LEI MUNICIPAL Nº 1.892, DE 24/08/ Pub. O Fluminense, de 02/11/2001

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEI MUNICIPAL Nº 1.892, DE 24/08/2001 - Pub. O Fluminense, de 02/11/2001"

Transcrição

1 ..:: Imprimir ::.. LEI MUNICIPAL Nº 1.892, DE 24/08/ Pub. O Fluminense, de 02/11/2001 O PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE NITERÓI, no uso de suas atribuições que lhe confere o artigo 54, parágrafo 7º, da Lei Orgânica do Município de Niterói, PROMULGA a seguinte LEI: Art. 1º Ficam aprovadas as normas e os requisitos de funcionamento de ASILOS, CASA DE REPOUSO E CLÍNICAS GERIÁTRICAS destinadas ao atendimento de pessoas idosas, a serem observados em todo Município. Art. 2º O Conselho Municipal de Assistência Social em conjunto com o Conselho Municipal de Saúde coordenarão com a Fundação Municipal de Saúde de Niterói, Secretaria Municipal de Integração e Cidadania e as demais esferas de Poder Municipal, Estadual e Federal a fim de garantir o exato cumprimento desta Lei. CAPÍTULO I - DA DEFINIÇÃO Art. 3º Consideram-se como instituições específicas para idosos os estabelecimentos, com denominações diversas, correspondentes aos locais físicos equipados para atender pessoas com 60 (sessenta) ou mais anos de idade, sob regime de internato ou não, mediante pagamento ou não, durante um período indeterminado e que dispõe de um quadro de funcionários para atender às necessidades de cuidados com a saúde, alimentação, higiene, repouso e lazer dos usuários, bem como, desenvolver outras atividades características de vida institucional. Parágrafo único. É expressamente proibida em asilos, casas de repouso ou clínicas geriátricas a permanência de idosos portadores de doenças graves ou contagiosas que necessitem de assistência médica e de enfermagem durante vinte e quatro horas, salvo se dispuser delas e da aparelhagem exigível. CAPÍTULO II - DA ORGANIZAÇÃO PARTE I - DA ADMINISTRAÇÃO Seção I - Estatutos e Regulamentos Art. 4º Toda instituição de atendimento ao idoso deve ter, obrigatoriamente, Estatuto e Regulamento onde estão explicitados os seus objetivos, a estrutura da sua organização e, também, todo conjunto de normas básicas que regem a instituição. Parágrafo único. Os Estatutos e Regulamentos das instituições de atendimento ao idoso serão analisados pelo Conselho Municipal de Saúde e pelo Conselho Municipal de Assistência Social, para fins de aprovação e registro. Seção II - Direção Técnica Art. 5º Toda instituição de atendimento ao idoso deve contar com um responsável técnico, detentor de título de uma das profissões da área de saúde que responderá pela instituição junto à Fundação Municipal de Saúde e Secretaria Municipal de Integração e Cidadania. Parágrafo único. As instituições de atendimento ao idoso, que têm entre as suas finalidades prestar atenção médico-sanitária aos idosos, devem contar, em seu quadro funcional, com um Coordenador Médico com Especialização em Geriatria e/ou Gerontologia, segundo às normas da Associação Médica Brasileira (AMB). CAPÍTULO III - DO FUNCIONAMENTO Seção I - Do Alvará Art. 6º A concessão de alvará às instituições de atendimento ao idoso será expedida pelo órgão 1/6

2 competente do Município, após emissão de Laudo Técnico pelo órgão competente da Fundação Municipal de Saúde de Niterói e da Secretaria Municipal de Integração e Cidadania e a aprovação de seu Estatuto e Regulamento pelo Conselho Municipal de Saúde e pelo Conselho Municipal de Assistência Social. 1º Até a data da vigência desta Lei, será concedido registro, em caráter precário, às instituições existentes, que não se enquadram nas normas aqui estabelecidas, sendo concedido prazo de até 06 (seis) meses para as adaptações imprescindíveis ao cumprimento do que é estabelecido nesta Lei, podendo ser renovado por igual prazo, sob pena de interdição. 2º A partir da vigência destas normas, só será concedido registros às novas instituições que cumprirem as presentes disposições. 3º As instituições que se propõem ao atendimento de pacientes (clínicas e hospitais geriátricos) deverão atender ao disposto na Portaria nº 400, de 06 de dezembro de 1977, do Ministério da Saúde. 4º Os órgãos competentes da Fundação Municipal de Saúde e Secretaria Municipal de Integração e Cidadania realizarão inspeções periódicas nas instituições de atendimento ao idoso, mantendo o Conselho Municipal de Saúde e Conselho Municipal de Assistência Social, atualizados com relação aos resultados destas inspeções. 5º O Conselho Municipal de Saúde e o Conselho Municipal de Assistência Social a qualquer momento, desde que haja infringência às normas estabelecidas por esta Lei, relatadas e constatadas em Laudo Técnico do órgão competente da Fundação Municipal de Saúde e da Secretaria Municipal de Integração e Cidadania, poderão recomendar ao órgão competente da Prefeitura Municipal de Niterói, a cassação do alvará de funcionamento. CAPÍTULO IV - DO REGISTRO DE INFORMAÇÕES E DADOS Seção I - Do Registro de Admissão Art. 7º Toda instituição de atendimento ao idoso deve manter registro de admissão das pessoas atendidas, constando nome e endereço de um familiar ou do responsável, caso o atendimento não se deva à decisão do próprio idoso. 1º O internamento de idosos na modalidade asilar, caso não se deva à decisão do próprio idoso, só será autorizada após apreciação e emissão de laudo indicativo por equipe interdisciplinar composta, no mínimo, por Médico, Assistente Social e Psicólogo. 2º No ato da internação será apresentado ao idoso ou ao seu responsável o Estatuto e Regulamento da instituição, devendo ficar registrado em instrumento próprio conhecimento e concordância com os mesmos. Art. 8º Ao registro de admissão serão anexadas informações que demonstrem a capacidade funcional e o estado de saúde do indivíduo, a fim de adequar os serviços às necessidades da pessoa atendida. 1º Todo idoso assistido na modalidade asilar será submetido à avaliação periódica de equipe disciplinar. 2º O atendimento de idosos em modalidades não asilares será submetido à avaliação de equipe multidisciplinar, dimensionada de acordo com a especificação do atendimento. 3º Serão anotados neste registro todos os fatos relevantes ocorridos no período de atendimento relacionados à saúde, bem social, direitos previdenciários, alta e/ou óbito. Seção II - Do Prontuário e Do Relatório Art. 9º As instituições que atendem o idoso enfermo devem manter um prontuário de atendimento contendo descrição dos pacientes, ações propedêuticas e terapêuticas. Art. 10. As instituições devem produzir e manter arquivado um relatório mensal, que poderá ser exigido a qualquer momento pela autoridade sanitária competente, contendo o nome e um sumário da situação de cada um dos idosos, no que se refere à saúde e às necessidades sociais, bem como, informações de caráter administrativo. Seção III - Área Física e Instalações Art. 11. A área física destinada ao atendimento de idosos deve ser planejada, levando-se em consideração que uma parcela significativa dos usuários apresenta ou pode vir a apresentar dificuldade de locomoção e maior vulnerabilidade a acidentes. Art. 12. A área física das instalações destinadas ao atendimento de idosos devem propiciar a criação de um ambiente adequado ao tipo de serviço e ao usuário. Art. 13. As instituições para atendimento de idosos deverão funcionar preferencialmente em construções horizontais de caráter pavilhonar. Parágrafo único. Com exceção das instituições já em funcionamento, nenhum registro será feito se 2/6

3 tratar de construção vertical, salvo se dispuser de rampa de acesso ou elevador para a circulação dos idosos e atender às normas do Corpo de Bombeiros ou da Defesa Civil. Art. 14. As instituições para atendimento de idosos quando dotadas de mais de um plano devem dispor de equipamento adequado, como rampa ou elevador para circulação vertical. Parágrafo único. Quando dotadas de mais de um plano e não dispuserem de rampa ou elevador para circulação vertical, só poderão atender pessoas imobilizadas no leito e com problemas locomotores ou psíquicos no pavimento térreo. Art. 15. Os prédios das instituições para atendimento de idosos deverão dispor de meios que possibilitem o rápido escoamento, em segurança, dos residentes, em casos de emergência, de acordo com as normas estabelecidas pelo Corpo de Bombeiros e Defesa Civil. Seção IV - Dos Acessos Art. 16. Os acessos ao prédio das instituições para atendimento de idosos deverão possuir rampa com inclinação máxima de 5º, largura de 1,50m, dotado de guarda-corpo e corrimão, piso revestido com material não derrapante, que permita o livre rolamento de cadeiras de rodas. Parágrafo único. É exigido o mínimo de dois acessos independentes, sendo um deles para idoso e outro para serviços. Seção V - Das Portas e Das Esquadrias Art. 17. As portas das instituições para atendimento de idosos devem obedecer as seguintes especificações: I - as portas externas e internas do prédio, devem ter vão luz de 0,80m no mínimo, dobradiças externas e soleiras com bordas arredondadas; II - as portas de correr devem ter os trilhos embutidos na soleira e no piso, para permitir a passagem de nível, especialmente para cadeiras de rodas; III - as portas dos sanitários devem abrir para fora e serem instaladas de forma a deixar vãos livres de 0,20m, na parte inferior; IV - as maçanetas das portas não deverão ser do tipo arredondadas ou de qualquer outra forma que dificulte a abertura da mesma. CAPÍTULO V - DA CIRCULAÇÃO INTERNA Seção I - Da Circulação Interna Horizontal Art. 18. Os corredores principais das instituições de atendimento aos idosos a serem instaladas após entrada em vigor desta Lei, devem ter largura mínima de 1,50m. 1º Os corredores devem ser equipados com corrimão em ambos os lados, instalados a 0,80m do piso e distantes 0,05m da parede. 2º Não é permitida a criação de qualquer forma de obstáculos à circulação nos corredores, incluindo bancos, vasos e outros móveis ou equipamentos decorativos. Seção II - Da Circulação Interna Vertical Art. 19. As escadas das instituições de atendimento ao idoso devem obedecer as seguintes especificações: I - as escadas devem ser em lances retos, com largura mínima de 1,20m, dotadas de corrimão em ambos os lados, não devendo existir vão livre entre o piso e o corrimão; II - os espelhos do primeiro e do último degraus devem ser pintados de amarelo, equipados com luz de vigília permanente; III - as portas de contenção devem ser dotadas com molas e travas leves, que as mantenham em posição fechada. Art. 20. As instituições devem instalar rampas em todos os locais onde exista mudança de nível entre dois ambientes, obedecendo às especificações contidas no art. 16 desta Lei. Art. 21. Os elevadores monta-cargas devem obedecer as normas estabelecidas pelos Códigos de Edificações e Posturas do Município em vigor. CAPÍTULO VI - DAS INSTALAÇÕES SANITÁRIAS Art. 22. As instalações sanitárias das instituições de atendimento ao idoso devem ser separadas por sexo. 3/6

4 Art. 23. As instalações sanitárias devem ser, obrigatoriamente, ocupadas com barras de apoio instaladas a 0,80m do piso e afastadas 0,05m da parede, tanto no lavatório, como no vaso sanitário e no "box" do chuveiro. Art. 24. As instalações sanitárias devem ser localizadas no mesmo pavimento onde permanecerem os idosos atendidos. Parágrafo único. As banheiras de imersão só serão permitidas nas salas de fisioterapia. Seção I - Do Vaso Sanitário Art. 25. O vaso sanitário deve ser instalado sobre um sóculo de 0,15m de largura, na proporção de um vaso sanitário para cada 06 (seis) pessoas. Art. 26. No caso das paredes laterais aos vasos sanitários serem afastadas, deverá ser instalada em ambos os lados do vaso uma estrutura de apoio em substituição às barras instaladas na parede. Art. 27. O chuveiro deve ser instalado em compartimento (box) com dimensões internas compatíveis com banho em posição assentada, dotado obrigatoriamente de água quente. Art. 28. O chuveiro deve ser instalado na proporção de 01 (um) chuveiro para cada 12 (doze) leitos. Seção III - Da Bacia Sanitária (BIDET) Art. 29. A bacia sanitária (BIDET), quando existente, deve ser instalada sobre um sóculo de 0,15m de altura e equipada com a mesma estrutura de apoio descrita para o vaso sanitário no artigo 25. Seção IV - Da Iluminação, Ventilação, Instalações Elétricas e Hidráulicas Art. 30. A iluminação, a ventilação, as instalações elétricas e hidráulicas das instituições de atendimento ao idoso devem obedecer aos padrões mínimos exigidos pelos Códigos de Edificações e Posturas do Município. Parágrafo único. É obrigatória a instalação de luz de vigília nos dormitórios, banheiros, áreas de circulação, no primeiro e no último degraus da escada. Art. 31. Os dormitórios das instituições de atendimento aos idosos devem ter como medida linear mínima 25m. Art. 32. A área mínima para um dormitório é de 6,5m² quando equipado com apenas um leito e de 5m² por leito para até 4 (quatro) leitos, sendo este o número máximo recomendável por dormitório. Art. 33. As instalações com dormitórios acima de 4 (quatro) leitos devem seguir as normas em vigor do Ministério da Saúde para enfermarias. Art. 34. É proibido o uso de camas tipo beliche, camas de armar ou assemelhadas e a instalação de divisórias improvisadas que não respeitem os espaços mínimos ou que prejudiquem a iluminação e a ventilação, conforme estabelecido pelo Código de Edificações e Posturas do Município em vigor. Art. 35. A distância mínima entre 2 (dois) leitos paralelos deve ser de 1,0m e de 1,50m entre 1 (um) leito e outro, fronteiriço. Parágrafo único. Recomenda-se que a distância mínima entre o leito e a parede que lhe seja paralela deva ser de 0,50m. Seção V - Da Sala para o Serviço de Nutrição e Dietética Art. 36. É constituído por cozinha, refeitório e dispensa, sendo que, com área mínima de 1,5m² por pessoa em instituições. Parágrafo único. O refeitório poderá também servir como sala alternativa para realização de atividades recreativas e ocupacionais. Seção VI - Da Recreação e Lazer Art. 37. Todas as instituições deverão contar com área destinada à recreação e ao lazer, inclusive de localização externa, com área mínima de 1m² por leito instalado. Parágrafo único. A área externa para as atividades de recreação e lazer devem ser afastadas das vias de 4/6

5 rolamento de veículos, banhadas pela luz solar, principalmente no período da manhã, possuir arborização e mobiliário específico para acomodação dos idosos. Seção VII - Área para Atividades de Reabilitação Art. 38. Todas as instituições que se propõem a executar ações visando à reabilitação funcional e cognitiva devem possuir instalações específicas e área para atividades de reabilitação. 1º A área para atividades de reabilitação deve ter dimensões mínimas de 30m², ser dotada de pia com bancada, sanitário próximo, mobiliário e equipamentos específicos. 2º As dimensões e equipamentos da área para atividades de reabilitação devem ser estipulados por profissionais legalmente habilitados, inscritos no conselho de profissionais da área específica. CAPÍTULO VIII - LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO Art. 39. As dependências das instituições devem ser mantidas dentro de rigorosas condições de higiene e asseio para evitar riscos à saúde dos idosos atendidos. Art. 40. Todo o lixo deverá ser acondicionado em sacos plásticos apropriados, conforme norma técnica da ABNT. Art. 41. As instituições devem contar com lixeira ou abrigo de lixo externo à edificação para armazenamento dos resíduos até a coleta municipal. CAPÍTULO IX - DOS TIPOS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Art. 42. As paredes e tetos das instituições de atendimento ao idoso devem possuir revestimento lavável de cores claras, permitindo limpeza e desinfecção. Parágrafo único. Não é permitida a instalação de paredes de material inflamável com o objetivo de dividirem ambientes. Art. 43. Os revestimentos dos pisos devem ser preferencialmente monocromáticos e de material de fácil limpeza e antiderrapante, nas áreas de circulação, banheiros, refeitórios e cozinha. CAPÍTULO X - DO MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS BÁSICOS Art. 44. A disposição do mobiliário deve possibilitar fácil circulação e minimizar o risco de acidentes e incêndio. Art. 45. Nas instalações sanitárias e na cabeceira de cada leito ocupado por residente com dificuldade de locomoção, deverá ser instalado um botão de campainha ao alcance da mão. Art. 46. É indispensável a instalação de telefone comunitário para uso dos idosos bem como o acesso a outros meios de comunicação, como: correio, televisão, rádio, etc. Art. 47. É obrigatória a instalação de extintor de incêndio em cada ala ou corredor, de acordo com as normas do Corpo de Bombeiros. CAPÍTULO XI - DOS RECURSOS HUMANOS Art. 48. As instituições de atendimento ao idoso em geral devem contar com profissionais devidamente habilitados para responder pelas áreas abaixo relacionadas: I - assistência médica; II - assistência odontológica; III - assistência de enfermagem; IV - assistência nutricional; V - assistência psicológica; VI - assistência farmacêutica; VII - atividades de lazer; VIII - atividades de reabilitação (fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia) e; IX - serviço social, apoio jurídico e administrativo e serviços gerais. Art. 49. O dimensionamento da equipe multiprofissional, necessária à assistência ao idoso institucionalizado, deverá se basear nos critérios abaixo relacionados: I - nas necessidades da população atendida; II - na disponibilidade de recursos humanos regionais ou locais; 5/6

6 III - nos critérios dos respectivos Conselhos Regionais Profissionais. CAPÍTULO XII - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 50. O Conselho Municipal de Saúde e o Conselho Municipal de Assistência Social, atendendo a proposições da Fundação Municipal de Saúde ou da Secretaria Municipal de Integração e Cidadania poderão tomar as medidas que entenderem necessárias para assegurar a preservação da saúde dos idosos, tais como para evitar a disseminação de doenças transmissíveis ou para acessar perturbação a terceiros. Art. 51. Esta Lei entra em vigor, na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário. PROJETO DE LEI Nº 306/2000 Autor: Rodrigo Neves Barreto Câmara Municipal de Niterói, em 24 de agosto de Plínio Comte Leite Bittencourt Presidente 6/6

revogada(o) por: Portaria nº 1868, de 10 de outubro de 2005 atos relacionados: Portaria nº 400, de 06 de dezembro de 1977

revogada(o) por: Portaria nº 1868, de 10 de outubro de 2005 atos relacionados: Portaria nº 400, de 06 de dezembro de 1977 título: Portaria nº 810, de 22 de setembro de 1989 ementa: Aprova normas e os padrões para o funcionamento de casas de repouso, clínicas geriátricas e outras instituições destinadas ao atendimento de idosos,

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. Pepe Vargas - PT/PR )

PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. Pepe Vargas - PT/PR ) PROJETO DE LEI Nº DE 2007 (Do Sr. Pepe Vargas - PT/PR ) Estabelece normas básicas para o funcionamento de estabelecimentos que prestam atendimento integral institucional a idosos como Asilos, Casas de

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

Manual de Atuação do Promotor de Justiça na Defesa da Pessoa Idosa

Manual de Atuação do Promotor de Justiça na Defesa da Pessoa Idosa MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA E DOS IDOSOS - CAOPPDI Manual de Atuação

Leia mais

Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES

Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES Capítulo 6 - COMPARTIMENTOS DAS EDIFICAÇÕES 6.1 Disposições gerais Art. 154 - Os compartimentos e ambientes deverão ser posicionados na edificação de forma a garantir conforto ambiental e a salubridade,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012. RESOLUÇÃO Nº DE DE 2012. Dispõe sobre as características, especificações e padrões técnicos a serem observados nos ônibus utilizados na operação dos serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas

Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas Resolução SS - 123, de 27-9-2001 (D.O.E nº 184 de 28 de setembro de 2001 ) Define e Classifica as Instituições Geriátricas no âmbito do Estado de São Paulo e dá providências correlatas O Secretário Saúde,

Leia mais

ROTEIRO DE FISCALIZAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS - ILPI s NAS COMARCAS DO ESTADO DE MG

ROTEIRO DE FISCALIZAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS - ILPI s NAS COMARCAS DO ESTADO DE MG ROTEIRO DE FISCALIZAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS - ILPI s NAS COMARCAS DO ESTADO DE MG Este roteiro tem como objetivo nortear as fiscalizações a serem realizadas

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1 Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF: 2. Município:

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito de uma das Varas Cíveis da Comarca de

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito de uma das Varas Cíveis da Comarca de Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito de uma das Varas Cíveis da Comarca de "0 maior pecado contra nossos semelhantes não é o de odiá-los, mas de ser indiferentes para com eles" Bernard Shaw O MINISTÉRIO

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Secretaria Municipal de Educação Prefeitura de Porto Alegre Novembro de 2003 Recomendável para pais, diretores de escolas/instituições

Leia mais

Instrução Normativa 001/2014

Instrução Normativa 001/2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Porto Alegre, RS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA Em 03 de Jan de 2014 BM COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO 1 Instrução Normativa 001/2014

Leia mais

C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante

C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante C O M A N D O D O C O R P O D E B O M B E I R O S Gabinete do Comandante PORTARIA N.º 06, DE 01 DE AGOSTO DE 2002. Estabelece no âmbito do Corpo de Bombeiros critérios aplicáveis em todo o Estado do Paraná

Leia mais

Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião. LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP)

Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião. LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP) CÓDIGO: DC 1.3/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 9 Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP) (LUIZA ERUNDINA DE SOUZA, Prefeita do Município

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DO AVCB DECRETO Nº 46.076, DE 31 DE AGOSTO DE 2001.

OBRIGATORIEDADE DO AVCB DECRETO Nº 46.076, DE 31 DE AGOSTO DE 2001. OBRIGATORIEDADE DO AVCB DECRETO Nº 46.076, DE 31 DE AGOSTO DE 2001. Institui o Regulamento de Segurança contra Incêndio das edificações e áreas de risco para fins da lei nº 684, de 30 de Setembro de 1975

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa

Prefeitura Municipal de Lagoa Santa CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS LEI Nº 3.318, DE 12 DE SETEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a implantação do Programa "Minha Casa, Minha Vida" - para famílias com renda entre 3 (três)e 6 (seis) salários

Leia mais

Fixa normas para a educação infantil no Sistema Municipal de Ensino de Belo Horizonte.

Fixa normas para a educação infantil no Sistema Municipal de Ensino de Belo Horizonte. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano V - Nº: 1.252-11/11/2000 Poder Executivo Conselho Municipal de Educação - CME Resolução CME/BH nº 01/2000 RESOLUÇÃO CME/BH Nº 01/2000 Fixa normas para a

Leia mais

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE

Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA Instituto Superior de Educação ISE REGIMENTO INTERNO DA CLINICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE - Capítulo I Caracterização do Serviço Clínica-Escola de Psicologia Art. 1º - O SEPsi - Serviço Escola de Psicologia

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA

PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA PROJETO DE LEI Nº /03 Autora: Deputada MANINHA Estabelece normas básicas e dispõe sobre condições gerais de funcionamento de estabelecimentos que prestam atendimento institucional e abrigo a idosos, e

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

DECRETO Nº. 3.209, DE 18 DE SETEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº. 3.209, DE 18 DE SETEMBRO DE 2007. DECRETO Nº. 3.209, DE 18 DE SETEMBRO DE 2007. Dispõe sobre os requisitos e funcionamento das piscinas, balneários, parques aquáticos, locais de banhos ou similares de uso coletivo e/ou particular no município

Leia mais

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) DADOS DA INSPEÇÃO Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS

A CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E DOS CONCEITOS NORMATIVOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BARRA LEI Nº. 209/12, DE 04 DE ABRIL DE 2012. INSTITUI O PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E VENCIMENTOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO

Leia mais

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br DOC-SP de 22/01/2008 (nº 14, pág. 1) DECRETO Nº 49.148, DE 21 DE JANEIRO DE 2008 Regulamenta a Lei nº 14.459, de 3 de julho de 2007, que acrescenta o item 9.3.5. à Seção 9.3 - Instalações Prediais do Anexo

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 06/99

PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 06/99 RESOLUÇÃO Nº 06/99 Fixa normas para educação infantil no Sistema Municipal de Ensino do Município de Vitória O DE VITÓRIA (ES) no uso de suas atribuições legais, RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Leia mais

Vestiários - Obrigatoriedade ( armários individuais - separação de sexos )

Vestiários - Obrigatoriedade ( armários individuais - separação de sexos ) Vestiários - Obrigatoriedade ( armários individuais - separação de sexos ) ONDE: Estabelecimentos industriais Se exige troca de roupa; Seja imposto o uso de uniforme ou guarda-pó. A localização do vestiário,

Leia mais

DECRETO Nº 8.204, DE 13 DE JULHO DE 2007

DECRETO Nº 8.204, DE 13 DE JULHO DE 2007 DECRETO Nº 8.204, DE 13 DE JULHO DE 2007 Aprova Norma Técnica Especial que regulamenta o funcionamento de Instituições de Longa permanência destinadas a idosos no Município do Natal. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

PROVIMENTO Nº 001/2010-MP/PGJ/CGMP, DE 22DE ABRILDE2010

PROVIMENTO Nº 001/2010-MP/PGJ/CGMP, DE 22DE ABRILDE2010 PROVIMENTO Nº 001/2010-MP/PGJ/CGMP, DE 22DE ABRILDE2010 Dispõe sobre os instrumentos de controle de atuação funcional quanto à fiscalização periódica de entidades destinadas ao acolhimento de crianças,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VENÂNCIO AIRES-RS PARECER Nº 11/2004 APROVADO EM: 15/12/2004 I- ASSUNTO: Solicitação de autorização de funcionamento da Escola de Educação Infantil Meu Cantinho, situada

Leia mais

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 6559 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DO IDOSO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4

ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4 ÍNDICE CAPÍTULO I...4 DAS DISPOSOÇÕES GERAIS...4 CAPÍTULO II...4 DO PROJETO...4 CAPÍTULO III...6 DA APROVAÇÃO DO PROJETO E DO ALVARÁ DA CONSTRUÇÃO...6 CAPÍTULO IV...6 DA EXECUÇÃO DA OBRA...6 CAPÍTULO V...7

Leia mais

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira, 27 de janeiro de 2012 Circular 051/2012 São Paulo, 27 de Janeiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REDEFINIÇÃO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS 24H Diário Oficial da União Nº 20, Seção 1, sexta-feira,

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária Página Inicial Pesquisa Avançada Publicações de Hoje Glossário Ajuda título: Portaria nº 321, de 26 de maio de 1988 ementa não oficial: Aprova as normas e os padrões

Leia mais

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

NPT 002 ADAPTAÇÃO ÀS NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EDIFICAÇÕES EXISTENTES E ANTIGAS. Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas Outubro 2014 Vigência: 08 outubro 2014 NPT 002 Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes e antigas CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 03 Norma de Procedimento Técnico 8 páginas

Leia mais

ORIENTAÇÕES TECNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETONICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA SAMU-192

ORIENTAÇÕES TECNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETONICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA SAMU-192 ORIENTAÇÕES TECNICAS PARA O PLANEJAMENTO ARQUITETONICO DE UMA CENTRAL DE REGULAÇÃO MÉDICA DE URGÊNCIA SAMU-192 (Portaria MS/GM nº. 2.970, 08 de dezembro de 2008) Estas orientações não eximem a obrigatoriedade

Leia mais

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Resolução nº 485 do MPS

Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br. Resolução nº 485 do MPS Portal Nacional de Direito do Trabalho www.pndt.com.br Resolução nº 485 do MPS MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DOU de 09/07/2015 (nº 129, Seção 1, pág. 52) RESOLUÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 689/2013 GIRUÁ/RS, 19 DE AGOSTO DE 2013.

DECRETO Nº 689/2013 GIRUÁ/RS, 19 DE AGOSTO DE 2013. DECRETO Nº 689/2013 GIRUÁ/RS, 19 DE AGOSTO DE 2013. DISPÕE SOBRE O REGIMENTO INTERNO DO ABRIGO PROVISÓRIO ACONCHEGO DE GIRUÁ/RS ÂNGELO FABIAM DUARTE THOMAS, Prefeito Municipal de Giruá, Estado do Rio Grande

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 121, DE 25 DE JANEIRO DE 2012 Institui a Unidade de Acolhimento para pessoas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 25 DE MAIO DE 2015

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 25 DE MAIO DE 2015 SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 25 DE MAIO DE 2015 Regulamenta os requisitos mínimos dos programas de residência médica em Medicina Geral de Família e Comunidade - R1 e R2 e dá outras

Leia mais

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991

Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Lei n 1.687/91 De 27 de março de 1991 Regulamenta o Art. 16 da Lei Orgânica, que diz respeito à garantia de acesso adequado aos portadores de deficiência física ou mental aos bens e serviços coletivos,

Leia mais

LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997

LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997 LEI N 2529 DE 17 SE SETEMBRO DE 1997 REGULAMENTA A INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE POSTOS DE ABASTECIMENTO E SERVIÇOS DE VEÍCULOS NO MUNICÍPIO DE ARACAJU E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 11.1 do Anexo 11 PLANO FUNCIONAL DE ESPAÇOS E RELAÇÕES FUNCIONAIS

ANEXO DO CONTRATO. Apêndice 11.1 do Anexo 11 PLANO FUNCIONAL DE ESPAÇOS E RELAÇÕES FUNCIONAIS ANEXO DO CONTRATO Apêndice 11.1 do Anexo 11 PLANO FUNCIONAL DE ESPAÇOS E RELAÇÕES FUNCIONAIS Dezembro - 2013 Apêndice 11.1 do Anexo 11 Plano funcional de espaços e relações funcionais Índice 1 Introdução...

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº 101/2014 Dispõe sobre a Regulamentação para registro e funcionamento de Meios de Hospedagem no Município de Foz do Iguaçu, exceto Hotéis, Flats, Apart-Hotéis, Hotéis-Residência e Similares.

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 190, DE 28 DE MAIO DE 2008.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 190, DE 28 DE MAIO DE 2008. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 190, DE 28 DE MAIO DE 2008. Estabelece procedimentos relativos à concessão de bolsas de pesquisa para o Programa de Pesquisa para o Desenvolvimento

Leia mais

DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009.

DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009. DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 593, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009. Aprova a redefinição das normas de organização e normas de atendimento da Rede de Atenção à Saúde da Pessoa com Deficiência Mental e Autismo do

Leia mais

NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS

NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS NR - 18 - APLICADA EM CANTEIROS DE OBRAS ELVIO LUIZ LORIERI DIR. CANTEIRO DE OBRAS DA ALEC. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS WWW.ALEC.ORG.BR PARA IMPLANTAÇÃO DE UM CANTEIRO DE OBRA, DEVEMOS

Leia mais

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel

SUMÁRIO. Elaboração Revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Maturino Rabello Jr Marco Antônio W. Rocha Carmen T. Fantinel SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 3.1 Hidrômetro...2 3.2 A.R.T...2 3.3 Ramal predial de água...2 4. Procedimentos e Responsabilidades...3 4.1 Generalidades...3

Leia mais

Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde

Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde - ANVISA Gerência de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES Boas Práticas de Funcionamento em Serviços de Saúde Resolução ANVISA RDC nº. 63 de 25 de novembro de 2011 IV SEMINÁRIO DE PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando:

RESOLUÇÃO CD 28/2009. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SETREM, no uso de suas atribuições legais e regimentais, considerando: RESOLUÇÃO CD 28/2009 - DEFINE O REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO CLÍNICA-ESCOLA DE PSICOLOGIA DA FACULDADE TRÊS DE MAIO - SERCEPS, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O CONSELHO DEPARTAMENTAL DA FACULDADE TRÊS DE MAIO

Leia mais

Art. 6º - As edificações residenciais, segundo o tipo de utilização de suas unidades, poderão ser privativas ou coletivas.

Art. 6º - As edificações residenciais, segundo o tipo de utilização de suas unidades, poderão ser privativas ou coletivas. Código de Obras - REGULAMENTO DE CONSTRUÇÕES E EDIFICAÇÕES CAPÍTULO I CONCEITOS GERAIS Art. 1º - Para efeito de aplicação das normas deste Regulamento, uma edificação é caracterizada pela existência do

Leia mais

ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições legais e,

ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições legais e, ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMG N Nº 669 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições

Leia mais

DECRETO Nº 12.009, DE 30 DE MARÇO DE 2005

DECRETO Nº 12.009, DE 30 DE MARÇO DE 2005 DECRETO Nº 12.009, DE 30 DE MARÇO DE 2005 Regulamenta a Lei 9.048 de 14 de janeiro de 2005, que "Autoriza a outorga de concessão ou permissão de serviço crematório nos casos que menciona e dá outras providências".

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO

LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO Nome do estádio: Apelido do estádio: Endereço completo do estádio: Cidade: Estado: Site: Proprietário: E-mail: Gestor do estádio:

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo)

LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Publicado no DODF Nº 20, terça-feira, 29 de janeiro de 2008, pág. 2 a 4. LEI COMPLEMENTAR Nº 755, DE 28 DE JANEIRO DE 2008. (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Define critérios para ocupação de área

Leia mais

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre:

Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Lei n.º 346/2014. Iracema-RR, em 12 de Maio de 2014. Que dispõe sobre: Estabelece o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração dos Profissionais da Educação Básica do Município de Iracema e dá outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA

CAPÍTULO I O Sistema Estadual de Vigilância Sanitária SEVISA e o Sistema de Informações em Vigilância Sanitária - SIVISA PORTARIA CVS Nº 01, de 22 de janeiro 2007 Dispõe sobre o Sistema Estadual de Vigilância Sanitária (SEVISA), define o Cadastro Estadual de Vigilância Sanitária (CEVS) e os procedimentos administrativos

Leia mais

CONSIDERANDO o disposto nos arts. 20, inciso II, 22, inciso III, e 24, inciso IV, da Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001; e

CONSIDERANDO o disposto nos arts. 20, inciso II, 22, inciso III, e 24, inciso IV, da Lei nº 10.233, de 5 de junho de 2001; e Dispõe sobre procedimentos a serem observados na aplicação do Estatuto do Idoso no âmbito dos serviços de transporte rodoviário interestadual de passageiros, e dá outras providências. A Diretoria da Agência

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

DECRETO Nº. 8.553, DE 2 DE OUTUBRO DE 2008.**

DECRETO Nº. 8.553, DE 2 DE OUTUBRO DE 2008.** DECRETO Nº. 8.553, DE 2 DE OUTUBRO DE 2008.** Aprova Norma Técnica Especial que regulamenta o funcionamento de Instituições de Longa permanência destinadas a no Município do Natal. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais

Nota Introdutória. Capítulo I Disposições Gerais Nota Introdutória De acordo com o Decreto-Lei n.º 167/97, de 4 de Julho, com as alterações introduzidas pelo Decreto- Lei n.º 305/99, de 6 de Agosto e pelo Decreto-Lei n.º 55/2002, de 11 de Março, que

Leia mais

ATO DELIBERATIVO N. 33

ATO DELIBERATIVO N. 33 ATO DELIBERATIVO N. 33 De 13 de agosto de 2001. Dispõe sobre normas para internação psiquiátrica e atendimento psiquiátrico em hospital-dia. O Conselho deliberativo do PRÓ-SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA

JOSÉ SERRA ANEXO NORMAS PARA CADASTRAMENTO CENTROS DE REFERÊNCIA EM CIRURGIA VASCULAR INTRALUMINAL EXTRACARDÍACA Portaria GM/MS nº de abril de 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a alta incidência de doenças cardiovasculares na população brasileira, o que se constitui

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 1.254 DE 25 DE JULHO DE 2014.

LEI COMPLEMENTAR Nº. 1.254 DE 25 DE JULHO DE 2014. LEI COMPLEMENTAR Nº. 1.254 DE 25 DE JULHO DE 2014. ALTERA DISPOSITIVOS DA LEI 1028/2008 QUE DISPÕE SOBRE O PARCELAMENTO DO SOLO URBANO DO MUNICÍPIO DE SERRA AZUL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MARIA SALETE

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA

AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA AULA 1: ORGANIZAÇÃO E PLANEJAMENTO NA EMERGÊNCIA 1- INTRODUÇÃO Quando uma pessoa sofre agravo agudo à saúde, deve ser acolhido em serviço do SUS mais próximo de sua ocorrência, seja numa Unidade de Saúde

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010 TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 08/2010 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br ESTADO DE SÃO PAULO DECRETO Nº 56.819, DE 10 DE MARÇO DE 2011. Institui o Regulamento de Segurança contra Incêndio das edificações e áreas de risco no Estado de São Paulo e estabelece outras providências.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇAO ESCRITÓRIO DE PROJETOS E OBRAS Anexo XIII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO Obra: Edifício

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DE PERNAMBUCO Resolução nº 004, de 25 de março de 2015 Estabelece requisitos a serem observados para obtenção de apoio financeiro ou institucional junto ao CRMV-PE.

Leia mais

Observância da RDC 216-15.09.2004

Observância da RDC 216-15.09.2004 Observância da RDC 216-15.09.2004 4.3.1 A edificação, as instalações, os equipamentos, os móveis e os utensílios devem ser livres de vetores e pragas urbanas. Deve existir um conjunto de ações eficazes

Leia mais

LEI Nº 012/89 CÓDIGO DE OBRAS

LEI Nº 012/89 CÓDIGO DE OBRAS LEI Nº 012/89 CÓDIGO DE OBRAS LEI Nº 012/89. CÓDIGO DE OBRAS A CÂMARA MUNICIPAL de Chapadão do Sul MS aprovou e o PREFEITO MUNICIPAL sancionou a seguinte Lei: Art. 1º - Este Código tem por finalidade disciplinar

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80

RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 RESOLUÇÃO CONAMA nº 334, de 3 de abril de 2003 Publicada no DOU n o 94, de 19 de maio de 2003, Seção 1, páginas 79-80 Dispõe sobre os procedimentos de licenciamento ambiental de estabelecimentos destinados

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS

ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Regulamentação: ORIENTAÇÕES SOBRE VISTORIAS Em Cascavel a vistoria do Corpo de Bombeiros foi regulamentada, pelo convênio entre a Prefeitura Municipal de Cascavel e o Corpo de Bombeiros, através da Lei

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013.

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 14/2013. ESTABELECE NORMAS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE FEIRAS E EVENTOS COMERCIAIS, DE CARÁTER ITINERANTE E (OU) TEMPORÁRIO NO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO EM PLACAR Em / / PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS LEI Nº 1529, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Cria os cargos públicos de Agente Comunitário de Saúde e Agente de Combate às Endemias e institui o Plano

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 14, DE 5 DE ABRIL DE 2011.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 14, DE 5 DE ABRIL DE 2011. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 14, DE 5 DE ABRIL DE 2011.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA

PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) CAPÍTULO I DA CARREIRA PROJETO DE LEI Nº... (Autoria: Poder Executivo) Dispõe sobre a carreira Assistência à Educação do Distrito Federal e dá outras providências CAPÍTULO I DA CARREIRA Art. 1. Carreira Assistência à Educação

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 11 a 15 de Abril de 2016, das 08:00 às 18:00h. 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 21/03/2016

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPLEXO ESPORTIVO DO GRUPO EDUCACIONAL FUTURÃO (CEGEF)

REGULAMENTO DO COMPLEXO ESPORTIVO DO GRUPO EDUCACIONAL FUTURÃO (CEGEF) 1 REGULAMENTO DO COMPLEXO ESPORTIVO DO GRUPO EDUCACIONAL FUTURÃO (CEGEF) ARARANGUÁ/SC - BRASIL JANEIRO/2015 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I 3 DAS DEPENDÊNCIAS DO COMPLEXO ESPORTIVO DO GRUPO EDUCACIONAL FUTURÃO 3

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N. 02/2015

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO N. 02/2015 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO Praça 7 de setembro, s/n, Cidade Alta Natal/RN Fone: (84) 3616.6200 website: www.tjrn.jus.br E-mail: contratos@tjrn.jus.br

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO

NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO Portaria nº 0021/SES 04/01/1996 Dispõe sobre normas e técnicas para funcionamento de empresas de Desinsetização e Desratização.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. NR 18-Construção Civil-Alterações VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NR 18-Construção Civil-Alterações Orientador Empresarial PORTARIA SIT nº 201/2011: 24.01.2011, com

Leia mais

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012

Atos Administrativos. PREFEITURA DE JACOBINA/BA www.sitiosoficiais.org/ba/prefeitura/jacobina JACOBINA, BAHIA SEGUNDA-FEIRA 28 DE MAIO DE 2012 2 Atos Administrativos 3 Condicionantes Comprar madeira devidamente legalizada, e com Certificação Ambiental; Nas operações de corte de madeira, utilizardispositivo empurrador e guia de alinhamento; Devido

Leia mais