Estatuto Ordem dos Economistas do Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estatuto Ordem dos Economistas do Brasil"

Transcrição

1 Estatuto Ordem dos Economistas do Brasil Capítulo I - DA ENTIDADE Art.. 1º. A ORDEM DOS ECONOMISTAS DO BRASIL, sucessora da ORDEM DOS ECONOMISTAS DE SÃO PAULO, fundada em 11 de janeiro de 1935 e declarada de "Utilidade Pública" pela Lei Estadual Nº 2145, de 16 de junho de 1953, é uma associação de âmbito nacional, sem fins lucrativos, fins políticos, econômicos ou religiosos, pessoa jurídica de direito privado, com sede no Viaduto Nove de Julho nº 26 - São Paulo - SP, e foro nesta capital, constituída por prazo indeterminado e regida pelo presente Estatuto. Art. 2º. A ORDEM tem por finalidade: I. promover e apoiar, sob todas as formas, o debate, a pesquisa, o estudo, o aperfeiçoamento e a difusão das Ciências Econômicas; II. promover o prestígio profissional dos economistas; III. propugnar pela união da categoria, estreitando-se se a convivência, sob todas as formas, entre os seus Associados e as pessoas ou instituições a eles ligados profissionalmente; IV. oferecer serviços de apoio a iniciativas e movimentos da natureza cultural relacionados com as Ciências Econômicas; V. realizar eventos de natureza cultural, editar publicações especializadas, manter arquivo documental aberto à consulta pública e organizar congressos nacionais e internacionais, bem como outras promoções culturais, sempre tendo por tema as Ciências Econômicas; VI. apresentar estudos e pareceres econômicos; VII. cooperar com os demais órgãos da classe e entidades congêneres nacionais ou estrangeiras; VIII. fomentar a crescente compreensão, pela sociedade, das questões econômicas IX. prestar assessorias, serviços ou consultorias técnicas, de natureza econômica, financeira ou tributária e que atendam as necessidades dos setores públicos e privados; X. elaborar estudos técnicos, planejamentos, pareceres, perícias, avaliações, patrocínio ou defesa de causas administrativas, treinamento e aperfeiçoamento de pessoal; XI. fomentar a pesquisa científica e tecnológica, o ensino e o desenvolvimento institucional, com recursos próprios, recursos provenientes de parcerias ou recursos concedidos por instituições credenciadas para estes fins específicos; XII. instituir a Câmara de Arbitragem da Ordem dos Economistas do Brasil;

2 Art. 3º. A ORDEM exercerá suas funções, na forma deste Estatuto, através dos seguintes órgãos: I. Assembléia Geral - AG; II. Conselho Superior - CS; III. Diretoria - D; IV. Conselho Fiscal - CF; V. Representações Mediante Convênio - RMC. Capítulo II - Dos Associados Art. 4. O quadro social da ORDEM compor-se-á das seguintes categorias de Associados: I. Aspirantes; II. Efetivos; III. Eméritos; IV. Beneméritos; V. Honorários; VI. Associados com idade Superior a 65 (sessenta e cinco) anos - Remidos; VII. Entidades Associadas. VIII. Consultorias e/ou Empresas. IX. Bancos e Demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, pela Comissão de Valores Mobiliários, SUSEP, SPC, Bolsas, Entidades de Previdência Privada, atuariais e afins; Art. 5º. É associado Aspirante o estudante que estiver cursando Faculdade de Ciências Econômicas devidamente reconhecida pelo Governo Federal ou o estudante de outra entidade de ensino estrangeira, ficando, neste caso, a critério da Diretoria, a deliberação sobre sua inclusão no quadro da Ordem. Parágrafo Único. O Associado Aspirante ascenderá à condição de Associado Efetivo após comprovação da conclusão do curso de graduação de ciências econômicas mediante apresentação do diploma devidamente registrado. Art. 6º. É associado Efetivo o economista que atenda a todas as exigências da legislação especifica da profissão, filiado ou não a um Corecon.

3 Art. 7º. É Associado Emérito aquele que, por relevantes serviços prestados ao País ou à coletividade, for assim distinguido pela Diretoria, "ad-referendum" do Conselho Superior. Art. 8º. É Associado Benemérito aquele que, por relevantes serviços prestados à Ordem, for assim distinguido pela Diretoria, "ad-referendum" do Conselho Superior. Art. 9º. É Associado Honorário aquele que, por possuir bacharelato em qualquer área tenha prestado relevante contribuição à discussão sobre as Ciências Econômicas e for assim distinguido pela Diretoria "ad referendum" do Conselho Superior. Art. 10. São Entidades Associadas, as Associações de Economistas legalmente constituídas de qualquer natureza, as Faculdades de Ciências Econômicas devidamente reconhecidas pelo Governo Federal, os Centros e Diretórios Acadêmicos e as Associações de Ex-Alunos legalmente constituídas, das mesmas Faculdades, e os Departamentos de Economia, ou de Estudos Econômicos, das pessoas jurídicas de direito público ou privado, nacionais ou estrangeiras. Parágrafo 1.º As Associações de Economistas serão representadas, na forma de seus estatutos sociais, por um número máximo de 2 (dois) dirigentes. Parágrafo 2.º As Faculdades de Ciências Econômicas serão representadas por 2 (dois) de seus Diretores, ou integrantes do Corpo Docente, devendo ser 1 (um), obrigatoriamente, economista e associado à Ordem. Parágrafo 3.º Os Centros e Diretórios Acadêmicos e as Associações de Ex-Alunos serão representados pelo seu Presidente ou seu substituto legal. Parágrafo 4.º Os Departamentos de Economia, ou de Estudos Econômicos, das entidades de direito público ou privado, serão representados por 2 (dois) membros indicados pelas respectivas entidades, devendo ser 1 (um), pelo menos, economista e associado à Ordem. Parágrafo 5.º Os demais casos de representação e os casos omissos serão definidos pela Diretoria. Art. 11. A admissão de associados de qualquer categoria depende de proposta por escrito, apreciada em reunião da Diretoria, juntamente com outros documentos a serem solicitados na ocasião. Parágrafo Único. É permitida a admissão de associados ao quadro associativo através de convite da Diretoria, após aprovação da maioria de seus membros. Art. 12. As propostas recebidas deverão ser submetidas à aprovação da Diretoria acompanhadas, quando for o caso, das taxas e contribuições devidas. Parágrafo 1.º Na hipótese de não ser aceita a proposta, os valores recebidos serão restituídos ao interessado. Parágrafo 2.º É facultativo ao proponente pedir reconsideração, ou apresentar ar nova proposta, após o decurso de 3 (três) meses da data do indeferimento do pedido anterior.

4 Art. 13. Para a manutenção dos serviços da Ordem, a Diretoria, quando da aprovação da Proposta Orçamentária, anualmente, fixará o prazo para pagamento e o valor das contribuições anuais das taxas de inscrição e de expediente. Parágrafo Único. Os Associados das categorias Eméritos, Beneméritos, Honorários e Remidos ficam dispensados do pagamento da contribuição pela sua filiação, estando, entretanto, obrigados ao pagamento das taxas de expediente, quando requisitarem serviços da Ordem. Art. 14. São deveres do Associado de qualquer categoria, inclusive dos representantes das Entidades Associadas: I. observar a ética profissional e zelar pelo prestígio moral e intelectual da classe; II. pagar regularmente as contribuições e taxas a que estiver sujeito. III. cumprir as disposições estatutárias, o Regimento Interno e as deliberações dos órgãos competentes; IV. desempenhar, com zelo e dedicação, o cargo que lhe for confiado, prestando contas de seu mandato; V. requerer à Diretoria, por escrito, a sua demissão, estando em situação regular na Tesouraria, caso decida desligar-se do Quadro Social. VI. Comparecer às Assembléias Gerais. Art.15. São direitos do Associado Efetivo e em situação regular com a Tesouraria: I. Freqüentar a Sede Social, dependências e Representações da Ordem; II. usufruir de todos os direitos sociais que forem criados, gozando de descontos e privilégios a serem estabelecidos pela Diretoria, naqueles oferecidos ao público; III. participar das Reuniões e Assembléias Gerais promovidas pela Ordem e deliberar, no limite de suas atribuições, nos termos deste Estatuto e da legislação em vigor. IV. receber correspondências e publicações da Ordem, inclusive por meio eletrônico, desde que mantenha seus dados e seu endereço de correspondência atualizado; V. Votar após ter completado 6 (seis) meses de filiação à associação e ser votado para cargos eletivos da Ordem após ter completado 3 (três) anos de filiação à associação.

5 Capítulo III - DAS PENALIDADES Art. 16. O Associado, de qualquer categoria, está sujeito à pena de exclusão do Quadro Social, por deliberação da Diretoria, nas seguintes hipóteses: I. Ausência de pagamento das anuidades ou contribuições, a partir de seu vencimento; II. Dissolução da empresa filiada; III. Por justa causa ou falta grave, ou que tenha agido contrariamente às normas e princípios da ordem. IV. Outras causas avaliadas pontualmente; Parágrafo Primeiro. O associado excluído poderá interpor pedido de reconsideração à Diretoria, no prazo de até 30 (trinta) dias a contar do recebimento da comunicação da penalidade. Se confirmada a decisão anterior da Diretoria, o associado poderá interpor recurso ao Conselho Superior, no prazo de 30 (trinta) dias a contar do recebimento da comunicação da decisão sobre o seu pedido de reconsideração, sem prejuízo da faculdade de interpor recurso, posteriormente, à Assembléia Geral, que deverá ser convocada para este fim. Da decisão da Assembléia Geral Extraordinária (AGE) não caberá recurso. Art. 17. As contribuições pagas com atraso sofrerão a incidência de juros e multa, conforme deliberação da Diretoria. Parágrafo 1º. A Diretoria julgará os casos excepcionais, podendo dispensar a cobrança de multas e juros. Parágrafo 2.º. Satisfeito o débito e recolhidas as contribuições correspondentes ao período de afastamento, poderá o associado, a qualquer tempo, requerer sua readmissão no quadro associativo; Art. 18. Os demais casos serão analisados pela Diretoria a quem caberá deliberar sobre o assunto. Parágrafo Único. Em nenhum dos casos mencionados o associado poderá, a qualquer título ou a qualquer tempo reclamar restituição de qualquer pagamento/contribuição feito à associação, nem indenização de espécie alguma. Capítulo IV - Da Administração Art.19. A Ordem será administrada por uma Diretoria constituída de 15 (quinze) membros, a saber: Presidente; 1º Vice-Presidente; 2º Vice-Presidente e 12 (doze) Vice-Presidentes. Parágrafo 1º Compete ao Presidente designar 6 (seis) Vice-Presidentes para exercerem atribuições relacionadas a: I. Relações Públicas e Sociais;

6 II. Assuntos Culturais; III. Assuntos Técnicos; IV. Assuntos Administrativos; V. Assuntos Financeiros; VI. Assuntos de Sede. Parágrafo 2º Também compete ao Presidente nomear formalmente substitutos dos Vice-Presidentes de que trata o parágrafo anterior quando da ausência dos mesmos. Art. 20. Haverá um Conselho Fiscal, constituído por 3 (três) Membros Efetivos e 3 (três) Suplentes, eleitos juntamente com a Diretoria. Art. 21. Haverá um Conselho Superior constituído: I. por 18 (dezoito) Membros eleitos juntamente com a Diretoria; II. pelos Ex-Presidentes da Associação, membros natos. Art. 22. Qualquer órgão estatutário (Assembléia Geral, Conselho Superior, Diretoria e Conselho Fiscal) não poderá funcionar em primeira convocação sem que, pelo menos, haja comparecimento de mais da metade (1/2) dos que a ele pertençam, e as resoluções, em qualquer caso, serão tomadas por maioria simples de votos dos presentes, salvo nas hipóteses previstas no parágrafo 2º deste artigo e nas demais previsões deste estatuto ou nos regimentos. Parágrafo 1º. Em segunda convocação, após 1 (uma) hora, poderá funcionar com qualquer número, salvo os casos previstos neste estatuto. Parágrafo 2º. Para as deliberações a que se referem os itens II e IV do parágrafo 1o do artigo 43 (destituição de administradores e alteração do estatuto), é exigido o voto concorde de 2/3 (dois terços) dos presentes à Assembléia especialmente convocada para esse fim, não podendo ela deliberar, em primeira convocação, sem maioria absoluta dos associados, ou com menos de 1/3 (um terço) nas convocações seguintes. Parágrafo 3.º Cabe ao Presidente da Associação, em caso de empate, o voto de qualidade.

7 Capítulo V- Da Diretoria Art. 23. A Diretoria será composta por 1 (um) Presidente; 1 (um) 1º Vice-Presidente; 1 (um) 2º Vice- Presidente e 12 (doze) Vice-Presidentes com as funções definidas por este estatuto ou de forma complementar pelo regimento interno. Art. 24. Compete ao Presidente da Associação a distribuição dos encargos e competências especificados neste artigo, entre os Vice-Presidentes, além das atribuições já previstas neste estatuto ou em regimento interno. Art. 25. Compete à Diretoria as seguintes atribuições além de outras eventualmente previstas no Regimento Interno: I. administrar a Ordem, cumprir e fazer cumprir as disposições deste Estatuto, as deliberações da Assembléia Geral e as resoluções aprovadas pelo Conselho Superior e Diretoria; II. elaborar o Regimento Interno, bem como as suas modificações; III. deliberar sobre a admissão e eliminação de Associados da Ordem nos termos deste Estatuto; IV. encaminhar ao Conselho Superior os assuntos que, a seu critério, de conformidade com este Estatuto, devam ser submetidos à sua apreciação; V. aprovar a distribuição das funções dos integrantes dos Departamentos, da Secretaria e da Tesouraria; VI. constituir o Quadro de Funcionários e fixar-lhes remunerações e atribuições; VII. Constituir comissões especializadas, inclusive de caráter permanente, bem como grupos de trabalhos, que colaborem na administração da Ordem e nos demais assuntos de seu interesse e no geral; VIII. Deliberar sobre a celebração de convênios de cooperação mútua com empresas e entidades em geral, com intuito de desenvolver atividades de interesse do setor e das finalidades da Ordem; IX. Aplicar as penalidades previstas pelo Estatuto; X. fixar, anualmente, os prazos de pagamento e os valores das taxas de inscrição e expediente, das contribuições dos Associados e os índices a serem observados na aplicação das penalidades pecuniárias previstas no Capitulo III; XI. autorizar despesas extra-orçamentárias; XII. Deliberar e estabelecer as regras do Regulamento Interno da Câmara de Arbitragem da Ordem dos Economistas do Brasil; Art. 26. A Diretoria reunir-se-á, com a periodicidade que estabelecer a maioria de seus membros, em sua 1a. (primeira) Reunião (RD) anual, realizada no mês de janeiro de cada ano.

8 Art. 27. A Diretoria examinará ará e votará no mês de novembro, de cada ano, a Proposta Orçamentária para o exercício seguinte, e os programas de trabalho, para o mesmo período. Art. 28. A Diretoria elaborará, até 31 de março de cada ano, um Relatório das Atividades da Ordem relativas ao exercício anterior. Art. 29. Por motivo justificado, a critério da Diretoria, será permitido aos Diretores licenciarem-se até o prazo máximo de 3 (três) meses por ano, ininterrupta ou cumulativamente. Parágrafo Único. O Diretor que renunciar ou, sem motivo justificado, deixar de comparecer a 3 (três) reuniões consecutivas ou 6 (seis) alternadas, perderá automaticamente o seu mandato, devendo o cargo ser preenchido pela Diretoria, "ad-referendum" do Conselho Superior. Art. 30. Compete ao Presidente, exercer as seguintes atribuições além de outras eventualmente previstas nos Regimentos: I. presidir as Reuniões da Diretoria (RD), do Conselho Superior (RCS) e das Assembléias Gerais (AG); II. instalar as Assembléias Gerais Extraordinárias (AGE); III. representar entar a Ordem em juízo ou fora dele, não podendo contrair obrigações, transigir, renunciar direitos, dispor do patrimônio social ou, de qualquer forma, onerá-lo sem autorização da Diretoria; IV. convocar as Reuniões da Diretoria (RD) e do Conselho Superior (RCS); V. convocar as Assembléias Gerais (AG), Ordinárias (AGO) ou Extraordinárias (AGE); VI. superintender todo o movimento da Entidade, tomando as necessárias providências, para o bom andamento dos trabalhos; VII. cumprir e fazer cumprir o que for aprovado pela Diretoria, pelo Conselho Superior e pelas Assembléias Gerais; VIII. assinar as atas das sessões e os termos da abertura e encerramento dos livros da Secretaria e da Tesouraria em conjunto com o Secretário e com o Vice-Presidente designado para o acompanhamento do movimento Financeiro, respectivamente; IX. assinar, quando necessário, em conjunto com outro Diretor, a correspondência; X. autorizar despesas orçamentárias; XI. assinar ar cheques e visar contas a pagar em conjunto com o Vice-Presidente designado para o acompanhamento do movimento Financeiro. Parágrafo Único. O Presidente delegará poderes aos Vice-Presidentes e Diretores, para a execução dos encargos de sua competência.

9 Art. 31. Aos Primeiro e Segundo Vice-Presidentes, pela ordem, compete, além de outras eventualmente previstas nos Regimentos, substituir o Presidente em suas faltas e impedimentos e desempenhar os poderes que lhes forem delegados pelo Presidente.da Associação em exercício. Art. 32. Aos demais Vice-Presidentes compete, as seguintes atribuições além de outras eventualmente previstas nos Regimentos: I. coordenar, supervisionar e determinar as diretrizes das áreas que lhes competem; II. assinar propostas de novos Associados admitidos pela Diretoria; III. substituir o Presidente na sua falta e impedimentos deste e dos Primeiro e Segundo Vice- Presidentes, com preferência pela ordem, aos responsáveis por Assuntos Técnicos; Administrativos; de Relações Públicas e Assuntos Sociais; de Assuntos Culturais; Financeiro, e da Sede; IV. elaborar os programas de trabalho para o exercício seguinte; V. organizar as respectivas áreas que lhes correspondem, podendo departamentizá-las e designar chefias, VI. escolher seus responsáveis entre Associados da Ordem; VII. desempenhar os poderes que lhes forem delegados pelo Presidente da Associação em exercício. Art. 33. Ao Vice-Presidente designado para as funções de Relações Públicas e Assuntos Sociais compete, além de outras eventualmente previstas nos Regimentos, promover o intercâmbio com outras entidades de economistas e de outras categorias profissionais e econômicas, com órgãos públicos e divulgar as atividades da Entidade, objetivando a valorização da Ordem e da profissão do economista, como, também, compete promover a união da classe, servindo para estreitar a convivência social entre os Associados da Ordem, através de reuniões, visitas, excursões, solenidades, eventos e outras atividades de congraçamento. Art. 34. Ao Vice-Presidente designado para as funções relacionadas a Assuntos Culturais compete, além de outras atribuições eventualmente previstas nos Regimentos, incentivar o estudo, o aperfeiçoamento e a difusão da cultura das Ciências Econômicas e afins, por meio de: I. cursos, conferências, reuniões, debates e congressos; II. biblioteca especializada; III. edições de obras, boletins e monografias; IV. intercâmbio cultural. Art. 35. Ao Vice-Presidente designado para o acompanhamento dos Assuntos Técnicos compete exercer as seguintes atribuições, além de outras eventualmente previstas nos Regimentos:

10 I. supervisionar pesquisas e trabalhos técnicos da Ordem; II. organizar e dirigir grupos de estudos; III. elaborar pareceres técnicos. Art. 36. Ao Vice-Presidente designado para o acompanhamento das atividades relacionadas a Assuntos Administrativos compete exercer as seguintes atribuições, além de outras eventualmente previstas nos Regimentos: I. orientar e dirigir os serviços da Secretaria; II. despachar o expediente; III. secretariar as Reuniões da Diretoria e as Assembléias Gerais; IV. manter atualizado e em boa ordem o arquivo e o cadastro; V. redigir a correspondência; VI. preparar, de acordo com o Presidente, a Ordem do Dia das Reuniões de Diretoria; VII. assinar a correspondência em conjunto com o Presidente, quando necessário; VIII. elaborar o Relatório Anual das Atividades da Ordem. Art. 37. Ao Vice-Presidente designado para acompanhar o movimento Financeiro compete, além de outras eventualmente previstas nos Regimentos, as seguintes atribuições: I. orientar e dirigir os serviços da Tesouraria, respondendo pela boa ordem da Contabilidade, fornecendo balanços e demonstrações necessárias pela Diretoria; II. elaborar a previsão financeira para o exercício seguinte, submetendo-a à aprovação da Diretoria; III. arrecadar a receita e pagar despesas autorizadas, ficando sob seu controle o serviço de cobrança; IV. assinar cheques em conjunto com o Presidente. Art. 38. Ao Vice-Presidente designado para acompanhar os assuntos relativos à Sede, além de outras atribuições eventualmente previstas nos Regimentos, compete: I. administrar o funcionamento da sede; II. observar a normal conservação do prédio e de seus pertences; III. promover o funcionamento de serviços do interesse dos Associados, tais como: salas de aula e sua infra-estrutura, auditório, bar, restaurante, biblioteca, acervo sobre a história da Ordem e outros que forem aprovados pela Diretoria.

11 Art. 39. Aos demais Vice-Presidentes, sem designação específica, compete a Coordenação de trabalhos estabelecidos durante as reuniões de Diretoria, coordenação essa expressa em ato formal do Presidente. Capítulo VI - Do Conselho Fiscal Art. 40. Compete ao Conselho Fiscal as seguintes atribuições além de outras eventualmente previstas no Regimento Interno: I. Examinar e fiscalizar a gestão administrativa e financeira da Diretoria; II. Elaborar, ao final de cada exercício, parecer sobre o Balanço Geral e Contas, documento esse que fará parte integrante do Relatório Anual da Diretoria. III. Convocar Assembléia Geral, quando necessário. Parágrafo 1.º. Os Membros Efetivos do Conselho Fiscal escolherão entre si o seu Presidente, com as atribuições de convocar e presidir as Reuniões do Órgão. Parágrafo 2.º. Os Membros Efetivos do Conselho Fiscal serão substituídos em suas faltas e impedimentos pelos seus Suplentes, observada a ordem de eleição. Parágrafo 3.º. O Conselho Fiscal se reunirá, preferencialmente a cada 3 (três) meses e, extraordinariamente, sempre que necessário. Capítulo VII - Do Conselho Superior Art. 41. Compete ao Conselho Superior as seguintes atribuições além de outras eventualmente previstas no Regimento Interno: I. convocar as Assembléias Gerais Extraordinárias, quando for o caso; II. decidir, por proposta da Diretoria, sobre a alienação total ou parcial do Patrimônio Social, ressalvado, no caso de imóveis, o previsto neste estatuto. III. designar, entre os Associados Efetivos da Ordem, uma Comissão Eleitoral para os fins previstos neste estatuto em regimento específico; IV. deliberar, como última instância recursal, inclusive em questões eleitorais; V. decidir sobre a exclusão de associados, na forma prevista neste Estatuto. Parágrafo Primeiro. Caso não seja cumprido o estabelecido no item IV do artigo 30 deste Estatuto, competirá, subsidiariamente, a pelo menos 3 (três) membros do Conselho Superior, mediante

12 manifestação expressa dirigida ao Presidente do referido Conselho, convocar as reuniões deste órgão. Parágrafo Segundo. As deliberações do Conselho Superior poderão ser tomadas em reuniões cujas atas serão lavradas em livro próprio, ou por via epistolar, arquivando-se os documentos comprovantes. Capítulo VIII - Da representação Mediante Convênio Art. 42. Cabe à Diretoria deliberar sobre criação da Representação Mediante Convênio (RCM), devendo, para tanto, fixar sua área territorial e seus limites de competência e autonomia, de acordo com regimento interno em vigor. Capítulo IX - Da Assembléia Geral Art. 43. A Assembléia Geral, órgão soberano, constituído pela reunião dos Associados Efetivos, em situação regular com a Tesouraria, reunir-se-á: I. por convocação da Diretoria, por deliberação da maioria de seus membros; II. por convocação do Presidente da Ordem; III. por convocação do Conselho Superior, ou do Conselho Fiscal; IV. a requerimento de, pelo menos, um quinto (1/5) dos referidos Associados. Parágrafo 1º. Compete à Assembléia Geral as seguintes atribuições além de outras eventualmente previstas no Regimento Interno: I - eleger os administradores; II - destituir os administradores; III - aprovar as contas; IV - alterar o estatuto; V - deliberar sobre a dissolução e liquidação da Associação. VI - deliberar, em grau de recurso, sobre a exclusão de associado. Parágrafo 2.º. A presente ente Associação, somente poderá ser dissolvida através de voto concorde da maioria dos presentes à assembléia especialmente convocada para esse fim, não podendo ela deliberar, em primeira convocação, sem 2/3 (dois terços) dos associados em situação regular, ou com menos de 1/3 (um terço) nas convocações seguintes.

13 Art. 44. A Assembléia Geral poderá ser Ordinária ou Extraordinária. Parágrafo 1.º. A Assembléia Geral Ordinária reunir-se-á anualmente para: I. examinar e votar o Relatório da Diretoria, o Balanço Geral da Ordem e o Parecer do Conselho Fiscal e do Conselho Superior. II. Examinar e aprovar as contas; III. Eleger e empossar os administradores, quando for o caso; IV. Deliberar sobre outros assuntos de interesse, necessidade ou urgência referentes à Associação. Parágrafo 2.º. A Assembléia Geral Extraordinária reunir-se-á sempre que os interesses da Ordem o exigirem, e especialmente para: I. revogar as Resoluções da Diretoria ou do Conselho Superior. II. aprovar o Regimento Eleitoral. III. para reformar r parcial ou totalmente o presente Estatuto. IV. para dispor, alienar ou onerar bens imóveis do Patrimônio da Entidade. V. Aprovar outros assuntos de interesse na Associação. Art. 45. A convocação da Assembléia Geral deverá ser feita com 10 (dez) dias de antecedência, no mínimo, mediante edital afixado na sede e publicado no Diário Oficial da União e ainda por meio de carta a ser encaminhada aos associados por correio ou meio eletrônico, no endereço por estes indicados, contendo, de forma sucinta, a data e local de realização, bem como a ordem do dia, aplicando-se o disposto no artigo 22, com exceção dos casos previstos neste estatuto. Art. 46. Os associados em pleno gozo de seus direitos poderão ser representados nas Assembléias Gerais, através de representantes com procuração devidamente outorgada para este fim, os quais deverão, obrigatoriamente àmesa, antes de sua instalação. Capítulo X - Das Eleições Art. 47. As eleições na Ordem serão regidas por um Regimento Eleitoral aprovado pela Assembléia Geral da Entidade e se darão por voto universal direto, secreto, presencial, via correio, meio eletrônico, ou outro meio na forma estabelecida no mencionado Regimento. Art. 48. Os membros da Diretoria, o Conselho Superior e o Conselho Fiscal terão mandato de 3 (três) anos. No caso dos Membros da Presidência só será permitida uma reeleição, entendida como tal a eleição para mandato sucessivo, para o mesmo ou para outro cargo da Diretoria.

14 Parágrafo Único. Somente poderão votar e ser votados os Associados em situação regular, com a Ordem e a Tesouraria.

15 Capítulo XI - Do Patrimônio Social Art. 49. O Patrimônio da Ordem será constituído por: I. todos os bens, direitos e valores atuais e os que vierem a ser incorporados; II. todas as somas resultantes das contribuições anuais e das taxas e multas fixadas neste Estatuto; III. doações recebidas, legados e partes beneficiárias nas campanhas de fundos autorizadas e patrocinadas pela Ordem. IV. Resultados provenientes de cursos, palestras, seminários e congressos promovidos pela Associação. V. Outras receitas auferidas pela associação, provenientes de seu objeto social. Art. 50. A alienação do Patrimônio, envolvendo bens imóveis, somente deverá ser feita pela Diretoria, após aprovação da Assembléia Geral. Art. 51. Em caso de dissolução da Ordem, deliberada em Assembléia Geral, o remanescente do Patrimônio líquido, depois de deduzidas, se for o caso, as quotas ou frações ideais, terá o destino que a Assembléia resolver, sem prejuízo do disposto na legislação em vigor. Capítulo XII - Disposições Gerais Art. 52. Os Associados da Entidade não respondem solidária ou subsidiariamente, pelas obrigações contraídas em nome da Ordem pelos seus representantes ou administradores. Não há entre os associados, direitos ou obrigações recíprocas. Art. 53. Os cargos efetivos da Diretoria, do Conselho Superior e do Conselho Fiscal, bem como os dos Diretores Executivos dos Departamentos e Comissões e demais cargos da Administração, são exercidos graciosamente. Art. 54. São respeitados todos os direitos adquiridos da Associação pelos Associados de todas as categorias à vigência deste Estatuto. Art. 55. Os casos omissos serão resolvidos pela Diretoria. Art. 56. Fica eleito o Foro da Capital do Estado de São Paulo, com renúncia de qualquer outro por mais privilegiado que seja, para dirimir quaisquer dúvidas ou controvérsias oriundas e com referência à Associação. Art. 57. O presente Estatuto entra em vigor na data de seu registro em cartório de Títulos e Documentos, revogadas suas disposições em contrário, obrigando-se, automaticamente, todos os seus associados e administradores às novas regras. Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária, realizada na data de 23 de dezembro de 2004.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007

GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA. Estatutos. Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 GET - GRUPO DE ESTUDOS EM TRANSPORTES, ASSOCIAÇÃO CIENTIFICA Estatutos Versão aprovada em assembleia geral de 5 de Janeiro de 2007 Capítulo I Da denominação, dos fins e da sede da Associação Artigo 1º

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais)

MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) MODELO DE ESTATUTO DA SOCIEDADE DE AMIGOS DA BIBLIOTECA PÚBLICA (Este modelo deverá ser adaptado às situações locais) CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE, DURAÇÃO Art. 1.º A SOCIEDADE DE AMIGOS DA

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos

REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I. Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos REGIMENTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA DIRETORIA RIO GRANDE DO NORTE CAPITULO I Da Caracterização, Sede, Foro e Objetivos Art.1º A Diretoria Regional (DR) da SBEM-RN é órgão executivo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS EX-ALUNOS DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE LORENA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO AEXAL-EEL/USP CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Artigo 1º - A Associação dos Ex-Alunos da

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF

ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF ESTATUTO SOCIAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE - ABCPF TÍTULO I Denominação, Prazo de duração, Sede e Finalidades Art. 1º - A ACADEMIA BRASILEIRA DE CIRURGIA PLÁSTICA DA FACE, denominada

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA

REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA REGULAMENTO INTERNO REDE PROCURA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PROTEÓMICA CAPITULO I PREÂMBULO Artigo 1º Objeto 1. O presente Regulamento vem complementar e executar as normas estatutárias da Rede Procura Associação

Leia mais

Associação Técnico Científica Ernesto Luiz de Oliveira Junior ATECEL

Associação Técnico Científica Ernesto Luiz de Oliveira Junior ATECEL Associação Técnico Científica Ernesto Luiz de Oliveira Junior ATECEL Entidade declarada de utilidade pública pelas leis municipal n o. 03-B/74-GP de 15.03.74 e estadual no. 3738 de 20.12.74 ESTATUTO Associação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DO IDOSO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso CMI de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº 1754,

Leia mais

ESTATUTO DA ANPTECRE

ESTATUTO DA ANPTECRE ESTATUTO DA ANPTECRE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS DA RELIGIÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO Art. 1º A ANPTECRE Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO.

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÂO E DOSIMETRIA, ASSIRD, é uma sociedade civil, sem

Leia mais

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO ESTATUTO Capítulo I: Da Denominação Artigo 1º - O Diretório Acadêmico da, FACE ALFOR, é entidade máxima de representação dos estudantes dos cursos de Direito, Administração de Empresas e Engenharia Civil

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E MISSÃO Art. 1º O CENTRO BRASILEIRO DE PESQUISA EM AVALIAÇÃO E SELEÇÃO

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

Modelo de estatuto de Associação

Modelo de estatuto de Associação Modelo de estatuto de Associação CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DO FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR- FAPS CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1.º - O Conselho Fiscal do Fundo de Aposentadoria e Pensão do Servidor- FAPS, criado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE

ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE ESTATUTO DO IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Artigo 1º. O IDBRASIL CULTURA, EDUCAÇÃO E ESPORTE, denominado IDBRASIL, é uma associação de direito privado,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE CAPÍTULO I CAPÍTULO I SEÇÃO I Denominação e Características Art. 1 ASSOCIAÇÃO GRAVATAÍ TAEKWONDO CLUBE, neste estatuto denominado GTC, é uma sociedade civil, fundada em 25 de Agosto de 2013, com personalidade distinta

Leia mais

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. EMPRESA DE SERVIÇOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 25-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 01-08-2002,

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA

Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E SEDE, FINALIDADES, REPRESENTAÇÕES REGIONAIS E FONTES DE RECURSOS Seção Da Denominação e Sede Art. 1º - A SOCIEDADE

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput).

1 Ou de fins não econômicos, como prefere o Código Civil em vigor (art. 53, caput). MODELO DE ESTATUTO DE FUNDAÇÃO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º. A Fundação... é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos 1, com autonomia administrativa

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO JUVENIL INSCRITA NO RNAJ ONG SEM FINS LUCRATIVOS COM ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Natureza e Sede ESTATUTOS - 2015 1 A Associação Movimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPITULO I OBJETO E ÂMBITO DE APLICAÇÃO 1. O presente Regimento tem por objetivo regulamentar as questões internas de funcionamento dos órgãos de direção, dos grupos de trabalho, assim

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO

CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO CENTRO DE ESTUDOS DE ARTES MARCIAIS CHINESAS CEAMC ESTATUTO Capítulo I - Do Centro e Seus Fins Artigo 1º - O Centro de Estudos de Artes Marciais Chinesas, representado pelas iniciais CEAMC, fundado em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PERÍCIA E GESTÃO AMBIENTAL ABPG - Ambiental Capítulo I Denominação, Duração, Sede e Foro. Art. 1º - A Associação Brasileira de Perícia e Gestão Ambiental ABPG - Ambiental

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CARAPICUIBA SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO E HABITAÇÃO Conforme aprovado em reunião do Conselho Municipal de Habitação, realizada aos 29 de maio de 2012; REGIMENTO

Leia mais

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza

Associação dos Administradores de Insolvências. Estatutos. Capítulo I Natureza e Fins. Artigo 1º Natureza Associação dos Administradores de Insolvências Estatutos Capítulo I Natureza e Fins Artigo 1º Natureza 1. A Associação dos Administradores de Insolvências, adiante designada simplesmente por ASSOCIAÇÃO,

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS.

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS. NOVO ESTATUTO SOCIAL DA AGATEF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E OBJETIVOS Artigo 1º A Associação Gaúcha de Terapia Familiar, com sigla AGATEF, fundada em 1º de outubro de 1994, é uma Associação sem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO

PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO PRIMEIRA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DA UNIÃO GARCENSE DE AEROMODELISMO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E FINS Art. 1 A União Garcense de Aeromodelismo (UGA) é uma pessoa jurídica de direito privado, entidade

Leia mais

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS

ESTATUTO CAPÍTULO I. DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO CAPÍTULO II DAS FINANÇAS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE e DURAÇÃO Art. 1 o. Sob a denominação APA de Jaboticabal - Associação Protetora dos Animais de Jaboticabal - fica fundada nesta cidade, onde terá sua sede,

Leia mais

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO

INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO 1 INSTITUTO FÓRUM NACIONAL DOS SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE TURISMO - INFORUM ESTATUTO SOCIAL SUMÁRIO CAPITULO I - DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS, DA SEDE E DO PRAZO Art. 2º Para a consecução dos seus

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E QUADRO SOCIAL Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI, neste Estatuto designada, simplesmente, como Associação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA - ABRATECOM TITULO I - DA ASSOCIAÇÃO Capitulo I - Da Denominação, Natureza e Objetivo. Art. 1 o. - A Associação Brasileira de Terapia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA - 1 - CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. A Associação Nacional de Pesquisadores em Dança, associação sem fins lucrativos

Leia mais

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto.

ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem. Capítulo I. Denominação, sede e objeto. ESTATUTOS da Concórdia - Centro de Conciliação, Mediação de Conflitos e Arbitragem Capítulo I Denominação, sede e objeto Artigo 1 É constituída por tempo indeterminado, com sede em Lisboa, na Rua Rodrigo

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade

Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Regimento Interno do Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI Capitulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º - O Conselho Municipal do Idoso de Passo Fundo COMUI- possui atribuições de caráter propositivo

Leia mais

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado

Do Colegiado de Curso. Da Constituição do Colegiado REGULAMENTO INTERNO DO COLEGIADO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS - UNITINS Do Colegiado de Curso Art. 1º. O Colegiado de Curso é a instância básica dos cursos de graduação, responsável

Leia mais

Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS

Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Art.1 O SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS, sucessor do SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DE PARANAGUÁ, por

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial SOGAOR é

Leia mais

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos.

ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC. CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. ALTERAÇÃO DO ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO MUNICIPAL DAS ASSOCIAÇÕES DE MORADORES DE CONCÓRDIA UMAMC CAPITULO I Da Denominação, Sede, Duração e Objetivos. Art. 1º Sob a denominação de União Municipal das Associações

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA. Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO. Artigo 1º ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA Capitulo I DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1º 1- A Associação de Professores de Filosofia é uma associação portuguesa de professores ligados ao ensino da Filosofia,

Leia mais

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES

INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR - INSTITUTO ANDIFES ESTATUTOS TÍTULO I DO NOME, DA NATUREZA, DO OBJETO, DA SEDE e DO FORO Art. 1º - O INSTITUTO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DA EDUCAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I

REGIMENTO INTERNO CAPITULO I 1 Conselho Municipal do Idoso de São Caetano do Sul Lei n 4.179 de 23/10/2003. R. Heloísa Pamplona, 304 B. Fundação CEP 09520-310 São Caetano do Sul/SP. cmi@saocaetanodosul.sp.gov.br REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais