GUIA DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA"

Transcrição

1 GUIA DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Mariette M. Pereira Teresa M. Roseiro Estronca Rui Miguel D. R. Nunes Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra 2006

2 GUIA DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Departamento de Química Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Mariette. M. Pereira Teresa M. Roseiro Estronca Rui Miguel D. R. Nunes Edição Departamento de Química (1ª ed, 2004; 2ª ed. 2006) FCTUC Composição gráfica Rui Miguel D. R. Nunes Núcleo de Estudantes Química Impressão Secção de textos - FCTUC

3 Índice Prefácio... 4 Órgãos Directivos Números de telefone a utilizar em caso de emergência Regras Básicas de Segurança no Laboratório Acidentes Acidentes que põem em risco a integridade física de indivíduos Acidentes que põem em risco a integridade física do edifício e/ou de todas as pessoas no local Plano de evacuação Incêndios Combate a incêndios Materiais combustíveis Gases Potenciais perigos associados aos gases comprimidos Armazenamento de gases comprimidos Gases Liquefeitos...24 Anexo 1. Lista de frases de risco usadas com substâncias perigosas...27 Anexo 2. Lista de frases de segurança usadas com substâncias perigosas...33 Anexo 3. Lista de reagentes químicos mais comuns altamente tóxicos...37 Anexo 4. Lista de reagentes químicos mais comuns conhecidos e suspeitos de actividade carcinogénica...38 Anexo 5. Lista de reagentes químicos mais comuns conhecidos e suspeitos de actividade teratogénica...39 Anexo 6. Lista de reagentes químicos que podem formar peróxidos quando armazenados...40 Anexo 7. Lista de reagentes químicos incompatíveis...41 Anexo 8. Exemplo de uma Material Safety Data Sheet (MSDS).44 Anexo 4. Proposta de Ficha de Segurança...50

4 Prefácio Qualquer actividade humana tem riscos, como podemos reconhecer pela taxa elevada de acidentes rodoviários no país. A Química não está isenta de riscos, mas eles não devem ser exagerados. Basta realçar que o grande Químico Físico americano Joel Hildebrand publicou o seu último artigo com a idade de 100 anos, e faleceu um ano mais tarde; mas que dedicou toda a sua vida científica ao estudo experimental de líquidos e soluções, incluindo muitos solventes que são tóxicos, incluindo o benzeno e o tetracloreto de carbono! O que é fundamental é saber as regras básicas de segurança no laboratório, os riscos com que deparamos com cada composto químico, isolado ou com outros reagentes, e os outros riscos potenciais que existem no laboratório. Nesta Guia, é apresentada a informação fundamental do que é preciso saber e quais as atitudes a tomar antes de fazer qualquer trabalho experimental. Leia este Guia antes de ir para o Laboratório, e se tem alguma dúvida em relação a esta matéria consulte a bibliografia, sítios na internet indicados, ou esclareça-se com o Professor da disciplina prática. Sebastião José Formosinho Simões Presidente do Departamento Hugh Douglas Burrows Presidente da Comissão Científica

5 Apresentação Este Guia Introdutório de Segurança foi preparado pela CSDQC (Comissão Segurança Departamento Química Coimbra) e tem como principais objectivos alertar e prevenir a ocorrência de acidentes durante a realização de experiências laboratoriais e alertar para a armazenagem e manipulação de gases, solventes e reagentes. O primeiro passo para evitar um acidente é saber reconhecer as situações que podem desencadeá-lo. Existem uma série de regras básicas de protecção individual e colectiva que devem ser conhecidas por Professores, Investigadores e Alunos e aplicadas sempre que possível. Este Guia destina-se essencialmente a alunos das Licenciaturas em Química e Química Industrial e de outras Licenciaturas da Faculdade de Ciências e Tecnologia que frequentem aulas nos Laboratórios do Departamento de Química. Neste Guia, apresentamos algumas informações básicas para evitar situações de perigo e algumas medidas a tomar aquando da ocorrência de acidentes. Fornecemos também uma lista de Frases de Risco e de Segurança assim como de referências para localização de sítios de internet destinados a encontrar as indicações de risco dos perigos dos reagentes utilizados. É apresentado em anexo um exemplo da ficha de segurança para ácido acético e uma ficha em branco para ser preenchida pelo aluno antes do início de qualquer Experiência Laboratorial. A Comissão de Segurança

6 Órgãos Directivos Presidente do Departamento Sebastião J. Formosinho Simões Tel: ; ext. 303 Presidente da Comissão Científica Hugh D. Burrows Tel: ; ext. 402 Presidentes das Comissões Pedagógicas Artur J. M. Valente Tel: ; Ext. 357 Jorge Costa Pereira Tel: ; Ext. 385 Comissão de Segurança Mariette M. Pereira Tel.: ; ext. 390; Teresa Roseiro Estronca Andreia F. Peixoto Rui Miguel D. R. Nunes Ana Maria Lapinha Lourenço Paulo Fraga Comissão Pedagógica de alunos de Química Comissão Pedagógica de alunos de Química Industrial Núcleo de Estudantes de Química 1

7 1.Números de telefone a utilizar em caso de emergência É importante saber a localização das pessoas e equipamentos necessários quando um acidente de laboratório imponha a assistência especializada. Os números de telefone que se seguem devem ser acessíveis ao responsável pelo laboratório, de modo que possa ser accionado, com rapidez, o auxílio necessário: Ambulância: 112 Bombeiros: INEM-centro de informação anti-venenos Hospital da Universidade de Coimbra: / 500 / 600 Urgência: Linha Azul: PSP: / 023 / 028 Presidente Departamento Química: ; ext. 303 Comissão de Segurança: ; ext

8 2. Regras Básicas de Segurança no Laboratório Os laboratórios de aulas e de investigação do Departamento de Química de Coimbra estão munidos do seguinte material de segurança: Cobertor anti-fogo Extintor de incêndio Areia Chuveiro Caixa de primeiros socorros Lava-olhos Antes de iniciar qualquer actividade laboratorial o Aluno e o Professor devem certificar-se da sua existência, localização e boas condições de funcionamento. Se algum deste equipamento não se encontrar em boas condições, por favor comunique à Comissão de Segurança ou à Direcção do Departamento. É obrigatório que todos os acidentes de laboratório sejam comunicados à Direcção. A pessoa acidentada, e remetida a tratamento especializado, deve ter um acompanhamento por parte do Professor ou de um responsável do Departamento. SEGURANÇA é assunto de máxima importância e deve ser dada especial atenção às medidas de segurança pessoal e colectiva em laboratório. Embora não seja possível enumerar aqui todas as causas de possíveis acidentes num laboratório, existem certos cuidados básicos, decorrentes do uso de bom senso, que devem ser observados: 3

9 1. Siga rigorosamente as instruções fornecidas pelo professor. 2. Nunca trabalhe sozinho no laboratório. 3. Não brinque no laboratório. 4. Em caso de acidente, procure imediatamente o professor, mesmo que não haja danos pessoais ou materiais. 5. Encare todos os produtos químicos como venenos em potencial, enquanto não verificar sua inocuidade, consultando a literatura especializada. 6. Antes de iniciar o trabalho no laboratório é obrigatória a leitura de fichas de segurança ou Material Safety Data Sheet, MSDS, de todos os produtos químicos com que irá trabalhar. 7. Não fume no laboratório. 8. Não beba nem coma no laboratório. 9. Durante a sua permanência dentro do laboratório use sempre óculos de protecção. 10. Use uma bata apropriada. 11. Deve usar sempre luvas de protecção apropriadas quando manusear substâncias agressivas para a pele ou que sejam absorvidas por via cutânea. 12. Caso tenha cabelo comprido, mantenha-o preso durante a realização das experiências. 13. Nunca deixe frascos contendo solventes inflamáveis (acetona, álcool, éter, por exemplo) próximos de chamas. 14. Nunca deixe frascos contendo solventes inflamáveis expostos ao sol. 15. Evite o contacto de qualquer substância com a pele. 4

10 16. Trabalhe com calçado fechado e nunca de sandálias. 17. Todas as experiências que envolvam a libertação de gases e/ou vapores tóxicos devem ser realizadas na câmara de exaustão (nicho de fumos). 18. Ao preparar soluções aquosas diluídas de um ácido, coloque o ácido concentrado sobre a água, nunca o contrário. 19. Nunca usar a boca para pipetar. 20. Nunca aqueça o tubo de ensaio, apontando a extremidade aberta para um colega ou para si mesmo. 21. Não coloque nenhum material sólido dentro da pia ou nos ralos. 22. Não coloque resíduos de solventes na pia ou ralo; há recipientes apropriados para isso. Deve distinguir entre os recipientes para solventes não halogenados, halogenados e para metais pesados. 23. Não coloque vidro quebrado ou lixo de qualquer espécie nas caixas de areia. Também não atire vidro quebrado no lixo comum. Deve haver um recipiente específico para fragmentos de vidro. 24. Não coloque sobre a bancada de laboratório bolsas, agasalhos ou qualquer material estranho ao trabalho que estiver a ser realizado. 25. No caso de contacto de um produto químico com os olhos, boca ou pele, lave abundantemente com água. A seguir, procure o tratamento específico para cada caso. 26. Saiba a localização e como utilizar o chuveiro de emergência, extintores de incêndio e lavadores de olhos. 27. Nunca teste um produto químico pelo sabor. 28. Não é aconselhável testar um produto químico pelo odor, 5

11 porém caso seja necessário, não coloque o frasco sob o nariz. Desloque suavemente com a mão, para a sua direcção, os vapores que se desprendem do frasco. 29. Se algum ácido ou produto químico for derramado, lave o local imediatamente. 30. Verifique se os cilindros contendo gases sob pressão estão presos com correntes ou cintas. 31. Consulte o professor antes de fazer qualquer modificação na experiência e na quantidade de reagentes a ser usada. 32. Antes de utilizar um aparelho pela primeira vez, leia sempre o manual de instruções. 33. Não aqueça líquidos inflamáveis em chama directa. 34. Lubrifique tubos de vidro, termómetros, etc., antes de inserilos em rolhas e proteja sempre as mãos com um pano. 35. Antes de usar qualquer reagente, leia cuidadosamente o rótulo do frasco para ter certeza de que aquele é o reagente desejado. 36. Verifique se a montagem está segura antes de iniciar um trabalho. 37. Abra os frascos o mais longe possível do rosto e evite aspirar ar naquele exacto momento. 38. Recomenda-se a não utilização de lentes de contacto sempre que possível. 39. Apague sempre os bicos de gás que não estiverem em uso. 40. Nunca volte a colocar no frasco um produto químico retirado em excesso e não usado. Ele pode ter sido contaminado. 41. Não armazene substâncias oxidantes próximas de líquidos voláteis e inflamáveis. 6

12 42. Dedique especial atenção a qualquer operação que necessite aquecimento prolongado ou que liberte grande quantidade de energia. 43 Cuidado ao aquecer vidro em chama: o vidro quente tem exactamente a mesma aparência do frio. 44 Quando sair do laboratório, verifique se não há torneiras (água ou gás) abertas. Desligue todos os aparelhos, deixe todo o equipamento limpo e lave as mãos. Recomendamos que o Professor possua no Laboratório o conjunto de todas as fichas de segurança dos diferentes reagentes a utilizar. Caso tal não se verifique deverá autorizar o aluno a fazer uma pesquisa na internet ou na Biblioteca do Departamento para adquirir a informação necessária. Poderá também ser sugerido ao aluno que efectue essa pesquisa antes do início da aula. Será disponibilizada em suporte informático uma base de dados com alguma informação. Consultas complementares podem ser efectuadas por exemplo nos sites: Nota: Serão efectuadas visitas periódicas aos Laboratórios de Aulas, por uma Comissão especificamente designada para o efeito, para verificar se estas regras estão a ser implementadas. 7

13 Apresenta-se na figura 1 os símbolos e indicadores de perigo de substâncias químicas de acordo com o Dec.-Lei nº 330-A/98, de 2 de Novembro. Figura 1: Pictograma e indicações de perigo de substâncias químicas 3. Acidentes Sendo o laboratório um local de risco controlado, o conhecimento e cumprimento das normas de segurança podem não ser suficientes para evitar a ocorrência de acidentes. Existem tratamentos de primeiros socorros a aplicar em cada tipo de acidente, sendo, no entanto, essencial a máxima presença de espírito e rapidez de actuação, pelo que as pessoas vitimadas ou quem esteja presente devem imediatamente comunicar a ocorrência ao professor responsável. 3.1 Acidentes que põem em risco a integridade física de indivíduos Em caso de acidente deve-se, sempre que possível, não movimentar o sinistrado até à presença dos serviços de emergência médica. 8

14 Em alguns casos, é necessário socorrer imediatamente o sinistrado enquanto se espera pelos serviços de emergência. A Tabela 1 mostra acidentes que podem ocorrer e que, até determinado grau, podem ser assistidos imediatamente. Tabela 1. Tipo de acidentes que podem ocorrer no laboratório e procedimentos a seguir Tipo de Acidente Golpes ligeiros Salpicos e queimaduras químicas superficiais Queimaduras térmicas ou com fogo Procedimento Fazer sangrar o golpe por alguns segundos. Remover estilhaços e lavar com água corrente. Desinfectar e proteger com um penso. Lavar abundantemente a área afectada com água corrente e sabão, o que facilita a remoção de produtos químicos, usando o chuveiro de emergência. Remover o vestuário contaminado. As queimaduras com ácidos ou com bromo devem ser posteriormente lavadas com uma solução de carbonato de sódio a 5%. As queimaduras com bases devem ser lavadas com ácido acético a 5% existente nos primeiros socorros de laboratório. Cobrir a área afectada com gaze esterilizada sem apertar. Consultar os serviços médicos da Universidade ou levar directamente às urgências médicas nos HUC. Usar água ou gelo (apenas se a queimadura for superficial). Para queimaduras térmicas aplicar uma pomada própria existente na caixa de primeiros socorros e proteger com gaze esterelizada. Para queimaduras com fogo é necessário abafar a chama, eventualmente fazendo o sinistrado rolar no chão, e usar chuveiro de emergência quando possível. Consultar os serviços médicos da Universidade ou levar directamente às urgências médicas nos HUC. 9

15 Salpicos de reagentes químicos nos olhos Inalação de substâncias tóxicas Ingestão de reagentes (sólidos, líquidos) Eléctrico Estado de choque Lavar com soro fisiológico ou água de esguicho próprio (frasco lavador), mantendo as pálpebras afastadas com a ajuda de dois dedos para que o jacto de água seja tangencial ao globo ocular. Consultar os serviços médicos da Universidade ou levar directamente às urgências médicas nos HUC. Afastar o acidentado do local contaminado, aliviandolhe o vestuário no pescoço e no peito. Se ocorrer inconsciência, deitar o sinistrado de face virada para baixo, mantendo-o aquecido e eventualmente tentar a reanimação boca a boca (excepção para contaminação por venenos). Transportar para os HUC. Bochechar com água, sem ingerir, se a contaminação for apenas bucal. Caso tenha havido ingestão, beber água ou leite em abundância e deslocar rapidamente para os HUC. Desligar a corrente/quadro de electricidade antes de socorrer o acidentado. Se não for possível, colocar debaixo dos pés material isolante e afaste a vítima da fonte com um cabo de vassoura ou uma cadeira de madeira. Não utilizar materiais metálicos ou húmidos. O estado de choque pode resultar de um acidente físico ou de um distúrbio emocional e os sintomas podem ser prostação, palidez, pele húmida e fria, debilidade, tonturas, ansiedade ou problemas de visão. A vítima deve ser colocada em posição horizontal com os pés num plano ligeiramente superior ao mesmo tempo que se tenta tranquilizar e diminuir a ansiedade. Deve ser deslocada até aos HUC. 10

16 3.2 Acidentes que põem em risco a integridade física do edifício e/ou de todas as pessoas no local No caso de ocorrer um acidente de proporções elevadas, que ponha em risco a integridade das pessoas presentes e do edifício, como um incêndio, o risco de uma explosão ou a libertação de gases tóxicos, o edifício deve ser evacuado imediatamente. Na Tabela 2, apresentam-se os efeitos fisiológicos provocados por gases tóxicos e as concentrações expressas em ppm a partir das quais os efeitos tóxicos são produzidos. Tabela 2. Efeitos fisiológicos de gases tóxicos em ppm Gás Efeito após min Mortal em 30 min Imediatamente mortal ácido cianídrico - HCN ácido Clorídrico - HCl ácido fluorídrico HF ácido sulfídrico H 2 S amoníaco NH cloro Cl dióxido de carbono CO fosgénio COCl monóxido de carbono CO vapores nitrosos NO / NO Fonte: Companhia de Bombeiros Sapadores de Coimbra. Não havendo ninguém a necessitar de assistência, todos os presentes devem sair do edifício seguindo as indicações que a seguir se indicam. 11

17 3.2.1 Plano de evacuação Na ocorrência de um alarme generalizado, é obrigatória a evacuação do edifício. A evacuação deverá ocorrer seguindo a sinalização presente no edifício após a verificação dos seguintes pontos: a) Todos os equipamentos eléctricos devem ser desligados e todas as garrafas com gases inflamáveis devem ser fechadas. As experiências que estejam a decorrer devem ser deixadas em segurança, isto é, desligando fontes de calor e sistemas de vazio ou pressão. b) Antes de sair do laboratório, gabinete ou sala a pessoa responsável pelo espaço deve verificar que a evacuação foi completa e depois fechar todas as portas sem, no entanto, as trancar. c) Todos devem dirigir-se calmamente para as saídas do edifício utilizando as escadas. Não se deve utilizar o elevador pois é provável um corte de energia. d) Os docentes de aulas práticas devem indicar a saída aos alunos e são responsáveis por deixar todas as experiências em segurança. e) Não reentrar no edifício até que a Comissão de Segurança diga que é seguro fazê-lo. 4. Incêndios Os fumos são, na maioria dos casos, o principal inimigo das pessoas durante o desenvolvimento do incêndio. Expandem-se muito rapidamente, principalmente das zonas baixas para andares superiores, dificultando a visibilidade e irritando o sistema respiratório. O fogo, para 12

18 além de calor e de fumos, produz vários gases tóxicos, podendo provocar a morte muito antes da aproximação das chamas. Não deve abrir as janelas quando há um incêndio. Os principais gases libertados durante uma combustão são: o monóxido de carbono que é menos denso que o ar, é muito tóxico (impede o transporte de oxigénio pelo sangue) e combustível; o dióxido de carbono que é mais denso que o ar, é asfixiante (provoca aceleração na respiração facilitando a absorção de outros gases tóxicos); o ácido sulfídrico que afecta o sistema nervoso, provocando tonturas e dores no aparelho respiratório; o dióxido de azoto que é muito tóxico e provoca paralisação da garganta. Para além dos gases tóxicos já referidos, outros são susceptíveis de aparecer conforme a composição química do material combustível. Entre esses gases tóxicos destacam-se pela sua toxicidade e probabilidade de surgirem os seguintes: ácido fluorídrico, ácido cianídrico ou prússico, ácido clorídrico, amoníaco, anidrido sulfuroso, cloro, fosgénio, vapores nitrosos. 4.1 Combate a incêndios Todos os laboratórios estão equipados com extintores de combate a incêndios devidamente sinalizados, bem como mantas anti-fogo e recipientes com areia. O extintor é um instrumento simples de manusear, portátil e eficiente. A utilização de cada tipo de extintor depende do tipo de incêndio. Existem quatro classes de fogos A, B, C e D com características diferentes, logo com formas de extinção diferentes. O 13

19 conhecimento do tipo de fogo na maior parte dos casos leva a uma extinção apropriada. A Tabela 3 apresenta as diferentes classes de fogos. Classes de fogos A (fogos secos) B (fogos gordos) C (fogos de gases) Descrição Fogos de superfície e profundidade. Geralmente dão origem a brasa. Fogos de superfície de líquidos combustíveis e sólidos liquidificáveis Fogos em garrafas de gás. Tabela 3. Classes de fogos Exemplos de materias Madeiras, papel, tecidos, carvão, lixo... Petróleo, gasolina, óleos, álcool, vernizes, ceras, plásticos, alcatrão, parafina... Propano, butano, acetileno, hidrogénio... D (fogos de metais) Envolvem reacções de combustão de metais alcalinos ou pirofosfóricos Sódio, alumínio, magnésio, lítio, urânio... A Tabela 4 mostra os diversos agentes extintores e o modo de actuação e a Tabela 5 mostra em que classes de fogos (Tabela 3) podem ser utilizados. 14

20 Tabela 4. Agentes extintores e modo de actuação Agente extintor Modo de actuação Símbolo Dispersão Físico Água Arrefecimento CO 2 Abafamento Espuma Abafamento Pó Químico (Halon) Inibição Areia Abafamento 15

21 Tabela 5. Agente extintor a utilizar consoante a classe do fogo Classe de Fogo Agente Extintor A B C D Água em jacto Eficaz Não Usar Não Usar Não Usar Água em nevoeiro Muito Eficaz Não Usar Não Usar Não Usar Espuma Eficaz Muito Eficaz Não Usar Não Usar CO 2 Pouco eficaz Eficaz Eficaz Não Usar Pó Químico Não Usar Não Usar Não Usar Eficaz Fonte: Companhia de Bombeiros Sapadores de Coimbra 4.2 Materiais combustíveis Os materiais combustíveis podem existir nas três fases sólida, líquida e gasosa, tendo obviamente propriedades diferentes. Num laboratório, é fácil encontrar exemplos para cada um dos tipos, sendo assim necessário saber reconhecer o tipo de combustível e as propriedades associadas. Os gases e vapores combustíveis mais conhecidos são o butano, o propano, o acetileno, o hidrogénio, o éter etílico e vapores de gasolina. 16

22 Uma mistura de ar e um combustível gasoso só se torna inflamável quanto está dentro de um determinado intervalo de concentração. Para o monóxido de carbono o intervalo varia entre 12,5 e 74%, sendo o restante ar. Estes valores são designados por limite mínimo e máximo de inflamabilidade (ou explosividade). O intervalo entre estes valores designase por zona inflamável. Apresentam-se, na Tabela 6, alguns valores mínimos e máximos de explosividade para alguns combustíveis. Tabela 6.Valores mínimos e máximos de inflamabilidade de combustíveis Combustível Limite Mínimo Inflamabilidade Limite Máximo Inflamabilidade Acetileno 1,5 % 82% Acetona 2,5% 13% Álcool etílico 3,5% 15% Amoníaco 15% 28% Benzeno 0,7% 8% Butano 1,5% 8,5% Hidrogénio 4% 75,6% Gás sulfídrico 4,3% 45,5% Metano 5% 15% Propano 2,1% 9,5% Fonte: Companhia de Bombeiros Sapadores de Coimbra Tal como para os gases, a percentagem da mistura vapores e ar (oxigénio) tem de estar dentro da zona inflamável para que se inicie um 17

23 fogo. Para os líquidos combustíveis existem três temperaturas que determinam o seu comportamento relativamente à combustão, que são as seguintes: temperatura de inflamação; temperatura de combustão e temperatura de ignição. Temperatura de inflamação (Flash Point): é a temperatura mínima a que uma substância liberta vapores combustíveis em quantidade suficiente para formar com o ar e na presença de uma fonte de ignição uma mistura inflamável, que se extingue logo que a fonte de ignição seja retirada por insuficiência de vapores. Temperatura de combustão (Fire Point): é a temperatura mínima a que uma substância liberta vapores combustíveis em quantidade e rapidez suficientes para formar com o ar e na presença de uma fonte de ignição uma mistura inflamável, continuando a sua combustão mesmo depois de retirada a fonte de ignição. Temperatura de ignição (Ignition Point): é a temperatura mínima a que uma substância liberta vapores combustíveis que, em mistura com o ar e sem a presença de uma fonte de ignição, se inflamam. Na Tabela 7, apresentam-se as temperaturas de inflamação, combustão e ignição de vários líquidos combustíveis de uso comum, tanto em casa como num laboratório. 18

24 Tabela 7. Temperaturas de inflamação, combustão e ignição de combustíveis Combustível Temperatura de Inflamação Temperatura de Combustão Temperatura de Ignição Gasolina - 40 º C - 20 º C 277 º C Fuel oil 66 ºC 93 º C 230 º C Gasóleo 90 ºC 104 º C 330 º C Álcool 13 ºC º C Butano - 60 ºC º C Benzeno - 12 ºC º C Éter dietílico - 45 ºC º C Fonte: Companhia de Bombeiros Sapadores de Coimbra 5. Gases Na maioria dos laboratórios é necessário trabalhar com gases comprimidos. Estes são divididos em três grupos: gases liquefeitos, gases comprimidos (não-liquefeitos) e gases dissolvidos. Gases liquefeitos: É um gás parcialmente líquido a 21ºC, à pressão de carga da garrafa. São exemplos de gases comprimidos liquefeitos o propano e o dióxido de carbono. Gases não liquefeitos: É um gás que se encontra completamente no estado gasoso a 21ºC, à pressão de carga da garrafa. Oxigénio, azoto, hélio, árgon e hidrogénio são exemplos de gases comprimidos não liquefeitos. 19

25 Gases dissolvidos: É um gás que se encontra dissolvido num solvente. O único exemplo de uso comum é o acetileno. Este gás é geralmente dissolvido em acetona dado que é instável na ausência de um solvente (é espontaneamente combustível em contacto com o ar a pressões ligeiramente superiores à pressão atmosférica à temperatura ambiente). 5.1 Potenciais perigos associados aos gases comprimidos Pressão: A probabilidade de rotura de cilindros de gás é extremamente pequena quando estes são manipulados correctamente. Estes podem, no entanto, sofrer rotura devido a técnicas de enchimento impróprias, à corrosão ou a um incêndio. Todos os gases comprimidos devem ser considerados potencialmente perigosos devido à elevada pressão a que estão sujeitos. Inflamabilidade: São exemplo de gases inflamáveis hidrogénio, acetileno, metano. Oxidantes: Os gases oxidantes são aqueles que provocam ou aceleram a combustão de materiais inflamáveis. Exemplos de gases oxidantes são oxigénio, óxido nitroso e cloro. Asfixia: A asfixia é o principal perigo associado a gases inertes. Sendo completamente inodoros e invisíveis é possível a ocorrência de uma fuga por um intervalo de tempo alargado sem que seja detectada. Exemplos de gases inertes de uso comum são o azoto e o árgon. 20

26 Corrosivos: Os gases corrosivos podem queimar metais e atacam rapidamente a pele. Gases corrosivos, como o NH 3, HCl ou HCN, podem atacar roupa protectora contra fogo. Toxicidade: A toxicidade dos gases varia entre a toxicidade extrema (causando a morte ou danos graves após breve contacto) e a toxicidade ligeira (causando irritação). Cianeto de hidrogénio e monóxido de carbono são exemplos de gases tóxicos. Gases tóxicos, como o Cl 2 ou NO, provocam envenenamento mas os sintomas podem não ser imediatos Alguns gases podem ser tóxicos e corrosivos em simultâneo. A Tabela 8 mostra a classificação de alguns gases comprimidos de uso industrial comum 1. Tabela 8. Exemplos de gases comprimidos tóxicos e/ou corrosivos Gás Tóxico Corrosivo Gás Tóxico Corrosivo NH 3 X H 2 S X BCl 3 X CH 3 Br X BF 3 X CH 3 SH X X CO X CH 3 NH 2 X CF 2 O X X NO* X COS X X ClNO X X Cl 2 X X PF 5 X C 2 N 2 X SiF 6 X X SiCl 2 X X SiF 4 X X (CH 3 ) 2 NH X SO 2 X HBr X SO 2 F 2 X HCl X (CH 3 ) 3 N X

27 5.2 Armazenamento de gases comprimidos O armazenamento dos gases é muito importante em termos de segurança e de qualidade de trabalho. Os gases corrosivos não podem estar armazenados mais de 6 meses pois podem atacar o cilindro e a válvula. O monóxido de carbono não deve ser armazenado mais de 1 ano pois pode levar à formação de carbonilos, o que resulta na degradação do cilindro. Gases que podem polimerizar quando armazenados mais de 6 meses estão identificado na Tabela 9. O óxido de etileno não deve ser armazenado mais de 3 meses num local não refrigerado. Tabela 9. Exemplos de gases que polimerizam quando armazenados Gases que polimerizam 1,3-butadieno Óxido de etileno Brometo de vinilo Cloreto de vinilo Fluoreto de vinilo Deve existir um cuidado especial com os reguladores dos cilindros. Este mecanismo é que regula a saída do gás sendo necessário estar garantida a sua segurança. Os reguladores de alta pressão devem ser alvo de manutenção, sendo preferível a substituição, a cada 5 anos. Cada regulador é feito para utilização de um determinado gás. Nunca se deve utilizar um 22

28 regulador com um gás para o qual não está especificado, podendo ocorrer, além de contaminações, fugas de gás. Regras básicas de segurança para utilizar e armazenar gases ter o mínimo possível de cilindros no laboratório; os cilindros devem estar seguros a uma parede ou bancada com correntes; Retirar o selo da válvula apenas na altura da sua utilização; Usar apenas os equipamentos aprovados pelo fornecedor. Utilizar materiais compatíveis com o gás; Aquando da abertura de uma garrafa, o operador deve colocar-se fora da trajectória de ejecção do nanoredutor; nunca abrir completamente a válvula, meia volta é suficiente para um fluxo normal, em caso de emergência uma válvula aberta é mais difícil de fechar; ter sempre ventilação adequada quando existem gases inflamáveis; todas as fontes de ignição são afastadas de locais de trabalho com gases; aparelhos eléctricos não utilizados são desligados da tomada; a válvula de segurança e o regulador dos cilindros são fechados quando não se utiliza o cilindro. O mesmo se aplica para as garrafas vazias; Nunca usar óleo ou outras gorduras nas ligações ou equipamentos para gases; 23

29 Usar um sistema eficaz de detecção de fugas; cilindros de acetileno são movidos sempre na vertical, com a válvula para cima, ou têm de repousar durante 1 hora antes de os utilizar; o equipamento que utiliza acetileno não pode ter Cu, Ag e Hg pois formam acetais explosivos; devem existir sempre extintores de pó seco nas proximidades; equipamento de queima (bico de Bünsen, absorção atómica, etc.) deve ter reguladores de flashback; nunca usar um cilindro não identificado ou identificado apenas pela cor; nunca usar fita de PTFE, silicone ou outro material selante para um sistema fechado em caso de fuga mudar o regulador ou o cilindro; um cilindro nunca está vazio, tem gás à pressão atmosférica; Deve consultar sempre a ficha de segurança do produto. 5.3 Gases Liquefeitos A manipulação de fluidos criogénicos (gases liquefeitos) tem associada alguns riscos, em virtude de estes serem caracterizados por temperaturas extremamente baixas e por uma elevada capacidade de expansão em volume quando passam do estado líquido ao estado gasoso. Os gases liquefeitos à pressão atmosférica estão a baixas temperaturas e em 24

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo.

ANEXO IV. II- um armário para armazenagem de solventes, com construção resistente ao fogo. ANEXO IV ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS. No laboratório, almoxarifado e em locais em que se tenha que armazenar ou manipular substâncias químicas, deve-se ter em conta sua composição, pois muitas delas

Leia mais

Produtos químicos PERIGOSOS

Produtos químicos PERIGOSOS Produtos químicos PERIGOSOS Como podemos identificar os produtos químicos perigosos? Os produtos químicos estão presentes em todo o lado, quer em nossas casas, quer nos locais de trabalho. Mesmo em nossas

Leia mais

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões

Tópicos. Introdução Avaliação/gestão de riscos Normas de segurança Boas práticas laboratoriais (case study) Conclusões Boas Práticasde Trabalhoem Laboratório Olga Conde Moreira Seminário no âmbito do Projeto AGROPECUÁRIA, TECNOLOGIA ALIMENTAR E AMBIENTE APRENDER CIÊNCIA HANDS-ON Programa Ciência Viva 12 de Março de 2014

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química

Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química Regras Básicas de Segurança Em Laboratórios de Química O que deve ser sempre lembrado é que: A segurança depende de cada um. É importante que o pessoal se habitue a trabalhar com segurança fazendo com

Leia mais

Manual de Segurança do Laboratório de Química

Manual de Segurança do Laboratório de Química Manual de Segurança do Laboratório de Química Universidade Federal do Pampa Campus Caçapava do Sul 1 INTRODUÇÃO O Manual de Segurança do Laboratório de Química foi elaborado com o objetivo de fornecer

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA BIOESTIM K 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: BIOESTIM K Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA SIPFOL MAX 1. IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Nome do produto: Identificação: Tipo de formulação: Utilização: SIPFOL MAX Aminoácidos, magnésio e oligoelementos Concentrado

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMI FERTIL Especial Hortícolas 18-8-6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Promi-Fertil Especial Hortícolas 18-8-6 Uso do

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA PROMINOL P 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Data de emissão: 13 / 03 / 08 Nome do produto: Uso do produto: PROMINOL P Adubo Empresa responsável pela comercialização:

Leia mais

EC Ficha de Segurança do Produto

EC Ficha de Segurança do Produto 1 Identificação do produto e fornecedor Nome do produto TESTE DE DESPISTAGEM Aplicação / utilização Determinação Quantitativa de Cloro/Halogéneos Produtor DEXSIL CORPORATION USA Fornecedor AMBICARE INDUSTRIAL,

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Código do produto: PSL97 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código do produto: Aplicação: Fornecedor: PSL97 Telefone de emergência: (19) 2103-6000 REMOVEDOR DE TINTA CURADA PPG INDUSTRIAL

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO

NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO NOÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA NUM LABORATÓRIO O trabalho desenvolvido num laboratório químico envolve o manuseamento de materiais, que pelas suas características, podem vir a constituir um risco para os que

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp.

MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. MANUAL DE NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Material organizado pelo Prof. Cristiano Alfredo. Rupp. NORMAS DE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Para um trabalho com segurança e com menores

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Data da emissão: 01.03.2005 Edição substituta de 01.02.2002 1. Identificação do produto e da empresa Identificação da substância/preparação

Leia mais

Ficha de Segurança. G101c REVELADOR 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES.

Ficha de Segurança. G101c REVELADOR 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES. Página: 1 / 11 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial: Código Interno: DEZSN000 Nome da Empresa: Agfa Gevaert do Brasil Ltda Endereço: Av. Jorge Bey Maluf, 2100 - Suzano - SP Telefone

Leia mais

Frases R & S. Introdução

Frases R & S. Introdução Frases R & S Introdução As chamadas Frases-R fornecem dicas para riscos especiais que podem surgir com o manuseio de substâncias ou formulações perigosas. A letra R é a abreviatura de risco. Após a Ordinance

Leia mais

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho Ciências Físico-Químicas: CEF-EM(N2) PROFESSORA: Daniela Oliveira MÓDULO 1 SEGURANÇA EM LABORATÓRIOS DE QUÍMICA Escola Secundária com 3.º ciclo Jorge Peixinho

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1

FICHA DE SEGURANÇA Edição revista no : 1 Página : 1 T : Tóxico F+ : Extremamente Etiqueta 2.1 : Gás inflamável inflamável. 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Designação Comercial : N Ficha de Segurança : Uso : Esterilização

Leia mais

MEMBRANAS BETUMINOSAS

MEMBRANAS BETUMINOSAS FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO (Em conformidade com o Regulamento REACH (EC) nº 1907/2006) Nº revisão: 08 Data de emissão: 24 de Janeiro de 2014 MEMBRANAS BETUMINOSAS 1. Identificação da substância/mistura

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6

FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 FICHA DE SEGURANÇA 2001/58/CE Data de revisão: 08/04/2014 Pág. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Descrição do artigo: Limpa Churrasqueiras HUJE 1.2 Utilizações previstas: Limpeza de Gorduras

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO %

2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS IGREDIENTES: CONCENTRAÇÃO % 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRELATÉX Tinta acrílica base d agua. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos

Leia mais

ÍNDECE ACIDENTES E PRIMEIROS SOCORROS... 3 1.1.ACIDENTES QUE PÕEM EM RISCO A INTEGRIDADE FÍSICA DE INDIVÍDUOS... 3

ÍNDECE ACIDENTES E PRIMEIROS SOCORROS... 3 1.1.ACIDENTES QUE PÕEM EM RISCO A INTEGRIDADE FÍSICA DE INDIVÍDUOS... 3 Grupo de Ecofisiologia e Melhoramento Florestal PREVENÇÃO de ACIDENTES E PRIMEIROS SOCORROS 1 ÍNDECE ACIDENTES E PRIMEIROS SOCORROS... 3 1.1.ACIDENTES QUE PÕEM EM RISCO A INTEGRIDADE FÍSICA DE INDIVÍDUOS....

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança Segundo Regulamento (CE) nº. 1907/2006

Ficha de Dados de Segurança Segundo Regulamento (CE) nº. 1907/2006 Página 1/6 1 Identificação da preparação e da empresa Área de aplicação do produto: Produto de limpeza/manutenção profissional para as indústrias alimentar e bebidas. Fabricante/Fornecedor: JohnsonDiversey

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMFOS 700 A Código do produto: CF700A Página 1 de 5 Código do produto: CF700A Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CF700A Telefone de emergência: (19) 3864-6000 FOSFATO ÁCIDO DE

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DESENTUPIDOR DE TUBAGEM LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA DESENTUPIDOR DE TUBAGEM LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º página: 1/5 * 1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador do produto 1.2 Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas Utilização

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI MASTER HARD SS Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere, 198

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição nº 4 Pag: 1 de 5 Produto: MICROTHIOL SPECIAL DISPERSS 1 IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL DO PRODUTO UTILIZAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO EMPRESA FABRICANTE MICROTHIOL SPECIAL

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 6 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014

Acido Crômico Anidro FISPQ nº: 0007 Ultima Revisão: 08/11/2014 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Código do produto : 0007 Empresa : Jenifer Martins de Souza (MV Química / Lubrificantes Brasil) Rua José Carlos, 44 Jandira - SP Cep: 06608-330

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda. Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Esta SDS adere aos estandartes e requerimentos de Portugal e pode não cruzar-se com os requerimentos nos outros países.

Esta SDS adere aos estandartes e requerimentos de Portugal e pode não cruzar-se com os requerimentos nos outros países. Esta SDS adere aos estandartes e requerimentos de Portugal e pode não cruzar-se com os requerimentos nos outros países. 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE/EMPRESA Informação do Produto

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Aditivo Solvente Código do produto: SO-228 Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Aditivo Solvente Código do produto: SO-228 Página 1 de 5 Código do produto: SO-228 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: SO-228 Telefone de emergência: (19) 3864-6000 Utilizado diluído

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP

Leia mais

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Cris ph - Aplicação: Nome da Empresa: Endereço: Ajustador de ph Marco Antonio Spaca Piscinas EPP Rua: João Paulino dos Santos, 150 Bairro: Atibaia

Leia mais

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º

Ficha de dados de segurança Em conformidade com 1907/2006/CE, Artigo 31.º página: 1/7 1 Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa Identificador do produto Código do produto: 146451 Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico DPG. DPG (Difenilguanidina) Acelerador DPG. Principal uso como acelerador de vulcanização.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico DPG. DPG (Difenilguanidina) Acelerador DPG. Principal uso como acelerador de vulcanização. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: (Difenilguanidina) Acelerador Principal uso como acelerador de vulcanização. Cas number:

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 4 Página 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA LATEX ACRILICO PLUS Empresa INDUSTRIA E COMERCIO DE TINTAS FERRAZ LTDA RODOVIA INDIO TIBIRIÇA 2520 RAFFO SUZANO SP CEP 008776-960 SAC- (11) 4749-1566

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CHEMKLEEN 611L Código do produto: CK611L Página 1 de 5 Código do produto: CK611L Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Código do produto: Aplicação: Fornecedor: CK611L Telefone de emergência: (19) 2103-6000 DESENGRAXANTE ALCALINO

Leia mais

RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS

RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS RISCOS E SEGURANÇA FRASES R NATUREZA DOS RISCOS ESPECÍFICOS ATRIBUÍDOS ÀS SUBSTÂNCIAS E PREPARAÇÕES PERIGOSAS R1 R2 Explosivo no estado seco. Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Nome da Empresa: Bayer MaterialScience - PUR REIM Endereço: Rua Domingos Jorge, 1000 - Socorro - CEP 04779-900 - São Paulo - SP. Telefone: (11) 5694-5161

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: Impermeabilizante acrílico a base d água. Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA ANTICALCÁRIO MÁQUINA LINHA PROFISSIONAL

FICHA DE SEGURANÇA ANTICALCÁRIO MÁQUINA LINHA PROFISSIONAL Ficha de Segurança de acordo com Regulamento (CE) nº 1907/2006 (REACH). Classificação e Rotulagem de acordo com Regulamento para a Classificação, Embalagem e Rotulagem de Preparações perigosas. 1. Identificação

Leia mais

SISTA SOLYPLAST CASA DE BANHO. Fecha de Revisión xx/xx/xx Versión xx

SISTA SOLYPLAST CASA DE BANHO. Fecha de Revisión xx/xx/xx Versión xx HENKEL IBERICA Henkel Hoja de Seguridad Según Directiva 93/112/CE (rev 2001/58/CE) SISTA SOLYPLAST CASA DE BANHO Fecha de Revisión xx/xx/xx Versión xx Idioma: Tipo: División: Div. Jerarquía: Unidad Est.Negocio:

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do produto: COLA PVA EXTRA FORMICA Nome da empresa: Formiline Indústria de Laminados Ltda. Endereço: Estrada Portão do Honda, 120 Rio Abaixo

Leia mais

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Denvercril RA701. Denver Indústria e Comércio Ltda. Rua Geny Gusmão dos Santos, 48 Rio Abaixo Suzano-SP. Telefone da

Leia mais

Designação do Produto

Designação do Produto PÁGINA: 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Ref.ª HSEL120 Designação do Produto Fresh LV Aplicação O FRESH LV é um limpa vidros multiusos recomendado, para limpeza de vidros, ceramica, fórmica, melamina,

Leia mais

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias.

Pode causar irritação na mucosa e dores abdominais. Não são conhecidos casos de irritação nas vias respiratórias. Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ FISPQ nº 032 Página 1 / 5 Data da última revisão 08/05/2008 1 Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Tinta P.V.A.para Artesanato

Leia mais

Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST

Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST Avaliação de Riscos no Laboratório de Química Orgânica do IST Apresentação do Laboratório Armazém de Reagentes aprox. 7 m 2 de armazém Escadas sem apoio e com grande inclinação Armazém de Reagentes Ventilação

Leia mais

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5

Revisão 15 Abril/13 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 FISPQ N o 0002-13 Página 1 de 5 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME COMERCIAL Thinner 2750 NOME DO FABRICANTE ANJO QUIMICA DO BRASIL LTDA Rodovia SC, 447 Km 02 Criciúma Santa Catarina CEP: 88.817-440

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico AMINA TERCIÁRIA C12 FISPQ 014 1 de 4 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: AMINA TERCIÁRIA C12 Fornecedor: Multichemie Indústria e Comércio de Produtos Químicos Ltda. R. Howard Archibald

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem Etanol 64-17-5 5-20 F; R11; S2, S7, S16

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem Etanol 64-17-5 5-20 F; R11; S2, S7, S16 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINSOFT CN Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINSOFT CN Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FISPQ N 004/2006 Página 1de 6 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Massas Corrida PVA Nome Comercial: Massa Corrida PVA Empresa: Resicolor Tintas e Vernizes Ltda Endereço: Rodovia

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 2. 2.3 : Gás tóxico. 2.1 : Gás inflamável.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 2. 2.3 : Gás tóxico. 2.1 : Gás inflamável. Página : 1 2.3 : Gás tóxico. 2.1 : Gás inflamável. Perigo 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : Sulfureto de carbonilo N Ficha

Leia mais

ESTAÇÃO DE AVISOS DE CASTELO BRANCO

ESTAÇÃO DE AVISOS DE CASTELO BRANCO CIRCULAR Nº 14 / 2009 CASTELO BRANCO, 22 DE JULHO 1 PRUNÓIDEAS Pessegueiros 1.1 - Mosca da fruta (Ceratitis capitata ) As condições climáticas são favoráveis ao aparecimento da mosca da fruta. Já registámos

Leia mais

LIMPA- PEDRAS. FISPQ-004 Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA. Nome Comercial do Produto :

LIMPA- PEDRAS. FISPQ-004 Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA. Nome Comercial do Produto : Pag. 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DOPRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto : LIMPA- PEDRAS Identificação da Empresa: VALÊNCIA IND. E COMÉRCIO DE MATERIAIS DE LIMPEZA LTDA. Telefone FAX: (11) 2632-7070

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto - Código interno: SERICRYL SUPER MACIO SM Código das Cores: 001, 002, 003, 010, 014, 015, 016, 017, 020, 025, 030,

Leia mais

NOME DO PRODUTO: THINNER F-15

NOME DO PRODUTO: THINNER F-15 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO: Thinner F-15 NOME COMERCIAL: Thinner F-15 Código Interno: PA.000001 NOME DO FABRICANTE EMPRESA: VELOZ QUÍMICA DERIVADOS DE PETRÓLEO E SOLVENTES

Leia mais

Designação do Produto

Designação do Produto PÁGINA: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Ref.ª HSEL106_107 Designação do Produto Cook Desengordurante Aplicação O COOK DESENGORDURANTE é um desengordurante e desincrustante enérgico de gorduras de difícil

Leia mais

PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA

PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA Nome do Produto: Nome da Companhia: PARASIL N90 MACROFLEX COMERCIAL LTDA. RUA DONA ALZIRA, 765

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - FISPQ PRODUTO: BATERIA MOURA 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa: Endereço: Bateria Moura Acumuladores Moura

Leia mais

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental

AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE. Protocolo experimental Projeto Ciência Viva INTRODUÇÃO À QUÍMICA VERDE, COMO SUPORTE DA SUSTENTABILIDADE, NO ENSINO SECUNDÁRIO AL 1.2-12º ano: UM CICLO DE COBRE Protocolo experimental 1. REAGENTES Reagentes estequiométricos

Leia mais

Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006

Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006 Ficha de Dados de Segurança De acordo com o Regulamento (CE) No 1907/2006 Soft Care Crema Revisão: 2012-11-26 Versão 02 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1 Identificador

Leia mais

Desiclean DWS DESICLEAN DWS DESINFECTANTE ALCALINO CLORADO PARA APLICAÇÃO POR ESPUMA 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE

Desiclean DWS DESICLEAN DWS DESINFECTANTE ALCALINO CLORADO PARA APLICAÇÃO POR ESPUMA 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE IDENTIFICAÇÃO: APRESENTAÇÃO: FORNECEDOR: DESICLEAN DWS Agente desinfectante alcalino-clorado concebido para actuar sob a forma de espuma. Desicosmo

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico - FISPQ Produto: Antiderrapante para Correias Página 1 de 5 1 Informação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Antiderrapante para Correias Fornecedor Nome: Ultralub Química Ltda. Endereço: Estrada dos Crisântemos,

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA 1. Identificação da substância/preparação e da sociedade / empresa Identificação da substância / preparação Nome comercial: LUSO EXTRUDER Código do produto: TPVE 301 Utilização da substância / da preparação:

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE AMÔNIO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico CLORETO DE AMÔNIO Página 1 de 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa/fornecedor: Endereço: Resimapi Produtos Químicos Ltda Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto 1.2. Utilizações identificadas relevantes da substância ou mistura e utilizações desaconselhadas

Leia mais

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Página 1 de 5 FISPQ - Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Resinas monocomponentes elastoméricas para acabamento em madeiras. TERRATACO

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA. Ampola Química R-Cas

FICHA DE SEGURANÇA. Ampola Química R-Cas Página: 1 de 5 F : Altamente Inflamável Xn : Nocivo Apresentamos os novos e correspondentes Pictogramas, segundo o novo Regulamento CRE (classificação, rotulagem e embalagem) (Regulamento (CE) n.º 1272/2008),

Leia mais

TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO

TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO F0LHA...: 1/5 1 Identificação do Produto e da Empresa: Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Av. Gupê, 10497 Telefone: 55 11 4772 4900 TRIPOLIFOSFATO SODIO TÉCNICO Cosmoquimica Indústria e Comércio

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2 COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES NOME DO PRODUTO: BRANCOL 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome da Empresa: Petra Química Matriz: Estrada do Barreiro, 136 Gleba Nova Ukrânia - CEP: 86.800-970 - Apucarana/PR Fone: (43) 4104-0224

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA BICARBONATO DE SÓDIO

FICHA DE SEGURANÇA BICARBONATO DE SÓDIO Pag.1/7 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Identificação da substância: Nome do Produto: Bicarbonato de Sódio Nome Químico: Hidrogenocarbonato de sódio 1.2 Utilização da substância Principais

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Produto: NITROQUISA 20,5 Pág. 1 de 6 1. Designação de substância/preparação e empresa NITROQUISA 20,5 Adubo granulado Empresa: Agroquisa Agroquímicos, S.A. Rua dos Navegantes, 48-53 1200-732 LISBOA Tel:

Leia mais

Ficha Técnica de Segurança e Uso

Ficha Técnica de Segurança e Uso Ficha Técnica de Segurança e Uso Data de emissão: 29/11/06 1. - Identificação do produto e a empresa fabricante: Revisado por: E.R. Versão: 1.1 Identificação do produto: Peróxido de Hidrogênio 60% Apresentação:

Leia mais

PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA

PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA PARASIL AC90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA Nome do Produto: Nome da Companhia: PARASIL AC90 MACROFLEX COMERCIAL LTDA. RUA DONA ALZIRA,

Leia mais

Ficha Dados de Segurança (FDS)

Ficha Dados de Segurança (FDS) Páginas: 1/6 Etiqueta 2.2: Gás não Inflamável e não tóxico 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE / EMPRESA Designação Comercial: N Ficha de Segurança: Fórmula Química: Identificação

Leia mais

Designação do Produto

Designação do Produto Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Ref.ª HSEL114_115 Designação do Produto Food Plus Aplicação O FOOD PLUS é adequado para ser empregue na Indústria Alimentar (indústria de catering, cozinhas, padarias,

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA HARMAN Toner Selênio

FICHA DE SEGURANÇA HARMAN Toner Selênio FICHA DE SEGURANÇA 1 IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/PREPARAÇÃO E DA SOCIEDADE/EMPRESA NOME DO PRODUTO NÚM. DE PRODUTO 1143207 IDENTIFICAÇÃO INTERNA 10477 APLICAÇÃO Toner para papel da foto em preto e branco

Leia mais

Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos. Aplicação

Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos. Aplicação PÁGINA: 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Ref.ª HSEL126 Designação do Produto Food Universal (Deterg./Desinf.) - Multiusos Aplicação Detergente neutro de aplicação geral 2. COMPOSIÇÃO Informação relevante

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos REVISÃO 03 DATA DA REVISÃO: 26/06/2011 ACABAMENTO EPÓXI PARTE B FISPQ - 061 ACABAMENTO FISPQ - 061 ACABAMENTO EPOXI - Parte B 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Fabricante: Aderência Pisos e Revestimentos Ltda. Endereço: Rua Dr. Sebastião Carlos Arantes, 35 São Paulo SP CEP 04624-130 Telefone:

Leia mais

1.IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA 3.COMPOSIÇÃO INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES

1.IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA 3.COMPOSIÇÃO INFORMAÇÃO SOBRE OS COMPONENTES Página 1 de 5 1.IDENTIFICAÇÃO DA PREPARAÇÃO E DA EMPRESA Identificação da preparação: NY FORTE Uso da preparação: Decapante de ceras acrílicas Nome da empresa: NYCAR - João Paulo dos Santos Alcobia, Lda.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014 FISPQ nº: 001 página: 01/05 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - NOME DO PRODUTO: PARATEST FORMALINA 5 - CÓDIGO INTERNO DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: 1500; 1660; 2096; 2559; 2092; 2928; 2929;

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos Produto: Acrílico Pisos, Quadras e Telhados Preto. Data de revisão: Junho / 2013 Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome: Acrílico

Leia mais

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br Produto: TILDREN Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: Nome do Distribuidor: Endereço: TILDREN La Ballastiere BP 126-33501 Libourne. Ceva Saúde Animal

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DE PRODUTO BILIRRUBINA AUTO TOTAL FS CATÁLOGO 1 0811

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DE PRODUTO BILIRRUBINA AUTO TOTAL FS CATÁLOGO 1 0811 1 Identificação do Produto / Reagente e da Empresa DETALHES DO PRODUTO Nome comercial: R1 Aplicação da substância / preparação: Química de Laboratório Diagnóstico in vitro Fabricante / Identificação do

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS)

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS) Página: 1/5 1 - Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TEMED (N,N,N,N -Tetramethylenediamine) - Código de identificação do produto: 161-0800N - Nome da Empresa: BioAgency Biotecnologia

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 5. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : AR Reconstituido K/AR Comprimido/

Leia mais