Projecto de decreto-lei REGIME JURÍDICO DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO DE VEÍCULOS A MOTOR E SEUS REBOQUES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto de decreto-lei REGIME JURÍDICO DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO DE VEÍCULOS A MOTOR E SEUS REBOQUES"

Transcrição

1 Projecto de decreto-lei REGIME JURÍDICO DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO DE VEÍCULOS A MOTOR E SEUS REBOQUES No âmbito das atribuições do Instituto da Mobilidade e Transportes Terrestres, I.P., cabe-lhe, em matéria de veículos, assegurar os padrões técnicos e de segurança exigidos, reconhecendo, licenciando e supervisionando as entidades intervenientes no processos de inspecção. O controlo das condições técnicas de circulação de veículos a motor e seus reboques, é um imperativo nacional e comunitário, tendo em vista a melhoria das condições de circulação de determinados veículos, tanto no plano da segurança rodoviária, como no da concorrência entre transportadores. Com o presente decreto-lei pretende-se estabelecer o regime jurídico da actividade de inspecção de veículos por parte de entidades gestoras de centros de inspecção, assim como o funcionamento dos respectivos centros de inspecção. Procede-se à reformulação global do regime jurídico em vigor Decreto-Lei n.º 550/99, de 15 de Dezembro quanto às regras de atribuição de centros de inspecção e quanto ao papel do Estado na devolução dos poderes de inspecção e entidades privadas. Assim, com o presente regime são introduzidas regras mais precisas, claras e transparentes na atribuição, por concurso, desta actividade inspectiva, nos termos de contratos de concessão de exploração, com duração limitada. É também definida a rede de centros de inspecção, balizada em critérios de localização geográfica e de procura, tendo em vista eventual necessidade de abertura de novos centros de inspecção. Estabelecem-se ainda regras de funcionamento dos centros de inspecção e do pessoal ao seu serviço, assim como um regime sancionatório dissuasor da prática de infracções por incumprimento das regras estabelecidas. Nos termos do disposto na alínea a) do n.º 1 do artigo 198.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

2 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto O presente decreto-lei estabelece o regime jurídico da actividade de inspecção técnica de veículos a motor e seus reboques e do funcionamento dos centros de inspecção. Artigo 2.º Definições Para efeitos do presente decreto-lei, entende-se por: a) «Actividade de inspecção», conjunto de acções e procedimentos, necessários ao controlo técnico e de segurança dos veículos a motor e seus reboques, com observância das disposições técnicas e regulamentares; b) «Centro de inspecção», estabelecimento constituído pelo conjunto formado pelo terreno, edifício, área de estacionamento, equipamentos e meios técnicos, onde é exercida a actividade de inspecção de veículos; c) «Centro de inspecção móvel», conjunto de equipamentos e meios técnicos necessários à realização de inspecção de categorias específicas de veículos; d) «Contrato de concessão de centro de inspecção», contrato que atribui direitos e deveres inerentes à gestão de um centro de inspecção por uma sociedade gestora, pela concessão do serviço público da actividade de inspecção técnica de veículos; e) «Sociedade gestora de centro de inspecção», sociedade comercial que tem por objecto instalar e gerir um ou vários centros de inspecção de veículos; f) «Director técnico», técnico nomeado pela sociedade gestora de centro de inspecção para assegurar o cumprimento de toda a regulamentação técnica aplicável à actividade de inspecção de veículos a motor e seus reboques; g) «Inspector», técnico devidamente habilitado pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. (IMTT, I.P.) para o exercício da actividade profissional de inspecção técnica de veículos a motor e seus reboques;

3 h) «Director da qualidade», técnico nomeado pela sociedade gestora para gerir o sistema de gestão da qualidade do centro de inspecções. Artigo 3.º Rede de centros de inspecção 1. Os critérios de localização geográfica para a instalação dos centros de inspecção são definidos por portaria do membro do Governo responsável pela área dos transportes. 2. Os requisitos técnicos para a instalação e funcionamento dos centros de inspecção são definidos por regulamento do IMTT, I.P. Artigo 4.º Exercício da actividade de inspecção de veículos A actividade de inspecção de veículos só pode ser exercida por sociedades gestoras de centros de inspecção, nos termos de contrato de concessão a celebrar com o IMTT. I.P. e em conformidade com o disposto no presente decreto-lei. CAPÍTULO II PROCEDIMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE CENTROS DE INSPECÇÃO Artigo 5.º Atribuição por concurso 1. A concessão de exploração de centros de inspecção é atribuída mediante procedimento concursal a promover pelo IMTT, I.P. 2. O procedimento concursal será promovido sempre que estejam reunidas as condições de abertura de novos centros de inspecção, em conformidade com os critérios estabelecidos na portaria a que se refere o artigo 3.º, ou quando haja lugar à extinção de contratos de concessão já existentes. 3. As normas do concurso e os parâmetros de avaliação dos candidatos são definidas pelo IMTT, I.P., sem prejuízo do disposto nos artigos seguintes e das normas aplicáveis à contratação pública.

4 Artigo 6.º Programa de concurso e caderno de encargos 1 - O programa de concurso indica, entre outros critérios, a localização geográfica, a caracterização do centro de inspecção, sua tipologia e a capacidade em número de linhas. 2 - São requisitos mínimos dos candidatos, a incluir no caderno de encargos, a idoneidade, a capacidade económica, financeira e técnica para a implementação do projecto, nos termos previstos no presente decreto-lei. 3 - A idoneidade é aferida nos termos do n.º 3 do artigo 9.º do presente decreto-lei. 4 - A capacidade económica e financeira é analisada em função dos recursos financeiros, que devem garantir a abertura e a boa gestão do centro de inspecção e pelo estudo demonstrativo da respectiva viabilidade de instalação e de exploração. 5 - A capacidade técnica é analisada em função: a) Dos recursos humanos que o candidato se propõe reunir, com o perfil adequado ao desempenho da actividade de inspecção de veículos; b) Do projecto de instalação do centro de inspecção, designadamente acessibilidades, equipamentos e sistemas de informação. Artigo 7.º Avaliação das candidaturas 1 - No processo de selecção das candidaturas da sociedade gestora de centro de inspecção, são tidos em conta os seguintes parâmetros: a) Grau de viabilidade económica e financeira; b) A capacidade técnica, designadamente a qualidade do projecto e sua adequação aos objectivos de inspecção técnica de veículos; c) A contrapartida financeira proposta pelo candidato pela concessão do serviço público da actividade de inspecção técnica de veículos. 2 - São, designadamente, causas de exclusão das candidaturas:

5 a) Inobservância das características regulamentares exigidas para um centro de inspecção; b) Insuficiente capacidade financeira e técnica do concorrente para a concretização do projecto. Artigo 8.º Notificação dos candidatos 1. Efectuado o processo de selecção, o IMTT, I.P. notifica os candidatos da decisão final do concurso. 2. O candidato seleccionado dispõe de um prazo de seis meses, a contar da notificação, para constituir a sociedade comercial gestora de centro de inspecção, caso não esteja já constituída, com vista à celebração do contrato de concessão. Artigo 9.º Requisitos prévios à celebração do contrato de concessão 1 - A sociedade gestora deve ter no seu objecto social a actividade de inspecção de veículos. 2 - A celebração do contrato de concessão depende da verificação do requisito de idoneidade, nos termos do número seguinte. 3 - Consideram-se idóneas, para os efeitos previstos no número anterior, as entidades cujos directores, gerentes ou administradores não estejam judicialmente interditos do exercício de actividade relacionada com a inspecção de veículos, na sequência de condenação por infracção cometida no exercício da mesma actividade e não tenham sido condenados por decisão transitada em julgado, em pena de prisão não suspensa por qualquer dos seguintes crimes: a) Contra o património; b) Tráfico de influências, de estupefacientes ou de substâncias psicotrópicas; c) Branqueamento de capitais; d) Tributários ou aduaneiros; e) Falsificação de documentos;

6 f) Associação criminosa; g) Insolvência dolosa ou favorecimento de credores. 4 - É ainda requisito de exercício da actividade de inspecção de veículos que a empresa tenha a situação contributiva regularizada perante a administração fiscal e a segurança social. CAPÍTULO III REGIME DO CONTRATO Artigo 10.º Contrato de concessão 1 - O contrato de concessão confere à sociedade gestora o direito e o dever de explorar um centro de inspecção, de acordo com as regras contratualmente estabelecidas, nos termos do presente decreto-lei e demais disposições aplicáveis, designadamente as relativas à inspecção técnica de veículos. 2 - Do contrato de concessão devem constar, designadamente: a) As fases de realização do projecto, designadamente a data prevista para a conclusão das infra-estruturas, o prazo para aprovação do centro de inspecção e para a sua entrada em funcionamento; b) Os objectivos a cumprir pela sociedade gestora na instalação e exploração do centro de inspecção e os níveis de serviço a respeitar por esta; c) Os direitos e obrigações decorrentes da concessão; d) Os procedimentos de articulação entre concedente e concessionário; e) O prazo do contrato de concessão; f) A contrapartida financeira decorrente da concessão; g) Condições de exercício de outras actividades nos centros de inspecção; h) Condições de renovação da concessão, nos termos do artigo 11.º; i) Sanções por incumprimento contratual. 3 - A cessão da posição contratual da sociedade gestora, bem como a subcontratação da gestão do centro de inspecção, ou de parte dele, fica sujeita a autorização do IMTT, IP, sob pena

7 de nulidade. Artigo 11.º Prazo 1. O contrato de concessão é celebrado pelo prazo máximo de 10 anos, renovável, uma única vez, por igual período. 2. A renovação do contrato depende da verificação dos requisitos a que se refere o artigo 9.º do presente decreto-lei. Artigo 12.º Extinção do contrato de concessão 1 - O contrato de concessão extingue-se: a) Pelo decurso do prazo; b) Por acordo entre as partes; c) Por revogação da aprovação do centro de inspecção, nos termos do artigo 28.º; d) Por rescisão, quando tenha havido incumprimento dos deveres a que a sociedade gestora está obrigada. 2 - O contrato pode ainda ser rescindido por motivo de interesse público, devidamente fundamentado, caso em que a sociedade gestora tem direito a indemnização determinada nos termos do contrato. 3 - A rescisão do contrato por incumprimento dos deveres da concessionária é precedida da audição da sociedade gestora e, quando aplicável, pela concessão de um prazo para que cesse o incumprimento e sejam reparadas as respectivas consequências. Artigo 13.º Direitos e deveres da sociedade gestora 1 - Compete à sociedade gestora: a) Gerir e supervisionar a actividade de inspecção de veículos, nos termos previstos nos capítulos IV e V.

8 b) Cobrar tarifas pelos serviços prestados. c) Manter as infra-estruturas, equipamentos e sistemas de informação em bom estado de funcionamento e assegurar o seu regular funcionamento do centro de inspecção; d) Cumprir todas as disposições legais, contratuais, regulamentares e técnicas relativas ao exercício da actividade e à inspecção de veículos; e) Facultar ao IMTT, I.P. e às entidades fiscalizadoras e de investigação a entrada nas suas instalações e o acesso ao sistema informático, bem como fornecer-lhes as informações e os apoios que por aquelas entidades lhe sejam, fundamentadamente, solicitados; f) Manter o quadro de pessoal nas condições acordadas e assegurar a sua formação e o aperfeiçoamento técnico; g) Manter em funcionamento o sistema da qualidade previamente acreditado no âmbito do Sistema Português da Qualidade. 2 - No exercício da actividade, a sociedade gestora e seus responsáveis devem ainda: a) Usar de isenção no desempenho da actividade de inspecção técnica de veículos; b) Cumprir e fazer cumprir por parte do pessoal ao seu serviço, todas as disposições legais, regulamentares e técnicas relativas ao exercício da actividade e à inspecção de veículos bem como as normas de segurança, higiene e saúde nos locais de trabalho; c) Manter o centro de inspecção em condições de realizar inspecções durante o horário do seu funcionamento; d) Assegurar a manutenção, a calibração, controlo metrológico e o normal funcionamento dos equipamentos de inspecção; e) Assegurar que não sejam realizadas inspecções em número superior aos limites estabelecidos por inspector. Artigo 14. Alteração dos estatutos da sociedade gestora Qualquer alteração do pacto social ou dos estatutos da sociedade gestora de centro de inspecção deve ser comunicada ao IMTT, I.P., nos 30 dias seguintes à data em que ocorreu a alteração.

9 CAPÍTULO IV CENTROS DE INSPECÇÃO Artigo 15.º Tipos de centros de inspecção 1. Os centros de inspecção são classificados de acordo com o tipo de inspecções que realizam, numa das categorias seguintes: a) Categoria A - centros de inspecção onde se realizam as inspecções periódicas das caracteristicas e condições de segurança dos veículos; b) Categoria B - centros de inspecção onde se realizam todos os tipos de inspecção a veículos; c) Móveis onde se realizam inspecções em determinadas categorias de veículos. 2. Os centros de inspecção podem realizar inspecções facultativas, por iniciativa dos proprietários, para verificação das caracteristicas ou das condições de segurança dos veículos. 3. Aos centros de inspecção móveis são aplicáveis, com as devidas adaptações, as disposições relativas a centros de inspecção fixos. Artigo 16. Aprovação de centro de inspecção 1. A actividade de inspecção de veículos só pode ser iniciada após vistoria e aprovação do centro de inspecção pelo IMTT, I.P.. 2. Pode ser concedida aprovação condicional do centro de inspecção, pelo prazo de seis meses, se estiverem reunidas condições para a actividade de inspecção. 3. O prazo a que se refere o número anterior só pode ser prorrogado se, por razões não imputáveis à sociedade gestora, não estiverem completas acções de licenciamento municipal. 4. A acreditação no Sistema Português da Qualidade é condição de aprovação final dos centros de inspecção.

10 5. Após aprovação do centro de inspecção, salvo disposição contratual em sentido contrário e sem prejuízo do disposto no artigo 18.º, não podem ser efectuadas alterações nas instalações e equipamentos. 6. Os requisitos de aprovação de centros de inspecção são de verificação permanente, devendo a falta de qualquer desses requisitos ser suprida no prazo de cinco dias, sob pena de aplicação das sanções administrativas previstas nos artigos 27.º e 28.º. Artigo 17.º Sistema de televigilância Os centros de inspecção devem dispor de sistema de televigilância para registo dos dados dos veículos a inspeccionar, designadamente a leitura dos números de matrícula dos veículos que entram e saem das linhas de inspecção, nos termos e condições que forem definidos em legislação específica. Artigo 18. Alterações nos centros de inspecção 1. Qualquer alteração ao projecto inicial, bem como alterações que impliquem o alargamento ou a redução do âmbito da actividade dos centros de inspecção, designadamente quanto às categorias A ou B, dependem de autorização e aprovação do respectivo projecto pelo IMTT, I.P. 2. A autorização para aumento do número de linhas, só pode ser concedida quando não se justifique a abertura de novo concurso e implica a alteração ao contrato. 3. A execução de alterações não pode diminuir as condições de segurança, nem constituir risco para a saúde e higiene do pessoal do centro de inspecção ou dos seus utentes, devendo ser encerradas as instalações sempre que tais condições não possam garantidas. Artigo 19. Interrupção total ou parcial da actividade 1. A interrupção da actividade de um centro de inspecção, deve ser de imediato publicitada aos

11 utentes e comunicada ao IMTT, I.P. 2. A interrupção total da actividade dos centros de inspecção, por períodos superiores a 10 dias úteis, por qualquer causa, depende de prévia autorização do IMTT, I.P. 3. O reinício da actividade do centro de inspecção, após a interrupção total da actividade, por período superior a 20 dias úteis, fica sujeito a prévia autorização do IMTT, I.P., que pode exigir vistoria. CAPÍTULO V INSPECÇÃO DE VEÍCULOS Artigo 20.º Inspectores 1. A inspecção de veículos só pode ser realizada por inspectores certificados pelo IMTT, I.P.. 2. O número mínimo de inspectores por centro de inspecção não pode ser inferior a dois, e a cada linha correspnde um inspector, podendo um destes ser o director técnico do centro de inspecção. 3. No caso dos centros de ispecção da categoria B, ao número mínimo de inspectores, acresce um inspector para a área complementar. 4. O disposto nos números anteriores não é aplicável às linhas de inspecção destinadas exclusivamente à inspecção de motociclos, ciclomotores, triciclos e quadriciclos que podem ser assistidas por inspectores afectos a outro tipo de linhas. 5. Cada inspector só pode realizar diariamente, no seu período normal de trabalho, até 32 inspecções, não podendo, em qualquer caso, realizar mais do que quatro inspecções por hora, excluindo-se, destes limites, as reinspecções. 6. As condições de acesso, de formação e de avaliação dos inspectores e emissão de certificado de inspector são definidos em diploma específico.

12 Artigo 21.º Deveres dos inspectores Constituem deveres dos inspectores: a) Desempenhar as suas funções com isenção; b) Cumprir todas as normas legais, regulamentares e técnicas relativas à inspecção de veículos; c) Esclarecer os utentes sobre os fundamentos técnicos do resultado da inspecção, nomeadamente sobre as consequências das deficiências; d) Usar de urbanidade na sua interacção com o público. Artigo 22. Responsáveis pela actividade de inspecção de veículos 1. A sociedade gestora deve ter um gestor responsável perante o IMTT, I.P. por todas as matérias relacionadas com o contrato de concessão e pelo cumprimento das normas em vigor em matéria de inspecção de veículos. 2. Caso a sociedade gestora seja concessionária de mais do que um centro de inspecção, ao gestor responsável perante o IMTT, I.P. compete também a coordenação e harmonização da actividade de inspecção de todos os centros de inspecção. 3. A sociedade gestora de centro de inspecção deve ter, em efectividade de funções: a) Um director da qualidade, responsável pela acreditação no âmbito Sistema Português da Qualidade; b) Um director técnico em permanência em cada centro de inspecção, responsável pelo cumprimento das disposições legais, técnicas e procedimentais, relativas às inspecções de veículos. 4. O gestor responsável perante o IMTT, I.P., o director de qualidade e o director técnico, devem possuir bacharelato ou licenciatura em engenharia. 5. As funções de gestor responsável perante o IMTT, I.P., director técnico do centro de inspecção e director da qualidade podem ser acumuladas se a sociedade gestora possuir apenas um centro de inspecção.

13 6. As funções de director de qualidade e de gestor responsável perante o IMTT, I.P. podem ser acumuladas. 7. Nas faltas e impedimentos do director técnico, a sociedade gestora deve designar um substituto, de entre os inspectores. 8. A designação do director técnico, bem como a do seu substituto, é nominal, devendo ser afixada na área de recepção para conhecimento dos utentes e comunicada ao IMTT, I.P. Artigo 23. Tarifas 1. As tarifas que incidem sobre as inspecções e as reinspecções são de valor fixo, em função do tipo de inspecção e da categoria do veículo, e são estabelecidas por portaria conjunta dos ministros responsáveis pelos transportes e pela economia. 2. Do montante de cada tarifa paga pelas inspecção ou reinspecção de cada veículo, com excepção das facultativas, reverte para o IMTT, I.P. um montante correspondente a 5% da tarifa, de acordo com procedimento a definir por deliberação do seu Conselho Directivo. Artigo 24. Processamento da informação 1. A informação relativa às inspecções deve ser processada informaticamente, devendo ainda manter actualizados todos os dados relativos aos veículos inspeccionados, donde constem, nomeadamente, a data e o resultado de cada inspecção efectuada e os elementos que se mostrem relevantes para o esclarecimento das decisões tomadas. 2. Por deliberação do Conselho Directivo do IMTT, I.P. é fixada a estrutura de dados, as normas técnicas a que os mesmos devem obedecer e a periodicidade de transmissão da informação. 3. Todos os dados são confidenciais, não podendo as sociedades gestoras fazer deles qualquer uso para fins comerciais, salvo para informar sobre prazos e periodicidade das inspecções. 4. O IMTT, I.P. tem acesso ao sistema de informação sobre inspecções de veículos tendo em vista o seu acompanhamento, controlo e fiscalização e pode exigir às sociedades gestoras o fornecimento de todas as informações necessárias ao esclarecimento do resultado das

14 inspecções e da transmissão de dados. 5. Todos os elementos relativos às inspecções devem ser conservados por um período mínimo de cinco anos, devendo as sociedades gestoras dispor de arquivo próprio para o efeito, sem prejuízo de manter em cada centro os elementos relativos aos últimos dois anos. Artigo 25.º Incompatibilidades 1. As sociedades gestoras não podem inspeccionar, nos centros de inspecção onde exerçam a actividade, veículos que: a) Sejam da propriedade dos sócios, gerentes ou administradores, das sociedades gestoras de centros de inspecção, dos directores, dos responsáveis técnicos e demais pessoal ao seu serviço ou por estes tenham sido comercializados, fabricados ou reparados; b) Sejam da propriedade de empresas em que detenham participações ou por estas tenham sido comercializados, fabricados ou reparados; c) Sejam detidos em regime de contrato de aluguer, locação financeira ou de outro regime que legitime a posse do veículo, pelas pessoas a que se refere as alíneas anteriores. 2. Nas instalações dos centros de inspecção não podem ser desenvolvidas outras actividades para além das previstas no presente decreto-lei, salvo se permitido pelo contrato de concessão ou autorizado pelo IMTT, I.P.. Artigo 26. Funcionamento dos centros de inspecção 1. Não pode ser recusado, sem causa justificativa, qualquer pedido de inspecção obrigatória de veículo dentro do horário normal de funcionamento do centro de inspecção. 2. Sempre que solicitado, deve ser fornecida, à pessoa que sujeita o veículo a inspecção, os relatórios de inspecção e respectivas medições. 3. O horário de funcionamento, ou qualquer alteração ao mesmo, deve ser comunicado ao IMTT, I.P. e afixado ao público.

15 CAPÍTULO VI SANÇÕES ADMINISTRATIVAS Artigo 27. Suspensão cautelar 1. No âmbito de uma acção de fiscalização pode ser determinada a suspensão cautelar da actividade de um centro de inspecção, sem prejuízo da aplicação das sanções previstas na lei, quando se verificar que não se mantêm os requisitos de aprovação e de funcionamento, designadamente quando: a) O centro de inspecção não dispõe do número mínimo de inspectores estabelecido no artigo 20.º; b) Os equipamentos de inspecção estabelecidos na portaria prevista no n. 2 do artigo 3.º, não se encontrem disponíveis, operacionais ou não tenham sido submetidos às verificações metrológicas legalmente previstas; c) Os equipamentos de inspecção não se encontrem calibrados ou forneçam resultados incorrectos devido a anomalia ou a deficiente manutenção; d) A informação relativa a inspecções não seja processada ou transmitida nos termos previstos no artigo 24.º; e) O centro de inspecção não tenha instalado ou em funcionamento o sistema de registo de imagem, a que se refere no artigo 17.º do presente decreto-lei. 2. A suspensão a que se refere o número anterior pode abranger todo o centro de inspecção ou apenas uma ou mais linhas de inspecção, consoante as irregularidades detectadas. 3. A suspensão cautelar referida no presente artigo deve ser confirmada ou levantada, no prazo máximo de três dias úteis, por decisão do IMTT, I.P., face ao relatório elaborado pelos técnicos de fiscalização, e ouvida a sociedade gestora, considerando-se levantada a suspensão se não houver decisão naquele prazo. 4. Confirmada a suspensão cautelar nos termos do número anterior, a sociedade gestora só pode requerer ao IMTT, I.P. autorização para reinício da actividade após preenchimento do(s) requisito(s) em falta.

16 Artigo 28. Revogação da aprovação de centros de inspecção 1. A aprovação de um centro de inspecção deve ser revogada quando: a) A interrupção da actividade prevista no artigo 19.º ou a suspensão cautelar prevista no artigo 27.º se mantenha por período superior a um ano, salvo se tal facto se dever a causa não imputável à sociedade gestora; b) Sejam realizadas inspecções técnicas de veículos durante o período de suspensão cautelar prevista no artigo 27. ; 2. A revogação da aprovação de um centro de inspecção implica a extinção do contrato de concessão. 3. A revogação é efectuada por despacho do presidente do Conselho Directivo do IMTT, I.P., e é publicitada no seu sítio oficial da internet. CAPÍTULO VII FISCALIZAÇÃO E REGIME CONTRA-ORDENACIONAL Artigo 29.º Fiscalização 1. A fiscalização do cumprimento das obrigações no âmbito da actividade de inspecções de veículos, de acordo com o disposto no presente decreto-lei e regulamentação complementar, cabe ao IMTT, I. P. 2. As sociedades gestoras, através dos seus representantes, dos directores técnicos dos centros de inspecção, dos inspectores e demais pessoal, devem prestar aos técnicos do IMTT, I.P. em funções de fiscalização, o apoio necessário ao exercício das suas funções e todas as informações por estes solicitadas para o efeito, facultando-lhes ainda, o livre acesso às instalações, equipamentos e respectivos procedimentos. 3. No âmbito da fiscalização a que se referem os números anteriores, pode ser repetida a inspecção a qualquer veículo, devendo a mesma ser possibilitada pela pessoa que apresenta o veículo à inspecção.

17 4. O resultado da repetição da inspecção a um veículo integrada numa acção de fiscalização prevalece sobre o resultado das observações e verificações anteriormente feitas. Artigo 30.º Contra-ordenações 1 - O exercício da actividade de inspecção técnica de veículos por entidade que não disponha de contrato de concessão para exploração de centro de inspecção, nos termos do artigo 10.º é punível com coima de a ou a , consoante se trate de pessoa singular ou colectiva. 2 - Constituem contra-ordenações, imputáveis à sociedade gestora e puníveis com coima de a : a) O início da actividade de inspecção técnica de veículos sem que o centro de inspecção tenha sido objecto de aprovação pelo IMTT, I.P.; b) O exercício da actividade de inspecção técnica de veículos em centro de inspecção cujo contrato de concessão se tenha extinguido; c) A continuação do exercício da actividade quando tenha havido alteração aos centros de inspecção e esta não tenha sido aprovada pelo IMTT, I.P.; d) A continuação do exercício da actividade quando tenha havido suspensão cautelar ou revogação da autorização do centro de inspecção; 3 - Constituem contra-ordenações, imputáveis à sociedade gestora e puníveis com coima de 1500 a 4.500: a) O exercício da actividade de inspecção com inspectores não certificados; b) O exercício de outras actividades nos centros de inspecção, sem autorização ou não previstas no contrato de concessão; c) A cobrança de tarifas em valor superior ou inferior ao fixado; d) O incumprimento dos deveres a que se refere o n.º 1 do artigo 13.º; e) O incumprimento do dever de informação a que se refere o artigo 14.º; f) O não processamento da informação em conformidade com o disposto no artigo 24.º; g) A recusa de entrega de relatório de inspecção, a que se refere o n.º 2 do artigo 26.º;

18 h) A realização de inspecções a veículos em incumprimento do disposto no artigo 25.º. 4. Constituem contra-ordenações imputáveis ao director técnico, puníveis com coima de 1000 a 3000, o incumprimento dos deveres a que se refere o n.º 2 do artigo 13.º. 5. Constituem contra-ordenações imputáveis aos inspectores de veículos: a) O incumprimento dos deveres a que se refere o artigo 21.º, puníveis com coima de 200 a 600; b) A não anotação ou a classificação incorrecta, na ficha de inspecção, de deficiências do tipo 2 ou 3, conforme previsto nas normas regulamentares sobre classificação de deficiências de veículos, punível com coima de 400 a A aplicação das contra-ordenações previstas no presente artigo não prejudica a responsabilidade civil e criminal a que houver lugar. 7. A tentativa e a negligência são sempre puníveis, sendo os limites máximos e mínimos das coimas reduzidos a metade. Artigo 31.º Sanção acessória 1. Com a aplicação das coimas por infracção ao disposto nas alíneas d) do n.º 2 do artigo 30.º e nas alíneas a), c) e f) do n.º 3 do mesmo artigo, pode ser decretada a sanção acessória de interdição do exercício da actividade à sociedade gestora, se tiver praticado cinco daquelas infracções num período de cinco anos consecutivos. 2. Com a aplicação das coimas por infracção ao n.º 5 do artigo 30.º, pode ser decretada a sanção acessória de suspensão do certificado de inspector, se este tiver praticado cinco infracções, com decisão definitiva e exequível, e estas tiverem ocorrido no decurso de dois anos consecutivos. 3. A suspensão do certificado de inspector e interdição do exercício da actividade terá a duração máxima de dois anos.

19 Artigo 32.º Instrução do processo e aplicação das coimas 1 - A instrução dos processos por contra-ordenações previstas no presente decreto-lei compete ao IMTT, I. P. 2 - A aplicação das coimas previstas neste decreto-lei é da competência do Conselho Directivo do IMTT, I. P. Artigo 33.º Produto das coimas A afectação do produto das coimas faz-se da forma seguinte: a) 60% para o Estado; b) 40% para o IMTT, I.P. CAPÍTULO VIII DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS Artigo 34.º Registos 1. O IMTT, I.P. organiza um registo informático dos centros de inspecção e das sociedades gestoras, respectivos sócios, gerentes ou administradores, dos directores técnicos, responsáveis de qualidade e inspectores. 2. O IMTT, IP organiza também um registo de todas as infracções à legislação sobre a actividade de inspecção de veículos praticadas pelos agentes referidos no número anterior. Artigo 35.º Regime transitório 1. Os centros de inspecção em exercício de actividade à data de entrada em vigor do presente decreto-lei, podem continuar a exercê-la durante um período máximo de cinco anos, findo

20 o qual será promovido o procedimento concursal a que se refere o Capítulo II do presente decreto-lei. 2. Durante o período de cinco anos a que se refere o n.º 1, os centros de inspecção que mantenham o exercício da actividade, regem-se pelo disposto no presente decreto-lei, salvo no que respeita às regras relativas ao procedimento concursal, a que se refere o Capítulo II do presente decreto-lei. 3. Podem ser autorizadas mudanças de instalações dos centros de inspecção, durante o período transitório a que se refere o presente artigo, nas seguintes condições: a) Dentro de um mesmo concelho; b) Dentro do mesmo distrito, para outro concelho, desde que para este não tenha sido aberto concurso para instalação de CITV nem exista nenhum centro instalado ou em fase de instalação; c) Dentro do mesmo distrito, para outro concelho, desde que a nova localização permita o acesso fácil a partir de vias principais de circulação, a Câmara Municipal manifeste interesse relevante na mudança e, num raio mínimo de 5 Km, não tenha sido aberto concurso para instalação de CITV nem exista nenhum centro instalado ou em fase de instalação. 4. A autorização para mudança de instalações, a que se refere o número anterior, fica ainda condicionada a prazo para abertura das novas instalações, que não pode ser superior a um ano a contar da data da autorização, sem prejuízo do disposto no artigo 16.º do presente decreto-lei. 5. Durante o período transitório é permitida, mediante prévia autorização do IMTT, I.P, a transmissão de centros de inspecção entre entidades autorizadas. Artigo 36. Requisição de centros de inspecção Os centros de inspecção podem ser objecto de requisição, nas condições previstas na lei. Artigo 37.º Revogação

21 1 - É revogado o Decreto-Lei n.º 550/99, de 15 de Dezembro. 2 - A Portaria n.º 1165/2000, de 9 de Dezembro, permanece em vigor até que seja publicada a regulamentação a que se refere o artigo 3.º do presente decreto-lei, salvo o disposto nos números 1.º, 2.º e 3.º da Secção I. Artigo 38.º Entrada em vigor O presente decreto-lei entra em vigor 120 dias após a data da sua publicação. Visto e aprovado em Conselho de Ministros de, O Primeiro-Ministro O Ministro das Finanças e da Administração Pública O Ministro da Economia e da Inovação O Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes

Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Regulamento Municipal de Inspecção e Manutenção de Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes Nota justificativa O Decreto-Lei n.º 320/2002, de 28 de Dezembro, na esteira do estabelecido

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Município de Sobral de Monte Agraço Reunião de Câmara: 14/04/2003 Reunião da Assembleia: 29/04/2003 Publicado

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS Nota Justificativa A Lei n.º 18/97, de 11 de Junho, concedeu ao Governo autorização para legislar no

Leia mais

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3

ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI ODIVELAS. Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 ANEXO 3 REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE EM TÁXI Ano VI - N.º 4-8 de Março de 2005 - Anexo 3 REGULAMENTO MUNICIPAL PARA A ACTIVIDADE DO TRANSPORTE EM TÁXI Capítulo I Disposição Gerais

Leia mais

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS

CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS CÓDIGOS ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE ACESSO E DE EXERCÍCIO DA ACTIVIDADE DE ORGANIZAÇÃO DE CAMPOS DE FÉRIAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI PREÂMBULO O presente Regulamento surge na sequência da publicação

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009)

Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 129/2009, de 30 de Janeiro, Regulamenta o Programa Estágios Profissionais (JusNet 211/2009) ( DR N.º 21, Série I 30 Janeiro 2009 30 Janeiro 2009 ) Emissor: Ministério do Trabalho

Leia mais

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO

MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO PARA INSPECÇÃO DE ASCENSORES, MONTA-CARGAS, ESCADAS MECÂNICAS E TAPETES ROLANTES, TAXAS E REGIME SANCIONATÓRIO Edital n.º 842/2003 (2.ª série) AP. José Manuel Isidoro

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO Decreto-Lei n.º 39/2010 de 26 de Abril O Programa do XVIII Governo Constitucional estabelece como uma das principais linhas de modernização estrutural

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros do Concelho da Lousã CML 015.000 1 Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi 1 12 Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transporte em Táxi Na sequência da autorização legislativa concedida ao Governo pela Assembleia da República,

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º Objecto

CAPÍTULO I Disposições gerais. Artigo 1.º Objecto A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 500/99, de 19 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 500/99 de 19 de Novembro

Leia mais

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL

M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL M U N I C Í P I O D E OLIVEIRA DO HOSPITAL TÍTULO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI CLASSIFICAÇÃO GERAL REFERÊNCIA INTERNA DCDET/RGO.006

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS.

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS. REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER DE VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI DO CONCELHO DE VALPAÇOS. Preâmbulo Em 28 de Novembro de 1995, foi publicado o Decreto-Lei

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1. a série 4765 da CPLP, incluindo a República de Angola, tenham depositado na sede da CPLP, junto ao seu Secretariado Executivo, os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIOS AO ASSOCIATIVISMO (Aprovado na 6ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 18 de Março de 2003, na 2ª Sessão Extraordinária de Assembleia Municipal, realizada

Leia mais

Ministério da Energia

Ministério da Energia Ministério da Energia Decreto n.º 45/01 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 14 A/96, de 31 de Maio, Lei Geral de Electricidade, estabeleceu os princípios gerais do regime do exercício das actividades

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

Preâmbulo. Este diploma, por razões de vária ordem, foi objecto de críticas e alvo de contestação por parte de diversas entidades e organismos.

Preâmbulo. Este diploma, por razões de vária ordem, foi objecto de críticas e alvo de contestação por parte de diversas entidades e organismos. Regulamento Municipal do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros - Transporte em Táxi, do Concelho de Oliveira do Bairro. Preâmbulo O transporte de aluguer em veículos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES DESPACHO Encontra-se previsto no Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) para 2010 o projecto da responsabilidade do Instituto da Mobilidade e dos Transportes

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. ---------------------

REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. --------------------- REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE DE TÁXI. --------------------- Nota Justificativa ------------------ Mediante a publicação do Decreto-Lei

Leia mais

APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 24 DE JUNHO DE

APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 24 DE JUNHO DE REGULAMENTO DO LICENCIAMENTO DO EXERCÍCIO E DA FISCALIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DE EXPLORAÇÃO DE MÁQUINAS AUTOMÁTICAS, MECÂNICAS, ELÉCTRICAS E ELECTRÓNICAS DE DIVERSÃO NO MUNICÍPIO DE SINTRA ( com as alterações

Leia mais

PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI ÍNDICE

PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI ÍNDICE PROJECTO REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI Artigo l º - Âmbito de aplicação Artigo 2º - Objecto Artigo 3º - Definições * Artigo

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 2388 Diário da República, 1.ª série N.º 80 26 de Abril de 2011 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 11/2011 de 26 de Abril Estabelece o regime jurídico de acesso e de permanência na actividade de inspecção

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS E NÃO FINANCEIROS Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal nas áreas da cultura, da acção social, das actividades

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO

DECRETO-LEI Nº 207/94 DE 6 DE AGOSTO Decreto-Lei n.º 207/94, de 6 de Agosto Sumário: Aprova o regime de concepção, instalação e exploração dos sistemas públicos e prediais de distribuição de água e drenagem de águas residuais. Texto: Os problemas

Leia mais

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010 I Série Sumário SECRETARIAREGIONAL DO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS Portaria n.º 61/2010 Aprova o Regulamento de Aplicação

Leia mais

O presente Regulamento aplica-se a toda a área do Município de Moura. Artigo 2º Objecto

O presente Regulamento aplica-se a toda a área do Município de Moura. Artigo 2º Objecto REGULAMENTO DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS DE PASSAGEIROS TRANSPORTE EM TÁXI ( Aprovado na sessão da Assembleia Municipal de Moura em 20 /6/03) CAPÍTULO I Disposições

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

Projecto de Decreto-lei

Projecto de Decreto-lei Projecto de Decreto-lei O Decreto Lei nº273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS

NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS NOVO REGIME DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS No passado dia 7 de Março foi publicado o Decreto-Lei nº 39/2008, que entrará em vigor no próximo dia 6 de Abril de 2008 e que veio

Leia mais

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo

Regulamento Municipal para a Concessão de Apoios ao Associativismo. Preâmbulo MUNICIPIO DE ARCOS DE VALDEVEZ Regulamento Dr. Francisco Rodrigues de Araújo, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez: Faz público que a Assembleia Municipal de Arcos de Valdevez, na sua sessão

Leia mais

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Com a criação dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC),

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA Página 1 de 11 PREÂMBULO Compete ao município promover acções de interesse municipal, de âmbito cultural, social, recreativo e outros, e exercer um papel dinamizador junto

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19

REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA. Pág.1/19 REGULAMENTO INTERNO DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO HAPINEZ CENTRO DE EXCELÊNCIA PARA A PSICOLOGIA Pág.1/19 Índice DISPOSIÇÕES GERAIS 3 1. Localização 3 2. Âmbito 3 3. Política e Estratégia de Actuação 3 4. Inscrições

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxis

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxis Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Transportes em Táxis Aprovado pela Assembleia Municipal, na reunião de 24 de Setembro de 2004 Publicado no Diário

Leia mais

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro

Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Decreto-Lei n.º 478/99, de 9 de Novembro Objecto... 2 Entidades competentes para a formação dos navegadores de recreio e para a realização dos respectivos exames... 2 Credenciação das entidades formadoras...

Leia mais

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º /

Contributos da ANET sobre o Projecto Revisão do Regulamento de Coordenação de Segurança e Saúde na Construção. Decreto-Lei n.º / Decreto-Lei n.º / O Decreto Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro, sobre as regras gerais de planeamento, organização e coordenação para promover a segurança e saúde no trabalho em estaleiros da construção,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Nº4724/2005 Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000,

Leia mais

APÊNDICE N.º 29 II SÉRIE N.º 49 27 de Fevereiro de 2004 CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE. CAPÍTULO I Disposições gerais. CAPÍTULO II Acesso à actividade

APÊNDICE N.º 29 II SÉRIE N.º 49 27 de Fevereiro de 2004 CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE. CAPÍTULO I Disposições gerais. CAPÍTULO II Acesso à actividade 36 APÊNDICE N.º 29 II SÉRIE N.º 49 27 de Fevereiro de 2004 CÂMARA MUNICIPAL DE MONCHIQUE Aviso n.º 1471/2004 (2.ª série) AP. Dr. Carlos Alberto dos Santos Tuta, presidente da Câmara Municipal de Monchique:

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97. EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97. EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 65/97 EMISSOR : Ministério do Equipamento, do Planeamento e da Administração do Território DATA : Segunda-feira, 31 de Março de 1997 NÚMERO : 75/97 SÉRIE I-A PÁGINAS DO DR

Leia mais

Avaliação do Pessoal docente

Avaliação do Pessoal docente Avaliação do Pessoal docente Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série Página 1 de 9 Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série A revisão do sistema de

Leia mais

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros

Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros Regulamento do Transporte Público de Aluguer em Veículos Automóveis Ligeiros de Passageiros 1 CÂMARA MUNICIPAL DE RIBEIRA BRAVA Edital n.º 747/2003 (2.ª série) AP. José Ismael Fernandes, presidente da

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 7 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 184/2015 Cria e regula o funcionamento

Leia mais

São revogados o Decreto-Lei nº 47511 e o Decreto nº 47512, ambos de 25 de Janeiro de 1967.

São revogados o Decreto-Lei nº 47511 e o Decreto nº 47512, ambos de 25 de Janeiro de 1967. respectivamente, mais de cinco ou de três anos de funções técnicas na área da segurança e higiene no trabalho podem adquirir a equiparação ao nível de qualificação por meio de avaliação curricular, podendo

Leia mais

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro

Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro Portaria n.º 1160/2000 de 7 de Dezembro O PRODESCOOP - Programa de Desenvolvimento Cooperativo, criado pela Portaria n.º 52-A/99, de 22 de Janeiro, partindo do reconhecimento da especificidade do sector

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL PREÂMBULO O Decreto-lei nº 39/2008, de 7 de Março, aprovou o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOBAÇA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS Artigo 1º (OBJECTO E ÂMBITO) O presente regulamento tem por objecto a definição das regras aplicáveis à atribuição de apoios pela Câmara Municipal no exercício

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 140/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 140/XII Exposição de Motivos A reorganização dos sectores das águas e dos resíduos é um dos grandes desafios a que o Governo se propõe, em vista da resolução de problemas ambientais

Leia mais

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS

REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS REGULAMENTO DA ACTIVIDADE DE TRANSPORTE DE ALUGUER EM VEÍCULOS LIGEIROS DE PASSAGEIROS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento abrange todas as pessoas (singulares e colectivas)

Leia mais

1606 Diário da República, 1. a série N. o 52 14 de Março de 2007

1606 Diário da República, 1. a série N. o 52 14 de Março de 2007 1606 Diário da República, 1. a série N. o 52 14 de Março de 2007 único e igual período, ao Clube de Caçadores da Freguesia de Pontével, com o número de pessoa colectiva 502262047 e sede no Apartado 2,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento

Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento Regulamento relativo ao lançamento, liquidação e cobrança de taxas e tarifas devidas pela realização de serviços prestados na área de saneamento básico. Nota justificativa O Regulamento de Liquidação e

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

APÊNDICE N.º 95 II SÉRIE N.º 145 26 de Junho de 2003 CÂMARA MUNICIPAL DAS LAJES DAS FLORES. CAPÍTULO I Disposições gerais

APÊNDICE N.º 95 II SÉRIE N.º 145 26 de Junho de 2003 CÂMARA MUNICIPAL DAS LAJES DAS FLORES. CAPÍTULO I Disposições gerais 46 APÊNDICE N.º 95 II SÉRIE N.º 145 26 de Junho de 2003 creto-lei n.º 218/98, de 17 de Julho, e por despacho exarado em 16 de Maio de 2003, se procedeu à renovação do contrato de trabalho a termo certo,

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR

MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR MINUTA DE CONTRATO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS FINANCEIROS A PESSOAS COLECTIVAS PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS PROGRAMA MODELAR Entre O Primeiro Outorgante, A Administração Regional de Saúde de. IP, adiante

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP

REGULAMENTO FINANCEIRO DO CDS/PP DO CDS/PP (APROVADO EM CONSELHO NACIONAL A 24 DE NOVEMBRO DE 2007) Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente Regulamento aplica-se a todos os órgãos nacionais, regionais

Leia mais

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC Programa Operacional Sociedade do Conhecimento Regulamento de Acesso à Medida 7.1 - Desenvolvimento de Centros de Competências em TIC" Programa Operacional Sociedade do Conhecimento PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor

Leia mais

Proposta de Lei Exposição de motivos

Proposta de Lei Exposição de motivos Proposta de Lei Exposição de motivos A modernização da Administração Pública constitui um dos pilares essenciais da estratégia de crescimento do País, destacando-se as várias medidas que o Governo tem

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º. Objecto CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso das operações a apoiar no âmbito da Prevenção e Gestão de Riscos Naturais e Tecnológicos, para:

Leia mais

Regulamento. Regulamento e Tabela de Taxas do Mercado da Brandoa

Regulamento. Regulamento e Tabela de Taxas do Mercado da Brandoa Regulamento Nos termos do artigo 118.º do Código do Procedimento Administrativo, publicase o Projecto de Regulamento e Tabela de Taxas do Mercado da Brandoa, aprovado pela Junta de Freguesia da Brandoa

Leia mais

APÊNDICE N.º 147 II SÉRIE N.º 225 29 de Setembro de 2003 CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA MADEIRA. CAPÍTULO I Disposições gerais

APÊNDICE N.º 147 II SÉRIE N.º 225 29 de Setembro de 2003 CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA MADEIRA. CAPÍTULO I Disposições gerais APÊNDICE N.º 147 II SÉRIE N.º 225 29 de Setembro de 2003 45 CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA MADEIRA Aviso n.º 7559/2003 (2.ª série) AP. Elaboração do Plano de Pormenor das Corgas-Norte. Dr. Manuel Castro

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações

Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações Regime aplicável ao licenciamento de redes e estações de radiocomunicações Decreto-Lei n.º 151-A/2000, de 20 de Julho (com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 167/2006, de 16 de Agosto) Remonta ao final

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO DO CONCELHO DE ALJUSTREL NOTA JUSTIFICATIVA Atendendo ao aumento de número de viaturas em circulação, à alteração da circulação em algumas vias e locais, à existência

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES Índice Artigo 1.º Objeto do procedimento de Ajuste Direto Artigo 2.º Entidade adjudicante Artigo 3.º Órgão Competente Para a Decisão de

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra

Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento fixa as normas gerais relativas a matrículas e inscrições nos cursos do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra. Artigo 2.º Definições De

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA. Nota justificativa REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIOS PELO MUNÍCIPIO DE MORA Nota justificativa A prossecução do interesse público municipal concretizado, designadamente através de políticas de desenvolvimento cultural,

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde

Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro Regula a criação e fiscalização das unidades privadas de saúde A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 13/93, de 15 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 13/93 de 15 de Janeiro

Leia mais

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I

Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Regulamento para a Concessão de Subsídios a Entidades e Organismos que Prossigam Fins de Interesse Público da Freguesia de Areeiro CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Município de Valpaços

Município de Valpaços Município de Valpaços Regulamento Municipal de Atribuição de Apoios às Freguesias Preâmbulo A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro aprovou o regime jurídico das autarquias locais, o estatuto das entidades

Leia mais