ENGENHARIA DA PRODUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENGENHARIA DA PRODUÇÃO"

Transcrição

1 UM PANORAMA ATUAL DA ENGENHARIA DA PRODUÇÃO - Porto Alegre - Junho 2002

2 Posicionamento da Engenharia de Produção como área de conhecimento. Este documento foi elaborado de modo a esclarecer, de forma sucinta, na forma de tópicos de interesse específico, algumas questões básicas quanto às funções e ao modo de atuação da Engenharia de Produção (EP), bem como seu enquadramento como curso superior e como profissão, conforme a legislação vigente. O primeiro tópico inserido neste documento resume as raízes históricas da área de EP, surgida no decorrer do Século XX como mais um ramo das Ciências da Engenharia, caracterizando seu posicionamento com relação aos ramos clássicos de Engenharia e com relação às Ciências da Administração de Empresas. O segundo tópico apresenta as diretrizes curriculares conforme aprovadas no âmbito do Conselho Nacional de Educação (CNE) e também a proposta, anterior a essa aprovação, firmada pela Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO). Esta entidade congrega hoje praticamente todo o pessoal da área acadêmica ligado à EP, sendo, ainda, um referencial para os profissionais atuantes na área, mesmo fora desse meio. O terceiro tópico resume as formas de inserção da Engenharia de Produção nos cursos de nível superior, abordando o caso do ensino de graduação. O quarto tópico apresenta as habilitações previstas pelo Sistema CONFEA-CREA para o engenheiro de produção, conjuntamente com uma análise da consultoria jurídica da ABEPRO. 2

3 Tópico I: Raízes Históricas da Engenharia da Produção 3

4 Breve análise da evolução histórica da organização da empresa industrial. Desde os primórdios da Revolução Industrial, a organização da empresa industrial vem evoluindo na tentativa de obtenção de níveis cada vez maiores de produtividade. Com isso, foram criados técnicas e métodos para operacionalização dos sistemas de produção que foram progressivamente adicionando novos elementos ao foco das atenções no mundo industrial. Esta escalada iniciou-se com o foco no processo de fabricação, pois, num primeiro momento, a principal preocupação residia em serem descobertos meios de produzir os bens que, já então, faziam-se necessários. A partir do advento da mecanização de máquinas, as atenções passaram a também estarem centradas na otimização da organização de chão-de-fábrica, pela necessidade de rentabilização dos investimentos efetuados nesse tipo de equipamento. Neste momento, começaram a serem desenvolvidas abordagens relacionadas com a logística de produção, surgindo, então, o Taylorismo, que introduz as preocupações com a otimização do trabalho, e o Fordismo, que introduz a noção de arranjo de máquinas na forma de linha de produção, além da visualização do aproveitamento do mercado consumidor de escala. Este mercado passou, então, progressivamente, a demandar maior qualidade pelos produtos fabricados, o que determinou o surgimento das preocupações no domínio da qualidade, bem como o aperfeiçoamento dos produtos (sistemas técnicos) em termos do cumprimento da sua funcionalidade intrínseca. Essas preocupações vieram a tomar um grande impulso no pós-guerra, determinando a evolução dos meios produtivos de massa e a própria massificação da informação, que culmina com o processo de automatização das máquinas e equipamentos e com a informatização da sociedade. Neste novo cenário, acirra-se progressivamente a competição entre as empresas, determinando, inicialmente, a necessidade de um aumento da percepção das necessidades do cliente como elemento diferencial estratégico. Posteriormente, com o estabelecimento dos mercados interligados em nível global, surge, ainda, a necessidade da elaboração de novas estratégias de negócio (a substituir o simples aperfeiçoamento de produtos). A satisfação do nível de exigência desses novos mercados, porém, somente pode ser obtida com produtos isentos de defeitos de fabricação, caracterizando a world-class manufacturing. A figura 1 apresenta na forma de uma linha de tempo os principais eventos que estiveram na raiz das transformações aqui analisadas. De notar, ainda, que o ensino das Ciências da Engenharia tem vindo a acompanhar a demanda histórica pelos processos industriais. Até o advento da Revolução Industrial, a Engenharia subdividia-se, praticamente, em apenas dois ramos de especialização : o militar e o civil. A evolução do conhecimento (e, conseqüentemente, do ensino) na área de Engenharia, suscitou a subdivisão noutros ramos, alguns ainda hoje utilizados (ex.: Mecânica, Elétrica, Minas), tendo esta atualização um caráter continuado (ex.: Mecatrônica, Telecomunicações, Alimentos, Produção). 4

5 Revolução Industrial Informatização Mecanização Taylorismo Fordismo II Guerra Mundial Automatização Globalização World-Class Manufacturing Processo de Fabricação Logística de Produção Mercado Qualidade T Sistemas Técnicos Cliente Negócio Figura 1- Foco das atenções no mundo industrial: linha de tempo.

6 O campo de atuação da Engenharia de Produção. A engenharia de produção desenvolveu-se, ao longo do século XX, em resposta às necessidades de desenvolvimento de métodos e técnicas de gestão dos meios produtivos demandada pela evolução tecnológica e mercadológica caracterizada acima. Enquanto que os ramos tradicionais da Engenharia, cronologicamente seus precedentes, evoluíram na linha do desenvolvimento da concepção, fabricação e manutenção de sistemas técnicos, a Engenharia de Produção veio a concentrar-se no desenvolvimento de métodos e técnicas que permitissem otimizar a utilização de todos os recursos produtivos. Diferentemente das ciências da administração de empresas, que centra-se mais na questão da gestão dos processos administrativos, processos de negócio e na organização estrutural da empresa, a engenharia de produção centra-se na gestão dos processos produtivos. Existem, contudo, no Brasil, dois tipos de cursos na área: os cursos ditos plenos e cursos concebidos como habilitações específicas de um dos ramos tradicionais da Engenharia. Os cursos do primeiro tipo concentram quase toda a sua carga horária profissionalizante no estudo da gestão da produção, enquanto que os do segundo tipo dividem essa carga entre esse estudo e o dos sistemas técnicos - normalmente, priorizando este último por larga margem. Deve-se notar que a legislação atualmente em vigor considera apenas os egressos do primeiro tipo de curso como engenheiros de produção. As figuras 2 e 3 mostram o relacionamento entre as áreas de conhecimento supracitadas. Engenharia de Produção Civil Engenharia Civil Engenharia de Produção Mecânica Engenharia Mecânica Ciências da Administração Engenharia de Engenharia de Produção Química Engenharia Química de Empresas Produção Engenharia de Produção Elétrica Engenharia Elétrica Engenharia de Produção Metalúrgica Engenharia Metalúrgica Engenharia de Minas (Plena) (Habilitação de outro ramo da Engenharia) (6 ramos clássicos) Formação Teórica Predominantemente Gerencial Formação Teórica Predominantemente Tecnicista Figura 2 A relação da Engenharia de Produção com as demais áreas. O aparecimento da Engenharia de Produção com uma componente mais gerencial deveu-se, provavelmente, ao fato dos cursos da área das Ciências da Administração de Empresas conduzirem seus egressos a uma formação de característica mais analítica, sem o foco principal na resolução de problemas, característica bem mais típica da Engenharia. Esta diferenciação torna o profissional de engenharia de produção apto a lidar com problemas relacionados com a mobilização de recursos técnicos, dentro da função de cumprir as tarefas a que se destina a empresa ou instituição a que serve.

7 Convém ressaltar, contudo, que não cabe ao engenheiro de produção de formação plena o papel de substituir seus colegas de formação nos ditos ramos clássicos da Engenharia (estabelecidos conforme a classificação atual do Sistema CONFEA-CREA e da antiga portaria MEC nº 48/76), pois sua habilitação profissional capacita-o basicamente a atuar como gestor dos recursos de produção, necessitando vir a interagir com tais colegas na realização das suas atividades. 7

8 Gestão do Negócio Figura 3 Zon Gestão da Produção Sistemas Técnicos Comportamento do Consumidor Estratégia Empresarial Organização Empresarial Processo de Negócio Organização do Trabalho Gestão da Qualidade Otimização da Produção Logística de Produção Controle da Qualidade Apropriação de Custos Manutenção dos Sistemas Técnicos Concepção dos Sistemas Técnicos Processos de Fabricação dos Sistemas Técnicos Cursos de Engenharia da Produção - Plena Cursos de Engenharia de Produção Habilitação de Ramo Clássico da Engenharia Cursos de Ciências da Administração de Empresas Ramos clássicos da Engenharia, Farmácia, Agronomia, Arquitetura, Desenho Industrial, etc. Figura 3- Áreas de concentração dos cursos de Administração de Empresas, Engenharias e demais cursos técnicos.

9 O foco de concentração do ramo de Engenharia de Produção. Assim, o foco das atenções do ramo de Engenharia de Produção concentra-se na gestão dos sistemas de produção, definidos como todo conjunto de recursos organizados de modo a obter produtos ou serviços de modo sistemático. Observe-se que há uma clara diferenciação entre a gestão do sistema de produção, que é restrita à mobilização de recursos diretamente relacionados com a produção de produtos e serviços e a gestão do empreendimento, que é mais abrangente, envolvendo decisões relacionadas, por exemplo, à área contábil ou à de seleção e capacitação de recursos humanos, zonas não afetas à Engenharia de Produção. A gestão dos sistemas de produção é realizada via utilização de métodos e técnicas que visam otimizar o emprego dos recursos existentes no próprio sistema de produção. A esfera de decisões inerente ao trabalho do engenheiro de produção e de outros profissionais é melhor ilustrada através da figura 4. Administrador de Empresas Empreendimento Sistema de Produção Sistemas Técnicos Engenheiro de Produção Engenheiros dos ramos clássicos e profissionais das demais áreas técnicas Figura 4 Esfera de ação característica dos diversos profissionais nos processos decisórios. O perfil do engenheiro de produção. Pode-se caracterizar o perfil desejado para o engenheiro de produção em termos de sua capacitação técnica e do seu modo de atuação dentro da sua empresa ou instituição. Em termos técnicos, ele deve ser capaz de atuar fundamentalmente na organização das atividades de produção, assim recebendo treinamento em métodos de gestão e em técnicas de otimização da produção. Quanto ao seu modo de atuação, deve ser preparado, acima de tudo, para ser um profissional capaz de estabelecer as interfaces entre as áreas que atuam diretamente sobre os sistemas técnicos e entre essas e a área administrativa da empresa. Este perfil tem tornado este profissional muito procurado pelas empresas pela sua capacitação híbrida gerencial-técnica.

10 Ainda, do ponto de vista vocacional, há uma diferenciação em relação ao perfil do ingressante nos cursos de ramos clássicos da Engenharia, pois exige-se do postulante aos cursos de EP interesse, visão e aptidões coerentes com abordagens gerenciais; porém, sem deixar de manter o interesse em assuntos da competência da área dos sistemas técnicos. Paralelamente, exige-se também um certo espírito solucionador de problemas, típico do engenheiro. 10

11 Tópico II: Diretrizes Curriculares para os Cursos de Engenharia - Resoluções/MEC - Proposta/ABEPRO para a grande área de EP 11

12 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior RESOLUÇÃO Nº 11, DE 11 DE MARÇO DE 2002 Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, tendo em vista o disposto no Art. 9º, do 2º, alínea "c", da Lei 9.131, de 25 de novembro de 1995, e com fundamento no Parecer CES 1.362/2001, de 12 de dezembro de 2001, peça indispensável do conjunto das presentes Diretrizes Curriculares Nacionais, homologado pelo Senhor Ministro da Educação, em 22 de fevereiro de 2002, resolve: Art. 1º A presente Resolução institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia, a serem observadas na organização curricular das Instituições do Sistema de Educação Superior do País. Art. 2º As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino de Graduação em Engenharia definem os princípios, fundamentos, condições e procedimentos da formação de engenheiros, estabelecidas pela Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, para aplicação em âmbito nacional na organização, desenvolvimento e avaliação dos projetos pedagógicos dos Cursos de Graduação em Engenharia das Instituições do Sistema de Ensino Superior. Art. 3º O Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando egresso/profissional o engenheiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade. Art. 4º A formação do engenheiro tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais: I - aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia; engenharia; ambiental; II - projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados; III - conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos; IV - planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de V - identificar, formular e resolver problemas de engenharia; VI - desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas; VI - supervisionar a operação e a manutenção de sistemas; VII - avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas; VIII - comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica; IX - atuar em equipes multidisciplinares; X - compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais; XI - avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e XII - avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia; XIII - assumir a postura de permanente busca de atualização profissional. 12

13 Art. 5º Cada curso de Engenharia deve possuir um projeto pedagógico que demonstre claramente como o conjunto das atividades previstas garantirá o perfil desejado de seu egresso e o desenvolvimento das competências e habilidades esperadas. Ênfase deve ser dada à necessidade de se reduzir o tempo em sala de aula, favorecendo o trabalho individual e em grupo dos estudantes. 1º Deverão existir os trabalhos de síntese e integração dos conhecimentos adquiridos ao longo do curso, sendo que, pelo menos, um deles deverá se constituir em atividade obrigatória como requisito para a graduação. 2º Deverão também ser estimuladas atividades complementares, tais como trabalhos de iniciação científica, projetos multidisciplinares, visitas teóricas, trabalhos em equipe, desenvolvimento de protótipos, monitorias, participação em empresas juniores e outras atividades empreendedoras. Art. 6º Todo o curso de Engenharia, independente de sua modalidade, deve possuir em seu currículo um núcleo de conteúdos básicos, um núcleo de conteúdos profissionalizantes e um núcleo de conteúdos específicos que caracterizem a modalidade. 1º O núcleo de conteúdos básicos, cerca de 30% da carga horária mínima, versará sobre os tópicos que seguem: I - Metodologia Científica e Tecnológica; II - Comunicação e Expressão; III - Informática; IV - Expressão Gráfica; V - Matemática; VI - Física; VII - Fenômenos de Transporte; VIII - Mecânica dos Sólidos; IX - Eletricidade Aplicada; X - Química; XI - Ciência e Tecnologia dos Materiais; XII - Administração; XIII - Economia; XIV - Ciências do Ambiente; XV - Humanidades, Ciências Sociais e Cidadania. 2ºNos conteúdos de Física, Química e Informática, é obrigatória a existência de atividades de laboratório. Nos demais conteúdos básicos, deverão ser previstas atividades práticas e de laboratórios, com enfoques e intensividade compatíveis com a modalidade pleiteada. 3º O núcleo de conteúdos profissionalizantes, cerca de 15% de carga horária mínima, versará sobre um subconjunto coerente dos tópicos abaixo discriminados, a ser definido pela IES: I - Algoritmos e Estruturas de Dados; II - Bioquímica; III - Ciência dos Materiais; IV - Circuitos Elétricos; V - Circuitos Lógicos; VI -Compiladores; 13

14 VII - Construção Civil; VIII - Controle de Sistemas Dinâmicos; IX - Conversão de Energia; X - Eletromagnetismo; XI - Eletrônica Analógica e Digital; XII - Engenharia do Produto; XIII - Ergonomia e Segurança do Trabalho; XIV - Estratégia e Organização; XV - Físico-química; XVI - Geoprocessamento; XVII - Geotecnia; XVIII - Gerência de Produção; XIX - Gestão Ambiental; XX - Gestão Econômica; XXI - Gestão de Tecnologia; XXII - Hidráulica, Hidrologia Aplicada e Saneamento Básico; XXIII - Instrumentação; XXIV - Máquinas de fluxo; XXV - Matemática discreta; XXVI - Materiais de Construção Civil; XXVII - Materiais de Construção Mecânica; XXVIII - Materiais Elétricos; XXIX - Mecânica Aplicada; XXX - Métodos Numéricos; XXXI - Microbiologia; XXXII - Mineralogia e Tratamento de Minérios; XXXIII - Modelagem, Análise e Simulação de Sistemas; XXXIV - Operações Unitárias; XXXV - Organização de computadores; XXXVI - Paradigmas de Programação; XXXVII - Pesquisa Operacional; XXXVIII - Processos de Fabricação; XXXIX - Processos Químicos e Bioquímicos; XL - Qualidade; XLI - Química Analítica; XLII - Química Orgânica; XLIII - Reatores Químicos e Bioquímicos; XLIV - Sistemas Estruturais e Teoria das Estruturas; XLV - Sistemas de Informação; XLVI - Sistemas Mecânicos; 14

15 XLVII - Sistemas operacionais; XLVIII - Sistemas Térmicos; XLIX - Tecnologia Mecânica; L - Telecomunicações; LI - Termodinâmica Aplicada; LII - Topografia e Geodésia; LIII - Transporte e Logística. 4º O núcleo de conteúdos específicos se constitui em extensões e aprofundamentos dos conteúdos do núcleo de conteúdos profissionalizantes, bem como de outros conteúdos destinados a caracterizar modalidades. Estes conteúdos, consubstanciando o restante da carga horária total, serão propostos exclusivamente pela IES. Constituem-se em conhecimentos científicos, tecnológicos e instrumentais necessários para a definição das modalidades de engenharia e devem garantir o desenvolvimento das competências e habilidades estabelecidas nestas diretrizes. Art. 7º A formação do engenheiro incluirá, como etapa integrante da graduação, estágios curriculares obrigatórios sob supervisão direta da instituição de ensino, através de relatórios técnicos e acompanhamento individualizado durante o período de realização da atividade. A carga horária mínima do estágio curricular deverá atingir 160 (cento e sessenta) horas. Parágrafo único. É obrigatório o trabalho final de curso como atividade de síntese e integração de conhecimento. Art. 8º A implantação e desenvolvimento das diretrizes curriculares devem orientar e propiciar concepções curriculares ao Curso de Graduação em Engenharia que deverão ser acompanhadas e permanentemente avaliadas, a fim de permitir os ajustes que se fizerem necessários ao seu aperfeiçoamento. 1º As avaliações dos alunos deverão basear-se nas competências, habilidades e conteúdos curriculares desenvolvidos tendo como referência as Diretrizes Curriculares. 2º O Curso de Graduação em Engenharia deverá utilizar metodologias e critérios para acompanhamento e avaliação do processo ensino-aprendizagem e do próprio curso, em consonância com o sistema de avaliação e a dinâmica curricular definidos pela IES à qual pertence. Art. 9º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário. ARTHUR ROQUETE DE MACEDO (Publicação no DOU n.º 67, de , Seção 1, página ) Nota do autor: sobre a carga horária, ver Projeto de Resolução CNE/CES nº 100 ( ): nenhum limite específico de carga horária fixado. 15

16 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação UF: Superior DF ASSUNTO: Carga Horária dos Cursos de Graduação RELATOR: Silke Weber e Éfrem de Aguiar Maranhão PROCESSO(S) N.º(S): / PARECER N.º: CNE/CES 100/02 1 COLEGIADO: CES APROVADO EM: 13/3/2002 I RELATÓRIO O debate sobre o estabelecimento da carga horária dos diferentes cursos de graduação tem se pautado, no Brasil, ora pela tradição, ora pelo que a comunidade acadêmica tem considerado como parâmetros para assegurar a qualidade da formação em nível superior pretendida. O confronto entre estas posições tem se apoiado em argumentos que destacam a experiência acumulada, mas também as novas formas de aprender proporcionadas tanto pela constante inovação tecnológica, especialmente, no campo da informática e dos meios eletrônicos, como a ampliação das oportunidades de intercâmbio propiciadas pela própria expansão e diversificação do sistema de ensino superior, inclusive da pós-graduação. Além disso, a tônica avaliativa das políticas de ensino superior, que vem se consolidando nos últimos anos no país, tem promovido junto às Instituições formadoras de nível superior a preocupação em elevar gradativamente o padrão de qualidade dos seus cursos. Nesse contexto, em que a formação é percebida como processo permanente e autônomo, caracterizado pela definição de patamares progressivos de qualidade, o estabelecimento de um padrão único de carga horária, mesmo se específico por área de conhecimento, dificilmente obterá adesão. De todo modo, a carga horária de um curso, seja ele diurno ou noturno, constitui um elemento fundamental para o desenvolvimento das competências e habilidades previstas pelos diferentes formatos de preparação de pessoal de nível superior, motivo por que a Câmara de Educação Superior propõe o estabelecimento de alguns parâmetros a serem considerados na formulação do projeto pedagógico de cada curso, que deverá primar pela consistência cientificoprofissional, qualidade e atualidade. Tais parâmetros, a serem respeitados nos desenhos curriculares definidos pelo Colegiados dos diferentes cursos das diversas áreas de conhecimento, distinguindo-se cursos diurnos e noturnos, e considerando-se padrões nacionais e internacionais consolidados, bem como a legislação brasileira incidente no ensino e os acordos internacionais de equivalência de cursos, são os seguintes: a) tempo mínimo de formação em três anos letivos; b) percentual máximo de 15% de atividade prática, sob a forma pesquisa, de estágio ou intervenção supervisionada; c) percentual máximo de 15% de atividades acadêmico-culturais. 16

17 II VOTO DO(A) RELATOR(A) Diante do exposto, a Comissão designada para estudar a questão da carga horária dos cursos de graduação recomenda a sua regulamentação nos termos da Resolução que integra este Parecer, esclarecendo que a mesma não se aplica às licenciaturas, cuja duração e carga horária já foram instituídas pela Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de Brasília, 13 março de 2002 Silke Weber Relatora Éfrem de Aguiar Maranhão III DECISÃO DA CÂMARA A Câmara de Educação Superior aprova por unanimidade o voto do (a) Relator (a). Sala das Sessões, em 13 de março de Conselheiro Arthur Roquete de Macedo Presidente Conselheiro José Carlos Almeida da Silva Vice-Presidente 17

18 PROJETO DE RESOLUÇÃO CNE / CES N.º 100 DE 13 DE MARÇO DE Institui parâmetros para a definição da carga horária dos cursos de graduação. O Presidente do CNE, conforme o disposto no art. 7º 1º, alínea f da Lei em 9.131/95, e com fundamento no Parecer CNE/CES 100/02, RESOLVE Art. 1º Na definição da carga horária dos cursos de graduação devem ser considerados padrões nacionais e internacionais consolidados para cada curso, a legislação brasileira incidente no ensino e acordos internacionais de equivalência de cursos. Art. 2º A carga horária dos cursos de graduação será efetivada, no mínimo, em 3 (três) anos letivos, distinguindo-se cursos diurnos e noturnos, respeitadas as condições explicitadas no Art. 1º. Art.3º A articulação teoria-prática realizada mediante pesquisa, estágio ou intervenção supervisionada abrangerá o percentual máximo de 15% da carga horária estabelecida para o curso, ressalvando-se as determinações legais específicas. Art. 4º O projeto pedagógico de cada curso deverá prever o percentual máximo de 15% da carga horária estabelecida em atividades complementares de natureza acadêmico-culturais extraclasse. Art. 5º O disposto nesta Resolução não se aplica às licenciaturas, cuja duração e carga horária já foram instituídas pela Resolução CNE/CP 2, de 19 de fevereiro de Art. 6º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. Brasília - DF, 13 de março de Presidente 18

19 ABEPRO Associação Brasileira de Engenharia de Produção Praça Argentina, 9 - sala 402 CEP , Porto Alegre - RS Fone: (051) Fax: (051) Engenharia de Produção: Grande área e diretrizes curriculares Documento elaborado nas reuniões do grupo de trabalho de graduação em Engenharia de Produção, promovidas pela ABEPRO e realizadas durante o XVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção (XVII ENEGEP, Gramado, RS, 6 a 9 de outubro de 1997) e durante o III Encontro de Coordenadores de Cursos de Engenharia de Produção (III ENCEP, Itajubá, 27 a 29 de abril de 1998). 2 APRESENTAÇÃO Este documento inicialmente apresenta a Engenharia de Produção, seu escopo e a sua relevância no cenário atual. Argumenta-se a respeito da necessidade e urgência da criação da grande área de Engenharia de Produção e do curso de graduação em Engenharia de Produção, com uma base científica-tecnológica própria. Após, é apresentado o perfil desejado para o Engenheiro de Produção, bem como suas competências e habilidades. Finalmente, são apresentadas as diretrizes curriculares recomendadas para os cursos de graduação em Engenharia de Produção no Brasil A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO O campo da Engenharia de Produção Compete à Engenharia de Produção o projeto, a implantação, a operação, a melhoria e a manutenção de sistemas produtivos integrados de bens e serviços, envolvendo homens, materiais, tecnologia, informação e energia. Compete ainda especificar, prever e avaliar os resultados obtidos destes sistemas para a sociedade e o meio ambiente, recorrendo a conhecimentos especializados da matemática, física, ciências humanas e sociais, conjuntamente com os princípios e métodos de análise e projeto da engenharia. (elaborado a partir de definições do International Institute of Industrial Engineering - IIIE - e Associação Brasileira de Engenharia de Produção - ABEPRO) 19

20 Produzir é mais que simplesmente utilizar conhecimento científico e tecnológico. É necessário integrar fatores de natureza diversas, atentando para critérios de qualidade, eficiência, custos, etc. A Engenharia de Produção, ao voltar a sua ênfase para as dimensões do produto e do sistema produtivo, veicula-se fortemente com as idéias de projetar produtos, viabilizar produtos, projetar sistemas produtivos, viabilizar sistemas produtivos, planejar a produção, produzir e distribuir produtos que a sociedade valoriza. Essas atividades, tratadas em profundidade e de forma integrada pela Engenharia de Produção, são fundamentais para a elevação da competitividade do país A Necessidade da Engenharia de Produção no Brasil O cenário vigente de atuação das empresas caracteriza-se pelo processo de internacionalização e globalização da economia, com graus crescentes de competitividade. Assim, o binômio Produtividade e Qualidade, que historicamente sempre foram elementos fundamentais de interesse e estudo da Engenharia de Produção, tornaram-se agora uma necessidade competitiva de interesse global não apenas de empresas de bens e serviços, mas também de inúmeras nações. A formação dos grandes blocos econômicos mundiais (Comunidade Econômica Européia, Nafta, Mercosul, etc.) e conceitos como Manufatura de Classe Mundial ("World Class Manufacturing"), e Gestão da Qualidade Total ( Total Quality Management ), que se transformaram em jargões comuns ao setor industrial, levam à clara compreensão por parte dos empresários e profissionais do setor de que a sobrevivência e sucesso das empresas brasileiras passa pelo estudo e prática dos grandes temas ligados ao processo produtivo, objeto da Engenharia de Produção. Fator adicional é possibilitado pelos avanços tecnológicos, os quais, paradoxalmente, em vez de acentuarem as tendências para a superespecialização, estão revertendo este quadro no sentido de permitirem níveis adequados de integração de sistemas, exigindo profissionais com ampla habilitação nas técnicas e princípios da Engenharia de Produção. Esse contexto, tem alterado significativamente o conteúdo e as habilidades esperadas da mão de obra em termos mundiais e essas mudanças tem se refletido fortemente na realidade e perspectivas profissionais do Engenheiro de Produção A Demanda Pelos Cursos de Engenharia de Produção A necessidade dos conhecimentos e técnicas da área da Engenharia de Produção tem feito com que o mercado procure e valorize os profissionais egressos dos cursos desta especialidade. Em função disso, a demanda pelos cursos de Engenharia de Produção tem sido muito grande, segundo apontam as estatísticas dos vestibulares. No Brasil, reportagens recentes de revistas como Exame, Isto É e Veja, e de jornais como Folha de São Paulo, apontam a Engenharia de Produção como a Engenharia com as melhores perspectivas de mercado de trabalho previstas para esse final de século, juntamente com Telecomunicações e Mecatrônica O Crescimento da Engenharia de Produção no Brasil Em 1993 existiam, no Brasil, 17 cursos de graduação em Engenharia de Produção (Boletim da ABEPRO de 08 de março de 1993). Em 1996, no XVI Encontro Nacional de Engenharia de Produção (ENEGEP), o número de cursos de graduação em Engenharia de Produção já passava de 20. Atualmente, são oferecidos em torno de 65 cursos de graduação e 15 cursos de pós-graduação em Engenharia de Produção. Calcula-se em mais de o número de alunos nos cursos de 20

Avaliação da Educação Superior no Brasil: do Provão ao ENADE

Avaliação da Educação Superior no Brasil: do Provão ao ENADE Avaliação da Educação Superior no Brasil: do Provão ao ENADE Robert Evan Verhine Lys Maria Vinhaes Dantas Documento preparado para o Banco Mundial Gerente responsável: Alberto Rodriguez Dezembro de 2005

Leia mais

A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SECRETARIADO EXECUTIVO GRADUADO PELA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ

A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SECRETARIADO EXECUTIVO GRADUADO PELA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ 1 A ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL DE SECRETARIADO EXECUTIVO GRADUADO PELA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ Maria Fabiana Silva Santos ¹ Samara Silva Cruz ² ¹ UEPA Tv. Djalma Dutra, s/n Telégrafo Belém PA Brasil.

Leia mais

8. ENSINO FUNDAMENTAL

8. ENSINO FUNDAMENTAL 8. ENSINO FUNDAMENTAL 8.1 ORGANIZAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL A legislação educacional brasileira define que o ensino fundamental, com duração de oito anos, é de freqüência obrigatória e oferta gratuita

Leia mais

Versão Preliminar para Comentários e Sugestões

Versão Preliminar para Comentários e Sugestões Instituições não educacionais e o Sistema Federal de Ensino: cenários e perspectivas para regulação do credenciamento especial Documento de Trabalho nº. 75 Edson Nunes Helena Maria barroso Ivanildo Ramos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE RESOLUÇÃO Nº 171/2013-CONSEPE, de 5 de novembro de 2013. Aprova o Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da Universidade Federal

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS INTRODUÇÃO AOS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS Secretaria de Educação Fundamental Iara Glória Areias Prado Departamento de Política da Educação Fundamental Virgínia

Leia mais

Certificação de Competências Profissionais - Relatos de Algumas Experiências Brasileiras

Certificação de Competências Profissionais - Relatos de Algumas Experiências Brasileiras CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS Relatos de Algumas Experiências Brasileiras 1 2 CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS Relatos de algumas Experiências Brasileiras Organizadores: Ivo Steffen

Leia mais

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado

Franquias. 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado Franquias 1. O Sistema de Franquias 2. Franqueador 3. Franqueado 1 Índice 1. FRANQUIAS a. O Sistema de Franquias 1. Conhecendo o sistema 2. Quais os principais termos utilizados 3. Franquia x Licenciamento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DO SUAS PNC/SUAS

POLÍTICA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DO SUAS PNC/SUAS POLÍTICA NACIONAL DE CAPACITAÇÃO DO SUAS PNC/SUAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO SUAS COORDENAÇÃO-GERAL DE IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

BIOMEDICINA. Um painel sobre o profissional e a profissão

BIOMEDICINA. Um painel sobre o profissional e a profissão BIOMEDICINA Um painel sobre o profissional e a profissão Biomedicina, 40 anos de luta, em defesa da saúde do povo brasileiro Desde 1966, com a implantação do primeiro curso de graduação, a Biomedicina

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FACULDADE LOURENÇO FILHO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELIS MARIA CARNEIRO CAVALCANTE O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FORTALEZA 2010 1 ELIS

Leia mais

É ESTE O ENSINO DE ARTE QUE QUEREMOS? uma análise das propostas dos Parâmetros Curriculares Nacionais

É ESTE O ENSINO DE ARTE QUE QUEREMOS? uma análise das propostas dos Parâmetros Curriculares Nacionais É ESTE O ENSINO DE ARTE QUE QUEREMOS? uma análise das propostas dos Parâmetros Curriculares Nacionais 1 2 MAURA PENNA (COORD.) YARA ROSAS PEREGRINO LÍVIA MARQUES CARVALHO FÁBIO DO NASCIMENTO FONSÊCA GRUPO

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS

REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO ESPORTE SEE/AL PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA MEC-PNUD-SEE/AL REFERENCIAL CURRICULAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALAGOAS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES Currso:: Gesttão de Prrojjettos APOSTIILA maio, 2006 Introdução Conseguir terminar o

Leia mais

SÉRIE. Debates ED Nº1 Maio de 2011 ISSN 2236-2843. Protótipos curriculares de Ensino Médio e Ensino Médio Integrado: resumo executivo.

SÉRIE. Debates ED Nº1 Maio de 2011 ISSN 2236-2843. Protótipos curriculares de Ensino Médio e Ensino Médio Integrado: resumo executivo. SÉRIE Debates ED Nº1 Maio de 2011 ISSN 2236-2843 Protótipos curriculares de Ensino Médio e Ensino Médio Integrado: resumo executivo Educação SÉRIE Debates ED Nº1 Maio de 2011 ISSN 2236-2843 Protótipos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

Gestão por competências em organizações de governo. Mesa-redonda de pesquisa-ação

Gestão por competências em organizações de governo. Mesa-redonda de pesquisa-ação Gestão por competências em organizações de governo Mesa-redonda de pesquisa-ação A Mesa-Redonda de Pesquisa-Ação em Gestão por Competências ocorreu no período de 9 de novembro de 2004 a 28 de março de

Leia mais

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL

A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL A NOVA AGENDA DA MEI PARA AMPLIAR A INOVAÇÃO EMPRESARIAL O ESTADO DA INOVAÇÃO NO BRASIL MEI - MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL PELA INOVAÇÃO 5 UMA NOVA AGENDA PARA PROMOVER A INOVAÇÃO EMPRESARIAL NO BRASIL A capacidade

Leia mais

NOB-RH/SUAS: ANOTADA E COMENTADA

NOB-RH/SUAS: ANOTADA E COMENTADA NOB-RH/SUAS: ANOTADA E COMENTADA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO SUAS COORDENAÇÃO-GERAL DE IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos.

Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Plano Nacional de Educação. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica aprovado o Plano Nacional de Educação, constante do documento anexo, com duração de dez anos. Art. 2º A partir da vigência desta Lei,

Leia mais

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei

Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097. Um Projeto a partir de uma Lei : Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei 10.097 Um Projeto a partir de uma Lei A proposta de construir a Cartilha para ONGs: Como Elaborar um Programa de Aprendizagem a partir da Lei

Leia mais

Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências

Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências Heloísa Lück Dimensões da gestão escolar e suas competências Editora Positivo Curitiba 2009 Ficha Catalográfica Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP,

Leia mais

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL

TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL TABELAS DE HONORÁRIOS DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO DO BRASIL Em atendimento ao disposto na Lei 12.378, de 31.12.2010: (...) Artigo 28- Compete ao CAU/BR: Inciso XIV - aprovar e divulgar tabelas

Leia mais

Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica

Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica Presidente da República Fernando Henrique Cardoso Ministro da Educação Paulo Renato Souza Secretário Executivo Luciano Oliva Patrício Secretária

Leia mais

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação

Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação Diálogos sobre a Gestão Municipal Processos na Educação I. APRESENTAÇÃO II. GESTÃO DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO MUNICIPAL 1. O panorama da Política Municipal

Leia mais

Guia da Gestão da Capacitação por Competências

Guia da Gestão da Capacitação por Competências MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO E DESEMPENHO INSTITUCIONAL COORDENAÇÃO-GERAL DE POLÍTICAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Guia da

Leia mais

SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 INTRODUÇÃO... 7 3 CONCEPÇÕES... 11

SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 INTRODUÇÃO... 7 3 CONCEPÇÕES... 11 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 INTRODUÇÃO... 7 3 CONCEPÇÕES... 11 4 PRINCÍPIOS GERAIS...19 4.1 Comprometer-se com a redução das desigualdades sociais...19 4.2 Assumir que o desenvolvimento econômico é fundamental...19

Leia mais

profissional técnica de nível médio

profissional técnica de nível médio As novas diretrizes curriculares nacionais para a educação básica e suas implicações na educação profissional técnica de nível médio Francisco Aparecido Cordão * Resumo O artigo apresenta o arcabouço legal

Leia mais

CADERNO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais

CADERNO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS. Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais CADERNO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais CADERNO DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais Brasília 2013 Secretaria

Leia mais

Elizangela Lourdes de Castro

Elizangela Lourdes de Castro UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Elizangela Lourdes de Castro Análise dos Fatores que Geram Interesse ou Desinteresse dos Alunos do

Leia mais