Letícia Antunes Resende 1 Herbe Xavier 2

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Letícia Antunes Resende 1 Herbe Xavier 2"

Transcrição

1 As contribuiçõesdas geotecnologias à atividade turística Letícia Antunes Resende 1 Herbe Xavier 2 Pode-se considerar que o turismo é, antes de tudo, uma experiência geográfica, pois a atividade se desenvolve por meio dos elementos dos espaços geográficos, num movimento de constantes interações entre o homem e a natureza, em que são utilizados a paisagem e o mundo vivido da comunidade receptora como atrativos turísticos, os equipamentos urbanos como infraestrutura e a prestação de serviços públicos como serviços de apoio, que, somados, compõem a oferta turística (JESUS, 2004). Os estudos do fenômeno turístico apoiados nas ciências geográficas e cartográficas, bem como na ciência da informação, podem transformar o modo de se comunicar e planejar o turismo tanto para as comunidades autóctones, quanto para os turistas questão negligenciada na maioria dos estudos sobre a atividade. Nodari et al (2006, p. 217) ressaltam a importância do uso das geotecnologias no turismo, notadamente nos recursos oferecidos pelo Sistema de Informações Geográficas (SIG): A quantidade e o tipo de dados do setor turístico demandam uma ferramenta de gerenciamento que se defronta com as carências de um instrumento que otimize o armazenamento, análise e manipulação desses dados. Para o setor, um aspecto de grande importância é a necessidade de interligar um banco de dados com a localização espacial dos pontos turísticos ou de interesse turístico. Assim, a implantação de um Sistema de Informações Geográficas (SIG), em uma região de potencial turístico, subsidiaria o gerenciamento e a disponibilização de informações rápidas e precisas para comunidades e órgãos afins. Com o auxílio das geotecnologias, pode-se transformar um inventário turístico 3 em um produto capaz de fornecer informações confiáveis e de grande aces- 1. Doutoranda em Geografia pela Unesp-Rio Claro, professora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2. Doutor em Geografia pela Unesp-Rio Claro, professor titular da Pontifícia Universidade Católica de Minas, 3. O inventário turístico pode ser considerado um complexo banco de dados com informações sobre a oferta turística do destino, sobre a infraestrutura local e infraestrutura dos equipamentos turísticos, os serviços de apoio ao turismo, a prestação de serviços públicos, bem como toda a gama de atrativos turísticos naturais e culturais. Além disso, o inventário abrange os aspectos econômicos, sociais, ambientais e culturais de uma dada localidade, correlacionando-os à atividade turística. Os inventários mais modernos também consideram a opinião da comunidade autóctone sobre o desenvolvimento dessa atividade (BISSOLI, 1999). Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, p , 2 o sem

2 Rezende, L. A.; Xavier, H. sibilidade para o planejamento e comunicação de um dado destino, via internet (STEINK; SILVA, 2005). O fácil acesso às informações espacializadas do turismo e disponibilizadas na internet é de grande utilidade para o turista, que poderá conhecer melhor os diversos elementos que compõem a oferta turística de uma localidade atrativos turísticos, serviços públicos, equipamentos de apoio, meios de hospedagem e, ainda, formatar o seu próprio roteiro ou experimentar virtualmente os roteiros oferecidos pelas operadoras e agências de viagem. Com o avanço e aperfeiçoamento das técnicas de processamento de dados em formato digital, torna-se possível vislumbrar a experimentação dos serviços/produtos turísticos virtualmente, o que se configura como uma importante estratégia de comunicação de destinações, podendo influenciar de maneira efetiva na escolha dos destinos, uma vez que essa experimentação virtual tende a tornar os produtos turísticos mais tangíveis (NOGUEIRA et al., 2006). Geoprocessamento aplicado ao turismo O geoprocessamento (ou ainda a geomática) configura-se como uma importante ferramenta de gestão, pois utiliza as geotecnologias para o processamento de informações, com ênfase na localização geográfica, elemento indispensável para o planejamento, ordenação e manejo do turismo (zoneamento turístico, levantamento de potencialidades turísticas, identificação de fragilidades dos recursos naturais, estimativa de capacidade de carga, inventários). As geotecnologias também são empregadas na formatação de roteiros e nas estratégias de comunicação e divulgação turísticas na World Wide Web rede de alcance mundial (mapas, guias, roteiros e viagens virtuais), exercendo grande influência na escolha de destinos pelo consumidor final (MOURA et al., 2006). Embora as geotecnologias se configurem como ferramentas essenciais para a atividade turística, somente algumas, mesmo que de forma incipiente, são utilizadas pelo setor, pois as demais formas não foram incorporadas pelo trade e pelo poder público. Assim as ferramentas que se destacam são: cartografia digital (CD), sistema de informações geográficas (SIG), global position system (GPS) e banco de dados geográficos (BDG) (SCALCO, 2006; NEVES, 2006). Segundo Scalco (2006), a cartografia digital tem se tornado obrigatória para os estudos das paisagens e dos ambientes turísticos, pois possibilita a automação dos métodos manuais, armazenamento e visualização de dados espaciais assistidos por computador. Soares Filho (2000) ressalta que a cartografia digital é parte essencial de um SIG, pois os mapas digitalizados configuram-se como objeto-chave para esse sistema. 138 Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, p , 2 o sem. 2008

3 As contribuiçõesdas geotecnologias à atividade turística O sistema de informações geográficas refere-se à coleta, armazenamento, tratamento, análise e apresentação de dados georreferenciados. Fatores como paisagens, pontos turísticos, serviço de apoio, proximidade de centros de informações turísticas, classe de vegetação, entre outros, podem ser incorporados a um SIG e classificados com diferentes valores, com o intuito de caracterizar zonas específicas de um destino (SCALCO, 2006). Nodari et al. (2006) afirmam que um SIG pode ser definido pela coleção organizada de cinco componentes: o hardware, ou seja, os equipamentos como GPS e computadores; os softwares, que são os sistemas de informações geográficas; os dados ou informações derivadas de diferentes fontes; os recursos humanos especializados na área; e os procedimentos que articularão os múltiplos componentes do sistema, permitindo que os objetivos da implantação do SIG sejam alcançados. Para coletar dados de atributos e dados espaciais que serão exportados para um SIG, utiliza-se o GPS. Esse é fundamental para o turismo, principalmente na área de formatação de roteiros, uma vez que possibilita a navegação em espaços naturais desprovidos de caminhos ou trilhas, bem como a localização de atrativos turísticos e outros elementos geográficos, no território (NEVES, 2006). A coleta e o armazenamento de dados que poderão permitir a realização de análises, monitoramento, atualização cartográfica, cruzamento de dados, entre outros processos aplicados ao turismo, implicam a construção de um banco de dados geográficos associado ao SIG (NEVES, 2006). A comunicação e análise turística através do SIG O paulatino desenvolvimento de tecnologias computacionais incorporadas à cartografia tem acarretado a evolução do papel comunicativo do mapa para o papel exploratório, ou seja, os mapas passam a ser ferramentas de análise virtual, capazes de não somente representar graficamente o espaço geográfico, mas também permitir uma interface com o usuário, que poderá consultar e manipular os dados espaciais segundo o seu interesse (SLUTER, 2001). A interação do usuário com o mapa passou a ser fundamental para a projeção da visualização cartográfica, uma vez que o foco não mais se restringe às técnicas de produção e, atualmente, a atenção se volta notadamente para a forma de utilização dos dados espaciais, das ferramentas de análise, das informações combinadas que serão disponibilizadas ao usuário e das possíveis limitações de acesso desse (FUR- NALETTI, 2005). Segundo Sluter (2001), a visualização cartográfica pode ser entendida como um avanço da cartografia digital, em que os mapas se configuram como ferramen- Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, p , 2 o sem

4 Rezende, L. A.; Xavier, H. tas de análise visual, permitindo ao usuário, além da interatividade, a consulta aos fenômenos espaciais e a aquisição de conhecimentos. A aplicação de recursos multimídia combinação de textos, arte gráfica, som, animação e exibição de vídeo à visualização cartográfica, transmitida por computador, amplia de maneira significativa a difusão das informações espaciais, bem como desperta o interesse do usuário na exploração do espaço, culminando numa maior interatividade entre usuário e mapa. Para que isso ocorra é de extrema importância a escolha do meio de comunicação que irá disponibilizar tal informação com o máximo de conforto, segurança e eficiência, proporcionando uma maior interface entre ser humano e computador e levando em consideração os aspectos cognitivos associados a esse tipo de interação (FURNALETTI, 2005). Dessa forma, a abordagem ergonômica parece adequada para empreender tal projeto, uma vez que está em consonância com esses pressupostos e trata de aspectos relativos aos programas e à programação e busca melhorar a capacidade de utilização dos softwares por usuários de diferentes características (GONÇAL- VES, 2001, p. 28). A fim de otimizar a visualização cartográfica, a ergonomia traz uma série de considerações sobre textos, imagens, fotografias, gráficos, vídeos, animações, áudio, música e efeitos sonoros a serem trabalhados e exibidos por meio de computadores, notadamente via internet. Os textos, de forma geral, devem ser descritivos, apresentados de forma sintética e objetiva e utilizados para disponibilizar informações adicionais aos vídeos, animações ou imagens (FURNALETTI, 2005). As imagens, assim como as fotografias, são frequentemente adequadas a qualquer tipo de explicação, existindo a possibilidade de disponibilizar outras informações clicando-se sobre uma parte delas. Contudo, as fotografias, por representarem a informação de forma mais real e detalhada, são frequentemente priorizadas, principalmente no setor turístico, em que são capazes de motivar o deslocamento para um dado destino (FURNALETTI, 2005). Os gráficos se configuram como a forma mais adequada para a visualização de dados, principalmente os numéricos, pois tornam a informação mais compreensível, enfatizando ou destacando os valores relativos (FURNALETTI, 2005). Os vídeos são capazes de imprimir um grande realismo à visualização, além de despertar a atenção dos usuários. Já as animações, apesar da falta de realismo, também despertam interesse, uma vez que, através de imagens estáticas apresentadas de forma sequencial, dão a ilusão de movimento e são adequadas para explicar processos complexos, que em vídeos não seriam de fácil entendimento. As 140 Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, p , 2 o sem. 2008

5 As contribuiçõesdas geotecnologias à atividade turística animações, com as suas variáveis dinâmicas, podem ser utilizadas para ressaltar uma dada localização, bem como explicitar a dinâmica dos fenômenos espaciais, incluindo mudanças em tamanhos de objetos, forma, posição, velocidade, ponto de vista, distância, cena, textura, padrão, sombreamento e coloração (FURNA- LETTI, 2005, p. 39), atributos facilmente observados em mapas animados. O áudio pode ser utilizado de diversas maneiras, desde a narração (fala humana que fornece explicações sintéticas e objetivas), até a música (elemento predominantemente emocional, que atinge principalmente o nível inconsciente, capaz de definir o clima da apresentação e despertar emoções) e os efeitos sonoros (prioritariamente transitórios e breves, enfatizam e destacam apresentações e animações). Contudo, o áudio deve ser utilizado com critério para não se tornar enfadonho e até mesmo se configurar como um ruído na transmissão da informação (FURNA- LETTI, 2005). Um outro conceito que reforça a utilização da multimídia é a hipermídia, que traz em seu bojo uma nova dinâmica de acesso à informação, em que as diversas mídias se encontram interligadas, a fim de permitir uma navegação não linear, que pode ser dirigida pelo usuário. A hipermídia proporciona não só a visualização espacial de um dado geográfico, como também complementa a informação através de textos informativos, imagens e fotografias, que podem ser acessadas através de um link contido na página de um hipermapa (STEIN, 2003). Um hipermapa funciona como uma interface aos dados da hipermídia, podendo estruturar componentes individuais da hipermídia com relação uns aos outros e o mapa (MIRANDA; SOUZA, 2003, p. 349), permitindo uma navegação espacial com a visualização das informações contidas no banco de dados do SIG. Nodari et al. (2006, p. 717) ressaltam os benefícios de um hipermapa turístico: Com o SIG pode-se realizar consultas aos dados de algumas empresas voltadas para o turismo, podendo acessar informações como, por exemplo, telefone e endereço. Também há a possibilidade de atualizar informações espacialmente georreferenciadas, podendo trazer benefícios como um melhor planejamento e expansão de novas áreas e das condições turísticas da região. Outra possibilidade é a elaboração de mapas de acordo com a necessidade do turista. Através dos hipermapas, tornou-se possível a visualização espacial dos diversos elementos de um destino turístico, derivados do banco de dados, e disponibilizados através da internet, como pode ser observado na Figura Esta figura demonstra os resultados apresentados por Steink e Silva (2005), de uma base de informações cartográficas digitais, em formato de SIG, que permite realizar buscas, analisar dados e cruzar informações sobre a distribuição espacial de serviços turísticos, no espaço denominado Plano Piloto de Brasília (DF). Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, p , 2 o sem

6 Rezende, L. A.; Xavier, H. Figura 1 - Tela de trabalho do software Arcview 3.2. Fonte: Steink e Silva (2005, p. 149). Contudo, sites turísticos, no âmbito nacional, têm utilizado ainda de forma incipiente essa tecnologia, seja pelo despreparo dos profissionais do setor ou mesmo pelos altos custos de implementação de um SIG, em que devem ser considerados os custos de aquisição dos hardwares e softwares, o treinamento de pessoal e as técnicas a serem utilizadas (ARAÚJO; SÁ, 2006). Considerações finais Aliado à navegação virtual, o geoprocessamento tem apresentado duas grandes vantagens para o turismo: disponibilização de informações de um inventário turístico, antes somente consultadas pelos planejadores e depois engavetadas; e uma estratégia de marketing turístico evasivo eficiente (pois um maior número de informações é captado pelo inconsciente do usuário), barato e de alcance mundial, que tem diminuído as incertezas do consumidor na hora da compra do produto turístico. A adaptação do SIG à atividade turística tem proporcionado a geração de informações confiáveis para gestão e planejamento do turismo, bem como para disponibilização de informações detalhadas para o usuário. 142 Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, p , 2 o sem. 2008

7 As contribuiçõesdas geotecnologias à atividade turística Contudo, os SIGs adaptados ao turismo ainda estão em processo de desenvolvimento e um possível turismo virtual teria de esperar a incorporação de novas tecnologias capazes de fazer com que o usuário da internet tenha uma experiência turística virtual que se aproxime da realidade da visitação local. Nesse contexto, os profissionais do turismo terão o grande desafio de se qualificar cada vez mais para lidar com os avanços da geotecnologias incorporadas ao turismo, uma vez que essas serão fundamentais para a elaboração de novos produtos turísticos e de formas inovadoras de planejamento e gestão da atividade. Referências ANDRADE, A. F. et al. Produção de uma carta imagem turística e sua disponibilização na internet. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 10, 2001, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: Inpe, p ARAÚJO, A. L.; SÁ, L. A. C. M. Sistemas de geoinformação (SIG) em cidades de pequeno porte: estudo de alternativa para implantação. In: CONGRESSO DE CADASTRO TÉCNICO MULTIFINALITÁRIO E GESTÃO TERRITORIAL, 7, 2006, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFCS, BISSOLI, M. A. M. A. Planejamento turístico municipal com suporte em sistemas de informação. São Paulo: Futura, FURNALETTI, T. L. R. Projeto cartográfico para Web mapas: um caso aplicado ao ecoturismo da Ponta do Gravatá Dissertação (Mestrado) - UFSC, Florianópolis. GONÇALVES, E. S. B. A interação com o usuário na validação do software Oficina de Relatório Dissertação (Mestrado) - UFSC, Florianópolis. MARTINELLI, M. Os mapas da geografia. Disponível em: < br/xxi_cbc/041-c11.pdf>. Acesso em: 20 mai MIRANDA, J. I.; SOUZA, K. X. S. Como publicar mapas na Web. In: SIMPÓSIO BRA- SILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 11, 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Inpe, p MOURA, A. C. M. Geoprocessamento no planejamento e gestão urbanos. Belo Horizonte: A. Mourão, MOURA, A. C. M; OLIVEIRA, S. P; LEÃO, C. Cartografia e geoprocessamento aplicados aos estudos em turismo. Geomática, Santa Maria, v. 1, n. 1, p , NEVES, S. M. A. S. Geotecnologias e turismo no Pantanal matogrossense. In: SIMPÓ- SIO DE GEOTECNOLOGIAS NO PANTANAL, 1, 2006, Campo Grande. Anais... Campo Grande: Embrapa Informática Agropecuária, p NODARI, L. D. T.; BECKER, T.; CANALE, D. P. A aplicação do geoprocessamento como ferramenta de auxílio ao turismo. In: CONGRESSO DE CADASTRO TÉCNICO MULTIFINALITÁRIO E GESTÃO TERRITORIAL, 7, 2006, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFCS, Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, p , 2 o sem

8 Rezende, L. A.; Xavier, H. PEREIRA, A. C. F. Considerações sobre o uso do Spring (Inpe) em cartografia. Disponível em: < Spring-Inpe-Em-Cartografia>. Acesso em: 20 mai RIZZI, P. Visualização cartográfica aplicada ao turismo: uma proposta metodológica. Disponível em: < Acesso em: 20 mai SCALCO, R. F. A cartografia multimídia e a informação turística: uma análise de diferentes maneiras de disponibilizar a informação turística baseada nos recursos do geoprocessamento. Caderno Virtual de Turismo, v. 6. n. 3, p , SLUTER, C. R. Sistema especialista para a geração de mapas temáticos. Revista Brasileira de Cartografia, n. 53, p , dez SOARES FILHO, B. S. Cartografia assistida por computador: conceitos e métodos. Belo Horizonte: Departamento de Cartografia Centro de Sensoriamento Remoto da UFMG, Disponível em: < Acesso em: 20 mai STEIN, M. Design de interfaces para sites: desenvolvimento de uma metodologia orientadora considerando a comunicação entre clientes e usuários Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. STEINKE, V. A.; SILVA, G. B. S. Distribuição espacial de serviços turísticos com base em sistemas de informações geográficas: SIGs no plano piloto de Brasília (DF). Caminhos da Geografia, Distrito Federal, n.12, p , out Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, p , 2 o sem. 2008

Módulo 4. Uso do GPS voltado para coleta de dados e a práticas educacionais.

Módulo 4. Uso do GPS voltado para coleta de dados e a práticas educacionais. UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura Plena em Geografia Disciplina: Cartografia B Carga Horária: 60hs Teórica: 32hs Prática: 28hs Semestre: 2013.2 Professor: Antonio Marcos dos

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICO (SIG) DOS SERVIÇOS TURÍSTICOS DO CENTRO DE PELOTAS-RS Autor(es): Apresentador: Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: SCHMIDT, Kelly Raquel; RAMOS, Maria da Graça

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCENDGEOCPLIC01-P ENSINO À DISTÂNCIA DE CARTOGRAFIA PARA PROFESSORES DE GEOGRAFIA José Yure Gomes dos Santos (1), Jefferson José Gonçalves Sales (1), Richarde Marques da Silva (3), Maria de Fátima Ferreira

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

OBSERVATÓRIO RIO DAS METROPOLES NÚCLEO RM NATAL (CCHLA-UFRN) & GRUPO DE GOPROCESSAMENTO DO NORDESTE (CRN INPE)

OBSERVATÓRIO RIO DAS METROPOLES NÚCLEO RM NATAL (CCHLA-UFRN) & GRUPO DE GOPROCESSAMENTO DO NORDESTE (CRN INPE) OBSERVATÓRIO RIO DAS METROPOLES NÚCLEO RM NATAL (CCHLA-UFRN) & GRUPO DE GOPROCESSAMENTO DO NORDESTE (CRN INPE) APRESENTAÇÃO 1. O ATLAS SOCIO-ECONÔMICO-AMBIENTAL DA RM NATAL, COM BASE EM APLICATIVO DESENVOLVIDO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional

Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Autoria Multimídia: o uso de ferramentas multimídia no campo educacional Douglas Vaz, Suelen Silva de Andrade Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {doug.vaz,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

CTGEO ESCOLA. Abaixo algumas respostas das principais dúvidas do SIG CTGEO ESCOLA. E entre elas,

CTGEO ESCOLA. Abaixo algumas respostas das principais dúvidas do SIG CTGEO ESCOLA. E entre elas, CTGEO ESCOLA Abaixo algumas respostas das principais dúvidas do SIG CTGEO ESCOLA. E entre elas, algumas imagens ressaltando um pouco do que ele pode oferecer. 1) O que é Geoprocessamento? É o relacionamento

Leia mais

Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura

Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento Engenharia Agrícola Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Disciplina: Seminário I Sistema de Informação Geográfica Aplicado na Agricultura

Leia mais

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA

AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA AULA 5 O E-BUSINESS E OS SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES E DE INFORMAÇÃO EXECUTIVA APOIO ÀS DECISÕES DE E-BUSINESS E SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES Conceito O conceito básico de e-business é simples: negócios

Leia mais

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias?

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia O Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 18 a 20 de maio de 2012 Universidade Federal de Rio Grande FURG Rio Grande

Leia mais

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL*

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* BOLFE, É. L. 1 I. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer os modelos atuais de uso da terra e as modificações

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco

I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O. J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco I STRUME TOS DIGITAIS COMO SUPORTE DE A ÁLISE DO ESPAÇO URBA O J. De ardin, R. A. Ribeiro e J. Francisco RESUMO O presente artigo trata de parte de metodologia adotada para o desenvolvimento da dissertação

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações

Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações 2ª Circular Nesta 2º Circular divulgamos as seguintes informações 1. Prazos e Normatizações dos EDP s (Espaços de Diálogos e Práticas) 2. Prazos e Normatizações das Oficinas e Mini-Cursos 3. Valores de

Leia mais

SIGs. Gerais e específicos

SIGs. Gerais e específicos SIGs Gerais e específicos Gerais ArcView É o SIG mais popular do mundo É possível: Usar a informação geográfica para apoiar na tomada de decisão; Visualizar e analisar dados espaciais; Criar e manter conjuntos

Leia mais

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações

Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Apresentação do Banco de Dados Mundial sobre Fortificações Roberto Tonera Projeto Fortalezas Multimídia - Universidade Federal de Santa Catarina Brasil projeto@fortalezasmultimidia.com.br artonera@hotmail.com

Leia mais

Proposta para implantação e utilização de gerenciador corporativo de imagens georreferenciadas na CEMIG

Proposta para implantação e utilização de gerenciador corporativo de imagens georreferenciadas na CEMIG 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE Proposta para implantação e utilização de gerenciador corporativo de imagens georreferenciadas na CEMIG Carlos Alberto Moura Ricardo Crispim Costa Fernando Iran Fonseca

Leia mais

Por que Geoprocessamento?

Por que Geoprocessamento? Um pouco sobre a NOSSA VISÃO Processamento Digital é um endereço da Web criado pelo geógrafo Jorge Santos com objetivo de compartilhar dicas sobre Geoprocessamento e Software Livre. A idéia surgiu no ano

Leia mais

Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação

Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação Geotecnologias no planejamento ambiental de trilhas em unidades de conservação Msc. Hélio Beiroz Sistema LABGIS hbeiroz@labgis.uerj.br www.labgis.uerj.br Definições Geotecnologias Conjunto de tecnologias

Leia mais

A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS

A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS A paisagem rural e a atividade turística: aplicação da cartografia temática na representação visual da zona rural de Pelotas, RS Rafael Cruz da Silva 1 Resumo O turismo representa uma atividade de grande

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1

SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 SEQUÊNCIA DIDÁTICA UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA O ENSINO DE GEOGRAFIA 1 QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais- IFSULDEMINAS Universidade

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 13. CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Área de atuação O curso pretende formar o arquiteto pleno, capacitado a atuar nos diversos âmbitos

Leia mais

O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1.

O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1. O Estado da Prática Profissional em Engenharia de Software na Cidade de Lavras/MG e Proposta de um Portal Web visando relacionamento e capacitação 1. André Luiz Zambalde Universidade Federal de Lavras

Leia mais

CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CADASTRO DE METADADOS POR SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO (SGBD) EM SIG PARA UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Raphael de Oliveira Fernandes Vivian Castilho da Costa

Leia mais

Consultoria Acústica Industrial e Urbana

Consultoria Acústica Industrial e Urbana Consultoria Acústica Industrial e Urbana A LCS Consultoria Acústica foi criada com a finalidade específica de prestar um serviço especializado em assuntos relacionados com o ruído industrial e urbano.

Leia mais

Planificação de. Aplicações Informáticas B

Planificação de. Aplicações Informáticas B Escola básica e secundária de Velas Planificação de Aplicações Informáticas B Ano letivo 2011/2012 1- Introdução à Programação Planificação de Aplicações Informáticas B Unidade Sub-Unidades Objetivos Conteúdos

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE SERVIÇOS TURÍSTICOS COM BASE EM SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG S NO PLANO PILOTO DE BRASÍLIA (DF) 1

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE SERVIÇOS TURÍSTICOS COM BASE EM SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS - SIG S NO PLANO PILOTO DE BRASÍLIA (DF) 1 CAMINHOS DE GEOGRAFIA - revista on line http://www.ig.ufu.br/revista/caminhos.html ISSN 1678-6343 Instituto de Geografia ufu Programa de Pós-graduação em Geografia DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE SERVIÇOS TURÍSTICOS

Leia mais

Desenvolvimento de um sistema web para a divulgação das empresas da cidade de São Sebastião do Paraíso - MG

Desenvolvimento de um sistema web para a divulgação das empresas da cidade de São Sebastião do Paraíso - MG Desenvolvimento de um sistema web para a divulgação das empresas da cidade de São Sebastião do Paraíso - MG Henrique de Oliveira Graduando em Sistemas de Informação Fernando Roberto Proença Mestre em Ciência

Leia mais

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo.

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo. 1. DATACENTER 1.1. Hospedagem simples de servidor (colocation) Fornecimento de alocação de espaço e infraestrutura de alta disponibilidade no Datacenter da PRODEPA para hospedagem de equipamentos de propriedade

Leia mais

Investigação sobre o uso do ambiente Moodle pelos professores de uma instituição de ensino superior pública

Investigação sobre o uso do ambiente Moodle pelos professores de uma instituição de ensino superior pública Investigação sobre o uso do ambiente Moodle pelos professores de uma instituição de ensino superior pública Eixo temático 2: Formação de professores e cultura digital 1 Ana Paula Ferreira Sebastião 2 Rosemary

Leia mais

Plataforma. Portal Educacional

Plataforma. Portal Educacional Plataforma Portal Educacional O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil Especializado em soluções que incorporam Tecnologia da Informação à Educação e à Modernização da Administração Pública, o Grupo Actcon

Leia mais

Modelo de Formulário

Modelo de Formulário Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal 1. Identificação Pessoal CPF.. -- Nome Completo Sexo Masculino Feminino Data de Nascimento / / Endereço Número Complemento Bairro Cidade UF CEP

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Aneo II - Termo de Referência 1. Antecedentes O projeto BRA/11/001 tem como objetivo cooperar, por meio de suporte técnico ao Ministério do Meio Ambiente, para a implementação dos dispositivos da Convenção

Leia mais

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu.

Professora Dra.Jussara dos Santos Rosendo Orientadora e Professora -Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: jussara@facip.ufu. O Programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Município de Ituiutaba MG Laíza Castro Brumano Viçoso Bolsista de IC/ FAPEMIG - Universidade Federal de Uberlândia UFU E-mail: laizabrumano@hotmail.com

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE TRANUS COMO APOIO À ENGENHARIA DE TRÁFEGO E TRANSPORTE URBANO 1. INTRODUÇÃO Atualmente a tecnologia vem se desenvolvendo cada vez mais rápido para suprir as necessidades da população.

Leia mais

SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO DO SOLO UTILIZANDO O SOFTWARE I3GEO

SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO DO SOLO UTILIZANDO O SOFTWARE I3GEO INSTITUTO DE ESTUDOS SUPERIORES DA AMAZÔNIA CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANDERSON CARLOS SOUSA CALIL NILMA JOSY SILVA DA SILVA SOLUÇÃO PARA SOCIALIZAÇÃO DE BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E ANÁLISE DE APTIDÃO

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

1. Identificação Pessoal

1. Identificação Pessoal Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal Este formulário é idêntico ao eletrônico! Se sua opção for pelo preenchimento manual desta pesquisa, sugerimos que imprima este formulário e

Leia mais

Amberg Rail Mais Eficiente. Mais Flexível. Mais Abrangente.

Amberg Rail Mais Eficiente. Mais Flexível. Mais Abrangente. Amberg Rail Mais Eficiente. Mais Flexível. Mais Abrangente. Parceiro: Amberg Rail Por mais de 25 anos, a empresa suíça Amberg Technologies, com atuação mundial, tem sido uma das principais fornecedoras

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações:

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: SUPLEMENTO Nº 02 O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: 1. A data limite de acolhimento de propostas fica alterada para 19.02.2008. 2. A CLÁUSULA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no mundo e no Brasil.

Leia mais

(in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.)

(in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.) CARTOGRAFIA Sensoriamento Remoto (in: SENE, Eustáquio. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo, SP: Scipione, 2010.) Sensoriamento remoto é o conjunto de técnicas de captação e registro de imagens a distância

Leia mais

ANEXO 01. CURSO/Universidade: Licenciatura em Turismo/UFRRJ

ANEXO 01. CURSO/Universidade: Licenciatura em Turismo/UFRRJ ANEXO 01 CURSO/Universidade: Licenciatura em /UFRRJ SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES PERFIL

Leia mais

Uso de imagens de satélites como linguagem não verbal no ensino de Geografia do ensino médio paulista. Maria Francisca da Fonseca Higuchi

Uso de imagens de satélites como linguagem não verbal no ensino de Geografia do ensino médio paulista. Maria Francisca da Fonseca Higuchi Uso de imagens de satélites como linguagem não verbal no ensino de Geografia do ensino médio paulista Maria Francisca da Fonseca Higuchi Escola Estadual Olga Chakur Farah Av. Antonio Paulino de Miranda

Leia mais

Bancos de Dados e Observatório Virtual

Bancos de Dados e Observatório Virtual Bancos de Dados e Observatório Virtual Relatório Resumido Sub-comissão da CEA 17 de março de 2010 Albert Bruch (Relator), Claudio Bastos Pereira, Haroldo Campos Velho, Luiz Nicolaci da Costa, Paula R.T.

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS

A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS 66 A DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DO TRÁFICO DE DROGAS EM BELO HORIZONTE E SUAS CORRELAÇÕES ESPACIAIS Resumo Nina Ferraz Tolentino 1 Orientador: Alexandre Magno Alves Diniz 2 O aumento da violência ao longo

Leia mais

G E O P R O C E S S A M E N T O N A N U V E M

G E O P R O C E S S A M E N T O N A N U V E M G E O P R O C E S S A M E N T O N A N U V E M A empresa Com 16 anos de experiência, a Tecnomapas fornece soluções tecnológicas para diversas instituições públicas do país que abrangem as áreas de licenciamento

Leia mais

Contagem da População 2015

Contagem da População 2015 Contagem da População 2015 A nossa realidade Um país de dimensões continentais com 8.515.767 km 2, caracterizado por uma diversidade de paisagens ímpar, dos pampas gaúchos até a floresta Amazônica, com

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

O que é comunicação visual?

O que é comunicação visual? artesanato Boletim comunicação visual para o artesanato O que é comunicação visual? Esse meio de comunicação, muitas vezes, é melhor do que o escrito, principalmente quando se deseja utilizar a mensagem

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO

SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO SENI: UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM CUSTOMIZADO A PARTIR DO MOODLE PARA ATENDIMENTO DE UM GRANDE PÚBLICO Salvador BA 05/2011 Elson Cardoso Siquara SENAI-BA elsoncs@fieb.org.br Fábio Britto de Carvalho

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Mindset Webcasting. Mindset Comunicação e Marketing. Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet.

Mindset Webcasting. Mindset Comunicação e Marketing. Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet. Mindset Webcasting Mindset Comunicação e Marketing Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet. O que é webcast? Webcast é a captura e transmissão via internet

Leia mais

SARESTA SISTEMA DE RESTABELECIMENTO INTEGRADO AO SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE DISTRIBUÍDO DA CEMIG

SARESTA SISTEMA DE RESTABELECIMENTO INTEGRADO AO SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE DISTRIBUÍDO DA CEMIG GOP / 08 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO IX OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GOP) SARESTA SISTEMA DE RESTABELECIMENTO INTEGRADO AO SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE DISTRIBUÍDO

Leia mais

USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS

USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 USO DO INFOAMBIENTE COMO FERRAMENTA PARA CARACTERIZAÇÃO DOS LOCAIS ONDE FORAM IDENTIFICADAS ADVERTÊNCIAS AMBIENTAIS Adriano Peixoto Panazzolo*, Chaiana Teixeira, Daniela

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE

USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE USO DO GEOPROCESSAMENTO APLICADO À GESTÃO DE SISTEMAS DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO RIO GRANDE DO NORTE Adriana Dias Moreira PIRES (1); Bruno César Dias de ALBUQUERQUE (2); Daniel Bruno Alves dos SANTOS

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

AV@S: UMA SOLUÇÃO PARA GESTÃO DE EAD BASEADA NA INTEGRAÇÃO DE INSTALAÇÕES MOODLE

AV@S: UMA SOLUÇÃO PARA GESTÃO DE EAD BASEADA NA INTEGRAÇÃO DE INSTALAÇÕES MOODLE 1 AV@S: UMA SOLUÇÃO PARA GESTÃO DE EAD BASEADA NA INTEGRAÇÃO DE INSTALAÇÕES MOODLE Salvador BA 05/2012 Categoria: Métodos e Tecnologias Setor Educacional: Educação Média e Tecnológica Classificação das

Leia mais

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia marinas.araujo@hotmail.com Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

COMPATIBILIZANDO CADASTROS

COMPATIBILIZANDO CADASTROS COMPATIBILIZANDO CADASTROS EM PROJETO SIG Cristiane Vaz Domingues cristiane.vaz@uol.com.br FOTOGRAFIA Hoje nas instituiçõesições públicas existem: informações repetidas e/ou complementares distribuídas

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL. Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD. DESENHISTA DE PRODUTOS GRÁFICOS WEB 180 horas

FORMAÇÃO INICIAL. Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD. DESENHISTA DE PRODUTOS GRÁFICOS WEB 180 horas FORMAÇÃO INICIAL Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD DESENHISTA DE PRODUTOS GRÁFICOS WEB 180 horas (144 horas à distância e 36 horas presencial) ÁREA PROFISSIONAL: Tecnologia da

Leia mais

REPOSITÓRIO EDUCACIONAL ABERTO PARA SURDOS: UMA PRIMEIRA ABORDAGEM

REPOSITÓRIO EDUCACIONAL ABERTO PARA SURDOS: UMA PRIMEIRA ABORDAGEM GT8 - Informação e Tecnologia Modalidade de apresentação: Pôster REPOSITÓRIO EDUCACIONAL ABERTO PARA SURDOS: UMA PRIMEIRA ABORDAGEM Romario Antunes da Silva Universidade Federal de Santa Catarina Rosângela

Leia mais

INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO?

INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO? 1 INTRODUÇÃO 1.1 POR QUE GEOPROCESSAMENTO? O termo Geoprocessamento denota a disciplina do conhecimento que utiliza técnicas matemáticas e computacionais para o tratamento da informação geográfica. Esta

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

CONSULTORIA E SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA GESTÃO INTELIGENTE DE REDES Julho 2015

CONSULTORIA E SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA GESTÃO INTELIGENTE DE REDES Julho 2015 CONSULTORIA E SOLUÇÕES INTEGRADAS PARA GESTÃO INTELIGENTE DE REDES Julho 2015 1 Sumário Quem Somos Produtos e Soluções Descrição do Produto Contato 2 Quem somos BRSIG é uma empresa de Gestão de Informações

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

RELATO DA EXPERIÊNCIA DE SE CRIAR O WEB SITE DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

RELATO DA EXPERIÊNCIA DE SE CRIAR O WEB SITE DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO RELATO DA EXPERIÊNCIA DE SE CRIAR O WEB SITE DO SERVIÇO DE BIBLIOTECA E DOCUMENTAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Suely Campos Cardoso, Fabíola Rizzo Sanchez, Maria Fazanelli Crestana,

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS

DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS DO IMPRESSO AO DIGITAL: AS NOVAS PRÁTICAS DE LEITURA E O ACESSO AS BIBLIOTECAS GIOVANA CAIRES MOTTA (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA). Resumo A transposição do texto impresso para o meio digital coloca

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL rocha. e.b Geógrafo - Mestrando em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

www.snowx.com.br The Ultimate Design

www.snowx.com.br The Ultimate Design www.snowx.com.br +55-13 - 3473.3792 / ID 117*11741 Rua Mococa - nº 379 - Sala 2 - Boqueirão Praia Grande - SP - CEP 11701-100 Só atendemos com hora marcada. 09:00 às 12:00 / 13:30 às 17:00 Segunda a Sexta-Feira

Leia mais

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 Naziozênio A. LACERDA (UFPI/UFMG) 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência de uso da tecnologia do hipertexto

Leia mais

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO PARA ESTUDOS ECOLÓGICOS DA REGIÃO DA SUB-BACIA DO RIO CAPIVARI-BA NOS MUNICÍPIOS DE CRUZ DAS ALMAS, MURITIBA E SÃO FÉLIX. Autor: Gabriel Barbosa Lobo Instituição: Escola

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA Profa. Reane Franco Goulart Administrador de banco de dados O Administrador de banco de dados (DBA - DataBase Administrator) é responsável por manter e gerenciar bancos

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail. O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.com RESUMO Este artigo tem como objetivo refletir sobre as abordagens do

Leia mais

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI janaegm@univali.br

Leia mais

Reunião de Coordenadores de Projetos e Programas PROEXT 2014 MEC/SESU, Linha Temática 5: Desenvolvimento Urbano

Reunião de Coordenadores de Projetos e Programas PROEXT 2014 MEC/SESU, Linha Temática 5: Desenvolvimento Urbano UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Pró-reitoria de Extensão (ProEx) Reunião de Coordenadores de Projetos e Programas PROEXT 2014 MEC/SESU, Linha Temática 5: Desenvolvimento Urbano SISTEMA DE INFORMAÇÃO

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB

18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB 18º Congresso de Iniciação Científica IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE TESTE DE APLICAÇÕES WEB Autor(es) HARLEI MIGUEL DE ARRUDA LEITE Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ

Leia mais

Assistentes Virtuais Inteligentes

Assistentes Virtuais Inteligentes Assistentes Virtuais Inteligentes Excelência e Redução de Custo Operacional WHITEPAPER OFERECEMOS RECORDAÇÕES E EXPERIÊNCIAS ENCANTADORAS We offer amazing memories and experiences Ofrecemos preciosos recuerdos

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios

Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Assunto 9 : Tecnologias de Inteligência Artificial nos Negócios Empresas e outras organizações estão ampliando significativamente suas tentativas para auxiliar a inteligência e a produtividade de seus

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores TDIC: FORMAR OU NÃO FORMAR PROFESSORES PARA SEU USO? Eugenio Maria De França Ramos, Adriel

Leia mais

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Programa 0360 Gestão da Política Agropecuária Numero de Ações 11 Ações Orçamentárias 10HD Implantação do Projeto de Melhoria da Infra-estrutura da Sede do MAPA Produto: Projeto implantado Unidade de Medida:

Leia mais

TCC CURSO POS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO DESIGN INSTRUCIONAL ROTEIRO DO PROJETO DE DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO

TCC CURSO POS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO DESIGN INSTRUCIONAL ROTEIRO DO PROJETO DE DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO TCC CURSO POS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO DESIGN INSTRUCIONAL ROTEIRO DO PROJETO DE DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO 1. INTRODUÇÃO 1.1. CONTEXTO EM QUE O PROJETO SERÁ REALIZADO: Dados Gerais sobre a instituição

Leia mais