LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO."

Transcrição

1 18 TARDE MARÇO / 2010 CONHECMENTOS OS ESPECÍFCOS 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEA ATENTAMENTE AS NSTRUÇÕES ABAXO. a) este caderno, com os enunciados das 70 questões objetivas, sem repetição ou falha, com a seguinte distribuição: CONHECMENTOS ESPECÍFCOS Questões 1 a a 20 Pontos 0,5 1,0 Questões 21 a a 40 Pontos 1,5 2,0 Questões 41 a a 60 Pontos 2,5 3,0 Questões 61 a 70 - Pontos 3,5 - b) 1 CARTÃO-RESPOSTA destinado às respostas às questões objetivas formuladas nas provas Verifique se este material está em ordem e se o seu nome e número de inscrição conferem com os que aparecem no CARTÃO- RESPOSTA. Caso contrário, notifique MEDATAMENTE o fiscal Após a conferência, o candidato deverá assinar no espaço próprio do CARTÃO-RESPOSTA, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta No CARTÃO-RESPOSTA, a marcação das letras correspondentes às respostas certas deve ser feita cobrindo a letra e preenchendo todo o espaço compreendido pelos círculos, a caneta esferográfica transparente de tinta na cor preta, de forma contínua e densa. A LETORA ÓTCA é sensível a marcas escuras; portanto, preencha os campos de marcação completamente, sem deixar claros. Exemplo: A C D E 05 - Tenha muito cuidado com o CARTÃO-RESPOSTA, para não o DOBRAR, AMASSAR ou MANCHAR. O CARTÃO-RESPOSTA SOMENTE poderá ser substituído caso esteja danificado em suas margens superior ou inferior - BARRA DE RECONHECMENTO PARA LETURA ÓTCA Para cada uma das questões objetivas, são apresentadas 5 alternativas classificadas com as letras (A), (B), (C), (D) e (E); só uma responde adequadamente ao quesito proposto. Você só deve assinalar UMA RESPOSTA: a marcação em mais de uma alternativa anula a questão, MESMO QUE UMA DAS RESPOSTAS ESTEJA CORRETA As questões objetivas são identificadas pelo número que se situa acima de seu enunciado SERÁ ELMNADO do Processo Seletivo Público o candidato que: a) se utilizar, durante a realização das provas, de máquinas e/ou relógios de calcular, bem como de rádios gravadores, headphones, telefones celulares ou fontes de consulta de qualquer espécie; b) se ausentar da sala em que se realizam as provas levando consigo o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA; c) se recusar a entregar o Caderno de Questões e/ou o CARTÃO-RESPOSTA quando terminar o tempo estabelecido Reserve os 30 (trinta) minutos finais para marcar seu CARTÃO-RESPOSTA. Os rascunhos e as marcações assinaladas no Caderno de Questões NÃO SERÃO LEVADOS EM CONTA Quando terminar, entregue ao fiscal O CADERNO DE QUESTÕES E O CARTÃO-RESPOSTA e ASSNE A LSTA DE PRESENÇA. Obs. O candidato só poderá se ausentar do recinto das provas após 1 (uma) hora contada a partir do efetivo início das mesmas. Por motivos de segurança, o candidato NÃO PODERÁ LEVAR O CADERNO DE QUESTÕES, a qualquer momento O TEMPO DSPONÍVEL PARA ESTAS PROVAS DE QUESTÕES OBJETVAS É DE 4 (QUATRO) HORAS, findo o qual o candidato deverá, obrigatoriamente, entregar o CARTÃO-RESPOSTA As questões e os gabaritos das Provas Objetivas serão divulgados no primeiro dia útil após a realização das mesmas, no endereço eletrônico da FUNDAÇÃO CESGRANRO (http://www.cesgranrio.org.br).

2 RASCUNHO 2

3 CONHECMENTOS ESPECÍFCOS 1 Considere um enlace de comunicações no espaço livre. A potência recebida pela antena receptora isotrópica, na frequência de 100 MHz e com distância de 2 km da antena transmissora isotrópica, é de 2 dbw. Altera-se a frequência do enlace para 400 MHz e a distância entre as antenas isotrópicas para 1 km, mantendo-se a mesma potência de transmissão e as condições de espaço livre. A nova potência, em dbm, na antena receptora do sistema, será (A) -34 (B) -31 (C) 26 (D) 29 (E) 38 2 Um engenheiro deve analisar um enlace de comunicações entre duas refinarias. Para estimar a perda por obstrução no sinal transmitido, utiliza o conceito de Zonas de Fresnel. Com relação às Zonas de Fresnel, sabe-se que (A) na primeira zona estão contidos os sinais que apresentam, na recepção, uma diferença de fase entre rad e 1,5 π rad, em relação ao sinal do raio direto. (B) na segunda zona estão contidos os sinais que irão contribuir na recepção de forma construtiva, em relação ao sinal proveniente do raio direto. (C) os sinais oriundos de duas zonas de ordem par tendem a se anular na recepção. (D) a área da zona de ordem (n + 1) é a metade da área da zona de ordem n, com n 1. (E) a potência do sinal recebido na condição de espaço livre seria menor que a potência daquele que seria recebido, caso fosse possível obstruir apenas as zonas de ordem par. 3 No dimensionamento de um enlace de comunicações, são levadas em conta diversas parcelas que podem provocar atenuação no sinal transmitido. Com relação aos dimensionamentos de sistemas de comunicações na faixa de VHF, pode ser sempre desprezada a atenuação (A) em espaço livre. (B) por chuva. (C) por difração. (D) por desalinhamento das antenas. (E) por perdas em cabos e conexões. 4 Deseja-se implementar um sistema de transmissão digital com taxa de transmissão de 9600 bits por segundo em um canal com faixa disponível de 4 khz. O esquema de modulação digital que, operando em condições ótimas, atende ao sistema a ser implementado sem que haja distorção do sinal transmitido é o (A) PSK-8 (B) FSK-8 (C) PSK-4 (D) FSK-2 (E) PSK-2 5 Sistemas de transmissão digital que utilizam canais de radiopropagação apresentam, em muitos casos, elevados valores de BER (Bit Error Rate ou Taxas de Erro de Bit). Para reduzir os valores de BER nesses sistemas, emprega(m)-se, normalmente, (A) codificadores/decodificadores de canal. (B) modulação digital com recepção coerente. (C) moduladores com elevada eficiência espectral. (D) antenas diretivas. (E) amplificadores push-pull. 6 Um sistema de transmissão digital está sujeito a períodos de desvanecimento do sinal transmitido, provocando erros em surto (ou rajada de erros) da informação decodificada. Para atenuar este efeito nocivo à transmissão, deve(m) ser utilizado(s), no sistema de transmissão digital, (A) entrelaçador/desentrelaçador (interleaver/deinterleaver). (B) esquemas de modulação com alta eficiência espectral. (C) codificadores convolucionais. (D) codificadores de Hamming. (E) codificadores diferenciais. 7 Com relação à tecnologia CWDM (Coarse Wavelenght Division Multiplexing), definida pela União nternacional de Telecomunicações (UT), considere as afirmativas a seguir. - A multiplexação CWDM só pode ser implementada em dois canais, através de dispositivos passivos, possibilitando apenas a duplicação da transmissão em uma fibra óptica. - A multiplexação CWDM apresenta um espaçamento entre canais de 20 nm. - A multiplexação CWDM não pode ser implementada através de portadoras ópticas com comprimento de onda entre 1470 nm e 1610 nm. É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (A). (B). (C). (D) e. (E) e. 3

4 8 H 100 m 310 m 3km 1km (A figura não está em escala) O enlace da figura acima opera em radiovisibilidade, na frequência de 250 MHz. No projeto desse enlace, a Terra foi considerada como plana. A folga entre a linha de visada das antenas e o topo de qualquer obstáculo do terreno deve ser maior do que 50% do raio da primeira Zona de Fresnel. A altura H mínima, em m, é (A) 300 (B) 360 (C) 400 (D) 420 (E) FONTE BNÁRA MODULADOR BPSK f(x) + Ruído 1 1/2 + Ruído 2 Z DETECTOR LMAR= x A figura acima mostra o diagrama de blocos de um sistema de transmissão em banda base que emprega um modulador BPSK, cujos símbolos transmitidos são A e A, de acordo com o bit gerado pela fonte. A fonte gera bits independentes e igualmente prováveis. O sinal Z na entrada do detector é igual ao sinal transmitido mais as parcelas de ruído. A figura mostra duas fontes de ruído, que geram ruídos brancos estatisticamente independentes e com a mesma função densidade de probabilidade f(x). O detector compara a observação ruidosa Z com o valor zero para detectar o bit transmitido. O menor valor de A, para que a probabilidade de erro de bit seja menor ou igual a 0,02, é (A) 1,0 (B) 1,4 (C) 1,6 (D) 1,8 (E) 2,0 4

5 10 nterface de rede do usuário ( User Network nterface - UN) nterface de rede de usuário ( User Network nterface - UN) Rede Metro Ethernet ( Metro Ethernet Network - MEN) Equipamento do cliente ( Customer Equipment - CE) Equipamento do cliente ( Customer Equipment - CE) A ilustração acima apresenta o esquema básico do serviço de uma rede MetroEthernet. O provedor dessa rede provê o serviço ao cliente. O cliente (CE) é conectado a MEN através da interface de rede do usuário (UN). A associação entre duas ou mais UN é realizada através de uma Conexão Ethernet Virtual (Ethernet Virtual Connection EVC). Com base nesses dados, conclui-se que a(o) (A) transferência de quadros Ethernet entre clientes que não fazem parte da mesma EVC é possível. (B) conexão do cliente com a rede MEN é feita sempre através de uma interface Ethernet. (C) conexão multiponto disponibiliza apenas serviços sem garantia de desempenho (best effort). (D) EVC permite apenas conexões multiponto entre as UN, não sendo possível a configuração de uma rede ponto-aponto. (E) provedor da MEN fornece os serviços de rede estritamente por meio das tecnologias SDH ou SONET. 11 A estação CHARLE está no raio de alcance da estação BETA, mas fora do raio de alcance da estação ALFA. Com base no protocolo de acesso ao meio (MAC) no modo distribuído (DCF- Distributed Coordination Function) do padrão EEE , considere os dados abaixo. - A estação ALFA transmite dados para a estação BETA, enviando, inicialmente, um quadro de controle, a fim de solicitar permissão para enviar o quadro de dados. A estação BETA recebe essa solicitação e decide conceder a permissão, enviando de volta, para a estação ALFA, um quadro de controle. - Após a recepção do quadro de controle, a estação ALFA envia seu quadro de dados. Por fim, a estação BETA enviará um quadro de controle, após receber de forma correta os quadros de dados enviados pela estação ALFA, dentro de um espaçamento de tempo. - A estação CHARLE não consegue receber o quadro de controle enviado da estação ALFA para a BETA, porém recebe o quadro de controle enviado da estação BETA para a ALFA. Ao detectar esse quadro, a estação CHARLE consegue determinar o tempo que irá durar a transmissão na qual a estação BETA está participando, carregando essa informação em um contador interno o qual impede que ela possa utilizar o canal durante esta transmissão. O quadro de controle enviado pela estação BETA em, o espaçamento de tempo utilizado pela estação BETA em e o contador interno mencionado em são, respectivamente: CTS (Clear to Send) CTS (Clear to Send) RTS (Request to Send) CTS (Clear to Send) RTS (Request to Send) SFS (Short nterframe Spacing) DFS (DCF Short nterframe Spacing) SFS (Short nterframe Spacing) SFS (Short nterframe Spacing) PFS (PCF nterframe Spacing) NAV (Network Allocation Vector) NAV (Network Allocation Vector) NAV (Network Allocation Vector) BAV (Backoff Allocation Vector) BAV (Backoff Allocation Vector) (A) (B) (C) (D) (E) 5

6 12 O transmissor X envia informações para o receptor Y utilizando um dos seguintes canais: A, B ou C. Os canais A, B e C são independentes, possuem a mesma largura de banda e empregam as modulações BPSK, 16-QAM e 64-QAM, nessa ordem. ndependente do canal empregado, as informações são enviadas em blocos de mesma quantidade de símbolos. Sabendo-se que um levantamento estatístico revelou que 30% dos pacotes são transmitidos pelo canal A, 50% pelo canal B e 20% pelo C, o fluxo de informação de X para Y, expresso em bits por segundo por Hertz, é (A) 1,5 (B) 2,5 (C) 3,5 (D) 4,5 (E) 5,5 13 O aumento da densidade de canais devido à tecnologia DWDM (Dense Wavelenght Divison Multiplexing) foi um dos fatores responsáveis pelo grande impacto na capacidade de transmissão em fibras ópticas. Afirma-se que essa tecnologia (A) possui um grande espaçamento entre as portadoras ópticas, apresentando menos sensibilidade em relação à dispersão de frequência do que o CWDM (Coarse Wavelenght Division Multiplexing). (B) apresenta a possibilidade de ser implementada com espaçamentos entre as portadoras ópticas menores do que 100 GHz, de acordo com a União nternacional de Telecomunicações (UT). (C) permite a multiplexação de diferentes formatos de sinais simultaneamente na mesma fibra óptica, embora não permita a multiplexação simultânea de diferentes taxas de transmissão. (D) pode ser implementada somente através de fibras óticas multimodo. (E) tem na dispersão polar um fator que degrada a relação sinal-ruído, em um sistema DWDM. 14 O SDH é uma rede síncrona de transporte de sinais, onde a informação está organizada em uma estrutura básica de transporte denominada Módulo de Transporte Síncrono (STM). O STM-N, onde N representa seu nível, apresenta um(a) (A) tempo de transmissão do módulo dependente do valor de N. (B) número de linhas independente do valor de N. (C) taxa de transmissão do módulo independente do valor de N. (D) área destinada ao ponteiro com N linhas e 9 colunas. (E) seção de cabeçalho relacionada à função de regeneração (RSOH), composta por 27 vezes N bits. 15 Em uma rede SDH, é possível a transmissão de sinais plesiócronos. A informação do tributário deve ser colocada dentro de um contêiner. Os contêineres são definidos para diversas taxas de transmissão. No processo de alinhamento de sinais plesiócronos ao contêiner correspondente, a necessidade de um processo de justificação (A) inexiste, pois a taxa de bit do contêiner correspondente é sempre menor do que a taxa do sinal plesiócrono. (B) inexiste, pois a taxa de bit do contêiner correspondente é igual à taxa do sinal plesiócrono. (C) inexiste, pois a taxa de bit do contêiner correspondente é maior do que a taxa do sinal plesiócrono. (D) existe, pois a taxa de bit do contêiner correspondente é maior do que a taxa do sinal plesiócrono. (E) existe, pois a taxa de bit do contêiner correspondente é sempre menor do que a taxa do sinal plesiócrono. 16 Devido à complexidade relacionada ao ambiente sem fio, a pilha de protocolos do padrão EEE é diferente de uma rede local cabeada. O padrão EEE (A) não apresenta a subcamada de controle de enlace lógico (Logical Link Control - LLC) em sua pilha de protocolos. (B) não utiliza o OFDM como técnica de transmissão em sua camada física. (C) admite um modo de operação que permite a implementação de uma rede ad-hoc, isto é, uma rede sem fio entre as estações sem um ponto de acesso (estação-base). (D) será atualizado nas suas próximas padronizações para que possa atuar nas bandas SM (nstrumentation, Scientific & Medical) não licenciadas. (E) utiliza o protocolo CSMA/CD (Carrier Sense Multiple Access with Collision Detection) para acessar o meio de transmissão, a fim de evitar as possíveis colisões de dados durante a transmissão. 17 Na hierarquia americana T1 de telefonia digital, o quadro TDM (Time Division Multiplex) é formado por 24 canais de 8 bits cada um. Sabendo-se que na digitalização dos sinais se utiliza uma taxa de amostragem de amostras/seg, a duração de um quadro TDM, em s, nessa hierarquia, é (A) (C) (E) 125 (B) (D)

7 18 Na estrutura de multiplexação SDH existe a necessidade de se criar um Grupo de Unidade Administrativa (AUG) antes de se produzir o STM-1 (Modulo de Transporte Síncrono de Nível 1). As Unidades Administrativas (AU) são multiplexadas byte a byte para a criação de um AUG. Sabe-se que o contêiner virtual: VC-12 apresenta 140 bytes; VC-4 apresenta 2349 bytes; VC-3 apresenta 765 bytes. Na estrutura de multiplexação do SDH, um AUG é composto pela multiplexação de (A) um AU-3. (B) um AU-4 ou de três AU-3. (C) três AU-3 e de um AU-4. (D) três VC-12 ou de dois AU4. (E) quatro VC-12 ou de dois AU No padrão SONET (Synchronous Optical Network) de multiplexação de canais telefônicos digitais, a camada física é dividida em 4 subcamadas denominadas fotônica, seção, linha e caminho. Considerando essas subcamadas, analise as afirmativas a seguir. V - A camada fotônica preocupa-se com a especificação das propriedades da luz e da fibra a serem utilizadas. - A camada de seção é processada por todos os equipamentos da rede, incluindo os regeneradores. - Os bits de overhead, associados à camada de linha, são utilizados para roteamento na rede SONET. - A camada de caminho é processada apenas pelos terminais, e os bits de overhead de caminho podem ser utilizados para controle de erro. É(São) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A) e V, apenas. (B) e, apenas. (C), e V, apenas. (D), e V, apenas. (E),, e V. 20 Em relação ao padrão EEE (com visada) operando na faixa de 10 a 66 GHz, publicado pelo EEE em abril de 2002, afirma-se que (A) pode operar tanto no modo TDD (Time Division Duplexing) quanto no modo FDD (Frequency Division Duplexing). (B) utiliza um esquema de modulação adaptativa, isto é, a modulação empregada independe da condição do canal e da distância do usuário a estação base. (C) apresenta largura de canal flexível entre 1,25 e 20 MHz. (D) atende a dispositivos móveis e fixos em seu projeto inicial. (E) não sofre o efeito quanto à atenuação ocasionada pela chuva. 21 Cada uma das características abaixo pode ser associada a uma versão do padrão de rede sem fio EEE Utiliza a faixa de 2,4 GHz. - Utiliza a técnica de dispersão de espectro de sequência direta de alta velocidade (HR-DSSS - High Rate Direct Sequence Spread Spectrum). - Permite, em sua padronização, uma taxa de transmissão de 54 Mbps. A combinação correta entre a característica e a versão do padrão de rede é: (A) a b g (B) b b b (C) a g a (D) g b a (E) b g a 22 O padrão EEE define três diferentes classes de quadros que podem ser transmitidos: dados, controle e gerenciamento. Em relação à estrutura de quadro do padrão EEE , é NCORRETO afirmar que o quadro de (A) controle apresenta um campo, que possui bytes, utilizados para colocar a carga útil a ser transmitida. (B) controle possui um campo, com 4 bits, que representa o sub tipo do quadro. (C) dados apresenta um campo, com 1 bit, que indica se esse quadro se trata ou não de uma retransmissão. (D) dados apresenta um campo, com 2 bytes, que representa o tempo que o quadro e sua confirmação ocuparão o canal. (E) gerenciamento tem um formato semelhante ao quadro de dados, exceto por não possuir um dos campos de endereço. 23 Com relação ao padrão EEE a, considere as características a seguir. - Suporta operação com e sem visada direta entre a estação do usuário e a estação-base. - Suporta tanto a topologia ponto-multiponto quanto em malha (mesh). - Suporta o xdsl como padrão de sua interface aérea. É (São) correta(s) a(s) característica(s) (A), apenas. (B) e, apenas. (C) e, apenas. (D) e, apenas. (E), e. 7

8 24 Ponto de Acesso (PA) EM SSTEMA DE DSTRBUÇÃO (DS) EM EM Ponto de Acesso (PA) BSS BSS ESS A ilustração acima apresenta a arquitetura típica de uma rede sem fio no padrão EEE A identificação de rede (network D), utilizada neste padrão, é composta pela identificação do(a) (A) conjunto básico de serviços (BSS) e identificação da rede de distribuição (DS). (B) conjunto básico de serviços (BSS) e identificação do conjunto estendido de serviço (ESS). (C) Estação Móvel (EM) e identificação do conjunto estendido de serviço (ESS). (D) Estação Móvel (EM) e identificação da rede de distribuição (DS). (E) Estação Móvel (EM) e identificação do conjunto básico de serviços (BSS). 25 As duas formas de alocação de banda, definidas para o padrão EEE , são (A) por conexão e por taxa de bits constante. (B) por estação e por melhor esforço (best effort). (C) por estação e por conexão. (D) por melhor esforço (best effort) e por taxa de bits constante. (E) por taxa de bits constante e por taxa de bits variável. 26 A subcamada da pilha de protocolos do padrão EEE , existente na camada de enlace de dados, responsável por definir a interface para a camada de rede, é denominada (A) Convergência de Serviços Específicos. (B) Convergência e Transmissão. (C) Segurança. (D) Controle de Enlace Lógico. (E) Superior. 27 Para o compartilhamento do meio de transmissão, o padrão de rede local EEE (rede Ethernet) adota o protocolo (A) Aloha (B) Slotted Aloha (C) Token Bus (D) Token Ring (E) CSMA/CD 28 Considere uma rede R1 operando a 1 Gbps ao longo de um cabo de 500 metros de comprimento, sem repetidores intermediários. A velocidade do sinal, nessa rede, é de Km/s. Qual é o tamanho mínimo, em bytes, de um quadro na rede R1? (A) 64 (B) 512 (C) 1000 (D) 1250 (E)

9 29 A capacidade de autonegociação é um requisito fundamental para o funcionamento das redes Gigabit Ethernet utilizando cabos UTP. Nessa perspectiva, afirma-se que (A) da mesma forma que nas redes Fast Ethernet, emprega-se o protocolo Carrier Sense Multiple Access with Colision Detection (CSMA/CD) para acesso ao meio das estações na rede. (B) no padrão 1000BASE-T, os dispositivos de rede devem declarar suas possibilidades de transmissão, como velocidade e modo de transmissão, e escolhem o melhor modo de operação. (C) a capacidade de autonegociação indica que o padrão Gigabit Ethernet estabelece requisitos para provisão de qualidade de serviço (QoS) ao longo da rede, com a disponibilidade da rede e a taxa de perda de pacotes. (D) a capacidade de autonegociação é obrigatória em todos os padrões Gigabit Ethernet que utilizam a fibra óptica como meio de transmissão, como o 1000BASE-SX e o 1000BASE-LX. (E) a capacidade de autonegociação indica que o padrão Gigabit Ethernet estabelece requisitos específicos para correção e detecção de erros, mais eficientes do que os utilizados nas redes Fast Ethernet. 30 Após utilizar um analisador de protocolos (sniffer), foi obtida a seguinte mensagem do protocolo BGP (Border Gateway Protocol): Border Gateway Protocol OPEN Message Marker: 16 bytes Length: 29 bytes Type: OPEN Message (1) Version: 4 My AS: Hold time: 180 BGP identifier: Optional parameters length: 0 bytes A partir desses dados, conclui-se que o(a) (A) campo MY AS apresenta um contador da quantidade de anúncios de roteamento já realizados pela estação emissora. (B) campo MARKER apresenta um valor inteiro que identifica unicamente o emissor. (C) campo HOLD TME especifica um tempo máximo que o receptor deve esperar por uma mensagem do emissor. (D) campo BGP DENTFER identifica a estação remota procurada pelo emissor. (E) estação que recebeu essa mensagem BGP responde enviando uma mensagem de reconhecimento (BGP ACK), antes que possa haver troca de informações de roteamento. 31 Uma rede de computadores recebe o bloco CDR /16. Utilizando o esquema VLSM, foram configuradas: três sub-redes com capacidade para estações, empregando as faixas de P /18, /18 e /18; dezesseis sub-redes para 1000 hosts cada. Assim, a configuração que pode ser empregada, em uma das dezesseis sub-redes de 1000 hosts cada, é (A) /19 (B) /18 (C) /28 (D) /22 (E) /28 32 Um administrador de rede utilizou a ferramenta Wireshark para análise de uma mensagem SNMP (Simple Network Management Protocol). A tabela a seguir exibe um trecho (trace) dessa mensagem. Simple Network Management Protocol Version: 1(0) Community: public PDU Type: GET(0) Request D: 0x20a71b4c Error Status: NO ERROR(0) Error ndex: 0 Object dentifier 1: (SNMPv2-MB:sysContact.0) Value: NULL De acordo com a tabela, (A) a mensagem SNMP apresenta um identificador de versão, o nome da comunidade SNMP e uma unidade de dados de protocolo (PDU). (B) a mensagem GetRequest é transmitida de forma encriptada, sendo que no padrão SNMPv2 são utilizadas chaves de 32, 64 ou 128 bits. (C) as mensagens SNMP são enviadas de forma integral em um único segmento TCP, utilizando as regras básicas da notação ASN.1 (Abstract Syntax Notation One). (D) para envio de mensagens Get, é necessária a inserção de nome de usuário e senha, por questões de segurança, de acordo com o padrão SNMPv2. (E) toda mensagem SNMP para uma entidade de destino deve ser encaminhada através da porta

10 33 O protocolo de gerência de redes Remote Network Monitoring (RMON) foi desenvolvido pela ETF. Ele define uma MB (Management nformation Base), dividida em diversos grupos, para permitir a monitoração e a análise de protocolos em redes de computadores. Uma atividade definida para a MB da primeira versão do RMON (RMON1) é o (A) mapeamento de endereços P em endereços MAC. (B) levantamento do número de bytes e quadros enviados e recebidos para cada estação de trabalho. (C) levantamento das estatísticas de tráfego na camada de rede para cada estação de trabalho. (D) levantamento das estatísticas de tráfego por protocolo de aplicação para cada par de estações fonte-destino. (E) levantamento das estatísticas de tráfego por protocolo de aplicação para cada estação de trabalho. 34 O emprego do protocolo STP (Spanning Tree Protocol), bem como de suas extensões e evoluções (padrões EEE 802.1d e EEE 802.1q), permite o estabelecimento de topologias livres de laços em redes locais com pontes (as bridged LANs). A tabela a seguir exibe um trecho (trace) de um quadro EEE 802.1q em uma rede local virtual (VLAN). Tabela Trecho de um quadro EEE 802.1q 802.1Q Virtual LAN, PR: 0, CF: 0, D: = Priority: = CF: = D: 32 Type: P (0x0800) A partir da análise do trace descrito na Tabela, conclui-se que o (A) campo CF é utilizado para promover a diferenciação de tráfego, indicando fluxos de dados com prioridade (campo CF = 1) ou não (campo CF = 0). (B) campo PRORTY: 0 indica que aspectos de provisão de qualidade de serviço (QoS) fogem ao escopo do padrão, sendo definidas nos protocolos de camadas superiores. (C) campo D identifica, de forma unívoca, a VLAN à qual o quadro pertence, podendo assumir valores entre 0 e (D) campo TYPE: P indica que o padrão EEE 802.1q descreve a operação de pontes (bridges) na camada de rede para suporte a redes locais virtuais. (E) padrão EEE 802.1q permite que múltiplas redes locais virtuais (VLAN) utilizem de forma transparente o mesmo meio físico, sem perda ou mistura de informações entre si, o que é implementado de forma simples, por meio do encapsulamento do quadro Ethernet original, acrescentando somente um identificador de VLAN. 35 A tecnologia Power over Ethernet (PoE, definida no padrão EEE 802.3af) permite a transmissão segura de energia elétrica empregando cabeamento UTP categoria 5 ou superior. Uma instalação típica desta tecnologia é mostrada na figura a seguir. Considerando instalações típicas de sistemas empregando a tecnologia PoE, afirma-se que (A) o surgimento dos equipamentos de fornecimento de energia (PSE Power Supply Equipments) impossibilitou a manutenção de antigos hubs ou switches para se utilizar a tecnologia PoE. (B) o fornecimento de energia empregando cabos UTP implica uma redução no comprimento máximo dos segmentos de rede para, por exemplo, 50 metros em cabeamento UTP categoria 5. (C) os PSE podem ser posicionados em dois lugares diferentes na rede: dentro dos DTE (Data Terminal Equipments), como hubs e switches, e no meio do segmento de rede, posicionado entre o DTE e o dispositivo que vai receber a energia. (D) os dispositivos energizados (PD Powered Devices) são classificados de acordo com o nível de tensão requerido dos PSE. (E) a potência média de entrada nos PD varia de 12 a 100 W, permitindo a alimentação não só de câmeras e telefones P, mas também como fonte de energia para notebooks. 36 A sequência correta de operações básicas para a conversão analógico-digital em um sistema de telefonia digital é iniciada por Captação (microfone), seguida de (A) Quantização, Codificação, Equalização e Amostragem. (B) Filtragem (Passa-Baixas), Codificação, Equalização e Quantização. (C) Filtragem (Passa-Baixas), Amostragem, Quantização e Codificação. (D) Amostragem, Codificação, Quantização e Filtragem. (E) Amostragem, Equalização, Codificação e Quantização. 10

11 37 T(E) N 39 A respeito da Recomendação H.323, que apresenta um modelo para telefonia na nternet, analise as afirmativas abaixo. A Recomendação H.323 prevê a utilização de um gateway para a interligação da rede telefônica tradicional, baseada em comutação de circuitos com a nternet, que emprega a comutação de pacotes. Todos os sistemas que implementam a Recomendação H.323 são obrigados a oferecer o suporte à codificação de áudio G.711. Os protocolos RTP (Real Time Protocol) e RTCP (Real Time Control Protocol) são utilizados, respectivamente, para transmissão e para controle dos fluxos de mídia, por exemplo, em uma videoconferência H.323. Uma empresa possui 100 funcionários que realizam, em média, no período de maior movimento, uma chamada externa a cada 40 minutos, com duração média de 6 minutos em cada chamada. O gráfico acima apresenta o tráfego suportado em Erlangs ( T(E) ) versus o número de canais disponíveis (N) para uma probabilidade de bloqueio (P B ) de 5%. O menor número de troncos telefônicos de saída que a empresa deve possuir para que P B seja menor ou igual a 5% é (A) 10 (B) 20 (C) 25 (D) 35 (E) O tipo de sinalização normalmente utilizado entre o assinante de uma rede telefônica e a sua central telefônica é (A) sinalização acústica. (B) sinalização de linha. (C) sinalização entre registradores. (D) sinalização ao longo de rotas interurbanas. (E) Channel Associated Signaling (CAS). É(São) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A), apenas. (B), apenas. (C) e, apenas. (D) e, apenas. (E), e. 40 Os fluxos de dados de aplicações multimídia como rádio e telefonia via nternet, videoconferência e vídeo-sob-demanda, são transferidos por intermédio do Protocolo de Transporte em Tempo Real (RTP Real Time Protocol) e do Protocolo de Controle de Transporte em Tempo Real (RTCP Real Time Control Protocol), que funcionam de forma integrada. O protocolo RTP (A) realiza, no receptor, a reserva de recursos (capacidade de processamento, memória, etc.) para a correta recepção de um fluxo de, por exemplo, vídeo. (B) realiza o sincronismo das mídias transmitidas por meio de um campo para o transporte de informações de temporização (timestamping). (C) impede a multiplexação de vários fluxos de dados de tempo real em um único fluxo de pacotes UDP. (D) desempenha tarefas relacionadas com a camada de Transporte, embora esteja implementado na camada de Aplicações. (E) apresenta mecanismos para controle de fluxo, para controle de erros, de reconhecimento e de recepção (acknowledgment), bem como para o pedido de retransmissões. 11

12 BT EXTRA BT EXTRA Um sistema hipotético de transmissão digital de voz utiliza um PCM de 16 canais, conforme ilustrado na figura acima. Nesse sistema, os sinais de voz passam por um filtro passa-baixas com 4 khz de largura de banda, são amostrados na taxa de Nyquist e quantizados com 8 bits. Sabendo-se que o quadro do referido sistema contém bits extras, além dos bits de informação, a taxa de transmissão desse quadro, em kbps, é (A) 520 (B) 584 (C) 1000 (D) 1040 (E) Comparando-se a telefonia baseada em comutação de circuitos (a telefonia tradicional, antes conhecida como telefonia pública) com a telefonia baseada em comutação de pacotes (ou telefonia sobre P), verifica-se que (A) o custo de uma ligação na telefonia comutada tende a ser menor que o na telefonia sobre P, uma vez que, nesta última, a conversação terá maior duração, em função do maior tempo de retardo. (B) a interligação entre redes dos dois tipos de telefonia é possível, bastando apenas a utilização de um gateway para as conversões necessárias entre as correspondentes codificações de áudio. (C) uma desvantagem da telefonia por comutação de circuitos é a variabilidade do retardo de transferência, enquanto que na telefonia sobre P esse retardo pode ser constante. (D) uma vantagem da telefonia por comutação de circuitos é a garantia da entrega das informações, considerando a inexistência de problemas nos meios físicos de transmissão, enquanto que na telefonia por pacotes essa garantia não ocorre. (E) na telefonia P, um circuito é reservado durante todo o tempo da comunicação, tornando-a ineficiente, tanto no caso da transmissão de voz como no de dados, uma vez que podem ocorrer grandes intervalos de tempo sem transmissões. 43 A respeito do Protocolo de nício de Sessão (SP Session nitiation Protocol), considere as afirmativas a seguir. SP está inserido na camada de Aplicação e se baseia em requisito/ resposta, sendo o HTTP (Hypertext Transfer Protocol) um exemplo desse tipo de protocolo. As funcionalidades disponibilizadas por esse protocolo têm como principal foco a localização de servidores com base em endereços numéricos, em vez da localização de pessoas (ou usuários) com base em nomes. A negociação de parâmetros, como a descrição do formato das mídias (áudio e vídeo), a serem utilizados e o endereço de grupo (multicasting) para o qual os fluxos das mídias serão enviados são outros focos das funcionalidades desse protocolo. É(São) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A), apenas. (B), apenas. (C) e, apenas. (D) e, apenas. (E), e. 12

13 44 A respeito dos requisitos de Qualidade de Serviço para fluxos de mídia, analise as afirmativas a seguir. V O fluxo de áudio de uma conversação telefônica tolera certa perda de dados, porém, não tolera grande retardo e nem grande variação do retardo (jitter). O fluxo de áudio sob demanda como aquele que permite que se escute a programação de uma rádio FM via web, tolera grande retardo, porém não tolera grande variação do retardo. O fluxo de vídeo de uma videoconferência tolera grande retardo e grande variação do retardo. O fluxo de vídeo sob demanda como assistir a uma reportagem via web tolera certa perda e grande retardo. É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (A). (B). (C) e. (D) e V. (E), e V. 45 RP (Routing nformation Protocol), OSPF (Open Shortest Path First) e BGP (Border Gateway Protocol) são os esquemas de roteamento mais utilizados nos roteadores que implementam a nternet. Apesar de serem conhecidos como protocolos de roteamento, na verdade fazem mais do que isso, pois calculam as rotas segundo determinados algoritmos, além de realizar outras tarefas. O roteamento na nternet via OSPF (A) impossibilita que a transmissão de pacotes seja realizada com balanceamento de carga, isto é, com a divisão dos dados que apresentam o mesmo destino, enviando-os por diferentes rotas, através de algum algoritmo. (B) utiliza a técnica vetor-distância (ou distance-vector), na qual um roteador informa a todos os demais roteadores do seu sistema autônomo quais os roteadores que estão diretamente conectados a ele e o correspondente custo. (C) pode ser utilizado no roteamento interno de um sistema autônomo, como GP (nternal Gateway Protocol), e no roteamento externo, como EGP (External Gateway Protocol). (D) disponibiliza funcionalidade para que seja realizado o roteamento com base em tipo de serviços, isto é, de maneira que fluxos de tempo real não possam ser priorizados. (E) tem como base o esquema estado do enlace (ou linkstate), sendo uma evolução em relação ao protocolo RP, que utiliza um esquema vetor-distância (ou distance-vector). 46 O aumento da capacidade de transmissão de dados pela nternet, ou por redes TCP/P privativas, permitiu que aplicações para a transmissão de mídias de áudio e vídeo, como em aulas a distância e em reuniões por intermédio de videoconferência, se tornassem cada vez mais disponíveis. A transmissão dessas mídias é realizada por intermédio do multicasting, basicamente, a partir de uma única fonte para vários destinatários. No multicasting via P, (A) o CMP (nternet Control Message Protocol) é utilizado para a comunicação entre roteadores, no que se refere ao gerenciamento de grupos na transmissão em multicasting. (B) a entrega de pacotes é feita por intermédio de uma árvore geradora (spanning tree), de forma que sejam minimizadas as replicações de pacotes. (C) a classe D de endereçamento P versão 4 é prevista para o endereçamento de grupos e proporciona 24 bits para cada endereço. (D) tanto o protocolo UDP como o protocolo TCP oferecem suporte para a transmissão em multicasting. (E) o gerenciamento manual de grupo é exigido a priori, sendo inseridas as configurações do grupo diretamente nos roteadores e nas estações, antes do início das transmissões. 47 A Qualidade de Serviço em redes está associada à garantia de atendimento de certos níveis de serviço como um determinado percentual máximo de perda de pacotes ou a certos valores limites para o retardo e a variação de retardo em uma transmissão. Na Qualidade de Serviço em redes P, a (A) camada de rede do P versão 4 não possui previsão desta funcionalidade que, quando presente, deverá estar implementada na camada de protocolo abaixo do P. (B) entrega de pacotes sem perdas e com o retardo especificado pelo usuário será garantida, se utilizada a solução conhecida como ntegrated Services. (C) solução de QoS, com base no oferecimento de diferentes classes de serviço pelos roteadores da rede, exige uma sinalização anterior à transmissão, para que seja feita a reserva de banda ao longo da rota que um fluxo utilizará. (D) solução conhecida como Differentiated Services permite a negociação de um retardo máximo para a entrega de pacotes. (E) solução de QoS em P versão 4, conhecida como ntegrated Services, tem como base o fluxo de dados, enquanto a solução Differentiated Services se baseia em classes. 13

14 48 O MPLS (Multiprotocol Label Switching) proporcionou a união das vantagens da comutação por rótulos, oriunda das tecnologias como Frame Relay e ATM, com as vantagens da comutação de pacotes, usada, por exemplo, nas tecnologias Ethernet e TCP/P. A respeito do MPLS, é N- CORRETO afirmar que esse protocolo (A) permite a entrega de fluxos P por rotas predeterminadas. (B) pode ser utilizado em conjunto com outras combinações de protocolos das camadas 2 e 3, apesar de ser comum o seu uso em conjunto com o P. (C) proporciona ganho de tempo no roteamento de pacotes realizado pelo MPLS, em relação ao roteamento realizado pelo P, pois nesse último se realiza uma busca em toda a tabela de rotas, enquanto que no MPLS ocorre uma busca indexada na tabela de rótulos. (D) aceita que um roteador que o está utilizando, nesse caso conhecido por LSR (Label Switching Router), examine o cabeçalho P do pacote para extrair, do mesmo, o rótulo MPLS do fluxo em questão. (E) compreende os roteadores MPLS de borda, aqueles por onde os fluxos ingressam em uma rede, e têm conhecimento de toda a topologia de rede. 49 Em relação a firewalls, analise as afirmativas abaixo. V - Firewalls baseados em filtros de pacotes trabalham, tipicamente, com tabelas que são configuradas pelo administrador da rede e listam não só destinos e origens aceitáveis e que são bloqueados, como também regras sobre o que fazer com os pacotes. - O bloqueio de pacotes de saída é menos eficiente do que o bloqueio de pacotes de entrada, uma vez que as aplicações para as quais se deseja evitar o envio de pacotes a partir da rede defendida podem estar em portas e endereços não convencionais. - O bloqueio dos pacotes de entrada é mais eficiente, uma vez que o administrador pode bloquear as portas e os endereços corretos das aplicações locais. - Um firewall que opera nas aplicações opera mais lentamente do que um firewall que opera com filtro de pacotes, uma vez que, além de consultar os endereços e portas dos pacotes, deve também analisar o conteúdo dos mesmos. Estão corretas as afirmativas (A) e, apenas. (B) e, apenas. (C) e V, apenas. (D), e V, apenas. (E),, e V. 50 Duas das principais razões da ampla aceitação da nternet (ou, na verdade, da arquitetura TCP/P) são a existência de: protocolo P, que é completamente independente dos protocolos de interligação direta entre equipamentos, que são os protocolos da camada de Enlace; esquema de endereçamento independente do endereçamento físico das placas de rede (os endereços MAC). Com relação ao esquema de endereçamento P, tem-se que (A) está em evolução, existindo atualmente dois esquemas em ampla utilização: o esquema da versão 4, com 32 bits em cada endereço, e o esquema da versão 6, com 256 bits para cada endereço. (B) está organizado em 3 classes principais na versão 4: A, B e C, que permitem o endereçamento, respectivamente, de 256 (ou 2 8 ), (ou 2 16 ) e (ou 2 24 ) redes diferentes. (C) possibilita que uma empresa utilize apenas um endereço P de classe C e possa ter, no máximo, 1024 estações, com o emprego do esquema de endereçamento conhecido como NAT (Network Address Translation). (D) possibilita o esquema de endereçamento com base em CDR (Classless nterdomain Routing), que, no entanto, foi abandonado pelos fabricantes de roteadores, tendo caído em desuso, dado o aumento da capacidade de processamento dos roteadores. (E) torna, na prática, os endereços P independentes do esquema formal baseado nas classes A, B e C, quando organizado por sub-redes, sendo que quaisquer quantidades de bits do endereço podem ser utilizadas, tanto como identificadores da rede como identificadores da estação, desde que a quantidade total de bits seja A Lei Geral de Telecomunicações trata das obrigações de universalização, que são (A) de caráter voluntário, sem ocorrerem sanções ou multas quando não cumpridas. (B) objeto de metas periódicas, conforme plano específico elaborado pela Agência Nacional de Telecomunicações. (C) atribuídas a todas as prestadoras de serviço de telecomunicações. (D) as que possibilitam o acesso de qualquer pessoa ou instituição de interesse público a serviço de valor adicionado, independente de localização e condição socioeconômica. (E) as que possibilitam aos usuários a fruição dos serviços de forma ininterrupta, sem paralisações injustificadas e em condições adequadas de uso. 14

15 52 Uma das principais formas de se preservar a segurança de comunicação é o uso de criptografia, evitando que as mensagens trafeguem em claro pela rede. Há, no entanto, uma série de outros problemas a serem considerados, como impedir que uma pessoa negue a autoria de uma mensagem por ela redigida, ou garantir que certa mensagem tenha sido mesmo gerada por quem diz ser seu autor, por exemplo. A respeito da segurança na comunicação de dados, afirma-se que (A) na comunicação criptografada pelo processo de chave pública, após redigir uma mensagem, o remetente a codifica (cifra) com a sua chave pública e, em seguida, a codifica com a chave pública do destinatário que, ao recebê-la, conseguirá decodificá-la e ler o seu conteúdo com a sua chave privada. (B) uma das fraudes impossíveis de serem detectadas com o uso de mecanismo de assinatura digital é a não repudiação, que é o não reconhecimento, pelo autor, da autoria de uma mensagem. (C) esquemas de assinatura digital com base em Digests como o MD5, exigem, obrigatoriamente, que a mensagem original seja criptografada. (D) autenticação é o processo utilizado, normalmente em uma comunicação ou interação em tempo real, para se determinar se um participante é mesmo quem ele alega ser. (E) ao se utilizar o esquema de criptografia com chave pública, uma autoridade certificadora é utilizada quando se necessita descobrir a chave privada de um destinatário de uma mensagem. 53 Sobre o Serviço Limitado Privado (SLP), analise as afirmativas a seguir. - O Serviço Móvel é uma submodalidade do SLP e utiliza sistema de radiocomunicação nas faixas de radiofrequências de 460, 800 e 900 MHz. - A fiscalização do SLP, no que se refere à observância das leis, dos regulamentos, das normas e das obrigações contraídas, é exercida pela ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações). - O SLP pode ser um serviço telefônico, telegráfico, de transmissão de dados ou qualquer outra forma de telecomunicações, destinado ao uso próprio do executante, seja este uma pessoa física ou jurídica. É(São) correta(s) a(s) afirmativa(s) (A), apenas. (B), apenas. (C) e, apenas. (D) e, apenas. (E), e. 54 Ao digitar em um browser, este nome é encaminhado a um módulo de software conhecido como Resolver. A tarefa desse software é enviar, de volta ao browser, o endereço P da estação que armazena o site procurado. Essa descrição se refere ao funcionamento básico do esquema denominado DNS (Domain Name System). Nesse esquema, (A) o sistema de nomes é implementado de forma distribuída e hierárquica em diferentes zonas, sendo que em cada zona estão implementados os processos e as bases de dados que possuem os mapeamentos entre nomes e endereços P daquela zona e das zonas diretamente superiores hierarquicamente. (B) o servidor de nomes de uma zona tem de estar, obrigatoriamente, implementado fisicamente dentro da mesma rede da zona pela qual ele responde, ou seja, não pode estar implementado em uma rede externa. (C) cada zona de nomes deve ter um servidor primário, que detém de fato os mapeamentos dos nomes em endereços P no seu disco, e pode ter, no máximo, um servidor secundário, que obtém os mapeamentos do servidor primário. (D) a principal funcionalidade é permitir o mapeamento entre nomes e endereços P, que possibilita a independência entre os nomes utilizados na nternet e os computadores onde estão armazenados os recursos associados aos nomes. (E) as respostas aos pedidos de mapeamento de nomes em endereços podem ser não autoritativas, quando o servidor de DNS que responde contém de fato o mapeamento, ou originadas a partir de um armazenamento em cachê local, quando então são autoritativas. 55 É permitido à autorizada de Serviço Limitado Privado (SLP) realizar interconexão à rede pública de telecomunicações, desde que em âmbito (A) nacional ou internacional, não sendo exigível licitação para a outorga da autorização do serviço. (B) nacional ou internacional, sendo exigível licitação para a outorga da autorização do serviço. (C) estritamente nacional, sendo exigível licitação para a outorga da autorização do serviço. (D) estritamente nacional, não sendo exigível licitação para a outorga da autorização do serviço. (E) estritamente internacional, não sendo exigível licitação para a outorga da autorização do serviço. 15

16 56 Os atos envolvendo prestadora de serviço de telecomunicações, no regime público ou privado, que visem a qualquer forma de concentração econômica, inclusive mediante fusão ou incorporação de empresas, constituição de sociedade para exercer o controle de empresas ou qualquer forma de agrupamento societário, ficam submetidos aos controles, procedimentos e condicionamentos previstos nas normas gerais de proteção à ordem econômica. Lei Geral de Telecomunicações (Lei n o 9.472/97), Art. 7 o 1 o. Os atos de que trata a citação acima serão submetidos à apreciação do (A) Poder Legislativo, por meio do Órgão Regulador. (B) Órgão Regulador, por meio do Ministério das Comunicações. (C) Órgão Regulador, por meio do Conselho Administrativo de Defesa Econômica. (D) Conselho Administrativo de Defesa Econômica, por meio do Ministério das Comunicações. (E) Conselho Administrativo de Defesa Econômica, por meio do Órgão Regulador. 57 À Agência Nacional de Telecomunicações compete adotar as medidas necessárias para o atendimento do interesse público e para o desenvolvimento das telecomunicações brasileiras, atuando com independência, imparcialidade, legalidade, impessoalidade e publicidade, e especialmente:... Lei Geral de Telecomunicações (Lei n o 9.472/97), Art. 19 o. De acordo com a Lei Geral de Telecomunicações, a alternativa que NÃO completa a citação acima é (A) aprovar o plano geral de metas para a progressiva universalização de serviço prestado no regime público. (B) representar o Brasil nos organismos internacionais de telecomunicações, sob coordenação do Poder Executivo. (C) controlar, acompanhar e proceder à revisão de tarifas dos serviços prestados no regime público, podendo fixá-las nas condições previstas nessa Lei, bem como homologar reajustes. (D) administrar o espectro de radiofrequências e o uso de órbitas, expedindo as respectivas normas. (E) expedir ou reconhecer a certificação de produtos, observados os padrões e as normas por ela estabelecidos. 58 A Lei Geral de Telecomunicações apresenta a classificação dos serviços de telecomunicações quanto à abrangência dos interesses a que atende e quanto ao regime jurídico de sua prestação. Sabendo-se que o interesse é restrito, a classificação quanto ao regime jurídico deverá obrigatoriamente ser (A) coletivo. (B) particular. (C) privado. (D) público. (E) excepcional. 59 O Título V - Do Espectro e Da Órbita - do Livro - Da Organização dos Serviços de Telecomunicações da Lei Geral de Telecomunicações, dispõe sobre o espectro de radiofrequência e sua autorização de uso. Nele, encontrase disposto que o(a) (A) uso de radiofrequência, tendo ou não caráter de exclusividade, dependerá de prévia outorga da Agência Nacional de Telecomunicações, mediante autorização, nos termos da regulamentação. (B) Agência Nacional de Telecomunicações poderá restringir o emprego de determinadas radiofrequências ou faixas, considerando o interesse particular. (C) autorização de uso de radiofrequência poderá ter prazo de vigência diferente da concessão ou permissão de prestação de serviço de telecomunicações à qual esteja vinculada. (D) autorização de uso de radiofrequências pode ser transferida, sem que haja a transferência da concessão, permissão ou autorização de prestação do serviço a elas vinculada. (E) destinação de radiofrequências ou faixas pode ser modificada para o cumprimento de convenções ou tratados internacionais, respeitando-se o prazo mínimo de 10 anos entre cada modificação. 60 De acordo com o disposto na Regulamentação do Serviço Limitado Privado (SLP), a transferência de outorga de autorização para execução de SLP (A) implica sempre a revogação da autorização. (B) implica a caducidade da autorização, caso não se tenha uma anuência prévia do poder concedente. (C) é assegurada, a qualquer tempo, desde que o pretendente destine a prestação do serviço a terceiros. (D) é permitida somente pelo poder concedente uma vez a cada ano. (E) é permitida, desde que para atender a uma outra área de serviço. 16

17 61 A solicitação de autorização para execução do Serviço Limitado Privado (SLP) deve ser feita mediante requerimento ao(à) (A) Ministério das Comunicações. (B) Ministério da Ciência e Tecnologia. (C) União nternacional das Telecomunicações. (D) Agência Nacional das Telecomunicações (ANATEL). (E) Casa Civil. 62 Uma empresa petrolífera adquire um rádio receptor/transmissor no valor de R$ ,00 para emprego em plataforma. Sabe-se que seu valor de revenda é de R$ 3.000,00 e que o fator de recuperação do capital é de 22%. Considerando que a manutenção anual do equipamento está orçada em R$ 1.000,00, o custo anual desse equipamento, em reais, será (A) 1.000,00 (B) 2.400,00 (C) 3.960,00 (D) 4.740,00 (E) 5.400,00 63 Os tempos de vida apurados para cinco exemplares de um componente em um determinado lote foram: 10, 15, 8, 10 e 12 meses. Considerando essa amostra particular, afirma-se que a média e o desvio padrão, em meses, do tempo de vida para esse componente são, respectivamente, (A) 11 e 1,93 (B) 11 e 2,36 (C) 11 e 3,20 (D) 14 e 1,93 (E) 14 e 3,20 64 Um programa de computador avalia, em tempo real, a duração média das chamadas telefônicas. Esse programa atualiza o valor da referida média ao término de cada chamada telefônica. Sabendo-se que, após 100 chamadas telefônicas, a média foi 2 minutos e, após serem contabilizadas 115 chamadas, a média passou para 2 minutos e 15 segundos, a duração média das últimas 15 chamadas telefônicas foi (A) 4 minutos e 5 segundos. (B) 4 minutos. (C) 235 segundos. (D) 180 segundos. (E) 150 segundos. 65 João contraiu uma dívida de cartão de crédito no valor de R$ 1.000,00 e negociou essa dívida com a operadora, combinando pagar em 10 parcelas mensais e fixas de R$ 130,00, sendo a primeira delas com vencimento marcado para trinta dias após a data da negociação. Ele pagou as cinco primeiras parcelas no prazo previsto, porém ficou desempregado e não pagou as demais. Um ano após a negociação, conseguiu emprego e procurou a operadora para fazer uma nova negociação. Sabendo-se que nessa negociação a operadora cobrou juros simples mensais de 10%, a dívida de João, em reais, é (A) 650,00 (B) 750,00 (C) 815,00 (D) 870,00 (E) 910,00 66 Pode-se dividir a evolução da gestão de projetos em três fases, relativas aos períodos de: gestão tradicional de projetos, dominado por empresas do setor aeroespacial, de defesa e construção civil, que compreende os anos de 1960 a 1985; renascimento, ocorrido entre os anos de 1985 e 1993, quando houve a adesão de empresas de outros setores à gestão de projetos, por verem a possibilidade de aumento de lucratividade com a sua aplicação; gestão moderna de projetos, iniciado após a recessão do mercado americano, em 1994, quando os empreendimentos se tornaram cada vez mais complexos, em ambientes turbulentos. No período de gestão moderna de projetos (A) a responsabilidade do projeto é exclusivamente do nível executivo. (B) as ações gerenciais tomadas são reativas. (C) as habilidades exigidas do gerente de projeto não são somente técnicas, envolvem também a tomada de decisões empresariais. (D) as causas de falhas de projetos são quantitativas, de planejamento, de estimativas e de programação. (E) o sucesso é medido em termos de cumprimento de prazos e orçamentos e concretização do nível de qualidade prometido. 17

18 67 Sobre a visão atual dos benefícios da gestão de projetos, analise as afirmativas a seguir. V - A gestão de projetos necessitará de mais pessoal. - A lucratividade irá aumentar. - A gestão de projetos reduzirá as disputas por fatias de poder. - A gestão de projetos é uma necessidade destinada somente a grandes projetos. É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s) (A) V. (B) e. (C) e. (D) e. (E), e V. 68 A gestão de um projeto implica o gerenciamento de processos, vinculados a diversas áreas de conhecimento. O Project Management nstitute (PM) criou grupos de processo baseados na temporalidade, ou seja, considerandose o início e o fim, independente das áreas de conhecimento. No que se refere às modalidades dos grupos de processos, (A) no de encerramento deve haver preocupação com a gestão de contratos. (B) no de planejamento, o primeiro passo é elaborar o detalhamento do escopo do projeto. (C) no de execução, deve-se fazer a programação dos tempos necessários para realização das atividades. (D) o de controle visa a receber o aceite do cliente. (E) o de início se caracteriza apenas pela aprovação do projeto. 70 Uma operadora de telefonia celular oferece dois planos pós-pagos X e Y, ao custo de 100 e 220 reais mensais, respectivamente. O plano X tem uma franquia de 500 minutos e cobra 50 centavos para cada minuto usado além da franquia. O plano Y tem uma franquia de 1000 minutos e cobra 10 centavos para cada minuto usado além da franquia. João pretende contratar o plano que, na média, implique menor despesa mensal. Sabendo-se que a quantidade de chamadas telefônicas realizadas por João segue uma variável aleatória uniforme entre 100 e 1300 e que a duração média dessas chamadas é de um minuto, por qual plano ele deve optar? (A) (B) (C) (D) (E) Plano X X Y Y Y Economia média mensal aproximada, em reais 5,60 12,33 3,90 9,60 15,60 69 Estudos mostram que cerca de 25% do PB mundial são gastos pelas organizações em atividades relacionadas a projetos. Assim, pode-se dizer que todas as empresas desenvolvem alguma atividade relacionada a projetos. Com relação às características de um projeto, (A) trata-se de empreendimento temporário, ou seja, deve ser de curta duração. (B) trata-se de um empreendimento temporário, ou seja, o produto ou serviço resultante deve acabar juntamente com o projeto. (C) pode ser um empreendimento permanente, ou seja, de duração infinita. (D) deve ter resultado inédito, ou seja, diferente de todos os similares feitos anteriormente, como produto e/ou serviço gerado. (E) tem elaboração progressiva, ou seja, o escopo aumenta à medida que se desenvolve o projeto. 18

19 RASCUNHO 19

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 2. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 2 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada Física e Componentes Funcionalidades relacionadas à transmissão de bits Codificação Modulação Sincronismo de bits Especificação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Comunicação Wireless Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2012 1 / 30 Redes sem Fio Nas redes sem fio (wireless), não exite uma conexão cabeada

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I REDES SEM FIO CARACTERÍSTICAS DE ENLACE LAN S SEM FIO 802.11 Slide 1 Elementos de uma Rede Sem Fio Hospedeiros sem fio Equipamentos de sistemas finais que executam aplicações Enlaces

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações.

A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Topologia em estrela A topologia em estrela é caracterizada por um determinado número de nós, conectados em uma controladora especializada em comunicações. Como esta estação tem a responsabilidade de controlar

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca das características da arquitetura dos computadores que Julgue os itens a seguir, acerca de sistemas operacionais. devem ser consideradas no projeto e na implantação de

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 06 Redes Locais: Acessos Múltiplos e Ethernet Prof. Dr. S. Motoyama Redes Locais (Local area networks, LANs) Início da década de 80 IBM s token ring vs. DIX (Digital, Intel, e Xerox) Ethernet IEEE

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet

O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs

Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Elemento central da rede par trançado Camada física do modelo OSI Cascateamento de hubs Porta UTP Regra 5-4-3 (em desuso) Porta UTP específica Hubs são enxergados como um único equipamento (geralmente

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa

Subcamada de Controle de Acesso ao Meio. Bruno Silvério Costa Subcamada de Controle de Acesso ao Meio Bruno Silvério Costa 1. O Problema de Alocação do Canal Alocação estática de canais em LANs e MANs Alocação dinâmica de canais em LANs e MANs 1.1 Alocação dinâmica

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Bateria REDES 2010 Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES 2010 Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES 2010 Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ ANEEL/2010 A respeito de protocolos de roteamento, julgue

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Redes de Computadores Concursos de TI

Redes de Computadores Concursos de TI Redes de Computadores Concursos de TI CONCEITOS DE REDES PARTE 1 Prof. Bruno Guilhen Arquitetura e Protocolo de Redes www.concursosdeti.com.br E1 E9 Conceito de Protocolo E2 N1 R1 R3 R2 N5 R4 Como esses

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Módulo I

Faculdades NDA Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Questionário de apoio ao Módulo I Faculdades NDA Sistemas de Informação Questionário de apoio ao Módulo I 1) Cite alguns exemplos de aplicações de redes de computadores. 2) Cite alguns serviços que usam as redes de computadores como para

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet

Ethernet. O Nível de Enlace nas Redes Locais. Ethernet. Ethernet. Ethernet. Ethernet O Nível de Enlace nas Redes Locais Como já foi visto, o nível de enlace deve fornecer uma interface de serviço bem definida para o nível de rede. deve determinar como os bits do nível físico serão agrupados

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos

RCO2. Redes Locais (LANs): Características e requisitos RCO2 Redes Locais (LANs): Características e requisitos 1 Aplicações de LANs LANs para computadores pessoais Baixo custo Taxas de transmissão limitadas Redes de conexão Interconexão de sistemas maiores

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802

RCO2. Redes Locais (LANs): Arquitetura IEEE 802 RCO2 Redes Locais (LANs): 1 Conjunto de padrões no escopo das camadas de enlace e física 2 Exemplos de padrões partes da arquitetura IEEE 802: 3 Alguns padrões da família IEEE 802: 802.2 LLC 802.3 Equivalente

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1

Redes de Computadores LFG TI Bruno Guilhen. www.brunoguilhen.com.br 1 MODELO OSI/ISO 01(CESPE STF 2008 Q93) Na arquitetura do modelo OSI da ISO, protocolos de transporte podem ser não-orientados a conexão e localizam-se na terceira camada. As responsabilidades desses protocolos

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto

Capítulo 11: Redes de Computadores. Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 11: Redes de Computadores Prof.: Roberto Franciscatto REDES - Introdução Conjunto de módulos de processamento interconectados através de um sistema de comunicação, cujo objetivo é compartilhar

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

Padrão Ethernet. Características Gerais

Padrão Ethernet. Características Gerais O padrão ethernet surgiu em 1972 nos laboratórios da Xerox, com o pesquisador Robert Metcalfe. Inicialmente utilizava uma rede onde todas as estações(lans) compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet

Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 6 Conceitos Básicos sobre Ethernet Fundamentos de Ethernet Introdução à Ethernet A maior parte do tráfego da Internet tem origem em ligações Ethernet. Razões do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Teoria e Prática Douglas Rocha Mendes Novatec Sumário Agradecimentos...15 Sobre o autor...15 Prefácio...16 Capítulo 1 Introdução às Redes de Computadores...17 1.1 Introdução... 17

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução

2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução 2 Meios de transmissão utilizados em redes de telecomunicações 2.1. Introdução Atualmente, as estruturas das redes de comunicação são classificadas conforme a escala: rede de acesso, rede metropolitana

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE) 2 a FASE

PROVA DISCURSIVA - PROFISSIONAL BÁSICO (FORMAÇÃO DE ANÁLISE DE SISTEMAS - SUPORTE) 2 a FASE 16 BNDES EDITAL N o N 02/2011 o 01/2012 - () 2 a FASE 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material: LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 5 (cinco)

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 14 Agenda : Pontes entre LANs 802.x e 802.y Interligação de redes locais Pontes de árvores

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Enlace Redes de Computadores 2 1 Modelo OSI O que os protocolos fazem? controle de erros: canais mais confiáveis - retransmissão reseqüenciamento: reordenar

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais