Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais"

Transcrição

1 Sistemas de Informação Sistemas Operacionais

2 PROCESSOS E THREADS PARTE I SUMÁRIO 2. PROCESSO: 2.1 Introdução; 2.2 Estrutura do Processo; 2.3 Estados do Processo; 2.4 Mudanças de Estado do Processo; 2.5 Criação e Eliminação de Processos; 2.6 Processos CPU-bound e I/O-bound; 2.7 Processos Foreground e Background; 2.8 Formas de Criação de Processos; 2.9 Processos Independentes, Subprocessos e Threads; 2.10 Processos do Sistema Operacional; 2.11 Sinais.

3 2.1 Introdução A gerência de um ambiente multiprogramável é função exclusiva do sistema operacional que deve controlar a execução dos diversos programas e o uso concorrente do processador e demais recursos. Um programa ao ser executado deve estar sempre associado a um processo. O conceito de processo é a base para a implementação de um sistema multiprogramável. A gerência de processos é uma das principais funções de um sistema operacional.

4 2.2 Estrutura do Processo O processador é projetado para executar instruções a partir do ciclo de busca e execução. O registrador PC tem a função de armazenar sempre o endereço da próxima instrução a ser executada. Na visão da camada de hardware, o processador executa instruções sem distinguir qual programa encontra-se em processamento. O conceito de processo é essencial para que os sistemas multiprogramáveis implementem o mecanismo de concorrência.

5 2.2 Estrutura do Processo Algumas definições de processo: Pode ser entendido inicialmente como um programa em execução; É o conjunto necessário de informações para que o sistema operacional implemente a concorrência de programas; Também pode ser definido como o ambiente onde um programa é executado. Em um sistema multiusuário, cada usuário tem seu programa associado a um processo.

6 2.2 Estrutura do Processo Capítulo 2 - Processo

7 2.2 Estrutura do Processo A troca de um processo por outro no processador, comandada pelo sistema operacional, é denominada mudança de contexto. O resultado da execução de um mesmo programa pode variar, dependendo do processo em que é executado. A falta de recursos pode impedir a execução com sucesso de um programa. Um processo é formado por três partes, conhecidas como contexto de hardware, contexto de software e espaço de endereçamento, que juntas mantêm todas as informações necessárias à execução de um programa.

8 2.2 Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço de Endereçamento

9 2.2.1 Contexto de Hardware Armazena o conteúdo dos registradores gerais da UCP, além dos registradores de uso específico, como o PC (Program Counter), o SP (Stack Pointer) e o registrador de status. O sistema operacional gerencia a mudança de contexto, base para a implementação da concorrência em sistemas multiprogramáveis. Essa mudança consiste em salvar o conteúdo dos registradores do processo que está deixando a UCP e carregar nos registradores do processador os valores do novo processo que será executado.

10 2.2.1 Contexto de Hardware Sistema Operacional Processo A Processo B executando Salva registradores do Processo A Carrega registradores do Processo B executando Salva registradores do Processo B Carrega registradores do Processo A executando

11 2.2.2 Contexto de Software São especificados limites e características dos recursos que podem ser alocados pelo processo, como: Número máximo de arquivos abertos simultaneamente; Prioridade de execução; Tamanho do buffer para operações de E/S. O buffer é uma pequena área de memória física ultra rápida usada temporariamente para melhorar a velocidade de acesso a um determinado dispositivo. A maior parte das informações do contexto de software do processo provém de um arquivo do SO, conhecido como arquivo de usuários. O contexto de software é composto por três grupos de informações sobre o processo: identificação, quotas e privilégios.

12 2.2.2 Contexto de Software Identificação: Cada processo criado pelo sistema recebe uma identificação única (PID - Process Identification) representada por um número. O processo também possui a identificação do usuário ou processo que o criou (Owner). Cada usuário possui uma identificação única no sistema (UID - User Identification), atribuída ao processo no momento de sua criação. A UID permite implementar um modelo de segurança, onde apenas os objetos que possuem a mesma UID do usuário (processo) podem ser acessados.

13 2.2.2 Contexto de Software Quotas: São os limites de cada recurso do sistema que um processo pode alocar. Alguns exemplos de quotas: Número máximo de arquivos abertos simultaneamente; Tamanho máximo de memória principal e secundária que o processo pode alocar; Número máximo de operações de E/S pendentes; Tamanho máximo do buffer para operações de E/S; Número máximo de processos, subprocessos e threads que podem ser criados.

14 2.2.2 Contexto de Software Privilégios: Definem as ações que um processo pode fazer em relação a ele mesmo, aos demais processos e ao sistema operacional. Quando os privilégios afetam: O próprio processo, permitem que suas características possam ser alteradas; Os demais processos, permitem alterar as suas próprias características e as de outros processos; O sistema operacional, permitem alterações relacionadas à operação e à gerência do ambiente. O SO disponibiliza uma conta de acesso com o propósito de gerenciar o SO.

15 2.2.3 Espaço de Endereçamento É a área de memória pertencente ao processo onde instruções e dados do programa são armazenados para execução Bloco de Controle do Processo A partir do PCB (Process Control Block), o SO mantém todas as informações sobre os contextos de hardware e software e o espaço de endereçamento de cada processo. Os PCBs de todos os processos ativos residem na memória principal em uma área exclusiva do sistema operacional.

16 Características da Estrutura de um Processo nome PID owner (UID) registradores gerais prioridade de execução registrador PC data/hora de criação Contexto de Software Contexto de Hardware tempo de processador registrador SP quotas privilégios Programa Espaço de Endereçamento registrador de status endereços de memória principal alocados

17 2.2.4 Bloco de Controle do Processo (PCB) ponteiros Estado do processo Nome do processo Prioridade do processo Registradores Limites de memória Lista de arquivos abertos

18 2.2.4 Bloco de Controle do Processo (PCB) Capítulo 2 - Processo

19 2.3 Estados do Processo Os processos passam por diferentes estados ao longo do seu processamento, em função de eventos gerados pelo SO ou pelo próprio processo. São três diferentes estados: Execução (running): está sendo processado pela UCP; Pronto (ready): aguarda apenas para ser executado. O SO é responsável por determinar a ordem e os critérios pelos quais os processos em estado pronto devem fazer uso do processador (escalonamento); Espera (wait): aguarda por algum evento externo ou por algum recurso para prosseguir seu processamento. Em alguns SOs, o estado de espera pode ser chamado de bloqueado (blocked).

20 2.3 Estados do Processo Lista de processos em estado de pronto PCB# PCB#1 Lista de processos em estado de espera PCB# PCB# PCB#4

21 2.4 Mudanças no Estado do Processo Um processo muda de estado durante seu processamento em função de eventos originados por ele próprio (eventos voluntários) ou pelo sistema operacional (eventos involuntários). Pronto Execução; Execução Espera; Espera Pronto; Execução Pronto.

22 2.4 Mudanças no Estado do Processo Estado de Execução b d a c Estado de Espera Estado de Pronto

23 2.4 Mudanças no Estado do Processo Criação para Pronto: o processo foi criado, tem seus recursos alocados, e está apto a disputar o uso da CPU. Pronto para Execução: o processo é o primeiro da fila de pronto e a CPU fica disponível. Neste momento o processo passa a ocupar a CPU, permanecendo em execução até que seja interrompido ou termine sua execução. Execução para Pronto: o processo foi interrompido por fatia de tempo ou por prioridade. Ainda precisa de mais tempo na CPU para terminar sua execução, não tem nenhuma intervenção pendente, por isso volta à fila de pronto para disputar novamente o uso da CPU.

24 2.4 Mudanças no Estado do Processo Execução para Espera: esta transição acontece quando o processo foi interrompido por E/S. Significa que deve permanecer no estado de espera até que a interrupção seja tratada pelo sistema. Neste estado o processo fica impedido de disputar o uso da CPU. Espera para Pronto: Após o término do tratamento da interrupção, o processo volta à fila de pronto para disputar novamente o uso da CPU. Execução para Saída: o processo terminou, e não mais disputará o uso da CPU.

25 2.4 Mudanças no Estado do Processo Um processo em estado pronto ou de espera pode não se encontrar na memória principal. A técnica conhecida como swapping, retira processos da memória principal (swap out) e os traz de volta (swap in) seguindo critérios de cada SO.

26 2.4 Mudanças no Estado do Processo Estado de Execução residente não residente Estado de Espera Estado de Pronto Estado de Espera Estado de Pronto

27 2.5 Criação e Eliminação de Processos A criação de um processo ocorre a partir do momento em que o SO adiciona um novo PCB à sua estrutura e aloca um espaço na memória para uso. Na eliminação, todos os recursos associados ao processo são desalocados e o PCB eliminado pelo SO.

28 2.5 Criação e Eliminação de Processos Estado de Execução Estado de Término Estado de Espera Estado de Pronto Estado de Criação

29 2.5 Criação e Eliminação de Processos Criação (new): um processo é dito em estado de criação quando o sistema operacional já criou um novo PCB, porém ainda não pode colocá-lo na lista de processos do estado de pronto. Terminado (exit): um processo no estado terminado não poderá ter mais nenhum programa executado no seu contexto, porém o SO ainda mantém suas informações de controle presentes em memória. Pode ocorrer por razões como: Término normal de execução; Eliminação por um outro processo; Eliminação forçada por ausência de recursos disponíveis.

30 2.6 Processos CPU-bound e I/O-bound Processos podem ser classificados como: CPU-bound (ligado à UCP): quando passa a maior parte do tempo no estado de execução, utilizando o processador, ou no estado de pronto. É encontrado em aplicações científicas que efetuam muitos cálculos. I/O-bound (ligado à E/S): quando passa a maior parte do tempo no estado de espera, pois realiza um elevado número de operações de E/S. É encontrado em aplicações comerciais, que se baseiam em leitura, processamento e gravação.

31 2.6 Processos CPU-bound e I/O-bound Capítulo 2 - Processo

32 2.7 Processos Foreground e Background Processo Foreground: é aquele que permite a comunicação direta do usuário com o processo durante o seu processamento. O processamento interativo tem como base processos foreground. Processo Background: é aquele onde não existe a comunicação com o usuário durante o seu processamento. O processamento do tipo batch é realizado através de processos background. É possível associar o canal de saída de um processo ao canal de entrada de um outro processo. Neste caso, dizemos que existe um pipe ligando os dois processos.

33 2.7 Processos Foreground e Background (a) Processo Foreground entrada saída terminal terminal (b) Processo Background entrada saída arquivo de entrada arquivo de saída

34 2.7 Processos Foreground e Background Pipe: entrada do Processo A Processo A saída do Processo A entrada do Processo B Processo B saída do Processo B

35 2.8 Formas de Criação de Processos Logon Interativo: o usuário, por intermédio de um terminal, fornece ao sistema um nome de identificação (username ou logon) e uma senha (password). O processo também pode ser eliminado interativamente quando o usuário realiza o procedimento de logout ou logoff. Via Linguagem de Comandos: um usuário pode, a partir do seu processo, criar novos processos por intermédio de comandos. Via Rotina do Sistema Operacional: um processo pode ser criado a partir de qualquer programa executável com o uso de rotinas do SO. A rotina de criação de processos depende do SO e possui diversos parâmetros.

36 2.9 Processos Independentes, Subprocessos e Threads Processos Independentes: não existe vínculo do processo criado com o seu criador. A criação de um processo independente exige a alocação de um PCB. Subprocessos: são processos criados dentro de uma estrutura hierárquica. Neste modo, o processo criador é denominado processo-pai, enquanto o novo processo é chamado de subprocesso ou processo-filho. Características de Subprocessos: dependência hierárquica, compartilhamento de quotas, consumo de recursos do sistema e comunicação/sincronização entre processos consideradas pouco eficientes.

37 2.9 Processos Independentes, Subprocessos e Threads Processo A Processo B Processo C Processo D Processo E

38 2.9 Processos Independentes, Subprocessos e Threads Threads: este conceito foi introduzido na tentativa de reduzir o tempo gasto em criação e eliminação de processos; troca de contexto de processos nas aplicações concorrentes; e de economizar recursos do sistema como um todo. Em um ambiente multithread, um único processo pode suportar múltiplos threads, cada qual associado a uma parte do código executável. Threads compartilham o processador da mesma maneira que um processo. Cada thread possui seu próprio contexto de hardware, porém compartilha o mesmo contexto de software e espaço de endereçamento com os demais threads do processo.

39 2.9 Processos Independentes, Subprocessos e Threads Contexto de hardware Contexto de hardware Contexto de hardware Contexto de software Thread 1 Thread 2 Espaço de endereçamento Thread 3

40 2.10 Processos do Sistema Operacional O conceito de processo, além de estar associado a aplicações de usuários, pode também ser implementado na própria arquitetura do sistema operacional. Alguns serviços que o SO pode implementar através de processos: Auditoria e segurança; Serviços de rede; Contabilização do uso de recursos e de erros; Gerência de impressão e de jobs batch (rotinas em segundo plano); Temporização; Comunicação de eventos; Interface de comandos (shell).

41 2.11 Sinais É um mecanismo que permite notificar processos de eventos gerados pelo SO ou por outros processos. Sinais podem ser utilizados em conjunto com temporizadores, no intuito de sinalizar ao processo algum evento associado ao tempo. A maior parte dos eventos associados a sinais são gerados pelo SO ou pelo hardware. Em alguns casos, os eventos são gerados a partir de outros processos. Há 2 tipos de sinais: interrupções e exceções. As interrupções são geralmente geradas pelo programador, como um CTRL-C, por exemplo. As exceções são erros que ocorrem durante a execução de programas, como um overflow (sobrecarregamento de dados), por exemplo.

42 2.11 Sinais [ctrl-c] interrupção Sistema Operacional sinal Processo

43 2.11 Sinais Processo Processo Sinais Sistema Operacional Interrupções Exceções Hardware

Redes de Computadores. INF201 - Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período

Redes de Computadores. INF201 - Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período Redes de Computadores INF201 - Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período PARTE II: PROCESSOS E THREADS SUMÁRIO 5. PROCESSO: 5.1 Introdução; 5.2 Estrutura do Processo; 5.3 Estados do Processo; 5.4

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Aula 06.

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios. Aula 06. Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Aula 06 Processos 2 1 Processos A gerência de um ambiente multiprogramável é

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Processador INTRODUÇÃO Projetado apenas para executar instruções Não é capaz de distinguir qual programa está em execução Processo

Leia mais

Sistemas Operacionais. Capítulo 5 Processos

Sistemas Operacionais. Capítulo 5 Processos Sistemas Operacionais Capítulo 5 Processos Baseado no Livro e Material de Apoio de Arquitetura de Sistemas Operacionais 3ª edição - LTC - 2004 Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Cap. 5 Processo 1

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Fabio Augusto Oliveira Processos O processador é projetado apenas para executar instruções, não sendo capaz de distinguir qual programa se encontra em execução. A gerência de

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 Processos Introdução Para se poder controlar o uso concorrente (ao mesmo tempo) do processador, da memória e dos dispositivos de E/S, um programa deve sempre estar sempre

Leia mais

Processo. Prof. Paulo Cesar F. de Oliveira, BSc, PhD

Processo. Prof. Paulo Cesar F. de Oliveira, BSc, PhD Prof. Paulo Cesar F. de Oliveira, BSc, PhD 1 Seção 1.1 Introdução 2 Receita do Bolo Programa (Algoritmo) Ingredientes: dados de entrada Quem prepara (confeiteiro): CPU atividade de: Ler a receita Buscar

Leia mais

Sistemas Operacionais. Processos e Threads

Sistemas Operacionais. Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Sumário 1. Introdução 2. Estrutura do Processo 1. Contexto de Hardware 2. Contexto de Software 3. Espaço de Endereçamento 3. Estados 1. Mudanças de Estado 2. Criação

Leia mais

Figura 01 Programa e Processo

Figura 01 Programa e Processo 02 PROCESSOS 2.1 Introdução Para poder controlar a execução dos diversos programas e o uso concorrente do processador e dos demais recursos um programa deve sempre estar sempre associado a um processo.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais ANHANGUERA Sistemas Operacionais Prof. Esp. Rafael Gross Processos Sumário Introdução Conceito de processo Estrutura do processo Estados do processo Mudanças de estado do processo Criação e eliminação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais 04 Processos Introdução Um sistema de computação quase sempre tem mais atividades a executar que o número de processadores disponíveis. Diferentes tarefas têm necessidades distintas

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior Estrutura dos Sistemas Operacionais Sérgio Portari Júnior - 2016 1 Sistema Operacional - Formas de acessar o KERNEL do SISTEMA OPERACIONAL (SO) - A linguagem de comandos faz parte do SO O Sistema Operacional

Leia mais

Processos O conceito de processos é fundamental para a implementação de um sistema multiprogramável. De uma maneira geral, um processo pode ser entend

Processos O conceito de processos é fundamental para a implementação de um sistema multiprogramável. De uma maneira geral, um processo pode ser entend Concorrência Nos sistemas Monoprogramáveis somente um programa pode estar em execução por vez, permanecendo o processador dedicado a esta única tarefa. Os recursos como memória, processador e dispositivos

Leia mais

Introdução a Arquitetura de Sistemas Operacionais. Parte 01

Introdução a Arquitetura de Sistemas Operacionais. Parte 01 Introdução a Arquitetura de Sistemas Operacionais Parte 01 Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior Julho / 2017 1/44 Nota Com exceção das figuras

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade II - Processos 24/04/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 Organização da Unidade Processos Conceituação Estruturas de Controle Modos de execução do S.O. Estados

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade II - 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 Conceituação Estruturas de Controle Modos de execução do S.O. Estados de um

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 7,8 Processos Gerência de Processos Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: Prof. José Juan Espantoso Sumário Conceito de

Leia mais

Processos. Sistemas Operacionais II. Anderson L. S. Moreira

Processos. Sistemas Operacionais II. Anderson L. S. Moreira Sistemas Operacionais II Processos Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br Copyright 2004-2009, Free Electrons. Creative Commons BY-SA 3.0 license Latest update: 22 de Mar de 2010, Created

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais ESCALONAMENTO DE PROCESSOS Processos e Recursos Conceito de Escalonamento O S.O. gerencia recursos computacionais em benefício dos diversos processos que executam no sistema. A questão

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo Conceito de processo Os computadores executam várias operações ao mesmo tempo. - Compilar um programa; - Enviar um arquivo para a impressora; - Exibir uma página web; - Reproduzir músicas; - Receber mensagens

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia (Material Adaptado)

Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia (Material Adaptado) Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia (Material Adaptado) Capítulo 3 Concorrência Agenda Introdução Interrupções e exceções Operações de Entrada/Saída Buffering

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Introdução ao S.O Gerenciamento de processos. Gerenciamento de memória. Dispositivos de Entrada/Saída. Sistemas de arquivos. Gerenciamento de processos Processos Um processo

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Introdução a Processos Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano da Aula 2 Introdução a Processos Threads vs Processos Características dos Processos Estados dos Processos 3

Leia mais

Sistemas Operacionais. BSI / UAB 2013 Hélio Crestana Guardia

Sistemas Operacionais. BSI / UAB 2013 Hélio Crestana Guardia Sistemas Operacionais BSI / UAB 2013 Hélio Crestana Guardia Visão do SO SO: camada de software, executado diretamente sobre o hardware (físico ou virtual) Permite que hardware seja usado de forma eficiente

Leia mais

Processo. Gerência de Processos. Um programa em execução. Centro de Informática/UFPE :: Infraestrutura de Software

Processo. Gerência de Processos. Um programa em execução. Centro de Informática/UFPE :: Infraestrutura de Software Processo Um programa em execução Gerência de Processos Contexto de Processo Conjunto de Informações para gerenciamento de processo CPU: Registradores Memória: Posições em uso E/S: Estado das requisições

Leia mais

Prof. Kleber R. Rovai

Prof. Kleber R. Rovai Msn: klrovai@hotmail.com E-mail: Skype: klrovai 2 1 Programa: sequência de instruções com diferentes fluxos de execução comandos condicionais e interativos (entidade passiva); Processo: um programa em

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 7: Implementação de Processos e Threads Diego Passos Revisão Programação Concorrente e Multiprogramação SOs modernos permitem diversos processos em memória. Cada

Leia mais

Processo. Gerência de Processos. Um programa em execução. Centro de Informática/UFPE :: Infraestrutura de Software

Processo. Gerência de Processos. Um programa em execução. Centro de Informática/UFPE :: Infraestrutura de Software Processo Um programa em execução Gerência de Processos Contexto de Processo Conjunto de Informações para gerenciamento de processo CPU: Registradores Memória: Posições em uso E/S: Estado das requisições

Leia mais

Matéria do Gavião. Capítulos 3, 5e7

Matéria do Gavião. Capítulos 3, 5e7 Matéria do Gavião Capítulos 3, 5e7 Bom gente, o texto pode ter alguns errinhos porque foi por Ocr. Tabelas e desenhos colocamos como figuras porque o reconhecimento não pegou tudo a imagem fica meio ruim

Leia mais

Processos. Estruturas de Controle

Processos. Estruturas de Controle Processos Estruturas de Controle Processos e Recursos (1) LPRM/DI/UFES 2 Processos e Recursos (2) O S.O. gerencia recursos computacionais em benefício dos diversos processos que executam no sistema. A

Leia mais

Sistemas Operacionais. Interrupção e Exceção

Sistemas Operacionais. Interrupção e Exceção Sistemas Operacionais Interrupção e Exceção Interrupção e Exceção Durante a execução de um programa podem ocorrer alguns eventos inesperados, ocasionando um desvio forçado no seu fluxo de execução. Estes

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos. Carlos Ferraz Jorge Cavalcanti Fonsêca

Sistemas Operacionais Processos. Carlos Ferraz Jorge Cavalcanti Fonsêca Sistemas Operacionais Processos Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Copyright Carlos Ferraz Processo Conceito: Um programa em execução 1. Ao digitar hello, os caracteres

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIADO RIO GRANDE DO NORTE IFRN Disciplina: Fundamentos de Sistemas Operacionais e Sistemas Operacionais de Rede Professor: Msc. Rodrigo Ronner T. da Silva

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceito de Processos

Sistemas Operacionais. Conceito de Processos Sistemas Operacionais Conceito de Processos Processos Conceito de processo Estado de um processo Troca de contexto e PCB Fila de Processo Escalonador Comunicação entre processos Processo Um sistema operacional

Leia mais

Sistemas Operacionais. Processos IC - UFF

Sistemas Operacionais. Processos IC - UFF Sistemas Operacionais Processos O conceito de processos No capítulo 1, fizemos as seguintes afirmativas quanto aos processos: Mais geral que programa Consiste em um código executável e seus dados associados,

Leia mais

Matéria do Gavião. Capítulos3, 5e7

Matéria do Gavião. Capítulos3, 5e7 Matéria do Gavião Capítulos3, 5e7 Bom gente.^o texto pode ter alguns errinhos porque foi é por Ocr. Tabelas e desenhos^ colocamos como figuras porque o reconhecimento não pegou tudo. Mas a imagem fica

Leia mais

Redes de Computadores. Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período

Redes de Computadores. Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período PARTE II: PROCESSOS E THREADS SUMÁRIO 6. THREAD: 6.1 Introdução; 6.2 Ambiente Monothread; 6.3 Ambiente Multithread; 6.4 Arquitetura

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Jó Ueyama Apresentação baseada nos slides da Profa. Kalinka Castelo Branco, do Prof. Dr. Antônio Carlos Sementille e da Profa. Dra. Luciana A. F. Martimiano e nas transparências

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 08. Conceitos sobre processos. Modelos de processos, BCP, contextos, estados de processos.

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 08. Conceitos sobre processos. Modelos de processos, BCP, contextos, estados de processos. INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS setembro/2013 SEMANA 08 Conceitos sobre processos. Modelos de processos, BCP, contextos, estados de processos. 1 - Introdução O processo computacional, ou simplesmente

Leia mais

Questões de Múltipla escolha

Questões de Múltipla escolha ATPS Sistemas Operacionais Professor Matheus de Lara Calache Valor total do trabalho: 10 Cada resposta vale 0,34. Questões de Múltipla escolha 1) Processos podem ser organizados em filas como Fila de Prontos

Leia mais

Processos. Conceitos Básicos

Processos. Conceitos Básicos Processos Conceitos Básicos Processo Abstração usada pelo S.O. para designar a execução de um programa. (1) É caracterizado por uma thread de execução, um estado corrente e um conjunto associado de recursos

Leia mais

Aula 04. Capítulo 3 Gerência de Processos. 3.1 Conceito de Processo. 3.2 Escalonamento de Processos. 3.3 Opera ões sobre Processos

Aula 04. Capítulo 3 Gerência de Processos. 3.1 Conceito de Processo. 3.2 Escalonamento de Processos. 3.3 Opera ões sobre Processos Aula 04 Capítulo 3 Gerência de Processos 3.1 Conceito de Processo 3.2 Escalonamento de Processos 3.3 Opera ões sobre Processos 3.4 Comunica ão entre Processos 3.1 Conceito de Processo Um sistema operacional

Leia mais

Processos. Processos e Recursos (1) Tabelas de Controle do S.O. Processos e Recursos (2)

Processos. Processos e Recursos (1) Tabelas de Controle do S.O. Processos e Recursos (2) Processos e Recursos (1) Processos Estruturas de Controle LPRM/DI/UFES 2 Processos e Recursos (2) Tabelas de Controle do S.O. O S.O. gerencia recursos computacionais em benefício dos diversos processos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Concorrência

Sistemas Operacionais. Concorrência Sistemas Operacionais Concorrência Sumário 1. Introdução 2. Sistemas Multiprogramáveis 3. Interrupções e Exceções 4. Operações de E/S 1. Entrada e Saída Controlada por Programa 2. Evolução da Entrada e

Leia mais

Processos. Processo (1) Processo (2) Processo (3) Conceitos Básicos

Processos. Processo (1) Processo (2) Processo (3) Conceitos Básicos Processos Conceitos Básicos Processo (1) Abstração usada pelo S.O. para designar a execução de um programa. É caracterizado por uma thread de execução, um estado corrente e um conjunto associado de recursos

Leia mais

Processos. Conceitos Básicos

Processos. Conceitos Básicos Processos Conceitos Básicos Processo (1) Abstração usada pelo S.O. para designar a execução de um programa. É caracterizado por uma thread de execução, um estado corrente e um conjunto associado de recursos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Fabio Augusto Oliveira

Sistemas Operacionais. Prof. Fabio Augusto Oliveira Sistemas Operacionais Prof. Fabio Augusto Oliveira Threads Um processo representa uma sequência de instruções única, executada paralelamente a outra seqüências de instruções. Um thread é uma maneira de

Leia mais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Organização de um Processo em Memória Quando um processo é criado, o SO aloca uma porção da memória física da máquina para a criação do espaço

Leia mais

Threads. Agenda. Threads. Processo. Processo. Processo. Processo. (c) Volnys B. Bernal Versão de 22/3/2012

Threads. Agenda. Threads. Processo. Processo. Processo. Processo. (c) Volnys B. Bernal Versão de 22/3/2012 1 2005-2009 Volnys Bernal 1 2005-2009 Volnys Bernal 2 Agenda Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Interface de threads Interfaces de threads de usuário x threads de núcleo

Leia mais

Processos. Conceitos Básicos

Processos. Conceitos Básicos Processos Conceitos Básicos Processo (1) Abstração usada pelo S.O. para designar a execução de um programa. É caracterizado por uma thread de execução, um estado corrente e um conjunto associado de recursos

Leia mais

Processos. Adão de Melo Neto

Processos. Adão de Melo Neto Processos Adão de Melo Neto 1 EXECUTE O SEGUINTE Baixa a aula dos dias 20 MAR 15 e 08 MAI 15 e salve no computador. Feche o browser Inicialize o vmware player e inicialize a máquina virtual ubuntu Inicialize

Leia mais

Concorrência em Processos

Concorrência em Processos Concorrência em Processos Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm Baseado nas aulas do professor Alberto Costa Neto da UFS 1 O que fazer com essa apresentação

Leia mais

SOP Sistemas Operacionais Módulo 04: Processo

SOP Sistemas Operacionais Módulo 04: Processo SOP Módulo 04: Processo Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Multiprogramação Tornar mais eficiente o aproveitamento dos recursos do computador Execução simultânea de vários programas

Leia mais

Sistemas Operacionais. Universidade Federal de Minas Gerais. Aula 2. Gerência de Processos

Sistemas Operacionais. Universidade Federal de Minas Gerais. Aula 2. Gerência de Processos Aula 2 Gerência de Processos Gerência de Processos O que são Processos e Threads? Porque são necessários? Como são implementados? Como são controlados? Escalonamento Referências: Capítulo 4: 4.1 a 4.5

Leia mais

Aula 03 - Concorrência. por Sediane Carmem Lunardi Hernandes

Aula 03 - Concorrência. por Sediane Carmem Lunardi Hernandes 1 Aula 03 - Concorrência por Sediane Carmem Lunardi Hernandes 2 1. Introdução Sistemas operacionais podem ser vistos como um conjunto de rotinas executadas concorrentemente de forma ordenada Princípio

Leia mais

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ fevereiro, / 41

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ   fevereiro, / 41 Thread Sistemas Operacionais Leonard B. Moreira UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ e-mail: leonardbarreto@gmail.com.br fevereiro, 2013 1 / 41 Sumário 1 Introdução 2 Ambientes Monothread 3 Ambientes Multithread

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 13

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 13 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS outubro/2013 SEMANA 13 Conceitos sobre s. Visão geral, s de usuário e de, modelos de multiing, ciclo de vida. Exemplos nos sistemas operacionais. 1 - Introdução Thread

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais Sistemas de Informação Sistemas Operacionais PROCESSOS E THREADS PARTE II SUMÁRIO 3. THREAD: 3.1 Introdução; 3.2 Ambiente Monothread; 3.3 Ambiente Multithread; 3.4 Arquitetura e Implementação; 3.5 Modelos

Leia mais

Sistemas de Computação. Processos e escalonamento

Sistemas de Computação. Processos e escalonamento Processos e escalonamento Sistema operacional Programa que age como intermediário entre o usuário de um computador e o hardware Objetivos: Executar programas do usuário e facilitar a resolução de problemas

Leia mais

Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Ciclo de Vida de um Processo Todo processo passa por 3 fases durante sua vida: criação, execução e término. Um processo pode ser criado por outro

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais Sistemas de Informação Sistemas Operacionais Apresentação Prof. Bruno de Souza Toledo bruno.toledo@ifmg.edu.br Sistemas Operacionais Carga horária: 80 horas/aula Habilidades e Competências A disciplina

Leia mais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Capítulo 2 Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Multiprogramação Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização de um SO Moderno

Leia mais

Processos. Prof. Gustavo Leitão

Processos. Prof. Gustavo Leitão Processos Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes Baseada na Aula do Prof. Ricardo Valentim 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 PLANO DE AULA Processos Processos:

Leia mais

7 Processos. 7.1 Introdução

7 Processos. 7.1 Introdução 1 7 Processos 7.1 Introdução O conceito de processo é a base para a implementação de um sistema multiprogramável. O processador é projetado apenas para executar instruções, não se importando com qual programa

Leia mais

Periféricos possuem características diferentes. Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos de Entrada/Saída

Periféricos possuem características diferentes. Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos de Entrada/Saída Periféricos possuem características diferentes Geram diferentes quantidades de dados Em velocidades diferentes Em formatos diferentes Periféricos são mais lentos que UCP e Memória Necessita-se de módulos

Leia mais

http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 Periféricos possuem características diferentes Geram diferentes quantidades de dados Em velocidades diferentes Em formatos diferentes Periféricos são mais lentos que

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 8 Suporte do sistema operacional slide 1 Objetivos e funções Conveniência: Tornar o computador mais fácil de usar. Eficiência:

Leia mais

Redes de Computadores. Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período

Redes de Computadores. Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas Operacionais - 2º Período PARTE III: GERÊNCIA DE RECURSOS SUMÁRIO 8. GERÊNCIA DO PROCESSADOR: 8.1 Introdução; 8.2 Funções Básicas; 8.3 Critérios de Escalonamento;

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Gerência de Processos Componentes do Sistema Um programa não faz nada a não ser que suas instruções sejam executadas

Leia mais

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF Exercícios Cap I 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) 1.5 1.7, 1.8 e 1.12 Sistemas Operacionais Visão geral e evolução dos SOs Sistema Operacional? Um programa que controla a execução dos programas

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo

Davidson Rodrigo Boccardo Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Componentes de um SO Gerenciamento de Processos Sistema de Arquivos Gerenciamento de Entrada/Saída Gerenciamento

Leia mais

Infra-Estrutura de Software. Escalonamento

Infra-Estrutura de Software. Escalonamento Infra-Estrutura de Software Escalonamento Processos Concorrentes O Modelo de Multiprogramação Multiprogramação de quatro programas Modelo conceitual de 4 processos sequenciais, independentes Somente um

Leia mais

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1)

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1) Aula Passada Processos (Aula 6) Escalonamento de Processos O SO gerencia os recursos do sistema de computação em benefício dos processos Para isso, mantem estruturas de controles Tabelas (memória, I/O,

Leia mais

Introdução a Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Introdução a Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Introdução a Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 41 Definição de SO Sistema Operacional É um conjunto de rotinas (programa) executado pelo processador que controla o funcionamento do computador como

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES 01001111 01110010 01100111 01100001 01101110 01101001 01111010 01100001 11100111 11100011 01101111 00100000 01100100 01100101 00100000 01000011 01101111 01101101 01110000 01110101 01110100 01100001 01100100

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO. Resenha Livro Sistemas Operacionais 4ª edição Capítulo quatro: Gerencia do processador

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO. Resenha Livro Sistemas Operacionais 4ª edição Capítulo quatro: Gerencia do processador LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Resenha Livro Sistemas Operacionais 4ª edição Capítulo quatro: Gerencia do processador SANTO AMARO 2012 JEANDERVAL SANTOS DO CARMO RESENHA Resenha do quarto capítulo: Gerencia

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS PROCESSOS. Slides cedidos pela professora Aline Nascimento

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS PROCESSOS. Slides cedidos pela professora Aline Nascimento SISTEMAS DISTRIBUÍDOS PROCESSOS Slides cedidos pela professora Aline Nascimento INTRODUÇÃO Diferentes tipos de processos desempenham papel crucial em sistemas distribuídos. O conceito de um processo é

Leia mais

Sistemas Operacionais. Gerência de Processador

Sistemas Operacionais. Gerência de Processador Sistemas Operacionais Gerência de Processador Sumário 1. Introdução 2. Funções Básicas do Escalonamento 3. Critérios de Escalonamento 4. Escalonamento 1. Não-Preemptivo 2. Preemptivo 5. Políticas de Escalonamento

Leia mais

Processos. Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa. Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos,

Processos. Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa. Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, Processos Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Introduzir a noção de processo um programa em execução que é a base de toda a computação Descrever as várias

Leia mais

Parte I Multiprocessamento

Parte I Multiprocessamento Sistemas Operacionais I Estrutura dos SO Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2004 Parte I Multiprocessamento Roteiro 1 Multiprocessadores em Sistemas Fortemente Acoplados 1.1 1.2 1.3 Processamento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Slides adaptados de Prof. Dr. Marcos José Santana, Prof. Dra. Regina Helena Carlucci Santana e Sarita Mazzini Bruschi baseados no livro Sistemas Operacionais Modernos de A. Tanenbaum

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 1 Processador e instruções Memórias Dispositivos de Entrada e Saída Software ARQUITETURA BÁSICA UCP Unidade central de processamento MEM Memória E/S Dispositivos de entrada e saída UCP UNIDADE

Leia mais

Sistemas Operacionais - UCSAL Professor : Marco Antônio C. Câmara Primeira Lista de Exercícios

Sistemas Operacionais - UCSAL Professor : Marco Antônio C. Câmara Primeira Lista de Exercícios 1ª Questão : Com base na figura ao lado, extraída do livro SISTEMAS OPERACIONAIS MODERNOS, de Andrew S. Tanenbaum, assinale cada uma das afirmações abaixo como (C)erta ou (E)rrada. No caso da afirmativa

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 08 Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais Funções: máquina virtual

Leia mais

LINGUAGENS LÓGICAS E PROGRAMAÇÃO CONCORRENTE

LINGUAGENS LÓGICAS E PROGRAMAÇÃO CONCORRENTE LINGUAGENS LÓGICAS E PROGRAMAÇÃO CONCORRENTE Adriana Nery Programação lógica Paradigma Predicados Dedutiva) baseado no Cálculo de (Lógica Matemática Exemplo: Zé Carioca é um papagaio. Todo papagaio é uma

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Departamento de Ciência da Computação - UFF Dispositivos de Entrada e Saída Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br Problemas com Entrada e Saída ü Periféricos possuem características

Leia mais

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Explicitar aos alunos os modelos de entrada e saída em um computador e quais barramentos se aplicam a cada componente: memória,

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Processos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 02-002 Processos Processos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Processos Programa em execução: processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador de tarefas); processos do usuário; Sistemas multiprogramáveis: muitos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Memória Memória virtual Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Slides baseados nas apresentações dos prof. Tiago Ferreto e Alexandra Aguiar

Leia mais

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos Conceito de Processo Módulo 4: Processos Um Sistema Operacional executa uma variedade de programas: Sistemas de processamento em lotes (batch) processa jobs Sistemas de tempo partilhado (time shared) roda

Leia mais

Gerência do Processador. Adão de Melo Neto

Gerência do Processador. Adão de Melo Neto Gerência do Processador Adão de Melo Neto 1 Introdução Sistemas Multiprogramáveis: Múltiplos processos podem permanecer na memória principal compartilhando o uso da CPU. POLÍTICA DE ESCALONAMENTO São um

Leia mais

Sistema Operacional. Etapa

Sistema Operacional. Etapa Etapa 1-2017 HARDWARE PARTE FÍSICA DA MÁQUINA HARDWARE HARDWARE HARDWARE SOFTWARE PARTE LÓGICA DA MÁQUINA SOFTWARE INTERMEDIÁRIO ENTRE O HARDWARE E O SOFTWARE PRINCIPAL PROGRAMA DO COMPUTADOR Um sistema

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Fundamentos da Informática Aula 03 - Sistemas operacionais: Software em segundo plano Exercícios Professor: Danilo Giacobo

Fundamentos da Informática Aula 03 - Sistemas operacionais: Software em segundo plano Exercícios Professor: Danilo Giacobo Fundamentos da Informática Aula 03 - Sistemas operacionais: Software em segundo plano Exercícios Professor: Danilo Giacobo Múltipla escolha 1. Em que consiste um sistema operacional: a. Um conjunto de

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída. 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Recursos Entrada e Saída 02/12/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Fundamentos Evolução Estrutura

Leia mais

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSOS PROFESSOR CARLOS MUNIZ

INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSOS PROFESSOR CARLOS MUNIZ INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA DA PROFESSOR CARLOS MUNIZ O QUE SÃO? Definição: Entidade dinâmica que consiste num programa em execução, os seus valores correntes, informação de estado e recursos utilizados pelo

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Memória

Sistemas Operacionais Gerência de Memória Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Computação, Licenciatura Sistemas Operacionais Gerência de Memória Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A memória

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Faculdade Pitágoras - Segundo semestre de 2012 Professor Ugo Caputo ugo.caputo@pitagoras.com.br Programa em execução - processos do próprio sistema (SYSTEM no gerenciador

Leia mais