matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas"

Transcrição

1 C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 08 matemática Taxa de porcentagem e outros tópicos de matemática financeira Elizabete Alves de Freitas

2 Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS equipe sedis universidade federal do rio grande do norte ufrn Coordenadora da Produção dos Materias Marta Maria Castanho Almeida Pernambuco Coordenador de Edição Ary Sergio Braga Olinisky Coordenadora de Revisão Giovana Paiva de Oliveira Design Gráfico Ivana Lima Diagramação Ivana Lima José Antônio Bezerra Júnior Mariana Araújo de Brito Vitor Gomes Pimentel Arte e ilustração Adauto Harley Carolina Costa Heinkel Huguenin Revisão Tipográfica Adriana Rodrigues Gomes Design Instrucional Janio Gustavo Barbosa Luciane Almeida Mascarenhas de Andrade Jeremias Alves A. Silva Margareth Pereira Dias Revisão de Linguagem Maria Aparecida da S. Fernandes Trindade Revisão das Normas da ABNT Verônica Pinheiro da Silva Adaptação para o Módulo Matemático Joacy Guilherme de Almeida Ferreira Filho Revisão Técnica Rosilene Alves de Paiva

3 Você verá por aqui......um estudo que apresenta alguns tópicos abordados na Matemática Financeira. Aqui você terá a oportunidade de estudar o que é taxa de porcentagem, como calcular a porcentagem de um valor dado, calcular qual a taxa de porcentagem correspondente à razão entre dois valores, solucionar problemas que envolvem lucro e prejuízo em operações com mercadorias, calcular descontos e acréscimos sobre preços de mercadorias, inclusive em situações que envolvem cálculo de preços com acréscimos sucessivos ou descontos sucessivos. Todo o conteúdo é apresentado através de exemplos diversos e é intercalado com algumas atividades que propõem questões subjetivas. A lista de exercícios, no final da aula, apresenta questões objetivas para uma melhor fixação dos conteúdos. Após a resolução de todas as atividades, você poderá verificar sua aprendizagem na seção Auto-avaliação. Bons estudos! Saber resolver situações que envolvam taxa de porcentagem, lucro ou prejuízo em operações com mercadorias e descontos ou acréscimos sobre preços de produtos, inclusive de forma sucessiva. Objetivo

4 Para começo de conversa Atente para a seguinte situação, criada para fins desta aula: em uma empresa que contrata 120 funcionários, observou-se: Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Superior Total Feminino Masculino Total Gráfico 1 Escolaridade dos 120 funcionários da Empresa SAÚDE PERFEITA S.A., segundo o sexo.

5 Podemos afirmar que a razão entre o número de funcionários do sexo feminino e o total de funcionários é de 72 para 120, ou mesmo: = = 6 10 = = = 60%, ou seja, setenta e dois para cento e vinte é igual a sessenta para cem ou sessenta por cento. Significa dizer que a cada 100 funcionários, 60 são do sexo feminino. Essa idéia fica simplificada na taxa percentual 60%. Na Empresa SAÚDE PERFEITA, outras porcentagens podem ser observadas, a partir dos dados apresentados no Gráfico 1. Mas antes de determinar essas porcentagens, que tal aprender um pouco sobre taxa de porcentagem? Taxa de porcentagem É comum, no nosso dia-a-dia, vermos expressões que indicam percentuais de acréscimos ou de descontos em preços, como as seguintes: Nessa liquidação, o cliente recebeu um desconto de vinte por cento em todas as mercadorias, o rendimento da caderneta de poupança em fevereiro foi de quase um por cento, a média de reajustes nos combustíveis foi de dois por cento ou seis por cento daquela comunidade já contraiu a virose. Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. A representação numérica de uma porcentagem é uma taxa percentual ou taxa de porcentagem. Exemplo 1 12% é uma taxa de porcentagem (ou taxa percentual). Uma taxa de porcentagem pode ser escrita como uma razão centesimal. Razão centesimal é toda razão que tem o conseqüente 100.

6 Exemplo 2 Veja alguns exemplos de razões centesimais: 1 100, 2 100, , e Escrever a porcentagem 12% é escrever a razão centesimal 12 ou escrever 100 0,12, que é seu valor equivalente na forma unitária. Observe algumas taxas percentuais e como essas podem ser escritas na forma de razão centesimal, no exemplo a seguir: Exemplo 3 Percentual 0,01% 2,5% 5% 28% 147% 235,8% 2.000% Razão centesimal 0, ou , ou , ou ou 20 1 Calculamos uma porcentagem através de uma proporção na qual cada razão exibe uma relação entre dois valores, o primeiro representa a parte e o outro representa o todo. Em uma das razões essa relação é feita entre os valores absolutos e na outra razão essa relação é entre os valores percentuais, ou seja, uma das razões tem conseqüente igual a 100.

7 Valor absoluto da parte Ou valor absoluto do todo corresponde a 100%, temos: valor percentual da parte = ainda, como o todo valor percentual do todo Valor absoluto da parte valor percentual da parte = valor absoluto do todo 100 Quando precisamos calcular a porcentagem de uma quantidade é porque dispomos de três elementos conhecidos de uma proporção e pretendemos calcular o quarto elemento. Nesse cálculo, estamos lidando com um caso de regra de três, assunto já abordado em aulas anteriores. Veja o exemplo a seguir. Exemplo 4 Pedro vendeu 20% de seus 150 carrinhos. Quantos carrinhos ele vendeu? Para solucionar esse problema devemos substituir os valores conhecidos na seguinte proporção: Valor absoluto da parte valor percentual da parte = valor absoluto do todo 100 Ou seja, Aplicando a propriedade fundamental das proporções, temos que: 100 x = x = x = x = 30 Pedro vendeu 30 carrinhos. x 150 = Para esse mesmo problema, podemos resolver de uma segunda maneira. Observe: 2ª. resolução do exemplo 4: 20% de 150 = = 0, = 30 (carrinhos) 100 Isso se justifica, pois calcular uma porcentagem de uma quantidade é o mesmo que calcular uma razão de uma quantidade, que pode ser resolvido como na segunda resolução do exemplo 4. Veja mais um exemplo:

8 Exemplo 5 Em uma liquidação, uma camisa que custava R$ 32,00 foi vendida com 25% de desconto. De quanto foi a economia, em reais, nessa compra? Temos que: Valor absoluto da parte valor percentual da parte x 25 = = = valor absoluto do todo Aplicando a propriedade fundamental das proporções, temos: 100 x = x = 800 x = x = 8 Nessa compra houve uma economia de R$ 8,00. Que tal praticar um pouco resolvendo algumas atividades? Praticando Calcule as seguintes porcentagens: a) 12% de 300 revistas. b) 25% de kg. c) 8% de 75 gols. d) 2% de R$ 250, Uma pessoa devia R$ 2.800,00 e pagou 5% dessa dívida. Quanto falta pagar, em reais, para liquidar a sua dívida? 3. Um corretor imobiliário recebeu R$ 3.200,00 pela comissão de venda de um apartamento. Sabendo que ele cobra 5% de taxa de comissão, por quanto foi vendida a propriedade em questão? 4. Considerando os valores do Gráfico 1, responda ao que se pede a seguir. Calcule, em relação ao número total de funcionários, as taxas de porcentagens a) de funcionários do sexo feminino que apenas concluíram o ensino fundamental. b) de funcionários do sexo masculino que apenas concluíram o ensino médio. c) de funcionários do sexo feminino que concluíram o ensino superior.

9 Responda aqui

10 Lucro e prejuízo em operações com mercadorias A idéia de porcentagem está muito presente em alguns tópicos de Matemática Financeira, como lucro e prejuízo em operações com mercadorias e em descontos e acréscimos. Quando você compra uma mercadoria, paga por ela um determinado preço que é chamado de preço de custo, e quando vende uma mercadoria, estabelece para esse produto um valor correspondente ao produto, que é chamado de preço de venda. O preço de custo de uma mercadoria é formado por todas as despesas que são geradas pela aquisição de matéria prima, pela fabricação (inclusive com custos das instalações), pela estocagem, pelo transporte e pela manutenção desse produto. Custos de produção + estocagem Custo de Custo de + manutenção + + = transporte impostos Preço de Custo O preço de venda é o valor cobrado ao consumidor e que deve cobrir o custo direto da mercadoria/produto/serviço, as despesas variáveis, como impostos, comissões, etc., as despesas fixas proporcionais, ou seja, aluguel, água, luz, telefone, salários e outros custos. Esse preço de custo deve ainda prever algum lucro. CUSTOS DIRETOS DESPESAS + VARIÁVEIS DESPESAS FIXAS + (comissões + PROPORCIONAIS = impostos +...) PREÇO DE VENDA A compra ou venda de uma mercadoria pode ser efetuada com lucro ou com prejuízo. Quando o preço de venda é maior que o preço de custo, dizemos que a venda foi efetuada com lucro. Preço de custo Preço de < Venda V C = L Quando o preço de venda é menor que o preço de custo, dizemos que houve prejuízo na operação de venda. Preço de custo < Preço de Venda C V = P 8

11 A esse lucro (ou prejuízo podemos associar uma taxa, que aqui representaremos por i, que pode ser calculada utilizando como referência o preço de custo ou o preço de venda. i C C = x 100 i C = x% de C ou i L L = y 100 i L = y% de L Observe que essa taxa pode ser apresentada na forma percentual ou unitária. Exemplo 6 A taxa i = 10% (escrita na forma percentual) também pode ser apresentada como i = 0,10 (quando escrita na forma unitária). A taxa i = 3% (escrita na forma percentual) também pode ser apresentada como i = 0,03 (quando escrita na forma unitária). A taxa de 1,5% (escrita na forma percentual) também pode ser apresentada como i = 0,015 (quando escrita na forma unitária). Para simplificar a escrita de algumas situações, em nossa aula, vamos representar algumas palavras por uma de suas letras iniciais. O preço de custo será representado por C. O preço de venda será representado por V. O valor do lucro será representado por L. O valor do prejuízo será representado por P. Vejamos, então, cada um dos casos citados anteriormente: Lucro sobre o preço de custo Quando um comerciante efetua uma venda com lucro sobre o preço de custo, significa que o preço de venda é superior ao preço de custo e que esse lucro foi comparado com o preço de custo da mercadoria. Lembre-se: Na venda de um produto, temos lucro quando o preço de venda é maior que o preço de custo.

12 Exemplo 7 O preço de custo de uma mercadoria é de R$ 10,00. Para ser vendida com um lucro de 25% sobre o preço de custo, qual será seu preço de venda? Utilizando as informações que a questão nos apresenta, temos: C =10,00 e L = 25% de C L = 0,25 C L = 0,25 R$ 10,00 L= R$ 2,50 V = C + L V = 10,00 + 2,50 V = R$ 12,50 Ou, resolvendo de uma segunda maneira, podemos escrever: V = C + L V = C + 0,25 C V = (1+0,25) C V = 1,25 C (eq.1) Para calcular o valor de V, podemos substituir o valor de C na eq.1 e obtemos: V = 1,25 10,00 V = R$ 12,50 Por qualquer uma forma de resolução, o resultado encontrado para o valor de venda da mercadoria é de R$ 12,50. Que tal mais um exemplo? Exemplo 8 Um comerciante vendeu uma mercadoria por R$ 560,00 para obter um lucro de 12% sobre o preço de custo. Descubra qual foi o preço de custo dessa mercadoria. Sabemos que: L = 12 % de C L = 0,12 C e C + L = 560 C + 0,12 C = 560 C (1 + 0,12) = 560 C (1, 12) = 560 C = 560 1, 12 C = 500 O preço de custo da mercadoria é igual a R$ 500,00. Vejamos mais um exemplo: 10

13 Exemplo 9 Cada unidade de um determinado produto custou R$ 30,00. Querendo obter um lucro de 20% sobre esse preço de custo, qual deverá ser o preço de venda por unidade? C = R$ 30,00 e L = 20% de C L = 0,20 (R$ 30,00) L = R$ 6,00 Lembrando, também, que: V C = L. Assim: V 30 = 6 V = = 36. O preço de venda, por unidade, desse produto é de R$ 36,00. De uma forma geral, podemos escrever: V = C + L (eq.2) e L = i C (eq.3), em que i é a taxa de lucro sobre o preço de custo. Quando substituímos o valor de L da eq.3 na eq.2, temos: V = C + i C V = (1+i) C V = (1+i) C é a fórmula que relaciona o preço de venda e o preço de custo, em uma venda com lucro sobre o preço de custo. Praticando Um comerciante comprou um objeto de R$ 250,00. Desejando ganhar 14% sobre o preço de custo, qual deve ser o preço de venda? 2. Um aparelho de som foi vendido por R$ 480,00. Qual o lucro obtido, sabendo que o mesmo foi calculado como 20% sobre o preço de custo? 11

14 Responda aqui Lucro sobre o preço de venda Quando afirmamos que um objeto foi vendido com lucro sobre o preço de venda significa dizer que o percentual de lucro foi calculado tomando-se como referência o preço de venda, ou seja, tomando o preço de venda como 100%. Exemplo 10 Ruth comprou uma blusa por R$ 40,00 e resolveu vendê-la com um lucro de 20% sobre o preço de venda. Qual deve ser o preço dessa mercadoria? Sabemos que: V = 40 + L (eq.4) e L = 20% de V L = 0,20 V (eq.5) Substituindo a eq.5 na eq.4, temos: V 0,20 V = 40 (1 0,20) V = 40 0,80 V = 40 V = 40 0,80 V = 50. O preço de venda dessa mercadoria deve ser igual a R$ 50,00. 12

15 Observe mais um exemplo: Exemplo 11 Uma roupa foi vendida, com um lucro de 15% sobre o preço de venda, por R$ 120,00. Qual foi o preço de custo dessa mercadoria? Temos que V = C + L, ou seja, C = V L (eq.6), sendo L = 0,15 V (eq.7). Assim, quando substituímos a eq.7 na eq.6, temos: C = V 0,15 V C = (1 0,15) V C = 0,85 V Substituindo V por R$ 120,00, temos: C = 0, C = 102 O preço de custo dessa roupa foi de R$ 102,00. De uma forma geral: C = V L e L = i V C = V i V C = (1 i) V (1 i) V = C V = C 1 i. V = C (1 i) é a fórmula que relaciona o preço de venda com o preço de custo, quando ocorre uma operação de venda com lucro sobre o preço de venda. Praticando Um produto foi vendido com um lucro de 40% sobre o preço de venda. Se esse produto foi vendido por R$ 60,00, qual o valor de preço de custo desse produto? 2. Um eletrodoméstico que custou R$ 450,00 foi vendido com um lucro de 10% sobre o preço de venda. De quanto foi o lucro? 13

16 Responda aqui Prejuízo Na venda de um produto, temos prejuízo quando o preço de venda é menor que o preço de custo. Prejuízo sobre o preço de custo Quando dizemos que uma mercadoria foi vendida com prejuízo sobre o preço de custo, significa que o preço de venda dessa mercadoria foi menor que o preço de custo, e esse prejuízo foi comparado ao preço de custo dessa mercadoria. 14

17 Exemplo 12 Um comerciante vendeu um produto com um prejuízo de 5% sobre o preço de custo. Qual foi o preço de venda dessa mercadoria, se o preço de custo foi de R$ 40,00? Nesse caso, temos: P = C V V = C P (eq.8) e P = 5% de C P = C (eq.9). Substituindo o valor de P da eq.9 na eq.8, temos: V = C C V = ( ) C V = C 100 V = 95 C V = 0, 95 C 100 Substituindo o valor de C por R$ 40,00, temos: V = 0,95 40 V = 38 A mercadoria foi vendida por R$ 38,00. Vejamos mais um exemplo: Exemplo 13 Um celular foi vendido com um prejuízo de 30% sobre o preço de custo. Se esse produto foi adquirido pelo preço de R$ 300,00, por qual preço foi vendido? Temos que: V = C P (eq.10) e P = 30% de C P = 0,3 (eq.11) Substituindo o valor de P da eq.11 na eq.10, temos: V = C 0,3 C V = (1 0,3) C V = 0,7 C Substituindo C por R$ 300,00, temos: V = 0,7 300 V = 210 O celular foi vendido por R$ 210,00. 15

18 De uma forma geral, podemos escrever: V = C P e P = i C, o que nos garante que V = C i C V = (1 i) C, sendo i a taxa de prejuízo sobre o preço de custo. V = (1 i) C é a fórmula que relaciona o preço de venda com o preço de custo em uma venda com prejuízo sobre o preço de custo. Praticando Um equipamento foi vendido por R$ ,00, com prejuízo sobre o preço de custo. Determine o preço de custo. 2. Determine o preço de custo de um imóvel que foi vendido por R$ ,00 dando ao proprietário inicial um prejuízo de 10% sobre o preço de custo. Responda aqui 16

19 Prejuízo sobre o preço de venda Quando se diz que uma venda foi realizada com prejuízo sobre o preço de venda significa dizer que estamos comparando o prejuízo com o preço de venda da mercadoria, em uma venda que foi realizada por um preço não satisfatório para o vendedor. Vejamos o exemplo a seguir: Exemplo 14 Se certo objeto for vendido por R$ 30,00, haverá um prejuízo de 15% sobre o preço de venda. Quanto custou esse objeto? Temos que: V = C P (eq.12) e P = 0,15 V. (eq.13). Assim, quando substituímos a eq.13 na eq.12, temos: C = V + P C = V + 0,15 V C = (1 + 0,15) V C = 1,15 V Substituindo V por R$ 30,00, temos: C = 1,15 30 C = 34,50 O preço de custo do objeto foi de R$ 34,50. Que tal mais um exemplo? Exemplo 15 Uma casa que custa R$ ,00 foi vendida com um prejuízo de 5% sobre o preço de venda. Qual é o preço de venda do imóvel? Como houve prejuízo, temos P = C V, ou seja, V = C P (eq.14) Sabemos que C = e P = 0,15 V. Substituindo essas expressões na eq.19, temos: V = ,15 V V + 0,15 V = V (1 + 0,15) = ,15 V = V = (60 000) (1,15) V ,91. O preço de venda da casa foi de, aproximadamente, R$ ,91. 17

20 De uma forma geral, P = C V e como P = i V, temos que i V = C V V + i V = C V (1 + i) = C C = (1 + i) V C = (1 + i) V é a fórmula para preço de custo em uma venda com prejuízo sobre o preço de venda e i é a taxa de prejuízo sobre o preço de venda. Praticando Calcule o preço de venda de uma mercadoria que custou R$ 50,00 e foi revendida com um prejuízo de 5% sobre o preço de venda. 2. Ao revender uma camiseta por R$ 27,00, Maria teve um prejuízo de 10% sobre o preço de venda. Qual foi o preço de custo dessa camiseta? Responda aqui 18

21 Descontos e acréscimos Nas operações com mercadorias vemos situações que tratam de descontos e de acréscimos. Que tal estudarmos sobre isso? Descontos Quando o preço de um produto sofre um desconto, podemos escrever seu novo preço da seguinte forma: B = A i A B = A (1 i). B = A (1 i) é a expressão que representa o novo preço do produto, sendo A o preço inicial; B, o preço após desconto e i, a taxa unitária de desconto. Descontos sucessivos Quando um produto sofre um desconto após o outro, temos uma operação comercial com descontos sucessivos (ou abatimentos sucessivos). O valor final desse produto será obtido pelo produto de seu valor inicial pelos fatores de desconto. De uma forma geral, o cálculo do preço B após o desconto sobre o preço A pode ser feito da seguinte forma: B = A i A A B = A (1 i A ) (eq.15) O cálculo do preço C, após o segundo desconto incidir sobre o preço B, será C = B i B B C = B (1 i B ) (eq.16) Substituindo o valor de B, da eq.15 na eq.16, temos: C = A (1 i A ) (1 i B ), que é o preço do produto após dois descontos consecutivos. Que tal vermos um exemplo? 19

22 Exemplo 16 Um produto recebeu um desconto de 10% e logo em seguida um desconto de 5%. De quanto foi o desconto total sobre o produto? Já vimos que o preço de um produto após dois descontos sucessivos pode ser representado pela expressão: C = A (1 i A ) (1 i B ), onde i A e i B são as taxas correspondentes aos referidos descontos. Substituindo i A = 10% = 0,10 e i B = 5% = 0,05 na expressão do valor de C, temos: C = A (1 0,10) (1 0,05) C = A (0,90) (0,95) C = A 0,855. Como 0,855 = 1 0,145, temos C = A (1 0,145) i C = 0,145 ou i C = 14,5%. O desconto real após os dois descontos sucessivos foi de 14,5%. E se tivermos mais descontos sucessivos? Vejamos mais um exemplo. Exemplo 17 Uma mercadoria teve descontos sucessivos de 3%, 2% e 8%. Sabendose que seu preço inicial era de R$ 42,00, qual o preço final após os três descontos? Utilizando um raciocínio semelhante ao do exemplo anterior, podemos representar o preço final da mercadoria pela expressão a seguir: D = A (1 i A ) (1 i B ) (1 i C ) D = 42 (1 0,03) (1 0,02) (1 0,08) D = 42 (0,97) (0,98) (0,92) D = 42 0, D = 36, D 36,73 O preço final foi de, aproximadamente, R$ 36,73. 20

23 De uma forma geral, podemos escrever a expressão do preço final após n descontos através da seguinte expressão: P f = P i (1 i 1 ) (1 i 2 ) (1 i 3 ) (1 i 4 )... (1 i n ); P f e P i são, respectivamente, os valores do preço final e do preço inicial de um produto. Praticando Ana Maria pretende vender seu carro pelo valor de mercado que era R$ ,00, porém o valor do automóvel sofreu três desvalorizações consecutivas de 3%, 5% e de 6,5%. Qual é o valor de mercado desse veículo após essas desvalorizações? 2. Bernardo comprou um imóvel por R$ ,00 para revender, mas o valor do imóvel teve decréscimos de 3%, 4%, 5% e 2%, consecutivamente. Após essas desvalorizações, qual é o valor do imóvel? 3. Uma fatura de R$ 6.000,00 sofre dois abatimentos sucessivos de 5% e 4%. Qual o valor líquido a pagar? Responda aqui 21

24 Acréscimos Quando um produto sofre um acréscimo, temos uma operação comercial, em que o valor final desse produto pode ser obtido pela seguinte expressão: B = A + i A B = A (1 + i), sendo A o preço inicial do produto; B, o preço depois do acréscimo e i, a taxa unitária do acréscimo. Acréscimos sucessivos Quando um produto sofre um acréscimo após o outro, temos uma operação comercial com acréscimos sucessivos. O valor final desse produto será obtido pelo produto de seu valor inicial pelos fatores de acréscimo. O cálculo do preço B após o acréscimo sobre o preço A pode ser feito da seguinte forma: B = A + i A A B = A (1 + i A ) (eq.16) O cálculo do preço C, após o segundo acréscimo incidir sobre o preço B, será C = B + i B B C = B (1 + i B ) (eq.17) Substituindo o valor de B, da eq.16 na eq.17, temos: C = A (1 + i A ) (1 + i B ), que é o preço do produto após dois acréscimos consecutivos. Exemplo 18 Uma duplicata no valor de R$ 5.000,00 foi paga após o vencimento e, por isso, sobre seu valor inicial, incidiram acréscimos sucessivos de 2% e 3%. Quanto foi pago pela duplicata no ato de sua liquidação? Como os acréscimos foram sucessivos, para o cálculo do valor final utilizaremos a expressão C = A (1 + i A ) (1 + i B ), substituindo os valores conhecidos. C = (1 + 0,02) (1 + 0,03) C = (1,02) (1,03) C = (1,0506) C = 5 253,00 O valor pago pela duplicata foi de R$ 5.253,00 22

25 Que tal mais um exemplo? Exemplo 19 Um produto que custava R$ 4,00 sofreu acréscimos sucessivos de 1%, 2% e 1,5%. Qual é o valor final desse produto? Utilizando a expressão D = A (1 + i A ) (1 + i B ) (1 + i C ) para o cálculo do preço final do produto e, substituindo os valores conhecidos, temos: D = 4 (1 + 0,01) (1 + 0,02) (1 + 0,015) D = 4 (1,045653) D 4,18 O preço final do produto é, aproximadamente, de R$ 4,18. De uma forma geral, podemos escrever a expressão do preço final após n acréscimos através da seguinte expressão: P f = P i (1 + i 1 ) (1 + i 2 ) (1 + i 3 ) (1 + i 4 )... (1 + i n ), onde P f e P i são, respectivamente, os valores do preço final e do preço inicial de um produto. Praticando No ato da liquidação, uma fatura de R$ 1.500,00 sofre acréscimos sucessivos de 2%, 3% e 5%, por motivo de atraso em seu pagamento. Quanto foi pago para liquidar a dívida representada por essa fatura? 2. O preço de uma mercadoria sofreu acréscimos sucessivos de 12% e 5%. Qual foi o preço final do produto, se seu preço inicial era de R$ 50,00? 23

26 Responda aqui Se você já resolveu todas as atividades e não tem mais dúvida, que tal resolver a lista de exercícios a seguir? 24

27 . Um comerciante comprou um objeto por R$ 48,00. Para incentivar suas vendas, anunciou um preço para esse produto com um prejuízo de 2% sobre o preço de venda. O preço de venda desse produto nessa promoção foi de a) R$ 54,60. b) R$ 57,60. c) R$ 58,60. d) R$ 64,60.. Renata comprou um objeto por R$ 52,00. Para obter um lucro de 20% sobre o preço de venda, deve vendê-lo por a) R$ 62,00. b) R$ 63,50. c) R$ 65,00. d) R$ 68,00.. Marina comprou um relógio por R$ 125,00, mas logo depois decidiu vendê-lo. Com um prejuízo de 8% sobre o preço de venda, o preço que conseguiu receber pelo relógio foi, aproximadamente, de a) R$ 105,68. b) R$ 110,02. c) R$ 115,74. d) R$ 120,03.. Pedro comprou uma TV por R$ 650,00. Para obter um lucro de 30% sobre o preço de custo, deverá revender esse produto por a) R$ 652,50. b) R$ 654,00. c) R$ 664,50. d) R$ 669,50. REVISÃO. Após dois descontos sucessivos de 10% e de 8%, uma fatura de R$ 8.000,00 tem o valor líquido a pagar de a) R$ 6.624,00. b) R$ 6.642,00. exercícios c) R$ 6.264,00. d) R$ 6.462,00.. Por causa do atraso em seu pagamento, uma fatura de R$ 5.000,00 sofre dois aumentos sucessivos de 10% e 15%. O valor fi nal dessa fatura é de a) R$ 6.325,00. b) R$ 6.352,00. c) R$ 6.235,00. d) R$ 6.523,00. Matemática a08

28 Resposta REVISÃO Matemática a08

29 Leitura complementar Para ver mais alguns exemplos e exercícios sobre porcentagens, que é o conteúdo dominante desta aula, acesse os seguintes endereços: EXATAS. Porcentagem. Disponível em: <http://www.exatas.mat.br/porcentagem.htm>. Acesso em: 30 out WIKIPÉDIA. Porcentagem. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/percentagem>. Acesso em: 30 out Para saber um pouco mais sobre como formar o preço de venda, preço de custo e outros assuntos, acesse o endereço: SEBRAERN. Aprenda com o SEBRAE. Disponível em: <http://www2.rn.sebrae.com.br/modules/wfsection/article.php?articleid=43>. Acesso em 1º nov.08. Nesta aula, você aprendeu o que é preço de venda e o que é preço de custo de um produto, como calcular o lucro ou prejuízo sobre o preço de venda, como calcular o lucro ou prejuízo sobre o preço de compra, como calcular o preço de venda (ou de custo) dado o percentual de lucro sobre o preço de venda (ou de custo). Auto-avaliação 1. Carol comprou um brinquedo por R$ 80,00 e o revendeu por R$ 104,00. Qual a taxa de lucro (a) sobre o preço de custo? (b) sobre o preço de venda? 27

30 2. Anderson vendeu um objeto com um prejuízo de 12% sobre o preço de venda. Sabendo que o objeto lhe custou R$ 558,00, qual foi o valor apurado em sua venda? 3. Caio vendeu um objeto com 15% de prejuízo e outro objeto com 35% de lucro, ambos sobre o preço de custo. Por quanto vendeu cada um deles, se cada objeto custou R$ 748,00? 4. Gabriela Pessoa empregou seu capital, sucessivamente, em quatro empresas. Na primeira, lucrou 100% e em cada uma das demais perdeu 15%. Ao final das operações, houve lucro ou prejuízo? De quanto? Para Consulta Taxa de Porcentagem Valor absoluto da parte valor percentual da parte x 25 = = valor absoluto do todo Formatos m% = m 100 Taxa percentual Razão centesimal Taxa unitária m% m 100 Número decimal resultante da divisão de m por 100. Lucro Lucro (L) existe em uma venda na qual o preço de venda (V) é maior que o preço de custo (C). L = V C Prejuízo Prejuízo (P) existe em uma venda na qual o preço de venda (V) é menor que o preço de custo (C). P = C V 28

31 Vendas Com lucro Com prejuízo Sobre C L = V C; L = i C; V = (1 + i) C Sobre V L = V C; L = i V; V = C 1 i Sobre C P = C V; P = i C; V = (1 i) C Sobre V P = C V; P = i V; V = C 1 + i Descontos sucessivos: P f = P i (1 i 1 ) (1 i 2 ) (1 i 3 ) (1 i 4 )... (1 i n ), sendo P f e P i respectivamente, os valores do preço final e do preço inicial de um produto. Acréscimos sucessivos: P f = P i (1 + i 1 ) (1 + i 2 ) (1 + i 3 ) (1 + i 4 )... (1 + i n ), sendo P f e P i respectivamente, os valores do preço final e do preço inicial de um produto. Referências ASSAF NETO, Alexandre. Matemática financeira e suas aplicações. 7. ed. São Paulo: Atlas, CÁLCULO do preço de custo e preço de venda. Disponível em: <http://www.portal.inf. br/custos.htm>. Acesso em: 23 set CRESPO, Antônio Arnot. Matemática comercial e financeira fácil. 11. ed. São Paulo: Saraiva, MERCHEDE, Alberto. Matemática financeira para concursos: mais de aplicações. São Paulo: Atlas, SEBRAERN. Aprenda com o SEBRAE. Disponível em: <http://www2.rn.sebrae.com.br/modules/wfsection/article.php?articleid=43>. Acesso em 01nov.08. WIKIPÉDIA. Porcentagem. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/percentagem>. Acesso em: 30 out

32 Anotações 30

33 Anotações 31

34 Anotações 32

35

36

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Juros Compostos. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 10 matemática Juros Compostos Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito e Formação do Patrimônio Inicial CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 02 CONTABILIDADE Conceito e Formação do Patrimônio Inicial Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral. Operações com mercadorias / Preço de vendas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 14 CONTABILIDADE Operações com mercadorias / Preço de vendas Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Conceito, Débito, Crédito e Saldo. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 05 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Conceito, Débito, Crédito e Saldo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Regra de três. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Regra de três. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 02 matemática Regra de três Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 13 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Custos Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Balancete de verificação. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Balancete de verificação. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 09 CONTABILIDADE Balancete de verificação Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Planos de Contas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Planos de Contas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 07 CONTABILIDADE Planos de Contas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS EQUIPE SEDIS

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Classificação e função das contas

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Classificação e função das contas CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 06 CONTABILIDADE Classificação e função das contas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 12 CONTABILIDADE Apuração e Contabilização de Lucro Bruto, Apuração e Contabilização das Provisões Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal

Leia mais

CONTABILIDADE. Atividades de lançamentos, razonetes e balancete. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral

CONTABILIDADE. Atividades de lançamentos, razonetes e balancete. Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 10 CONTABILIDADE Atividades de lançamentos, razonetes e balancete Sônia Maria de Araújo Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Função: definição, domínio e imagem. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 11 matemática Função: definição, domínio e imagem Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO. Contabilidade. Origem da Contabilidade. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO 01 Contabilidade Origem da Contabilidade Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância SEDIS equipe sedis

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Escrituração e o Método das Partidas Dobradas. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 08 CONTABILIDADE Escrituração e o Método das Partidas Dobradas Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Moeda, câmbio e conversões monetárias. Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O. matemática. Moeda, câmbio e conversões monetárias. Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 07 matemática Moeda, câmbio e conversões monetárias Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente

INFORMÁTICA I. BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 13 INFORMÁTICA I BrOffi ce Writer Mala Direta e Etiqueta Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. BrOffi ce Impress terceira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 08 INFORMÁTICA I BrOffi ce Impress terceira parte Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 03 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD O que é Educação a Distância Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

100 % valor correspondente a 100% outro % valor correspondente a outro %

100 % valor correspondente a 100% outro % valor correspondente a outro % PORCENTAGEM Porcentagem é a razão entre uma quantidade qualquer e 100. O símbolo % (por cento) indica a taxa percentual. 5 13 = 5%; = 13% 100 100 Observamos que a taxa pode ser escrita de forma percentual,

Leia mais

BrOffice Calc Inserindo Funções

BrOffice Calc Inserindo Funções C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 14 Informática BrOffice Calc Inserindo Funções Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais. Sônia Maria de Araújo

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais. Sônia Maria de Araújo CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 04 CONTABILIDADE Situações Líquidas ou Patrimônio Líquido e as Variações Patrimoniais Sônia Maria de Araújo Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Introdução à Matemática Financeira

Introdução à Matemática Financeira Introdução à Matemática Financeira Atividade 1 Por que estudar matemática financeira? A primeira coisa que você deve pensar ao responder esta pergunta é que a matemática financeira está presente em muitos

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

Aula 00 Curso: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento

Aula 00 Curso: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento Curso: Matemática Financeira p/ ICMS RJ Prof. Ricardo Soncim - Aula 00 Aula 00 Curso: Raciocínio Lógico Professor: Custódio Nascimento APRESENTAÇÃO Futuros Técnicos do Seguro Social, Curso: Raciocínio

Leia mais

PORCENTAGEM. PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades.

PORCENTAGEM. PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades. PORCENTAGEM * Definição PORCENTAGEM pode ser definida como a centésima parte de uma grandeza, ou o cálculo baseado em 100 unidades. É visto com freqüência as pessoas ou o próprio mercado usar expressões

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Professor Manuel MATEMÁTICA FINANCEIRA 01. (UNEB-2008) O proprietário de um imóvel contratou uma imobiliária para vendê-lo, pagando-lhe 5% do valor obtido na transação. Se a imobiliária recebeu R$ 5.600,00,

Leia mais

Empreendedorismo no Agronegócio

Empreendedorismo no Agronegócio CURSO TÉCNICO EM PESCA 09 Empreendedorismo no Agronegócio O que é Marketing? Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

SIGNIFICADO DAS PORCENTAGENS Dizer que 10% (lê-se: dez por cento) dos brasileiros são analfabetos é igual a dizer

SIGNIFICADO DAS PORCENTAGENS Dizer que 10% (lê-se: dez por cento) dos brasileiros são analfabetos é igual a dizer Olá pessoal! Este é o nosso segundo encontro. Nele faremos uma revisão de porcentagem. Assunto muito querido pela banca FCC, Vamos começar. PORCENTAGEM TEORIA A expressão por cento significa por cada cem,

Leia mais

Módulo 6 Porcentagem

Módulo 6 Porcentagem Professor: Rômulo Garcia machadogarcia@gmail.com Conteúdo Programático: Razões e proporções, divisão proporcional, regras de três simples e compostas, porcentagens Site: matematicaconcursos.blogspot.com

Leia mais

Lista de Exercícios 10 Matemática Financeira

Lista de Exercícios 10 Matemática Financeira Lista de Exercícios 10 Matemática Financeira Razão Chama-se de razão entre dois números racionais a e b, ao quociente entre eles. Indica-se a razão de a para b por a/b ou a:b. Exemplo: Na sala da 6ª B

Leia mais

PORCENTAGENS www.aplicms.com.br PROF. PEDRO A. SILVA

PORCENTAGENS www.aplicms.com.br PROF. PEDRO A. SILVA PORCENTAGENS Razão centesimal Chamamos de razão centesimal a toda razão cujo conseqüente (denominador) seja igual a. 6 270 2, 5 ; e Outros nomes usamos para uma razão centesimal são razão porcentual e

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº 02. Assunto: JUROS E PORCENTAGENS Nome: Ano: 3º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº 02 Assunto: JUROS E PORCENTAGENS 1) Porcentagem Definição: É uma fração que indica a participação de uma quantidade sobre um todo.

Leia mais

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem.

Essas expressões envolvem uma razão especial denominada porcentagem ou percentagem. Faculdades Integradas do Tapajós Professor: Adm. Esp. Wladimir Melo Curso: Administração 2º ADN 1, Gestão Empresarial 2º GEN 1, Processos Gerenciais 2º TPN Disciplina: Matemática Financeira 1. Porcentagem

Leia mais

PORCENTAGEM. A percentagem ou porcentagem vem do latim per centum, significando "por cento", "a cada centena".

PORCENTAGEM. A percentagem ou porcentagem vem do latim per centum, significando por cento, a cada centena. PORCENTAGEM A percentagem ou porcentagem vem do latim per centum, significando "por cento", "a cada centena". O cálculo de porcentagens, seja para fins de desconto, seja para fins de acréscimo será iniciado

Leia mais

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br. Aula Gratuita PORCENTAGEM

Curso destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET www.concursosecursos.com.br. Aula Gratuita PORCENTAGEM MATEMÁTICA FINANCEIRA ON LINE Aula Gratuita PORCENTAGEM Introdução (Clique aqui para assistir à aula gravada) A porcentagem é o estudo da matemática financeira mais aplicado ao nosso dia-a-dia. É freqüente

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A Matemática Financeira como elemento de contextualização crítica no Ensino Fundamental - Prof. Ilydio Sá 1 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO 1º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Empreendedorismo no Agronegócio

Empreendedorismo no Agronegócio C U R S O T É C N I C O E M P E S C A 07 Empreendedorismo no Agronegócio Planejando uma Pesquisa de Mercado Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F.

Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Gabarito de Matemática do 7º ano do E.F. Lista de Exercícios (L10) a Colocarei aqui algumas explicações e exemplos de exercícios para que você possa fazer todos com segurança e tranquilidade, no entanto,

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA Razão, Proporção,Regra de, Porcentagem e Juros PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 RAZÃO, PROPORÇÃO E GRANDEZAS Razão é o quociente entre dois números não nulos

Leia mais

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA SISTEMA MONETÁRIO É o conjunto de moedas que circulam num país e cuja aceitação no pagamento de mercadorias, débitos ou serviços é obrigatória por lei. Ele é constituído

Leia mais

Prof. Dr. João Muccillo Netto

Prof. Dr. João Muccillo Netto Prof. Dr. João Muccillo Netto INTRODUÇÃO 1. Juros Segundo a Teoria Econômica, o homem combina Terra Trabalho Capital Aluguel Salário Juro para produzir os bens de que necessita. Juro é a remuneração do

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

Exercícios base para a prova 2 bimestre e final

Exercícios base para a prova 2 bimestre e final Exercícios base para a prova 2 bimestre e final Razão e proporção 1) Calcule a razão entre os números: a) 3 e 21 b) 0,333... e 2,1 2) Determine a razão entre a terça parte de 0,12 e o dobro de 0,1. 3)

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 14 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Elaborando um Plano de Negócios: O plano financeiro Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO CURSO TÉCNICO EM PESCA 05 EMPREENDEDORISMO NO AGRONEGÓCIO Cadeia produtiva da pesca/aquicultura e Arranjos Produtivos Locais Soniamar Zschornack Rodrigues Saraiva Governo Federal Ministério da Educação

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Principais Conceitos CAPÍTULO 1

Principais Conceitos CAPÍTULO 1 Principais onceitos APÍTULO 1 Principais onceitos O estudo da Matemática Financeira pode ser resumido como sendo a análise do valor do dinheiro ao longo do tempo. Diariamente nos deparamos com situações

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. Raimundo Nonato Camelo Parente. BrOffice Impress primeira parte

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S INFORMÁTICA I. Raimundo Nonato Camelo Parente. BrOffice Impress primeira parte C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 06 INFORMÁTICA I BrOffice Impress primeira parte Raimundo Nonato Camelo Parente Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

TÉCNICO EM CONTABILIDADE MATEMÁTICA FINANCEIRA MÓDULO 1 ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA 2012

TÉCNICO EM CONTABILIDADE MATEMÁTICA FINANCEIRA MÓDULO 1 ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA 2012 2012-1 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 1 MATEMÁTICA FINANCEIRA 1 Explicando o funcionamento da disciplina e a avaliação. Serão 2 aulas semanais onde os conteúdos serão abordados, explicados e exercitados.

Leia mais

Matemática Financeira Módulo 2

Matemática Financeira Módulo 2 Fundamentos da Matemática O objetivo deste módulo consiste em apresentar breve revisão das regras e conceitos principais de matemática. Embora planilhas e calculadoras financeiras tenham facilitado grandemente

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II

Gabarito das Autoatividades MATEMÁTICA FINANCEIRA (ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEIS) 2010/2 Módulo II Gabarito das utoatividades (DSÇÃO/ÊS OBS) 2010/2 ódulo USSLV D GBO DS UOVDDS GBO DS UOVDDS D 3 UDD 1 ÓPO 1 1 Defina a atemática inanceira..: atemática inanceira é uma disciplina que estuda o valor do

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA Roberto César Faria e Silva MATEMÁTICA FINANCEIRA Aluno: SUMÁRIO 1. CONCEITOS 2 2. JUROS SIMPLES 3 Taxa Efetiva e Proporcional 10 Desconto Simples 12 Desconto Comercial, Bancário ou Por Fora 13 Desconto

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÃO... 2 3. REPRESENTAÇÃO... 3 4. CALCULO DE PORCENTAGEM... 5. 4.1.Aumento Percentual... 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÃO... 2 3. REPRESENTAÇÃO... 3 4. CALCULO DE PORCENTAGEM... 5. 4.1.Aumento Percentual... 6 AULA 5 PORCENTAGEM SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. DEFINIÇÃO... 2 3. REPRESENTAÇÃO... 3 4. CALCULO DE PORCENTAGEM... 5 4.1.Aumento Percentual... 6 4.2.Desconto Percentual... 7 4.3.Aumentos E Descontos Sucessivos...

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado?

1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado? 1. (TTN ESAF) Um capital de R$ 14.400,00, aplicado a 22% ao ano, rendeu R$ 880,00 de juros. Durante quanto tempo esteve empregado? a) 3 meses e 3 dias b) 3 meses e 8 dias c) 2 meses e 23 dias d) 3 meses

Leia mais

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 04/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 04/10 Prof. Pedro Souza UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma revisão do conceito de porcentagem. Na segunda parte, os alunos deverão aplicar os conceitos vistos na

Leia mais

Módulo de Juros e Porcentagem. Juros Simples e Compostos. Sétimo Ano

Módulo de Juros e Porcentagem. Juros Simples e Compostos. Sétimo Ano Módulo de Juros e Porcentagem Juros Simples e Compostos Sétimo Ano Juros Simples e Compostos 1 Eercícios Introdutórios Eercício 1. Um investidor quer aplicar a quantia de R$ 800, 00 por 3 meses, a uma

Leia mais

Guia do Professor. Matemática Financeira. Série Matemática ao Pé do Ouvido

Guia do Professor. Matemática Financeira. Série Matemática ao Pé do Ouvido Guia do Professor Matemática Financeira Série Matemática ao Pé do Ouvido Coordenação Geral Elizabete dos Santos Autores Bárbara Nivalda Palharini Alvim Souza Karina Alessandra Pessôa da Silva Lourdes Maria

Leia mais

UNIDADE Capitalização composta

UNIDADE Capitalização composta UNIDADE 2 Capitalização composta Capitalização composta Curso de Graduação em Administração a Distância Objetivo Nesta Unidade, você vai ser levado a: calcular o montante, taxas equivalentes, nominal e

Leia mais

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula

Instrumentação para o Ensino de Geografia II DISCIPLINA. Um pouco mais sobre a Água. Autora. Sandra Kelly de Araújo. aula DISCIPLINA Instrumentação para o Ensino de Geografia II Um pouco mais sobre a Água Autora Sandra Kelly de Araújo aula 10 Governo Federal Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA: ENSINANDO A ENFRENTAR OS DESAFIOS DO COTIDIANO

MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA: ENSINANDO A ENFRENTAR OS DESAFIOS DO COTIDIANO MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA: ENSINANDO A ENFRENTAR OS DESAFIOS DO COTIDIANO Lilian Nasser UFRJ /CETIQT/SENAI Geneci Alves de Sousa SME-RIO/ UNIABEU/ CETIQT/SENAI José Alexandre R. Pereira SME-RIO/

Leia mais

Oficina Porcentagem e Juros

Oficina Porcentagem e Juros Oficina Porcentagem e Juros Esta oficina está dividida em duas partes. A primeira consiste em uma breve revisão, de caráter mais teórico, sobre o conceito de porcentagem e juros. Na segunda parte, os alunos

Leia mais

CURSO TÉCNICO MPU Disciplina: Matemática Tema: Matemática básica: potenciação Prof.: Valdeci Lima Data: Novembro/Dezembro de 2006 POTENCIAÇÃO.

CURSO TÉCNICO MPU Disciplina: Matemática Tema: Matemática básica: potenciação Prof.: Valdeci Lima Data: Novembro/Dezembro de 2006 POTENCIAÇÃO. Data: Novembro/Dezembro de 006 POTENCIAÇÃO A n A x A x A... x A n vezes A Base Ex.: 5.... n Expoente Observação: Em uma potência, a base será multiplicada por ela mesma quantas vezes o expoente determinar.

Leia mais

O sonho dourado. Série Matemática na Escola

O sonho dourado. Série Matemática na Escola O sonho dourado Série Matemática na Escola Objetivos 1. Identificar de modo claro os conceitos de fluxo monetário, tempo e equivalência financeira; 2. Reconhecer e analisar critérios para resolução de

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 28 Matemática Financeira II Para início de conversa... Notícias como essas são encontradas em jornais com bastante frequência atualmente. Essas situações de aumentos e outras como financiamentos

Leia mais

A Matemática e o dinheiro

A Matemática e o dinheiro A Matemática e o dinheiro A UUL AL A Muita gente pensa que a Matemática, em relação ao dinheiro, só serve para fazer troco e para calcular o total a pagar no caixa. Não é bem assim. Sem a Matemática, não

Leia mais

Huguinho e Zezinho. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Explicitar como são calculados os juros compostos

Huguinho e Zezinho. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Explicitar como são calculados os juros compostos Huguinho e Zezinho Série Matemática na Escola Objetivos 1. Explicitar como são calculados os juros compostos Huguinho e Zezinho Série Matemática na Escola Conteúdos Matemática financeira; juros compostos

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M9 Noções de Matemática Financeira

Matemática. Resolução das atividades complementares. M9 Noções de Matemática Financeira Resolução das atividades complementares Matemática M9 Noções de Matemática Financeira p. 9 1 (Cesesp-PE) Suponha que uma classe constituída de rapazes e moças tenha 0 alunos, dos quais 6 são moças. Assinale

Leia mais

A função do primeiro grau

A função do primeiro grau Módulo 1 Unidade 9 A função do primeiro grau Para início de conversa... Já abordamos anteriormente o conceito de função. Mas, a fim de facilitar e aprofundar o seu entendimento, vamos estudar algumas funções

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação Profa. Patricia Maria Bortolon Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Inflação O que é Inflação? Inflação É a elevação generalizada dos preços de uma economia O que é deflação? E a baixa predominante de preços de bens

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO

MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA - ADMINISTRAÇÃO DESCONTO 1) Determinar o desconto por fora sofrido por uma letra de R$ 5.000,00 à taxa de 5% aa, descontada 5 anos antes de seu vencimento. Resp: R$ 1.250,00 2) Uma

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O MATEMÁTICA. Conhecendo as unidades de medidas (parte I) Elizabete Alves de Freitas

C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O MATEMÁTICA. Conhecendo as unidades de medidas (parte I) Elizabete Alves de Freitas C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 03 MATEMÁTICA Conhecendo as unidades de medidas (parte I) Elizabete Alves de Freitas Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Matemática. Apostila. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Apostila. Prof. Pedro. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Apostila Prof. Pedro UMA PARCERIA Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistadeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO PARA ALUNOS

Leia mais

Prof. Ulysses Sodré - E-mail: ulysses@uel.br Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 9 Porcentagem 10. 10 Juros Simples 12

Prof. Ulysses Sodré - E-mail: ulysses@uel.br Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ 9 Porcentagem 10. 10 Juros Simples 12 Matemática Essencial Proporções: Aplicações Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 25 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré - E-mail: ulysses@uel.br Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

0,25 120 1,2 100 2,3 100

0,25 120 1,2 100 2,3 100 Tema de vida: O mundo em mudança somos consumidores Nome do Formando: Data: / / A percentagem é um dos conceitos matemáticos mais utilizado no dia-a-dia. Por exemplo, quando lemos jornais, ouvimos a rádio,

Leia mais

No cálculo de porcentagem com operações financeiras devemos tomar muito cuidado para verificar sobre quem foi calculada essa porcentagem.

No cálculo de porcentagem com operações financeiras devemos tomar muito cuidado para verificar sobre quem foi calculada essa porcentagem. 1º BLOCO... 2 I. Porcentagem... 2 Relacionando Custo, Venda, Lucro e Prejuízo... 2 Aumentos Sucessivos e Descontos Sucessivos... 3 II. Juros Simples... 3 III. Juros Compostos... 4 2º BLOCO... 6 I. Operadores...

Leia mais

APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6. 1. Números Proporcionais...7

APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6. 1. Números Proporcionais...7 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...4 INTRODUÇÃO...6 1. Números Proporcionais...7 2. Operações sobre Mercadorias... 12 2.1 - Preços de custo e venda:...13 2.2 - Lucros e Prejuízos:...13 3. Taxa de Juros...17 3.1 -

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG. Projeto Institucional de Formação Continuada 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL/MG Projeto Institucional de Formação Continuada Aprendizagem de Matemática Mediada por suas Aplicações 6 o Encontro: Matemática Financeira Professor José Carlos

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3

GESTÃO FINANCEIRA. Prof. Local. Flavio Nicastro. flavio.nicastro@attatecnologia.com.br. 30-10-2013 aula 3 GESTÃO FINANCEIRA Prof. Local Flavio Nicastro flavio.nicastro@attatecnologia.com.br 30-10-2013 aula 3 Fluxo de Caixa Apuração do Imposto de Renda com base no Lucro Real Apuração do Imposto de Renda com

Leia mais

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD

FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 06 FUNDAMENTOS E PRÁTICAS NA EAD Professores, Tutores e Alunos de Educação a Distância Artemilson Alves de Lima Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico

Leia mais

Denominando o preço das caixas tipo 2B de C e as caixas flex por F, pode-se escrever um sistema:

Denominando o preço das caixas tipo 2B de C e as caixas flex por F, pode-se escrever um sistema: 1. Considere que, em uma empresa, 50% dos empregados possuam nível médio de escolaridade e 5%, nível superior. Guardadas essas proporções, se 80 empregados dessa empresa possuem nível médio de escolaridade,

Leia mais

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica

Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Estudo de modelos de Matemática financeira em bibliografia básica Hélio Rosetti Júnior Instituto Federal do Espírito Santo e Faculdade de Tecnologia FAESA Brasil heliorosetti@cetfaesa.com.br Juliano Schimiguel

Leia mais

O que os clientes não sabem é que o preço de qualquer peça, após o desconto, ainda é maior do que o preço original

O que os clientes não sabem é que o preço de qualquer peça, após o desconto, ainda é maior do que o preço original Atividade extra Exercício 1 Em uma loja de roupas, os preços foram remarcados com um aumento de 40%. O gerente percebeu a queda nas vendas após a remarcação e decidiu anunciar um desconto de 20% em todas

Leia mais

U U +E U U E Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a

U U +E U U E Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a Resoluções comentadas das questões de Raciocínio Lógico-Matemático da prova para escriturário do Banco do Brasil Realizada pela Cesgranrio em 15/03/2015 11. Observe a adição: U U +E U U E Sendo E e U dois

Leia mais

CAPÍTULO 20. Porcentagem

CAPÍTULO 20. Porcentagem CAPÍTULO 20 Porcentagem As frações que apresentam denominadores iguais a 100 são chamadas também de razões centesimais e podem ser representadas pelo símbolo %. 3 Por exemplo, as razões 100, 10,8 100,

Leia mais

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA

O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA ESCOLA BÁSICA Lilian Nasser Projeto Fundão (UFRJ) e CETIQT/SENAI lnasser@im.ufrj.br Resumo: A inclusão da Matemática Financeira na grade do Ensino Médio deve ser um

Leia mais

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial...

22.5.1. Data de Equivalência no Futuro... 22.5.2. Data de Equivalência no Passado... 2. 22.5. Equivalência de Capitais Desconto Comercial... Aula 22 Juros Simples. Montante e juros. Descontos Simples. Equivalência Simples de Capital. Taxa real e taxa efetiva. Taxas equivalentes. Capitais equivalentes. Descontos: Desconto racional simples e

Leia mais

VERSÃO DO PROFESSOR INFORMÁTICA. BrOffi ce Impress primeira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente

VERSÃO DO PROFESSOR INFORMÁTICA. BrOffi ce Impress primeira parte. Raimundo Nonato Camelo Parente Material APROVADO (conteúdo e imagens) Data: / / Nome: VERSÃO DO C U R S O T É C N I C O E M S E G U R A N Ç A D O T R A B A L H O 06 INFORMÁTICA BrOffi ce Impress primeira parte Raimundo Nonato Camelo

Leia mais

Matemática Financeira II

Matemática Financeira II Módulo 3 Unidade 8 Matemática Financeira II Para início de conversa... Passagens de ônibus ficam mais caras este mês Vitor Ferri (vferri@redegazeta.com.br)_ Redação Multimídia A Agência Nacional de Saúde

Leia mais

% de usuários. essa resposta

% de usuários. essa resposta PROVA DE MATEMÁTICA E FINANCEIRA BANCO DO BRASIL 007 - A numeração segue a ordem do caderno YANQUE. ENUNCIADO PRINCIPAL Segurança: de que forma você cuida da segurança da informação de sua empresa? Resultado

Leia mais

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010.

Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. Olá pessoal! Resolverei neste artigo uma prova da fundação VUNESP realizada em 2010. 01. (Fundação CASA 2010/VUNESP) Em um jogo de basquete, um dos times, muito mais forte, fez 62 pontos a mais que o seu

Leia mais

Matemática Financeira

Matemática Financeira Módulo 3 Unidade 27 Matemática Financeira Para início de conversa... Fonte: http://www.sxc.hu/photo/1241539, http://www.sxc.hu/photo/1241540, http:// www.sxc.hu/photo/1403392, http://www.sxc.hu/photo/784488

Leia mais