Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas"

Transcrição

1 ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas TIPOLOGIA DE REDES José Vitor Nogueira Santos FT Mealhada, 2009

2 ON-LINE Em menos de dez anos, os portugueses adoptaram a Internet como parte integrante da sua vida, indispensável já tanto para o trabalho como para o lazer. Para ilustrar esta realidade basta referir que os últimos dados oficiais contabilizam, hoje, uma média mensal de cerca de oito milhões de acessos (domésticos e empresariais) à Internet! Mas, apesar de impressionante, este número será com certeza apenas só mais um marco na imparável caminhada, cuja evolução a seguir se relata rumo a um futuro onde as distâncias se medem cada vez mais por cliques. ANOS 80 - Primeiro nó da EARN (European Academic and Research Network) e primeiro nó da EUnet. - Criação da FCCN (Fundação para o Cálculo Científico Nacional) que instala a primeira rede de âmbito nacional - a RCCN (Rede da Comunidade Científica Nacional) O PUUG (Portuguese Unix Users Group) inicia o serviço de gateway de correio electrónico via UUCP (Unix-Unix Copy Protocol) ou TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol) PUUG inicia o acesso à USENET (operador da rede EUnet) e serviço FTP. - A FCCN inicia registos de domínios em.pt. - O LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil) activa o primeiro servidor web nacional Acessos web dial-up só para BBS (Bulletin Board System) - boletins de texto através dos quais dois ou mais utilizadores podiam conversar usando o teclado do computador. - Em Dezembro, há 40 domínios. pt registados António Saraiva no Blitz (e mais tarde na Exame Informática), Paulo Querido no Expresso e José Victor Malheiros no Público começam a escrever textos sobre a Internet e a chamar a atenção do grande público para o fenómeno www. - O PUUG começa a disponibilizar acesso à Internet a cerca de cem empresas e a cerca de 50 utilizadores particulares. - Seminário Portugal na Internet que se realizou no LNEC organizado pela FCCN, PUUG, Agência de Inovação e José Magalhães O rato é inventado por Douglas Engelbart. Só por volta de 1983 é que é utilizado pela Apple e só em 1987 pela IBM II

3 1966 Efectuada a primeira experiência com redes de área global (Wan). Chama-se ARPANET 1965 James Russel inventa o compact disc 1967 IBM inventa a disquete e a Fairchild Semiconductor Inc. apresenta o primeiro chip de RAM de 256 bits - Em Junho, a Esotérica começa a fornecer acesso à Internet em modo off-line e sem world wide web. - Em Setembro, a Telepac inaugura o serviço de acesso à Internet em modo terminal, com uma velocidade máxima de acesso de bps. - Nasce o SAPO (Serviço de Apontadores Portugueses) pela mão da equipa do Centro de Informática na Universidade de Aveiro. - O jornal Blitz é a primeira publicação portuguesa com edição na web. - É criada a primeira página portuguesa na Internet. Está identificada na net como s700.uminho.pt/homepage-pt.html e é da autoria de José Pina Miranda, da Universidade do Minho Telepac disponibiliza serviço de acesso à Internet com World Wide Web com uma velocidade máxima de bps. - José Magalhães lança o livro Roteiro Prático da Internet, um êxito de vendas. - A Telepac atinge dois mil clientes Internet. - Em Julho, a Esotérica inicia o fornecimento de acessos à Internet em modo online, totalizando 400 clientes. - Em Julho, surge a IP Global, com origem no INESC, e que se assume como novo operador. - A Rádio Comercial é a primeira rádio portuguesa a emitir em directo via web. - Primeira edição do Público Online, da responsabilidade técnica da Faculdade de Ciências, Lisboa A Telepac lança o NetPac (um pacote de acesso pré-pago à Internet). - Abre a CidadeVirtual da Telepac, um portal de comércio electrónico, seguindose o Shopping CenterVirtual da Esotérica e o HiperVirtual da Consiste. - Abre o primeiro CiberCafé em Portugal. Chama- -se Cyber.Bica, fica no Chiado em Lisboa, e disponibiliza ligações à Net, por 500 escudos (2,50 euros) por cada meia-hora de utilização A Telepac disponibiliza o primeiro IP dinâmico com acesso RDIS para utilizadores domésticos. III

4 - Polémica entre o Governo e a FCCN em torno do sufixo gov.pt. A FCCN acusa o Ministro da Ciência e Tecnologia, Mariano Gago, de querer governamentalizar a Internet portuguesa. O domínio acabaria por ser desactivado pela FCCN com a desaprovação do Governo. - Realiza-se na FIL a primeira edição da Internet World organizada pela Esotérica e pela Mecklermedia. - Grupo português de hackers auto-denominado Toxyn ataca as páginas web de organismos oficias da Indonésia numa campanha política a favor da independência de Timor-Leste. - Diário da República é disponibilizado on-line. - Primeiras iniciativas de homebanking portuguesas pelo Banco Português do Atlântico, o BCI, o Banco Nacional Ultramarino e o Barclays Bank - O SAPO abdica da natureza académica e passa a ser gerido pela empresa Navegante, criada pelos membros fundadores do SAPO, mas agora com um objectivo comercial. A maior polémica da Internet portuguesa? Quando o Ministério da Cultura mandou encerrar o Terravista acusando-o de alojar páginas de divulgação de pornografia Nasce a Intel. É desenvolvida a tecnologia CMOS (Complementary Metal Oxide Silicon) 1969 (Julho) O Homem chega à Lua. A tecnologia dá a ajuda essencial para o sucesso da missão Xerox desenvolve a primeira impressora a laser de alta velocidade: EARS RCA faz o primeiro LCD experimental. É usado num relógio digital Forma-se a ATARI e testa-se o PONG. É concebido o primeiro programa de mail para a ARPANET 1974 Intel apresenta o 8080 a 2MHz. Um 8008 muito melhorado Sharp desenvolve o LCD. É criado o conceito de Ethernet para redes locais Bill Gates e Paul Allen fundam a MicroSoft IV

5 O projecto MegaMail é lançado pela FCCN, Telecel e Microsystems com o objectivo de disponibilizar um milhão de endereços de gratuitos. - O portal Terravista é relançado pela Jazztel. - Lançamento do cartão Net-Net, o primeiro cartão de crédito destinado a compras on-line numa iniciativa da Unibanco. - Activação da NetViagens.com, a primeira agência de viagens com existência exclusiva na Net. - Lançamento do SIC Online, o portal multimédia da estação televisiva SIC. - Abre a delegação portuguesa do Submarino.com, a maior loja electrónica dedicada a produtos de entretenimento Aberto o registo para os primeiros subdomímios.pt:.nome.pt,.org.pt, int.pt, edu.pt, net.pt, gov.pt e com.pt. - Governo lança o portal Infocid. - SAPO lança o SIM, o primeiro Serviço de Instant Messaging português. - Rui Zink lança O Surfista, o primeiro livro interactivo em que os leitores podem continuar a história on-line. - A loja Submarino.com encerra actividade. - TAP inicia a venda de bilhetes de avião on-line. - Português é o sexto idioma mais falado na Net. - Primeira edição do Minho Campus Party, uma LAN party motivada por grandes velocidades de acesso à Net. - A SIBS e a Unicre lança o cartão MBNet exclusivo para pagamentos on-line Portal Vizzavi substitui o Netc na sequência da compra da Telecel pela Vodafone. - É activada a Loja do Cidadão On-line e o Governo inaugura presença oficial na Net com a activação de um portal próprio. - Level.pt é o primeiro portal de jogos português, é lançado pela Sonae. - Oni e PT disponibilizam ADSL residencial Possibilidade de entrega do IRS pela Internet. - A Porto Editora activa a Infopédia, a primeira enciclopédia portuguesa na Internet. - Açores criam a primeira NetEscola portuguesa que permite assistir às aulas via web. - Iniciativa e-u - Campus Virtuais que permite o acesso à Internet nos campus universitários através de hot spots via wi-fi. - UMIC anuncia Iniciativa Nacional de Banda Larga para divulgar e masssificar este tipo de acesso. - Portugal adere ao serviço de rede IPv6. V

6 - Surgem os novos motores de busca Cusco, AEIOU e a versão portuguesa do AltaVista. - O Ministério da Cultura assume a gestão do portal Terravista como parte da estratégia de transpor para a Internet a língua e a cultura portuguesas Abre a Mediabooks, a primeira livraria on-line portuguesa, pela mão da Texto Editora. - Governo apresenta programa Internet na Escola que tem como objectivo a colocação de um PC com ligação à Net em todas as bibliotecas. - Criação da Fundação da Fronteira Electrónica em Portugal, uma organização destinada a proteger a privacidade e liberdade de expressão na Net. - O Terravista é encerrado por decisão do Ministério da Cultura (entidade gestora do portal) devido ao alojamento local de páginas de conteúdos pornográficos. Outros utilizadores alojados protestam. - Em Setembro, a Saber&Lazer compra o SAPO à Navegante. - O Sapo lança um serviço de gratuito, um shopping virtual assim como novas e melhoradas funcionalidades de pesquisa Activação do Diário Digital, o primeiro jornal diário português exclusivamente publicado on-line. - Lançamento do PortugalMail, um serviço nacional correio electrónico. - A Sonae compra a IP Global, a Esotérica é adquirida pela ViaNet.Works e a Telecel entra no mercado web com o Netc. - Dia de 6 de Junho é decretado o Dia do Movimento Greve.Net pelos utilizadores nacionais que reclamam por uma tarifa única (plana) para aceder e navegar na Net. - PT Multimédia adquire o portal SAPO. - NetSapo da Telepac, Netc da Telecel e Clix da Novis, massificam a Internet grátis, o modelo de acesso em que o utilizador paga pela navegação o preço de uma chamada local contra o modelo anterior em que havia lugar ao pagamento obrigatório de um preço de subscrição fixo. A maior evolução. E tudo começou, em 1994, no Centro de Informática da Universidade de Aveiro É constituída a ARPANET. Só estão ligados 4 computadores. Anos mais tarde dá origem à INTERNET 1971 IBM desenvolve a linguagem PASCAL e primeira disquete de Intel apresenta o primeiro microprocessador: o 4004 (4 bits). Também inventa a ROM (Read Only Memory) VI

7 1972 Intel apresenta o 8008, o primeiro microprocessador a 8bits Lançamento do Portal do Cidadão e da B-On, a Biblioteca do Conhecimento Online. - Blogue Abrupto de Pacheco Pereira recebe 13 mil visitas diárias e é endereço de referência junto da opinião pública nacional. - Vírus MyDoom infecta 14% dos PC do País Portal do Cidadão Móvel. - Há 600 mil blogues portugueses. - A FCCN aprova o registo de domínios com recurso a caracteres portugueses. - Mais de 600 mil utilizadores de banda larga. O que é uma Rede? Uma rede é um conjunto de sistemas ou equipamentos ligados entre si. O que é uma Rede Informática? À semelhança de uma rede telefónica, uma rede de computadores é constituída por computadores ligados entre si por forma a partilharem recursos. A ligação entre computadores pode ser efectuada de diversas formas, seja por fio de cobre, fibra óptica ou por ligação sem fios (wireless) seja esta por ondas de rádio ou por infravermelhos. Tipos de redes informáticas Podemos classificar uma rede segundo a sua abrangência: LAN (Local Area Network) MAN (Metropolitan Area Network) WAN (Wide Area Network) PAN (Personal Area Network) Tipos de redes informáticas segundo a área de abrangência VII

8 LAN Neste tipo de rede todas as máquinas encontram-se dentro do mesmo espaço físico, num edifício por exemplo. MAN Rede dispersa por um espaço geográfico mais amplo, uma cidade por exemplo. Neste tipo de redes temos por exemplo várias redes LAN interligadas através de modems ou routers, sendo esta ligação efectuada através da linha telefónica, cabo ou wireless. WAN Rede semelhante à rede MAN mas de maior abrangência. Temos como exemplo de uma rede WAN, a Internet. PAN Este conceito surgiu há relativamente pouco tempo com o aparecimento de novos equipamentos de pequenas dimensões como os telemóveis e PDA s. Consiste numa tecnologia de rede formada por nós muito próximos uns dos outros, utilizando por exemplo a tecnologia bluetooth Chama-se topologia à disposição física dos computadores relativamente às cablagens e acessórios que os unem. São várias as topologias existentes: Bus/Barramento Estrela/Star Anel/Ring Malha/Mesh VIII

9 Ponto-a-Ponto ou Peer-to-Peer Híbridas/Mistas (ex. star-ring) As topologias podem ser descritas física e logicamente. A topologia física é a verdadeira aparência ou layout da rede, enquanto que a lógica descreve o fluxo dos dados através das redes. BUS Este tipo de topologia era bastante comum em redes Ethernet, mas caiu em desuso por actualização tecnológica. As máquinas estão ligadas por um cabo coaxial que passa por todas elas. O acoplamento de cada adaptador de rede (placa de rede) ao cabo pode ser feito de dois modos distintos, dependendo do cabo utilizado, que poderá ser coaxial fino (thinnet) ou cabo grosso (thicknet). No 1º caso o acoplamento far-se-á através de um T directamente ligado à ficha BNC da placa, sendo as duas restantes pontas liga - das a dois segmentos de cabo thinnet, usando uma ficha BNC no caso de o computador se encontrar entre dois outros computadores ou, caso o computador seja um dos que estão nas pontas, com um cabo coaxial num dos lados e um terminador no outro. No caso do cabo grosso, a ligação faz-se através de uma ficha de 15 pinos, designada por AUI, à qual será ligado o cabo de um adaptado por onde passa o cabo de rede. O terminado é uma resistência que anula o sinal que chega ao fim do cabo. Tem de estar sempre presente, caso contrário, o sinal injectado no cabo por um computador, através do adaptador de rede, terá um efeito de retorno. Existe uma forma ligeiramente mais complexa desta topologia, denominada barramento distribuído ou topologia em árvore. Neste caso, o barramento começa num ponto denominado raiz e após esse ponto partem vários ramos que têm ligados os dispositivos que compõem a rede. Ao contrário da topologia barramento simples, esta disposição tem mais do que dois pontos terminais. IX

10 Terminal Terminador Derivador Legenda: Terminador; Derivador em T (ou em Y) Terminal (Computador) Fichas Utilizadas BNC Vantagens De fácil utilização Simples, bom funcionamento em redes pequenas Pequeno comprimento de cabo Facilidade de ligação de novos dispositivos, que podem ser ligados em qualquer ponto do barramento X

11 Desvantagens Dificuldade em diagnosticar falhas Dificuldade em isolar defeitos De difícil reparação Performance piora consideravelmente com tráfego Cada ligação reduz o sinal STAR (Estrela/Cabo de Pares Entrelaçados) Este tipo de topologia ganhou terreno relativamente à topologia bus, principalmente devido à maior flexibilidade na alteração da estrutura da rede, sendo aquela que se utiliza em praticamente todas as redes Ethernet. Une os computadores através de um hub central, do qual sai um cabo para cada máquina, formando assim uma estrela, que lhe dá o nome. O cabo usado é o entrançado que pode ser UTP ou STP. Os cabos (um para cada computador) utilizam fichas RJ-45, muito semelhantes às modernas fichas de telefone, mas com um maior número de contactos (8). Os hubs têm indicadores luminosos (LEDs) que informam se a ligação de cada computador ao hub está activa. Podem ser encadeados. Existem hubs muito simples e hubs relativamente complexos. Vantagens Facilidade de modificação do sistema, já que todos os cabos ligam ao mesmo local Baixa de um computador não afecta o resto da rede Fácil detecção e isolamento de falhas Simplicidade de protocolo de comunicação XI

12 Pode utilizar múltiplos tipos de cabo Desvantagens Maior comprimento do cabo para efectuar as ligações Dificuldade em expandir o número de nós Dependência do nó central, se este falhar, a rede fica inoperacional RING (Anel/Cabo Coaxial) Na topologia em anel cada computador está ligado a outros dois ao longo de um circuito fechado. A informação circula num determinado sentido já prédefinido. Cada computador inclui um dispositivo de recepção e transmissão, o que lhe permite receber o sinal e passá-lo ao computador seguinte no caso de a informação não ser para ele. As redes que usam esta topologia são designadas por Redes Token Ring. Os dispositivos utilizados neste tipo de rede têm de possuir uma certa inteligência para que, em caso de corte do anel, o hub consiga fazer um novo anel. XII

13 Vantagens Pequeno comprimento de cabo Não são necessários armários de distribuição dado que as ligações são efectuadas em cada um dos nós Funciona bem com muito tráfego Desvantagens A falha de um nó pode causar a falha de toda a rede Dificuldade em diagnosticar falhas Dificuldade em reconfigurar a rede Tipicamente mais cara do que a topologia star XIII

14 Malha Forma como se interligam os vários equipamentos: - cada par de componentes liga-se e comunica directamente - cada componente é responsável por gerir sessões Vantagens Extremamente resistente a falhas De fácil manutenção Desvantagens Topologia que requer mais cablagem Tipicamente a topologia mais cara XIV

15 Comparação de Topologias Bus Anel Star Mesh + Barato Cablagem + Cara + Difícil Manutenção + Fácil Menor Complexidade Maior WIRELESS (Sem Fios) AD HOC; ESTRUTURADO; XV

16 SWITCH Um switch é um dispositivo da camada 2, assim como a bridge. Na verdade, um switch é chamado de bridge multiporta, assim como um hub é chamado de repetidor multiporta. A diferença entre o hub e o switch é que os switches tomam as decisões com base nos endereços MAC e os hubs não tomam nenhuma decisão. Devido às decisões que os switches tomam, eles tornam uma LAN muito mais eficiente. Eles fazem isso "comutando" os dados apenas pela porta à qual o host apropriado está conectado. Ao contrário, um hub enviará os dados por todas as portas para que todos os hosts tenham que ver e processar (aceitar ou rejeitar) todos os dados. Qual a diferença entre o HUB e o SWITCH: HUB SWITCH A B C D E F G H Por Exemplo: No HUB, se o A quiser comunicar com o C, o modem envia para o HUB e este envia para todos os computadores. Como a informação recebida por B e D não se lhes destina, é devolvida pelos mesmos. No SWITCH, se o E quiser comunicar com o G, o modem envia para o SWITCH e este apenas o reencaminha para o G. NOTA: O SWITCH é mais seguro. UPLINK Serve para ligar vários SWITCH ou HUB ao mesmo tempo. XVI

17 COMPONENTES DE REDE SWITCH / HUB; PLACA DE REDE; MEIO FISICO; TERMINAIS / COMPUTADORES; TERMINAIS E DERIVADOS; FICHAS / TOMADAS; PONTO DE ACESSO; ROUTER; BRIDGE; MODEM; GATEWAY; FICHA RJ45 Cabo Direito ( Straight ) ou Normal: Cabo usado para ligar as placas de rede a Switchs/Hubs/Routers, com um comprimento máximo de 100 metros entre os equipamentos activos. Utilizar a mesma norma nas duas extremidades do cabo. Existem duas normas para o cravamento de um cabo direito a T568A e T568B. XVII

18 Exemplo de um cravamento pela norma T568A Exemplo de um cravamento pela norma T568B XVIII

19 Cabo Cruzado ( CrossOver ): Cabo usado suando se pretende ligar directamente hub a hub ou placa de rede a placa de rede. Neste tipo de cabo numa da extremidade deverá ser utilizada a Norma T568A enquanto na outra deverá ser utilizada a Norma T568B XIX

20 T568A T568B Branco/Verde Verde Branco/Laranja Azul Branco/Azul Laranja Branco/Castanho Castanho Branco/Laranja Laranja Branco/Verde Azul Branco/Azul Verde Branco/Castanho Castanho Normal - Para ligar um computador a um Switch Utilizar a mesma norma nas duas extremidades do cabo 1 TX+ Branco /Laranja 2 TX- Laranja 3 RX Branco/Verde 4 Azul 5 Branco/Azul 6 RX- Verde 7 Branco/Castanho 8 Castanho XX

21 Cruzado - para ligar dois computadores directamente Utilizar normas diferentes nas duas extremidades do cabo Branco /Laranja TX+ 1 Laranja TX- 2 Branco/Verde RX+ 3 Azul 4 Branco/Azul 5 Verde RX- 6 Branco/Castanho 7 Castanho 8 1 RX+ Branco/Verde 2 RX- Verde 3 TX+ Branco/Laranja 4 Azul 5 Branco/Azul 6 TX- Laranja 7 Branco/Castanho 8 Castanho XXI

22 XXII

23 XXIII

24 XXIV

25 XXV

26 Infrared Data Association (IrDA) é uma definição de padrões de comunicação entre equipamentos de comunicação wireless. Tipo de barramento permite a conexão de dispositivos sem fio ao microcomputador (ou equipamento com tecnologia apropriada), tais como impressoras, telefones celulares, notebooks e PDAs. Para computadores que não possuem infravermelho (IRDA) é necessário um adaptador ligado a porta USB do computador, desta maneira este computador poderá trocar arquivos com qualquer outro equipamento que possui infravermelho (IRDA). O adaptador infravermelho (IRDA) é um padrão de comunicação sem fio para transmissão de dados entre outros dispositivos, não possui memória interna e portanto não armazena os dados, apenas os transfere de um equipamento para outro servindo apenas como uma ponte. Padrões: com taxas de transmissão de até bps com taxas de transmissão de até bps (4 Mbps). As transmissões são feitas em half-duplex. A transmissão de dados sem fio ( Wireless ), está tornando-se possível entre computadores pessoais e periféricos através de IrDA (infravermelho). Existe uma oportunidade para a comunicação sem fios de alcance pequeno efetiva e barata em sistemas e dispositivos de todos os tipos. Os padrões de IrDA foram desenvolvido rapidamente (comparados a outros padrões). Porém não tem alcançado todos os cantos do universo em sistemas e periféricos. Este papel deve-se a uma avaliação dos protocolos de IrDA com comentários no uso em sistemas e periféricos. A Associação de Dados Infravermelha (IrDA) é um grupo indústria de mais de 150 companhias que especialmente desenvolveram padrões de comunicação serviram para baixo custo, alcance pequeno, independência de plataforma, comunicações de ponto para ponto a um alcance largo de velocidades. Estes padrões foram implementados em várias plataformas de computador e mais recentemente ficou disponível para muitas aplicações. Por causa da larga aceitação, as especificações de IrDA estão agora em um rasto acelerado para adoção como padrões de ISO. CARACTERÍSTICAS A transferência é feita na forma de pacotes de dados enviados sequencialmente (serial). Assim como as portas seriais convencionais, a transmissão inicia-se com XXVI

27 1 bit de start, seguindo de 1 Byte de dados, 1 bit de paridade, encerrando a transferência do pacote com 1 bit de parada. A comunicação pelo IrDA pode ser apenas half duplex. Ou seja, não permite o envio e recebimento de dados simultaneamente, A configuração da porta serial para o Barramento IrDA é feita no setup da placa-mãe e para efectivar a troca de dados é necessário um software específico. A comunicação via emissão infravermelha precisa de uma porta de emissão e outra de recepção. Tomando como exemplo, um rato infravermelho, você observará que ele possui um led que emite os raios IR (emissor). Na parte traseira do gabinete você encontrará um cabo com um dispositivo que recebe o sinal do mouse. O sinal infravermelho tem um ângulo específico de trabalho. Nos dispositivos mais antigos este ângulo era de aproximadamente 30º, mas este ângulo tem aumentado para até 130º. A distância máxima pode variar em função do dispositivo, atualmente existem redes Wireless com hub infravermelho, mas podese generalizar dizendo que a distância máxima para emissão ou recepção do sinal está em torno de 4,5 m. Existem ratos, teclados scanners, impressoras, relógios, videogames, calculadoras e redes, entre outros dispositivos que podem transmitir dados via Infrared. Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão que podem ser:» Guiados (par de cobre entrançado, cabo coaxial, fibra óptica)» Não guiados (ar, vácuo) Conectividade» Ponto-a-ponto ligação entre dois dispositivos» Multiponto meio partilhado por mais de dois dispositivos Modo de comunicação (direccionalidade)» Simplex comunicação unidireccional (televisão)» Half-duplex comunicação bidireccional alternada (rádio polícia)» Full-Duplex comunicação bidireccional simultânea (telefone)» Analógicos: variação contínua em amplitude e no tempo» Digitais: sequência temporal discreta de valores quantificados (níveis discretos) A designação sinal digital é normalmente usada para referir a sequência de impulsos que representa uma sequência discreta de valores quantificados» Periódicos e não periódicos XXVII

28 XXVIII

29 FIBRA ÓPTICA REDE DE FIBRA ÓPTICA Trata-se de redes que utilizam sinais luminosos para transmitir a informação através de fibras condutoras de luz. Comparativamente como as redes de cobre permitem uma capacidade (quantidade de dados por unidade de tempo) largamente superior, actualmente os limites são definidos pelas limitações dos dispositivos emissores e receptores. A tecnologia mais corrente são as fibras multimodo que produzem um efeito conhecido por "dispesão modal" que limita a sua capacidade. As fibras monomodo são extremamente finas (3 a 10 micrometros, contra os cerca de 50 das fibras multimodo), devido à sua espessura são dificeis de manusear, mas permitem atingir distâncias até 70 Km com capacidades na ordem dos gigabits por segundo, em monomodo é vulgar a utilização de luz laser o que torna o manuseamento ainda mais difícil. Além das redes que utilizam a luz através de fibras, também se podem usar ligações sem fios com luz, é o caso dos infravermelhos (alcance muito reduzido) e especialmente da luz laser. Os cabos de fibra óptica utilizam o fenômeno da refração interna total para transmitir feixes de luz a longas distâncias. Um núcleo de vidro muito fino, feito de sílica com alto grau de pureza é envolvido por uma camada (também de sílica) com índice de refração mais baixo, chamada de cladding, o que faz com que a luz transmitida pelo núcleo de fibra seja refletida pelas paredes internas do cabo. Com isso, apesar de ser transparente, a fibra é capaz de conduzir a luz por longas distâncias, com um índice de perda muito pequeno. Embora a sílica seja um material abundante, os cabos de fibra óptica são caros devido ao complicado processo de fabricação, assim como no caso dos XXIX

30 processadores, que são produzidos a partir do silício. A diferença entre sílica e silício é que o silício é o elemento Si puro, enquanto a sílica é composta por dióxido de silício, composto por um átomo de silício e dois de oxigênio. O silício é cinza escuro e obstrui a passagem da luz, enquanto a sílica é transparente. O núcleo e o cladding são os dois componentes funcionais da fibra óptica. Eles formam um conjunto muito fino (com cerca de 125 microns, ou seja, pouco mais de um décimo de um milímetro) e frágil, que é recoberto por uma camada mais espessa de um material protetor, que tem a finalidade de fortalecer o cabo e atenuar impactos chamado de coating, ou buffer. O cabo resultante é então protegido por uma malha de fibras protetoras, composta de fibras de kevlar (que têm a função de evitar que o cabo seja danificado ou partido quando puxado) e por uma nova cobertura plástica, chamada de jacket, ou jaqueta, que sela o cabo: Cabos destinados a redes locais tipicamente contêm um único fio de fibra, mas cabos destinados a links de longa distância e ao uso na área de telecomunicações contêm vários fios, que compartilham as fibras de kevlar e a cobertura externa: XXX

31 Como os fios de fibra são muito finos, é possível incluir um grande volume deles em um cabo de tamanho modesto, o que é uma grande vantagem sobre os fios de cobre. Como a capacidade de transmissão de cada fio de fibra é bem maior que a de cada fio de cobre e eles precisam de um volume muito menor de circuitos de apoio, como repetidores, usar fibra em links de longa distância acaba saindo mais barato. Outra vantagem é que os cabos de fibra são imunes a interferência eletromagnética, já que transmitem luz e não sinais elétricos, o que permite que sejam usados mesmo em ambientes onde o uso de fios de cobre é problemático. Como criar links de longa distância cavando valas ou usando cabos submarinos é muito caro, é normal que seja usado um volume de cabos muito maior que o necessário. Os cabos adicionais são chamados de fibra escura (dark fiber), não por causa da cor, mas pelo fato de não serem usados. Eles ficam disponíveis para expansões futuras e para substituição de cabos rompidos ou danificados. Quando ouvir falar em padrões "para fibras escuras", tenha em mente que são justamente padrões de transmissão adaptados para uso de fibras antigas ou de mais baixa qualidade, que estão disponíveis como sobras de instalações anteriores. A transmissão de dados usando sinais luminosos oferece desafios, já que os circuitos eletrônicos utilizam eletricidade e não luz. Para solucionar o problema, é utilizado um transmissor óptico, que converte o sinal elétrico no sinal luminoso enviado através da fibra e um receptor, que faz o processo inverso. O transmissor utiliza uma fonte de luz, combinada com uma lente, que concentra o sinal luminoso, aumentando a percentagem que é efetivamente transmitida pelo cabo. Do outro lado, é usado um receptor ótico, que amplifica o sinal recebido e o transforma novamente nos sinais elétricos que são processados. Para reduzir a atenuação, não é utilizada luz visível, mas sim luz infravermelha, com comprimentos de onda de 850 a 1550 nanômetros, de acordo com o padrão de rede usado. Antigamente, eram utilizados LEDs nos transmissores, já que eles são uma tecnologia mais barata, mas com a introdução dos padrões Gigabit e 10 Gigabit eles foram quase que inteiramente substituídos por laseres, que oferecem XXXI

32 um chaveamento mais rápido, suportando, assim, a velocidade de transmissão exigida pelos novos padrões de rede. Existem padrões de fibra óptica para uso em redes Ethernet desde as redes de 10 megabits. Antigamente, o uso de fibra óptica em redes Ethernet era bastante raro, mas com o lançamento dos padrões de 10 gigabits a utilização vem crescendo, com os links de fibra sendo usados sobretudo para criar backbones e links de longa distância. Existem dois tipos de cabos de fibra óptica, os multimodo ou MMF (multimode fibre) e os monomodo ou SMF (singlemode fibre). As fibras monomodo possuem um núcleo muito mais fino, de 8 a 10 mícrons de diâmetro, enquanto as multimodo utilizam núcleos mais espessos, tipicamente com 62.5 microns: As fibras multimodo são mais baratas e o núcleo mais espesso demanda uma precisão menor nas conexões, o que torna a instalação mais simples, mas, em compensação, a atenuação do sinal luminoso é muito maior. Isso acontece porque o pequeno diâmetro do núcleo das fibras monomodo faz com que a luz se concentre em um único feixe, que percorre todo o cabo com um número relativamente pequeno de reflexões. O núcleo mais espesso das fibras multimodo, por sua vez, favorece a divisão do sinal em vários feixes separados, que ricocheteiam dentro do cabo em pontos diferentes, aumentando brutalmente a perda durante a transmissão, como você pode ver nos desenhos a seguir: XXXII

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br

TI Aplicada. Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br TI Aplicada Aula 05 Redes de Computadores (parte 2) Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com http://www.edilms.eti.br Conceitos Básicos Equipamentos, Modelos OSI e TCP/IP O que são redes? Conjunto de

Leia mais

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br

Tipos de Cabeamento de Rede. Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento de Rede Prof. Rafael Gross rafael.gross@fatec.sp.gov.br Tipos de Cabeamento Cabo Coaxial; Cabo Par Trançado; Cabo de Fibra Óptica. Cabo Coaxial Um dos primeiros cabos utilizados em

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores:

Vejamos, então, os vários tipos de cabos utilizados em redes de computadores: Classificação quanto ao meio de transmissão Os meios físicos de transmissão são os cabos e as ondas (luz, infravermelhos, microondas) que transportam os sinais que, por sua vez, transportam a informação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Redes de computadores e Internet

Redes de computadores e Internet Polo de Viseu Redes de computadores e Internet Aspectos genéricos sobre redes de computadores Redes de computadores O que são redes de computadores? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Conceito de Redes Redes de computadores são estruturas físicas (equipamentos) e lógicas (programas, protocolos) que permitem que dois ou mais computadores

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Conceitos fundamentais Evolução das Redes (parte I) Sumário???? Módulo I: Conceitos fundamentais Evolução das redes Tipos de Redes Sistemas de Cablagem

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Tecnologia da Informação Apostila 02

Tecnologia da Informação Apostila 02 Parte 6 - Telecomunicações e Redes 1. Visão Geral dos Sistemas de Comunicações Comunicação => é a transmissão de um sinal, por um caminho, de um remetente para um destinatário. A mensagem (dados e informação)

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41

Informática. Prof. Macêdo Firmino. Redes de Computadores. Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Informática Prof. Macêdo Firmino Redes de Computadores Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 1 / 41 Sistema Computacional Macêdo Firmino (IFRN) Informática Novembro de 2011 2 / 41 O que é

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01

UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 UNICE Ensino Superior Introdução a Redes de Computadores Aula 01 PROFESSOR: Hiarly Alves Rodrigues Paiva Introdução a Redes de Computadores FACULDADE UNICE Fortaleza CE Ementa Introdução. Topologias de

Leia mais

Fibra óptica ( adaptado de GDH Press: www.gdhpress.com.br)

Fibra óptica ( adaptado de GDH Press: www.gdhpress.com.br) Fibra óptica ( adaptado de GDH Press: www.gdhpress.com.br) Os cabos de fibra óptica utilizam o fenômeno da refração interna total para transmitir feixes de luz a longas distâncias. Um núcleo de vidro muito

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede :. Introdução A utilização de redes de computadores faz hoje parte da cultura geral. A explosão da utilização da "internet" tem aqui um papel fundamental, visto que actualmente quando

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores São dois ou mais computadores ligados entre si através de um meio.a ligação pode ser feita recorrendo a tecnologias com fios ou sem fios. Os computadores devem ter um qualquer dispositivo

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com

Topologias e abrangência das redes de computadores. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Topologias e abrangência das redes de computadores Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Objetivos Tornar os alunos capazes de reconhecer os tipos de topologias de redes de computadores assim como

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto

Introdução. Arquitetura de Rede de Computadores. Prof. Pedro Neto Introdução Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 1. Introdução i. Conceitos e Definições ii. Tipos de Rede a. Peer To Peer b. Client/Server iii. Topologias

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Bárbara Capitão Nº3 CEF. barbaracapitao3@gmail.com

Bárbara Capitão Nº3 CEF. barbaracapitao3@gmail.com Bárbara Capitão Nº3 CEF barbaracapitao3@gmail.com 1 Índice Definição - O que é uma rede de computadores?... 4 Vantagens da constituição de redes... 4 Tipos de redes (Geografia)... 4 LAN - Local Area Network...

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas

Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas ESCOLA PROFISSIONAL VASCONCELLOS LEBRE Curso de Instalação e Gestão de Redes Informáticas EQUIPAMENTOS PASSIVOS DE REDES Ficha de Trabalho nº2 José Vitor Nogueira Santos FT13-0832 Mealhada, 2009 1.Diga

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com COMUTAÇÃO CIRCUITOS PACOTES É necessário estabelecer um caminho dedicado entre a origem e o

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Redes de Computadores 3º Ano / 1º Semestre Eng. Electrotécnica Ano lectivo 2005/2006 Sumário Sumário Perspectiva evolutiva das redes telemáticas Tipos de redes Internet, Intranet

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina 15/11/2008. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores 2

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2

Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Projeto e Instalação de Servidores Fundamentos de Redes de Computadores Parte 2 Prof.: Roberto Franciscatto CRIMPANDO CABOS DE REDE Crimpagem de cabos de rede Valor aproximado R$ 50,00 CRIMPANDO CABOS

Leia mais

INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE COMPUTADORES EM REDES LOCAIS (ICCRL)

INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE COMPUTADORES EM REDES LOCAIS (ICCRL) INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE COMPUTADORES EM REDES LOCAIS (ICCRL) Instalação, manutenção e utilização de redes locais Geni Gomes CEF Operador (a) de Informática Nível II [2012/2013] O que é uma rede? Conjunto

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais

Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais Rede de Computadores Modulo I Conceitos Iniciais http://www.waltercunha.com Bibliografia* Redes de Computadores - Andrew S. Tanenbaum Editora: Campus. Ano: 2003 Edição: 4 ou 5 http://www.submarino.com.br/produto/1/56122?franq=271796

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM ANO: 11º Redes de Comunicação ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/8 Componentes de um sistema de comunicações; Sistemas Simplex, Half-Duplex e Full- Duplex; Transmissão de sinais analógicos e digitais; Técnicas

Leia mais

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores

Unidade 1. Bibliografia da disciplina. Introdução. O que compartilhar? Exemplo 12/10/2009. Conceitos básicos de Redes de Computadores Faculdade INED Unidade 1 Conceitos básicos de Redes de Computadores Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados, Sistemas para Internet e Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.:

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO INSTITUTO POLITÉCNICO DE PORTALEGRE COMUNICAÇÃO DE DADOS E REDES DE COMPUTADORES CADEIRA: INFORMÁTICA I- 1º A NO ANO LECTIVO: 2001/2002 DOCENTES: LUÍS BAPTISTA JOEL

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Redes de computadores

Redes de computadores Redes de computadores Eletrônica IV Redes de Computadores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que é uma rede

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Campus: Campo Mourão Professor: Feitosa dos Santos E-mail: luiz_arthur@fornet.com.br Sumário: Introdução; Classificação. 2 É Praticamente impossível hoje

Leia mais

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES

Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Introdução a Ciência da Computação REDES DE COMPUTADORES Professor: Carlos Henrique E-mail: carlos_hvr@yahoo.com.br Definição Inicial Tipos de Redes Servidores Arquitetura de Protocolos Topologia de Redes

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações

Secção II. ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 1 Secção II ƒ Alternativas para redes de telecomunicações 2 Alternativas para redes de telecomunicações Alternativa de rede Redes Suportes Processadores Software Canais Topologia/arquitectura Exemplos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Fabricio Breve Um dos primeiros tipos de cabos utilizados em rede Possui dois fios, sendo um uma malha que envolve o cabo em toda a sua extensão Essa malha funciona como

Leia mais

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Instituto Superior Miguel Torga Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Estrutura das Aulas 5 Aulas Aula 10 (20 de Abril) Classificação Componentes Aula 11 (27 de Abril)

Leia mais

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Introdução. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Introdução Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Um pouco de História Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Meios físicos Os meios físicos

Meios físicos Os meios físicos Meios físicos Os meios físicos são considerados componentes da camada 1. Se encarregam daquilo que diz respeito à representação física são bits (por exemplo, voltagem ou pulsos de luz). 1 Representação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Placas de Rede Modems Hubs e switches Router Prof. Hugo Rosa PLACAS DE REDE As placas de rede são periféricos de entrada e saída e são utilizadas para interligar um computador a uma

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais