UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação DE CLUSTERS BEOWULF NOTAS DIDÁTICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação DE CLUSTERS BEOWULF NOTAS DIDÁTICAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ISSN INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE CLUSTERS BEOWULF Felipe Sarmanho Júlio Cézar Estrella Paulo Sérgio Lopes de Souza Marcos José Santana Regina Helena Carlucci Santana Guilherme Mundim Torres N ō 71 NOTAS DIDÁTICAS São Carlos Jun/2007

2

3 Instalação e Configuração de Clusters Beowulf Felipe Sarmanho 1 Júlio Cézar Estrella 1 Paulo Sérgio Lopes de Souza 1 Marcos José Santana 1 Regina Helena Carlucci Santana 1 Guilherme Mundim Torres 2 1 Departamento de Sistemas de Computação Grupo de Sistemas Distribuídos e Programação Concorrente Universidade de São Paulo - Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação {sarmanho, jcezar, pssouza, mjs, 2 Seção Técnica de Informática Universidade de São Paulo - Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Resumo Este documento descreve pragmaticamente os passos necessários para a instalação e configuração do software básico (sistema operacional e pacotes de desenvolvimento) de um Cluster Beowulf. Tal documento foi produzido com base na experiência dos autores na construção de um Cluster para o curso de Engenharia de Computação da USP-São Carlos no primeiro semestre do ano de O Cluster está sendo utilizado para o aprendizado de programação concorrente e paralela pelos alunos do curso de Engenharia de Computação e também sendo utilizando no desenvolvimento de pesquisas realizadas pelo Grupo de Sistemas Distribuídos e Programação Concorrente. O objetivo deste documento será mostrar de forma pragmática as etapas para a implementação de um Cluster utilizando a distribuição Linux OpenSuSE Serão abordados a configuração de um Cluster com disco e posteriormente a configuração de um Cluster Diskless (sem disco). Em seguida será demonstrado a utilização do recurso Ramdisk a fim de complementar a instalação do Cluster Diskless proposto. Para finalizar, são descritos aspectos básicos da instalação do PVM e MPI nas versões de Custers propostos.

4 1 Introdução Um cluster é um sistema que compreende um aglomerado de computadores ou sistemas (denominados nós) na qual trabalham em conjunto para executar aplicações ou realizar outras tarefas. O objetivo é que os usuários que os utilizam tenham a impressão de que somente um único sistema respondam para eles, criando assim uma ilusão de um recurso único de processamento (computador virtual). No âmbito da programação paralela, os Clusters são definidos como um tipo especial de multicomputadores. (grama) A utilização da tecnologia de Clusters com computadores pessoais foi motivada pelo alto preço dos supercomputadores, começando em 1994 com o desenvolvimento do Cluster Beowulf pela NASA [7]. Dentre as principais características de um Cluster Beowulf destacam-se: 1. A construção é baseada em computadores de uso geral (isto é, desktops, inclusive obsoletos); 2. Uso do Linux como sistema operacional; 3. Utilização de bibliotecas de livre distribuição para troca de mensagens; 4. Existe um servidor responsável por controlar todo o Cluster, principalmente quanto a distribuição de tarefas e processamento (pode haver mais de um servidor, dedicado a tarefas específicas, como monitoração de falhas). Este servidor é chamado de front-end, ou nó mestre. Um Cluster pode possuir vários tipos de configurações diferentes, tanto na montagem do hardware quanto na configuração do sistema. Os tipos mais comuns de Clusters Linux são [5]: Cluster para Alta Disponibilidade: Quando se fala de disponibilidade, fala-se do tempo em que determinado sistema permanece ativo e em condições de uso. A alta disponibilidade se refere a sistemas que praticamente não param de funcionar. Existem Clusters deste tipo usados em aplicações de missão crítica. Tal tipo costuma ter meios eficientes de proteção e de detecção de falhas; Cluster para Balanceamento de Carga: Balanceamento de Carga se refere à distribuição equilibrada de processamento aos nós do Cluster. É muito usado na Internet, em servidores de , comércio eletrônico. Este modelo distribui o tráfego entrante ou requisições de recursos provenientes dos nós que executam os mesmos programas entre as máquinas que compõem o Cluster. Todos os nós são responsáveis por controlar os pedidos. Caso um nó falhe, as requisições são redistribuídas entre os nós disponíveis no momento. Cluster Combo: Este tipo combina as características dos Clusters de alta disponibilidade e de Balanceamento de Carga. Cluster MOSIX: MOSIX é a sigla para Multicomputer Operating System for UnIX. Trata-se de um conjunto de ferramentas de Cluster para Linux, voltado ao tipo Balanceamento de Carga. Uma de suas principais características é a não necessidade de aplicações e recursos de software voltados ao

5 Cluster, como acontece com o Beowulf. O MOSIX é eficiente na tarefa de distribuição dinâmica de processamento entre os computadores do Cluster. Esse tipo, assim como o Beowulf, é muito utilizado por universidades em pesquisas e projetos. Os Clusters podem ser usados para uma diversidade de aplicações. Algums destas são listada abaixo: Previsão meteorológica; Simulações geotérmicas; Renderização de efeitos especiais; Simulações financeiras; Distribuição de carga. Aplicações que não podem parar de funcionar ou não podem perder dados (sistemas bancários, sistemas de bolsas de valores), podem utilizar as tecnologias de Cluster. Para isso, configurações importantes devem ser realizadas, de modo que o Cluster não fique sujeito a falhas graves. Por isso, o Cluster deve contar com nobreaks ou geradores que garantam o funcionamento do sistema mesmo nos casos de queda de energia, além de meios de manutenção e detecção de falhas eficientes. Foram abordados os tipos de cluster e a utilização de cada um deles. No entanto, o entendimento de uma outra classificação se faz necessário para o leitor que deseja utilizar este material com o intuito da configuração de um Cluster Beowulf. Os Clusters Beowulf podem ser classificados em: Homogêneos e Heterogêneos quanto a classificação de hardware. Cluster Homogêneo: Os componentes de hardware são idênticos para cada nó do cluster, incluindo o nó mestre. Para os componentes destacam-se: memória, processador, placas de rede, placa mãe, hard disk Cluster Heterogêneo: Os componentes de hardware são diferentes na composição de cada nó. Neste caso, podemos ter um cluster com maquinas totalmente distintas quanto ao poder de processamento computacional. 2 Preparação do Ambiente A instalação de um Cluster Beowulf envolve vários passos, para que tanto o hardware quanto o software sejam configurados adequadamente. São abordados a seguir, apenas os aspectos de software para implementar o Cluster Cluster. Quanto ao hardware, citaremos somente as configurações dos equipamentos utilizados e não abordaremos a instalação física do mesmo neste documento. Ou seja, ao utilizar este material pressupõe-se que o leitor tenha a estrutura física devidamente implementada (swtich, cabos de rede, nobreak, sala adequada para alocar o Cluster, etc). O Cluster que motivou a produção deste material é classificado como homogêneo e possui a configuração de hardware listada na tabela 1.

6 Sistema Operacional Linux OpenSuse 10.0 Número de Máquinas (nós) 1 5 Processadores (por nó) I ntel Pentium 4 HT 64 Bits 3.4 GB Placa Mãe) I ntel Memória (por nó) 4 GB Hard Disk (por nó) 1 60 GB Placa de Rede (por nó) Gigabit Ethernet Switch DLink Bibliotecas para troca de mensagens PVM e OpenMPI Tabela 1. Informações de software e hardware para a configuração do Cluster Antes de iniciar a instalação do Cluster é interessante definir se o Cluster terá acesso à Internet (ou à rede local), ou se será isolado. No caso de o Cluster ter acesso à Internet ou à rede local, é comum que o nó mestre tenha duas placas de rede (Figura 1). Uma placa de rede será utilizada para a comunicação com os outros nós do Cluster e a outra para que seja possível que o Cluster seja acessado remotamente. No entanto, caso o Cluster esteja isolado, apenas uma placa de rede é suficiente (Figura 2). No caso do Cluster tratado neste material é importante lembrar que Não haverá acesso à Internet. Sendo assim, não há preocupação com alguma configuração mínima de Firewall. Ressaltamos que se a intenção do leitor é a implantação de um Cluster com acesso à Internet, recomenda-se fortemente a configuração de um Firewall no nó mestre, ou uma máquina dedicada para essa finalidade. Figura 1. Configuração lógica de um cluster com acesso à internet/lan.

7 Figura 2. Configuração lógica de um cluster sem acesso à internet/lan. Complementando as informações acima supracitadas, é essencial que algumas informações também sejam definidas: Informações de rede (rede, máscara e IP de cada nó); Padronização dos hostnames; Domínio de rede; Definir se o Cluster terá acesso à rede local ou à Internet (neste último caso, é necessário duas placas de redes para o nó mestre) Para o caso da instalação descrita neste material, serão adotadas as seguintes informações: Hostname suse00 Endereço Rede Máscara IP Domínio cluster.org Tabela 2. Informações para o nó mestre Observação 1: Atenção a alguns comandos que precisam ser digitados durante a configuração do Cluster. Quando for digitar, faça a equivalência de acordo com a tabela 5: Observação 2: O Cluster configurado durante a instalação não terá acesso a Internet ou rede local, sendo assim apenas uma placa de rede será utilizada por cada nó. O texto apresentado neste documento compreende diversas seções.

8 Hostname suse01 Endereço Rede Máscara IP Domínio cluster.org Tabela 3. Informações para o primeiro nó escravo Hostname suse02 Endereço Rede Máscara IP Domínio cluster.org Tabela 4. Informações para o segundo nó escravo Caractere que aparece no texto Caractere que deve ser digitado comando comando-entre-crases comando comando-entre-aspas-simples Tabela 5. Informações para o primeiro nó escravo As seções 3 e 4 envolvem a instalação e a configuração de um Cluster com disco; As seções 5 e 6 envolvem a instalação e a configuração de um Cluster Diskless; A seção 7, por sua vez, descreve a configuração de um Cluster Beowulf com Ramdisk. E finalmente a seção 8 compreende as conclusões obtidas a partir da experiência na instalação e configuração de um Cluster Beowulf.. A escrita deste documento foi concebida com o intuito de ser um guia para iniciantes na configuração de Clusters Beowulf. Os autores não se responsabilizam por eventuais danos que porventura venham ocorrer advindos da utilização deste guia. Todo o conteúdo aqui descrito está sob a licença GNU Free Documentation License, encontrada anexada ao final do documento supracitado. Ressaltamos que o conteúdo descrito no presente material foi utilizado no Curso de Extensão (Instalação e Configuração de Clusters Beowulf) ministrado pelos autores e destina aos alunos do curso de Engenharia de Computação da USP São Carlos. Ressaltamos também que o roteiro foi repetido ao menos três vezes antes do início do curso.

9 Não há nenhuma garantia que o roteiro aqui descrito funcione em outra configuração, outra distribuição Linux ou outro hardware, ficando sob a responsabilidade do usuário a adaptação para seu ambiente, dos passos aqui descritos e os eventuais danos causados com a instalação e configuração do Cluster. Neste material, supõe-se que o leitor tenha conhecimentos prévios dos seguintes serviços e conceitos de redes de computadores, descritos a seguir: Administração do sistema operacional Linux, Servidor DHCP, NIS/NFS, TFTP, Boot Via Rede com PXE, SSH, PVM e MPI. Dessa forma, tais conceitos não serão abordados neste material. 3 Instalação do Cluster com Disco A característica principal de um Cluster Beowulf - com Disco é a existência de disco rígido (hard disk) em todos os nós. Desta forma todos os nós possuem seu próprio sistema de arquivos. No entanto, ainda é desejável que algum diretório seja compartilhado entre os nós, de modo a facilitar a sua operação, como, por exemplo, a distribuição do programa paralelo a ser executado pelos nós escravos. O processo de configuração pode ser dividido em duas partes: 1. Preparação nó mestre A preparação do nó mestre compreende as etapas listadas abaixo. Instalação do sistema operacional; Configuração do servidor NIS; Configuração do servidor NFS; Configuração do SSH com chaves de criptografia; Configuração dos ambientes PVM e MPI. 1. Preparação dos nós escravos A preparação do nó escravo compreende as etapas listadas abaixo. Instalação do sistema operacional; Configuração do cliente NFS; Configuração do cliente NIS; 3.1 Passo-a-passo para a instalação do nó Mestre A seguir, é apresentada uma sequência de passos para a configuração do nó mestre: Passo 1: Instalação da distribuição OpenSuSE 10.0 no nó mestre (suse00.cluster.org) A instalação do sistema operacional é realizada como se fosse feita em um Desktop qualquer. Há a inclusão de pacotes adicionais que deverão ser selecionados corretamente.

10 Iniciar a instalação e seguir os passos abaixo. Tela 1 Language Selecionar English (US) Tela 2 Installation Mode Selecionar New Installation Clicar OK Tela 3 License Agreement Selecionar Yes, I agree to the license agreement Tela 4 Clock and Time Zone Em Region selecionar Central and South America Em Time Zone selecionar Brazil East Em Hardware Clock Set to selecionar local time Ajustar a data/hora, caso necessário, clicando em change Tela 5 Desktop Selection Selecionar KDE Tela 6 Installation Settings Clicar em Software Remover partições existentes Buscar os seguintes pacotes e marcá-los para serem instalados: nfs-utils, yast2-nfs-client, yast2-nfs-server (NFS Server) ypserv, yast2-nis-client, yast2-nis-server (NIS Server) gcc-c++ (Compilador GCC C/C++) Clicar Check Dependencies Clicar OK Tela 7 Installation Settings

11 Clicar Accept Clicar Install Fornecer os CDs conforme forem pedidos. Ao final da instalação o sistema será reiniciado para que o processo de configuração continue normalmente. Tela 8 Password for the System Administrator root Entrar com a senha Repetir a senha Tela 9 Network Configuration Clicar em Firewall is enabled para desativá-lo. Clicar em Network Interfaces Selecionar a placa de rede que será utilizada para comunicar com os clientes. Clicar Edit Selecionar Static Address Setup Em IP address digitar Em Subnet Mask digitar Clicar Hostname and Name Server Em Hostname digitar suse00 Em Domain name digitar cluster.org Em Name Server 1 digitar (ou ip do servidor DNS caso o no mestre tenha acesso à rede/internet) Clicar OK Clicar Routing Em Default gateway digitar (ou ip do gateway da rede caso o no mestre tenha acesso a rede/internet) Clicar OK Clicar NEXT Clicar NEXT Tela 10 Test Internet Connection Selecionar No, skip this test

12 Tela 11 User Authentication Method Selecionar Local (/etc/passwd) Tela 12 New Local User Clicar Yes Tela 13 Release Notes Tela 14 Hardware Configuration Tela 15 Installation Completed Clicar FINISH O Sistema será reiniciado Logo após a reinicialização do computador, o KDE será iniciado e deve ser feito logon com o usuário root. 3.2 Passo-a-passo para a configuração do nó Mestre Passo 1: Configurar o servidor NIS (Ypbind) O servidor NIS é utilizado para facilitar a gerência das informações, tais como, usuários/senha e hostnames entre os nós do Cluster. Para configurar o NIS seguir os passos abaixo. Iniciar o Yast Selecionar Network Services Selecionar NIS Server Tela 1 Network Information Server (NIS) Server Setup Selecionar Create NIS Master Server Tela 2 Master Server Setup Em NIS Domain Name digitar nis.cluster.org Marcar a opção Allow changes to passwords Marcar a opção Allow changes to login shell

13 Tela 3 NIS Server Maps Setup Selecionar as seguintes opções: group, hosts, netid, passwd, rpc, services Tela 4 NIS Server Query Hosts Setup Remover a entrada referente a rede e máscara Clicar Add Em Netmask digitar Em Network digitar Clicar OK Clicar Finish Passo 2: Configurar o servidor NFS O servidor NFS, para o Cluster aqui configurado, será utilizado para compartilhar o diretório $HOME dos usuários entre os nós do Cluster, ou seja, em qualquer nó do Cluster que um determinado usuário fizer logon o conteúdo do diretório /home será o mesmo. O servidor NFS também terá compartilhado o diretório /services que conterá os arquivos binários para a execução dos ambientes de passagem de mensagem PVM e MPI ou outro serviço conforme necessário. Iniciar o YaST Selecionar Network Services Selecionar NFS Server Tela 1 NFS Server Configuration Marcar a opção Start Tela 2 Directories to Export Clicar Add directory Em Directory to export digitar /home Clicar OK Em Host Wild Card digitar /24 Em Options digitar rw,no root squash,async Clicar OK Clicar Add directory Em Directory to export digitar /services

14 Clicar OK Em Host Wild Card digitar /24 Em Options digitar rw, no root squash, async Clicar OK Clicar Finish Passo 3: Configurando o SSH com chaves de criptografia A configuração do SSH com chaves (pública/privada) de criptografia é necessária para que os nós possam conectar-se e interagir entre si através do programa ssh sem que a senha de autenticação seja solicitada. Esse comportamento é requerido pelos ambientes PVM e MPI para que possam iniciar os programas paralelos em todos os nós. Para criar e compartilhar as chaves de criptografia do ssh os passos abaixo devem ser seguidos. No prompt, logado como root, fazer: cd /root ssh-keygen -t dsa Aceitar o diretório de destino como ( /root/.ssh/) Deixar passphrase em branco e confirmar cd /root scp -r /root/.ssh/ cp -a /root/.ssh /etc/skel/ Passo 4: Configurar o PVM Fazer download do arquivo pvm3.4.5.tgz (verificar link em e salvar em /services cd /services tar xzf pvm3.4.5.tgz Configurar a variáveis de ambiente para o PVM. Há duas opções: Primeira Opção: Criar um arquivo.bashrc no diretório $HOME de cada usuário. Isso pode ser feito criando o arquivo.bashrc no diretório /etc/skel o que fará que a partir desse momento cada usuário criado herdará esse arquivo. Editar o arquivo /etc/skel/.bashrc e adicionar o conteúdo abaixo: export PVM_ROOT=/services/pvm3 export PVM_ARCH= $PVM_ROOT/lib/pvmgetarch export PVM_RSH=/usr/bin/ssh

15 export PATH=$PATH:$PVM_ROOT/bin/$PVM_ARCH:\ $PVM_ROOT/lib/$PVM_ARCH:$PVM_ROOT/lib export MANPATH=$MANPATH:$PVM_ROOT/man if [! -d ~/.ssh ]; then ssh-keygen -b t rsa -N "" cat ~/.ssh/id_rsa.pub >> ~/.ssh/authorized_keys chmod 0600 ~/.ssh/authorized_keys fi Segunda Opção: Criar um arquivo bash.bashrc.local no diretório /etc de cada nó do Cluster (mestre e escravos). Isso fará com que o bash de todos os usuários possuam essa configuração. Editar o arquivo /etc/bash.bashrc.local e adicionar o conteúdo abaixo: source /etc/profile export PVM_ROOT=/services/pvm3 export PVM_ARCH= $PVM_ROOT/lib/pvmgetarch export PVM_RSH=/usr/bin/ssh export PATH=$PATH:$PVM_ROOT/bin/$PVM_ARCH:\ $PVM_ROOT/lib/$PVM_ARCH:$PVM_ROOT/lib export MANPATH=$MANPATH:$PVM_ROOT/man Baixar o arquivo correspondente ao patch (pvm3.4.5-patch) localizado em para o diretório /services Aplicar o patch: cd /services cat pvm3.4.5-patch patch -p Responder N~ao para: "Assum -R? [n]" Responder Sim para: "Apply anyway? [s]" Editar e comentar as duas últimas linhas de /services/pvm3/src/global.h Compilar o PVM: cd /services/pvm3 make Passo 5: Instalação e Configuração do OpenMPI 1. Instalação do OpenMPI Fazer download no site e salvar em /root

16 Criar um subdiretório: mkdir /services/openmpi Descompactar o pacote em /root: cd /root tar -xjvf openmpi tar.bz2 cd /root/openmpi /configure prefix=/services/openmpi make all install 2. Configuração do OpenMPI Seguindo a mesma opção utilizada para o PVM para a configuração das variáveis de ambiente, inserir no final do arquivo (/etc/skel/.bashrc ou /etc/bash.bashrc.local) o conteúdo abaixo. export LD_LIBRARY_PATH=/services/openmpi/lib export PATH=$PATH:/services/openmpi/bin export MANPATH=$MANPATH:/services/openmpi/man source /etc/profile 3.3 Passo-a-passo para a instalação dos nós Escravos Passo 1: Instalação da distribuição OpenSuSE 10.0 nos nós escravos (suse01.cluster.org) Este passo é semelhante ao realizado para o nó mestre, diferenciando somente a seleção de pacotes. No caso do cliente, não é necessário instalar o servidor de NIS e NFS. Assim neste processo, pode ser seguido o passo 1 do passo-a-passo para configuração do nó mestre diferenciando apenas as telas abaixo: Tela 6 Installation Settings Clicar em Software Buscar os seguintes pacotes e marcá-los para serem instalados: gcc-c++ (Compilador GCC C/C++) Clicar Check Dependencies Clicar OK Tela 9 Network Configuration

17 Clicar em Firewall is enabled para desativá-lo. Clicar em Network Interfaces Selecionar a placa de rede que será utilizada para comunicar com os clientes Clicar Edit Selecionar IP Estático Clicar Hostname and Name Server Em Hostname digitar suse01 Em Domain name digitar cluster.org Clicar OK Clicar OK Tela 10 Test Internet Connection Selecionar No, skip this test Tela 11 User Authentication Method Selecionar Local (/etc/passwd) Tela 12 New Local User Clicar Yes Tela 13 Release Notes Tela 14 Hardware Configuration Tela 15 Installation Completed Clicar FINISH O KDE será iniciado e deve ser feito login com o usuário root. 3.4 Passo-a-passo para a configuração dos nós Escravos Passo 1: Configurar o cliente NIS Iniciar o YaST Selecionar Network services Selecionar NIS Client Tela 1 Configuration of NIS client

18 1. Selecionar Use NIS 2. Selecionar Static Setup 3. Em NIS domain digitar nis.cluster.org 4. Em Addresses of NIS Servers digitar Clicar Broadcast 6. Clicar em Find 7. Na janela que abrirá, selecionar IP do servidor ( ) 8. Clicar OK 9. Clicar NEXT/FINISH Passo 2: Configurar o cliente NFS Iniciar o YaST Selecionar Network Services Selecionar NFS Client Tela 1 NFS Client Configuration 1. Clicar Add Em NFS Server Hostname digitar Em Remote File System digitar /home Em Mount Point (local) digitar /home Clicar OK 2. Clicar Add Em NFS Server Hostname digitar Em Remote File System digitar /services Em Mount Point (local) digitar /services Clicar OK Clicar Finish 4 Instalação do Cluster Diskless O Cluster Beowulf Diskless é caracterizado pela ausência de disco rígido (hard disk) nos nós escravos, isto é, apenas o nó mestre possui disco rígido e este será responsável por fornecer o sistema de arquivo necessário aos escravos. Sendo assim, cada nó escravo deverá acessar, de algum modo específico, o nó mestre para obter seu kernel e seu sistema de arquivos. O processo de configuração pode ser dividido em três partes: 1. Preparação do nó mestre: A preparação do nó mestre compreende as etapas listadas abaixo: Instalação do sistema operacional; Compilação do kernel para os escravos;

19 Compartilhar o kernel para os escravos; Configurar o servidor TFTP; Configurar o PXE; Configurar o servidor DHCP; Configuração do servidor NIS; Preparar o sistema de arquivos para o primeiro nó escravo; Configuração do servidor NFS; Configuração do SSH com chaves de criptografia; Configuração dos ambientes PVM e MPI. 2. Preparação do primeiro nó escravo: Configurar o cliente NFS, NIS e scripts de shutdown do primeiro nó escravo; Fazer o boot do primeiro nó escravo e concluir a configuração; 3. Preparação dos demais nós escravos: Preparar o sistema de arquivo para cada nó usando o NFS e hard link; Editar arquivos que são específicos para cada nó (ex. fstab e hostname); Adicionar entradas para o novo cliente no arquivo hosts e DHCP server do nó mestre. OBSERVAÇÃO: Antes de iniciar a instalação do Cluster Diskless, o leitor dever considerar as mesmas informações de rede utilizadas para o Cluster com disco listadas na seção 2 deste material. 4.1 Passo-a-passo para a instalação do nó Mestre A seguir, é apresentada uma sequência de passos para a configuração do nó mestre: Passo 1: Instalação da distribuição OpenSuSE 10.0 no nó mestre (suse00.cluster.org) A instalação do sistema operacional é feita normalmente. Há a inclusão de pacotes adicionais que deverão ser selecionados corretamente. Iniciar a instalação e seguir os passos abaixo. Tela 1 Language Selecionar English (US) Tela 2 Installation Mode

20 Selecionar New Installation Clicar OK Tela 3 License Agreement Selecionar Yes, I agree to the license agreement Tela 4 Clock and Time Zone Em Region selecionar Central and South America Em Time Zone selecionar Brazil East Em Hardware Clock Set to selecionar local time Ajustar a data/hora, caso necessário, clicando em change Tela 5 Desktop Selection Selecionar KDE Tela 6 Installation Settings Clicar Particioning (nosso caso HD 148GB e 3.25 GB de memória RAM) Selecionar Create Custom Partition Setup Tela 7 Preparing Hard disk: Step 1 Selecionar Custom partitioning (for experts) Tela 8 Expert Partitioner Selecionar a linha que corresponde a /dev/sda (primeira linha) Clicar Delete Confirmar, clicando Yes, para a questão Really delete all partitions on /dev/sda? Criar a partição SWAP com 3.25GB de tamanho Clicar Create Selecionar Primary Partition Clicar OK Em File System selecionar Swap Em End: digitar +3.25GB

21 Clicar OK Criar a partição / com 20GB de tamanho e sistema de arquivo Reiser Clicar Create Selecionar Primary Partition Clicar OK Em File System selecionar Reiser Em End: digitar +20GB Em Mount Point digitar / Clicar OK Criar a partição /var com 4GB de tamanho e sistema de arquivo Reiser Clicar Create Selecionar Primary Partition Clicar OK Em File System selecionar Reiser Em End: digitar +4GB Em Mount Point digitar /var Clicar OK Criar uma partição extendida para possibilitar a criação de mais 2 partições (OBS: Apenas 4 partições primárias são permitidas) Clicar Create Selecionar Extended Partition Clicar OK Clicar novamente OK Criar a partição /diskless com 40GB de tamanho e sistema de arquivo Reiser Clicar Create Em File System selecionar Reiser Em End: digitar +40GB Em Mount Point digitar /diskless Clicar OK Criar a partição /home com o o restante do disco e sistema de arquivo Reiser Clicar Create Em File System selecionar Reiser Em End: mantém o que está escrito Em Mount Point digitar /home Clicar OK Clicar FINISH

22 Tela 9 Installation Settings Clicar em Software Em filter, selecionar: Search Buscar os seguintes pacotes e marcá-los para serem instalados: 1. kernel-source (Fontes do kernel) 2. dhcp-server, dhcpcd, yast2-dhcp-server (DHCP Server) 3. nfs-utils, yast2-nfs-client, yast2-nfs-server (NFS Server) 4. ypserv, yast2-nis-client, yast2-nis-server (NIS Server) 5. tftp, yast2-tftp-server (TFTP Server) 6. ncurses-devel (permite configurar o kernel usando make menuconfig) 7. qt3-devel (permite configurar o kernel usando make xconfig) 8. gcc-c++ (Compilador GCC C/C++) Clicar Check Dependencies Clicar Accept Tela 10 Installation Settings Clicar Accept Clicar Install Fornecer os CDs conforme forem pedidos. Ao final da instalação o sistema deverá ser reiniciado para que o processo de configuração do Cluster continue normalmente. Tela 11 Password for the System Administrator root Entrar com a senha Repetir a senha Clicar Next Tela 12 Network Configuration Clicar em Firewall is enabled para desativá-lo. Clicar em Network Interfaces Selecionar a placa de rede que será utilizada para comunicar com os clientes Clicar Edit Selecionar Static Address Setup Em IP address digitar Em Subnet Mask digitar Clicar Hostname and Name Server Em Hostname digitar suse00 Em Domain name digitar cluster.org

23 Em Name Server 1 digitar (ou ip do servidor DNS caso o nó mestre tenha acesso a rede/internet) Clicar OK Clicar Routing Em Default gateway digitar (ou ip do gateway da rede caso o nó mestre tenha acesso à rede/internet) Clicar OK Tela 13 Test Internet Connection Selecionar No, skip this test Tela 14 User Authentication Method Selecionar Local (/etc/passwd) Tela 15 New Local User Clicar Yes Tela 16 Release Notes Tela 17 Hardware Configuration Tela 18 Installation Completed Clicar FINISH O KDE será iniciado e deve ser feito logon com o usuário root. 4.2 Passo-a-passo para a instalação dos nós Escravos A partir deste tópico, inicia-se a configuração no nó mestre, de modo a preparar todo o sistema de arquivos e o kernel a serem utilizados pelos nós escravos diskless. Passo 1: Configuração e compilação do kernel a ser usado pelos escravos (diskless)

24 Neste ponto será feita a compilação do kernel que será executado pelos nós escravos. Dado que o Cluster tratado neste material é homogêneo, as configurações do kernel serão herdadas do nó mestre (/boot/config smp) e modificadas para que contemplem opções necessárias em tempo de inicialização do nó escravo, como por exemplo, Root file System on NFS. Também é necessário tornar monolítico (compilado junto ao kernel) o módulo da placa de rede, entre outras opções, conforme segue o passo-a-passo. No caso de Clusters heterogêneos, para cada nó escravo com configuração de hardware diferente, uma versão do kernel deverá ser compilada para o hardware específico. cp /boot/config smp /usr/src/linux/.config cd /usr/src/linux/ make xconfig (ou make menuconfig se não estiver no KDE) Marcar com (ou (*) caso tenha feito make menuconfig) as seguintes opções, para torna-las módulos monolíticos: Networking > Networking Options > IP: Kernel level autoconfiguration - > IP: DHCP Support > Device Drivers > Network devices support - > Ethernet (10 ou 100Mbit) > Ethernet (10 ou 100Mbit) > Intel PRO/1000 Gbit Ethernet Support (se for o caso) > File Systems > Network File Systems - > NFS File Systems Support > Provide NFSv3 Client Support - > Root file System on NFS Sair do xconfig salvando as configurações Editar o arquivo /usr/src/linux/makefile e modificar a linha correspondente à versão do kernel. Na linha iniciada por EXTRAVERSION= modificar para EXTRAVERSION= escravo. OBS: O passo 5 fará com que os módulos, compilados para os escravos, sejam colocados em um novo diretório mantendo os módulos do mestre inalterados. make bzimage make modules make modules install Passo 2: Disponibilizar o kernel compilado para os escravos

Inicialização rápida da instalação

Inicialização rápida da instalação Inicialização rápida da instalação SUSE Use os seguintes procedimentos para instalar uma nova versão do SUSE Linux Enterprise Server 11 SP2. Este documento apresenta uma breve visão geral das etapas da

Leia mais

Inicialização Rápida da Instalação

Inicialização Rápida da Instalação Inicialização Rápida da Instalação SUSE Linux Enterprise Server 11 SP4 julho 16, 2015 www.suse.com Siga os procedimentos abaixo para instalar a nova versão do SUSE Linux Enterprise Server 11 SP4. Este

Leia mais

Inicialização Rápida da Instalação

Inicialização Rápida da Instalação Inicialização Rápida da Instalação SUSE Linux Enterprise Server 12 Lista os requisitos de sistema e o orienta passo a passo durante a instalação do SUSE Linux Enterprise Server de um DVD ou de uma imagem

Leia mais

Inicialização Rápida da Instalação

Inicialização Rápida da Instalação Inicialização Rápida da Instalação SUSE Linux Enterprise Desktop 12 SP1 Lista os requisitos de sistema e orienta você passo a passo durante a instalação do SUSE Linux Enterprise Desktop de um DVD ou de

Leia mais

Introdução ao GNU/Linux utilizando o Linux Educacional/Imprimir. Capa INTRODUÇÃO AO GNU/LINUX. Sumário UTILIZANDO O LINUX EDUCACIONAL

Introdução ao GNU/Linux utilizando o Linux Educacional/Imprimir. Capa INTRODUÇÃO AO GNU/LINUX. Sumário UTILIZANDO O LINUX EDUCACIONAL Introdução ao GNU/Linux utilizando o Linux Educacional/Imprimir De Wikibooks < Introdução ao GNU/Linux utilizando o Linux Educacional Capa INTRODUÇÃO AO GNU/LINUX UTILIZANDO O LINUX EDUCACIONAL Sumário

Leia mais

MINIX Manual de Instalação de MINIX no LINUX

MINIX Manual de Instalação de MINIX no LINUX MINIX Manual de Instalação de MINIX no LINUX Autores: Daniel da Cunha Porto Guilherme Yokaichiya Neury Dias de Freitas Paulo Henrique Pereira de Morais Yuri Koldaev Revisor: Neury Dias de Freitas Data

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt. Manual Jose Lopes

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt. Manual Jose Lopes IPortalMais: a «brainmoziware» company www.iportalmais.pt FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Microsoft Outlook Doc.: Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17

Leia mais

1. Configurando uma VPN IPSec Openswan no SUSE Linux 9.3

1. Configurando uma VPN IPSec Openswan no SUSE Linux 9.3 1. Configurando uma VPN IPSec Openswan no SUSE Linux 9.3 1.1. Termos de Uso Nota de Copyright Copyright (c) 2007 Linux2Business. Permission is granted to copy, distribute and/or modify this document under

Leia mais

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Guia: Manual de instalação do Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Data do Documento: novembro de 2012 1 Conteúdo 1. Sobre este manual... 3 2. Requisitos de Sistema...

Leia mais

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual

Easy Linux! FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL. IPortalMais: a «brainware» company www.iportalmais.pt. Manual IPortalMais: a «brainware» company FUNAMBOL FOR IPBRICK MANUAL Easy Linux! Title: Subject: Client: Reference: Funambol Client for Mozilla Thunderbird Doc.: Jose Lopes Author: N/Ref.: Date: 2009-04-17 Rev.:

Leia mais

Cluster com MPICH2 no UBUNTU

Cluster com MPICH2 no UBUNTU Cluster com MPICH2 no UBUNTU NOV/2010 Este documento é apenas um resumo, caso seja necessário, ver com mais detalhes os arquivos: mpich2-doc-user.pdf e mpich2-doc-install.pdf. Estes docs vem junto com

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Tutorial BuildRoot. Meu Primeiro Linux embarcado: Programação de Periféricos CC FACIN PUCRS

Tutorial BuildRoot. Meu Primeiro Linux embarcado: Programação de Periféricos CC FACIN PUCRS Tutorial BuildRoot Programação de Periféricos CC FACIN PUCRS Configuração do Ambiente de Trabalho: 1. Criar um diretório de trabalho: Ex: mkdir ~/buildroot 2. Ir para o diretório de trabalho: Ex: cd ~/buildroot

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma

STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma STK (Start Kit DARUMA) Conectando-se diretamente a sua aplicação via TS com o MT1000 Daruma Neste STK apresentaremos como configurar seu servidor Windows 2008 R2 para abrir diretamente sua aplicação ao

Leia mais

Utilizando subversion como controle de versão

Utilizando subversion como controle de versão Utilizando subversion como controle de versão Heitor Rapcinski Este documento descreverá a utilização de subversion como ferramenta de controle de versão mostrando as facilidades da sua utilização para

Leia mais

Prof. Rossano Pablo Pinto Dezembro/2012 Versão 0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br 1

Prof. Rossano Pablo Pinto Dezembro/2012 Versão 0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br 1 Visão geral sobre o processo de instalação e manutenção de instalações de software. Notas de aula. (aka lecture notes on Package Management Systems and software installation :)) Prof. Rossano Pablo Pinto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE UM CLUSTER DA CLASSE BEOWULF ALESSANDRO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS FUNDAMENTOS DE Visão geral sobre o Active Directory Um diretório é uma estrutura hierárquica que armazena informações sobre objetos na rede. Um serviço de diretório,

Leia mais

para que Software www.aker.com.br Produto: Página: 6.0 Introdução O Aker Firewall não vem com Configuração do PPPoE Solução

para que Software www.aker.com.br Produto: Página: 6.0 Introdução O Aker Firewall não vem com Configuração do PPPoE Solução 1 de 6 Introdução O não vem com a opção de configuração através do Control Center, para a utilização de discagem/autenticação via PPPoE. Este documento visa demonstrar como é feita a configuração do PPPoE

Leia mais

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04

Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Tutorial para Instalação do Ubuntu Server 10.04 Autor: Alexandre F. Ultrago E-mail: ultrago@hotmail.com 1 Infraestrutura da rede Instalação Ativando o usuário root Instalação do Webmin Acessando o Webmin

Leia mais

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Autor: Eder S. G. - edersg@vm.uff.br Versão: 1.2 Data: 21/11/2012 Última atualização: 07/03/2013 Observação: Máquina real: Sistema operacional

Leia mais

LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR

LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR Projeto LibertasBR http://www.libertasbr.org.br 15 de junho de 2005 Introdução O LTSP (Linux Terminal Server Project) é um conjunto de ferramentas

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Guia rápido do GNOME opensuse 11.2

Guia rápido do GNOME opensuse 11.2 Guia rápido do GNOME opensuse 11.2 Guia rápido do GNOME opensuse 11.2 NOVELL CARTÃO DE INICIALIZAÇÃO RÁPIDA O opensuse fornece as ferramentas que os usuários do Linux* necessitam para suas atividades diárias.

Leia mais

MA001. 01 de 28. Responsável. Revisão Q de 26/06/2015. Cantú & Stange Software. Página

MA001. 01 de 28. Responsável. Revisão Q de 26/06/2015. Cantú & Stange Software. Página Manual de instalação do Zada 5 MA001 Responsável Revisão Q de 26/06/2015 FL Página 01 de 28 Página 1 de 33 Revisão Q de 26/06/2015 MA001 Responsável: FL Manual de instalação do Zada 5 Este manual consiste

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008

INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 INSTALANDO E CONFIGURANDO O ACTIVE DIRECTORY NO WINDOWS SERVER 2008 Objetivo Esse artigo tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o Active Directory no Windows Server 2008. Será também apresentado

Leia mais

Servidor de e-mail corporativo com Zimbra.

Servidor de e-mail corporativo com Zimbra. UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul TechDay 2013 Servidor de e-mail corporativo com Zimbra. Palestrante: Irineu Teza Nunes E-mail: irineu@idinf.com.br Website: www.idinf.com.br Blog: itnproducoes.blogspot.com

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Março de 2013 1 P á g i n a Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão Geral...

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux:

HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux: HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux: O LTSP (Linux Terminal Server Project) é uma solução que agrega um conjunto de serviços, de forma que máquinas clientes

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração MySQL

Manual de Instalação e Configuração MySQL Manual de Instalação e Configuração MySQL Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: 1. Baixar os seguintes arquivos no através do link http://ip.sysfar.com.br/install/ mysql-essential-5.1.46-win32.msi mysql-gui-tools-5.0-r17-win32.msi

Leia mais

Créditos. Banco de dados e a GTK+ GtkBDC - Gimp Tool Kit Database Connectivity

Créditos. Banco de dados e a GTK+ GtkBDC - Gimp Tool Kit Database Connectivity Sumário Créditos...2 Banco de dados e a GTK+...2 GtkBDC - Gimp Tool Kit Database Connectivity...2 Instalando...2 Compilando o GtkBDC...3 Nem tudo são flores!...3 MySQL ou PostgreSQL?...4 Criando e configurando

Leia mais

Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux

Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux Configurando NFS + NIS Ubuntu Linux Introdução Este tutorial tem por objetivo ensinar a configurar o NFS + NIS no Ubuntu de forma rápida e simples, mas sem deixar de transmitir os conceitos necessários

Leia mais

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações Manual de Instalação de Telecentros Comunitários Ministério das Comunicações As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso

Leia mais

Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido

Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido Kit de Demonstração MatchPort Início Rápido Número de peça 900-486 Revisão F Maio 2010 Índice Introdução...3 Conteúdo do kit de demonstração...3 O que você precisa saber...3 Endereço de hardware... 3 Endereço

Leia mais

Engenharia Informática

Engenharia Informática Engenharia Informática Administração de Sistemas 3º ano Pós Laboral Docente: Armando Ventura Discentes: 4383 Nuno Varela 4412 Paula Gracinda 2009/2010 A realização deste trabalho foi precedida da instalação

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Instruções de Instalação do Agente RMON2

Instruções de Instalação do Agente RMON2 Instruções de Instalação do Agente RMON2 Débora Pandolfi Alves deborapa@terra.com.br Ricardo Nabinger Sanchez rnsanchez@cscience.org Lúcio Braga luciobraga@yahoo.com.br Luciano Paschoal Gaspary paschoal@exatas.unisinos.br

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software

HOW TO. Instalação do Firewall 6.1 Software Introdução HOW TO Página: 1 de 14 Para fazer a migração/instalação do 6.1 Software, é necessária a instalação do Sistema Operacional Linux Fedora Core 8. Explicaremos passo a passo como formatar a máquina,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS DIRETIVAS DE GRUPO (GPO) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS DIRETIVAS DE GRUPO (GPO) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS O que é GPO? Quando falamos sobre GPO (Group Policy Object) devemos pensar em diretiva de grupo. Diretiva de grupo é um conjunto de regras que podemos utilizar a

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba Mini Curso Linux Eu defendo!!! Apresentação Rafael Arlindo Dias Técnico em Informática CEFET Rio Pomba/MG Cursos

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Manual de instalação do: Servidor Offline Clickideia Educacional v1.5

Manual de instalação do: Servidor Offline Clickideia Educacional v1.5 DOCUMENTO CONFIDENCIAL Manual de instalação do: Servidor Offline Clickideia Educacional v1.5 2 Sumário Introdução:...3 Configuração Mínima:...3 Conhecimento necessário para instalação:... 3 Suporte:...4

Leia mais

Compartilhamento de arquivos e diretórios

Compartilhamento de arquivos e diretórios Compartilhamento de arquivos e diretórios O compartilhamento de arquivos e diretórios foi uma das aplicações que motivou o desenvolvimento inicial da rede de computadores. 19 E xistem dois protocolos de

Leia mais

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente?

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? Conteúdo 1 Comandos Básicos Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? a) shutdawn b) shutdown t now c) shutdown r now d) shutdwon h now e) shutdown h now Questão 2: Que comando

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação

Gerenciamento de Redes de Computadores. Pfsense Introdução e Instalação Pfsense Introdução e Instalação Introdução A utilização de um firewall em uma rede de computadores possui o objetivo básico de proteção relacionado a entrada e saída de dados. Introdução O pfsense é um

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

Linux Caixa Mágica. Documentos Técnicos CM. Instalação por PXE Boot. Date: Pages: Issue: State: Access: Reference:

Linux Caixa Mágica. Documentos Técnicos CM. Instalação por PXE Boot. Date: Pages: Issue: State: Access: Reference: Linux Caixa Instalação por PXE Boot Date: Pages: Issue: State: Access: Reference: 02207/2005 9 Instalar e Configurar Final Público CM2005-2001 i Approved Version: RR Name Function Signature Date Paulo

Leia mais

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian.

Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Tutorial configurando o dhcp no ubuntu ou debian. Pré requisitos para pratica desse tutorial. Saber utilizar maquina virtual no virtual Box ou vmware. Saber instalar ubuntu ou debian na maquina virtual.

Leia mais

Manual de Instalação SAP R/3. 4.70 Enterprise

Manual de Instalação SAP R/3. 4.70 Enterprise Manual de Instalação SAP R/3 4.70 Enterprise Elaborado Por : Amantino Freitas Soares Coordenador de TI Basis/SQL Server Abap 4 cronossp@terra.com.br Elaborado por : Amantino Freitas Soares 1 Começar instalando

Leia mais

INSTALANDO O LAM-MPI NO DEBIAN

INSTALANDO O LAM-MPI NO DEBIAN INSTALANDO O LAM-MPI NO DEBIAN Brivaldo Junior 25 de Março de 2006 1 Introdução A comunicação de processos por troca de mensagens é muito utilizada em programação paralela, especialmente em máquinas parelelas

Leia mais

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery

Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Instalação ou atualização do software do sistema do Fiery Este documento explica como instalar ou atualizar o software do sistema no Fiery Network Controller para DocuColor 240/250. NOTA: O termo Fiery

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Índice 1) Passo: Instalação do MySQL Server... 2 2) Passo: Instalação do MySQL Query Browser... 9 3) Passo: Instalação do Dotnetfx 2.0 ou versão superior.... 13 4) Passo: Instalação

Leia mais

A Evolução das Instituições do Software Publico

A Evolução das Instituições do Software Publico A Evolução das Instituições do Software Publico Yuri Takhteyev Universidade de Toronto FISL 11 2010.07.22 slides: http://bit.ly/yfisl inclui imagens de Wikipedia Baseado em... M. Schwarz & Y. Takhteyev

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 Duração: 02:45 min INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 1. Inicializar o Virtual PC 2007 e criar uma máquina virtual. a. Salvar em C:\Laboratorio b. O nome da máquina virtual será: Linux_Suse_Seunome.vmc

Leia mais

Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento

Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento Comandos importantes Virtual Box Linux Compartilhamento 1º passo - Acessar Virtual Box plataforma criada dispositivos pasta compartilhadas clicar no botão + no canto direito escolher destino ( Desktop)

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP 1 MIBs RMON No Linux os arquivos MIB são armazenados no diretório /usr/share/snmp/mibs. Cada arquivo MIB

Leia mais

hdd enclosure caixa externa para disco rígido

hdd enclosure caixa externa para disco rígido hdd enclosure caixa externa para disco rígido USER S GUIDE SPECIFICATONS HDD Support: SATA 2.5 Material: Aluminium and plastics Input connections: SATA HDD Output connections: USB 3.0 (up to 5.0Gbps)

Leia mais

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP).

Para iniciar um agente SNMP, usamos o comando snmpd. Por padrão, aceita requisições na porta 161 (UDP). EN3610 Gerenciamento e interoperabilidade de redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática SNMP Net-SNMP (http://www.net-snmp.org) é um conjunto de aplicações usado para implementar SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3.

Leia mais

Este STK mostrara como configurar o client Sitekiosk para que o mesmo possa ser implementado no servidor de monitoramento.

Este STK mostrara como configurar o client Sitekiosk para que o mesmo possa ser implementado no servidor de monitoramento. Este STK mostrara como configurar o client Sitekiosk para que o mesmo possa ser implementado no servidor de monitoramento. Premissias: Possuir um kiosk com no minino: Windows XP (32 bits), Vista, Seven

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Sumário 1 Instalando o Linux Comunicações para Telecentros (servidor) 2 1.1 Experimentar o Linux

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

Adelman Wallyson de Sousa Benigno

Adelman Wallyson de Sousa Benigno Laboratory of Software Engineering and Computer Network Universidade Federal do Maranhão Curso de Engenharia Elétrica Engineering for a better life LINUX Trabalho apresentado ao Prof. Denivaldo Lopes Adelman

Leia mais

Guia de configuração de destinos de digitalização e mensagens de alerta da X500 Series

Guia de configuração de destinos de digitalização e mensagens de alerta da X500 Series Guia de configuração de destinos de digitalização e mensagens de alerta da X500 Series www.lexmark.com Julho de 2007 Lexmark e Lexmark com desenho de losango são marcas registradas da Lexmark International,

Leia mais

MTM00008 - MANUAL DE INSTALAÇÃO DE ADEMPIERE NO LINUX DEBIAN

MTM00008 - MANUAL DE INSTALAÇÃO DE ADEMPIERE NO LINUX DEBIAN Processo de instalação: 1-Adicionar ao arquivo /etc/apt/sources.list os pacotes não livres: deb http://http.us.debian.org/debian/ etch main contrib non-free ou algum outro de sua escolha. 2-Instalar o

Leia mais

2- Instale no seu computador o programa Installation Wizard que você encontra no CD da câmera ou no site http://www.dlink.com.br/suporte.

2- Instale no seu computador o programa Installation Wizard que você encontra no CD da câmera ou no site http://www.dlink.com.br/suporte. Este manual mostra a maneira de configurar as seguintes câmeras IP: DCS-5300, DCS-5300G, DCS-5300W, DCS-6620 e DCS-6620G. Utilizaremos como exemplo a câmera DCS-5300W. 1- Antes de iniciar a configuração

Leia mais

Integrando o Amavisd-new, SpamAssassin e ClamAV com o Postfix no SUSE 9.3

Integrando o Amavisd-new, SpamAssassin e ClamAV com o Postfix no SUSE 9.3 Integrando o Amavisd-new, SpamAssassin e ClamAV com o Postfix no SUSE 9.3 Termos de Uso Nota de Copyright Copyright (c) 2007 Linux2Business. Permission is granted to copy, distribute and/or modify this

Leia mais

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks

Intellectual Property. IFAC Formatting Guidelines. Translated Handbooks Intellectual Property IFAC Formatting Guidelines Translated Handbooks AUTHORIZED TRANSLATIONS OF HANDBOOKS PUBLISHED BY IFAC Formatting Guidelines for Use of Trademarks/Logos and Related Acknowledgements

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp

Aula 2 Servidor DHCP. 2.1 dhcp Aula 2 Servidor DHCP 2.1 dhcp DHCP é abreviação de Dynamic Host Configuration Protocol Protocolo de Configuração de Host (computadores) Dinâmico.Em uma rede baseada no protocolo TCP/IP, todo computador

Leia mais

LEIA-ME PRIMEIRO Instalação do Fiery WorkCentre Série 7300

LEIA-ME PRIMEIRO Instalação do Fiery WorkCentre Série 7300 LEIA-ME PRIMEIRO Instalação do Fiery WorkCentre Série 7300 Este documento descreve como instalar e configurar o Controlador de rede Fiery para WorkCentre Série 7300. Complete as etapas que correspondem

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Curso Básico do Ubuntu 8.04

Curso Básico do Ubuntu 8.04 Curso Básico do Ubuntu 8.04 Written by and attributed to Canonical Ltd. and the Ubuntu Training community 2007. This license is bound by the Creative Commons: CC by NC SA. Under this license, you are free:

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DHCP Podemos configurar a rede de um cliente para obter IP dinamicamente ou configurar um IP estático. Encontramos configuração dinâmica em modems de banda larga, redes Wi-Fi etc, pois é mais prático para

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

Instalação FreeBSD 9. 2 - Inicialização do CD/DVD! Ao colocar o CD/DVD como boot principal na BIOS, aparecerá a seguinte tela:

Instalação FreeBSD 9. 2 - Inicialização do CD/DVD! Ao colocar o CD/DVD como boot principal na BIOS, aparecerá a seguinte tela: Instalação FreeBSD 9 1 - Introdução! O Sistema de Instalação do FreeBSD basicamente utilizará as setas do teclado, barra de espaço ou enter para executar determinada ação. Toda vez que encontrar alguma

Leia mais

Capítulo 3. Os servidores web foram projetados para atender a diversas necessidades do mundo WEB, dentre as quais podemos destacar:

Capítulo 3. Os servidores web foram projetados para atender a diversas necessidades do mundo WEB, dentre as quais podemos destacar: Servidores Web 19 Capítulo 3 Servidores Web Visão Geral Os servidores web foram projetados para atender a diversas necessidades do mundo WEB, dentre as quais podemos destacar: HTTP (o mais comum) Servidor

Leia mais

Capítulo 8. Serviço de Ficheiros em Rede. Sistemas operativos UNIX e Linux. Network File System (NFS) Network Information System (NIS)

Capítulo 8. Serviço de Ficheiros em Rede. Sistemas operativos UNIX e Linux. Network File System (NFS) Network Information System (NIS) Capítulo 8 Serviço de Ficheiros em Rede. Sistemas operativos UNIX e Linux Network File System (NFS) Network Information System (NIS) Gestão de Redes e Serviços (GRS) Capítulo 8 1/1 Network File System

Leia mais

Manual de Acesso a Servidores SSH

Manual de Acesso a Servidores SSH UFF - Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Curso de Engenharia de Telecomunicações Programa de Educação Tutorial Grupo PET-Tele Manual de Acesso a Servidores SSH Autor : Orientador: Vinicius

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers Configuração do Servidor Samba como controlador primário de domínio (PDC). O objetivo desse roteiro é mostrar como configurar um servidor Samba PDC compartilhando o diretório home, impressora e um diretório

Leia mais

Arquivo smb.conf comentado

Arquivo smb.conf comentado Arquivo smb.conf comentado ######## Seção global #### Define configurações como nome do servidor, grupo de trabalho, e outras. #### Opções definidas aqui tem efeito em todos compartilhamentos, exceto quando

Leia mais

Configuração - Cluster Rápido Beowulf

Configuração - Cluster Rápido Beowulf Configuração - Cluster Rápido Beowulf 1 Etapas Esta configuração utiliza como base 4 etapas: 1. Identificação dos computadores em ambiente de rede. 2. Compartilhamento dos arquivos que irão processar em

Leia mais

INSTALANDO SISTEMA PFSENSE COMO FIREWALL/PROXY

INSTALANDO SISTEMA PFSENSE COMO FIREWALL/PROXY INSTALANDO SISTEMA PFSENSE COMO FIREWALL/PROXY Gerson R. G. www.websolutti.com.br PASSO A PASSO PARA INSTALAÇÃO DO PFSENSE 1. BAIXANDO O PFSENSE 2. INICIANDO A INSTALAÇÃO 3. CONFIGURAÇÃO BÁSICA INICIAL

Leia mais

Skolelinux - Arquitetura

Skolelinux - Arquitetura Skolelinux - Arquitetura Petter Reinholdtsen pere@hungry.com Skolelinux - Arquitetura by Petter Reinholdtsen Published v0.1, 2002-12-07 Copyright 2001, 2002, 2003, 2004 Petter Reinholdtsen * Permission

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado).

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Os disquetes Linux são úteis em diversas situações, tais como: Testes de um novo kernel; Recuperação

Leia mais

Guia de Instalação Rápida TU-S9 H/W: V1

Guia de Instalação Rápida TU-S9 H/W: V1 Guia de Instalação Rápida TU-S9 H/W: V1 Table Índice of Contents Português... 1. Antes de Iniciar... 2. Como Instalar... 1 1 2 Troubleshooting... 7 Version 02.19.2009 1. Antes de Iniciar Conteúdo da Embalagem

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DESASTRES INTELIGENTE DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

RECUPERAÇÃO DE DESASTRES INTELIGENTE DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RECUPERAÇÃO DE DESASTRES INTELIGENTE DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em disco totalmente

Leia mais

Manual ETHERNET - WIRELESS. Configuração de redes - wireless. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual ETHERNET - WIRELESS. Configuração de redes - wireless. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração de Rede ETHERNET - WIRELESS Configuração de redes - wireless Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração de Rede ETHERNET

Leia mais

Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Crie um novo disco virtual. Figura 03. Figura 04.

Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Crie um novo disco virtual. Figura 03. Figura 04. Aloque 1024 MB de RAM para a VM. Figura 03. Crie um novo disco virtual. Figura 04. 2 Escolha o formato de disco padrão do Virtual Box, VDI. Figura 05. Escolha o disco rígido Dinamicamente Alocado. Figura

Leia mais

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000

Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Instalação e Operação dos Aplicativos Serie 5000/6000 Requisitos mínimos de Hardware: Pentium 3 de 500 mhz ou Celeron de 700 mhz ou superior 128 MB de RAM 100 MB livres no disco rígido Requisitos de Software:

Leia mais

11g Wireless Broadband Router (Roteador banda-larga sem fio- Wireless G) Quick Installation Guide

11g Wireless Broadband Router (Roteador banda-larga sem fio- Wireless G) Quick Installation Guide LevelOne WBR-3408 11g Wireless Broadband Router (Roteador banda-larga sem fio- Wireless G) Quick Installation Guide English Português Table of Contents English... 3 Português... 16 2 English Package Contents

Leia mais