SINOPSES DOS 8 EPISÓDIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SINOPSES DOS 8 EPISÓDIOS"

Transcrição

1 B o c a g e SINOPSE Em 1789, Bocage desembarca em Lisboa depois de uma passagem conturbada por Goa e Macau. A capital do reino está efervescente com o vendaval da revolução francesa que o Intendente Pina Manique tenta a todo o custo travar com uma repressão feroz ao comércio de livros proibidos, às sociedades secretas como a maçonaria e a tudo o que considera que ponha em causa a ordem estabelecida. É uma época de tumulto e de transição: na política, com a queda sucessiva das monarquias absolutistas e o avanço das ideias iluministas; na poesia, com o auge do estilo neoclássico e o anúncio do romantismo de que Bocage é precursor. Bocage integra-se rapidamente na vida mundana e literária: em pouco tempo dá-se com muitas figuras marcantes do seu tempo, desde a futura Marquesa de Alorna à Rainha D. Maria I. A sua porta de entrada para os salões são as tabernas e os bordéis: aí reencontra vários amigos que cá deixou, como o Padre Agostinho Macedo e os irmãos Bersane, personagens que admiram genuinamente o talento de Bocage na mesma medida em que desejam explorá-lo. Poucos meses depois de ter chegado a Lisboa, Bocage entra em glória na Nova Arcádia, uma sociedade literária repleta de génios autoproclamados e plagiadores com quem se irá rapidamente incompatibilizar, ganhando ódios que o acompanharão para o resto da vida como o do Padre Domingos Caldas e, principalmente, do próprio Agostinho Macedo que não hesita em crucificá-lo às mãos do Intendente.

2 Bocage adapta-se rapidamente à vida na capital, vivendo de pequenos estratagemas que lhe garantem as refeições e as primeiras necessidades. As mulheres dos seus sonetos cruzam-se com ele: de Gertrúria, Marília, da bela Manteigui e das duas filhas e da própria esposa do amigo António Bersane, à prostituta Nise com quem vive um amor que Pina Manique tornará impossível da forma mais cruel. O Intendente identifica Bocage com todas as ideias que deseja perseguir e faz dele um exemplo para todos aqueles que afrontam a sua autoridade. Por causa de uma denúncia, durante três anos, Bocage irá passar por vários juízos: do Estado, da censura e do Santo Ofício. Entre a prisão do Limoeiro e o hospício da inquisição, sai reeducado e aparentemente desiludido com os desenvolvimentos da revolução em França, onde Napoleão toma o poder e ameaça invadir Portugal. Paradoxalmente, é o período de maior êxito, tanto nas elites como nos analfabetos apreciadores das modinhas fáceis de Domingos Caldas, do poeta Magro, de olhos azuis, carão moreno, / Bem servido de pés, meão na altura, / Triste de facha, o mesmo de figura

3 B o c a g e SINOPSES DOS 8 EPISÓDIOS 1. CHEGADA A LISBOA Bocage, sem dinheiro nem honras, chega a Lisboa depois de alguns anos em Goa e Macau ao serviço da Marinha Real. Para trás ficou uma caixa cheia com alguma da sua melhor produção literária de sempre. Acontecimentos graves ainda por explicar em que se envolveu no Oriente, levam-no a desembarcar às escondidas e feito cúmplice involuntário de contrabando de livros proibidos. O Intendente Pina Manique, que dirigia pessoalmente algumas das operações policiais de controlo alfandegário com o objectivo de estancar a entrada de ideias perigosas da França revolucionária no Reino, lança uma vasta rusga policial na noite do desembarque de Bocage que obriga o poeta a esconder-se no bas-fond de Lisboa, acolhido na cama pela prostituta Nise e no meio literário por um velho amigo, o Padre Agostinho Macedo. Pina Manique procura Pierre Marie Auguste Broussonet, do partido de Robespierre, e põe Lisboa em sobressalto a qualquer hora do dia ou noite. Não hesita sequer em entrar na casa da Marquesa de Alorna, a quem faz ameaças veladas apesar desta invocar os nomes do Duque de Lafões e da Rainha. Mal sucedido nas pistas que segue nos salões da nobreza, Pina Manique vira-se para outro meio que conhece bem: o bas-fond, as ruas de pior fama de Lisboa.

4 É aí que se vai cruzar com Bocage, que se adaptou rapidamente à vida na capital, vivendo de pequenos estratagemas que lhe garantem as refeições e as primeiras necessidades. Bocage não era uma figura desconhecida: tinha deixado alguma fama como poeta antes da sua partida para a Índia e José Pedro das Luminárias, que de dia trabalha no Nicola e à noite no Botequim das Parras (lugar de encontro de poetas pertencentes à sociedade literária Nova Arcádia), conhece-lhe a reputação e incentiva-o a aparecer por lá. Em casa dos seus amigos Bersane, Bocage consegue facilmente roupa nova, dinheiro no bolso e a atenção encantada das duas filhas de António Bersane. Os dois irmãos têm grande consideração por ele: põem-no ao corrente dos acontecimentos políticos e literários e introduzem-no no meio intelectual, no Botequim das Parras. Numa noite de glória, espicaçado pelo Padre Agostinho Macedo, Bocage rouba o protagonismo ao Padre Domingos Caldas, o mais célebre autor da moda de então, as modinhas brasileiras, achincalhando-o. Mais: canta os ideais da revolução francesa, leva a plateia ao delírio e é aclamado. Ao mesmo tempo, graças aos irmãos Bersane, Bocage começa a contactar com os salões da alta burguesia e nobreza. Conhece o inglês William Beckford que o convida para uma exibição equestre de D. Tomás de Meneses onde, encantado, vê a Marquesa de Alorna defender o revolucionário francês Broussonet da ira de Pina Manique. Meneses, para quem Bocage nem sequer olhara no picadeiro, morre numa procissão de barcos no Tejo. O poeta compõe-lhe uma elegia fúnebre que tem enorme sucesso numa sociedade lisboeta abalada pelo trágico desaparecimento. Bocage é saudado nas ruas e elogiado nas críticas. Tudo parece correr-lhe bem mas, inesperadamente, desembarca em Lisboa a misteriosa Manteigui, uma paixão exacerbada de Bocage em Goa.

5 2. MONTE MÉNALO A chegada de Manteigui atormenta-o e Bocage vê-se novamente em Lisboa com os fantasmas que o levaram a abandonar Goa. Tenta por breves dias ignorá-la mas não suporta a angústia. Bocage vê-se conduzido por uma obsessão amorosa exacerbada que, quando transposta para os sonetos, faz dele um precursor do romantismo. Rapidamente manda a prudência às urtigas e resolve seguir Manteigui. Quando finalmente chega à fala com ela, é mais uma vez rejeitado, como, percebemos agora, o foi na Índia. Bocage não lida bem com a rejeição e culpa- -a por ter deixado lá a famosa caixa repleta com alguma da sua melhor produção literária de sempre. Furioso, inicia febrilmente a redacção de um poema num só canto com o título A Manteigui. Por uma vez, a paixão leva a melhor e não passa das primeiras estrofes. Estes factos coincidem com a sua admissão na Nova Arcádia. O êxito da elegia fúnebre a D. Tomás de Meneses é a porta de entrada de Bocage neste grupo de poetas e intelectuais que se reunia no palácio do Conde Pombeiro para declarar guerra ao mau gosto. Bocage é admitido com o nome pastoril de Elmano Sadino, resultado de um anagrama com o seu primeiro nome e de uma referência ao Rio Sado, nas margens do qual nascera. A Nova Arcádia era, a princípio, um grupo despretensioso, sem nenhuma preocupação com os ventos políticos que sopravam do lado de lá dos Pirinéus. A chegada de Bocage coincide com a efervescência do período revolucionário em França e com a entrada de novas ideias em Portugal, que Pina Manique tentava a custo dominar.

6 No Monte Ménalo, denominação arcade do local onde se encontravam, juntavam-se o Padre Domingos Caldas Barbosa, Severino Ferraz de Campos, Curvo Semedo e Francisco Joaquim Bingre, poetas que não se imortalizaram, ao contrário de Bocage a quem os mais próximos, como os irmãos Bersane e o Padre Agostinho Macedo, começam a tratar como o maior depois de Camões. Bocage não se dá bem. A sua vivacidade, acidez crítica e orgulho destemperado chocam com a hipocrisia ali reinante dos elogios mútuos e dos textos a metro repletos de futilidades. O génio do vate sadino começa a despertar invejas entre os outros arcades e o ambiente, a pouco e pouco, vai se degradando. Muitos deles acabam em confronto físico e cabeças rachadas. A princípio, o Padre Agostinho Macedo, uma força da natureza, defende-o e permite-lhe saídas airosas. Até que, numa noite, farto da vaidade de Bocage, invejoso do seu génio e sabendo que no Botequim das Parras estão os moscas (informadores de Pina Manique), Agostinho deixa-o entregue à sua sorte. Bocage vê-se sozinho e sente-se ameaçado pela intelectualidade de Lisboa, a inquisição da igreja e pelos polícias de Pina Manique. Reage como melhor sabe: impetuosamente, para a frente. O despeito por voltar a ser rejeitado por Manteigui, que o diminui e humilha como Bocage diminui e humilha os seus rivais, inspira-o a escrever um poema violentíssimo contra Manteigui; Bocage arrasta o nome de uma mulher que diz adorar para a lama e dedica-lhe os piores insultos de que se consegue lembrar. Este ímpeto transmite-se ao resto do seu trabalho: os seus poemas são cada vez mais agressivos, o que só ajuda a aumentar o número de adversários no seio da Nova Arcádia. A Guerra dos Vates estava prestes a começar.

7 3. GUERRA DOS VATES A carreira de Bocage como poeta ganha fôlego com a sua admissão na Nova Arcádia. Em Maio de de 1791, publica Idílios Marítimos recitados na Academia de Belas Letras e Queixumes do Pastor Elmano Contra a Falsidade da Pastora Urselina. É também deste período a impressão das suas rimas que irão merecer uma crítica feroz do até aí seu amigo, o Padre Agostinho Macedo no Jornal Enciclopédico, que se referiu a Bocage como frio, monótono e pouco feliz no uso dos epítetos, servindo-se de muitos deles forçadamente e contra o génio e estilo da nossa língua. A 29 de Abril de 1793, a Arcádia é convidada para uma sessão extraordinária no Paço da Ajuda em comemoração pelo nascimento de Maria Teresa, primeira filha do príncipe D. João. Pina Manique repara em Bocage, em quem julga detectar a influência da revolução francesa, que combate ferozmente. Começa a ver a Nova Arcádia como uma potencial ameaça à estabilidade do reino, um viveiro de ideias perigosas que convém ter sob a sua alçada para mais facilmente os poder controlar. A sessão não podia correr pior: Joaquim Francisco Bingre é testemunha de uma disputa que começa ainda no caminho para o palácio, na sege da Casa Real: Agostinho propõe-se improvisar algo em prosa, ao que Bocage contrapõe desdenhosamente uma empresa ainda de maior dificuldade: improvisar em verso. Sob o olhar admirado da família real, Bocage e Macedo fazem um ajuste de contas em forma de verso, acabando com o que restava de uma já frágil amizade.

8 O desentendimento entre Bocage e Agostinho alastra para os encontros seguintes da Nova Arcádia no Palácio de Pombeiro. O Almanaque das Musas, espécie de boletim oficial, começa a encher-se de poemas cada vez mais ácidos, onde Bocage critica e satiriza os arcades. Com Curvo Semedo, o Abade de Almoster e outros do seu lado, Agostinho isola Bocage que reage ainda mais violentamente. Em 1794, a polémica está no auge e a Nova Arcádia transformada num campo de batalha. Pina Manique assiste sentado, sem mexer um dedo, àquilo que acredita ser a rápida implosão de uma gangrena de ideias perigosas. Diverte-o ver que o choque da vaidade dos arcades faz sozinho o trabalho de muitos polícias. Bocage não poupa nada nem ninguém. Elabora sátiras demolidoras ao Padre Caldas, Curvo Semedo, Abade de Almoster, Freire Barbosa e muitos outros. Bocage entra num período frenético de produção de versos que usa tanto para se defender das críticas que fazem às suas Rimas. O padre Agostinho chama-lhe Sultão do Parnaso e não lhe perdoa que ele tente ditar a lei aos seus colegas. Mas para Bocage, se a Nova Arcádia nascera para promover a guerra ao mau gosto, acabara ela própria por se tornar seu emblema. Corolário lógico: Bocage é expulso. Epílogo: pouco depois, era a própria Arcádia que fechava as portas.

9 4- A ASCENSÃO DE LUNARDI Ao contrário do que julgara, a expulsão da Nova Arcádia não belisca a sua relação com os irmãos Bersane. Bocage continua a frequentar a sua casa e, aos poucos e à vez, as camas das duas filhas de António, Vicência e Perpétua. Bocage interessa-se particularmente por Vicência a quem dedica versos, sem citar o seu nome. No entanto, num deles, fala dos seus amores por Márcia, uma ficção pastoril mas tão real que faz desconfiar a mãe de Vicência. Bocage sabe que, apesar de serem companheiros de boémia, ou sobretudo pelo facto de o serem, Bersane nunca lhe dará a mão da filha. Bocage tem ciúmes doentios dela que tenta apaziguar metendo-se na sua cama, e na cama da irmã, sempre que pode e ameaçando de pancada os jovens mancebos que a cortejam. Numa noite chega a sair furioso de uma festa de Bersane, e sem pensar duas vezes salta para um barco em que parte com pescadores para o Tejo. Bocage passa a noite com eles a gabar-se das suas aventuras de alcova e elabora versos despeitados e ordinários sobre as mulheres com quem se cruzou, incluindo Vicência. Ao desembarcar, já de dia, encontra por acaso a mais inacessível, para ele, de todas as mulheres: a Marquesa de Alorna que vem receber alguns convidados de um barco acabado de chegar de França. A Marquesa reconhece-o e convida-o a acompanhá-la e apresenta-lhe o embaixador Derbault. Bocage, numa época em que saber francês já era suspeito, começara a trabalhar na tradução de Eufemia de monsieur D Arnaud, para ganhar dinheiro depois da sua saída na Nova Arcádia. Ao mesmo tempo, as Coroas de Portugal e Espanha assinaram um tratado de auxílio mútuo contra a França, e o Intendente Pina Manique recusou a entrada do embaixador Derbault alegando irregularidades nas suas credenciais.

10 Os tripulantes do navio francês, atracado defronte do Cais de Belém, vêm a terra e entoam uma canção revolucionária pelas ruas. Inspirado pela tripulação do navio, Bocage junta-se a alguns afrancesados e sobe a Calçada da Ajuda para cantar debaixo das sacadas do Palácio, todos os domingos e dias santos, na presença da Guarda Real: Vive la Liberté!. É este clima agitado que o capitão Vicente Lunardi encontra quando chega a Lisboa. O aeronauta italiano instala-se no Terreiro do Paço e começa a construir um balão gigantesco, com o qual promete elevar-se nos ares. A atenção de toda a cidade, incluindo Bocage e Pina Manique, concentra-se então na missão de Lunardi. O capitão afirma ter investido da sua algibeira 3300$500 reis, e estava disposto a recuperar boa parte desse dinheiro vendendo bilhetes ao público para assistirem à construção da fantástica aeronave. Lunardi espalha centenas de cartazes por Lisboa, e tem o estaleiro sempre cheio de curiosos. Pina Manique começa a desconfiar que Lunardi pretende adiar indefinidamente a subida do seu balão, para facturar mais dinheiro na venda dos bilhetes, e acaba por impôr um prazo para que o italiano ponha a sua máquina a funcionar, de contrário será expulso e talvez preso. A rixa com o Intendente aproxima ainda mais Bocage de Lunardi. O poeta encontra inspiração para os seus poemas na vontade que o capitão tem de levantar voo. O poeta encontra um qualquer tipo de simbologia naquele balão, relacionando com as ideias novas vindas de França...

11 5. O ALMOCREVE DAS PETAS Em Setúbal, os tios, irmãos e primos de Bocage nomeiam procurador o advogado Simão Ferreira para se opor à execução de penhora dos bens do bacharel José Luis Soares de Barbosa, sob o argumento de que pertenceriam aos herdeiros de Clara Francisca Lustoff du Bocage, já falecida, e não ao executado, como alegava o Estado. O irmão de Bocage toma a iniciativa de obter procuração de todos os interessados na preservação da herança do pai, e consegue-o de todos, menos de Bocage. Desvendam-se as razões do afastamento de Bocage da sua família, um caso mal resolvido de amores do poeta por Maria Gertrudes, esposa actual do irmão (nas suas Rimas, Bocage refere-se a ela como Gertrúria), na mesma altura que o seu pai era levado para a prisão do Limoeiro, vítima de uma trama política. Ao mesmo tempo que o passado regressa para assombrá-lo, Bocage deparase com uma situação que o deixa indignado: o poeta José Daniel Rodrigues da Costa, cuja linha de actuação não diferia muito da linha de Domingos Caldas (compunha modinhas), era o poeta mais popular de Lisboa. Estava sobre a protecção de António Joaquim de Pina Manique, administrador da Alfândega das Sete Casas, irmão e ajudante do Intendente. Nomeado administrador das Quatro Portas da Cidade e ramo de Belém, por favorecimento político, José Daniel levava uma vida folgada e tinha muito tempo para se dedicar aos versos. Juntara-se à Nova Arcádia depois de Bocage sair, revelando os primeiros indícios do que viria a ser uma aproximação efectiva do Intendente à agremiação. Começa a publicar o Almocreve das Petas, obra em folheto que saía sem periodicidade, mas em intervalos curtos, contando em versos casos que aconteciam na cidade e que se ouviam à porta das boticas e botequins. Como criticava os poetas que cultivavam a língua, Bocage irritou-se com José Daniel, a quem chamou de machucho poetarrão.

12 O Almocreve das Petas inunda botequins e casas de pasto, e a Gazeta de Lisboa anuncia a sua publicação, ao mesmo tempo que Bocage começa a traduzir do francês o primeiro volume do romance História de Gil Brás de Santilhana, livro que Pina Manique considerara impróprio para a instrução da mocidade. Inspirado por Rousseau, Bocage entendia que os homens não eram maus por natureza, e que o pecado original não passava de uma vã ficção. Meter-se directamente com o irmão do Intendente não ajuda à causa de Bocage. Desligado da família, ostracizado pelos intelectuais, esquecido por muitos amigos e desprezado pelas mulheres, Bocage invectiva tudo e todos, dos fradalhões ao despotismo, elogia Napoleão e põe em causa alguns dogmas da igreja. Pina Manique coloca Bocage sob a sua especial atenção.

13 6. A SOCIEDADE DA ROSA Vive-se época perigosa e triste, são as palavras de Pina Manique quando recebe, por correio, três caricaturas que o ridicularizam. Para fazer frente à Academia das Ciências do Duque de Lafões, Pina Manique inicia uma cruzada contra os partidários das ideias do século. A tradução que Bocage fizera de Eufemia está à venda por 200 reis na loja da Gazeta, na Viúva Bertrand, e na do francês João André Dubié, exactamente o mesmo livreiro que havia sido preso várias vezes por vender livros incendiários. O livreiro Diogo Borel é suspeito de ter mandado imprimir 12 mil volumes da Constituição Francesa em português e outros 12 mil da Folhinha do Pai Gerardo, livro que, segundo Pina Manique, trazia doutrinas erróneas e sedições. Com todos estes livreiros Bocage tem relações, o que o faz ficar cada vez mais mal visto aos olhos do Intendente. Até ao final de 1796, Bocage continuava à margem da aproximação de Pina Manique aos poetas e intelectuais. Num reencontro fugaz que tem com Bocage, Macedo vangloria-se de ter saído vitorioso da Guerra dos Vates afinal, antes ainda de obter o breve da secularização, gozava desde 1793 das honras de pregador da Real Capela. Por intermédio do seu amigo Pedro José Solano, teólogo, poeta e acusado publicamente por Macedo de ser um pedreiro-livre, Bocage acaba por pertencer, ainda que por pouco tempo a uma loja maçónica, ao mesmo tempo que, para impressionar a Marquesa de Alorna, que tanto admira, se filia na Sociedade da Rosa, associação criada pela Marquesa com o fim de combater as sociedades maçónicas e as ideias da Revolução Francesa. A Marquesa de Alorna odeia maçonaria e detesta jacobinos porque tem sempre presente as cenas de horror que presenciou em Paris e Marselha, onde esteve na época de terror da Revolução Francesa.

14 A trama política adensa-se: Pina Manique, com o propósito de comprometer a antiga aristocracia, faz o príncipe crer que se tramava uma conspiração, promovida pelos governos francês e espanhol, para o derrubar e promover a princesa Carlota Joaquina regente do reino. Indiferente a isto, ao frequentar a casa do amigo Pedro José Solano, Bocage conhece a sua irmã, Maria Margarida, mulher de muita educação literária e beleza, que cativa imediatamente o poeta. O pai de Maria Margarida, o cirurgião Manuel Constâncio, conhece os versos em que Bocage se referia aos médicos como antiga peste do género humano, e não o tem em grande conta. Quando percebe que a sua filha se está a apaixonar por ele, Manuel Constâncio resolve agir. Uma denúncia anónima chega à sede da Intendência Geral de Polícia, dizendo que Bocage era não só autor de alguns papéis subversivos que, nos últimos tempos, se tinham espalhado pela Corte e Reino, bem como de ser desordenado nos costumes, a ponto de não cumprir as obrigações da religião católica e nem sequer satisfazer ao preceito que obrigava qualquer súbdito a ir todos os anos buscar os sacramentos da penitência e eucaristia à freguesia onde vive. O Intendente manda prender Bocage.

15 7. O POETA CENSURADO Bocage é avisado de que os esbirros de Pina Manique estão atrás de si. O poeta, a morar num andar da Praça da Alegria na companhia do amigo André da Ponte de Quental, cadete do Regimento da Armada (e que seria avô de Antero de Quental), prepara-se para escapar rumo ao Brasil (Bahia) a bordo da corveta Aviso. Quando o juíz de crime do bairro do Andaluz e os seus homens chegam ao andar da Praça da Alegria, só se deparam com André da Ponte, a quem prendem, e encontram no local um texto de Bocage intitulado Verdades duras, onde o poeta descrevia o horror que sentira ao testemunhar o enforcamento de um homem condenado por Pina Manique. É apanhado. No dia 7 de Agosto, Bocage dá entrada da prisão do Limoeiro, depois de ser preso pelo juíz de crime do bairro da Rua Nova. Para o Intendente, a tentativa de fuga só servia para fornecer ainda mais claros indícios de que o acusado era mesmo culpado de todos os delitos de que havia sido denunciado e de ser autor de papéis ímpios, sediciosos e críticos. No Limoeiro, Bocage é conduzido ao segredo, nome que se dá à casa forte e onde são metidos os presos indisciplinados. O segredo do Limoeiro fica nos subterrâneos do edifício sob o corredor que dá para a antiga prisão do carrasco. Bocage suporta agora aquilo que o pai sofrera 26 anos antes, e começa a colocar no papel tudo o que passa na sua alma atormentada. Quando recebe a notícia de que o seu amigo, André da Ponte, também foi preso, por sua causa, escreve-lhe alguns versos. Na prisão, desesperado, Bocage tenta obter o favorecimento de conhecidos ilustres, como a Marquesa de Alorna, José Seabra da Silva, ministro do Reino, que conhecera as agruras do cárcere na mesma altura que seu pai, mas sem sucesso. Ao juiz do Crime do bairro do Andaluz, Inácio José de Morais, o responsável directo pela sua detenção, Bocage tece rasgados elogios em

16 sonetos de homenagem, tentando ganhar a simpatia do juiz, mas também sem sucesso. A verdade é que todos eles acabam por ser, de uma maneira ou de outra, conquistados pelo poeta, e todos tentam convencer Pina Manique a libertá-lo. Mas o Intendente não cede a pressões, e não deixa de manter Bocage na prisão. Primeiro tinha de ter a certeza de que Bocage se reeducara... Em Dezembro de 1797, Bocage é transferido, a pedido de Pina Manique, para o cárcere da Inquisição de Lisboa, no Palácio dos Estaus, no Rossio. Lá, é submetido ao interrogatório de praxe, acusado de compor obras heréticas. Meses depois, Bocage é finalmente dado como confesso, e transferido para o Convento de São Bento da Saúde. Embora privado da sua liberdade, Bocage encontra no mosteiro consolo dos tormentos sofridos na prisão do Limoeiro, e no cárcere de Inquisição. O convento é grande, e das suas janelas pode ver o Tejo. Encontra, além de boas refeições, livros importantes e interlocutores cultos entre os beneditinos. Apesar de continuar a resistir aos dogmas da religião católica, encontra ali paz e silêncio para longos períodos de reflexão, quebrados apenas por algumas escapadelas que promove junto com Silva de Oliveira Rolim para visitas proibidas aos botequins da cidade. Bocage, apesar de preso pela Inquisição, começa a gozar de cada vez mais prestígio público, e a ser bem visto pelo poder; os elogios que o poeta dedica aos faustíssimos anos do sereníssimo príncipe regente de Portugal chega a ser recitado, a 13 de Maio de 1799, no Teatro do Salitre. Elogios deste tipo são escritos pelo poeta com o intuito de comprar a sua liberdade. Por insistência de José de Seabra Silva, Pina Manique acaba por permitir que Bocage saia do convento, mas não ainda para a liberdade, ainda tinha mais um passo a dar para a sua reeducação. Numa carta enviada ao corregedor do bairro dos Remolares, o Intendente determina que Bocage fique recluso no Real Hospício das Necessidades.

17 8. A PENA DE TALIÃO Nove meses depois da sua entrada, Bocage abandona o Hospício e encontra trabalho na Oficina Tipográfica, Calcográfica, Tipoplástica e Literária do Arco do Cego. Em troca de traduções, revisões de provas, e aperfeiçoamento de textos alheios, Bocage recebia o suficiente (24 mil reis mensais) para garantir o pagamento de um ano de aluguer de um andar no Bairro Alto. Entusiasmado pelo sucesso que o segundo volume de Rimas atinge, o impressor Simão Tadeu Ferreira apresenta à Real Mesa da Comissão Geral sobre o Exame e a Censura de livros pedido de licença para republicar o primeiro tomo do Rimas. O volume acaba por cair nas mãos do censor Francisco Xavier de Oliveira. A decisão de Bocage de subtrair algumas peças publicadas na edição anterior e substituí-las por outras mais recentes fazem o poeta entrar em polémica com o funcionário régio. O erotismo de alguns sonetos inadmissível na poesia dos arcades agora sob a alçada do Intendente, mas marca registada do pré-romantismo de Bocage acabou por ser mal recebido pela Real Mesa de Censura. Bocage defende-se, dizendo que na Ilha dos Amores, nos Lusíadas de Camões, há mais nudez e mais indecência. De todas as objecções da Real Mesa, a uma Bocage não cedeu: a de trocar a palavra duro quando se referia num soneto ao tribunal que o atirou para a prisão do Limoeiro. Depois de um braço de ferro, a censura acaba por permitir que a obra seja enfim publicada. Ao mesmo tempo, em França, o general Napoleão Bonaparte toma conta do poder em França, e começa a pressionar cada vez mais Carlos IV, rei de Espanha e sogro do príncipe D. João, com o objectivo de isolar e aniquilar Portugal, que insistia em manter-se fiel a Inglaterra. Neste ambiente politicamente conturbado, Bocage parece ter definitivamente deixado para trás a sua vida dissoluta de tardes e noites perdidas em bebedeiras no Rossio. Enquanto as suas publicações anteriores à sua prisão,

18 em 1797, circulam clandestinamente de mão em mão por todo o Reino, Bocage parece cada vez mais adaptado à situação de áulico do regime, até porque não tinha outra hipótese: o contrário significava voltar para os calabouços. Lisboa, no final de 1801, vive um dos seus Invernos mais rigorosos. Bocage parece aos olhos do poder tão regenerado que o Intendente Pina Manique o convida a participar de uma festa no Teatro de São Carlos. Mesmo doente, e incapaz de sair da sua casa, o Intendente cuidou de tudo: não houve cobrança de ingressos, mas a plateia foi escolhida a dedo: estavam presentes o príncipe regente com D. Carlota Joaquina. Habituado a desfrutar praticamente sozinho das atenções dos poderosos, já que Bocage sempre fora visto como inimigo do regime, Agostinho Macedo não suportou ter de dividir a condição de poeta favorito da Corte com Bocage. Feroz defensor do trono e do altar, Macedo representa o próprio movimento contrário ao das Luzes. Ao mesmo tempo, Bocage começa a radicalizar a sua opção em favor dos ideiais iluministas, a ponto de se tornar uma das maiores, senão a maior, do Iluminismo português. Os dois antigos amigos envolvem-se novamente numa disputa literária. Agastado com os constantes ataques de Macedo, Bocage regressa anos depois ao Aguilheiro dos Sábios, no Botequim das Parras, para escrever de um fôlego a sátira Pena de Talião, em vésperas da sua morte...

19 B o c a g e - Equipa Artística Bocage Miguel Guilherme Nise Carla Bolito Intendente Pina Manique Henrique Viana Condessa Oyenhausen Margarida Marinho José Pedro das Luminárias João Saboga Padre Agostinho Macedo Manuel João Vieira Cecília Bersane Mª João Luís José David Bruno Bravo António Bersane Fernando Luís José Bersane João Vaz Mantegui Anabela Teixeira Mª Vicência Diana Costa e Silva Ana Perpétua Filomena Cautela Lunardi Rui Reininho Padre Domingos Caldas Raul de Orofino Pichelim Carlos Paca Conde Pombeiro Filipe Crawford Manuel Constâncio Filipe Ferrer Duque de Lafões Rui Morrison Diogo Borel João Didelet Curvo Semedo Paulo Filipe Monteiro Rainha D. Maria I Mª Emília Correia Ana de Jesus Maria Sandra Faleiro Joaquim Bingre Alvaró Correia

20 Padre Manuel Abreu e Lima Augusto Portela Mª Francisca Patrícia Galiano Toineta Antónia Terrinha André da Ponte Dinarte Branco Príncipe D. João André Gomes Pedro José Solano Miguel Romeira Maria Margarida Margarida Miranda Pirré Carlos António Gil Francisco Álvaro Faria William Beckford Filipe Cary Cambeiras João Pedro Benárd Chicarro José Lopes Resina Adelino Tavares Baltazar Teófilo Pedro Lacerda José Daniel Francisco Nascimento Superior Padre Damião José Manuel Mendes Juiz Inácio José Francisco Pestana Frei Mariano João Ricardo Velha do Rossio Teresa Madruga

21 Bocage Ficha Técnica Realizador Directora de Produção Chefe de Produção Coordenador de Produção Director de Fotografia Director de Som ECORAÇÃO GR Chefe Decoração Aderecista Chefe Guarda Roupa Chefe Maquilhagem Chefe Cabelos LECTRICISTA GRUPISTA Chefe Iluminador / Controlador de Imagem MAQUINARIA Chefe Maquinista Fernando Vendrell Patrícia Almeida Ivo Moura Alves Alberto Cardoso José António Loureiro José Barahona Fernando Areal Jorge Silva Silvia Grabowski Sandra Pinto Marian de Graef Helder Loureiro Afredo Ramalho (Alchê) Conceito Guião: Produções Fictícias e Fernando Vendrell Mário Botequilha e Filipe Homem Fonseca

Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 34662 - Escola E.B.2,3 do Cávado Turma : A 2002 1 Ana Catarina Loureiro Silva 1761 2 André Eduardo Dias Santos 11 S S 2007 3 Bruno da Silva Gonçalves S 20 4 Catarina Daniela Boaventura Araújo S 1863 Daniela

Leia mais

Anexo à Acta n.º 4, Referência SAS.IPP-02/11 Lista, ordenada alfabeticamente, com os resultados obtidos no método de selecção PROVA DE CONHECIMENTOS

Anexo à Acta n.º 4, Referência SAS.IPP-02/11 Lista, ordenada alfabeticamente, com os resultados obtidos no método de selecção PROVA DE CONHECIMENTOS ADELAIDE MARGARIDA LOPES GOMES DE SOUSA 1,750 Excluído ADELINA MARIA DA MOTA CORREIA ALBANO MANUEL RIBEIRO PEREIRA 7,475 Excluído ALCINA DA CONCEIÇÃO CASTRO PÓVOAS GUEDES ANA CAROLINA COSTA DE CARVALHO

Leia mais

CADERNOS ELEITORAIS - ASSEMBLEIA DOCENTES

CADERNOS ELEITORAIS - ASSEMBLEIA DOCENTES CADERNOS ELEITORAIS - ASSEMBLEIA DOCENTES Nº pess. Nome completo Categoria profissional 13990 Adriano José Carvalho Rodrigues Professor Associado 12084 Américo Manuel Costa Figueiredo Professor Catedrático

Leia mais

ACÇÕES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR E DE APOIO AO ESTÁGIO ÉPOCA DE OUTUBRO 2005

ACÇÕES DE FORMAÇÃO COMPLEMENTAR E DE APOIO AO ESTÁGIO ÉPOCA DE OUTUBRO 2005 2462004 Dinis António Costa Laranjeira 1502004 Elsa do Carmo Ferreira Duarte 3422004 Vítor Cristiano Silva Barros 3532004 Júlio César dos Santos Mendes 3512004 Jorge Humberto Canastra Marum 1832004 Baltazar

Leia mais

biografia de tiradentes

biografia de tiradentes biografia de tiradentes Tiradentes (1746-1792) foi o líder da Inconfidência Mineira, primeiro movimento de tentativa de libertação colonial do Brasil. Ganhou a vida de diferentes maneiras, além de militar

Leia mais

CONSELHO DISTRITAL DO PORTO. Recursos da Prova de Aferição

CONSELHO DISTRITAL DO PORTO. Recursos da Prova de Aferição 35816 Alberto Neves 10 12 12 Admitido 36037 Alexandra Cruz Pereira 10 10 11 Admitido 36019 Alexandre Cunha Ribeiro 10 13 10 Admitido 35737 Ana Almeida Campos 11 12 15 Admitido 32166 Ana Belém Cardoso 10

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

Pautas de chamada. Testes comuns Português (91) 9.º Ano. Sala :25 h

Pautas de chamada. Testes comuns Português (91) 9.º Ano. Sala :25 h Sala 211 26-01 - 2016 14:25 h 1 D Afonso Amorim França 2 E Ana Catarina da Silva Martins 3 C Ana Catarina Maia Silva 4 C Ana Francisca Silva Vidal 5 A Ana Margarida Vilas Boas Alves 6 E Ana Rita Teixeira

Leia mais

Quando eu, senhora...

Quando eu, senhora... Quando eu, senhora... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

Jornal Correio Braziliense ou Armazém Literário

Jornal Correio Braziliense ou Armazém Literário Jornal Correio Braziliense ou Armazém Literário A história dos jornais no Brasil... A censura e a proibição de tipografias na colônia, impostas pela Coroa Portuguesa, impediu por muito tempo que o Brasil

Leia mais

Cédula Nome Profissional

Cédula Nome Profissional 28680L Alexandra de Lemos Mendes 201 39270P Amândio Novais 201 38513P Amável Pina Alves 201 39290P Ana Cristina Teixeira Lopes 201 39259P Ana Esteves Fernandes 201 39307P Ana Luísa A Gomes 201 39418P Ana

Leia mais

Ministério da Educação EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO PAUTA DE CHAMADA

Ministério da Educação EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO PAUTA DE CHAMADA Data realização: quarta, 22 de junho às 09:30 h Sala: A11 15495675 ALEXANDRA FILIPA SOUSA ALVES 1 15006793 ALINE FERNANDES LOPES 2 15807278 ANA ALEXANDRA COSTA SANTOS 3 15494534 ANA CATARINA BARBOSA BORGES

Leia mais

ESCOLA DE TROPAS PÁRA-QUEDISTAS

ESCOLA DE TROPAS PÁRA-QUEDISTAS RELAÇÃO DE PÁRA-QUEDISTAS MILITARES 43160 NELSON DA SILVA LÉ 1 43161 MARCO PAULO SALVADOR SANTOS 1 43162 JOSÉ ANTÓNIO LOPES MARQUES 1 43163 MARIA JULIA DE SÁ FARIA ABREU 1 43164 FRANCISCO DUARTE DA GRAÇA

Leia mais

Mapa de Vinculos. Vinculo. Data Referência:

Mapa de Vinculos. Vinculo. Data Referência: Pag. 1 / 7 Vinculo Mulheres Homens Total 01 Pessoal Contratado 1 8 9 03 Pessoal Comissão de Serviço 1 0 1 07 Pessoal Quadro 12 23 35 13 Outros 2 0 2 14 Cedência Interesse Público 14 60 74 Totais 30 91

Leia mais

COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR

COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR COM DEUS APRENDI A PERDER PARA GANHAR Marcos 8:35 Na semana passada aprendemos um pouco mais sobre Salvação, que nada mais é que a própria pessoa de Jesus Cristo agindo em nosso interior, transformando

Leia mais

PRIMEIRO REINADO A formação do Estado nacional brasileiro

PRIMEIRO REINADO A formação do Estado nacional brasileiro PRIMEIRO REINADO 1822-1831 A formação do Estado nacional brasileiro 1. A Confederação do Equador A Confederação do Equador foi um movimento político e revolucionário ocorrido na região Nordeste do Brasil

Leia mais

QUANDO EU, SENHORA...

QUANDO EU, SENHORA... QUANDO EU, SENHORA... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Data realização: segunda, 18 de junho às 14:00 h Sala: 4 14348127 ADRIANA ISABEL PEREIRA RIBEIRO 1 14581488 ADRIANA RAQUEL BARBOSA SOUSA 2 14172404 ADRIANA SILVA DE CARVALHO 3 14557115 ALDA DANIELA SILVA

Leia mais

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486 Luís Vaz de Camões 1º Abs Joana Santos nº2486 Ano lectivo: 2010/2011 Índice.. 2 Introdução...3 Vida de Luís de Camões.. 4 Obra. 5 Conclusão 6 Bibliografia..7 2 Neste trabalho irei falar sobre Luís Vaz

Leia mais

Alunos para o quadro de honra Menção Honrosa

Alunos para o quadro de honra Menção Honrosa Alunos para o quadro de honra 2015-2016 4º ano 4A-BA 4B-BA 4B-CA 4A-CO 4B-CO 4A-LO Andreia Gabriela Pereira Oliveira Francisca Lima Pereira Francisco Martins Pereira Lara Raquel Mateus Félix Poinhos Luana

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência 14809574 ANA ALEXANDRA TEIXEIRA MAGALHÃES Sim 13 116 12 13 (treze) ------------------- 14900592 ANA CAROLINA QUEIRÓS PEREIRA Não -------- 043 04 04 (quatro) ------------------- 14166203 ANA CÁTIA MONTEIRO

Leia mais

Anexo I. Lista de Candidatos Admitidos

Anexo I. Lista de Candidatos Admitidos Anexo I Lista de Candidatos Admitidos N.º de ordem Nome 1 Alexandre Manuel Martins Portugal dos Santos Oliveira 2 Ana Carolina Sousa Ferreira 3 Ana Cristina Pires Raposo 4 Ana Guadalupe Pais Martins 5

Leia mais

ESCOLA DE TROPAS PÁRA QUEDISTAS

ESCOLA DE TROPAS PÁRA QUEDISTAS RELAÇÃO DE PÁRA-QUEDISTAS MILITARES 31048 ORLANDO DA SILVA DOMINGUES 1 31049 JOAQUIM BRITES VENÂNCIO TOMÁS 1 31050 CLÁUDIO HENRIQUE JÚDICIBUS LOPES 1 31051 JOSÉ HILÁRIO DE AGUIAR CALHEIROS 1 31052 ADÉRITO

Leia mais

PROVAS DE ADMISSÃO PARA O ANO LETIVO 15/16 PROVA DE APTIDÃO MUSICAL - ESCRITA NOME DO CANDIDATO

PROVAS DE ADMISSÃO PARA O ANO LETIVO 15/16 PROVA DE APTIDÃO MUSICAL - ESCRITA NOME DO CANDIDATO Dia: 8 de junho de 2015 Hora: 18,00 horas Professor: Carla Sabino Sala: 1 1 035 Ana Júlia Tavares de Oliveira 014 Ana Sofia Pereira Leal 001 Beatriz Pacheco Festas 011 Bruno Tomás Silva Ribeiro 099 Daniel

Leia mais

coleção Conversas #24 Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #24 Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #24 Eu Posso sou me G ay. curar? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo de facilitar

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM COMUNICADO OFICIAL Nº. CA-001. QUADRO DE ÁRBITROS DE FUTEBOL C3 e C

CONSELHO DE ARBITRAGEM COMUNICADO OFICIAL Nº. CA-001. QUADRO DE ÁRBITROS DE FUTEBOL C3 e C Associação de Futebol de Aveiro F I L I A D A N A F E D E R A Ç Ã O P O R T U G U E S A D E F U T E B O L Instituição de Utilidade Pública, fundada em 22.09.1924, - Contr. N.º 501.090.533 CONSELHO DE ARBITRAGEM

Leia mais

ATA n.º 2. 3 Procedida a verificação das candidaturas, o júri deliberou:

ATA n.º 2. 3 Procedida a verificação das candidaturas, o júri deliberou: PROCEDIMENTO CONCURSAL NA MODALIDADE DE RELAÇÃO DE EMPREGO PÚBLICO POR TEMPO INDETERMINADO, PARA PREENCHIMENTO DE UM POSTO DE TRABALHO NA CATEGORIA ASSISTENTE OPERACIONAL, DA CARREIRA ASSISTENTE OPERACIONAL,

Leia mais

EU TE OFEREÇO ESSAS CANÇÕES

EU TE OFEREÇO ESSAS CANÇÕES EU TE OFEREÇO ESSAS CANÇÕES Obra Teatral de Carlos José Soares Revisão Literária de Nonata Soares EU TE OFEREÇO ESSAS CANÇÕES Peça de Carlos José Soares Revisão Literária Nonata Soares Personagens: Ricardo

Leia mais

Centro Escolar de Gilmonde

Centro Escolar de Gilmonde Pré-Escolar - Grupo: A N.º Nome Idade 1 Ana Margarida Abreu Carvalho 5 2 Daniel Gomes Ferreira 5 3 Filipa Ferreira Portela 5 4 Gonçalo Dinis Rodrigues Carvalho 5 5 Guilherme Fernandes Rocha 5 6 Inês Ferreira

Leia mais

138 MARISA ALEXANDRA DA SILVA MARTINS 15,20 2.º

138 MARISA ALEXANDRA DA SILVA MARTINS 15,20 2.º dos candidatos Candidatos aprovados na 1.ª Fase Ao abrigo do n.º 4 do art.º 6.º da Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, o recrutamento para constituição de relações jurídicas de emprego público por tempo

Leia mais

1 38,942 Ana Paula Lemos Machado Correia. 2 36,014 Maria da Graça dos Santos Azevedo. 4 34,340 Maria Jacinta Estrela Pina Gomes

1 38,942 Ana Paula Lemos Machado Correia. 2 36,014 Maria da Graça dos Santos Azevedo. 4 34,340 Maria Jacinta Estrela Pina Gomes CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2015/2016 Grupo de recrutamento Horário n.º: 47 100-Pré Escolar N.º de horas: 25 Ordenação Graduação Profissional Nome 1 38,942 Ana Paula Lemos Machado Correia 2 36,014 Maria da Graça

Leia mais

CRISES, EMBATES IDEOLÓGICOS E MUTAÇÕES CULTURAIS NA PRIMEIRA METADE DO SÉC. XX AS TRANSFORMAÇÕES DAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO

CRISES, EMBATES IDEOLÓGICOS E MUTAÇÕES CULTURAIS NA PRIMEIRA METADE DO SÉC. XX AS TRANSFORMAÇÕES DAS PRIMEIRAS DÉCADAS DO SÉCULO 1.5.2. Tendências culturais: entre o naturalismo e as vanguardas - Pintura Tradicional: naturalismo Academismo: Columbano B. Pinheiro e Silva Porto, por ex. Cenas de costume (cenas populares, rurais) botas

Leia mais

Lista Inscritos Migratórias

Lista Inscritos Migratórias Lista Inscritos Migratórias Espécie Migratórias de Inverno José Fernando da Silva Costa 569762 Calisto Joaquim Canelo 608778 João António Nogueira Grilo 383105 José Cordeiro dos Santos Formiga 403978 Acácio

Leia mais

Agrupamento de Escolas Moinhos da Arroja E.B. 2.º e 3.º Ciclos Moinhos da Arroja. Relação de Alunos

Agrupamento de Escolas Moinhos da Arroja E.B. 2.º e 3.º Ciclos Moinhos da Arroja. Relação de Alunos : A 1 Ângela Inês Gonçalves Henriques Saraiva S 2 Beatriz Gomes Varela S 3 Beatriz Vitória Lima Assumpção 4 Bruna Rodrigues Mendes Carolina Sofia das Neves Sapo 6 Clóvis Gil Sousa Silva S 7 Diogo Dinis

Leia mais

Testes comuns Português 10º Ano. Sala

Testes comuns Português 10º Ano. Sala Sala 211 05-02 - 2015 19663 10 CT3 Adriana Raquel Seara Ferreira 15965 10 CT1 Alexandra Sofia Gonçalves dos Santos 19743 10 LH2 Alexandre Vilas Boas Soares 16035 10 CT1 Ana Beatriz Coelho Moreira 16002

Leia mais

PERFEITO CORAÇÃO. Está se vê obrigada a casar-se sem amor com Tiago. Viverá infeliz. O problema é que Roberto deixou Cristal grávida.

PERFEITO CORAÇÃO. Está se vê obrigada a casar-se sem amor com Tiago. Viverá infeliz. O problema é que Roberto deixou Cristal grávida. PERFEITO CORAÇÃO Como previsto, estréia amanhã, aqui no Recanto, Perfeito Coração. Antes de tudo, gostaria de dizer que ela é inspirada na obra homônima de Pedro Lopes, autor da vencedora do Emmy Laços

Leia mais

III Edição do CONCURSO DE LEITURA 1º e 2º ciclo Lista de inscrições e obras selecionadas

III Edição do CONCURSO DE LEITURA 1º e 2º ciclo Lista de inscrições e obras selecionadas 5º A Beatriz Maria Santos Alves, nº 5 Silka 5º A Inês Duarte Oliveira, nº 12 Silka 5º A Inês Gomes Oliveira, nº 13 Silka 5º A Maria Martingo Carvalho, nº 18 Silka 5º A Sofia Soares Brandão Almeida, nº

Leia mais

Juiz de Direito em Estágio Área Tribunal Formador Área Administrativa Formador Área Tributária. Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra

Juiz de Direito em Estágio Área Tribunal Formador Área Administrativa Formador Área Tributária. Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra Juiz de Direito em Estágio Área Tribunal Formador Área Administrativa Formador Área Tributária Noémia Maria Ferreira Fernandes Santos Ana Cristina de Sá Lameira Isabel Maria Vaz Martins Fernandes Gomes

Leia mais

C. C. S. Moçambique Tete - Fingoé 1972 a 1974

C. C. S. Moçambique Tete - Fingoé 1972 a 1974 C. C. S. Batalhão de Caçadores 3885 Companhia de Comandos e Serviços Moçambique Tete - Fingoé 1972 a 1974 Lista de Militares à data do regresso a Lisboa Posto Nome Coronel José da Silva Pinto Ferreira

Leia mais

Centro Escolar de Gilmonde

Centro Escolar de Gilmonde Turma: A Ano: 1.º 1 Ana Margarida Abreu Carvalho 1.º 2 António Leandro Pereira Mugenge 1.º 3 Bernardo Costa Almeida 1.º 4 Bruno Dias da Silva 1.º 5 Dinis Correia Silva 1.º 6 Filipa Ferreira Portela 1.º

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS RELAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES 5º ANO - ANO LETIVO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS RELAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES 5º ANO - ANO LETIVO RELAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES 5º ANO - Ciências Naturais 978-989-647-163-7 CSI 5 - Ciências Sob Investigação - 5.º Ano, + Caderno de Atividades Areal Editores, SA Adriana Ramos, Vítor Lima Educação Musical

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE CANARICULTORES DE VILA DO CONDE

ASSOCIAÇÃO DE CANARICULTORES DE VILA DO CONDE ASSOCIAÇÃO DE CANARICULTORES DE VILA DO CONDE RELAÇÃO DE SÓCIOS Nº Sócio Nº STAM NOME CONCELHO 1 032-B Manuel António Queirós Pereira Vila do Conde 2 874-A Joaquim Maia de Sousa Vila do Conde 3 556-E José

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CALDAS DE VIZELA ESCOLA BÁSICA CALDAS DE VIZELA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CALDAS DE VIZELA ESCOLA BÁSICA CALDAS DE VIZELA Físico-Química Universo FQ 9- CFQ Texto Editores, Lda Carla Morais, Carlos Fiolhais, João Paiva, Manuel Fiolhais, Sandra Costa, Vítor Gil Ciências Naturais Viva a Terra! 9- Ciências Naturais Ilídio André

Leia mais

'HVHQKR,, 7XUPD Ana Paula Borges de Almeida Ana Rita Brito de Faria Ana Rita Silva Oliveira Goulao

'HVHQKR,, 7XUPD Ana Paula Borges de Almeida Ana Rita Brito de Faria Ana Rita Silva Oliveira Goulao 1 051201005 Ana Paula Borges de Almeida 2 051203007 Ana Rita Brito de Faria 3 051203060 Ana Rita Silva Oliveira Goulao 4 031201003 Bruno Jose Coelho de Sousa 5 051202007 Bruno Miguel da Silva Areias 6

Leia mais

Lista de candidatos ordenada pela DGAE

Lista de candidatos ordenada pela DGAE Lista de candidatos ordenada pela DGAE Nome da Escola : Escola Secundária Arquitecto Oliveira Ferreira, Praia da Granja, Vila Nova de Gaia Data final da candidatura : 13-11-2015 Grupo de Recrutamento:

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência 14595584 ALEXANDRA VIEIRA DA SILVA Não -------- Faltou ---------------- ------- ------------------ ------------------- 15479899 ANA BEATRIZ FERREIRA DA SILVA Sim 13 106 11 12 (doze) Aprovado 15299993 ANA

Leia mais

Concurso Escolas Prioritárias 2009

Concurso Escolas Prioritárias 2009 100 Educação Pré-Escolar 2449285733 ALICE RAQUEL DE SOUSA NOVAIS FERREIRA QA/QE 7468362726 ANA MARIA COSTA SILVA QZP 3742215566 ANA RITA FERREIRA BARBOSA QZP 4702730738 ANABELA CUNHA DA SILVA QZP 4734901015

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2015

Ministério da Educação e Ciência Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2015 14511846 ALEXANDRA RODRIGUES PAIS Colocada em 5402 9007 14157296 ANA CAROLINA FERREIRA MENDES Colocada em 1103 9223 14508883 ANA RITA BARBOSA DE SOUSA Colocada em 1110 9813 15375156 ANA RITA MADANÇOS VILAÇA

Leia mais

28/08/ ,000 16/05/ /02/ ,000 30/05/ /11/ ,000 21/05/2003

28/08/ ,000 16/05/ /02/ ,000 30/05/ /11/ ,000 21/05/2003 Ordenação Graduação 1 25,101 5261738245 Nº Candidato Nome Maria da Graça Fernandes Cardoso Data de Nascimento Tempo de Serviço antes da profissionalização Tempo de Serviço após da profissionalização Classificação

Leia mais

Torneio de Meio Fundo e Fundo Ponta Delgada,

Torneio de Meio Fundo e Fundo Ponta Delgada, Infantis B 2005 Fem 1 Ana Carolina, SILVA 2005 CNPV - Clube Naval Praia da Vitoria 200m Estilos 2:57.11 325 400m Livres 5:30.64 356 681 2 Maria Pedro, RINO 2005 NSIT - Nuleo Sportinguista Ilha Terceira

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência 14996867 ABÍLIO RAFAEL DA SILVA NUNES Sim 14 060 06 12 (doze) ------------------- 14854156 ANA BEATRIZ VIEIRA PEREIRA Não -------- 070 07 07 (sete) ------------------- 14495138 ANA CAROLINA PINTO TEIXEIRA

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação 14762193 ALEXANDRA MARIA PINTO SILVA Sim 18 085 09 15 (quinze) Aprovado 15194664 ÁLVARO FILIPE PINTO SOARES Sim 10 076 08 09 (nove) 32/49 15597854 ÁLVARO JOSÉ GOMES DA SILVA Sim 11 070 07 10 (dez) Aprovado

Leia mais

Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Licenciatura em Ciências do Desporto

Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Licenciatura em Ciências do Desporto Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Licenciatura em Ciências do Desporto 2016235044 FILIPE MIGUEL DUARTE DIAS N.º Total de Colocado 1 Colocados 2016/2017 sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Leia mais

Concurso para Técnico Superior Profissional de RVC

Concurso para Técnico Superior Profissional de RVC 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Aida Margarida Neto Rodrigues Afonso Manuel Gaspar P. Torres Albertina Pereira Salas Alexandra Patrícia da Silva Gomes Ana Isabel Silva Sinde Nobre Ana Maria Pinto M.

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência 14996867 ABÍLIO RAFAEL DA SILVA NUNES Não -------- 056 06 06 (seis) ------------------- 14595584 ALEXANDRA VIEIRA DA SILVA Não -------- Faltou ---------------- ------- ------------------ -------------------

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação 15304201 ADRIANA ISABEL DA SILVA OLIVEIRA DE SOUSA Não -------- 121 12 12 (doze) ------------------- 33/217 15361984 ALEXANDRA ISABEL DA SILVA BORGES Não -------- Faltou ---------------- ------- ------------------

Leia mais

N_PROC Nome LE2 Opção EMR T_11-12

N_PROC Nome LE2 Opção EMR T_11-12 15959 Abel Dinis Cruz Soares Espanhol Dança 8A 17113 Alexandra Sofia Simões Silva Espanhol Dança 8A 17036 Ana Carolina Ferreira Bogalho Espanhol Dança 8A 16179 Ana Carolina Lemos Ferreira Espanhol Dança

Leia mais

13º MatViseu Escola de Primavera

13º MatViseu Escola de Primavera Nas páginas seguintes encontrará por um lado a lista de todos os participantes e por outro as listas de participantes em cada uma das sessões assim como as indicações das salas e horários de realização

Leia mais

MANUAIS ESCOLARES ADOTADOS PARA 2014/ º CICLO

MANUAIS ESCOLARES ADOTADOS PARA 2014/ º CICLO 2º ANO 1º ANO 1.º CICLO Português Mundo da Carochinha LP 1ºAno Carlos A. Letra Edições Gailivro Pasta Mágica 1 - Angelina Rodrigues, Cláudia Pereira, Isabel Borges e Luísa Azevedo Areal Editores SA Pasta

Leia mais

AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES

AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES JOSÉ CUSTÓDIO MADALENO GERALDO SUB Hamburg A/561137 AS INVASÕES NAPOLEONICAS DESDE A IDA DA FAMÍLIA REAL PARA 0 BRASIL ÀS LINHAS DE TORRES 1807-1811 e d i t o r a ÍNDICE AGRADECIMENTOS 17 PRINCIPAIS SIGLAS

Leia mais

COIMBRA. Via: Académica. 26 Ana Carolina Nunes Mateus. 27 Ana Catarina Beirão Pereira. 28 Ana Catarina Cabete de Oliveira Ribeiro

COIMBRA. Via: Académica. 26 Ana Carolina Nunes Mateus. 27 Ana Catarina Beirão Pereira. 28 Ana Catarina Cabete de Oliveira Ribeiro Anfiteatro I Académica 26 Ana Carolina Nunes Mateus 27 Ana Catarina Beirão Pereira 28 Ana Catarina Cabete de Oliveira Ribeiro 41 Ana Cláudia da Cruz Carvalheiro 59 Ana Filipa Loura Barros 70 Ana Isabel

Leia mais

Português 2 Agostinho José Gomes Coelho T. Carvalho Alfredo António da Silva Abreu Ana Beatriz de Almeida e Vasconcelos Ana David Cunha Serra e Costa

Português 2 Agostinho José Gomes Coelho T. Carvalho Alfredo António da Silva Abreu Ana Beatriz de Almeida e Vasconcelos Ana David Cunha Serra e Costa Português 1 Albano Pinho Botelho Ana Alexandra de Almeida Alves Ana Catarina Ribeiro Moreira Ana Cláudia Bandeira Pascoal Ana Cláudia Nogueira Ventura Ana Patrícia Rodrigues Granja Ana Rita da Silva Dias

Leia mais

Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário Serviço do Ensino Secundário Geral LISTA DE MANUAIS ADOPTADOS ANO LECTIVO 2011/12

Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário Serviço do Ensino Secundário Geral LISTA DE MANUAIS ADOPTADOS ANO LECTIVO 2011/12 LISTA DE MANUAIS ADOPTADOS ANO LECTIVO 2011/12 1º CICLO (7º e 8º anos) LÍNGUA PORTUGUESA Título: Hespérides Manual de Língua Portuguesa 7º e 8º anos Autora: Maria Cândida Neiva LÍNGUA FRANCESA 7º ano Título:

Leia mais

PROJETO APOIO APRENDIZAGEM 11ºANO BIOLOGIA E GEOLOGIA GRUPOS DE NÍVEL DE DESEMPENHO. E. coli. Escola Secundária de Barcelos

PROJETO APOIO APRENDIZAGEM 11ºANO BIOLOGIA E GEOLOGIA GRUPOS DE NÍVEL DE DESEMPENHO. E. coli. Escola Secundária de Barcelos PROJETO APOIO APRENDIZAGEM 11ºANO GRUPOS DE NÍVEL DE DESEMPENHO BIOLOGIA E GEOLOGIA Turma 1 (A+B) Diana Rodrigues Igor Fonseca Joana Martins José Luís Eduardo de Bastiana Joana Patrícia Gomes João Pedro

Leia mais

* Associação das Antigas Alunas do Instituto de Odivelas, Anexo à Casa do Capelão / IO, Largo D. Dinis, Odivelas. Infobus, Comunicação &

* Associação das Antigas Alunas do Instituto de Odivelas, Anexo à Casa do Capelão / IO, Largo D. Dinis, Odivelas. Infobus, Comunicação & * Associação das Antigas Alunas do Instituto de Odivelas, Anexo à Casa do Capelão / IO, Largo D. Dinis, 2675-332 Odivelas. Infobus, Comunicação & Serviços, Lda, Rua de Moçambique, 9, 2745-180 Queluz. **

Leia mais

COMARCA DE VIANA DO CASTELO

COMARCA DE VIANA DO CASTELO Arcos De Valdevez Escrivão Direito 30370 Rosa Maria Esteves Da Costa Pontes MB Arcos De Valdevez Escrivão Adjunto 25273 Anabela De Lurdes Lourenco Rodrigues Marinho Arcos de Valdevez e Ponte da Barca -

Leia mais

Eleições dos delegados à Assembleia-geral da Federação Portuguesa de Judo Resultados ZONA AÇORES

Eleições dos delegados à Assembleia-geral da Federação Portuguesa de Judo Resultados ZONA AÇORES ZONA AÇORES Açores (SM) Açores (SJ) Ilha Terceira Eleitores 28 11 10 49 Votantes 21 9 6 36 Luís Paz 21 9 1 31 Delegado Eleito Mário Coelho 0 0 5 5 Açores (SM) Açores (SJ) Ilha Terceira Eleitores 136 52

Leia mais

Turmas Provisóvias - 8º ano Ano letivo 2013/2014

Turmas Provisóvias - 8º ano Ano letivo 2013/2014 Alexandre Borda de Água Matias Francês Expressão Plástica 8A Alexandre Miguel Bastos Girão Francês Expressão Plástica 8A Amélia João Sol Murta Francês Expressão Plástica 8A André Filipe Carvalho Vieira

Leia mais

Ministério da Educação e Ciênci

Ministério da Educação e Ciênci 15127366 ADRIANA COSTA MOREIRA Sim 16 125 13 15 (quinze) Aprovado 13152972 ADRIANA MARLENE MIRANDA FIGUEIRAS Sim 11 041 04 09 (nove) 15030998 ALDA JOÃO ARAUJO ANDRADE Sim 20 192 19 20 (vinte) Aprovado

Leia mais

Lista Ordenada dos Candidatos ao Horário nº 1 Projeto e Tecnologias Cerâmica

Lista Ordenada dos Candidatos ao Horário nº 1 Projeto e Tecnologias Cerâmica Lista Ordenada dos s ao nº 1 Projeto e Tecnologias Cerâmica 1 C-01 9423567517 Claudia Marina Chaves Telheiro da Silva 20 selecionada 1 C-01 9638194030 Brigite Barcelos da Silva 12,1 1 C-01 3725459940 Carla

Leia mais

UM GOVERNO SEM REI NEM ROQUE. É extraordinário como o actual Governo se mantém - contra a vontade da esmagadora maioria dos portugueses - com

UM GOVERNO SEM REI NEM ROQUE. É extraordinário como o actual Governo se mantém - contra a vontade da esmagadora maioria dos portugueses - com UM GOVERNO SEM REI NEM ROQUE É extraordinário como o actual Governo se mantém - contra a vontade da esmagadora maioria dos portugueses - com mentiras sucessivas e sem ter qualquer visão para o futuro,

Leia mais

Provas Aferição - 6, 8 e 10 Janeiro 2014. Cédula Nome Profissional PC-OJ DP-IJ PP-DC/DH. 11901P Miguel Teixeira Sala 201 2º Curso 2012

Provas Aferição - 6, 8 e 10 Janeiro 2014. Cédula Nome Profissional PC-OJ DP-IJ PP-DC/DH. 11901P Miguel Teixeira Sala 201 2º Curso 2012 11901P Miguel Teixeira Sala 201 2º Curso 2012 29863P Milene Pinto Anf 101 Sala 201 Anf 101 1º Curso 2012 30849P Cláudia Gomes de Andrade Anf 101 1º Curso 2012 32166P Ana Belém Cardoso Anf 101 Sala 201

Leia mais

LISTA DEFINITIVA DE CANDIDATOS ADMITIDOS Grupo de Recrutamento 110

LISTA DEFINITIVA DE CANDIDATOS ADMITIDOS Grupo de Recrutamento 110 LISTA DEFINITIVA DE CANDIDATOS ADMITIDOS Grupo Recrutamento 110 Grupo Nome Priorida 110 Maria Fátima Rodrigues Marques Cunha 1.ª 5099 10.03.1976 110 Regina Maria Claro Gomes Roque Esteves Traveira 2.ª

Leia mais

Este País É Uma Anedota

Este País É Uma Anedota Este País É Uma Anedota Este País É Uma Anedota É preciso gravata Um português caminha pelo deserto a gritar: Água Água Estou a morrer de sede! Entretanto, avista um homem a vir na sua direção: Amigo água

Leia mais

FAMÍLIA R&B 12º ANIVERSÁRIO CASAMENTO COMEMORAÇÃO JANTAR DE FAMÍLIA 1 DE MARÇO

FAMÍLIA R&B 12º ANIVERSÁRIO CASAMENTO COMEMORAÇÃO JANTAR DE FAMÍLIA 1 DE MARÇO ARRANJACASA REPARAMOS E REMODELAMOS O SEU LAR, EMPRESA, JARDIM 938664495 FAMÍLIA R&B EDIÇÃO ESPECIAL S. VALENTIM DIRECÇÃO TÉCNICA OLÍVIA 14 DE FEVEREIRO DE 2015 FOTOGRAFIA MARGARIDA RETIRO DA QUARESMA

Leia mais

Rede Oferta de Adultos NUT III

Rede Oferta de Adultos NUT III Rede Oferta de Adultos 2016-2017 - NUT III Ações de Formação de Português para Falantes de Outras Línguas - Atualizada 2016.08.26 PFOL Alentejo Évora Évora Agrupamento de Escolas n.º 2 de Évora 2 2 Alentejo

Leia mais

Código: NIF: VALORIZAÇÃO E MÉRITO 2014/2015 MENÇÕES HONROSAS 3º PERÍODO 5º ANO TURMA Nº NOME DO(A) ALUNO(A)

Código: NIF: VALORIZAÇÃO E MÉRITO 2014/2015 MENÇÕES HONROSAS 3º PERÍODO 5º ANO TURMA Nº NOME DO(A) ALUNO(A) VALORIZAÇÃO E MÉRITO 2014/2015 MENÇÕES HONROSAS 3º PERÍODO 5º ANO 9 Daniela Luana Cabaça Batista 5.ºA 10 Diogo Marques Baltazar 16 Maria Inês Rodrigues T Estevens 17 Patrícia Alexandra Leal Morais 2 Ana

Leia mais

Estação de Braga. Cheguei a Braga. Lá vim eu no meu lugar à janela. E o mundo lá fora

Estação de Braga. Cheguei a Braga. Lá vim eu no meu lugar à janela. E o mundo lá fora Roteiro de Braga Estação de Braga Cheguei a Braga. Lá vim eu no meu lugar à janela. E o mundo lá fora a correr e eu a querer apanhá-lo. E sentada no meu lugar corri, e de olhos atentos via vida e gente,

Leia mais

O primeiro suspiro de um poeta insano!

O primeiro suspiro de um poeta insano! 1 O primeiro suspiro de um poeta insano! 2012 2 O primeiro suspiro de um poeta insano Jonas Martins 1ª.Edição..Poesia Todos os direitos reservados ao autor A reprodução total ou parcial desta obra só é

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência 15639450 ADRIANA FILIPA PEREIRA MOURA FREITAS Sim 14 107 11 13 (treze) Aprovado 15577781 ADRIANO JOSÉ MONTEIRO MARINHO Sim 12 070 07 11 (onze) Aprovado 15401551 AFONSO FERNANDES SOUSA ROCHA Sim 13 099

Leia mais

Família real portuguesa no Brasil

Família real portuguesa no Brasil Família real portuguesa no Brasil Vinda da família real No início do século XIX Napoleão Bonaparte era imperador da França. Ele queria conquistar toda a Europa e para tanto derrotou os exércitos de vários

Leia mais

REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA)

REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA) REVOLTAS EMANCIPACIONISTAS (CONJURAÇÃO BAIANA E INCONFIDÊNCIA MINEIRA) PERÍODO JOANINO (1808 1821) PROF. JOÃO GABRIEL DA FONSECA joaogabriel_fonseca@hotmail.com Voltaire Rousseau Declaração de Independência

Leia mais

UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR

UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 4 PLANO GERAL DA OBRA INTRODUÇÃO UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 11 O que é a literatura? 11 Porquê História de Literatura em Portugal e não da Literatura Portuguesa? 12

Leia mais

Era uma vez uma Princesa

Era uma vez uma Princesa Era uma vez uma Princesa Vendas Novas, há muitos e muitos anos, viveu uma história de Reis, Rainhas, Príncipes e Princesas! Um dos episódios dessa história, com o objetivo de melhorar as relações entre

Leia mais

39º Aniversário da UA

39º Aniversário da UA 39º Aniversário da UA BOLSAS DE ESTUDO AOS MELHORES CALOIROS Daniela Casal de Sousa Licenciatura em Física, com a média de 175,3 pontos Márcio Pinheiro Carvalheiro Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica,

Leia mais

COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Quadro de Honra

COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Quadro de Honra COLÉGIO LICEAL DE SANTA MARIA DE LAMAS Ano letivo de 2011/2012 5º ANO - Diana Silva Martins 5º G - Leonor Oliveira da Silva Sousa - 5º E - Júlia Petra Sousa Conceição 5º E - Inês Oliveira Leão 5º A - João

Leia mais

3.ª Companhia do Batalhão de Artilharia 6223/73

3.ª Companhia do Batalhão de Artilharia 6223/73 3.ª Companhia do Batalhão de Artilharia 6223/73 Oficiais Capitão Miliciano Paulo Miguel de Macedo Cocco Alferes Milicianos Aldiro de Oliveira e Castro António Amaral Rodrigues José Carlos Matos Arinto

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS RELAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES 5º ANO - ANO LETIVO

ESCOLA BÁSICA DOS 2º E 3º CICLOS DOS LOUROS RELAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES 5º ANO - ANO LETIVO RELAÇÃO DE MANUAIS ESCOLARES 5º ANO - Ciências Naturais 978-989-647-163-7 CSI 5 - Ciências Sob Investigação - 5.º Ano, + Caderno de Atividades Areal Editores, SA Adriana Ramos, Vítor Lima Educação Musical

Leia mais

Escola Secundária Ferreira de Castro

Escola Secundária Ferreira de Castro -PONT-1 Básica n.º 1 de Santiago de Riba-Ul, Vila Cova, Oliveira de Azeméis 17560 Beatriz Ferreira Machado 6 21-06-2010 1 1 X 17560 16802 Bernardete Maria M. Freitas 8 24-05-2008 3 3 X 16802 17397 Bernardo

Leia mais

10:00 - Sessão Solene de Abertura

10:00 - Sessão Solene de Abertura 11 de Junho de 2015 10:00 - Sessão Solene de Abertura o Dr. Miguel Albuquerque Presidente do Governo Regional da Madeira o Senhor Dom António Carrilho Bispo da Diocese do Funchal o Dra. Andreia Cardoso

Leia mais

Cemitério Municipal a Quinta da Piedade (Póvoa de Santa Iria) EXUMAÇÕES

Cemitério Municipal a Quinta da Piedade (Póvoa de Santa Iria) EXUMAÇÕES Cemitério Municipal a Quinta da Piedade EXUMAÇÕES E 478 Maria Emilia Rosa Mendonça Pereira 18/05/2015 09:00 E 480 Francisco Barreno Agostinho 19/05/2015 09:00 D 553 António Cesário Martins 20/05/2015 09:00

Leia mais

Convocatória. - Treinadores Nível II Sede UVP/FPC Rua de Campolide Lisboa Dia 23 de Outubro 2010 Entre as 10:00 e as 13:00

Convocatória. - Treinadores Nível II Sede UVP/FPC Rua de Campolide Lisboa Dia 23 de Outubro 2010 Entre as 10:00 e as 13:00 Convocatória Somos a informar o resultado das eleições realizadas nos dias 16 e 17 de Outubro, para os Delegados Votantes à Assembleia-geral. (ver anexo) Considerando os casos de empates existentes, vimos

Leia mais

Instituto Politécnico do Cávado e Ave Página: 1

Instituto Politécnico do Cávado e Ave Página: 1 2684 Marta Joana Silva Loureiro DI 3007 Rui Manuel Carneiro Barbosa Caridade ESIPL 3200 Marcos José Lopes Pais IM 3291 Angela Maria dos Santos e Melo DI 3293 Luís André Silva Cunha DGPL 3503 Paulo Jorge

Leia mais

1. Observe o seguinte trecho do Sermão da Sexagésima de Padre Antônio Vieira:

1. Observe o seguinte trecho do Sermão da Sexagésima de Padre Antônio Vieira: 3º EM Literatura Renata Romero Av. Dissertativa 20/05/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos.

Leia mais

Agrupamento de Escolas N.º 2 de Loures - Escolas Secundária José Afonso, Loures

Agrupamento de Escolas N.º 2 de Loures - Escolas Secundária José Afonso, Loures Agrupamento de Escolas N.º 2 de Loures - Escolas Secundária José Afonso, Loures Seriação dos Candidatos aos Horários de Técnicos Especializados HORÁRIO 3-20H AÇÃO EDUCATIVA Nª Candidatos 3532725827 1202152473

Leia mais

Ano letivo 2015/2016 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Horário 50 - GR110-1º Ciclo do Ensino Básico - 25h LISTA ORDENADA DE GRADUAÇÃO PROFISSIONAL

Ano letivo 2015/2016 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Horário 50 - GR110-1º Ciclo do Ensino Básico - 25h LISTA ORDENADA DE GRADUAÇÃO PROFISSIONAL CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Horário 50 - GR110-1º Ciclo do Ensino Básico - 25h LISTA ORDENADA DE GRADUAÇÃO PROFISSIONAL 1 9926788696 Célia Maria Lopes de Sá 28,852 2 5687889116 Daniela Marília Pojo Sousa 28,501

Leia mais

A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional

A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional Languages Thomas Strobel A Guerra das Laranjas e a Questão de Olivença num contexto internacional Seminar paper UNIVERSIDADE DE LISBOA Faculdade de Letras Departamento de Língua e Cultura Portuguesa Ano

Leia mais

Grupo 1 LISTA DE PARTICIPANTES. Professora Hélia e Professora Susana

Grupo 1 LISTA DE PARTICIPANTES. Professora Hélia e Professora Susana Grupo 1 Professora Hélia e Professora Susana 1 Iris de Matos Ferreira 2 Lucas Alexandre L. Rodrigues 3 David José Fernandes Inocêncio 4 Joana Filipa Gomes de Matos 5 Daniela Gomes João 6 Rita Marques Rodrigues

Leia mais

Contratação de Escola

Contratação de Escola Contratação de Escola 2016-2017 (Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27 de junho, na redação dada pelo Decreto-Lei n.º 83-A/2014, de 23 de maio, retificado pela Declaração de Retificação n.º 36/2014, de 22 de

Leia mais

Leon Tolstói GUERRA E PAZ. Adaptação e roteiro: Frédéric Brémaud Desenhos: Thomas Campi Cores: Fabio d Auria L&PM EDITORES.

Leon Tolstói GUERRA E PAZ. Adaptação e roteiro: Frédéric Brémaud Desenhos: Thomas Campi Cores: Fabio d Auria L&PM EDITORES. GUERRA E PAZ 1 Leon Tolstói GUERRA E PAZ Tradução de Alexandre Boide Adaptação e roteiro: Frédéric Brémaud Desenhos: Thomas Campi Cores: Fabio d Auria apoio da Unesco L&PM EDITORES 3 1805. Napoleão Bonaparte,

Leia mais