SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO. A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista...02 Max Weber e o espírito do apitalismo...02 PRIMEIRO CONCEITO-Ética protestante e Espírito do apitalismo...04 Atividades...05 Referências...06 Emile Durkheim e a Divisão Social do Trabalho Atividades...08 Karl arx...09 PRIMEIRO CONCEITO-Alienação...10 Atividades...10 Referências...11! "!

3 A contribuição dos clássicos da Sociologia para a compreensão da estrutura do trabalho na sociedade Capitalista. No mundo do trabalho, as formas de produção ao longo da historia passaram por mudanças relevantes quanto à estrutura e mentalidades socais. Em outros termos, a maneira de pensar o trabalho ganhou novas formas além da já conhecida. O ato de executar as tarefas ficou mais dinâmico no mundo Capitalista, além da concepção entendida pelos homens sobre o significado do trabalho. Em termos históricos, o mundo do trabalho possuía suas variações de acordo com a sociedade em questão. Entre os gregos o trabalho manual consistia na execução do escravo, atividade penosa e vil que representava a inferioridade do ser humano. Na sociedade feudal a inferioridade do trabalho ainda permanecia atrelada a princípios religiosos da época. A Igreja no período considerava o trabalho como resultado do pecado original, considerando o trabalho manual como uma tortura ou castigo imposto por Deus ao homem. Entretanto com o surgimento da modernidade e o desenvolvimento do capitalismo, as mudanças nas relações sociais contribuíram para que o trabalho fosse aceito e valorizado, o que resultou na discussão sobre o seu significado. Na sociedade feudal a censura da Igreja Católica sobre o trabalho, compreendia um discurso teológico do pecado original do primeiro homem e da primeira mulher (Adão e Eva) os dois foram banidos do paraíso e a busca do sustento através do trabalho. MAX WEBER E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O sociólogo alemão Max Weber desenvolveu uma análise sobre o Capitalismo que visa entender de uma forma científica a relação íntima entre religião e capital. Para o autor o desenvolvimento do capitalismo Ocidental moderno que conhecemos, foi de uma forma favorecido pela Reforma Protestante. O protestantismo segundo Weber, através de uma mentalidade cultural e religiosa diferente dos princípios católicos, proporcionou ou mesmo ajudou na postura ou na mentalidade sobre o trabalho Nessa concepção diferenciada protestante, o trabalho passa a ser encarado como positivo virtuoso e aceito mesmo pelo próprio Deus. A ética protestante atribui ao trabalho, uma valorização fundamental tanto material como social. Dessa forma o pensador Weber descobriu grande a finalidade entre os rigorosos mandamentos da! #!

4 teologia protestante e o comportamento do capitalismo típico, dedicada à busca racional do lucro. Enquanto a Igreja Católica condenava o lucro a avidez pelo enriquecimento terreno, o protestante (calvinista) defendia que a prosperidade de uma pessoa seria sinal (e não certeza) de que estava entre os eleitos de deus. Max Weber destaca todas essas concepções na sua obra mais famosa, A ética protestante e o Espírito do capitalismo. Diferente do que possa imaginar, o sociólogo em nenhum momento afirmou que o capitalismo não exista ou passou a existir somente com o protestantismo. O que o autor argumenta é que o desenvolvimento do capitalismo moderno com suas características (o racionalismo monetário) apareceu com estreita relação com o cristianismo protestante. Casal protestante e trabalho racional e metódico. O autor menciona que a ética protestante sobre o trabalho seria muito bem aceita pela classe Burguesa na questão da valorização do trabalho e o lucro. O protestantismo estimulou o espírito capitalista e em conseqüência, o comportamento dos homens de negócios. Na tese de Max Weber como funcionava a relação entre religião e capital? Na concepção religiosa protestante afirmava que o único modo de alguém provar aos outros e a si próprio que era um dos eleitos por deus seria trabalhar muito, economizar e ter sucesso na acumulação da riqueza econômica. Por outro lado, esbanjar esta riqueza em coisas fúteis (festas e farras) era desaprovado por deus; essa riqueza precisava do reinvestida, para a produção cada vez maior. Nessa concepção, a riqueza em si não é condenável, mas sim aquilo que ela pode levar, isto é, o não trabalho, a vadiagem o desfrute, a ostentação e a preguiça, que ela pode causar. Nesse sentido, um dos pecados maiores passa a ser o tempo perdido em coisas improdutivas. (Tomazi, Nelson 2006) Weber notou que os lugares e regiões onde o capitalismo mais se desenvolveu, curiosamente possuíam uma parcela significativa de protestantes. Entendendo que a postura protestante contribuiu em muito para um tipo de capitalismo racional. O trabalho racional, regular e constante acaba sendo interpretada, na ética protestante, como a obediência a um mandamento divino. Não se trata, para os protestantes, de valorizar os bens deste mundo; ao contrário, trata-se de desconfiar deles e adotar um comportamento devotado à virtude divina. (Paulo Sergio, 2008)! $!

5 Capa do Livro de Weber: A ética protestante e o espírito do Capitalismo Como o trabalho era visto como um meio de demonstrar essa devoção a Deus, a Igreja Protestante, representada por seus líderes, condenava todo tipo de ócio, gozo e descanso. Logo, a perda de tempo é, assim, o primeiro e em princípio o mais grave de todos os pecados. A capacidade de lucrar, para o protestante, é vista com bons olhos por Deus e, inclusive, foi ele quem elegeu os indivíduos a alcançarem tal posição social e econômica. Diante da condenação do gozo da vida, os indivíduos não viam outra saída se não se dedicar de corpo e alma a sua vocação para o trabalho profissional e racional. PRIMEIRO CONCEITO Ética protestante e Espírito do Capitalismo No Livro A ética protestante e o espírito do capitalismo ( ), Weber desenvolveu a idéia de que a ética protestante foi fundamental para a existência De um tipo de capitalismo, pois propiciou maior acumulação de capital a o valorizar o trabalho e um modo de vida disciplinado, racional sem gastos (TOMAZI, Nelson. 206) Logo a realização do lucro e da acumulação do capital nada mais é que o resultado de uma poupança construída a partir de uma coerção religiosa protestante a pratica de economizar. Segundo Tomazi, a ética protestante do trabalho de certa forma vai ser muito bem apropriada pela burguesia comercial e posteriormente a industrial, que precisava de trabalhadores dedicados, sóbrios e dóceis em relação às condições de trabalho e aos baixos salários. Considerando estes aspectos mencionados, a conduta da vida ética regrada pela dedicação ao trabalho profissional baseada nos preceitos religiosos da Igreja Protestante contribuiu para o desenvolvimento da conduta de vida burguesa economicamente racional. Favorecendo ideologicamente os trabalhadores e sua função no mundo, pondo o lucro como o aspecto mais importante na aceitação de deus dos verdadeiros homens.! %!

6 ATIVIDADES 01- O que constitui a conduta da vida ética e como essa prática contribuiu para o desenvolvimento do capitalismo moderno? Gabarito: a conduta de vida ética se constitui na condução de uma vida regrada pela dedicação ao trabalho profissional baseada nos preceitos religiosos protestantes que condenavam todo tipo de ócio, gozo e descanso. Essa relação favoreceu o desenvolvimento da conduta de vida economicamente racional, pois os indivíduos dedicaram-se a sua vocação para o trabalho profissional. Como existia uma coerção à poupança, aqueles que conseguiam acumular algum ganho acabaram investindo esse capital na produção, contribuindo assim, para o desenvolvimento do capitalismo moderno.! &!

7 REFERÊNCIA Carmo, Paulo Sérgio, Sociologia e sociedade pós-industrial: Uma introdução. São Paulo: Paulos, Tomazi, Nelson Dacio, Sociologia para o ensino médio São Paulo: Atual, 2007 Tomazi, Nelson Dacio. Iniciação a Sociologia São Paulo: Atual, 2000.! '!

8 EMILE DURKHEIM E A DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO O sociólogo Frances Emile Durkheim ao analisar o trabalho nas sociedades, compreende o quanto ele pode despertar entre os indivíduos a solidariedade. Diferente de Karl Marx que dizia que a divisão do trabalho proporciona conflito e mesmo lutas de classes, Durkheim entende que a divisão social do trabalho na sociedade moderna contribui para a solidariedade entre os indivíduos, mesmo estes aparentarem diferenças de funções. PRIMEIRO CONCEITO Divisão social do trabalho Em seu livro Divisão do trabalho social, escrito no final do século XIX, procura demonstrar que a crescente diferenciação do trabalho, com os mais diversos profissionais, trazia consigo uma forma superior de solidariedade, e não o conflito. Quanto ao tema trabalho, Durkheim vai dividir as sociedades em dois tipos básicos com suas respectivas solidariedades: a Mecânica e Orgânica. A primeira solidariedade mecânica (ou por semelhança), a integração entre os indivíduos é intensa. Sociedades simples (hordas, Clãs, tribos), marcada por uma divisão do trabalho de forma também simples entre homens e mulheres, dado o pequeno número de pessoas que as compõem, predomina uma coesão social maior entre os indivíduos. Nelas, o conteúdo de consciência coletiva é o culto à própria sociedade, o respeito total e absoluto à suas crenças. Por isso, nas sociedades de solidariedade mecânica, os indivíduos são totalmente envolvidos pela consciência coletiva e quase não existem diferenças entre eles. O que matem os indivíduos e grupos unidos, nesse tipo de sociedade, é o princípio da semelhança: todos exercem aproximadamente as mesmas atividades. Quando a solidariedade mecânica está na base da sociedade da coesão social, a consciência coletiva envolve completamente a consciência individual. O indivíduo não pertence a si mesmo, pertence à comunidade.! (! Sociedades tribais: forma de solidariedade mecânica. O segundo tipo de sociedade ou solidariedade é a orgânica, diferente da mecânica, pois possui uma grande diferenciação entre os indivíduos. A quantidade de funções entre as pessoas é maior e mesmo a divisão do trabalho é bem mais intensa. O termo é orgânico em decorrência a comparação da sociedade a um organismo, com muitas partes interdependentes mais que estão conectadas uma as outras. Para Durkheim a solidariedade orgânica é típica da modernidade, o capitalismo com suas diversas atividades proporcionam um número grande de profissionais com funções e posturas diferentes. Ao promover a interdependência

9 das funções profissionais especializadas, a divisão do trabalho social, cuja origem é o aumento da população, gera a solidariedade orgânica. Cena do filme Tempos Modernos: a linha de produção o exemplo concreto da divisão do trabalho e da interdependência entre as partes (entre os indivíduos) na sociedade orgânica. Na solidariedade orgânica o profissional inevitavelmente dependerá de outro; a divisão do trabalho é maior mais isso não seria um obstáculo para a solidariedade, pelo contrário, a pesar de diferentes cada um necessita do outro para integração. Já que nenhum profissional é auto-suficiente, ou seja, a solidariedade é reforçada nesse aspecto, pois cada um ajuda a própria sociedade com a sua especificidade. Durkheim procura mostrar como, nas sociedades modernas as funções sociais da divisão do trabalho são a principal fonte de coesão ou solidariedade social. Portanto na teoria de Durkheim bem longe do conflito de classe, a sociedade apresenta um grau de solidariedade entre os indivíduos. Na leitura oposta à noção marxista de conflito entre as classes, Durkheim entende que as classes são coordenadoras, cooperativas entre si, e nunca rivais. Elas se complementam mutuamente, proporcionando uma harmonia no funcionamento da sociedade. Depois da comemoração pela notícia de que os 33 mineiros presos há 19 dias em uma mina no norte do Chile estavam vivos e bem de saúde, o foco da preocupação se torna o planejamento para mantêlos vivos pelos quatro meses que o resgate deve levar para chegar até eles e libertá-los do cubículo a 700 metros de profundidade. APESAR DE SUAS DIFERENÇAS CADA MINEIRO CONSEGUIO SE AJUDAR E AJUDAR SEUS COMPANHEIROS, EM SUA ESPECIALDIADE (somos diferentes mais interdependentes). ATIVIDADES 01. Qual é a função da divisão do trabalho e qual seu indicador empírico? Gabarito: a função da divisão do trabalho é gerar solidariedade social e seu indicador empírico é a formação do sistema jurídico através do direito.! )!

10 KARL MARX Para Karl Marx o processo de trabalho na sociedade capitalista passa pela desigualdade das relações de produção entre as classes. O que define o sistema capitalista e seu modo de produção é o processo desigual entre as classes, no caso de burgueses (detentores dos meios de produção) e trabalhadores (vende sua força de trabalho). Marx identifica no que denomina de Mais-valia o grande responsável pelo processo desigual entre grupos sociais. A mais valia corresponde à diferença entre o valor das mercadorias produzidas pelo trabalhador e o valor de sua força de trabalho (capacidade para trabalhar) expressa no salário. O trabalhador produz muito mais valor (riqueza na forma de mercadoria) do que recebe em troca pela única mercadoria que possui, e é obrigado a vender no mercado de trabalho para sobreviver: a sua força de trabalho. (Lazzareschi, 2008) Em outros termos, o conflito entre as duas classes pode resumir-se na oposição entre aqueles que nada possuem e só podem vender a sua força de trabalho, como os operários; e os que têm propriedade, os burgueses, que se apropriam da mais-valia produzida pelo operariado para o crescimento de seus rendimentos e de seus negócios. Desse ponto de vista, o capitalismo só existe se houver exploração. Para Marx esse processo desigual da mais valia (que compreende horas de trabalho não pagas) representa a relação unilateral entre as classes. As classes sociais, por ocuparem posições diferentes no processo de produção da riqueza, posições determinadas pela propriedade ou ausência de propriedade dos meios de produção, têm interesses econômicos divergentes, razão pela qual estão permanentemente em relações sociais de conflito (existentes nas greves, nos movimentos sociais, nas reivindicações por melhores condições de vida). A classe que dispõe dos meios de produção material dispõe igualmente dos meios de produção intelectual, de tal modo que o pensamento daqueles a quem são recusados os meios de produção intelectual estão submetidos igualmente à classe dominante. (MARX, 1974, p.56) Considerando, portanto o sistema capitalista, Marx entende que a relação de produção no sistema passa pela as relações desiguais. Para Marx a grande contradição do processo e constatar que o indivíduo que mais produz riqueza (proletariado) é também o mais pobre e explorado. Segundo Marx, a contradição compreende a grade marca dos modos de produção e principalmente do sistema capitalista. Os conflitos existentes entre as classes representam para Marx um sinal de que o capitalismo em sua base não é perfeito, a tecnologia e a produção é dinâmica mas não é um sinônimo de justiça social. E a mais-valia representa essa! *!

11 opressão o burguês dobre o trabalhador, demonstrando a desigualdade e a contradição como os aspectos predominantes do mundo do trabalho capitalista. PRIMEIRO CONCEITO Alienação Todo trabalho deveria ser uma atividade criativa e produtiva. Por produtiva, Marx entende uma atividade que desenvolve e aprimora o ser humano. No sistema capitalista, porém, vigora o trabalho alienado, isto e, trabalho assalariado imposto a alguns homens por outra como atividade forçada, oposta à livre atividade criadora. Alem disso, nesse tipo de trabalho o que é produzido pelo operário fica sendo propriedade dos donos do sistema de produção (o burguês). (Carmo, Paulo Sergio, p.52, 2007) ATIVIDADES 01- Como se explica a desigualdade social de acordo com o pensamento de Karl Marx? Gabarito: segundo Marx, a desigualdade social tem origem na propriedade privada dos meios de produção e se expressa na existência de classes sociais com interesses econômicos divergentes e, por isso, estão permanentemente em relações sociais de conflito. 02- Quais as características principais das sociedades industriais capitalistas? Gabarito: trabalho livre; instituição da propriedade privada dos meios de produção, isto é, do capital; desigualdade de fato, expressa na formação de classes sociais; luta de classes devido ao conflito de interesses econômicos das classes e ou grupos sociais; divisão racional do trabalho, cujo critério único é a competência profissional; economia de mercado, isto é, estrutura econômica organizada par a produção de mercadorias; produção de bens e prestação de serviços por empresas; Estado Moderno, fundado do Direito Racional e na autoridade legal-racional; Direito Racional, isto é, calculável; secularização e racionalização e ou intelectualização da cultura; técnica racional para a mecanização, automatização, informatização da produção e da prestação de serviços, isto é, industrialização.! "+!

12 REFERÊNCIA Carmo, Paulo Sérgio, Sociologia e sociedade pós-industrial: Uma introdução. São Paulo: Paulos, Tomazi, Nelson Dacio, Sociologia para o ensino médio São Paulo: Atual, 2007! ""!

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE

Max WEBER. Apresentando Max Weber. Principais contribuições: 1864-1920 TEMPOS MODERNOS OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE Max WEBER 1864-1920 TEMPOS MODERNOS Apresentando Max Weber Principais contribuições: OS CAMINHOS DA RACIONALIDADE O PROTESTANTISMO E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO O MUNDO DESENCANTADO Apresentando Max Weber

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan SOCIOLOGIA Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan TRABALHO Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Sociologia - Resumo Romero - 2014

Sociologia - Resumo Romero - 2014 Sociologia - Resumo Romero - 2014 [imaginação Sociológica] Ao utilizar este termo Giddens refere-se a uma certa sensibilidade que deve cercar a análise sociológica. As sociedades industriais modernas só

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador

O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER RESUMO. do homem em sociedade. Origem de tal Capitalismo que faz do homem um ser virtual e alienador O PENSAMENTO SOCIOLÓGICO DE MAX WEBER Tamires Albernaz Souto 1 Flávio Augusto Silva 2 Hewerton Luiz Pereira Santiago 3 RESUMO Max Weber mostra suas ideias fundamentais sobre o Capitalismo e a racionalização

Leia mais

Weber e o estudo da sociedade

Weber e o estudo da sociedade Max Weber o homem Maximilian Karl Emil Weber; Nasceu em Erfurt, 1864; Iniciou seus estudos na cidade de Heidelberg Alemanha; Intelectual alemão, jurista, economista e sociólogo; Casado com Marianne Weber,

Leia mais

Exercícios Classe Social x Estratificação Social

Exercícios Classe Social x Estratificação Social Exercícios Classe Social x Estratificação Social 1. Para Karl Marx o conceito de Classes Sociais se desenvolve com a formação da sociedade capitalista. Dessa forma, é correto afirmar que : a) As classes

Leia mais

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO

A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO A ÉTICA PROTESTANTE E O ESPÍRITO DO CAPITALISMO Daniele Bloot de Moura Necker Fryder Geórgia Costa Pizzatto Michele Dal Cortivo Vivian de Souza Silva Co-autora: Prof. Arilda Arboleya arildaa@hotmail.com

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO DESIGUALDADES SOCIAIS DISCIPLINA:SOCIOLOGIA PROFESSOR: WALDENIR 2012 ESTAMOS CONDENADOS A SER DESIGUAIS? No mundo em que vivemos, percebemos que os indivíduos são diferentes

Leia mais

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia

Conteúdo: Habilidades: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Conteúdo: A religião na visão dos autores clássicos da Sociologia Habilidades: Reconhecer a religião como uma instituição social e objeto de estudo das Ciências Sociais; Conhecimento Teológico A religião

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920)

AÇÃO SOCIAL. Exemplo de AÇÃO SOCIAL 25/3/2011 A MAX WEBER. Vida e Obra de Max Weber. Max Weber (Contexto) Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) A MAX WEBER Vida e Obra de Maximillian Carl Emil Weber (1864-1920) Erfurt/Alemanha (Contexto) 1830: Alemanha - país mais atrasado da Europa Origem burguesa, origem protestante e religiosa, família de comerciantes

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito

Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Marx e o Direito 1 Rompimentos Alienação e estruturas sociais Leituras do capitalismo e o direito Bibliografia: DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. FERREIRA, Adriano de Assis. Questão

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL

ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL ESTRATIFICAÇÃO SOCIAL É muito comum ler em notas de jornais, revistas, internet sobre as classes sociais, geralmente são classificadas da seguinte maneira: classe A, B, C, D, E. No mês de julho de 2008,

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais

Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais INTRODUÇÃO À sociologia Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais introdução à S Maura Pardini Bicudo Véras O CIO LO GIA Marx, Durkheim e Weber, referências fundamentais Direção editorial Claudiano

Leia mais

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo

(1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo (1864-1920) Max Weber: a ética protestante e o espírito do capitalismo Contexto histórico: Alemanha: organização tardia do pensamento burguês e do Estado nacional. e Humanas na Alemanha: interesse pela

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO -

MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO - Sociologia 3ª série Ensino Médio MARX, DURKHEIM, WEBER - REVISÃO - Danilo Arnaldo Briskievicz Os Clássicos da Sociologia No século XIX, três pensadores desenvolveram teorias buscando explicar a sociedade

Leia mais

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920)

A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) A Sociologia Compreensiva de Max Weber (1864-1920) Curso de Ciências Sociais IFISP/UFPel Disciplina: Fundamentos de Sociologia Professor: Francisco E. B. Vargas Pelotas, abril de 2015. I. Contexto histórico

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos Desencantamento do mundo e racionalização Tipos puros 1. O conceito de ação social 1.1 Ação racional com relação a objetivos

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

Sumário. Agradecimentos... 7 Introdução... 15 SOCIOLOGIA. 2.3.4.1. Primeiro momento da alienação... 43 2.3.4.2. Segundo momento da alienação...

Sumário. Agradecimentos... 7 Introdução... 15 SOCIOLOGIA. 2.3.4.1. Primeiro momento da alienação... 43 2.3.4.2. Segundo momento da alienação... Cód. barras: STJ00095025 (2013) Sumário Agradecimentos... 7 Introdução....................... 15 Parte I SOCIOLOGIA 1. Origens da Sociologia... 27 1.1. As origens históricas e conceituais da Sociologia...

Leia mais

PSVS/UFES 2013 MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO. O domínio da função real dada por 2ª QUESTÃO. Uma equação da reta tangente ao gráfico de no ponto é 3ª QUESTÃO

PSVS/UFES 2013 MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO. O domínio da função real dada por 2ª QUESTÃO. Uma equação da reta tangente ao gráfico de no ponto é 3ª QUESTÃO MATEMÁTICA 1ª QUESTÃO O domínio da função real dada por 2ª QUESTÃO Uma equação da reta tangente ao gráfico de no ponto 3ª QUESTÃO A assíntota horizontal do gráfico de a reta de equação GRUPO 3 PROVA DE

Leia mais

Apresentando Émile Durkheim (pág 25)

Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Apresentando Émile Durkheim (pág 25) Émile Durkheim nasceu em Épinal, França, em 1858, e morreu em Paris em novembro de 1917. Foi influenciado pelo positivismo de Auguste Comte, considerado o pai da Sociologia

Leia mais

Sociologia Jurídica. Apresentação 1.1.a Origem e panorama

Sociologia Jurídica. Apresentação 1.1.a Origem e panorama Sociologia Jurídica Apresentação 1.1.a Origem e panorama Origem e panorama Autores clássicos da sociologia Émile Durkheim Karl Marx Max Weber Émile Durkheim Fonte: SABADELL, Ana Lúcia. Manual de Sociologia

Leia mais

Refletir sobre a evolução do Lazer na sociedade ocidental, de uma perspectiva do tempo e atividades.

Refletir sobre a evolução do Lazer na sociedade ocidental, de uma perspectiva do tempo e atividades. HISTÓRICO DO LAZER Objetivo Refletir sobre a evolução do Lazer na sociedade ocidental, de uma perspectiva do tempo e atividades. 1. Da Grécia Antiga aos dias de hoje Os humanos sempre brincaram em toda

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON 1. O sistema de castas da Índia é uma divisão social importante na sociedade Hindu. Define-se casta, como grupo social hereditário, no qual a condição do indivíduo

Leia mais

Reformas Religiosas Monique Bilk

Reformas Religiosas Monique Bilk Reformas Religiosas Monique Bilk Contexto Início da Idade Moderna O Renascimento estimula a crítica e o livre-pensar A burguesia tem projetos que esbarram nos obstáculos que a Igreja coloca... (doutrina

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes Fichamento: Karl Marx Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Higina Madalena

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

SOCIOLOGIA. Max Weber.

SOCIOLOGIA. Max Weber. SOCIOLOGIA. Max Weber. 1 - Assinale a opção que contenha as categorias básicas da sociologia de Max Weber: a) função social, tipo ideal, mais-valia b) expropriação, compreensão, fato patológico c) ação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução

CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO. Introdução CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA SOCIOLÓGICA DE MAX WEBER PARA EDUCAÇÃO Guilherme Costa Garcia Tommaselli 1 Luis Paulo Santos Bezerra 2 Introdução Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão sobre a educação

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

A DIVISÃO DO TRABALHO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS TEORIAS DE KARL MARX E EMILE DÜRKHEIM

A DIVISÃO DO TRABALHO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS TEORIAS DE KARL MARX E EMILE DÜRKHEIM A DIVISÃO DO TRABALHO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS TEORIAS DE KARL MARX E EMILE DÜRKHEIM Profa. Érika de Cássia Oliveira Caetano 1 - ÉMILE DÜRKHEIM: A DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO Assim como Auguste Comte,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

Max Weber. Sociologia Compreensiva

Max Weber. Sociologia Compreensiva Max Weber Sociologia Compreensiva Índice Max Weber: Vida e obra Uma teia de sentidos 1. O conceito de ação social 1.1 Ação tradicional 1.2 Ação afetiva 1.3 Ação racional com relação a valores 1.4 Ação

Leia mais

Trabalho Sindical. Elementos categoriais

Trabalho Sindical. Elementos categoriais Trabalho Sindical Elementos categoriais O papel da Direção Executiva Trabalho sindical como trabalho ideológico Ação sobre o outro-de-classe visando mobilizar para a luta sindical) GIOVANNI ALVES - UNESP

Leia mais

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana

O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana O público e o privado em Hannah Arendt A condição Humana Hannah Arendt na obra A condição Humana trata especificamente da questão do público e do privado. 1) Designa três condições/atividades humanas fundamentais:

Leia mais

SOCIOLOGIA 1ª Parte COMO A SOCIOLOGIA SURGIU? O QUE É A SOCIOLOGIA?

SOCIOLOGIA 1ª Parte COMO A SOCIOLOGIA SURGIU? O QUE É A SOCIOLOGIA? SOCIOLOGIA 1ª Parte O QUE É A SOCIOLOGIA? A sociologia é uma ciência que busca compreender os fenômenos sociais. Em nossa vida em sociedade inúmeros são os exemplos de questões em que a sociologia se debruça.

Leia mais

A Sociologia Compreensiva. De Max Weber

A Sociologia Compreensiva. De Max Weber A Sociologia Compreensiva De Max Weber Problematização O comportamento social é espontâneo, individual e descolado do passado? Max Weber Maximillian Carl Emil Weber Nasceu em 1864 na cidade de Erfurt (Alemanha),

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»SOCIOLOGIA«21. Max Weber percebe a sociedade através do conceito de ação social, a qual se materializa através da interação entre os homens em prol de uma dominação social. Que

Leia mais

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM

AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO ÉMILE DURKHEIM AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO DE ÉMILE DURKHEIM Prof. Railton Souza OBJETO Na obra As Regras do Método Sociológico, publicada em 1895 Émile Durkheim estabelece um objeto de investigação para a sociologia

Leia mais

Introdução à Sociologia Clássica 1

Introdução à Sociologia Clássica 1 Introdução à Sociologia Clássica 1 Eleandro Moi 2 A sociologia constitui um projeto intelectual tenso e contraditório. Para alguns ela representa uma poderosa arma a serviço dos interesses dominantes,

Leia mais

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as

Leia mais

O TRABALHO NAS DIFERENTES SOCIEDADES

O TRABALHO NAS DIFERENTES SOCIEDADES TRABALHO E SOCIEDADE O TRABALHO NAS DIFERENTES SOCIEDADES O trabalho nas sociedades tribais: A idéia de trabalho não se desvincula das outras atividades. As atividades vinculadas à produção estão associadas

Leia mais

Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917)

Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917) Émile Durkheim e o pensamento positivista (1858-1917) O que é fato social: Durkheim definiu o objeto de estudo, o método e as aplicações da Sociologia como ciência. Objeto de estudo da Sociologia definido

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1

INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 1 INDIVÍDUO E SOCIEDADE NO PENSAMENTO DE DURKHEIM 1 Rogério José de Almeida 2 No presente trabalho, tem-se por objetivo fazer uma breve análise da relação entre indivíduo e sociedade na obra durkheimiana.

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

SOCIOLOGIA Vestibular UFU 1ª Fase 04 Junho 2011

SOCIOLOGIA Vestibular UFU 1ª Fase 04 Junho 2011 QUESTÃO 51 A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto de intenso debate entre intelectuais

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos Unidade 1 A sociedade dos indivíduos Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em sociedade porque necessitamos uns dos outros. Thinkstock/Getty Images Akg-images/Latin Stock Akg-images/Latin Stock Album/akg

Leia mais

3º ANO SOCIOLOGIA. Prof. Gilmar Dantas AULA 2 DURKHEIM, FATO SOCIAL E INSTITUIÇÕES SOCIAIS

3º ANO SOCIOLOGIA. Prof. Gilmar Dantas AULA 2 DURKHEIM, FATO SOCIAL E INSTITUIÇÕES SOCIAIS 3º ANO SOCIOLOGIA Prof. Gilmar Dantas AULA 2 DURKHEIM, FATO SOCIAL E INSTITUIÇÕES SOCIAIS DURKHEIM, FATO SOCIAL E INSTITUIÇÕES SOCIAIS Conceitos da aula de hoje: - Fato social - Coerção social - Alienação

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO 3ª ETAPA INGLÊS COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax: 3272-1295 www.jovinianobarreto.com.br 1º ANO Nº TURNO:

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Mudança e transformação social

Mudança e transformação social 7 Mudança e transformação social Unidade Não existem sociedades sem mudanças. Há transformações maiores, que atingem toda a humanidade, e menores, que acontecem no cotidiano das pessoas. Normalmente elas

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

Sociologia Organizacional

Sociologia Organizacional Sociologia Organizacional Aula 2 Organização da Aula Aula 2 - a institucionalização da sociologia: o estudo de August Comte e Emile Durkheim Prof. Me. Anna Klamas A perspectiva sociológica da análise social

Leia mais

EXERCÍCIOS - SOCIOLOGIA - POSITIVISMO

EXERCÍCIOS - SOCIOLOGIA - POSITIVISMO 1. A sociologia nasce no séc. XIX após as revoluções burguesas sob o signo do positivismo elaborado por Augusto Comte. As características do pensamento comtiano são: a) a sociedade é regida por leis sociais

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos 1 A dos indivíduos Unidade Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em porque necessitamos uns dos outros. Entre os estudiosos que se preocuparam em analisar a relação dos indivíduos com a, destacam-se Karl

Leia mais

Evolução histórica da Moral/Ética

Evolução histórica da Moral/Ética (3) Evolução histórica da Moral/Ética Zeila Susan Keli Silva 1º Semestre 2013 1 O homem vive em sociedade, convive com outros homens e, portanto, cabe-lhe pensar e responder à seguinte pergunta: Importância

Leia mais