Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial"

Transcrição

1 Aplicação do princípio de Redes de Bragg em sensores baseados em cabo coaxial Mariana Brisky Costa (UTFPR) José Jair Alves Mendes Junior (UTFPR) Sergio L. Stevan Jr. (UTFPR) Frederic Conrad Janzen (UTFPR) Resumo: O monitoramento de atividades mecânicas como flambagem, dilatações e trações em estruturas civis como prédios, pontes e viadutos são importantes para controlar deformações excessivas que possam levar a tragédias. Considerando isso, o desenvolvimento de novos sensores está sempre em voga. Este artigo apresenta como proposta um sensor baseado em redes de Bragg aplicado em cabos coaxiais. Através de deformações periódicas ao longo da estrutura do cabo, parte do sinal injetado no mesmo é refletido e a frequência desta componente é monitorada. Assim, acoplado em estruturas de concreto, a partir do momento que houver uma alteração mecânica no material de prova do sensor, também haverá alteração na frequência do sinal refletido em função da alteração mecânica das descontinuidades periódicas que compõem o sensor. Palavras-chave: cabo coaxial, redes de Bragg, sensores. 1. Introdução O monitoramento de grandes estruturas de concretos com a finalidade de avaliar a integridade física da mesma, bem como a prevenção colapsos da estrutura tem utilizados diferentes sistemas de sensoriamento. Em especial, sensores são utilizados para monitorar toda ação de elasticidade da estrutura como flexões, trações, flambagens e rupturas. Através do monitoramento contínuo, é possível prever ações de manutenção e controlar o envelhecimento da estrutura. Como exemplo, pode-se citar oscilações de estruturas verticais como prédios e torres; e flambagens em viadutos e pontes. As técnicas e equipamentos utilizados no sensoriamento variam de acordo com os aspectos construtivos da estrutura, bem como quanto ao tipo de resultado se pretende obter. (CORRÊA, 2012). De maneira geral são usados extensômetros na detecção de tensões e deformações mecânicas, embora monitorem normalmente amostras de pequenas da estrutura. Outro tipo de sensor que vem sendo utilizado no monitoramento de infraestruturas civis são os sensores baseados no princípio de redes de Bragg em fibras ópticas, que se mostram eficientes nesta aplicação, pois são incorporados à estrutura e apresentam eficácia na detecção de alterações mecânicas como, por exemplo, tensão mecânica, dilatação em função das alterações de temperatura e rupturas na estrutura. Os sensores baseados em fibra óptica que utilizam o princípio de redes de Bragg (Fiber Bragg Gratings) mostram-se interessantes devido sua capacidade de medir temperatura e

2 deformação mecânica (ZIMMERMANN, 2006). Esses sensores apresentam algumas vantagens de aplicação como total ausência de interferências eletromagnéticas, devido a natureza dielétrica da fibra óptica, coeficiente de dilatação único, além de utilizar redes de pequeno comprimento devido à alta frequência de sinal utilizada. Entretanto, de acordo com Wei (2011), a fibra óptica apresenta fragilidade às tensões transversais no sensoriamento de estruturas de concreto, devido à limitação de deformação da sílica, material que compõe a fibra, além de que o custo do sistema associado à aquisição e o processamento de dados do sensor é elevado em relação a outros sistemas de medição. Considerando que os conceitos de propagação de ondas eletromagnéticas são válidos em todo espectro de frequência, os conceitos de propagação são válidos tanto para os guias de onda, quanto para as linhas de transmissão. Assim, podem-se adotar alguns conceitos para o cabo coaxial que, inicialmente foram utilizados em fibras ópticas, desde que sejam respeitadas as características de ambos em função da faixa de frequência de operação. A partir do deste ponto de vista nota-se que os sensores baseados em cabos coaxiais possuem potencial de aplicação para fornecer soluções a alguns problemas enfrentados por dispositivos de fibra óptica no monitoramento de infraestruturas de concreto como, por exemplo, a fragilidade e susceptibilidade à quebra devido à tensões mecânicas transversais, uma vez que o cabo coaxial possui diâmetro maior e é mais maleável, comparado à fibra óptica. (WEI, 2011). De maneira análoga à fibra óptica, a aplicação do princípio de redes de Bragg aos cabos coaxiais permite que a linha de transmissão seja utilizada como sensor, com a vantagem de operar em faixas de frequências mais baixas (Radio frequências), possibilitando o barateamento dos circuitos eletrônicos de interrogação qunado comparados aos circuitos eletro-ópticos. A utilização desta técnica tem a finalidade de obter um dispositivo de monitoramento de estruturas civis com menor custo de implantação. 2. Cabo coaxial Uma linha de transmissão coaxial consiste em dois condutores separados por um dielétrico, desta forma, se for aplicada uma diferença de potencial, com sinal alternado, entre os condutores, surgirá um campo elétrico no isolador entre o cabo central e a malha metálica. A presença de corrente elétrica entre o condutor central e a malha gera um campo magnético no dielétrico. Assim, devido à presença de energia elétrica e magnética, uma linha de transmissão coaxial pode representada simplificadamente por uma sucessão de indutores e capacitores. A Figura 1 representa uma fatia do cabo coaxial através de sua representação RLC. Além do modelo LC de um cabo coaxial, há também uma resistência elétrica referente ao condutor central do cabo.

3 Figura 1 Circuito RLC equivalente da linha de transmissão coaxial. Fonte: Autoria própria. Os parâmetros de indutância, capacitância, resistência e condutância (L, C, R e G) dependem, entre outros fatores, dos aspectos físicos do cabo, como os diâmetros dos condutores são fixos e possuem seus valores definidos, os parâmetros citados anteriormente são dados por unidade de comprimento do cabo. Sendo assim, a partir dos valores de L, R, C e G pode-se obter o valor da impedância (Ω) característica da linha de transmissão por unidade de comprimento através da equação (1). = + + (1) Se as perdas na linha de transmissão coaxial forrem desprezíveis, então os valores de R e G serão muito pequenos em relação aos valores das reatâncias indutivas e capacitivas. De forma semelhante, será definido outro parâmetro importante que caracteriza uma linha de transmissão coaxial, a constante de propagação complexa da linha de transmissão, aqui denominado γ e seu valor é dado pela equação (2). = (R+jwL).(G+jwC) (2) A constante de propagação é representada por um número complexo onde a parte real (α) representa a constante de atenuação da linha e a parte imaginária (β) é chamada constante de fase da linha. A constante de propagação é dada pela equação (3). = α+jβ (3) Assim como a impedância característica, a constante de propagação complexa também depende da frequência devido ao Efeito Skin, que proporciona um acréscimo na resistência, por unidade de comprimento, com o aumento da frequência. Fisicamente, com o aumento da frequência a corrente que passa pelo condutor se desloca para a superfície do mesmo. Uma vez aplicada uma diferença de potencial em uma das extremidades do cabo coaxial entre a malha e o condutor central, um sinal de tensão e corrente se propaga ao longo da linha de transmissão. Assim, as equações de tensão e corrente são dadas em função do comprimento do cabo e também do instante de tempo. Aplicando a Lei de Kirchhoff, tanto para tensão, quanto para corrente, no esquema da Figura 1, obtêm-se as equações diferenciais que definem a tensão (4) e a corrente (5) ao longo de uma linha de transmissão coaxial no domínio do tempo. (, ) = (, )+ (, ) (4) (, ) = (, )+ (, ) (5) Reescrevendo as equações anteriores em termos fasoriais e em seguida resolvendo as equações diferenciais de segunda ordem obtidas para a tensão e corrente, são encontradas as equações (6) e (7), para a tensão e corrente no cabo.

4 V(z)= + V e (6) I(z)= + (7) Onde V 0 + e I 0 + representam a amplitude no sentido positivo de z, enquanto que V 0 - e I 0 - representam a onda se propagando no sentido negativo de z. 3. Redes de Bragg A rede de Bragg para fibra óptica é uma estrutura formada por perturbações periódicas no índice de refração do núcleo da fibra, ao longo de seu comprimento. Conforme Allil (2010), a rede de Bragg funciona como um filtro espectral, rejeitando uma banda de frequência óptica do espectro de luz entre as diferentes frequências de onda que se propagam dentro da fibra. Quando uma fibra óptica, gravada com rede de Bragg, é submetida a uma fonte de luz de banda espectral larga, há uma faixa estreita do espectro de luz que é rejeitada pela rede de Bragg e o restante do espectro é transmitido. Isso ocorre pelo fato de que a onda eletromagnética atravessa uma interface entre dois materiais dielétricos com índices de refração diferentes, e nesta condição ocorre uma reflexão parcial da onda, este fenômeno é chamado de reflexão de Fresnel. Quando ocorre a incidência da onda eletromagnética na descontinuidade do núcleo da fibra, o coeficiente de reflexão é dado pela equação (8). = ( ) (8) ( + ) Onde n 1 e n 2 são os índices de refração do núcleo da fibra e da deformação, respectivamente. Então para cada mudança que houver no índice de refração, haverá uma reflexão de Fresnel sendo o coeficiente de reflexão dado pela equação (9). =( ( + ) +( + ) ) =( 2 + ) (9) Desta forma, o coeficiente de reflexão total (R F2 ) é dado pela soma das contribuições das reflexões de cada descontinuidade no núcleo da fibra. A figura 2 mostra o esquema das reflexões de Fresnel devido à mudança no índice de refração de dois materiais dielétricos diferentes. Figura 2 Índice de reflexão de Fresnel. Fonte: Nogueira (2005) Em uma rede de Bragg existem diversas transições de índice de refração, portanto a reflexão da onda eletromagnética incidente é obtida pela soma total da contribuição de cada uma das reflexões de Fresnel. Desta forma, a modulação periódica feita no índice de refração do núcleo da fibra atua como um filtro espectral, rejeitando uma banda de frequência do sinal

5 incidente. O comprimento de onda do sinal refletido é chamado de comprimento de onda de Bragg, e depende do período das descontinuidades inseridas na fibra. O comprimento de onda de Bragg é dado pela equação (10). =2 (10) Onde Λ é a periodicidade da modulação no índice de refração, e n eff é o índice de refração efetivo da fibra. Assim como em fibras ópticas, a aplicação do conceito de Bragg em cabo coaxial consiste em inserir descontinuidades periódicas ao longo da estrutura do cabo. A descontinuidade física aplicada a um cabo coaxial proporciona uma perturbação na forma de transmissão contínua do sinal eletromagnético na linha, portanto, resulta na alteração da impedância característica da linha de transmissão coaxial, causando uma reflexão parcial do sinal incidente. Cada uma destas descontinuidades inseridas no cabo irá fornecer um pequeno sinal de reflexão, considerando que todas as descontinuidades são idênticas, é possível assumir que cada uma delas tem um coeficiente de reflexão Γ. Consequentemente, o sinal refletido pode ser obtido pelo somatório de cada um das reflexões parciais, mostrado pela equação (11). = 1 e Onde V 0 é a tensão de entrada, N é o número total de descontinuidades no cabo, Vr[n] é a tensão de pico da onda refletida na descontinuidade de ordem n, β é a constante de propagação da onda EM na linha de transmissão e Λ período das descontinuidades ao longo do cabo. (WEI, 2.011). A figura 3 apresenta um esboço da estrutura do cabo coaxial contendo as descontinuidades e as direções de propagação dos sinais incidente, transmitido e refletido. (11) Figura 3 Esquema de redes de Bragg aplicada ao cabo coaxial. Fonte: Adaptado de Wei et al., Considerando o valor do coeficiente de reflexão (Γ) de cada uma das descontinuidades, a reflexão total da onda pode ser escrito, de forma simplificada, como a soma das contribuições das reflexões de cada descontinuidade. = 1 (1+ ) 2 1 (1+ ) 2 (12) Através destas descontinuidades periódicas produzidas no cabo, seguindo o mesmo princípio da teoria das redes de Bragg em fibra óptica, pode-se obter o valor da frequência do sinal

6 refletido, mas agora com base no valor da impedância característica da linha de transmissão coaxial, e não do índice de refração. A equação que descreve essa frequência é dada pela equação (13). = 2 Onde L e C representam a indutância e a capacitância do cabo, respectivamente. Λ é o período da rede de Bragg e m é o número que representa a difração do sinal de acordo com a ordem da descontinuidade. O sensoriamento pode ser realizado através da monitorização da frequência do sinal refletido. Qualquer mudança no valor dessa frequência significa uma alteração do corpo de prova do sensor. (13) 4. Metodologia Para o desenvolvimento da pesquisa é necessário, primeiramente, determinar o cabo coaxial que será utilizado, baseado nas características de impedância e frequência de transmissão do mesmo. Em seguida, analisar e determinar uma faixa de frequências em que o sensor deve operar, e dentro desta faixa de frequências, determinar a frequência central de trabalho do sensor. Após essa etapa, inicia-se o desenvolvimento do sensor no cabo coaxial com o estudo da periodicidade e das formas das descontinuidades, para otimização da sensibilidade e funcionamento do sensor, sendo implementadas, posteriormente, no cabo. Com as descontinuidades inseridas, inicia-se o projeto do circuito de transmissão de sinal, verificando as diferentes formas possíveis de transmissores de sinal, bem como a análise de custo, modo de operação, compatibilidade com a frequência do sensor, entre outros fatores relevantes. Juntamente com estudos e simulação, serão analisadas as diferentes topologias de circuitos osciladores para a operação em potencial de acordo com a frequência de operação determinada anteriormente. Finalizando essa etapa, deve-se desenvolver um circuito sintonizador para uma gama de frequências determinadas, estando também na faixa de frequência de trabalho do sensor. Posteriormente, realizar testes preliminares para, experimentalmente, caracterizar o sensor, utilizando um circuito sintonizador para a transmissão do sinal e um analisador de espectros como receptor. Quanto à construção dos circuitos, tanto de recepção quanto de transmissão, duas formas serão estudadas para a implementação para o mesmo. A primeira consiste na utilização de um circulador de RF como elemento separador e direcionador de sinais para a medição. Tomando como base a Figura x, a saída do sinal do circuito oscilador será conectada no terminal 1, a saída para o cabo coaxial em 3 e 2 fornecerá o sinal para medição. O circulador permitirá que o sinal refletido, por ação das redes de Bragg, em 3 seja redirecionado para o terminal 2, podendo ser mensurado. Finalizando, o circuito receptor deve fechar o sistema para que não haja ruídos nem sinais flutuantes, ou seja, um terminador.

7 Figura 4 Modelo do circuito circulador. Fonte: Electron Energy (2013) em A segunda situação estudada está em realizar um circuito receptor que atue tanto como terminador quanto interrogador, recebendo o sinal recortado, ou seja, a banda de sinal sem a parte de sinal já refletida. Essa segunda opção se mostra mais viável, pois a grande faixa de circuladores possuem faixas de frequência em quilohertz (khz), sendo baixa para a aplicação em questão. Em seguida, serão aplicadas situações mecânicas que permitam a realização de medidas e verificação da sensibilidade do sensor, juntamente com a obtenção da curva de calibração do sensor. Após o desenvolvimento dos testes, será projetado um circuito de recepção do sinal, verificando as diferentes topologias possíveis para o circuito receptor de sinal, analisando a melhor forma de interrogação do sinal com a finalidade de detectar as variações de frequência do sinal monitorado. E por fim, serão determinadas as características do sensor, bem como a avaliação dos resultados obtidos na pesquisa. 5. Circuitos Devido às necessidades para a aplicação desejada, é necessário o uso de circuitos que tenham como base oscilações em Rádio Frequência (RF). Como em circuitos de medição existe uma oscilação que faz o reconhecimento do sistema de forma cíclica, o sensor em questão deve possuir um oscilador que forneça uma frequência na ordem de centenas de MHz. O melhor oscilador estudado para esta função é o Oscilador de Colpitts, que utiliza princípios de dispositivos armazenadores (LC), podendo chegar a frequências de 500 MHz sem haver perdas significativas, tal qual o desvio de fase que ocorre em circuitos de Ponte de Wien. Como Amplificadores Operacionais possuem faixa limitada quanto à frequências em MHz, são usados como elementos amplificadores transistores bipolares e de efeito de campo (FET). (MALVINO, 2005, p.359). Existem duas possibilidades de circuitos de reconhecimento de sinal. A primeira delas consiste em usar um elemento interrogador entre a conexão do circuito oscilador com o cabo coaxial, que irá separar o sinal refletido que deve ser mensurado, juntamente com um circuito terminador ao final do sensor. Outra alternativa está no uso de um circuito receptor-interrogador que fechará o sistema e, com a realimentação do sinal, o reconhecimento das partes refletidas pelo mesmo. Essa última ainda não foi estudada por completo, devido à necessidade da construção do circuito interrogação, pois no caso da primeira hipótese, o interrogador já é um circuito pronto, precisando de apenas um casador de impedância para ajuste do sinal.

8 6. Resultados Os sensores de cabo coaxial têm sido pesquisados e utilizados em diversas aplicações, isso se deve ao seu baixo custo e maior robustez. Recentemente verificou-se a possibilidade da aplicação de algumas técnicas, normalmente aplicadas a sensores a fibra óptica, como opção no desenvolvimento de novos sensores utilizando cabos coaxiais. Com o propósito de otimizar o sensor e aumentar sua sensibilidade é necessário estudar mais afundo suas características e métodos a serem aplicados. Foram realizados alguns testes utilizando um gerador de função para transmitir o sinal através da linha de transmissão coaxial. A frequência do sinal gerado foi de 20MHz, e a periodicidade das descontinuidades inseridas no cabo foi baseada na equação (13). Os resultados obtidos não foram muito expressivos devido às condições encontradas na pesquisa, como a baixa frequência de oscilação. Para isso é necessário realizar a modelagem de um sensor coaxial bem como estudar formatos mais adequados de descontinuidades, e as diversas possibilidades de implementar sua periodicidade ao longo do cabo. O estudo experimental destas técnicas e propostas também faz parte do estudo futuro que se pretende desenvolver utilizando esta técnica para monitoramento de deformações e flambagem em estruturas (vigas e pilares) da construção civil. Referências ALLIL, R. C. S. B. Sensores a fibra óptica com tecnologia FBG para medida de temperatura e alta tensão f. Tese (Doutorado em Engenharia elétrica) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro CORRÊA, C. P. Metodologia para controle de recalques em estruturas de concreto armado por meio de nivelamento geométrico de precisão f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA, PROJETO E PRODUÇÃO EM CONCRETO PRÉ MOLDADO, 1, 2005, São Carlos, SP. A Utilização de Técnicas Geodésicas no Monitoramento de Estruturas Pré-Moldadas. 2005, 11 p. MATOS, S. F. Avaliação de instrumentos para auscultação de barragem de concreto. Estudo de caso: Deformímetros e tensômetros para concreto na barragem de Itaipu f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR PALUDO, R. Refletometria do domínio do tempo: análise do efeito das camadas semicondutoras de cabos isolados f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Materiais) Universidade Federal de Paraná, Curitiba SALVATTI, E.; RICARDO, M. A. Estudo de defeitos em cabos coaxiais através do método FDTD Finite Difference Time Domain f. Dissertação, mestrado em engenharia elétrica Universidade Federal do Paraná, Curitiba SUN, S.; POMMERENKE, D. J.; DREWNIAK, J. L.; XUE, G. C. L.; BROWER, M. A.; KOLEDINTSEVA, M. Y. A Novel TDR-Based Coaxial Cable Sensor for Crack/Strain Sensing in Reinforced Concrete Structures. Transaction on instrumentation and measurement. v.58, n.8, ago WEI, T.; WU, S.; HUANG, J.; XIAO, H.; FAN, J. Coaxial cable Bragg grating. American Institute of Physics ZIMMERMANN, A. C.; VEIGA, C. L. N.; TONDELLO, G. F.; SOUZA, M. M. S.; MARTINS, R. H.; ZIMMERMANN, R. Sensores baseados em redes de Bragg e fibras ópticas para medição de grandezas em sistemas elétricos de alta tensão. Universidade Federal de Santa Catarina

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Medidas Elétricas em Alta Frequência Quando o comprimento de

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4.1 Introdução A utilização de estruturas de adaptação de impedância capazes de acoplar os sinais elétricos, de modo eficiente, aos dispositivos

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Eletrônica Analógica

Eletrônica Analógica UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Eletrônica Analógica Transistores de Efeito de Campo Professor Dr. Lamartine Vilar de Souza lvsouza@ufpa.br www.lvsouza.ufpa.br

Leia mais

Como funciona o MOSFET (ART977)

Como funciona o MOSFET (ART977) Como funciona o MOSFET (ART977) Os transistores de efeito de campo não são componentes novos. Na verdade, em teoria foram criados antes mesmo dos transistores comuns bipolares. No entanto, com a possibilidade

Leia mais

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor

3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor 3 Técnicas de conversão de comprimento de onda utilizando amplificador óptico semicondutor Neste capítulo, serão analisados os métodos de conversão de comprimento de onda, e como os sinais originais e

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Transdução de Grandezas Biomédicas

Transdução de Grandezas Biomédicas Transdução de Grandezas Biomédicas Aula 05 Mestrado em Eng. Biomédica Docente: > Marcelino M. de Andrade A Aula! Condicionadores de Sinais A grande variedade de sensores necessária para transformar um

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso 122 8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso Nas redes WDM, os pacotes são encaminhados entre os diferentes nós da rede até o seu destino desde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A22 (1) O circuito a seguir amplifica a diferença de

Leia mais

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 8 LINHA DE TRANSMISSÃO

Leia mais

Analisador de Espectros

Analisador de Espectros Analisador de Espectros O analisador de espectros é um instrumento utilizado para a análise de sinais alternados no domínio da freqüência. Possui certa semelhança com um osciloscópio, uma vez que o resultado

Leia mais

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL

ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ANÁLISE QUÍMICA INSTRUMENTAL ESPECTROFOTÔMETRO - EQUIPAMENTO 6 Ed. Cap. 13 Pg.351-380 6 Ed. Cap. 1 Pg.1-28 6 Ed. Cap. 25 Pg.703-725 09/04/2015 2 1 Componentes dos instrumentos (1) uma fonte estável de

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

Underwater Comunicação Rádio

Underwater Comunicação Rádio Underwater Comunicação Rádio por VK5BR Butler Lloyd (Originalmente publicado em Rádio Amador, Abril de 1987) Até onde podemos comunicar submerso no mar ou em um lago. Quão grande é a atenuação do sinal

Leia mais

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA

PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA PEF 2506 - Projeto de Estruturas Marítimas PLATAFORMA FIXA TIPO JAQUETA Como visto, existem os mais variados tipos de plataformas, cada uma com seus requisitos de projetos. Neste capítulo será abordada

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

Materiais usados em resistores

Materiais usados em resistores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Elétrica Materiais usados em resistores EEL7051 Laboratório de Materiais Elétricos Aluno: Cristiano P. Costa Neves Turma:

Leia mais

PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO

PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO PERFORMANCES DA FABRICAÇÃO DE REDE DE BRAGG DE PERÍODO LONGO (LPG) EM FIBRA ÓPTICA MONOMODO (SM) GRAVADA COM ARCO- ELÉTRICO Rafael Serafim Zoéga Belmont Universidade Católica de Petrópolis rafael_szbelmont@hotmail.com

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley

57)Assinale a alternativa que não representa o nome de um oscilador: A ( ) A cristal B ( ) De relaxação C ( ) Zener D ( ) Colpetts E ( ) Hartley LIGA DE AMADORES BRASILEIROS DE RADIO EMISSÃO LABRE/RN SEDE: CAIC de Lagoa Nova Vila das Federações Cx. Postal 251, Natal/RN, 59010-970) Home Page http://www.ps7aa.kit.net Tel. 3086 2140 (Ed PS7DX) e-mail:

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos

PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos 1 de 6 8/8/2007 18:40 PY2GEA - Grêmio de Radiamadores da Rodada Encontro de Amigos APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 80 A 120 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES Assinale X entre os parênteses que indicar

Leia mais

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4 GABARITO - DEP34 Questão 1 Os TCs para serviço de proteção apresentam boas características de exatidão, 0,1%, 0,3%, 0,6% e 1,2%. Também apresentam uma baixa corrente de saturação, quando comparados com

Leia mais

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015

Distância de acionamento. Distância sensora nominal (Sn) Distância sensora efetiva (Su) Distância sensora real (Sr) 15/03/2015 Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Sensores São dispositivos que

Leia mais

p. 1/1 Resumo Osciladores Sintonizados LC Osciladores de Cristal

p. 1/1 Resumo Osciladores Sintonizados LC Osciladores de Cristal p. 1/1 Resumo Osciladores Sintonizados LC Osciladores de Cristal p. 2/1 Introdução Osciladores que utilizam transístores bipolares ou MOS, com circuitos LC sintonizados ou cristais como malhas de realimentação

Leia mais

CONVERSORES DIRECTOS

CONVERSORES DIRECTOS Temática Electrónica de Potência Capítulo Generalidades Secção Estruturas de conversão CONVERSORES DIRECTOS INTRODUÇÃO Neste curso, define-se o que se entende por conversor directo: é um circuito electrónico,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR)

FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) FET (FIELD EFFECT TRANSISTOR) OBJETIVOS: a) entender o funcionamento de um transistor unipolar; b) analisar e entender as curvas características de um transistor unipolar; c) analisar o funcionamento de

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA

CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA CONSIDERAÇÕES SOBRE OS RECEPTORES DE CONVERSÃO DIRETA Muito se tem falado sobre os receptores de conversão direta, mas muita coisa ainda é desconhecida da maioria dos radioamadores sobre tais receptores.

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM

NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM ANEXO À RESOLUÇÃO N o 370, DE 13 DE MAIO DE 2004. NORMA PARA CERTIFICAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE TRANSMISSORES E TRANSCEPTORES MONOCANAIS ANALÓGICOS AM 1. Objetivo Esta norma estabelece os requisitos técnicos

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A4 (1A) FONTE CHAVEADA PAINEL SOLAR Uma aplicação possível

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS

Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Aula 3 OS TRANSITÒRIOS DAS REDES ELÉTRICAS Prof. José Roberto Marques (direitos reservados) A ENERGIA DAS REDES ELÉTRICAS A transformação da energia de um sistema de uma forma para outra, dificilmente

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Matriz Curricular vigente a partir de 2012/1 Fase Cód. Disciplina Prérequisitos Carga Horária

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento 30 Capítulo VIII Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Parte 3: Método da queda de potencial com injeção de alta corrente e ensaios em instalações energizadas Jobson Modena e

Leia mais

Linhas de Transmissão

Linhas de Transmissão Linhas de Transmissão 1. Objetivo Medir a capacitância, indutância e a impedância num cabo coaxial. Observar a propagação e reflexão de pulsos em cabos coaxiais. 2. Introdução Uma linha de transmissão

Leia mais

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900

MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 MANUAL RÁDIO MODEM COMPACTO 900 MHz RMC-900 Versão 1.01 Infinium Automação Industrial Ltda contato@infiniumautomacao.com.br 1. APRESENTAÇÃO O rádio modem RMC-900 foi projetado para utilização em sistemas

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID -

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Os dispositivos de identificação por meio de rádio frequência têm atingido já desde alguns anos um estado de difusão aplicacional e comercial

Leia mais

Circuitos do Receptor Super-Heteródino de AM: Parte 1

Circuitos do Receptor Super-Heteródino de AM: Parte 1 Circuitos do Receptor Super-Heteródino de AM: Parte 1 Receptor regenerativo Radiodifusão em AM: ondas médias Faixa entre 535 khz e 1650 khz Largura de banda de áudio: W = 5 khz Largura de banda de AM:

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS PARA ESTUDOS EM LINHAS SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Danilo Sinkiti Gastaldello Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COLÉGIO TÉCNICO INDUSTRIAL DE SANTA MARIA Curso de Eletrotécnica Apostila de Automação Industrial Elaborada pelo Professor M.Eng. Rodrigo Cardozo Fuentes Prof. Rodrigo

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta *

Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * 40 Capítulo VI Métodos normalizados para medição de resistência de aterramento Jobson Modena e Hélio Sueta * A ABNT NBR 15749, denominada Medição de resistência de aterramento e de potenciais na superfície

Leia mais

Diodo túnel Diodo Esaki

Diodo túnel Diodo Esaki Diodo túnel Diodo Esaki Diodos convencionais são dopados com um átomo de impureza para cada dez milhões de átomo de semicondutor intrínseco. Aumentando-se a dopagem para mil átomos de impureza para cada

Leia mais

Circuitos Retificadores

Circuitos Retificadores Circuitos Retificadores 1- INTRODUÇÃO Os circuito retificadores, são circuitos elétricos utilizados em sua maioria para a conversão de tensões alternadas em contínuas, utilizando para isto no processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7051 Materiais Elétricos - Laboratório EXPERIÊNCIA 06 CURVAS CARACTERÍSTICAS DE TRANSISTORES E PORTAS LÓGICAS 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Luiz Carlos Grillo de Brito Julio César Reis dos Santos CENTRO DE PESQUISAS DE

Leia mais

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÀO ELTRÔNICA ANEMÔMETRO A FIO QUENTE Cayo Cid de França Moraes 200321285 Natal/RN ANEMÔMETRO

Leia mais

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição

4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição 4 Descrição do Sistema e Campanha de Medição Neste capítulo são descritos o sistema de transmissão, recepção e aquisição de dados utilizados no experimento. São descritas, ainda, a metodologia utilizada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas Modelo de Comunicação Propósito principal A troca de informação entre dois agentes Comunicação de Computadores Comunicação de Dados Transmissão de Sinais Agente Dispositivo de entrada Transmissor Meio

Leia mais

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO

COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO COBERTURA EM UMA REDE DE SENSORES SEM FIO Vivian Lúcia Bittencourt Drumond Universidade Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 368 KM 12 Colônia Rodrigo Silva Barbacena Minas Gerais Brasil viviandrumond@yahoo.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PAR DE LUVAS INSTRUMENTALIZADAS PARA AQUISIÇÃO DE MOVIMENTOS APLICADAS AO PROCESSAMENTO E RECONHECIMENTO

Leia mais

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES)

EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) EXCEDENTE REATIVO (EFEITOS NAS REDES E INSTALAÇÕES) Baixos valores de fator de potência são decorrentes de quantidades elevadas de energia reativa. Essa condição resulta em aumento na corrente total que

Leia mais

Automação Industrial AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação..

Automação Industrial AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. AULA 04: Sensores e atuadores OBJETIVO: Apresentar os sensores e atuadores mais utilizados nos projetos de automação.. A pirâmide de automação Nível 5: Gerenciamento corporativo Nível 3: Nível 2: Nível

Leia mais

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Nível. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Nível Profa. Michelle Mendes Santos Introdução Medir a variável nível em processos industriais é quantificar referenciais por meio da monitoração contínua ou discreta com o objetivo de avaliar

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais

PATENTES. Situação da Patente Concedida em 27/02/2006

PATENTES. Situação da Patente Concedida em 27/02/2006 PATENTES Última atualização: 14 de outubro de 2013 para mais informações contacte o Serviço de Documentação e Publicações (SDP) sdocpub@isel.pt tel.: (+351) 218 317 079 ext.: 1619/1620/1621/1665 Patente

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som?

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? A U A UL LA Ultra-som Introdução Você sabia que, por terem uma visão quase nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? Eles emitem ondas ultra-sônicas e quando recebem o eco de retorno são capazes de

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

I NST R UM ENTAÇÃO I N D UST RI AL EN G3 5 01 P RO F ª. L ET Í CI A CHAV ES FO NSECA

I NST R UM ENTAÇÃO I N D UST RI AL EN G3 5 01 P RO F ª. L ET Í CI A CHAV ES FO NSECA Medição INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL ENG3501 PROFª. LETÍCIA CHAVES FONSECA Medição 1. INTRODUÇÃO 2. CONCEITOS DE PRESSÃO 3. DISPOSITIVOS DE MEDIÇÃO DE PRESSÃO 4. BIBLIOGRAFIA 2 1. Introdução Medição de pressão

Leia mais

Medida de Grandezas Eléctricas

Medida de Grandezas Eléctricas Medida de Grandezas Eléctricas As grandezas eléctricas normalmente medidas são: Tensão Corrente Potência eléctrica Energia eléctrica Os valores destas grandezas podem ser obtidas por diferentes formas,

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Instrumentação Eletrônica Prof.: Dr. Pedro Bertemes Filho

BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina: Instrumentação Eletrônica Prof.: Dr. Pedro Bertemes Filho Definição: Termoresistores (RTD) São metais condutores que variam sua resistência ôhmica com a temperatura (dado que sua geometria é bem definida e conhecida). Equação: R T R n a T a T 2 a T n 0 1 1 Onde:

Leia mais

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes 86 5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes No capítulo anterior estudamos a resposta do EDFA sob variações lentas da potência em sua entrada e vimos que é possível

Leia mais

MEDIÇÃO DE PRESSÃO -0-

MEDIÇÃO DE PRESSÃO -0- MEDIÇÃO DE PRESSÃO -0- SUMÁRIO 1 - PRESSÃO 2 2.1 - MEDIÇÃO DE PRESSÃO 2 2.2 - PRESSÃO ATMOSFÉRICA 2 2.3 - PRESSÃO RELATIVA POSITIVA OU MANOMÉTRICA 2 2.4 - PRESSÃO ABSOLUTA 2 2.5 - PRESSÃO RELATIVA NEGATIVA

Leia mais

Obs.: No FET de canal P invertem-se camadas semicondutores N e P

Obs.: No FET de canal P invertem-se camadas semicondutores N e P FET - TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO Os transistores de Efeito de Campo, JFET e MOSFET's, tem como características básicas e controle de uma corrente por um campo elétrico aplicado. A corrente flui entre

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Antenas e Propagação. Artur Andrade Moura. amoura@fe.up.pt

Antenas e Propagação. Artur Andrade Moura. amoura@fe.up.pt 1 Antenas e Propagação Artur Andrade Moura amoura@fe.up.pt 2 Parâmetros fundamentais das antenas Permitem caracterizar o desempenho, sobre vários aspectos, das antenas Apresentam-se definições e utilização

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST

ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST ANÁLISE NUMÉRICA DA ADERÊNCIA ENTRE AÇO E CONCRETO ENSAIO PULL-OUT TEST Julia Rodrigues Faculdade de Engenharia Civil CEATEC julia.r1@puccamp.edu.br Nádia Cazarim da Silva Forti Tecnologia do Ambiente

Leia mais

Linha de transmissão

Linha de transmissão Linha de transmissão Um troço elementar de uma linha de transmissão (par simétrico ou cabo coaxial) com comprimento dz pode ser modelado por um circuito: I(z) Ldz Rdz I(z+dz) Parâmetros primários: R [Ω

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO

TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO TRANSISTOR BIPOLAR DE JUNÇÃO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR TÉCNICA DE MEDIÇÃO ELETRÔNICA DA CAMADA SEMI- REDUTORA UTILIZANDO

Leia mais

Faculdade de Tecnologia e Ciências

Faculdade de Tecnologia e Ciências Faculdade de Tecnologia e Ciências Curso: Engenharia de Telecomunicações Disciplina: Eletrônica de Radiofreqüência Carga Horária: 80 horas Professor: Clovis Almeida Faculdade de Tecnologia e Ciências Regras

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Pressão Hidrostática => P= gh Supressão de Zero Para maior facilidade de manutenção e acesso ao instrumento, muitas vezes o transmissor é

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7

Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7 Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7 Prof. Daniel Coutinho daniel.coutinho@ufsc.br Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina PGEAS/UFSC DAS9060

Leia mais

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado

2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2 Sistema de Lajes com Forma de Aço Incorporado 2.1. Generalidades As vantagens de utilização de sistemas construtivos em aço são associadas à: redução do tempo de construção, racionalização no uso de

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído através da interligação de computadores e outros dispositivos, com a finalidade de trocar informação e partilhar

Leia mais

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons

Assim como o diâmetro de um cano é função da quantidade de água que passa em seu interior, a bitola de um condutor depende da quantidade de elétrons Elétrica Quem compõe a instalação elétrica - quadro de luz - centro nervoso das instalações elétricas. Deve ser metálico ou de material incombustível, e nunca de madeira (na sua parte interna ou externa).

Leia mais

Introdução TIA/EIA-422 TIA/EIA-485. Conceitos Básicos de RS-485 e RS-422

Introdução TIA/EIA-422 TIA/EIA-485. Conceitos Básicos de RS-485 e RS-422 Introdução As normas RS-485 e RS-422 definem esquemas de transmissão de dados balanceados que oferecem soluções robustas para transmitir dados em longas distâncias em ambientes ruidosos. Estas normas não

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR. Cláudio Domienikan

INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR. Cláudio Domienikan INSTRUMENTAÇÃO NUCLEAR Cláudio Domienikan ESPECTRO OBTIDO COM UM SISTEMA DE MEDIDAS TÍPICO Co60 ELETRÔNICA NIM (Nuclear Instrumentation Modules) Cabos Coaxiais Pulsos NIM Pré-Amplificadores Amplificadores

Leia mais

SENSORES Características Prof. José Américo Moura Juazeiro Jul 28,2015

SENSORES Características Prof. José Américo Moura Juazeiro Jul 28,2015 SENSORES Características Prof. José Américo Moura Juazeiro Jul 28,2015 Prof. José Américo Moura Eng. Elétrica 1 Nível : 1, 2 e 3 1 Nível : 1 A interface entre o controle do processo (NIVEL II) e o mundo

Leia mais