AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

2 Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF Área Pedagógica gica Clima de Escola

3 Introdução A realização deste trabalho teve como principal objectivo a criação de instrumentos que permitam, de forma regular e eficaz, aferir e controlar a qualidade de funcionamento do Agrupamento em diversos sectores: Estruturas Físicas e Formais (serviços e órgãos de gestão e administração), a Área Pedagógica e o Clima de Escola. Para o efeito foi nomeada uma equipa de trabalho, constituída por 15 docentes do pré-escolar, 1º, 2º e 3º Ciclos. Criados os instrumentos, foram os mesmos aplicados e devidamente tratados os resultados A última etapa deste trabalho consiste na apresentação de propostas de alteração/sugestões concretas ao funcionamento dos vários sectores analisados

4 Objectivos Identificar pontos fortes e fracos da orgânica do Agrupamento, visando, respectivamente, a sua potenciação e correcção. Procurar a obtenção de um elevado desempenho e assegurar a sua continuidade.

5 Metodologia de Trabalho Definição das Áreas a avaliar: Estruturas Físicas Estruturas Formais Área Pedagógica Clima de Escola Definição/Selecção dos instrumentos a utilizar/criação dos mesmos; Questionários para alunos, pais, professores e funcionários dos vários graus de ensino Grelhas para análise documental de actas de Conselho Pedagógico, de Conselho de Docentes, de Departamentos, etc Aplicação, Recolha e Tratamento dos dados

6 Dimensão da Amostra Todos os professores e educadores de infância do Agrupamento de Escolas: 6 Educadores de Infância 48 Professores do 1º Ciclo 93 Professores do 2º e 3º Ciclos Todos os funcionários e auxiliares de acção educativa (num total de 38) Relativamente aos alunos, a amostra foi constituída por seis alunos de cada turma, sorteados aleatoriamente, nos 2º e 3º Ciclo (cerca de duzentos inquiridos num universo de setecentos alunos). No 1º Ciclo, foram apenas inquiridos os alunos dos 3º e 4º anos, em virtude de ser do consenso do grupo de trabalho da auto-avaliação, serem aqueles com maior capacidade de interpretação do questionário. Para a construção da amostra relativa aos encarregados de educação procedeu-se de forma idêntica aos alunos.

7 Resultados da Auto-Avaliação Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Conselho Executivo PONTOS FORTES A qualidade do atendimento A preocupação com o bem-estar da comunidade educativa A capacidade de resolução de problemas A receptividade perante a apresentação de iniciativas/ projectos. A capacidade de manter a segurança / disciplina PONTOS FRACOS Baixa iniciativa no sentido de envolver os elementos da comunidade educativa na vida escolar (Opinião dos Enc.Ed. 2º/3º Ciclo e Professores 1º Ciclo). Pouca satisfação relativamente às directrizes/ decisões tomadas (Prof 1º Ciclo).

8 Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Conselho Executivo PONTOS FORTES O grau de conhecimento evidenciado relativamente aos assuntos sobre os quais tem que decidir. A qualidade do projecto educativo. O grau de satisfação relativamente liderança exercida. Preocupação em assegurar a continuação do Conselho de Turma nos 2º e 3º ciclos. Capacidade de gestão das instalações e espaços físicos. PONTOS FRACOS Pouco envolvimento na promoção do desenvolvimento profissional dos docentes (Opinião dos Professores do 1º ciclo). A distribuição dos horários das disciplinas nem sempre vai de encontro aos interesses dos alunos (Opinião dos alunos dos 2º e 3º ciclos).

9 Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Assembleia PONTOS FORTES A sua existência e funções são do conhecimento de toda a comunidade educativa. PONTOS FRACOS Deficiente conhecimento das decisões tomadas na Assembleia.

10 Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Departamentos / Conselho de Docentes PONTOS FORTES Boa receptividade relativamente a novas iniciativas, projectos e actividades apresentados pelos seus membros. Capacidade de transmissão/ discriminação de informação. Boa integração de novos professores. Boa cooperação entre os professores. Bom ambiente de trabalho entre pares. Reflexão acerca dos resultados dos alunos e avaliação das estratégias de ensino utilizadas. Definição e critérios de avaliação.

11 Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Departamentos / Conselho de Docentes PONTOS FRACOS Falta de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido individualmente Inexistência de discussão de fundo de problemas da política educativa de Escola donde resultem sugestões justificadas para alteração dessa mesma política. (Opinião dos Professores do 2º/32 /3º Ciclo) Inexistência de reflexão sobre práticas educativas, incluindo estratégias de diferenciação pedagógica gica destinadas a melhorar as aprendizagens e prevenir a exclusão e insucesso. (Opinião dos Professores do 2º/32 /3º Ciclo) Ausência de planeamento de actividades interdisciplinares. (Opinião ião dos Professores do 2º/32 /3º Ciclo) Carência de permuta de experiências e materiais. (Prof. 2º/32 /3º Ciclo)

12 Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Funções dos Coordenadores de Departamento / C. Docentes Aspectos positivos Promovem a reflexão e aplicação de critérios de avaliação. Promovem a reflexão sobre os resultados de avaliação dos alunos. Aspectos negativos Não estimulam a criação de condições que favoreçam a formação contínua dos professores. (Opinião dos professores dos 2º e 3º Ciclos) Não promovem as trocas de experiência e a cooperação entre todos. (Opinião dos professores dos 2º e 3º Ciclos) Não estimulam a articulação de conteúdos programáticos entre as várias disciplinas. (Opinião dos professores dos 2º e 3º Ciclos)

13 Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Funcionamento dos Conselhos de Turma Aspectos Positivos A promoção da cooperação com outras instituições especializadas de apoio educativo. A colaboração com os colegas de forma voluntária. Estabelecimento dos cumprimentos das normas de comportamento/ atitudes na turma. Definição de estratégias para resolução de problemas disciplinares. Promoção de estratégias para o apoio dos alunos com dificuldades de aprendizagem Aspectos Negativos A reduzida reflexão sobre a atribuição de níveis aos alunos. A fraca reflexão acerca do domínio da língua materna e a sua relação com os níveis obtidos pelos alunos. A inexistência de uma definição conjunta de critérios de avaliação e a conformidade com o Plano Curricular de Turma. Promoção de estratégias de envolvimento dos Encarregados de Educação no acompanhamento da vida escolar do aluno.

14 Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Associação de Pais Pertence Não Pertence º Ciclo 2º/3º Ciclo Grau de identificação com a Associação de Pais: 1º Ciclo identificam-se 2º/3º Ciclo não se identificam ou desconhecem a sua actuação

15 Áreas de Trabalho/ Estruturas Formais Aspectos Negativos Associação de Estudantes (Opinião dos alunos dos 2º e 3º ciclos) Apenas 13% dos alunos pertencem à Associação. Fraca participação nas actividades promovidas pela Associação de Estudantes. Fraco conhecimento do programa da Associação. Insatisfação relativamente ao cumprimento do programa eleitoral da Associação de Estudantes. Pouca preocupação da Associação com os problemas dos alunos. Participação pouco activa na comunidade escolar.

16 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Relações interpessoais Professor/ aluno Pontos Fortes Existe boa de relação entre professores e alunos. Os professores não se sentem humilhados pelos alunos. Existe à-vontade no relacionamento entre professores e alunos. Existe respeito dos alunos pelos professores. O professor consegue manter a disciplina nas aulas. Os professores gostam dos seus alunos. Os professores elogiam os seus alunos. Os alunos dão-se bem com os professores. Os alunos vêm no professor um amigo. Os alunos vêm o professor como confidente (Opinião dos alunos dos 2º e 3º Ciclos). Os alunos vêm o professor como bom companheiro. Os alunos consideram que os professores ajudam sempre que precisam de apoio Os alunos do 1º Ciclo referem que os professores os elogiam, são simpáticos, atenciosos, preocupados, bem educados, responsáveis, pacientes e divertidos

17 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Relações interpessoais Aluno / Professor Pontos Fracos Alguns alunos já se sentiram inferiorizados pelos professores (opinião dos alunos do 2º e 3º Ciclos). Alguns alunos consideram que os professores os fazem sentir pouco à vontade.

18 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Relações interpessoais Professor/ Professor Pontos Fortes Os professores sentem cordialidade na relação com os colegas. Os professores sentem-se ajudados pelos colegas. Os professores sentem o seu trabalho reconhecido pelos colegas. Os professores sentem-se integrados. Os professores sentem bom acolhimento por parte dos colegas, quando ingressam no Agrupamento. Os professores consideram que existe cooperação entre os elementos do corpo docente; Pontos Fracos Os docentes consideram que os colegas por vezes são: Críticos; Individualistas

19 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Relações interpessoais Professor/ Funcionários Pontos Fortes Os professores consideram que existe cordialidade na relação com os funcionários. Os professores sentem-se à vontade com os funcionários. Os professores consideram que os funcionários são cooperantes. Os professores pensam existir um bom relacionamento com os funcionários Relações interpessoais Funcionários/ Professor Pontos Fortes Os funcionários sentem o seu trabalho reconhecido pelos professores.

20 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Relações interpessoais Aluno/ Funcionário Pontos Fortes Os alunos sentem-se à vontade com os funcionários. Os alunos sentem-se ajudados pelos funcionários. Os alunos dão-se bem com os funcionários. Os alunos consideram que os funcionários os ajudam. Pontos Fracos Alguns alunos dizem que, por vezes, os funcionários os inferiorizam.

21 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Relações interpessoais Aluno/ Aluno Pontos Fortes Os alunos dão-se bem com os colegas. Os alunos consideram que se ajudam mutuamente. Os alunos vêem-se como bons companheiros. Os alunos dizem confiar nos colegas. Os alunos afirmam que nunca se sentem inferiorizados pelos colegas. Pontos Fracos Os alunos denunciam a existência de agressões verbais entre si.

22 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Indisciplina Pontos Fortes Professores e funcionários do Agrupamento e encarregados de educação do 1º ciclo referem que nunca ou raramente têm conhecimento de situações graves de indisciplina. Professores, funcionários e encarregados de educação do 1º ciclo consideram que a agressividade não é um factor preocupante na escola dos filhos A maioria dos alunos inquiridos refere que nunca esteve envolvido em situações de agressividade; A maioria dos inquiridos refere que não foi alvo ou raramente efectuou uma participação disciplinar Os Encarregados de Educação consideram que os alunos estão integrados no grupo/turma e na Escola. Pontos Fracos Os alunos e encarregados de educação dos 2º e 3º ciclo mostram-se preocupados com algumas situações de indisciplina que consideram graves.

23 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Indisciplina Aspectos Revelantes Todos os inquiridos afirmam que as situações de indisciplina têm origem nos seguintes factores: Problemas do foro pessoal e familiar; Má influência dos amigos.

24 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Metodologia de aula Aspectos positivos A carga horária da disciplina permite frequentemente ou sempre leccionar, de forma satisfatória, os conteúdos programáticos. Os sumários correspondem sempre à matéria dada (Opinião dos alunos dos 2º e 3º Ciclos). Factores que impedem o cumprimento da planificação: A existência de diferentes ritmos de aprendizagem; A existência de dificuldades de concentração dos alunos; A integração de outros assuntos de interesse por parte dos alunos; Factores que condicionam o aproveitamento das aulas: Factores que condicionam o aproveitamento das aulas: O professor ter de dar apoio a alunos com diferentes ritmos de aprendizagem (Opinião dos Encarregados de Educação); O professor ter demasiados conteúdos para leccionar (Opinião dos Encarregados de Educação).

25 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Metodologia de aula -dificuldades Factores que obstaculizam a aquisição de conhecimentos: A eventual existência de barulho nas salas de aula (Opinião de todos os Alunos, dos professores de 1º Ciclo e dos E.Educação dos 2º e 3º Ciclos); O facto dos alunos não gostarem da disciplina (alunos 2º/3º Ciclo); Sempre que os alunos conversam muito com os colegas (Opinião dos Alunos, E.Educação dos 2ºe 3º Ciclos); A eventualidade do aluno não gostar do professor (alunos 2º/3º Ciclo). A circunstância dos alunos estarem distraídos (Opinião dos Alunos e dos E.Educação dos 2º e 3º Ciclos); A incapacidade do professor para conseguir captar a atenção dos alunos (Opinião dos alunos); A incapacidade dos alunos para interpretar a linguagem escrita; (Opinião dos alunos e professores 1º Ciclo); O insuficiente tempo dedicado pelos alunos ao estudo; (Opinião dos professores e E.Educação dos 2º e 3º Ciclos);

26 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Metodologia de aula/planificação/avaliação Aspectos Relevantes Os Os professores e os alunos referem a utilização de diferentes métodos de ensino/aprendizagem. (Expositivo, Explicativo e Métodos Activos) A maioria dos professores afirmou planificar as suas aulas individualmente. Os professores fornecem os critérios de avaliação aos alunos. Os alunos têm conhecimento dos critérios de avaliação. Os E. Educação têm conhecimento dos critérios de avaliação. Os professores e os alunos referem a utilização dos seguintes recursos didácticos: Mapas; Cartazes; Computador (Raramente)

27 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Metodologia de aula Instrumentos de avaliação Aspectos Relevantes Técnicas e instrumentos de avaliação mais utilizados: Observação directa. O nível de participação nas aulas. A realização de trabalhos individuais. A realização de testes. A elaboração de trabalhos de casa. A elaboração de trabalhos de grupo. Técnicas de ensino mais utilizadas na Sala de Aula: Resumos no quadro. Esquemas. Fichas informativas. Trabalhos de pesquisa e em grupo. Jogos didácticos. Discussão de ideias.

28 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Metodologia de aula Transversalidade Pontos Fortes No 1º Ciclo os professores realizam actividades previamente planificadas com outros colegas do mesmo grau de ensino. Todos os professores têm em conta o domínio da Língua Portuguesa e corrigem os erros ortográficos dos alunos (Opinião dos professores e alunos dos 2ºe 3º Ciclos). Existe articulação de conteúdos entre os docentes do Conselho de Turma (Opinião dos professores e alunos dos 2ºe 3º Ciclos). Pontos Fracos Os professores dos 2º e 3º ciclo afirmaram que raramente realizam actividades combinadas com outros colegas do mesmo ou de ciclos diferentes. Os professores do 1º Ciclo não contactam com os colegas dos outros ciclos. Os professores do 1º Ciclo não têm conhecimento dos conteúdos das disciplinas de outros graus de ensino.

29 Áreas de Trabalho/ Área Pedagógica Metodologia de aula Estratégias Aspectos Relevantes Estratégias de superação das dificuldades: Realização de actividades de consolidação de forma continuada. (Professores e E. Educação). Prestar mais atenção aos alunos (Professores) Promover actividades que levem a uma maior concentração dos alunos (Professores). Estudar mais (Alunos e E.Educação). Estar mais atento nas aulas (alunos e E.Educação).

30 Estruturas físicas Estruturas Físicas F - Satisfação Pontos Fortes De forma geral a comunidade escolar: Sente-se bem no espaço físico da Escola. Sente-se satisfeita no atendimento na Secretaria. Sente-se satisfeita no atendimento no Bar. Sente-se satisfeita no atendimento no Refeitório. Sente-se satisfeita com a Sala de Convívio. Sente-se satisfeita no atendimento na Reprografia. Pontos Fracos Na Biblioteca, os alunos consideram não ser tratados com muita simpatia.

31 Estruturas físicas Estruturas Físicas F - Funcionamento Pontos Fortes De forma geral a comunidade escolar considera: Os horários de funcionamento dos vários serviços bons ou satisfatórios. O tempo de espera nos vários serviços bom ou satisfatório. A variedade e quantidade das refeições boa ou satisfatória. A higiene e limpeza do espaço boa ou satisfatória.

32 Estruturas físicas Estruturas Físicas F - Sanitários Os professores do 1º Ciclo consideram que a limpeza dos seus sanitários é razoável ou boa. Os professores do 2ºe 3º Ciclos consideram bons ou razoáveis todos os aspectos ligados aos seus sanitários. Os alunos consideram o número de sanitários bom embora o seu estado seja considerado mau ou não satisfatório. Estruturas Físicas F Sala de Professores Os professores dos 2º e 3º ciclos consideram satisfatório/suficiente o espaço, conforto, comodidade e higiene da sala de professores. Estruturas Físicas F Sala de Funcionários Os funcionários consideram satisfatórios o equipamento, a higiene, a limpeza, a conservação e manutenção da sua sala.

33 Estruturas Físicas Recursos Materiais Aspectos pertinentes Os professores do 2º e 3º Ciclos consideram suficiente os seguintes equipamentos: TV, Vídeo, DVD, Jogos Multimédia, Mapas, Filmes, Diapositivos e Retroprojectores; Os professores do 2º e 3º Ciclos consideram insuficiente o Nº de PC s e Videoprojectores Os professores do 1º Ciclo consideram: Suficiente o nº de TV s e Vídeos Insuficiente o nº de PC s, Jogos Multimédia, Mapas, filmes, diapositivos e retroprojectores Inexistente: Leitor de DVD, PC s portáteis e Videoprojector

34 Estruturas Físicas Condições de Acessibilidade Acesso ao espaço exterior Professores do 2º e 3º ciclos, funcionários e encarregados de educação consideram satisfatório o acesso ao espaço exterior Os Professores do 1º ciclo consideram más as condições de acesso ao espaço exterior das suas escolas Acesso às salas de aula Professores do 2º e 3º ciclos, funcionários e encarregados de educação consideram satisfatório o acesso às salas de aula. Os Professores do 1º ciclo consideram más as condições de acesso às salas de aula. Acesso às salas específicas Professores do 2º e 3º ciclos, funcionários e encarregados de educação consideram satisfatório o acesso às salas específicas. Acesso à Secretaria Professores, funcionários e encarregados de educação consideram satisfatório e bom o acesso à Secretaria.

35 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Assembleia de Escola Divulgação das deliberações da Assembleia na Sala de Professores da Escola Sede e em todas as escolas do Agrupamento. Maior empenho e participação da Câmara Municipal de Beja e de outras entidades económicas. Conselho Executivo Melhorar a planificação e coordenação de actividades Nomeação de pessoas ou grupos para a realização de tarefas

36 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Departamentos/Conselho de Docentes Estes órgãos deverão ter um papel mais activo na planificação/avaliação e questões pedagógicas; O acompanhamento dos novos colegas deverá ser feito de forma mais cuidada por estes órgãos; Conselhos de Turma Deverá aumentar o número de reuniões intercalares; Deverá existir mais profissionalismo; Na escolha do Director de Turma deve ser tida em conta a capacidade de liderança.

37 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Estratégias Conducentes à Melhoria dos Resultados Escolares: Na opinião dos alunos dos 2º e 3º Ciclos é importante : A existência de apontamentos; A realização de trabalhos de pesquisa em grupo; A discussão de Ideias; A realização de fichas Recurso a jogos didácticos; Recurso a material audiovisual; Visitas de estudo; Trabalhos experimentais.

38 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Estratégias Conducentes à Escolares: Melhoria dos Resultados Na opinião dos pais dos 2º e 3º Ciclos é importante a existência de: Resumos; Apontamentos; Fichas Informativos; Esquemas no quadro. Mais disciplina/silêncio por parte dos alunos; Professores que cativem e incentivem os alunos; Alunos mais disciplinados; Mais tempo de estudo em casa de forma a promover o combate à distracção e à preguiça.

39 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Estratégias Conducentes à Melhoria dos Resultados Escolares: Na opinião dos professores dos 1º, 2º e 3º ciclos é importante a existência de: Maior disponibilidade de meios audiovisuais/interactivos; Turmas mais pequenas; Valorização de exercícios de concentração e memorização; Responsabilização dos alunos e consequente envolvimento na vida estudantil.

40 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Estratégias Conducentes à Melhoria dos Resultados Escolares: Na opinião dos pais do 1º Ciclo é importante : A elaboração de fichas Informativas e Trabalho Individual; A realização de trabalho a pares e resumos; Uma atitude mais rígida por parte dos professores; A disponibilização de mais meios informáticos; A existência de mais apoio em casa

41 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Sugestões de temas a abordar nas Áreas Curriculares não Disciplinares (propostas apresentadas pelos alunos) Estudo Acompanhado Estudar e fazer exercícios das várias disciplinas Esclarecimento de dúvidas Discussão de temas Formação Cívica Resolução de Problemas da turma Jogos de Papéis Problemas do dia a dia Área de Projecto Realização de trabalhos Visitas de estudo Discussão de temas

42 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Melhoria a efectuar nas salas de aula específicas (Opinião dos Professores dos 2º e 3º ciclos) Salas de Ciências/Físico-química Designação de um auxiliar para prestar apoio antes e depois das actividades práticas Sala de Professores Mais mesas e cadeiras Reduzir os placares de Informação Sindical Colocar calendário de actividades por período e por ano lectivo Salas de Trabalho Salas de trabalho por cada um dos Departamentos e mais computadores

43 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Sugestões para melhorar os sanitários Professores dos 2º e 3º ciclos Mudar e cuidar as tampas das sanitas Alunos do 2º e 3º ciclos Maior limpeza Mais papel higiénico Alunos do 1º ciclo Arranjar as sanitas

44 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Sugestões para melhorar a Biblioteca Bibliotecas do 1º Ciclo Opinião de Professores e alunos Internet a funcionar Mais DVD s Opinião dos Encarregados de Educação Mais actividades lúdicas Funcionamento nas sextas-feiras à tarde Biblioteca dos 2º e 3º Ciclos Opinião dos Alunos Horário mais alargado Funcionários mais simpáticos Opinião dos Professores de 2º e 3º Ciclos Maior actualização de Vídeos e DVD S

45 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Sugestões para melhorar a Reprografia Opinião dos Professores de 2º e 3º Ciclos Alargar o horário de funcionamento Mais formação para os funcionários Opinião dos Alunos dos 2º e 3º Ciclo Mais simpatia no atendimento Melhor qualidade nas fotocópias

46 Sugestões Apresentadas para Solução dos Problemas Detectados Sugestões para melhorar os Espaços Exteriores Opinião dos Professores dos 2º e 3º Ciclos Envolver os alunos na manutenção do espaço exterior Aproveitar melhor o espaço exterior com mini-hortas Jardinagem como actividade de Área de Projecto Opinião dos Encarregados de Educação dos 2º e 3º ciclo Mais sombras Relva no Jardim Externo da escola Maior segurança Opinião dos Encarregados de educação do 1º ciclo Construção de novas escolas

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio

Agrupamento de Escolas Professor Noronha Feio Avaliação efectuada pelo Coordenador e Departamento de ducação special Grelha de Avaliação da Observação da Aula Avaliado: Avaliador: Disciplina/Área Data / / A Preparação e organização das actividades

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL. Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO SABUGAL * * * Relatório de AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE GRELHA DE OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO PESSOAL DOCENTE (Decreto Regulamentar Nº 2/2008, de 10 de Janeiro) Identificação

Leia mais

Externato Académico. Projeto Educativo

Externato Académico. Projeto Educativo Externato Académico Projeto Educativo 2015-2018 Índice 1. Introdução... 3 2. Caracterização... 4 2.1. Recursos materiais e educativos... 5 3. Princípios orientadores... 7 3.1.Missão, Visão, Objetivos e

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO. Indicações para Operacionalização 2012-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE REDONDO PROJETO EDUCATIVO Indicações para Operacionalização 2012-2015 O Plano Anual de Atividades do Agrupamento é relevante para toda a Comunidade Educativa. Por ele se operacionalizam

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria

AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ARRONCHES AVALIAÇÃO EXTERNA DE ESCOLAS Plano de Ações de Melhoria JANEIRO 2014 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ANÁLISE QUALITATIVA... 1 3.... 5 3.1. Áreas de Melhoria... 5 3.2. Identificação

Leia mais

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino Básico Relatório-Síntese Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ÉVORA CÓDIGO 135537 CONCELHO DE ÉVORA DELEGAÇÃO REGIONAL

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO ESCOLA PROFISSIONAL DE ALVITO PROJETO EDUCATIVO Setembro 2013 ...A condição humana devia ser o objecto essencial de todo o ensino. (M.O. Mourin 2000) Índice 1-Introdução... 3 2 Caracterização do Meio...

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS Cód. 161007 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MEALHADA DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO Ano lectivo 2010-2011 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS A avaliação das crianças e dos alunos (de diagnóstico,

Leia mais

Motivar os Professores

Motivar os Professores Motivar os Professores Ramiro Marques Conferência Realizada no Dia da Escola Escola Superior de Educação de Santarém 11 de Novembro de 2003 Uma das formas de motivar o jovem professor é: Ouvi-lo com atenção

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONÇÃO RI ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESCOLARES Aprovado em 26 de março de 2013 0 ANEXO V REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO E INTERCÂMBIOS ESC0LARES

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA

AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA AVALIAÇÃO INTERNA EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA JULHO 2015 1 Abreviaturas AEAG Agrupamento de Escolas Dr. António Granjo CAF Common Assessment Framework (Estrutura Comum de Avaliação) AM - Ação de Melhoria

Leia mais

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI

Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI 2007 2008 Plano TIC EB1/PE do Paul do Mar - ETI Documento de suporte às funções do Coordenador TIC para o ano lectivo 2007/2008. Objectivos, recursos existentes, necessidades ao nível das TIC, actividades

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação: PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA E DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO 1) Objecto e finalidades da revisão do regime jurídico da avaliação:

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

REGIMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE MEDICINA DO TRABALHO

REGIMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE MEDICINA DO TRABALHO Extracto do REGIMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE MEDICINA DO TRABALHO Aprovado em reunião do Conselho Nacional Executivo de 17 de Julho de 2001 SECÇÃO IV Do Acesso ao Título de Especialista Artº 19º

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO DO CURSO DE EDUCAÇÃO BÁSICA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Educação Básica sobre a ESEC 4 3.2. Opinião

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo. Ano letivo 2012/2013 RELATÓRIO FINAL DE EXECUÇÃO DO PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES RELATIVO A 2012/2013 1 - Enquadramento O presente relatório tem enquadramento legal no artigo 13.º alínea f, do Decreto -Lei nº 75/2008, de 22

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas Diogo Cão Vila Real Escola EB 2.3 Diogo Cão Direção Regional de Educação do Norte.

Agrupamento Vertical de Escolas Diogo Cão Vila Real Escola EB 2.3 Diogo Cão Direção Regional de Educação do Norte. Relatório de Ação Ano Letivo 2011/2012 DESENVOLVIMENTO DA AÇÃO DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: (+) Aprendizagem RESPONSÁVEIS: MARIA LUÍSA PIPA LOCAL: ESCOLAS EB 2.3 DIOGO CÃO GRUPO DA AÇÃO: Apoio à Melhoria das Aprendizagens

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando a vontade comum do

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet nas Escolas Públicas do 1.º ciclo no distrito de Bragança

Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet nas Escolas Públicas do 1.º ciclo no distrito de Bragança Seminário Contextualização SOCIEDADE DE CONHECIMENTO E NOVAS TECNOLOGIAS NAS ZONAS RURAIS as novas acessibilidades na procura da qualidade de vida Projecto de Acompanhamento do Uso Educativo da Internet

Leia mais

Projecto de Intervenção 2010-2014

Projecto de Intervenção 2010-2014 Projecto de Intervenção 2010-2014 Desafios da Boa Água AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA BOA-ÁGUA QUINTA DO CONDE - SESIMBRA Nuno Mantas Maio de 2010 1. Introdução O Agrupamento de Escolas da Boa-Água foi criado

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS

REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS. ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA do MARQUÊS Artigo 1º - Definição A Biblioteca Escolar - Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária Quinta

Leia mais

CONCLUSÕES. 2. Funcionamento do Núcleo de Educação Especial

CONCLUSÕES. 2. Funcionamento do Núcleo de Educação Especial CONCLUSÕES Analisados os documentos considerados necessários, ouvidos docentes, encarregado de educação e órgão de administração e gestão, e após a observação directa dos apoios prestados, concluiu-se

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Referentes e instrumentos de trabalho Setembro de 2009 Colecção Outras publicações FICHA TÉCNICA Título Avaliação Externa das Escolas Referentes

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO

ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO ACORDO DE PRINCÍPIOS PARA A REVISÃO DO ESTATUTO DA CARREIRA DOCENTE E DO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS PROFESSORES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO E DOS EDUCADORES DE INFÂNCIA Considerando as orientações políticas

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro)

REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) REFLEXÃO SOBRE A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE (De acordo com o Decreto Regulamentar nº2/2008, de 10 de Janeiro) Ao iniciar esta reflexão convém referir, caso subsista ainda alguma dúvida,

Leia mais

RELATÓRIO DA BIBLIOTECA sede 2012/2013

RELATÓRIO DA BIBLIOTECA sede 2012/2013 RELATÓRIO DA BIBLIOTECA sede 2012/2013 1. Introdução De acordo com as orientações do Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares, do Ministério da Educação, a Biblioteca Escolar sede desenvolve o seu trabalho

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar

Agrupamento de Escolas de Arronches. Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar Agrupamento de Escolas de Arronches Metas Estratégicas para a Promoção da Cidadania ACTIVA e do Sucesso Escolar João Garrinhas Agrupamento de Escolas de Arronches I. PRINCIPIOS, VALORES E MISSÃO DO AGRUPAMENTO

Leia mais

PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES

PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES 2012/2013 PLANO DE OCUPAÇÃO DOS TEMPOS ESCOLARES Pré-Escolar 1. Sempre que um educador falte por um período de curta duração, os alunos na componente curricular serão assegurados pela Assistente Operacional

Leia mais

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE PROJECTO EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE 2009/2010 Índice ÍNDICE... 1 1. IDENTIFICAÇÃO... 2 2. FUNDAMENTAÇÃO... 2 3. FINALIDADES/OBJECTIVOS... 3 4. ESTRATÉGIA OPERATIVA/METODOLOGIA... 3 4.1. PÚBLICO-ALVO... 3 4.2.

Leia mais

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL

Tipologia Textual O conto. Competências a trabalhar associadas ao processo CO L CEL Ministério da Educação Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora nº2 Novo Programa de Português do Ensino Básico Sequência Didáctica 5º ano Ano lectivo de 2010/2011 Tipologia Textual O conto Competências

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade)

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16. (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL 2015/16 (Pré-escolar ao 12º ano de escolaridade) Os alunos com Necessidades Educativas Especiais, de caráter permanente, a beneficiar de Medidas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR

AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR AVALIAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA / PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL DOMINIO COGNITIVO E MOTOR Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA REGULAMENTO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE MESTRADO QUE CONFEREM HABILITAÇÃO PROFISSIONAL PARA A DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO O presente regulamento estabelece o enquadramento

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Decreto-Lei n.º 3/2008 de 7 de Janeiro Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L.

2010/2011. Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de 2010/2011 Instituto de S. Tiago, Cooperativa de Ensino C.R.L. Plano de de Pessoal Docente e Não Docente 2010/11 INTRODUÇÃO O Plano de do Instituto de S. Tiago surge da cooperação entre todas as

Leia mais

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial?

Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Quais os alunos que devem ser apoiados pela educação especial? Para efeitos de elegibilidade para a educação especial deve-se, antes de mais, ter presente o grupo - alvo ao qual esta se destina alunos

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Critérios de Avaliação Avaliação na Educação Pré-Escolar Princípios Orientadores De acordo com as recomendações da DGIDC, a avaliação é um elemento integrante e regulador

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação, comunicação.

Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação, comunicação. Escola Secundária c/ 3º ciclo do Fundão Quinta-feira 05 De Novembro de 2009 Turma: 12ºCSEAV --» Aula do professor estagiário Nuno Rodrigues. Palavras-chave: transição, instrução, empenhamento motor, exemplificação,

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA )

Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Regulamento da Universidade Sénior de Almada ( USALMA ) Preâmbulo O regulamento da Universidade Sénior de Almada (USALMA) foi aprovado pela Associação de Professores do Concelho de Almada (APCA) em reunião

Leia mais

ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES

ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES ENCONTROS REFLETIR PARA MELHORAR CONCLUSÕES Estruturas responsáveis pela implementação das ações de melhoria: 1. Conselho Geral/Direção/ Conselho Pedagógico; 2. Departamentos curriculares; 3. Conselhos

Leia mais

AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS

AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS AGENDA DAS VISITAS AGRUPAMENTOS 8h45 9h00-11h00 11h00-12h30 12h30 14h30-16h30 17h00-18h00 18h00 1.º dia Chegada à escola-sede do Agrupamento Sessão de apresentação do Agrupamento pela Direcção e primeira

Leia mais

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA ACTIVIDADE Este documento é o relatório final da Actividade designada (+) Conhecimento, que se insere na Acção nº 4, designada Competência (+), do

Leia mais

09/10. Projecto Plano Nacional de Leitura. Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar. Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9

09/10. Projecto Plano Nacional de Leitura. Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar. Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9 Projecto Plano Nacional de Leitura 09/10 Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira Tomar Projecto PNL AEDNAP 09/10 1-9 Índice 1. Introdução 3 2. Avaliação das actividades realizadas / Resultados alcançados

Leia mais

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar

Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja. Regulamento Interno. Biblioteca Escolar Agrupamento de Escolas n.º 2 de Beja Regulamento Interno 2014 1. A 1.1. Definição de A é um recurso básico do processo educativo, cabendo-lhe um papel central em domínios tão importantes como: (i) a aprendizagem

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação

PLANO DE TRABALHO. Do Serviço de Psicologia e Orientação ESCOLA SECUNDÁRIA DAS LARANJEIRAS Proposta de PLANO DE TRABALHO Do Serviço de Psicologia e Orientação A Psicóloga: Sara Quaresma ANO LECTIVO 2010/2011 PLANO DE TRABALHO Ao longo deste ano lectivo serão

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA ESCOLA SECUNDÁRIA DA BAIXA DA BANHEIRA Ano lectivo 2010 / 2011 Introdução De modo a dar cumprimento à legislação em vigor, tendo como base os objectivos do Projecto Educativo: Diminuir o Insucesso e abandono

Leia mais

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010

COMISSÃO PERMANENTE DO CONSELHO GERAL. Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 Relatório de Avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento, 2007 2010 O presente relatório traduz a avaliação do Projecto Educativo do Agrupamento Vertical de Escolas de Leça da Palmeira/Santa Cruz do

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE BEJA Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Grupo 550 Informática Ano Lectivo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo

Leia mais

MAPA DE PESSOAL / ANO DE 2012

MAPA DE PESSOAL / ANO DE 2012 MUNICÍPIO DE CARRAZEDA DE ANSIÃES MAPA DE PESSOAL / ANO DE 202 Atribuições / a criar Artigo º do Decreto-lei n.º 93/200, de 20 de Abril Director de Departamento 2 (a) Artigo º do Decreto-lei n.º 93/200,

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO. Turma - 10º N. Professora: Ana Cristina Viegas CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RESTAURAÇÃO- RESTAURANTE BAR Turma - 10º N Professora: Ana Cristina Viegas PLANIFICAÇÃO DE ECONOMIA 10º ANO 1 - Estrutura e Finalidades da Disciplina A disciplina de Economia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE CONSERVATÓRIO REGIONAL DE GAIA Ano Letivo 2013 2014 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Regulamento Artigo 1.º Âmbito 1. O presente Regulamento de Avaliação de Desempenho aplica-se a todos os docentes com

Leia mais

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO

CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Regulamentos CARTA DE DIREITOS E DEVERES DA COMUNIDADE ACADÉMICA DA U.PORTO Secção Permanente do Senado de 16 de Novembro de 2005 Exposição de Motivos O desenvolvimento de um projecto de qualidade educativa

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro Escola Sede: E.B. 2,3 de Pegões 1. FUNCIONAMENTO DO SPO Desenvolve o seu trabalho com base em atribuições e competências legais, adaptadas ao contexto

Leia mais

Entrevista ao Professor

Entrevista ao Professor Entrevista ao Professor Prof. Luís Carvalho - Matemática Colégio Valsassina - Lisboa Professor Luís Carvalho, agradecemos o tempo que nos concedeu para esta entrevista e a abertura que demonstrou ao aceitar

Leia mais

DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011

DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011 DIRECTIVAS DA COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE (CCAD) Ano lectivo 2010/2011 A Comissão de Coordenação da Avaliação de Desempenho, no cumprimento do estipulado no Decreto Lei n.º

Leia mais

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial

Manual de Procedimentos no âmbito da Educação Especial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA NOVA DE PAIVA Escola Sede: Escola Secundária de Vila Nova de Paiva Rua Padre Joaquim Rodrigues da Cunha 3650-219 Vila Nova de Paiva Telefone: 232609020 Fax:232609021 http://esvnp.prof2000.pt

Leia mais

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt

PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO. Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO COMO UM MEIO DE MOTIVAÇÃO Celina Pinto Leão Universidade do Minho cpl@dps.uminho.pt O evidente decréscimo de conhecimento básico de matemática por parte dos alunos nos cursos de engenharia,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA Departamento do 1ºCiclo PLANO DE TURMA Ano Turma Plano de Turma 1º Ciclo Ano Letivo 20 /20 Índice Introdução 1. Caracterização da turma 1.1. Caracterização dos

Leia mais

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016

PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém Escola Básica Frei André da Veiga PLANO DE MELHORIA DA BIBLIOTECA da FAV PARA 2015/2016 A. Currículo, literacias e aprendizagem Problemas identificados Falta

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes

PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes república de angola ministério da educação PROGRAMA DE EMPREENDEDORISMO 10ª e 11ª Classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário FASE DE EXPERIMENTAÇÃO Ficha Técnica Título Programa de

Leia mais

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU

SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU SÍNTESE DO ACORDO COM O ME EM 07/01/2010 QUE O SEPLEU NÃO ASSINOU QUADRO RESUMO DA CARREIRA Escalão Índice Duração Outros requisitos: Quotas, aulas assistidas 1 167 4 2 188 4 2 aulas assistidas 3 205 4

Leia mais

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III

INUAF Instituto Superior Dom Afonso III AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE COLABORADORES EM FUNÇÕES NÃO DOCENTES QUADRO DE REFERÊNCIA 1. APRESENTAÇÃO DA UNIDADE ORGÂNICA O Instituto Superior Dom Afonso III, adiante designado por INUAF, é um estabelecimento

Leia mais

Competências Parentais

Competências Parentais ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Guia do Formador drmadorr1manda Competências Parentais Autor: Inês Eugénio Título: Competências Parentais Coordenação da Mala Formativa: Graça Pinto,

Leia mais

NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra A.1.a.

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO. Ano Lectivo 2006 / 07 REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DO PROJECTO INICIATIVA ESCOLAS, PROFESSORES E COMPUTADORES PORTÁTEIS Ano Lectivo 2006 / 07 O equipamento informático afecto ao Projecto será partilhado por vários

Leia mais

PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DOS TEMPOS ESCOLARES

PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DOS TEMPOS ESCOLARES PLANO DE OCUPAÇÃO PLENA DOS TEMPOS ESCOLARES BALANÇO DE APLICAÇÃO 1º PERÍODO O Conselho Executivo da Escola Secundária Eça de Queirós, dando cumprimento ao n.º 12 do Despacho n.º 13599/2006, de 28 de Junho,

Leia mais

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS

CONHECER OS DIREITOS E DEVERES DOS ALUNOS ESTATUTO DO ALUNO DIREITOS E DEVERES - LEI 39/2010, DE 2 DE SETEMBRO Artigo 7.º Responsabilidade dos alunos 1. Os alunos são responsáveis, em termos adequados à sua idade e capacidade de discernimento,

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2013/2014 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada nível e de cada ciclo de ensino têm como referência os programas

Leia mais

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores

Questionário. Desenvolvimento Profissional dos Professores Questionário Desenvolvimento Profissional dos Professores Com este questionário pretende-se contribuir para o conhecimento de algumas dimensões do desenvolvimento profissional dos professores portugueses,

Leia mais

Utilizar a Estatística com recurso ao Excel. 3.1.2 Escola(s) a que pertence(m): 3.1.3 Ciclos/Grupos de docência a que pertencem os proponentes:

Utilizar a Estatística com recurso ao Excel. 3.1.2 Escola(s) a que pertence(m): 3.1.3 Ciclos/Grupos de docência a que pertencem os proponentes: CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA b APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3

NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA 2 1. ENQUADRAMENTO LEGAL 3 1.1 Formação do Pessoal Docente 3 1.2 Formação do Pessoal Não Docente 4 1.3 Formação orientada para os alunos 4 1.4 Formação orientada para os pais e

Leia mais

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice

COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA. Índice COLÉGIO DA TROFA GRIPE A PLANO DE CONTINGÊNCIA Índice 1. Introdução 2. Objectivo 3. Âmbito de aplicação 4. Activação do plano 4.1. Cadeia de Gestão 4.2. Cadeia de Comando e Controlo 4.3. Actividades Essenciais

Leia mais