PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO"

Transcrição

1 PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO - REGULAMENTO Escola de Economia e Gestão Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública

2

3 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO Preâmbulo O Doutoramento em Ciências da Administração foi criado por despacho RT-99/93, publicado no Diário da República II Série, de 7/09/1993, tendo funcionado de forma improvisada e casuística. Torna-se portanto necessário estruturá-lo de forma consistente, tendo em conta o despacho RT-17/03, o qual aponta para uma oferta modernizada e racionalizada de programas de doutoramento a oferecer pela Universidade do Minho. Em muitas áreas os doutoramentos visam quase inteiramente preparar os candidatos para o ensino universitário e para a investigação. Não é assim na área da Administração Pública, já que parte da procura é feita por funcionários de topo da Administração Pública. Neste caso visa-se a racionalização e aprofundamento científico dos processos de decisão de políticas e da sua gestão nos serviços públicos e organizações não lucrativas e em áreas tão diversas como a saúde, welfare, ambiente e educação não sendo embora prática constante na Universidade Portuguesa, o Decreto-Lei nº216/92, de 13 de Outubro, acolhe tal entendimento, ao permitir não só os Mestres, mas também os detentores de currículo científico, académico e profissional considerado adequado possam candidatar-se ao Doutoramento (art.2º). Constituem objectivos do Curso de Doutoramento em Ciências da Administração preparar os candidatos para a realização de trabalho científico independente, contribuindo deste modo, para o progresso do conhecimento no ramo das Ciências da Administração, o que inclui as áreas da gestão pública, políticas públicas, organização política e administrativa, administração aplicada e administração orçamental. O Curso de Doutoramento em Ciências da Administração aparece assim como a consequência normal da Licenciatura em Administração Pública, oferecida desde 1980 e do Mestrado criado em 1992, adoptando-se a seguinte forma regulamentar, nos termos do Decreto-Lei nº216/92, de 13 de Outubro e Despacho RT-17/03. 1

4 CAPÍTULO I: DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. Este regulamento dá cumprimento ao disposto no artigo 8.º do Regulamento do Grau de Doutor da Universidade do Minho. 2. As normas contidas neste regulamento destinam-se ao programa de doutoramento em Ciências da Administração, organizado pela Escola de Economia e Gestão (adiante designada EEG) e conducente à obtenção do grau de Doutor em Ciências da Administração. Artigo 2.º (Grau de doutor) A Universidade do Minho, através da EEG, confere o grau de doutor em Ciências da Administração nas seguintes áreas do conhecimento (Despacho RT-67/03, de 27 de Outubro de 2003, DR n.º 263, II Série, de 13/11/03): a) Administração Orçamental; b) Gestão Pública; c) Organização Política e Administrativa; d) Políticas Públicas e Administração Aplicada. CAPÍTULO II: CANDIDATURAS, MATRÍCULAS E INSCRIÇÕES Artigo 3º (Habilitações de acesso) 1. Podem candidatar-se ao Programa de Doutoramento em Ciências da Administração: a) os licenciados em Administração Pública com classificação final mínima de 16 valores; b) os titulares do grau de mestre em Administração Pública; c) os titulares do grau de mestre em áreas afins, designadamente Ciência Política, Direito, Economia, Gestão, Sociologia ou Relações Internacionais, desde que com experiência profissional nas áreas da Administração e Serviços Públicos; d) os titulares do grau de mestre noutra área, desde que tenham experiência profissional de pelo menos 4 anos na Administração Pública, podendo este período ser reduzido se tiverem desempenhado cargos directivos de topo; 2

5 e) os assistentes aprovados em provas de aptidão pedagógica e capacidade científica na área da Administração Pública; 2. Podem também candidatar-se ao Programa de Doutoramento os detentores de um currículo científico, académico e profissional que ateste capacidade para a habilitação ao grau de doutor, precedendo apreciação curricular. 3. A apreciação curricular referida no número anterior será da responsabilidade da CDCD. Artigo 4º (Candidatura) 1. Os candidatos a doutoramento devem formalizar a respectiva candidatura em impresso próprio fornecido pela EEG. 2. O requerimento de candidatura deve ser instruído com os seguintes elementos: a) Documento comprovativo de que o candidato reúne as condições a que se refere o artigo anterior; b) Curriculum vitae actualizado e pormenorizado; c) Indicação da área do conhecimento pretendida; d) Comprovativos da experiência académica e profissional; e) Apresentação de um plano de trabalho sumário, com indicação da área de conhecimento; f) Outros elementos que os candidatos entendam relevantes para apreciação da sua candidatura. Artigo 5º (Aceitação da candidatura) 1. A deliberação sobre o requerimento de candidatura é da responsabilidade da CDCD e deverá ter lugar nos 30 dias subsequentes à entrega do mesmo. 2. A recusa da candidatura apenas pode ter como fundamento a falta dos pressupostos legalmente exigidos. 3. O número de candidatos a admitir em cada ano lectivo será fixado por despacho reitoral, sob proposta da CDCD. Artigo 6º (Selecção dos candidatos) 1. A CDCD seriará os candidatos atendendo aos seus graus e classificações académicas, ao plano de trabalho, aos demais elementos do seu currículo científico e profissional e à entrevista; 3

6 2. Finda a aplicação dos critérios de selecção, a CDCD procederá à classificação e ordenação dos candidatos e elaborará acta fundamentada da qual constará a lista dos candidatos admitidos (incluindo os suplentes) e não admitidos. 3. A ponderação dos diversos critérios enunciados no nº 2 é da responsabilidade da CDCD e deverá ser incluída na acta referida no número anterior. 4. A acta está sujeita a homologação do Conselho Científico da Escola. 5. Da decisão não cabe recurso, salvo se arguida de vício de forma. Artigo 7º (Matrícula e Propinas) 1. O candidato admitido deverá proceder à matrícula no Programa na Divisão da Pós- Graduação, no prazo indicado no edital de abertura do Programa. 2. São devidas taxa de matrícula e propinas pela inscrição e frequência do Programa. 3. Os valores da taxa de matrícula e das propinas são fixados anualmente pelo Conselho Académico. 4. Os candidatos admitidos deverão integrar o Núcleo de Estudos em Administração Pública e Políticas Públicas (NEAPP). CAPÍTULO III: PROGRAMA DE DOUTORAMENTO Artigo 8.º (Organização e estrutura curricular) 1. O programa de doutoramento é composto pela: a) frequência com aproveitamento das unidades curriculares que integram o plano de estudos do programa de doutoramento; b) e preparação e elaboração de uma tese orientada de doutoramento. 2. O programa tem a duração máxima de quatro anos lectivos. 3. Excepcionalmente, este prazo poderá ser prorrogado por mais um ano, em casos devidamente fundamentados. 4. A componente curricular do Programa organiza-se em unidades curriculares, distribuídas pela componente lectiva do plano de estudos em anexo. 5. As disciplinas constantes no plano de estudos são comuns a todas as áreas de conhecimento. 6. O seminário e o projecto de tese são específicos para cada área; 4

7 7. O Programa rege-se pelo sistema de unidades de crédito nacional com a respectiva correspondência para o regime em vigor na União Europeia. 8. Cada unidade curricular do Programa corresponde a um mínimo de uma unidade de crédito e a um máximo de três unidades de crédito. 9. A componente curricular é constituída por um elenco de unidades curriculares acumuláveis, correspondente a um mínimo de 8 e um máximo de 12 unidades de crédito nacionais. 10. A classificação em cada unidade curricular é expressa pela fórmula de Aprovado ou Reprovado. Artigo 9º (Ensino formal) 1. No decurso do 1º ano de frequência (parte curricular), o candidato terá de submeter-se aos exames compreensivos que compreenderão as matérias fundamentais leccionadas durante a parte escolar, bem como outros temas da área de Administração e Políticas Públicas. A CDCD elaborará uma listagem de questões ou lista de leituras que deverão servir de guião para a preparação do exame. 2. O candidato deverá ainda elaborar o projecto de tese que consistirá de revisão aprofundada da literatura, estruturação das hipóteses de trabalho e metodologia a aplicar. 3. O acompanhamento do projecto de tese será da responsabilidade do Director da CDCD, que poderá delegar noutro professor. 4. O projecto de tese terá que ser apresentado até ao final do ano curricular. 5. Excepcionalmente, a CDCD poderá, a requerimento do interessado, autorizar o adiamento da entrega do projecto até ao período máximo de três meses, não implicando o aumento do período da duração do doutoramento. 6. O projecto será defendido perante um júri de Doutorados em Administração Pública e ainda, pelo menos, por um doutorado em área científica pertencente a outro Departamento, Escola ou Universidade. 7. O Júri poderá aprovar o projecto de tese na íntegra, sugerir alterações ou rejeitá-lo, convidando o candidato à sua reformulação. 8. A avaliação positiva no primeiro ano (Exames compreensivos e defesa do projecto de tese) é condição indispensável para a prossecução do Programa. Artigo 10º (Orientação da tese) 1. A preparação da tese de doutoramento, incluindo os trabalhos de investigação que lhe são inerentes, é orientada por um professor da Universidade do Minho. 5

8 2. Em casos devidamente justificados, pode admitir-se a co-orientação da dissertação, sendo pelo menos um dos orientadores um professor ou investigador doutorado da Universidade do Minho. 3. No prazo de 30 dias após decisão favorável referente à avaliação do ano curricular, o candidato deve requerer ao Conselho Científico a aprovação do seu projecto e homologação do respectivo orientador, juntando a declaração de aceitação do mesmo, bem como parecer da CDCD, para os efeitos previstos no artigo 20º do Decreto-Lei nº216/92, de 13 de Outubro. Artigo 11º (Registo do tema e do plano da tese) 1. Uma vez nomeado o orientador, o candidato deve proceder ao registo do tema da tese, bem como do plano provisório da mesma. 2. O registo é feito na Reitoria da Universidade, no prazo de 90 dias, após comunicação ao candidato da aprovação do plano da tese. 3. O registo caduca 4 anos após a sua realização, se a tese não tiver sido entretanto entregue. Artigo 12º (Prova de doutoramento) 1. A prova de doutoramento consiste na discussão pública e defesa de uma tese original. 2. Excepcionalmente, a prova de doutoramento poderá consistir na discussão pública de, pelo menos, dois artigos originais publicados após frequência do plano de estudos, em revistas internacionais de renome da área onde se enquadra o doutoramento. 3. Compete à CDCD fazer o elenco das revistas a ter em conta para os efeitos do número anterior. Artigo 13º (Requerimento de admissão à prova de doutoramento) 1. O candidato, após a conclusão da tese e a aprovação nas unidades curriculares do Programa de Doutoramento, deverá apresentar ao Reitor requerimento para a realização das provas de doutoramento, acompanhado dos seguintes elementos: a) 10 exemplares da tese; b) 10 exemplares do curriculum vitae; c) 10 exemplares do resumo da tese em Português e em Francês e/ou Inglês, com a dimensão máxima de uma página; d) 1 exemplar da tese em suporte digital; 6

9 e) Parecer(es) do(s) orientador(es), salvo quando o candidato se apresenta a provas sob sua exclusiva responsabilidade, nos termos legais; f) Documento comprovativo de aprovação nas unidades curriculares do programa de doutoramento, quando aplicável. 2. O requerimento para a prestação da prova de doutoramento não pode ser apresentado antes de decorridos dois anos sobre a data da admissão do candidato à sua preparação, excepto no caso dos candidatos que se apresentem sob sua exclusiva responsabilidade. Artigo 14º (Nomeação e constituição do júri) 1. O júri é nomeado pelo Reitor, sob proposta do Conselho Científico, nos 30 dias subsequentes à entrega da tese. 2. O júri é constituído: a) pelo Reitor, que preside; b) por um mínimo de três vogais da especialidade; c) pelo(s) orientador(es). 3. Pelo menos dois membros do júri referidos no número anterior são designados de entre os professores e investigadores doutorados de outras instituições de ensino superior ou de investigação, nacionais ou estrangeiras. 4. Poderá ainda fazer parte do júri um especialista de reconhecida competência na área científica em que se insere a tese. 5. O despacho de nomeação do júri deve, no prazo de 5 dias, ser comunicado por escrito ao candidato e afixado em local público da Universidade, no Boletim da UM e no Diário da República. Artigo 15º (Tramitação do processo) 1. Nos 60 dias subsequentes à publicação da sua nomeação, o júri profere um despacho liminar, no qual declara aceite ou não a tese ou, em alternativa, recomenda fundamentadamente ao candidato a sua reformulação. 2. Caso o júri recomende a reformulação da tese, o candidato dispõe de um prazo de 120 dias, improrrogável, para proceder a essa reformulação ou declarar que pretende manter a tese tal como a apresentou. 3. Recebida a tese reformulada ou feita a declaração referida no número anterior, procede-se à marcação das provas públicas de discussão da tese. 7

10 4. Considera-se ter havido desistência do candidato se, esgotado o prazo referido no nº 2, este não apresentar a tese reformulada ou a declaração aí referida. 5. As provas devem ter lugar no prazo máximo de 60 dias a contar: a) do despacho de aceitação da tese ou; b) da data de entrega da tese reformulada ou da declaração de que se prescinde da reformulação. 6. O candidato deve apresentar na Reitoria, até à data de realização das provas, o número restante de exemplares da tese, até perfazer o número total de 25 exemplares na sua versão definitiva. Artigo 16º (Discussão da tese) 1. A discussão pública da tese não pode ter lugar sem a presença do presidente e da maioria dos restantes membros do júri. 2. A discussão da tese tem a duração máxima de três horas, nela podendo intervir todos os membros do júri, sem prejuízo de poderem ser designados um ou mais relatores. 3. Previamente à realização das provas, o júri definirá a ordem e forma das intervenções dos seus membros. 4. Na discussão da tese deve ser proporcionado ao candidato tempo idêntico ao utilizado pelos membros do júri. 5. A discussão da tese deve ocorrer em português, salvo em casos excepcionais, os quais devem merecer a concordância do júri. Artigo 17º (Deliberação do júri) 1. Concluída a prova, o júri reúne para apreciação e deliberação da classificação final do candidato, através de votação nominal fundamentada, não sendo permitidas abstenções. 2. O presidente do júri dispõe de voto de qualidade, podendo também participar na decisão quando tenha sido designado vogal. 3. O resultado final da prova será expresso pelas fórmulas de Aprovado ou Recusado. 4. Da prova e da reunião do júri é lavrada acta, da qual constarão os votos de cada um dos seus membros e respectiva fundamentação. Artigo 18º (Suspensão da contagem dos prazos) 1. A contagem dos prazos para a entrega, para reformulação e para a discussão pública da tese pode ser suspensa pelo Reitor, nos casos previstos na lei, ouvido o Conselho Científico. 8

11 2. Os prazos para as deliberações dos órgãos colegiais previstos neste Regulamento, suspendem-se durante as férias escolares. CAPÍTULO V - GESTÃO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO Artigo 19º (Comissão Directiva e Científica do Doutoramento) 1. A CDCD é o órgão de direcção e gestão do Programa de Doutoramento. 2. Constituem a CDCD: a) O Presidente, que será um professor catedrático ou associado; b) Três doutorados em Administração Pública. Artigo 20º (Competências da Comissão Directiva e Científica do Doutoramento) 1. Compete à CDCD: a) Assegurar a gestão corrente do Programa; b) Acompanhar o desenvolvimento do Programa e propor as modificações que julgar convenientes para edições futuras; c) Estabelecer o calendário escolar de cada edição, considerando as indicações do Conselho Académico; d) Estabelecer o horário da componente curricular; e) Indicar os professores para a leccionação das disciplinas da parte curricular; f) Nomear o júri para a discussão do projecto; g) Estabelecer a área do Seminário para cada aluno do Doutoramento; h) Fixar o conteúdo dos exames compreensivos, sob proposta dos docentes; i) Informar o Conselho Científico sobre o aproveitamento dos alunos, após a primeira fase do Doutoramento (componente curricular); j) Autorizar o adiamento da entrega do projecto por um período máximo de três meses; l) Elaborar um relatório anual das actividades desenvolvidas; m) Zelar pelas boas práticas de investigação durante a parte de investigação, apoiando os alunos e orientadores; n) Promover e prestigiar o Curso de Doutoramento em Ciências da Administração da Universidade do Minho; 9

12 o) Exercer as demais competências que lhe sejam atribuídas pelos regulamentos ou delegadas pelo Conselho Científico. Artigo 21º (Colaboração com outras Instituições) O programa de Doutoramento em Ciências da Administração pode ser realizado em colaboração com outras universidades nacionais ou estrangeiras, nos termos de protocolo de cooperação a estabelecer entre essas instituições. CAPÍTULO VI: DISPOSIÇÕES FINAIS Artigo 22º (Remissão) Em tudo o que não estiver especialmente previsto neste Regulamento, serão aplicáveis as disposições do Decreto-Lei nº 216/92, de 13 de Outubro, e Despacho RT-17/2003, com as alterações introduzidas posteriormente. Artigo 23º (Revisão do regulamento) O presente regulamento poderá ser revisto: a) dois anos após a data da sua publicação; b) em qualquer momento, por decisão do Conselho Científico da Escola de Economia e Gestão, sob proposta do Departamento de Relações Internacionais e Administração Pública. Artigo 24º (Entrada em vigor) O regulamento entra em vigor após a sua homologação pelo Reitor e respectiva publicação. 10

13 ANEXO I Plano de Estudos 11

14 Plano de Estudos Semestre Área Parte Curricular Horas (Semestre) U.C. Científica T TP P S Total Parte Curricular (1 ano) 1º AP Tópicos em Análise e Avaliação de Políticas AP Complementos de Gestão Pública AP Metodologia de Investigação em Administração Pública º AP Seminário Elaboração do projecto de tese Exames Compreensivos Defesa do Projecto da tese Total Parte de Investigação (3 anos) Elaboração Orientada da Tese 12

15 ANEXO II Resumo do Programa da Parte Curricular 13

16 Resumo do Programa da Parte Curricular Disciplinas: Tópicos em Análise e Avaliação de Políticas Públicas Esta disciplina abrange, entre outros tópicos, a análise da decisão, filas de espera, simulação, várias formas de programação linear e não linear, análise sistémica e métodos avançados de avaliação de políticas públicas. Complementos de Gestão Pública Esta disciplina supõe a exploração de temas do domínio da gestão pública, tais como gestão das organizações públicas, formas de envolvimento dos funcionários, modelos de gestão pública, modernização administrativa com referência às principais teorias e literatura científica. Metodologia de Investigação em Administração Pública É suposto que o aluno de Doutoramento em Administração Pública domine as principais técnicas qualitativas e quantitativas aplicáveis à investigação na área da Administração Pública. Pelo que o objectivo principal desta disciplina consiste no apoio à estruturação de um research design, preparatório da dissertação e a ajustar à elaboração do Projecto. Seminário Trata-se de uma disciplina que não tem um conteúdo definido previamente. Varia conforme a área de especialização de cada um dos candidatos, manifestada aquando da candidatura e pode incluir áreas tão distintas como administração e políticas da saúde, administração da educação, ambiente e recursos naturais, burocracia administrativa, organizações não lucrativas, finanças públicas, governo e administração local, etc. A leccionação pode constar apenas de leituras orientadas ou incluir a frequência de disciplinas leccionadas noutros mestrados ou doutoramento. Seja qual for o conteúdo adoptado, o doutorando deve adquirir um conhecimento científico aprofundado da área em que tenciona elaborar a dissertação. Exames Compreensivos Estes incluirão não apenas as matérias leccionadas nos cursos teóricos enunciados, mas ainda qualquer tema da área de Administração e Políticas Públicas. Pelo que a CDCD elaborará uma listagem de questões ou lista de leituras que deverão servir de guião para a preparação do exame. 14

17 Elaboração do projecto de tese O projecto de tese consistirá de revisão aprofundada da literatura, estruturação das hipóteses de trabalho e metodologia a aplicar. O acompanhamento do projecto será da responsabilidade de Director da CDCD que poderá delegar noutro professor. 15

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO

ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO ESCOLA DE DIREITO REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM CIÊNCIAS JURÍDICAS SEM CURSO DE DOUTORAMENTO UNIVERSIDADE DO MINHO 2008 REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE À OBTENÇÃO DO GRAU DE DOUTOR EM CIÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EMPRESARIAL DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO: MESTRADOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO CURSOS AVANÇADOS DE CURTA DURAÇÃO 6 DE ABRIL DE 2005 ÍNDICE PREÂMBULO. CAPÍTULO I - PRINCÍPIOS GERAIS Artº 1º - Âmbito Artº 2º

Leia mais

Universidade dos Açores

Universidade dos Açores Universidade dos Açores Ciclo de estudos conducente ao grau de mestre Introdução A Universidade dos Açores procedeu à reorganização, em 2006, da sua oferta de ensino, no cumprimento das medidas legislativas

Leia mais

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do Mestrado em Engenharia Industrial. Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do Ciclo de Estudos de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MARKETING RESEARCH Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS DE CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GENÉTICA MOLECULAR E BIOMEDICINA Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos de Mestrado em Genética Molecular

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. II CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM DIREITO (arts.4 a 32)

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. II CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM DIREITO (arts.4 a 32) REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (arts. 1 a 3) Cap. II CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM DIREITO (arts.4 a 32) SECÇÃO I Disposições Gerais (arts. 4 a 15)

Leia mais

Deliberação n.º 762/2003

Deliberação n.º 762/2003 Deliberação n.º 762/2003 de 27 de Maio Deliberação n.º 763/2003. - Por deliberação da Secção Permanente do Senado, em reunião de 5 de Fevereiro de 2003, foi aprovada a criação do curso de Mestrado em Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM BIOLOGIA (ESPECIALIDADE ENSINO)

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM BIOLOGIA (ESPECIALIDADE ENSINO) UNIVERSIDADE DOS AÇORES REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM BIOLOGIA (ESPECIALIDADE ENSINO) Art.º 1º Âmbito O Curso de Mestrado em Biologia (Especialidade em Ensino) adiante designado por Mestrado ou simplesmente

Leia mais

DESPACHO/SP/43/2014. Artigo 1.º

DESPACHO/SP/43/2014. Artigo 1.º DESPACHO/SP/43/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Radiologia Especialização Ósteo-articular, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC), homologado

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Mestrado e Pós-Graduação Escola Superior Tecnologia e Gestão de Viseu

Regulamento dos Cursos de Mestrado e Pós-Graduação Escola Superior Tecnologia e Gestão de Viseu Regulamento dos Cursos de Mestrado e Pós-Graduação Escola Superior Tecnologia e Gestão de Viseu (Aprovado em reunião do Conselho Técnico-Científico de 8 de Julho de 2011) DISPOSIÇÕES GERAIS Art. º 1 º

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Faculdade de Direito da Universidade de Macau Regulamento Pedagógico do Curso de Mestrado em Direito (Tradução Jurídica) Artigo 1 Grau de Mestre 1. A Universidade de Macau, através da Faculdade de Direito,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE MESTRADO Preâmbulo Considerando o Decreto-Lei n.º 216/92 de 13 de Outubro; Considerando o Decreto-Lei n.º 16/94 de 22 de Janeiro; Considerando o Decreto-Lei n.º 42/2005

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de Macau

Faculdade de Direito da Universidade de Macau Faculdade de Direito da Universidade de Macau Regulamento Pedagógico do Curso de Mestrado em Direito (Prática Jurídica em Macau) Artigo 1 Grau de Mestre 1. A Universidade de Macau, através da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO

REGULAMENTO ESPECIFICO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO 2009 REGULAMENTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior MESTRADO EM DESPORTO REGULAMENTO Artigo 1º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos apresentados

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

Diário da República, 2. a série N. o 89 9 de Maio de 2007 12 153 UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Reitoria. SECÇÃO I Disposições gerais

Diário da República, 2. a série N. o 89 9 de Maio de 2007 12 153 UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Reitoria. SECÇÃO I Disposições gerais Diário da República, 2. a série N. o 89 9 de Maio de 2007 12 153 entre 22 de Junho e 24 de Julho de 2007 à Doutora Sandra Isabel Pinto Mogo, professora auxiliar. entre 22 e 25 de Abril de 2007 ao Doutor

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM DESENHO CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP - Guimarães confere o grau de Mestre em Desenho com Especialização em Prática

Leia mais

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre

Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento geral dos ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre O presente regulamento procura dar unidade e consistência lógica ao regime a que devem obedecer

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao estabelecido no Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação, área de especialização em Supervisão Pedagógica Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação

Leia mais

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação

Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning. Normas regulamentares. Artigo 1.º Criação Mestrado em Gestão de Sistemas de e-learning Normas regulamentares Artigo 1.º Criação A Universidade Nova de Lisboa, através da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL), confere o grau de Mestre

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira

REGULAMENTO DO CURSO CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL DE MESTRADO EM. Universidade da Madeira REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EDUCACIONAL Universidade da Madeira O presente articulado baseia-se no regime jurídico instituído pelo Decreto- Lei n.º 74/2006, de

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos

Artigo 3.º Do número de vagas e fixação de prazos Artigo 4.º Das condições de funcionamento Artigo 5.º Da estrutura curricular e plano de estudos Normas Regulamentares do Mestrado em Intervenção Comunitária: áreas de especialização em Intervenção Comunitária e Educação para a Saúde, Intervenção Comunitária e Envelhecimento Activo e Intervenção Comunitária

Leia mais

REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO 1º CICLO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO- PRIVADA E DO CURSO DE MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA CAPÍTULO I Objecto e conceitos Artigo 1.º Objecto O

Leia mais

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR

Regulamento de Funcionamento e Avaliação dos Mestrados da APNOR ASSOCIAÇÃO DE POLITÉCNICOS DO NORTE (APNOR) Instituto Politécnico de Bragança Instituto Politécnico do Cávado e do Ave Instituto Politécnico do Porto Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos

a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos ANEXO Normas regulamentares do ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo

Leia mais

1.o. Criação. 2.o. Coordenação do Mestrado

1.o. Criação. 2.o. Coordenação do Mestrado Regulamento do Curso de Mestrado em Enfermagem Veterinária de Animais de Companhia ministrado pelas Escolas Superiores Agrárias dos Institutos Politécnicos de Bragança, de Castelo Branco, de Portalegre,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Sociologia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM SOCIOLOGIA: EXCLUSÕES E POLÍTICAS SOCIAIS Artigo 1º Objecto O Regulamento do

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP)

REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP) REGULAMENTO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (SAP) REGULAMENTO DO CURSO DE FORMAÇÃO ESPECIALIZADA - SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS ARTIGO

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico

Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Normas Regulamentares do Mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Educação Pré-Escolar e em Ensino

Leia mais

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO

REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO REGULAMENTO DOS DIPLOMAS DE ESPECIALIZAÇÃO Aprovado em reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico em 22/11/2006 Aprovado em reunião de Plenário do Conselho Directivo em 13/12/2006 PREÂMBULO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORALEM PSICOLOGIA (PDP)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORALEM PSICOLOGIA (PDP) REGULAMENTO DO PROGRAMA DOUTORALEM PSICOLOGIA (PDP) Nos termos do Protocolo de Cooperação Científica, Pedagógica e Técnica celebrado entre a CEU, Cooperativa de Ensino Universitário, CRL e a Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial

Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial Regulamento do curso de Mestrado em Engenharia Industrial REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento dá cumprimento ao

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS. Normas Regulamentares CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENERGIAS RENOVÁVEIS CONVERSÃO ELÉCTRICA E UTILIZAÇÃO SUSTENTÁVEIS Normas Regulamentares PREÂMBULO As presentes Normas Regulamentares do Ciclo de Estudos

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares

Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares Mestrado em ARTES VISUAIS E INTERMÉDIA Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere o grau de Mestre em Artes Visuais e Intermédia, especialidade de Artes Plásticas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

2 Esta comissão designa de entre os seus membros o Coordenador do Mestrado.

2 Esta comissão designa de entre os seus membros o Coordenador do Mestrado. Regulamento do Curso de Mestrado em Enfermagem Veterinária de Animais de Companhia ministrado pelas Escolas Superiores Agrárias dos Institutos Politécnicos de Bragança, de Castelo Branco, de Portalegre,

Leia mais

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares

Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar. Normas regulamentares Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança Alimentar Normas regulamentares Preâmbulo O regulamento do Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Tecnologia e Segurança

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências Sociais e Humanas REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Artigo 1º Natureza O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º)

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO. Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM DIREITO Cap. I DISPOSIÇÕES GERAIS (artigos 1.º a 3.º) Cap. II CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM DIREITO (artigos 4.º a 32.º) SECÇÃO I Disposições Gerais (artigos

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO APROVADO 19 de Novembro de 2010 O Presidente, (Paulo Parente) ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e natureza O

Leia mais

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Regulamento do 3º Ciclo de Estudos em Fisioterapia da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto Artigo 1º Criação e objectivos 1. A Universidade do Porto, através da sua Faculdade de Desporto (FADEUP)

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA PROPOSTA DE REGULAMENTO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA De acordo com o art. 14 da Lei de Bases do Sistema Educativo e ao abrigo do Capítulo III do Decreto-Lei 74/2006, e para aprovação pelo Conselho

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 165 27 de agosto de 2012 30023

Diário da República, 2.ª série N.º 165 27 de agosto de 2012 30023 Diário da República, 2.ª série N.º 165 27 de agosto de 2012 30023 8.º semestre QUADRO N.º 9 Tempo de trabalho (horas) Unidades curriculares Área científica Tipo Créditos Observações Total Contacto (1)

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL Parceria: ESTBarreiro/IPS - ISE/UAlg PREÂMBULO O Decreto Lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelos Decretos Lei n. os 107/2008, de 25 de Junho,

Leia mais

MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESPECIALIZAÇÃO DE COGNIÇÃO E MOTRICIDADE CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Enquadramento jurídico

MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESPECIALIZAÇÃO DE COGNIÇÃO E MOTRICIDADE CAPÍTULO I. Disposições gerais. Artigo 1.º. Enquadramento jurídico MESTRADO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL ESPECIALIZAÇÃO DE COGNIÇÃO E MOTRICIDADE Homologo, CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Enquadramento jurídico Considerando que, nos termos do artigo 23.º-A do Regulamento

Leia mais

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014)

CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Deliberação nº 50/2014) REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM MEIOS COMPLEMENTARES DE DIAGNÓSTICO EM ENFERMAGEM VETERINÁRIA MINISTRADO PELAS ESCOLAS SUPERIORES AGRÁRIAS DOS INSTITUTOS POLITÉCNICOS DE BRAGANÇA, DE CASTELO BRANCO,

Leia mais

Colégio de Pós-Graduações. Regulamento dos Cursos

Colégio de Pós-Graduações. Regulamento dos Cursos Regulamento dos Cursos PREÂMBULO O presente Regulamento resulta da necessidade de dar cumprimento ao disposto na lei e nos Estatutos do INUAF, bem como da necessidade de se dispor de um conjunto de regras

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM DESPORTO DA ESCOLA SUPERIOR DE DESPORTO DE RIO MAIOR DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Artigo 1.º Natureza e âmbito de aplicação 1. O curso pretende atingir os objectivos

Leia mais

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA

REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA REGULAMENTO DO DOUTORAMENTO EM MEDICINA DENTÁRIA a) Regras sobre a admissão no ciclo de estudos 1. Habilitações de acesso São admitidos como candidatos à inscrição: a) os titulares de grau de mestre ou

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO

Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Música de Lisboa MESTRADO EM ENSINO DA MÚSICA REGULAMENTO SECÇÃO I DA ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO CURSO Artigo 1º Objecto 1 O presente regulamento aplica-se

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS

Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu. Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março,

Leia mais

REGULAMENTO ACADÉMICO E PEDAGÓGICO DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM DIREITO DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO ACADÉMICO E PEDAGÓGICO DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM DIREITO DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO ACADÉMICO E PEDAGÓGICO DO 2.º CICLO DE ESTUDOS EM DIREITO DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I Objecto e definições

Leia mais

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico

DESPACHO/SP/42/2014. Artigo 17.º. Enquadramento jurídico DESPACHO/SP/42/2014 Aprovo a seguinte alteração ao Regulamento do Mestrado em Fisioterapia na área de especialização de movimento humano, ministrado na Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201

Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 Diário da República, 2.ª série N.º 49 11 de Março de 2010 11201 vem obedecer às orientações para este efeito emitidas por despacho do Director da FCSH. 2 A tese de doutoramento deverá ter um mínimo de

Leia mais

Instituto Politécnico de Viseu

Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Viseu REGULAMENTO do MESTRADO EM QUALIDADE E TECNOLOGIA ALIMENTAR Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, alterado pelo Decreto-lei

Leia mais

Regulamento de Mestrado

Regulamento de Mestrado Regulamento de Mestrado 2014 2014 ÍNDICE Nota Introdutória... 5 CAPÍTULO I Disposições gerais... 6 Artigo 1º Âmbito... 6 Artigo 2º Objetivos do Curso... 6 Artigo 3º Composição do curso... 7 Artigo 4º

Leia mais

REGULAMENTO IESM MESTRADO EM CIÊNCIAS MILITARES SEGURANÇA E DEFESA (RIESM MESTRADO)

REGULAMENTO IESM MESTRADO EM CIÊNCIAS MILITARES SEGURANÇA E DEFESA (RIESM MESTRADO) M I N I S T É R I O D A D E F E S A N A C I O N A L ESTADO-MAIOR GENERAL DAS FORÇAS ARMADAS INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES MILITARES REGULAMENTO IESM MESTRADO EM CIÊNCIAS MILITARES SEGURANÇA E DEFESA

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

REGULAMENTO DO MESTRADO EM GESTÃO DE ENERGIA E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

CAPÍTULO I Objecto e conceitos. Artigo 1.º Objecto

CAPÍTULO I Objecto e conceitos. Artigo 1.º Objecto REGULAMENTO DOS CURSOS DO 1.º E DO 2.º CICLOS DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA [Aprovado, por unanimidade, na reunião do Conselho Directivo de 11 de Outubro de 2007, com as alterações introduzidas nas

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA. Regulamento de provas de avaliação da capacidade para a frequência dos maiores de 23 anos INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE LISBOA Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 184/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial

Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Normas Regulamentares do Mestrado em Ciências da Educação: área de especialização em Educação Especial Artigo 1.º Da admissão ao ciclo de estudos 1. À matrícula no mestrado em Ciências da Educação: área

Leia mais

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação

Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Mestrado em Conservação e Restauro 1 Mestrado em Conservação e Restauro com área de especialização em Conservação e Restauro ou Ciências da Conservação Artigo 1º Criação A Universidade Nova de Lisboa (UNL),

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DOS

REGULAMENTO CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA DOS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/ FORMAÇÃO ESPECIALIZADA REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO/FORMAÇÃO ESPECIALIZADA Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece, por deliberação do Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS

REGULAMENTO DO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE REDES E SISTEMAS INFORMÁTICOS De forma a dar cumprimento ao estabelecido no artigo 26.º do Decreto-lei n.º 74/2006, de 24 de março, alterado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008, de 25 de julho, o Conselho Pedagógico do Instituto Superior

Leia mais

Regulamento dos Cursos do 2.º Ciclo (Mestrados)

Regulamento dos Cursos do 2.º Ciclo (Mestrados) Homologo, INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA CAPÍTULO l Âmbito e organização do mestrado Artigo 1. Ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O presente regulamento, elaborado em cumprimento do disposto

Leia mais

Mestrado em TEATRO Normas regulamentares

Mestrado em TEATRO Normas regulamentares Mestrado em TEATRO Normas regulamentares Artigo 1.º Grau A Escola Superior Artística do Porto confere o grau de Mestre em Teatro, opção Dramaturgia e Estudos Teatrais e opção Encenação e Produção. Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO

REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Desporto de Rio Maior REGULAMENTO DO MESTRADO EM DESPORTO O presente regulamento decorre do Regulamento dos Segundos Ciclos de Estudos do Instituto

Leia mais

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012

Mestrado Construção Civil. Edital 3ª Edição 2011-2012 Mestrado Construção Civil Edital 3ª Edição 2011-2012 Barreiro, Maio de 2011 ENQUADRAMENTO O curso de Mestrado em Construção Civil da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro do Instituto Politécnico de

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos)

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO. (2º Ciclo de Estudos) REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO (2º Ciclo de Estudos) - não se aplica aos perfis da formação de professores - 1/8 O grau de mestre é conferido aos que demonstrem: a) possuir conhecimentos e capacidade

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira

Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira 1 Regulamento do curso de Pós-Graduação em Ciências da Educação especialização em Administração Educacional da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente articulado baseia-se

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ECONOMIA Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º

INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III. Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia. Artigo 1º INSTITUTO SUPERIOR DOM AFONSO III Regulamento do Mestrado em Marketing Comunicação Multimédia Artigo 1º O Instituto Superior Dom Afonso III (INUAF), concede o grau de Mestre na especialidade de Marketing,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG

REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG REGULAMENTO DOS MESTRADOS DO ISEG [Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março (republicado pelo Decreto-Lei n.º 107/2008 de 25 de Junho) e do Regulamento de Mestrados da Universidade

Leia mais

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo.

MESTRADOS. Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. MESTRADOS REGIME DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO JORNALISMO Artigo 1.º Criação A Escola Superior de Comunicação Social confere o grau de Mestre em Jornalismo. Artigo 2.º Destinatários O Mestrado em Jornalismo

Leia mais

Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos

Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos Regulamento das Provas Especiais de Acesso e Ingresso no Ensino Superior para Maiores de 23 Anos O Decreto-Lei nº64/2006, de 21 de Março, regulamenta as provas especialmente adequadas destinadas a avaliar

Leia mais

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado

Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado Edital 4ª Edição 2012-2013 Barreiro, Julho de 2012 Pós-Graduação Conservação e Reabilitação do Edificado 1 ENQUADRAMENTO A Pós-Graduação em Conservação

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC)

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO E DOS CONCURSOS ESPECIAIS DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE VIANA DO CASTELO (IPVC) Nos termos do disposto nos artigos 12º e 15º do Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS INDICE PREÂMBULO... 2 ARTIGO 1 - (Âmbito)... 2 ARTIGO 2 (Natureza)... 2 ARTIGO 3 (Gestão das atividades de pós-gradução)...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO No cumprimento da sua missão, a FEUP tem desenvolvido uma significativa

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

Regulamento dos Mestrados

Regulamento dos Mestrados Regulamento dos Mestrados 4.2.14 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Organização... 3 1.1 Coordenação... 3 1.2 Programas... 3 1.3 Planos curriculares... 3 1.4 Unidades curriculares... 3 2 Candidatura... 5 2.1

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL EDITAL MESTRADO EM COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL ÁREA DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIDADANIA, CONFIANÇA E RESPONSABILIDADE SOCIAL (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de Fevereiro, do Decreto-Lei

Leia mais