O projecto Factor PME é promovido pela Associação Industrial Portuguesa/ Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O projecto Factor PME é promovido pela Associação Industrial Portuguesa/ Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI)."

Transcrição

1

2 Índice 1. ÂMBITO E OBJECTIVOS CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE DO PROJECTO TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) FORMAÇÃO CONSULTORIA INVESTIMENTOS ELEGÍVEIS ACTIVO FIXO CORPÓREO ACTIVO FIXO INCORPÓREO CONSULTORIA FORMAÇÃO NATUREZA, TAXAS E LIMITES DO INCENTIVO INVESTIMENTO MÍNIMO APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROCEDIMENTOS DE SUBMISSÃO E VALIDAÇÃO DA CANDIDATURA METODOLOGIA DE APURAMENTO DO MÉRITO DO PROJECTO APROVAÇÃO DAS CANDIDATURAS PROCESSO DE DECISÃO E FORMALIZAÇÃO DA CONCESSÃO DO APOIO OBRIGAÇÕES DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS ACOMPANHAMENTO E CONTROLO MODALIDADE DE PAGAMENTO DE INCENTIVO CONTRIBUIÇÃO PRIVADA DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS RESOLUÇÃO DO CONTRATO DIVULGAÇÃO E INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR ANEXOS ANEXO I - CONCELHOS ELEGÍVEIS ANEXO II - CAES ELEGÍVEIS ANEXO III INVESTIMENTO MÍNIMO EM FORMAÇÃO POR CANDIDATURA ANEXO IV OFERTA DO FACTOR PME EM FORMAÇÃO E CONSULTORIA OFERTA EM FORMAÇÃO OFERTA EM CONSULTORIA - 60 HORAS P/ PROJECTO ANEXO V - ESTRUTURA PARA AS PROPOSTAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROPOSTA TÉCNICA PROPOSTA ECONÓMICA

3 1. ÂMBITO E OBJECTIVOS O projecto Factor PME é promovido pela Associação Industrial Portuguesa/ Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI). O Projecto Factor PME enquadra-se no âmbito do Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME, através do Programa COMPETE - Programa Operacional Factores de Competitividade, na tipologia de Projecto Conjunto, contratualizado com o IAPMEI. São abrangidos pelo projecto Factor PME investimento para as empresas, que visem a melhoria da sua produtividade e a sua capacitação de acesso aos mercados, sobretudo internacionais, nas seguintes componentes: Infra-estruturas tecnológicas, Sistemas Integrados de Gestão (ERP), Sites / Portais / Lojas Virtuais, Consultoria em Marketing Digital / Marketing / TIC, Formação dos Recursos Humanos

4 2. CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS São elegíveis no âmbito do Projecto Factor PME: Empresas de qualquer natureza e sob qualquer forma jurídica, que cumpram os critérios de Pequena e Média Empresa (Classificação PME Recomendação 2003/361/CE) Empresas com sede nas regiões Norte, Centro, Alentejo (NUT II), nos concelhos indicados no Anexo 1; Empresas cuja actividade económica se inclua, em termos genéricos, nos seguintes CAE REV3 (detalhe das CAE elegíveis no Anexo 2): - Indústria: Divisões 05 a 33 da CAE; - Energia: Divisão 35 da CAE (só actividades de produção); - Comércio: Divisões 45 a 47 da CAE (só para PME); - Turismo: Divisões 55 e 56 (Grupos 561 e 563), 77 (serviços de interesse para o Turismo), 79 (Grupo 791), 90 (Grupo 900), 91 (Grupo 910), 93 (Grupos 931 a 933) e 96 (Grupo 960) da CAE; - Transportes e Logística: Divisões 49 (Grupos 493 e 494) e 52 da CAE; - Serviços: Divisões 1 e 2 (relacionados com agricultura), 37 a 39, 58, 59, 62, 63, 64 (Grupo 642), 69, 70 a 74, 77 (com exclusão do grupo 771 e da subclasse 77210), 78, 79 (Grupo 799), 80 a 82, 90 (com exclusão da subclasse 90040), 91 (com exclusão das subclasses e 91042) e 95 da CAE; - Construção: Divisões 41 (Grupo 412) a 43 da CAE. Para além das condições gerais de elegibilidade mencionadas no ponto anterior, as empresas beneficiárias devem preencher cumulativamente os seguintes requisitos: CONSTITUIÇÃO LEGAL Para efeitos de comprovação da sua constituição, as empresas devem conceder o acesso à consulta da Certidão Permanente de Registo Comercial (https://www.portaldaempresa.pt/cve/services/certidaopermanente/ ConsultaCertidao.aspx), equivalente, para todos os efeitos, à entrega da - 3 -

5 certidão do registo comercial em papel, conforme Portaria 1416-A/2006, de 19 de Dezembro. CERTIFICAÇÃO DE PME Para efeitos de comprovação do estatuto PME, as empresas devem obter ou actualizar a correspondente Certificação Electrónica prevista no Decreto-Lei n.º 372/2007, de 6 de Novembro alterado pelo Decreto-Lei n.º 143/2009, de 16 de Junho, através do sítio do IAPMEI (www.iapmei.pt). TER A SITUAÇÃO REGULARIZADA PERANTE AS FINANÇAS E A SEGURANÇA SOCIAL Para efeitos de comprovação da situação regularizada perante as Finanças e a Segurança Social, as empresas devem apresentar as respectivas declarações emitidas pelos serviços competentes (www.portaldasfinancas.gov.pt/ e AUSÊNCIA DE DÍVIDAS OU OUTRAS IRREGULARIDADES JUNTO DO IAPMEI Para efeitos de comprovação de ausência de dívidas ou outras irregularidades perante o IAPMEI, as empresas devem fazer o download, do modelo de declaração constante no formulário de candidatura, efectuar o seu preenchimento e anexar o documento no campo disponível para o efeito. As condições de elegibilidade das empresas beneficiárias devem ser reportadas à data da candidatura

6 3. CONDIÇÕES DE ELEGIBILIDADE DO PROJECTO O projecto a submeter ao abrigo do projecto Factor PME deve cumprir os seguintes requisitos: Não incluir os investimentos co-financiados por este Projecto em projectos individuais apoiados no âmbito do presente Sistema de Incentivos ou de qualquer outro da mesma natureza; Mínimos exigíveis de Formação e Consultoria: o projecto deverá cumprir os limites mínimos definidos para as tipologias de Formação e Consultoria, conforme estabelecido no ponto 7. Duração máxima de execução até 31 de Agosto de 2012: os projectos deverão estar integralmente executados, e facturados em concordância, até 31 de Agosto de

7 4. TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO São susceptíveis de apoio ao abrigo do Factor PME, projectos de empresas que apresentem investimentos nas seguintes tipologias: 4.1. Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) Sites/Portais/Lojas Virtuais: desenvolvimento, transformação ou upgrade de sites/portais, transaccionais ou institucionais, com o objectivo de permitir às empresas atingir metas de crescimento, exposição, redução de custos e/ou fidelização de Clientes: Lançamento ou transformação/actualização do site/portal - desenvolvimento de raiz ou reforço da presença da empresa no canal internet, aproveitando a plataforma existente, sendo elegíveis os seguintes investimentos: - Imagem do site/ portal: restyling da imagem do site e acrescento de novas funcionalidades; - Comércio electrónico: disponibilização de serviços de comércio electrónico desde a venda online até a serviços de pagamento e implementação de serviços de pagamento (Visa, PayPal, etc.); - Integração entre o portal e o ERP: desenvolvimento de serviços de integração entre o Portal e o ERP corporativo; - Formato multilingue: replicação de funcionalidades pré-existentes noutros idiomas. Upgrade tecnológico do site/portal - upgrade tecnológico da plataforma (software) que suporta o site, desde que devidamente justificado o enquadramento nos objectivos e prioridades do programa Factor PME. O valor de licenciamento do software de base a comparticipar não poderá ultrapassar 50% do valor de investimento total na tipologia de investimento. Disponibilização de serviços a Clientes, Fornecedores ou Colaboradores - optimização da comunicação entre a empresa e Clientes ou Fornecedores, através da troca de informação, em área - 6 -

8 reservada, para integração nos sistemas corporativos, e prestação de informação aos Colaboradores com integração automática no ERP: - Portal Cliente; - Portal Fornecedor; - Portal do Empregado. Sistemas Integrados de Gestão: implementação ou desenvolvimento de soluções de gestão que permitam ganhos de eficiência e uma abordagem aos mercados mais eficaz: Projectos de implementação: implementação de ERP (Enterprise resource planning) ou de soluções CRM (Customer relationship management) ou BI (Business Intelligence). O valor de licenciamento do software de base a comparticipar não poderá ultrapassar 50% do valor de investimento total na tipologia de investimento. Projectos evolutivos: implementação de projecto evolutivo sobre os sistemas integrados de gestão já existentes, sendo elegíveis os seguintes investimentos: - Implementação de novos módulos; - Implementação de novos requisitos de negócio; - Integração com outros sistemas; - Upgrade tecnológico de software desde que devidamente justificado o enquadramento nos objectivos e prioridades do programa Factor PME. Infra-estruturas: desenvolvimento ou upgrade da infra-estrutura informática e de comunicações da empresa, na perspectiva de uma maior eficiência na alocação e utilização de recursos, e no contacto com a base de clientes, actual e potencial

9 4.2. Formação Marketing digital: formações orientadas à conquista, retenção e geração de Clientes através dos Canais Digitais, visando a melhoria da eficácia e da integração do marketing online e a maximização do retorno do orçamento de marketing. Marketing: formações direccionadas ao desenvolvimento de competências na preparação comercial, contacto directo com Clientes e prospects, negociação, gestão de parcerias, e estruturação da comunicação. TIC: formações orientadas à familiarização e maior eficiência do utilizador no uso de ferramentas de produtividade (processador de texto, folha de cálculo e bases de dados), reforço da segurança da empresa no uso das TIC e introdução às tecnologias que estão/vão revolucionar a comunicação corporativa e a forma de fazer negócios Consultoria Marketing digital: projectos de consultoria orientados à integração e optimização do marketing online na estratégia de promoção e comunicação da empresa. Marketing: projectos de consultoria direccionados à transferência de conhecimento sobre mercados/sectores de exportação, optimização da estratégia comercial e das forças de venda com impacto no volume de negócio da empresa e medição e aferição da satisfação dos Clientes, como mecanismo de retenção. TIC: projectos de consultoria que visam a optimização operacional da empresa, ao nível de processos, transacção, actividade comercial e visão integrada do Cliente, com enfoque na automatização de actividades

10 5. INVESTIMENTOS ELEGÍVEIS Consideram-se elegíveis os seguintes investimentos: 5.1. Activo Fixo Corpóreo Hardware - Servidores / Armazenamento / Backups Soluções tradicionais (servidores físicos) Soluções de virtualização Utilização de SAN (Storage Area Network) Utilização de NAS (Network Attached Storage) Soluções de backup centralizado - Comunicações Wired: equipamentos de switching; soluções VoIp Wireless: equipamentos de switching; equipamentos Ap s e de controlo de redes sem fios; soluções VoIp Soluções de telefonia tradicional Soluções de comunicação unificadas: IM, Presença, Web Conference - Segurança Firewall Controlo de acessos e conteúdos - Postos de trabalho Tradicionais (Desktops e Laptops) Mobilidade (smartphones e/ou tablet Pc) Thin Clients (para soluções de virtualização) Software - Sistemas operativos - Software virtualização - Software de produtividade Data Centers e pólos técnicos - Cablagem estruturada - Equipamentos passivos (patch panel) - Equipamentos controlo ambiental - 9 -

11 5.2. Activo Fixo Incorpóreo Constituído por transferência de tecnologia via prestação de serviços Consultoria Prestações de serviços associadas a estudos, diagnósticos, auditorias e planos de marketing, acções de prospecção e presença em mercados externos, optimização das TIC, entre outros, conforme as tipologias de investimento elegíveis indicadas no ponto Formação Investimentos em formação de Recursos Humanos, conforme as tipologias de investimento elegíveis indicadas no ponto 4.2. Para efeito do disposto no número anterior, apenas são considerados elegíveis os valores declarados pela empresa até ao limite dos custos médios de mercado. Para determinação do valor das despesas elegíveis comparticipáveis, é deduzido o Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), sendo a empresa sujeito passivo desse imposto e podendo exercer o direito à respectiva dedução

12 6. NATUREZA, TAXAS E LIMITES DO INCENTIVO O incentivo a conceder ao abrigo do projecto Factor PME assume a forma de Incentivo Não Reembolsável ( Fundo Perdido ) até ao limite de (cento e oitenta mil euros). O incentivo a conceder é calculado através da aplicação às despesas elegíveis de taxas variáveis, definidas em função do tipo de empresa, conforme tabela abaixo: Despesas elegíveis Activo fixo corpóreo Activo fixo incorpóreo Micro e pequena empresa % Comparticipação Média empresa 45% 40% Formação 80% Consultoria 45% 40%

13 7. INVESTIMENTO MÍNIMO O projecto Factor PME não possui limites mínimos de investimento. Contudo, a submissão de candidaturas no âmbito do projecto Factor PME exige a subscrição das soluções de financiamento para Formação e Consultoria, nos mínimos abaixo indicados: Formação: número mínimo de horas de formação por empresa tabelado em função do número de trabalhadores, conforme Anexo 3; Consultoria: 60 horas. O investimento mínimo exigido em Formação e Consultoria poderá ser realizado em qualquer componente da oferta disponibilizada pela AIP-CCI nas áreas de Marketing Digital, Marketing e Tecnologias de Informação e Comunicação, conforme Anexo 4. As sessões de Formação serão calendarizadas após aprovação das candidaturas, em função do número de inscrições e da localização das empresas, sendo solicitado a inscrição dos respectivos formandos. Serão realizadas várias edições das acções de formação por distrito, pelo que a não comparência sucessiva dos formandos nas sessões de Formação, após confirmação da inscrição, não pressupõe a respectiva recalendarização, nem a devolução do valor da comparticipação da empresa. Existe a possibilidade de prestação de serviços customizados de consultoria (projectos à medida ), mediante consulta e orçamento da AIP-CCI ou entidades parceiras

14 8. APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS A apresentação de candidaturas ao projecto Factor PME processa-se através de concurso, entre o dia 16 de Junho de 2011 e o dia 21 de Setembro de 2011 (término da recepção de candidaturas às 23 horas e 59 minutos). Cada empresa poderá apenas apresentar uma candidatura. Só serão aceites candidaturas enviadas pela Internet através do Portal Factor PME (www.factorpme.aip.pt). As candidaturas devem ser constituídas obrigatoriamente pelos seguintes documentos: Formulário electrónico, disponibilizado no Portal Factor PME (www.factorpme.aip.pt); Certificado de PME emitido pelo IAPMEI; Certidão comprovativa da situação tributária regularizada perante a Fazenda Pública; Declaração comprovativa da situação contributiva regularizada perante a Segurança Social; Declaração de ausência de dívidas ou de outras irregularidades junto do IAPMEI; Propostas de fornecedores para prestação dos serviços incluídos no âmbito do projecto, conforme modelo (Anexo 5) As candidaturas devem obrigatoriamente: Indicar um responsável pela mesma, pertencente à empresa beneficiária; Apresentar um resumo do projecto e dos objectivos a alcançar com a realização dos investimentos, em linha com o âmbito do Factor PME; Indicar o prazo máximo para realização dos investimentos previstos, não podendo os mesmos ultrapassar a data de 31 de Agosto de 2012; Indicar os investimentos abrangidos pela candidatura, nomeadamente: - Site/Portal/Loja Virtual; - Sistemas Integrados de Gestão; - Infra-estruturas; - Formação;

15 - Consultoria. Apresentar a síntese do investimento a realizar, de acordo com as propostas de fornecedores seleccionadas pela empresa; Pré-seleccionar as sessões de Formação, com indicação do número de inscrições, respeitando o investimento mínimo exigido no ponto 7; Indicar o tipo de projecto de Consultoria a realizar, respeitando o investimento mínimo exigido no ponto 7. As propostas dos fornecedores devem respeitar o formato e estrutura definido no Anexo 5, e disponível para download no Portal Factor PME (www.factorpme.aip.pt). Com excepção do formulário electrónico, os restantes documentos solicitados devem ser anexos à candidatura, no espaço previsto para o efeito, em formato pdf Procedimentos de submissão e validação da candidatura A empresa, após o preenchimento de todos os campos do formulário e inserção das declarações, comprovativos e propostas de fornecedores, nos campos existentes para o efeito, submete a sua candidatura. De seguida, a empresa é notificada, para o endereço de identificado, como sendo o contacto para o Projecto, para proceder à sua autenticação, com a atribuição de um username e de uma password e validar a candidatura. Após a validação, deverá fazer o download do Termo de Responsabilidade, que deverá ser assinado pelo representante da empresa, na qualidade e com poderes para o acto, e enviado para a AIP-CCI, no prazo de 5 dias úteis

16 9. METODOLOGIA DE APURAMENTO DO MÉRITO DO PROJECTO O Mérito dos Projectos será determinado através da seguinte fórmula: MP = 0,50A + 0,25B + 0,15C + 0,10D A - Coerência e pertinência do projecto, no quadro do reforço da competitividade da empresa: a) Identificação clara dos objectivos estratégicos b) Adequação dos investimentos à estratégia e objectivos do projecto: iv. Excelente iii. Boa ii. Média i. Fraca Pontuado de acordo com a seguinte grelha: a), biv:100% a), biii):75% a), bii):50% a), bi): 25% B - Grau de integração dos investimentos previstos no projecto, tendo em vista a melhoria da qualificação e competitividade da empresa; Pretende-se avaliar o grau de integração e dependência relativa entre investimentos. - Integração total das três tipologias de investimento disponíveis (TIC; WEB e Marketing) perfeitamente articuladas com os objectivos estratégicos identificados em A 100% - Integração parcial das tipologias de investimento disponíveis, articuladas com os objectivos estratégicos identificados em A 75% - Não integração das tipologias de investimento disponíveis, mas articuladas com os objectivos estratégicos identificados em A 25%

17 - Não integração das tipologias de investimento e inexistência de objectivos estratégicos subjacentes ao projecto 0% C. - Contributo do projecto para a qualificação e valorização dos recursos humanos Relação e integração da Formação seleccionada com os restantes investimentos Valoração base Majoração (a empresa identifica a participação em mais acções, do que os mínimos obrigatórios) Integração total 90% +10% Integração parcial 70% +10% Integração fraca 50% +10% D - Impacto do Projecto no aumento do volume de vendas da empresa, nomeadamente em termos de mercados externos. A valorização deste critério será analisada pelo impacto expectável dos investimentos na capacidade da empresa aumentar o seu volume de vendas, nomeadamente em mercados externos. Aumento de Vendas ( ) Valoração base Mercado Nacional Majoração Mercado Externo Acima de 5% 90% +10% Entre 5-2,5% 80% +10% Inferior 2,5% 60% +10% 0% 0% 0%

18 9.1. APROVAÇÃO DAS CANDIDATURAS Os projectos são aprovados por ordem decrescente em função da Análise de Mérito da Candidatura e, em caso de igualdade, em função da data de entrada da candidatura

19 10. PROCESSO DE DECISÃO E FORMALIZAÇÃO DA CONCESSÃO DO APOIO O processo de decisão de apoio a candidaturas no âmbito do projecto Factor PME decorrerá segundo os seguintes trâmites: A AIP-CCI procederá à avaliação das candidaturas no prazo máximo de 40 dias corridos, incluindo o período de eventuais esclarecimentos referidos na alínea seguinte, a contar da data de encerramento do concurso; No decorrer da avaliação das candidaturas podem ser solicitados à empresa beneficiária, de uma única vez, esclarecimentos complementares, a prestar no prazo de 5 dias, decorridos os quais a ausência de resposta significará a desistência da candidatura; A AIP-CCI decide a atribuição do incentivo, sendo a empresa beneficiária notificada da decisão que recaiu sobre a candidatura. A concessão do apoio é formalizada através do envio pela AIP-CCI de um Termo de Aceitação, que deverá ser devolvido, devidamente assinado, por quem tem poderes para obrigar a entidade, no prazo de 10 dias úteis, após a comunicação da decisão de aprovação. A não devolução pela empresa beneficiária do Termo de Aceitação no prazo definido, determina a caducidade da decisão de concessão de incentivo

20 11. OBRIGAÇÕES DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS Além dos requisitos previstos no ponto 2, as empresa beneficiárias ficam ainda sujeitos às seguintes obrigações: Proceder ao arranque do projecto nos 60 dias corridos subsequentes à notificação de aprovação da candidatura, salvo autorização expressa da AIP CCI; Executar o projecto nos prazos fixados no ponto 3; Comunicar à AIP-CCI as alterações ou ocorrências relevantes que ponham em causa os pressupostos relativos à aprovação do projecto; Manter as condições de elegibilidade no Projecto, nomeadamente através da situação regularizada face à Administração Fiscal, Segurança Social e IAPMEI e a cumprir os critérios de PME confirmada através da Certificação Electrónica do IAPMEI; Disponibilizar todos os elementos e/ou documentos eventualmente necessários ao projecto, sendo responsável pelas informações que para o efeito prestar e mantendo nas suas instalações todos os documentos susceptíveis de comprovar as informações e declarações prestadas e a realização das despesas de investimento efectuadas no âmbito do Projecto; Manter afectos à respectiva actividade os activos respeitantes ao investimento apoiado, durante a vida útil do bem e vigência do Projecto. A alienação ou abate de qualquer destes activos durante a vigência do contrato deverá ser comunicada por escrito e obter aprovação expressa da AIP-CCI; Criar e manter um sistema contabilístico separado ou um Código contabilístico adequado para todas as transacções relacionadas com o projecto; Não afectar a outras finalidades, nem locar, alienar ou por qualquer outro modo onerar, no todo ou em parte, os bens e serviços adquiridos no âmbito do projecto, sem a prévia autorização da entidade competente para a decisão; Manter na empresa beneficiária, devidamente organizado em dossier, todos os documentos susceptíveis de comprovar as informações,

21 declarações prestadas no âmbito do projecto e de fundamentar as opções de investimentos apresentadas, bem como todos os documentos comprovativos da realização das despesas de investimento, o qual poderá ser consultado a qualquer momento pela AIP-CCI no processo de análise, acompanhamento e fiscalização dos projectos; Enviar para a AIP CCI os dados relativos à contabilização das facturas, de acordo com os prazos e procedimentos definidos no ponto 13 do Programa de Candidatura; Publicitar os apoios atribuídos nos termos da regulamentação e regras aplicáveis

22 12. ACOMPANHAMENTO E CONTROLO Sem prejuízo de outros mecanismos de acompanhamento e controlo que venham a ser adoptados, o acompanhamento e a verificação dos projectos serão efectuados nos seguintes termos: A verificação financeira do projecto tem por base uma Declaração de Despesa do Investimento apresentada pela Entidade Promotora (AIP-CCI), certificada por um revisor oficial de contas (ROC), através da qual confirma a realização das despesas de investimento, que os documentos comprovativos daquelas se encontram correctamente lançados na contabilidade e que o incentivo foi contabilizado nos termos legais aplicáveis; As verificações físicas e técnicas do projecto serão efectuadas pela AIP-CCI, e por outros organismos competentes para o efeito, nomeadamente o IAPMEI, em qualquer fase de execução do projecto e após a respectiva conclusão, confirmando a realização do investimento e o cumprimento dos objectivos definidos nos termos constantes da candidatura

23 13. MODALIDADE DE PAGAMENTO DE INCENTIVO As empresas beneficiárias terão 2 tipos de custos reflectidos no projecto Factor PME: Individualizáveis nas situações em que o investimento é adquirido directamente pela empresa, sendo esta responsável pela sua contabilização e pagamento ao fornecedor; Distribuíveis nas situações em que o investimento apesar de ser da empresa beneficiária, é adquirido pela AIP-CCI, sendo esta a responsável pela sua contabilização e pagamento ao fornecedor. A AIP-CCI, enquanto entidade promotora do projecto Factor PME, será a responsável pela formalização dos pedidos de pagamento de incentivo ao IAPMEI e atribuição do mesmo às empresas. Nesse sentido, prevêem-se 3 momentos de prestação de contas (sendo 2 intercalares de pedido de pagamento e 1 de saldo final (PTRF). 1º Pedido de Pagamento As empresas deverão remeter para a AIP-CCI até 31 de Março 2012 os originais das facturas correspondentes aos trabalhos realizados até essa data, acompanhadas de cópia do registo da sua contabilização e do fluxo financeiro comprovativo do pagamento aos fornecedores (cópia de cheque ou da transferência bancária com cópia do extracto bancário). Salienta-se que os pagamentos aos fornecedores deverão ser exclusivos ao projecto, de modo a facilitar qualquer conferência por parte dos financiadores. A AIP-CCI integra as facturas de todas as empresas participantes no projecto e solicita o pagamento do respectivo incentivo ao IAPMEI. Após o recebimento do incentivo, a AIP-CCI procede à transferência do mesmo a cada uma das empresas. Após a validação pelo ROC da AIP-CCI, os originais das facturas serão devolvidas às empresas

24 2º Pedido de Pagamento Em tudo idêntico ao 1º Pedido de Pagamento, sendo que o prazo de recepção das facturas deste 2º momento de prestação de contas será até 30 de Junho Último momento de prestação de contas: Saldo final Neste pedido de pagamento a título de reembolso final, só poderão constar facturas emitidas com data igual ou anterior à da conclusão do projecto (31 de Agosto 2012). As empresas deverão remeter para a AIP-CCI até 15 de Outubro 2012, os originais destas facturas do projecto, acompanhadas de cópia do registo da sua contabilização e do fluxo financeiro de pagamento. A AIP-CCI integra as facturas de todas as empresas participantes no projecto, que serão validadas pelo ROC e posteriormente submetidas ao IAPMEI. Após a validação pelo ROC da AIP-CCI, os originais das facturas serão devolvidas às empresas. O incentivo relativo ao investimento apresentado no PTRF será remetido para as empresas beneficiárias no prazo máximo de 20 dias após o seu pagamento pelo IAPMEI

25 14. CONTRIBUIÇÃO PRIVADA DAS EMPRESAS BENEFICIÁRIAS A participação das empresas beneficiárias implica que suportem a contribuição privada do projecto, já que o mesmo não é financiado a 100%. Para a contribuição privada convergem os custos distribuíveis da empresa beneficiária (valor da despesa deduzido o incentivo) e também uma parcela de custos de gestão do projecto. A par do calendário de apresentação de contas ao IAPMEI, a empresa terá 3 momentos para liquidar a contribuição privada junto da AIP-CCI, em parcelas iguais. O primeiro momento será então aquando da data limite de apresentação das facturas a 31 de Março 2012, o segundo até 30 de Junho 2012 e o terceiro até 15 de Outubro

26 15. RESOLUÇÃO DO CONTRATO O contrato de concessão de incentivo pode ser resolvido unilateralmente desde que se verifique uma das seguintes condições: Não cumprimento, por facto imputável à empresa beneficiária, das suas obrigações, bem como dos objectivos do projecto, incluindo os prazos relativos ao início da realização do investimento e sua conclusão; Não cumprimento, por facto imputável à empresa beneficiária, das respectivas obrigações legais e fiscais; Prestação de informações falsas sobre a situação da empresa beneficiária ou viciação de dados fornecidos na apresentação, apreciação e acompanhamento dos investimentos. A resolução do contrato implica a devolução do incentivo já recebido, no prazo de 30 dias úteis a contar da data da sua notificação, acrescido de juros de mora calculados à taxa em vigor para as dívidas ao Estado

27 16. DIVULGAÇÃO E INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR O presente procedimento de Candidatura e outras peças e informações relevantes estão disponíveis no Portal do Factor PME em Para esclarecimento de dúvidas relacionadas com o programa Factor PME e com a sua candidatura, poderá contactar a AIP-CCI através do ou da linha verde

28 17. ANEXOS Anexo I - Concelhos elegíveis Distrito Viana do Castelo Braga Porto Vila Real Arcos de Valdevez Amares Amarante Alijó Caminha Barcelos Baião Boticas Melgaço BragaCabeceiras de Felgueiras Chaves Monção Basto Gondomar Mesão Frio Paredes de Coura Celorico de Basto Lousada Mondim de Basto Ponte da Barca Esposende Maia Montalegre Ponte de Lima Fafe Marco de Canaveses Murça Concelhos elegíveis Valença Viana do Castelo Vila Nova de Cerveira Guimarães Póvoa de Lanhoso Terras de Bouro Vieira do Minho Vila Nova de Famalicão Matosinhos Paços de Ferreira Paredes Penafiel Porto Póvoa de Varzim Peso da Régua Ribeira de Pena Sabrosa Santa Marta de Penaguião Valpaços Vila Verde Santo Tirso Vila Pouca de Aguiar Vizela Trofa Vila Real Valongo Vila do Conde Vila Nova de Gaia

29 Distrito Bragança Aveiro Viseu Guarda Alfândega da Fé Águeda Carregal do Sal Vila Nova de Foz Côa Bragança Albergaria-a-Velha Castro Daire Almeida Carrazeda de Ansiães Anadia Mangualde Celorico da Beira Freixo de Espada à Aveiro Mortágua Figueira de Castelo Cinta Estarreja Nelas Rodrigo Macedo de Cavaleiros Ílhavo Oliveira de Frades Guarda Miranda do Douro Mealhada Penalva do Castelo Manteigas Mirandela Murtosa Santa Comba Dão Meda Mogadouro Oliveira do Bairro São Pedro do Sul Pinhel Concelhos elegíveis Torre de Moncorvo Vila Flor Vimioso Vinhais Ovar Sever do Vouga Vagos Arouca Oliveira de Azeméis Santa Maria da Feira São João da Madeira Sátão Tondela Vila Nova de Paiva Viseu Vouzela Armamar Lamego Sabugal Trancoso Aguiar da Beira Fornos de Algodres Gouveia Seia Vale de Cambra Moimenta da Beira Espinho Penedono Castelo de Paiva São João da Pesqueira Sernancelhe Tabuaço Tarouca Cinfães Resende

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04)

QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) QZP-10 Z1 BRAGA (03) VIANA DO CASTELO (16) PORTO (13) TÂMEGA (22) Z2 DOURO SUL (20) VILA REAL (17) BRAGANÇA (04) Z3 ENTRE DOURO E VOUGA (21) AVEIRO (01) VISEU (18) Z4 COIMBRA (06) LEIRIA (10) Z5 CASTELO

Leia mais

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho

Entidades Intermunicipais. Entidade Intermunicipal Designação Munícipios População. Comunidade Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal Intermunicipal Intermunicipal Área Metropolitana Intermunicipal Intermunicipal do Alto Minho Intermunicipal do Cávado Área Metropolitana do Porto Intermunicipal do Ave Intermunicipal do

Leia mais

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00%

Barreiro 0,00% Fafe 0,25% Meda 0,25% Penalva do Castelo 0,25% São Vicente 0,00% Vila Nova de Foz Côa 0,00% Batalha 0,25% Faro 0,25% Melgaço 0,00% Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Município Taxa Abrantes 0,25% Boticas 0,25% Figueiró dos Vinhos 0,00% Mirandela 0,25% Pombal 0,25% Sertã 0,25%

Leia mais

Factor PME. Junho 2011

Factor PME. Junho 2011 Projecto Factor PME Junho 2011 Índice Âmbito e Objectivos 03 Condições de Elegibilidade _Entidade beneficiária 04 _Projecto 05 Investimentos Elegíveis _Componentes de financiamento 06 _Despesas elegíveis

Leia mais

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp

https://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/main.jsp DISTRITO ANGRA DO HEROISMO 1901 ANGRA DO HEROISMO 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1902 CALHETA (AÇORES) 0,800 % 0,500 % 0,80 % 1903 SANTA CRUZ DA GRACIOSA 0,500 % 0,300 % 0,80 % 1904 VELAS 0,500 % 0,300 % 0,80

Leia mais

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013

QUADRO I. LISTA DO PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO REGISTADO POR MUNICÍPIO EM DEZEMBRO DE 2013 VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO 317 303 716 996 1.601 RIBEIRA BRAVA 127 127 125 123 1.558 PORTIMÃO 1.088 1.140 797 780 1.057 SANTA CRUZ 518 515 566 595 1.049 ALIJÓ 202 208 206 203 827 ÉVORA 541 623 867 843

Leia mais

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal

Information on the videoconferencing equipment in the courts of Portugal Information on the videoconferencing equipment in the courts Portugal No Court name & city Equipment type and make 1 Abrantes Tribunal Judicial 3 2 Abrantes Tribunal do Trabalho 1 3 Águeda Juízo de Instrução

Leia mais

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA?

ANEXO II. Página 1 ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? ORDEM TIPO DE C. CLASSE CONCELHO TEM SISTEMA? 2 C. Predial 1 VISEU NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 BRAGANÇA NÃO 0 C. Civil/Predial/Comercial 2 VILA NOVA DE CERVEIRA NÃO 0 C. Predial/Comercial 1 VIANA DO CASTELO

Leia mais

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL

DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS 1 ASSOCIADOS POR ESPECIALIDADE E CONSELHO REGIONAL DESAGREGAÇÃO DE ASSOCIADOS Notas: 1 O conselho geral deliberou, em reunião de 15 de outubro, nos termos do n.º 2 do artigo 11.º do EOSAE, agregar as delegações distritais de Beja, Évora e Portalegre numa

Leia mais

PMP (n.º dias) a 31-12-2007

PMP (n.º dias) a 31-12-2007 (N.º 20 - Resolução de Conselho de Ministros n.º 34/, publicada no DR n.º 38, 1.ª série, de 22 de Fevereiro) Ordenado por ordem decrescente do PMP em 31-12- a 30-09- a 31-12- VILA FRANCA DO CAMPO 158 182

Leia mais

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas

(Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição por Zonas Geográficas ORGANISMOS DE VERIFICAÇÃO METROLÓGICA QUALIFICADOS PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE CONTROLO METROLÓGICO LEGAL (Primeira Verificação e Verificação Periódica) Distribuição de Instrumentos e Sistemas de Medição

Leia mais

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC

Ofício-Circulado 20007, de 19/03/1999 - Direcção de Serviços do IRC Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada para cobrança em 99 (Exercício de 98) Ofício-Circulado 0, de //99 - Direcção de Serviços do IRC Taxas de Derrama lançada

Leia mais

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA

DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada VIANA DO CASTELO BRAGA PORTO VILA REAL BRAGANÇA DISTRITO CONCELHO DIA HORA Localidade LOCAL Morada BRAGANÇA VILA REAL PORTO BRAGA VIANA DO CASTELO ARCOS DE VALDEVEZ 10 de Maio de 2003 14h e 30m Braga Casa dos Crivos Orfeão de Braga CAMINHA 10 de Maio

Leia mais

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas

Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Decreto-Lei n.º 78/84, de 8 de Março Estabelece a Classificação dos Municípios do Continente e das Regiões Autónomas Por expressa determinação do Código Administrativo, no seu artigo 6.º, a classificação

Leia mais

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS

ALOJAMENTOS OFICIAIS PARA ANIMAIS DE COMPANHIA - CENTROS DE RECOLHA OFICIAIS (CRO) AUTORIZADOS 1 ABRANTES LVT INTERMUNICIPAL S PT 05 002 CGM in situ 2 ÁGUEDA C MUNICIPAL PT 03 004 CGM 3 AGUIAR DA BEIRA C INTERMUNICIPAL PT 03 005 CGM SÁTÃO 4 ALCANENA LVT INTERMUNICIPAL PT 05 005 CGM TORRES NOVAS

Leia mais

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL

Global Map of Irrigation Areas PORTUGAL NUTS3-region NUTS2-region irrigation Area actually (ha) irrigated (ha) Alentejo Central Alentejo 42 675 22 287 Alentejo Litoral Alentejo 40 289 14 427 Alto Alentejo Alentejo 39 974 20 993 Baixo Alentejo

Leia mais

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO)

RENDA MÁXIMA ADMITIDA PARA O ANO DE 2015 DE ACORDO COM A PORTARIA N.º 1190/2010, DE 18 DE NOVEMBRO (ORDENADA POR MUNICÍPIO) ABRANTES MÉDIO TEJO 334,00 468,00 589,00 AGUEDA BAIXO VOUGA 368,00 501,00 645,00 AGUIAR DA BEIRA DÃO LAFÕES 334,00 468,00 589,00 ALANDROAL ALENTEJO CENTRAL 368,00 501,00 645,00 ALBERGARIA-A-VELHA BAIXO

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013. Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 16/2013 Taxas de derrama a cobrar em 2013 Oficio Circulado n.º 20165 Com a publicação do Ofício Circulado n.º 20165, do passado dia 5 de Março, foram divulgadas a relação dos municípios

Leia mais

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética

Listagem de delegações da IGAC por ordem alfabética ÁGUEDA AGUIAR DA BEIRA ALBERGARIA-A-VELHA ALBUFEIRA ALCÁCER DO SAL ALCANENA ALCOBAÇA ALCOCHETE ALCOUTIM ALENQUER ALFÂNDEGA DA FÉ ALJEZUR ALJUSTREL ALMADA ALMEIDA ALMEIRIM ALMODÔVAR ALTER DO CHÃO AMADORA

Leia mais

Código - Designação Serviço Finanças

Código - Designação Serviço Finanças 01-AVEIRO 19-AGUEDA 4 01-AVEIRO 27-ALBERGARIA-A-VELHA 2 01-AVEIRO 35-ANADIA 3 01-AVEIRO 43-AROUCA 3 01-AVEIRO 51-AVEIRO-1. 1 01-AVEIRO 60-CASTELO DE PAIVA 1 01-AVEIRO 78-ESPINHO 1 01-AVEIRO 86-ESTARREJA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 73 14 de Abril de 2008 2193 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Decreto-Lei n.º 68/2008 de 14 de Abril Nos termos do Programa do XVII Governo Constitucional considera

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT. Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação - NERSANT Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e está a lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores"

Memorando apresentado pelo ME sobre recrutamento e colocação de professores Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Memorando apresentado pelo ME sobre "recrutamento e colocação de professores" 0. QUESTÃO PRÉVIA SOBRE A NEGOCIAÇÃO Em primeiro lugar, a FENPROF pretende

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PEDIDO DE HABITAÇÃO O presente documento pretende apoiá-lo/a no preenchimento do formulário Pedido de Habitação, informando que os campos identificados com

Leia mais

Para conhecimento e informação aos interessados, divulga-se a lista de Municípios, com a

Para conhecimento e informação aos interessados, divulga-se a lista de Municípios, com a Classificação: 2 O 5. O 5. O 2 Segurança: 1-AT autoridade tributária e aduaneira Processo: 428/2014 DIREÇÃO DE SERViÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS Oficio Circulado N,o: 20170 de

Leia mais

Taxas de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças

Taxas de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças s de derrama em cobrança em 2014 corrigidas pelas Finanças Após publicação do ofício circulado nº 20170 de 2014-03-1, a Autoridade Tributária emitiu novo ofício circulado o nº20171/2014 de 25-03-2014 no

Leia mais

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014

Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E. 26 de Março, 2014 Apresentação dos Fundos Revitalizar Sessão de apresentação TORRES INOV-E 26 de Março, 2014 A OxyCapital gere dois fundos (FRE e FRC) e estáa lançar um fundo Mezzanine para oportunidades híbridas de dívida/capital

Leia mais

Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3

Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Linha de Apoio I Território, Destinos e Produtos Ficha Informativa - Junho 2007 Índice Âmbito de Aplicação... 3 Promotores... 3 Enquadramento Territorial... 3 Desenvolvimento de Pólos Turísticos... 3 Desenvolvimento

Leia mais

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade

Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Serviços disponibilizados pelas autarquias através do Balcão do Empreendedor Informação atualizada no dia 18 de junho 2012 Grupo Entidade Formalidade Acampamento ocasional Câmara Municipal de Braga Acampamento

Leia mais

Portugal Mapas e Números

Portugal Mapas e Números Plano Anual de Atividades 2011-12 Portugal Mapas e Números Código da atividade ogf3 Destinatários Toda a comunidade educativa da ESSM Intervenientes Responsáveis Prof. Augusto Cebola e Prof. Jorge Damásio

Leia mais

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses.

Bloom Consulting. Digital Demand. Countries Regions and Cities. Digital Demand - D2. A Atratividade Online dos Municípios Portugueses. - D2 A Atratividade Online dos Municípios Portugueses Portugal Bem-vindo! Since 2003 Introdução ao A Bloom Consulting desenvolveu a ferramenta (D2) de forma a obter todos os dados relevantes sobre o comportamento

Leia mais

A REABILITAÇÃO URBANA & O NOVO REGIME DOS GOLDEN VISA

A REABILITAÇÃO URBANA & O NOVO REGIME DOS GOLDEN VISA II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Os investidores, protagonistas na reabilitação urbana 16 de Abril A REABILITAÇÃO URBANA & O NOVO REGIME DOS GOLDEN VISA Hugo Santos Ferreira (Secretário-geral

Leia mais

Mais se solicita brevidade no envio da referida lista de candidatos a peritos locais da avaliação geral, se possível até final próxima semana.

Mais se solicita brevidade no envio da referida lista de candidatos a peritos locais da avaliação geral, se possível até final próxima semana. Documento recebido da Autoridade Tributária relativamente ao processo de seleção de peritos locais de avaliação geral a selecionar por Serviço de Na sequência dos contactos efetuados sobre o assunto em

Leia mais

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79

< 5 4,28 5,57 5,86 6,41 20,48 5 a 10 4,65 6,05 6,14 6,98 28,79 Serviço Standard Serviço Especial Peso (Kg) 1 2 3 4 5 Entrega até às 18:00H GRUPOL10H GRUPOL13H GRUPOLSAB GRUPOLMA Entrega até às 10:00H do dia seguinte Entrega até às 13:00H do dia seguinte Entrega ao

Leia mais

GUIA PRÁTICO ISENÇÃO/REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA REGIÕES COM PROBLEMAS DE INTERIORIDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO ISENÇÃO/REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA REGIÕES COM PROBLEMAS DE INTERIORIDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO ISENÇÃO/REDUÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA REGIÕES COM PROBLEMAS DE INTERIORIDADE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Isenção/Redução da Taxa Contributiva Regiões

Leia mais

Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net

Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net Amigas das Pessoas Idosas Teresa Almeida Pinto http://cidades.projectotio.net Associação Valorização Intergeracional e Desenvolvimento Activo Amigas das Pessoas Idosas cidades I Estudo nacional sobre amigabilidade

Leia mais

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos.

1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. Ficha técnica 1. TOMADOR DO SEGURO/ SEGURADO Poderão contratar este seguro os Colaboradores, incluindo os seus familiares directos. São considerados familiares directos: - o cônjuge, desde que viva em

Leia mais

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte

DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte DRAP Norte - Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Produção de Pequenos Frutos na Região Norte Em Portugal, à exceção do morango,

Leia mais

Vistos Gold em Portugal Autorização de Residência para Investidores

Vistos Gold em Portugal Autorização de Residência para Investidores Vistos Gold em Portugal Autorização de Residência para Investidores O programa Vistos Gold, lançado pelas autoridades portuguesas, é um método rápido para investidores estrangeiros obterem uma licença

Leia mais

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo

Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade. Preâmbulo Estatísticas das redes e serviços de alta velocidade Preâmbulo 1. Tendo em conta que: a) desde o final de 2007 que o Governo assumiu o desenvolvimento das redes de nova geração (RGN) como uma prioridade

Leia mais

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015

PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 26092-(2) Diário da República, 2.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 PARTE C PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Gabinete do Secretário de Estado da Administração Local Despacho n.º 10123-A/2015 Considerando

Leia mais

Projecto Factor PME O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME. www.trigenius.pt factorpme@trigenius.

Projecto Factor PME O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME. www.trigenius.pt factorpme@trigenius. Projecto Factor PME Junho 2011 O FACTOR PME É UM PROJECTO DE FINANCIAMENTO QUE VISA POTENCIAR A COMPETITIVIDADE DAS PME www.factorpme.aip.pt www.trigenius.pt factorpme@trigenius.pt Âmbito e Objectivos

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E

Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E Sistema Integrado de Gestão de Resíduos de Equipamentos Eléctricos e Electrónicos -Amb3E - Victor Sousa Uva Amb3E Vila Real, 21 de Fevereiro de 2007 Agenda 1. Enquadramento Legal 2. Amb3E 3. Centros de

Leia mais

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo

Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS. Isabel Rodrigo Seminário AGRICULTURA FAMILIAR E SUSTENTABILIDADE DOS TERRITÓRIOS RURAIS Agricultura Familiar no Rural Baixa Densidade Sul: uma síntese Isabel Rodrigo Instituto Superior de Agronomia (ISA/UL) Sociedade

Leia mais

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade

Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade Emergência de instrumentos e mecanismos de liderança a e participação em territórios rios de baixa densidade O caso dos PROVERE Joaquim Felício CCDRC/MAIS CENTRO Coimbra, 24 novembro 2014 1 política pública

Leia mais

a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1

a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1 a eficiência do ramo da educação pré-escolar no norte de portugal uma análise da última década 1 Paulo Reis Mourão Daniela Gaspar Resumo: Palavras-chave Portugal Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes

Leia mais

Declaração. Fundamento Data Finalidade Município/Freguesia beneficiario

Declaração. Fundamento Data Finalidade Município/Freguesia beneficiario Direcção-Geral do Orçamento Ministério das Finanças e da Administração Pública Declaração Em cumprimento do disposto no número 7 do art.º 8 da lei 2/2007 de 15 de Janeiro que aprova a Lei das Finanças

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005 PROSPECTO SIMPLIFICADO Actualizado a 31 de Janeiro de 2005 Fundo de Investimento Mobiliário RAIZ POUPANÇA ACÇÕES Tipo de Fundo: Fundo de Poupança em Acções Início de Actividade: 21 de Novembro de 1995

Leia mais

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

Parque Automóvel Seguro 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL 2000-2001 INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance

Leia mais

151506 - Agrupamento de Escolas da Lixa, Felgueiras. 151105 - Agrupamento de Escolas À Beira Douro, Gondomar

151506 - Agrupamento de Escolas da Lixa, Felgueiras. 151105 - Agrupamento de Escolas À Beira Douro, Gondomar Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Concurso Interno QZP Amarante (1301) 151099 - Agrupamento de Escolas de Amarante Amarante (1301) 152936 - Agrupamento de

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Necessidades Temporárias QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada Observações

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta

ACES com programação completa cobertura total ACES com programação parcial - cobertura ainda incompleta ACES Início Conclusão 00 0 0 Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Nov Dez Alto Minho -0-00 -0-0 Alto Tâmega e Barroso 8-06-00-07-0 Aveiro Norte 0-09-00-0-0

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Necessidades Temporárias QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada Observações

Leia mais

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009

1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 1712 Diário da República, 1.ª série N.º 54 18 de Março de 2009 Portaria n.º 273/2009 de 18 de Março O Programa do XVII Governo Constitucional define que «o sistema [de saúde] deve ser reorganizado a todos

Leia mais

Artigo 3.º Objetivos e Competências

Artigo 3.º Objetivos e Competências CAPÍTULO I Objeto, objetivos e competências Artigo.º Objeto O presente regulamento regula as regras relativas ao processo de recrutamento, seleção e afetação de formadores externos da ENB. Artigo.º Definição

Leia mais

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana

Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Política de Cidades Parcerias para a Regeneração Urbana Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas de Operações Isoladas PRU/1/2008 Política de Cidades Parcerias para a Regeneração

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004)

Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento Hospitalar em Portugal Continental (2000-2004) http:// www.insa.pt Concordância Geográfica de Riscos Extremos de Morte e de Internamento

Leia mais

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada QZP 1 Amarante (1301) 151099 - Agrupamento

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Manifestação de Preferências para Mobilidade Interna QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada QZP 1 Amarante

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas

Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas Concelho Amarante (1301) Amarante (1301) Amarante (1301) Amares (0301) Arcos de Valdevez (1601) Baião (1302) Baião (1302) Baião (1302) Cabeceiras de Basto

Leia mais

Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento

Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Redução da Factura Energética na Rede de Iluminação Pública Instalação de Reguladores de Fluxo Luminoso Aviso Apresentação de Candidaturas -

Leia mais

ANEXO. Casa Pronta. 13 de Maio de 2008

ANEXO. Casa Pronta. 13 de Maio de 2008 GABINETE DO SECRETÁRIO DE ESTADO DA JUSTIÇA ANEXO Casa Pronta 13 de Maio de 2008 1. O que é o balcão Casa Pronta? O Casa Pronta é um balcão único onde é possível realizar todas as operações relativas à

Leia mais

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR DGAE DIRECÇÃO-GERAL DA ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Códigos de Agrupamentos e Escolas não agrupadas para efeitos de validação QZP Concelho Agrupamento ou Escola não agrupada QZP 1 Amarante (1301) 151099 - Agrupamento

Leia mais

TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal

TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal TIC, World Wide Web e infraestrutura digital: análise dos sítios Internet das empresas no Noroeste de Portugal Ricardo Fernandes 1, Rui Gama 2, Cristina Barros 3 1) Departamento de Geografia da Faculdade

Leia mais

Esta opção irá voltar ao original a home e restaurar todos os widgets e categorias fechados.

Esta opção irá voltar ao original a home e restaurar todos os widgets e categorias fechados. Esta opção irá voltar ao original a home e restaurar todos os widgets e categorias fechados. Reiniciar 13 de Janeiro de 2011 Ficha técnica Política de Privacidade RSS feed Home Temas Aveiro Arouca Espinho

Leia mais

Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial. Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas - CIMDOURO-AAE-200901

Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial. Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas - CIMDOURO-AAE-200901 para Apresentação de Candidaturas - Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento Empresarial para Apresentação de Candidaturas - Nos termos do Regulamento Específico - Sistema de Apoio a Áreas de Acolhimento

Leia mais

REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO

REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO REFORMA JUDICIÁRIA - NOVO MAPA JUDICIÁRIO A reforma do Mapa Judicial, aprovada em Conselho de Ministros, insere-se num vasto conjunto de medidas legislativas na área da Justiça que o Governo já realizou

Leia mais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais

Reabilitação de Coberturas em Tribunais Gouveia (Seia / Coimbra) Grândola (Santiago do Cacém / Évora) Inaugurado em 10/10/1982 Guarda (Guarda / Coimbra) Inaugurado em 27/04/1953 Guimarães (Guimarães / Porto) Arq. Luís Benavente Inaugurado em

Leia mais

Multirriscos Habitação

Multirriscos Habitação Produto Âmbito Duração Cliente-alvo Multirriscos Garante casas de habitação em bom estado de conservação, que sejam residência permanente, contra a generalidade dos riscos a que estão sujeitas. Um ano

Leia mais

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães

CAPELANIAS HOSPITALARES estimativa de despesas (mensais e anuais) do Estado com vencimentos dos capelães Estimativa (por aproximação grosseira e por defeito) do custo mensal para o Estado de cada capelão em funções nos estabelecimentos de saúde civis (nota: capelães coordenadores auferem vencimentos mais

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Empreendedorismo Qualificado CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 05/SI/2010 1 Índice Destinatários... 3 Condições de Elegibilidade do

Leia mais

GUIA PRÁTICO PROGRAMA CONFORTO HABITACIONAL PARA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO PROGRAMA CONFORTO HABITACIONAL PARA PESSOAS IDOSAS Manual de GUIA PRÁTICO PROGRAMA CONFORTO HABITACIONAL PARA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Programa Conforto

Leia mais

INDICADOR SINTÉTICO DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL OU DE BEM-ESTAR DOS MUNICÍPIOS DO CONTINENTE PORTUGUÊS

INDICADOR SINTÉTICO DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL OU DE BEM-ESTAR DOS MUNICÍPIOS DO CONTINENTE PORTUGUÊS INDICADOR SINTÉTICO DE DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL OU DE BEM-ESTAR DOS MUNICÍPIOS DO CONTINENTE PORTUGUÊS José R. Pires Manso 1 Universidade da Beira Interior, pmanso@ubi.pt Nuno Miguel Simões 2

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

ISEL Instituto Superior de Engenharia de Lisboa A Rede de Transporte e o Desenvolvimento das Interligações Francisco Silva Reis Workshop em Energia Eléctrica Luanda 8 e 9 de Setembro 2011 Instituto Superior de Engenharia de Lisboa 1 Estrutura da apresentação

Leia mais

Itinerários Principais

Itinerários Principais Itinerários Principais Bragança Viana do Castelo Braga IP9 Vila Real IP4 Porto Aveiro IP3 Viseu IP5 Guarda Coimbra Leiria Castelo Branco IP6 Santarém IP2 Portalegre IP1 Lisboa Setúbal IP7 Évora IP8 Beja

Leia mais

Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Energia Eficiência Energética na Iluminação Pública

Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Energia Eficiência Energética na Iluminação Pública Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Energia Eficiência Energética na Iluminação Pública Aviso de Abertura de Concurso para apresentação de Candidaturas - E EEIP/1/2011 - Energia

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI

Centros de Recursos. Profissional de Vila Real TORRE DE MONCORVO. Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS APACI DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE Profissional de Vila Real VILA REAL TORRE DE MONCORVO A2000 ARDAD Centro de Emprego do Baixo Ave VILA NOVA DE FAMALICÃO ACIP SANTO TIRSO Centro de Emprego de Barcelos BARCELOS

Leia mais

Itinerários Complementares

Itinerários Complementares Itinerários Complementares Viana do Castelo IC28 Bragança IC14 Braga Trofa Vila do Conde Santo Tirso Paços de Ferreira IC25 Matosinhos IC1 IC23 IC2 Espinho Paredes Valongo Porto IC24 Gondomar IC29 Porto

Leia mais

Propostas da Cáritas no âmbito da Pobreza Infantil

Propostas da Cáritas no âmbito da Pobreza Infantil Propostas da Cáritas no âmbito da Pobreza Infantil 1. UNICEF - {Integrar) Criar uma Estratégia Nacional para a Erradicação da Pobreza Infantil centrada nos direitos da criança, que adopte uma abordagem

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Documento explicativo sobre o artigo 18.º que estabelece as obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa

Leia mais

COMISSÕES DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS

COMISSÕES DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS ABRANTES Rua Grande, nº12 241 361 695 241 361 695 2200-418 Abrantes cpcj.abrantes@gmail.com cpmab1@sapo.pt http://cpcjabrantes.blogspot.com ÁGUEDA Rua da Misericórdia, n.º 189 234 180 112 234 611 298 3750-130

Leia mais

ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO DAS ACÇÕES...4. PERGUNTAS FREQUENTES - FAQs...5 CALENDÁRIO DE ACÇÕES.

ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO DAS ACÇÕES...4. PERGUNTAS FREQUENTES - FAQs...5 CALENDÁRIO DE ACÇÕES. Empresa de Gestão Partilhada de Recursos da Administração Pública, EPE Instituto Nacional de Administração, IP Março 2010 Índice ENQUADRAMENTO...3 DESTINATÁRIOS...3 INFORMAÇÕES...3 CANDIDATURAS...3 AVALIAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Diário da República, 1.ª série N.º 33 15 de fevereiro de 2013 925 2 - A utilização da senha de acesso atribuída às pessoas que cumpram as formalidades declarativas por transmissão eletrónica de dados tem

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA

COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA COMPOSIÇÃO DO GRUPO CRÉDITO AGRÍCOLA 133 1. Caixa Central e Empresas do Grupo CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO, C.R.L. Tel.: 213 809 900 Fax: 213 8 861 CRÉDITO AGRÍCOLA INFORMÁTICA - SISTEMAS DE

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro

Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Lei n.º 144/2015, de 8 de setembro Artigo 18.º - Obrigações dos operadores económicos - Informação aos consumidores sobre as entidades de Resolução Alternativa de Litígios de Consumo SOU UMA EMPRESA OU

Leia mais

Índice 1. NOTA PRÉVIA... 3 2. SÍNTESE DE RESULTADOS... 5 3. RESULTADOS EM DESTAQUE... 6 4. EXECUÇÃO POR MEDIDA... 8

Índice 1. NOTA PRÉVIA... 3 2. SÍNTESE DE RESULTADOS... 5 3. RESULTADOS EM DESTAQUE... 6 4. EXECUÇÃO POR MEDIDA... 8 Relatório do Simplex autárquico 2010/2011 Índice 1. NOTA PRÉVIA... 3 2. SÍNTESE DE RESULTADOS... 5 3. RESULTADOS EM DESTAQUE... 6 4. EXECUÇÃO POR... 8 ANEXO I - DESEMPENHO DAS AUTARQUIAS POR 109 2 No relatório

Leia mais

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO. Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu. Mobilidade e Transporte

SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO. Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu. Mobilidade e Transporte SEMANAEUROPEIADAMOBILIDADE 16-22 SETEMBRO Escolhe. Muda. Combina. www.dotherightmix.eu Mobilidade e Transporte Uma nova campanha com um sentimento familiar Para reforçar o potencial das campanhas DO THE

Leia mais

Novidades na plataforma SSAIGT 2.0

Novidades na plataforma SSAIGT 2.0 14 de outubro de 2015 Novidades na plataforma SSAIGT 2.0 Funciona numa única plataforma online, sem necessidade de instalação local e de atualizações; Permite o acesso a uma organização dos formulários

Leia mais

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio.

Maputo, a sua capital, é o seu porto de mercadorias por excelência e principal centro de comércio. Missão Empresarial Moçambique 28 agosto 3 setembro 2014 Moçambique: porta de entrada na África Austral Moçambique é hoje um mercado em expansão com mais de 24 milhões de consumidores, que tem vindo a registar

Leia mais