REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS"

Transcrição

1

2 Câmara dos Deputados D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D I R D D D Regimento dos Deputados Câmara Interno da Brasília ª edição

3 REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS 10ª edição

4 Mesa da Câmara dos Deputados 54ª Legislatura 2ª Sessão Legislativa Presidente Marco Maia 1ª Vice-Presidente Rose de Freitas 2º Vice-Presidente Eduardo da Fonte 1º Secretário Eduardo Gomes 2º Secretário Jorge Tadeu Mudalen 3º Secretário Inocêncio Oliveira 4º Secretário Júlio Delgado Suplentes de Secretário 1º Suplente Geraldo Resende 2º Suplente Manato 3º Suplente Carlos Eduardo Cadoca 4º Suplente Sérgio Moraes Diretor-Geral Rogério Ventura Teixeira Secretário-Geral da Mesa Sérgio Sampaio Contreiras de Almeida

5 Câmara dos Deputados Regimento Interno da Câmara dos Deputados 10ª edição Aprovado pela Resolução nº 17, de 1989, e alterado pelas Resoluções n os : 1, 3 e 10, de 1991; 22 e 24, de 1992; 25, 37 e 38, de 1993; 57 e 58, de 1994; 1, 77, 78 e 80, de 1995; 5, 8 e 15, de 1996; 33, de 1999; 11 e 16, de 2000; 19, 21 e 25 (Código de Ética e Decoro Parlamentar), de 2001; 27, 28 e 29, de 2002; 4 e 15, de 2003; 20, 22 e 23, de 2004; 30 e 34, de 2005; 45, de 2006; 10, de 2009; 1 e 2, de 2011; e 19, de Centro de Documentação e Informação Edições Câmara Brasília 2012

6 CÂMARA DOS DEPUTADOS Diretoria Legislativa Diretor: Afrísio Vieira Lima Filho Centro de Documentação e Informação Diretor: Adolfo C. A. R. Furtado Coordenação Edições Câmara Diretora: Maria Clara Bicudo Cesar Supervisão: Secretaria-Geral da Mesa Projeto gráfico de capa e miolo: Patrícia Weiss Diagramação: Patrícia Weiss Atualização de diagramação: Alessandra Castro König Pesquisa e revisão: Seção de Revisão e Indexação 1989, 1ª edição; 1993, 2ª edição; 1994, 3ª edição; 1997, 4ª edição; 2000, 5ª edição; 2003, 6ª edição; 2006, 7ª edição; 2011, 8ª edição; 2012, 9ª edição. Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação Cedi Coordenação Edições Câmara Coedi Anexo II Praça dos Três Poderes Brasília (DF) CEP Telefone: (61) ; fax: (61) SÉRIE Textos básicos n. 71 Dados Internacionais de Catalogação-na-publicação (CIP) Coordenação de Biblioteca. Seção de Catalogação. Brasil. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Regimento interno da Câmara dos Deputados [recurso eletrônico]. 10. ed. Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, p. (Série textos básicos ; n. 71) Aprovado pela Resolução nº 17,1989 e alterado pelas resoluções n os : 1, 3 e 10, de 1991; 22 e 24, de 1992; 25, 37 e 38, de 1993; 57 e 58, de 1994; 1, 77, 78 e 80, de 1995; 5, 8, 15, de 1996; 33, de 1999; 11 e 16, de 2000; 19, 21 e 25 (Código de Ética e Decoro Parlamentar), de 2001; 27, 28 e 29, de 2002; 4 e 15, de 2003; 20, 22, 23, de 2004; e 30 e 34, de 2005; 45 de 2006; 10, de 2009; 1 e 2, de 2011; e 19, de ISBN Brasil. Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. 2. Decoro parlamentar, Brasil. 3. Ética política, Brasil. I. Título. II. Série. CDU (81) 1989 ISBN (brochura) ISBN (e-book)

7 SUMÁRIO ATO DA MESA Nº 71, DE 2005 Determina a reedição do Regimento Interno da Câmara dos Deputados e a republicação no Diário da Câmara dos Deputados...11 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 1989 Aprova o Regimento Interno da Câmara dos Deputados...13 REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Título I Disposições Preliminares Capítulo I Da Sede Capítulo II Das Sessões Legislativas Capítulo III Das Sessões Preparatórias...16 Seção I Da Posse dos Deputados...16 Seção II Da Eleição da Mesa...17 Capítulo IV Dos Líderes Capítulo V Dos Blocos Parlamentares, da Maioria e da Minoria Título II Dos Órgãos da Câmara Capítulo I Da Mesa Seção I Disposições Gerais Seção II Da Presidência Seção III Da Secretaria Capítulo II Do Colégio de Líderes Capítulo II-A Da Procuradoria Especial da Mulher Capítulo III Da Procuradoria Parlamentar Capítulo III-A Da Ouvidoria Parlamentar Capítulo III-B Do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar Capítulo IV Das Comissões Seção I Disposições Gerais Seção II Das Comissões Permanentes Subseção I Da Composição e Instalação Subseção II Das Subcomissões e Turmas Subseção III Das Matérias ou Atividades de Competência das Comissões Seção III Das Comissões Temporárias...51

8 Subseção I Das Comissões Especiais Subseção II Das Comissões Parlamentares de Inquérito Subseção III Das Comissões Externas Seção IV Da Presidência das Comissões Seção V Dos Impedimentos e Ausências Seção VI Das Vagas Seção VII Das Reuniões Seção VIII Dos Trabalhos Subseção I Da Ordem dos Trabalhos Subseção II Dos Prazos Seção IX Da Admissibilidade e da Apreciação das Matérias pelas Comissões Seção X Da Fiscalização e Controle Seção XI Da Secretaria e das Atas Seção XII Do Assessoramento Legislativo Título III Das Sessões da Câmara Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Das Sessões Públicas Seção I Do Pequeno Expediente Seção II Da Ordem do Dia Seção III Do Grande Expediente Seção IV Das Comunicações de Lideranças Seção V Das Comunicações Parlamentares Seção VI Da Comissão Geral Capítulo III Das Sessões Secretas Capítulo IV Da Interpretação e Observância do Regimento Seção I Das Questões de Ordem Seção II Das Reclamações Capítulo V Da Ata Título IV Das Proposições Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Dos Projetos Capítulo III Das Indicações Capítulo IV Dos Requerimentos Seção I Sujeitos a Despacho apenas do Presidente... 92

9 Seção II Sujeitos a Despacho do Presidente, Ouvida a Mesa Seção III Sujeitos a Deliberação do Plenário Capítulo V Das Emendas Capítulo VI Dos Pareceres Título V Da Apreciação das Proposições Capítulo I Da Tramitação Capítulo II Do Recebimento e da Distribuição das Proposições Capítulo III Da Apreciação Preliminar Capítulo IV Dos Turnos a que Estão Sujeitas as Proposições Capítulo V Do Interstício Capítulo VI Do Regime de Tramitação Capítulo VII Da Urgência Seção I Disposições Gerais Seção II Do Requerimento de Urgência Seção III Da Apreciação de Matéria Urgente Capítulo VIII Da Prioridade Capítulo IX Da Preferência Capítulo X Do Destaque Capítulo XI Da Prejudicialidade Capítulo XII Da Discussão Seção I Disposições Gerais Seção II Da Inscrição e do Uso da Palavra Subseção I Da Inscrição de Debatedores Subseção II Do Uso da Palavra Subseção III Do Aparte Seção III Do Adiamento da Discussão Seção IV Do Encerramento da Discussão Seção V Da Proposição Emendada durante a Discussão Capítulo XIII Da Votação Seção I Disposições Gerais Seção II Das Modalidades e Processos de Votação Seção III Do Processamento da Votação Seção IV Do Encaminhamento da Votação Seção V Do Adiamento da Votação

10 Capítulo XIV Da Redação do Vencido, da Redação Final e dos Autógrafos Título VI Das Matérias Sujeitas a Disposições Especiais Capítulo I Da Proposta de Emenda à Constituição Capítulo II Dos Projetos de Iniciativa do Presidente da República com Solicitação de Urgência Capítulo III Dos Projetos de Código Capítulo III-A Dos Projetos de Consolidação Capítulo IV Das Matérias de Natureza Periódica Seção I Dos Projetos de Fixação da Remuneração dos Membros do Congresso Nacional, do Presidente e do Vice-Presidente da República e dos Ministros de Estado Seção II Da Tomada de Contas do Presidente da República Capítulo V Do Regimento Interno Capítulo VI Da Autorização para Instauração de Processo Criminal contra o Presidente e o Vice-Presidente da República e os Ministros de Estado.138 Capítulo VII Do Processo nos Crimes de Responsabilidade do Presidente e do Vice-Presidente da República e de Ministros de Estado Capítulo VIII Do Comparecimento de Ministro de Estado Capítulo IX Da Participação na Comissão Representativa do Congresso Nacional e no Conselho da República Título VII Dos Deputados Capítulo I Do Exercício do Mandato Capítulo II Da Licença Capítulo III Da Vacância Capítulo IV Da Convocação de Suplente Capítulo V Do Decoro Parlamentar Capítulo VI Da Licença para Instauração de Processo Criminal contra Deputado Título VIII Da Participação da Sociedade Civil Capítulo I Da Iniciativa Popular de Lei Capítulo II Das Petições e Representações e Outras Formas de Participação Capítulo III Da Audiência Pública Capítulo IV Do Credenciamento de Entidades e da Imprensa Título IX Da Administração e da Economia Interna Capítulo I Dos Serviços Administrativos

11 Capítulo II Da Administração e Fiscalização Contábil, Orçamentária, Financeira, Operacional e Patrimonial Capítulo III Da Polícia da Câmara Capítulo IV Da Delegação de Competência Capítulo V Do Sistema de Consultoria e Assessoramento Título X Das Disposições Finais CÓDIGO DE ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR DA CÂMARA DOS DEPUTADOS RESOLUÇÃO Nº 2, DE 2011 Acrescenta Capítulo III-B ao Título II; altera o art. 180 do Regimento Interno da Câmara dos Deputados, aprovado pela Resolução nº 17, de 1989; e modifica o Código de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, aprovado pela Resolução nº 25, de CÓDIGO DE ÉTICA E DECORO PARLAMENTAR DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Capítulo I Disposições Preliminares Capítulo II Dos Deveres Fundamentais, dos Atos Incompatíveis e dos Atos Atentatórios ao Decoro Parlamentar Capítulo III Do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar Capítulo IV Das Penalidades Aplicáveis e do Processo Disciplinar Capítulo V Do Sistema de Acompanhamento e Informações do Mandato Parlamentar Capítulo VI Das Declarações Obrigatórias Capítulo VII Disposição Final SIGLAS E ABREVIATURAS USADAS NO ÍNDICE ÍNDICE...187

12 Regimento Interno da Câmara dos Deputados 10ª edição 11 ATO DA MESA Nº 71, DE Determina a reedição do Regimento Interno da Câmara dos Deputados e a republicação no Diário da Câmara dos Deputados. A Mesa da Câmara dos Deputados, no uso de suas atribuições, resolve, nos termos do art. 216, 8º, do Regimento Interno da Câmara dos Deputados: Determinar a reedição do Regimento Interno da Câmara dos Deputados e a republicação do texto no Diário da Câmara dos Deputados, na forma constante do Anexo deste Ato. Brasília, 14 de dezembro de Aldo Rebelo, Presidente José Thomaz Nonô, Primeiro-Vice-Presidente Ciro Nogueira, Segundo-Vice-Presidente Inocêncio Oliveira, Primeiro-Secretário Nilton Capixaba, Segundo-Secretário Eduardo Gomes, Terceiro-Secretário João Caldas, Quarto-Secretário 1 Publicado no Suplemento B ao Diário da Câmara dos Deputados de , p. 3.

13 Regimento Interno da Câmara dos Deputados 10ª edição 13 RESOLUÇÃO Nº 17, DE Aprova o Regimento Interno da Câmara dos Deputados. A Câmara dos Deputados, considerando a necessidade de adaptar o seu funcionamento e processo legislativo próprio à Constituição Federal, resolve: Art. 1º O Regimento Interno da Câmara dos Deputados passa a vigorar na conformidade do texto anexo. Art. 2º Dentro de um ano a contar da promulgação desta Resolução, a Mesa elaborará e submeterá à aprovação do Plenário o projeto de Regulamento Interno das Comissões e a alteração dos Regulamentos Administrativo e de Pessoal, para ajustá-los às diretrizes estabelecidas no Regimento. Parágrafo único. Ficam mantidas as normas administrativas em vigor, no que não contrarie o anexo Regimento, e convalidados os atos praticados pela Mesa no período de 1º de fevereiro de 1987, data da instalação da Assembleia Nacional Constituinte, até o início da vigência desta Resolução. 3 Art. 3º A Mesa apresentará projeto de resolução sobre o Código de Ética e Decoro Parlamentar. 4 Art. 4º Ficam mantidas, até o final da sessão legislativa em curso, com seus atuais Presidente e Vice-Presidentes, as Comissões Permanentes criadas e organizadas na forma da Resolução nº 5, de 1989, que terão competência em relação às matérias das Comissões que lhes sejam correspondentes ou com as quais tenham maior afinidade, conforme discriminação constante do texto regimental anexo (art. 32). 1º Somente serão apreciadas conclusivamente pelas Comissões, na conformidade do art. 24, II, do novo Regimento, as proposições distribuídas a partir do início da vigência desta Resolução. 2 Publicada no Suplemento ao Diário do Congresso Nacional, seção I, de 22 de setembro de 1989, p. 3; republicada no Suplemento ao Diário da Câmara dos Deputados de 15 de dezembro de 2005, p. 4, com texto consolidado conforme determinado pelo Ato da Mesa nº 71, de 2005; consolidação retificada pelo Ato da Mesa nº 80, de 2006, publicado no Suplemento ao Diário da Câmara dos Deputados de 27 de abril de 2006, p Vide Resolução nº 25, de Vide Resolução nº 20, de 2004.

14 14 Câmara dos Deputados 2º Excetuam-se do prescrito no parágrafo anterior os projetos em trâmite na Casa, pertinentes ao cumprimento dos arts. 50 e 59 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, em relação aos quais o Presidente da Câmara abrirá o prazo de cinco sessões para a apresentação de emendas nas Comissões incumbidas de examinar o mérito das referidas proposições. Art. 5º Ficam mantidas, até o final da legislatura em curso, as Lideranças constituídas, na forma das disposições regimentais anteriores, até a data da promulgação do Regimento Interno. Art. 6º Até 15 de março de 1990, constitui a Maioria a legenda ou composição partidária integrada pelo maior número de representantes, considerando-se Minoria a representação imediatamente inferior. Art. 7º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Art. 8º Revogam-se a Resolução nº 30, de 1972, suas alterações e demais disposições em contrário. Brasília, 21 de setembro de Paes de Andrade, Presidente.

15 Regimento Interno da Câmara dos Deputados 9ª edição 15 REGIMENTO INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Capítulo I Da Sede Art. 1º A Câmara dos Deputados, com sede na Capital Federal, funciona no Palácio do Congresso Nacional. Parágrafo único. Havendo motivo relevante, ou de força maior, a Câmara poderá, por deliberação da Mesa, ad referendum da maioria absoluta dos Deputados, reunir-se em outro edifício ou em ponto diverso no território nacional. Capítulo II Das Sessões Legislativas Art. 2º A Câmara dos Deputados reunir-se-á durante as sessões legislativas: 5 I ordinárias, de 2 de fevereiro a 17 de julho e de 1º de agosto a 22 de dezembro; II extraordinárias, quando, com este caráter, for convocado o Congresso Nacional. 1º As reuniões marcadas para as datas a que se refere o inciso I serão transferidas para o primeiro dia útil subsequente quando recaírem em sábados, domingos ou feriados. 2º A primeira e a terceira sessões legislativas ordinárias de cada legislatura serão precedidas de sessões preparatórias. 6 3º A sessão legislativa ordinária não será interrompida em 17 de julho, enquanto não for aprovada a lei de diretrizes orçamentárias pelo Congresso Nacional. 5 Os períodos a que se refere este inciso foram alterados tacitamente em decorrência da redação dada pela Emenda Constitucional n 50, de 2006, ao art. 57 da Constituição Federal de 1988, que determina que o Congresso Nacional reunir-se-á, anualmente, na Capital Federal, de 2 de fevereiro a 17 de julho e de 1º de agosto a 22 de dezembro. 6 A data a que se refere este parágrafo foi alterada tacitamente em decorrência da redação dada pela Emenda Constitucional nº 50, de 2006, ao art. 57 da Constituição Federal de 1988, que determina que o Congresso Nacional reunir-se-á, anualmente, na Capital Federal, de 2 de fevereiro a 17 de julho e de 1º de agosto a 22 de dezembro.

16 16 RICD Art. 2º, 4º 4º Quando convocado extraordinariamente o Congresso Nacional, a Câmara dos Deputados somente deliberará sobre a matéria objeto da convocação. Capítulo III Das Sessões Preparatórias Seção I Da Posse dos Deputados Art. 3º O candidato diplomado Deputado Federal deverá apresentar à Mesa, pessoalmente ou por intermédio do seu Partido, até o dia 31 de janeiro do ano de instalação de cada legislatura, o diploma expedido pela Justiça Eleitoral, juntamente com a comunicação de seu nome parlamentar, legenda partidária e unidade da Federação de que proceda a representação. 1º O nome parlamentar compor-se-á, salvo quando, a juízo do Presidente, devam ser evitadas confusões, apenas de dois elementos: um prenome e o nome; dois nomes; ou dois prenomes. 2º Caberá à Secretaria-Geral da Mesa organizar a relação dos Deputados diplomados, que deverá estar concluída antes da instalação da sessão de posse. 3º A relação será feita por Estado, Distrito Federal e Territórios, de norte a sul, na ordem geográfica das capitais e, em cada unidade federativa, na sucessão alfabética dos nomes parlamentares, com as respectivas legendas partidárias. 7 Art. 4º No dia 1º de fevereiro do primeiro ano de cada legislatura, os candidatos diplomados Deputados Federais reunir-se-ão em sessão preparatória, na sede da Câmara dos Deputados. 1º Assumirá a direção dos trabalhos o último Presidente, se reeleito Deputado, e, na sua falta, o Deputado mais idoso, dentre os de maior número de legislaturas. 2º Aberta a sessão, o Presidente convidará quatro Deputados, de preferência de Partidos diferentes, para servirem de Secretários e proclamará os nomes dos Deputados diplomados, constantes da relação a que se refere o artigo anterior. 3º Examinadas e decididas pelo Presidente as reclamações atinentes à relação nominal dos Deputados, será tomado o compromisso solene dos empossados. De pé todos os presentes, o Presidente proferirá a seguinte declaração: Prometo manter, defender e cumprir a Constituição, observar 7 Caput com redação dada pela Resolução nº 19, de 2012.

17 Art. 5º, caput 17 as leis, promover o bem geral do povo brasileiro e sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil. Ato contínuo, feita a chamada, cada Deputado, de pé, a ratificará dizendo: Assim o prometo, permanecendo os demais Deputados sentados e em silêncio. 4º O conteúdo do compromisso e o ritual de sua prestação não poderão ser modificados; o compromissando não poderá apresentar, no ato, declaração oral ou escrita nem ser empossado através de procurador. 5º O Deputado empossado posteriormente prestará o compromisso em sessão e junto à Mesa, exceto durante período de recesso do Congresso Nacional, quando o fará perante o Presidente. 6º Salvo motivo de força maior ou enfermidade devidamente comprovados, a posse dar-se-á no prazo de trinta dias, prorrogável por igual período a requerimento do interessado, contado: I da primeira sessão preparatória para instalação da primeira sessão legislativa da legislatura; II da diplomação, se eleito Deputado durante a legislatura; III da ocorrência do fato que a ensejar, por convocação do Presidente. 7º Tendo prestado o compromisso uma vez, fica o Suplente de Deputado dispensado de fazê-lo em convocações subsequentes, bem como o Deputado ao reassumir o lugar, sendo a sua volta ao exercício do mandato comunicada à Casa pelo Presidente. 8º Não se considera investido no mandato de Deputado Federal quem deixar de prestar o compromisso nos estritos termos regimentais. 9º O Presidente fará publicar, no Diário da Câmara dos Deputados 8 do dia seguinte, a relação dos Deputados investidos no mandato, organizada de acordo com os critérios fixados no 3º do art. 3º, a qual, com as modificações posteriores, servirá para o registro do comparecimento e verificação do quórum necessário à abertura da sessão, bem como para as votações nominais e por escrutínio secreto. Seção II Da Eleição da Mesa 9 Art. 5º Na segunda sessão preparatória da primeira sessão legislativa de cada legislatura, no dia 1º de fevereiro, sempre que possível sob a direção 8 Denominação atualizada nos termos do Ato dos Presidentes das Mesas das duas Casas do Congresso Nacional, de 2 de outubro de Caput com redação dada pela Resolução nº 19, de 2012.

18 18 RICD Art. 5º, 1º da Mesa da sessão anterior, realizar-se-á a eleição do Presidente, dos demais membros da Mesa e dos Suplentes dos Secretários, para mandato de dois anos, vedada a recondução para o mesmo cargo na eleição imediatamente subsequente. 1º Não se considera recondução a eleição para o mesmo cargo em legislaturas diferentes, ainda que sucessivas. 2º Enquanto não for escolhido o Presidente, não se procederá à apuração para os demais cargos. 10 Art. 6º No terceiro ano de cada legislatura, em data e hora previamente designadas pelo Presidente da Câmara dos Deputados, antes de inaugurada a sessão legislativa e sob a direção da Mesa da sessão anterior, realizar-se-á a eleição do Presidente, dos demais membros da Mesa e dos Suplentes dos Secretários. 11 1º (Revogado.) 12 2º (Revogado.) 3º Enquanto não for eleito o novo Presidente, dirigirá os trabalhos da Câmara dos Deputados a Mesa da sessão legislativa anterior. 13 Art. 7º A eleição dos membros da Mesa far-se-á em votação por escrutínio secreto e pelo sistema eletrônico, exigido maioria absoluta de votos, em primeiro escrutínio, maioria simples, em segundo escrutínio, presente a maioria absoluta dos Deputados, observadas as seguintes exigências e formalidades: I registro, perante a Mesa, individualmente ou por chapa, de candidatos previamente escolhidos pelas bancadas dos Partidos ou Blocos Parlamentares aos cargos que, de acordo com o princípio da representação proporcional, tenham sido distribuídos a esses Partidos ou Blocos Parlamentares; II chamada dos Deputados para a votação; III realização de segundo escrutínio, com os dois mais votados para cada cargo, quando, no primeiro, não se alcançar maioria absoluta; IV eleição do candidato mais idoso, dentre os de maior número de legislaturas, em caso de empate; V proclamação pelo Presidente do resultado final e posse imediata dos eleitos. 10 Caput com redação dada pela Resolução nº 19, de Parágrafo revogado pela Resolução nº 19, de Idem. 13 Artigo com redação dada pela Resolução nº 45, de 2006.

19 Art. 8º, II 19 Parágrafo único. No caso de avaria do sistema eletrônico de votação, far-seá a eleição por cédulas, observados os incisos II a V do caput deste artigo e as seguintes exigências: I cédulas impressas ou datilografadas, contendo cada uma somente o nome do votado e o cargo a que concorre, embora seja um só o ato de votação para todos os cargos, ou chapa completa, desde que decorrente de acordo partidário; II colocação, em cabina indevassável, das cédulas em sobrecartas que resguardem o sigilo do voto; III colocação das sobrecartas em quatro urnas, à vista do Plenário, duas destinadas à eleição do Presidente e as outras duas à eleição dos demais membros da Mesa; IV acompanhamento dos trabalhos de apuração, na Mesa, por dois ou mais Deputados indicados à Presidência por Partido ou Blocos Parlamentares diferentes e por candidatos avulsos; V o Secretário designado pelo Presidente retirará as sobrecartas das urnas, em primeiro lugar as destinadas à eleição do Presidente; contá-las-á e, verificada a coincidência do seu número com o dos votantes, do que será cientificado o Plenário, abri-las-á e separará as cédulas pelos cargos a preencher; VI leitura pelo Presidente dos nomes dos votados; VII proclamação dos votos, em voz alta, por um Secretário e sua anotação por dois outros, à medida que apurados; VIII invalidação da cédula que não atenda ao disposto no inciso I deste parágrafo; IX redação pelo Secretário e leitura pelo Presidente do resultado de cada eleição, na ordem decrescente dos votados. Art. 8º Na composição da Mesa será assegurada, tanto quanto possível, a representação proporcional dos Partidos ou Blocos Parlamentares que participem da Câmara, os quais escolherão os respectivos candidatos aos cargos que, de acordo com o mesmo princípio, lhes caiba prover, sem prejuízo de candidaturas avulsas oriundas das mesmas bancadas, observadas as seguintes regras: I a escolha será feita na forma prevista no estatuto de cada Partido, ou conforme o estabelecer a própria bancada e, ainda, segundo dispuser o ato de criação do Bloco Parlamentar; II em caso de omissão, ou se a representação não fizer a indicação, caberá ao respectivo Líder fazê-la;

20 20 RICD Art. 8º, III III o resultado da eleição ou a escolha constará de ata ou documento hábil, a ser enviado de imediato ao Presidente da Câmara, para publicação; IV independentemente do disposto nos incisos anteriores, qualquer Deputado poderá concorrer aos cargos da Mesa que couberem à sua representação, mediante comunicação por escrito ao Presidente da Câmara, sendo-lhe assegurado o tratamento conferido aos demais candidatos. 1º Salvo composição diversa resultante de acordo entre as bancadas, a distribuição dos cargos da Mesa far-se-á por escolha das Lideranças, da maior para a de menor representação, conforme o número de cargos que corresponda a cada uma delas. 2º Se até 30 de novembro do segundo ano de mandato verificar-se qualquer vaga na Mesa, será ela preenchida mediante eleição, dentro de cinco sessões, observadas as disposições do artigo precedente. Ocorrida a vacância depois dessa data, a Mesa designará um dos membros titulares para responder pelo cargo. 3º É assegurada a participação de um membro da Minoria, ainda que pela proporcionalidade não lhe caiba lugar. 14 4º As vagas de cada Partido ou Bloco Parlamentar na composição da Mesa serão definidas com base no número de candidatos eleitos pela respectiva agremiação, na conformidade do resultado final das eleições proclamado pela Justiça Eleitoral, desconsideradas as mudanças de filiação partidária posteriores a esse ato. 15 5º Em caso de mudança de legenda partidária, o membro da Mesa perderá automaticamente o cargo que ocupa, aplicando-se para o preenchimento da vaga o disposto no 2º deste artigo. Capítulo IV Dos Líderes Art. 9º Os Deputados são agrupados por representações partidárias ou de Blocos Parlamentares, cabendo-lhes escolher o Líder quando a representação for igual ou superior a um centésimo da composição da Câmara. 14 Parágrafo acrescido pela Resolução nº 34, de 2005, em vigor a partir de 1º de fevereiro de Idem.

21 Art. 10, VI º Cada Líder poderá indicar Vice-Líderes, na proporção de um por quatro Deputados, ou fração, que constituam sua representação, facultada a designação de um como Primeiro-Vice-Líder. 2º A escolha do Líder será comunicada à Mesa, no início de cada legislatura, ou após a criação de Bloco Parlamentar, em documento subscrito pela maioria absoluta dos integrantes da representação. 3º Os Líderes permanecerão no exercício de suas funções até que nova indicação venha a ser feita pela respectiva representação. 4º O Partido com bancada inferior a um centésimo dos membros da Casa não terá Liderança, mas poderá indicar um de seus integrantes para expressar a posição do Partido quando da votação de proposições, ou para fazer uso da palavra, uma vez por semana, por cinco minutos, durante o período destinado às Comunicações de Lideranças. 5º Os Líderes e Vice-Líderes não poderão integrar a Mesa. 17 6º O quantitativo mínimo de vice-líderes previsto no 1º será calculado com base no resultado final das eleições para a Câmara dos Deputados proclamado pelo Tribunal Superior Eleitoral. Art. 10. O Líder, além de outras atribuições regimentais, tem as seguintes prerrogativas: 18 I fazer uso da palavra, nos termos do art. 66, 1º e 3º, combinado com o art. 89; II inscrever membros da bancada para o horário destinado às Comunicações Parlamentares; III participar, pessoalmente ou por intermédio dos seus Vice-Líderes, dos trabalhos de qualquer Comissão de que não seja membro, sem direito a voto, mas podendo encaminhar a votação ou requerer verificação desta; IV encaminhar a votação de qualquer proposição sujeita à deliberação do Plenário, para orientar sua bancada, por tempo não superior a um minuto; V registrar os candidatos do Partido ou Bloco Parlamentar para concorrer aos cargos da Mesa, e atender ao que dispõe o inciso III do art. 8º; VI indicar à Mesa os membros da bancada para compor as Comissões, e, a qualquer tempo, substituí-los. 16 Parágrafo com redação dada pela Resolução nº 78, de Parágrafo acrescido pela Resolução nº 1, de Inciso com redação adaptada aos termos da Resolução nº 3, de 1991.

22 22 RICD Art. 11, caput 19 Art. 11. O presidente da República poderá indicar deputados para exercerem a Liderança do Governo, composta de líder e de dez vice-líderes, com as prerrogativas constantes dos incisos I, III e IV do art Art. 11-A. A Liderança da Minoria será composta de líder e de seis vicelíderes, com as prerrogativas constantes dos incisos I, III e IV do art º O líder de que trata este artigo será indicado pela representação considerada Minoria, nos termos do art º Os seis vice-líderes serão indicados pelo líder da Minoria a que se refere o 1º, dentre os partidos que, em relação ao governo, expressem posição contrária à da Maioria. 3º Aplica-se o disposto neste artigo sem prejuízo das prerrogativas do líder e vice-líderes do partido ou do bloco parlamentar considerado Minoria conforme o art. 13. Capítulo V Dos Blocos Parlamentares, da Maioria e da Minoria Art. 12. As representações de dois ou mais Partidos, por deliberação das respectivas bancadas, poderão constituir Bloco Parlamentar, sob liderança comum. 1º O Bloco Parlamentar terá, no que couber, o tratamento dispensado por este Regimento às organizações partidárias com representação na Casa. 2º As Lideranças dos Partidos que se coligarem em Bloco Parlamentar perdem suas atribuições e prerrogativas regimentais. 3º Não será admitida a formação de Bloco Parlamentar composto de menos de três centésimos dos membros da Câmara. 4º Se o desligamento de uma bancada implicar a perda do quórum fixado no parágrafo anterior, extingue-se o Bloco Parlamentar. 5º O Bloco Parlamentar tem existência circunscrita à legislatura, devendo o ato de sua criação e as alterações posteriores ser apresentados à Mesa para registro e publicação. 21 6º (Revogado.) 22 7º (Revogado.) 19 Artigo com redação dada pela Resolução nº 1, de Artigo acrescido pela Resolução nº 1, de Parágrafo revogado pela Resolução nº 34, de 2005, a partir de 1º de fevereiro de Parágrafo revogado em decorrência da revogação do 6º pela Resolução nº 34, de 2005, em vigor a partir de 1º de fevereiro de 2007.

CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DO CREA

CAPÍTULO II DA COMPETÊNCIA DO CREA REGIMENTO DO CREA-SE TÍTULO I DO CONSELHO REGIONAL CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado de Sergipe Crea-SE, é autarquia federal

Leia mais

REGIMENTO INTERNO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO

REGIMENTO INTERNO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Brasília, 2 de janeiro de 2015 - Ano XLVIII - Nº 1 REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO (Republicado) SECRETARIA-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Boletim do Tribunal de Contas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGIMENTO GERAL TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regimento Geral contém as disposições básicas sobre as atividades dos órgãos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RIO DAS OSTRAS ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE RIO DAS OSTRAS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROMULGADA EM 09 DE JUNHO DE 1994 REIMPRESSA, COM A INCLUSÃO DAS EMENDAS. Nº 01/95, 02/95, 03/95, 04/97,05/97, 06/97, 07/97, 08/97, 09/97, 010/98, 011/99, 012/00, 013/00 e 014/01, 015/01, 016/01,017/01,

Leia mais

Lei Orgânica do Município de Limeira - Atualizado até Emenda nº 43/13

Lei Orgânica do Município de Limeira - Atualizado até Emenda nº 43/13 Lei Orgânica do Município de Limeira Resolução Nº 44, DE 1992. Atualizado até Emenda nº 44/13 1 Sumário TÍTULO I - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 4 CAPÍTULO I - DO MUNICÍPIO... 4 SEÇÃO I - DOS DIREITOS DOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO O atual Regimento Interno do CNE foi instituído por força da Portaria MEC nº 1.306 de 02/09/1999, resultante da homologação do Parecer CNE/CP nº 99, de julho de 1999. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

PREÂMBULO TITULO I TÍTULO II

PREÂMBULO TITULO I TÍTULO II Constituição do Estado do Maranhão 1 PREÂMBULO A Assembléia Constituinte do Estado do Maranhão usando dos poderes que lhe foram conferidos pela Constituição Federal, invocando a proteção de Deus, visando

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL

CONSTITUIÇÃO ESTADUAL administrativa do texto constitucional promulgado em 28 de setembro de 1989 com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais nºs 01/1990 a 24/2002. ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RONDÔNIA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SERGIPE

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SERGIPE REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SERGIPE TÍTULO I - DA DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º. Este Regimento estabelece a composição, a competência e o funcionamento do Tribunal Regional Eleitoral

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO MAIOR ESTADO DO PIAUÍ LEI ORGÂNICA MUNICIPAL PREÂMBULO NÓS, REPRESENTANTES DO POVO, INVESTIDOS DE PODERES CONSTITUINTE, CONTINUADORES DE NOSSA TRADIÇÃO DE LUTA E HEROÍSMO HERDADOS

Leia mais

Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre

Regimento Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO ACRE REGIMENTO INTERNO Publicado no DJ nº 696-A de 06.12.1995 Edição revista, ampliada e atualizada Rio Branco - Novembro/2014 Organizado pela Gerência

Leia mais

República Democrática de São Tomé e Príncipe REGIMENTO DA ASSEMBLEIA NACIONAL. TÍTULO I Da Sessão Constitutiva

República Democrática de São Tomé e Príncipe REGIMENTO DA ASSEMBLEIA NACIONAL. TÍTULO I Da Sessão Constitutiva República Democrática de São Tomé e Príncipe Assembleia Nacional REGIMENTO DA ASSEMBLEIA NACIONAL TÍTULO I Da Sessão Constitutiva Artigo 1.º Data da Sessão 1. No 30.º dia subsequente à publicação dos resultados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO Poder Judiciário Justiça do Trabalho Tribunal Superior do Trabalho REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO Aprovado pela Resolução Administrativa nº 1295/2008, com alterações dos Atos Regimentais

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5 A REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5 A REGIÃO O, no uso de suas atribuições, Considerando as várias modificações legislativas que têm sido implementadas, nos últimos anos, especialmente a que ficou conhecida como Reforma do Poder Judiciário (Emenda

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ.

REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ. - 1 - ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA REGIMENTO INTERNO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ. O Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no uso das atribuições conferidas pelo

Leia mais

LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE NOVA LIMA ESTADO DE MINAS GERAIS

LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE NOVA LIMA ESTADO DE MINAS GERAIS LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE NOVA LIMA ESTADO DE MINAS GERAIS PROMULGADA EM 17/03/90 2 SUMÁRIO TITULO I DOS PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS TITULO II DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS TITULO III DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA RICADE PARTE I Da Natureza, Composição, Organização E Competência Do Cade 3 TÍTULO I Do Tribunal Administrativo De Defesa Econômica 3 CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB TÍTULO I DA ADVOCACIA CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE ADVOCACIA

REGULAMENTO GERAL DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB TÍTULO I DA ADVOCACIA CAPÍTULO I DA ATIVIDADE DE ADVOCACIA DO ESTATUTO DA ADVOCACIA E DA OAB Dispõe sobre o Regulamento Geral previsto na Lei nº 8.906, de 04 de julho de 1994. O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso das atribuições conferidas

Leia mais

2011 by Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

2011 by Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso 2011 by Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso Todos os direitos desta edição reservados à PUBLIAL - Publicações Assembleia Legislativa Av. André Maggi, s/n Centro Político e Administrativo Cuiabá

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO CEARÁ Documento obtido no site http://www.al.ce.gov.br. Atualizada até a Emenda Constitucional nº 74, de 19.04.2012 Atualizada em 24.07.2012. TÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE DROGAS (SISNAD)

SISTEMA NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE DROGAS (SISNAD) Brasília 2012 Câmara dos Deputados Sistema nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (Sisnad) 2 a edição Série Legislação Sistema nacional de Políticas Públicas sobre Drogas (Sisnad) 2 a edição Mesa

Leia mais

Poder Legislativo: como é organizado, o que faz e como funciona

Poder Legislativo: como é organizado, o que faz e como funciona Poder Legislativo: como é organizado, o que faz e como funciona Série Estudos Políticos 2014 Poder Legislativo: como é organizado, o que faz e como funciona Esta publicação faz parte da série Estudos Políticos

Leia mais

ESTATUTO DO SINDICATO DE ENGENHEIROS NO ESTADO DE MINAS GERAIS SENGE-MG APROVADO EM ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2009

ESTATUTO DO SINDICATO DE ENGENHEIROS NO ESTADO DE MINAS GERAIS SENGE-MG APROVADO EM ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2009 ESTATUTO DO SINDICATO DE ENGENHEIROS NO ESTADO DE MINAS GERAIS SENGE-MG APROVADO EM ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA REALIZADA EM 19 DE NOVEMBRO DE 2009 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DOS FINS DO SINDICATO E SEDE

Leia mais

Câmara Municipal de Rio das Ostras Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Rio das Ostras Estado do Rio de Janeiro PROMULGADA EM 09 DE JUNHO DE 1994 REIMPRESSA, COM A INCLUSÃO DAS EMENDAS Nº 01/95, 02/95, 03/95, 04/97,05/97, 06/97, 07/97, 08/97, 09/97, 010/98, 011/99, 012/00, 013/00 e 014/01, 015/01, 016/01,017/01,

Leia mais

Código de Conduta Ética do Servidor Público e da Alta Administração Estadual

Código de Conduta Ética do Servidor Público e da Alta Administração Estadual GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Código de Conduta Ética do Servidor Público e da Alta Administração Estadual ABRIL-2005 CONSELHO DE ÉTICA PÚBLICA ESTADO DE MINAS GERAIS G O V E R N O D O E S T A D O

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA Promulgada em 5 de outubro de 1989 Atualizada e acompanhada dos textos integrais das Emendas Constitucionais n s. 1 a 31, bem como dos dispositivos e expressões suspensos

Leia mais

Promulgada em 05 de outubro de 1989 * Emendas Constitucionais de n o 01/1990 a n o 40/2007 CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE

Promulgada em 05 de outubro de 1989 * Emendas Constitucionais de n o 01/1990 a n o 40/2007 CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE Promulgada em 05 de outubro de 1989 * Emendas Constitucionais de n o 01/1990 a n o 40/2007 CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DE SERGIPE PREÂMBULO Nós, representantes do povo sergipano, reunidos em Assembléia Estadual

Leia mais

Constituição do Estado da Bahia

Constituição do Estado da Bahia Constituição do Estado da Bahia Promulgada em 05 de outubro de 1989 Atualizada e acompanhada dos textos das Emendas Constitucionais n os : 01, de 05 de julho de 1990; 02, de 12 de junho de 1991; 03, de

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro Código de Organização e Divisão Judiciárias do Estado do Rio de Janeiro Atualizado em 27/04/2011 CÓDIGO DE ORGANIZAÇÃO E DIVISÃO JUDICIÁRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Índice Disposições preliminares

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ

CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAPÁ PREÂMBULO Nós, os primeiros Deputados Estaduais, representantes do povo amapaense, reunidos em Assembléia Estadual Constituinte para instituir o ordenamento básico e reafirmar os valores que fundamentam

Leia mais