A Indústria Automóvel em Portugal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Indústria Automóvel em Portugal"

Transcrição

1 Projeto FEUP 2013/ Mestrado Integrado Engenharia Mecânica : Armando Sousa Teresa Duarte A Indústria Automóvel em Portugal Impacto na Economia Portuguesa Equipa 01: Supervisor: Lucas Silva Monitor: João Ferreira Estudantes & Autores: Bernardo Lopes João Barros Manuel Teixeira Diogo Santos William Milner Pedro Moura Página 1 de 30 Página 1 de 30

2 Página 2 de 30

3 Resumo O presente relatório foi realizado no âmbito da unidade curricular Projeto FEUP e o seu tema central é a indústria automóvel em Portugal. Este trabalho resultou de um conjunto de pesquisas e consultas na internet, tendo como fontes websites de empresas, relatórios e notícias. Numa fase inicial, após uma introdução histórica deste assunto, apresentaremos informações acerca dos níveis de produtividade, emprego, vendas, exportações, modelos produzidos e possíveis projetos recentemente desenvolvidos pelas cinco maiores empresas de produção automóvel em Portugal bem como as perspetivas de futuro de cada uma. Seguidamente, adotando um carácter mais geral e abrangente abordaremos a influência que esta indústria tem no país expondo vários indicadores económicos tais como, a taxa de empregabilidade, o volume de negócios, os maiores destinos das exportações e o peso no PIB, que proporcionarão uma avaliação relativa aos impactes dessa área na economia nacional. Ao longo do relatório vamos ficando com a noção do grande peso e impacto que esta indústria tem na atividade económica portuguesa. Palavras-Chave Indústria Automóvel PIB Produção Empregabilidade Exportações Negócios Projeto Economia Gestão Página 3 de 30

4 Agradecimentos Este trabalho não poderia ser realizado sem o apoio dos nossos sempre prestáveis monitor e professor, respetivamente João Ferreira e Lucas Silva. Queremos também salientar e agradecer aos professores Armando Sousa e Teresa Duarte pela criação e administração da unidade curricular Projeto FEUP. Página 4 de 30

5 Conteúdo Lista de Figuras ) Introdução ) Principais Empresas Nacionais ) Auto Europa ) PSA ) VN Automóveis ) Salvador Caetano ) Mitsubishi Fuso Truck Europe ) A Indústria Automóvel e a Economia portuguesa ) Volume de Negócios ) Peso no PIB ) Taxa de empregabilidade ) Evolução da venda de automóveis em Portugal ) Bibliografia Página 5 de 30

6 Lista de Figuras 1 - Impacto da AutoEuropa no PIB Fonte: Wolkswagen, Nº de Colaboradores da Autoeuropa Fonte: Wolkswagen, Carrinha isuzu de caixa aberta N (Fonte: Gráfico dos países de exportações da V. N. Automóveis (Fonte: EInforma, 2011) Variação das vendas e resultados líquidos na VN Automóveis (AFIA, 2012) principais países de exportação de componentes automóveis.. Fonte: ACAP, Volume de negócios do principais produtores nacionais (AEP Portugal, 2004) nº de empregados das principais produtoras portuguesas (2012) Fonte:AE Portugal Evolução da venda de Automóveis em Portugal ( ) Fonte: Monteiro, Coutinho, Página 6 de 30

7 1) Introdução Em Portugal e no mundo, o surgimento da indústria automóvel levou a um fascínio por esta que resultou no seu desenvolvimento em alguns países mais do que outros. No nosso país, durante os anos sessenta e setenta, houve várias tentativas de enveredar na construção de automóveis que no entanto não foram bem sucedidas devido a uma escassez de conhecimentos científicos e tecnológicos, bem como um mercado nacional pouco aberto e pouco exigente. Tal pode-se comprovar com o caso da FAP (Fábrica Automóvel Portuguesa) cuja existência apenas durou de 1959 a 1965, encerrando sem produzir um único veículo e deixando os seus acionistas sem o retorno dos seus investimentos (Palma Féria, 1999). Com efeito é possível delinear três períodos na história da indústria automóvel portuguesa, a iniciarem-se a partir da década de sessenta (até lá a produção, além de residual, era principalmente artesanal, sendo que a génese da indústria automóvel portuguesa deu-se no início desta década). De 1961 a 1974/76, o mercado português é caracterizado como excessivamente protecionista, obrigando à montagem da maior parte dos automóveis já dentro do país mas não a produção dos seus componentes. As tentativas de construção automóvel que existiram, falharam por falta de capacidades técnico-tecnológicas e à falta de abertura e exigência no mercado nacional, causadas em parte pelo regime ditatorial em vigor na época (Palma Féria, 1999). No período de 1977 a 1986/8, a indústria automóvel portuguesa foi marcada pela liberalização do mercado, tornando-o mais recetivo às exportações (uma das consequências da revolução de 25 de Abril de 1974). Esta abertura ao exterior resultou na implantação do projeto Renault em Setúbal e Cacia.Com uma linha de montagem com capacidade de produzir 360 automóveis por dia, a Renault operou em Setúbal de 1980 a 1998, sendo que presentemente apenas podemos encontrar a produção de alguns componentes Renault em Cacia. Apesar do esmorecimento da sua intensidade, este projeto abriu portas para o instalar da indústria automóvel que presentemente se encontra no nosso país. Página 7 de 30

8 De 1989 a 2002/04, com a entrada de Portugal na União Europeia em 1986 e a implementação da moeda única mais tarde, foi possível assistir a uma reabertura do mercado português ao europeu. Deste modo foi possível surgir, em julho de 1991, o projeto AutoEuropa. Esta iniciativa, localizada em Palmela e com capacidade para produzir cerca de veículos por ano, consistiu naquilo que foi considerado o motor da indústria automóvel neste período (Selada, Felizardo, 2004). Assim, com a experiência ganha com os projetos Renault e AutoEuropa, o setor automóvel português conseguiu atingir a dimensão que possui atualmente, representando um importante setor da economia portuguesa. Este impacto da indústria automóvel na economia portuguesa será o assunto tratado neste relatório, uma vez que, como futuros engenheiros mecânicos, conhecer o peso desta indústria no panorama económico português, é importante para construir e delinear as nossas perspetivas de futuro. Assim, através da pesquisa de informação proveniente de websites e trabalhos de investigação, elaborámos este relatório, que consiste primeiramente numa análise dos principais projetos de construção automóvel em Portugal com o objetivo de tirarmos conclusões sobre esta indústria como um todo e a sua influência em Portugal. Página 8 de 30

9 2) Principais Empresas Nacionais 2.1) Auto Europa O Grupo Volkswagen possui várias fábricas de produção automóvel sendo a Volkswagen Autoeuropa, que se localiza em Palmela, a representante do grupo em Portugal. Esta fábrica tem vindo ao longo dos anos a assumir um papel crucial na economia do país principalmente no que toca às exportações. Atualmente são produzidos cerca de 600 carros por dia, sendo que destes 600 apenas 1,3% (Wolkswagen, 2012) é dirigido para o mercado português ficando assim evidente a importância que esta fabrica tem no ramo das exportações. A fábrica da Volkswagen foi a segunda maior exportadora portuguesa no ano de 2009 (INE, 2011). Apesar disso, esse ano ficou marcado pela quebra no volume de negócios, tendo sido o terceiro pior ano de sempre para a fábrica de Palmela. Esta quebra foi prontamente ultrapassada nos dois anos seguintes tendo ocorrido um aumento acentuado no volume de vendas tanto em 2010 como em 2011 (INE,2011). O ano de 2012 ficou marcado por uma diminuição tanto no volume de vendas como no volume de produção. Esta quebra tem a ver com a crise económica que se acentuou no país e no mundo e que levou à diminuição do lucro da empresa. No que toca ao impacto no Produto Interno Bruto, os valores têm-se mantido relativamente constantes( como se pode observar no gráfico 1), sendo que a maior quebra se registou no ano de 2009 (0,8%). Página 9 de 30

10 Anos 1 - Impacto da AutoEuropa no PIB Fonte: Wolkswagen, 2012 Embora a fábrica se localize em Portugal o mercado nacional não é o seu principal alvo, muito pelo contrário. Os principais mercados no ano de 2011 foram o Reino Unido, Alemanha e China (Jornal Económico, 2006) o que se percebe pelo facto destes três países representarem três das maiores economias mundiais. Ao analisarmos o número de colaboradores da Autoeuropa (gráfico 2) percebemos que esta fábrica tem também um forte impacto nos níveis de emprego do país, uma vez que emprega por volta de 3600 pessoas, segundos dados fornecidos pela empresa referentes ao ano de O número de pessoas empregadas tem-se mantido relativamente contante, embora se tenha observado um ligeiro aumento nos últimos anos muito provavelmente devido ao aumento do volume de produção e à necessidade da empresa em aumentar a produtividade, dado o sucesso que tem alcançado no estrangeiro. Página 10 de 30

11 2 - Nº de Colaboradores da Autoeuropa Fonte: Wolkswagen, 2012 Depois de analisados todos estes dados acerca da Volkswagen Autoeuropa podemos concluir que embora estejamos a atravessar uma grave crise económica a fábrica de Palmela continua a ser uma das principais fontes de rendimento da economia Portuguesa, sofrendo algumas quebras comparativamente a anos anteriores mas nada que seja muito significativo. Página 11 de 30

12 2.2) PSA Mangualde é o lar de uma das maiores fábricas de automóveis em Portugal, a 2º maior para sermos mais precisos. Em 1962 foi tomada, em Paris, a decisão de construir a fábrica, tendo esta começado no ano seguinte. Foi também criada uma Sociedade com um capital 60% nacional (Peugeot/ Citroen, 2013). Todo este empreendimento viria a beneficiar muito a economia local e também a nacional. A produção começou em 1964 com 472 veículos produzidos neste primeiro ano. Esta viria a aumentar gradualmente ate aos cerca de 43 mil veículos que se produziram em Neste momento, o centro de produção automóvel em Mangualde tem 2 modelos distintos a sair da linha de montagem: o Citroen Berlingo e o Peugeot Partner (Peugeot/ Citroen, Mas estes não são de longe os únicos produtos que já la foram montados, sendo que, por exemplo, quase 100 mil unidades do outrora popular Citroen Saxo foram concebidas nesta fábrica (Peugeot/ Citroen, A fábrica da PSA Peuogeot Citroen, em Mangualde, é uma das principais linhas de produção automóvel em Portugal. Responsável pela produção de cerca de 26% de todos os automóveis produzidos em Portugal e sendo 95% destes exportados, a CPMG (Citroen Peugeot Mangualde) contribui com uma percentagem visível no PIB português (Peugeot/ Citroen, Os valores assim o confirmam, com um volume de negócios de mais de 350 milhões de euros e cerca de 1300 postos de trabalho em 2011 (Peugeot/ Citroen, 2013). Página 12 de 30

13 2.3) VN Automóveis A VN automóveis, SA é uma das cinco empresas pertencentes ao sector da produção automóvel sediadas em Portugal. Esta empresa localiza-se no distrito de Évora, mais concretamente no concelho de Vendas Novas. O início da sua atividade deu-se a 1 de Janeiro de 1993 (Carvalho, 2009) com o respetivo nome comercial acima mencionado e atualmente dedica-se à fabricação de veículos automóveis, manutenção e reparação de veículos automóveis e fabricação de carroçarias, reboques e semi-reboques (CAE, 2012) Atualmente, a VN automóveis, SA dedica-se maioritariamente à montagem de carrinhas e camiões da marca japonesa Isuzu mas também atua no revestimento de componentes automóveis. A empresa é responsável pela montagem da carrinha Série N (figura 3) e o camião Série F da marca, tendo investido recentemente na criação da linha de produção deste último (AFIA, 2013). 3- Carrinha isuzu de caixa aberta N (Fonte: Página 13 de 30

14 4- Gráfico dos países de exportações da V. N. Automóveis (Fonte: EInforma, 2011) A VN automóvel, SA exporta para países europeus a maior parte daquilo que produz. Segundo o gráfico 4, mais de metade da sua produção destina-se ao Reino Unido, sendo Espanha e Itália mercados também significantes. Em 2011, o volume de negócios da VN automóveis rondava os euros (AE Portugal, 2011). Tendo em conta que nesse ano a Europa já tinha entrado em recessão económica e que a empresa tem uma produção especializada em camiões e carrinhas, ou seja, o nicho de mercado é significativamente menor que o de veículos ligeiros, este é um valor bastante positivo. 5- Variação das vendas e resultados líquidos na VN Automóveis (AFIA, 2012) Página 14 de 30

15 Através do gráfico 5, é possível observarmos uma queda nas vendas a partir de 2011 e a existência de prejuízo ainda antes desse ano, fenómenos que se mantiveram até ao início de No ano de 2011, a VN automóveis, tinha um total de 127 empregados, contudo empregava 99 trabalhadores em 2012 (AE Portugal, 2011). Esta redução de pessoal pode ser justificada pelo gráfico 5. Relativamente ao futuro, a VN automóveis, SA irá intensificar a sua estratégia de especialização na montagem de veículos comerciais pesados, o que lhe tem garantido uma grande regularidade na produção e investir em capital humano de modo a evitar quebras no sector produtivo. O facto de se dedicar maioritariamente ao fabrico de veículos pesados, apesar de a associar a pequenas produções devido ao reduzido nicho de mercado desses veículos, proporciona-lhe uma concentração de atenções para esse segmento e uma reputação ligada a essa exclusividade de produção o que, conjugado com a formação consistente dos funcionários a tornará mais competitiva. Página 15 de 30

16 2.4) Salvador Caetano Este grupo, constituído pelas empresas CaetanoBus e Caetano Components, SA, dedica-se essencialmente à produção de carroçarias, colaborando no processo de produção dos autocarros das marcas CoBus, Caetano e EvoBus (pertencente à Mercedes-Benz) (Toyota Ceatano, 2013). Além do já referido, também produz componentes para a indústria automóvel e outras peças metálicas. Na Divisão Fabril de Ovar concentra-se grande parte da produção industrial desta empresa. Aqui é feita a montagem do miniautocarro Caetano Optimo e dos comerciais ligeiros Toyota Dyna e Toyota Hiace, que são posteriormente exportados para 13 países europeus, bem como a introdução de alguns componentes em veículos comerciais. Nesta unidade fabril há 350 postos de trabalho e em 2012 foram produzidas 4571 unidades, sendo que as instalações teriam capacidade para 9800 unidades/ano ou 45 unidades/dia. O volume de negócios nesse ano foi euros (Toyota Caetano, 2013). No primeiro trimestre de 2013, a empresa teve um volume de negócios de 49 milhões de euros, sendo que houve uma redução de cerca de 10% relativamente ao igual período do ano anterior (Toyota Caetano, 2013). Página 16 de 30

17 2.5) Mitsubishi Fuso Truck Europe Instalada no Tramagal, esta construtura nipónica está localizada no distrito de Santarém desde 1991 (Selada, Felizardo, 2004), mantendo uma linha de produção de veículos comerciais de caixa aberta (mas no entanto a sua produção no nosso país resume-se a pequenas peças de baixo valor comercial). No Tramagal apenas é produzido o modelo Fuso Canter, do qual 150 mil unidades são vendidas anualmente (sendo que são exportadas para mais de trinta países europeus) (Mitsubishi Fuso, 2013). Com efeito, a maior parte da produção desta unidade é destinada à exportação (por exemplo, em9 2008, 86,3% da sua produção foi exportada para fora do país) (Carvalho, A fábrica do Tramagal emprega cerca de 430 pessoas e o seu volume de negócios ronda os 129 milhões de euros (Carvalho, 2009). Página 17 de 30

18 3) A Indústria Automóvel e a Economia portuguesa A indústria automóvel em Portugal é um dos sectores que mais influencia positivamente a economia nacional. 3.1) Volume de Negócios Relativamente a volume de negócios, o sector automóvel tem um grande peso na economia portuguesa, apesar das quebras ocorridas nos últimos anos. Foi registado um volume de negócios no valor de 7.3 mil milhões de euros em Deste valor, 81,8% (5.9 mil milhões) dizem respeito ao valor obtido através da exportação (ACAP, 2011). Os principais países de exportação de componentes de automóvel são: 6- principais países de exportação de componentes automóveis Fonte: ACAP, 2011 Ao nível das 5 empresas, mencionadas anteriormente, podemos analisar a seguinte tabela relativa ao volume de negócios obtidos por cada uma delas no ano de Página 18 de 30

19 Empresa Volkswagen Autoeuropa Peugeot Citroen Toyota Caetano Mitsubishi VN Automóveis Volume de Negócios ( ) 7- Volume de negócios do principais produtores nacionais (AEP Portugal, 2004) Através da análise da Tabela 7, podemos concluir que a empresa Autoeuropa é a fonte primária de Volume de Negócios do sector automóvel português, ultrapassando o valor obtido pelas restantes quatro empresas juntas. Por outro lado, a VN Automóveis representa uma ínfima percentagem no cenário nacional. 3.2) Peso no PIB Com a subsecção anterior, é de prever que a indústria automóvel portuguesa contribui de forma bastante significativa para o PIB Português. Em 2010, as receitas geradas pelo setor automóvel português representavam cerca de 3.6% do PIB, tendo vindo a aumentar, alcançando a percentagem de 4,4% em 2012 (ACAP, 2013) 3.3) Taxa de empregabilidade Atualmente, o sector da produção de componentes de automóveis emprega 41 mil trabalhadores, ou seja, 0.4% da população portuguesa (cerca de 10,5 milhões de pessoas). Esta percentagem pode parecer baixa, porém, sendo que, atualmente, a taxa de empregabilidade em Portugal ronda os 51%, é de concluir que este sector simboliza uma razoável percentagem de empregados (ACAP, 2013). Em 2011, as empresas mencionadas neste relatório apresentavam os seguintes números de empregados: Página 19 de 30

20 8- nº de empregados das principais produtoras portuguesas (2012) Fonte:AE Portugal Página 20 de 30

21 4) Evolução da venda de automóveis em Portugal 9- Evolução da venda de Automóveis em Portugal ( ) Fonte: Monteiro, Coutinho, 2009 Com base no gráfico acima exposto, conseguimos observar uma variação do número de automóveis vendidos em todas as categorias durante o período de tempo em causa. Contudo, em 1986 é notório um aumento do volume de veículos vendidos em todas as gamas o que resulta, em parte, do facto de Portugal ter aderido à União Europeia nesse mesmo ano o que facilitou e, consequentemente, promoveu as trocas comercias entre os países membros. Página 21 de 30

22 5) Conclusões Ao longo da realização deste projeto, a informação obtida acerca deste setor do mercado deu-nos gradualmente uma noção do peso da indústria automóvel na economia nacional, que é superior ao que o cidadão comum pode imaginar. Empresas como a Autoeuropa têm de facto um volume de negócios bastante considerável tendo em conta o nosso PIB. Contabilizando todas as indústrias, não só de montagem automóvel, mas também de componentes para exportações, o número de postos de trabalho inerentes a toda esta indústria é muito grande, sendo a fonte de rendimento de milhares de famílias pelo país fora. É possível observar que a maior parte da indústria automóvel em Portugal é constituída por empresas estrangeiras sediadas no estrangeiro, que utilizam a mão de obra portuguesa na sua produção. Assim Portugal está a concorrer com países subdesenvolvidos como a China e a Índia e não com países desenvolvidos, dos quais são exemplo a Alemanha e a França. Deste modo, os lucros deste setor acabam por sair de Portugal. Deste modo concluise que é necessário um investimento na tecnologia e na inovação em Portugal, com o objetivo de impulsionar o setor em Portugal. Com efeito, não existem grandes projetos inovadores em Portugal, uma vez que o nosso país apenas é usado como mão de obra. É importante sublinhar que os dados utilizados neste relatório não são os mais recentes, sendo que apenas podemos fazer estimativas sobre o estado desta indústria em Assim, conclui-se que este setor é de grande importância para o nosso país, sendo que nós, como engenheiros, devemos procurar sempre primar pelas soluções mais tecnologicamente inovadoras para evitar o colapso deste setor vital do mercado português. Página 22 de 30

23 6) Bibliografia Introdução: Féria, Luís A História do Setor Automóvel em Portugal ( ) (1999) Selada, Catarina; Felizardo, José Da Produção à Concepção: AutoEuropa PSA Meio Século de História Automóvel em Portugal (2004) Wolkswagen, 2012 TVI, 2010 INE, 2011 Jornal económico ( visitado a 27 de Outubro, 2013) Peugeot/ Citroen ( visitado a 24 de Outubro, 2013) VN Automóveis AFIA (Associção de fabricantes para a indústria automóvel) ( 2493&Itemid=61&lang=pt_PT visitado a 10 de Outubro, 2013) Carvalho, Ana Estudo da Sustentabilidade da Indústria Automóvel em Portugal Universidade de Aveiro, 2009 EInforma, 2013 Salvador Caetano Toyota Caetano, 2013 ( q1id_class_--_3d108 --_3D_l_- -_3DPT q20 q30 q41 q5.htm visitado a 5 de outubro, 2013) Página 23 de 30

24 Mitsubishi Fuso Truck Europe Selada, Catarina; Felizardo, José Da Produção à Concepção: Meio Século de História Automóvel em Portugal (2004) Carvalho, Ana Estudo da Sustentabilidade da Indústria Automóvel em Portugal Universidade de Aveiro, 2009 Mitsubishi Fuso ( visitado a 17 de Outubro, 2013) Outras Fontes: AEPortugal ( Empresariais/Sector&Menu=MenuInfoEconomica&IDSector=26, visitado a 20 de Outubro, 2013) INE, 2013 Monteiro, Coutinho, 2009 Página 24 de 30

25 Página 25 de 30

26 Página 26 de 30

27 Página 27 de 30

28 Página 28 de 30

29 Página 29 de 30

30 Página 30 de 30

O caso Volkswagen Autoeuropa

O caso Volkswagen Autoeuropa Ciclo de Conferências Factores de competitividade na Economia Portuguesa: «Ferrovia, Logística e competitividade na Economia Portuguesa» O caso Sandra Augusto 15 de Maio de 2012 Agenda 1 Breve apresentação

Leia mais

A Indústria Automóvel em Portugal

A Indústria Automóvel em Portugal A Indústria Automóvel em Portugal Autores André Vale Gustavo Monteiro Maria Santos Diogo Costa João Pedro Ferreira Paulo Ribeiro Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Armando Sousa Teresa Duarte Equipa

Leia mais

O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias

O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias A Câmara de Comércio e Indústria organiza Seminário, Almoço e Mesas Redondas O cluster automóvel em Portugal perspetivas e parcerias Panorama do setor O investimento francês em Portugal Parceria entre

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

André Vale. Diogo Costa. Gustavo Monteiro. João Pedro Ferreira. Maria João Santos. Paulo Ribeiro. Ano lectivo 2013/2014

André Vale. Diogo Costa. Gustavo Monteiro. João Pedro Ferreira. Maria João Santos. Paulo Ribeiro. Ano lectivo 2013/2014 Ano lectivo 2013/2014 Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Supervisor: Lucas Silva 1M5_02 Monitor: João Ferreira André Vale Diogo Costa Gustavo Monteiro João Pedro Ferreira Maria João Santos Paulo

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267)

2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) 2.4. Subsector TRABALHO DA PEDRA (CAE 267) a) Universo, Dimensão e Emprego Empresarial do Trabalho da Pedra O trabalho da pedra tinha 2.001 empresas em 2004,

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i

Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i Nova plataforma Toyota (TNGA) para produzir Carros cada vez Melhores i "Com as repentinas e drásticas evoluções no mundo automóvel, as formas convencionais de pensar e de fazer negócios já não nos permitem

Leia mais

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda.

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. é uma empresa com competências nucleares

Leia mais

A Indústria Automóvel em Portugal

A Indústria Automóvel em Portugal A Indústria Automóvel em Portugal Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Equipa 1M6_001: José Francisco Gomes Maria Inês Barros Maria Inês Almeida Maria Leal Antão Tiago José Calafate Ano Letivo 2013/2014

Leia mais

Consumo e geração de energia equilibrados

Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Consumo e geração de energia equilibrados Em Portugal, a rede de transporte de energia foi concebida tendo em conta a produção maciça e contínua de energia proveniente

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Recomenda ao Governo a análise e adoção de medidas de apoio ao sector automóvel nacional

Recomenda ao Governo a análise e adoção de medidas de apoio ao sector automóvel nacional Projeto de Resolução n.º 781/XII/2ª Recomenda ao Governo a análise e adoção de medidas de apoio ao sector automóvel nacional A produção e venda de automóveis registam uma queda continuada nos últimos anos

Leia mais

1 O Problema 1.1. Introdução

1 O Problema 1.1. Introdução 1 O Problema 1.1. Introdução O mercado automobilístico nacional passou por intensas mudanças na década de 90. Desde a declaração do Presidente da República que em 1990 afirmou serem carroças os veículos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2015 está demonstrando ser muito desafiador, apresentando um cenário macroeconômico incerto, onde as expectativas do mercado preveem redução do PIB, aumento da inflação e da taxa

Leia mais

O protetor das escadas rolantes

O protetor das escadas rolantes O protetor das escadas rolantes 1 O protetor das escadas rolantes As escadas rolantes de vários centros comerciais brasileiros estavam a originar incidentes que tinham grande impacto mediático neste país.

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português

XI Jornadas Técnicas. O Sector Marítimo Português XI Jornadas Técnicas O Sector Marítimo Português Modernização e Inovação na Construção e Reparação Naval J. Ventura de Sousa e Filipe Duarte IST, 25 de Novembro de 2008 A Associação das Indústrias Marítimas

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS

DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Data: Setembro/99 N o 26 DISTRIBUIÇÃO REGIONAL INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA E DE AUTOPEÇAS Com o recente ciclo de investimentos

Leia mais

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente. Joaquim Pedro Valente de Almeida. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com DVA David Valente de Almeida S.A. Presidente Joaquim Pedro Valente de Almeida Com quality media press para LA VANGUARDIA www.dva.pt (en construcción) Ver http://www.afia-afia.pt/assoc13.htm

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Notícia: Fisipe produz fibra de carbono

Notícia: Fisipe produz fibra de carbono Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Departamento de Economia, Sociologia e Gestão Licenciatura em Gestão 3ºano/2ºsemestre Unidade curricular: Inovação e Gestão da Mudança Docentes: Carla Marques

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

EXPORTAÇÕES AUTOMÓVEL. Indústria. ograndemotor de crescimento da indústria 98%

EXPORTAÇÕES AUTOMÓVEL. Indústria. ograndemotor de crescimento da indústria 98% ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6074 DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Indústria AUTOMÓVEL Mesmo não tendo fábricas em Portugal, muitos marcas recorrem

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo

Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Enercoutim investe 18 milhões na plataforma de demonstração de energia solar em Martim Longo Por Elisabete Rodrigues 17 de Maio de 2013 09:05 Comentar A plataforma de demonstração de energia solar que

Leia mais

Brasil é o maior fabricante

Brasil é o maior fabricante Produtos No Brasil a fabricação artesanal do primeiro ônibus é atribuída aos imigrantes italianos e irmãos Luiz e Fortunato Grassi. Em 1904 eles fabricavam carruagens em São Paulo e em 1911 encarroçaram

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES O ano de 2016 começou com o cenário macroeconômico muito parecido de 2015, uma vez que o mercado continua com tendências negativas em relação a PIB, inflação e taxa de juros. Novamente a Ouro

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009

FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA O PERÍODO 2000-2009 Centro de Investigação Sobre Economia Portuguesa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FORMAÇÃO DOS PREÇOS E DAS MARGENS NOS SECTORES DO LEITE E DA CARNE UMA ANÁLISE PARA

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL

ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL ÍNDICE DE RISCO DE 2008 PORTUGAL Índice de Pagamentos 2004 191 2005 184 2006 183 2007 182 2008 183 Desenvolvimento Económico (%) UE 27 - Média PIB per capita US 21.800 (2007) Crescimento do PIB 1,9 2,9

Leia mais

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram

Sumário executivo. Em conjunto, as empresas que implementaram 10 Sumário executivo Conclusões coordenadas pela Deloitte, em articulação com os membros do Grupo de Trabalho da AÇÃO 7 Sumário executivo Em conjunto, as empresas que implementaram estes 17 projetos representam

Leia mais

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia

Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia Uma visão geral do sector das energias renováveis na Roménia A Roménia localiza-se geograficamente no centro da Europa (parte sudeste da Europa Central). O país tem,5 milhões de habitantes e abrange uma

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO

COMENTÁRIO DE DESEMPENHO COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1. DESTAQUES A Receita dos Serviços de Locação da Ouro Verde registrou novamente crescimento significativo, de 25,0% na comparação com o 1S13. A receita líquida total, incluindo

Leia mais

Ccent. 2/2015 Caetano*Alintio/Platinium. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 2/2015 Caetano*Alintio/Platinium. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 2/2015 Caetano*Alintio/Platinium Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 50.º da Lei n.º 19/2012, de 8 de maio] 13/02/2015 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES INTRODUÇÃO PRODUÇÃO, PRODUTORES E ESCOAMENTO VALOR DA PRODUÇÃO PRINCIPAIS ESPÉCIES PARA COMERCIALIZAÇÃO MERCADOS, ENQUADRAMENTO MUNDIAL E

Leia mais

Automóveis no mercado norte-americano terão em média 179 kg de alumínio em 2015, diz estudo

Automóveis no mercado norte-americano terão em média 179 kg de alumínio em 2015, diz estudo + Entrevista: Uma questão de combustível + Produção Fábrica de componentes em alumínio fundido deve entrar em operação em 2015 + Transportes Ideais para pegar no pesado + Inovação Inédita, leve e robusta

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal.

LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013. As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal. LUZ AO FUNDO DO TÚNEL TALVEZ SÓ EM 2013 As previsões do Euroconstruct para o sector da construção e da reabilitação em Portugal Vítor Cóias 1. INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a construção em Portugal tem

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

Mais um ano de transição

Mais um ano de transição Mais um ano de transição Boas perspectivas de crescimento nos países emergentes, estagnação na Europa Ocidental, recuperação lenta nos Estados Unidos e avanço das montadoras alemãs e asiáticas devem caracterizar

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 42/2004 MERCEDES BENZ/ C. SANTOS ALVERCA I - INTRODUÇÃO

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 42/2004 MERCEDES BENZ/ C. SANTOS ALVERCA I - INTRODUÇÃO DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 42/2004 MERCEDES BENZ/ C. SANTOS ALVERCA I - INTRODUÇÃO 1. Em 6 de Dezembro de 2004, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Inovar-Auto: Conheça os desafios e as soluções para desenvolver projetos de acordo com o novo regime automotivo brasileiro

Inovar-Auto: Conheça os desafios e as soluções para desenvolver projetos de acordo com o novo regime automotivo brasileiro Inovar-Auto: Conheça os desafios e as soluções para desenvolver projetos de acordo com o novo regime automotivo brasileiro Marcos Cardoso Gerente de desenvolvimento de negócios da National Instruments

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental

3º Seminário. As finanças locais, instrumento da política ambiental 3º Seminário As finanças locais, instrumento da política ambiental Propostas da campanha nacional RFA Índice da apresentação - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT - RFA Nacional - Resumo seminários

Leia mais

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA Agenda Volkswagen Autoeuropa em Portugal Produtos e produção Recursos Humanos Boas práticas preventivas 2/32 Volkswagen Autoeuropa em Portugal 3/32

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL

A INOVAÇÃO EM PORTUGAL A INOVAÇÃO EM PORTUGAL Luís Portela BIAL 2 VIVEMOS NUM QUADRO DE PRONUNCIADO DUALISMO evolução notável na produção de conhecimento científico. acentuado desfasamento em comparação com as economias que

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

A unificação monetária européia

A unificação monetária européia A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007 A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

Resumo de Imprensa. Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008

Resumo de Imprensa. Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008 Resumo de Imprensa Sábado e domingo, 18 e 19 de Outubro de 2008 PÚBLICO (domingo, 19) 1. Bastaram 20 minutos de chuva intensa para criar o caos em Lisboa (pág. 1 e 25) 2. Contestação ao Governo. Manifestação

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio de Janeiro em 1910, quando surgiram Muitos dos agentes importadores

harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio de Janeiro em 1910, quando surgiram Muitos dos agentes importadores Concessionários O setor se expandiu a partir dos anos 50, em resposta ao início da produção automobilística no Brasil. 80 harretes, cavalos e bondes com tração animal dominavam as ruas de São Paulo e Rio

Leia mais

Prevenção de incêndios

Prevenção de incêndios Prevenção de incêndios 1 Prevenção de incêndios Entre 2008 e 2013, os falsos alarmes de incêndio nos centros comerciais da Sonae Sierra dispararam entre 5.000 a 7.000 vezes por ano. Mesmo não pondo em

Leia mais

Assim como o salário mínimo, que passou a ser R$ 788,00 em 2015, todos os mercados tiveram adequações ao longo de 10 anos.

Assim como o salário mínimo, que passou a ser R$ 788,00 em 2015, todos os mercados tiveram adequações ao longo de 10 anos. Curiosidade automotiva Preços de automóveis x salário mínimo A JATO Dynamics do Brasil, líder em fornecimento de informações automotivas, desenvolveu uma análise que apurou o valor do salário mínimo e

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais