FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA"

Transcrição

1 FACULDADE ASSIS GURGACZ-FAG RAFAEL JOSE FERREIRA LEVANTAMENTO DE MAMÍFEROS DE MÉDIO PORTE EM FRAGMENTO FLORESTAL NO MUNICIPIO DE SANTA TEREZA DO OESTE - PR CASCAVEL

2 RAFAEL JOSE FERREIRA LEVANTAMENTO DE MAMÍFEROS DE MÉDIO PORTE EM FRAGMENTO FLORESTAL NO MUNICIPIO DE SANTA TEREZA DO OESTE - PR Trabalho apresentado na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso, do Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas, da FAG, como requisito parcial da nota. Orientador: Carlos Eduardo Alessio CASCAVEL

3 SUMÁRIO 1. RESUMO INTRODUÇÃO MATERIAIS E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÕES CONCLUSÃO REFERÊNCIA

4 LEVANTAMENTO DE MAMÍFEROS DE MÉDIO PORTE EM FRAGMENTO FLORESTAL NO MUNICIPIO DE SANTA TEREZA DO OESTE - PR Rafael Jose FERREIRA 1 Carlos Eduardo ALESSIO 2 RESUMO: O bioma de mata atlântica tem uma rica biodiversidade de espécies, porem a mesma, sofre fatores adversos a preservação de mamíferos. A fauna Brasileira de mamíferos possui 658 espécies devido a diversos fatores a abundância desses indivíduos foi afetada. O presente estudo foi realizado em um fragmento florestal no município de Santa Tereza do Oeste - PR, objetivando inventariar e avaliar a abundância e diversidade de mamíferos terrestres de médio porte. Para tanto, foram realizadas três visitas semanais a um fragmento de 30 ha, durante os meses de fevereiro, março e abril de 2010, para o levantamento de pegadas (rastros) e outras evidências de mamíferos. Um total de 03 espécies foram registradas na área de estudo, sendo que uma foi registrada na borda do fragmento e duas no interior da mata. São elas, Procyon cancrivorus (Mão Pelada), Dasyprocta azarae (Cutia), Nasua nasua (Quati). O presente trabalho apontou que, apesar de pequena (30 ha), e as ações antrópicas observadas, a área de estudo desempenha importante papel para a conservação da mastofauna da região lindeira ao Parque Nacional do Iguaçu, necessitando de novos inventários com um maior de tempo para melhor constatação das espécies. Palavras - chaves: Antropização, bioma, pegadas. 1 Acadêmico de Ciências Biológicas Bacharelado da Faculdade Assis Gurgacz. 2 Professor da Faculdade Assis Gurgacz. 4

5 1-INTRODUÇÃO Apesar do Bioma de Mata Atlântica ter uma rica biodiversidade de espécies, é a segunda floresta tropical mais ameaçada do planeta, foi a primeira a ser colonizada, de modo que nela se encontra hoje 70% da população brasileira (BRASILIA, 2000). A fauna de mamíferos brasileiros segundo LOPES et al., (2009), possui 658 espécies infelizmente, devido à ações antrópicas a abundância destes grupos estão sendo afetadas (FONSECA et al., 1994). Na mata Atlântica estão registradas 250 espécies de mamíferos, das quais 82 são exclusivas deste bioma e 75 estão ameaçadas (SABINO; PRADO, 2000). Os mamíferos em geral são bastante afetados pela perturbação de seus habitats sendo considerados bons indicadores de alteração (SILVA; PASSAMAI, 2007). A substituição de grandes áreas de vegetação natural por ecossistemas diferentes, como pastagens e campos agrícolas, leva à criação de fragmentos isolados, imersos em uma matriz antrópica (FORMAN; GODRON 1986; FRANKLIN, 1993). Tais ações como o desmatamento, urbanizações, atividades agropecuárias e caça, auxiliam na diminuição e na extinção de espécies de mamíferos, assim como, favorecem espécies generalistas a se beneficiar das bordas de fragmentos. Outro fator presente é o chamado efeito de borda, segundo DIDHAN; LAWTON (1999), as bordas são as áreas mais expostas às perturbações externas, com maior presença de indivíduos e maior produtividade primaria. A criação de fragmentos acarreta na formação de uma borda florestal, definida como uma região de contato entre a área ocupada (matriz antrópica) e o fragmento de vegetação natural (WILLIAMS - LINERA et al., 1997; PRIMACK; RODRIGUES, 2001), promovendo alteração nos parâmetros físicos, químicos e biológicos do sistema, como disponibilidade energética e fluxo de organismos entre tais ambientes (WIENS et al., 1993). De maneira geral, estas modificações nas áreas mais externas dos fragmentos florestais, geradas pelo contato com a matriz, são chamadas efeitos de borda (MURCIA, 1995; PRIMACK; RODRIGUES, 2001). Segundo SABINO; PRADO (2000), todos estes animais deixam rastros de suas atividades como pegadas, excrementos, alimentos mordidos e alterações na vegetação, que ajudam a detectar sua presença e os lugares por 5

6 onde passam. Os métodos diretos e indiretos ajudam a detectar inúmeras espécies de mamíferos, muitas são difíceis de observar devido a seus hábitos (GUZMÁN-LENIS; CAMARGO - SANABRIA, 2004). Devido a esses diversos fatores antrópicos, levantamentos faunísticos em fragmentos florestais são essenciais para avaliar o efeito da fragmentação da floresta sobre a diversidade de mamíferos e o grau de perturbação de remanescentes de florestas naturais (D ANDREA et al., 1999), por isso, a importância e urgência de pesquisas e inventários sobre mamíferos, ainda mais em se tratando do bioma de mata atlântica e as dificuldades inerentes a esse tipo de estudo (VOSS; EMMONS, 1996). 2- Material e Métodos O presente estudo foi realizado em uma propriedade rural que dista a 12 km do município de Santa Tereza do Oeste PR, tal propriedade apresenta um fragmento com 30 hectares o qual esta conectada a outro de aproximadamente 100 há, por um corredor de vegetação nativa, (conforme figura 1). A vegetação é caracterizada como floresta estacional semi-decidual. Para este estudo foi escolhido um dos fragmentos do sistema (30 há). Como a maioria dos animais silvestres, apresentam hábitos noturnos e discretos, o que dificultam a sua visualização, foi utilizado técnicas de registro diretos (visualização do animal) e registro indiretos (fezes, vocalização, pegadas e tocas) dentre outros vestígios, conforme técnica realizada por BECKER & DALPONTE (1991). Neste trabalho, parcelas de areia foram utilizadas como metodologia principal para o registro de pegadas. As parcelas mediam aproximadamente 0,70cm x 0,70cm, sendo espalhadas em dois transectos já definidos pelos animais, os chamados carreiros, de aproximadamente 60m de comprimento cada, contendo uma parcela a cada 5 metros, totalizando 24 parcelas distribuídas.para este método, cada registro de pegada foi tratado com uma amostra independente, sendo registrado o local, bem como dia e o mês. Para uma melhor impressão das pegadas, as parcelas foram umedecidas no período da manhã. Como método de atração dos animais foi utilizado isca como, frutas, milho e sal grosso, colocados no centro, sendo que as isca foram alternadas em cada parcela, a fim de manter a mesma qualidade em todas as amostragens conforme método usado por SCOSS et al., (2004). 6

7 As vistorias das parcelas ocorreram durante 37 dias, sendo eles, sextafeira, sábado e domingo, compreendidos entre os meses de fevereiro, março e abril, no início das manhãs e nos finais de tardes. A manutenção das mesma ocorreram, sempre no período da manha dos dias de observações. Pegadas ocorrentes das bordas da mata, banhados e outros, também foram utilizadas para o levantamento faunístico local, assim como coleta de fezes e pelos. Na tentativa de identificação direta foram realizadas observações casuais dos animais, através de caminhadas noturnas e diurnas pelo fragmento, tais caminhadas foram compreendidas nos mesmo dias em que foram vistoriadas as parcelas de areia. 3- Resultados e Discussões Com base em capturas de pegadas e observações diretas dos animais, foram registradas três espécies de mamíferos de médio porte, sendo eles, Nasua nasua (Quati), Procyon cancrivorus (Mão-pelada), Dasyprocta azarae (Cutia), (Quadro 1). A técnica utilizando caixas de areia, principal metodologia deste trabalho, não demonstrou resultados positivos em inventário de curto período de tempo. O baixo índice de registros nas caixas podem ter sido influenciado devido à interferência de outras espécies de animais, tais como aves. Tal fato pode ser justificado pela presença de fezes, pelo formato das perfurações nos alimentos e por marcas deixadas nas areias. Foi dedicado ao trabalho caminhadas por toda a borda do fragmento e seu interior. Na região de borda foi observada, fotografada reazliando molde com gesso de pegadas da espécie Procyon cancrivorus (Mão-Pelada), (Figura 4,5). O mesmo processo de identificação foi realizado com a espécie Dasyprocta azarae (Cutia), (Figura 2,3) porem foi observada em um banhado no interior da mata. A visualização da espécie Nasua nasua (Quati), (Figura 6,7) ocorreu através de diversas caminhadas pelo fragmento, sendo observado em copas de arvores, que segundo CAMPOS et al., (2006) é o principal local onde vivem. A identificação foi realizada através do Manual de Fauna Paranaense e com o auxilio do Sr Apolonio Nelson de Sousa Rodrigues, chefe da área de conservação e manejo do Parque Nacional do Iguaçu. 7

8 Quadro 1 Demonstra Ordem, Família, nome cientifico e nome comum dos mamíferos de ocorrência confirmados no presente estudo. Ordem Família Nome cientifico Nome comum Carnívora Procyonidae Nasua nasua Quati Carnívora Procyonidae Procyon cancrivorus Mão-Pelada Rodentia Dasyproctidae Dasyprocta azarae Cutia Quadro 2 Demonstra as espécies, e seus consecutivos meios de registro assim como espécie, tipo de registro, substrato e vegetação encontrada. Espécie Tipo de registro Substrato Interior / Borda Nasua nasua visualização - Fragmento/Arvores Procyon cancrivorus Dasyprocta azarae pegada Barro Borda do fragmento Pegada/visualização Barro Interior do fragmento/banhado Figura 1. Imagem do fragmento de estudo demonstrando seus respectivos meios de antropização, assim como, estradas, campos agrícolas, áreas de pastagens e residências. 8

9 Figura 2. Espécies Dasyprocta azarae,registrada no interior do do fragmento. Figura 4. Espécie Procyon cancrivorus registrada na borda do fragmento. Figura 3. Pegada de Dasyprocta azarae registrada em um banhado no interior do fragmento. Figura 5. Espécie Procyon cancrivorus registrada na borda do fragmento. 9

10 Figura 6. Espécie Nasua nasua registrada no interior do fragmento copas de arvores. Figura 7.Espécie Nasua nasua registrada no interior do fragmento em em copas de arvores. Segundo BIERREGAARD JR et al., (1992) efeitos físicos e biológicos não são amplamente conhecidos em relação a fragmentação de florestas, porem alterações qualitativas basicamente são: a distribuição de diversas espécimes não é considerada homogenia, todavia, espécies podem estar ausentes em certos fragmentos simplesmente porque não acham o caminho antes das florestas serem isoladas; espécies que necessitam de grandes habitats podem não sobreviver em pequenos fragmentos, fatores estes que podem estar relacionados a ausência de espécies em fragmentos. Dois processos existentes relacionados à fragmentação e conseqüentemente a redução da biodiversidade ocorrem em tempos distintos. O primeiro se da em curto prazo, o qual esta relacionada à própria redução da área, com o efeito dos fragmentos terem menos espécies que a área continua. O segundo se da em longo prazo, que é a insularização. Após uma floresta, antes de grande porte, ter sido convertida a um fragmento, extinções futuras são esperadas, pois há uma relação estreita entre a área ocupada por uma comunidade e sua riqueza e espécie. (FERNANDEZ, 1997). Estudos realizados por SILVA & PASSAMAI (2007), demonstram o alto índice de fragmentação e ação antrópica pode estar relacionado à diminuição de espécies nativas e o empobrecimento do ambiente, neste sentido é de extrema importância a conscientização de proprietários rurais sobre a necessidade de manter estes ambientes com maior nível possível de preservação. 10

11 VERRASTRO et al., (2001) também obteve resultados similares a este, onde foi realizado um inventario de uma área à qual dispunha de uma grande ação antrópica, localizado do parque natural Morro do Osso, resultando em 5 espécies de mamíferos. 4 Conclusão Apesar do elevado índice de antropização da área de estudo, é de suma necessidade relatar a importância da preservação de fragmentos florestais como este, pois, mesmo apresentando tamanho reduzido e fatores adversos a seu desenvolvimento, ainda abriga espécies de animais silvestres como Quati, Mão-pelada e Cutia. Porém, essa avaliação não pode ser considerada definitiva, necessitando maiores estudos e com maior período de tempo. 5- Referencias: BECKER, M. & DALPONTE, C. J. Rastros de mamíferos silvestres brasileiros: Um guia de campo.. Revista Brasileira de Zoologia, Vol. 19, nº 2, p Brasília, BIERREGAARD, R. O. JR.; LOVEJOY, T. E.; KAPOS, V.; SANTOS, A. A. & HUTCHINGS, R. W. The biological dynamics of tropical forest fragments. A prospective comparison of fragments and continuous forest. Bioscience, 42: , BRASILIA, Ministério do meio ambiente. MMA/SBF. Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos. Brasília, DF; < > Acessado em Maio de CAMPOS, T. J.; SANTOS, E. F.; SETZ, E. Z. F. Padrão de atividades e o enriquecimento ambiental nos Quatis Nasua nasua em cativeiro. XVI Congresso interno de iniciação cientifica Unicamp. São Paulo-SP, < > Acessado em Abril de DIDHAN, R.K. & LAWTON, J.H. Edge structure determines the magnitude of changes in microclimate and vegetation structure in tropical forest fragments. Biotropica Vol31 : 17-30, D ANDREA, P.S.; GENTILE, R. CERQUEIRA, R.; Rastros de mamíferos silvestres brasileiro. Um guia de campo. Revista Brasileira de Zoologia, Vol. 19, nº 2, p Brasília,

12 FERNANDEZ, F. A. S.Efeitos da fragmentação de ecossistemas: A situação das Unidades de Conservação. Anais. Curitiba: IAP - UNILIVRE - Rede Nacional Pro Unidade de Conservação. Vol I, p , FONSECA, G. A. B.; RYLANDS, A. B.; COSTA, C. M. R.; MACHADO, R. B. & LEITE, Y. Livro vermelho de mamíferos ameaçados de extinção. Fundação biodiversistas, Belo Horizonte - MG FORMAN, R.T.T. & GODRON, M. Landscape Ecology. New York, Wiley & Sons, < > Acessado em maio de FRANKLIN, J.F. Preserving biodiversity: species, ecosystems, or landscapes? Ecological Applications Vol.3: < > Acessado em Abril de GUZMÁN-LENIS A. & CAMARGO-SANABRIA, A. Importância delos rastros para lá caracterizacíon Del uso de hábitat de mamíferos medianos y grande em El bosque los mangos. Acta Biológica Colombiano. Puerto Lopez, Meta, Colômbia. Vol 1, pag 9, LOPES, M. A. P.; ORSI, M. L.; MARIOTO, A.C.; Levantamento da fauna de mamíferos em dois fragmentos da zona sul do município de Londrina, estado do Paraná. Congresso de Ecologia do Brasil. São lourenço-mg, MURCIA, C. Edge effects in fragmented forests: implications for conservation. Trends in Ecology and Evolution: < > Acessado em abril de PRIMACK, R.B. & RODRIGUES, E. Levantamento preliminar de avefauna do parque ecológico do basalto do município de Araraquera SP. Biologia da Conservação. Londrina, Midiograf < > Acessado em Abril de SABINO, J. & PRADO, P. I. K. L. Perfil do conhecimento da diversidade de vertebrados do Brasil. Relatório técnico da estratégia nacional da biodiversidade (COBIO/MMA) < > Acessado em maio de SILVA, L.D.; PASSAMAI, M. Levantamento de mamíferos de médio e grande porte em, remanescentes florestais na serra do carrapato em Lacras/MG. Congresso de Ecologia do Brasil. Caxambu- MG, < > Acessado em Junho de SCOSS, L. M.; JUNIOR, P.M.; SILVA, E,. MARTINS, S.V. Uso d areia para monitoramento de impacto de estradas sobre a riqueza de espécies de 12

13 mamíferos. Revista Árvore, Viçosa Minas Gerais, V.28. Nº 1 p , VERRASTRO, L., SANTOS, R. & CUNHA, A. Mamíferos. In:MIRAPALHETE, S. R. (Org.). Flora e fauna do Parque Natural do Morro do Osso, Porto Alegre/RS. Porto Alegre: SMAM. P.110, < > Acessado em junho de VOSS, R. S.; EMMONS, L. H. Mammalian diversity in neotropical lowland rainforest: a preliminary assessment. Bulletin of American Museum of natural history, 230: WIENS, J. A.; STENSETH, N. C.; VAN HORNE, B. & IMS, R. A. Edge effects on vegetation and population structure in Cerradão fragments of Southwest Goiás, Brazil. Ecological mechanisms and landscape ecology. Oikos 66: < > Acessado em Abril de WILLIAMS-LINERA, G.; DOMÍNGUEZ-GASTELÚ, V. & GARCIA-ZURITA, M.E. Microenvironment and floristics of different edges in a fragmented tropical rainforest. Conservation Biology 12:

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental. Dra. Renata Cardoso Vieira

Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental. Dra. Renata Cardoso Vieira Fauna Silvestre no Ambiente Urbano: licenciamento ambiental Dra. Renata Cardoso Vieira Tipologia de Estudos EIA /RIMA laudo de fauna monitoramento de fauna resgate de fauna IN 146/2007 IBAMA Licenciamento

Leia mais

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO José Neiva MESQUITA NETO 1 ; Francielle Pinto RIBEIRO 2 ; Frederico Gemesio LEMOS 3 ; Gleyce Alves MACHADO 4 1 Acadêmico

Leia mais

ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG.

ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG. RELATÓRIO ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CERTIFICAÇÃO RAS (RAINFOREST ALLIANCE) DA FAZENDA DO BUGRE, PRATA, MG. PRINCÍPIO 3: PROTEÇÃO DA VIDA SILVESTRE Roberto de Lara Haddad Camila Schlieper de Castilho Dezembro

Leia mais

Abundância de Biodiversidade

Abundância de Biodiversidade RIQUEZA POUCO CONHECIDA Abundância de Biodiversidade Apesar de distintas, as transformações sofridas por biomas como Mata Atlântica, Caatinga e Campos Sulinos mostram variações de um processo único: a

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE SISTEMAS AGRO- FLORESTAIS 1. IDENTIFICAÇÃO DOS

Leia mais

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS Giselle Lopes Moreira 1,2, Juliana Cristina de Sousa 1,3 e Mirley Luciene

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN. Resultados e próximos passos

Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN. Resultados e próximos passos Crédito Ambiental Paulista para as Reservas Particulares do Patrimônio Natural Projeto CAP / RPPN Resultados e próximos passos Vinculada à Secretaria Estadual do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Criação

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Gabriela da Cunha Souza Orientadora: Dra. Simey Thury Vieira Fisch http:// www.virtualvale.com.br/ http://upload.wikimedia.org/wikipedia/

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS

CONTRIBUIÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS CONTRIBUIÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS Lilian Queli Ferreira Cardoso (TC) 1, Mayara Denize Ferst (IC) 2 Tânia Maria Iakovacz Lagemann (PFM) 3, Palavras Chave: estágio

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais

Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Valoração Ambiental Estudo de caso Ministério Público do Estado de Minas Gerais Analistas Ambientais: Nivaldo Caetano da Cunha (Engenheiro Florestal) nicclaudo@yahoo.com.br Almir Lopes Loures (Engenheiro

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

1. Introdução. 2. Antecedentes

1. Introdução. 2. Antecedentes IPTU Ecológico: Conservação do bugio-ruivo (Alouatta guariba clamitans Cabrera 1940) e descontos de impostos em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil 1. Introdução Rodrigo Cambará Printes 1 e Adriano

Leia mais

Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais

Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 12, n. 32, p. 25-42, dez. 1998 Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais Virgílio M. Viana Leandro A. F. V. Pinheiro ESALQ/USP RESUMO: O desafio de conservar a biodiversidade

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA REALIZAR LEVANTAMENTO DE FLORA E FAUNA, ANALISAR A ADEQUABILIDADE À SOLTURA DE ANIMAIS SILVESTRES E DEFINIÇÃO DE PROTOCOLOS PARA SUBSIDIAR O ESTABELECIMENTO

Leia mais

RPPN Fazenda Rio Negro

RPPN Fazenda Rio Negro Sítio Ramsar Área Úmida de Importância Internacional RPPN Fazenda Rio Negro Conservação Internacional 1. Dados G erais Nome da RPPN: Fazenda Rio Negro Proprietário: Conservação Internacional do Brasil

Leia mais

ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN

ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA CONSERVAÇÃO: ESTUDO DE CASO EM NATAL - RN Lisboa, C. M. C. A (1) ; Advincula, A. C. C. (1) ; Souza, T. A. (2) ; Santos, T. O. B. (2) carolisboabio@yahoo.com.br (1) Secretaria Municipal

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

3. O documento foi elaborado pela empresa Golder Associates e contêm um total de 76 páginas.

3. O documento foi elaborado pela empresa Golder Associates e contêm um total de 76 páginas. NOT. TEC. 02001.000088/2016-51 CGAUF/IBAMA Brasília, 21 de janeiro de 2016 Assunto: Análise do Plano apresentado pela empresa SAMARCO em atendimento à notificação 8261/E. Origem: INTRODUÇÃO Ementa: Análise

Leia mais

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da FAP Faculdade de Apucarana, Paraná;

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da FAP Faculdade de Apucarana, Paraná; LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE Troglodytidae musculus, Zonotrichia capensis, Passer domesticus E Molothrus bonarienses EM ÁREAS URBANA: NA CIDADE DE APUCARANA, PR SILVA, E. B. 1 ; VILELA, V. L. D. 2 1 Graduanda

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG.

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Marcela de Castro Nunes Santos 1 André Luiz Raimundo Faria 2 Daniela Cunha da Sé 3 José Marcio

Leia mais

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local

Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Avaliação da germinação de sementes de fragmentos florestais receptadas em redes visando recomposição da flora local Juliana Leite Ribeiro 1, Sâmmara Emiliana Fonseca Carvalho 2, Marielle Aparecida de

Leia mais

Aliny Aparecida dos Reis 1 Fausto Weimar Acerbi Júnior 1 Marcelo Dias Teixeira 1 Juliana Maria Ferreira de Souza Diniz 1 Tamara Azevedo Resende 1

Aliny Aparecida dos Reis 1 Fausto Weimar Acerbi Júnior 1 Marcelo Dias Teixeira 1 Juliana Maria Ferreira de Souza Diniz 1 Tamara Azevedo Resende 1 Análise espacial das ocorrências de desmatamento na região norte de Minas Gerais Aliny Aparecida dos Reis 1 Fausto Weimar Acerbi Júnior 1 Marcelo Dias Teixeira 1 Juliana Maria Ferreira de Souza Diniz 1

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS Dr. Vlamir José Rocha Biólogo 1 PERFIL DA COMPANHIA Empresa de base florestal focada em madeira,

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ

EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ EDITAL DE APOIO A PESQUISAS REALIZADAS NA RPPN URU, LAPA, PARANÁ I. Informações gerais sobre a reserva particular do Patrimônio Natural (RPPN) URU Em 2003, a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA

RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA Governo do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual de Meio Ambiente Gerência de Projetos e Pesquisas Referências Bibliográficas RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA Gerencia de Projetos e Pesquisa Janeiro /2011 Governo

Leia mais

AVIFAUNA NO MEIO URBANO DE PORANGATU: UM ESTUDO SOBRE PSITACIDEOS. Maria Valdicéia Cirqueira Pinto¹; Denise Dewing Gonçalves²

AVIFAUNA NO MEIO URBANO DE PORANGATU: UM ESTUDO SOBRE PSITACIDEOS. Maria Valdicéia Cirqueira Pinto¹; Denise Dewing Gonçalves² AVIFAUNA NO MEIO URBANO DE PORANGATU: UM ESTUDO SOBRE PSITACIDEOS. Maria Valdicéia Cirqueira Pinto¹; Denise Dewing Gonçalves² Graduanda¹, do Curso de Ciências Biológicas, UnU Porangatu- UEG. Orientaror²,

Leia mais

PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ

PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ PADRÕES DE ATIVIDADES DE UM GRUPO DE BUGIOS (Alouatta clamitans) NO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, NORTE DO PARANÁ Paula Guarini Marcelino¹, Carolina Guarini Marcelino¹, Nelson Gumiero Porfirio Neto¹,

Leia mais

A Diversidade Biológica do Cerrado

A Diversidade Biológica do Cerrado CAPÍTULO 1 A Diversidade Biológica do Cerrado Ludmilla Moura de Souza Aguiar Ricardo Bomfim Machado Jader Marinho-Filho Introdução O Brasil é considerado como um dos países de maior diversidade biológica

Leia mais

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1

Circular. Técnica. Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração. I. Apresentação. Janeiro 2010 Número 1 Guia para Monitoramento de Reflorestamentos para Restauração 1 Circular Técnica Janeiro 2010 Número 1 Autor Antonio Carlos Galvão de Melo Coautores Claudia Macedo Reis Roberto Ulisses Resende I. Apresentação

Leia mais

Segundo Congresso Latinoamericano de Acarologia (IICLAc) Montenegro, Quindío, Colombia, Maio 27-31 de 2016

Segundo Congresso Latinoamericano de Acarologia (IICLAc) Montenegro, Quindío, Colombia, Maio 27-31 de 2016 Segundo Congresso Latinoamericano de Acarologia (IICLAc) Montenegro, Quindío, Colombia, Maio 27-31 de 2016 Terceira circular Com o objetivo de ter uma agenda completa e interessante, a comissão organizadora

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DOS ANIMAIS SILVESTRES APREENDIDOS/RESGATADOS NA REGIÃO DE PONTA GROSSA/PR

ESTUDO PRELIMINAR DOS ANIMAIS SILVESTRES APREENDIDOS/RESGATADOS NA REGIÃO DE PONTA GROSSA/PR 0. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( X) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESTUDO PRELIMINAR DOS ANIMAIS SILVESTRES APREENDIDOS/RESGATADOS

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014

INFORMAÇÕES GERAIS EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 EDIÇÃO 1 2º TRIMESTRE ANO 2014 INFORMAÇÕES GERAIS A Estação Ecológica de Corumbá é uma unidade de conservação de proteção integral situada no Centro-Oeste de MG, região do Alto São Francisco, na porção

Leia mais

FRAGMENTAÇÃO E ECOLOGIA DE PAISAGENS

FRAGMENTAÇÃO E ECOLOGIA DE PAISAGENS FRAGMENTAÇÃO E ECOLOGIA DE PAISAGENS Autores: Renato Torres Pinheiro e Luis Antonio de Pinho Sumário I. Introdução II. Fragmentação de Habitats III. Ecologia de Paisagem IV. Referências V. Glossário I.

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM)

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Prof. Dr. Rodrigo Lingnau Bacharel e Licenciado, Biólogo (UFPR) Mestre em Biologia, Área de Concentração Ecologia (UFG) Doutor em Zoologia (PUC-RS) Aulas Segunda-feira:

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NO AQUÁRIO ACQUAMUNDO, GUARUJÁ

EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NO AQUÁRIO ACQUAMUNDO, GUARUJÁ EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADA NO AQUÁRIO ACQUAMUNDO, GUARUJÁ Larissa da Cunha Santos*, Viviane P. Gallon*, Rossana H. P. Virga** * Acadêmicos da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Santa

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD

ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD Michelle Santos da Silveira 1 Rubilar Ritta Jobim 2

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG

TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG TURISMO EM ÁREAS NATURAIS: ELABORAÇÃO DE UM MEIO INTERPRETATIVO REFERENTE À FAUNA DO PARQUE NACIONAL DOS CAMPOS GERAIS PNCG Bárbara Cristina Leite Flávia Ferreira dos Santos Jasmine Cardozo Moreira RESUMO:

Leia mais

Áreas degradadas. Áreas degradadas conceitos e extensão

Áreas degradadas. Áreas degradadas conceitos e extensão Áreas degradadas Áreas degradadas conceitos e extensão Conceituação e caracterização de áreas degradadas O ecossistema que sofreu alterações relativas à perda da cobertura vegetal e dos meios de regeneração

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem

Leia mais

SOCIEDADE PAULISTA DE ZOOLÓGICOS

SOCIEDADE PAULISTA DE ZOOLÓGICOS LEVANTAMENTO DE RÉPTEIS DO PARQUE MUNICIPAL MANOEL PEDRO RODRIGUES, ALFENAS-MG. Autores Ribeiro Júnior, M.A. marcoantonio@unisol.org.br 1 Leal, L.M.C. liliam.leal@ig.com.br 2 Brandão, A.A.A. andreabrandao@pitnet.com.br

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas Disciplina: Manejo de Fauna e Flora Professores: Adriano Oliveira e Ronei Baldissera MANEJO DE FAUNA Prof. Dr. Ronei

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

Proposição de mapa ambiental do município de Vila Velha (ES), com base na identificação das suas áreas de preservação permanente e reservas ecológicas

Proposição de mapa ambiental do município de Vila Velha (ES), com base na identificação das suas áreas de preservação permanente e reservas ecológicas Copyright 2003 do(s) autor(es). Publicado pela ESESFA. Oliveira ESC & Lima RN (2003) Proposição de mapa ambiental do município de Vila Velha (ES), com base na identificação das suas áreas de preservação

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura

PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO. Conciliando Biodiversidade e Agricultura PLANEJANDO A CONSERVAÇÃO DO CERRADO Conciliando Biodiversidade e Agricultura DESAFIO Compatibilizar a Conservação e a Agricultura O crescimento da população global e a melhoria dos padrões de vida aumentaram

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO PARAS AS ÁREAS DE BORDA DO REMANESCENTE FLORESTAL URBANO ARIE MATA DE SANTA GENEBRA CAMPINAS/SP

PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO PARAS AS ÁREAS DE BORDA DO REMANESCENTE FLORESTAL URBANO ARIE MATA DE SANTA GENEBRA CAMPINAS/SP PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO PARAS AS ÁREAS DE BORDA DO REMANESCENTE FLORESTAL URBANO ARIE MATA DE SANTA GENEBRA CAMPINAS/SP Julia Chudnobsky (*), Deborah Regina Mendes, Regina Marcia Longo * Pontifícia Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

22o. Prêmio Expressão de Ecologia

22o. Prêmio Expressão de Ecologia 22o. Prêmio Expressão de Ecologia 2014-2015 Vista do corte raso da vegetação sob a rede anterior ao Projeto. Unidade de Conservação e formação dos corredores vegetados após implantação do Projeto. Área

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 009 /2007(SUPRAM NOR) Nº. 105737/ 2007 Indexado ao(s) Processo(s) Nº: 02213/2005/001/2006

PARECER TÉCNICO Nº 009 /2007(SUPRAM NOR) Nº. 105737/ 2007 Indexado ao(s) Processo(s) Nº: 02213/2005/001/2006 PARECER TÉCNICO Nº 009 /2007(SUPRAM NOR) Nº. 105737/ 2007 Indexado ao(s) Processo(s) Nº: 02213/2005/001/2006 Tipo de processo: Licenciamento Ambiental ( X ) Auto de Infração ( ) 1. Identificação Empreendimento

Leia mais

-essa definição irá abranger mais de 90% das propriedades rurais brasileiras, as quais serão desobrigadas de restaurar as suas Reservas Legais.

-essa definição irá abranger mais de 90% das propriedades rurais brasileiras, as quais serão desobrigadas de restaurar as suas Reservas Legais. Tabela As mudanças mais sérias propostas pelo projeto de lei (PLC 30/2011) que visa alterar o Código Florestal atual, aprovadas em dezembro de 2011 pelo Senado Federal, e suas consequências comentadas.

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Recuperação de Áreas Degradas. Organização da Disciplina. Aula 1. Introdução a Recuperação de Áreas Degradadas (RAD)

Recuperação de Áreas Degradas. Organização da Disciplina. Aula 1. Introdução a Recuperação de Áreas Degradadas (RAD) Degradas Aula 1 Prof. Francisco W. von Hartenthal Organização da Disciplina Aula 1 Degradadas: Histórico e Introdução aos Conceitos Aula 2 Características, Importância e Recuperação da Floresta Ciliar

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Ituiutaba MG. Córrego da Piriquita AMVAP 2003. Estrada Municipal 030. Lázaro Silva. O Proprietário. Córrego

Ituiutaba MG. Córrego da Piriquita AMVAP 2003. Estrada Municipal 030. Lázaro Silva. O Proprietário. Córrego SÍTIO NATURAL 01. Município Ituiutaba MG 02. Distrito Sede 03. Designação Córrego da Piriquita 03.1. Motivação do Inventário 04. Localização Coordenadas Geográficas S 19 00 892 WO 49 23 784 05. Carta Topográfica

Leia mais

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas

Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Associação de Florestas de Produção e Florestas Nativas Proteção e Conservação Ivone Satsuki Namikawa Fier Coordenadora P&D, Qualidade e Ambiência Florestal Novembro/2008 Klabin Klabin: uma empresa líder

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001.

LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. LEI Nº 1.931, DE 12 DE JUNHO 2.001. Cria a Área de Proteção Ambiental (APA) da Pedra Gaforina e define o seu Zoneamento Ambiental (Ecológico-Econômico), no Município de GUANHÃES-MG. Faço saber que a Câmara

Leia mais

RELATÓRIO ANEXO RA 25 PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE MANGUEZAIS SITUADOS NA AID DA DRAGAGEM DE APROFUNDAMENTO

RELATÓRIO ANEXO RA 25 PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE MANGUEZAIS SITUADOS NA AID DA DRAGAGEM DE APROFUNDAMENTO RELATÓRIO ANEXO RA 25 PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE MANGUEZAIS SITUADOS NA AID DA DRAGAGEM DE APROFUNDAMENTO 1 Apresentação A área diretamente afetada (ADA) do aprofundamento do canal de Santos engloba

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CORREDORES ECOLÓGICOS PARA A FAUNA E A SUSTENTABILIDADE DE REMANESCENTES FLORESTAIS

A IMPORTÂNCIA DOS CORREDORES ECOLÓGICOS PARA A FAUNA E A SUSTENTABILIDADE DE REMANESCENTES FLORESTAIS A IMPORTÂNCIA DOS CORREDORES ECOLÓGICOS PARA A FAUNA E A SUSTENTABILIDADE DE REMANESCENTES FLORESTAIS Sérgio Valiengo Valeri * Mirela Andréa Alves Ficher Senô ** 1. Introdução: O presente trabalho tem

Leia mais

SERRA DO MAR ENTRE A EXPLORAÇÃO E A CONSERVAÇÃO

SERRA DO MAR ENTRE A EXPLORAÇÃO E A CONSERVAÇÃO SERRA DO MAR ENTRE A EXPLORAÇÃO E A CONSERVAÇÃO 34 INTRODUÇÃO Marcos Antonio Pinto Acadêmico 4 Geografia - UNESPAR/Fafipa jrnarcos.geo@gmail.com Renato Rafael Diogo do Valle Acadêmico 4 Geografia - UNESPAR/Fafipa

Leia mais

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento

Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública. Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Projeto de lei no. 440/2011 Audiência Pública Mercedes Bustamante Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento Inovação com base na Biodiversidade CAPITAL NATURAL BRASIL PAÍS MEGADIVERSO

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

046 - AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE RESTAURAÇÃO DE PAISAGEM DO PONTAL DO PARANAPANEMA: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR.

046 - AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE RESTAURAÇÃO DE PAISAGEM DO PONTAL DO PARANAPANEMA: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR. Uso e Conservacao dos Recursos Naturais Monferrer 046 - AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DE RESTAURAÇÃO DE PAISAGEM DO PONTAL DO PARANAPANEMA: UMA ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR. RESUMO Christian Marques Rodello 1

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Responsável: Marcos Vinicius Lorenzon

RELATÓRIO PÚBLICO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Responsável: Marcos Vinicius Lorenzon 1. Dados da Auditoria Data: 15 à 17 de setembro de 2014 Certificação ( X ) Acompanhamento ( ) Verificação ( ) Recertificação ( ) OBS: 2. Dados do Organismo Certificador LIFE Nome do Organismo Certificador

Leia mais

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010

16/4/2010. Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil. Itens constantes do edital MPOG 2010 CONCURSO MPOG 2010 ANALISTA DE INFRA-ESTRUTURA ÁREA I Marcelo Orlandi Ribeiro Auditor Federal de Controle Externo - TCU Engenheiro Civil Aula 1 de 4 Itens constantes do edital MPOG 2010 Conhecimentos gerais

Leia mais