Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração"

Transcrição

1 Sebastião A. Borges et al. 89 Consumo de água em frangos de corte suplementados com bicarbonato de sódio ou cloreto de potássio na ração Sebastião Aparecido Borges (Doutor) Curso de Medicina Veterinária - Universidade Tuiuti do Paraná Daniely Salvador (Mestre) Nutricionista da NUTRIS Nutrição, Tecnologia e Sistemas Ltda Ana Vitória Fischer da Silva (Doutora) Universidade Federal do Paraná Fabiano Lopes Bueno Nutricionista da NUTRIS Nutrição, Tecnologia e Sistemas Ltda

2 90 Consumo de água em frangos de corte suplementados... Resumo Dois experimentos utilizando pintos de corte machos foram realizados com o objetivo de avaliar o consumo de água. Rações à base de milho e farelo de soja foram fornecidas à vontade. As aves foram suplementadas com NaHCO 3 (0,5, 1,0 e 1,5 %) ou KCl (0,5 e 1,0%) na ração a partir de 21 ou 35 dias, até 49 dias de idade. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso em esquema fatorial 2x3+1 ou 2x2+1 (idades x níveis + controle) com 5 repetições. O consumo de água, a relação água/ração e a umidade da cama foram superiores para aves suplementadas a partir de 21 dias e naquelas com maiores níveis de sais na dieta. O consumo de água aumentou e a relação água/peso corporal diminuiu com a idade das aves. O turnover de água diminuiu com a idade das aves porém, aumentou com a suplementação de NaHCO 3 e KCl. Palavras-chaves: bicarbonato de sódio, cloreto de potássio, consumo de água, relação água/peso, umidade de cama. Abstract Water intake was evaluated in 2,400 male broilers supplemented with NaHCO 3 (0.5, 1.0 and 1.5%) and KCl (0.5 and 1.0%) in ration from 21 and 35 days of age until 49 days old. The corn-soybean diets and water were supplied ad libitum. A randomized block design were used, in a 2x3+1 or 2x2+1 factorial scheme (age x levels + control) with 5 replicates. Water intake, water/ration relationship and litter moisture increased in broilers at 21 days old and for higth levels of salts in diet. Water intake increased with age although it decreased per unit of body weight. Water turnover in broilers reduced with age, but increased with NaHCO 3 or KCl supplementation. Key words: litter moisture, potassium chloride, sodium bicarbonate, water intake, water/weight ratio.

3 Sebastião A. Borges et al. 91 Introdução A água é um componente essencial aos tecidos biológicos. O metabolismo e o balanço de água normalmente são negligenciados em especificações nutricionais de aves. Apenas em situações de privação sua importância é considerada, sendo que perdas excessivas, podem causar desidratação, queda no desempenho e morte. Assim, a ingestão é peça fundamental na manutenção do balanço hídrico das aves em temperaturas elevadas, sendo que a ave tem capacidade de igualar, por meio da ingestão, o volume de água perdido durante o estresse calórico (Ait-Boulahsen et al., 1995). O bicarbonato de sódio (NaHCO 3 ) e o cloreto de potássio (KCl) têm sido utilizados na tentativa de minimizar as perdas causadas por estresse calórico (Borges, 1997). A adição destes sais à água de bebida altera o equilíbrio osmótico das aves (Teeter, 1989), aumentando o consumo de água (Belay & Teeter, 1993). O consumo de água está relacionado com o

4 92 Consumo de água em frangos de corte suplementados... consumo de alimento, idade e peso da ave, temperatura e ph da água (Macari, 1996). Fundamentado no exposto acima foram conduzidos experimentos com objetivo de avaliar o turnover de água em frangos de corte durante o verão frente a suplementação com bicarbonato de sódio e cloreto de potássio na ração. Material e Métodos Foram utilizados 2400 pintos machos da linhagem Ross, recebendo rações semelhantes até 21 dias de idade, quando se iniciaram os experimentos. As aves foram distribuídas em boxes (1,5m x 3,2m) com 40 aves por unidade experimental. Rações, a base de milho e farelo de soja, com 20 % de proteína bruta, kcal/kg EM e 0,30 % de NaCl, foram fornecidas à vontade e formuladas visando atender as exigências nutricionais da linhagem e ao National Research Council (NRC, 1994) para os demais nutrientes. As temperaturas médias máxima (33,14 C) e mínima (21,61 C) e a umidade relativa média máxima (98%) e mínima (50%) no interior do aviário, foram obtidas das colheitas diárias, utilizando-se Termômetro de Bulbo Seco e Termohigrógrafo. As aves foram suplementadas com NaHCO 3 (0,5, 1,0 e 1,5 %) ou KCl (0,5 e 1,0%) na ração a partir de 21 ou 35 dias, até 49 dias de idade. O delineamento foi em blocos casualisados em esquema fatorial: 2 x ou 2 x (idade x níveis + controle) para o NaHCO 3 e KCl, respectivamente, com cinco repetições. Os bebedouros foram equipados com sistema independente de abastecimento de água e os dados de temperatura e ph da água foram colhidos três vezes por semana, em duas leituras diárias, correspondendo respectivamente, ao horário de menor (6:00 a 7:00) e maior (13:00 a 14:00) temperatura ambiente. No 49º dia foram colhidos 3ml de sangue da veia braquial em duas aves por parcela, dessorado em centrífuga e analisado em espectrofotometria de chama para determinar os níveis séricos de sódio (Na) e potássio (K). Para determinação da umidade da cama foram coletadas três amostras eqüidistantes, de aproximadamente 500g com posterior homogeneização, compondo uma única amostra de 250g por parcela. A determinação da matéria seca foi obtida pelo método da secagem em estufa com ventilação forçada a 55±5ºC por 72 horas e a avaliação por diferença de peso em balança digital com precisão de um grama. Além desses parâmetros, foram avaliados o consumo de água, relação água/ração e relação água/peso corporal. Os resultados foram submetidos a análise estatística segundo Banzatto & Kronka (1995) e as médias comparadas pelo teste de Tukey (5 %).

5 Sebastião A. Borges et al. 93 Resultados e Discussão O consumo de água e relação água/ração (Tabelas 1 e 2) foram influenciados tanto pelo nível, quanto pela idade de início da suplementação de NaHCO 3 e KCl na ração. Quanto maior a inclusão de NaHCO 3 e KCl e mais precoce a suplementação, maior o consumo de água e a relação água/ração. A dimensão do aumento no consumo de água promovido por estes sais foi semelhante. Assim, o consumo de água está na dependência direta da idade da ave (Tabelas 3 e 4) e quantidade de sais adicionados na ração (Tabela 1 e 2), corroborando relatos de Macari (1996) e Borges et al. (1998). Isto pode vir a ser um efeito desejável nas criações, em locais de clima quente e/ou durante o verão, visto que a ingestão de água é um meio auxiliar na dissipação de calor pelas aves. Aves com acesso à suplementação de NaHCO 3 e KCl consumiram maior quantidade de água, provavelmente para satisfazer a sede criada pelo aumento na ingestão de Na e K, uma vez que a resistência osmótica do sangue é um fator regulador da sede. Belay & Teeter (1993) relataram que durante o estresse calórico, o frango de corte consome mais água porém, aumenta a sua excreção renal, resultando em maior volume urinário, sem alterar a relação urina formada/água ingerida. TABELA 01 CONSUMO DE ÁGUA (AG), RELAÇÃO ÁGUA/RAÇÃO (AG/RA), UMIDADE DA CAMA (UM), NÍVEIS SÉRICOS DE NA E K, TEMPERATURA (T) E PH EM FRANGOS DE CORTE SUPLEMENTADOS COM NAHCO 3. Ag Ag/Ra UM Na K T PH (L/dia) (L/kg) (%) (mmol/l) (mmol/l) (ºC) Controle 0,35 2,62 35, ,2 27,21 7,47 Fatorial 0,37 2,73 39, ,3 27,33 7,62 Idades 21 dias 0,38 a 2,81 a 41, a 4,5 27,41 7,77 35 dias 0,36 b 2,65 b 38, b 4,2 27,81 7,79 Níveis de NaHCO 3 (%) 0,5 0,35 b 2,60 c 33,11 b 136 a 4,5 27,42 7,69 1,0 0,37 a 2,73 b 42,02 a 134 a 4,0 27,34 7,51 1,5 0,39 a 2,87 a 44,85 a 128 b 4,5 27,99 7,60 CV (%) 5,24 4,21 14,10 2,84 10,07 CV - Coeficiente de variação. a,b Médias seguidas de letras diferentes na coluna diferem entre si pelo teste de Tukey (P<0,05) O National Research Council (NRC, 1994) estabeleceu o consumo de água de 1.000, 1.250, e ml/ave/semana, da quarta à sétima semana, TABELA 02 CONSUMO DE ÁGUA (AG), RELAÇÃO ÁGUA/RAÇÃO (AG/RA), UMIDADE DA CAMA (UM), NÍVEIS SÉRICOS DE NA E K, TEMPERATURA (T) E PH EM FRANGOS DE Ag Ag/Ra UM Na K T (L/dia) (L/kg) (%) (mmol/l) (mmol/l) (ºC) ph Controle 0,33 b 2,46 b 33,55 b 130,00 b 3,80 27,03 7,47 Fatorial 0,36 a 2,64 a 38,68 a 135,95 a 4,09 27,09 7,55 Idades 21 dias 0,37 a 2,69 39,58 132,25 b 3,96 27,10 7,52 35 dias 0,36 b 2,59 37,79 139,65 a 4,22 27,08 7,60 Níveis de KCl (%) 0,5 0,36 b 2,59 35,99 b 135,85 3,93 27,09 7,58 1,0 0,37 a 2,69 41,38 a 136,05 4,25 27,10 7,54 CV (%) 4,43 4,2 11,35 1,49 10,2 CV - Coeficiente de variação.

6 94 Consumo de água em frangos de corte suplementados... TABELA 03 RELAÇÃO ÁGUA/PESO CORPORAL E CONSUMO SEMANAL DE ÁGUA EM FRAN- GOS DE CORTE SUPLEMENTADOS COM NAHCO 3 A PARTIR DE 21 OU 35 DIAS DE IDADE*. Período (semana) Relação água/peso corporal (L/kg) Consumo semanal de água (L) Controle 1,43 1,34 1,26 1,20 1,69 2,25 2,74 3,23 21 dias 0,5% 1,51 1,40 1,30 1,22 1,75 2,33 2,83 3,28 1,0% 1,53 1,41 1,32 1,24 1,79 2,37 2,90 3,36 1,5% 1,72 1,60 1,39 1,32 2,05 2,74 3,11 3,63 35 dias 0,5% 1,36 1,25 1,26 1,16 1,56 2,05 2,69 3,07 1,0% 1,39 1,34 1,36 1,30 1,64 2,29 3,03 3,58 1,5% 1,35 1,24 1,35 1,32 1,58 2,08 2,93 3,54 * Dados observados. * Dados observados. respectivamente, para temperatura ambiente variando de 20 a 25ºC. Estes valores são inferiores aos apresentados nas Tabelas 3 e 4, obtidos com temperatura ambiente de 21,61 a 33,14ºC no interior do aviário, mostrando que o consumo de água é dependente da temperatura ambiente e dos ingredientes presentes na ração. O consumo de água aumentou com a idade das aves porém, quanto maior ou mais pesada a ave, menor a troca de água no organismo, traduzido pela TABELA 04 RELAÇÃO ÁGUA/PESO CORPORAL E CONSUMO SEMANAL DE ÁGUA EM FRAN- GOS DE CORTE SUPLEMENTADOS COM KCL A PARTIR DE 21 OU 35 DIAS DE IDADE*. Período (semana) Relação água/peso corporal (L/kg) Consumo semanal de água (L) Controle 1,40 1,26 1,17 1,15 1,61 2,08 2,50 3,04 21 dias 0,5% 1,47 1,38 1,29 1,20 1,73 2,33 2,84 3,29 1,0% 1,63 1,46 1,36 1,19 1,92 2,47 3,00 3,30 35 dias 0,5% 1,40 1,32 1,29 1,19 1,63 2,19 2,79 3,16 1,0% 1,43 1,29 1,34 1,23 1,68 2,19 2,97 3,37 redução na relação consumo de água/peso corporal (Tabela 3 e 4). Aumentando a suplementação de NaHCO 3 e KCl, houve um aumento no turnover de água no organismo da ave, podendo ser benéfico nos casos de estresse calórico pois, de acordo com Branton et al. (1986), a ingestão de água aumenta a sobrevivência das aves estressadas pelo calor. Porém, a temperatura da água não deve exceder os limites de tolerância da ave. Há efeitos positivos do fornecimento de água à baixas temperaturas para frangos de corte em estresse calórico (Teeter, 1989), sendo constatado que a temperatura da água é um importante fator regulador da temperatura corporal da ave, devendo ser fornecida entre 20 e 24 ºC (Macari, 1996). No presente estudo, a temperatura média (27,30 ºC) e o ph (7,64) da água nos bebedouros, provavelmente, não interferiram nos parâmetros avaliados. Níveis mais elevados de suplementação de NaHCO 3 (1,0 e 1,5%) e KCl (1,0%) foram determinantes no aumento da umidade da cama, estando estritamente relacionados com o aumento na ingestão de água, corroborando com Borges et al. (1998) quando suplementaram níveis crescentes de NaCl na ração. Os valores de umidade da cama encontrados para aves suplementadas a partir de 21 dias e naquelas que receberam 1,0 e 1,5% de NaHCO 3 e 1,0% de KCl, extrapolaram as recomendações feitas

7 Sebastião A. Borges et al. 95 para criações comerciais. Estes resultados são conseqüência direta da maior ingestão de água, pois, normalmente, 60 a 70% da água ingerida é excretada (Macari, 1996). Posto que temperaturas elevadas podem causar perda de água corporal, levando o animal à desidratação, queda no desempenho e até mesmo à morte, o aumento no turnover de água promovido pelo NaHCO 3 e KCl pode ser de grande relevância na manutenção do equilíbrio hídrico do animal, sua produtividade e sobrevivência. Os níveis séricos de K, ao contrário do Na, não foram afetados pela inclusão de NaHCO 3 e KCl na ração. Ait-Boulahsen et al. (1995) observaram aumento na concentração plasmática de K quando suplementaram 0,6 e 0,9% de KCl na água de bebida das aves. Isto sugere que a presença desses sais na ração pode interferir no equilíbrio eletrolítico da ave, conseqüentemente no equilíbrio ácido-básico. Conclusões A ingestão de água está na dependência direta da idade da ave e da quantidade de NaHCO 3 e KCl na ração. O maior consumo de água provoca elevação na relação água/ração. A relação água/peso corporal diminui com a idade das aves, sendo que, quanto maior ou mais pesada a ave, menor o turnover de água no organismo. O NaHCO 3 e o KCl melhoram o turnover de água no organismo da ave. A umidade da cama é reflexo da ingestão de água pela ave.

8 96 Consumo de água em frangos de corte suplementados... Referências bibliográficas AIT-BOULAHSEN, A.; GARLICH, J. D.; EDENS, F. W. (1995). Potassium chloride improves the thermotolerance of chickens exposed to acute heat stress. Poultry Science. Champaign, v. 74, pp BANZZATO, D.A.; KRONKA, S.N. (1995). Experimentação agrícola. Jaboticabal: FUNEP. BELAY, T.; TEETER, R. G. (1993). Broiler water balance and thermobalance during thermoneutral and high ambient temperature exposure. Poultry Science. Champaign, v. 72, pp BORGES, S. A. (1997). Suplementação de cloreto de potássio e bicarbonato de sódio para frangos de corte durante o verão. Jaboticabal: 84 f. Dissertação de Mestrado FCAV, UNESP. BORGES S. A.; ARIKI, J.; JERÔNIMO Jr.; R.; MARTINS, C. L.; MORAES, V. M. B. (1998). Níveis de cloreto de sódio em rações para frangos de corte. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. v. 50, pp BRANTON, S. L.; REECE, F. N.; DEANTON, J. W. (1986). Use of ammonium chloride and sodium bicarbonate in acute heat exposure of broilers. Poultry Science. Champaign, v. 65, pp MACARI, M. (1996). Água na avicultura industrial. Jaboticabal: FUNEP. NATIONAL RESEARCH COUNCIL. (1994). Nutrient requirements of poultry. Washington: National Academy Press. TEETER, R.G. (1989). Otimização da produtividade em frangos de corte durante o stress calórico. In: SIMPÓSIO TÉCNICO PLANALQUÍMICA. Anais... São Paulo. pp

SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA RAÇÃO E NA ÁGUA DE BEBIDA DE FRANGOS DE CORTE SUBMETIDOS AO ESTRESSE CALÓRICO

SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA RAÇÃO E NA ÁGUA DE BEBIDA DE FRANGOS DE CORTE SUBMETIDOS AO ESTRESSE CALÓRICO ARS VETERINARIA, 15(2):144-148, 1999. 144 SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA RAÇÃO E NA ÁGUA DE BEBIDA DE FRANGOS DE CORTE SUBMETIDOS AO ESTRESSE CALÓRICO ( SODIUM BICARBONATE SUPPLEMENTATION ON

Leia mais

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL.

CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data: Junho/2005 CUIDADO NA FORMULAÇÃO DE DIETAS VEGETAIS OU COM SUBPRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. 1. Introdução Milho e farelo de soja são os principais ingredientes utilizados na formulação de rações para

Leia mais

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves.

Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Suplementação de amilase e fitase em dietas a base de milho e farelo de soja e seus efeitos sobre o desempenho de poedeiras leves. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Adriano GERALDO 2 ; Luiz Carlos MACHADO 3

Leia mais

BALANÇO ELETROLÍTICO EM DIETA PRÉ-INICIAL DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO

BALANÇO ELETROLÍTICO EM DIETA PRÉ-INICIAL DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO Revista Brasileira de Ciência Avícola, v.1, n.3, p175-179, 1999 1 BALANÇO ELETROLÍTICO EM DIETA PRÉ-INICIAL DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO SEBASTIÃO APARECIDO BORGES 1, JOJI ARIKI 2, ELIZABETH SANTIN

Leia mais

BICARBONATO DE SÓDIO ASSOCIADO AO CLORETO DE AMÔNIO EM RAÇÕES PARA FRANGOS DE CORTE SOB CONDIÇÕES NATURAIS DE ESTRESSE CALÓRICO

BICARBONATO DE SÓDIO ASSOCIADO AO CLORETO DE AMÔNIO EM RAÇÕES PARA FRANGOS DE CORTE SOB CONDIÇÕES NATURAIS DE ESTRESSE CALÓRICO BICARBONATO DE SÓDIO ASSOCIADO AO CLORETO DE AMÔNIO EM RAÇÕES PARA FRANGOS DE CORTE SOB CONDIÇÕES NATURAIS DE ESTRESSE CALÓRICO FRANCISCO NONATO DE SOUSA JÚNIOR Médico Veterinário Dissertação apresentada

Leia mais

A Qualidade da Água. A Aviagen continuamente fornece a seus clientes especificações

A Qualidade da Água. A Aviagen continuamente fornece a seus clientes especificações A Qualidade da Água A Aviagen continuamente fornece a seus clientes especificações detalhadas de desempenho de seus produtos, Manuais de Manejo e Recomendações Nutricionais, utilizados como ferramentas

Leia mais

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM

QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM QUALIDADE FÍSICA DE OVOS INCUBÁVEIS DE CODORNAS JAPONESAS (Cortunix coturnix japonica) SUBMETIDOS A DIFERENTES PERIODOS E TEMPERATURAS DE ESTOCAGEM Renato Lima CÉZAR¹; Nadja Susana Mogyca LEANDRO²,Marcos

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Introdução. Material e Métodos

Introdução. Material e Métodos INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE ANIMAIS NA UNIDADE EXPERIMENTAL E O TIPO DE COMEDOURO SOBRE AS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E COMPOSIÇÃO DE CARCAÇA DE SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO Eriane de Paula (1), Francisco Carlos

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Níveis de fitase em dietas para frangos de corte: avaliação da disponibilidade do fósforo Elvania Maria da Silva Costa 1, Agustinho Valente de Figueirêdo

Leia mais

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente.

Introdução. Conceitos aplicados a alimentação animal. Produção animal. Marinaldo Divino Ribeiro. Nutrição. Alimento. Alimento. Nutriente. Conceitos aplicados a alimentação animal Introdução Produção animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Genética Sanidade Nutrição Alimento Susbstância que, consumida por um

Leia mais

Efeito da Cloração da Água de Beber e do Nível Energético da Ração sobre o Ganho de Peso e Consumo de Água em Frangos de Corte

Efeito da Cloração da Água de Beber e do Nível Energético da Ração sobre o Ganho de Peso e Consumo de Água em Frangos de Corte Rev. bras. zootec., v.28, n.3, p.542-547, 1999 Efeito da Cloração da Água de Beber e do Nível Energético da Ração sobre o Ganho de Peso e Consumo de Água em Frangos de Corte Renato Luis Furlan 1, Marcos

Leia mais

Beba água e tenha mais saúde! Nutricionistas: Dra. Antónia Campos Dra. Ana Marques

Beba água e tenha mais saúde! Nutricionistas: Dra. Antónia Campos Dra. Ana Marques Beba água e tenha mais saúde! Nutricionistas: Dra. Antónia Campos Dra. Ana Marques Sumário Introdução; Benefícios da água no nosso organismo; Desidratação e seus efeitos; Grupos de risco; Análise da água

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS

IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NO DESEMPENHO DAS AVES POEDEIRAS ALEXANDRE DA SILVA SECHINATO Médico veterinário Pesquisador Tortuga Cia Zootecnica Agrária INTRODUÇÃO Ovo é um excelente alimento Alimento completo

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO 1

SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO 1 ARS VETERINARIA, 15(1):67-73, 1999. 67 SUPLEMENTAÇÃO DE BICARBONATO DE SÓDIO NA DIETA DE FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO 1 ( SODIUM BICARBONATE SUPPLEMENTATION IN BROILERS DIETS RAISED IN SUMMER ) S.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS. Departamento de Patologia Veterinária CÂMPUS DE JABOTIBAL RELATÓRIO TÉCNICO I IDENTIFIÇÃO DO PROJETO A Título: Avaliação do desempenho de suínos suplementados com DBI Probiótico, fabricado por IMEVE Indústria de Medicamentos Veterinários Ltda,

Leia mais

BALANÇO DE POTÁSSIO E DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE SUPLEMENTADOS COM KCl NO VERÃO 1

BALANÇO DE POTÁSSIO E DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE SUPLEMENTADOS COM KCl NO VERÃO 1 BALANÇO DE POTÁSSIO E DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE SUPLEMENTADOS COM KCl NO VERÃO 1 Potassium balance and performance of broilers supplemented with KCl in summer Bonifácio Benicio de Souza 2, Antônio

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 888 Página 888 EFEITOS DE ÁGUAS RESIDUÁRIAS DE INDÚSTRIAS DE CAMPINA GRANDE NA PRODUÇÃO DE FITOMASSA DA MAMONEIRA, CULTIVAR BRS NORDESTINA Josilda de F. Xavier 1 *. Carlos A. V. Azevedo 1*, Napoleão E. M.

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA

ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA ESTRATÉGIAS DE MANEJO E SUPLEMENTAÇÃO DO PASTO SOBRE CARACTERÍSTICAS DO DOSSEL E DESEMPENHO BIOECONOMICO DE BOVINOS EM RECRIA NA SECA Carlos Alberto Vicente Soares 1 ; Regis Luis Missio 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

Proteínas na alimentação de monogástricos

Proteínas na alimentação de monogástricos Proteína - Composição: C, H, O e N - Proteína Bruta: 16% FC: 6,25% - Composta de aminocácidos com grupamento amínico, carboxílico e outros. Professor Luciano Hauschild 1 Classificação nutricional dos aminoácidos

Leia mais

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5

EFEITO DO ESTRESSE HÍDRICO E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA NA EMERGÊNCIA DE BRACHIARIA BRIZANTHA CV. MG-5 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Página 481 COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Suenildo Jósemo Costa Oliveira 1 ; Maria Aline Oliveira Freire 2 ; Lígia Rodrigues Sampaio

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=170>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Efeito da taurina sobre o desempenho de leitões na fase de creche Oliveira, E. F.¹,

Leia mais

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA

ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas ADUBAÇÃO ORGÂNICA E MINERAL NA PRODUTIVIDADE DA CANA- SOCA Lucélia Alves Ramos (1) ; Regina Maria Quintão Lana (2) ; Gaspar Henrique Korndörfer (2), Adriane de

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO

EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO EFEITO DA UTILIZAÇÃO DE PRÓBIÓTICOS EM DIETAS PARA BOVINOS NELORE TERMINADOS EM CONFINAMENTO INTRODUÇÃO Aditivos alimentares são utilizados em dietas para bovinos de corte em confinamento com o objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Desempenho, digestibilidade e aspectos metabólicos de frangos de corte alimentados com rações contendo diferentes

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS Benedito Marques da Costa 1, Maria do Carmo M. M. da Costa 2 RESUMO Formular rações não é difícil, porém gasta - se tempo nos cálculos. No método da tentativa

Leia mais

Guia. Nutricional. para gestantes

Guia. Nutricional. para gestantes Referências bibliográficas consultadas: 1. Committee on Nutritional Status During Pregnancy and Lactation, Institute of Medicine. Nutrition During Pregnancy: Part I: Weight Gain, Part II: Nutrient Supplements.

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

Lisina, Farelo de Soja e Milho

Lisina, Farelo de Soja e Milho Lisina, Farelo de Soja e Milho Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Veja como substituir uma parte do farelo de soja por Lisina Industrial e milho Grande parte dos suinocultores conhecem a Lisina

Leia mais

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS O NOSSO CORPO É CONSTITUÍDO NA MAIOR PARTE POR ÁGUA A ÁGUA É O PRINCIPAL CONSTITUINTE DO ORGANISMO, É ESSENCIAL PARA A VIDA E TEM

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE CLORETO DE POTÁSSIO E BICARBONATO DE SÓDIO PARA FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO

SUPLEMENTAÇÃO DE CLORETO DE POTÁSSIO E BICARBONATO DE SÓDIO PARA FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS CAMPUS DE JABOTICABAL SUPLEMENTAÇÃO DE CLORETO DE POTÁSSIO E BICARBONATO DE SÓDIO PARA FRANGOS DE CORTE DURANTE O VERÃO Sebastião

Leia mais

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1

CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 RESTRIÇÃO HÍDRICA EM GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA 77 CONTROLE DA GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA EM TESTES DE SANIDADE PELO USO DA RESTRIÇÃO HÍDRICA 1 JOSÉ DA CRUZ MACHADO 2 ; JOÃO ALMIR DE OLIVEIRA 3

Leia mais

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ

FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ FONTES E DOSES DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NA RECUPERAÇÃO DE SOLO DEGRADADO SOB PASTAGENS DE Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Carlos Augusto Oliveira de ANDRADE 1 ; Rubens Ribeiro da SILVA. 1 Aluno do Curso

Leia mais

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK

Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Produção de feijão-fava em resposta ao emprego de doses de esterco bovino e presença e ausência de NPK Adriana U. Alves ; Ademar P. de Oliveira 2 ; Carina S. M. Dornelas ; Anarlete U. Alves 3 ; Edna U.

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE

FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE Data: Janeiro/2001 FARELO DE SOJA: PROCESSAMENTO E QUALIDADE...A soja é uma das mais importantes culturas agrícolas mundiais, sendo sua produção destinada para a obtenção de óleo e farelo, pela indústria

Leia mais

exigências nutricionais

exigências nutricionais Capítulo6Método fatorial para determinar exigências nutricionais 1. Introdução... 197 2. Utilização da energia nos animais monogástricos...197 2.1. Partição da energia para manutenção e deposição corporal...

Leia mais

A importância da água na avicultura

A importância da água na avicultura PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. A importância da água na avicultura Tatiana Morais Barbosa, Frederico Lopes da Silva, Cássia Gabrielle de Queiróz Rodriz, Rodrigo Arruda de Oliveira,

Leia mais

Efeito da Combinação de Diferentes Coberturas e Ventilação Artificial Sobre o Desempenho de Aves de Corte Fêmeas

Efeito da Combinação de Diferentes Coberturas e Ventilação Artificial Sobre o Desempenho de Aves de Corte Fêmeas Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 Efeito da Combinação de Diferentes Coberturas e Ventilação

Leia mais

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009.

II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. II Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2009. Avaliação de alterações na coloração e qualidade da gema de ovos em função do tempo e forma de

Leia mais

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface

Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Uso de húmus sólido e diferentes concentrações de húmus líquido em características agronômicas da alface Everto Geraldo de MORAIS 1 ; Chrystiano Pinto de RESENDE 2 ; Marco Antônio Pereira RESUMO LOPES

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

Palavras-chave: características plasmáticas, desempenho, parâmetros sangüíneos, poedeiras, qualidade da casca do ovo

Palavras-chave: características plasmáticas, desempenho, parâmetros sangüíneos, poedeiras, qualidade da casca do ovo Rev. bras. zootec., 29(4):1110-1116, 2000 Efeitos das Fontes e Níveis de Sódio, Cloro e Potássio e da Relação (Na + K)/Cl, sobre o Desempenho e Características do Plasma Sangüíneo de Poedeiras Comerciais

Leia mais

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI.

Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Inclusão da farinha das folhas de mandioca em dietas suplementadas com enzimas para poedeiras semi-pesadas: desempenho e desenvolvimento do TGI. Tiago Antônio dos SANTOS 1 ; Luiz Carlos MACHADO 2 ; Diego

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA

UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA UTILIZAÇÃO DE FARELO DE MACARRÃO NA ALIMENTAÇÃO DE FRANGOS DE CORTE DE LINHAGEM CAIPIRA João Paulo Silva Paes 1, Henrique Jorge de Freitas 2, Marcelo Bastos Cordeiro 3 1. Graduando do Curso de Medicina

Leia mais

PISO DE AVIÁRIO: CONCRETO OU CHÃO BATIDO?

PISO DE AVIÁRIO: CONCRETO OU CHÃO BATIDO? PISO DE AVIÁRIO: CONCRETO OU CHÃO BATIDO? Valéria Maria Nascimento Abreu, DSc, área de produção de aves Paulo Giovanni de Abreu, DSc, área de construções rurais e ambiência, Fátima Regina Ferreira Jaenisch,

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO

EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO EFEITO DE DIFERENTES DOSAGENS DE LODO DE ESGOTO E FERTILIZAÇÃO QUÍMICA SOBRE A DISPONIBILIDADE DE FÓSFORO NO SOLO FERREIRA, C.F.; ANDREOLI, C.V.; PEGORINI, E.S., CARNEIRO, C.; SOUZA, M.L.P. Efeito de diferentes

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS (Coturnix coturnix) EUROPÉIAS SUBMETIDAS A NÍVEIS CRESCENTES DE FARINHA DE SANGUE BOVINO

DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS (Coturnix coturnix) EUROPÉIAS SUBMETIDAS A NÍVEIS CRESCENTES DE FARINHA DE SANGUE BOVINO IX CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PIBIC/CNPq/UFCG-2011 DESEMPENHO PRODUTIVO DE CODORNAS (Coturnix coturnix) EUROPÉIAS SUBMETIDAS A NÍVEIS CRESCENTES DE FARINHA

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango

Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango 1 de 6 20/7/2009 14:35 Manejo inicial e seus reflexos no desempenho do frango Valéria Maria Nascimento Abreu, DSc Pesquisadora Sistema de Produção de Aves - Embrapa Suínos e Aves O manejo inicial dos frangos

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS.

MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. MODELAGEM MATEMÁTICA DA ABSORÇÃO DE ÁGUA EM SEMENTES DE FEIJÃO DURANTE O PROCESSAMENTO DE ENLATADOS. Lorena Brito Miranda 1 ; Glêndara Aparecida de Souza Martins 2 ; Warley Gramacho da Silva 3 1 Aluno

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS

GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS GERAÇÃO DE ENERGIA A PARTIR DE RESÍDUOS ANIMAIS PRODUÇÃO DE METANO A PARTIR DA CAMA DE FRANGO ASSOCIADA AO BIOFERTILIZANTE OBTIDO COM ESTRUME DE SUÍNOS Costa, L.V.C.* 1 ; Lucas Jr., J. 2 ; Xavier, C.A.N.

Leia mais

EFEITO DA COMBINAÇÃO DE DIFERENTES COBERTURAS E VENTILAÇÃO ARTIFICIAL SOBRE ÍNDICES DE CONFORTO TÉRMICO

EFEITO DA COMBINAÇÃO DE DIFERENTES COBERTURAS E VENTILAÇÃO ARTIFICIAL SOBRE ÍNDICES DE CONFORTO TÉRMICO Anais do VIII Seminário de Iniciação Científica e V Jornada de Pesquisa e Pós Graduação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 10 a 12 de novembro de 2010 EFEITO DA COMBINAÇÃO DE DIFERENTES COBERTURAS E VENTILAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA NÃO-LINEAR DE OTIMIZAÇÃO DE RAÇÕES PARA ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA NÃO-LINEAR DE OTIMIZAÇÃO DE RAÇÕES PARA ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA NÃO-LINEAR DE OTIMIZAÇÃO DE RAÇÕES PARA ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO E. Zanin*, D. S. Henrique**, R. S. Kölln* *Acadêmica do curso de Zootecnia/UTFPR-DV, Dois Vizinhos, Brasil

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Felipe Azevedo Ribeiro

Felipe Azevedo Ribeiro Implicações para Autenticação Isotópica da Carne Felipe Azevedo Ribeiro Engenheiro Agrônomo (UFSCar) Mestrando em Zootecnia (UNESP) Setembro de 2013 Importância da pecuária no Brasil Maior rebanho comercial

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

BIOQUÍMICA DA ÁGUA. Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com

BIOQUÍMICA DA ÁGUA. Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com BIOQUÍMICA DA ÁGUA Disciplina: Bioquímica, Prof. Dr. Vagne Oliveira E-mail: vagne_melo_oliveira@outlook.com ÁGUA Substância mais abundante nos seres vivos; É uma substância líquida, incolor, inodora e

Leia mais

Estudo do balanço eletrolítico alimentar para suínos machos castrados em acabamento mantidos em ambiente de alta temperatura

Estudo do balanço eletrolítico alimentar para suínos machos castrados em acabamento mantidos em ambiente de alta temperatura RPCV (2009) 104 (569-572) 37-43 REVISTA PORTUGUESA DE CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Estudo do balanço eletrolítico alimentar para suínos machos castrados em acabamento mantidos em ambiente de alta temperatura

Leia mais

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins.

Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Cultivo de melancia irrigada submetida a diferentes doses de NPK no sul do Tocantins. Luciano Marcelo Fallé Saboya 1 ; Rita de Cassia Cunha Saboya 2 ; Valdeci Pinheiro Júnior 3 ; Jacinto Pereira da Silva

Leia mais

Da guerra para a granja: tecnologia de luz infravermelha no controle da temperatura

Da guerra para a granja: tecnologia de luz infravermelha no controle da temperatura Da guerra para a granja: tecnologia de luz infravermelha no controle da temperatura Caniatto, A. R. M. 1 ;Carão, A. C. P. 2 ; Tonetti, P. A. 3 1 Doutoranda da Faculdade dezootecnia e Engenharia de Alimentos-

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262

e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 Capítulo7Métodos para formular rações e avaliar alimentos 1. Introdução... 262 2. Composição dos alimentos... 262 3. Métodos de balanceamento de rações... 263 3.1. Breve histórico sobre a formulação de

Leia mais

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS E FONTES DE SÓDIO

DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS E FONTES DE SÓDIO ARS VETERINARIA, Jaboticabal, SP, Vol. 19, nº 2, 110-114, 2003. ISSN 0102-6380 DESEMPENHO DE FRANGOS DE CORTE ALIMENTADOS COM DIFERENTES NÍVEIS E FONTES DE SÓDIO (PERFORMANCE OF BROILERS FEED WITH DIFFERENT

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS Sumário Introdução... 3 1 - A importância da Água... 4 2 - Organizando a sua alimentação diária... 6 3 A eliminação... 7 4 Sugestões de óleos... 8

Leia mais

Portugal, A. F.²*; Ribeiro, D. O.³; Carballal, M. R.¹; Vilela, L. A. F.³; Araújo, E. J.³; Gontijo, M.F.D. 4

Portugal, A. F.²*; Ribeiro, D. O.³; Carballal, M. R.¹; Vilela, L. A. F.³; Araújo, E. J.³; Gontijo, M.F.D. 4 EFEITOS DA UTILIZAÇÃO DE DIFERENTES DOSES DE CAMA DE FRANGO POR DOIS ANOS CONSECUTIVOS NA CONDIÇAO QUÍMICA DO SOLO E OBTENÇÃO DE MATÉRIA SECA EM Brachiaria brizantha cv. MARANDÚ Portugal, A. F.²*; Ribeiro,

Leia mais

EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO

EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO Área: Solos e Nutrição de Plantas EFEITO DE DIFERENTES QUANTIDADES DE HÚMUS DE MINHOCA CALIFÓRNIA VERMELHA INCORPORADOS AO SOLO E COM APLICAÇÕES DE BIOFERTILIZANTE NA CULTURA DO FEIJÃO Paulo Cássio Aves

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

www.receitasganharmassamuscular.com

www.receitasganharmassamuscular.com Esse e-book é oferecido como bônus na compra do e- book Receitas Anabólicas no site: www.receitasganharmassamuscular.com INTRODUÇÃO Nesse e-book você vai aprender a montar uma dieta para musculação personalizada,

Leia mais

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100),

Custo Unitário do Nutriente (CUN) = A (B 100 x C 100), CÁLCULO DE UM SUPLEMENTO PARA BUBALINOS DE CORTE Para se calcular um suplemento é necessário o conhecimento prévio de quatro fatores: o o o o Composição nutricional da pastagem Consumo da pastagem Identificação

Leia mais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais

Nutrição completa para equinos. Linha Equinos. Rações Suplementos Minerais Nutrição completa para equinos Linha Equinos Rações Suplementos Minerais Confiança, Tecnologia, Qualidade e Resultado Estes são os ingredientes que fazem a diferença dos produtos Fanton. Há mais de 25

Leia mais

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte.

ÁGUA. 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. ÁGUA 97% água salgada - ± 3% se restringe a água doce; Perda de toda gordura corporal, metade PTN s e 40% peso vivo Perda 10% - morte. PROPRIEDADES E FUNÇÕES Constituinte ativo e estrutural; 70% da carcaça

Leia mais

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal

O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes. João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal O papel da Nutrição na Saúde dos Peixes João Manoel Cordeiro Alves Gerente de Produtos Aquacultura Guabi Nutrição Animal Você éo que você come(u)! Esta éuma visão do passado Vamos prever o futuro? Você

Leia mais

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

RESUMO. Introdução. 1 Acadêmicos PVIC/UEG, graduandos do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. EFEITOS DE FERTILIZANTES E CORRETIVOS NO ph DO SOLO Tiago Trevizam de Freitas 1 ; Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Raimar Vinícius Canêdo 1 ; Adilson

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Temperaturas de Secagem no Vigor de Sementes de Milho Geneticamente Modificadas Patrícia Marluci da

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES Metodologias aplicadas na avaliação de problemas locomotores em frangos de corte e poedeiras têm uma importância cada vez maior dentro da cadeia produtiva.

Leia mais

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite

A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite A Importância do Fósforo na Dieta de Vacas de Leite As pressões de mercado exigem uma eficiência cada vez maior no uso dos fatores de produção e no controle dos custos da atividade leiteira. A garantia

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MUDAS DE CAFEEIRO SOB DOSES DE CAMA DE FRANGO E ESTERCO BOVINO CURTIDO Cícero José da Silva¹; Benjamim de Melo²; César Antônio da Silva³; Carlos Eduardo Mesquita Pode 4 ;

Leia mais

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado

Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Propriedades físicas de um Cambissolo submetido a períodos de pastejo rotacionado Rostirolla, P. 1 ; Miola, E. C. C. 2 ; Suzuki, L. E. A. S. 1 ; Bitencourt Junior, D. 3 ; Matieski, T. 1 ; Moreira, R. M.

Leia mais

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO

NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Departamento de Fisiologia Curso: Educação Física NECESSIDADES NUTRICIONAIS DO EXERCÍCIO Aluno: Anderson de Oliveira Lemos Matrícula: 9612220 Abril/2002 Estrutura de Apresentação Líquidos Eletrólitos Energia

Leia mais