Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F."

Transcrição

1 Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Roriz 1. Tipo de instalações A análise energética pode ter que cobrir os aspectos relativos a: - qualidade térmica da envolvente do edifício, - eficiciência dos sistemas e dos seus componentes, e controlo associado - análise do processo - condução dos equipamentos A análise deve determinar, antes de efectuar as necessárias medições quais os equipamentos que são responsáveis pelos principais consumos. Sobre estes deverá recair a monitorização. Para além da análise individual de equipamentos, é ainda necessária a análise das instalações em que esse equipamentos estão inseridos. As instalações existentes podem ser agrupadas em função do fim a que se destinam, e em função do tipo de energia que consomem. Genericamente podem servir para: - produção de energia (eléctrica) - produção de calor ou frio - processo No primeiro caso estão incluídos os geradores de emergência e os sistemas de cogeração. No segundo caso estão incluídos os sistemas de climatização quer de conforto quer industrial, existindo elevado número de soluções, pelo que apenas os principais tipos e equipamentos associados à climatização serão indicados no ponto 2.2. No caso de processo, os sistemas e os equipamentos são muito diversificados já que podem ocorrer nos serviços e na industria. No caso da industria, os sistemas serão dependentes do tipo de industria em causa. No entanto alguns equipamentos podem servir simultaneamente para produção de energia eléctrica, climatização e processo, como é caso dos sistemas de cogeração, ou para dois destes casos como os sistemas de produção de vapor que podem servir o processo e o aquecimento (ambiente e de águas sanitárias). 2. Sistemas e equipamentos Os sistemas que serão descritos são sistemas de aplicação mais ou menos generalizada. Os sistemas específicos a cada industria não são aqui descritos Sistemas de cogeração Estes sistemas começam a ter alguma generalização em Portugal, em particular nas grandes industrias (cimenteiras e de pasta de papel, pe) estando a fazer a sua entrada no sector da habitação (grande centro comercial, zona urbana e de comércio). Os principais sistemas de cogeração são: 1

2 - turbina a gás. Este tipo de sistemas tem grande aplicação na industria, em particular quando é possível utilizar gás natural. A eficiência de produção eléctrica situa-se entre 20 a35%, função do tipo e potência da instalação. Os gases de escape podem ser utilizados em caldeiras convencionais (caso existam) como comburente, melhorando fortemente a eficiência global da instalação. A eficiência global situase entre 80 a 90%. - turbina a vapor. Este tipo de sistemas é utilizado nas grandes industrias, utilizando normalmente turbinas de contra-pressão, quando se pretende uma relação fixa entre a electricdade e o vapor produzidos, embora existam sistemas utilizando turbinas de condensação, podendo neste caso existir uma variação do caudal de vapor. No primeiro caso a eficiência de produção eléctrica situa-se próximo de 40% enquanto que no segundo caso essa eficência situa-se próximo de 20%, tendo estes sistemas uma eficiência global de 90%, aproximadamente. - motor diesel ou a gás natural (GN). Neste tipo de sistemas o calor produzido tem uma temperatura bastante inferior à obtida nos sistemas de turbina a gás. A eficiência de produção eléctrica situa-se próximo de 50%, sendo normalmente a eficiência global da ordem de 70%. Estes sistemas têm aplicação principalmente em grandes edifícios de serviços. A introdução do gás natural em Portugal irá certamente permitir uma maior penetração dos sistemas de cogeração a nível nacional. Na análise energética de industrias e grandes edifícos de serviços e caso seja considerada a possibilidade de alteração do sistema de produção de frio e calor, deve ser analisada a possibilidade de introdução de sistema de cogeração e de sistema frigorífico de absorção Sistemas de climatização A climatização compreende o controlo da temperatura do ar (aquecimento e arrefecimento), o controlo da humidade relativa do ar (humidificação e desumidificação) e o controlo da qualidade do ar (nível de poeiras e gases, velocidade). - sistema unitário. Este termo é usado para indicar que o evaporador e o condensador estão montados numa base comum, constituindo um aparelho individual (de parede ou de teto). Tem vindo a cair em desuso. - sistema dividido. Em refrigeração designa um sistema em que o condensador está num local distinto do compressor. Em ar condicionado o termo é usado para indicar que o evaporador (ou evaporadores) e o condensadorcondensador estão fisicamente em locais distintos, distinguindo desta forma este sistema dos aparelhos individuais, embora seja mais corrente utilizar-se a expressão sistema split (ou multi-split, quando o número de evaporadores servidos por um mesmo condensador é superior a um). Este tipo de sistema é portanto um sistema modular. A designação dos evaporadores depende do seu tipo e colocação. Geralmente são unidades horizontais, ie, evaporadores de aplicação à vista no teto ou unidades verticais, ie, evaporadores de aplicação à vista assentes no chão. 2

3 - sistema de zona ou modular. Este termo é utilizado para indicar que um sistema efectua a climatização de um conjunto de áreas, mas apenas parte do edifício, ou efectua a climatização complementar de áreas dum edifício, sendo a climatização geral efectuada por outro sistema. A forma de obtenção do fluido térmico quente ou frio pode variar: sistema do tipo centralizado de bomba de calor, sistema do tipo centralizado de UPAR e caldeira, sistema VRV (Volume de Refrigerante Variável), são alguns dos tipos possíveis. Nestes sistemas as unidades terminais podem ser ventilo-convectores ou evaporadores. Podem ainda existir baterias de resistências eléctricas embora o seu uso seja desaconselhado por razões energéticas. - sistema centralizado. Este sistema que possui uma unidade produtora de frio e/ou de calor e que efectua a climatização de toda a (ou a maior parte da) área que se pretende climatizar. Pode ser de diferentes tipos, sendo os mais comuns: i) sistema tudo-ar. Neste sistema o calor ou o "frio" são transportados pelo ar até aos locais a climatizar. Permite o total controlo da qualidade do ar. Estes sistemas podem ainda ser divididos em: - sistema VAC (Volume de Ar Constante). Neste sistema o caudal insuflado é constante, variando a temperatura de insuflação do ar. - sistema VAV (Volume de Ar Variável). Neste sistema a temperatura do caudal insuflado é constante, variando o caudal de ar insuflado. Estes sistemas necessitam de área de passagem de condutas elevada e existe dificuldade de correcta insuflação em diferentes condições de utilização caso existam bastantes espaços distintos a climatizar. No caso do VAC, o consumo de ventilação é elevado. ii) sistema tudo-água. Neste sistema o calor e/ou o "frio" são transportados por um fluido térmico até aos aos ventiloconvectores nos locais a climatizar. Não permite o controlo da qualidade do ar nem o total controlo da humidade do ar. Estes sistemas utilizam como fluido térmico água ou salmouras. Podem ainda ser divididos em 2 grupos: - sistema tudo-água a 2 tubos. Neste sistema o calor ou o "frio" são transportados por um fluido térmico (geralmente água) até aos aos ventiloconvectores nos locais a climatizar. Permite apenas o aquecimento ou o arrefecimento de todas as zonas. Não permite o controlo da qualidade do ar nem o total controlo da humidade do ar. - sistema tudo-água a 4 tubos. Neste sistema o calor e o "frio" são transportados por um fluido térmico (geralmente água) até aos aos ventiloconvectores nos locais a climatizar. Permite o aquecimento e arrefecimento simultâneo de diferentes zonas. Não permite o controlo da qualidade do ar nem o total controlo da humidade do ar. iii) sistema ar-água. Neste sistema o calor e o "frio" são transportados por um fluido térmico (água) até aos ventiloconvectores nos locais a climatizar, existindo simultaneamente um tratamento do ar a insuflar (e eventualmente aquecimento e arrefecimento). Pode permitir o controlo da qualidade do ar e da humidade do ar. Desta forma, os sistemas de climatização são consituídos por diferentes equipamentos, alguns agrupados de forma a constituir um conjunto que por sua vez tem uma designação específica e é tratatado como um equipamento único, como é o caso das UPARs. 3

4 2.3 - Principais tipos de equipamentos compressor Equipamento que efectua a compressão dum gás ou vapor. Os compressores, consoante o tipo de acesso ao seu interior, podem ser divididos em: i) compressor aberto - compressor que pode ser aberto e reparado no local e está separado do motor sendo a transmissão usualmente efectuada por correias ii) compressor semi-hermético - compressor acoplado a um motor eléctrico, estando ambos encerrados num invólucro metálico que pode ser desaparafusado para fins de reparação no local iii) compressor hermético - compressor acoplado a um motor eléctrico, estando ambos encerrados num invólucro metálico selado. Apenas fabricado para pequenas potências frigoríficas Os compressores consoante a forma como realizam a compressão, podem ser de diversos tipos, sendo os mais usuais os compressores alternativos, de parafuso, centrífugos, rotativos e de espiral O consumo devido aos compressores é normalmente importante, pelo que a sua monitorização deve ser considerada no processo da auditoria energética. bomba Equipamento utilizado para efectuar a movimentação de líquido. Podem ter funções de recirculação ou de elevação do líquido. Desta forma todos os circuitos secundários de de água quente e água refrigerada, circuitos de águas sanitárias (quentes e frias), alguns circuitos de ligação entre equipamentos (cirucito de torre de arrefecimento, circuito do condensador evaporativo, pe), incluem bombas. Normalmente é possível determinar o consumo devido a bombas desde que sejam conhecidas as suas características e o número de horas de funcionamento, não sendo necessário efectuar a sua monitorização. ventilador Equipamento com partes rotativas que provoca o movimento do ar. Pode ser de diversos tipos, sendo os mais usuais os ventiladores centrífugos e axiais. i) ventilador axial - ventilador de pás, onde o caudal tende a seguir numa direcção paralela à do eixo do ventilador. ii) ventilador centrífugo - ventilador com pás rectas ou curvas colocadas numa evoluta, fazendo-se a admissão axialmente e a descarga radialmente, num plano normal à direcção da admissão 4

5 Normalmente é possível determinar o consumo devido a ventiladores desde que sejam conhecidas as suas características e o número de horas de funcionamento e caudais, não sendo necessário efectuar a sua monitorização. condensador Equipamento onde o fluido cede calor ao meio exterior, condensando-se. Consoante o tipo de fluido arrefecedor utilizado, os condensadores podem ser divididos em: i) condensador arrefecido a água - condensador que o utiliza água como fluido externo, para efectuar as trocas de calor ii) condensador arrefecido a ar - condensador que o utiliza o ar atmosférico como fluido externo, para efectuar as trocas de calor iii) condensador evaporativo - condensador onde é pulverizada água na parte exterior aos tubos, de forma a aumentar a troca de calor, aproveitando o calor latente da água evaporador Equipamento onde o fluido recebe calor do meio arrefecer, evaporando-se. Os evaporadores, devido ao tipo de funcionamento, dividem-se em dois grupos: i) evaporador inundado - evaporador em que existe uma quantidade de líquido, sendo o volume de líquido controlado pelo seu nível ii) evaporador seco - evaporador em que todo o líquido que nele entra, sai nas condições de vapor UPAR Sigla designando Unidade Produtora de Agua Refrigerada. Esta unidade é um sistema frigorífico que efectua o arrefecimento da água utilizada posteriormente como fluido arrefecedor. Podem ser de absorção ou de compressão de vapor consoante o tipo de princípio em que funcionam. As UPARs são usualmente designadas por "Chillers". A água refrigerada é muitas vezes designada (embora incorrectamente) por água gelada. Uma UPAR de compressão de vapor possui compressor, separador de óleo, evaporador, condensador e mecanismo de expansão. Uma UPAR de abosorção possui absorvedor, gerador, mescanismos de expansão, bomba, evaporador e condensador. No caso de utilizarem misturas líquido-líquido possuem ainda coluna de rectificação. 5

6 A inclusão de sistemas de absorção pode ter particular interesse caso exista sistema de cogeração instalado. BC (bomba de calor) Sistema com funcionamento semelhante ao do ciclo frigorífico mas cujo fim é o aproveitamento do calor libertado pelo condensador. Podem ser de absorção ou de compressão de vapor consoante o tipo de princípio em que funcionam. Podem ser do tipo simples ou reversível. Neste caso o sistema que pode funcionar como sistema frigorífico e como sistema de bomba de calor. Uma BC de compressão de vapor possui compressor, separador de óleo, evaporador, condensador e mecanismo de expansão. Uma BC de abosorção possui absorvedor, gerador, mescanismos de expansão, bomba, evaporador e condensador. No caso de utilizarem misturas líquido-líquido possuem ainda coluna de rectificação. UTA UTA é a sigla para Unidade de Tratamento de Ar. Pode possuir diversas secções compreendendo: 1 ou mais ventiladores, recuperador de calor, caixa de mistura, filtros, bateria de aquecimento, bateria de arrefecimento, humidificador. A bateria de arrefecimento é um permutador de calor utilizado para efectuar o arrefecimento do caudal de ar que o atravessa. Consoante a temperatura do fluido na serpentina da bateria (ie, a tubagem do permutador) e as condições do ar à entrada da bateria, pode ocorrer ou não condensação de parte do vapor de água do ar. Desta forma uma bateria de arrefecimento pode servir para efectuar a desumidificação do ar. A bateria de aquecimento é um permutador de calor utilizado par a efectuar o aquecimento do caudal de ar que o atravessa. Para o aquecimento pode ser utilizado um fluido quente com ou sem mudança de fase ou resistências eléctricas. A caixa de mistura é um espaço, (um módulo da UTA), em que se misturam dois caudais de ar: o caudal de ar recirculado e o caudal de ar novo. O humidificador é o equipamento que efectua o aumento da humidade específica do ar. O aumento de humidade pode ser obtido à custa da injecção de água no estado líquido ou no estado de vapor. No caso de injecção de água o equipamento utilizado é greralmente um lavador de ar. 6

7 caldeira Equipamento onde se efectua a queima dum combustível servindo o calor produzido para aquecimento ou produção de vapor do fluido que atravessa o equipamento. O fluido térmico é na quase totalidade dos casos a água. As caldeiras podem ser de produção de águas quentes ou de produção de vapor. Podem ser do tipo convencional ou de condensação. Estas últimas apresentam uma maior eficiência, superior a 90%. Para além do tipo de caldeira, o tipo de queimador é de interesse na análise energética dado poder ser de uma posição ou regulável. Este aspecto tem importância na eficência média da queima. permutador (de calor) Equipamento utilizado para a troca de calor entre dois corpos que não estão em contacto físico. Consoante o fim a que se destina pode ser designado por um termo específico: recuperador, evaporador, condensador, tanque de gelo, depósito de acumulação. Um recuperador é um permutador que recupera parte da energia do fluido de exaustão antes deste ser lançado no exterior. Este fluido é normalmente ar, água ou fumos duma combustão. Um depósito de acumulação é um reservatório que contém uma elevada massa de fluido (e eventualmente corpos sólidos) que acumula o calor ou o frio. No caso especial de o depósito poder congelar a água nele existente, toma o nome de tanque de gelo. O potencial de frio é neste caso obtido à custa da mudança de fase da água. válvulas Equipamento que é instalado na tubagem e que permite o controlo do caudal de fluido. As principais válvulas que necessitam de corrente eléctrica são: i) válvula motorizada - válvula operada por um pequeno motor eléctrico (actuador) ii) válvula solenóide - válvula que abre ou fecha por acção do efeito electromagnético Em termos genéricos o recurso a válvulas electrónicas permitem um melhor rendimento da instalação quando comparado com o rendimento que as válulas convencionais permitem. 7

8 equipamento de controlo e de gestão Equipamento de controlo engoba um conjunto distinto que equipamentos que respondem às alterações duma propriedade do fluido no ponto de leitura. Um sensor faz a medição da propriedade, enviando um sinal proporcional à grandeza lida. Os equipamentos de controlo mais usuais são: i) Higrostato (controlo da humidade) ii) Termostato (controlo de temperatura) iii) Pressostato (controlo de pressão) O posicionamento do sensor no local (ou locais) a controlar é importante. A qualidade das condições obtidas e a eficiência do sistema depende dum correcto posicionamento dos sensores. Um sistema de gestão permite a monitorização das propriedades de fluidos (ar, água, fluido frigorigénio, etc), dos consumos e de avarias (alarmes). Consoante o número de pontos de medida e o número de função do sistema, pode existir controlo da potência (eléctrica) de pico, arranque optimizado (do sistema de queima), programação do fraccionamento de potência, aproveitamento de arrefecimento "gratuito" por ar exterior, etc. motores eléctricos Os motores eléctricos não incluídos nos sistemas de climatização e de produção de energia podem ter um peso importante no consumo global. No caso de industrias, os motores estão normalmente associados a equipamentos de processo. No caso de edifícios de serviços os motores com maior importância em termos de energia consumida são os motores de elevadores e monta-cargas. A monitorização individual de motores ou de grupo de motores pode ser necessária durante a auditoria. No entanto, esta monitorização pode, em elevado número de casos, ser dispensada caso sejam conhecidas a potência nominal dos motores, o seu horário de funcionamento e a carga de utilização. 8

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Geradores de calor ( Produção de calor )

Geradores de calor ( Produção de calor ) Geradores de calor ( Produção de calor ) 2007-2008 2008 L. Roriz Temas Equipamentos: Geradores de vapor, Caldeiras, Bombas de calor. Uso de: Fluido térmico (óleo), Vapor, Água quente. estanques e atmosféricas,

Leia mais

Unidades, Grandezas e Propriedades

Unidades, Grandezas e Propriedades 1 Refrigeração I Bases e Fundamentos Unidades, Grandezas e Propriedades Capítulo I Figura I.4 Equivalência entre as Escalas de Temperaturas Onde a cor é fundamental 2 Figura I.9 Diagrama Temperatura Entalpia

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento Bombas de Calor 2º Seminário PPGS Carlos Barbosa TT/SPO-TRTR 1 Bombas de Calor Geotérmicas Índice Definições Funcionamento Performance Instalação Fontes de Problemas 2 Definições Definição de bomba de

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp ETAMAX Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência Caudais: 4.000-25.000 m 3 /h alta eficiência ETAMAX, são unidades de tratamento de ar novo de elevada eficiência do tipo compacto com circuito

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração

Ar Condicionado e Refrigeração Ciclos de Refrigeração CICLOS DE REFRIGERAÇÃO Os ciclos mais usados, na seqüência, são: Ciclo de refrigeração por compressão de vapor Ciclo de refrigeração por absorção O ciclo é constituído dos seguintes processos sucessivos:

Leia mais

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent)

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent) LG SINGLE A (1 ) UNIDADE EXTERIOR As unidades exteriores referenciadas UUxxWH marca LG, são unidades bomba de calor (Modo Reversível) de expansão directa a operar com o fluído frigorigénio R410A. A unidade

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

a excelência do clima sistemas VRF

a excelência do clima sistemas VRF a excelência do clima VRF UNIDADES INTERIORES 5 MODELOS / 37 VERSÕES UNIDADES EXTERIORES 3 MODELOS / 36 VERSÕES Mural Cassette 4 vias Mini - VRF VRF VRF Plus Parede / Tecto Módulos Básicos Módulos Básicos

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES

Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES Os Benefícios Ambientais da REDE URBANA DE FRIO E CALOR DO PARQUE DAS NAÇÕES 1. Introdução As mais-valias geradas pelo projecto da EXPO 98 ultrapassaram há muito as fronteiras do Parque das Nações. Os

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes

Cli l m i ati t z i ação Soluções Eficientes Climatização Soluções Eficientes Indíce 1 Energias Renováveis Aerotermia, Energia Solar 2 Eficiência Energética Tecnologias, Regulamento 3 Bombas de Calor Soluções 4 Ar condicionado Gamas, Sistemas 1 Energias

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

CDP. Desumidificação de ar para piscinas

CDP. Desumidificação de ar para piscinas CDP Desumidificação de ar para piscinas Desumidificação eficiente para ambientes agressivos Em piscinas, spas, zonas de chuveiros a ginásios onde a humidade relativa é elevada e as condensações podem reduzir

Leia mais

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Tipos de Expansão : Ciclo Frigorífico * Expansão Direta: O Refrigerante Troca Calor Diretamente com o Ar a ser condicionado. Expansão Direta

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS Instalações e Serviços Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS

AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS AVALIAÇÃO DAS EMISSÕES DE HCFC-22 DOS SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS Eng. Eduardo Linzmayer RESUMO Avaliação e levantamento das emissões de fluidos nos sistemas de refrigeração; Importância

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão

Leia mais

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida

Água Quente. Supraeco W Supraeco W OS. Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. julho 2014. Conforto para a vida Supraeco W Supraeco W OS Bombas de calor Ar - Água para produção de A.Q.S. Água Quente julho 0 Conforto para a vida Bombas de calor SUPRAECO energia água quente ar-água confortopoupança eficiênciacop calor

Leia mais

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso por Isabel Sarmento e Marco Quaresma (Afaconsult) grafismo AVAC João Fitas Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso O novo Edifício do CallCenter da PT localizar-se-á

Leia mais

Aquecimento Doméstico

Aquecimento Doméstico Aquecimento Doméstico Grande variedade de escolha Dos cerca de 4.000 kwh de energia consumidos por uma família portuguesa durante o ano, 15% é destinado ao aquecimento ambiente. A zona climática, o tipo

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA. 通 告 Aviso. 商 標 之 保 護 Protecção de Marca. 申 請 Pedido

經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA. 通 告 Aviso. 商 標 之 保 護 Protecção de Marca. 申 請 Pedido 13092 28 2015 7 15 澳 門 特 別 行 政 區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS 經 濟 局 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE ECONOMIA 通 告 Aviso 商 標 之 保 護 Protecção de Marca 申 請

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores:

Compressores. Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Compressores Na refrigeração industrial e no condicionamento de ar são utilizados praticamente todos os tipos e compressores: Alternativos Rotativos de parafusos Rotativos Scroll Rotativos de palhetas

Leia mais

Albaenergy Solutions, Lda. Ar Condicionado

Albaenergy Solutions, Lda. Ar Condicionado Ar Condicionado Recorrendo à movimentação do ar estes equipamentos permitem, num curto espaço de tempo, climatizar um determinado espaço. Com estes sistemas podemos aquecer ou arrefecer o ambiente por

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação

Customers. The core of our innovation. Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração. Granulação PT Customers. The core of our innovation Alimentação & Transporte Secagem Dosagem Controle de Temperatura Refrigeração Granulação Tecnologias Piovan para Refrigeração: Chillers com compressores scroll

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA 1993

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA 1993 SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA 1993 ÍNDICE 2 1- Introdução... 3 2- Sistemas de refrigeração... 3 2.1- Sistemas de refrigeração indireta por água... 3 2.2- Sistema de refrigeração

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Ficha de identificação da entidade participante

Ficha de identificação da entidade participante Ficha de identificação da entidade participante Instituição Designação Instituto Superior Técnico Professor responsável João Toste Azevedo Contacto 218417993 Email toste@ist.utl.pt Técnico responsável

Leia mais

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets

Índice. Aquecimento e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets Climatização 1 Índice e Climatização Bombas de Calor Pedra Natural Biomassa Recuperadores Calor Biomassa - Pellets 3 5 6 7 2 Bomba de calor Central A bomba de calor tem como finalidade produzir água a

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO BIOS CLASSE 5 NO X MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA BIOS, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM DOS

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS E INSTALAÇÕES PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 2 Áreas de oportunidade para melhorar a eficiência na distribuição de frio Isolamento das tubulações

Leia mais

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada Energia Sistemas de AVAC Gestão Técnica Centralizada Edifícios e Energia - indicadores 85% do impacte ambiental dos edifícios ocorre no período em que são ocupados (em regime de operação); Só 15% do seu

Leia mais

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Pedro Miranda Soares Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas No dimensionamento de colectores solares para aquecimento

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351.218 500 300 Novembro 2014 FICHA TÉCNICA Depósitos Gama S ZB-Solar www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

Manual de apoio a curso EFA. Técnico/a de Refrigeração e Climatização ESAB 2011/2012

Manual de apoio a curso EFA. Técnico/a de Refrigeração e Climatização ESAB 2011/2012 1 Manual de apoio a curso EFA Técnico/a de Refrigeração e Climatização ESAB 2011/2012 UFCD 1295 - Instrumentação e controlo - princípios básicos da regulação e complementos de instrumentação Controlos

Leia mais

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações 7 as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Verificação do Comissionamento e da Manutenção Certificados Energéticos e da QAI do SCE Ernesto F. Peixeiro Ramos Ordem dos Engenheiros 8 de Novembro de 2008 Associação Portuguesa

Leia mais

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS

AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS P O U P A R AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO COZINHA/ LAVANDARIA DIVERSOS AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Caso tenha ar condicionado nos quartos ou áreas comuns do empreendimento,

Leia mais

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho.

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho. AULA 11 SISTEMA PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 1. Conceito e classificação O sistema de água quente em um edificação é totalmente separado do sistema de água-fria. A água quente deve chegar em todos os pontos

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar.rigsun. A Rigsun é a nova marca nacional de sistemas solares térmicos.

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor -

Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - Tecnologias de Micro-Geração e Sistemas Periféricos PARTE II Tecnologias de Aproveitamento de Calor - 53 7 - Chillers de Absorção 54 7.1 Descrição da tecnologia Um chiller de água é uma máquina que tem

Leia mais

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão

CPAS Climatizador Self Contained de Precisão CPAS Climatizador Self Contained de Precisão O Climatizador Self Contained de Precisão é uma unidade evaporadora que incorpora compressor, evaporador, ventilador e instrumentação de proteção e controle.

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

24 25 e 29 25 e 29 25 e 31 25 e 31 25 a 31 25 e 29. sim sim sim. não não sim. atmosférico. atmosférico. mural interior.

24 25 e 29 25 e 29 25 e 31 25 e 31 25 a 31 25 e 29. sim sim sim. não não sim. atmosférico. atmosférico. mural interior. a gás gama completa CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Tipo de Equipamento Potência (kw) Tipo de Combustível Aquecimento (alta temperatura) Aquecimento (baixa temperatura) AQS Instantânea AQS Acumulação Incorporada

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

Referência do modelo 3. Especificações 4. Antes de usar 5, 6. Peças e acessórios 7

Referência do modelo 3. Especificações 4. Antes de usar 5, 6. Peças e acessórios 7 Página Referência do modelo 3 Especificações 4 Antes de usar 5, 6 Peças e acessórios 7 Instalação 8, 9 Modo de operação para modelos mecânicos Modo de operação para modelos electrónicos 10, 11 12, 13 Drenagem

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento A Empresa Sediada na Trofa há mais de 25 anos, somos uma empresa dinâmica que oferece uma gama de soluções que

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS Medida apoiada pelo Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica (PPEC) para o ano de 2008 PPEC PLANO DE PROMOÇÃO

Leia mais

O SEU PAINEL DE AQUECIMENTO RADIANTE

O SEU PAINEL DE AQUECIMENTO RADIANTE 2011 Marca: Heatwafer Modelo: HW1 Área Aquecida: 3-4 m3 Consumo: 80 W O SEU PAINEL DE AQUECIMENTO RADIANTE Custo por 1 hora: 0,01 Custo por 24 Horas: 0,17 Dimensões (p*w*h): 35*200*300 mm HEATWAFER * baseado

Leia mais

AR CONDICIONADO. Relatos históricos:

AR CONDICIONADO. Relatos históricos: AR CONDICIONADO Os seres humanos têm uma fraqueza gostam de se sentir confortáveis. Desejam ambientes que não sejam nem quentes ou frios, nem muito húmidos ou muito secos. Mas tal conforto não é fácil

Leia mais

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO Novembro de 2011 Índice 1. Regras básicas na realização da experiência... 2 2. Objectivos das experiências... 3 3. Descrição do equipamento... 4 3.1. Torre... 5 3.2. Pulverizadores

Leia mais

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR

TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR TERMODINÂMICA EXERCÍCIOS RESOLVIDOS E TABELAS DE VAPOR Prof. Humberto A. Machado Departamento de Mecânica e Energia DME Faculdade de Tecnologia de Resende - FAT Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS EFICIÊNCIA, FIABILIDADE E TRANQUILIDADE Como funciona uma caldeira de condensação? Os gases de exaustão da caldeira passam através de um condensador, para recuperar o calor

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT POWER HT MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA POWER HT, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM

Leia mais

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada ventilação Tempérys caixa de insuflação com revestimento duplo e bateria de aquecimento eléctrico Pack Tempérys caixa de insuflação + caixa de extracção com revestimento duplo, sistema de comando e de

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Bibliografia. Edição brasileira Manual de Hidráulica, Festo. Manual de Hidráulica, Parker,

Bibliografia. Edição brasileira Manual de Hidráulica, Festo. Manual de Hidráulica, Parker, AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Hidráulicos 2013/2014 Bibliografia Manual de Hidráulica, Parker, Edição brasileira Manual de Hidráulica, Bosch- Rexroth Manual de Hidráulica, Festo J. R. Caldas Pinto,

Leia mais

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S.

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Índice ENTRADA DO CENTRO DE FORMAÇÃO - AVEIRO Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores E1 Águas Quentes Sanitárias 04

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

Central de Produção de Energia Eléctrica

Central de Produção de Energia Eléctrica Central de Produção de Energia Eléctrica Ref.ª CPEE Tipo 1 Tipo 2 Tipo 3 Tipo 4 Tipo 5 5 a 25 kva 25 a 150 kva 150 a 500 kva 500 a 1.000 kva 1.000 a 2.700 kva Pág. 1 ! Combustível Diesel! Frequência 50

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA

www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA Certificação ISO 9001:2008 ACTIVIDADE E SERVIÇOS Engenharia, construção e instalação de equipamentos industriais, destacando-se: - Tratamento de efluentes

Leia mais

BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA. Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias

BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA. Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias BOMBAS DE CALOR AR ÁGUA Conforto durante todo o ano, com produção de águas quentes sanitárias CARRIER.GRUPO UNITED TECHNOLOGIES Carrier Corporation é uma subsidiária da United Technologies Corporation

Leia mais

Equipamento: Chiller

Equipamento: Chiller Equipamento: Chiller Limpeza/lavagem de condensadores Medições e registos de temperatura e pressões de água Medição e registo de consumos dos compressores, reajustes dos térmicos, medições e registos de

Leia mais

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E Índice Gama Aquastar Green Condensação: Vantagens e características NOVO A nova caldeira mural de condensação Aquastar

Leia mais