Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comerçio exterior. Balança comercial positiva nas ilhas. Importações e exportações (em bilhões de US$)"

Transcrição

1 Comerçio exterior O Comerçio exterior do espaço Caribe 1 representou em 2001 mais de 297 bilhões de dólares 2 em importações e mais de 290 bilhões em exportações, o que indica uma balança comercial deficitária em mais de 7 bilhões. Em 2001, as importações se mantiveram estáveis, com aumento de menos de 78% em relação a As exportações abaixaram em 2% em relação a 2000 e acumulam 79% de aumento em seis anos. As Ilhas do Caribe importaram mais de 63 bilhões e exportaram mais de 66 bilhões, com um saldo positivo de mais de 2 bilhões em Suas importações aumentaram em 3% em um ano e em mais de 43% em 6 anos. Suas exportações decolaram, aumentando em 14 e 53%, respectivamente. As ilhas do Caribe representaram 21% das importações e 23% das exportações da região em Balança comercial positiva nas ilhas Importações e exportações (em bilhões de US$) Importações CIF Exportações FOB Espaço Caribe 167,1 296,7 297,2 165,1 295,9 290,1 Îles de la Caraïbe 43,0 61,6 63,5 38,0 58,0 66,0 Fonte : Banco de dados Comtrade da Organização das Nações Unidas, DNSCE, Insee, Government Development Bank for Puerto Rico Dois países concentram a grande maioria das trocas... Em 2001, o México e Porto Rico juntos foram responsáveis por mais de 66% das importações do espaço Caribe, cerca de 198 bilhões de dólares, e por 71% das exportações, aproximadamente 205 bilhões. O restante é dividido entre os outros Estados da central e do sul, com 22% das importações e 23% das exportações, e as demais ilhas do Caribe, com 12% das importações e 6% das exportações. 1 Não há dados disponíveis para as Ilhas Virgens americanas Panorama do espaço Caribe

2 O México e Porto Rico animam o comerçio exterior da região Importações segundo o país de destino E exportações segundo o país de origem em 2001 (%) I mpor tações Expor tações Outras ilhas do Caribe 12 % Outros países continentais 12 % Outras ilhas do Caribe Outros países 6 % continentais 8 % Colômbia 4 % 6 % Porto Rico 10 % Méx i co 56 % Colômbia 5 % 10 % Porto Rico 16 % Méx i co 55 % 2 Dólar americano (US$) As importações do México e de Porto Rico cresceram cerca de 15 pontos percentuais em seis anos, apesar de terem retrocedido ligeiramente entre 2000 e A evolução do Comerçio do México explica esta alta: ele aumentou em cerca de 101 bilhões de dólares, dos quais 64% são referentes a trocas com os Estados Unidos. No mesmo período, a participação das exportações desses dois países aumentou em mais de oito pontos: o México lidera este crescimento com um aumento de mais de 79 bilhões, sendo 91% das suas trocas com seu vizinho do norte. O Acordo de Livre Comerçio Norte-americano (North American Free Trade Agreement NAFTA), instituído em 1992 entre os Estados Unidos, o Canadá e o México, permitiu o crescimento das trocas comerciais ao eliminar as barreiras alfandegárias. O México e os Estados Unidos trocam, principalmente, máquinas e materiais de transporte (52% das importações e 59% das exportações). Porto Rico, com seu estatuto particular, exporta essencialmente produtos farmacêuticos e químicos de alto valor agregado, o que explica o excedente estrutural de seu saldo comercial. A importância da malha industrial (43% do PIB de Porto Rico e 27% do PIB do México têm origem no setor secundário) dos dois Estados explica em grande parte sua importância no espaço Caribe. Panorama do espaço Caribe - 191

3 Ao lado destes dois gigantes, os outros Estados continentais são responsáveis por quase um quarto das trocas da região. Apesar do crescimento do volume total, sua participação caiu frente ao México e a Porto Rico. A maioria dos Estados e territórios do espaço Caribe exporta pouco. Somente oito países tiveram uma balança comercial positiva em 2001: Aruba (878 milhões), Colômbia (2.594), Trinidad e Tobago (1.892) e Venezuela (11.400) em função do setor de hidrocarbonetos, Guiana (133) e Suriname (88), graças ao setor de mineração (alumínio e ouro), Porto Rico (17.800), com produtos farmacêuticos e químicos, e finalmente a Costa Rica (908), com um perfil de exportações relativamente diversificado (bananas, equipamentos eletrônicos etc.). E dois outros concentram as trocas das ilhas do Caribe. Em 2001, Porto Rico e a República dominicana juntos foram responsáveis por menos de 58% das importações, cerca de 37 bilhões de dólares, e por 78% das exportações, aproximadamente 52 bilhões. Estas proporções aumentaram desde 1995 em três e cinco pontos respectivamente. Depois dessas duas ilhas, os Estados e territórios que mais importaram em 2001 foram as Antilhas holandesas (6%), Trinidad e Tobago, as Bahamas e a Jamaica (5%). Os que mais exportaram foram Trinidad e Tobago (8%), as Antilhas holandesas, a Jamaica e Aruba (2%). Um indicador de especialização econômica : os fluxos por habitante O volume e o valor das importações e exportações de um Estado são ligados ao seu tamanho. Parece normal que o México tenha um Comerçio maior do que Montserrat. Quando relacionados com a população, estes fluxos podem também realçar a especificidade econômica do país. Os Estados e territórios com maior valor de importações por habitante são as Ilhas Caiman ( dólares por habitante), as Ilhas Virgens britânicas (29.995), as Bermudas (29.188), as Antilhas holandesas (16.962) e as Bahamas (9.663). Em 2001, eles importaram de duas a três vezes mais do que em Todos esses países orientaram uma grande parte de sua economia para o turismo de luxo. Isso significa que eles devem importar para satisfazer uma clientela exigente, o que desequilibra sua balança comercial (as Ilhas Caiman tiveram um déficit de mais de um bilhão e meio de dólares em 2001). No entanto, a riqueza gerada permite que seus PIBs por habitante estejam entre os mais altos do espaço Caribe. Cada habitante do espaço Caribe importa em média dólares, enquanto que nas Panorama do espaço Caribe

4 Ilhas do Caribe, mais orientadas para o turismo gerador de divisas, cada habitante importa em média US dólares. Os Estados e territórios que têm importações por habitante entre e dólares satisfazem no mais das vezes somente as necessidades de consumo de sua população. É o caso das Antilhas francesas e da Guiana francesa. O Haiti importa cerca de 109 dólares por habitante, o menor valor do espaço Caribe. Cuba, que enfrenta o bloqueio econômico desde 1961, importa cerca de 211 dólares por habitante. A crise econômica recorrente e a pouca demanda por produtos de alto valor agregado limita o volume e o valor das importações desses dois Estados (essencialmente produtos alimentares e máquinas e materiais de transporte). Os Estados e territórios que exportam mercadorias com alto valor agregado têm taxas de exportação por habitante muito superiores à média. Muitos se destacam graças à exportação de produtos petrolíferos brutos ou refinados: Aruba (14.633), Porto Rico (12.226), as Antilhas holandesas (7.146), as ilhas Virgens britânicas (6.835) e Trinidad e Tobago (4.086). Estes países têm a particularidade de produzir e/ou refinar petróleo, com exceção de Porto Rico. A maioria dos outros países, sem recursos naturais, têm taxas próximas ou inferiores a 1.000, sem por isso terem perfis semelhantes. O Haiti exporta somente 37 dólares por habitante, em função do baixo valor de seus produtos de exportação (principalmente confecção) e de sua grande população. O incontornável parceiro norte-americano Comerçio exterior O principal parceiro comercial do espaço Caribe é, de longe, os Estados Unidos, com cerca de 55% das importações, ou quase 162 bilhões, e cerca de 77% das exportações, ou mais de 223 bilhões. Os Estados Unidos têm um déficit de menos de 61 bilhões de dólares com o Caribe, especialmente em função da compra de petróleo (México, Venezuela etc.). Ele é o principal fornecedor para 28 países da região e o principal cliente de 27. Panorama do espaço Caribe - 193

5 A Alemanha depois dos Estados Unidos Os principais parceiros do espaço Caribe em 2001 (em milhões de US$) D oz e pr i nci pai s for necedor es Doze principais clientes Estados U nidos Japão Alemanha Repúbl i ca da Cor ei a China França Itália Irlanda Brasil Canadá Espanha Estados U nidos Canadá Alemanha Reino U nido Espanha Japão França Antilhas neerlandeses Países Baixos República Dominica Guatemal a Fonte : Banco de dados Comtrade da Organização das Nações Unidas, DNSCE, Insee, Government Development Bank for Puerto Rico Os demais Estados dividem o restante. O Canadá, que assinou em 1986 o CARIBCAN com vários Estados da região, é o segundo cliente, com cerca de 3% das trocas, e o décimo-primeiro fornecedor, com menos de 2% das vendas em A Ásia é responsável por 17% das importações, mas por menos de 3% das exportações do espaço Caribe. Os países da União Européia exportam menos de 12% e importam menos de 7%, para o conjunto da bacia caribenha. São esses os principais parceiros após os Estados Unidos. A Guadalupe, a Martinica e a Guiana francesa concentram seu Comerçio com a França. Cuba não realiza nenhum Comerçio com os Estados Unidos em função do bloqueio econômico. Poucas trocas intra-caribenhas Em 2001, somente 7% das trocas foram realizadas entre Estados e territórios do Caribe, o que representou mais de 18 bilhões em importações e mais de 17 bilhões em exportações. No entanto, o espaço Caribe representa cerca de 18% das importações e 17% das exportações das ilhas do Caribe. Para certas ilhas, o Comerçio regional é importante: Granada e Santa Lúcia importam 40% das mercadorias do espaço Caribe, com destaque para os produtos petrolíferos de Trinidad e Tobago Panorama do espaço Caribe

6 Ainda os Estados Unidos Estrutura geográfica das trocas do espaço Caribe em 2001 (%) Oceania e outros 1 % Ásia 17 % 4 % Origem das importações União Européia 12 % Europa 2 % Espaço Caribe 7 % Oceania e outros 1 % Ásia 3 % 2 % Origem des exportações União Européia 7 % Europa 1 % Espaço Caribe 8 % do Norte 57 % do Norte 78 % Fonte : Banco de dados Comtrade da Organização das Nações Unidas, DNSCE, Insee Estes dois gráficos não incluem Porto Rico e da Venezuela. A aplicação das cláusulas que pretendem estabelecer tarifas comuns coloca dificuldades. Para os pequenos Estados, as tarifas alfandegárias chegam a compor mais de 50% de sua receita fiscal, o que limita a possibilidade da sua redução ou supressão nas trocas regionais ou com o restante do mundo. A abertura para o mundo O espaço Caribe apresentou uma taxa de cobertura das exportações pelas importações de 98% em As ilhas do Caribe apresentaram uma taxa superior, de 104%, graças a Porto Rico, cuja taxa foi de 161%. Os Estados petrolíferos tiveram as melhores taxas: Aruba (271%), Venezuela (165%) e Trinidad e Tobago (156%). A Guiana e o Suriname (com respectivamente 134% e 120%) também obtiveram taxas altas, em função das exportações de produtos de mineração. Pelo contrário, as taxas mais baixas (em torno de 10%) são características de países cuja balança comercial é desequilibrada por importações massivas: as Ilhas Caiman, Antigua e Barbuda e as Ilhas Turks e Caicos para satisfazer as demandas de um turismo de luxo, a Guadalupe e a Martinica para atender a um alto patamar de consumo interno. Panorama do espaço Caribe - 195

7 Os Estados e territórios do espaço Caribe têm uma estrutura econômica que os torna sensíveis às flutuações das trocas com o exterior: o grau de abertura para o exterior da região foi de 77% em 2001, mas de 91% para as ilhas. Quatorze países têm um grau superior a 100% do PIB ou muito próximo disso: o Suriname é o mais aberto, com 217%. Os mais fechados são Cuba (19%) e os três departamentos franceses da (cerca de 25%). Baixa contribuição do CARICOM % Trocas do espaço Caribe com as principais instituições regionais em 2001 Importações Exportações AEC ACP CARICOM OECS Fonte : Banco de dados Comtrade da Organização das Nações Unidas,DNSCE, Insee Este gráfico não inclui Porto Rico Panorama do espaço Caribe

As ilhas são mais visitadas do que os Estados continentais Evolução do número de turistas

As ilhas são mais visitadas do que os Estados continentais Evolução do número de turistas TURISMO O setor de turismo cresceu muito na última década, independente de sua posição central ou secundária na economia dos países do espaço Caribe. Mais de 25 milhões de turistas foram recebidos em 2001,

Leia mais

Economia. Economia. Uma integração regional complicada

Economia. Economia. Uma integração regional complicada Economia O espaço Caribe conjuga os extremos: pobreza e opulência, grandes espaços e pequenos Estados, territórios não independentes e países soberanos, especialização e diversificação. A economia da região

Leia mais

Demografia. População (milhões de habitantes) 1

Demografia. População (milhões de habitantes) 1 DEMOGRAFIA Em 2002, a população dos 38 Estados e territórios do espaço Caribe chega a quase 250 milhões de habitantes, com uma densidade populacional de 47 habitantes/km², representando 4% da população

Leia mais

166 - Panorama do espaço Caribe. Dossiês temáticos : Démografia...167. Economia...175. Turismo...184. Comerçio exterior...190. Fonte...

166 - Panorama do espaço Caribe. Dossiês temáticos : Démografia...167. Economia...175. Turismo...184. Comerçio exterior...190. Fonte... Dossiês temáticos : Démografia...167 Economia...175 Turismo...184 Comerçio exterior...190 Fonte...197 Métodos...198 Definições...200 Para conhecer mais...206 166 - Panorama do espaço Caribe DEMOGRAFIA

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil 2015. FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015

A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE. Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 A AMÉRICA CENTRAL E O CARIBE Professora:Luiza de Marilac Geografia 8º Ano 2015 Fragmentação política Sub regiões Ístmica Insular Composição étnica: Euroameríndios Indígenas Afrodescendentes AMÉRICA CENTRAL

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE 2013) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO JULHO DE 2013 (DADOS ATÉ JUNHO DE

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Termos de acordos/blocos DEFINIÇÃO TERMO. Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS)

Termos de acordos/blocos DEFINIÇÃO TERMO. Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS) Termos de acordos/blocos TERMO Acordo Geral de Comércio de Serviços (GATS) Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) Acordo Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA) Área de Livre Comércio das Américas

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO

BLOCOS ECONÔMICOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO BLOCOS ECONÔMICOS EM UM MUNDO GLOBALIZADO Colégio Salesiano São José Geografia 8º ano Profº Juliano DEFINIÇÃO Recebe o nome de Bloco Econômico a associação de países que estabelecem relações econômicas

Leia mais

BELIZE Comércio Exterior

BELIZE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BELIZE Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

A Economia da América Latina

A Economia da América Latina A Economia da América Latina adsense1 Agricultura A agricultura de subsistência era a principal atividade econômica dos povos originais da América Latina, Essa atividade era complementada pela caça, pela

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 388, DE 2014 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Acordo de Cooperação Técnica entre o Governo da República Federativa

Leia mais

Panorama da Educação Superior na América Latina e Caribe:

Panorama da Educação Superior na América Latina e Caribe: Panorama da Educação Superior na América Latina e Caribe: a importância da expansão quantitativa e qualitativa da pesquisa e da pós-graduação ANA LÚCIA GAZZOLA OUTUBRO 2008 Cenáriosda da Educação Superior

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASAMBLEA PARLAMENTARIA EURO-LATINOAMERICANA EURO-LATIN AMERICAN PARLIAMENTARY ASSEMBLY ASSEMBLEIA PARLAMENTAR EURO-LATINO-AMERICANA ASSEMBLÉE PARLEMENTAIRE EURO-LATINO- AMÉRICAINE PARLAMENTARISCHE VERSAMMLUNG

Leia mais

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 50º CONSELHO DIRETOR 62 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 27 de setembro a 1º de outubro de 2010 Tema 4.17 da agenda CD50/26

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Figura 1. Região da América Latina e Caribe: Evolução da população urbana e rural 1960-2001

Figura 1. Região da América Latina e Caribe: Evolução da população urbana e rural 1960-2001 CAPÍTULOdos A SITUAÇÃO REGIONAL 2.1 O PROCESSO DE URBANIZA- ÇÃO NA AMÉRICA LATINA E CARIBE O ainda acelerado crescimento da população e sua concentração nas áreas urbanas, o desenvolvimento industrial

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

econômicos regionais e a economia brasileira

econômicos regionais e a economia brasileira 20 Blocos econômicos regionais e a economia brasileira Meta da aula Apresentar os principais blocos econômicos regionais e a relação com a economia brasileira. Objetivos Esperamos que, após o estudo do

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento Comércio & Desenvolvimento Saber mais O comércio tem sido um poderoso motor de crescimento para vários países, contribuindo para tirar milhões de pessoas de situações de pobreza. A política comercial da

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social

Brasil fica em quarto lugar em desigualdade social Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Ensino fundamental Publicado em 2012 Prova bimestral 4 o Bimestre 5 o ano Geografia 1. Leia a notícia, divulgada em vários jornais brasileiros, no dia 21

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS BULGÁRIA

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP

Introduction to Latin American Economies. Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP Introduction to Latin American Economies Fabio Fonseca, Senior Director, FIESP América Latina México América Central Guianas América Andina América Platina Brasil México América Latina México América Central

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes BLOCOS ECONÔMICOS Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes Blocos Econômicos Introdução Os blocos econômicos surgiram da necessidade de desenvolver a economia de determinados

Leia mais

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país

IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país Material embargado até dia 9 de novembro, às 11h do Brasil IDH do Brasil melhora, mas país cai no ranking Mudança se deve a desempenho melhor de outro país O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Brasil

Leia mais

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

ESPANHA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS ESPANHA

Leia mais

Estudo dos países da América Latina e América Central

Estudo dos países da América Latina e América Central Empresa têxtil E M P R E S A T Ê X T I L Estudo dos países da América Latina e América Central Produtos considerados: 6003.33.00/6006.31.00/6006.21.00/6006.22.00/6006.23.00/6006.42.00 1. Exportações brasileiras

Leia mais

ESSENTIAL RLD. Acompanhamento de menores ou idosos Reembolso de gastos por atraso ou cancelamento do vôo

ESSENTIAL RLD. Acompanhamento de menores ou idosos Reembolso de gastos por atraso ou cancelamento do vôo ESSENTIAL RLD Cod. Produto: R6 Montan Máximo Global USD 15.000 Assistência médica por aciden ou enfermidades não pré-exisns * Primeiro Andimento Médico por enfermidade preexisn * Até USD 15.000 Medicamentos

Leia mais

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade

Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade Como Economizar US$ 36 Bilhões em Eletricidade (sem desligar as luzes) UMA PESQUISA SOBRE A PRODUTIVIDADE ENERGÉTICA NAS AMERICAS CONTINUE POR FAVOR 6 1,9 1 0,1 4 3 14 4 8 O Futuro Sem Eficiência Uma maneira

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Empresas mineradoras no Brasil

Empresas mineradoras no Brasil Em 211, a Produção Mineral Brasileira (PMB) deverá atingir um novo recorde ao totalizar US$ 5 bilhões (valor estimado), o que configurará um aumento de 28% se comparado ao valor registrado em 21: US$ 39

Leia mais

Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1. Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen

Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1. Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen Nota sobre o Comércio Exterior na América do Sul Nº 1 Paulo Roberto Delgado Gracia Maria Viecelli Besen Curitiba 2010 GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ ROBERTO REQUIÃO - Governador SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO

DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS E COMERCIAIS EGITO DADOS GERAIS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES Indice: - Dados Gerais Básicos e Indicadores Sócio-Econômicos - Balanço de Pagamentos - Comércio Exterior - Composição do Comércio Exterior - Direção do Comércio

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Ilhas do Caribe. Cumes visíveis de uma cadeia de montanhas

Ilhas do Caribe. Cumes visíveis de uma cadeia de montanhas Ilhas do Caribe Tecnicamente os países do continente americano não colonizados por Portugal e Espanha, países cujas línguas são de origem latina, não fazem parte da América Latina. É assim com os Estados

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES

Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES Blocos Econômicos ESTÁGIOS DE INTEGRAÇÃO ENTRE PAÍSES ZONA DE LIVRE- COMÉRCIO Estágio inicial de integração. Eliminação gradativa de barreiras comerciais entre os países-membros. O Nafta é um exemplo de

Leia mais

Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões

Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões 215 i Indicadores de Inovação Tecnológica por Regiões 215. Edição: CAF Vice-presidência de Energia da CAF Hamilton Moss, Vice-presidente Corporativo. Mauricio

Leia mais

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA.

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA. Quem programa o quê? ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA BOTSWANA CABO VERDE EGIPTO GUINÉ-BISSAU LÍBIA MARROCOS MAURÍCIAS MOÇAMBIQUE NAMÍBIA QUÉNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SEYCHELLES SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Espanha, Alemanha e Reino Unido também são usados como pontos de trânsito para precursores destinados à região. Pág. 85 Recentemente, vários países

Espanha, Alemanha e Reino Unido também são usados como pontos de trânsito para precursores destinados à região. Pág. 85 Recentemente, vários países Referências ao Brasil e ao Cone Sul Relatos da fabricação de ATS também surgiram em países da América Central e da América do Sul. Seis laboratórios ilícitos de ATS foram relatados apreendidos em 2009.

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

Entidades realizadoras FPAA Federación Panamericana de Asociaciones de Arquitectos. A FPAA é uma das entidades mais importantes da corporação dos

Entidades realizadoras FPAA Federación Panamericana de Asociaciones de Arquitectos. A FPAA é uma das entidades mais importantes da corporação dos Entidades realizadoras FPAA Federación Panamericana de Asociaciones de Arquitectos. A FPAA é uma das entidades mais importantes da corporação dos arquitetos no mundo, fundada em abril de 1950. Congrega

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

DIRETORIA DA FUNDAÇÃO BRASIL. Sandro Afonso Morales Presidente. Ricardo Titericz Vice Presidente. Eduardo Fernandes Diretor Executivo

DIRETORIA DA FUNDAÇÃO BRASIL. Sandro Afonso Morales Presidente. Ricardo Titericz Vice Presidente. Eduardo Fernandes Diretor Executivo DIRETORIA DA FUNDAÇÃO BRASIL Sandro Afonso Morales Presidente Ricardo Titericz Vice Presidente Eduardo Fernandes Diretor Executivo Lauro José Búrigo Filho Diretor Administrativo Juliano Constante Diretor

Leia mais

Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul. Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015

Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul. Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015 Pontes ao Sul: Argentina Brasil Laços com o Rio Grande do Sul Consulado Geral da República Argentina em Porto Alegre Novembro 2015 Vantagens e oportunidades da Argentina Alguns dados estruturais Com mais

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo.

Comércio exterior. Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Comércio exterior Dados gerais e do capítulo 30 da NCM relacionados ao comércio exterior do Brasil e do Estado de São Paulo. Janeiro 2015 Sindusfarma Gerência de Regulação de Mercados Índice Brasil...

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Financiamentos à exportação 2003-2015

Financiamentos à exportação 2003-2015 Financiamentos à exportação 2003-2015 BNDES participa de política de Estado Sistema brasileiro de apoio às exportações Conselho de Ministros Comitê Operacional Seguro de crédito à exportação Financiamento

Leia mais

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50%

I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano: 66,55% acum. 12 meses: 68,50% dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13-870 -953-919 -937-1.015-601 -623-714 -780-780 -860-266 Novembro de edição n. 28 I - Resultado mensal: 60,82%, acum. ano:

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Países Íbero-Americanos Comércio Exterior

Países Íbero-Americanos Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Países Íbero-Americanos Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice.

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2014

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2014 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial. Guia de Negócios.

Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial. Guia de Negócios. Ministério das Relações Exteriores Departamento de Promoção Comercial e Investimentos Divisão de Inteligência Comercial Guia de Negócios Eritreia Guia de Negócios Eritreia Guia de Negócios SUMÁRIO DADOS

Leia mais

Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais

Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais Escola Regional MOST/UNESCO Programa Gestão das Transformações Sociais 7 a 12 de outubro de 2013 Brasília, Brasil CONVOCATÓRIA Juventude, Participação e Desenvolvimento Social na América Latina e Caribe

Leia mais

Como não organizar todos os países do mundo?

Como não organizar todos os países do mundo? Como não organizar todos os países do mundo? A FIFA tem federações de 186 países independentes, de 19 regiões não independentes e das 4 regiões do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte (abreviado

Leia mais

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006

Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 Programa de Estudantes - Convênio de Pós-graduação - PEC-PG - 2006 1. Do objeto: O Ministério das Relações Exteriores (MRE), por intermédio do Departamento Cultural (DC), a Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

Índice de Progresso Social 2015

Índice de Progresso Social 2015 Media Kit Índice de Progresso Social 2015 Neste documento: Resultados da edição 2015 do estudo (com ênfase para a América Latina e o Brasil) Principais destaques da nova edição Press release completo Conteúdo

Leia mais

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP CONSELHO SUPERIOR DE COMÉRCIO EXTERIOR DA FIESP - COSCEX PALESTRA AS DIFICULDADES DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NA ARGENTINA, VENEZUELA, EUA E

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe

Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe Doing Business 2014 - Informações Gerais: América Latina e Caribe Dezessete das 32 economias da América Latina e do Caribe implementaram pelo menos uma reforma regulatória tornando mais fácil fazer negócios

Leia mais

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1

Central de Atos TJMG. Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Central de Atos TJMG Manual Técnico de Informática Versão 1.1 Sumário 1 Introdução... 3 2 O modelo de arquivo... 3 3 Tabelas... 5 3.1 PAPEIS DA PARTE... 5 3.2 TIPO DE ATO... 5 3.3 PAÍSES... 6 1 Introdução

Leia mais

Indústria química no Brasil

Indústria química no Brasil www.pwc.com.br Indústria química no Brasil Um panorama do setor Indústria química no Brasil A indústria química e petroquímica é um dos mais importantes setores da economia brasileira e está entre as

Leia mais