sidente Rebdlo Albuquerque vencido Velloso vencido Figueindo Araujo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "sidente Rebdlo Albuquerque vencido Velloso vencido Figueindo Araujo"

Transcrição

1 ANNO 1. SEGUND\-FEIRA 24 DE DEZEMBRO DE N.«83. ^ ms== ===í_^.!!! II-. I. II 4 Na causa Civel de appellação entre partes anthori appellante Patrício José da Silva, e reo appellado Fran- j cisco GonsalVes d'oliveira, foi por sentença do Juiz' Municipal da 2.' Vara desta Cidade julgada a final provada a Excepção a fl. 7 v. do reo Oliveira, recebida a fl. 30, julgado improcedente a acção intentada contra o Excepiente, e deixando direito salvo ao Exceuto, para que o encaminhe contra quem de direito for, pagas pelo mesmo as custas, da qual appelando o author para o Tribunal da Relação, foi por accordão de 10 de Março deste anno mandado que o sobredito Juiz admitia o reo Excepiente a contrariar o Libello, e depois proseguir nos ulteriores termos da causa até decisão final, pagas pelo appellado as custas. A este accordão veio o dito apellado com em bargos nos próprios autos, os quaes forão despresados pela maneira seguinte. Accordão. Accordão em Relação &c. Que sem embargo dos embargos, que não recebem, attutp a sua matéria em liada ruflingeiite do accordão embargado, este se curapia. como nelle se contem, e pague o Embargante as custas. Maranhão 20 de Novembro de 1849: Pre«- sidente Rebdlo Albuquerque vencido Velloso vencido Figueindo Araujo Franco Vieira. Na causa Civel de appellação entre partes reo apipellante Santiago Orsy. e author appellado Manoel Raimundo Gomes, foi por sentença do Juiz Municipal da Cidade do Pará de 14 de Abril de 1848 coudemnadô 0 reo a que abra mão da escrava Quiteria mandandb que ella seja entregue ao author, seu legitimo serihor em quanto o contrario se não mostrar, e que o dito reo pague ao author os dias de serviço da es- Ciava cm questão, e as pe'das e damnos que se li- (jüidaieui na execução da dita sentença; Em virtude pois desta decisão appellou o dito reo para o Tribunal da Relação aond^pòr accordão de 22 de Maio deste-annofoi coutanaila por alguns de seus fundamentns e ser çoníomneaos autos e o Direito, condemnado~õ~ãppellante""nas custas. Este accordão foi embargado nos próprios autos pelo dito appellante. e seus embargos forão a íiual despresados da maneira seguinte. ACCORDAO. Accordão em Relação &c. One vistos e relatados os autos; sem embargo dos embargos que não leeebem por sua matéria e autos, c-mpra-se o accordão embargado e pague o embargante as cnstíis em dubro, Maranhão 20 de Novembro da Pre- 110 o seu civallo e deram-lhe as boas vindas, agitando no ar os chapéus e gritando: Yiva o rei! O rei esta morto! respondeu com Voz grave Ia Rouarie. Naquelle instante um grupo de cavalléiros, composto do marquez de Perbruck, do baraó dé Piradeze, de Ia Chataigneraíe, de Tinteniac, de Tuffin, de Paulo líoberlin e de Tiago Peregrino, párou atraz de lá Rouarie e silenciosamente tirou o chapéu á senhora Moellien. La Rouarie aptsou-se e os outros imitaram o seu exemplo. Está morto o rei?! repetiu Theresa MoSlIien com a voz espavòrida. Sim, respondeu Ia Rouarie, morreu senlenciado pelos seus sílbditos. Morreu assassinado! exclamaram os ínrs. de Perbruck e de Parádeze. Morreu no cadafalso! disse Ia Chataigneraíe, com aceno de iucsprimivel raiva. Elle morreu, exclamou Theresa,-e aqui estais vós seis: seis cavalheiros que andam vagabundos durante a noite! Entaõ.onde estará o exercito que vos tinham prometido? Entaõ, onde estavao esses soldados que deviam sair do chaõ só com a ameaça de om crime destes? Onde estaó os vosso* soldados, senhores? E na falta dos vossos soldados, omle estaò as feridas que devieis ter recebido nos combates? Dom a ouvis, Ia Rouarie, exclamou com vivacidade lá Chataigncrali;; -é tempo de nos pôr-m* 107 carvalho. Más õ animal, picado nas ventas pelas folhas do matinho, recuou, levantou-se e quâii deitava ao chaô o cavâlleiro. Digo-vos que o Vi honlcm á noite em Nantes, replicou o Jeronimo, que era o quarto daquella pequena comitiva; e repilo-vos que ajustou com os seus cúmplices um encontro no solar de Ia Rouarie. Teve uma entrevista com o marquez de Perbruck, bairaõ de Paraleze e o moço h Chataigiieraie, em caza de meu pai. Foi o Paulo, meu irmaõ, quem os lã levou, e elles foram-se outra Vez embora; accompanhados por elle e pelo peqiieno Tiago Peregrino, que ainda naõ largou o Sr. de Perbruck desde que, ha mais de um mez, se acha doente. ' E seu filho, que diabo é feito delle? disse Morillon, mettendo o cavalto a passo. Nunca niais se ouviu fallar nelle, respondeu o Jeronimo.. _ Felizmente, tornou Morillon, temos segundo exemplar. Vamos e nao nos esqueçamos de que ajustei encontrar-me com o cidadão Saturnino na fazenda de Lefort e de sua irman Maria Joana. Irá elle lá? perguntou elle ao Jeronimo. O Silvestre hade lá conduzil-o, respondeu em voz surda o Jeronimo. Ah! o rapaaote agora entregou-s" de todo aos nobres e é capas de arriscar a pelie para que elles consigam tutlo que elle julgar que lhes seja favorável, Ah! disse Morillon, se eu deste modo enrgar aos meus fins, b.idu ser uma historia admirável!

2 sidente Rebello -Continiio-~rcttos9^nFigmiredo Araujo Franco Vieira. No processo crime de recurso sobre petição de JÉrbeas Gorpus de Isidoro Jo»é de Oliveira, residente no Termo da Villa do ltapucurú-miriin, foi por sentença do Juiz de Direito daquella Villa, de 17 de Setembro deste anno, mandado que o dito paciente Isidoro José de Oliveira seja immediatamente posto em liberdade, pagas as custas pelo cofre do Miinicipio, e recorrendo o dito Juiz para o Tribunal da Relação, este profério o accórdão do theor seguinte. AeCORDAÕ. Accórdão em Relação &c. Que julgão improcedente o recurso ex oflicio, attentos os fundamentos produzidos na decisão fl. 9, e por que não se concluio a formação da culpa dentro do praso marcado no art. 148 g 3." do Código do processo criminal; não se mostiando que houvesse afluência de negocios públicos, ou outra difficuldade insuperável que a isso obstasse. 'Maranhão 20 de Novembro de 184* Presi den te Bebelío Fig ueiredo Albuquerque Coutinko. Na causa Civol de appellação entre partes appel- Jante a F. N., e appellado Antônio Bernardo da Silveira, foi por sentença do Juiz de Direito da Capítal de 11 de Outubro do anno passado, julgada a Jivstificação por sentença, assim do Justificante poder haver da Thesouraidu da Fazenda o valor de diversos objectos por elle fornecidos ás forças da Legalidade na.cidade de Caxias, pagas pelo mesmo as custas e -2- appellando o dito J;.iiz para o Tribunal da Relação, foi proferido o accórdão seguinte. Accordaõ. Accórdão em Relação &c. Que Tistos e exarainados os autos na forma da Lei: Julgão improctfen. te a appcilaçãc e coiilirtnào a sentença appellada pf(- gas as custas ex causa pelo a:>pellado a quem se entregarão os próprios independente de traslado. Ma., ranhão 1." de de Dezembro de 18 H>.--Presi<lente {{,.. bello V elloso Araújo Franco Vieira AlbuquerqU(> Fui presente Figueiredo. EXTKRIOR. G. Maziini a XI. Si. Tocqwville e Falloux. (Comirufado do n. 81.) Tudo isto, todos os chefes que acabo de nomear, os coronéis Prima, Medei, Besti, Pichat, o general em chefe Roselii, os chefes de intendencia Gaggiotti. e ao principio e Salvaili depois, os principies empregados no ministério da guerra, todos sabidos das entranhas do paiz representando o elemento i.udigena. Onde estarão pois os estrangeiros? Garibaldi e sua legiaõ, 8(0 homens; Arcioni e sua legiaõ de emigrados. 300 homens: Minara, morto pela liberdade, c seus atiradores lombardos. 500 homens. A legiaõ estrangeira. 100 homens; O punhado de bravos que defendeu o Vascello, debaixo das ordens de Mediei; Sete a oito olticiaes de eslad i maior. Eis-aqui tudor dons mil homens o muito; menos ainda do que isto. porque o corpo d'\vcioni compunha-se um terço pelo menos de soldados tirados das províncias romanas; porque o troço de cavallaria que fazia parte da legião Garibaldi, f comiiuuidades pelo bolonhez Masma, morto em combate, compu i.- No mesmo instante afastaram-se os cavalleiros, ao principio vagarosamente-; dahi a pouco "ouviu-se andar mjis rápido dos cavallos e por fim perdeuse o rumor no murmúrio e barulho dá tempestade, que continuava a bramir. A caminho! a caminho, Fontevieux.' disse no mesmo instante Theresa Moellien, é preciso chegar antes daquella á montanha de Hedée; Ia Rouarie hade por lá passar autes de entrar em casa. È preciso preveni!-o. Mas vós naõ podeis caminhar senhora, disse Jorge. È comvosco e de vós que estou a fallar, senhor; ide ja neste mesmo instante. E heide deixar-vos aqui só, Theresa 1 tornou desesperado o Jorge. Haveis de me deixar aqui, porque é essa a minha vontade, porque vol-o ordeno, porque disto depende a vida de Ia Rouarie, e mais do que a sua e a minha vida, depende a salvação da nossa cansa. Fontevieux naõ respondeu, mas tornou a pôr as pistollos á cinta, embrulhou-se no seu capote e estendeu a inaõ a Theresa. _ Adeus, senhora de Moellien, disse eritaõ: heide estar antes de amanhecer na monlánha de Hetlée e o aiarquez de Ia Rouarie hade ser avisado do seu perigo e da vossa morle,- e antes da noite, que vier depois, heide já ler voltado para ao pé desla arvore... pira aqui morrer também. Bem. Jorge, disse Theresa, ideq.ue vos heiée aguardar. 109 Na oceasiaô em que se iam ambos separar, ou-?fu-se passar pelo ar um som suava e longínquo, como o neturno grito de alguma fada aérea. È Ia Rouarie! exclamou Fontevieux. È elle! repetiu Theresa. E esperaram que outro signal lhes viesse confirmar aquella feliz chegada. Passado um momento, approximou-se o signal imperceptível e Fontevieux arriscou-se a responder-lhe, imitando o grito do mocho. Quantos seraõ? e como virõ? perguntou a Theresa. Fontevieux inclinou-se para o chaõ e escutou por algum tempo. São pelo menos oito ou dez cavallos, respondeu Fontevieux; alguns saõ certamente montados por camponezes, porque andam com passo travado. Os outros saõ anitnaes vigorosos, porque sapateam muito forte. Comtudo caminham de vagar e com prudepeja. Naõ vos ouviram? perguntou ella, E enlaõ deu também um longo grito qú" atravessou os ares e que parecia dominar a lormenia, EJlès oiíviram-vos, exclamou Fontevieux. '» cavallos andam mais depressa; eil-os a galope. Rouarie vem adiante de todos; bem conheço o narulho da sua carreira. liil o aqui! eil-o. aissielle erguendo-se..,,_,i. No mesmo infante fornou Theresa a acha to ja a sua forra na prosenra do seu amanií". u para junto >l<> Fonlevieu* ; descobriram p"'1"* ^ aabeçs no luouieuio cm ipto Ia ttouaue 1W I'

3 , m s«s quisi lohlhvj,. d-iudigonas; porque que, ení todos ^s«e»^ lugares deestrangeiros que concorreram para a def de Roma o mt»t lrf ; j ^ ^ ^^ cqnlra, b J, a 1:500 homens, no meio de n vo J ii.ar os c mi sej;1 anterior ao cerco? Cita. sem tradição,.mor ado djde %J%n^* 0Jgamsam o terror; citai os «*c._.oi-eito sem experiência, snu uau.v»», -...,_ «dons pois^.ui zsju ^ 1^ ^ Si.o do fogo, que tiveram durante dous mezes, vos a trazer eternamente a mascara dos imposto. it,ixo 30:000 soldados da França. Ül ' u'do isto vos era conhecido, pelo menos podia A bandeira republicana içada em Roma pelo, J0 e por tanto devia sel-o, meus senhores; e representantes do povo, dizíamos nós n uma àasnw- 1.,... _..s «,10.nríi n triumnho duma Ctudo vós lancastes inpudenteinente á lace da oscom tuuo vua,.,, ;r,.11 rnmn orova se S que a idéia, por muito tempo suilocad por vo, ao de ^^ ^ ^ _, sangue, naõ era de Roma; e destas pala as de tmmp conseluída pela immensa maioria, e cuuiputos inventos detlure.melado da vosa dadd c.«^ ^ do e0 do B.trangeito,4 principio do hera soore o uo...«., "«- Saa.eoW.8J ^^^^ J0 «IZ 1 ft..,...;.,,ir. n«meus oassos, consigiiduw umui mum sobre o<,«o arbitrário de algumas pessoas, da santa,,!,,,,«homens, Igualdade, que Deus impo, a todos os sobre os privilégios e sobre o despotismo Nos no DodPtnos ser republicanos sem ser e sem nos inost.ar- «os que os podorc. derrubadas!... Não somos o goveroo governo da Nação aceusaçaõ por vos, u-^ ^ ',,:,,, apoias- verno d'um partido, mas o.guvauu "»;" "...,. <Vi,t,m7a. a rennbíica H,,, restabelecer o antigo throuo do ppa, vos'.p' nem fra a rap b,ca e. er- U sobre as bayooetas dos austríacos e do, lm,»a mem ^ ^.^^ 0 g0 ern0 da republica e foite, nh0e8, -i». d> todas as nossas províncias en- por tanto Asmnculales detoaasas «o P " nao teme..,. ATCn,lan^ roscoii o.. - o eus membros como Nestas linhas estava contido o programma repu blicano e jamais foi violado como os vos os «,,- tros da França, pelos homens que entre nos admi lustraram a republica.,. Nós, éramos fortes; fortes pela affeiçao da gente de hem -e os homens do mal são mui raros entre nos -tos ^fpela adíesao dos nosos cancidadao. sem do ro modo que vós o sois. meus senhores Paia 8" en "rmosqnão tínhamos oeaaeoaionde d o talia é destbvvh a ^«0^1.1 fanrnr r/j^i.ido em estado de cerco, de dissolver as guardas nàcionaes. ue Ílhafas primes, de lançar nellas ootóuj -«. coj os outros, os -presentantes do povo. jeedenard^ portacão centenas de opera, os, de se roaear u j, de soldados píira comprimir o resto da popujçao. a nossa capital estava satisfeita, penso eu,^apesa. do pe tprnativa de caluinuiar o vmui j. ar»r nue! <u vn. refutar 3 vós. mesmos, declarar que s de sacrifícios que ioda a muda. a oe ejmo -^e tranquilla, calma, quando a V^«" ^cufí. to debaixo dos aossos muros pod, J^oo^e, ^ tentes a um golpe de mão, se em w* contentes..,. : m,io f p «pte mil residi;:: «herdade e receia n,n,goj da P «tarnaoo o de resistência aos.njogoj^^." «^ teren.irou.lo. relaç^ com o v s ;» ~ ; Ê mister estabelecer In-m faeto a taj ^0. J1 os tr6s tre,cãrtleaes,.garraoo. eo, J-y ^.Ji cn-pado *"«^lii: t'su 'tí,rrí>o«der-vos: JT piração, o fl«í "'.cesso.1 pi, ae9 reoatir çst,,ar^,,7a resoonder-vos: E' ttrm^csr 6.o" Za.»boni, culpado por outros naõ esteja,..! liah.s.udos a iei»pooo piraçao, e nm oiiicmi, nrocesso-, quando deserção, estavam umeameute P-oce, o Mr. de Corcelles foi visitar as p.»oe^ c oco,...,-.no.o homens, "fim íirtiulfc <l'uma i» -^»';:^ ::,:f^-^^.-^' ^'.-'asc,^i,oüies er8,n Lido,, o, wf«i%:: z"s,sr. *;- centrados no 9 de Janeiro «o.«t-.... v0veiutitl, (los ^^»^r,o0;4iba9nlila ao silencio de Roma. Não recordaremos ao povo, _ ^d^^j^ cww 0 se ordem ue no IA, e po. V- A rmiblic«, um Maveroo Os homens mais conti ar os»«^ ^ n MS lmiaili.mn P-taleon. p=va, ta^ eüps copava o podei e exuavd uu ^,.. _. Ninguém absoluto os homens da crença re ibj«eram suspeitos, que a republrca nu uj q«e p!as J» de nl íiaüa sonha em aceusar as vo.sas revo u^ chia, olhava as opin,õe:.^ ^ ^;,fl. gonese não traduzem cm factos perigo^», i r0so por natureza e o*.^^ b^n tava nose respe.tava-nas, os p. igos o p.r. alguns daquelles»» «f»»"^0 0 Lpecpodíamos interpor a nossa palavra e ^ Lculo da vossaforça brutal irr.tava a mult-(. ^ lia áreacçao.

4 Le-se no Publicaãor Maranhense. PERNAMBUCO. -6 Illm. e Exm. Sr. Todas as Povoaeões desta 1'rovinei > estíio tranquillas, com quanto mal intencionados procurem incutir terrores nos habitantes, já espalhando noticias de invasões de Pedro Ivo e seu bando, já emprestando ã Presidência intenções de fazer uin recrutamento exagerado A pequena povoaçãode «Capoeiras» que pertence à Comarca do Bonito, ehe situada á beira da mala em que se achão os bandidos, commandados por Caetano Alves da Silva, foi acommettida ás três horas da madrugada do dia k do corrente pelos ditos bandidos, que se retirarão ás 10 horas do dia, depois de a terem saqueado. O Destacamento de 1. p Linha que ahi se achava foi sorprehendido, e pôde escapar com o favor da noite, deixando três mortos. De nenhuma outra oceurrencia desagradável tenho noticia Deus Guarde a V. Ex. Palácio do Governo de Pernambuco 15 de Dezembro de 1849 Illm.e Exm Sr. Presidente da Província do Maranhão. Honorio Hnrmeto Carneiro Leão. Em França cahio o ministério Dufaure. Os novos ministros são: Guerra, o general d'haupoul-negócios Estrangeiros o.sr, de Ray noval Interior o Sr. Fernando Barrot Finanças o Sr. Achilles Fould Iristruccão o Sr. publica Parieu Justiça o Sr. Routher Marinha o' contra Almirante Roman Desfossés Obras publicas Biueau Commercioe Agricultura Dumas (do Instituto ) Importação. Manifesto da. carga que descarrega neste porto a Barca Americana Lusitânia vinda de Baltemor. 200 Barris com breu, 300 barricas com farinha de trigo, 40 caixas com chá, 600 rtsmas de papel de embrulho, a caixas com chapeos de palha, 25 barris com banha; 306 taboas de pinho, 40 saccas com pimenta, i barrica com casliçaes de vidro. Manifesto da carga do Vapor S. Sebastião vindo dos Portos do Sul. Rio-de-Janeiro <í caixotes com livros, 7 ditos com rape, 1 dito com impressos, 5 volumes com mercadorias, 1 embrulho e 1 caixa com chapeos, 1 pacote com JjuMa 1 fitas. caixa e 3 caixotes com rape, 1 dito com dros. Pernambuco 5 vi- caixas com rape, 3 ditas com lüzcílgcls. Exportação, Manifesto da cargi qne trouxe de New-York e leva para o Pará o Brigue Escuna Arcelina w.?í BDarricas m.fa'inha de trigo, 25 barris banha de Porco, com 1*. caixas com chá, 5 ditas de com spermaoete, vellas 20 ditas e 36 fardos coro fazendas, caixas com conservas, 10 1 dita com tintas, 50 i caixa com lagosta, presuntos, 1 dita com garrafas de menta ortelan 2 ditas oi- com ditas de amargo, 6 ditas com jos, 1 dita com objeetos quei- de danguerotipo, 1 com embrulho papel, 1 dilo com 150 sacos vazios. 1 dito com raizes de flores, h caixas com chapeos de ris com palha, 100 bar- pólvora; 2 dites com 6500 pesos bespanhoes caixas com ditos mexicanos. pannoes, i Beccbeo neste porto. 45 Garrafoens e 5 pipas com genebra, 100 caixas com sabão, 10 ditas com vellas margarinas 3a caixas 2 fardos e 1 pacote com fazendas, 1 embrulho com rape, 9 caixas com chnpéos, 1 quarlolla eom óleo, 10 canast:as com alhos., ENTRADA DO DIA 22. Por.TOS-DO-stx Vapor Nacional S. Sebastião, coram A. X. de N. Torrezão, sahio do Rio-de-Janeiro no 1 do corrente, passageiros para esta província Joaquim Antônio Ribeiro, 2 escravos a Raimundo Carlos Ribciro, para o Pará Fr. Gregorio de «ene,'cândido Mar" tins Santos Vianna Júnior, duas praças de pret e a, escrava Margarida. ' üsrara«)s< (MlMTiCI FitfflSS, tratada sobre uiu plano muito metodici com numerosos exercícios d'ortiiographia, SYMA- XE E PONTUAÇÃO, tirados dos melhores authores e distribuídos na ordem das regras, por M. RO Eli, Inspector geral da Universidade de França, 6 M. CHAPSAL, professor de Grammalica geral. Está-se imprimindo nesta lypographfa uma traducçao fiel desu grammalica, adoptacla para uso das Esclio- Ias pela luspetloria da Instrucçaõ publica desla Proviucia, cuja Iraducção é feita sobre a nova edicoão de 1849 augmentada de Perguntas por A. Mauvy, Director, piefeito dos estudos, e professor de litteratura francesa no atheneo-rcal ds Hassell. abaixo assignado retira-se para a VÜJulíê 0 8. Bento; e' não desejando faltar ao honesto dever, de despedir-se das pessoas de sua a mizade, o faz por este meio por não o puder pessoalmente. Deixa outro sim encarregado de seos negorios nesta Cidade, aossrs. Manoel Felix Pereira Guimarães, e João Ribeiro Pontes Junior. Maranhão 22 de Dezembro de 18/i9. José Ferreira da Costa. (1) da bahia, novo, e ia experimentado, Rvpk vende-se no armazém de João d'oliveira Santos & C.\ Beeeod'AIfandega n. 5. As pesscias que quizerem fazer uzo deile, podetn dirigir-se ao lugar designado, onde poderão verilicar-se da qualidade Preço do meio grtísso... 1:280 Ide indo li no princeza... 1:0ü0 de um escravo próprio para servico de caza <jue seja de bons costumes; quem Precisa-se o tiver pata alugar falle na Botica Francesa rua do sol. ('2) Maranhão: Imnrpsso na Typ. de 1. A.». it<- Uiigilliinrt Anuo da 1*'';)

5 t# yao, sendo toda a força de 120 homens. Não temos, dias consagrados á celebração dos principies e mais au* ainda detalhe exacto desta acção, ficando para quando j gustos mysterins de nossa santa Religião..:...mnu íla-lfl nn rnnhiii.imi.ntn rln niililít-n Infrlivinonto mirem II I Pi OVÍllCÍal. Olie nretendêo e livennos, dá-lo ao conhecimento do publico. Infelizmente porem a Lei Provincial, que pretendêo (P. do Porto.) tornar exeqüível entre nós a cessação do trabalho nos Domingos, e «'outros dias (2) tornou-se, pela maneira porque se acha concebida, uma Lei verdadeiramente Telegrapla» C»ii>iiner»3al Portuense. absurda, e vexatória, como passamos à demonstrar. BARRA DO PORTO. Diz ella no artigo,1." Fica geralmente, prohibido d'ora em diante todo o trabalho nos Domingos, Dias Sendo de reconhecida utilidade os signaes por ffleio de Corpus _^ Christi, _.; Natal. Quinta e Sexta-feira maiores, de balões pretos agora usados no Telegiapho Commer-j e os ( os Oragos das Frcguczias, mas tão somente ciai Portuense; e conbecendo-se que.resultarão ainda [nestas.» maiores vantagens da sua ampliação. Segundo a disposiçã J deste artigo á ninguém é permitticlo trabalho algum nosdias nelle designados, ainda Faz-se publico a todos os navegantes, Que do 1.* de Dezembro de 1849 em diante se fa no interior de suas cazas. rão os signaes seguintes: Não exceptuando esta Lei certos trabalhos urgentes, e outros motivados por forca maior, torna-se ab- 2 Balões juntos no topo do mastro Conserve-se rto N. surda; e não limitando a prohibição do trabalho ao tiabalho sujeito simplesmente á iuspecção publica torna-se 3 ditos dito dito Conserve^se ao S. 3 ditos dito no lais vexatória, e inquisitorial. da verga Ha 12 pís de anua Pode-se, por exemplo, prohibir a demolição de 2 ditos dito dito lia 11 pés de água prédios, que ameacem perigo imroinente? Pode-se prohibir o trabalho tendente á impedir ou extinguir inceu- 2 ditos dito no topo do mastro e 1 no lais da dios? Pode-se prohibir verga lia 10 pés de água a salvação de navios em perigo, encalhados, naufragados, e dos seus carregamentos? 1 dito no lais da verga Ha 9 pés de água Podem-se prohibir as operações cirúrgicas? Signaes já em uzo. Pode-se prohibir o trabalho nas lojas ou officinas Balão no topo, e 2 se parados no lais da verga ditos no lais da verga Venha para a barra. Poderá ser Pilotado a- proximando-se. 1 dito no topo do mastro, e outro no lais da verga JSão pode ser pilotado 1 dito no tono do mastro Faca-se ao mar. Potto 21 de Novenbro de Pela Coinmissno 'feíegrapho encarregada do Commercial, E. m Moser. (Do Nacional.) Analyse jurídica de nossa Lei Provincial n. 253 do 1. de Dezeinbro de * usando do direito, que nos confere ó artigo S." 3.» do Código Criminal vamos analysar a nossa famesa Lei Provincial acima citada. A idéa da cessação do trabalho no sétimo dia é sem duvida uma idéa muito religiosa, santa, e nobre, uma idea tão antiga como a existência do mundo, e d ella trata a Biblia em diversos lugares (1) Antes mesmo do estabelecimento do Christran.smo jà era rigorosamente observado entre diversos povos o preceito divino da cessação do trabalho e do commercio no sétimo dia. e boje é geralmente observado em todos os paiz.es onde impera o Christianismo, e mesmo ein outros menos civilisados, supposto que com mais ou menos devoção neste ou u'aquelle Paiz.. Por motivos meramente religiosos é que a Igreja Cathnlica \postolica Romana trausferio para o Domingo a ct,ssacào do trabalho, assim como o vedou em outios i,, nc o3(.3o Exoilo-can. 20 v. 11, c cap. SI r.- 17,.»nuR. u(<i o l>:-u:omnnniiii no oip. à. v. i-i...» «...., f.,,.fi, V(fe S-ilil...)..- u... i. n iii-é ilo ilcsranco do senhor leu l>«'<>s. M'iie íuo uni»...ni..,jil; ir-ui li. i. (.i.i "o '"-"'"..,,,., eiii o teu escravo, nem v,t da, u..,s porus para dentrot [wra que descance o teu cscidiu, 0 a lua especialmente incumbidas dos arranjos para o enterro dos mortos? Pode-se prohibir, que os Escrivães traballiem em seus cartórios quando não ha feriados ptira files em matei ia crime, quando as nossas leis fallào de certas cansas, que se podem tratar até em tempo de ferias? Pode-se vedar um trabalho nrgeniè no Correio, na Sejretaria da presidência, na Thesouraria, Alfaudega etc? É as Assembléãs Provinciaes podem legis lar sobre repartições, e objectos geraes? Estes e outros trabalhos urgentes e de força maior* qne não podião ser vedados, não fôrão comtudo txc«*ptuadosi Tão rigoroso não foi JESUS CHR1STO, que sendo aceusado por seus inimigos de haver com seus discípulos transgredido o Sabbado, fazendo nelle certos trabalhos eactos-^curando salvando vidas etc, respondeo-lhes=que cousas «avião para as quaes nenhum dia ou horaera impropria=e que demais o Sabbado havia sido feito em contemplação do homem, e não o homem em contemplação do Sabbado=» Nem se argumente Que os trabalhos, que não forão exceptuados estão por sua naturesa exceptuados, ou pelo menos na mente do legislador pois a lei, que ora analysamosé bastante clara, e te rui io ante para admittir taes excepeões Fira geralmenteprohibido todo o trabalho nos.domingos ete; e. onde a lei não distingue não devemos nós distinguir. Outra consideração á fazer sobre o artigo 1.» é que não limitando a prohibição do trabalho ao trabalho sujeito simplesmente á inspecção ocular do publico è sua disposição vexatória, é inquisitorial. E com efleito, nenhum senhor pôde empregar hoje seus escravos no interior de suas casas em qualquer serviço, embora urgente; do mesmo modo nenhum patrão á seus caixeiros em serviços relativos ao seu commercio e estabeleciinento; e pois o que fizer o contrario arrisca-se á vero interior de suas casas constantemente invadido pelos desalmadòs agentes da policia a pretexto de denuncias senão dos escravos, que são prohibidas por lei e dos caixeiros. que temerão coiíi ellas ser despedidos por seus amos, bem que não julguemos nenhum 'deite capaz de denunciar á estes, de outras quaesquer (2)0 pmli'r civil ii ;, píulc obrigar ninguém A cumprir preceito* religioso» "i-eceitwi de crenr,;, i!'.' consrcncii c ei. cuntícv"i.

6 6 pessoas! Não é isto um despropósito,, um vexame inqualificavel? De certo que sim. Aduresadalci ainda é maior em relação aos escravos, que muito terão que soffrer com a perda dos Domingos, se seus senhores condoídos de sua sorte não lhes derem outros dias equivalentes aos Domingos em que possão ganhar para si. Art Jslojas, earmasens de.seccosema- thadns, e tis Officinas de qualquer naluresa estarão -ekculas fepor todo o espaço d,aquetles dias. Eis-alii uma disposição verdadeiramente improficua. De que serve ordenar-se~-que se conservem fechadas as íejas. armazéns, Cofficinas sem a prohi bicão de vendér-sé em qualquer lugar, e por qualquer parte cousas que nellas existão? Quantas lojas, armazéns, quitandas e olhcinas não lia por ahi que tem outras communicàções não consideradas portas de entrada para o publico por onde se podem vender livremente as cousas nelías existentes? E taes vendas estão prolíibídasfiéla lei? Não certamente; e querer o contrario é querer uma verdadeira extorsão. Estão pi ohibídas as vendas de fazendas, e de quaesquer gêneros em taboleiros ambulantes ou! nos corredores tias casas particulares? Não certamente, e querer o contrario é querer uma verdadeira extorsão. Ora determinando o art. 214 do Código Criminal Que as disposições sobre a entrada na casa do cidadão não comprehendem as casas publicas de estalagem, e de jogo, e as lojas de bebidas, tabernas, e outras semelhantes em quanto estiverem abertas» éclaro que uma vez fechadas ás portas dellas. que servem de entrada única e franca para o publico está satisfeita a disposição do art da Lei, que anâlysamos, e por tanto a venda das cousas existei.tes nas casas que se manda conservar fechadas não é prohibida, com tanto qnè ngo seja feita pelas portas cónsideradas de entrada livre para o ' publico: isto não tem rèplica. ' ; '!'.;.:: ' ' - :'! Quando fosse vedado vender-se ainda pelos lugares de n3o communicação para o publico, o que negamos Bâo podiãò jamais os compradores soffrer pena alguma. Isto não obstante, somos informados, que os soldados d? policia, alguns dos quaes disfarçados, tem Ousado revistamos Domingos as vasilhas e mais objectos, que levão os negros, para verem se comprarão ou- se vão comprar alguma cousa; e outros ha, que ate tem querido prender á aquellcs que elles suspeitão de quererem comprar, por estarem próximos ás quitandas, embora fecha das as portas destas T As próprias pretas, que vendem pelas ruas. e os negros qiie conduzem canecos d'agoa tem sido vexados pela policia 1' Sèritiores da policia, ponde um termo á estes, éâ outros excessos! Vede que adei provincial não os autliòrisa, neto impõe pena de prisão á pessoa alguma, e somente à de multa, e esta apenas para os infractores de suas disposições... Art Aí quitandas ou mercados de eomestieéts estaràõ abertas iomentè até no medo dia. Esta disposição quanto ás quitandas é utíl, porque nas tardes e noites dos Domingos, e Dias santos de guarda erão muitas dellas verdadeiro valhacouto'de negros, e dqs marinheiros dos navios mercantes e dos vasos de guerra aqui estacionados, os quaes erobriagavão-se, e fazião alii con^ imundos alaridos, pois é incontestável, que entre nós é quási nenhuma a acção de nossa - policia. Más o que são quitandas entre nós? Pelo Aviso' n. frl de 31 de Julho de 1844, do Ministério da Fazenda, se «levem entender por quitandas-aquéllascâzasem qüe prin- «ipalmente se vendem verduras, frutas, carv"o, lenha, ovos, e outras miudezas semelhantes, ainda que nellas lambem se vendao alguns gêneros comestíveis da terra, como farinha, arroz, milho etc, por peso tíu medida em pequena quaatidade» Segundo a doutrina deste Aviso quitandas são as nossas chamadas liarracas pois o que entre nós se charoa -quitanda tem n*oufra.s partes do Império a denomitiáção de taliemrí. Seja como for, ê necessário emenderas palavras conforme a significação, que tem ao lugar onde são empregadas, e parece-nos, que nas palavras mercados de comestíveis e^tão couipreliendidas as nossas chamadas barracas. Útil foi também a providencia de se conservarem a- bertas até ao meio dia as nossas quitandas e barracas pois é extraordinária a classedas pessoas necessitadas, è por tanto nem todos se poderiao prover nas vésperas dos dias de cessação do trabalho, e do commercio dos generos de que podião precisar nestes dias, e mesmo assim" algumas famílias sè verão embaraçadas para obsequiarem as pessoas que chegarem inesperadamente ás suas cazas depois do meio dia, ou que as forem visitar á noite. Ny0 sabemos em verdade porque se prohibi) ( ainda que ju. direcíamente) a venda de certos gêneros de uso diário e doméstico. ' Nesta capital não será talvez tão espinhosa a comprehensão desta lei; porém no interior da onde cazas ha, província que se podem considerar á um tempo loja quitanda barraca e botica, por conterem em si o que se acha nestas cazas, haverá sem duvida bastante difficuldade cm conciliar para com ellas as disposições dos 1 c J 2. do artigo 1. «è a doartigo 2. «E' portanto evidente, que esta lei da maneira porq le se acha con ebiiki pode ser muito vexatória, e tornar-se um iustrumanto de persiguição. Art. 2. A probibição do % 1,» não è evlensiva aos cortes de carne verde, boticas, e pai (irias. Esta excepçüo com quanto expressa não é a única nem firma a regra geral das cazas que se podem conservar aliei - tas iio$ dias designados no art. I. E com eitcito, nas vras-lojas armazéns pala- de seceps e molhados olüciuas de qualquer natureza quitandas e mercados de comestiveis não se achao comprehendidas as caras de talágens hotéis botequins pasto es- propriamente ditos cazas de bilhar édvutros jogos lícitos casas de reírescos -e de recreios públicos etc; e querer o contrario é querer uma extorsao dosdínheiros públicos; e haveria até uma verdadeira barbaridade eui mandar-se fechar depois do meio dia as cazas de hospedaria. E còusa hotavel, os escriptorio* podem estar abertos, mas éprohibido trabalhar nelles por virtude do arligo 1. \ Que destempero! Art. 3. * Os infractores desta Lei teràõ a mu'ia de dez mitreis, e na reincidência o duplo: esta multa fará parte da renda municipal dõ Termo em que residirem as pessoas multadas. Antes de tudo damos graças á Providencia por não se ter lembrado a nossa Asseuibléa Provincial de impor ao infractores da Lei que anâlysamos pena-s de prisão, o p < se haver contentado com uma pequena- multa, porque iiu contrário maior seria o mal. 4 primeira consideração á fazer é quem são os /,, fraetom? São infractores tanto os que trabalhão como os que mandãp trabalhar? O escravo que trabalha ordem por de seu,senhor, o caixeiio de seu- amo, o discípulo do seu mestre etc devem pagar, a multa ou som ente ordena quem, p trabalho ou ambos o que obedece, e o que ordena? Eis ahi uma não pequena complicação na imposição, pratica das multas. A segunda consideração à fazer sobre este artigo é como se entende o duplo da multa nas reincidências? Qiiem jà foi multado n'um dia pode ser novamente multado no mesmo dia, se continuar á infringir durante elle a Lei - quando não se tratar de diversa disposic o da que deo lugar á multa? Quem multado na primeira vez em dez mil reis, na segunda,em vinte, na terceira ejn quanto scrà? Em trinta? Não por certo, porque trinta não é b duplo de dsz, nem tão pouco quarenta; deve ser portanto em vinte igualmente- Depois da primeira multa todas as que se seguirem serão de vinte, hajão quantas reincidências houverem; ainda que da lettra e espirito da lei collige-se que não ha multa depois da reincidência ou da segunda infracçãoda lei! Cumpre todavia notar, que não ha reincidência senão na repetição da infracção d'uma disposição dada: a->sim pode-se ser multado três vezes, e pagar-se apenas dez mil reis de cada vez, quando forem diversas as db^oai-

7 --'^ções transgredidas; um indivíduo pode ser urultatlo, por! hbo '<!òm azeitonas, 1 canastra com rifadas e nózesf, exemplo, por estar trabalhando, e pode ser multado depois por ler loja ou oflicina aberta. 1 caixote com 2 mangas de vidro. A hora meio dia em que se devem fedi ar as quitandas e mercados de comestíveis è outra arma para ití- porto o Paiackò Americano =Gàrlahd^ 'vindo Müàifcstò da carga que perlendc descarregar neste justas multas, pois não havendo uma bitola invariável das de Salem. horas, e achando-se os Relógios de nossas Igrejas com dores de barriga quasi sempre, teráõ os 300 Barricas com farinha de trigo, 58 pacotes pobres quitantleirosoude comprarem o seu caldeirão para saberem com 60 peças de cabo. (wro&imàdamente quando é meio dia, ou de serem victitnas dos desatinados agentes da policia, seus mortaes inijnigos.,. A' fé de Christão, que duvidamos, que uma só Câmara Municipal seja capaz de arrecadar as multas pelas Infracçoes desta Lei, que estamos analysando, pois irinumeras são as duvidas* que ella offerece na sua execução pratica, e por tanto os Juizes e Tribunaes não deixarão de áttender as considerações dos cidadãos multados, Eis ahi o resultado de leis feitas k esmo, e precipitadaniente! E' de absoluta necessidade, que S. Exe. expeçà quanto antes um regulamento adequado à boa execução da sobreditá Lei: aliás será ella uma verdadeira maquina infernal, e o. tempo mostrará se estamos em erro. Coin este regulamento, e com a prafie* adquirida tomarà então a nova Assembléa Provincial em melhor consideração a idéa da cessação do trabalho em certos dias. Ainda teremos occasião dé fazer'outras reflexões sobre este assumpto. Ims»ortaçaõ. Manifesto dd carga da Barca Portugueza *±Carolina= vinda do Porto. 3 Caixas com livros e impressos, 1 dita com raizes de llores, 4 ditas com espingardas, fitas e retrós, 1 dita com macela, 1! dita com riscados d'algodáo, 8, ditas cotu tamancos, 1 dita com enxertos de niacieira e Pereira, 3 ditas com chapeos de Braga, 4 ditas com íexaduras, 3 barris com enxadas, 31 eunbetes com foucese machados, 5 caixas com rápé, 1 dita cot» albardoens, 1 dita com retrós, 2 ditas com.cera eni velhis, 1 dita com estopa e pano dè linho, 1 dita e 11 barris com peixe, 120 barris com chumbo, 2 ditos com paios, 1 resina de papel dê erabiulho, 119 cadeiras, e 9 camapés. 1 marquezá, 2 mezas, 14 barris com repolho, 5 ditos cottí presüntiis, 2^ Barris e 44 pipas com tinho, 2 pipas còm vinagre, 8 barris com azeite, 2 latas com sálpicoens, e 12 ancoretas, 2 embrulhos com panos de linho, coudeca com latas de doce, 1 dita com linha de unho, 40 barricas com baealliao, 52 canastras e caixaens com castaohas, 393 canastras com batatas 169 ditas com maçãs, 541 aneoretas «50 bstfis' eóa* a- zeitonas, 1 caixão com agoa das caldas, 1 dito com palheta fatça, 1 lata com colleção de musica, 1 embrulho e 3 pares dei meias de seda. 1 dito e 1 caixote com obras de prata, 1 cunhete e 1 embrulho com meias de linho. 2 caixoeiis com fio para fogueteiro, 1 ancoreta com carne de porco. 2 caixas com nozes; 3 ditas com ligos, SditaS com plantas.4 condcca com miudezas, 1 amarrado com arcos de páo. sacas com tremoç?s. 1 golpelha de ligos, 1 eunhete com diversas fazendas, 1 porção e 25 canastras com sehollas. Declarações. 1 Cunhete, 1 embrulho. 1 caixa, ignoro, 1 saro «om barretee, 1 canastra com castanhas, 1 barril^ Manifesto da carga dá Brigue Escuna Brazileiro =Laura= vindo do Pará. 355 Sacas com cacau, 400 estacas de Acapú. 260 sacas com borracha, 20 paneiros com urucu, 56 peçás de Piassaba, 188 alqueires com tapiòca, 40 roí- ÍOs de salca 2 caixas com cuias, calçado de borracha, borrachinbas e 1 busto, 3 Caixas com queijos, 10 caixas com livros. 1 barrica com enxofre, í dita com* salitre, 1 caixa com mirinó; 12 barriquririhas com sardiuhas. Manifesto da carga do Brigue Escuna Brasileiro Josepliá^- vinda do Pará. 4:000 Alqueires dé castanha, 427 sacas e 47 Caixas com borracha', 2 caixas com buxo de peixe. Manifesto da cãrgd do fírig<ie ínglez =Zenobia=* vindo dè Pernambuco. 300 Tonelladás dè carvão, uma porção MoViiíicnfo do Porto. ENTRADA DÒ DIA 24. de taboas. Pernambuco Brigue ínglez Zenpna, em 6 dias de vlàgimii dê 327 torf. Cap. Joaõ Sfrwart corisign. ; ao mesmo Cap- 14 pessoas de trip. passou pelo pliarol clé Santa Anua as 10 horas da noite estava em boa luz de Itacnlomin de dia. 26, para Brigue Escuna Laura, com 7 dias de viagem,' de 163 Toneladas, Capitão Antônio Ferreira da Silva Santos 13 pessoas de tripulação, carga di- I vercos gêneros avistou o pharol de Itacolomin as 3 horas da mauhab, passajeiros, Alfere» Joaquim ;j José de Oliveira, e Francisco Mendes Pereira Junior, e José Furtado. 27,-j... ííavkê Brigiié Francéz Esmeralda, de 148 toneladas com 35 dias.de viage n consignado a Manoel Joaquim d'àzevedo, Capitão Lancelot com 6 pessoas'de. tripulação, carga vários gêneros. Passou pelos phàrões de dia, passageiros, francez Doval Antônio"'Rafael.' A para Brigue Escuna Nacional, Jozefa. em 10 dias dé viagem. Capitão Jos*é Manoel Barboza, 12 pessoas de tripulação, carga Vários gêneros, de 132 toneladas, cousignado a Gomes & Neves, passou pêlos pharoes de madrugada estava com boa luz. _.. * (Derinaudo Domingos Carpiriíèirò estando en- Bearregado, de receber cartas de Manoel Foutanve como lhe foi remetida uma carta pela Agencia de Pernambuco com uma pro

8 curaçaõ dentro para puder despachar huma caixa de fazendas que se acha na Alfândega desta Cidade com a marca M. F. e como esta carta naõ aparece nem na Agencia nem no correio roga-se a alguma pessoa que a tirasse por engano de hir entregar ao annunciante ou botala no correio protestando por qualquer que faça uzo da dita procuração quando naõ seja Manoel Fontam ou pessoa de sua ordem por prejuízo percas e danos, alem da causa crime que por direitos se deve intentar. M) IfjESTA lypographia se diz quem precisa de uma Hpessoa diligente, que saiba ler e escrever» e com boas abonações. (1.) Intonio Francisco de Oliveira, na caza n. 7 iídefronte do Theatro Uniaõ, continua a cohrir e concertar chapéus de sol. (1) SUPERIOR MPfim ÜF Despachado no dia 11 do corrente vende-se na Loja do Perequito na rua grande n. 27.(1; branco como de cores, e de papel regular, e simpies, Al-nasso, florette, de pezo. encorpado rfc. Bom sorhmento de objectos para Dezenho, como lapis finíssimos, crayons. carvões, lápis a pastel, sfu pinhos, compassos completos, papel encorpado gran- ÈLSILT" * **papelá0'ciail «* -8- Domingues Castro vende por preço razoavel uma preta robusta e.sadia, própria Joze para todo o serviço de caza e de rua, e umpreto próprio para serviço de roça: estes escravos vendem-se pur precisão dos seus senhor^ (3) pessoas que se julgarem Credorasà extinc As ta firma de Ramalho & G.* sirvam-se de apresentar Mias contas no p azo de dez dias ao abaixo assignado, Sócio Iiquidante, serem coiferidas, para e pagas. Maranhão 18 de Dezebmro de 18/f9. Agostinho Domingos Ramalho. (2) OAbaixoassigndieslàauthorizado para vender boas barcadas de pedra por preço iazoavel, quem preeizar derija-se ao mesmo na praia Grande, defronte do Sr. J. Bento Borges. Maranhão 18 de Dezembro de 18/i9. Antônio Luiz Pinto. (2) Posl-scriptum. MARANHÃO 28 DE DEZEMBRO DE lanpnriitra». Meias rebecas, próprias para meninos de pouca idade. Rebecas yiulletas, reguiares com caixa, ou sem ellas. ou Violas rçgulares. Uni Violoncello, ou rabecão pequeno, muito bom, a moderna com caixa. Um Contra baixo, ou Rabecão-grande, com caixa. Violões, ou Guittarras mui afflnadas. Todas as Gordas para estes instrumentos, mui boas. e novas. Arcos mui finos* resina, Surdinas, sedas para arcos, e Alamirés. Um fagote. muito bom. *, í com bandejas, 1 dita com Flautas. Flautins, porcelana e vidros Clarinettás.-e para cancheiros 2 ditas com lenços d-algudaõ, Requintas, Bocaes 1 dita para alguns com canibraias, 1 dita cn,n sedas, d'estes últimos instrumentos. Bom.sortimeotode gases, blond &c, 1 dita com papel para muzica. de papel Tmpenal, de fitas e cortes de vestidos, 1 caixa com fitas, 1 papel riscado, dita com de papel dourado, tanto candieiros, torcidas e vidros, 1 dita com sedas, artigos de Paris, instrumento de musica, oclos algodão, Iam. leques, gases, 600 Panciros com batatas. Manifesto da carga que pertende descarregar netie porto o Brigue Fnincez^Emieralda vindo do Uaere. 10 Caixas com chapeos para homens, 1 dita de ditos para meninos 1 dita de ditos para Sras 1 com dila torcidas, 2 ditas com vidros de tinta e obreiàs 1 dita com luvas e leques, 1 dita com agoa de colônia dita 1 com perfumarias 12 ditas com chrisiaes 1 te com lâmpadas, paço- solares e vidros. 1 caixa com candieiros, 1 dita com bengalas, pérolas, e botões, 2 ditas Exportação, Manifesto da carga qne conduz o Patacho Ilespaiúol Bomano-vindo de Havana. 1:543 Sacas com Arros. Estes, e outros muitíssimos objectos que com elles tem re ação achão-se á venda por preços módicos. P«?os á vista, no Deposito de Livros, papel etais Maranhão 18 de Dezembro de (2j 0"em tiver para vender falle nesta Typo-ra NOTICIA LOCAL. Na rua da cruz, ja perto da de SanfAnna, d'um quartinho alugado por um escravo alfaiate da Sra viuva Gadet, salna fétido taõ punido até a porta, que attrahio a attençao de algumas pessoas; e como desde véspera de natal se naõ tinha visto o dito escravo, p irlicipou-se á lohciaque mcootineote mandou abrir, e acharão o corpo do inquilino ja em putrefação, e segundo o exame dos facultativos parece qne esta morte foi de attaque a- popletico, o acontecida na noite do dia de natal, pois que este escravo veio nessa noite do sitio de sua Sra..Maranhão; Imjx de M;'K-i 'i; -IfiV,

Totaes. Classes LOJAS Cidade Fóra da Cidade

Totaes. Classes LOJAS Cidade Fóra da Cidade Estatistica das casas e lojas sujeitas aos Impostos de que trata o Regulamento de 15 de Junho de 1844, da Provincia de para o anno financeiro de 1844-1845 Classes LOJAS Cidade Fóra da Cidade Totaes 1 Armadores

Leia mais

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia

Levantando o Mastro CD 02. Bom Jesus da Cana Verde. Divino Espírito Santo Dobrado. Areia areia CD 02 Bom Jesus da Cana Verde [ai bom Jesus da Cana Verde é nosso pai, é nosso Deus (bis)] ai graças a Deus para sempre que tornamos a voltar ai com o mesmo Pombo Divino da glória celestial ai Meu Divino

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1

AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 AHU, Alagoas Avulsos, Documento 123 1 Documento 123 Requerimento do Bacharel Antonio José Pereira Barroso, provido no lugar de Ouvidor-geral das Alagoas, ao rei Dom João V, a pedir certidões das ordens

Leia mais

BR REHEG PH AT.LE.1835/06:1835. A 1º Lei Goiana sobre Instrução Pública Lei nº 13 de 23 de junho de 1835.

BR REHEG PH AT.LE.1835/06:1835. A 1º Lei Goiana sobre Instrução Pública Lei nº 13 de 23 de junho de 1835. A 1º Lei Goiana sobre Instrução Pública Lei nº 13 de 23 de junho de 1835. BR REHEG PH AT.LE.1835/06:1835 Jose Rodrigues Jardim, Presidente da Provincia de Goyas: Faço saber a todos os seos Habitantes,

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Refletindo Sua glória, em meio a ventos contrários. Entretanto, o barco já estava longe, a muitos estádios da terra, açoitado pelas ondas;

Leia mais

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor!

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 2º ROTEIRO EUCARISTIA Mistério Pascal celebrado na comunidade de fé! 3º ENCONTRO EVANGELHO Amor para anunciar e transformar o mundo! 1915-2015 SUBSÍDIOS

Leia mais

POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón. www.sisac.org.br POR QUE É DIFÍCIL CRER? Pr. Bullón www.sisac.org.br "O texto bíblico escolhido está em Efésios 2:8-10: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras,

Leia mais

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem Tudo bem. Eu vou para casa! Foi o que uma moça disse a seu namorado, na República Central-Africana. Tudo começou porque ele ia fazer uma viagem

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida 32810 ~ USA 1 Lição 0 Já nasceu de novo? (volte para a página 5) Perguntaram a John Wesley porque razão ele pregava várias vezes, acerca de devem nascer de novo. Ele respondeu, porque vocês devem nascer de novo! Já

Leia mais

O porco que veio no rio

O porco que veio no rio Ficha de transcrição / Esposende / O porco que veio no rio O porco que veio no rio Classificação: Episódio de vida Assunto: Numa época de grande escassez e dificuldade, uma mulher encontro um porco que

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal

Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 12 de abril de 2009 igrejabatistaagape.org.br Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal. A celebração

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante A POLÍTICA E A POLITICAGEM Literatura de cordel Autor: PAULO TARCISO Caros ouvintes vos peço Atenção uma vez mais Para fazer uma análise Creio interessa demais O tema é muito importante Me escutem por

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46

A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS Lição 46 1 1. Objetivos: Mostrar que o Senhor Jesus morreu na cruz e foi sepultado. Ensinar que o Senhor Jesus era perfeito; não havia nada que o condenasse. Ensinar que depois

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30. 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus..

JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30. 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus.. JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30 1 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus.. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.1-13; Marcos 2.1-13; Lucas 9.28-36 (Leitura bíblica para

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

OS DESAFIOS DA JORNADA DA FÉ

OS DESAFIOS DA JORNADA DA FÉ 1 OS DESAFIOS DA JORNADA DA FÉ Mc 6 30/12/2012 INTRODUÇÃO 1. Esta semana estava pensando a respeito do ano de 2012 que estamos concluindo. 2. Que ano! Ele foi repleto de contrastes. 3. De momentos em que

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm

O LOBO E OS SETE CABRITINHOS. Irmãos Grimm O LOBO E OS SETE CABRITINHOS Irmãos Grimm Era uma vez uma velha cabra que tinha sete cabritinhos, e os amava como as mães amam os filhos. Certo dia, ela teve de ir à floresta em busca de alimento e recomendou

Leia mais

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional

II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional II Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional EM ÁGUAS DO ATLÂNTICO SUL: escravos-marinheiros no cais do porto de Itajaí (SC) no século XIX. José Bento Rosa da Silva Manoel Caetano Vieira, era

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

cerj G uia orientador de meditação bíblica diária Epístola aos Romanos (42-43) Dia 29: Dia 30: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões.

cerj G uia orientador de meditação bíblica diária Epístola aos Romanos (42-43) Dia 29: Dia 30: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões. Pág. 1 Dia 29: Leitura de Romanos 9, 10 e 11 em diferentes versões. Digo a verdade em Cristo, não minto, testemunhando comigo, no Espírito Santo, a minha própria consciência: tenho grande tristeza e incessante

Leia mais

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa?

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa? Antigamente, quando não tinha rádio a gente se reunia com os pais e irmãos ao redor do Oratório para rezar o terço, isso era feito todas as noites. Eu gostaria que agora a gente faça isso com os filhos,

Leia mais

HINÁRIO Transformação

HINÁRIO Transformação HINÁRIO Transformação Tema 2012: Flora Brasileira Pau-de-rosas (Physocalymma scaberrimum) www.hinarios.org Apolo 2 1 ORAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO Oh! Meu pai, livrai-me da autocomiseração e da preguiça. Dême

Leia mais

Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade

Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade Batalha Espiritual O Princípio de Autoridade Efésios 6:10-12... tornem-se cada vez mais fortes, vivendo unidos com o Senhor e recebendo a força do seu grande poder. Vistam-se com toda a armadura que Deus

Leia mais

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br

betty milan CARTA AO FILHO www.bettymilan.com.br betty milan CARTA AO FILHO I A estação das cerejeiras começou no dia em que você nasceu. Nem tudo foi cereja, claro. Mas, desde que vi o seu rostinho inchado de quem já não cabia na barriga da mãe, eu

Leia mais

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA:

CANTOS PARA O NATAL CANTO DE ENTRADA: CANTO DE ENTRADA: CANTOS PARA O NATAL 01. PEQUENINO SE FEZ (SL 95): J.Thomaz Filho e Fr.Fabretti Pequenino se fez nosso irmão, Deus-conosco! Brilhou nova luz! Quem chorou venha ver que o Menino tem razão

Leia mais

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação

Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação Auto de Proclamação da República (7 Outubro de 1910) Cota CMPV 4343 Auto de Proclamação NEWSLETTER: Dando continuidade à nossa nova rubrica on-line: Páginas de História com Estórias, passamos a apresentar

Leia mais

POSTURA CORRETA DIANTE DA ADVERSIDADE

POSTURA CORRETA DIANTE DA ADVERSIDADE 1 POSTURA CORRETA DIANTE DA ADVERSIDADE 2 Cr.20. 1 Depois disto, os filhos de Moabe e os filhos de Amom, com alguns dos meunitas, vieram à peleja contra Josafá. 2 Então, vieram alguns que avisaram a Josafá,

Leia mais

SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O. Prezado amigo, chegamos ao capítulo 17 do livro de Levítico, e

SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS LIDO EM TODO O. Prezado amigo, chegamos ao capítulo 17 do livro de Levítico, e REFERÊNCIA: Levítico 17 Data de Gravação: 18.06.03 PRODUTOR: Paulo Chaveiro Locução: Paulo Chaveiro OLÁ! CARO AMIGO/ EU SOU PAULO CHAVEIRO E ESTE É O PROGRAMA O SOM DO LIVRO QUE TRÁS ATÉ SI O LIVRO MAIS

Leia mais

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Pr. Jorge Luiz Silva Vieira P á g i n a 1 A origem do pecado: HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Deus não pode pecar Ele é Santo (I Pe 1.16; I Jo 1.5) e não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO

BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO BATISMO HISTÓRIA E SIGNIFICADO 1 INTRODUÇÃO Jesus mandou seus discípulos: Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

24º Dia 22 de Março TRANSFORMADO PELA VERDADE

24º Dia 22 de Março TRANSFORMADO PELA VERDADE 24º Dia 22 de Março TRANSFORMADO PELA VERDADE As pessoas precisam mais que de pão para a sua vida; elas precisam alimentar-se de cada palavra de Deus. Mateus 4.4 A palavra graciosa de Deus pode fazer de

Leia mais

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO

Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Momento com Deus Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 14/04/2013 AULA 02: O DILÚVIO Versículo para Decorar: 1 Toda vez que o arco-íris estiver nas nuvens, olharei para ele e me lembrarei da aliança eterna

Leia mais

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai

BOM DIA DIÁRIO. Guia: Em nome do Pai BOM DIA DIÁRIO Segunda-feira (04.05.2015) Maria, mãe de Jesus e nossa mãe Guia: 2.º Ciclo: Padre Luís Almeida 3.º Ciclo: Padre Aníbal Afonso Mi+ Si+ Uma entre todas foi a escolhida, Do#- Sol#+ Foste tu,

Leia mais

A África no Brasil. Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871.

A África no Brasil. Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871. A África no Brasil A África aparece nas narrativas primeiramente como referência de ancestralidade. Neste sentido, nas narrativas selecionadas, a memória da África e do africano aparecem associadas à noção

Leia mais

Jonas, o Missionário Improvável

Jonas, o Missionário Improvável Jonas, o Missionário Improvável Este mês é o mês que dedicamos às missões aqui na nossa igreja. Eu costumo dizer que as missões são o bater do coração de Deus. Se este é um assunto que é importante para

Leia mais

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que

chuva forte suas filhas não estavam em casa, decidiram chamar moradores vizinhos a ajudar a encontrá-las. Procuraram em cada casa, loja e beco que As Três Amigas Em 1970, em uma cidade pequena e calma, havia três amigas muito felizes, jovens e bonitas. O povo da cidade as conhecia como um trio de meninas que não se desgrudavam, na escola só tiravam

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache

Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache CAPÍTULO I Da Espanha à Flórida, em busca de Apalache Aos dezessete dias do mês de junho de 1527 partiu do porto de San Lúcar de Barrameda 1 o governador Pánfilo de Narváez, 2 com poder e mandato de Vossa

Leia mais

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F.

CEGO, SURDO E MUDO (porque nao?) LETRA: Ricardo Oliveira e Mário F. FRUTO PROIBIDO FRUTO PROIBIDO 1 Cego, surdo e mudo (porque não?) 2 Mundo inteiro 3 Acordo a tempo 4 Contradição 5 A água não mata a fome 6 Quem és é quanto basta 7 Nascer de novo (és capaz de me encontrar)

Leia mais

História de Trancoso

História de Trancoso Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Leia o texto a seguir com atenção. História de Trancoso Joel Rufi no dos Santos Era uma vez um fazendeiro podre de rico, que viajava solitário. Ah, quem me dera

Leia mais

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837)

A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) A Vestimenta Nova do Imperador Kejserens ny e Klæder (1837) Há muitos anos, vivia um imperador que gostava tanto de vestimentas novas e bonitas, que gastou todo o seu dinheiro a vestir-se bem. Não se preocupava

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação)

#62. O batismo do Espírito Santo (continuação) O batismo do Espírito Santo (continuação) #62 Estamos falando sobre alguns dons do Espírito Santo; falamos de suas obras, dos seus atributos, como opera o novo nascimento e, por último, estamos falando

Leia mais

Mês de Agosto/2006 Ano IV Número 37

Mês de Agosto/2006 Ano IV Número 37 2 Mês de Agosto/2006 Ano IV Número 37 2 2 Deus fez a Palavra se cumprir para este dia. Malaquias 4:5 6 é o que Deus disse, que enviaria o profeta Elias para restaurar a fé original de nossos pais os apóstolos.

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda.

Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda. Lei de 11 de Agosto de 1827 - Crêa dous Cursos de sciencias Juridicas e Sociaes, um na cidade de S. Paulo e outro na de Olinda. Decreto de 9 de Janeiro de 1825 - Crêa provisoriamente um Curso Jurídico

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO

JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO João 6 Nesta Lição Estudará... Jesus Alimenta a Multidão Jesus Anda em Cima das Águas O Povo Procura Jesus Jesus, o Pão da Vida As Palavras de Vida Eterna JESUS ALIMENTA A MULTIDÃO: Leia João 6:1-15. Mateus,

Leia mais

Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.

Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. (Apocalipse 1:7) A Bíblia inteira focaliza o futuro.

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Pedir perdão dos pecados cometidos no Brasil. I. Pecados indentificados pela desobediência aos Dez Mandamentos ( Ex20:1-17).

Pedir perdão dos pecados cometidos no Brasil. I. Pecados indentificados pela desobediência aos Dez Mandamentos ( Ex20:1-17). Pedir perdão dos pecados cometidos no Brasil 2 Crônicas 7:14 se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus,

Leia mais

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1

Bíblia Sagrada N o v o T e s t a m e n t o P r i m e i r a E p í s t o l a d e S ã o J o ã o virtualbooks.com.br 1 Bíblia Sagrada Novo Testamento Primeira Epístola de São João virtualbooks.com.br 1 Capítulo 1 1 O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos olhos, o que temos contemplado

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

"Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa)

Os Emigrantes Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) "Os Emigrantes" Texto escritos por alunos do 7º ano (Professora Rute Melo e Sousa) Estava um dia lindo na rua. O sol brilhava como nunca brilhou, e, no cais, havia muitas pessoas As pessoas estavam tristes

Leia mais

LIÇÃO 2 Esteja Preparado

LIÇÃO 2 Esteja Preparado LIÇÃO 2 Esteja Preparado Lembra-se do dia em que começou a aprender a ler? Foi muito difícil, não foi? No princípio não sabemos nada sobre leitura. Depois ensinaramlhe a ler as primeiras letras do alfabeto.

Leia mais

"ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO)

ATIROU PARA MATAR Um roteiro de. Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) "ATIROU PARA MATAR" Um roteiro de Nuno Balducci (6º TRATAMENTO) Copyright 2013 de Nuno Balducci Todos os direitos reservados. balducci.vu@gmail.com (82) 96669831 1 INT. DIA. LANCHONETE CHINESA Uma GAROTA

Leia mais

Marquês de Sade. O corno de si mesmo. & outras historietas. Tradução e notas de Paulo Hecker Filho. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Marquês de Sade. O corno de si mesmo. & outras historietas. Tradução e notas de Paulo Hecker Filho. www.lpm.com.br L&PM POCKET Marquês de Sade O corno de si mesmo & outras historietas Tradução e notas de Paulo Hecker Filho www.lpm.com.br L&PM POCKET 1 Sumário Abençoada simulação... 5 O rufião punido... 8 Vai assim mesmo... 12

Leia mais

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar.

#101r. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. (Continuação) Apocalipse 13:1~10; a besta que subiu do mar. #101r Na aula passada, iniciamos o estudo do cap13 de Apocalipse, onde, como falamos de certa forma descreve o personagem mais importante da

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ

A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ A BELA HISTORIA DE JESUS DE NAZARÉ O BATISMO DO SENHOR JESUS CRISTO E O COMEÇO DE SEU MINIST ÉRIO Volume 03 Escola: Nome : Professor (a): Data : / / 5) VAMOS BRINCAR DE FORCA? Marque com um x na letra

Leia mais

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo:

Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: Escola de Português Verão de 2015 Ano 13 Nível 2 Exercícios Semana 1 Parte 2 Revisão Verbos irregulares no pretérito perfeito do indicativo: 1) Complete as frases abaixo com o pretérito perfeito dos seguintes

Leia mais

A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS

A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS 1 A SATIRA DOS VIGIAS DO POVO DE DEUS Is 56 10 As sentinelas de Israel estão cegas e não têm conhecimento; todas elas são como cães mudos, incapazes de latir. Deitam- se e sonham; só querem dormir. 11

Leia mais

O PROFETA ELISEU Lição 64. 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo.

O PROFETA ELISEU Lição 64. 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo. O PROFETA ELISEU Lição 64 1 1. Objetivos: Ensinar que mesmo quando a vida é difícil que nunca devemos perder nossa esperança se estamos em Cristo. 2. Lição Bíblica: 2 Reis 2, 4, 5 (Base bíblica para a

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Bom dia! Há gestos que nesta altura a quaresma, ganham uma dimensão ainda maior. Enchem-nos. Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas de uma aldeia

Leia mais

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução

Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste. Introdução Festa do Perdão Cântico de entrada: Cristo Jesus, tu me chamaste Cristo Jesus, tu me chamaste Eu te respondo: estou aqui! Tu me chamaste pelo meu nome Eu te respondo: estou aqui! Quero subir à montanha,

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

O CIÚME DE SAUL Lição 57

O CIÚME DE SAUL Lição 57 CIÚME DE SAUL Lição 57 1 1. bjetivos: Ensinar sobre os perigos de ciúmes. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 18 a 20 (Base bíblica para a história o professor) Versículo para decorar: 1 Samuel 18.14 Davi lograva

Leia mais

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo

CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo. CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo CATEQUESE 1 Estamos reunidos de novo Tens uma tarefa importante para realizar: 1- Dirige-te a alguém da tua confiança. 2- Faz a pergunta: O que admiras mais em Jesus? 3- Regista a resposta nas linhas.

Leia mais

O JULGAMENTO DE CRISTO

O JULGAMENTO DE CRISTO Por Constantino Ferreira O JULGAMENTO DE CRISTO O julgamento de Cristo teve dois aspectos processados em seis partes, três religiosas e três civis, entre a uma e as sete horas. 1. Jesus foi interrogado

Leia mais

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém,

História: Vocês querem que eu continue contando a história do Natal? Maria e José seguiam para Belém, Data: 13/12/2015 Texto Bíblico: Lucas 2:7; 8-20 e Mateus 2:1-12 Versículo para memorizar: Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu seu único Filho, para que todo aquele que Nele crê não morra,

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24

#93r. 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 11.7 O Apocalipse X Mateus 24 #93r Há uma grande semelhança entre a sequência dos acontecimentos do período da Tribulação, descritos no livro do Apocalipse, com relação a Mateus 24. Vamos hoje, analisar

Leia mais

O Espírito de Religiosidade

O Espírito de Religiosidade O Espírito de Religiosidade Pr. Alcione Emerich Como vive um Cristão Salvo contaminado ou infectado pelo Espírito de Religiosidade Hoje será um Culto de Libertação, vamos quebrar esta maldição em nossas

Leia mais

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus

1ª Carta de João. A Palavra da Vida. Deus é luz. Nós somos pecadores. Cristo, nosso defensor junto a Deus 1ª Carta de João A Palavra da Vida 1 1 O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e o que as nossas mãos apalparam da Palavra da Vida 2 vida esta que

Leia mais

A CURA DE UM MENINO Lição 31

A CURA DE UM MENINO Lição 31 A CURA DE UM MENINO Lição 31 1 1. Objetivos: Mostrar o poder da fé. Mostrar que Deus tem todo o poder. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.14-21; Marcos 9.14-29; Lucas 9.37-43 (Leitura bíblica para o professor)

Leia mais

UM FORTE HOMEM DE DEUS

UM FORTE HOMEM DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais