RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MATERNIDADE ESCOLA RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE INDICADORES OUTUBRO 2015

2 PACIENTES EXTERNOS Ambulatorial VALORES ACOLHIMENTO NO PRÉ-NATAL 77 ACOLHIMENTO POR TRIMESTRE 1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre ACOLHIMENTO POR DIAGNÓSTICO Hipertensão Diabetes Gemelaridade Adolescente Patologias Fetais Geral ACOLHIMENTO POR FAIXA ETÁRIA < 14 anos 19 a 24 anos 25 a 35 anos > 36 anos ACOLHIMENTO POR IMC Abaixo do peso ( < 18,49) Peso normal ( 18,5 e 24,99) Acima do peso ( 25 e 29,99) Obesidade I Moderada ( 30 e 34,99) Obesidade II Severa ( 35 e 39,99) Obesidade III Mórbida ( acima de 40) CONSULTAS NO PRÉ-NATAL TOTAL DE CONSULTAS POR ESPECIALIDADE Hipertensão Diabetes Gemelaridade Adolescente Patologias Fetais Geral TOTAL DE OUTRAS CONSULTAS MÉDICAS Doença Trofoblástica Gestacional Cardiologia Nutrologia Pediatria Acupuntura Oftalmologia (Pediatria) Psiquiatria Colposcopia TOTAL DE OUTRAS CONSULTAS Enfermagem (DMG + PN) Nutrição Serviço Social Psicologia Fisioterapia Amamentação TOTAL DE SÍFILIS EM GESTANTE TOTAL DE GESTANTE HIPERTENSA TOTAL DE GESTANTE DIABÉTICAS TOTAL DE GESTANTE ADOLESCENTES TOTAL DE GESTANTE GEMELAR TOTAL DE GESTANTE COM PATOLOGIAS FETAIS PERCENTUAL 36 46,7% 30 39,0% 11 14,3% 15 19,0% 3 3,8% 2 2,5% 6 7,6% 14 17,7% 39 49,4% ,4% 18 23,4% 42 54,5% 9 11,7% ,7% 22 28,6% 15 19,5% 11 14,3%

3 ACOLHIMENTO POR TRIMESTRE ACOLHIMENTO POR DIAGNÓSTICO 14,3% 46,7% 19,0% 3,8% 2,5% 39,0% 7,6% 1º Trimestre 2º Trimestre 3º Trimestre 49,4% 17,7% Hipertensão Diabetes Gemelaridade Adolescente Patologias Fetais Geral ACOLHIMENTO POR FAIXA ETÁRIA ACOLHIMENTO POR IMC 10,4% 11,7% 23,4% 19,5% 14,3% 37,7% 54,5% 14 anos 19 a 24 anos 25 a 35 anos 36 anos 28,6% ( < 18,49) ( 18,5 e 24,99) ( 25 e 29,99) ( 30 e 34,99) ( 35 e 39,99) ( acima de 40)

4 Gestante Puérpera Abortamento Retirada de Pontos Laqueadura Tubária Doença Trofoblástica Gestacional Emergência ATENDIMENTO NA EMERGÊNCIA PERFIL DE PACIENTES ATENDIDAS Por Tipo de Atendimento Por Faixa Etária < 14 anos 19 a 34 anos > 35 anos Por IMC* (Pacientes Internadas) Abaixo do peso ( < 18,49) Peso normal ( 18,5 e 24,99) Acima do peso ( 25 e 29,99) Obesidade I Moderada ( 30 e 34,99) Obesidade II Severa ( 35 e 39,99) Obesidade III Mórbida ( acima de 40) Maternidade Escola UBS Referência Cegonha (CAP 2.1) Outras unidades (CAPs) Sem Pré-Natal Rede Privada (sem registro) Cefaléia Dor em Baixo Ventre / Cólicas Internação Eletiva Queixas Urinárias Sangramento Perda de Líquido Dor Lombar Febre Vômito / Nâuseas Dor na Ferida Operatória Dor na Episiorrafia Período Expulsivo Queixas Mamárias Outras Internação Transferência Liberadas Não atendeu ao chamado/revelia Por Pré-Natal de Origem Por Queixas DESTINO DAS PACIENTES ATENDIDAS TEMPO DE ESPERA PARA ATENDIMENTO MÉDICO * Não incluídas internações emergênciais *Não foram enviados os indicadores referentes a este mês VALORES 714 PERCENTUAL ,1% 28 3,9% 15 2,1% 35 4,9% 3 0,4% 9 1,3% 9 1,3% 9 1,3% 79 11,2% ,8% ,7% ,5% ,9% ,3% 84 12,3% 50 7,1% 41 5,8% ,4% ,1% 11 1,5% 31,6 30 min

5 1,3% 1,3% 0,4% PERFIL DAS PACIENTES ATENDIDAS NA EMERGÊNCIA Por Categoria 4,9% 2,1% 86,1% 3,9% Gestante Puérpera Abortamento Retirada de Pontos Laqueadura Tubária Doença Trofoblástica Gestacional PERFIL DAS PACIENTES ATENDIDAS NA EMERGÊNCIA Por Faixa Etária 68,8% 11,2% 1,3% 18,7% 14 anos 19 a 34 anos 35 anos 12,3% PERFIL DAS PACIENTES ATENDIDAS NA EMERGÊNCIA Por Pré-Natal de Origem 7,1% 5,8% 18,3% 28,5% 27,9% Maternidade Escola UBS Referência Cegonha (CAP 2.1) Outras unidades (CAPs) Sem Pré-Natal Rede Privada (sem registro) DESTINO DAS PACIENTES ATENDIDAS 30,4% 68,1% 1,5% Internação Transferência Liberadas Não atendeu ao chamado PERFIL DAS PACIENTES ATENDIDAS NA EMERGÊNCIA Por IMC (Pacientes internadas) Abaixo do peso ( < 18,49) Peso normal ( 18,5 e 24,99) Acima do peso ( 25 e 29,99) Obesidade I Moderada ( 30 e 34,99) Obesidade II Severa ( 35 e 39,99) Obesidade III Mórbida ( acima de 40)

6 INTERNAÇÕES OBSTÉTRICAS Clínicas Cirúrgicas Reinternações Obstétricas Clínicas Obstétricas Cirúrgicas Obstétricas Clínicas Obstétricas Cirúrgicas Obstétricas Clínicas Obstétricas Cirúrgicas < 14 anos 19 a 34 anos > 35 anos Na AP 2.1 Outras Aps Munícipios Estados PACIENTES INTERNOS Hospitalar Obstétrico PERFIL DE INTERNAÇÕES OCUPAÇÃO MÉDIA PACIENTE / DIA MÉDIA PERMANÊNCIA / DIA PERFIL DE PACIENTES INTERNADAS* Por Faixa Etária Por Localidade VALORES 217 PERCENTUAL 41 18,9% ,6% 1 0,5% ,8% ,9% 6,2 23,4 4,7 3,8 6 2,8% 25 11,6% ,3% 44 20,3% ,3% 90 41,7% 26 12,0% 0 * Não estão incluídas as reinternações PERFIL DE INTERNAÇÕES PERFIL DE PACIENTES INTERNADAS Por Faixa Etária 0,5% 18,9% 2,8% 11,6% 20,3% 65,3% 80,6% Clínicas Cirúrgicas Reinternações < 14 anos 19 a 34 anos > 35 anos PERFIL DE PACIENTES INTERNADAS Por Localidade OCUPAÇÃO 12,0% 77,8% 46,3% 68,9% 41,7% Na AP 2.1 Outras Aps Munícipios Estados Obstetrica Clínica Obstetrica Cirúrgica

7 INTERNAÇÕES NEONATAIS Alojamento Conjunto UI Neonatal (Canguru e URN) UTI Neonatal Alojamento Conjunto* UI Neonatal (Canguru e URN) UTI Neonatal Alojamento Conjunto UI Neonatal (Canguru e URN) UTI Neonatal Hospitalar Neonatal PERFIL DE INTERNAÇÕES OCUPAÇÃO MÉDIA PACIENTE / DIA VALORES Alojamento Conjunto 6,7 UI Neonatal (Canguru e URN) 8,4 UTI Neonatal 8,7 PERFIL DE RECÉM NASCIDOS INTERNADOS NA UTI NEONATAL Por Diagnóstico Premaruridade Má-Formações Desconforto Respiratório Sofrimento Fetal / Aspiração Meconial Isoimunização / Icterícia Reinternações 22 a 27 sem 28 a 31 sem 32 a 36 sem 37 a 40 sem > 41 sem < 1000 g 1000 a 1499 g 1500 a 1999 g 2000 a 2499 g 2500 g MÉDIA PERMANÊNCIA / DIA Por Idade Gestacional ** Por Peso Por Diagnóstico Antibioticoterapia Isoimunização / Icterícia Hipoglicemia Reinternações * Ocupação total dos RNs internados ou em alojamento conjunto * * Não estão incluídas as reinternações PERCENTUAL ,7% 84 33,1% ,4% 17 2,7 7,9 9 31,0% 3 10,3% 7 24,1% 0 1 3,5% 4 13,8% 5 17,2% 2 8,0% 1 4,0% ,0% 0 1 3,4% 2 6,9% 2 6,9% 6 20,7% 18 62,1% PERFIL DE RECÉM NASCIDOS INTERNADOS NO ALOJAMENTO CONJUNTO 58,7% OCUPAÇÃO 33,1% 49,4% Aloj. Conj. UI Neonatal UTI Neonatal

8 PERFIL DE RNs INTERNADOS NA UTI NEONATAL Por Idade Gestacional 8,0% 4,0% PERFIL DOS RNs INTERNADOS NA UTI NEONATAL Por Peso 48,0% 4 3,4% 6,9% 6,9% 22 a 27 sem 28 a 31 sem 32 a 36 sem 37 a 40 sem 41 sem 62,1% 20,7% < 1000 g 1000 a 1499 g 1500 a 1999 g 2000 a 2499 g 2500 g PERFIL DOS RNs INTERNADOS NA UTI NEONATAL Por Diagnóstico 17,2% 31,0% 13,8% 3,5% 24,1% 10,3% Premaruridade Má-Formações Desconforto Respiratório Sofrimento Fetal / Aspiração Mecônial Isoimunização / Ictéricia Reinternações

9 Hospitalar Setorial Centro Obstétrico PROCEDIMENTO CIRÚRGICO PROCEDIMENTOS REALIZADOS VALORES 209 PERCENTUAL Analgesia 22 10,5% Aspiração Uterina elétrica à vácuo 15 7,2% Cesárea 70 33,5% Parto Transpélvico 71 34,0% Cerclagem 0 Curetagem 18 8,6% Drenagem de Mama 0 Fetoscopia 1 0,5% Laparotomia 0 Laqueadura Tubária por Videolaparoscopia 2 1,0% Laqueadura Tubária por laparotomia 3 1,4% Revisão de Colo 0 7 3,3% TOTAL DE PARTOS NO PERÍODO CESÁREA ,7% CESÁREA EM PRIMÍPARAS 24 17,0% CESÁREA EM ADOLESCENTES 8 5,7% PARTOS TRANSPÉLVICOS 71 50,3% PARTOS TRANSPÉLVICOS COM EPISIOTOMIA 19 26,8% PARTOS CEGONHA CARIOCA 93 66,0% TOTAL DE NASCIDOS VIVOS NO PERÍODO 138 PERFIL DE NASCIDOS VIVOS* Por Idade Gestacional 22 a 27 sem 28 a 31 sem 32 a 36 sem 37 a 40 sem > 41 sem Por Peso < 1000 g 1000 a 1499 g 1500 a 1999 g 2000 a 2499 g 2500 g PERFIL DO ATENDIMENTO ASSISTÊNCIAL NO CENTRO OBSTÉTRICO Procedimentos Realizados para Alívio da Dor Durante o Parto Transpélvico Não Farmacológicos 55 77,5% Banho Morno Exercícios Respiratórios Exercícios Pélvicos Deambulação Massagem Bola Aromoterapia Escalda pé Musicoterapia Farmacológicos 22 21,2% Analgesia ACOMPANHANTES DO PARTO ,9% ALEITAMENTO MATERNO PRECOCE ,1% APGAR < QUE 7 NO 5º MINUTO DE VIDA * Não foram enviados os indicadores referentes a este mês

10 TAXAS DOS PARTOS 66,0% 49,7% 50,3% 26,8% 17,0% 5,7% CESÁREA CESÁREA EM PRIMÍPARAS CESÁREA EM ADOLESCENTES PARTOS TRANSPÉLVICOS PARTOS PARTOS CEGONHA TRANSPÉLVICOS CARIOCA COM EPISIOTOMIA NASCIDOS VIVOS POR IDADE GESTACIONAL NASCIDOS VIVOS POR PESO 22 a 27 sem 28 a 31 sem 32 a 36 sem 37 a 40 sem > 41 sem < 1000 g 1000 a 1499 g 1500 a 1999 g 2000 a 2499 g 2500 g METODOS PARA ALIVIO DA DOR Parto Transvaginal 97,9% TAXAS IMPORTANTES 97,1% 77,5% 21,2% 18,8% Não Farmacológicos Farmacológicos - Analgesia Não Utilizaram nenhum método ACOMPANHANTES NO PARTO ALEITAMENTO MATERNO PRECOCE APGAR < QUE 7 NO 5º MINUTO DE VIDA Procedimentos Cirurgicos 33,5% 34,0% 10,5% 7,2% 8,6% 0,5% 1,0% 1,4% 3,3%

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MATERNIDADE ESCOLA RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE INDICADORES SETEMBRO 2015 PACIENTES EXTERNOS Ambulatorial VALORES ACOLHIMENTO NO PRÉ-NATAL 79 ACOLHIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MATERNIDADE ESCOLA RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE INDICADORES AGOSTO / 2015 PACIENTES EXTERNOS Ambulatorial VALORES ACOLHIMENTO NO PRÉ-NATAL 97 ACOLHIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MATERNIDADE ESCOLA RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE INDICADORES JULHO / 2015 PACIENTES EXTERNOS Ambulatorial VALORES ACOLHIMENTO NO PRÉ-NATAL 89 ACOLHIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MATERNIDADE ESCOLA RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE INDICADORES ABRIL 2016 PACIENTES EXTERNOS Ambulatorial VALORES ACOLHIMENTO NO PRÉ-NATAL 69 TAXA DE

Leia mais

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE

RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MATERNIDADE ESCOLA RELATÓRIO DIVISÃO ADJUNTA DE ATENÇÃO À SAÚDE INDICADORES MAIO 2017 ACOLHIMENTO NO PRÉ-NATAL PACIENTES EXTERNOS Ambulatorial TAXA DE ACOLHIMENTO

Leia mais

ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA

ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA ADMISSÃO DA PACIENTE NA ENFERMAGEM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA É o atendimento

Leia mais

PROGRAMA CQH - COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES HOSPITAIS SELADOS TAXA DE OCUPAÇÃO HOSPITALAR*

PROGRAMA CQH - COMPROMISSO COM A QUALIDADE HOSPITALAR INDICADORES HOSPITAIS SELADOS TAXA DE OCUPAÇÃO HOSPITALAR* TAXA DE OCUPAÇÃO HOSPITALAR* 100% 90% 80% 70% Mediana 76,65% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 3º trimestre de 2008 1 ÍNDICE DE ROTATIVIDADE DO LEITO* 9,0 8,0 7,0 Mediana 5,88 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 3º trimestre

Leia mais

ESTATÍSTICA HNSC

ESTATÍSTICA HNSC ESTATÍSTICA HNSC - 2014 DADOS ESTATÍSTICOS - LEITOS Total geral de leitos Total de leitos para internação Total de leitos para observação Total de leitos para alojamento canguru Leitos do nos setores de

Leia mais

A ENFERMAGEM E A ORGANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA À MULHER NO PARTO E NASCIMENTO NO ÂMBITO DO SUS. Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018

A ENFERMAGEM E A ORGANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA À MULHER NO PARTO E NASCIMENTO NO ÂMBITO DO SUS. Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018 A ENFERMAGEM E A ORGANIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA À MULHER NO PARTO E NASCIMENTO NO ÂMBITO DO SUS Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018 LEI n. 7.498 / 86 - COFEN EXERCÍCIO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM Cabe ao ENFERMEIRO,

Leia mais

ENFERMAGEM. SAÚDE DA MULHER Assistência de Enfermagem ao Parto/Aborto. Parte 4. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM. SAÚDE DA MULHER Assistência de Enfermagem ao Parto/Aborto. Parte 4. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM SAÚDE DA MULHER Assistência de Enfermagem ao Parto/Aborto Parte 4 Profª. Lívia Bahia Assistência de enfermagem durante o Parto Cesáreo A cesariana é uma operação pela qual o feto é liberado

Leia mais

SISHAC - INDICADORES ASSISTENCIAIS

SISHAC - INDICADORES ASSISTENCIAIS 1. NÚMERO DE LEITOS/DIA POR CLÍNICA CREDENCIADOS Clínica Médica 51 51 51 51 51 51 51 51 51 51 51 561 51,0 Clínica Cirúrgica 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 30 330 30,0 Clínica Pediátrica 33 33 33 33 33 33

Leia mais

REGIMENTO INTERNO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE ATENÇAO HOSPITALAR, URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

REGIMENTO INTERNO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE ATENÇAO HOSPITALAR, URGÊNCIA E EMERGÊNCIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE ATENÇAO HOSPITALAR, URGÊNCIA E EMERGÊNCIA COORDENADORIA DE EMERGÊNCIA REGIONAL DA AP 5.1 COORDENADORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA HOSPITAL MUNICIPAL DA MULHER

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna

Programa Analítico de Disciplina EFG361 Enfermagem Materna 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 7 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Média de pacientes-dia por unidade maio/2018. Evolução da média geral de pacientes-dia no período de junho/ 2017 a maio/2018

Média de pacientes-dia por unidade maio/2018. Evolução da média geral de pacientes-dia no período de junho/ 2017 a maio/2018 Média de pacientes-dia por unidade maio/2018. 25,00 20,00 15,00 15,26 18,42 20,23 20,19 11,61 17,23 16,39 15,10 10,00 5,00 4,13 8,13 5,84 0,00 Cirúrgica Médica RUE I RUE II RUE III Obstétrica Ginecológica

Leia mais

CRONOGRAMA ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Data Professor (a) Disciplina. Profª Ms. Evanira. Profª Esp.

CRONOGRAMA ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM OBSTÉTRICA Data Professor (a) Disciplina. Profª Ms. Evanira. Profª Esp. CRONOGRAMA ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM OBSTÉTRICA -2012 Data Professor (a) Disciplina Carga Horária (h/a) 10/02/2012 Profª Ms. Evanira Apresentação do Curso Profª Ms. Evanira Legislação na 11/02/2012

Leia mais

Cenário da Saúde da Criança e Aleitamento Materno no Brasil

Cenário da Saúde da Criança e Aleitamento Materno no Brasil Cenário da Saúde da Criança e Aleitamento Materno no Brasil Tatiana Coimbra Coordenadora Adjunta da Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno Taxa de Mortalidade Infantil. Brasil e regiões,

Leia mais

Ficha de Investigação de Óbito Infantil

Ficha de Investigação de Óbito Infantil MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Ficha de Investigação de Óbito Infantil Serviço de saúde hospitalar 1 da Criança N do Caso I2 2 da mãe

Leia mais

Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade

Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade - 2016 Média Complexidade Hospitalar % jan/16 fev/16 mar/16 abr/16 mai/16 jun/16 jul/16 ago/16 set/16 out/16 nov/16 dez/16 média realizado Procedimento

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA

HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA 3º TRIMESTRE

Leia mais

SMS, que representasse os projetos e ações, unificando os serviços e construindo uma imagem positiva

SMS, que representasse os projetos e ações, unificando os serviços e construindo uma imagem positiva Rede Cegonha PORTARIA No- 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011 Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha Com objetivo de assegurar: APRESENTAÇÃO - Organizar a Rede de Atenção à Saúde

Leia mais

FAMERV Faculdade de Medicina de Rio Verde Fazenda Fontes do Saber Campus Universitário Rio Verde - Goiás

FAMERV Faculdade de Medicina de Rio Verde Fazenda Fontes do Saber Campus Universitário Rio Verde - Goiás PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Medicina Integrada à Saúde da Comunidade - MISCO IV Código da Disciplina: MED223 Curso: Medicina Semestre de oferta da disciplina: 4 Faculdade responsável: Faculdade

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 % 2 1,9 1,56 2,1 1,6 1,84 1,17 1,25 1 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 1,5 1,45 % 1,92,64,76,5

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 PRÉ-REQUISITO (R4) PROVA ESCRITA

RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 PRÉ-REQUISITO (R4) PROVA ESCRITA 1 OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA / ULTRASSONOGRAFIA 1) Secundípara com 26 anos deu à luz por parto vaginal a recém-nascido (RN) a termo que pesou 3.450g. Ambos assintomáticos receberam alta no terceiro dia.

Leia mais

GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA PLANO DE CURSO GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Objetivos do Programa Tornar o médico residente em Obstetrícia e Ginecologia apto a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as afecções relacionadas

Leia mais

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 11. Profª. Lívia Bahia

ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA. Parte 11. Profª. Lívia Bahia ENFERMAGEM ATENÇÃO BÁSICA E SAÚDE DA FAMÍLIA Parte 11 Profª. Lívia Bahia Enfermagem no acompanhamento do Pré Natal de baixo risco na Atenção Básica Avaliação e Classificação do Risco Gestacional Devido

Leia mais

Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013

Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013 Hospital Sofia Feldman: compromisso com a VIDA. Florianópolis, novembro de 2013 Criado há 31 anos, é uma instituição filantrópica de direito privado, conveniado com o Sistema Único de Saúde, prestador

Leia mais

ASSISTÊNCIA NO PRÉ-PARTO, PARTO E PUERPÉRIO. Enf Obstetra Karin Scheffel

ASSISTÊNCIA NO PRÉ-PARTO, PARTO E PUERPÉRIO. Enf Obstetra Karin Scheffel ASSISTÊNCIA NO PRÉ-PARTO, PARTO E PUERPÉRIO Enf Obstetra Karin Scheffel Como a enfermagem deve atuar?? Sala de parto- CO PPP Papel da enfermagem: Os cuidados de enfermagem no parto humanizado apresentados

Leia mais

Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade

Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade - 2017 Contratualizado Quantidade Média Complexidade Hospitalar % jan/17 fev/17 mar/17 abr/17 mai/17 jun/17 jul/17 ago/17 set/17 out/17 nov/17

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA

HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA 1º TRIMESTRE

Leia mais

Cronograma Pós-Graduação Enfermagem Obstétrica

Cronograma Pós-Graduação Enfermagem Obstétrica Cronograma Pós-Graduação 2010-2 Data Professor (a) Disciplina Carga Horária (h/a) 27/08/10 Apresentação do Curso 28/08/2010 Esp. Janice Hamud Assistência ao Pré-Natal de baixo risco (Revisão de embriologia

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 2,2 2,2 2,2 % 2 1 1,28 1,47 1,79 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 % 1,5 1,21 1,28 1,96,96,96,5

Leia mais

ESTATÍSTICA HNSC

ESTATÍSTICA HNSC ESTATÍSTICA HNSC - 2007 DADOS ESTATÍSTICOS - LEITOS geral de leitos de leitos para internação de leitos para observação de leitos projeto Canguru Leitos do nos setores de internação na UTI adulto na UTI

Leia mais

PRONTUÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DA GESTAÇÃO

PRONTUÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DA GESTAÇÃO UBS: ACOLHIMENO Data: / /20 DADOS DA USUÁIA / GESANE Nº SISPENAAL: 35/ -.. Prontuário Nº CNS: Usuária/Gestante Nome da Mãe da Usuária/Gestante: Data Nascimento: / / Idade: anos PSF: Área: Microárea: Local

Leia mais

ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA

ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA ATENÇÃO ÀS MULHERES Cada morte materna evitável deve nos causar indignação ao ponto de buscarmos melhorias para a assistência à saúde da mulher e do recém-nascido e essa mudança deve ser iniciada nas portas

Leia mais

Acesso ao pré-natal garantido segundo os critérios de qualidade do Ministério da Saúde

Acesso ao pré-natal garantido segundo os critérios de qualidade do Ministério da Saúde Guia de Dicas de Políticas Públicas 65 RESULTADO SISTÊMICO 5 Acesso ao pré-natal garantido segundo os critérios de qualidade do Ministério da Saúde Garantir a oferta de um pré-natal de qualidade é uma

Leia mais

GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA - CAMPINAS PLANO DE CURSO. 1. NOME DO PROGRAMA: Residência em Ginecologia e Obstetrícia

GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA - CAMPINAS PLANO DE CURSO. 1. NOME DO PROGRAMA: Residência em Ginecologia e Obstetrícia GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA - CAMPINAS PLANO DE CURSO DADOS GERAIS: 1. NOME DO PROGRAMA: Residência em Ginecologia e Obstetrícia 2. DURAÇÃO: 3 (três) anos 3. PRÉ-REQUISITOS: Graduação em Medicina 4. CARGA

Leia mais

Nº TITULO AUTORES MODALIDADE DATA APRESENTAÇÃO 1 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO À MULHER NO Marta de Oliveira Nascimento POSTER 24/03 M

Nº TITULO AUTORES MODALIDADE DATA APRESENTAÇÃO 1 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO À MULHER NO Marta de Oliveira Nascimento POSTER 24/03 M 1- SAÚDE DA MULHER RESULTADO DA AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS IV SEMINÁRIO: SAÚDE DA MULHER NO CICLO VITAL III SEMINÁRIO: SAÚDE DA MULHER, AS QUESTÕES DE GÊNERO E VIOLÊNCIA Nº TITULO AUTORES MODALIDADE

Leia mais

Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade

Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade Acompanhamento Contratualização Média e Alta Complexidade - 2018 Contratualizado Quantidade Média Complexidade Hospitalar % jan/18 fev/18 mar/18 abr/18 mai/18 jun/18 jul/18 ago/18 set/18 out/18 nov/18

Leia mais

MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL

MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL MOVIMENTO GERAL DO HOSPITAL SERVIÇOS OFERECIDOS PELO HOSPITAL OBJETIVO: Oferecer aos nossos clientes, pacientes, profissionais, médicos, enfermagem, técnicos e administrativos, dentro do possível, um hospital

Leia mais

PLANO DE CURSO PEDIATRIA

PLANO DE CURSO PEDIATRIA PLANO DE CURSO PEDIATRIA I- OBJETIVOS DO PROGRAMA Objetivos Gerais Prestar assistência integral ao ser humano em crescimento e desenvolvimento; Atuar no contexto de um ambiente em constantes transformações

Leia mais

Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças. Prof. Ricardo Mattos UNIG,

Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças. Prof. Ricardo Mattos UNIG, Saúde Integral da Mulher Aula 20 Pré-Natal de Alto Risco IV: Doenças Obstétricas Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Neoplasia Trofoblástica Gestacional Mola Hidatiforme A freqüência é de 1 caso para cada

Leia mais

Secretaria Estadual de Saúde Secretaria Executiva de Atenção à Saúde Diretoria Geral de Modernização e Monitoramento de Atenção à Saúde

Secretaria Estadual de Saúde Secretaria Executiva de Atenção à Saúde Diretoria Geral de Modernização e Monitoramento de Atenção à Saúde 2º Trimestre do 3º Ano do Contrato Fevereiro a Abril de 2016 Secretaria Estadual de Saúde Secretaria Executiva de Atenção à Saúde Diretoria Geral de Modernização e Monitoramento de Atenção à Saúde Perfil:

Leia mais

31/08/2015. Obstetrícia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Diagnóstico. Beta- hch. hormônio gonadotrófico coriônico

31/08/2015. Obstetrícia. Profa Elaine C. S. Ovalle. Diagnóstico. Beta- hch. hormônio gonadotrófico coriônico Fisioterapia na Saúde da Mulher Obstetrícia Profa Elaine C. S. Ovalle Beta- hch Diagnóstico hormônio gonadotrófico coriônico 1 Conceitos - Embrião: até a 8ª semana - Feto: 9ª semana até o nascimento -

Leia mais

MERCADO DA SAÚDE: ATENDIMENTO À GESTANTE

MERCADO DA SAÚDE: ATENDIMENTO À GESTANTE ATENDIMENTO À GESTANTE Equipe visita hospital modelo no atendimento a gestantes e bebês - Visita realizada pela Equipe técnica da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). - Hospital Sofia Feldman, em Belo

Leia mais

Hospital Materno Infantil Presidente Vargas SMS PMPA

Hospital Materno Infantil Presidente Vargas SMS PMPA Hospital Materno Infantil Presidente Vargas SMS PMPA Inaugurada em 1953. Gestão municipal desde 2000 (ano em que recebeu o selo Amigo da Criança). Direção HMIPV Geral: Marcos Slompo Técnico: Felipe Cabral

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ENTREVISTA POR TELEFONE 45 A 60 DIAS APÓS O PARTO Nº DO QUESTIONÁRIO DE ENTREVISTA NA MATERNIDADE: Nome da entrevistada:

INSTRUMENTO PARA ENTREVISTA POR TELEFONE 45 A 60 DIAS APÓS O PARTO Nº DO QUESTIONÁRIO DE ENTREVISTA NA MATERNIDADE: Nome da entrevistada: INSTRUMENTO PARA ENTREVISTA POR TELEFONE 45 A 60 DIAS APÓS O PARTO Nº DO QUESTIONÁRIO DE ENTREVISTA NA MATERNIDADE: Nome da entrevistada: Data do parto / / Entrevistador: Data da Entrevista / / Revisado

Leia mais

GRUPO PERINATAL PIONEIRISMO E EXCELÊNCIA. ESSA É A NOSSA VOCAÇÃO.

GRUPO PERINATAL PIONEIRISMO E EXCELÊNCIA. ESSA É A NOSSA VOCAÇÃO. GUIA DO MÉDICO GRUPO PERINATAL PIONEIRISMO E EXCELÊNCIA. ESSA É A NOSSA VOCAÇÃO. PRÉ-NATAL MEDICINA FETAL DIAGNÓSTICA CIRURGIA FETAL E NEONATAL OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA NEONATOLOGIA CENTRO DE CIRURGIA

Leia mais

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD

Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD Laboratório de Inovação em Atenção Domiciliar - AD MATRICIAMENTO PEDIÁTRICO EM AD NO DF Colaboradores: Bibiana Coelho Monteiro, Elaine Horta de Souza, Eduardo André Viana Alves e Maria Leopoldina de Castro

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATOS DE GESTÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO METAS QUALITATIVAS FEVEREIRO/2016

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATOS DE GESTÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO METAS QUALITATIVAS FEVEREIRO/2016 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATOS DE GESTÃO RELATÓRIO DE EXECUÇÃO METAS QUALITATIVAS FEVEREIRO/2016 INSTITUTO SANTÉ HOSPITAL REGIONAL TEREZINHA GAIO BASSO SÃO MIGUEL DO OESTE/FEVEREIRO DE 2016 2

Leia mais

INSERÇÃO DE DIU NO PÓS-PARTO E PÓS-ABORTO

INSERÇÃO DE DIU NO PÓS-PARTO E PÓS-ABORTO OBSTETRÍCIA INSERÇÃO DE DIU NO PÓS-PARTO E PÓS-ABORTO Rotinas Assistenciais da Maternidade Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro Os Contraceptivos Reversíveis de Longa Duração podem ser oferecidos

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. (11) Opção 2 - Opção 2. Nome do Profissional. Data. Ligue!

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. (11) Opção 2 - Opção 2. Nome do Profissional. Data. Ligue! cegonha@trasmontano.com.br CARTÃO DA GESTANTE Nome: Endereço: Bairro: Município: UF: Telefone: Celular: AGENDAMENTO Hora Nome do Profissional Sala Ligue! (11) 3293 1515 Opção 2 - Opção 2 P R O G R A M

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO DE GESTÃO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO DE EXECUÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO DE GESTÃO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO DE EXECUÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATO DE GESTÃO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO DE EXECUÇÃO METAS QUALITATIVAS DEZEMBRO/2018 INSTITUTO SANTÉ HOSPITAL REGIONAL TEREZINHA GAIO BASSO SÃO MIGUEL DO OESTE/DEZEMBRO

Leia mais

CADA VIDA CONTA. Reconhecido pela: Parceria oficial: Realização:

CADA VIDA CONTA. Reconhecido pela: Parceria oficial: Realização: CADA VIDA CONTA Reconhecido pela: Parceria oficial: Realização: PREVENÇÃO DE DISTÓCIA DEFINIÇÃO Trabalho de parto disfuncional DIAGNÓSTICO DE DISTÓCIAS 1º período do TP Fase de dilatação Fase ativa prolongada

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. Nome. Endereço. Município. Bairro. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. ANS- nº

CARTÃO DA GESTANTE AGENDAMENTO. Nome. Endereço. Município. Bairro. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. ANS- nº CARTÃO DA GESTANTE Nome ANS- nº 0004 Endereço Município Bairro Telefone Nome da Operadora Registro ANS AGENDAMENTO Hora Nome do profissional Sala ANS- nº 0004 1 Idade Estado Civil Peso anterior Altura (cm)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS SERVIÇO DE PEDIATRIA OPERAÇÃO INVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS SERVIÇO DE PEDIATRIA OPERAÇÃO INVERNO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS SERVIÇO DE PEDIATRIA OPERAÇÃO INVERNO HMIPV O HMIPV é um hospital próprio municipal 100% SUS,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATOS DE GESTÃO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO DE EXECUÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATOS DE GESTÃO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO DE EXECUÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE CONTRATOS DE GESTÃO XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX RELATÓRIO DE EXECUÇÃO METAS QUALITATIVAS JUNHO/2016 INSTITUTO SANTÉ HOSPITAL REGIONAL TEREZINHA GAIO BASSO 2 SÃO MIGUEL DO OESTE/JUNHO

Leia mais

Disciplina: ESTÁGIO EM CLÍNICA PEDIÁTRICA - MÓDULO NEONATOLOGIA

Disciplina: ESTÁGIO EM CLÍNICA PEDIÁTRICA - MÓDULO NEONATOLOGIA Disciplina: ESTÁGIO EM CLÍNICA PEDIÁTRICA - MÓDULO NEONATOLOGIA 1. Características Gerais Disciplina obrigatória Cenários de prática Hospital das Clínicas/UFMG - 4º andar Hospital Risoleta Tolentino Neves/UFMG

Leia mais

GESTANTE CARTÃO DA AGENDAMENTO NOME ENDEREÇO BAIRRO MUNICÍPIO UF TELEFONE NOME DA OPERADORA POSTAL SAÚDE. REGISTRO ANS nº

GESTANTE CARTÃO DA AGENDAMENTO NOME ENDEREÇO BAIRRO MUNICÍPIO UF TELEFONE NOME DA OPERADORA POSTAL SAÚDE. REGISTRO ANS nº CARTÃO DA GESTANTE NOME ENDEREÇO BAIRRO MUNICÍPIO UF TELEFONE NOME DA OPERADORA POSTAL SAÚDE REGISTRO ANS nº 41913-3 AGENDAMENTO Data Hora Nome do Profissional Sala Carta de Informação à Gestante O parto

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL DE DADOS CONVÊNIO PARTO SEGURO À MÃE PAULISTANA - CEJAM

RELATÓRIO GERENCIAL DE DADOS CONVÊNIO PARTO SEGURO À MÃE PAULISTANA - CEJAM RELATÓRIO GERENCIAL DE DADOS CONVÊNIO PARTO SEGURO À MÃE PAULISTANA - CEJAM Outubro 2018 Hospitais Municipais com Parto Seguro Prof. Dr. Alípio Correa Netto Dr. Fernando Mauro Pires da Rocha Dr. José Soares

Leia mais

B E M H. - Boletim Estatístico do Movimento Hospitalar - UFSC - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE PRONTUÁRIO DO PACIENTE

B E M H. - Boletim Estatístico do Movimento Hospitalar - UFSC - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE PRONTUÁRIO DO PACIENTE UFSC - HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE PRONTUÁRIO DO PACIENTE SEÇÃO DE ARQUIVO E ESTATÍSTICA B E M H - Boletim Estatístico do Movimento Hospitalar - Ano: 2016 HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Serviço de Prontuário

Leia mais

Hospital Geral de Itapecerica da Serra - Seconci-SP OSS

Hospital Geral de Itapecerica da Serra - Seconci-SP OSS 1 - PRONTO SOCORRO 1.1 - Atendimento de Urgência e/ou Emergência Segundo Especialidade Especialidade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov ez % Clínica Pediátrica 2131 2132 3541 4612 3604 3159 2596

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO PROGRAMA DE DISCIPLINA ANEXO I: Modelo de Programa de Disciplina (elaborar em conformidade com o Projeto Pedagógico do Curso) PROGRAMA DE DISCIPLINA NOME COLEGIADO CÓDIGO SEMESTRE Estágio Supervisionado II Enfermagem ENFE0076

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

CARTÃO DA GESTANTE. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial,

Leia mais

Consulta odontológica

Consulta odontológica Consulta odontológica 18 17 16 15 14 13 12 11 21 22 23 24 25 26 27 28 48 47 46 45 44 43 42 41 31 32 33 34 35 36 37 38 Legenda *- Mancha branca ativa Ca - Lesão cavitada ativa PF - Prótese fi xa O - Mancha

Leia mais

GESTANTE CARTÃO DA. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala

GESTANTE CARTÃO DA. Agendamento. Nome. Endereço. Bairro Município UF. Telefone. Nome da Operadora. Registro ANS. Data Hora Nome do profissional Sala FUNDAÇÃO CHESF DE ASSISTÊNCIA E SEGURIDADE SOCIAL CARTÃO DA GESTANTE Nome Endereço Bairro Município UF Telefone Nome da Operadora Registro ANS Agendamento Hora Nome do profissional Sala 1 Carta de Informação

Leia mais

A ASSISTÊNCIA IMEDIATA AO RECÉM- NASCIDO. Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018

A ASSISTÊNCIA IMEDIATA AO RECÉM- NASCIDO. Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018 A ASSISTÊNCIA IMEDIATA AO RECÉM- NASCIDO Profa. Dra. Emilia Saito Abril 2018 ASSISTÊNCIA IMEDIATA AO RECÉM-NASCIDO Ao nascimento, a maioria dos RN apresenta boa vitalidade e não necessita de manobras de

Leia mais

Relatório - Atividade de Qualidade

Relatório - Atividade de Qualidade Nº Prontuários Revisados 50 Nº Relatórios de Altas Completos 48 Comissão de Prontuários Nº de Óbitos Fetais com Peso 4 Nº de Óbitos Fetais com Peso 1 Nº de Óbitos Instituicionais 12 Nº de Óbitos Maternos

Leia mais

Relatório - Atividade de Qualidade

Relatório - Atividade de Qualidade Nº Prontuários Revisados 50 Nº Relatórios de Altas Completos 49 Comissão de Prontuários Nº de Óbitos Fetais com Peso 4 Nº de Óbitos Fetais com Peso 1 Nº de Óbitos Instituicionais 14 Nº de Óbitos Maternos

Leia mais

Relatório - Atividade de Qualidade

Relatório - Atividade de Qualidade Nº Prontuários Revisados 30 Nº Relatórios de Altas Completos 30 Comissão de Prontuários Nº de Óbitos Fetais com Peso 0 Nº de Óbitos Fetais com Peso 0 Nº de Óbitos Instituicionais 6 Nº de Óbitos Maternos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CONCURSO DOCENTE, EDITAL Nº 14/2015 PONTOS DAS PROVAS ESCRITA E DIDÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CONCURSO DOCENTE, EDITAL Nº 14/2015 PONTOS DAS PROVAS ESCRITA E DIDÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CONCURSO DOCENTE, EDITAL Nº 14/2015 PONTOS DAS PROVAS ESCRITA E DIDÁTICA MATÉRIA: NEUROPSICOLOGIA 1. Modelos nomotéticos e ideográficos

Leia mais

Cartão da Gestante. Cartão da Gestante. REAL GRANDEZA - Fundação de Previdência e Assistência Social Agendamento. Data Hora Profissional Sala

Cartão da Gestante. Cartão da Gestante. REAL GRANDEZA - Fundação de Previdência e Assistência Social Agendamento. Data Hora Profissional Sala Operadora REAL GRANDEZA - Fundação de Previdência e Assistência Social Registro ANS 33131-7 Agendamento Data Hora Profissional Sala Carta de Informação à Gestante O parto é um momento muito especial, que

Leia mais

CARTÃO DA GESTANTE CARTÃO DA GESTANTE. Central de agendamento: Dúvidas sobre sua gestação: Nome.

CARTÃO DA GESTANTE CARTÃO DA GESTANTE. Central de agendamento: Dúvidas sobre sua gestação: Nome. CARTÃO DA GESTANTE CARTÃO DA GESTANTE Central de agendamento: 2463-6000 Dúvidas sobre sua gestação: 2463-6052 Nome Endereço Bairro Município UF www.nextsaude.com.br Telefone Anotações: Agendamento: Hora

Leia mais

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL.

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL. PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: ENFERMAGEM OBSTÉTRICA E NEONATAL Professor: Jamile Daltro Pereira Código: SAU57 Carga horária: 80h Preceptoria: 20h

Leia mais

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 6

AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 6 AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE AULA 6 REDE MÃE PARANAENSE - RMP É um conjunto de ações que envolve: A captação precoce da gestante; Acompanhamento pré-natal com no mínimo 7 consultas; Realização de exames;

Leia mais

HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA

HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE HOSPITAL REGIONAL FERNANDO BEZERRA 3º TRIMESTRE

Leia mais

TRABALHOS APROVADOS- MODALIDADE ORAL

TRABALHOS APROVADOS- MODALIDADE ORAL TRABALHOS APROVADOS- MODALIDADE TÍTULO 01 AULAS PRÁTICAS EM SAÚDE MENTAL: RELATO DA EXPERIÊNCIA DE ESTUDANTES DE 02 ESTUDO MICROBIOLÓGICO DA EFICÁCIA DE TRÊS MÉTODOS DE DEGERMAÇÃO CIRÚRGICA DAS MÃOS UTILIZANDO

Leia mais

Preencher com a data limite de validade da senha concedida pela Petrobras para a internação. 7 Data de emissão da guia

Preencher com a data limite de validade da senha concedida pela Petrobras para a internação. 7 Data de emissão da guia GUIA DE RESUMO DE INTERNAÇÃO Número do Nome do campo Observação campo 1 Registro ANS Nas guias em papel impressas pela Petrobras ou Petrobras Distribuidora e nas guias disponibilizadas no site da Petrobras,

Leia mais

Patologias Obstétricas

Patologias Obstétricas Patologias Obstétricas Do 1º Trimestre: HIPERÊMESE GRAVÍDICA É um quadro patológico constituído por vômitos intensos. Ocorre: nos primeiros 3 meses. Incidência: É mais comum em primigestas. Causas: Físicas

Leia mais

(*)Portaria n.º 569/GM, de 1 de junho de 2000

(*)Portaria n.º 569/GM, de 1 de junho de 2000 (*)Portaria n.º 569/GM, de 1 de junho de 2000 Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando que o acesso das gestantes e recém-nascidos a atendimento digno e de qualidade

Leia mais

ANAIS DO 1º WORKSHOP DE BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE MEDICINA ( ISSN )

ANAIS DO 1º WORKSHOP DE BOAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO CURSO DE MEDICINA ( ISSN ) ENSINO DE NEONATOLOGIA PARA ALUNOS DO QUARTO ANO DE : UMA PRÁTICA DE ATENCÃO ESTRUTURADA E DE COMPLEXIDADE CRESCENTE BASEADA NO CONCEITO DE RISCO. Paulo R. Bezerra de Mello*, Paula Ghattas Bunlai*, Vinicius

Leia mais

Quadro síntese dos indicadores para o monitoramento da Atenção Básica

Quadro síntese dos indicadores para o monitoramento da Atenção Básica Quadro síntese dos indicadores para o monitoramento da Atenção Básica Apresentamos os indicadores para o monitoramento da Atenção Básica. Estes indicadores representam a síntese das discussões ocorridas

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE PORTO BELO

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE PORTO BELO CONHECIMENTOS GERAIS (10 QUESTÕES): SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONCURSO PÚBLICO ESF EDITAL Nº 001/2019 ANEXO I PROGRAMA DE PROVA SISTEMA UNICO DE SAÚDE Legislação do SUS Participação da Comunidade e

Leia mais

Serviço de Pediatria e Neonatologia da Clínica Multiperfil, passado, presente e futuro. r p yequenha HTCT,

Serviço de Pediatria e Neonatologia da Clínica Multiperfil, passado, presente e futuro. r p yequenha HTCT, Serviço de Pediatria e Neonatologia da Clínica Multiperfil, passado, presente e futuro r p yequenha rupher.y@gmail.com HTCT, 08.11.17 COORDENAÇÃO Dr Rufino Yequenha Drª Lucília de Carvalho Drª Maria Jardim

Leia mais

Resumos Aprovados para Apresentação de Pôster: Aspectos Clínicos da Deficiência Transversal de Maxila

Resumos Aprovados para Apresentação de Pôster: Aspectos Clínicos da Deficiência Transversal de Maxila Resumos Aprovados para Apresentação de Pôster: Aspectos Clínicos da Deficiência Transversal de Maxila Atenção odontológica em unidade de terapia intensiva: revisão de literatura Atual estágio dos sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM KAROLINE NAST

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM KAROLINE NAST UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM KAROLINE NAST RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES: UNIDADE DE CENTRO OBSTÉTRICO DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE

Leia mais

TRATAMENTO CLÍNICO AMBULATORIAL EM PEDIATRIA - TCAP

TRATAMENTO CLÍNICO AMBULATORIAL EM PEDIATRIA - TCAP PROTOCOLO DE IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE TRATAMENTO CLÍNICO AMBULATORIAL EM PEDIATRIA (TCAP) PELAS FILIADAS DA SBP O objetivo deste documento é auxiliar às filiadas da SBP, na implantação e padronização

Leia mais

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO?

GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? GESTANTES DIABÉTICAS E HIPERTENSAS: QUAIS OS RISCOS PARA O RECÉM-NASCIDO? MEDEIROS, Paola de Oliveira¹; GALHO, Aline Ribeiro¹; BARRETO, Daniela Hormain¹; MARTINS, Mariana dos Santos¹; VIEIRA, Pâmela Cabral¹;

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM CICLO DAS NECESSIDADES DO CUIDADO EM SAÚDE 1 SEMESTRE EIXO CUIDADO COM A SAÚDE DA CRIANÇA MÓDULOS

CURSO DE ENFERMAGEM CICLO DAS NECESSIDADES DO CUIDADO EM SAÚDE 1 SEMESTRE EIXO CUIDADO COM A SAÚDE DA CRIANÇA MÓDULOS CURSO DE ENFERMAGEM CICLO DAS NECESSIDADES DO CUIDADO EM SAÚDE 1 SEMESTRE EIXO CUIDADO COM A SAÚDE DA CRIANÇA Antropológicos na Formação do Enfermeiro I Bases Biológicas do Ser Humano I Crescimento e Desenvolvimento

Leia mais

TRABALHO DE PARTO PREMATURO

TRABALHO DE PARTO PREMATURO MATERNIDADEESCOLA ASSISCHATEAUBRIAND Diretrizes assistenciais TRABALHO DE PARTO PREMATURO MEAC-UFC 1 TRABALHO DE PARTO PREMATURO José Felipe de Santiago Júnior Francisco Edson de Lucena Feitosa 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANO DE PARTO. , conforme a Lei /2005 que garante a presença de um acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós parto.

PLANO DE PARTO. , conforme a Lei /2005 que garante a presença de um acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós parto. PLANO DE PARTO Querida gestante, Gostaríamos de conhecer melhor o que você está pensando ou planejando para o nascimento do seu bebê. Desta forma, indique entre as ideias abaixo aquilo que é importante

Leia mais

PREENCHER E APRESENTAR ASSINADO NA INTERNAÇÃO

PREENCHER E APRESENTAR ASSINADO NA INTERNAÇÃO PREENCHER E APRESENTAR ASSINADO NA INTERNAÇÃO plano de parto Prezada gestante, Gostaríamos de conhecer melhor o que você está pensando ou planejando para o nascimento do seu bebê. Por isso, indique entre

Leia mais

Saúde da Mulher. Prof.ª Hygor Elias

Saúde da Mulher. Prof.ª Hygor Elias Saúde da Mulher Prof.ª Hygor Elias Avaliação pré-concepcional Objetivo do acompanhamento pré-natal é assegurar o desenvolvimento da gestação, permitindo o parto de um recémnascido saudável, sem impacto

Leia mais

PROTOCOLO UNIFORMIZADO DE ENSINOS DE ENFERMAGEM NA VIGILÂNCIA DA GRAVIDEZ DE BAIXO RISCO

PROTOCOLO UNIFORMIZADO DE ENSINOS DE ENFERMAGEM NA VIGILÂNCIA DA GRAVIDEZ DE BAIXO RISCO PROGRAMA DE FORMAÇÃO em SAÚDE MATERNA Atualizações em obstetrícia e neonatologia Janeiro / Fevereiro 2017 Enf. Ângela Neves Enf. Graça Santos Elementos UCF s Saúde Materna e Neonatal OBJECTIVO Uniformizar

Leia mais

DISCIPLINA: ESTÁGIO EM CLÍNICA PEDIÁTRICA-MÓDULO NEONATOLOGIA Coordenadora: Elaine Alvarenga de Almeida Carvalho

DISCIPLINA: ESTÁGIO EM CLÍNICA PEDIÁTRICA-MÓDULO NEONATOLOGIA Coordenadora: Elaine Alvarenga de Almeida Carvalho DISCIPLINA: ESTÁGIO EM CLÍNICA PEDIÁTRICA-MÓDULO NEONATOLOGIA Coordenadora: Elaine Alvarenga de Almeida Carvalho 1 Características Gerais Disciplina obrigatória Cenários de prática: Hospital das Clínicas-

Leia mais