Segurança Privada no Brasil Panorama Atual - Situação dos Vigilantes e Seguranças

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança Privada no Brasil Panorama Atual - Situação dos Vigilantes e Seguranças"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NAIPPE - NÚCLEO DE ANÁLISE INTEDISCIPLINAR DE POLÍTICAS E ESTRATÉGIA Mauro Tavares Cerdeira Segurança Privada no Brasil Panorama Atual - Situação dos Vigilantes e Seguranças Monografia apresentada no Curso de Pós- Graduação em Políticas e Estratégia do Naippe Universidade de São Paulo Orientador: Prof. Dr. Braz de Araújo SÃO PAULO 2004

2 2 ÍNDICE Introdução Capítulo 1 Segurança Privada Conceito e Regulação Introdução ao panorama dos serviços de vigilância privada Legislação e outras normas de regulação Análise dos principais pontos da normatização Caráter privado dos serviços de segurança Outras questões relevantes Capítulo 2 Direitos consolidados e convencionados dos vigilantes Situação dos vigilantes no contexto das legislação trabalhista - CLT Direitos previstos na próprias normas reguladoras da atividade Normas de segurança do Ministério do Trabalho Os instrumentos coletivos e os direitos convencionados Funções convencionadas e remunerações Jornadas e escalas de trabalho Registro de ocorrências policiais Desgaste do profissional e equipamentos de trabalho Formação profissional Uniformes Colete à prova de balas... 51

3 Assistência jurídica aos empregados Seguro de vida Auxílio funeral Assistência nas rescisões Medidas de proteção ao emprego Inibição ao desvio funcional Câmara setorial da categoria Conclusão acerca das normas convencionais Capítulo 3 Custo dos serviços de segurança privada Capítulo 4 Desvio funcional e clandestinidade As diversas facetas do mesmo problema Prerrogativas dos fiscalizadores Financiamento das atividades de fiscalização Atuações do poder jurisdicional O nocivo aproveitamento dos policiais Violência descontrolada Segurança descontrolada Possíveis soluções Mundo (im)possível A ética nos serviços de segurança Conclusão Bibliografia

4 4 INTRODUÇÃO O presente texto, procura tratar das questões atuais atreladas à prestação dos serviços de vigilância e segurança privada no Brasil. Tratam-se, os serviços de segurança privada, de uma modalidade de transferência do uso lícito da força, do estado para os particulares, criando uma atividade paramilitar, e portanto com necessidade de ampla e integral regulação. Embora informalmente executados há algumas décadas, sua regulamentação surge em 1.969, através de um decreto, em face da onda de assaltos a bancos, promovidos muitas vezes por atos políticos e inclusive para o financiamento de atividades terroristas. A sua regulação por lei, surge em 1.983, com o publicação da Lei 7.102, que vige, com diversas modificações, até hoje, e que contempla também especialmente os serviços de segurança e vigilância do setor financeiro, em face do risco inerente à atividade, à exigência de grandes companhias seguradoras para a diminuição desses riscos, e também das necessidades particulares existentes à época. Ocorre que, de lá para cá, a atividade do setor se elevou significativamente. Alastrou-se por setores públicos e privados, empresariais e residenciais, passando a contemplar inclusive a forma orgânica prestação dos serviços por empresas de outros ramos de atividade, para as suas necessidades internas -. Os responsáveis apontados por esta onda gigante de crescimento, são o aumento exacerbado da violência, principalmente nos grandes centros, e o fraco desempenho da segurança pública. Há ainda, nós sabemos, outros fatores relacionados a este intenso crescimento da atividade, como a tendência mundial contemporânea de privatização dos serviços públicos, a elitização da segurança formação de uma milícia protetora à acumulação capitalista -, e mesmo o efeito psicológico e multiplicador da onda de violência, que cria extensões da atividade por um movimento apenas aparente. Em um segundo momento, já na orla da ilegalidade, começam a gerir e multiplicar este processo as próprias polícias públicas, que comercializam a diferenciação dos serviços e a formação de esquadrões de autônomos agindo extra-muros em realidade, a regulação da segurança privada indica

5 5 exatamente o contrário, ou seja, que os seguranças devem estar sempre atrelados a uma empresa específica e responsável, e atuar apenas em ambientes privados (intra-muros) -. Importante, porém, é que a elevação dos níveis da atividade, deveria ser necessariamente acompanhada, dada a sua natureza e a necessidade de máximo controle da sociedade, de uma regulamentação firme e abrangente, e, mais ainda, de uma fiscalização absolutamente rigorosa e eficaz. No que tange ao primeiro aspecto, temos que a legislação hoje existente não é das piores. Exige a satisfação de vários requisitos para o exercício das atividades pelas empresas. Tem, contudo, alguns problemas sérios. Está desatualizada, não contemplando várias modalidades de serviço hoje existentes. Nem mesmo os auto-atendimentos e caixas eletrônicos, que são uma realidade, estão inseridos no sistema. Não há, até hoje, uma regulamentação da função do profissional vigilante, o que auxiliaria no controle da atividade e no controle da terceirização freqüentemente ilegal. Há poucas penalidades para questões relevantes, como o funcionamento de empresas clandestinas e crimes praticados. Há, ainda, leis acessórias, como é o caso da Lei 8.666, que cuida das licitações públicas, que por seus critérios, não impede a apresentação de propostas inexeqüíveis, que criam diversos problemas no futuro. Este é também o caso da legislação penal utilizada para a punição dos infratores. Ainda outros problemas existem, conforme se verá. No segundo aspecto, no que se refere a fiscalização, realmente a questão se complica de vez. O Departamento da Polícia Federal, encarregado da fiscalização e acompanhamento da atividade em nível nacional, não possui efetivo suficiente, nem ao menos para o cuidado das empresas que atuam legalmente. Os recursos, inclusive provenientes de taxas de atos administrativos, ao contrário do que prevê a legislação, não são efetivamente utilizados na atividade. A corrupção e o pagamento de propinas é outro problema sério do setor. E os problemas não param por aí. Estes dois fatores conjugados levaram a uma proliferação de serviços ilegais e clandestinos, inclusive com uso de armamento, atuação de verdadeiros bandidos, transgressão recorrente dos direitos e garantias trabalhistas, sonegação de impostos e contribuições previdenciárias, desvio freqüente de função, e as mais diversas infrações. A segurança privada, portanto, está absolutamente descontrolada. O sistema de fiscalização é precário. Os trabalhadores são freqüentemente enganados e lesados, e possuem condições, de trabalho e de vida, muitas vezes

6 6 também precárias. Armas são utilizadas sem autorização. Há criminosos infiltrados no sistema. Órgãos públicos acumulam dívidas em face de sua responsabilidade civil e trabalhistas por serviços mal prestados e por danos gerados. E tudo isso cria, ao invés de segurança, um risco efetivo a toda a sociedade. Este trabalho de monografia visa a análise desse ambiente. Possui um primeiro tópico, bastante amplo, que objetiva situar o leitor no universo da regulação da atividade em nosso País. Em um segundo tópico, procuramos analisar a questão da ótica do vigilante, trabalhador da segurança privada, em uma tentativa de mostrar ao leitor de que efetivamente se trata este serviço e como são e vivem os profissionais envolvidos. No terceiro tópico, faz-se uma análise dos custos dos serviços de segurança. No último tópico, também bastante amplo, há uma análise do mercado atual da segurança privada, especialmente dos problemas atrelados à clandestinidade e ao desvio funcional, em que são apontados os diversos problemas e os riscos à sociedade. Ao final, procuramos contribuir com algum direcionamento para a análise crítica do problema, indicando os principais pontos que deverão ser revistos pela sociedade, apontando inclusive que a solução definitiva do problema passa necessariamente por um processo de conscientização social sobre de que exatamente trata a segurança privada e de como executar seus objetivos com verdadeira responsabilidade e segurança.

7 7 Capítulo 1) Segurança Privada conceito e regulação 1.1) Introdução ao panorama dos serviços de vigilância privada A segurança tornou-se um dos maiores ideais de toda a sociedade brasileira. É, sem dúvidas, junto com a geração de empregos, a maior preocupação dos grandes centros urbanos, e passa, cada vez mais, a constar da pauta também dos pequenos municípios e das áreas rurais. Talvez a primeira causa para a situação de crescente violência social, seja realmente a péssima distribuição de renda que enfrentamos, asseverada nos tempos de hiperinflação, e mantida como barreira ao próprio crescimento sustentado da economia, o que nos leva a concluir que a verdadeira solução do problema está muito distante, e a exigir uma profunda alteração na estrutura econômico-social, cumulada necessariamente com farto crescimento. Enquanto, no entanto, espera-se pelas mudanças capazes de afetar a causa do problema, o certo é que convivemos hoje com um ambiente de franca violência, que abarca tanto o crime organizado quanto a criminalidade avulsa, em constante desenvolvimento e mutação, capazes de colocar o nosso país nos níveis de países que convivem com guerras e catástrofes. A população, oprimida, busca formas de proteção que superem os patamares da insuficiente e fraca segurança pública. Há que se dizer, que o conceito de segurança, no momento em que vivemos, não passa mesmo de um ideal. Melhor talvez seria se falar em formas de defesa para se chegar a segurança. Pois o que realmente é atingível pela população são formas, melhores ou piores, de defesa contra a patente insegurança. Some-se a isto, o fato de que a segurança, freqüentemente associada ao combate à violência, não é conceito que se restringe a isso, pura e simplesmente. Segurança atinge também todas as outras situações e processos que possam colocar em risco as pessoas e seu patrimônio. O desenvolvimento, particularmente, traz inúmeras formas de proteção contra eventos da natureza e suas conseqüências, como é o caso das enchentes e alagamentos; furacões e ciclones, como está em moda, além de eventos naturais ou provocados, como incêndios, tumultos, arrastões, e outros tantos, que fazem parte de um leque enorme de situações que se encontram acolhidas no conceito amplo de segurança, definida como a proteção das pessoas e dos patrimônios. Acompanhando, pois, este movimento da violência urbana, bem como a elevação do número de eventos que colocam em risco a vida e o patrimônio das

8 8 pessoas, é que surge e ganha grande força a segurança privada, como conceito mais amplo, e a vigilância privada, como parte daquele conceito mais ligado a situações propriamente de ameaça e violência, que tem em seu centro a figura de um homem, o vigilante ou segurança, contratado, sempre através de uma empresa de segurança, com o fim específico de aumentar a defesa na esfera particular de indivíduos, empresas, e outras entidades. As ações de segurança, de iniciativa privada, somente são possíveis através de uma regulamentação legal, que transfere, licitamente, o monopólio do uso da força, do Estado seu legítimo detentor - para o particular, a partir de certas regras de conduta rígidas estampadas obrigatoriamente na legislação. A transferência de tal poder de monopólio, no princípio inconcebível, mas atuante no estado moderno, como se vê na maioria dos governos atuais, sobre o qual se estrutura e amolda a sociedade ocidental contemporânea, é bem identificada já na obra de Max Weber 1, um dos maiores teóricos sobre o tema do uso lícito da violência como forma de dominação. Na época atual, a relação entre violência e Estado é profundamente próxima. No passado, associações tão diferenciadas começando pela família utilizaram como instrumento de poder a força física como algo inteiramente normal. Entretanto, atualmente, devemos dizer que um Estado é uma comunidade humana que se atribui (com êxito) o monopólio legítimo da violência física, nos limites de um território definido. (...) No período contemporâneo, o direito ao emprego da coação física é assumido por outras instituições à medida que o Estado o permita. Esta transferência da prerrogativa/poder do estado, é que permite a existência da denominada segurança privada, como forma das pessoas protegerem, a si e a seu patrimônio, em ambiente privado. Como sabemos, o direito ao patrimônio e a sua manutenção é protegido constitucionamelmente 2, sendo uma das maiores garantias da estrutura jurídica do capitalismo moderno. O processo de proteção da propriedade, consoante se observa, permite uma superconcentração, em quantidade e qualidade, da segurança privada, nas mãos das elites econômicas e políticas, em face de seu poder econômico atual, o que favorece a manutenção da ordem, e intensifica o problema patente da elevada concentração de renda, circunstância que será melhor abordada mais adiante neste trabalho. 1 A Política como Vocação pág Constituição da República 1988 art. 5 o Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País, a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, a igualdade, a segurança e a propriedade, nos termos seguintes: XXII é garantido o direito à propriedade.

9 9 Esta característica relaciona-se com uma tendência clara de que os serviços de vigilância privada, verdadeira transferência do monopólio da força do Estado para o cidadão, seja cada vez mais atrelado à proteção da propriedade, mesmo aquela adstrita ao domínio público. A figura do vigilante privado, como todos sabemos, é antiga e se evidenciou com o advento do capitalismo, e está portanto agregada ao conceito de proteção, principalmente do patrimônio privado. Era, para centrarmos o passado menos longínquo, há algumas décadas atrás, o guarda de quarteirão, o fiscal da obra, ou o protetor (ou jagunço) das propriedades rurais. O crescimento da atividade, no entanto, exigiu sua regulamentação, e o ritmo rápido e desordenado, aliado à grande e confusa preocupação com a segurança, acabou gerando inúmeros problemas sérios nos últimos anos, que passam pelo questionamento sobre a necessidade e conveniência do uso de armas por tais profissionais, a um maciço desvio funcional na atividade, que acaba por gerar uma clandestinidade perigosa, por vezes criminosa. O crescimento a que nos referimos, que pode inclusive ser facilmente notado, fica bem evidenciado pela matéria publicada no Jornal do Brasil, em data de , baseada em dados do IBGE: O crescimento da violência fez com que mais empresas contratassem serviços de transporte de valores, segurança, vigilância e investigação privadas em todo o país. É o que mostra a Pesquisa Anual de Serviços, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O levantamento aponta um crescimento de 26,8 % no número de empresas que prestam serviços de segurança em todo o país. Em 2001, 2580 companhias atuavam nesse seguimento. Em 2000, eram O aumento da violência tem levado mais gente a contratar os serviços dessas empresas. Basta olhar quantas estão surgindo disse Roberto Saldanha, técnico do IBGE. O maior exército de vigilantes particulares está em São Paulo. Em 2000 havia no Estado 579 empresas. Em 2001 o número se elevou para 885, com um aumento de 52 %. No Rio, onde a população convive com a violência diariamente, houve aumento de 57 %. No Estado, 385 empresas prestavam serviços relacionados a segurança em 2001, contra 244 em Com o aumento do número de empresas, o faturamento do setor também cresceu. Passou de R$5,939 bilhões em 2000 para R$6,036 bilhões em Também cresceu o número de profissionais de segurança privada empregados. Houve um aumento de 4,2 % em 2001, segundo o IBGE. Em 2000, trabalhavam no ramo pessoas. No ano seguinte, o número subiu para No Rio, o crescimento foi de 3,8 % - de pessoas empregadas para Somados aos fatores ligados ao inquestionável aumento da violência, existem outras causas para a elevação, hoje indiscriminada, das atividades privadas de segurança. O maior deles, talvez, seja a efetiva ineficácia do estado como ente garantidor da segurança social. Outras causas ainda se prendem a maior especificidade das ações criminosas, e a sua organização técnica. Atrelase, ainda, ao desenvolvimento do próprio liberalismo, e das leis de mercado, que

10 10 de um lado torna natural a menor presença do estado nas atividades econômicas, e de outro se tem um mercado altamente rentável, que se desenvolve a cada dia, oferecendo inovações tanto no que diz respeito ao treinamento humano, quanto na tecnologia empregada. Em seu texto, Leonarda Musumeci 1 expõe com clareza muitas destas questões relacionadas à diminuição e mesmo ineficiência do estado na modernidade, em seus múltiplos espectros, e inclusive nas relações da vigilância privada com o seu poder intrínseco, originariamente público: Para alguns, esse fenômeno ultrapassa muito em seus efeitos a tendência geral de encolhimento do Estado e ampliação dos espaços sob domínio da iniciativa privada, abalando, no limite, a própria definição moderna de Estado comunidade humana que pretende, com êxito, o monopólio do uso legítimo da força física dentro de um determinado território (Weber (1974)), e à qual cumpre garantir ordem e segurança para as vidas e propriedades dos seus cidadãos. Transformação da segurança em mercadoria e a transferência crescente para mãos privadas do uso legítimo da força poderiam trazer sérias ameaças à manutenção dos direitos humanos e civis penosamente conquistados ao longo dos últimos dois séculos. (...). Na outra ponta do debate, estão os que defendem com maior ou menor radicalismo a transferência de funções de segurança para a iniciativa privada, utilizando como argumentos básicos: a) a comprovada incapacidade de o Estado deter o avanço da criminalidade nos grandes centros urbanos; b) a ineficiência da segurança pública (e dos serviços estatais de um modo geral), em termos de relação custo-benefício; c) a inoperância concreta dos mecanismos protetores de que o indivíduo dispõe contra os abusos do Estado, mesmo em países democráticos (segundo esse argumento, seria mais fácil defender-se de vigilantes particulares, submetidos à lei comum, que de policiais, promotores e juízes, acobertados pela corporação estatal); d) a disciplina rigorosa que o mercado impõe sobre as empresas privadas de segurança e estas sobre o comportamento de seus agentes: omissão e Reynolds (1990 e 1994), Hakin e Shachmurove (1996), Anderson e Cannan (1997)). Campo próspero, portanto, a atividade da vigilância privada, sofrendo influência tanto da tendência de substituição do estado por serviços de ordem privada, quanto do crescimento da violência e das impressões e previsões que este movimento geral. Sobre este último tema, argumentam Sérgio Olímpio e Márcio Lemos 2. A violência tem amplo campo para progredir no Brasil devido aos seguintes aspectos: miséria social, drogas, consumismo estimulado pela mídia, facilidade de obtenção de armas, organização arcaica do Sistema de Segurança Pública, legislação defasada e complacente, Estatuo da Criança e maioridade penal. Todos estes fatores contribuem para uma nefasta sensação de impunidade que se solidifica nos seguintes dados: a 1 Serviços Privados de Vigilância no Brasil pág Insegurança Pública e Privada pág. 157

11 11 probabilidade, no Brasil, de alguém ser preso em flagrante; indiciado pela Polícia, julgado pela Justiça, condenado, e cumprir pena sentenciada é de 0,001483%, ou seja, para cada 1000 delitos praticados, apenas 1 chega a reta final. Por um ou outro motivo, o certo é que a segurança privada cresce, tanto no que diz respeito ao enfrentamento da maior criminalidade, quanto no que se refere à ampliação do leque das suas atividades, vindo muitas vezes a substituir a segurança pública. É o caso da crescente aplicação de tais serviços junto a órgãos públicos, que constituem, no entanto, espaços privados, como é o caso de estações de trem e metrô, museus, hospitais, parques e praças, e mais recentemente até para a guarda e fiscalização de presídios; tudo com ampla propaganda de resultados positivos. As atividades dos vigilantes, na atualidade, estão ligadas, em aspecto amplo, à defesa, proteção e fiscalização de patrimônios, pessoas e situações. Segundo a particularização de objetivos do professor Paulo Roberto Aguiar Portella 1, as principais atividades corriqueiras específicas dos vigilantes são as seguintes: implementar e fiscalizar a obediência ao sistema de controle e identificação do pessoal; observar e patrulhar perímetros designados, áreas, estruturas e atividades do interesse da segurança; apreender pessoas ou veículos que tenham entrado sem autorização nas áreas de segurança; fiscalizar determinados depósitos, salas ou edifícios do interesse da segurança, particularmente fora do horário de expediente normal, visando verificar se estão corretamente protegidos e em ordem; executar serviços essenciais de escolta; implementar e fiscalizar a obediência ao sistema estabelecido de controle sobre circulação de documentos e materiais de interesse da segurança nas áreas controladas; responder aos sinais de alarme de proteção ou outras indicações de atividade suspeita; agir conforme necessário em situações que afetem a segurança, inclusive em acidentes, incêndios, desordem internas, tentativas de espionagem, sabotagem ou outros atos criminosos; 1 Gestão de Segurança págs. 101/102

12 12 comunicar ao supervisor, como dever prescrito de rotina, as condições de trabalho e, conforme necessário, em todas as circunstâncias anormais; e proteger de modo geral dados, materiais e equipamentos contra acesso não autorizado, perda, furto ou dano. 1.2) Legislação e outras normas de regulação Feitas as considerações iniciais e descrição sumária das características da atividade profissional, e para começarmos a melhor entender a questão, é providencial o conhecimento dos termos principais das normas que regem a atividade no Brasil. Em primeiro lugar, diga-se que a vigilância privada é atividade que necessita de regulamentação. Conforme o artigo 5 o, inciso XII, da Constituição Federal vigente, é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer. Oficialmente, os serviços particulares de segurança surgiram em 1.969, através de um decreto-lei (decreto-lei 1.034, de ) que obrigava a sua contratação pelos bancos, sob pena de intervenção pelo Banco Central. O objetivo primeiro, naquela época, era combater os ataques subversivos. Mas foi em que se estabeleceu uma regulação mais abrangente e válida da matéria, através da lei que instituiu e regulamentou a atividade de segurança e vigilância privada no país, que é a 7.102/83, e data de 20 de junho de 1.983, estando vigente até hoje, e que passa a ser analisada. Vejamos o teor da referida lei. LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição e funcionamento das empresas particulares que exploram serviços de vigilância e de transporte de valores, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: Art.1º - É vedado o funcionamento de qualquer estabelecimento financeiro onde haja guarda de valores ou movimentação de numerário, que não possua sistema de segurança com parecer favorável à sua aprovação, elaborado pelo Ministério da Justiça, na forma desta Lei. (Art.1º com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995).

13 13 A competência estabelecida ao Ministério da Justiça será exercida pelo Departamento de Polícia Federal, conforme o Art.16 da Lei nº 9.017, de 30/03/1995. Parágrafo único. Os estabelecimentos financeiros referidos neste artigo compreendem bancos oficiais ou privados, caixas econômicas, sociedades de crédito, associações de poupanças, suas agências, subagências e seções Art.2º - O sistema de segurança referido no artigo anterior inclui pessoas adequadamente preparadas, assim chamadas vigilantes; alarme capaz de permitir, com segurança, comunicação entre o estabelecimento financeiro e outro da mesma instituição, empresa de vigilância ou órgão policial mais próximo; e, pelo menos, mais um dos seguintes dispositivos: I - equipamentos elétricos, eletrônicos e de filmagens que possibilitem a identificação dos assaltantes; II - artefatos que retardem a ação dos criminosos permitindo sua perseguição, identificação ou captura; e III - cabina blindada com permanência ininterrupta de vigilante durante o expediente para o público e enquanto houver movimentação de numerário no interior do estabelecimento. Parágrafo único - (Revogado pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995) Art.3º - A vigilância ostensiva e o transporte de valores serão executados: (Art.3º, "caput", com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995). I - por empresa especializada contratada; ou II - pelo próprio estabelecimento financeiro, desde que organizado e preparado para tal fim, com pessoal próprio, aprovado em curso de formação de vigilante autorizado pelo Ministério da Justiça e cujo sistema de segurança tenha parecer favorável à sua aprovação emitido pelo Ministério da Justiça. Parágrafo único. Nos estabelecimentos financeiros estaduais, o serviço de vigilância ostensiva poderá ser desempenhado pelas Polícias Militares, a critério do Governo da respectiva Unidade da Federação. (Parágrafo único com redação dada pela Lei 9.017, de 30/03/1995). Art.4º - O transporte de numerário em montante superior a vinte mil UFIR, para suprimento ou recolhimento do movimento diário dos estabelecimentos financeiros, será obrigatoriamente efetuado em veículo especial da própria instituição ou de empresa especializada. (Art.4º com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995) Art.5º - O transporte de numerário entre sete mil e vinte mil UFIR poderá ser efetuado em veículo comum, com a presença de dois vigilantes. (Art.5º com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995).

14 14 Art.6º - Além das atribuições previstas no Art.20, compete ao Ministério da Justiça: (Art.6º, "caput", com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995). I - fiscalizar os estabelecimentos financeiros quanto ao cumprimento desta Lei; II - encaminhar parecer conclusivo quanto ao prévio cumprimento desta Lei, pelo estabelecimento financeiro, à autoridade que autoriza o seu funcionamento; III - aplicar aos estabelecimentos financeiros as penalidades previstas nesta Lei. A competência estabelecida ao Ministério da Justiça será exercida pelo Departamento de Polícia Federal, conforme o Art.16 da Lei nº 9.017, de 30/03/1995). Parágrafo único. Para a execução da competência prevista no inciso I, o Ministério da Justiça poderá celebrar convênio com as Secretarias de Segurança Pública dos respectivos Estados e Distrito Federal. (Parágrafo único com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995). Art.7º - O estabelecimento financeiro que infringir disposição desta Lei ficará sujeito às seguintes penalidades, conforme a gravidade da infração e levando-se em conta a reincidência e a condição econômica do infrator: (Art.7º com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995). I - advertência; II - multa, de mil a vinte mil UFIR; III - interdição do estabelecimento. A aplicação das penalidades referidas neste artigo é da competência do Ministério da Justiça - Departamento de Polícia Federal -, conforme o Art.16 da Lei nº 9.017, de 30/03/1995. Art. 8º - Nenhuma sociedade seguradora poderá emitir, em favor de estabelecimentos financeiros, apólice de seguros que inclua cobertura garantindo riscos de roubo e furto qualificado de numerário e outros valores, sem comprovação de cumprimento, pelo segurado, das exigências previstas nesta lei. Parágrafo único. As apólices com infringência do disposto neste artigo não terão cobertura de resseguros pelo Instituto de Resseguros do Brasil. Art. 9º - Nos seguros contra roubo e furto qualificado de estabelecimentos financeiros, serão concedidos descontos sobre os prêmios aos segurados que possuírem, além dos requisitos mínimos de segurança, outros meios de proteção previstos nesta lei, na forma de seu regulamento. Art São considerados como segurança privada as atividades desenvolvidas em prestação de serviços com a finalidade de: (Art. 10, caput alterado, incisos e parágrafos incluídos pela Lei nº 8.863, de 28/03/1994).

15 15 I - proceder à vigilância patrimonial das instituições financeiras e de outros estabelecimentos, públicos ou privados, bem como a segurança de pessoas físicas; carga; II - realizar o transporte de valores ou garantir o transporte de qualquer outro tipo de 1º - Os serviços de vigilância e de transporte de valores poderão ser executados por uma mesma empresa. 2º - As empresas especializadas em prestação de serviços de segurança, vigilância e transporte de valores, constituídas sob a forma de empresas privadas, além das hipóteses previstas nos incisos do caput deste artigo, poderão se prestar ao exercício das atividades de segurança privada a pessoas; a estabelecimentos comerciais, industriais, de prestação de serviços e residências; a entidades sem fins lucrativos; e órgãos e empresas públicas. 3º - Serão regidas por esta lei, pelos regulamentos dela decorrentes e pelas disposições da legislação civil, comercial, trabalhista, previdência e penal, as empresas definidas no parágrafo anterior. 4º - As empresas que tenham objeto econômico diverso da vigilância ostensiva e do transporte de valores, que utilizem pessoal de quadro funcional próprio, para execução dessas atividades, ficam obrigadas ao cumprimento do disposto nesta lei e demais legislações pertinentes. 5º - (Vetado) 6º - (Vetado) Art A propriedade e a administração das empresas especializadas que vierem a se constituir são vedadas a estrangeiros. Art Os diretores e demais empregados das empresas especializadas não poderão ter antecedentes criminais registrados. Art.13 - O capital integralizado das empresas especializadas não pode ser inferior a cem mil UFIR. (Art.13 com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995). Art São condições essenciais para que as empresas especializadas operem nos Estados, Territórios e Distrito Federal: I - autorização de funcionamento concedida conforme o Art. 20 desta lei; e II - comunicação à Secretaria de Segurança Pública do respectivo Estado, Território ou Distrito Federal. Art Vigilante, para os efeitos desta lei, é o empregado contratado para a execução das atividades definidas nos incisos I e II do caput e parágrafos 2º, 3º e 4º do Art. 10. (Art. 15 com redação dada pela Lei nº 8.863, de 28/03/1994).

16 16 Art Para o exercício da profissão, o vigilante preencherá os seguintes requisitos: I - ser brasileiro; II - ter idade mínima de 21 (vinte e um) anos; III - ter instrução correspondente à quarta série do primeiro grau; IV - ter sido aprovado em curso de formação de vigilante, realizado em estabelecimento com funcionamento autorizado nos termos desta lei; (Inciso IV com redação dada pela Lei nº 8.863, de 28/03/1994). V - ter sido aprovado em exame de saúde física, mental e psicotécnico; VI - não ter antecedentes criminais registrados; e VII - estar quite comas obrigações eleitorais e militares. Parágrafo único. O requisito previsto no inciso III deste artigo não se aplica aos vigilantes admitidos até a publicação da presente lei. Art O exercício da profissão de vigilante requer prévio registro na Delegacia Regional do Trabalho do Ministério do Trabalho, que se fará após a apresentação dos documentos comprobatórios das situações enumeradas no artigo anterior. (Vide Medida Provisória nº , de ) Parágrafo único. Ao vigilante será fornecida Carteira de Trabalho e Previdência Social, em que será especificada a atividade do seu portador. Art O vigilante usará uniforme somente quando em efetivo serviço. Art É assegurado ao vigilante: I - uniforme especial às expensas da empresa a que se vincular; II - porte de arma, quando em serviço; III - prisão especial por ato decorrente do serviço; IV - seguro de vida em grupo, feito pela empresa empregadora. Art.20 - Cabe ao Ministério da Justiça, por intermédio do seu órgão competente ou mediante convênio com as Secretarias de Segurança Pública dos Estados e Distrito Federal: (Art.20, "caput", com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995). I - conceder autorização para o funcionamento: a) das empresas especializadas em serviços de vigilância; b) das empresas especializadas em transporte de valores; e c) dos cursos de formação de vigilantes.

17 17 II - fiscalizar as empresas e os cursos mencionados no inciso anterior; III - aplicar às empresas e aos cursos a que se refere o inciso I deste artigo as penalidades previstas no Art.23 desta Lei; IV - aprovar uniforme; V - fixar o currículo dos cursos de formação de vigilantes; VI - fixar o número de vigilantes das empresas especializadas em cada Unidade da Federação; VII - fixar a natureza e a quantidade de armas de propriedade das empresas especializadas e dos estabelecimentos financeiros; VIII - autorizar a aquisição e a posse de armas e munições; e IX - fiscalizar e controlar o armamento e a munição utilizados. X - rever anualmente a autorização de funcionamento das empresas elencadas no inciso I deste artigo. (Inciso X acrescido pela Lei nº 8.863, de 28/03/1994). Parágrafo único. As competências previstas nos incisos I e V deste artigo não serão objeto de convênio. (Parágrafo único com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995). Art As armas destinadas ao uso dos vigilantes serão de propriedade e responsabilidade: I - das empresas especializadas; II - dos estabelecimentos financeiros quando dispuserem de serviço organizado de vigilância, ou mesmo quando contratarem empresas especializadas. Art Será permitido ao vigilante, quando em serviço, portar revólver calibre 32 ou 38 e utilizar cassetete de madeira ou de borracha. Parágrafo único. Os vigilantes, quando empenhados em transporte de valores, poderão também utilizar espingarda de uso permitido, de calibre 12, 16 ou 20, de fabricação nacional. Art.23 - As empresas especializadas e os cursos de formação de vigilantes que infringirem disposições desta Lei ficarão sujeitos às seguintes penalidades, aplicáveis pelo Ministério da Justiça, ou, mediante convênio, pelas Secretarias de Segurança Pública, conforme a gravidade da infração, levando-se em conta a reincidência e a condição econômica do infrator: I - advertência; II - multa de quinhentas até cinco mil UFIR; (Inciso II com redação dada pela Lei nº 9.017, de 30/03/1995).

18 18 III - proibição temporária de funcionamento; e IV - cancelamento do registro para funcionar. Parágrafo único. Incorrerão nas penas previstas neste artigo as empresas e os estabelecimentos financeiros responsáveis pelo extravio de armas e munições. Art As empresas já em funcionamento deverão proceder à adaptação de suas atividades aos preceitos desta lei no prazo de 180 (cento e oitenta) dias, a contar da data em que entrar em vigor o regulamento da presente lei, sob pena de terem suspenso seu funcionamento até que comprovem essa adaptação. Art O Poder Executivo regulamentará esta lei no prazo de 90 (noventa) dias a contar da data de sua publicação. Art Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação. Art Revogam-se os Decretos-leis nº 1034, de 21/10/1969, e nº 1103, de 06/04/1970, e as demais disposicões em contrário. Brasília, 20 de junho de 1983; 162º da Independência e 95º da República. A vigilância privada no Brasil, compreende, portanto, segundo a legislação vigente, constituída pela Lei 7.102/83, e alterada pelas Leis 8.863/94 e 9.017/95 os seguintes serviços e prestadores: empresas prestadoras de serviços de vigilância patrimonial, transporte de valores ou cargas, de segurança privada a pessoas, a estabelecimentos comerciais, industriais, de prestação de serviços e residências e órgãos e empresas públicas e à entidades sem fins lucrativos; serviços orgânicos de segurança em empresas; empresas de fabricação, instalação, manutenção e operação de dispositivos de segurança. A lei transcrita, como bem se vê, contém as alterações legislativas posteriores, bem como remissões aos decretos regulamentadores, e as portarias que disciplinam os seus desdobramentos.

19 19 1.3) Análise dos principais pontos da normatização A avaliação crítica da lei, nos dá um panorama exato das condições em que foram regulados, os serviços de vigilância privada no Brasil, forma na qual permanecem até os dias atuais. A primeira constatação, para o entendimento dos referidos serviços, é de que não existe vigilante fora do âmbito de uma empresa privada especializada em segurança, ou departamento análogo existente em empresa de outro setor de atividade. A regulamentação que se faz, para o bom entendedor, tem como objeto não o vigilante em si, mas a empresa de prestação de serviços de segurança e vigilância ou transporte de valores, em que o vigilante logicamente é a célula dos serviços prestados. - Art. 15 Vigilante, para os efeitos desta lei, é o empregado contratado para a execução das atividades definidas nos incisos I e II do caput e parágrafos 2º, 3º e 4º do Art. 10. (Art. 15 com redação dada pela Lei nº 8.863, de 28/03/1994) -. O próprio registro do profissional empregado das empresas, denominado vigilante, no Ministério do Trabalho, conforme originalmente previsto em lei, foi abolido, sendo substituído pelo registro na própria Polícia Federal na verdade, foi estabelecido um convênio entre os dois órgãos, para passagem do registro para o Ministério da Justiça. De qualquer forma, o registro está sempre vinculado à empresa em que o profissional trabalha. Essa primeira constatação é muito importante, pois que é bastante comum depararmos com um vigilante que se diz autônomo, vendendo seus serviços a particulares, em ambientes domésticos ou comerciais. Essa forma de contratação, portanto, é absolutamente ilegal. Pode tratar-se de um homem irregularmente armado, despreparado, e sem qualquer responsabilidade efetiva, que põe em risco a vida das pessoas, que contraditoriamente se julgam protegidas. É providencial a citação do entendimento de Carlos Mauritônio Júnior 1 : A legislação diz que o vigilante é o empregado. Tal expressão é sábia, pois evita-se a possibilidade da existência de uma associação de vigilantes para que estes prestem o serviço de forma autônoma. Portanto, de acordo com a nossa legislação, a segurança privada sempre é prestada através de uma empresa, que é responsável pela atuação dos vigilantes a ela vinculados. 1 - Vigilância Patrimonial Privada pág. 269

20 20 Mais recentemente, ante à necessidade, cada vez mais premente, de controle das atividades de vigilância privada, através da portaria 891, de 12 de agosto de 1.999, foi instituída uma carteira de identificação, de uso obrigatório para o vigilante, denominada CNV Carteira Nacional do Vigilante. Isso, porém, não significou a quebra do sistema de vínculo empresarial obrigatório, uma vez que dispõe o artigo 4 o da referida portaria ministerial: Portaria 891/99 Departamento de Polícia Federal Art. 4 o Somente será expedida a Carteira para o vigilante que comprovar vínculo empregatício com empresa especializada ou empresa executante de serviços orgânicos de segurança autorizada a funcionar pelo DPF. Pela mesma razão, temos que é ilegal a prestação de serviços de vigilância por cooperativas e associações, uma vez que transfeririam a responsabilidade da atividade para o próprio profissional, em situação não prevista na lei ora analisada. Agora, além disso, para que se torne um vigilante de alguma empresa, o profissional deverá obrigatoriamente preencher certos requisitos, que são: - ser brasileiro; ter idade mínima de 21 (vinte e um) anos; ter instrução correspondente à quarta série do primeiro grau; ter sido aprovado em curso de formação de vigilante, realizado em estabelecimento com funcionamento autorizado nos termos desta lei; (Inciso IV com redação dada pela Lei nº 8.863, de 28/03/1994); ter sido aprovado em exame de saúde física, mental e psicotécnico; não ter antecedentes criminais registrados; e estar quite comas obrigações eleitorais e militares. ; tudo de acordo com o que está previsto no artigo 16 da mesma lei. São ainda garantidos aos vigilantes, os direitos ao seguro de vida, prisão especial, uso de uniformes e armamentos. Esses direitos e outros serão melhor abordados em parte específica deste trabalho, em que trataremos do espectro legal protetor à coletividade profissional dos vigilantes. Tem sido notado, inclusive, que os requisitos exigidos pelas empresas vão além dos que estão previstos no artigo da lei. Aquelas costumam exigir maior escolaridade, porte e habilidades específicas, além de facilidade de comunicação e grande controle psicológico, todos ditados pelas necessidades cada vez mais qualificadas dos mercados. Somente para informação, o que será melhor analisado posteriormente, temos que o exercício da função do vigilante e sua regulamentação específica, independentemente do que se relaciona com as empresas, é hoje objeto de projeto de lei que tramita no poder legislativo, cuja tentativa é a regulamentação do exercício, na iniciativa privada, da função de Agente de Segurança Privada. Na visão de alguns, a nova lei serviria a melhor regulamentar o exercício da atividade, resolvendo problemas atrelados à clandestinidade. Para outros,

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição

Leia mais

DECRETO N. 89.056 DE 24 DE NOVEMBRO DE 1983 Alterado pelo Decreto nº 1.592 de 10/08/95, publicado no D.O.U. de / /.

DECRETO N. 89.056 DE 24 DE NOVEMBRO DE 1983 Alterado pelo Decreto nº 1.592 de 10/08/95, publicado no D.O.U. de / /. DECRETO N. 89.056 DE 24 DE NOVEMBRO DE 1983 Alterado pelo Decreto nº 1.592 de 10/08/95, publicado no D.O.U. de / /. Regulamenta a Lei n. 7.102 (1), de 20 de junho de 1983, que dispõe sobre segurança para

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando das atribuições que lhe confere o artigo 81, inciso III, da Constituição Federal,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando das atribuições que lhe confere o artigo 81, inciso III, da Constituição Federal, DECRETO Nº 89.056, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1983 Regulamenta a Lei nº 7.102, de 20 de junho de 1983, que "dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição e funcionamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 89.056, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1983 Regulamenta a Lei nº 7.102, de 20 de junho de 1983, que "dispõe sobre segurança para estabelecimentos

Leia mais

Legislação sobre Segurança Privada

Legislação sobre Segurança Privada Legislação sobre Segurança Privada Lei 7.102 de 20/06/1983 dispõe sobre segurança privada Decreto 89.056 de 24/11/1983 regulamenta a lei 7.102/83 Portaria 139 de 20/03/1984 dispõe sobre veículos especiais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 89.056, DE 24 DE NOVEMBRO 1983. Regulamenta a Lei nº 7.102, de 20 de junho de 1983, que "dispõe sobre segurança para estabelecimentos

Leia mais

LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983.

LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. LEI Nº 7.102, DE 20 DE JUNHO DE 1983. Dispõe sobre segurança para estabelecimentos financeiros, estabelece normas para constituição e funcionamento das empresas particulares que exploram serviços de vigilância

Leia mais

13.V- VIGILANTES DE INSTITUIÇÃO FINANCEIRA:

13.V- VIGILANTES DE INSTITUIÇÃO FINANCEIRA: 13.V- VIGILANTES DE INSTITUIÇÃO FINANCEIRA: MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.184-23, DE 24 DE AGOSTO DE 2001 - DOU DE 25/08/2001. Assegura percepção de gratificação por servidores das carreiras Policial Federal,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO CONJUNTA N 4, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta, no âmbito do Poder Judiciário e do Ministério Público, os arts. 6º, inciso XI, e 7 -A, ambos da

Leia mais

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL

LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL LEGISLAÇÃO DE INTERESSE DA DEFESA CIVIL / CBMERJ CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art.5º Todos são iguais perante a lei.. XI a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento

Leia mais

CAPÍTULO I DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS

CAPÍTULO I DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas Sinarm, define crimes e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DO

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. CAPÍTULO I DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS

LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. CAPÍTULO I DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS Senado Federal S u b s e c r e t a r i a d e I n f o r m a ç õ e s LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP. PROJETO DE LEI Nº 39-A, DE 1999 (Do Sr. Paulo Rocha)

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP. PROJETO DE LEI Nº 39-A, DE 1999 (Do Sr. Paulo Rocha) COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO CTASP PROJETO DE LEI Nº 39-A, DE 1999 (Do Sr. Paulo Rocha) Dispõe sobre a Regulamentação da Profissão de Agente de Segurança Privada e dá outras

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE DE 2010. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA

PROJETO DE LEI Nº, DE DE DE 2010. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA PROJETO DE LEI Nº, DE DE DE 2010 Estabelece o Estatuto da Segurança Privada e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA Art. 1 o A presente Lei

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 8.662, DE 7 DE JUNHO DE 1993. (Mensagem de veto). Dispõe sobre a profissão de Assistente Social e dá outras providências O

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Prezada Sra. Pregoeira Dilene, Concordamos com relação as atividades de monitoramento a distância não caracteriza serviços de segurança, porém o edital em sei item 12.1.4.5 menciona que a empresa deve

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema

Leia mais

LEI N o 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003.

LEI N o 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. LEI N o 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas Sinarm, define crimes e dá outras providências. O

Leia mais

SENTENÇA. O demandante ressalta que nos 7 (sete) anos anteriores a sua posse no Cargo de Oficial de Justiça desempenhava as funções de Agente de

SENTENÇA. O demandante ressalta que nos 7 (sete) anos anteriores a sua posse no Cargo de Oficial de Justiça desempenhava as funções de Agente de MANDADO DE SEGURANÇA SENTENÇA Nº 512 A /2012 PROCESSO Nº 63946-77.2011.4.01.3400 CLASSE 2100 IMPETRANTE ADVOGADO IMPETRADO :ADALMI FERNANDES CARNEIRO :Dr. Rodrigo Luciano Riede :DELEGADA SUPERINTENDENTE

Leia mais

I identificar as características e a propriedade de armas de fogo, mediante cadastro;

I identificar as características e a propriedade de armas de fogo, mediante cadastro; Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Texto compilado Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição,

Leia mais

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER)

PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) PROJETO DE LEI N O, DE 2007. (Do Sr. MICHEL TEMER) Dispõe sobre as empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança e dá outras Providências. O Congresso nacional decreta: CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 7.181, DE 2010 Dispõe sobre a regulamentação da atividade das Empresas de Gerenciamento de Riscos em Operações Logísticas.

Leia mais

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008

Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Ética e Legislação em Publicidade e Propaganda Profª. Cláudia Holder Nova Lei de Estágio (Lei nº 11.788/08) Lei

Leia mais

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11.

Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Mais uma falha legislativa na tentativa desesperada de retificar o Código de Processo Penal. Análise feita à luz da Lei nº. 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro. A breve crítica que faremos neste

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.554, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão do profissional de coaching (coach), e dá outras providências. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: TRABALHO,

Leia mais

LEI Nº 12.006, DE 29 DE JULHO DE 2009 1

LEI Nº 12.006, DE 29 DE JULHO DE 2009 1 LEI Nº 12.006, DE 29 DE JULHO DE 2009 1 Acrescenta artigos à Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para estabelecer mecanismos para a veiculação de mensagens

Leia mais

LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. CAPÍTULO I

LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. CAPÍTULO I LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas Sinarm, define crimes e dá outras providências. O

Leia mais

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor

LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI 4594 de 1964 - Seguros - Regulamentação da Profissão de Corretor LEI Nº 4.594, DE 29 DEZEMBRO DE 1964 (DOU 05.01.1965) Regula a Profissão de Corretor de Seguros. Nota: Ver Resolução SUSEP nº 81, de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE MONITORES, INSTRUTORES E GUIAS DE ESCALADA DA AGUIPERJ CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1. Este Regulamento de Comportamento Ético tem por objetivo estabelecer normas

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO SISTEMA NACIONAL DE ARMAS LEI N o 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas Sinarm, define crimes e dá outras providências. O

Leia mais

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes)

PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) PROJETO DE LEI nº, de 2012 (Do Sr. Moreira Mendes) Dispõe sobre o conceito de trabalho análogo ao de escravo. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Para fins desta Lei, a expressão "condição análoga à

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

LEI N o 4.594, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1964.

LEI N o 4.594, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1964. LEI N o 4.594, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1964. Regula a profissão de corretor de seguros. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPíTULO I Do Corretor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997.

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997. CAPÍTULOXV DAS INFRAÇÕES Art. 161. Constitui infração de trânsito a inobservância de qualquer preceito deste Código, da legislação complementar ou das resoluções

Leia mais

PARECER. Senhor Presidente da Comissão de Direito Penal do IAB.

PARECER. Senhor Presidente da Comissão de Direito Penal do IAB. PARECER Referências: Indicações nos 055/2007, de autoria do Deputado Celso Russomano e 097/2006, do Deputado Milton Monti, referentes, respectivamente, aos Projetos de Lei n''s. 1.017, de 2007 e 7.284,

Leia mais

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional?

Ladir & Franco. RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? L F Ladir & Franco A D V O G A D O S RESPONSABILIDADE CRIMINAL DOS CONTABILISTAS O contabilista pode ser preso por atos praticados no exercício profissional? Túlio Arantes Bozola Advogado - Ladir & Franco

Leia mais

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008.

Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Nova Legislação Específica Sobre Estágio LEI N.º 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre o estágio de estudantes; altera a redação do art. 428 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT, aprovada

Leia mais

Ministério da Justiça GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.670, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

Ministério da Justiça GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.670, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Ministério da Justiça GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.670, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 28, inciso IV, do

Leia mais

2.3 Solução de Consulta SRRF08/Disit nº 127, de 27 de abril de 2009:

2.3 Solução de Consulta SRRF08/Disit nº 127, de 27 de abril de 2009: ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL SIMPLES NACIONAL. MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTO DE SEGURANÇA. ENQUADRAMENTO. ANEXO IV. A atividade de monitoramento eletrônico de sistemas de segurança constitui serviço de vigilância.

Leia mais

LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre o Sistema Nacional de Armas Sinarm, define crimes e dá outras providências. O

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Regulamento Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição, sobre

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) PROJETO DE LEI N.º, DE 2009 (Do Sr. Capitão Assumção) Dispõe sobre a profissão de treinador de recursos humanos coaching e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS

Leia mais

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências.

Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

LEI nº 5.766 de 20-12-1971

LEI nº 5.766 de 20-12-1971 LEI nº 5.766 de 20-12-1971 Cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicologia e dá outras providências O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969

PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969 PROFISSÃO DE ATUÁRIO DECRETO-LEI N 806, DE 04 DE SETEMBRO DE 1969 Dispõe sobre a profissão de Atuário e dá outras providências. Os Ministros da Marinha de Guerra, do Exército e da Aeronáutica Militar,

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 7.306, DE 2002 (Apensos os Projetos de Lei nºs 3.402/2004 e 5.555/2005) Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de sistema

Leia mais

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL.

LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. LEI Nº 9.921, DE 27 DE JULHO DE 1993. Dispõe sobre a gestão dos resíduos sólidos, nos termos do artigo 247, parágrafo 3º da Constituição do Estado e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO

Leia mais

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DA IDENTIFICAÇÃO PROFISSIONAL * Da Carteira de Trabalho e Previdência Social Art. 13 - A Carteira de Trabalho e Previdência Social é obrigatória para o exercício de qualquer emprego, inclusive de natureza

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça Revogado pela Portaria STJ n. 417 de 24 de outubro de 2012 PORTARIA N. 329 DE 19 DE OUTUBRO DE 2011. Dispõe sobre o controle de acesso, circulação e permanência de pessoas no Superior Tribunal de Justiça.

Leia mais

LEI Nº 8.623, DE 28 DE JANEIRO DE 1993

LEI Nº 8.623, DE 28 DE JANEIRO DE 1993 LEI Nº 8.623, DE 28 DE JANEIRO DE 1993 DISPÕE SOBRE A PROFISSÃO DE GUIA DE TURISMO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FATORES PSICOSSOCIAIS: QUEM DEVE FAZER, COMO DEVE SER FEITO E SUAS INFLUÊNCIAS SOBRE O TRABALHO. Dra. Ana Cláudia Fávero CRMSP 121.

AVALIAÇÃO DE FATORES PSICOSSOCIAIS: QUEM DEVE FAZER, COMO DEVE SER FEITO E SUAS INFLUÊNCIAS SOBRE O TRABALHO. Dra. Ana Cláudia Fávero CRMSP 121. : QUEM DEVE FAZER, COMO DEVE SER FEITO E SUAS INFLUÊNCIAS SOBRE O TRABALHO Dra. Ana Cláudia Fávero CRMSP 121.186 ESTATÍSTICA PREVIDÊNCIA SOCIAL AUXÍLIO DOENÇA PREVIDENCIÁRIO: JAN A ABRIL/ 2014: Acompanhamento

Leia mais

MINUTA TÍTULO I DO ESTATUTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA BANCÁRIA

MINUTA TÍTULO I DO ESTATUTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA BANCÁRIA MINUTA PROJETO DE LEI Nº Consolida a legislação municipal e dispõe sobre o Estatuto Municipal de Segurança Bancária e dá outras providências. TÍTULO I DO ESTATUTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA BANCÁRIA Art. 1º

Leia mais

PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS

PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS - Ver o Ato-PGJ n. 17-2004. - Alterado o art. 19 pelo Ato-PGJ n. 44-2013, art. 1º. - Alterado o art. 2º, parágrafo único, acrescentando letra g, pelo Ato-PGJ n. 22-2014. ATO PGJ nº 13/ 2013 Dispõe sobre

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos

Curso Resultado Um novo conceito em preparação para concursos Lei Ordinária 10.826, de 22 de dezembro de 2003 Publicada no DOU de 23.12.2003 Não foram ressaltadas as alterações anteriores a 2013 Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição,

Leia mais

PL 4330 Reunião realizada no dia

PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Reunião realizada no dia PL 4330 Propostas de alteração Observações das Centrais Sindicais Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes.

Leia mais

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986

LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 LEI Nº 7.560, DE 19 DE DEZEMBRO DE 1986 Cria o Fundo de Prevenção, Recuperação e de Combate às Drogas de Abuso, dispõe sobre os Bens Apreendidos e Adquiridos com Produtos de Tráfico Ilícito de Drogas ou

Leia mais

ESTATUTO DO DESARMAMENTO CARTILHA DO CIDADÃO - "MUNIÇÃO LEGAL" PREFÁCIO SEGURANÇA ORIENTE SEUS FILHOS A EVITAREM ACIDENTES.

ESTATUTO DO DESARMAMENTO CARTILHA DO CIDADÃO - MUNIÇÃO LEGAL PREFÁCIO SEGURANÇA ORIENTE SEUS FILHOS A EVITAREM ACIDENTES. ESTATUTO DO DESARMAMENTO CARTILHA DO CIDADÃO - "MUNIÇÃO LEGAL" PREFÁCIO Esta cartilha visa fornecer informação rápida e precisa sobre os principais pontos do Estatuto do Desarmamento e de seu regulamento.

Leia mais

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA

D E C R E T A CAPÍTULO I DO RESPONSÁVEL E DA ABRANGÊNCIA Imprimir "Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial do Estado." DECRETO Nº 13.869 DE 02 DE ABRIL DE 2012 Estabelece procedimentos a serem adotados pelos órgãos e entidades da Administração

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 4.594, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1964. Regula a profissão de corretor de seguros. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE,

LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 O GOVERNO DO ESTADO DE SERGIPE, LEI N 0 2.181 DE 12 DE OUTUBRO DE 1978 Autoriza o Poder Executivo a criar a Administração Estadual do Meio Ambiente, sob a forma de autarquia estadual, e dá outras providências. O GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N o 193, DE 2015 Regulamenta o 7º do art. 144 da Constituição Federal, que versa sobre organização e funcionamento dos Órgãos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.826, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2003. Texto compilado Regulamento Dispõe sobre registro, posse e comercialização de armas de fogo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006

LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006 LEI COMPLEMENTAR Nº 1390/2006 "Cria a Guarda Municipal e dá outras providências" A CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA BÁRBARA, por seus Representantes legais, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001.

LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre o sigilo das operações de instituições financeiras e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP N o 376, de 25 de novembro de 2008. Regula a operacionalização, a emissão de autorizações e a fiscalização das operações de distribuição

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Do Sr. Sandro Mabel) Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei regula

Leia mais

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta:

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da Constituição, decreta: DECRETO-LEI Nº 9.295/46 Cria o Conselho Federal de Contabilidade, define as atribuições do Contador e do Guardalivros e dá outras providências. O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº de de 2015.

PROJETO DE LEI Nº de de 2015. PROJETO DE LEI Nº de de 2015. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL PARA O SISTEMA INTEGRADO DE INFORMAÇÕES DE VIOLÊNCIA CONTRA O IDOSO NO ESTADO DE GOIÁS, DENOMINADO OBSERVATÓRIO ESTADUAL DA VIOLÊNCIA CONTRA O

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO SISTEMA DE SEGURANÇA PRIVADA

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO SISTEMA DE SEGURANÇA PRIVADA PROJETO DE LEI Nº Estabelece o Estatuto da Segurança Privada, normas para o exercício das atividades, constituição e funcionamento das empresas privadas que exploram os serviços de segurança, planos de

Leia mais

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL OS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL E A RESPONSABILIDADE DOS CONSELHEIROS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL O Regime Próprio de Previdência Social RPPS, de caráter contributivo, é o regime assegurado

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 Aprova as Normas de orientação técnico-profissional, destinadas ao médico veterinário e ao zootecnista que desempenham a função de Responsável Técnico junto

Leia mais

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA PARECER N, DE 2011 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 452, de 2011, da Senadora Angela Portela, que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 18, DE 2 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre os registros definitivos e temporários de profissionais no Conselho de Arquitetura e Urbanismo e dá outras providências. O Conselho de Arquitetura e

Leia mais

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e

o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA, no uso de suas atribuições constitucionais e regimentais, e RESOLUÇÃO N.o 83, de 10 de junho de 2009. Dispõe sobre a aquisição, locação e uso de veículos no âmbito do Poder Judiciário brasileiro e dá outras providências. o PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTiÇA,

Leia mais

LEI Nº 4.594, DE 29 DE SETEMBRO DE 1.964

LEI Nº 4.594, DE 29 DE SETEMBRO DE 1.964 Regula a profissão de Corretor de Seguros. CAPÍTULO I Do Corretor de Seguros e da sua Habilitação Profissional Art. 1º O corretor de seguros, seja pessoa física ou jurídica, é o intermediário legalmente

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 180, DE 2011 Acrescenta alínea n ao art. 20 do Decreto-Lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, para tornar obrigatório o seguro de danos pessoais a empregado de

Leia mais

Dispositivos da Constituição

Dispositivos da Constituição Dispositivos da Constituição DISPOSITIVOS DA CONSTITUIÇÃO ESTADUAL PERTINENTES AO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO Art. 19... 1º o controle externo da Câmara Municipal será exercido com o auxílio do Tribunal

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR

CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR www.mariz.eti.br CURSO DE FORMAÇÃO DE VIGILANTE GRADE CURRICULAR Dentre as mudanças trazidas pela Portaria nº 3.233/12, podemos destacar a ampliação da carga horária de alguns cursos oficiais. O Curso

Leia mais

RENOVAÇÃO DO REGISTRO DE ARMA DE FOGO

RENOVAÇÃO DO REGISTRO DE ARMA DE FOGO RENOVAÇÃO DO REGISTRO DE ARMA DE FOGO Antonio Carlos de Vasconcellos Coelho Barreto Campello Procurador da República Professor de direito Penal da Escola Superior da Magistratura de Pernambuco Com a proximidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G de MB/1952)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G de MB/1952) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G de MB/1952) PORTARIA N o 036-DMB, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Aprova as normas que regulam o comércio de armas e munições.

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N 0 4.330, DE 2004 Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de trabalho dele decorrentes. Autor: Deputado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.022, DE 8 AGOSTO DE 2014. Dispõe sobre o Estatuto Geral das Guardas Municipais. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G MB/1952)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G MB/1952) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE MATERIAL BÉLICO (Dir G MB/1952) PORTARIA n o 029 - DMB, de 28 de outubro de 1999. Aprova as normas para a fiscalização das atividades com produtos

Leia mais

Senhor Presidente PROJETO DE LEI

Senhor Presidente PROJETO DE LEI Senhor Presidente PROJETO DE LEI " TORNA OBRIGATÓRIA, NO ÂMBITO DO MUNICÍPIO DE SÃO CAETANO DO SUL, A INSTALAÇÃO DE DISPOSITIVOS QUE DIFICULTEM O USO DE EXPLOSIVOS EM TERMINAIS DE AUTOATENDIMENTO DE ESTABELECIMENTOS

Leia mais

Legislação Especial. Sumário I ESTATUTO DO DESARMAMENTO. Prática II CRIMES DE TORTURA. Prática III DROGAS. Prática IV ABUSO DE AUTORIDADE.

Legislação Especial. Sumário I ESTATUTO DO DESARMAMENTO. Prática II CRIMES DE TORTURA. Prática III DROGAS. Prática IV ABUSO DE AUTORIDADE. Legislação Especial Sumário 2 I ESTATUTO DO DESARMAMENTO 32 Prática 33 II CRIMES DE TORTURA 35 Prática 36 III DROGAS 49 Prática 50 IV ABUSO DE AUTORIDADE 54 Prática 54 V ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Leia mais

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013.

DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. DECRETO N.º 3.952, DE 02 DE OUTUBRO DE 2013. Disciplina a liberação, o cancelamento e a baixa de Alvará de Localização e Funcionamento no município de Erechim. O Prefeito Municipal de Erechim, Estado do

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 4.302-C, DE 1998 SUBSTITUTIVO DO SENADO FEDERAL AO PROJETO DE LEI Nº 4.302-B, DE 1998, que altera dispositivos da Lei nº 6.019, de 3

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo

Maratona Fiscal ISS Direito administrativo Maratona Fiscal ISS Direito administrativo 1. É adequada a invocação do poder de polícia para justificar que um agente administrativo (A) prenda em flagrante um criminoso. (B) aplique uma sanção disciplinar

Leia mais