harmonizadas dão coerência à totalidade da norma e contêm requisitos e informação adicionais importantes se bem que não obrigatórios. Avaliação da conformidade > A identificação dos requisitos relacionados com a DPC constam do anexo informativo ZA (capítulo 8 nas ETA) que inclui três secções: ZA.1: Quadros com as referências aos capítulos da norma (partes harmonizadas) que dão resposta ao mandato da Comissão Europeia. ZA.2: Procedimentos de avaliação da conformidade, isto é, metodologias estabelecidas para demonstrar a conformidade dos produtos com as especificações técnicas declaração de conformidade. ZA.3: Condições e regras gerais para a marcação e etiqueta CE que afixadas num produto lhe conferem presunção de conformidade com os requisitos essenciais da directiva. 3

4 Sistema 3 de AoC >O sistema 3 aplicável à avaliação da conformidade da generalidade das portas pedonais exteriores e janelas e requer sempre: A realização de ensaios de tipo inicial (ITT Initial Type Test) ao produto, sobre as características estabelecidas na tabela ZA.3b do Anexo ZA da norma (ver anexo A.1), a efectuar por um laboratório notificado à Comissão Europeia para esta actividade; A implementação pelo fabricante de um sistema de controlo interno de produção (FPC Factory Production Control), relativo às principais características a declarar pelo fabricante na etiqueta da marcação CE do seu produto. Avaliação da conformidade > A exigência de avaliação da conformidade é necessária para demonstrar: Por ensaio de tipo inicial (ITT) oo produto está conforme com as exigências da Especificação Técnica oo desempenho declarado representa o comportamento real do produto Por controlo interno da produção (FPC) oas declarações baseadas em ITT se mantêm válidas para produtos subsequentes oas declarações feitas por diferentes fabricantes são fiáveis e verdadeiramente comparáveis odeterminadas com um nível de confiança equivalente opodem ser usados para satisfazer as classes ou níveis exigidos nas obras Laboratório Nacional de Engenharia Civil 4

5 Declaração de conformidade > No caso de produtos sob o sistema 3 de AoC: quando é obtida a conformidade com os requisitos deste anexo, o fabricante ou o seu agente estabelecido no EEE deve redigir e manter uma declaração de conformidade (Declaração de Conformidade da CE), a qual habilita o fabricante a apor a marcação CE. > Esta declaração deve incluir: o nome e morada do fabricante; a descrição do produto (tipo, identificação, uso, etc.) e uma cópia da informação que acompanha a marcação CE; as disposições com as quais o produto se encontra em conformidade (por exemplo: Anexo ZA da presente Norma Europeia); Declaração de conformidade as condições particulares aplicáveis ao uso do produto (por ex. disposições para uso sob determinadas condições); o nome e morada do(s) laboratório(s) notificado(s); o nome e a função da pessoa habilitada a assinar a declaração. em nome do fabricante ou do seu representante autorizado. >A declaração e o certificado acima mencionados devem ser apresentados na língua oficial do Estado Membro no qual o produto se destina a ser usado 5

6 Marcação CE 6

7 Nova redacção do artigo 17º RGEU Data de implementação da Marcação CE >Janelas NP EN : 1 de Fevereiro de Inicio do período de coexistência (data a partir da qual é possível efectuar a marcação CE); 1 de Fevereiro de Fim do período de coexistência (data a partir da qual é obrigatória a marcação CE). >Fachadas-cortina: EN 13830: 2003 Fim do período de coexistência 30 Novembro de 2005 Entrada em vigor em 1 Dezembro de

8 Guia 8

9 Exemplo de ITT 9

10 10

11 ANEXO A ENSAIOS DE TIPO INICIAIS (ITT) A.1 ENSAIOS A REALIZAR A.1.1 ITT para janelas de peitoril e de sacada A.1.2 ITT para janelas de cobertura A.1.3 ITT para portas pedonais exteriores A.1.4 Indicações da norma sobre as dimensões dos protótipos para ensaio ou cálculo A.2 FAMÍLIAS DE PRODUTOS E SOLUÇÕES MAIS DESFAVORÁVEIS (ITT) A.2.1 Dimensão e configuração do vão A.2.2 Movimento das folhas A.2.3 Componentes da janela A.2.4 Caixilhos compostos A.2.5 Vidros das janelas A.2.6 Janelas com caixa de estore incorporada A.2.7 Madeira em janelas A.2.8 Alteração na concepção ou nos componentes do produto A.2.9 Exemplo de protótipos a submeter aos ITT A Exemplo de um sistema de batente A Exemplo de um sistema de correr A.2.10 Exemplo de informação a fornecer pelo detentor do sistema/fabricante A Definição do sistema e do campo de aplicação A Características de desempenho da série com base nos ITT A Instruções de fabrico e instalação das janelas A Instalação das janelas em obra A Calços dos vidros ANEXO B CONTROLO INTERNO DA PRODUÇÃO (FPC) ANEXO C PROCESSOS DE MARCAÇÃO CE PARA JANELAS E PORTAS ANEXO D EXEMPLO DE MARCAÇÃO CE ANEXO E EXEMPLO DE DECLARAÇÃO DE CONFORMIDADE CE (SISTEMA 3) 11

12 4.1 Identificação de produtos e materiais As portas pedonais distinguem-se das janelas de sacada essencialmente por não possuírem um aro contínuo, ou seja o aro não ter perfil de soleira 4.2 Características de desempenho para a marcação CE Propriedades harmonizadas 12

13 4.3 Outras características de desempenho das janelas Propriedades não harmonizadas > Resistência ao impacto (4.7) > Durabilidade (4.15) Alumínio com corte térmico EN 14024: Perfis de PVC EN 12608: Perfis de madeira EN 14220: > Forças de manobra (4.16) > Resistência mecânica (4.17) > Resistência a manobras repetidas de abertura e fecho (4.21) > Comportamento entre climas diferentes (4.22) > Ventilação (4.18) > Resistência à bala (4.19) > Resistência à explosão (4.20) > Resistência ao arrombamento (4.23) Materiais dos perfis 13

14 Famílias de produtos e soluções mais desfavoráveis (ITT) Famílias de produtos e soluções mais desfavoráveis (ITT) Movimento das folhas 14

15 Famílias de produtos e soluções mais desfavoráveis (ITT) Movimento das folhas Para as outras características de desempenho (por exemplo, desempenho mecânico, resistência à abertura e fecho repetidos) devem ser realizados ensaios ou cálculos no tipo de janela em questão. Apesar de estar previsto na norma a extrapolação de resultados entre janelas de uma folha com vários movimentos de abertura, salientase que na prática, devido às grandes diferenças entre as ferragens e os pontos de fecho podem existir diferenças de comportamento (para pior) entre o desempenho da janela oscilobatente, face por exemplo às janelas projectantes ou basculantes. Neste domínio o fabricante deve assegurar que o número de pontos de fecho e a sua localização é semelhante à janela submetida aos ITT. Famílias de produtos e soluções mais desfavoráveis (ITT) Componentes 15

16 Componentes > De acordo com o anexo F, a aplicação do Quadro 5 implica que o vidro e os vedantes dos protótipos sejam os mesmos e que os vidros não têm pinázios. > Na secção da norma é referido que quando as características já tiverem sido determinadas pelo fabricante dos componentes utilizados na janela, através da comprovação da conformidade com outras normas de produto, estas características não necessitam ser reavaliadas para a qualificação das janelas. > Por seu lado, na secção é referido que sempre que ocorra uma mudança na concepção da janela ou da porta pedonal exterior, no material, no fornecedor de componentes ou no processo produtivo (sujeito à definição de uma família), que mude significativamente uma ou mais das características (i.e. a concepção torna-se distinta; ver 3.4 da norma), os ensaios de tipo devem ser repetidos para as características apropriadas. > Em função da informação da norma e das possíveis alterações de desempenho associadas à alteração de componentes e acessórios das janelas, considera-se que os ITT serão válidos apenas para as janelas com os materiais idênticos aos do protótipo submetido aos ITT. > Quando existirem alterações nos componentes do protótipo submetido ao ITT, em que os mesmos sejam objecto de qualificação de acordo com as respectivas normas de produto e cujas dimensões sejam compatíveis com as dos componentes utilizados nos ITT, face aos conteúdos da norma, pode ser considerado que estes não alteram as características determinadas nos ITT, assumindo o fabricante a responsabilidade por esta alteração. Sugerese que o fabricante elabore uma nota explicativa desta situação e que arquive os ITT dos componentes juntamente com o ITT do protótipo da janela. Caixilhos compostos >Basta o ensaio de uma folha de batente e verificat rigidez dos montantesarmando Pinto 16

17 Vidros das janelas ITT >Nos ITT os fabricantes devem utilizar os vidros correspondentes ao comportamento mais desfavorável da caixilharia, ou então os vidros que correspondem à maior quantidade de fabrico. >No caso de serem montados vidros diferentes dos utilizados nos ITT, deverão ser realizados ITT para as características que podem ser alteradas pela alteração do tipo de vidro, por exemplo isolamento térmico e isolamento acústico. Janelas com caixa de estore incorporada 17

18 Exemplos de protótipos a submeter a ITT sistema de batente >vidros com uma espessura de 4 mm a 22 mm nas folhas móveis e de 4 mm a 18 mm nas folhas fixas, com uma massa de 30 kg/m2 (vidro duplo com uma espessura de 12 mm de vidro). >Estes caixilhos poderão ser instalados com ou sem caixa de estore Exemplos de protótipos a submeter a ITT sistema de batente >Janela sacada, L=folha 0,9 m, I=40 cm4 18

19 Exemplos de protótipos a submeter a ITT sistema de batente sistema de batente alteração de perfis 19

20 sistema de batente alteração de perfis sistema de batente caixilho composto 20

21 Exemplos de protótipos a submeter a ITT sistema de correr > vidros com uma espessura de 4 mm a 22 mm nas folhas móveis e de 4 mm a 18 mm nas folhas fixas, com uma massa de 30 kg/m2 (vidro duplo com uma espessura de 12 mm de vidro). > Estes caixilhos poderão ser instalados com ou sem caixa de estore Exemplos de protótipos a submeter a ITT sistema de correr > Protótipo com soleira A e outro com soleira B > Protótipo com janela de 6 folhas > vidros com uma espessura de 4 mm a 22 mm nas folhas móveis e de 4 mm a 18 mm nas folhas fixas, com uma massa de 30 kg/m2 (vidro duplo com uma espessura de 12 mm de vidro). > Estes caixilhos poderão ser instalados com ou sem caixa de estore 21

22 Exemplo de informação a fornecer pelo detentor do sistema/fabricante será desejável que o detentor do sistema faculte aos fabricantes a seguinte informação/documentos: > Definição do sistema e do seu campo de aplicação; > Características de desempenho da série com base nos ITT; > Instruções de fabrico e instalação das janelas; > Procedimentos de controlo de qualidade das matérias primas; > Procedimentos de controlo de qualidade em curso de produção das janelas; > Procedimentos de controlo de qualidade do produto acabado Campo de aplicação > Definição do sistema: Sistema de caixilharia de batente destinado a realizar janelas, janelas de sacada e portas pedonais para aplicação na vertical. > Material dos perfis: Alumínio. > Persiana: Nas janelas deste sistema encontra-se prevista a possibilidade de ser e de não ser aplicada caixa de estore. > Actuação dos fechos: Neste sistema encontra-se prevista apenas a actuação manual das folhas móveis > Uso: Estes caixilhos podem ser utilizados em uso privado ou público. > Número de folhas móveis e tipos de folhas móveis: Figura 16. > Preenchimento: Neste sistema encontra-se prevista a aplicação de preenchimentos com uma espessura de 4 mm a 22 mm nas folhas móveis e de 4 mm a 18 mm nas folhas fixas. O preenchimento deve ter uma massa não superior a 30 kg/m2. 22

23 Características de desempenho da série com base nos ITT Características de desempenho da série com base nos ITT 23

24 Características de desempenho da série com base nos ITT 24

25 Instruções de fabrico e instalação das janelas > Para assegurara a constância da qualidade e o desempenho das janelas construídas com as submetidas aos ITT, deve o fabricante (detentor do sistema) fornecer instruções de fabrico das janelas e as instruções para a montagem em obra. > Esta informação deve ser tão completa quanto possível identificando pelo menos: Materiais a utilizar, perfis, vedantes, ferragens e acessórios; Instruções sobre os cortes a realizar nos perfis, com indicação das tolerâncias de fabrico, incluindo a dimensão dos furos/rasgos e a sua localização no perfil; Instruções sobre a forma de união dos perfis, com a definição dos acessórios e a vedação das juntas fixas entre perfis (podem ser fornecidos desenhos 3D para facilitar a identificação da realização da união, Figura 17, Figura 18 e Figura 19); Instruções sobre a instalação e afinação das ferragens, fechos e elementos de suspensão das folhas móveis; Instruções sobre os sistemas de vedação e drenagem, incluindo detalhes da aplicação dos vedantes, colagem de cantos dos vedantes, deflectores (goteiras) a aplicar, (por exemplo Figura 22 onde se ilustra a colagem do vedante central na soleira das janelas de sacada); Instruções sobre a selecção de bites e vedantes função da espessura dos vidros e dos perfis do sistema (exemplo, Figura 20); Instruções sobre a aplicação dos vidros nos caixilhos, com indicação dos calços dos vidros a aplicar e da sua localização nos caixilhos. Recomendações sobre a instalação das janelas em obra, incluindo definição das folgas da junta entre o aro e vão, número de parafusos e calços a aplicar e pormenores tipos da selagem da Armando junta entre Pinto o aro e o vão. Instruções de fabrico e instalação das janelas 25

26 Instruções de fabrico e instalação das janelas >Tendo em conta que usualmente as janelas saem da oficina para a obra ainda sem vidros, vedantes dos vidros e bites e calços dos vidros e carecem das afinações finais, as instruções de fabrico e montagem (e a formação dos técnicos) devem incluir todas as actividades desenvolvidas na oficina e também as desenvolvidas na obra. 26

27 27

28 Avaliação da conformidade >Controlo interno da produção FPC consiste em oprocedimentos oinspecções regulares oensaios e/ou avaliações e o uso dos seus resultados para controlar omatérias primas e outros materiais ou componentes oequipamento oo processo de produção oo produto Laboratório Nacional de Engenharia Civil Avaliação da conformidade >Controlo interno da produção Os resultados de qualquer acção devem ser registados e mantidos A acção correctiva, em caso de resultados insatisfatórios, deve ser registada >Mais informação no guia de apoio. Laboratório Nacional de Engenharia Civil 28

29 Seminário Aplicação da normalização europeia e da marcação CE à caixilharia exterior Guia de apoio à marcação CE NP EN Engº Mecânico NAICI/DED 29

JANELAS E PORTAS PEDONAIS EXTERIORES GUIA PARA A MARCAÇÃO CE (EN :2006+A1:2010) ÍNDICE

JANELAS E PORTAS PEDONAIS EXTERIORES GUIA PARA A MARCAÇÃO CE (EN :2006+A1:2010) ÍNDICE ÍNDICE NOTA PRELIMINAR... 1 1 OBJECTIVO... 1 2 ENQUADRAMENTO... 3 3 CAMPO DE APLICAÇÃO DA PUBLICAÇÃO... 8 4 PROCEDIMENTOS DE HARMONIZAÇÃO... 9 4.1 Identificação de produtos e materiais... 9 4.2 Características

Leia mais

Sistema AXi

Sistema AXi www.okyal-aluminios.com Sistema 57 AXi Sistema AXi Sistema de batente com RPT - mm Características do sistema Sistema de batente com rotura térmica e de elevadas prestações térmicas e acústicas. O sistema

Leia mais

Sistema ATi

Sistema ATi www.anicolor.pt 35 Sistema ATi Sistema ATi Sistema de batente com RPT - 55 mm Características do sistema Sistema de batente com rotura térmica e de elevadas prestações térmicas e acústicas. O sistema ATi

Leia mais

Sistema Kristal

Sistema Kristal www.anicolor.pt 333 Sistema Kristal Sistema Kristal Sistema de correr de conceito minimalista com RPT Características do sistema Sistema de alumínio com rotura térmica para executar vãos de correr de conceito

Leia mais

Sistema AJi

Sistema AJi www.anicolor.pt 93 Sistema AJi Sistema AJi Sistema de batente com RPT - mm Características do sistema Sistema de batente com rotura térmica de elevadas prestações térmicas e acústicas. O sistema AJi possibilita

Leia mais

2000 SISTEMA DE BATENTE

2000 SISTEMA DE BATENTE 2000 SISTEMA DE BATENTE ROTURA TÉRMICA 12 / JANEIRO / 2016 INFORMAÇÃO TÉCNICA Série de Abrir que permite múltiplas prestações com diferentes tipos de abertura, diferentes perfis e várias possibilidades

Leia mais

ALUMÍNIO Normativa comunitária para perfis especiais extrudidos em ligas AW-6060 e AW- 6063, fabricados com ou sem corte térmico.

ALUMÍNIO Normativa comunitária para perfis especiais extrudidos em ligas AW-6060 e AW- 6063, fabricados com ou sem corte térmico. DESCRIÇÃO TÉCNICA SISTEMA RT 60 RT 60 ALUMÍNIO Normativa comunitária para perfis especiais extrudidos em ligas AW6060 e AW 6063, fabricados com ou sem corte térmico. Descrição Técnica UNEEN 120201:2001.

Leia mais

Marcação CE de Janelas e Portas Pedonais Exteriores

Marcação CE de Janelas e Portas Pedonais Exteriores Marcação CE de Janelas e Portas Pedonais Exteriores Experiência de um Instalador na Implementação da Marcação CE CCIPD Ponta Delgada 7 de Abril C. PINHEIRO SISTEMAS POSIÇÃO DE VANGUARDA NO MERCADO PERFORMANCE

Leia mais

Sistema

Sistema www.anicolor.pt 345 Sistema C C Sistema C Sistema de correr - 78 mm Características dos sistemas C/C Plus Sistemas de alumínio para execução de vãos de correr ou janelas duplas com rotura térmica. Perfis

Leia mais

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE BATENTE THERMOSTOP. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE BATENTE THERMOSTOP. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo CATÁLOGO 2011 Índice Introdução Perfis. Aros. Travessas. Diversos 03 04 06 07 Pormenores Acessórios 08 09 A Lusedividro, Lda dedica-se à comercialização de alumínio de secções variadas, com maior ou menor

Leia mais

7000 SISTEMA DE BATENTE

7000 SISTEMA DE BATENTE 19 / OUTUBRO / 15 INFORMAÇÃO TÉCNICA Série de batente que permite múltiplas prestações com diferentes tipos de abertura, diferentes perfis e várias possibilidades de montagem, com o qual podemos fabricar

Leia mais

Sistema

Sistema www.okyal-aluminios.com Sistema 17 C Sistema C Sistema de correr - 78 mm Características dos sistemas C/C Plus Sistemas de alumínio para execução de vãos de correr ou janelas duplas com rotura térmica.

Leia mais

Série de correr THERMOLINE

Série de correr THERMOLINE A Hydro Alumínio Portalex dedica-se à extrusão de perfis de alumínio de secções variadas, com maior ou menos complexidade, consoante as necessidades dos clientes. A extrusão de alumínio permite toda a

Leia mais

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,42 Ÿ Inverno: 9,77. Uw = 3,90 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 4

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,42 Ÿ Inverno: 9,77. Uw = 3,90 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 4 SÉRIE S 40 S 40 SISTEMA DE BATENTE COM 40MM CÂMARA EUROPEIA 2 Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,42 Ÿ Inverno: 9,77 O que é o Desempenho Energético? É a energia desperdiçada nas janelas no

Leia mais

Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção

Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção Marcação CE e Certificação de Produtos da Construção (Fileira do Cimento) Joana Vaz, Gestora de Processo CERTIF APFAC/CTCV Porto, Outubro 2009 Iniciou a sua actividade em 1999 Constituída por 24 associados

Leia mais

Série de correr PRESTIGE

Série de correr PRESTIGE Série de Correr PRESTIGE O desenvolvimento da resultou de uma parceria entre a Hydro Alumínio Portalex e os seus clientes, com vista a satisfazer as necessidades do mercado. Enquadrada por modernos e racionais

Leia mais

Sistema de Batente Série Fria. Série 500

Sistema de Batente Série Fria. Série 500 Sistema de Batente Série Fria 05 5.00 Série Fria. Sistema de batente de câmara europeia. Os vidros são aplicados com bites ou em perfis de caixa direta. Vedantes em EPDM. Esquadros de união de alumínio.

Leia mais

Resistencia mecanica e estabilidade Segurança contra incêndio Higiene, Saude e Ambiente Segurança e acessibilidade na utilização Protecção conta o

Resistencia mecanica e estabilidade Segurança contra incêndio Higiene, Saude e Ambiente Segurança e acessibilidade na utilização Protecção conta o 1 2 Resistencia mecanica e estabilidade Segurança contra incêndio Higiene, Saude e Ambiente Segurança e acessibilidade na utilização Protecção conta o ruido Econonomia de energia e isolamento termico 3

Leia mais

ENCONTRO Bem utilizar a madeira

ENCONTRO Bem utilizar a madeira ENCONTRO Bem utilizar a madeira Universidade do Minho Novembro de 2005 Pedro Pontífice (LNEC) pedropontifice@lnec.pt EUROCÓDIGO 5 MARCAÇÃO CE DE PRODUTOS ESTRUTURAIS DE MADEIRA 1 EUROCÓDIGOS ESTRUTURAIS

Leia mais

Sistema de Batente Série Corte Térmico. Série 9000/14

Sistema de Batente Série Corte Térmico. Série 9000/14 Sistema de Batente Série Corte Térmico 52.40 66.50 Série de Corte Térmico. Sistema de batente de câmara europeia. Os vidros são aplicados com bites ou em perfis de caixa direta. Vedantes em EPDM. Esquadros

Leia mais

Série de batente THERMOSTOP

Série de batente THERMOSTOP A dedica-se à extrusão de perfis de alumínio de secções variadas, com maior ou menor complexidade, consoante as necessidades dos clientes. A extrusão de alumínio permite toda a liberdade de concepção em

Leia mais

O controle solar na Arquitectura Popular Portuguesa é uma preocupação secular.

O controle solar na Arquitectura Popular Portuguesa é uma preocupação secular. A.07 SISTEMA A.07 SISTEMA A.07CARACTERIZAÇÃO O controle solar na Arquitectura Popular Portuguesa é uma preocupação secular. A portada exterior pela sua versatilidade tem provado ser um eficaz dispositivo

Leia mais

BZi. PRODUTO Características. Tipo de produto: Sistema de Batente BZi. Objectivo / Finalidade do Produto. Vantagens competitivas do produto

BZi. PRODUTO Características. Tipo de produto: Sistema de Batente BZi. Objectivo / Finalidade do Produto. Vantagens competitivas do produto PRODUTO Características 01-01 BZi Tipo de produto: Sistema de Batente BZi O Sistema BZi foi desenvolvido para o segmento da construção de qualidade tendo presentes as normativas europeias. É um sistema

Leia mais

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE BATENTE THERMOSTOP. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE BATENTE THERMOSTOP. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo CATÁLOGO 2011 24 SÉRIE DE BATENTE THERMOSTOP Índice Introdução Perfis. Aros. Travessas Pormenores Acessórios 03 04 06 08 10 A Lusedividro, Lda dedica-se ao armazenamento e comercialização de perfis de

Leia mais

Série de batente BTF PORTALEX ALUMINIO SA

Série de batente BTF PORTALEX ALUMINIO SA A dedica-se à extrusão de perfis de alumínio de secções variadas, com maior ou menor complexidade, consoante as necessidades dos clientes. A extrusão de alumínio permite toda a liberdade de concepção em

Leia mais

S 40 SÉRIE S 40. ed. 001

S 40 SÉRIE S 40. ed. 001 S 40 SÉRIE S 40 S 40 SISTEMA DE BATENTE COM 40MM CÂMARA EUROPEIA L A B O R AT Ó R I O E N S A I O NORMA EN 14351 1:2006 Vão Dimensão L x H Oscilo-Batente 2 fls 1230 x 1480 Porta 2 fls 1500 x 2200 Vidro

Leia mais

Série de correr CLT85

Série de correr CLT85 A dedica-se à extrusão de perfis de alumínio de secções variadas, com maior ou menor complexidade, consoante as necessidades dos clientes. A extrusão de alumínio permite toda a liberdade de concepção em

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA SISTEMA SH

DESCRIÇÃO TÉCNICA SISTEMA SH DESCRIÇÃO TÉCNICA SISTEMA SH ALUMÍNIO Normativa comunitária para perfis especiais extrudidos em ligas AW-6060 e AW-6063, fabricados com ou sem corte térmico. UNE-EN 12020-1:2001. Condições técnicas de

Leia mais

ÍNDICE SÉRIE DE FACHADAS - TFA SÉRIE DE CORRER ELEVATÓRIA - TC

ÍNDICE SÉRIE DE FACHADAS - TFA SÉRIE DE CORRER ELEVATÓRIA - TC ÍNDICE SÉRIES DE ABRIR TA 1000 Série de Abrir 40 mm... 5 TE 2000 Série de Abrir 40 mm de Camera Europeia... 34 TE 2200 Série de Abrir 45 mm com Camera Europeia de Corte Térmico... 67 TE 2200X Série de

Leia mais

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,81 Ÿ Inverno: 6,10. Uw = 2,90 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 4

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,81 Ÿ Inverno: 6,10. Uw = 2,90 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 4 SÉRIE RT RT SISTEMA DE BATENTE COM MM CÂMARA EUROPEIA COM RUPTURA TÉRMICA 2 Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,81 Ÿ Inverno: 6,10 O que é o Desempenho Energético? É a energia desperdiçada nas

Leia mais

Sistema de Batente Série Corte Térmico. Série 9100/24

Sistema de Batente Série Corte Térmico. Série 9100/24 Sistema de Batente Série Corte Térmico Série 9100/24 0 66.50 Série de Corte Térmico. Sistema de batente de câmara europeia. Os vidros são aplicados com bites ou em perfis de caixa direta. Vedantes em

Leia mais

CTCV. centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal

CTCV. centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Ação de sensibilização para a adoção de ferramentas de melhoria dos Sistemas de Controlo da Produção e promoção da sua implementação como fator crítico de competitividade Marta Ferreira CTCV 09-02-2017

Leia mais

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE CORRER PRESTIGE. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE CORRER PRESTIGE. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo CATÁLOGO 2011 Índice Índice visual 03 Perfis. Verga, Soleiras e Ombreira 04. Travessas, Prumadas, Diversos 05 Pormenores 06 Acessórios 07 O desenvolvimento da Série de Correr PRESTIGE, surge enquadrada

Leia mais

Sistema

Sistema www.okyal-aluminios.com Sistema 69 CT Sistema CT Sistema de correr com RPT - 60 mm Características do sistema Sistema de alumínio com rotura térmica para execução de vãos de correr. Perfis de alumínio

Leia mais

A «marcação CE» dos equipamentos sob pressão

A «marcação CE» dos equipamentos sob pressão Seminário A nova directiva dos Equipamentos Sob Pressão e a marcação CE Ordem dos Engenheiros Lisboa, 2015-11-11 A «marcação CE» dos equipamentos sob pressão Alberto Fonseca A ESTRUTURA LEGAL E NORMATIVA

Leia mais

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,76 Ÿ Inverno: 7,31. Uw = 2,80 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 3

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,76 Ÿ Inverno: 7,31. Uw = 2,80 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 3 SÉRIE RT 70 SISTEMA DE BATENTE COM 70MM CÂMARA EUROPEIA COM RUPTURA TÉRMICA 2 Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,76 Ÿ Inverno: 7,31 O que é o Desempenho Energético? É a energia desperdiçada

Leia mais

Série de batente BTF. Hydro Alumínio Portalex, S. A.

Série de batente BTF. Hydro Alumínio Portalex, S. A. Série de batente BTF Série de batente BTF A Hydro Alumínio Portalex dedica-se à extrusão de perfis de alumínio de secções variadas, com maior ou menos complexidade, consoante as necessidades dos clientes.

Leia mais

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE CORRER THERMOLINE. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo

CATÁLOGO 2011 SÉRIE DE CORRER THERMOLINE. Vidros e Alumínios, Lda - Fabricante de Vidro Duplo CATÁLOGO 2011 Índice Indrodução 03 Perfis. Aros 04. Folhas - Travessas 05. Diversos 06 Pormenores 07 Acessórios 08 A Lusedividro, Lda dedica-se à comercialização de alumínio de secções variadas, com maior

Leia mais

Avaliação Técnica Europeia

Avaliação Técnica Europeia Avaliação Técnica Europeia Pedro Pontífice (LNEC) Seminário Regulamento dos Produtos da Construção. O que muda em 2013 Ordem dos Engenheiros, Lisboa, 27 de setembro de 2012 A Aprovação Técnica Europeia

Leia mais

alumínios

alumínios alumínios www.sca-aluminios.com alumínios 19 / OUTUBRO / 2015 INFORMAÇÃO TÉCNICA Série de Correr de rotura térmica, com 91 mm de profundidade no aro fixo e opção de tri-rail, e aros móveis de 75 mm de

Leia mais

A SISTEMA DE BATENTE RESULTADOS DO ENSAIO * CLASSE 2A CLASSE C2. 38 db. Permeabilidade ao Ar CLASSE 3. Permeabilidade à Água

A SISTEMA DE BATENTE RESULTADOS DO ENSAIO * CLASSE 2A CLASSE C2. 38 db. Permeabilidade ao Ar CLASSE 3. Permeabilidade à Água 19 / OUTUBRO / 2015 INFORMAÇÃO TÉCNICA Série de batente com diferentes tipos de abertura, diferentes perfis e várias possibilidades de montagem, que permitem a fabricação de qualquer vão com garantias

Leia mais

SÉRIE DIM 700. ed. 003

SÉRIE DIM 700. ed. 003 SÉRIE DIM 700 SISTEMA DE CORRER COM 90MM Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 1,7 Ÿ Inverno: 1,49 NORMA EN 14351-1:006 L A B O R A T Ó R I O E N S A I O Uw = 4,0 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77

Leia mais

Declaração de Desempenho

Declaração de Desempenho Edição de Fevereiro 2015 Nº identificação: 010812050030000022 EN 1504-2:2004 14 0866 DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO EN 1504-2:2004 Sikafloor Topcoat-PT 01 08 12 05 003 0 000022 1049 1. Tipo de produto: Código

Leia mais

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,64 Ÿ Inverno: 7,66. Uw = 3,30 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 4

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,64 Ÿ Inverno: 7,66. Uw = 3,30 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 4 SÉRIE RT SISTEMA DE BATENTE COM MM CÂMARA EUROPEIA COM RUPTURA TÉRMICA 2 Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,64 Ÿ Inverno: 7,66 O que é o Desempenho Energético? É a energia desperdiçada nas

Leia mais

n consultar tabela de enchimentos vedante interior de vidro Ved. nav 066 vedante exterior de vidro Ved. nav 197 vedante exterior

n consultar tabela de enchimentos vedante interior de vidro Ved. nav 066 vedante exterior de vidro Ved. nav 197 vedante exterior n18 200 enchimentos 9-56 mm permeabilidade ao ar Classe 4 estanquidade à água Classe E1350 SISTEMA DE BATENTE COM RUTURA DE PONTE TÉRMICA resistência ao vento Classe C5 transmissão térmica Uw=1,29 W/m

Leia mais

Sistema de Correr Série Fria. Série 4000

Sistema de Correr Série Fria. Série 4000 Sistema de Correr Série Fria Série Fria. Sistema de correr de corte reto. Os vidros são aplicados em perfis de caixa direta. Vedantes em EPDM. Kit de rodízios até 90 Kg por folha. Drenagens invisíveis

Leia mais

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,35 Ÿ Inverno: 11,44. Uw = 3,90 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 3

Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,35 Ÿ Inverno: 11,44. Uw = 3,90 [W/(m. C)] Fator solar (g) = 0,77 Permeabilidade ao ar = Classe 3 SÉRIE BP SISTEMA DE BATENTE COM MM 2 Desempenho energético (kwh/m.mês): Ÿ Verão: 12,35 Ÿ Inverno: 11,44 O que é o Desempenho Energético? É a energia desperdiçada nas janelas no verão e no inverno. Quanto

Leia mais

Série de correr CONFORT

Série de correr CONFORT A Série de correr CONFORT surgiu na continuidade das prestigiadas e tradicionais séries de catálogo da Hydro Alumínio Portalex, numa perspectiva de renovação, qualidade e modernidade. Logo desde o seu

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE

A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE Regulamento dos Produtos da Construção CTCV/APFAC CONCRETA, 2011-10-20 Marta Silva Gestora de Processo Temas Aspectos gerais da Marcação CE Directiva Produtos

Leia mais

24200 SISTEMA DE CORRER / ELEVATORIA

24200 SISTEMA DE CORRER / ELEVATORIA 24200 SISTEMA DE CORRER / EEVATORIA 19 / OUTUBRO / 2015 INFORMAÇÃO TÉCNICA Série de correr perimetral de linhas rectas e rotura térmica, com 118 mm de profundidade no aro fixo, opção de tri-rail e aros

Leia mais

RT 45 SÉRIE RT 45. ed. 001

RT 45 SÉRIE RT 45. ed. 001 RT SÉRIE RT RT SISTEMA DE BATENTE COM MM CÂMARA EUROPEIA COM RUPTURA TÉRMICA L A B O R AT Ó R I O E N S A I O NORMA EN 14351 1:2006 Vão Dimensão L x H Oscilo-Batente 2 fls 1230 x 1480 Porta 2 fls 1500

Leia mais

Marcação CE obrigatória em Argamassas: uma garantia de Qualidade. Argamassas de Reboco

Marcação CE obrigatória em Argamassas: uma garantia de Qualidade. Argamassas de Reboco Marcação CE obrigatória em Argamassas: uma garantia de Qualidade Argamassas de Reboco João Garcia Lisboa, 18 de Março de 2005 O que é uma argamassa de reboco? 2 Argamassa de Reboco Mistura de um ou mais

Leia mais

Série de correr CONFORT

Série de correr CONFORT Série de correr CONFORT A surgiu na continuidade das prestigiadas e tradicionais séries de catálogo da, numa perspectiva de renovação, qualidade e modernidade. Logo desde o seu desenvolvimento, a Série

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 15PL Medição por unidade pronta acabada, assente e a funcionar (un).

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 15PL Medição por unidade pronta acabada, assente e a funcionar (un). 15PL.21.-- TÍTULO15PL PERFILADOS DE PVC CAPÍTULO.2-. CAIXILHARIAS EM PERFILADO DE PVC SUB.CAPº.21. VÃOS I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por unidade pronta acabada, assente e a funcionar (un).

Leia mais

TIPOS/ MODELOS DOS PRODUTOS ALVO

TIPOS/ MODELOS DOS PRODUTOS ALVO TIPOS/ MODELOS DOS PRODUTOS ALVO Janela de correr veneziana 03 e 06 folhas Janela de correr 02 e 04 folhas Maxim Maxim-ar ar Janela Integrada 02 folhas Portas de correr 02 folhas Podendo ser incluída a

Leia mais

Janelas. Saiba mais sobre. Eficientes

Janelas. Saiba mais sobre. Eficientes Janelas Saiba mais sobre Eficientes 1 0 ENQUADRAMENTO 01 SOLUÇÕES DE JANELAS INSTALADAS EM PORTUGAL 72,3% a 75,4% Vidros Simples Janelas de fraca qualidade, maioritariamente com classe F 18,9% a 22,8%

Leia mais

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice

COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro. Índice COMPONENTES DE EDIFÍCIOS Aspectos de segurança e resistência mecânica do vidro Índice 1 INTRODUÇÃO... 1 1.1 - Aspectos gerais... 1 1.2 Vidro... 2 1.2.1 - Vidro na construção... 2 1.2.2 - Vidro temperado...

Leia mais

RESULTADOS DO ENSAIO * CLASSE 7A CLASSE C1. 30 db. Permeabilidade ao Ar CLASSE 3. Permeabilidade à Água. Resistencia à Carga do Vento

RESULTADOS DO ENSAIO * CLASSE 7A CLASSE C1. 30 db. Permeabilidade ao Ar CLASSE 3. Permeabilidade à Água. Resistencia à Carga do Vento 24000 SISTEMA DE CORRER ROTURA TÉRMICA 19 / OUTUBRO / 2015 INFORMAÇÃO TÉCNICA Série de Correr de rotura térmica, com 91 mm de profundidade no aro fixo e opção de tri-rail, e aros móveis de 75 mm de vista,

Leia mais

www.okyal-aluminios.com Sistema

www.okyal-aluminios.com Sistema www.okyal-aluminios.com Sistema 3 AZ Sistema AZ Sistema de batente de câmara europeia. Características do sistema Sistema de batente com câmara europeia e tripla vedação em EPDM (exterior, central, interior).

Leia mais

TECNOLOGIAS DE APLICAÇÃO DE CAIXILHARIAS

TECNOLOGIAS DE APLICAÇÃO DE CAIXILHARIAS TECNOLOGIAS DE APLICAÇÃO DE CAIXILHARIAS MESTRADO EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS TRABALHO DA CADEIRA: TECNOLOGIA DE FACHADAS PROF. VASCO FREITAS ALUNO: JORGE LUÍS TEIXEIRA PEREIRA N.º: 040551001 Índice 11.1.

Leia mais

Catálogo de Estores Compactos e Acessórios

Catálogo de Estores Compactos e Acessórios Catálogo de Estores Compactos e Acessórios COMPACTO DE PVC Tamanhos Disponíveis: 155, 170, 185, 200, 225 Saida da Fita Como Tirar Medidas INFERIOR FRONTAL altura total (incluindo caixa) Largura tota l

Leia mais

2 Características: PREMIUM40 Batente Sistema de batente com câmara europeia e vedação central em EPDM. As seções do quadro fixo e quadro móvel são res

2 Características: PREMIUM40 Batente Sistema de batente com câmara europeia e vedação central em EPDM. As seções do quadro fixo e quadro móvel são res PREMIUM40 C a t á l o g o Té c n i c o 2 Características: PREMIUM40 Batente Sistema de batente com câmara europeia e vedação central em EPDM. As seções do quadro fixo e quadro móvel são respectivamente

Leia mais

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE]

02 02 2010 [MARCAÇÃO CE] 02 02 2010 2 [MARCAÇÃO CE] Neste documento está um resumo do processo de marcação CE para o mercado da caixilharia. Esperamos que possa servir de ajuda a todos os interessados, para que a transição seja

Leia mais

Estas alterações fazem parte integrante das peças do procedimento a que dizem respeito e prevalecem sobre estas em caso de divergência.

Estas alterações fazem parte integrante das peças do procedimento a que dizem respeito e prevalecem sobre estas em caso de divergência. Junto se envia a lista de erros e omissões a qual foi aprovada por esta Câmara Municipal, através de despacho datado de 16 de Julho do corrente, conforme o disposto no nº 5 do artigo 61º do Decreto-Lei

Leia mais

Marcação CE Informação Geral

Marcação CE Informação Geral Marcação CE Informação Geral Manual de Instruções Reynaers 2 Índice 1. INTRODUÇÃO 5 1.1 Acerca da marcação CE 3 1.1.1 Ensaios Iniciais de Tipo 3 1.1.2 Controlo da Produção da Fábrica 3 1.1.3 Níveis de

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7

Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 8.6.2007 Jornal Oficial da União Europeia L 146/7 REGULAMENTO (CE) N. o 633/2007 DA COMISSÃO de 7 de Junho de 2007 que estabelece requisitos para a aplicação de um protocolo de transferência de mensagens

Leia mais

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO Hilti. Melhor desempenho. Maior duração. EN 170 DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO em conformidade com o Anexo III do Regulamento (UE) n.º 305/2011 (Regulamento dos Produtos de Construção) 1. Código de identificação

Leia mais

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas

CTCV Serviços de Apoio às s Empresas centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Implementação de um SCP Marcação CE de Vigotas NP EN 15037-1 Helena Teixeira Sistemas de Gestão e Melhoria 1 CTCV 09/DEZ/2010 centro tecnológico

Leia mais

A obrigatoriedade da marcação CE

A obrigatoriedade da marcação CE Adesivos cimentícios e a EN 12004: A obrigatoriedade da marcação CE Rogério Tomás, Cimentos Cola, Lda. Concreta 2004 1 Adesivos cimentícios, o que são? Argamassas para a colagem de peças cerâmicas, pedra

Leia mais

SISTEMA DE ETIQUETAGEM DE JANELAS

SISTEMA DE ETIQUETAGEM DE JANELAS SISTEMA DE ETIQUETAGEM DE JANELAS REGRAS A CONSIDERAR NA ESCOLHA DO PROTÓTIPO 1. Tipologia do protótipo representativo do produto A tipologia do protótipo submetido a cálculo numérico/ensaio para efeitos

Leia mais

Série de correr THERMOLINE

Série de correr THERMOLINE A dedica-se à extrusão de perfis de alumínio de secções variadas, com maior ou menor complexidade, consoante as necessidades dos clientes. A extrusão de alumínio permite toda a liberdade de concepção em

Leia mais

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO PT DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO em conformidade com o Anexo III do Regulamento (UE) N.º 305/2011 (Regulamento dos Produtos de Construção) Vedante Antifogo em Silicone Hilti CFS-S SIL N.º Hilti CFS 0761-CPD-0177

Leia mais

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia,

REGULAMENTOS. Tendo em conta o Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia, 28.5.2014 L 159/41 REGULAMENTOS REGULAMENTO DELEGADO (UE) N. o 574/2014 DA COMISSÃO de 21 de fevereiro de 2014 que altera o anexo III do Regulamento (UE) n. o 305/2011 do Parlamento Europeu e do Conselho

Leia mais

Rua Vale Formoso, Almancil Apartado Almancil Tel. Fax Filial Centro

Rua Vale Formoso, Almancil Apartado Almancil Tel. Fax Filial Centro FOLHA OCULTA DOMO 75RT Sede Estrada Terras da Lagoa, Bairro Campo da Bola, Parque Emp. Solbar, Armazém 2 Albarraque 2635-595 Rio de Mouro Apartado nº 8 2636-901 Rio de Mouro Tel. +351 219 162 045 Fax +351

Leia mais

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO PT DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO em conformidade com o Anexo III do Regulamento (UE) N.º 305/2011 (Regulamento dos Produtos de Construção) Fita Intumescente Hilti CFS-W N.º Hilti CFS 0843-CPD-0103 1. Código

Leia mais

QUINQUILHARIAS, FERRAGENS, PRODUTOS DE SERRALHARIA E ACESSÓRIOS DIVERSOS

QUINQUILHARIAS, FERRAGENS, PRODUTOS DE SERRALHARIA E ACESSÓRIOS DIVERSOS QUINQUILHARIAS, FERRAGENS, PRODUTOS DE SERRALHARIA E ACESSÓRIOS DIVERSOS Fechaduras de embutir e fechaduras do tipo caixa Características e ensaios Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA

Leia mais

zendow Catalogo técnico do PRODUTO Estanquidade Isolamento Segurança

zendow Catalogo técnico do PRODUTO Estanquidade Isolamento Segurança Catalogo técnico do PRODUTO Estanquidade Isolamento Segurança CAIXIAVE - INDUSTRIA DE CAIXILHARIA S.A. ESTANQUIDADE AO AR E ÁGUA Com o fim de melhorar ao máximo as prestações ao ar e à água, o conceito

Leia mais

Consultoria Energética. menos custo, mais energia

Consultoria Energética. menos custo, mais energia Consultoria Energética menos custo, mais energia Os quadros eléctricos constam de um conjunto de diversos aparelhos de protecção e manobra agrupados numa ou mais colunas adjacentes. A Ibérica Eco-Racional

Leia mais

EASY SLIDE FÁCIL, EFICIENTE E RENTÁVEL

EASY SLIDE FÁCIL, EFICIENTE E RENTÁVEL EASY SLIDE FÁCIL, EFICIENTE E RENTÁVEL EASY SLIDE JULHO 2015 Conceito de produto P.5 Solução 2 folhas 2 carris P.6 Combinação com fixo inferior P.7 Performances P.8 Ar, água, vento P.8 Acústica e Térmica

Leia mais

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO Nº EN 14992_001 1. Código de identificação único do produto -tipo: PAINEL ALVEOLAR*(V e r T a b e la n o P o n t o 9 ) 2. Número do tipo, do lote ou da série, ou quaisquer outros

Leia mais

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES

CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES CONDUTORES ISOLADOS E SEUS ACESSÓRIOS PARA REDES Conetores de derivação do tipo compacto, de perfuração do isolante, para redes subterrâneas de baixa tensão Características e ensaios Elaboração: DTI Homologação:

Leia mais

Normas. Proteção da cabeça:

Normas. Proteção da cabeça: Normas Proteção da cabeça: Norma EN397 - Capacetes de proteção para a indústria A norma EN 397, que diz respeito aos capacetes de proteção para a indústria, exige em termos de marcação as indicações seguintes:

Leia mais

Rua Vale Formoso, Almancil Apartado Almancil Tel. Fax Filial Centro

Rua Vale Formoso, Almancil Apartado Almancil Tel. Fax Filial Centro Sede Estrada Terras da Lagoa, Bairro Campo da Bola, Parque Emp. Solbar, Armazém 2 Albarraque 2635-595 Rio de Mouro Apartado nº 8 2636-901 Rio de Mouro Tel. +351 219 162 045 Fax +351 219 166 154 Contribuinte

Leia mais

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415.

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Cabos, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

Custos Padrão por Tecnologias aplicáveis: Sim, para a(s) tipologia(s) de intervenção previstas no Anexo II do Aviso: Envolvente opaca

Custos Padrão por Tecnologias aplicáveis: Sim, para a(s) tipologia(s) de intervenção previstas no Anexo II do Aviso: Envolvente opaca Anexo I (alterado a 14 de dezembro de 2017) Requisitos das medidas e Despesas Elegíveis em Eficiência Energética e Energias Renováveis, por tipologia de operação Requisitos das medidas Despesas Elegíveis

Leia mais

PRODUTOS EM AÇO GALVANIZADO PRONTO PARA INSTALAR COM DESIGN INOVADOR

PRODUTOS EM AÇO GALVANIZADO PRONTO PARA INSTALAR COM DESIGN INOVADOR PRODUTOS EM AÇO GALVANIZADO PRONTO PARA INSTALAR COM DESIGN INOVADOR PRATICIDADE E ECONOMIA Produtos em aço pronto para instalar PRODUTOS RESISTENTES Pressão máxima de carga de vento de 1430 Pa e desempenho

Leia mais

VISAOESTE CAIXILHARIA, FACHADA, COBERTURA E GRADEAMENTOS SISTEMA DE SEGURANÇA ANTI-FURTO E À PROVA DE BALA

VISAOESTE CAIXILHARIA, FACHADA, COBERTURA E GRADEAMENTOS SISTEMA DE SEGURANÇA ANTI-FURTO E À PROVA DE BALA CAIXILHARIA, FACHADA, COBERTURA E GRADEAMENTOS SISTEMA DE SEGURANÇA ANTI-FURTO E À PROVA DE BALA SISTEMA DE SEGURANÇA ANTI-FURTO E ANTI-BALA Janela Schüco AWS 90 BR Porta Schüco ADS 90 BR Especialmente

Leia mais

Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE

Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE Colagem de Cerâmicos e Rochas Ornamentais Enquadramento normativo - Marcação CE Workshop AICCOPN, Porto,13/03/2014 Baio Dias baiodias@ctcv.pt Diretor Adjunto Técnico 1 Enquadramento Normativo Normas aplicáveis

Leia mais

Sistema A.045 - Caracterização

Sistema A.045 - Caracterização Sistema A.045 - Caracterização Sistema de batente com rotura de ponte térmica, vedação central e câmara europeia as ferragens. Permite a construção de caixilhos de abrir com uma ou mais folhas móveis,

Leia mais

REGULAMENTO DO PARLAMENTO E DO CONSELHO QUE ESTABELECE CONDIÇÕES HARMONIZADAS PARA A COMERCIALIZAÇÃO DOS PRODUTOS DA CONSTRUÇÃO (RPC)

REGULAMENTO DO PARLAMENTO E DO CONSELHO QUE ESTABELECE CONDIÇÕES HARMONIZADAS PARA A COMERCIALIZAÇÃO DOS PRODUTOS DA CONSTRUÇÃO (RPC) REGULAMENTO DO PARLAMENTO E DO CONSELHO QUE ESTABELECE CONDIÇÕES HARMONIZADAS PARA A COMERCIALIZAÇÃO DOS PRODUTOS DA CONSTRUÇÃO (RPC) M. J. Esteves Ferreira Na União Europeia, a comercialização dos produtos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de REGULAMENTO DA COMISSÃO (UE) N.º.../2011

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Projecto de REGULAMENTO DA COMISSÃO (UE) N.º.../2011 PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Projecto de Bruxelas, XXX C REGULAMENTO DA COMISSÃO (UE) N.º.../2011 de [ ] que altera o Regulamento (CE) n.º 1702/2003 da Comissão, de 24 de Setembro de 2003,

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Componentes Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Laboratório de Sistemas e Componentes Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Caracterização do Desempenho de Sistemas de Caixilharia em Fachadas de Edifícios 1 1. Importância dos sistemas de caixilharia 2. Alguns aspectos funcionais associados ao desempenho das fachadas 3. Enquadramento

Leia mais

Marcação CE em colas para construção. Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia

Marcação CE em colas para construção. Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia Marcação CE em colas para construção Saint-Gobain Weber Cimenfix César Correia Conforme Requisitos Essenciais Resistência mecânica e estabilidade Segurança em caso de incêndio Higiene, saúde e ambiente

Leia mais

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento.

3.5 Utilizador Pessoa ou entidade que utiliza betão fresco na execução de uma construção ou de um elemento. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Betão, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora da CEE-191 (ABNT) Esquadrias Diretora do IBELQ Instituto

Leia mais

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO

DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO EN 1504-2:2004 09 0866 EN 13813 EN 1504-2:2004 1. Tipo de produto: Código de identificação do produto-tipo DECLARAÇÃO DE DESEMPENHO 161 2. Tipo Número do tipo, do lote ou da série, ou quaisquer outros

Leia mais

S i s t e m a s d e a b e r t u r a à d i s t a n c i a HAUTAU PRIMAT. Ferragens do Marquês, Lda. Especificações:

S i s t e m a s d e a b e r t u r a à d i s t a n c i a HAUTAU PRIMAT. Ferragens do Marquês, Lda. Especificações: S i s t e m a s d e a b e r t u r a à d i s t a n c i a HAUTAU PRIMAT Especificações: - HAUTAU PRIMAT permite comandar e fechar vãos Basculantes; - Aplicável em caixilharias de Madeira, Metais e de PVC

Leia mais

ESTÉTICA PRODUTIVIDADE DESEMPENHO. O sistema mais competitivo do mercado de bitola 25 mm. Design moderno que se adequa às tendências de mercado.

ESTÉTICA PRODUTIVIDADE DESEMPENHO. O sistema mais competitivo do mercado de bitola 25 mm. Design moderno que se adequa às tendências de mercado. LANÇAMENTO ESTÉTICA Design moderno que se adequa às tendências de mercado. DESEMPENHO Atende a região 5 com até 30 pavimentos (NBR 10.821). PRODUTIVIDADE O sistema mais competitivo do mercado de bitola

Leia mais

Proposta de. REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO. de [...]

Proposta de. REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO. de [...] Proposta de REGULAMENTO (CE) n.º.../.. DA COMISSÃO de [...] que altera o Regulamento (CE) n.º 1702/2003 da Comissão que estipula as normas de execução relativas à aeronavegabilidade e à certificação ambiental

Leia mais

Apresentação da NP EN 12004: A1:2012

Apresentação da NP EN 12004: A1:2012 Joaquim Valente de Almeida LEP/ccMCS materials.habitat Seminário Colagem de Produtos Cerâmicos segundo a NP EN 12004:2008 (Colas para ladrilhos) CTCV/Coimbra 13/11/2013 1 Objectivo e campo de aplicação

Leia mais