ALTERNÂNCIA NO PODER: ALTERNÂNCIA NO DISCURSO? Uma visão da Análise de Discurso Crítica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALTERNÂNCIA NO PODER: ALTERNÂNCIA NO DISCURSO? Uma visão da Análise de Discurso Crítica"

Transcrição

1 Maria Lílian de Medeiros Yared 1, Vilma Pereira 2, Noélia Maria Ribeiro da Silva 3, Paola Daniela Bakker 4, Leandro de Castro Siqueira 5 ALTERNÂNCIA NO PODER: ALTERNÂNCIA NO DISCURSO? Uma visão da Análise de Discurso Crítica Brasília, Mestre e doutoranda em Linguística pela Universidade de Brasília, Analista Legislativo da Câmara dos Deputados. 2 Especialista em Processo Legislativo pelo CEFOR, Analista Legislativo da Câmara dos Deputados. 3 Especialista em Análise de Discurso pelo UNICEUB, Analista Legislativo da Câmara dos Deputados. 4 Bacharel em Ciência da Administração, Analista Legislativo da Câmara dos Deputados. 5 Mestre em Ecologia pela UnB, Analista Legislativo da Câmara dos Deputados.

2 2 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO ALTERNÂNCIA NO PODER: ALTERNÂNCIA NO DISCURSO? Uma visão da Análise de Discurso Crítica AUTORES: 1) Nome completo: Maria Lilian de Medeiros Yared (Coordenadora) Instituição/Local de Trabalho: Câmara dos Deputados/DETAQ Ponto/Matrícula Endereço: Esplanada dos Ministérios Câmara dos Deputados Anexo II Ramal: Endereço Residencial: SMPW Q. 15 conj. 03 lote 07 casa A Telefone Residencial: Link para LATTES: 2) Nome completo: Vilma Pereira (membro) Instituição/Local de Trabalho: Câmara dos Deputados DETAQ/COHID Ponto/Matrícula: 1616 Endereço: Esplanada dos Ministérios CD - Anexo II - DETAQ Ramal: Endereço Residencial SQN Bloco E-Apto Asa Norte Telefone Residencial: Link para LATTES:

3 3 3)Nome completo: Noélia Maria Ribeiro da Silva (membro) Instituição/Local de Trabalho: Ponto/Matrícula: 5845 Endereço: Esplanada dos Ministérios, DETAQ, Anexo II. Ramal: Endereço Residencial: SQN 105 Bloco K ap. 303 Telefone Residencial: Link para LATTES: 4)Nome completo: Paola Daniela Bakker (membro) Instituição/Local de Trabalho: Câmara dos Deputados - DETAQ Ponto/Matrícula: 5886 Endereço: Esplanada dos Ministérios, CD, DETAQ. Ramal: Endereço Residencial: SMDB Conj. 12-C lote 03 casa C. Telefone Residencial: Link para LATTES: 5) Nome Completo: Leandro de Castro Siqueira Instituição/local de trabalho: Câmara dos Deputados DETAQ Ponto/Matrícula: 5884 Endereço: Esplanada dos Ministérios, CD, DETAQ. Endereço residencial: SQSW Q. 303 Bloco I ap. 102 Telefone residencial: Link para Lattes:

4 4 Linha de Pesquisa: Política Institucional do Poder Legislativo: Comunicação e Educação para a Democracia. Data: 26.02/2012 Resumo: O presente projeto de pesquisa pretende fazer um levantamento histórico-discursivo de discursos e debates parlamentares ocorridos em dois períodos (1994 a 2002 e 2003 a 2010). Após a escolha dos textos, serão realizadas análises discursivas com base nas seguintes teorias/metodologias: Análise de Discurso Crítica; Linguística Sistêmico-Funcional e Teoria Semiótica-Social da Multimodalidade. O objetivo principal é observar as mudanças na ordem do discurso frente a mudanças político-partidárias. 2 APRESENTAÇÃO Atribui-se a um político do segundo Império na História do Brasil, Holanda Cavalcanti, referindo-se às diferenças entre o Partido Conservador (conhecidos como Os Luzias ) e o Partido Liberal (conhecidos como Os Saquaremas ), a seguinte frase: nada mais parecido com um saquarema do que um luzia no poder". 6 Com a posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na Presidência da República, em 2002, o Partido dos Trabalhadores, que, desde 1979 fazia oposição pertinaz contra os governos da situação, assume o poder. Observando as manifestações dos representantes da oposição e da situação no Congresso Nacional, em 1998 (PT oposição) e 2003(PT situação) agora com papeis invertidos, verifica-se uma alteração no discurso político. GOVERNO FERNANDO HENRIQUE CARDOSO No governo Fernando Henrique Cardoso, na votação da Proposta de Emenda constitucional 33, de 1995 (Reforma da Previdência Social): O Deputado Arlindo Chinaglia (PT- São Paulo), falando pela oposição, assim se manifestou: 6 VIAGEM INCOMPLETA. a experiência brasileira ( ) : a grande transação./ Carlos Guilherme Mota (Organizador)-2. ed. São Paulo: Editora SENAC, São Paulo, 2000, p Acesso em:http://books.google.com.br/books?id=dgh3vq5pkqoc&pg=pa188&

5 5 Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, demais presentes nesta Casa, neste momento, tenho a responsabilidade de falar contra esta contra-reforma, onde... parte dos deputados da base governista tiveram uma atitude de absoluta subordinação ao Poder Executivo...Na fase de transição, ao estabelecer a idade mínima de 53 anos para o homem e 48 anos para a mulher, a reforma cria uma situação inaceitável:...é uma quebra do contrato social, é uma violência à própria legalidade do País! 7 Pode-se observar que, em sua argumentação, o Parlamentar recorre aos seguintes recursos semióticos: metáforas de luta (com a personificação de legalidade ) e avaliatividade (violência à própria legalidade do País). Em termos de estrutura argumentativa, é procedente afirmar que, nesse trecho, a argumentação do Deputado está ancorada em elementos do pathos discursivo (emotivo). As visões de mundo servem como premissas para a linha argumentativa. Isso caracteriza bem o discurso tipicamente de oposição. O Deputado José Carlos Aleluia (PFL, Bahia), falando pela Situação assim se manifestou: Lamento o fato de essa reforma ser tímida e de ser necessária outra reforma. Não é possível continuar com a farsa de que a Previdência é capaz de pagar a todos, sem que todos contribuam. Não conheço nenhum pobre que se tenha aposentado com 40 anos. Sr. Presidente, para concluir, vamos aprovar para o bem do povo brasileiro uma Previdência séria, para que o Governo brasileiro possa ter um Orçamento equilibrado e, depois disso, investir maciçamente em programas sociais, não para privilegiados, mas para a base da pobreza do povo brasileiro. 8 Em relação ao trecho acima, é procedente observarmos que, no primeiro parágrafo deste trecho, os argumentos do orador não necessariamente se constituem em argumentos explicativos ou justificativos, mas são argumentos avaliativos (reforma tímida, continuar com a farsa) e, especialmente na última oração do primeiro parágrafo, o recurso utilizado é uma argumentação com base em um conhecimento pessoal, uma visão de mundo partilhada como pressuposição social: a aposentadoria precoce ocorre apenas àqueles mais favorecidos economicamente. 7 DIÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, 12 de fevereiro de 1995, p , DIÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, 12 de fevereiro de 1988, p. 4054

6 6 No último parágrafo do trecho, é relevante para a análise observarmos a pressuposição avaliativa que serve como argumentação (para o bem do povo brasileiro), a avaliação (Previdência séria) e outra pressuposição que está por trás da última oração: o Governo não investe em programas sociais por causa do alto custo da Previdência, o que representa um desequilíbrio do orçamento. GOVERNO LUIZ INÁCIO DA SILVA No Governo Luiz Inácio Lula da Silva, na votação da Proposta de emenda constitucional 40, de 2003 (Reforma da Previdência Social) falando pela situação: O Deputado Arlindo Chinaglia, agora falando pela situação: Quero agora falar especificamente aos servidores públicos... Os que tinham a expectativa de se aposentar com 53 ou 48 anos de idade, após a proposta de reforma aprovada no primeiro turno, terão de trabalhar mais 7 anos até completar a idade mínima... A gênese dessa reforma não é necessariamente a vontade do governo Federal. Quando vêm cobrar do PT isso não nos incomoda coerência, pergunto ao Deputados de todos os partidos, particularmente do PFL e do PSDB: por que seus Governadores não vêm a público dizer que são contra a reforma da Previdência? Indago aos servidores públicos do Brasil: se o Presidente não fosse o Lula, se a maioria não fosse composta de partidos como o PT e Outros, será que a proposta de reforma não seria como aquela primeira do Governo passado, do modelo chileno de privatização? A bancada do PT é favorável ao projeto e continuará a defender as minorias. 9 Neste momento, podemos observar uma mudança na ordem do discurso. A ordem do discurso é o aspecto semiótico da rede composta pelos três significados textuais: discurso, gêneros e estilos. Neste trecho, o estilo do orador foi modificado, em relação ao outro discurso (de oposição): agora há baixa avaliatividade, ausência de metáforas como argumentação. Na última oração do trecho, constituída pelo voto do orador, podemos observar, ao lado do voto, uma afirmação que pode ser considerada uma justificativa para o voto. 9 DIÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, 28 de agosto de 2003, p

7 7 A seguir, temos outro trecho discursivo, do Deputado José Carlos Aleluia, falando pela oposição. Sr. Presidente, de antemão aviso aos companheiros, sobretudo aos da base do Governo, que serei breve. Sei que estão ansiosos para se livrar desse fardo que transportam com muita dificuldade. Viajando pelo Brasil, pude perceber a agonia desses companheiros quando chegam aos seus estados e encontram seus eleitores funcionários públicos. Sr. Presidente, hoje não é um dia de alegria. Diria que não existem vitoriosos. Estamos todos muito tristes. O único resultado disso é uma melhoria do caixa do governo da União, sobretudo deste. Portanto, nada temos a comemorar. Sr. Presidente, é uma pena que se faça uma reforma com medo do Palácio do Planalto. A voz do Palácio do Planalto leva os deputados a registrarem seus votos no Plenário. Isso não é bom para a democracia. 10 Novamente, podemos observar, no discurso opositor, de um Parlamentar que não está na Situação, a presença maior de avaliatividade e baixa modalização, com uso de metáfora de guerra (vitoriosos). É possível afirmar que o aspecto identificacional (estilo) está mais presente nesse tipo de discurso. 3 PROBLEMA O discurso partidário na Câmara dos Deputados muda quando há a mudança dos Deputados da condição de oposição para situação? A ideologia partidária muda? Podemos verificar essas mudanças em sua dimensão semântica? Essas mudanças podem ser verificadas na análise interdiscursiva, que procura incorporar elementos do contexto à análise dos textos No caso da prática social do Parlamento, há uma configuração mais ou menos estável da ordem do discurso, ou seja, há uma forma mais recorrente de agir, de representar e de se identificar. No caso, podemos esperar certa estrutura discursiva de um Parlamentar dito de esquerda, levando em consideração também o contexto político-histórico. Em relação à interdiscursividade como ferramenta primordial para a análise discursiva, Fairclough afirma: 10 DIÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, 28 de agosto de 2003, p

8 8 A análise interdiscursiva é um traço distintivo e central desta versão da Análise de Discurso Crítica. Ela permite incorporar elementos do contexto à análise dos textos, para mostrar a relação entre eventos ocasionais concretos e práticas sociais mais duráveis, para mostrar inovação e mudança nos textos, e tem um papel mediador em permitir a conexão entre os recursos linguísticos e semióticos dos textos e os processos de mudança social em uma escala mais ampla (FAIRCLOUGH, in Critical Discourse Analysis) As pesquisas em Análise de Discurso Crítica implicam detalhada análise textual e semiótica, bem como detalhada análise da interdiscursividade, ou seja, como os diversos gêneros, discursos e estilos se articulam. Neste projeto, vamos verificar os gêneros mais utilizados (deliberação ou apenas discussão.) A primeira leitura dos trechos discursivos presentes neste projeto sugere que a mudança de status de situação para oposição ou vice-versa muda também a ideologia, a visão de mundo, a Weltanschauung dos Parlamentares. Essa mudança pode ser observada na mudança discursiva, realizada pelos recursos semióticos. Dessa forma, poderíamos analisar até que ponto o discurso do poder influencia o discurso Parlamentar, independente de afiliação partidária. E o discurso opositor ao discurso do poder pode ser visto estruturalmente como um antagonismo construído com premissas emocionais, com o uso de metáforas (lexicais e gramaticais), de avaliações e com baixa modalização. 4 OBJETIVOS Avaliar a estrutura argumentativa dos discursos de deputados favoráveis ou contrários à votação de importantes matérias quando alinhados aos partidos de oposição ou de apoio ao Governo Federal. Além da estrutura argumentativa, pretendemos avaliar os usos dos recursos semióticos, especialmente da lexicogramática, de acordo com o posicionamento discursivo, verificando o uso das metáforas gramaticas (especialmente de modo) e lexicais e a dimensão interpessoal da linguagem. Pretendemos verificar como as mudanças nas práticas sociais e políticas influenciam em mudanças discursivas. Este estudo também objetiva a análise da estrutura de funcionamento discursivo do gênero deliberação no Parlamento brasileiro, com suas diversas

9 9 atividades como discussão e votação da matéria, encaminhamento de votação, leitura do voto do Relator, etc. 5 JUSTIFICATIVA A frase "nada mais parecido com um saquarema do que um luzia no poder", dita em relação ao Partido Liberal e o Partido Conservador do Segundo Império no Brasil, significou que, apesar das diferenças políticas entre os dois partidos, em algumas decisões no Parlamento se comportavam da mesma maneira, porque superadas as pequenas divergências, eram fundamentalmente semelhantes. Entretanto, no caso do Partido dos Trabalhadores e os Partidos da Frente Liberal e o da Social Democracia Brasileira, as diferenças programáticas e ideológicas são muito acentuadas. Pretende-se analisar se estas diferenças se mantiveram nos discursos dos Parlamentares nos períodos dos Governos Fernando Henrique Cardoso e do Governo Luiz Inácio Lula da Silva, formados pelas bases partidárias comandadas por estes partidos. É importante para a democracia analisar os discursos parlamentares para termos consciência de como são feitas as deliberações que definem os rumos da vida política e social do País, a fim de que possamos ampliar a conquista de uma cidadania cada vez mais consistente. Sabemos que política implica argumentação prática, atividades de discussão que levam a deliberações. As decisões políticas regem a vida da sociedade e, por isso, devem ser mais bem conhecidas pela população em geral, com o intuito de fortalecer a Nação e suas instituições. Esse estudo permitirá o conhecimento dos diversos gêneros discursivos do Parlamento brasileiro e suas funções nas sessões deliberativas e, seguidamente, nos rumos da vida econômica, social e política brasileira. Estudaremos os processos discursivos da deliberação, gênero parlamentar por excelência, composta de várias atividades, como discussão da matéria, orientação de bancada, leitura do voto do Relator. Esse conhecimento sobre os

10 10 processos discursivos do nosso Parlamento poderá contribuir para o fortalecimento da consciência cidadã da população brasileira. 6 REVISÃO DA LITERATURA Desde Aristóteles, já havia uma preocupação com o estudo do discurso político (Ética a Nicômano). Segundo Aristóteles, o orador com alto poder de convencimento/ persuasão é aquele que consegue reunir, de forma harmônica, em seu discurso, o pathos (emoção); o ethos (comportamento) e o logos (racionalização). Estudar os discursos políticos sempre foi visto como primordial para o desenvolvimento da consciência de cidadania de qualquer grupo social. A Análise de Discurso Crítica é uma teoria/metodologia criada por Fairclough, que busca estabelecer uma conexão entre a análise textual/ linguística e a análise do contexto social no qual o texto foi produzido. Dessa forma, a teoria busca mostrar como o discurso molda o social e é moldado por ele. Há uma relação dialética entre o discurso e as práticas sociais a mudança nas práticas sociais pode levar à mudança discursiva e a mudança discursiva pode transformar as práticas sociais. Vários pesquisadores linguistas escrevem e produzem trabalhos nessa linha, sobre os mais variados temas sociais: política, economia, racismo, sexismo, pobreza, etc. Podemos destacar Ruth Wodak, pesquisadora da Universidade de Lancaster, que estuda os rumos da política europeia na nova ordem econômica. No Brasil, na Universidade de Brasília, a Profa. Izabel Magalhães criou a área de pesquisa intitulada Discursos, Representações Sociais e Textos. Naquela instituição, muitas pesquisas são feitas, direcionadas à análise de questões sociais, políticas e econômicas, em seu aspecto linguístico e semiótico. Destaca-se a pesquisa sobre crianças em situação de rua, das Profas. Viviane Resende e Viviane Ramalho. Também há diversas pesquisas sobre discurso político, com a Profa. Denize Helena, que também é vice-presidente da ALED Associação Latino-Americana de Estudos do Discurso.

11 11 Diversos autores analisaram as múltiplas facetas do relacionamento Executivo/Legislativo; interação na feitura das leis (GOMES, 2012), negociações decorrentes do presidencialismo de coalizão, (ABRANCHES, 1998, P. 5-53), (SANTOS, 2002); o papel do líder e a disciplina partidária (LIMONGI, 1998), entre outros; todos baseados em análises, gráficos e dados que têm como pano de fundo o comportamento político e os resultados das votações. Pretende-se nesta pesquisa mergulhar no discurso parlamentar e em seu contexto nas discussões e votações de matérias decisivas para o estabelecimento de política governamental para a avaliação intrínseca dos posicionamentos defendidos pelos representantes do partidos de sustentação do Governo Federal em situações de alternância de poder. 7 METODOLOGIA 1 Levantamento das votações mais importantes ocorridas nos períodos de governo dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT); 2 Levantamento de discursos de representantes dos dois partidos nas discussões e nos encaminhamentos de votação das matérias. 3 Contextualização dos discursos contextualização histórica, social e política. 4 Análise Crítica dos Discursos, utilizando a seguintes teorias/metodologias: Análise de Discurso Crítica; Linguística Sistêmico-Funcional; Teoria Semiótica-Social da Multimodalidade. 8 CRONOGRAMA

12 12 De 18 de abril de 2013 a 31 de agosto de 2013 De 1º de setembro de 2013 a 30 de abril de De 1º de maio de 2014 a 31 de agosto de 2014 De 1º de setembro de 2014 a 30 de março de Levantamento das votações mais importantes do Governo Fernando Henrique Cardoso e do Governo Luiz Inácio da Silva. Levantamento de discursos de representantes dos dois partidos (PSDB e PT) nas discussões e nos encaminhamentos das matérias. Contextualização histórica e social dos discursos. Análise dos Discursos e entrega de monografia e de artigo final. 9 REFERÊNCIAS ABRANCHES, Sérgio.Presidencialismo de Coalizão: o dilema institucional brasileiro. Dados, Rio de Janeiro, 1988, vol. 31, p BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução: Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. Atualizada pelo novo acordo ortográfico. 37ª edição. Nova Fronteira. CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, CHOULIARAKI, Lilie & FAIRCLOUGH, Norman. Discourse in late modernity: rethinking Critical Discourse Analysis. Edinbourg: Edinbourg University, FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança Social. Brasília: UnB, Discourse in late modernity. Edinburgh: Edinburgh University Press, Analysing Discourse. Textual analyses for social research. New York: Routledge, Political Discourse Analysis. London: Routledge, Language and power. London: Longman, 1989.

13 13 GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Tradução: Plínio Dentzien. São Paulo: Zahar, GOMES, Fábio de Barros Correia. Cooperação, liderança e impasse entre o Legislativo e o Executivo na produção legislativa do Congresso Nacional do Brasil. Dados [online]. 2012, vol.55, n.4 [cited ], pp Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. ISSN HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A Editora, HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. Londres: Hodder Education, KRESS, G. Multimodality A social semiotic approach to contemporary communication. London: Routledge, LAKOFF, G. e JOHNSON, M. Metaphors we live by. Chicago: The University of Chicago press, LIMONGI, Fernando and FIGUEIREDO, Argelina. Bases institucionais do presidencialismo de coalizão. Lua Nova [online]. 1998, n.44 [cited ], pp Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. ISSN MAGALHÃES, I. Introdução à Análise de Discurso Crítica. Publicado em DELTA vol.21, São Paulo Disponível em: < 002> Acesso: MELO, Carlos Ranulfo & CÂMARA, Rafael. Consolidação do Sistema Partidário no Brasil. DADOS Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, vol. 55, no 1, 2012, pp. 71 a 117. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/dados/v55n1/a03v55n1.pdf > Acesso: RESENDE, V. e RESENDE, V. R. Análise de Discurso (para) a crítica. São Paulo. Ed. Pontes: 2012.

14 14 SANTOS, Fabiano. Partidos e Comissões no Presidencialismo de Coalizão. Dados [online]. 2002, vol.45, n.2 [cited ], pp Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. ISSN SINGER, André. (2010). A segunda alma do partido dos trabalhadores. Novos Estudos-CEBRAP,(88), Disponível em: 006&lng=en&tlng=pt /S Acesso: THOMPSON, J.B. Ideology and modern culture. Stanford: California University Press, VAN LEEUWEN, T. Discourse and Practice. New tools for critical discourse analysis. New York: Oxford, WODAK, Ruth. Disorders of discourse. New York: Longman, 1996.

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO

EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO VI COLOQUIO DE LA REDLAD Bogotá, 15 e 16 de setembro de 2011 LOS DISCURSOS DE LA EXCLUSIÓN EN AMERICA LATINA EXCLUSÃO E RESISTÊNCIA NO DISCURSO: O CASO DO JORNAL O TRECHEIRO Viviane de Melo Resende María

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

JULIANA BALDONI FIGUEIREDO

JULIANA BALDONI FIGUEIREDO JULIANA BALDONI FIGUEIREDO CÂMARA DOS DEPUTADOS OU CÂMARA DOS LÍDERES? O FUNCIONAMENTO DO COLÉGIO DE LÍDERES E OS EFEITOS DE SUA ATUAÇÃO SOBRE A REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Ciências Sociais PROJETO DE PESQUISA

Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Ciências Sociais PROJETO DE PESQUISA Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Ciências Sociais PROJETO DE PESQUISA PARTIDOS E ESTADOS NO BRASIL: Uma tese revisitada Prof. Dr. Gustavo Muller

Leia mais

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE INFORMÁTICA NATAL, 08.07.2005 BOLETIM OFICIAL 2222 ANO XVI SEXTA-FEIRA

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE INFORMÁTICA NATAL, 08.07.2005 BOLETIM OFICIAL 2222 ANO XVI SEXTA-FEIRA A MESA DIRETORA Deputado ROBINSON FARIA PRESIDENTE Deputada LARISSA ROSADO 1 VICE-PRESIDENTE Deputado RICARDO MOTTA 1 SECRETÁRIO Deputado ALEXANDRE CAVALCANTI 3 SECRETÁRIO Deputado VIVALDO COSTA 2 VICE-PRESIDENTE

Leia mais

RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA

RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA RALCILENE SANTIAGO DA FROTA JOSÉ DEOCLECIANO DE SIQUEIRA JÚNIOR CARLOS DOMINGUES ÀVILA IGLAIR RÉGIS DE OLIVEIRA THIAGO AUGUSTO DE LIMA COSTA E SILVA ESTUDO COMPARATIVO DA REPERCUSSÃO POLITICA NO LEGISLATIVO

Leia mais

O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1

O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1 O JULGAMENTO DE ESTIMA SOCIAL NOS DISCURSOS DE PROFESSORES EM FORMAÇÃO CONTINUADA ASSIS-BRASIL, Angela Medeiros de 1 Palavras-chave: Avaliatividade. Análise de discurso. Formação continuada de professores

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

Reportagem 2012 Escola Secundária de Raul Proença, Ana Beatriz Santos, Círculo Eleitoral de Leiria

Reportagem 2012 Escola Secundária de Raul Proença, Ana Beatriz Santos, Círculo Eleitoral de Leiria Reportagem 2012 Escola Secundária de Raul Proença, Ana Beatriz Santos, Círculo Eleitoral de Leiria A participação da Escola Secundária de Raul Proença (ESRP) no Parlamento dos Jovens foi sempre um motivo

Leia mais

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita.

O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados pela imprensa escrita. Câmara dos Deputados Centro de Formação e Treinamento CEFOR Programa de Pós-Graduação Nara Lucia de Lima O Poder Legislativo e a Imprensa: estudo crítico da cobertura das Comissões Permanentes da Câmara

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 69 Discurso na cerimônia de assinatura

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07

DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07 DIAP: PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: SERVIDORES CONTRÁRIOS AO PL 1.992/07 Durante audiência pública realizada na Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados, na última quarta-feira (27), associações e sindicatos

Leia mais

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Teste 1 1. ( ) É competência da Mesa da Câmara dos Deputados a decisão de reunião dessa Casa fora do Palácio do Congresso Nacional,

Leia mais

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento?

Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? ANA LÚCIA ALVES Direito Humano à Alimentação Adequada: um tema fora de pauta no Parlamento? Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CEFOR - CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO ESPECIALIZAÇÃO EM INSTITUIÇÕES E PROCESSOS POLÍTICOS DO LEGISLATIVO. PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA. Projeto de Pesquisa Aluno:

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira QUADRINHOS NA CIÊNCIAS Área de Concentração: Ciências Naturais Disciplina de Concentração: Ciências Professores: Maria José Lima, Polyana Noronha e Thaianne Lopes Uberaba

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT,

O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e. Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT, O SR. VANDER LOUBET (PT-MS) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, a Conferência Internacional da OIT, realizada em junho de 2004, aprovou a Recomendação nº. 195,

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha. Denise Zandonadi dzandonadi@redegazeta.com.br O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha. O presidente Luiz Inácio Lula da

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados ALESSANDRO LUIZ CHAHINI ESCUDERO PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Participação política na internet: o caso do website Vote na web

Participação política na internet: o caso do website Vote na web Participação política na internet: o caso do website Vote na web Lívia Cadete da Silva 1 Lucas Arantes Zanetti 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO

Leia mais

FENEIS FEDERAÇÃO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS SURDOS

FENEIS FEDERAÇÃO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS SURDOS FENEIS FEDERAÇÃO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS SURDOS Dia dos Surdos 2009 Apresentação No dia 26 de setembro, a Comunidade Surda Brasileira comemora o Dia Nacional do Surdo, data em que são relembradas

Leia mais

Câmara Municipal de Cubatão

Câmara Municipal de Cubatão 2 ATA DA 1ª SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DO 2º ANO LEGISLATIVO DA 16ª LEGISLATURA REALIZADA EM 27 DE MAIO DE 2014 PRESIDÊNCIA - Sr. César da Silva Nascimento. SECRETARIAS - Sr. Fábio Alves Moreira e Sr. Ricardo

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO LÚCIO REINER Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História, Relações Internacionais FEVEREIRO/2000 2 2000 Câmara

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de assinatura

Leia mais

Sessões 1 e 2: Apresentação da disciplina e o estudo das políticas públicas

Sessões 1 e 2: Apresentação da disciplina e o estudo das políticas públicas Disciplina: Instituições Políticas e Políticas Públicas no Brasil (EUR0204) Dia e horário: segunda, 14 às 17h. Carga horária: 45 horas Sala: I - 9 do Setor II Docente: Alan Daniel Freire de Lacerda Apresentação

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADE CURSO DE INICIAÇÃO POLÍTICA ETEC-CEPAM - 2010 Autoria: Prof. Dr. Introdução Entre os dias 08 e 10 de dezembro de 2010 ocorreu na sede da Etec-Cepam a primeira edição do curso de

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

Comemoração da 1ª semana de Meio Ambiente do Município de Chuvisca/RS

Comemoração da 1ª semana de Meio Ambiente do Município de Chuvisca/RS Comemoração da 1ª semana de Meio Ambiente do Município de Chuvisca/RS Sustentabilidade: Reflexões sobre a temática ambiental P R E F E I T O M U N I C I P A L E R V I N O W A C H H O L S V I C E - P R

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

MENSAGEM Nº 110, DE 2007

MENSAGEM Nº 110, DE 2007 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM Nº 110, DE 2007 Submete à consideração do Congresso Nacional, o texto do Memorando de Entendimento sobre Cooperação Trilateral em Agricultura

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO

DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO DEPARTAMENTO DE TAQUIGRAFIA, REVISÃO E REDAÇÃO SESSÃO: 017.4.54.N DATA: 27/05/14 TURNO: Matutino TIPO DA SESSÃO: Solene - CN LOCAL: Plenário Principal - SF INÍCIO: 11h43min TÉRMINO: 11h54min DISCURSOS

Leia mais

Processo Legislativo

Processo Legislativo Processo Legislativo Os Projetos de Lei Ordinária e de Lei Complementar são proposições que visam regular toda a matéria legislativa de competência da Câmara e devem ser submetidos à sanção do prefeito

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Adm. Thiago Santos Ruel 1 SUMÁRIO: 1. Grupos de Pressão. 2. Lobby. 3. Grupos de Interesse. 4. Conclusão. 5. Referências. INTRODUÇÃO Grande parte da população

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ PROJETO DE LEI Dispõe sobre a instituição do Conselho de Comunicação Social do Canal de Cidadania de Jacareí, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JACAREÍ, USANDO DAS ATRIBUIÇÕES QUE LHE

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org O Movimento Social Palestino rumo ao FME O Fórum Mundial da Educação na Palestina será realizado

Leia mais

TEMA: EDUCAÇÃO. Disponível em: http://1.bp.blogspot.com/-0x0-0wiwl4g/twvi9xhqdfi/aaaaaaaaa0i/-vw1d7ch9dg/s1600/educacao5.jpg

TEMA: EDUCAÇÃO. Disponível em: http://1.bp.blogspot.com/-0x0-0wiwl4g/twvi9xhqdfi/aaaaaaaaa0i/-vw1d7ch9dg/s1600/educacao5.jpg 26 TEMA: EDUCAÇÃO TEXTO I Disponível em: http://1.bp.blogspot.com/-0x0-0wiwl4g/twvi9xhqdfi/aaaaaaaaa0i/-vw1d7ch9dg/s1600/educacao5.jpg TEXTO II EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Lutar para elevar o nível

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares

A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares Marcos Augusto de Queiroz A CLP e a difícil tarefa de fazer leis populares Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização em

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO.

CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. Estado do Rio Grande do Norte Município de Mossoró CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E DE VALORIZÃO DO MAGISTÉRIO. REGIMENTO

Leia mais

Módulo Europeu sobre Direitos Fundamentais

Módulo Europeu sobre Direitos Fundamentais Módulo Europeu sobre Direitos Fundamentais Coordenadores: Professores Doutores Fausto de Quadros, Luís Pereira Coutinho e Lourenço Vilhena de Freitas Duração: Início no dia 17 de Maio Dias de leccionação:

Leia mais

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde

Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET. Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Experiência: CADASTRAMENTO DE PRÉ-PROJETOS PELA INTERNET Fundo Nacional de Saúde FNS Ministério da Saúde Responsável: Hernandes Pires do Reis Consultor da Divisão de Manutenção e Suporte a Sistemas Endereço:

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Encontro Nacional ISONOMIA. Conquistando uma só Caixa para todos os empregados

Encontro Nacional ISONOMIA. Conquistando uma só Caixa para todos os empregados 3º o Encontro Nacional de ISONOMIA Conquistando uma só Caixa para todos os empregados ATS e licença-prêmio já! ISONOMIA, UMA LUTA DE TODOS A isonomia de direitos e benefícios entre todos os trabalhadores

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos)

PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) *C0051224A* C0051224A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 200, DE 2015 (Do Sr. Pompeo de Mattos) Altera o Parágrafo único do art. 66 da Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980. DESPACHO: ÀS COMISSÕES

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA RELATÓRIO DE ANÁLISE DA MÍDIA CLIPPING SENADO FEDERAL E CONGRESSO NACIONAL NOTICIÁRIO JUNHO DE 2010 SEAI 06/2010 Brasília, julho de 2010 Análise de Notícias Senado Federal e Congresso Nacional 1. Eleições:

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

Juliana Granja de Albuquerque

Juliana Granja de Albuquerque Juliana Granja de Albuquerque AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE JUVENTUDE NO DISTRITO FEDERAL A participação efetiva da juventude na PPJ no DF Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica POSSIBILIDADES DIDATICO-PEDAGÓGICAS NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA: UMA PROPOSTA ENTRE DOMÍNIOS DE CONHECIMENTOS NA ESCOLA ESTADUAL INDIGENA CENTRAL EDUCAÇÃO BÁSICA KĨSÊDJÊ Rosimeyre Gomes da Silva

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE

MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE MÁRCIO FLORENTINO PEREIRA DEMOCRACIA, PARTICIPAÇÃO E CONTROLE SOCIAL EM SAÚDE BRASÍLIA 2013 1 1. CAPITALISMO E A BAIXA INTENSIDADE DEMOCRÁTICA: Igualdade apenas Jurídica e Formal (DUSSEL, 2007), Forma

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA. EDITAL No.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA. EDITAL No. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE INSTITUTO DE LETRAS E ARTES CONCURSO PÚBLICO PROFESSOR ASSISTENTE EM LÍNGUA INGLESA EDITAL No. 011/2009 Dados para o Edital do Concurso para Professor Assistente na área

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 16 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA

Leia mais

Fim do fator previdenciário para quem atingir a. fórmula 95 para homens e 85 para mulheres.

Fim do fator previdenciário para quem atingir a. fórmula 95 para homens e 85 para mulheres. Fim do fator previdenciário para quem atingir a fórmula 95 para homens e 85 para mulheres. Pelas regras atuais, um trabalhador precisa ter 35 anos de contribuição e 63 anos e quatro meses de idade para

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI No 5.080, de 2013 (Apensados: PL nº 6.879, de 2013 e PL nº 7.345, de 2014)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI No 5.080, de 2013 (Apensados: PL nº 6.879, de 2013 e PL nº 7.345, de 2014) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI No 5.080, de 2013 (Apensados: PL nº 6.879, de 2013 e PL nº 7.345, de 2014) Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da

Leia mais

FACULDADE OBJETIVO CURSO DE DIREITO PROJETO INTERDISCIPLINAR SEGURANÇA PÚBLICA

FACULDADE OBJETIVO CURSO DE DIREITO PROJETO INTERDISCIPLINAR SEGURANÇA PÚBLICA FACULDADE OBJETIVO CURSO DE DIREITO PROJETO INTERDISCIPLINAR SEGURANÇA PÚBLICA 2015 I - IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA Cadastro nº: 03/2015 Recadastramento: Programa: Atividades Práticas Supervisionadas APS

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS MÜLLER, Alexandra Feldekircher. ReVEL na Escola: Linguística Aplicada a Contextos Empresariais. ReVEL. v. 11, n. 21, 2013. [www.revel.inf.br]. REVEL NA ESCOLA: LINGUÍSTICA APLICADA A CONTEXTOS EMPRESARIAIS

Leia mais

CULTURAS, LÍNGUAS E COMUNICAÇÕES. Das comunidades às organizações internacionais: os parlamentares e o desafio das políticas culturais

CULTURAS, LÍNGUAS E COMUNICAÇÕES. Das comunidades às organizações internacionais: os parlamentares e o desafio das políticas culturais CULTURAS, LÍNGUAS E COMUNICAÇÕES Das comunidades às organizações internacionais: os parlamentares e o desafio das políticas culturais Sínteses das conferências e discussões do sábado, 20 de setembro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 41 Discurso na cerimónia de celebração

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES REGIMENTO INTERNO 1 Define as regras de funcionamento da 3ª Conferência Nacional de Economia solidária, convocada pela Resolução n 5, do Conselho Nacional de Economia Solidária, de 19 de junho de 2013.

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE.

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. ANA LÚCIA ARAÚJO DE SOUZA RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais

MONITORAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS 2013

MONITORAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS 2013 A PARTICIPAÇÃO DO CIDADÃO NA CONSTRUÇÃO E NO MONITORAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS AGENDA CICLO ORÇAMENTÁRIO 2013 MONITORAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS 2013 MESA DA ASSEMBLEIA Deputado Dinis Pinheiro Presidente

Leia mais

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA

O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA O ENVELHECIMENTO SOB A ÓTICA MASCULINA Por: DANIELA NASCIMENTO AUGUSTO (Técnica em Gerontologia e Terapeuta Ocupacional) DIEGO MIGUEL (Artista Plástico, Técnico em Gerontologia e Coordenador do NCI Jova

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais